MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO"

Transcrição

1 MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO CENTROS DE USINAGEM Fanuc Série Oi

2 INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho afim de atingir a forma desejada. Deve ser concebido em forma de instruções codificadas ao comando CNC. Estas informações são chamadas PROGRAMA DE USINAGEM. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle Os dados de controle contem informações tais como: funções preparatórias e auxiliares, indexação do magazine, ligam/ desliga refrigeração e etc.

3 Matéria-Prima Desenho Desenho de Usinagem Altere o desenho para o sistema de coordenadas absoluta. Isto é,sistema de coordenada da maquina E Plano de Usinagem Forma de fixação Seleção de Ferramenta Seleção de condição de corte Presset de Ferramenta Criação do processo em papel Transmissão do programa Teste do programa Operação da Máquina Examine um eficiente método de usinagem. Morsa / Dispositivo Fixação interna ou externa Sistema especial de fixação Tipos de Ferramenta de corte Numero de fermentas Tipo de cavaco Determinar RPM Determinar Avanço Determinar Profundidade de Corte Determinar necessidade de refrigeração Montagem em Ordem lógica, presset e zero peça Descrever percurso das ferramentas e movimentos da maquina de acordo com as especificações da maquina. Digitação Cartão PCMCIA RS 232 Compare cada posicionamento com o exibido no comando e compare cada função ativa (M,S,T) com o processo em papel para checar o programa. 1- Pressione o botão PROGRAM CHECK. 2- Opere em modo SINGLE BLOCK. 3- Cancele todas as compensações. 4- Cheque a interferência entre usinagem e placa 5- Após o teste de programa, simular as primeiras peças em vazio. Medir a peça e aplicar a compensação nos corretores se necessário.

4 ESTRUTURA DE PROGRAMA: Programa de usinagem é composto por uma seqüência de blocos escritos um após o outro. Ao escrever um programa, uma sintaxe particular deve ser seguida. Como a estrutura do programa: A. Programa começa com o número de programa. B. Consistem em uma série de blocos - dimensionais e dados não-dimensional, como avanço, velocidade,funções auxiliares e etc. C. Programa termina com código de finalização. Caracteres para o início do programa, precedem o primeiro bloco no programa da peça. Caracteres para o início do programa principal é dada pela letra "O" Para iniciar o programa 1 - O 0001 Para iniciar o programa 2 - O 0002 Início do programa também pode ser chamado como numero do programa. O número de programa é útil em identificação de um programa e chamada de programa. Similar ao programa principal, temos programa de sub-rotina. Programa de subrotina também é chamado de subprograma. Um subprograma pode conter uma seqüência fixa ou freqüentemente repetida. Caráter de início de um subprograma também é dada por "O" Para iniciar o subprograma 1 - O Para iniciar o subprograma 2 - O Código para o final do programa é gravado no último bloco do programa da peça. Código para o fim do programa principal é M02 ou M30. Código de final de subprograma é M99 Um subprograma também pode chamar outro subprograma de até dois níveis. Sub-chamada do programa: Exemplo: M98 P N º numero de Numero do subprograma. Repetição. Subprograma é chamado repetidamente

5 BLOCOS DE PROGRAMA: Blocos de programa contêm dados necessários para executar uma operação. É possível escrever o programa blocos, com ou sem um número de seqüência. O número seqüencial é dado no topo do bloco. É preciso não ser consecutivas. Ele é usado para a conveniência do operador. O número seqüencial é de 4 dígitos. Exemplos: * N0005 G00X20.Z5. ; Programa bloco de escrita com o número de bloco. G00X20.Z5. ; Programa bloco escrito sem número de bloco. Todos os finais dos blocos devem ter caráter final de bloco (;). Se nenhum número do bloco é dado ou mesmo número do bloco é dado a vários blocos, então não pode haver um salto programado ou busca de bloco. PALAVRA Um programa é composto por um número de blocos. Da mesma forma um bloco é composto por um número de palavras. A palavra é composta de um caráter de endereço e uma seqüência de dígitos (caracteres alfanuméricos). Um caráter de endereços é normalmente um alfabeto. X, Z, G, F..... São todos os caracteres de endereço. A seqüência de dígitos pode ser especificada com ou sem sinal e com um ponto decimal. O sinal é escrito entre a letra de endereço e a seqüência de dígitos. O sinal positivo pode ser omitido. Exemplos de Palavras: 1. X - 243, Z 242,127 Seqüência de dígitos Sinal (Se for positivo, pode ser omitido) Endereço. Aqui sinal "+" é omitido

6 FORMATO DO BLOCO A sintaxe seguida para escrever um bloco de programa deve ser o mais simples possível. Um exemplo a seguir mostra a sintaxe do programa que pode ser seguido. Exemplo do bloco: N.. G.. X..Y.. Z.. F.. S.. T.. M.. ; N0015 G00 X20. Z40. F0.3 S500 T1M03; Número N - Endereço do bloco G - Função preparatória X, Z - eixos F - Avanço S - RPM T - Número da Ferramenta M - Função diversa ; - caractere de final de Bloco PULAR BLOCO (BLOCK SKIP): Blocos de programa que não precisam ser executados durante toda execução do programa pode ser ignorada pelo comando inserindo o caractere barra (/) na frente do número de seqüência com interruptor "BLOCK SKIP" na posição "ON". Exemplo: N0055 G00 X50. Z2.; / N0060 G01 Z-2.; / N0065 X40.; / N0070 G00 Z2.; / N0075 X50.;

7 PROGRAMAÇÃO DOS CÓDIGOS G: Os Dados são informados ao sistema CNC na forma de programa de usinagem e é composto por um conjunto de códigos numéricos. Códigos G são um entre esses códigos. Códigos G são também chamados como funções preparatórias. Eles tomam parte ativa na execução de programas e da operação da máquina e são programados pela letra G seguida de dois dígitos como por exemplo: G02. Eles são sempre programados no início do bloco. Eles descrevem o tipo de movimento da máquina, o tipo de interpolação, tipo de dimensionamento, funções relacionadas com tempo e ativar determinadas condições de funcionamento dentro do controle. A ação de códigos G ou é modal ou não modal. Códigos G, uma vez programados, permanecerão ativos até que outro código G do mesmo grupo seja programado, depois é o anterior que fica cancelado, estes são chamados modais. Código G que permanece ativo apenas no bloco em que está programado, é chamado não modal. Códigos G que estão ativos após ligar o comando ou resetar ou M02 ou M30 são chamados Comandos Ativos. Eles não precisam ser programados a menos que sejam substituídos por um código G do mesmo grupo. Descrição de funções M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa, porém apenas um comando M por bloco, caso contrário vai gerar um alarme de duplicidade de comando. Comandos de um mesmo grupo cancelam um ao outro. Assim o último comando M programado cancela o anterior do mesmo grupo. Os comandos a seguir descrevem os comandos M padrão. A possibilidade de executar estes comandos M depende do tipo de máquina

