DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C"

Transcrição

1 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura CCC do ferro (ferrita α) é estável até 912 C. Nesta temperatura a estrutura CCC sofre uma transformação alotrópica para a estrutura cúbica de faces centradas (CFC), denominada ferro gama (γ) ou austenita. A austenita (CFC) é estável entre 912 e 1394 C. Na temperatura de 1394 C ocorre uma nova transformação alotrópica na qual a estrutura CFC da austenita transforma-se novamente em CCC, denominada de ferrita delta (δ). A ferrita delta (δ) CCC é estável até a temperatura de 1538 C, que é a temperatura de fusão do Fe puro. Acima de 1538 C a estrutura cristalina CCC da ferrita δ torna-se amorfa, sem ordenação cristalina, caracterizando o estado líquido. O ferro líquido (L) é estável até a temperatura de 2880 C, temperatura na qual este passa para fase vapor. DIAGRAMAS Fe-C e Fe-Fe 3 C Existem dois tipos de diagramas Fe-C, o diagrama Fe-C estável, que mostra o equilíbrio entre o Fe e a grafita, e o diagrama Fe-Fe 3 C, metaestável, que apresenta o equilíbrio entre o ferro e a cementita (Fe 3 C). Em virtude das velocidades de resfriamento vigentes no processamento dos aços serem elevadas em relação as condições de equilíbrio, o diagrama empregado com ferramenta para o estudo de aços ao carbono e ferros fundidos brancos é o diagrama Fe - Fe 3 C. A figura 1 apresenta os diagramas Fe-C estável (equilíbrio Ferro - Grafita) e o diagrama metaestável Fe-Fe 3 C (equilíbrio Ferro - Cementita) sobrepostos.

2 2 Figura 1- Sobreposição dos diagramas diagrama Fe-C e Fe-Fe 3 C

3 3

4 4 Considerações sobre o diagrama Fe-Fe 3 C Os aços para construção mecânica não são ligas binárias Fe-C. Estes aços apresentam quantidades residuais de P, S, Mn e Si, decorrentes do processo de elaboração. Entretanto o diagrama Fe-Fe 3 C é extensivamente empregado em estudos envolvendo aços ao carbono e aços baixa-liga. O teor de 2,11% de C é considerado como sendo a separação teórica entre aços e ferros fundidos, ou seja, para teores até 2,11% temos os aços, acima deste, os ferros fundidos. As reações relevantes no diagrama Fe-Fe 3 C são, no resfriamento,: Reação peritética - (0,17%C / 1495ºC) L (líquido) + δ (ferrita delta) γ (austenita), Reação eutética- (4,3% de C / 1148 C): L (líquido) γ (austenita) + Fe 3 C (cementita) Reação eutetóide - (0,77% de C / 727 C): γ (austenita) α (ferrita) + Fe 3 C (cementita) O produto da reação eutetóide é uma mistura mecânica de duas fases (ferrita e cementita) denominada perlita. Aços eutetóides apresentam 0,77% de C. Aços hipoeutetóides % de C inferior a 0,77% Aços hipereutetóides % de C superior a 0,77% O campo bifásico (α + γ) é denominado ZONA CRÍTICA.

5 RESFRIAMENTO LENTO DOS AÇOS HIPOEUTETÓIDES Diagrama Fe-C 5 Para a temperatura ambiente e C 0 = 0,30% de C, temos:,3 % α (ferrita) =. 100 = 95,5% de α (ferrita) 0,3 0 % Fe 3 C (cementita) =. 100 = 4,5% de Fe 3 C (cementita) A quantidade de grãos de perlita será: (é a quantidade de grãos de austenita que4 sofreu a transformação eutetóide) 0,3 0,022 % perlita =. 100 = 37,2% de perlita (e 62,8% de grãos de ferrita) 0,77 0,022

6 RESFRIAMENTO LENTO DE UM AÇO EUTETÓIDE Diagrama Fe-C 6 Para a temperatura ambiente, (0,77% de C) temos:,77 % α (ferrita) =. 100 = 88,5% de α (ferrita) 0,77 0 % Fe 3 C (cementita) =. 100 = 11,5% de Fe 3 C (cementita) A quantidade de grãos com o constituinte perlita será de 100%. (que é a quantidade de grãos de austenita que sofreu a reação eutetóide)

