Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca"

Transcrição

1 Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina fresadora. Vamos considerar que a peça já se apresenta desbastada e somente se pretende fazer o acabamento do contorno. Para facilitar, não será tido em conta o raio da ferramenta. A ferramenta terá o seu eixo de rotação paralelo ao eixo Z e a altura, livre de qualquer contacto com a peça Zmov=1, o ponto para aproximação ao contorno (-9,-15). A velocidade de avanço é de 6 mm/min, a velocidade d de corte 18 rpm e a trajectória sobre o contorno, inicia-se no zero peça e desenvolve-se no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio. CFAC: Exemplos de Programas de CNC 2 JST/JOF 1

2 1º Exemplo R25 R3 Z= Zmov=1. Zprof=-5. Multivistas da peça Tabela e esquema P P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P Centro1 (9,7) Centro2 (25,45) P5 Centro1 7 P7 Centro2 P4 Origem Peça P3 P1=P8 P2 P=Ponto para aproximação ao contorno (-9,-15) P9=Ponto para afastamento do contorno CFAC: Exemplos de Programas de CNC 3 1º Exemplo Programa com o contorno em coordenadas absolutas: :22 N1 S18 N2 G9 G17 N3 G Z1. N N5 G1 Z-5. F6 M3 N6.. N7 3. N N9 4. N G I. J3. N11 G1 25. N12 G I. J-25. N13 G1. N N15 G Z1. M5 N16 M3 : Endereço para o número do programa; N1 Define a velocidade de rotação da árvore; N2 Coord. em abs. e o plano para interpolação; N3 Movimento rápido para Z=1; N4 Movimento rápido para =-9 e =-15; N5 Mov. de interpolação linear para Z=-5 à velocidade de 6mm/min e liga a árvore no sentido retrógrado; N6...N9 Mov. interp. linear (quando não há alteração duma coordenada não é necessário designá-la); N Mov. de interp. circular no sentido retrógrado; N11 Mov. de interpolação linear; N12 Mov. de interp. circular no sentido directo; N13 e N14 Mov. de interpolação linear; N15 Mov. rápido para Z=1 e paragem da árvore; N16 Fim do programa. CFAC: Exemplos de Programas de CNC 4 JST/JOF 2

3 1º Exemplo Programa com o contorno em coordenadas relativas: :23 N1 S18 N2 G9 G17 N3 G Z1. N N5 G91 N6 G1 Z-15. F6 M3 N N8 3. N N 3. N11 G I. J3. N12 G1-35. N13 G I. J-25. N14 G1-45. N N16 G Z15. M5 N17 G9 M3 Somatórios de e iguais a, já que volta ao mesmo ponto. = = = = (G17 Plano de interpolação ) (1º mov. deve ser em coord. absolutas) (deve-se garantir, e Z em absoluto) P7 P6 Centro2 P5 Centro1 CFAC: Exemplos de Programas de CNC 5 P P1=P8 P2 P3 P4 2º Exemplo Considere-se um caso semelhante ao anterior a menos de ser necessário repetir o contorno seis vezes. Neste caso, vai-se utilizar uma estrutura de programação com utilização de subprogramas, pelo que o contorno será definido em coordenadas relativas e em subprograma, de modo a que a sua localização li se torne dependente d da posição em que a ferramenta é deixada antes de cada chamada. Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende definir os contornos (saliências), numa máquina fresadora. Considera-se que a peça já se apresenta desbastada e somente se pretende fazer o acabamento. Será tido em conta o raio da ferramenta através da função de correcção automática. A ferramenta terá o seu eixo de rotação paralelo ao eixo Z e a altura, livre de qualquer contacto da ferramenta com a peça ou qualquer dispositivo da sua fixação à mesa da máquina, será Zmov=15. Considera- se também, uma posição para afundamento (Zprof=-6) da ferramenta, como sendo (-8,-6) relativamente ao canto de início do contorno (ponto A). A velocidade de avanço é de 6 mm/min, a velocidade de corte 18 rpm e a trajectória inicia-se no canto A do contorno e desenvolve-se no sentido horário. É também considerado que o contorno é executado, cortando a ferramenta 1mm de profundidade em cada passagem, obrigando deste modo que seja repetido para cada saliência 6 vezes. CFAC: Exemplos de Programas de CNC 6 JST/JOF 3

