DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)"

Transcrição

1 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO AURÉLIO GARRIDO PRIORE Orientador(es) ANDRÉ LUIS HELLENO Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ 1. Introdução A busca constante em melhorias no processo de desenvolvimento de um produto levou a evolução dos Sistemas CAD na direção do modelamento e manipulação de superfícies complexas, associado às novas exigências funcionais e estéticas no desenvolvimento do produto. Com isso, houve uma grande inserção da representação geométrica através de superfícies complexas. Nesse cenário, a manufatura de superfícies complexas surge como destaque no ciclo de desenvolvimento do produto, uma vez que os processos tradicionais não são capazes de atender os novos requisitos relacionados com o tempo de fabricação e custos, tornando-se assim um fator limitante desse ciclo. Neste sentido, para obter-se a concepção de um produto e o projeto de fabricação, utiliza-se o ciclo CAD/CAM/CNC como base para o desenvolvimento do produto. Inicialmente, o ciclo começa pelo Sistema CAD, onde é realizada a concepção do modelo geométrico do produto e do projeto de fabricação. Posteriormente, utiliza o Sistema CAM para gerar a trajetória da ferramenta de corte e da simulação do processo de manufatura, onde se inclui os parâmetros necessários como: estratégia de corte a ser utilizada, velocidade de corte e de avanço, tipo de ferramenta, tolerâncias. Por último é gerado o programa NC que contem todas as informações necessárias para, com a linguagem da máquina, para fabricar o produto (ERKORKMAZ, 2001; ALTINTAS, 2001). A Figura 1 ilustra as fases do processo de manufatura, ou seja, desde a concepção do produto até a usinagem do mesmo. Dentro da indústria, em especial no desenvolvimento de produto, muitas vezes é necessário obter informações sobre produtos e processos empiricamente. O trabalho das pessoas envolvidas com o problema assemelha-se ao de pesquisadores ou cientistas que precisam projetar experimentos, coletar dados e analisá-los. Experimentos são empregados para resolver problemas de fabricação, decidir entre diferentes processos de manufatura, diferentes conceitos de produto ou entender a influência de determinados fatores.

2 Além disso, esta tarefa torna-se cada vez mais importante na medida em que se intensifica a base tecnológica dos produtos e as exigências governamentais e de clientes, aumentando a necessidade de experimentos durante todas as etapas do ciclo de vida do produto (COLEMAN, 1993). O Planejamento de Experimentos (Design of Experiments - DOE) é uma técnica utilizada para se planejar experimentos, ou seja, para definir quais dados, em que quantidade e em que condições devem ser coletados durante um determinado experimento. É, portanto, uma técnica de extrema importância para a indústria, pois seu emprego permite resultados mais confiáveis economizando dinheiro e tempo. A sua aplicação no desenvolvimento de novos produtos é essencial, uma vez que é necessária maior qualidade e confiabilidade nos resultados e com isso levar a um projeto com desempenho superior em termos de suas características funcionais (COLEMAN, 1993). Dentro da indústria de moldes e matrizes, muitas vezes é necessário obter informações sobre os produtos e os processos envolvidos na fabricação a fim de reduzir tempo e custos. Em função disto, a inserção de planejamento de experimentos no ambiente industrial tem recebido ênfase por melhorar o processo na questão de estratégia utilizada, a qualidade superficial, reduzir o tempo e também melhorar o aproveitamento da matéria-prima. Alguns métodos utilizados em planejamentos são: Análise de Variância (MONTGOMERY & RUNGER, 2003); Experimento com um Único Fator (MONTGOMERY & RUNGER, 2003); Experimento Fatorial com dois Fatores (MONTGOMERY & RUNGER, 2003). Portanto, este controle estatístico do processo entra como papel principal nas decisões do desenvolvimento de produtos, analisando através de experimentos qual o melhor caminho a ser tomado (MONTGOMERY & RUNGER, 2003). 2. Objetivos Este projeto teve por objetivo aplicar a Interpolação Spline como trajetória da ferramenta na manufatura de um corpo de prova representativo para a indústria, verificando seus reais benefícios com relação ao tempo de usinagem, qualidade superficial e precisão geométrica. Para isso, foram determinadas e utilizadas técnicas estatísticas de planejamento de experimentos (DOE - Design of Experiments). 3. Desenvolvimento Para atingir os objetivos propostos, foi feito o aprimoramento de conhecimento sobre o Planejamento de Experimentos. O corpo de prova utilizado em todo o desenvolvimento do projeto seguiu um modelo que melhor representasse as indústrias de moldes e matrizes. Por esse motivo, o corpo de prova teve em sua geometria uma superfície complexa, a fim de atender todas as necessidades do projeto, regiões côncavas e convexas. O material utilizado neste corpo de prova foi o aço P20, com dureza de 30 HRC. A Figura 2 ilustra o corpo de prova com suas respectivas características. Para a realização dos ensaios utilizou-se um centro de usinagem, modelo Discovery 760, fabricado pelas Indústrias ROMI S.A., apresentando as seguintes especificações técnicas: Avanço rápido: mm/min; Rotação máxima: rpm; Máximo avanço programável: mm/min; Comando Siemens 810D configurado especialmente para a utilização de Interpolação Spline. A primeira etapa concluída foi o planejamento de todas as atividades antes de começar a parte prática, ou seja, a manufatura do