7 RESFRIAMENTO LENTO DOS AÇOS HIPEREUTETÓIDES Diagrama Fe-C 7 Para a temperatura ambiente e C 1 = 1,2% de C, temos: 6,7 1,2 % α (ferrita) =. 100 = 82,1% de α (ferrita) 1,2 0 % Fe 3 C (cementita) =. 100 = 17,9% de Fe 3 C (cementita) A quantidade de grãos com o constituinte perlita será: 6,7 1,2 % perlita =. 100 = 92,7% de perlita (e 7,3% de cementita em contorno de,77 grão)

8 8 PROPRIEDADES DAS FASES E CONSTITUINTES PRESENTES EM AÇOS AO CARBONO AUSTENITA (do nome do metalurgista inglês Robert Austen) - Consiste em uma solução sólida intersticial de C (com até 2,11%) no ferro CFC. Em aços ao carbono e aços baixa liga só é estável acima de 727 C. Apresenta resistência mecânica em torno de 150 MPa e elevada ductilidade e tenacidade. A austenita não é magnética. FERRITA (do latim "ferrum")- Consiste em uma solução sólida intersticial de C (com até 0,022%) no ferro CCC. A ferrita é magnética e apresenta baixa resistência mecânica, cerca de 300 MPa, excelente tenacidade e elevada ductilidade. CEMENTITA (do latim "caementum")- Denominação do carboneto de ferro Fe 3 C contendo 6,7% de C e estrutura cristalina ortorrômbica. Apresenta elevada dureza, baixa resistência, baixa ductilidade e baixa tenacidade. PERLITA (nome derivado da estrutura da madre pérola observada ao microscópio)- Consiste na mistura mecânica das fases ferrita (88,5% em peso) e cementita (11,5% em peso) formada pelo crescimento cooperativo destas fases. Apresenta propriedades intermediárias entre a ferrita e a cementita dependendo do tamanho e espaçamento das lamelas de cementita. Propriedades mecânicas de alguns constituintes dos aços ao carbono Constituinte Limite de Alongamento Dureza Brinell resistência [%] [HB] [kgf/mm 2 ] FERRITA PERLITA CEMENTITA Propriedades mecânicas de aços ao carbono resfriados lentamente (normalizados) em função do teor de carbono (Metals Handbook, v. 4 ASM1981) Aço Limite de Limite de Alongamento Redução Dureza Resistência SAE resistência [MPa] escoamento [MPa] em 50 mm [%] de área [%] Brinell [kgf/mm 2 ] ao impacto [J] ,

9 Lista de exercícios - Diagrama Fe-Fe 3 C Diagrama Fe-C 9 1- O carbono forma solução sólida intersticial tanto na estrutura CCC da ferrita (α) quanto na estrutura CFC da austenita (γ). Explicar porque a solubilidade de C na austenita (2,11% C) é muito maior que na ferrita (0,022% C) se o fator de empacotamento atômico da austenita (CFC) é maior que da ferrita (CCC). 2- Calcular as quantidades (% em peso) das fases ferrita e cementita presentes na temperatura ambiente para os aços SAE 1020 (0,20%C), SAE 1080 (0,77 %C) e SAE 1095 (0,95 %C). 3- Para os aços da questão anterior, calcular a quantidade (% em peso) do constituinte perlita presente na temperatura ambiente. 4- Qual a diferença entre fase e constituinte? 5- Em um aço hipoeutetóide contendo 0,40% de C calcular: A- A quantidade de ferrita pró-eutetóide formada. B- A quantidade do constituinte perlita. C- A quantidade total de ferrita. D- A quantidade de ferrita contida na perlita (ferrita do eutetóide). E- Explique a diferença entre a ferrita pró-eutetóide e a ferrita eutetóide da perlita. Existem diferenças de composição ou estrutura cristalina? 6- Em um aço hipereutetóide contendo 1,5% de C calcular: A- A quantidade de cementita pró-eutetóide formada. B- A quantidade do constituinte perlita. C- A quantidade de ferrita contida na perlita. D- A quantidade total de cementita. E- A quantidade de cementita contida na perlita (cementita do eutetóide). 7- A maior parte dos diagramas de fases estudados são construídos considerando condições termodinâmicas de equilíbrio, ou seja, as fases citadas são as mais estáveis (apresentam os menores valores de energia livre). Está implícito nisso que não são consideradas as condições cinéticas para a formação destas fases, ou seja, a formação das fases estáveis pode demorar desde alguns minutos ou até vários anos. Assim, o que deverá ocorrer com a microestrutura de um aço SAE 1050 (0,50% C) se este for aquecido a 950ºC, mantido nesta temperatura por 1h e resfriado em água.

