PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico"

Transcrição

1 PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1

2 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico de programação e operação de máquinas-operatrizes (Torno) para a usinagem através do torneamento de lotes de peças com dimensões precisas e geometria complexa. Prof. DORIVAL 2

3 TORNO CENTUR 35 III COMANDO MACH 4 ROMI A MÁQUINA À CNC 3

4 A MÁQUINA À CNC CNC - COMANDO NUMÉRICO COMPUTADORIZADO - O QUE É O CNC? Equipamento eletrônico capaz de receber informações codificadas através de entrada própria de dados, compilar estas informações e transmiti-las em forma de comando à máquina-ferramenta de modo que esta, sem a intervenção do operador, realizando as operações de usinagem na sequência programada. LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ISO CÓDIGO G 4

5 A MÁQUINA À CNC PRODUTOS REALIZADOS Características básicas Alta rigidez para suportar elevados esforços de corte e ciclos rápidos de usinagem Grande versatilidade Altíssima precisão Flexibilidade 5

6 A MÁQUINA À CNC VANTAGENS Reduz tempos nos movimentos de posicionamento e afastamento de ferramentas. Produz peças com diferentes formatos. Dispensa ferramentas de corte especiais, gabaritos e dispositivos. Peças mais precisas. Reduz peças refugadas. Reduz custos com controle de qualidade. Maior segurança no planejamento da produção. Reduz necessidade e estoques. Utiliza menor espaço físico. Máquinas menores que as convencionais. Operadores mais seguros e confiantes. Menor fadiga do operador melhor ergonomia e menos esforços no manejo. 6

7 Fuso e porca com esferas recirculantes A MÁQUINA À CNC Características construtivas 7

8 Motor de acionamento dos fusos Motores passo a passo A MÁQUINA E O CNC Características construtivas 8

9 A MÁQUINA E O CNC Características construtivas Motor de acionamento da árvore Motor de corrente alternada Rotações controladas por grade de engrenagens Motor de corrente contínua RPM controladass por tacômetro 9

10 A MÁQUINA E O CNC Características construtivas SISTEMA DE MEDIÇÃO 10

11 Guias e barramentos A MÁQUINA E O CNC Características construtivas Reduzir atritos e desgastes - inércia Auxilia na eliminação de cavacos das guias 11

12 Meios de sujeição/fixação de peças de trabalho A MÁQUINA E O CNC Características construtivas Castanhas mole 12

13 SISTEMAS DE COORDENADAS 13

14 SISTEMAS DE COORDENADAS ORIGEM DAS COORDENADAS 14

15 SISTEMAS DE COORDENADAS 15

16 SISTEMAS DE COORDENADAS ABSOLUTAS = G90 Origem fixa (Zero-peça). Programação do diâmetro do ponto meta e de sua distãncia Z até o zero-peça PARTIDA CHEGADA X O Z Comprimento PTF A X Z A B X Z B C X Z C D X Z D E X Z E F X Z F G X Z G PTF X Z 16

17 SISTEMAS DE COORDENADAS ABSOLUTAS = G90 Origem fixa (Zero-peça). Partida Chegada X0 Z (comprimento) PTF A A B B C C D D E E F F G G PTF 17

18 SISTEMAS DE COORDENADAS ABSOLUTAS = G90 Origem fixa (Zero-peça). Origem 1 Origem 2 Partida Chega da X0 Z (comprime nto) X0 Z (comprime nto) PTF A A B B C C D D E E F F G G H H PTF 18

19 SISTEMAS DE COORDENADAS INCREMENTAIS = G91 Origem é reposicionada ao final de cada trajetória. Programação das distâncias XO e Z a percorrer para atingir o ponto meta. PARTIDA CHEGADA XO Z Comprimento PTF A X Z A B X Z B C X Z C D X Z D E X Z E F X Z F G X Z G PTF X Z 19

20 SISTEMAS DE COORDENADAS INCREMENTAIS = G91 Origem é reposicionada ao final de cada trajetória. Partida Chegada X0 Z (comprimento) PTF A A B B C C D D E E F F G G H H PTF 20