3 produto. Então, para realizar o projeto foi utilizada a estratégia de planejamento de experimentos através de dois fatores, que consiste em realizar todo seu processo e analisar dois parâmetros que influenciem o produto final. Os parâmetros analisados foram a tolerância de geração da trajetória da ferramenta utilizando a Interpolação Spline e Interpolação Linear e o método de medição. Para a tolerância Spline e Linear, foi utilizado um corpo de prova e dividido em seis faixas e cada faixa conteve uma tolerância específica. Para que se tenha um melhor desempenho na usinagem com altíssimas velocidades, cujo projeto está inserido, necessitou-se entender e compreender diversos fatores como estratégia de usinagem, ferramenta, tipo de material e parâmetros de usinagem. Tendo em vista isto, foi feito um ensaio prático onde o corpo de prova tinha em sua geometria uma superfície complexa já conhecida. Para efeito de análise, o corpo de prova foi dividido em seis faixas e cada uma contendo uma tolerância específica. Nas quatro primeiras faixas, foi utilizada a Interpolação Spline para representar a trajetória da ferramenta, ou seja, a representação da superfície através de segmentos de curvas com suavização que melhor representa o modelo geométrico. A variação da Tolerância Spline em cada faixa foi de 0,005mm, 0,05mm, 0,5mm e 0,1mm respectivamente. Uma observação que deve ser feita é a respeito do software, pois quando se usa Interpolação Spline para representar uma superfície, automaticamente o sistema possibilita ao programador utilizar uma nova tolerância além da tolerância CAM já utilizada, ou seja, aplicando a Interpolação Spline é possível trabalhar com dois tipos de tolerâncias chamadas tolerância CAM e tolerância Spline. Então, como nas quatro primeiras faixas foi utilizado Interpolação Spline, a tolerância CAM é de 0,005mm pra todas as faixas e somente a tolerância Spline tem variação. Nas duas faixas restantes, foi utilizado Interpolação Linear para representar a trajetória da ferramenta. Esta trajetória por sua vez, como já visto anteriormente, é representada através de segmentos de retas. A variação da Tolerância CAM nessas faixas foram de 0,005mm e 0,05mm, respectivamente e neste caso não há tolerância Spline. Algumas etapas devem ser cumpridas no decorrer da usinagem do produto. Primeiramente foi feito o desbaste, onde a finalidade foi a remoção do maior material possível sem se preocupar com a uniformidade do sobremetal deixado para as operações posteriores. Para esta operação foi utilizada a ferramenta fresa de topo com diâmetro de 12mm. A próxima etapa foi o pré-acabamento, onde se busca a remoção do sobremetal deixado pelo desbaste a fim de aproximar-se da geometria do modelo, obtendo-se um sobremetal mais uniforme para o acabamento, evitando assim esforços desnecessários para as ferramentas posteriores. Por fim, foi feito o acabamento final. Este teve por objetivo atingir a exatidão geométrica, deixando-a uniforme e com o acabamento superficial desejado. Durante a execução das operações de acabamento do corpo de prova foram monitorados os seguintes parâmetros: Tempo de usinagem total e parcial (tempo de cada passe de acabamento) Avanço real em diversos pontos do perfil usinado Estes parâmetros são de extrema importância para a determinação da velocidade de avanço médio da usinagem e da curva de avanço real. Ambos auxiliaram na análise posterior para a determinação das características de cada tipo de interpolação da trajetória da ferramenta. Notou-se que o tempo teórico não é o mesmo do que o tempo prático. Isto se deve á influência dinâmica da máquina, ou seja, o tempo de resposta da máquina considerado pelo software é um tempo ideal com características perfeitas. Porém, sabe-se que na prática há diversos fatores que podem influenciar no desempenho do processo de usinagem, por exemplo temperatura do ambiente, características da máquina, tempo de processamento de dados, qualidade da ferramenta, etc. Portanto, por esse motivo, o tempo real de usinagem sempre será maior do que o tempo gerado pelo software. 4. Resultado e Discussão