8 e dos acessórios utilizados. M00 Parada Programada Este comando causa uma parada na execução do programa da peça. O fuso principal, o avanço e a refrigeração são desativados. A porta poderá ser aberta através do modo JOG (manual) sem gerar alarme. M01 Parada Opcional Programada M01 funciona como M00, mais somente quando a tecla Opcional Stop estiver ativa, porém o fuso principal e a refrigeração permanecem ligados, podendo ser desativados em modo JOG (manual) sem gerar alarme. M02 Fim de programa Principal Esta função indica o fim do programa na memória do comando. A seqüência não é retornada ao inicio do programa. M03 Fuso principal ativado no sentido horário O fuso será ativado desde que uma velocidade de corte ou de fuso tenha sido programada. É preciso usar M03 para todas as ferramentas de corte a direita. M04 Fuso principal ativado no Sentido anti-horário As mesmas condições descritas em M03 se aplicam para este comando. È preciso usar M04 para todas as ferramentas a esquerda, ou retorno de rosca com macho. M05 Fuso principal desativado O Fuso principal é parado automaticamente. M06 Ativa Troca de ferramenta Habilita a troca de ferramenta do magazine para fuso principal M08 Refrigeração ativada M08 liga o fluido de corte. M09 Refrigeração desativada M09 desliga fluido de corte. M12 Contador de peças Habilita contador de peças no comando cnc e no display (Dispositivo externo) M13 Liga óleo refrigerante + Rotação do Spindle sentido horário Liga simultaneamente coolante + RPM M14 Liga óleo refrigerante + Rotação do Spindle sentido anti-horário Liga simultaneamente coolante + RPM

9 M15 Desliga óleo refrigerante + Rotação do Spindle Desliga simultaneamente coolante + RPM M19 Parada orientada do Fuso Orientação do Spindle sempre na mesma posição, posição fixa para troca de ferramenta definida pelo fabricante M30 fim de programa Fim de programa com retorno ao inicio do mesmo Revisão 1 22/02/2007 M98 Chamada de subprograma Chamada de subprograma com endereço P (número do programa com 4 dígitos) poderá ser usado o comando L (Nº. repetições) M99 Fim de subprograma Finaliza a chamada de subprograma

10 Funções Preparatórias Código Descrição Classificação G00 Posicionamento (avanço rápido) Standard G01 Interpolação linear (avanço de corte) Standard G02 Interpolação circular sentido horário / helicoidal sentido horário Standard G03 Interpolação circular sentido anti-horário / heli. sentido anti-horário Standard G04 Tempo de permanência (tempo de espera) Standard G05 Leitura de Blocos à frente Opcional G07.1 Interpolação Cilíndrica Opcional G09 Parada exata Standard G10 Entrada de dados programável Opcional G11 Cancela entrada de dados programáveis Opcional G15 Cancela coordenadas polar Standard G16 Coordenadas polar Standard G17 Seleção de pano XY Standard G18 Seleção de plano ZX Standard G19 Seleção de plano YZ Standard G20 Coordenadas em polegada Standard G21 Coordenadas em milímetros Standard G27 Verificar retorno do ponto de referencia Standard G28 Retorno para o ponto de referencia Standard G29 Retorno do ponto de referencia Standard G30 Retorno para o 2º,3º e 4º ponto de referencia Opcional G31 Função de salto Opcional G40 Cancelamento da compensação do raio da ferramenta Standard G41 Compensação do raio da ferramenta para esquerda Standard G42 Compensação do raio da ferramenta para direita Standard G43 Compensação de comprimento da ferramenta no sentido positivo Standard G44 Compensação do comprimento da ferramenta no sentido negativo Standard G49 Cancela compensação do comprimento da ferramenta Standard

11 G50 Cancela modo de escala Opcional G51 Modo de escala Opcional G50.1 Cancela modo espelhamento Opcional G51.1 Modo de espelhamento Opcional G52 Sistema de coordenadas local Opcional G53 Sistema de coordenadas da maquina Standard G54 Seleção do primeiro sistema de coordenadas Standard G55 Seleção do segundo sistema de coordenadas Standard G56 Seleção do terceiro sistema de coordenadas Standard G57 Seleção do quarto sistema de coordenadas Standard G58 Seleção do quinto sistema de coordenadas Standard G59 Seleção do sexto sistema de coordenadas Standard G60 Posicionamento em direção única Opcional G61 Modo de parada exata Standard G62 Modo de aceleração de cantos Opcional G63 Modo de rosqueamento com macho rígido Opcional G64 Modo de corte Standard G65 Chamada de macro Opcional G68 Rotação de coordenadas Opcional G69 Cancela rotação de coordenadas Opcional G73 Ciclo de furação pica-pau Standard G74 Modo de rosqueamento com macho rígido esquerdo Standard G80 Cancelamento ciclo de usinagem Standard G81 Ciclo de furação normal Standard G82 Ciclo de furação com tempo de espera no fundo do furo Standard G83 Ciclo de furação pica-pau Standard G84 Ciclo rosqueamento com macho rígido Standard G85 Ciclo de mandrilhamento Standard G86 Ciclo de mandrilhamento Standard G87 Ciclo de mandrilhamento com deslocamento lateral Standard G88 Ciclo de mandrilhamento Standard G89 Ciclo de mandrilhamento Standard G90 Programação em absoluto Standard

