Especificações Técnicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especificações Técnicas"

Transcrição

1 Especificações Técnicas TABELA DE ESCOLHA DO TIPO DE FRESA TIPO DE FRESA MATERIAL A SER CORTADO Com geometria de corte N aço com resistência até 80 kg/mm² aço beneficiado até 100 kg/mm² ferro fundido até 180 kg/mm² cobre, ligas quebradiças, ligas de metal leve endurecidas. N Evite: ligas de cobre brandas ligas de zinco ligas de magnésio Com geometria de corte H aço beneficiado até 130 kg/mm² ferro fundido, HB30, acima de 180 kg/mm² H Evite: aços com resistência abaixo de 100 Kg/mm² ligas de cobre quebradiças Com geometria de corte W aço brando até 50 Kg/mm² ligas de cobre brandas ligas de zinco ligas de magnésio W Evite: ligas de alumínio mais duras 69

2 ESCOLHA DA VELOCIDADE DE CORTE - Fresa de Topo - M2 MATERIAL a ser cortado ESCOLHA DO AVANÇO POR DENTE MATERIAL a ser cortado TABELAS DE REFERÊNCIA Velocidade de corte, em Desbaste até a profundidade de 8 mm 5 mm TIPO de fresa Cilíndrica Circulares Tôpo p/ mandril Tôpo com haste Acabamento 1,5 mm AVANÇO em milímetro por dente 0,20 0,17 0,18 0,24 0,26 0,08 0,07 0,06 0,05 0,08 0,06 0,08 0,25 0,12 0,25 0,18 0,25 0,12 0,26 até Ø 6 até Ø 12 acima Ø 12 0,032 0,032 0,025 0,025 0,032 0,012 0,010 0,014 0,045 0,090 0,024 0,025 0,036 0,125 0,039 0,050 CÁLCULO DE ROTAÇÃO DA FRESA CÁLCULO DE VELOCIDADE DO AVANÇO n = Vf = = Z = d = fz = As tabelas para fresamento são apenas orientativas. n = = Vf = d. 3,14 n. d. 3, Z. fz d. 3,14 = rpm = = m Vf = n. Z. fz = m número de rotações da fresa por minuto (rpm). velocidade do avanço, em m. velocidade de corte em, conf. tabela acima. número de dentes da fresa. diâmetro externo da fresa, em mm. avanço por dente em mm, conf. tabela ao lado. Velocidade de Corte e avanço recomendados para ferramentas com perfil constante - Aço M2 Material a ser fresado VC () Avanço (m) Desbaste Acabamento Desbaste Acabamento Aço Baixo Teor de Carbono Aço Beneficiado Ferro Fundido / Bronze Alumínio