4 De acordo com a tabela de tempo, verificou-se que em todos os métodos usados para realizar o acabamento houve um aumento no tempo real comparando com o tempo simulado no software. Este aumento se deve pelo fato das características dinâmicas da máquina influenciar diretamente na velocidade de avanço programada. Para fazer uma análise entre a variação da velocidade ao longo da trajetória e a posição do eixo X, foi preciso gerar um programa onde apenas uma linha de cada faixa fosse gerada. Depois de feito o programa, foi usinado em vazio na máquina para colher os parâmetros R gerado pela mesma, para assim iniciar as análises. Observa-se que apesar da velocidade da Interpolação Linear com tolerância de 0,005 mm variar muito ao longo da superfície, e não conseguir chegar na velocidade programada, com a tolerância de 0,05 mm a velocidade teve um comportamento melhor devido ao aumento da faixa de tolerância para representar aquela superfície. Nota-se também que da região de 80 mm (eixo X) até o final da superfície, a tolerância de 0,05 mm conseguiu chegar à velocidade programada. Analisando as regiões de 25mm, 45mm e 70mm (Figura 3), pode-se observar as variações da velocidade entre as Interpolações Spline. Observando o programa NC, pode-se observar que justamente nos trechos citados a distancia entre os vértices do polígono de controle é muita pequena e por esse motivo, juntamente com a limitação da máquina, a velocidade real cai drasticamente. Essa queda de velocidade está ligada ao fato do tempo de resposta desta específica máquina ser menor, então ao invés de manter a velocidade programada e fazer uma trajetória com paradas bruscas, a máquina diminui a velocidade para suprir a necessidade de ler os blocos do programa mais rapidamente e com isso realizar uma usinagem contínua e suave. Portanto, observando a Figura 3, tira-se a conclusão que a Interpolação Spline conseguiu chegar mais próximo da velocidade programada e em alguns pontos mantê-la constante. Isso indica que o tempo de usinagem também é muito parecido com o tempo simulado no software como visto anteriormente. 5. Considerações Finais Com os dados obtidos nos gráficos de velocidades e na tabela de velocidade, observou-se que a Interpolação Linear não conseguiu manter a velocidade programada ao longo da trajetória. Do mesmo modo, a Interpolação Spline também não conseguiu manter a velocidade programada em toda superfície, porém essa queda só foi observada justamente onde havia junção dos pontos do polígono de controle. E observando o restante da trajetória, pode-se notar que as quatro tolerâncias Spline chegaram á velocidade programada. Conclui-se então, que a Tolerância Spline conseguiu alcançar a velocidade programada e só nas junções das curvas houve uma queda de velocidade. Entre as tolerâncias Spline a que melhor representou, em termos de velocidade real, foi a tolerância de 0,05 mm. Referências Bibliográficas COLEMAN, D. E.; MONTGOMERY, D. C. (1993). A SYSTEMATIC APPROACH TO PLANNING FOR A DESIGNED INDUSTRIAL EXPERIMENT. TECHNOMETRICS, V.35, N.1 ERKORMAZ, K., & ALTINTAS, Y. (2001). HIGH SPEED CNC SYSTEM DESIGN. PARTL: JERK LIMITED TRAJECTORY DENERATION AND QUINTIC SPLINE INTERPOLATION. INTERNATIONAL JOURNAL OF MACHINE TOOLS & MANUFACTURE. MONTGOMERY, D. C., & RUNGER, G. C. (2003). ESTATÍSTICA APLICADA E PROBABILIDADE PARA ENGENHEIROS. RIO DE JANEIRO: LTC EDITORA. Anexos

5

6

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING)