12 G91 Programação em incremental Standard G92 Definição de sistema de coordenadas de trabalho Standard G94 Avanço em m/min. Standard G95 Avanço em mm/rot. Standard G98 Retorno ao ponto inicial no ciclo de usinagem Standard G99 Retorno ao ponto R no ciclo de usinagem Standard Funções de Miscelânea Código Descrição Classificação M00 Parada de programa Standard M01 Parada opcional Standard M02 Final de programa Standard M03 Rotação sentido horário Standard M04 Rotação Sentido anti-horário Standard M05 Parada do fuso principal Standard M06 Troca de Ferramenta Standard M08 Liga refrigeração Standard M09 Desliga refrigeração Standard M12 Contador de peças, Adição Standard M13 M3 + M8 Standard M14 M4 + M8 Opcional M15 M5 + M9 Opcional M19 Parada orientada do eixo arvore Standard

13 M28 Cancela modo de rosqueamento rígido Standard M29 Ativa modo de rosqueamento rígido Standard M30 Final de programa Standard M31 Habilita Modo de manutenção do Magazine Standard M32 Desabilita modo de manutenção do Magazine Standard M35 Habilita orientação do fuso Standard M47 Liga jato de refrigeração Opcional M50 Refrigeração através do splinde Opcional M53 Desliga espelho eixo Y Standard M54 Liga espelho eixo Y Standard M55 Desliga espelho eixo X Standard M56 Liga espelho eixo X Standard M60 Troca de Pallet Opcional M61 Troca Pallet A Opcional M62 Troca Pallet B Opcional M79 Abrir porta do magazine Opcional M80 Fechar porta do magazine Opcional M90 Abrir porta automática Opcional M91 Fechar porta automática Opcional M98 Chamada de subprograma Standard M99 Final de subprograma Standard M300 Habilita movimento em G01 sem rotação do splinde Standard M301 Desabilita movimento em G01 sem rotação do splinde Standard M998 Modo de Manutenção Ligado Opcional M999 Modo de Manutenção Desligado Opcional

14 Procedimento para determinar deslocamento do ponto Zero 1- Referencie a maquina 2- Coloque uma ferramenta ou eixo de raio conhecido no eixo - arvore 3- Mova os eixos em manual de tal modo que a ferramenta toque a face A de trabalho; como mostrado no desenho. 4- Anote o valor maquina para o eixo X 5- O zero - peça em X é dado por X-R onde R é o raio da ferramenta 6- Similarmente toque a face B com a ferramenta como mostrado no desenho 7- Anote o valor maquina para o eixo Y

15 8- O zero - peça em Y é dado por Y-R onde R é o raio da ferramenta 9- Para obter o zero peça em Z, toque a ponta da ferramenta na superfície da peça e anote o valor maquinado do eixo Z. Agora o zero peça em Z= Z + comprimento da ferramenta ou Z apenas. Os valores de zero peça de X, Y e Z agora pode ser digitado em qualquer dos planos G54 até G59.

16 1- Pressione a tecla [OFFSET] 2- Pressione [WORK] 2- Mova o cursor para o campo Desejado 3- Digite a posição atual do eixo 4- Pressione [IMPUT] ou pressione [+IMPUT] para que o valor seja somado com o anterior Medição do comprimento da ferramenta Presset 1- Mova a ferramenta em manual até tocar a peça ou uma superfície padrão 2- Pressione [POS] algumas vezes até aparecer [Reative] 3- Digite Z e o indicativo do eixo Z começara a piscar 4- Pressione [ORGIN] e o eixo será ressetado para zero 6- Selecione a ferramenta desejada 7- Mova a ferramenta até encostar na superfície zerada 8- Anote o valor referente ao eixo Z em [Relative] 9- Repetir o procedimento para cada ferramenta e anotar o valor correspondente

17 Agora 1- pressione a tecla [OFFSET] 2- pressione [WORK] 2- mova o cursor para o campo Desejado 3- digite a posição atual do eixo 4- pressione [IMPUT] ou pressione [+IMPUT] para que o valor seja somado com o anterior Velocidade do eixo arvore é indicada em RPM EX: M3 S1000; comando para girar o eixo arvore no sentido horário a 1000 RPM.

18 G00 Posicionamento em avanço rápido O comando G0 movimenta uma ferramenta até o ponto no sistema da peça especificado através de um comando absoluto ou incremental, a uma velocidade de deslocamento rápido. No comando absoluto é programado o valor das coordenadas do ponto final No comando incremental é programada a distância a ser percorrida. G01 Interpolação Linear O comando G01 movimenta a ferramenta até um ponto especificado porém é necessário determinar o avanço deste movimento, especificando através do endereço F (Feed), este avanço pode ser determinado de duas formas

19 utilizando o comando G94 o avanço será realizado em mm/min. e utilizando o comando G95 o avanço será em mm/rot. Exemplo : G94 G01 Z-50. F500 mm/min. G95 G01 Z-50. F0.1 mm/rot. O comando G94 já estará ativo a partir do momento que ligar a máquina. G02 Interpolação Circular sentido horário G03 Interpolação Circular sentido anti-horário O comando G02 e G03 movimenta a ferramenta até um ponto especificado, este tem a função de confeccionar raios, canais internos e externos, roscas através de inserto ou fresa com perfil da rosca, abertura de bolsão, ajuste de diâmetro interpolando com ferramentas em movimento circular etc. Na linha de comando G02 podem ser usados os seguintes comandos X, Y, Z, I, J, K, R, F X, Y, Z = Coordenada final da interpolação I, J, K = Distância do ponto inicial da interpolação para o centro do arco (I=X, J=Y, K=Z)

20 R = Valor do raio da interpolação F = Avanço de usinagem programado Obs.: A distância entre um arco e o centro do circulo que contém esse arco pode ser especificada utilizando-se o raio R circulo, em vez de I, J, K. Neste caso um arco é inferior a 180º, e o outro superior a 180º, quando um arco é superior a 180º é comandado, o raio deve ser especificado com valor negativo. Se X, Y, Z forem omitidos, se o ponto final é localizado n mesma posição que o ponto inicial, e, selecionando-se R é programado um arco de 0º. G02 R... (A ferramenta de corte não se desloca) Resumo.: Semicírculos de arcos menores que 180º o valor de do R deve ser positivo, e arcos maior que 180º deve ser negativo. Se os endereços I, J, K e R forem especificados simultaneamente, o arco definido pelo endereço R tem prioridade e outros são ignorados. Se um eixo for programado fora do plano especificado é emitido um alarme. Por exemplo, se o eixo U é especificado com um eixo paralelo ao eixo X, quando o plano XY é especificado, um alarme P/S (nº 028) é ativado. Quando for especificado um arco tendo um ângulo central aproximado de 180º, as coordenadas do centro que foram calculadas podem conter um erro, neste caso, especificar o centro do arco com I, J, K. O raio pode ser especificado pelo endereço R ou pelos vetores I, J e K onde I distancia do ponto inicial ate o centro do arco em X J distancia do ponto inicial ate o centro do arco em Y K distancia do ponto inicial até o centro do arco em Z Formato da interpolação circular