3 Velocidades de Corte - M2 (Aço Rápido) e M42 (Aço Rápido com 8% Cobalto) Fresas de Topo Resistência do Material N/mm 2 M2 M42 Avanço por dente (mm) ø3 ø8 ø12 ø20 ø32 >ø50 Aço sem liga ,016 0,05 0,06 0,08 0,09 0,1 Aço para construção ,014 0,045 0,06 0,08 0,09 0,1 Aço para beneficiamento ,014 0,05 0,06 0,08 0,09 0,1 Aço Fundido ,012 0,04 0,05 0,08 0,09 0,1 Aço para cementação ,016 0,05 0,06 0,08 0,09 0,1 Aço Inoxidável / Ferrítico / Martensítico / Austenítico ,012 0,04 0,05 0,06 0,07 0,09 Aço Inoxidável / Austenítico ,014 0,05 0,06 0,07 0,08 0,09 Aço Ferramenta ,012 0,04 0,05 0,08 0,09 0,1 Ligas de Alumínio - cavaco longo ,006 0,014 0,03 0,05 0,08 0,09 Ligas de - cavaco longo ,009 0,015 0,03 0,05 0,07 0,09 Metal Puro / Mole ,008 0,012 0,03 0,04 0,06 0,1 Termoplástico ,008 0,012 0,03 0,04 0,06 0,1 Ferro Fundido Cinzento ( HB) ,022 0,08 0,1 0,16 0,2 0,25 Ferro Fundido Cinzento com liga ( HB) ,014 0,05 0,06 0,08 0,09 0,1 Ferro Fundido Nodular ( HB) ,016 0,05 0,06 0,1 0,12 0,15 Ferro Fundido Maleável ( HB) ,016 0,05 0,06 0,1 0,12 0,15 Ligas de Magnésio ,007 0,013 0,03 0,04 0,06 0,1 Ligas de Titânio - resistência média ,014 0,024 0,05 0,08 0,08 0,1 Liga Básica de Níquel - resistência média ,02 0,048 0,09 0,12 0,09 0,1 Ligas de Alumínio - cavaco curto ,008 0,012 0,03 0,04 0,06 0,1 Ligas de - cavaco curto ,01 0,014 0,03 0,04 0,06 0,09 Ligas de Titânio - resistência alta ,008 0,018 0,04 0,06 0,07 0,08 Ligas Básicas de Níquel - altas temperaturas ,01 0,028 0,06 0,07 0,08 0,09 Ferro Fundido de Alta Dureza ,012 0,04 0,05 0,08 0,09 0,1 Plástico Duro ,008 0,012 0,03 0,04 0,06 0,1 71

4 Velocidades de Corte - Sinterizado (8% Cobalto) Fresas de Topo Resistência do Material N/mm 2 Avanço por dente (mm) ø6 ø8 ø12 ø20 ø32 Aço sem liga ,04 0,05 0,06 0,08 0,1 Aço para construção ,035 0,045 0,06 0,08 0,1 Aço para beneficiamento ,035 0,05 0,06 0,08 0,1 Aço Fundido ,03 0,04 0,05 0,07 0,08 Aço para cementação ,04 0,05 0,06 0,07 0,08 Aço Inoxidável / Ferrítico / Martensítico / Austenítico ,035 0,05 0,06 0,08 0,1 Aço Ferramenta ,03 0,04 0,05 0,07 0,08 Ligas de Alumínio - cavaco longo ,02 0,03 0,05 0,08 0,1 Ligas de - cavaco longo ,014 0,019 0,04 0,06 0,08 Metal Puro / Mole ,02 0,03 0,05 0,08 0,1 Termoplástico ,02 0,03 0,04 0,08 0,09 Ferro Fundido Cinzento ( HB) 63 0,06 0,07 0,1 0,14 0,16 Ferro Fundido Cinzento com liga ( HB) 42 0,035 0,05 0,06 0,08 0,1 Ferro Fundido Nodular ( HB) 42 0,04 0,05 0,06 0,08 0,1 Ferro Fundido Maleável ( HB) 63 0,04 0,05 0,06 0,08 0,1 Ligas de Magnésio ,02 0,03 0,04 0,08 0,09 Ligas de Titânio - resistência média ,016 0,024 0,05 0,08 0,09 Liga Básica de Níquel - resistência média ,036 0,048 0,09 0,09 0,12 Ligas de Alumínio - cavaco curto ,02 0,03 0,04 0,08 0,1 Ligas de - cavaco curto ,012 0,014 0,03 0,06 0,07 Ligas de Titânio - resistência alta ,01 0,018 0,03 0,06 0,07 Ligas Básicas de Níquel - altas temperaturas ,021 0,028 0,05 0,06 0,07 Ferro Fundido de Alta Dureza ,03 0,04 0,05 0,08 0,08 Plástico Duro ,02 0,03 0,04 0,08 0,09 72