4 2º Exemplo (-13,4) (,) R8 (-13,-41) 6 8 A R CFAC: Exemplos de Programas de CNC 7 2º Exemplo Programa, constituído por dois subprogramas (8 e 12): :1 N1 G9 G Z15. N2 S18 N M3 N4 M98 P12 L3 N5 G N6 M98 P12 L3 N7 M5 N8 M3 :12 N1 G91 G 4. N2 G9 G1 Z. F6 N3 M98 P8 L6 N4 G9 G Z15. N5 M99 :8 N1 G91 G1 Z-1. N2 G D1 (ponto A) N3 9. N4 G I. J6. N5 G1 6. N6 G I8. J. N7 G1-7. N8-2. N9 G N M99 Em que G41 é correcção automática da ferramenta à esquerda e D1 é o endereço da posição da tabela onde está definido o diâmetro ou o raio da ferramenta. CFAC: Exemplos de Programas de CNC 8 JST/JOF 4

5 2º Exemplo Observações: G41 Correcção automática da ferramenta à esquerda, D1 é o endereço da posição da tabela onde está definido id o diâmetro ou o raio da ferramenta. G4 Anular G41. (-13+4 = 63 = 55+8, -41 = -35-6) M98 Chamada de subprograma Pxx Lx vezes. M99 Fim de subprograma. O subprograma 8 realiza o contorno (uma passagem). Para cada linha de saliências, o subprograma 12 é chamado três vezes para realizar as 3 saliências da linha em questão. O programa começa por realizar a linha superior e depois a linha inferior (sendo a ordem de maquinagem em cada linha da esquerda para a direita). Cada saliência é sujeita a 6 passagens. CFAC: Exemplos de Programas de CNC 9 3º Exemplo Definição de uma trajectória com Z=. para o contorno apresentado, considerando que esta se desenvolve a partir da origem (,), com chamada da correcção automática da ferramenta. A ferramenta coloca-se do lado de fora do contorno e este é seguido no sentido indicado pela seta (sentido horário). CFAC: Exemplos de Programas de CNC 1 JST/JOF 5

6 3º Exemplo R25 85 R CFAC: Exemplos de Programas de CNC 11 3º Exemplo Solução possível: : 1 N1 G92.. Z. 85 N2 G9 G17 G41 G D7 N3 6. N4 45. N5 G I-6. J25. N6 G2 9. I2. J15. N7 G I65. J. N8 G N9 3. N N N12 G4 G.. N13 M3 CFAC: Exemplos de Programas de CNC R25 R (G17 Plano de interpolação. G92 Definição da posição actual como origem. G41 Correcção autom. da ferramenta, valor em D7, à esquerda. G4 Anular G41.) JST/JOF 6

7 4º Exemplo Definição de uma trajectória para ciclos fixos de furação (G81, G82 e G86) pela ordem definida pela numeração, com mudança de ferramenta e respectiva correcção em comprimento. (Veja-se o esquema de cada uma das ferramentas.) Supõe-se que a mudança de ferramenta seja manual e que o posicionamento na origem permita a sua execução sem problemas. CFAC: Exemplos de Programas de CNC 13 4º Exemplo Z -15 Zmovimento H11 = 2mm; Furos de 1 a 6 de Ø1mm G81 H15 = 19mm; Furos de 7 a 1 de Ø2mm G82 H31 = 15mm; Furos de 11 a 13 de Ø95mm G86 CFAC: Exemplos de Programas de CNC 14 JST/JOF 7