21 G01/G00 X--- Y--- Z---; para aproximar do ponto inicial. G02/G03 X--- Y--- Z---; ponto final O raio de corte deve ser levado em consideração. G01 X25 Y50 F100 G02 X225 Y50 R100 Ou G01 X225 Y50 F100 G02 X25 Y50 I-100 Se a interpolação circular for feita no plano X-Y, Então G17 será executado. Plano X-Y. G0/G1 X--- Y--- (ponto inicial) G17 G02 (ou G03) X---Y--- I,J ou R (ponto final) Se a interpolação circular for feita no plano X-Z Então G18 será executado. Plano X-Z. G0/G1 X--- Z--- (ponto inicial) G18 G02 (ou G03) X--- Z--- I, K ou R (ponto final) Se a interpolação circular for feita no plano Y-Z Então G18 será executado. Plano Y-Z G0/G1 Y--- Z--- (ponto inicial) G18 G02 (ou G03) Y--- Z--- J, K ou R (ponto final)

22 Nota: Em alguns casos especiais onde de temos de usinar um perfil circular no plano X-Z ou Y-Z num centro de usinagem vertical. Em tais casos um perfil perfeito não pode ser usinado com ferramentas no plano vertical. Portanto, um ângulo diferente é usado no centro de usinagem quando tal caso surja. Comando G17 G18 G19 G02 G03 I J K Descrição seleção do plano XY seleção do plano XZ seleção do planoyz interpolação circular sentido horário interpolação circular sentido anti-horário distancia do ponto inicial do arco no eixo X com sinal distancia do ponto inicial do arco no eixo Y com sinal distância do ponto inicial do arco no eixo Z com sinal R raio do arco (+ para arcos <180º) (- para arcos 360º<0> 180º) Para circulo completo somente I & J deve ser programado. Sinais Distância do ponto inicial para o centro do arco. O centro do arco é especificado pelos endereços I, J & K para os eixos X, Y & Z respectivamente. O valor numérico seguinte I, J & K é um componente do vetor e é sempre especificado como um valor incremental independente de G90 & G91 usado. Se a ferramenta move na direção positiva enquanto vai do inicio para ponto central, então I, J & K será positivo. Se a ferramenta move na direção negativa enquanto vai do inicio para o ponto central, então I, J & K será negativo.

23 Exemplo:

24 G04 Tempo de espera sob endereço Este comando tem objetivo determinar um tempo de espera durante a usinagem ou testes em MDI, existem várias aplicações para este comando. O G04 deve ser usado sempre com um endereço especificado utilizando as letras X ou P Exemplo: Programando um segundo de espera ficará da seguinte forma : G04 X1. G04 P1000 G05.1- Look-ahead Este comando tem a finalidade em ajudar na velocidade de processamento de dados entre CNC e motorização, alguns programas gerados através de software CAM tem seus movimentos feitos ponto a ponto, ou seja, são pequenos movimentos de coordenadas curtas e por ser tão rápido o comando não tem tempo suficiente para mandar as informações programas para motorização, e a máquina começa a apresentar pequenos socos e vibrações. Todos os programas gerados por CAM com usinagem High speed devem contar no inicio do mesmo este comando G5.1 Q1 para habilitar e G5.1 Q0 para desabilitar. Porém antes deste comando colocar os seguintes comandos, na seqüência descrita. G40 G80 G49 G94 G97 G64 G69 G5.1 Q1..

25 G7.1 - Interpolação cilíndrica A distância percorrida em um eixo de rotação (4º eixo) programada por um ângulo, é convertida internamente, uma só vez, em uma distância de um eixo linear ao longo da superfície externa, de forma que a interpolação linear ou circular possa ser executada com outro eixo. Após a interpolação, tal distância é reconvertida na distância percorrida do eixo de rotação. A função de interpolação cilíndrica permite que a lateral de um cilindro seja desenvolvida para programação. Assim programas para usinagem cilíndrica de cames podem ser facilmente criada. G07.1 IPr: Inicia o modo de interpolação cilíndrica (ativa a interpolação cilíndrica).... G07.1 IP0: O modo de interpolação cilíndrica é cancelado. IP: Endereço do eixo de rotação r: Raio do cilindro Especifique G07.1 IP r; e G07.1 IP 0; em blocos separados. É possível ultilizar G107 em vez de G07.1. Utilize o parâmetro (nº 1022) para especificar se o eixo de rotação é o eixo X, Y, Z, ou um eixo paralelo a um desses eixos. Especifique o código G para selecionar um plano par qual o eixo de rotação corresponda ao eixo linear definido. Por exemplo, se o eixo de rotação for um eixo paralelo ao eixo X, G17 terá de especificar um plano X,Y, que é um plano definido pelo eixo de rotação e pelo eixo Y ou por um eixo paralelo ao Y. Somente um eixo de rotação pode ser ajustado para a interpolação cilíndrica, no nosso caso está definido o eixo A.