5 Velocidades de Corte - Metal duro Fresas de Topo Resistência do Material N/mm 2 Avanço por dente mm ø2-4 ø5-10 ø11-16 > ø16 Aço sem liga ,032 0,05 0,08 0,12 Aço para construção ,025 0,04 0,07 0,08 Aço para beneficiamento ,025 0,04 0,07 0,08 Aço Fundido ,02 0,036 0,07 0,08 Aço para cementação ,025 0,04 0,07 0,08 Aço Inoxidável / Ferrítico / Martensítico / Austenítico ,012 0,02 0,04 0,05 Aço Ferramenta ,014 0,022 0,04 0,07 Ligas de Alumínio - cavaco longo ,032 0,05 0,08 0,12 Ligas de - cavaco longo ,02 0,036 0,07 0,1 Metal Puro / Mole ,02 0,036 0,07 0,1 Termoplástico ,03 0,04 0,1 0,12 Ferro Fundido Cinzento ( HB) 160 0,032 0,05 0,08 0,12 Ferro Fundido Cinzento com liga ( HB) 110 0,025 0,04 0,07 0,08 Ferro Fundido Nodular ( HB) 110 0,02 0,04 0,07 0,1 Ferro Fundido Maleável ( HB) 90 0,025 0,05 0,08 0,12 Ligas de Magnésio ,032 0,05 0,08 0,12 Ligas de Titânio - resistência média ,014 0,025 0,04 0,07 Liga Básica de Níquel - resistência média ,01 0,02 0,04 0,05 Ligas de Alumínio - cavaco curto ,032 0,05 0,08 0,12 Ligas de - cavaco curto ,02 0,036 0,07 0,1 Ligas de Titânio - resistência alta ,01 0,02 0,04 0,05 Ligas Básicas de Níquel - altas temperaturas ,01 0,02 0,03 0,04 Ferro Fundido de Alta Dureza ,01 0,02 0,04 0,05 Plástico Duro ,02 0,04 0,08 0,1 73

6 Velocidades de Corte - M2 (Aço Rápido) e K5 (Aço Rápido 5% Cobalto) Alargadores para máquina Avanço por volta (mm) M2 K5 ø2,5 ø5,0 ø10,0 ø16 ø25 ø40 ø50 ø80 Aço sem liga ,08 0,14 0,2 0,28 0,32 0,4 0,5 0,63 Aço para construção ,06 0,14 0,2 0,28 0,32 0,4 0,5 0,63 Aço para beneficiamento ,05 0,14 0,2 0,28 0,32 0,4 0,5 0,63 Aço para cementação ,04 0,07 0,12 0,16 0,25 0,36 0,4 0,56 Aço Fundido ,06 0,14 0,2 0,28 0,32 0,4 0,5 0,63 Aço Inoxidável / Ferrítico / Martensítico / Austenítico ,04 0,07 0,12 0,16 0,25 0,36 0,4 0,56 Aço Ferramenta ,045 0,09 0,18 0,28 0,36 0,4 0,56 Ferro Fundido Cinzento - até 200 HB ,1 0,18 0,28 0,36 0,45 0,56 0,8 1,2 Ferro Fundido Cinzento - acima 200 HB ,08 0,12 0,18 0,25 0,33 0,4 0,56 Ligas de - cavaco longo ,1 0,15 0,32 0,36 0,45 0,5 0,63 Ligas de - cavaco curto ,12 0,2 0,25 0,3 0,36 0,5 0,6 1 Ligas de e Bronze ,12 0,32 0,4 0,45 0,56 0,63 1 Ligas de - Ms ,12 0,32 0,4 0,45 0,56 0,63 1 Ligas de Alumínio - cavaco longo ,08 0,15 0,25 0,32 0,36 0,45 0,5 0,63 Ligas de Alumínio - cavaco curto ,08 0,15 0,25 0,32 0,36 0,45 0,5 0,63 Ligas de Magnésio ,1 0,18 0,25 0,3 0,32 0,36 0,4 0,56 Ligas de Titânio - resistência média ,04 0,08 0,16 0,2 0,25 0,32 0,36 0,45 Plástico ,12 0,25 0,32 0,36 0,45 0,5 0,6 0,8 Plástico Duro ,1 0,2 0,25 0,32 0,4 0,5 0,6 0,8 74