8 4º Exemplo Observações: G81/G82/G86 Chamada do ciclo fixo de furação;, coordenadas do centro; R plano de início do contacto da ferramenta com a peça; P temporização (pausa); com: G98 Retorno da ferramenta ao plano de início do ciclo. G99 Retorno da ferramenta ao plano de início do corte. CFAC: Exemplos de Programas de CNC 15 4º Exemplo 3 35 :2 N1 G92.. Z. N2 T11 M6 N3 G9 G46 G Z-15. H11 S3 M3 N4 G99 G Z-33. R-247. F12 N5 55. N6 G N7 G N8 55. N9 G N G.. M5 N11 G46 Z. T15 M6 N12 G43 Z-15. H15 S4 M (G92 Posição actual como origem. T11 Selecção da ferramenta. M6 Mudança da ferramenta. G46 Aumentar a correcção da ferramenta. Hxx Corrector da ferramenta xx. G43 Compensação do comprimento da ferramenta.) CFAC: Exemplos de Programas de CNC JST/JOF 8

9 4º Exemplo N13 G99 G Z-33. R-247. P3. F7 N14 G N15 G N16 G N17 G.. M5 N18 G49 Z. T31 M6 N19 G43 Z-15. H31 S5 M3 N2 G99 G Z-25. R-197. P3. F5 N21 G91-2. L2 N22 G9 G.. M5 N23 G49 Z. N24 M3 (G49 Anular G43. L2 Executar 2 vezes. Pxxx Temporização.) CFAC: Exemplos de Programas de CNC º Exemplo Definição de uma trajectória para a geratriz da forma apresentada, considerando que esta se desenvolve do Z maior para o menor, com repetição de parte da trajectória associada a uma mudança de referencial (evita-se assim as coordenadas relativas). No início, supõe-se que a ferramenta se encontra em =2 Z=53. CFAC: Exemplos de Programas de CNC 18 JST/JOF 9

10 5º Exemplo G55 G54 G53 Z (G53, G54, G55 Definição de novas origens.) CFAC: Exemplos de Programas de CNC 19 5º Exemplo Programa em linguagem FAGOR. Na tabela do CNC para os G53 a G59 tem-se de introduzir: + G53. Z34. G54. Z G55. Z. G55 G54 G53 A programação da trajectória teórica será: : N1 G9 G1 F25 N2 G53 (Selecciona o referencial G53) N3 14. Z17. N4 Z15. Z CFAC: Exemplos de Programas de CNC 2 JST/JOF 1

11 5º Exemplo N5 16. Z N6 G3 16. Z9. I. K-2. G55 G54 G53 N7 G2 Z5. I. K-2 2. N8 G1 18. Z3. N9 Z. N N11 G54 (Selecciona o referencial G54) N12 G25 N3..1 (Repetir de N3 ao N uma vez) N13 G55 (Selecciona o referencial G55) N14 G25 N3.9.1 (Repetir de N3 ao N9 uma vez) N15 G 2. Z53. N16 M3 (G25 Salto incondicional de Nxx a Nxx, x vezes.) + Z CFAC: Exemplos de Programas de CNC 21 6º Exemplo Programa, para aplicação Z 5 de rotação e factor de 15 escala, estruturado com subprogramas. 45 Observações: 4.2 G17 Plano de interpolação. G69 Anula rotação. G5 Anula escala. M98 Chamada de subprograma. G51 Define a origem e factor de escala a utilizar. Primeiro o programa vai fazer os triângulos de maior tamanho e depois os menores (escala 3) CFAC: Exemplos de Programas de CNC 22 JST/JOF 11