21 SISTEMAS DE COORDENADAS INCREMENTAIS = G91 Origem é reposicionada ao final de cada trajetória. Parti da Chega da X0 Z (comprimento) PTF A A B B C C D D E E F F G G H H I I PTF 21

22 SISTEMAS DE COORDENADAS ABSOLUTAS = G90 Origem fixa (Zero-peça). Partida Chegada X0 Origem 1 Origem 2 Z (comprimento) X0 Z (comprimento) PTF A B C D E F G H I A B C D E F G H I PTF 22

23 SISTEMAS DE COORDENADAS ABSOLUTAS E INCREMENTAIS Partida Chega da Coordenadas Absoluta X Z Coordenadas Incrementais X Z PTF A A B B C C D D E E F F G G H H I I J J K K L L PTF 23

24 FUNÇÕES DE PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES MODAIS : Uma vez programadas e se forem utilizadas nos blocos seguintes, não necessitam de reprogramação. FUNÇÕES NÃO-MODAIS: ~Deverão ser programadas sempre que necessárias, mesmo que seguidamente. TIPOS DE FUNÇÕES FUNÇÕES PREPARATÓRIAS G (O QUE?) FUNÇÕES DE POSICIONAMENTO X E Z (ONDE?) FUNÇÕES AUXILIARES OU COMPLEMENTARES (COMO?) FUNÇÕES MISCELÂNEAS M 24

25 FUNÇÕES MISCELÂNEAS M M0 M30 / M2 M3 M4 M5 M6 M8 M9 M11 M12 PARADA PROGRAMADA DO PROGRAMA FINAL DO PROGRAMA LIGA O EIXO-ÁRVORE NO SENTIDO HORÁRIO LIGA O EIXO-ÁRVORE NO SENTIDO ANTI-HORÁRIO DESLIGA O EIXO-ÁRVORE TROCA DE FERRAMENTA LIGA A BOMBA DE FLUIDO REFRIGERANTE DESLIGA M8 SELECIONA A FAIXA 1 DE ROTAÇÕES SELECIONA A FAIXA 2 DE ROTAÇÕES 25

26 PROCEDIMENTOS PARA A PROGRAMAÇÃO 1. LER E INTERPRETAR O DESENHO 2. DEFINIR FASES DO TORNEAMENTO 3. DEFINIR A FORMA DE FIXAÇÃO 4. DEFINIR A ORIGEM DAS COORDENADAS 5. DEFINIR O PTF 6. DEFINIR AS FERRAMENTAS 7. DEFINIR FUNÇÕES PREPARATÓRIAS 8. REALIZAR O PROGRAMA... 26

27 Ø 84 3 EXEMPLO DE PROGRAMAÇÃO P 01 ; peca A # N10 G99; T01 Desb..1500rpm # N20 T0101 M12 # N30 G0 X0. Z0. M3 # N40 G92 X200. Z180. M8 # N

28 P 01 ; peca A # N10 G99; T01 Desb..1500rpm # N20 T0101 M12 # N30 G0 X0. Z0. M3 # N40 G92 X200. Z180. M8 # N50... Funções de programação Função P: Número do programa Função ; (ponto e vírgula): Início de comentário Função #: End of Block (final de bloco) Funçaõ N; Nº do bloco de programação Função T : Nº da ferramenta Ex.: T Nº da ferramenta Nº do corretor de desvios 28

29 FUNÇÃO PREPARATÓRIAS G99 e G92 29

30 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação linear FUNÇÃO G0 : POSICIONAMENTO LINEAR RÁPIDO (Máximo de avanço da máquina) FUNÇÃO G1 : INTERPOLAÇÃO LINEAR Requer a função auxiliar F ( F = Velocidade de avanço de corte em mm/rotação). Ex.: F.1 = Avanço de 0,1mm/rot 30

31 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação linear Programando utilizando funções G0 e G1 31