10 10

INSPETOR DE SOLDAGEM NÍVEL 1

INSPETOR DE SOLDAGEM NÍVEL 1 INSPETOR DE SOLDAGEM NÍVEL 1 (APOSTILA 3) PARTE 1 METALURGIA PARTE 2 ENSAIOS MECÂNICOS Connection Brasil Ltda. Todos os direitos reservados atendimento@connectionbrasil.com APOSTILA DEMONSTRATIVA CONTENDO

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO.

ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO. Nome: Assinatura: P2 de CTM 2012.2 Matrícula: Turma: ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO. NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES POSTERIORES..

Leia mais

ENSAIOS DOS MATERIAIS EM-641

ENSAIOS DOS MATERIAIS EM-641 Apresentação e Introdução do Curso ENSAIOS DOS MATERIAIS Apresentação e Introdução do Curso Programa Analítico 1) Introdução 2) Ensaio de Tração 3) Ensaio de Compressão 4) Ensaio de Dureza 5) Ensaio de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais Relatório Final Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND Aluno: Luciano Antonio de Morais Orientadora: Profª. Dra. Luciana Sgarbi Rossino Co Orientador: Profº. Msc.

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução Ciências dos Materiais

Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução Ciências dos Materiais Diagrama de Fases Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 9, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson Prentice Hall, 6ed., cap

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Austenita: É uma solução sólida de carbono em ferro gama. Somente é estável as temperaturas superiores a 723 ºC, desdobrando-se por reação eutetóide, a

Leia mais

Tratamentos Térmicos [7]

Tratamentos Térmicos [7] [7] Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. alívio de tensões controle da dureza e resistência mecânica usinabilidade

Leia mais

Microestrutura: É a organização dos grãos (contorno, forma, tamanho, orientação) e fases sujeitas à observação microscópica.

Microestrutura: É a organização dos grãos (contorno, forma, tamanho, orientação) e fases sujeitas à observação microscópica. Resumo CMAT P2: 1) Microestrutura e Fase: Microestrutura: É a organização dos grãos (contorno, forma, tamanho, orientação) e fases sujeitas à observação microscópica. A microestrutura compreende as diferentes

Leia mais

Tratamentos térmicos dos aços

Tratamentos térmicos dos aços Tratamentos térmicos dos aços Recozimento Aquecimento a Trec., seguido de arrefecimento lento Rec. relaxação de tensões Rec. esferoizidação Rec. completo Normalização Rec. após deformação plástica Têmpera

Leia mais

As Estruturas Cristalinas do Ferro

As Estruturas Cristalinas do Ferro As Estruturas Cristalinas do Ferro 153 O Ferro apresenta diferentes estruturas cristalinas, dependendo da temperatura alotropia De T amb até 912 o C Cúbica de corpo centrado Ferrita ou a-ferro De 912 o

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 MATERIAIS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II 1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II METALURGIA DA SOLDAGEM 1- Introdução A soldagem é geralmente realizada com a aplicação de calor e/ou deformação plástica. como resultado, alterações das

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA E MECATRÔNICA DIOGO PANDOLFO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA E MECATRÔNICA DIOGO PANDOLFO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA E MECATRÔNICA DIOGO PANDOLFO ESTUDO DA TENACIDADE AO IMPACTO DE UM AÇO SAE 1020 SUBMETIDO

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

Ligas Metálicas de Engenharia

Ligas Metálicas de Engenharia 1 Ligas Metálicas de Engenharia Omar Maluf MSc, Eng. De Materiais SMM-EESC-USP 2 INTRODUÇÃO Porque os metais e suas ligas são importantes? São materiais resistentes São capazes de sofrer deformação sem

Leia mais

AÇOS. 1. Diagrama de Equilíbrio das ligas Fe-C

AÇOS. 1. Diagrama de Equilíbrio das ligas Fe-C MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA I (EM304) 1º Semestre 2005/06 AÇOS 1. Diagrama de Equilíbrio das ligas Fe-C F. Jorge Lino Alves 1 SUMÁRIO 1. O diagrama de equilíbrio ferro - carbono 1.1 Formas alotrópicas

Leia mais

Materiais Aço Inox /Aço Carbono

Materiais Aço Inox /Aço Carbono Materiais Aço Inox /Aço Carbono DEFINIÇÕES DOS AÇOS Aço Carbono: Uma liga ferrosa em que o carbono é o principal elemento de liga. Aço Inoxidável: Uma liga de aço altamente resistente a corrosão em uma

Leia mais

Aço e Ferros Fundidos Capítulo 1 1. Definições Aço é a liga ferro-carbono além de certos elementos residuais resultantes do processo de fabricação.