12 6º Exemplo Programa, para aplicação de rotação e factor de escala, estruturado com subprogramas. : N5 G92.. Z1. (G92 - Posição actual como origem) N8 G17 G69 G5 (G69 - Anula rotação, G5 - Anula escala) N1 G1 Z1. F2 D1 (G68 - Definir uma rotação e o centro N15 M98 P12 respectivo) N18 G9 N2 M98 P11 L7 (M98 - Chamada de subprograma) N25 G69 G51 I. J. P.3 (G51 - Define um factor de escala e N3 M98 P12 o centro respectivo) N34 G9 N35 M98 P11 L7 N4 G69 G5 G.. N45 M3 (G17 - Selecção do plano ) CFAC: Exemplos de Programas de CNC 23 6º Exemplo :11 N3 G9 N5 G68.. G91 R45. N1 G9 M98 P12 N15 M99 (No subprograma 12 é realizado ado o contorno de um triângulo. No subprograma 11 são realizados os restantes 7 triângulos por aplicação de rotações incrementais de 45º. G68 Definição da rotação dados o centro e o ângulo.) :12 N5 G9 G 45.. N1 G1 Z-.5 N15 G41 5. N2 7. N N N35. N4 G4 45. N45 G Z1. N5 M CFAC: Exemplos de Programas de CNC 24 JST/JOF 12

13 7º Exemplo Executar o programa em linguagem CNC/ISO para a seguinte maquinagem (4 passagens de 2 mm cada): 15 R3 6º 7 5 Zmov = Zcorte = -8 Zincrem = -2 FRESAGEM CFAC: Exemplos de Programas de CNC 25 7º Exemplo :5 N5 G92.. Z1. N1 G G4 G9 Z1. N15.. N2 Z. S15 M3 N25 M98 P51 L4 N3 G G4 G9 Z1. M5 N35.. N4 M3 RAIO MA. FRESA PERMITIDO = 3. :51 N 5 G91 G1 Z-2. F6 N1 G9 N15 G D11 N N N N35 G I3. J. N4 G N N N55 G4.. N6 M99 CFAC: Exemplos de Programas de CNC 26 JST/JOF 13

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

Concepção e Fabrico Assistidos por Computador

Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Departamento de Eng. Mecânica e Gestão Industrial Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Teste Escrito 14/01/2008 2007/2008 Duração total: 90 min SEM CONSULTA

Leia mais

Aplicações de Programação CNC/ISO com Microcomputador

Aplicações de Programação CNC/ISO com Microcomputador Aplicações de Programação João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução No contexto da programação CNC seria benéfica a possibilidade de trabalhar com programas que, dentro do possível,

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Prof. Isaac N. L. Silva Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica - PUCRS CNC O que são Tipos e Aplicações Fabricantes O que são Controle Numérico

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

.BOVBMEPVUJMJ[BEPS "MUFSB ÜFTFBNQMJB ÜFT B QBSUJSEF7 .JMM1MVT*5 7ÉMJEPBUÏ 1PSUVHVÐT QU

.BOVBMEPVUJMJ[BEPS MUFSB ÜFTFBNQMJB ÜFT B QBSUJSEF7 .JMM1MVT*5 7ÉMJEPBUÏ 1PSUVHVÐT QU .BOVBMEPVUJMJ[BEPS "MUFSB ÜFTFBNQMJB ÜFT B QBSUJSEF7.JMM1MVT*5 7ÉMJEPBUÏ 7F 7G 7 1PSUVHVÐT QU 579 536-81 MillPlus V600 1 Resumo... 9 1.1 Resumo... 10 V520... 10 V521... 10 V522... 11 2 Informação geral...

Leia mais

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi Programação de Centro de Usinagem - CNC SENAI- SP, 2002 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Roberto Simonsen do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Coordenação Dionisio Pretel Laur Scalzaretto

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao SolidWorks (VI): Elementos de Rotação e de Sweep João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Elemento de Revolução n n n Um elemento de revolução, é criado por rotação de um perfil

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO CENTROS DE USINAGEM Fanuc Série Oi INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno CNC Programação Torno Módulo III Aula 02 Funções auxiliares As funções auxiliares formam um grupo de funções que servem para complementar as informações transmitidas ao comando através das funções preparatórias

Leia mais

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1. Ciclos de Torno ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.2 - Ciclo Fixo de Desbaste... 15 1.2.1 - Desbaste simples...