32 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação linear 10X45 32

33 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação linear 33

34 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação linear 34

35 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação linear 35

36 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação circular G3 = SENTIDO DE GIRO DA TRAJETÓRIA HORÁRIO G2 = SENTIDO DE GIRO DA TRAJETÓRIA ANTI-HORÁRIO Exemplo de programação: N...G2 X20. Z15. R5.# N...G3 X30. Z25. R10.# 36

37 I FUNÇÕES PREPARATÓRIAS ORIGEM (X0,Z0) Interpolação circular Z(+) I // X CENTRO DO ARCO K // Z K R A A B Exemplo de programação: X(-) N...G2 X20. Z15. I15. K25.# N...G3 X30. Z25. I20. K10.# 37

38 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação circular 38

39 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação circular Adotar PTF X200. Y

40 40

41 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS Interpolação circular Programação utilizando funções G0, G1, G2 e G3. Adotar PTF X 200mm Z 150mm 41

42 42

43 Realizando a programação CNC. 43

44 Exercício de programação 44

45 Realizando a programação CNC. 45

46 Realizando a programação CNC. 46

47 Realizando a programação CNC. Dimensões do material Ø85 X

48 Realizando a programação CNC. 48

49 Realizando a programação CNC. 49

50 Realizando a programação CNC. 50

51 Realizando a programação CNC. 51

52 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS FUNÇÃO G75 CICLO AUTOMÁTICO DE FACEAMENTO K = Profundidade de corte U1 = Retorno angular da ferramenta F = velocidade de avanço em mm / volta N... G0 X... Z... # (aproximação posicionando na 1ª passada ) N... G75 X... Z... K... F... U1# 52

53 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS FUNÇÃO G75 CICLO DE FACEAMENTO E DE CANAIS N... G0 X... Z... # N... G75 X... Z... K... F... # 53

54 C (Ø inicial ou Ø bruto) FUNÇÃO G66 CICLO AUTOMÁTICO DE DESBASTE LONGITUDINAL paralelo ao eixo Z DESBASTE EXTERNO N...G66 X...Z...I...K...W...F...P...U1# Sobremetal de 1mm em X Pré-acabamento paralelo ao perfil em desbaste Subprograma com o contorno do desbaste Sobremetal de 0,1mm em Z Profundidade de corte no Ø 54

55 FUNÇÃO G66 CICLO AUTOMÁTICO DE DESBASTE LONGITUDINAL paralelo ao eixo Z A 2 Z (aproximação = A + 2mm) X (aproximação = Ø do furo 4mm DESBASTE INTERNO 55

56 FUNÇÕES G40 / G41 / G42 FUNÇÕES PREPARATÓRIAS COMPENSAÇÃO DO RAIO DE CORTE DA FERRAMENTA TORNEAMENTO EXTERNO G41 G42 G41 G42 FUNÇÃO L LADO DE CORTE DA FERRAMENTA TORNEAMENTO INTERNO 56

57 I X ØB I ØB X FUNÇÃO G74 CICLO DE TORNEAMENTO DE REBAIXOS Ø da aproximação = ØB - I N... G0 X... Z... # N... G74 X... Z... I... F...U1 # Z da aproximação = A + 2mm I = profundidade de corte no Ø - Ponto da aproximação da ferramenta Z A 2 A 2 Z DESBASTE INTERNO DESBASTE EXTERNO 57

58 FUNÇÃO G74 CICLO DE FURAÇÃO X Ø da aproximação N... G0 X... Z... # N... G74 Z... W... F... # Z da aproximação Z = profundidade do furo W = distância para quebra cavaco W - Ponto da aproximação da ferramenta 58

59 FUNÇÃO G37 CICLO DE ROSCAMENTO AUTOMÁTICO N... G0 X...Z...# (Aproximação da ferramenta) N... G37 X Z K D E L# - Ponto da aproximação da ferramenta h = 0,65 x P K = Passo da rosca D = Profundidade da 1ª passada D = 2h / nº de passes E = Ø da aproximação - ØA L = Nº de repetições da última passada 59

60 P AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS DE CORTE F Área de corte Ŋ = Rendimento (Centur 35 III = 0,75) Parâmetros de corte Vc = Velocidade de corte Ks = Pressão específica de corte F = avanço em mm/volta P = Profundidade de corte Nc = Potência de corte Nc = Ks. F. P. Vc Ŋ 60