26 Exemplo de um Programa de Interpolação Cilíndrica O0001(INTERPOLACAO CILINDRICA);... N130 G00 Z100.0 A0; N140 G01 Z0 A0; N150 G07.1 A57299; N160 G01 G42 Z120.0 D01 F250; N170 A30.0; N180 G03 Z90.0 A60.0 R30.0; N190 G01 Z70.0; N200 G02 Z60.0 A70.0 R10.0; N210 G01 A150.0; N220 G02 Z70.0 A190.0 R75.0; N230 G01 Z110.0 A230.0; N240 G03 Z120.0 A270.0 R75.0; N250 G01 A360.0; N260 G40 Z100.0; N270 G07.1 A0; N280 M30;

27 G09 Parada exata A ferramenta é desacelerada no ponto final de um bloco, depois é feita uma verificação da posição de entrada. Assim o próximo bloco é executado. G17, G18, G19 Plano de trabalho

28

29 G20 Sistema de coordenadas em Polegadas Com este comando todo o sistema da máquina irá trabalhar com dimensões em polegadas, Offseting, ponto zero peça, coordenadas programadas etc... G21 Sistema de coordenadas em Milímetros Com este comando todo o sistema da máquina irá trabalhar com dimensões em milímetros, Offseting, ponto zero peça, coordenadas programadas etc. Obs.: O comando G21 já estará ativo quando ligar a máquina. G28 Ponto de referência definido pelo fabricante Este comando é definido pelo fabricante da máquina e configurado conforme necessidade, ele tem a função de movimentar os eixos para o mesmo ponto de referência da máquina, ou seja zero máquina, no caso de AMS. Para este comando funcionar perfeitamente na mesma linha de programação deve constar o comando G91, então a linha de programa ficaria desta forma. G91 G28 X0 Y0 Z0 G90 Lembrando que para troca de ferramenta necessariamente o eixo Z deve estar posicionado, os demais eixos X, Y, não tem a obrigatoriedade de estarem posicionados, a não ser que seja máquina com troca de palete, neste caso todos os eixos devem estar posicionados. Para algumas máquinas verticais existe uma segunda referência chamada de G30, e tem a mesma função que o comando citado acima, porém existe uma posição de referência para troca de ferramenta G28(ATC) e outra para troca de Pallet G30(APC).

30 G40 Cancela compensação do raio da ferramenta Este comando cancela a compensação do raio da ferramenta, quando utilizado os comandos G41 e G42, é obrigatório este cancelamento, caso contrário a máquina se portará de forma estranha quanto às coordenadas, pois todos os movimentos executados serão compensados o raio ferramenta podendo ter coordenadas falsas. G41 Compensação do raio da ferramenta à esquerda G42 Compensação do raio da ferramenta à direita Estes comandos compensam o raio da ferramenta descrito na tabela de geometria de ferramentas da tecla OFS/SET tabela Raio.

31 Se a ferramenta estiver (vista na direção do avanço) à esquerda do contorno a ser trabalhado, será preciso programar G41. Para calcular um raio, o parâmetro D, que representa o raio de corte no registro de compensação, precisa ser programado e chamado com G41, por exemplo: G41 D... Não é permitida a troca direta de G41 para G42 e vice-versa, antes é preciso cancelar com G40. É preciso selecioná-los em conjunto com G00 ou G01. Se a ferramenta estiver (vista na direção do avanço) à direita do contorno a ser trabalhado, será preciso programar G42. Para calcular um raio, o parâmetro D, que representa o raio de corte no registro de compensação, precisa ser programado e chamado com G42, por exemplo: G42 D... Percursos da ferramenta na execução de programa com compensação do raio de corte ativada percurso da ferramenta programado. percurso da ferramenta em avanço real.

32 Em arcos sempre há a aproximação á tangente do ponto de inicio ou de término. Os percursos de aproximação e afastamento do contorno precisam ser maiores que o raio R da ferramenta. Caso contrário, o programa será interrompido com um alarme percurso de ferramenta programado percurso de ferramenta em avanço real Em arcos, sempre há aproximação a tangente do pontode inicio ou de termino. Se os elementos do contorno forem menores do que o raio R de corte, poderão ocorrer violações de contorno. O software calcula três blocos antecipadamente para identificar essas violações de contorno e interrompe o programa com um alarme.

33 Interpolação circular usando compensação do raio de corte: Diâmetro do furo: 22 mm Diâmetro requerido: 24,5mm Ferramenta usada: 16 mm fresa de topo Velocidade de Corte: 50m/min. Avanço: 0.10mm/seg. G0 G90 G94 G55 X0 Y0 M7 G43 Z5 H10 M3 S1000 G0 Z-16 G1 G42 Y12.25 H10 F100 G02 X0 Y12.25 I0 J G1 G40 X0Y0 H10 G91 G28 Z0 G90 M30

34 Interpolação Circular no plano XZ Ferramenta: Fresa Esférica 16 mm G0 G90 G94 G55 X12 Y0 M7 G43 Z5 H1 M3 S1000 G18 G1 Z0 F100 G03 X0 Y0 R12 G1 X-1 G17 G91 G28 Z0 G90 M30 Interpolação Circular no plano YZ Ferramenta: Fresa Esférica 16 mm G0 G90 G94 G55 X0 Y-12 M7 G43 Z5 H1 M3 S1000 G1 Z0 F100 G19 G02 X0 Y0 R12 G1 Y1 G17 G91 G28 Z0 G90 M30

35 G15, G16 - Sistema de coordenadas Polar O valor do ponto final da coordenada pode ser colocado como coordenada polar ex.: raio e ângulo usando este comando. O raio é especificado no primeiro eixo do plano selecionado e o ângulo é especificado no segundo eixo do plano selecionado. Se G17 for selecionado, o raio será especificado no X e ângulo no Y. Formato G00 G16 Seleção modo de coordenada polar

36 G43 Compensação do comprimento da ferramenta positiva G44 Compensação do comprimento da ferramenta negativa Para a máquina é sempre levado em consideração a face do nariz do fuso principal, portanto é preciso definir qual o comprimento exato da ferramenta que esta sendo utilizada assim a máquina compensará este valor para posicionamento correto da ferramenta, para usinagem. G49 Cancela compensação do comprimento da ferramenta Este comando tem a função de cancelar a compensação do comprimento da ferramenta, porém alguns cuidados devem ser levados em conta. Se este comando for executado via MDI automaticamente a máquina se posicionará na posição, ou seja, na coordenada sem a compensação do comprimento, então se digitar G49 sem pedir movimento do eixo Z mesmo assim o eixo se moverá para positivo ou negativo dependendo de qual comando estiver ativo G43 ou G44 descompensado assim o comprimento. G50 Cancela o fator de escala G51 Fator de escala Formato: N... G50 N... G51 X... Y... Z... I... J... K...