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico A U A UL LA Fresando com CNC A sigla CNC significa comando numérico computadorizado e refere-se a máquinas-ferramenta comandadas por computadores. A primeira máquina-ferramenta controlada por computador

Leia mais

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis.

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis. 11 - MACRO B 11. MACRO B A função MACRO B é utilizada quando se deseja trabalhar na programação de peças complexas, famílias de peças e outras funções especiais tais como operações aritméticas, desvios

Leia mais

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO V100 Página deixada em branco Intencionalmente pág.2 ÍNDICE Índice 1 - OPERAÇÃO MÁQUINA... 7 1.1 - INICIALIZAÇÃO... 7 1.2 - BUSCA DE REFERÊNCIA... 9 1.3. MODO MANUAL... 11 1.3.1 JOG... 11 1.3.2 MODO INCREMENTAL...

Leia mais

Introdução ao Controle Numérico

Introdução ao Controle Numérico Introdução ao Controle Numérico Prof. João Paulo P. Marcicano; e-mail: marcican@usp.br Introdução O controle numérico (CN) é um método de controle dos movimentos de máquinas pela interpretação direta de

Leia mais

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem A U A UL LA Removendo o cavaco Na aula passada, tratamos das noções gerais sobre a operação de usinagem feita com máquinas fresadoras. Vimos, de modo geral, como se dá a fresagem e aprendemos um pouco

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 1 Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 Trabalho organizado pela escola SENAI Mariano Ferraz do Departamento Regional do SENAI-SP Revisão 10 / 05 / 06 Equipe responsável Coordenação Geral Adelmo

Leia mais

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície.

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície. Coladeiras de bordas Centros de usinagem CNC Serras para painéis verticais Seccionadoras Manipulação de material Usinagem CNC completa em formato compacto EVOLUTION 7403 7405 É única. A EVOLUTION 7405

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia n SolidWorks 2014 Teacher Guide SolidWorks n SolidWorks 2014 Student Workbook SolidWorks

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo

Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo Modelação e Animação de um Motor a quatro tempos de um Aeromodelo Alexandre Wragg Freitas, Soraia Castro Pimenta Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Rua Dr. Roberto Frias, s/n, 4200-465 Porto

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

5. Programação EDE5-0612-003

5. Programação EDE5-0612-003 5.Programação 5.1 Introdução de programa Máquinas CN são aquelas que usinam peças operando servo-motor, válvula solenóide, etc. com computador. Para operar o computador livremente, é necessário usar uma

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

INCOMATOL MÁQUINAS LTDA SOBRE A INCOMATOL

INCOMATOL MÁQUINAS LTDA SOBRE A INCOMATOL FÁBRICA E ESCRITÓRIO Rua José Cardoso da Silva, 300 Centro Rio Bonito RJ Brasil cep 28.800-000 I Cx Postal 112752 T 21 2734.0282 I F 21 2734.0247 www.incomatol.com.br incomatol@incomatol.com.br SOBRE A

Leia mais

Arquitetura de computadores

Arquitetura de computadores computadores Aceitam uma densidade de gravação muito superior que aquela dos meios magnéticos. Os discos ópticos são gravados por feixes laser. Exemplo: Para um disco óptico com capacidade para uma hora

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Introdução ao SolidWorks (VIII): PhotoView 360, Animator, Vistas Explodidas. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao SolidWorks (VIII): PhotoView 360, Animator, Vistas Explodidas. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao SolidWorks (VIII): PhotoView 360, Animator, Vistas Explodidas João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca O que é o PhotoView 360? n Uma aplicação (add-in) que cria imagem realistas

Leia mais

DINÂMICA DE MÁQUINAS

DINÂMICA DE MÁQUINAS DINÂMICA DE MÁQUINAS CAPITULO 2 Momentos de inércia de componentes de máquinas com diferentes geometrias 1. O corpo composto mostrado na figura consiste em uma barra esbelta de 3 kg e uma placa fina de

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos

5. ENGRENAGENS Conceitos Básicos Elementos de Máquinas I Engrenagens Conceitos Básicos 34 5. EGREAGES Conceitos Básicos 5.1 Tipos de Engrenagens Engrenagens Cilíndricas Retas: Possuem dentes paralelos ao eixo de rotação da engrenagem.