61 Tabela auxiliar para cálculo da Nc Potência de corte AVANÇO mm/rot MATERIAL LIMITE DE DUREZA 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 PRESSÃO ESPECÍFICA DE CORTE "Ks" (Kg/mm 2 ) SAE HB SAE HB SAE HB FoFo modular HB FoFo Cinzento HB

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Prof. Isaac N. L. Silva Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica - PUCRS CNC O que são Tipos e Aplicações Fabricantes O que são Controle Numérico

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno CNC Programação Torno Módulo III Aula 02 Funções auxiliares As funções auxiliares formam um grupo de funções que servem para complementar as informações transmitidas ao comando através das funções preparatórias

Leia mais

Introdução ao Controle Numérico

Introdução ao Controle Numérico Introdução ao Controle Numérico Prof. João Paulo P. Marcicano; e-mail: marcican@usp.br Introdução O controle numérico (CN) é um método de controle dos movimentos de máquinas pela interpretação direta de

Leia mais

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi Programação de Centro de Usinagem - CNC SENAI- SP, 2002 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Roberto Simonsen do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Coordenação Dionisio Pretel Laur Scalzaretto

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

Manual de Programação Torno CNC Mach 3

Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Faculdade de Tecnologia de São Paulo FATEC-SP Manual de Programação Torno CNC Mach 3 Coordenadoria de Mecânica de Precisão Disciplina de CNC Comando Numérico Computadorizado Sumário 1 Introdução 5 11 Equipamento

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO CENTROS DE USINAGEM Fanuc Série Oi INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa

Leia mais

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico A U A UL LA Fresando com CNC A sigla CNC significa comando numérico computadorizado e refere-se a máquinas-ferramenta comandadas por computadores. A primeira máquina-ferramenta controlada por computador

Leia mais

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de Programas em CNC. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

PNC - PROCESSOS A COMANDO NUMÉRICO. Material de apoio NOTAS DE AULAS. Prof. DORIVAL 21/julho/2014 1

PNC - PROCESSOS A COMANDO NUMÉRICO. Material de apoio NOTAS DE AULAS. Prof. DORIVAL 21/julho/2014 1 PNC - PROCESSOS A COMANDO NUMÉRICO Material de apoio NOTAS DE AULAS Prof. DORIVAL 21/julho/2014 1 OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico de programação e operação de máquinas-operatrizes

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Introdução às Máquinas CNC s. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização do

Introdução às Máquinas CNC s. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização do Grupo Caet - Divisão de Conteúdos Introdução às Máquinas CNC s. Por Delmonte Friedrich, Msc. Eng. Todos os direitos reservados. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação sem prévia autorização

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 1 Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 Trabalho organizado pela escola SENAI Mariano Ferraz do Departamento Regional do SENAI-SP Revisão 10 / 05 / 06 Equipe responsável Coordenação Geral Adelmo

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

Fresadora CNC (denford)

Fresadora CNC (denford) Fresadora CNC (denford) Máquinas à Comando Numérico 08/01/09 - Prof. J. Gregório do Nascimento - 1 Teclado Tutor RESET apaga mensagem de alarme. Reposiciona o programa para iniciar no modo de Editor. ALFA/NUMÉRICO

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade.

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade. TORNO MECÂNICO É uma máquina-ferramenta muito versátil porque, além das operações de torneamento, pode executar operações que normalmente são feitas por outras máquinas como a furadeira, a fresadora e

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 2. MÁQUINAS CNC...23

Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 2. MÁQUINAS CNC...23 Sumário 1. MÁQUINAS CONVENCIONAIS...06 1.1 Fresadoras Ferramenteiras...07 1.2 Tornos Universais...09 1.2.1 Tornos Leves...09 1.2.2 Tornos Médios...11 1.2.3 Tornos Pesados...13 1.3 Furadeiras Radiais...15

Leia mais

Parte 5 Operação de Furação

Parte 5 Operação de Furação Parte 5 Operação de Furação revisão 6 152 Parte 5 Operação de furação 5.1 Introdução Na área de usinagem metal-mecânica existem diversas formas de se obter furos em peças. Pode-se destacar os seguintes

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Exemplos de. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Exemplos de Programas em CNC João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca 1º Exemplo Trata-se de uma peça paralelepipédica, sobre a qual se pretende realizar o contorno apresentado, numa máquina

Leia mais

As disciplinas de Sistemas CNC garantem ao educando subsídios para o entendimento das técnicas de utilização e programação das máquinas CNC.