37 Com G51, todos os dados de posição são calculados em uma escala, ate G50 cancelar a seleção da escala. X, Y e Z definem um ponto base P. Todos os valores são calculados a partir desse ponto. Com I, J e K para cada eixo, é possivel definir um fator de escala (1/1000). Quando diferentes fatores de escala são definidos para os eixos, o contorno fica distocido. Movimentações circulares não podem ficar distorcidas; caso contrário, ocorrerá um alarme.

38 G50.1 Desabilita Função Espelho G51.1 Habilita Função Espelho Espelhamento de um contorno Com a programação de uma escala negativa, o Contorno é espelhado ao redor do ponto base P. Com a programação I-1000, todas as posições X são espelhadas ao redor do plano YZ. Com a programação de J-1000, todas as posições são espelhadas ao redor do plano ZX.

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Prof. Isaac N. L. Silva Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica - PUCRS CNC O que são Tipos e Aplicações Fabricantes O que são Controle Numérico

Leia mais

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi Programação de Centro de Usinagem - CNC SENAI- SP, 2002 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Roberto Simonsen do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Coordenação Dionisio Pretel Laur Scalzaretto

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO V100 Página deixada em branco Intencionalmente pág.2 ÍNDICE Índice 1 - OPERAÇÃO MÁQUINA... 7 1.1 - INICIALIZAÇÃO... 7 1.2 - BUSCA DE REFERÊNCIA... 9 1.3. MODO MANUAL... 11 1.3.1 JOG... 11 1.3.2 MODO INCREMENTAL...

Leia mais

Fresadora CNC (denford)

Fresadora CNC (denford) Fresadora CNC (denford) Máquinas à Comando Numérico 08/01/09 - Prof. J. Gregório do Nascimento - 1 Teclado Tutor RESET apaga mensagem de alarme. Reposiciona o programa para iniciar no modo de Editor. ALFA/NUMÉRICO

Leia mais

5. Programação EDE5-0612-003

5. Programação EDE5-0612-003 5.Programação 5.1 Introdução de programa Máquinas CN são aquelas que usinam peças operando servo-motor, válvula solenóide, etc. com computador. Para operar o computador livremente, é necessário usar uma

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

Treinamento e Aplicação

Treinamento e Aplicação MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE GERAL: 1 Ligar a máquina. 1.1 Desligar a máquina 1.2 Referencia 2 Descrição do teclado. 2.1 Funções dos botões 2.2 Páginas de trabalho 3 - Handle (manivela). 3.1 marcadores de

Leia mais

USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO)

USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO) Prof.: Daniel

Leia mais

2. Painel de Operação

2. Painel de Operação 2. Painel de Operação 2.1 Introdução O painel de operação consiste das 4 partes abaixo; 2.1.1 Parte LCD/ NC 2.1.2 Parte do Teclado (parte UNIDADE MDI) 2.1.3 Parte do painel de controle da máquina 2.1.4

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA).

MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA). MANUAL DE OPERAÇÃO INDICE GERAL: 1 - LIGAR MAQUIMA. 1.1 REFERÊNCIAR MAQUINA. 1.2 DESLIGAR MÁQUINA. 2 DESCRIÇÃO DO TECLADO. 3 - HANDLE (MANIVELA). 4 - PONTO ZERO PEÇA. 5 - PRESSET DE FERRAMENTA. 6 - EDIÇÃO

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno CNC Programação Torno Módulo III Aula 02 Funções auxiliares As funções auxiliares formam um grupo de funções que servem para complementar as informações transmitidas ao comando através das funções preparatórias

Leia mais

Informações jurídicas

Informações jurídicas Fundamentos da programação 1 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/828d/802d sl Comandos de deslocamento 2 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/ 828D/802D sl Manual de programação Comandos de deslocamento

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis.

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis. 11 - MACRO B 11. MACRO B A função MACRO B é utilizada quando se deseja trabalhar na programação de peças complexas, famílias de peças e outras funções especiais tais como operações aritméticas, desvios

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico A U A UL LA Fresando com CNC A sigla CNC significa comando numérico computadorizado e refere-se a máquinas-ferramenta comandadas por computadores. A primeira máquina-ferramenta controlada por computador

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

Parte 3 do torneamento: Programação. (dialeto ISO) SINUMERIK. SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO)

Parte 3 do torneamento: Programação. (dialeto ISO) SINUMERIK. SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) SINUMERIK SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) Fundamentos da programação 1 Três modos de códigos G 2 Comandos de curso 3 Comandos

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

Manual de Programação Torno CNC Mach 3

Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC-SP Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Coordenadoria de Mecânica de Precisão Disciplina de CNC Comando Numérico Computadorizado Sumário 1 Introdução 5 11 Equipamento

Leia mais

Introdução ao Controle Numérico

Introdução ao Controle Numérico Introdução ao Controle Numérico Prof. João Paulo P. Marcicano; e-mail: marcican@usp.br Introdução O controle numérico (CN) é um método de controle dos movimentos de máquinas pela interpretação direta de

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 1 Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 Trabalho organizado pela escola SENAI Mariano Ferraz do Departamento Regional do SENAI-SP Revisão 10 / 05 / 06 Equipe responsável Coordenação Geral Adelmo

Leia mais

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

CNC 8055 M. Solução de erros. Ref. 1310

CNC 8055 M. Solução de erros. Ref. 1310 CNC 8055 M Solução de erros Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de recuperação de dados ou traduzir-se

Leia mais

Parte 2 Programação Manual de Centro de Usinagem CNC

Parte 2 Programação Manual de Centro de Usinagem CNC Parte 2 Programação Manual de Centro de Usinagem CNC revisão 6 45 Parte 2 Programação manual de centro de usinagem CNC 2.1 - Introdução Este capítulo tem por finalidade apresentar os conceitos fundamentais

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03

MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03 MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03 PÁGINA DEIXADA EM BRANCO INTENCIONALMENTE ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 - INICIALIZAÇÃO 2 - MODO DE REFERENCIAMENTO 3 - MODO MANUAL 4 - DIRETÓRIOS - MANIPULAÇÃO

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

CNC 8055 T. Solução de erros. Ref.1507

CNC 8055 T. Solução de erros. Ref.1507 CNC 8055 T Solução de erros Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de recuperação de dados ou traduzir-se

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas www.gildemeister.com DMG tecnologia e inovação Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET Gerenciamento de Ferramentas 02 I 03 DMG MICROSET 04 I 08 Equipamento de Ajuste Vertical 09