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA Broca cilíndrica corte direito 100% retificado, HSS-M2 std afiada. 118 º. Tolerância Ø: h8. Concentricidade assegurada. acabamento brilhante. Dureza 63-66 HRc. Construção

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

informações técnicas

informações técnicas informações técnicas www.tdc-tools.com.br brocas helicoidais em metal duro brocas helicoidais em metal duro sem cobertura din 338 ref mcd 001 velocidade de corte (vc)para broca metal duro - base din 338

Leia mais

Código Sumiko Diâmetro (D1) Comp. Útil (L2) Comp. Total (L1) Haste (D2) FR 2C MD H4 - D FR 2C MD H4 - D

Código Sumiko Diâmetro (D1) Comp. Útil (L2) Comp. Total (L1) Haste (D2) FR 2C MD H4 - D FR 2C MD H4 - D FRESAS DE TOPO RETO - METAL DURO - 2 CORTES MICRO DIÂMETRO / LONG NECK FR 2C MD H4 - D02 0.2 0.4 50 4 FR 2C MD H4 - D03 0.3 0.6 50 4 FR 2C MD H4 - D04 0.4 0.8 50 4 FR 2C MD H4 - D05 0.5 1.0 50 4 FR 2C

Leia mais

Pontas montadas 203 203

Pontas montadas 203 203 iamant- und CBN-Werkzeuge 205 Pontas montadas Índice Máquinas Índice Página Informações gerais 3 O caminho rápido para a ferramenta adequada 4-5 Instruções para pedido 6 Pontas dureza M Pontas cilíndricas

Leia mais

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem A U A UL LA Removendo o cavaco Na aula passada, tratamos das noções gerais sobre a operação de usinagem feita com máquinas fresadoras. Vimos, de modo geral, como se dá a fresagem e aprendemos um pouco

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

CÁLCULO DOS PARÂMETROS DE CORTE CÁLCULO DE VELOCIDADE DO AVANÇO

CÁLCULO DOS PARÂMETROS DE CORTE CÁLCULO DE VELOCIDADE DO AVANÇO CÁLCULO DOS n = 0 x Vc d x 3, = Velocidade de corte Vc = n x d x 3, 0 = m/min CÁLCULO DE VELOCIDADE DO AVANÇO Vf = 0 x Vc x Z x fz d x 3, = /min Vf = n x Z x fz = /min Onde: n: número de rotações da fresa

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX TOOLS NEWS Atualiz. 2014.7 B202Z Broca intercambiável Novo quebra-cavaco US Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD Broca intercambiável 4 arestas

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a ferramenta ou a peça se desloca segundo uma trajetória retilínea,

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1 MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG Folheto N º 1 STD OSG MACHOS MÁQUINA ALTA PERFORMANCE Macho Ponta Helicoidal (POT) DIN 371 250/4 Métrica Grossa 6H rápido 280/4 Unificada Grossa UNC 2B 281/4 Unificada

Leia mais

FURAÇÃO E ESCAREAMENTO. Prof. Fernando 1

FURAÇÃO E ESCAREAMENTO. Prof. Fernando 1 FURAÇÃO E ESCAREAMENTO Prof. Fernando 1 Processo de usinagem onde movimento de corte é principal rotativo, e o movimento de avanço é na direção do eixo Furadeira a arco egípcia de 1.000 A.C. Prof. Fernando

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Fresamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

Pastilha a 90 de 4 arestas com aplicação em rampa

Pastilha a 90 de 4 arestas com aplicação em rampa 1/10 Pastilha a 90 de 4 arestas com licação em rampa 2/10 A Taegutec lançou uma nova pastilha compacta de duas faces e 4 arestas de corte - 4NKT 06 para fresas tipo topo, facear e modular. A pastilha a

Leia mais

Machos Laminadores. Métrico. The Right Tool at the Right Time

Machos Laminadores. Métrico. The Right Tool at the Right Time Rua do Manifesto, 221 - Ipiranga - São aulo Fone: + (11) 2271-3211 The Right Tool at the Right Time Machos Laminadores Métrico Rua do Manifesto, 221 - Ipiranga - São aulo Fone: + (11) 2271-3211 Características