As disciplinas de Sistemas CNC garantem ao educando subsídios para o entendimento das técnicas de utilização e programação das máquinas CNC. I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Mecatrônica Industrial Disciplina Sistemas CNC Professor Rogério Campos Semestre / Módulo 5º semestre Período Noturno Módulo 3FM5A Carga Horária Semanal: 4

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS FERRAMENTAS. Apresentação:

INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS FERRAMENTAS. Apresentação: INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DAS MÁQUINAS FERRAMENTAS Apresentação: No desenvolvimento histórico das Máquinas-Ferramentas de usinagem, sempre se procurou soluções que permitissem aumentar a produtividade com qualidade

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Escola SENAI Roberto Mange - Campinas

Escola SENAI Roberto Mange - Campinas Mecatrônica 5 Informações preliminares para a programação de Centros de usinagem Ao término desta unidade você conhecerá os principais fatores envolvidos na criação de um programa. Requisitos necessários

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V 160C V 160G Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V160C, V160G Compacto, rápido, universal Aumente a produtividade Sistema Forte com máquinas verticais O sistema modular efici- compactas

Leia mais

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO V100 Página deixada em branco Intencionalmente pág.2 ÍNDICE Índice 1 - OPERAÇÃO MÁQUINA... 7 1.1 - INICIALIZAÇÃO... 7 1.2 - BUSCA DE REFERÊNCIA... 9 1.3. MODO MANUAL... 11 1.3.1 JOG... 11 1.3.2 MODO INCREMENTAL...

Leia mais

TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS

TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS TORNO CNC TORNO CNC PARA USINAGENS SUPER PESADAS VOLTEIO SOBRE O BARRAMENTO 1.500 mm LARGURA DO BARRAMENTO 1.000 mm DISTÂNCIA ENTRE CENTROS 2.250~6.250 mm FURO DO EIXO ÁRVORE 181 mm (opcional 255 mm) MOTOR

Leia mais

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL

CENTROS DE USINAGEM VERTICAL CENTROS DE USINAGEM VERTICAL Desenho construtivo das máquinas para oferecer Alta Rigidez, Alta Velocidade e Alta Precisão A estrutura da máquina é basicamente em ferro fundido MEEHANITE, estabilizado e

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM CNC Prof. Nildo Dias dos Santos

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM CNC Prof. Nildo Dias dos Santos Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Ministério da Edu CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA DISCIPLINA:

Leia mais

TORNOS CNC. Centur 30D Centur 35D

TORNOS CNC. Centur 30D Centur 35D TORNOS CNC Centur 30D Centur 35D Versatilidade para diversos níveis de aplicação, com produtividade assegurada Os tornos CNC Centur 30D e Centur 35D são máquinas de grande versatilidade para usinagem de

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO)

USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLOGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ USINAGEM AVANÇADA (TORNEAMENTO) Prof.: Daniel

Leia mais

5. Programação EDE5-0612-003

5. Programação EDE5-0612-003 5.Programação 5.1 Introdução de programa Máquinas CN são aquelas que usinam peças operando servo-motor, válvula solenóide, etc. com computador. Para operar o computador livremente, é necessário usar uma

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO

MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO MÁQUINA MULTIFUSO COM MESA ROTATIVA PARA TRABALHO COM BARRA EXTRUDADA OU TUBO A VANTAGEM DE NÃO GIRAR A BARRA As máquinas COMBYBAR permitem trabalhar a barra sem rodá-la oferecendo muitas vantagens, como