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) 16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) Autor(es) OLIVEIRO LEUTWILER NETO Orientador(es) KLAUS SCHüTZER Apoio Financeiro

Leia mais

Resumo. Abstract 1 INTRODUÇÃO

Resumo. Abstract 1 INTRODUÇÃO Resumo doi: 1.4322/tmm.447 Influência da INTERPOLAÇÃO DA TRAJETÓRIA da ferramenta NO FRESAMENTO a altas velocidades DE SUPERFÍCIES COMPLEXAS Jacson Machado Nunes 1 Jefferson de Oliveira Gomes 2 Guilherme

Leia mais

Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto

Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto Osiel Wrublak (Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR) osielw@yahoo.com.br Luiz Alberto

Leia mais

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro

Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Sua indústria. Seu show. Seu Futuro Usinagem 5-Eixos para Moldes Sandro, Vero Software Vero Software está no topo do relatório de fornecedores de CAM da CIMData 2014 Com maior Market Share, crescimento

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM MODELAMENTO E MANUFATURA DE SÓLIDOS UTILIZANDO SISTEMA CAD/CAM Autor(es) FELIPE ALVES DE OLIVEIRA PERRONI Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais

Tecnologias CAx na Manufatura. Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx na Manufatura Valter Vander de Oliveira Disciplina: Sistemas Industriais Tecnologias CAx Conteúdo: Conceito de tecnologia CAx Evolução das tecnologias CAx Sistemas CAD/CAE/CAPP/CAM/CAI

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO. (Design of Experiments) EM. Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO. (Design of Experiments) EM. Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE (Design of Experiments) EM UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER Experimento Procedimento no qual alterações propositais são

Leia mais

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem A U A UL LA Removendo o cavaco Na aula passada, tratamos das noções gerais sobre a operação de usinagem feita com máquinas fresadoras. Vimos, de modo geral, como se dá a fresagem e aprendemos um pouco

Leia mais

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM Qualidade de um produto Parâmetros geométricos (dimensão, forma, acabamento superficial, etc.), Parâmetros físicos (condutividade elétrica, térmica e magnética, etc.), Parâmetros químicos (resistência

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos 1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos Pontos, eixos e planos são entidades bastante usadas como referências em sistemas CAE/CAE/CAM. Por isso a importância em estudar como definir pontos,

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS TRAJETÓRIAS DE USINAGEM E DA TOLERÂNCIA DE CÁLCULO NO TEMPO REAL DE FRESAMENTO DE FORMAS COMPLEXAS

INFLUÊNCIA DAS TRAJETÓRIAS DE USINAGEM E DA TOLERÂNCIA DE CÁLCULO NO TEMPO REAL DE FRESAMENTO DE FORMAS COMPLEXAS INFLUÊNCIA DAS TRAJETÓRIAS DE USINAGEM E DA TOLERÂNCIA DE CÁLCULO NO TEMPO REAL DE FRESAMENTO DE FORMAS COMPLEXAS Lucas Gomes Camargo, lucascamargoeng@hotmail.com 1 Adriano Fagali de Souza, adriano.fagali@ufsc.br

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Ensino

Leia mais

Ferramentaria & Matrizaria

Ferramentaria & Matrizaria A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA CAD / CAM PARA MELHORIA DE PROCESSO Ferramentaria & Matrizaria NX 7.5 Month 06/11/ 2012 HISTÓRIA DA SIFCO A SIFCO iniciou suas operações em Jundiaí SP no ano de 1958, como resultado

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. /jcarlos j.c.ferreira@ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica

Leia mais

Nas páginas a seguir, oferecemos os principais dados técnicos de nossa linha de produtos.

Nas páginas a seguir, oferecemos os principais dados técnicos de nossa linha de produtos. Catálogo Geral A INDEX fornece mais do que máquinas, fornece soluções. E com este objetivo buscamos a melhoria contínua de nossos produtos e serviços, superando desafios e inovando a cada dia. Com quase

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS

DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS Almir Lima de Carvalho Lucinéia Corrêa dos Santos de Carvalho Marco Antônio Fonseca de Sá Gerson Alves

Leia mais

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial.

Palavras-chave: Capeamento; Concreto; Compressão Axial. INFLUÊNCIA DO MATERIAL DE CAPEAMENTO NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DOS CORPOS-DE-PROVA DE CONCRETO E ARGAMASSAS: COMPARAÇÃO ENTRE ENXOFRE, PASTA DE CIMENTO E PASTA DE GESSO Rodrigo Boesing (1); Rogério A.