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

NHD - Broca Inteiriça de Metal Duro Melhorada

NHD - Broca Inteiriça de Metal Duro Melhorada 1/12 NHD - Melhorada 2/12 PONTO-CHAVE A TaeguTec tem o prazer de apresentar a sua nova broca inteiriça de metal duro, a NHD, que é uma melhoria das atuais brocas SHD e SHO, proporcionando um excepcional

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento

Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento Classes recomendadas para pastilhas de fresamento Material a ser usinado Aço (Aço carbon, liga de aço) Aço inoxidável (Aço inoxidável,

Leia mais

EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Operação de Furação

EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Operação de Furação UNIFEI EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Operação de Furação Constituição e tipos de furadeiras Aula 15 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Furadeira Vertical de Piso (Vertical Drill machine)

Leia mais

Precisas, confiáveis, econômicas

Precisas, confiáveis, econômicas Manual do produto Roscas _ ROSCAS COM WALTER PROTOTYP Precisas, confiáveis, econômicas ÍNDICE Roscas 2 Índice 4 Introdução geral ao tema 8 Resumo do programa 9 Rosqueamento 12 Laminação de roscas 13 Fresamento

Leia mais

Parte 5 Operação de Furação

Parte 5 Operação de Furação Parte 5 Operação de Furação revisão 6 152 Parte 5 Operação de furação 5.1 Introdução Na área de usinagem metal-mecânica existem diversas formas de se obter furos em peças. Pode-se destacar os seguintes

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES 1 FERRITES Os ferrites são produzidos com óxido de ferro, cobalto, níquel, manganês e zinco. Após misturados são prensados de acordo com o perfil desejado. É sinterizado

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

Novembro /8. Alta Produtividade com as Cabeças Intercambiáveis de Furação para Grandes Diâmetros

Novembro /8. Alta Produtividade com as Cabeças Intercambiáveis de Furação para Grandes Diâmetros 1/8 Alta Produtividade com as Cabeças Intercambiáveis de Furação para Grandes Diâmetros 2/8 Alta Produtividade com as Cabeças Intercambiáveis de Furação para Grandes Diâmetros A TaeguTec lançou uma nova

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

EFEITO DE VARIÁVEIS DE PROCESSO NA ALTAS VELOCIDADES DE CORTE (HSM). silvio.bauco@sandvik.com

EFEITO DE VARIÁVEIS DE PROCESSO NA ALTAS VELOCIDADES DE CORTE (HSM). silvio.bauco@sandvik.com EFEITO DE VARIÁVEIS DE PROCESSO NA TOPOGRAFIA DE SUPERFÍCIES USINADAS EM ALTAS VELOCIDADES DE CORTE (HSM). silvio.bauco@sandvik.com Objetivo O objetivo do ensaio, é avaliar a influência da profundidade

Leia mais

Language Version: INNOVATIONS_PT Language Version: INNOVATIONS_PT

Language Version: INNOVATIONS_PT Language Version: INNOVATIONS_PT INOVAÇÕES FERRAMENTAS DE CORTE 2011 Desde a sua fundação, em 1983, a Kennametal entendeu precisamente como melhorar o desempenho da sua produção e a lucratividade apresentando produtos inigualáveis e serviços

Leia mais

Walter Select furação Brocas de HSS

Walter Select furação Brocas de HSS Walter Select furação Brocas de HSS Estabilidade da máquina, fixação e peça muito bom bom regular principal secundária Profundidade de furação ~3 x D c ondições de usinagem b b Denominação A1149XPL A1149TFL

Leia mais

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q Comprimento Total Haste Corpo Extremidade cônica neste comprimento Largura do Campo Largura das Costas Ângulo da Ponta Aresta Principal de Corte Diâmetro