Leia mais

Informações jurídicas

Informações jurídicas Fundamentos da programação 1 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/828d/802d sl Comandos de deslocamento 2 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/ 828D/802D sl Manual de programação Comandos de deslocamento

Leia mais

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a ferramenta ou a peça se desloca segundo uma trajetória retilínea,

Leia mais

com construção de "Features"

com construção de Features FURAÇÃO e fresagem 2,5D com construção de "Features" de furação e fresagem 2,5D. Rápido, seguro e TOTALMENTE automatizado Construção de "Feature" Perfuração e fresagem 2,5D Leitura de dados, reconhecimento

Leia mais

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1. Ciclos de Torno ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.2 - Ciclo Fixo de Desbaste... 15 1.2.1 - Desbaste simples...

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

[ significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço. Torno Vertical VT 250 com automação integrada

[ significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço. Torno Vertical VT 250 com automação integrada [ E[M]CONOMY] significa: Made in the Heart of Europe pelo melhor preço Torno Vertical VT 25 com automação integrada EMCO VERTICAL VT 25 O Torno Vertical EMCO VT 25, projetado para usinagens pesadas, é

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

Linha Centur Centur 30D Centur 35D Centur 40

Linha Centur Centur 30D Centur 35D Centur 40 TORNOS CNC Linha Centur Centur 30D Centur 35D Centur 40 Romi: um dos mais reconhecidos fabricantes de Máquinas-Ferramenta do Mercado Fundada em 1930, a Romi é uma empresa que gera soluções inovadoras,

Leia mais

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS

TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS TECNOLOGIA DE CONTROLE NUMÉRICO PROGRAMAÇÃO CNC CICLOS FIXOS Operações de Torneamento Operações de Torneamento Eixos de um Torno CNC Eixos de um Torno CNC Segurança é Fundamental!!! Área de Trabalho de

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL O paquímetro é um instrumento usado para medir dimensões lineares internas, externas e de profundidade. Consiste em uma régua graduada, com encosto fixo, na qual desliza um cursor.

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

1. Controle numérico computadorizado 2. Programação 3. Manufatura auxiliada por computador I. Título.

1. Controle numérico computadorizado 2. Programação 3. Manufatura auxiliada por computador I. Título. 2013 9 Ficha catalográfica Azevedo, Domingos Flávio de Oliveira. 1958 - Linguagem de programação CNC: Torno e centro de usinagem / Domingos Flávio de Oliveira Azevedo. Mogi das Cruzes:, 2013. 164 p. Bibliografia.

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Mecânica/Usinagem QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este caderno corresponde

Leia mais

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type)

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Alta Produção com Excelente Custo Benefício A linha Cincom Evolution da Citizen Apresenta a K16E Processos mais rápido e manuseio

Leia mais

Maquinas para Roscas por Turbilhonamento. Entalhadeiras para Perfis e Chavetas. Laminadoras de Rosca e Estriados LEISTRITZ PRODUKTIONSTECHNIK GMBH

Maquinas para Roscas por Turbilhonamento. Entalhadeiras para Perfis e Chavetas. Laminadoras de Rosca e Estriados LEISTRITZ PRODUKTIONSTECHNIK GMBH LEISTRITZ PRODUKTIONSTECHNIK GMBH Maquinas para Roscas por Turbilhonamento Páginas 2-17 Entalhadeiras para Perfis e Chavetas Páginas 18-21 Laminadoras de Rosca e Estriados Páginas 22-33 LWN 65 Maquinas

Leia mais

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a A UU L AL A Guias Uma senhora solicitou a um serralheiro a colocação de um "box" com porta corrediça no banheiro. Com pouco tempo de uso a porta começou a dar problemas: sempre emperrava no momento de

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas

Máquinas CNC. Quando seu neto contou que havia visto, Um problema. Controle de máquinas A UU L AL A Máquinas CNC Quando seu neto contou que havia visto, numa feira de tecnologia, tornos trabalhando sozinhos, seu Adamastor não acreditou. Riu com pouco caso e mergulhou novamente nas notícias