Leia mais

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem,

Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, Uma solução completa para programação CNC, totalmente em Português, presente no Brasil desde 2001, com soluções para tornos, centros de usinagem, centros de torneamento e eletro-erosão a fio. Por que GibbsCAM?

Leia mais

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico A U A UL LA Fresando com CNC A sigla CNC significa comando numérico computadorizado e refere-se a máquinas-ferramenta comandadas por computadores. A primeira máquina-ferramenta controlada por computador

Leia mais

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D.

Use a ferramenta Project Geometry geometria dos rasgos interiores. O sketch criado deve conter todos os contornos do modelo 3D. Pretende-se aqui exempl ificar a maquinagem de contornos 2D em PowerMILL A modelação 3D do componente é executada em Autodesk Inventor e depois exportada em formato DXF para o PowerMILL Vamos usar esta

Leia mais

ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO

ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO Lucas Scholz Bandeira Oliveira 1 ; Éd Claudio Bordinassi 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

Palavras-chave: Usinagem de superfícies complexas, Simulação Virtual, Fresamento 5 eixos.

Palavras-chave: Usinagem de superfícies complexas, Simulação Virtual, Fresamento 5 eixos. 5 V CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 14 a 17 de abril de 2009 - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Simulação de máquinas-ferramentas virtuais e sua importância na usinagem de superfícies

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ANÁLISE DA SIMULAÇÃO DE REFRIGERAÇÃO NO PROCESSO DE INJEÇÃO DE TERMOPLÁSTICOS. Carlos Mauricio Sacchelli*, Christian

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D

FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D FORMAÇÃO AVANÇADA DE METROLOGISTAS 3D MÓDULO 2 METROLOGISTA 3D NÍVEL B André Roberto de Sousa Seja como for, a grandiosa Revolução Humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino

Leia mais

MONITORAMENTO DO PROCESSO: ANÁLISE DA RESOLUÇÃO DA VARIÁVEL MONITORADA NO CNC ABERTO

MONITORAMENTO DO PROCESSO: ANÁLISE DA RESOLUÇÃO DA VARIÁVEL MONITORADA NO CNC ABERTO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás MÁQUINAS-FERRAMENTA Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás Indústrias Romi: Infraestrutura, tecnologia e know-how para a produção de máquinas de grande porte Os setores de geração de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA MONITORAR E SIMULAR A MANUFATURA CNC

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA MONITORAR E SIMULAR A MANUFATURA CNC UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA PARA MONITORAR E SIMULAR A MANUFATURA

Leia mais

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA Broca cilíndrica corte direito 100% retificado, HSS-M2 std afiada. 118 º. Tolerância Ø: h8. Concentricidade assegurada. acabamento brilhante. Dureza 63-66 HRc. Construção

Leia mais

Missão do Grupo Direcionar esforços para promoção da saúde, qualidade de vida e bem-estar, disponibilizando ao mercado um portfólio abrangente de soluções, produtos e serviços, desenvolvidos, fabricados

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CAM TURBOMACHINERY MILLING Fatores de mercado... 3 Aplicações especializadas existentes... 4 Uma nova geração de software que proporciona flexibilidade... 4 Operações

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

Cimatron Ferramentarias Usinagem

Cimatron Ferramentarias Usinagem Metalcam Há mais de 20 anos era fundada a empresa original do Grupo CMC de empresas de novas tecnologias. A vocação inovadora sempre esteve presente por meio de pesquisa e ambiente de desenvolvimento de

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

A retificadora centerless inteligente. Simplifique com Smart 10

A retificadora centerless inteligente. Simplifique com Smart 10 A retificadora centerless inteligente. Simplifique com Smart 10 A retificadora centerless inteligente. Simplifique. Com projeto inovador, a retificadora centerless Smart 10 da BONELI é insuperável em performance.