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 MC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Página deixada intencionalmente em branco

Página deixada intencionalmente em branco Operação Torno 1 Página deixada intencionalmente em branco 2 1 - Operação Máquina... 5 1.1 - Inicialização... 5 1.2 - Busca de Referência.... 8 1.2.1 - Busca através de micros de referência.... 8 1.2.2

Leia mais

Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

Fresagem Parte 1: Operação SINUMERIK. SINUMERIK 808D Fresagem Parte 1: Operação. Prefácio. Introdução. Ligar, aproximação do ponto de referência

Fresagem Parte 1: Operação SINUMERIK. SINUMERIK 808D Fresagem Parte 1: Operação. Prefácio. Introdução. Ligar, aproximação do ponto de referência Prefácio Introdução 1 SINUMERIK SINUMERIK 808D Manual de programação e de utilização Ligar, aproximação do ponto de referência 2 Configuração 3 Programação da peça 4 Usinagem automática 5 Sistema 6 Backup

Leia mais

Manual de utilização do programa

Manual de utilização do programa PCIToGCode Manual de utilização do programa PCIToGCode O PCITOGCODE é um aplicativo desenvolvido para converter imagem de uma placa de circuito impresso em um arquivo de códigos G. Com o arquivo de códigos

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO ROMI LINHA D - CNC SIEMENS 828D

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO ROMI LINHA D - CNC SIEMENS 828D ROMI MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO ROMI LINHA D - CNC SIEMENS 828D INDÚSTRIAS ROMI S/A DIVISÃO DE COMERCIALIZAÇÃO: Rua Coriolano, 710 Lapa 05047-900 São Paulo - SP - Brasil Fone (11) 3873-3388 Fax (11)

Leia mais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Lição 1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Visão geral do fluxo de trabalho de desenho de quadro estrutural Você pode criar segmentos de caminho e quadros estruturais usando o aplicativo

Leia mais

Coordenadas, eixos e movimento

Coordenadas, eixos e movimento capítulo 1 Coordenadas, eixos e movimento maior parte de um programa é composta das coordenadas dos pontos que se referem às distâncias para os eixos. Junto com as declarações que determinam como a máquina

Leia mais

VTC 30A / 30B. Centros de Furação e Rosqueamento Vertical

VTC 30A / 30B. Centros de Furação e Rosqueamento Vertical VTC 0A / 0B Centros de Furação e Rosqueamento Vertical Rapidez nas operações de furação e rosqueamento com alta precisão e excelente produtividade Os centros de furação e rosqueamento vertical oferecem

Leia mais

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro Programmierunterstützung Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro, o suporte de programação da INDEX O suporte de programação para um trabalho prático O VirtualPro

Leia mais

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type)

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Alta Produção com Excelente Custo Benefício A linha Cincom Evolution da Citizen Apresenta a K16E Processos mais rápido e manuseio

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS

TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS VOLTEIO SOBRE O BARRAMENTO 1.500 mm LARGURA DO BARRAMENTO 1.000 mm DISTÂNCIA ENTRE CENTROS 2.250~6.250 mm FURO DO EIXO ÁRVORE 181 mm (opcional 255 mm) MOTOR

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

Linha Miyano Evolution BNJ

Linha Miyano Evolution BNJ Centro de Torneamento CNC com 2 Fusos, 2 Torres e 1 Eixo- Deslizante Linha Miyano Evolution BNJ As Linhas Evolution & Innovation são o Futuro Quase tudo é possível para as Miyano BNJ - 42 e 51 S3 O movimento

Leia mais

SinuTrain. Manual de fresamento e torneamento para iniciantes SINUMERIK 810D / 840D / 840Di. Documento de treinamento 10/2003 SINUMERIK

SinuTrain. Manual de fresamento e torneamento para iniciantes SINUMERIK 810D / 840D / 840Di. Documento de treinamento 10/2003 SINUMERIK SinuTrain Manual de fresamento e torneamento para iniciantes SINUMERIK 810D / 840D / 840Di Documento de treinamento 10/2003 SINUMERIK 2ª edição revisada de 10/2003 válida a partir da versão de software

Leia mais

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Usinagem 5-Eixos para Moldes Sandro, Vero Software Vero Software está no topo do relatório de fornecedores de CAM da CIMData 2014 Com maior Market Share, crescimento

Leia mais

Treinamento Avançado

Treinamento Avançado Treinamento Avançado PowerMILL Conteúdo PowerMILL Conteúdo Capítulos Número da Página Dia 1 1. Projeção de Usinagem 03 12 2. Editando Percursos 13 30 3. Verificando Colisão 31 36 4. Padrões 37 56 Dia 2

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD INTRODUÇÃO AO AUTOCAD O AUTOCAD é um software que se desenvolveu ao longo dos últimos 30 anos. No início o programa rodava no sistema D.O.S., o que dificultava um pouco seu uso. Com o surgimento do sistema

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM CNC Prof. Nildo Dias dos Santos

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM CNC Prof. Nildo Dias dos Santos Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Ministério da Edu CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA:

Leia mais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V 160C V 160G Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V160C, V160G Compacto, rápido, universal Aumente a produtividade Sistema Forte com máquinas verticais O sistema modular efici- compactas

Leia mais

Introdução ao Pro/ENGINEER

Introdução ao Pro/ENGINEER Introdução ao Pro/ENGINEER Benefícios da Modelagem de Sólidos: Modelos sólidos possuem volumes e cálculos de áreas Você pode obter propriedades de massa diretamente do modelo gerado. Figura 1: Exemplo

Leia mais

Plus - Manual do equipamento

Plus - Manual do equipamento Plus - Manual do equipamento Plus - Manual do equipamento SUMÁRIO 1. CUIDADOS COM O EQUIPAMENTO... 4 2. DESCRIÇÃO... 5 2.1 Dimensões... 5 2.2 Funções e Características... 5 3. INSTALAÇÃO... 6 3.1 Gabarito

Leia mais

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL CENTROS DE USINAGEM VERTICAL Desenho construtivo das máquinas para oferecer Alta Rigidez, Alta Velocidade e Alta Precisão A estrutura da máquina é basicamente em ferro fundido MEEHANITE, estabilizado e

Leia mais

GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1

GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1 GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012 - Todos os direitos Reservados IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia Ltda. não se

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

- PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Programador Digital PD400_01 1

- PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Programador Digital PD400_01 1 - PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO Manual do Programador Digital PD400_01 1 ÍNDICE SECÇÃO PG 1. Apresentação 03 2. Painel de Operação 04 2.1. Interface Touch-screen 04 3. Menu 06 3.1 Senhas

Leia mais

Micro Controladores Programáveis

Micro Controladores Programáveis Micro Controladores Programáveis Transformando energia em soluções Os Micro Controladores Programáveis linha Clic WEG, caracterizam-se pelo seu tamanho compacto, fácil programação e excelente custo-benefício.