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás MÁQUINAS-FERRAMENTA Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás Indústrias Romi: Infraestrutura, tecnologia e know-how para a produção de máquinas de grande porte Os setores de geração de

Leia mais

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L The O mundo da serie Grande em Corte fio EDM Linear Em resposta ao aumento de pedidos para fabrico de grandes peças suportadas

Leia mais

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro Programmierunterstützung Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro, o suporte de programação da INDEX O suporte de programação para um trabalho prático O VirtualPro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO (T2) OBJETIVOS

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO (T2) OBJETIVOS DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO (T2) OBJETIVOS Curto Prazo (neste semestre): aprender sobre programação parametrizada Longo Prazo: Desenvolver um sistema para programação CN baseado em features de usinagem.

Leia mais

MANDRILHADORA HORIZONTAL WFT 13 CNC

MANDRILHADORA HORIZONTAL WFT 13 CNC PIVETA MÁQUINAS E FERRAMENTAS (14) 3417-5631 (31) 9514-8261 www.pivetamaqfer.com.br FERMAT Group, a.s. Průmyslová 11 Prague 10 Czech Republic ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS E PROPOSTA DA MÁQUINA MANDRILHADORA

Leia mais

Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento

Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento Conteúdo INTRODUÇAO A PROCESSO DE FABRICAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO A MANDRILHAMENTO... 4 O QUE É MANDRILHAMENTO?... 6 TIPOS DE MANDRILHAMENTO... 6 MANDRILHAMENTO

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto A U A UL LA Ciclo de um produto Um problema Você já percebeu, ao andar pelos corredores de um supermercado, a infinidade de produtos industrializados? Desde alimentos a produtos de limpeza e eletrodomésticos,

Leia mais

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos thinkmotion Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos Os analisadores médicos são elementos fundamentais do setor de diagnósticos médicos. São ferramentas versáteis

Leia mais

VTC 30A / 30B. Centros de Furação e Rosqueamento Vertical

VTC 30A / 30B. Centros de Furação e Rosqueamento Vertical VTC 0A / 0B Centros de Furação e Rosqueamento Vertical Rapidez nas operações de furação e rosqueamento com alta precisão e excelente produtividade Os centros de furação e rosqueamento vertical oferecem

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas TABELA DE ESCOLHA DO TIPO DE FRESA TIPO DE FRESA MATERIAL A SER CORTADO Com geometria de corte N aço com resistência até 80 kg/mm² aço beneficiado até 100 kg/mm² ferro fundido até

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC Linha KSDX Solução em processamento CNC Automatize a produção de sua empresa Instalada em Tubarão, SC, a KEEL atua na fabricação de equipamentos para Corte, Solda e Sistemas (CNC). Fundada em 2002, a empresa

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

Linha Miyano Evolution BNJ

Linha Miyano Evolution BNJ Centro de Torneamento CNC com 2 Fusos, 2 Torres e 1 Eixo- Deslizante Linha Miyano Evolution BNJ As Linhas Evolution & Innovation são o Futuro Quase tudo é possível para as Miyano BNJ - 42 e 51 S3 O movimento

Leia mais

Usinagem de Produção. Edgecam é o único sistema CAM que você precisa.

Usinagem de Produção. Edgecam é o único sistema CAM que você precisa. Usinagem de Produção Edgecam é o único sistema CAM que você precisa. Manufatura auxiliada por computador Apesar dos avanços da tecnologia de manufatura, a programação manual de uma moderna máquina de usinagem

Leia mais

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX TOOLS NEWS Atualiz. 2014.7 B202Z Broca intercambiável Novo quebra-cavaco US Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD Broca intercambiável 4 arestas

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Escovas Cilíndricas As escovas cilíndricas SUISSA são usadas em diversos tipos de máquinas, algumas de suas aplicações são nas varredeiras industriais de pisos, nos equipamentos de

Leia mais

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM Qualidade de um produto Parâmetros geométricos (dimensão, forma, acabamento superficial, etc.), Parâmetros físicos (condutividade elétrica, térmica e magnética, etc.), Parâmetros químicos (resistência

Leia mais