Leia mais

Prof. Danielle Bond USINAGEM USINAGEM USINAGEM. Movimentos e Grandezas nos Processos de Usinagem

Prof. Danielle Bond USINAGEM USINAGEM USINAGEM. Movimentos e Grandezas nos Processos de Usinagem Prof. Movimentos e Grandezas nos Processos de Usinagem Recomenda-se a norma NBR 6162: Conceitos da Técnica de Usinagem- Movimentos e Relações Geométricas Os movimentos entre ferramenta e peça são aqueles

Leia mais

Qualidade em Abrasivos. Novo. VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante. Especiais. Produtos. Aplicações

Qualidade em Abrasivos. Novo. VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante. Especiais. Produtos. Aplicações Novo VSM CERAMICS Produtos de Alta Tecnologia Grão Cerâmico Auto Afiante Aplicações Produtos Especiais Campos de Aplicação Nossa solução A VSM oferece produtos de alta tecnologia e qualidade com excelente

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

RESUMO SECO NEWS 2015-1

RESUMO SECO NEWS 2015-1 RESUMO SECO NEWS 2015-1 A PRODUTIVIDADE QUE VOCÊ PRECISA & O CONHECIMENTO QUE VOCÊ SEMPRE BUSCOU Em 2007, a Seco apresentou ao mundo a tecnologia Duratomic. Essa abordagem revolucionária utilizada na criação

Leia mais

Para uma operação de usinagem, o operador considera principalmente os parâmetros:

Para uma operação de usinagem, o operador considera principalmente os parâmetros: Parâmetros de corte Parâmetros de corte são grandezas numéricas que representam valores de deslocamento da ferramenta ou da peça, adequados ao tipo de trabalho a ser executado, ao material a ser usinado

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

Informações técnicas W para Weller auxiliar sua usinagem.

Informações técnicas W para Weller auxiliar sua usinagem. I l3 l4 d1 Informações técnicas W para Weller auxiliar para em sua auxiliar usinagem. sua usinagem. Leia com bastante atenção todas as informações contidas neste capítulo, para que você possa aplicar corretamente

Leia mais

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8 1 - ELÉCTRODOS Soldadura de aços carbono... Soldadura de aços resistentes à fluência... Soldadura de aços de baixa liga... Soldadura de aços com baixa soldabilidade... Soldadura de aços inoxidáveis e refractários...

Leia mais

ConeFit TM para máxima flexibilidade.

ConeFit TM para máxima flexibilidade. Competência em produtos _COMPETÊNCIA EM USINAGEM Fresamento ConeFit TM para máxima flexibilidade. WALTER PROTOTYP ConeFit sistema modular para fresamento O SISTEMA DA FERRAMENTA Sistema modular de fresamento

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1 Perguntas de Materiais 2 Perguntas para Teste 1 1. De que dependem as propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas dum material? 2. Que propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas

Leia mais

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia 1. Introdução O alinhamento e o nivelamento é o primeiro estágio do tratamento ortodôntico com aparelho fixo. Alinhamento significa colocar os braquetes e os tubos alinhados no sentido vestibulolingual.

Leia mais

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE)

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE) Com o emprego de novas tecnologias e surgimento de novos materiais e equipamentos modernos, pode-se afirmar que a utilização de rebolos resinóides tornou-se indispensável nas operações de retificação e

Leia mais

GGD INOX MARTENSÍTICO

GGD INOX MARTENSÍTICO AÇOS INOXIDÁVEIS GGD INOX MARTENSÍTICO Generalidades Podem ser beneficiados para altas durezas e ampla faixa de resistência mecânica. São magnéticos e possuem boa usinabilidade. Resistência à corrosão:

Leia mais

Ferramentas de Usinagem INOVAÇÕES AEROESPACIAL E DEFESA RECURSOS NATURAIS INFRA-ESTRUTURA TRANSPORTE BENS DURÁVEIS APLICAÇÕES ESPECIAIS