Aço e Ferros Fundidos Capítulo 1 1. Definições Aço é a liga ferro-carbono além de certos elementos residuais resultantes do processo de fabricação. Aço e Ferros Fundidos Vicente Chiaverini Capítulo 1 1. Definições O característico polimórfico do ferro e sua facilidade de processamento explicam sua ampla utilização em todos os setores da Engenharia.

Leia mais

Direitos autorais reservados Prof. André Paulo Tschiptschin

Direitos autorais reservados Prof. André Paulo Tschiptschin TRATAMENTO TÉRMICO DE AÇOS Prof. André Paulo Tschiptschin EPUSP Engenharia Metalúrgica e de Materiais TRATAMENTO TÉRMICO pode ser definido como o aquecimento ou resfriamento controlado dos metais feito

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas

Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas Observação e interpretação de microestruturas de ligas ferrosas Mais de 90 wt % dos materiais metálicos empregues em todo o mundo correspondem a ligas ferrosas. Isto representa uma enorme família de materiais

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASE. Prof. Rubens Caram

DIAGRAMAS DE FASE. Prof. Rubens Caram DIAGRAMAS DE FASE Prof. Rubens Caram 1 CONCEITOS GERAIS DIAGRAMAS DE FASES: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DAS FASES PRESENTES EM UM SISTEMA MATERIAL DE ACORDO COM AS CONDIÇÕES DE PRESSÃO, TEMPERATURA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Estudo do efeito da adição de cobre sobre a dureza de um pinhão de ferro fundido nodular temperado superficialmente ARTHUR SCHMITZ SAMPAIO arthurschmitz@gmail.com ALFREDO LEONARDO PENZ alfredo.penz@sc.senai.br

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

LIGAS METÁLICAS IMPUREZAS NOS METAIS

LIGAS METÁLICAS IMPUREZAS NOS METAIS LIGAS METÁLICAS 1 Os metais são geralmente utilizados na forma de ligas, ou seja; consistem em misturas de dois ou mais elementos químicos. Nas ligas metálicas, pelo menos um dos elementos é metal e a

Leia mais

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205.

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Projeto de iniciação científica Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Relatório Final Bolsista: RODRIGO DI PIETRO GERZELY e-mail: rpietro@fei.edu.br

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NA ANISOTROPIA DE CHAPAS METÁLICAS DE DIFERENTES AÇOS ESTRUTURAIS

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NA ANISOTROPIA DE CHAPAS METÁLICAS DE DIFERENTES AÇOS ESTRUTURAIS Projeto de Iniciação Científica INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA NA ANISOTROPIA DE CHAPAS METÁLICAS DE DIFERENTES AÇOS ESTRUTURAIS Relatório Final Bolsista: Felipe Kulig Branco felipekbr@ig.com.br Departamento

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL Eng. (MSc) Domingos José Minicucci CONTEÚDO: Evolução da carga por eixo na Austrália Contato roda trilho Especificação AAR para rodas classe D microligadas Nióbio

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

TRATAMENTO TÉRMICO E TERMOQUÍMICO LIGAS FERRO-CARBONO. (Baseado na norma ABNT - NBR 8653 de Novembro de 1984)

TRATAMENTO TÉRMICO E TERMOQUÍMICO LIGAS FERRO-CARBONO. (Baseado na norma ABNT - NBR 8653 de Novembro de 1984) TRATAMENTO TÉRMICO E TERMOQUÍMICO LIGAS FERRO-CARBONO (Baseado na norma ABNT - NBR 8653 de Novembro de 1984) ALÍVIO DE TENSÕES (STRESS RELIEVING) Recozimento sucrítico visando a eliminação de tensões internas

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA I

TECNOLOGIA MECÂNICA I 1 CONTEÚDO DA APOSTILA Propriedades dos Materiais Propriedades físicas e químicas. Elasticidade, plasticidade, resistência mecânica, dureza, ductilidade, tenacidade, fragilidade e resiliência. Materiais

Leia mais

Estudo de viabilidade técnica e econômica de troca de processo de cementação em linha industrial de tratamento térmico

Estudo de viabilidade técnica e econômica de troca de processo de cementação em linha industrial de tratamento térmico Estudo de viabilidade técnica e econômica de troca de processo de cementação em linha industrial de tratamento térmico Gabriel Coelho Paranhos Barra 106046241 Projeto de Graduação apresentado ao Curso

Leia mais

Geralmente algumas características são obtidas em detrimento de outras, (dureza versus ductibilidade).