Leia mais

* Acesso à programação protegido por senha; * Alimentação: 90 a 240Vca (Fonte chaveada).

* Acesso à programação protegido por senha; * Alimentação: 90 a 240Vca (Fonte chaveada). PROGRAMADOR HORÁRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES MTZ622R - 90~240VCA - P504 VERSÃO.0 ABRIL/202 * Acesso à programação protegido por senha; * Alimentação: 90 a 240Vca (Fonte chaveada). 3.2 DIMENSÕES PLACA IHM:

Leia mais

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico Desenvolvimento Software CLP - Básico Lista de exercícios utilizados nas vídeo aulas e manual de referência das instruções utilizadas em cada aula. Setor de capacitação técnica Branqs Automação Santos

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

Cronômetro Digital Modelo 365535. Guia do Usuário

Cronômetro Digital Modelo 365535. Guia do Usuário Cronômetro Digital Modelo 365535 Guia do Usuário Instruções Introdução Você está prestes a desfrutar de um avançado cronômetro digital de quartzo profissional com memória avançada cumulativa e de voltas,

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1. Ciclos de Torno ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.2 - Ciclo Fixo de Desbaste... 15 1.2.1 - Desbaste simples...

Leia mais

ROMI MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO LINHA CENTUR CNC SIEMENS 828D

ROMI MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO LINHA CENTUR CNC SIEMENS 828D ROMI MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO LINHA CENTUR CNC SIEMENS 828D U04944A INDÚSTRIAS ROMI S/A DIVISÃO DE COMERCIALIZAÇÃO: Rua Coriolano, 710 Lapa 05047-900 São Paulo - SP - Brasil Fone (11) 3873-3388

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO AO AutoCAD 2011

1 - INTRODUÇÃO AO AutoCAD 2011 1 - INTRODUÇÃO AO AutoCAD 2011 1.1- INTRODUÇÃO Este capítulo tem como objetivo principal familiarizar o usuário com a interface do AutoCAD 2011, isto é, a forma com a qual o usuário se comunica com o software

Leia mais

Guia do Operador CAPÍTULO 1 NOTAS GERAIS. S14112B Guia do Operador / Romi Linha Galaxy 15 1

Guia do Operador CAPÍTULO 1 NOTAS GERAIS. S14112B Guia do Operador / Romi Linha Galaxy 15 1 CAPÍTULO 1 NOTAS GERAIS S14112B Guia do Operador / Romi Linha Galaxy 15 1 1.1. PÚBLICO ALVO DO GUIA DO OPERADOR Guia do Operador Instruções para: Operação da Máquina Público Alvo: Gerentes Homens de Set-up

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

Manual do Sistema de Navegação bluenav

Manual do Sistema de Navegação bluenav Manual do Sistema de Navegação bluenav sumário 1 Avisos e Informação de Segurança...7 2 Preparação para o uso...9 2.1 Menu Navegação... 10 2.2 Botões e outros controles na tela... 11 2.2.1 Usando teclados...

Leia mais

Usinagem de Produção. Edgecam é o único sistema CAM que você precisa.

Usinagem de Produção. Edgecam é o único sistema CAM que você precisa. Usinagem de Produção Edgecam é o único sistema CAM que você precisa. Manufatura auxiliada por computador Apesar dos avanços da tecnologia de manufatura, a programação manual de uma moderna máquina de usinagem

Leia mais

Manual de Instruções. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Manual de Instruções. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Registrador Cartográfico de Ponto Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis Código Postal 83.322-010 Pinhais - Paraná - Brasil Fone: +55 41 3661-0100 Manual

Leia mais

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 1 INDICE 1. Instalação do Software...3 2. Tela Inicial...3 3. Criando arquivo de configurações (Alt + C + C)...4 3.1 Sensores

Leia mais

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador

Relógio comparador. Como vocês podem perceber, o programa de. Um problema. O relógio comparador A U A UL LA Relógio comparador Um problema Como vocês podem perceber, o programa de qualidade da empresa envolve todo o pessoal. Na busca constante de melhoria, são necessários instrumentos de controle

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície.

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície. Coladeiras de bordas Centros de usinagem CNC Serras para painéis verticais Seccionadoras Manipulação de material Usinagem CNC completa em formato compacto EVOLUTION 7403 7405 É única. A EVOLUTION 7405

Leia mais

Adquirindo prática para manipular o Mouse e o Teclado

Adquirindo prática para manipular o Mouse e o Teclado Capítulo 2 Adquirindo prática para manipular o Mouse e o Teclado 2.1 Adquirindo prática para manipular o Mouse e o Teclado Não há como manipular o computador sem ter noções de como lidar com o Mouse o

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06 LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 2823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 Atualizado em 13/11/06 MANUAL DE PROGRAMAÇÃO DO MÓDULO GUARITA HCS 2005 - Versão 4.04 Bem vindo ao guia rápido

Leia mais

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo:

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: UNIDADE 1: CONFIGURAÇÃO O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: Pc12.lnk, ao ser clicado, Para iniciar um projeto, utilize a barra de ferramentas abaixo: Clique

Leia mais

SINUMERIK. SINUMERIK 802D sl T/M. Máquina Manual Plus, Torneamento. Prefácio. Descrição 1. Interface de software 2

SINUMERIK. SINUMERIK 802D sl T/M. Máquina Manual Plus, Torneamento. Prefácio. Descrição 1. Interface de software 2 Prefácio SINUMERIK SINUMERIK 802D sl SINUMERIK SINUMERIK 802D sl Manual de programação e de utilização Descrição 1 Interface de software 2 Ligação, aproximação do ponto de referência 3 Preparação 4 Usinagem

Leia mais