Ferramentas de Usinagem INOVAÇÕES AEROESPACIAL E DEFESA RECURSOS NATURAIS INFRA-ESTRUTURA TRANSPORTE BENS DURÁVEIS APLICAÇÕES ESPECIAIS Ferramentas de Usinagem 2009 INOVAÇÕES AEROESPACIAL E DEFESA RECURSOS NATURAIS INFRA-ESTRUTURA TRANSPORTE BENS DURÁVEIS APLICAÇÕES ESPECIAIS Aos nossos valiosos clientes: Desde a sua fundação em 1938,

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5 A Seco Tools tem a reputação de ser um dos líderes mundiais na fabricação e fornecimento de ferramentas de corte de metal duro e equipamentos correlatos. No entanto, a Seco apresenta uma força maior como

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Mecânica/Usinagem QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este caderno corresponde

Leia mais

EM908 SEGUNDA AULA PROJETO DE MATRIZES PARA EXTRUSÃO A FRIO DE UM EIXO

EM908 SEGUNDA AULA PROJETO DE MATRIZES PARA EXTRUSÃO A FRIO DE UM EIXO Nesta aula iniciaremosoplanejamento do processo para a extrusão a frio deum eixo escalonado. O número de estágios a ser utilizado e as dimensões das matrizes serão definidos utilizando-se os critérios

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

Tubos Leves/Pesados. Cortatubos. Serviço Pesado. Rodas Cortadoras. Serviço Pesado. Máquina para Cortar Tubos. Escariador de Tubos 2 Serras

Tubos Leves/Pesados. Cortatubos. Serviço Pesado. Rodas Cortadoras. Serviço Pesado. Máquina para Cortar Tubos. Escariador de Tubos 2 Serras Tubos Leves/esados Tubos Leves/esados Tipos Cortatubos Número de s (ol. ) ág. Serviço esado 3 ½ / 3.2 Articulado 2 2 3.2 Cerâmica e Ferro Fundido 2 ½ 3.3 Ensamblador de Tubos ½ 3.3 Rodas Cortadoras Serviço

Leia mais

Março de /9. Linha otimizada de corte e ranhuramento

Março de /9. Linha otimizada de corte e ranhuramento 1/9 Lina otimizada de corte e ranuramento 2/9 Destaque A TaeguTec introduziu a nova lina RHINOGROOVE, otimizada para operações de corte e ranuramento A lina RHINOGROOV oferece uma pastila otimizada com

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa

INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa www.spdcutferramentas.com.br (11) 2762 5114 Disco Diamantado 110mm Linha Profissional Disco de alto rendimento Disco Diamantado 110mm para corte a seco com alta durabilidade

Leia mais

Brocas, buchas e mandris

Brocas, buchas e mandris Brocas, buchas e mandris Para fixação de elementos, cada material exige broca e bucha específicos. Saiba quais são os tipos corretos para cada necessidade Fixações em parede de alvenaria, concreto ou drywall

Leia mais

Linha de Fresas de Canais Extendidos (Abacaxi) e Pastilhas Splitter TNMX 18

Linha de Fresas de Canais Extendidos (Abacaxi) e Pastilhas Splitter TNMX 18 1/7 Linha de Fresas de Canais Extendidos (Abacaxi) e Pastilhas Splitter TNMX 18 2/7 A TaeguTec amplia a linha MILL2RUSH com o lançamento das Pastilhas Splitter TNMX 18 e Fresas de Canais Extendidos (Abacaxi)

Leia mais

Solução para furação mais profundas: 12xD Expansão

Solução para furação mais profundas: 12xD Expansão 1/5 Solução para furação mais profundas: 12xD Expansão 2/5 Solução para furação mais profundas: 12xD expansão CARACTERÍSTICAS Corpo 12xD - Gama: 12,0 mm - 22,9 mm Evacuação de cavaco suave - Design com

Leia mais

Aula 7 - Ensaios de Materiais

Aula 7 - Ensaios de Materiais Aula 7 - Ensaios de Materiais Tecnologia dos Materiais II Prof. Lincoln B. L. G. Pinheiro 23 de setembro de 2010 1 Ensaios de Dureza A dureza é uma propriedade mecânica que mede a resistência do material

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA AVANÇO DE NAS MÁQUINAS - FERRAMENTAS É a distância correspondente ao deslocamento que faz a ferramenta ou a peça em cada rotação (figs. 1 e 2) ou em cada golpe (fig.3).