Geralmente algumas características são obtidas em detrimento de outras, (dureza versus ductibilidade). TRATAMENTOS TÉRMICOS 1. Funções: remoção de tensões internas aumento ou diminuição de dureza aumento da resistência mecânica melhora da ductibilidade melhora da usinabilidade melhora da resistência ao

Leia mais

Desenvolvimento de rolos de aço austemperado para a indústria automotiva. Development of austempered steel coils for the automotive industry

Desenvolvimento de rolos de aço austemperado para a indústria automotiva. Development of austempered steel coils for the automotive industry 2006-01-2812 Desenvolvimento de rolos de aço austemperado para a indústria automotiva Development of austempered steel coils for the automotive industry Copyright 2006 Society of Automotive Engineers,

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

CURSO FIC DESENHISTA MECÂNICO DISCIPLINA: MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA PROF: LORENA BRAGA

CURSO FIC DESENHISTA MECÂNICO DISCIPLINA: MATERIAIS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA PROF: LORENA BRAGA Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará CURSO FIC DESENHISTA MECÂNICO DISCIPLINA: MATERIAIS PARA

Leia mais

Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507.

Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507. Projeto de iniciação científica Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507. Relatório final. Bolsista: Gustavo H. B. Donato e-mail:superguga@uol.com.br Orientador: Prof.

Leia mais

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET)

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Tratamentos Térmicos Ciência dos Materiais Prof. Alcindo Danilo Oliveira Mendes 340.261-4 EP6P01 2009 2 Sumário SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 TÊMPERA...6

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA - FEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA - FEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA 1 IDENTIFICAÇÃO Nome e código: Materiais de Construção Mecânica TE04031 Nome do professor: Prof. Dr. Jorge Teófilo de Barros Lopes Caráter: Obrigatória Bloco: III Período: 2º Ano letivo: 2014 Carga horária

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS HUGO SUSIN INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA MARTENSITICA PRÉVIA NO TRATAMENTO DE ESFEROIDIZAÇÃO DO AÇO 4137 Florianópolis

Leia mais

Tratamento Térmico. Alan Rafael Menezes do Vale. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARÁ Campus Belém

Tratamento Térmico. Alan Rafael Menezes do Vale. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARÁ Campus Belém Tratamento Térmico Alan Rafael Menezes do Vale INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARÁ Campus Belém Belém - PA 2011 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS.

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. 1.Curvas de transformação contínua para os aços. as curvas ttt (tempo-temperatura-transformação) dos aços eram obtidas antigamente pelo método metalográfico. hoje em dia

Leia mais

Análise da Influência do Ciclo de Recozimento de Esferoidização nas Propriedades Mecânicas do Aço SAE 1050

Análise da Influência do Ciclo de Recozimento de Esferoidização nas Propriedades Mecânicas do Aço SAE 1050 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica e de Minas Dissertação de Mestrado Análise da Influência do Ciclo de Recozimento de Esferoidização nas Propriedades

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA CAPÍTULO 8: AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Ferros Fundidos e o seu Tratamento Térmico. (Parte I Alívio de Tensões)

Ferros Fundidos e o seu Tratamento Térmico. (Parte I Alívio de Tensões) Ferros Fundidos e o seu Tratamento Térmico (Parte I Alívio de Tensões) J. Alexandre Silva Traterme Tratamentos Térmicos, Lda. Tv. Campo da Telheira, 211 4470-828 Maia - Portugal alexandre@traterme.com

Leia mais

Fração volumétrica de fase sigma durante o envelhecimento de aço inoxidável dúplex SAF 2205

Fração volumétrica de fase sigma durante o envelhecimento de aço inoxidável dúplex SAF 2205 Projeto de iniciação científica Fração volumétrica de fase sigma durante o envelhecimento de aço inoxidável dúplex SAF 2205 Relatório final. Bolsista: Gustavo H. B. Donato e-mail:superguga@uol.com.br Orientador:

Leia mais

CASA DA MOEDA DO BRASIL

CASA DA MOEDA DO BRASIL 29 CASA DA MOEDA DO BRASIL PROCESSO SELETIVO PÚBLICO N o 01/2012 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com o enunciado das 30 (trinta)

Leia mais

TÉCNICO EM TRATAMENTO TÉRMICO SUPERFICIAL

TÉCNICO EM TRATAMENTO TÉRMICO SUPERFICIAL TÉCNICO EM TRATAMENTO TÉRMICO SUPERFICIAL CÓDIGO: TTS32 CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O

Leia mais

Materiais de Construção Mecânica. Ivan Zolin

Materiais de Construção Mecânica. Ivan Zolin Materiais de Construção Mecânica Ivan Zolin Santa Maria - RS 2011 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Colégio Técnico Industrial de Santa

Leia mais

Tratamentos de Recozimento [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento:

Tratamentos de Recozimento [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento: [20] Finalidade dos tratamentos de recozimento: eliminar i os efeitos da deformação plástica a frio eliminar os efeitos de tratamentos térmicos preliminares homogeneização da composição química alívio

Leia mais

BaixoCarbono. AltaResistência 50% Avançadode Alta Resistência

BaixoCarbono. AltaResistência 50% Avançadode Alta Resistência 19 2 Revisão Bibliográfica 2.1 A Evolução do Aço na Indústria Automobilística A indústria automobilística é um dos maiores mercados para aços de alta resistência e uma importante força motriz para o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO COORDENADORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATERIAIS CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA - FEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA - ITEC FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA - FEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA 1 IDENTIFICAÇÃO Nome e código: Materiais de Construção Mecânica TE04031 Nome do professor: Prof. Dr. Jorge Teófilo de Barros Lopes Período: 2º Ano letivo: 2013 Carga horária total: 68 horas Carga horária

Leia mais

Apostila de Metalurgia da Soldagem

Apostila de Metalurgia da Soldagem Apostila de Metalurgia da Soldagem METAIS E LIGAS METÁLICAS... 3 PROPRIEDADES E ENSAIOS DOS METAIS... 18 PRINCÍPIOS DOS CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM... 36 PROPRIEDADES DO METAL DE SOLDA... 38 DEFEITOS DO METAL

Leia mais

Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo. Na folha de resposta, preencha com traços firmes, o espaço reservado a cada opção.

Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo. Na folha de resposta, preencha com traços firmes, o espaço reservado a cada opção. Prezado (a) candidato (a): Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo. Na folha de resposta, preencha com traços firmes, o espaço reservado a cada opção. Nº.de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

Soldadura do cobre e suas ligas

Soldadura do cobre e suas ligas Soldadura do cobre e suas ligas As principais ligas são os latões (Cu-Zn) e os bronze-alum alumínios (Cu-Al) A maior dificuldade que surge na soldadura dos cobres está relacionada com a presença de óxido

Leia mais

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA Introdução Sólidos são compostos que apresentam uma alta regularidade estrutural. Com exceção dos sólidos amorfos, nos quais essa regularidade só existe em um curto espaço,

Leia mais

Diagramas de Fases. Rui Vilar Professor Catedrático

Diagramas de Fases. Rui Vilar Professor Catedrático Diagramas de Fases Rui Vilar Professor Catedrático 1 Definições Fase: porção de matéria física e quimicamente homogénea, com composição e estrutura cristalina próprias. As diversas fases de um sistema

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS Estrutura cristalina dos metais 1 DEFINIÇÃO DE CRISTAL - Sólidos cristalinos: Uma substância pode ser considerada cristalina quando os átomos (ou moléculas) que a constitui

Leia mais

Tratamento Térmico dos aços : Recozimento, Normalização, Têmpera e Revenido

Tratamento Térmico dos aços : Recozimento, Normalização, Têmpera e Revenido Tratamento Térmico dos aços : Recozimento, Normalização, Têmpera e Revenido Av. Paulo de Frontin,631 CEP 20261 241 Rio Comprido Rio de Janeiro TELS.: (21) 2293 5016 FAX: (21) 2293 3607 CEL.: (21) 9983-4887

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESPESSURA DE CHAPA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO PARA TUBOS API 5L-X65 1

CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESPESSURA DE CHAPA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO PARA TUBOS API 5L-X65 1 CARACTERIZAÇÃO MICROESTRUTURAL AO LONGO DA ESESSURA DE CHAA GROSSA DE AÇO MICROLIGADO ARA TUBOS AI 5L-X65 1 aulo Henrique Ogata 2 Helio Goldenstein 3 Antonio Augusto Gorni 4 Fernando José Gomes Landgraf

Leia mais

Tratamento Térmico e Materiais

Tratamento Térmico e Materiais Tratamento Térmico e Materiais ISOFLAMA Indústria e Comércio de Equipamentos Ltda João Carmo Vendramim João Carmo Vendramim Engenheiro Metalurgista, MSc Mestrado Fem-Unicamp Depto.Enga.Materiais Projeto

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Dissertação de Mestrado. Wilson Luiz de Almeida

Dissertação de Mestrado. Wilson Luiz de Almeida 1 Dissertação de Mestrado Wilson Luiz de Almeida Análise do Comportamento Mecânico e dos Aspectos Macro e Microestruturais do Ferro Fundido Nodular Submetido a Ciclos Térmicos de Soldagem Maio de 2014

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

EDUARDO CORASSINI INFLUÊNCIA DO GRAU DE ENCRUAMENTO E TRATAMENTOS TÉRMICOS DE RECOZIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO AÇO ABNT 1006

EDUARDO CORASSINI INFLUÊNCIA DO GRAU DE ENCRUAMENTO E TRATAMENTOS TÉRMICOS DE RECOZIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO AÇO ABNT 1006 EDUARDO CORASSINI INFLUÊNCIA DO GRAU DE ENCRUAMENTO E TRATAMENTOS TÉRMICOS DE RECOZIMENTO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO AÇO ABNT 1006 Trabalho de Final de Curso, apresentado ao Centro Universitário da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA E PRODUÇÃO MESTRADO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA E PRODUÇÃO MESTRADO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA E PRODUÇÃO MESTRADO EM ENGENHARIA E CIÊNCIA DE MATERIAIS SOLDAGEM DO AÇO ABNT 4140 SEM TRATAMENTO TÉRMICO POSTERIOR

Leia mais

Coletores de Escape em Nodular SiMo

Coletores de Escape em Nodular SiMo Coletores de Escape em Nodular SiMo Eitan Melleras Tupy Fundições Ltda. Joinville/SC Pedro A. N. Bernardini UFSC Florianópolis/SC Wilson L. Guesser Tupy Fundições Ltda. e UDESC Joinville/SC Resumo O presente

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS VARIAÇÕES MICROESTRUTURAIS DO AÇO SAE 4340

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS VARIAÇÕES MICROESTRUTURAIS DO AÇO SAE 4340 1 PROJETO DE GRADUAÇÃO ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE TRATAMENTOS TÉRMICOS NAS VARIAÇÕES MICROESTRUTURAIS DO AÇO SAE 4340 Por, Lucas Gomes Sevale Brasília, 09 de Dezembro de 2014 UNIVERSIDADE DE BRASILIA FACULDADE

Leia mais

FORMAÇÃO DA MICROESTRUTURA DOS FERROS FUNDIDOS. diagrama de fases sequência de transformações

FORMAÇÃO DA MICROESTRUTURA DOS FERROS FUNDIDOS. diagrama de fases sequência de transformações FORMAÇÃO DA MICROESTRUTURA DOS FERROS FUNDIDOS diagrama de fases sequência de transformações Composições Químicas Básicas % carbono : 2,7 a 3,8% % silício : 1,5 a 2,6 % carbono equivalente: %Si=1/3 %C

Leia mais

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO OSASCO 2012 2 ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FERRO FUNDIDO NODULAR AUSTEMPERADO APLICADO A FACAS INDUSTRIAIS PARA TRABALHO A FRIO

AVALIAÇÃO DO FERRO FUNDIDO NODULAR AUSTEMPERADO APLICADO A FACAS INDUSTRIAIS PARA TRABALHO A FRIO FUNDAÇÃO OSWALDO ARANHA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA MESTRADO PROFISSIONAL EM MATERIAIS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ADAURI SILVEIRA RODRIGUES JÚNIOR AVALIAÇÃO DO FERRO FUNDIDO NODULAR AUSTEMPERADO

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE MATERIAIS PAULO SÉRGIO RIBEIRO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE MATERIAIS PAULO SÉRGIO RIBEIRO 1 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ESCOLA DE ENGENHARIA MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE MATERIAIS PAULO SÉRGIO RIBEIRO DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO AÇO PARA MOLDES DE PLÁSTICO São Paulo 2009 2

Leia mais

R. Colaço, Aços, Cap. 3, pp. 52-75. Materiais de Construção Guia de Utilização, Editores: Mª. Clara Gonçalves, F. Margarido e R.

R. Colaço, Aços, Cap. 3, pp. 52-75. Materiais de Construção Guia de Utilização, Editores: Mª. Clara Gonçalves, F. Margarido e R. R. Colaço, Aços, Cap. 3, pp. 52-75. Materiais de Construção Guia de Utilização, Editores: Mª. Clara Gonçalves, F. Margarido e R. Colaço, Loja da Imagem Mkt, ISBN: 972-98882-3-X, 2005 048 3_AÇOS Rogério

Leia mais

PROJETO DE GRADUAÇÃO II

PROJETO DE GRADUAÇÃO II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TCE - Escola de Engenharia TEM - Departamento de Engenharia Mecânica PROJETO DE GRADUAÇÃO II Título do Projeto: AVALIAÇÃO DO CICLO TÉRMICO NO REVENIDO DE ARAMES DE AÇO AO

Leia mais

Palavras - chave: Grafita nodular, ferro fundido nodular, tempo e temperatura de vazamento, propriedades mecânicas, analise estrutural.

Palavras - chave: Grafita nodular, ferro fundido nodular, tempo e temperatura de vazamento, propriedades mecânicas, analise estrutural. INFLUÊNCIA DO TEMPO E DA TEMPERATURA DE VAZAMENTO SOBRE A ESTRUTURA DOS NÓDULOS E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM FERRO FUNDIDO NODULAR NO ESTADO BRUTO DE FUNDIÇÃO Resumo: Douglas F. Vidal¹* (D), Lioudmila

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE SOLDAGEM SOBRE O PERFIL DE DUREZA EM SOLDAS PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS GMAW E FCAW, UTILIZANDO O AÇO SAE 1020

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE SOLDAGEM SOBRE O PERFIL DE DUREZA EM SOLDAS PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS GMAW E FCAW, UTILIZANDO O AÇO SAE 1020 FACULDADES INTEGRADAS DE ARACRUZ FAACZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ELIANE CORREIA NASCIMENTO SOUZA JOSIMAR MARTINS GARUZZI BÁRBARA RODRIGUES DURÃO ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE SOLDAGEM SOBRE

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO Alexandre Afonso Alves de Moura Marcos Paulo Pereira de Toledo Ricardo Breviglieri Alves Castilho DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇ ÃO ÊNFASE EM PRODUÇ ÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇ ÃO ÊNFASE EM PRODUÇ ÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇ ÃO ÊNFASE EM PRODUÇ ÃO MECÂNICA CAPÍTULO 6: TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS DEPARTAMENTO DE MECÂNICA E ENERGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇ ÃO MECÂNCA

Leia mais

Ivan Dias do Nascimento ESTUDO PARA A MELHORIA DA DURABILIDADE DE FERRAMENTAS DO TIPO SOQUETE

Ivan Dias do Nascimento ESTUDO PARA A MELHORIA DA DURABILIDADE DE FERRAMENTAS DO TIPO SOQUETE Ivan Dias do Nascimento ESTUDO PARA A MELHORIA DA DURABILIDADE DE FERRAMENTAS DO TIPO SOQUETE Taubaté SP 2005 Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares de livros grátis para download. Ivan

Leia mais

AVALIAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA EM TRILHO FERROVIÁRIO UTILIZADO EM VIA CONTÍNUA

AVALIAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA EM TRILHO FERROVIÁRIO UTILIZADO EM VIA CONTÍNUA Jornadas SAM CONAMET AAS 2001, Septiember de 2001 519-526 AVALIAÇÃO MECÂNICA E METALÚRGICA EM TRILHO FERROVIÁRIO UTILIZADO EM VIA CONTÍNUA Macedo, M.L.K.; Silva, A. A. M.; Barlavento, M. A. e Reguly, A.

Leia mais

Aula 04-a: Fundamentos da Solidificação dos Metais Parte 2

Aula 04-a: Fundamentos da Solidificação dos Metais Parte 2 Professor: Guilherme O. Verran Dr. Eng. Metalúrgica Aula 04-a: Fundamentos da Solidificação dos Metais Parte 2 1. Crescimento da fase sólida - Introdução - Mecanismos (modelos) de crescimento - Crescimento

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 20 2 Revisão Bibliográfica 2.1 Aços utilizados na Indústria Automotiva Os aços automotivos podem ser classificados de três formas diferentes: 1) por denominação metalúrgica; 2) pela resistência do aço

Leia mais

2.4-Aços inoxidáveis dúplex:

2.4-Aços inoxidáveis dúplex: N (Nitrogênio): Juntamente com o cromo e molibdênio, é usado para dar maior resistência à corrosão. Adições de nitrogênio (0,1% a 0,3%) aumentam significativamente a resistência à corrosão por pite. Estudos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV Siderurgia e Tratamento Térmico dos Aços Prof. Jaques Jonas

Leia mais

CIÊNCIA DE MATERIAIS I

CIÊNCIA DE MATERIAIS I CIÊNCIA DE MATERIAIS I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS PARA AS LICENCIATURAS EM ENGENHARIA MECÂNICA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL ENGENHARIA QUÍMICA Compilação efectuada por Alexandre Velhinho, Lucelinda Cunha,

Leia mais