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC Linha KSDX Solução em processamento CNC Automatize a produção de sua empresa Instalada em Tubarão, SC, a KEEL atua na fabricação de equipamentos para Corte, Solda e Sistemas (CNC). Fundada em 2002, a empresa

Leia mais

Manual de utilização do programa

Manual de utilização do programa PCIToGCode Manual de utilização do programa PCIToGCode O PCITOGCODE é um aplicativo desenvolvido para converter imagem de uma placa de circuito impresso em um arquivo de códigos G. Com o arquivo de códigos

Leia mais

Guia de implantação de máquinas Nesting BIESSE

Guia de implantação de máquinas Nesting BIESSE Guia de implantação de máquinas Nesting BIESSE Neste guia, vamos simular todos passos de uma implantação do plug-in de uma máquina Nesting da BIESSE. Como exemplo configuraremos o plug-in de uma Rover

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia 1. Apresentar os esquemas de medição das dimensões a, b e c indicadas na figura 1 (desenhar as testeiras, orelhas e pé do paquímetro

Leia mais

SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA RM 53 ORIENTAÇÕES SOBRE DECLARAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO EM METROLOGIA DIMENSIONAL PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REVISÃO: 04 ABR/2015 SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade.

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade. TORNO MECÂNICO É uma máquina-ferramenta muito versátil porque, além das operações de torneamento, pode executar operações que normalmente são feitas por outras máquinas como a furadeira, a fresadora e

Leia mais

Apresentação PowerPoint. Optimização e Integração de métodos de produção. Bruno Lameiro 2005/2006

Apresentação PowerPoint. Optimização e Integração de métodos de produção. Bruno Lameiro 2005/2006 Apresentação PowerPoint Optimização e Integração de métodos de produção Bruno Lameiro 2005/2006 NOTA: Imprimir a cores 1 Texto a preto Títulos informativos do conteúdo no slide Texto a azul Texto para

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

com construção de "Features"

com construção de Features FURAÇÃO e fresagem 2,5D com construção de "Features" de furação e fresagem 2,5D. Rápido, seguro e TOTALMENTE automatizado Construção de "Feature" Perfuração e fresagem 2,5D Leitura de dados, reconhecimento

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Informações jurídicas

Informações jurídicas Fundamentos da programação 1 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/828d/802d sl Comandos de deslocamento 2 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/ 828D/802D sl Manual de programação Comandos de deslocamento

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA

CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA REGRAS E REGULAMENTO ANEXO Revisão 2011 Ponto 1 do Método de Aplicação e Listagem de Ferramentas Lisboa, 23 de julho de 2013 CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 MC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Parte 2 Programação Manual de Centro de Usinagem CNC

Parte 2 Programação Manual de Centro de Usinagem CNC Parte 2 Programação Manual de Centro de Usinagem CNC revisão 6 45 Parte 2 Programação manual de centro de usinagem CNC 2.1 - Introdução Este capítulo tem por finalidade apresentar os conceitos fundamentais

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

Missão. Valores. Visão

Missão. Valores. Visão O U T E C N C A empresa A Tecnopampa Indústria de Máquinas Ltda é uma empresa Brasileira sediada em Santa Maria -S que atua na fabricação de máquinas CNC. Pesquisando e desenvolvendo tecnologias próprias

Leia mais

Treinamento e Aplicação

Treinamento e Aplicação MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE GERAL: 1 Ligar a máquina. 1.1 Desligar a máquina 1.2 Referencia 2 Descrição do teclado. 2.1 Funções dos botões 2.2 Páginas de trabalho 3 - Handle (manivela). 3.1 marcadores de