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

Soldadura do cobre e suas ligas

Soldadura do cobre e suas ligas Soldadura do cobre e suas ligas As principais ligas são os latões (Cu-Zn) e os bronze-alum alumínios (Cu-Al) A maior dificuldade que surge na soldadura dos cobres está relacionada com a presença de óxido

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

Fresas de Metal Duro Innovate

Fresas de Metal Duro Innovate Fresas de Metal Duro Innovate FRESAS DE METAL DURO INNOVATE HRC CMB - FRESA DE METAL DURO TOPO ESFÉRICO d l D L Raio Nº de cortes CMB-0 CMB-0, 0, CMB-00 CMB-0, CMB-00 CMB-0, CMB-00 CMB-00 0 CMB- 0 CMB-

Leia mais

Estruturas de serrotes para metais

Estruturas de serrotes para metais Serração Serras alternativas As máquinas de serração e as serras RIDGID foram desenvolvidas por profissionais para profissionais. Quaisquer que sejam as suas exigências em questões de serração, o programa

Leia mais

CATÁLOGO DE LANÇAMENTOS. www.kennametal.com

CATÁLOGO DE LANÇAMENTOS. www.kennametal.com CATÁLOGO DE LANÇAMENTOS 2016 www.kennametal.com Beyond Evolution Sem disposição para sacrificar performance ou aplicações, a Beyond Evolution se tornou o primeiro portfólio no mercado a concorrer em todas

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 4 O Material aço Índice Características de Aço da Construção Civil Propriedades Modificadas Ligas Metálicas Ligas Ferrosas Ligas Não-Ferrosas Teor de Carbono

Leia mais

TW102 TW202 TW302 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW102 TW202 TW302 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW102 TW202 TW302 SOLUÇÕES PARA ALUMÍNIO E METAIS MALEÁVEIS TW102 DIN 338 (6xD) TW202 DIN 340 (10xD) TW302 DIN 1869/1 (15xD) Alta durabilidade Maior produtividade peças/hora Redução de paradas para reafiação

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

CATALOGO DE PRODUTOS 1

CATALOGO DE PRODUTOS 1 ATALOGO DE PRODUTOS 1 Índice geral de consumíveis para soldas 1 Varetas para o processo TIG 1.11.21.31.41.1.6 Aços carbono... 3 Aços inoxidáveis... 422 Aços baixa liga... 2327 Ferro fundido... 2830 Ligas

Leia mais

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

AULA 28 PROCESSO DE FRESAMENTO: FRESAS

AULA 28 PROCESSO DE FRESAMENTO: FRESAS AULA 28 PROCESSO DE FRESAMENTO: FRESAS 215 28. PROCESSO DE FRESAMENTO: FRESAS 28.1. Introdução As fresas são ferramentas rotativas providas de múltiplas arestas de corte dispostos simetricamente ao redor

Leia mais

Materiais de Corte Segmento Madeireiro

Materiais de Corte Segmento Madeireiro Materiais de Corte Segmento Madeireiro Devido a necessidade do aumento de produção no setor madeireiro, ao longo de décadas vem-se desenvolvendo cada vez mais os materiais para ferramentas de corte, visando

Leia mais

ESCOVAS TÉCNICAS PFERD

ESCOVAS TÉCNICAS PFERD ESCOVAS TÉCNICAS PFERD PFERD makes the difference PFERD Tradição, tecnologia e inovação Com mais de 5000 diferentes ferramentas e respectivos acionamentos, a PFERD é parceira nos processos de fabricação

Leia mais