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

Computer Aided Manufacturing. Adaptado de: Donghoon Yang

Computer Aided Manufacturing. Adaptado de: Donghoon Yang Computer Aided Manufacturing Frederico Damasceno Bortoloti Adaptado de: Donghoon Yang CAD : Computer Aided Design A tecnologia que se preocupa com o uso de sistemas de computação para assistir a criação,

Leia mais

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

Nova máquina de blocos de concreto de alto desempenho fornecida à Arábia Saudita

Nova máquina de blocos de concreto de alto desempenho fornecida à Arábia Saudita Quadra, 74130 Contamine sur Arve, França Nova máquina de blocos de concreto de alto desempenho fornecida à Arábia Saudita A empresa Khaleeg sediada em Dammam, fundada em 1992, oferece produtos de concreto

Leia mais

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície.

EVOLUTION 7403 7405. Usinagem CNC completa em formato compacto. oferece uma usinagem completa nos 4 cantos da peça de trabalho e na superfície. Coladeiras de bordas Centros de usinagem CNC Serras para painéis verticais Seccionadoras Manipulação de material Usinagem CNC completa em formato compacto EVOLUTION 7403 7405 É única. A EVOLUTION 7405

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L

Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L Tamanho Grande Corte Fio EDM com controlo LP2WH AQ750L AQ900L AQ1200L AQ1500L The O mundo da serie Grande em Corte fio EDM Linear Em resposta ao aumento de pedidos para fabrico de grandes peças suportadas

Leia mais

Introdução ao Controle Numérico

Introdução ao Controle Numérico Introdução ao Controle Numérico Prof. João Paulo P. Marcicano; e-mail: marcican@usp.br Introdução O controle numérico (CN) é um método de controle dos movimentos de máquinas pela interpretação direta de

Leia mais

VirtualLine. Virtual Machine

VirtualLine. Virtual Machine VirtualLine Virtual Machine VirtualLine - INDEX Virtual Machine A cópia da sua máquina INDEX em um PC O Virtual Machine é um software de simulação para os tornos INDEX com comando Siemens C200-4D.Com ele

Leia mais

Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Leia mais

PLM Software. A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças. Respostas para a indústria.

PLM Software. A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças. Respostas para a indústria. Siemens PLM Software A tecnologia de automação de programação NC mais recente para aumentar a eficiência de manufatura de peças www.siemens.com/nx W h i t e p a p e r A eficiência de usinagem e a produtividade

Leia mais

Missão. Valores. Visão

Missão. Valores. Visão O U T E C N C A empresa A Tecnopampa Indústria de Máquinas Ltda é uma empresa Brasileira sediada em Santa Maria -S que atua na fabricação de máquinas CNC. Pesquisando e desenvolvendo tecnologias próprias

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM ÍNDICE PARA AVALIAÇÃO DINÂMICA DE ESTRATÉGIAS

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

Sistema manual de medição por coordenadas CRYSTA-PLUS M443/M500/M700

Sistema manual de medição por coordenadas CRYSTA-PLUS M443/M500/M700 Máquina de Medir por Coordenadas Sistema manual de medição por coordenadas CRYSTA-PLUS M443/M500/M700 Catálogo E4332-196BR Compacto, econômico e de fácil operação com a mais avançada tecnologia em medição

Leia mais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais

6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 6 Sistemas Terminais e Não-Terminais 1 A fim de poder realizar uma análise mais precisa dos resultados de simulação, é preciso saber classificar o sistema modelado como sendo terminal ou não-terminal.

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno CNC Programação Torno Módulo III Aula 02 Funções auxiliares As funções auxiliares formam um grupo de funções que servem para complementar as informações transmitidas ao comando através das funções preparatórias

Leia mais

Usinagem de Produção. Edgecam é o único sistema CAM que você precisa.

Usinagem de Produção. Edgecam é o único sistema CAM que você precisa. Usinagem de Produção Edgecam é o único sistema CAM que você precisa. Manufatura auxiliada por computador Apesar dos avanços da tecnologia de manufatura, a programação manual de uma moderna máquina de usinagem

Leia mais

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254.

ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. ESTUDO DOS FATORES INFLUENTES NAS MÚLTIPLAS RESPOSTAS MECÂNICAS EM ARAMES SAE 9254. cristie diego pimenta (feg unesp ) pimentadiego@yahoo.com.br Messias Borges Silva (feg unesp ) messias@dequi.eel.usp.br

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5 A Seco Tools tem a reputação de ser um dos líderes mundiais na fabricação e fornecimento de ferramentas de corte de metal duro e equipamentos correlatos. No entanto, a Seco apresenta uma força maior como

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica GERAÇÃO DA TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA DE SUPERFÍCIES COMPLEXAS BASEADA DIRETAMENTE DO MODELO CAD

19 Congresso de Iniciação Científica GERAÇÃO DA TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA DE SUPERFÍCIES COMPLEXAS BASEADA DIRETAMENTE DO MODELO CAD 19 Congresso de Iniciação Científica GERAÇÃO DA TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA DE SUPERFÍCIES COMPLEXAS BASEADA DIRETAMENTE DO MODELO CAD Autor(es) CAMILA CLEMENTE DE BARROS Orientador(es) ANDRÉ

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE AVANÇO NO MONITORAMENTO DE DADOS DO CNC

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE AVANÇO NO MONITORAMENTO DE DADOS DO CNC ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE AVANÇO NO MONITORAMENTO DE DADOS DO CNC Eng. Erik Gustavo Del Conte Universidade Metodista de Piracicaba - SCPM Rodovia Luis Ometto, Km1-13451- 900 Santa Bárbara

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS DO PROCESSO DE INJEÇÃO DE PLÁSTICOS NA TEMPERATURA DO MATERIAL FUNDIDO UTILIZANDO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS Maurício Bagueira de Vasconcellos Azeredo Laboratórios

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER. comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br

FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER. comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA QUANDO E POR QUAIS MOTIVOS ESCOLHER comercial@fvtecnologia.com.br http://www.fvtecnologia.com.br 1 VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO CENTRIFUGADA 1. O que é fundição centrifugada?

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Mecânica/Usinagem QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este caderno corresponde

Leia mais

PLM Software. Os benefícios do NX CAM-SINUMERIK Otimizando a conexão entre o software CAM e os controladores de ferramentas

PLM Software. Os benefícios do NX CAM-SINUMERIK Otimizando a conexão entre o software CAM e os controladores de ferramentas Siemens PLM Software Os benefícios do NX CAM-SINUMERIK Otimizando a conexão entre o software CAM e os controladores de ferramentas www.siemens.com/nx w h i t e p a p e r Para obter o melhor desempenho

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

Perfeitamente integrados para um processo contínuo. cad integration

Perfeitamente integrados para um processo contínuo. cad integration Perfeitamente integrados para um processo contínuo cad integration hypermill no Autodesk Inventor A integração do hypermill no CAD Autodesk Inventor é uma solução confiável que permite você implementar

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE FELIPE GUILHERME STEIN APLICAÇÃO INDUSTRIAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESTUDO DE

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS

ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS ENGENHARIA DE APLICAÇÃO TREINAMENTOS TÉCNICOS 2009 GRUPO SAINT-GOBAIN Tradição, Qualidade, Inovação e Liderança Fundada em 1665 na França, a Saint-Gobain começou como empresa inovadora em fabricação de

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Análise do Produto Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Tendências e requisitos do setor...3 Uma nova abordagem de programação de inspeção de CMM...4 O aplicativo na prática...5

Leia mais

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS

MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS Faculdade de Tecnologia de Sorocaba DEPARTAMENTO DE PROJETOS MECÂNICOS MODELO PARAMETRIZADO APLICADO EM PROJETO DE MÁQUINAS RELATÓRIO FINAL DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Aluno: Ricardo Lorenzati Machado Orientador:

Leia mais

Especificações técnicas das máquinas Alimentos

Especificações técnicas das máquinas Alimentos Especificações técnicas das máquinas Alimentos Máquinas alimentares sãoinovaçãoe revolucionouosde processamento de alimentosalimentos congeladosoucortadosrapidamente, limpo e semcontato com qualquertipo

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Técnicas de Pesquisas Experimentais LUIS HENRIQUE STOCCO MARCIO TENÓRIO SANDRA MARCHI Introdução O Planejamento de Experimentos (Design of Experiments, DoE), técnica utilizada

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK Douglas Luiz Grando 1 ; Valdemir Land 2, Anderson Clayton Rhoden 3 Palavras-chave: Topografia; Geodésia; GPS de Precisão. INTRODUÇÃO Com a evolução das

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Controlador Automático para Escoamentos de Gases

Controlador Automático para Escoamentos de Gases Controlador Automático para Escoamentos de Gases Aluno: Diego Russo Juliano Orientador: Sergio Leal Braga Introdução Medidores e controladores de vazão são peças fundamentais nos principais setores industriais,

Leia mais