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro Manual de Utilizador CNCVisual Julho de 2006 Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica Autor: Bruno Lameiro Introdução: A existência do manual de utilizador da aplicação CNCVisual tem como objectivo

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 4/5: 11. Cotagem 12. Escala Prof. Víctor O. Gamarra

Leia mais

Catálogo de Máquinas OCCASION MACHINES

Catálogo de Máquinas OCCASION MACHINES Catálogo de Máquinas OCCASION MACHINES 2014/2015 A Empresa A OCCASION MACHINES - IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO - é uma empresa especializada na comercialização de Máquinas Operatrizes em Geral COMPRA e VENDA.

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

Um momento, por favor

Um momento, por favor Um momento, por favor A UU L AL A Outro domingo! Novo passeio de carro. Dessa vez foi o pneu que furou. O pai se esforça, tentando, sem sucesso, girar o parafuso da roda. Um dos filhos então diz: Um momento,

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

FÍSICA - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME - PARÂMETROS SITE: www.sofstica.com.br Responsável: Sebastião Alves da Silva Filho Data: 02.12.

FÍSICA - MOVIMENTO CIRCULAR UNIFORME - PARÂMETROS SITE: www.sofstica.com.br Responsável: Sebastião Alves da Silva Filho Data: 02.12. O MOVIMENTO CIRCULAR Podemos definir movimento circular como todo aquele em que a trajetória percorrida por um móvel corresponde a uma circunferência. Não custa insistir, ainda uma vez, que a circunferência

Leia mais

Coordenadas, eixos e movimento

Coordenadas, eixos e movimento capítulo 1 Coordenadas, eixos e movimento maior parte de um programa é composta das coordenadas dos pontos que se referem às distâncias para os eixos. Junto com as declarações que determinam como a máquina

Leia mais

Parte 5 Operação de Furação

Parte 5 Operação de Furação Parte 5 Operação de Furação revisão 6 152 Parte 5 Operação de furação 5.1 Introdução Na área de usinagem metal-mecânica existem diversas formas de se obter furos em peças. Pode-se destacar os seguintes

Leia mais

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico - 3º Ciclo

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico - 3º Ciclo Proposta de cadeia de tarefas para o 8.º ano - 3.º ciclo Isometrias Autores: Professores das turmas piloto do 8.º ano de escolaridade Ano Lectivo 2009/2010 Outubro de 2010 Isometrias Página 1 Índice Introdução

Leia mais

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA

CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa T3 Física Experimental I - 2007/08 CONSERVAÇÃO DA ENERGIA MECÂNICA 1. Objectivo Verificar a conservação da energia mecânica de

Leia mais

Manual de Programação Torno CNC Mach 3

Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC-SP Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Coordenadoria de Mecânica de Precisão Disciplina de CNC Comando Numérico Computadorizado Sumário 1 Introdução 5 11 Equipamento

Leia mais

Fresando com aparelho divisor

Fresando com aparelho divisor Fresando com aparelho divisor A UU L AL A 46 46 Na aula passada você viu como fresar ranhuras retas do tipo T, trapezoidal e de chaveta. Nesta aula você vai aprender como fresar utilizando o aparelho divisor

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente.

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente. Os programas Domus são divididos em 4 aplicativos para atender às diferentes necessidades das pequenas e médias fábricas de móveis, ou de profissionais que se dedicam somente ao desenvolvimento de projetos

Leia mais

Polias e correias. Polias

Polias e correias. Polias A U A UL LA Polias e correias Introdução Às vezes, pequenos problemas de uma empresa podem ser resolvidos com soluções imediatas, principalmente quando os recursos estão próximos de nós, sem exigir grandes

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Mecânica/Usinagem QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este caderno corresponde

Leia mais

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções ESTE MANUAL CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE MONTAGEM, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E SEGURANÇA REFERENTES AO AFIADOR ELÉTRICO DE BANCADA OREGON 511A. FAVOR LER

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: As correias, juntamente com

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais