Estudo de Caso. PPP da FURP IFAB Indústria Farmacêutica Américo Brasiliense

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Caso. PPP da FURP IFAB Indústria Farmacêutica Américo Brasiliense"

Transcrição

1 Estudo de Caso PPP da FURP IFAB Indústria Farmacêutica Américo Brasiliense Cristina M. W. Mastrobuono São Paulo,

2 FURP: Fundação constituída e mantida pelo Estado de São Paulo, que tem o objetivo primordial de fabricar medicamentos para fornecimento aos órgãos de saúde públicas. Maior fabricante público de medicamentos do Brasil Atuação estratégica na produção de medicamentos

3 Em 2008 construção da IFAB para expandir a atuação e produzir remédios genéricos (fábrica de Guarulhos produz medicamentos similares) Custos de aquisição de equipamentos e contratação de pessoal para a operação da fábrica

4 necessidade de desenvolvimento de produtos genéricos em nome da FURP dificuldades nos procedimentos/protocolos junto à Anvisa para obtenção dos Registros de Medicamentos aquisição da matéria prima por licitação dificuldades na gestão de empregados de fundações governamentais estabilidade, etc Maior eficiência na gestão da fábrica

5 ativo fabril com capacidade produtiva de de unidades farmacotécnicas em comprimidos, comprimidos revestidos e cápsulas e de unidades farmacotécnicas em ampolas de vidros (um turno de produção) sem exploração Custos de manutenção de R$ ,00 com a fábrica ociosa

6 Proposta preliminar desenvolvida no âmbito do Estado ( ) 2º Chamamento Público feito no Estado de SP A partir dos estudos trazidos foi criado GT multisetorial no Governo (Seplan/Sefaz/PGE/FURP) Contratação pela FURP da Fundap/Accenture para análise da viabilidade técnica e econômica (com assessoria jurídica do escritório MHM) Aprovação do modelo pelo CGPPPs e análise jurídica final realizada pela PGE/SP

7 Objeto da contratação: GESTÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA FÁBRICA ASSESSORIA NA OBTENÇÃO DE REGISTRO DE MEDICAMENTOS PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS Premissas: Produção e registro dos medicamentos em nome da FURP Comercialização feita exclusivamente pela FURP (direitos vinculados à titularidade dos medicamentos) Prestação do serviço na IFAB

8 Serviços incluídos: Execução de obras e instalações, operação e manutenção da fábrica Aquisição de matéria prima, produção, embalagem e armazenagem de medicamentos Desenvolvimento de medicamentos genéricos e obtenção de registros associados à FURP Serviços não incluídos: Logística de distribuição Pesquisa & Desenvolvimento

9 Receita: exclusivamente paga pela FURP Modelo de remuneração CP básica (A + B) e CP Adicional CP Básica Parcela A investimentos para infraestrutura e disponibilidade de registros de medicamentos por registro de medicamento previsto na Lista Básica de Medicamentos (reajuste IPC/Fipe) Parcela B remuneração pelos serviços de gestão, operação e manutenção da IFAB + insumos, etc 49,99% sobre a Lista de Medicamentos, calculada de acordo com o PMVG da CMED (0% ICMS) CP Adicional Relativa à Lista Adicional de Medicamentos medicamentos adicionais, cujo valor será calculado pelo mesmo método da Lista de Medicamentos ou por valor negociado (menor)

10 Concorrência internacional Critério de julgamento: desconto sobre o valor PMVG Pagamento máximo de venda ao governo da Lista de Medicamentos preço utilizado: CMED Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos foi aplicado um redutor de 47,3% sobre os preços da lista, pois já se sabia que os valores eram muito altos Participação de empresas individuais ou em consórcio, sem limitação Inversão de fases (preço + habilitação)

11 Qualificação técnica: operação de planta fabril de medicamentos, com Certificado de Boas Práticas de Fabricação reconhecido pela Anvisa, FDA, EMER ou PMDA, com capacidade de produção de ao menos 720 mi de comprimidos/cápsulas e 13,2 mi de ampolas Ao menos 30 dos 96 Registros da Lista Básica de Medicamentos Qualificação ec-financeira: PL de R$ 10% ou 13% (consórcio) do valor estimado para o contrato = R$ 26mi

12 caracterização do escopo do contrato, de modo a não se restringir a uma aquisição de mercadorias por meio da PPP caracterização dos serviços a serem prestados pela SPE elaboração e renovação da lista de medicamentos Possibilidade ou não de receitas acessórias Aspectos tributários incidência de ISS? ICMS?

13 Análise como se fosse contrato pela Lei 8666 Impropriedades do ato convocatório, com restrição à competitividade, uma vez que apenas 1 empresa participou do certame (e 75 pediram o edital) Garantia da proposta superior a 1% do valor dos investimentos (140 mi) Exigência de certidão de regularidade profissional do contador, emitida pelo CRC Exigência do Certificado de Boas Práticas de Fabricação (defesa apresentada pela FURP ainda em análise)

14 Assinado em (15 anos) com a CPM Concessionária Paulista de Medicamentos S/A (Germed) R$ ,00 (soma das CP estimadas para o período) Criação de uma Unidade Reguladora da PPP no âmbito da FURP com o Grupo de Gestão e o Grupo de Fiscalização Pronta para produzir medicamentos Possibilidade de antecipação da produção em um ano Dificuldades: orçamento da Secretaria da Saúde para a antecipação - lição: cláusula contratual de prazos mínimos para o Poder Concedente

15 Obrigada!

Formação em PPP Edição Concessão Administrativa da Indústria Farmacêutica de Américo Brasiliense IFAB/FURP

Formação em PPP Edição Concessão Administrativa da Indústria Farmacêutica de Américo Brasiliense IFAB/FURP Formação em PPP Edição 2014 Concessão Administrativa da Indústria Farmacêutica de Américo Brasiliense IFAB/FURP Rosane Menezes Lohbauer MHM Advogados Novembro de 2014 AGENDA - Os motivos para a contratação

Leia mais

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO INTERPOSTA PELA EMPRESA: R.V. CONSULT TRANSPORTES E LOGÍSTICA LTDA REFERENTE AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 035/2013

RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO INTERPOSTA PELA EMPRESA: R.V. CONSULT TRANSPORTES E LOGÍSTICA LTDA REFERENTE AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 035/2013 RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO INTERPOSTA PELA EMPRESA: R.V. CONSULT TRANSPORTES E LOGÍSTICA LTDA REFERENTE AO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 035/2013 Trata-se da análise da impugnação interposta às fls. 129/138,

Leia mais

LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA LICITAÇÕES DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA A NECESSÁRIA VISÃO PANORÂMICA SOB OS OLHARES DO PÚBLICO E DO PRIVADO Carga horária: 16 horas A - A PREVISÃO CONSTITUCIONAL E A LICITAÇÃO 1. Da supremacia das

Leia mais

FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI

FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR FURP SETRM 2015 USP/GAESI FLAVIO VORMITTAG Médico pediatra FMUSP Especialização Medicina Farmacêutica UNIFESP Mestrado em Administração de Empresas FEA USP FURP - Superintendente

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Conceitos Verificações 1 VISÃO GERAL... 112 1.1 O QUE É O ARRENDAMENTO PORTUÁRIO?... 112 2 VERIFICAÇÕES INICIAIS... 113 3 ANÁLISE DOS ESTUDOS DE VIABILIDADE... 114 4 ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA... 117 5

Leia mais

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e Marcus Vinicius Macedo Pessanha Sócio Coordenador de Direito Regulatório Escritório Nelson Wilians e Advogados

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom 1. IDENTIFICAÇÃO TC n : Órgão concedente: Objeto da outorga: Local: 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL a Constituição Federal, art. 21, XI; b - Lei n.º 9.472/97; c - Resolução ANATEL n.º 65/98 e 73/98; d - Lei n.º

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO Nº 1.687 ANTAQ

MINUTA DA RESOLUÇÃO Nº 1.687 ANTAQ MINUTA DA RESOLUÇÃO Nº 1.687 ANTAQ Dispositivo Texto Proposta SINDICOM Art. 2º, inciso IV IV - Áreas e Instalações Portuárias Operacionais: as destinadas à movimentação e à armazenagem de cargas e ao embarque

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM

EDITAL DE LICITAÇÃO. Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM EDITAL DE LICITAÇÃO Modalidade: CONCORRÊNCIA Nº. 01/2013 SEGEM Tipo: MELHOR TÉCNICA E MENOR VALOR POR TONELADA A SER PAGO PELO PODER CONCEDENTE PARA A EXECUÇÃO DO OBJETO DO PRESENTE EDITAL Processo nº.

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED

CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED A FUNDAÇÃO EZEQUIEL DIAS, instituída pela Lei 5.594 de 06 de novembro de 1970, regulamentada pelo Decreto nº 45.712, de 30 de agosto de 2011, por intermédio de sua Presidência,

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação Renata Alves Campos - Analista de T. I. (CoInfo) André de Oliveira Eskenazi

Leia mais

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS DIMENSÃO DO PROJETO BÁSICO NA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS PRECEDIDOS DA EXECUÇÃO DE OBRA PÚBLICA Cezar Augusto Pinto Motta TCE-RS / Ibraop Pedro

Leia mais

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONCESSÃO DE AEROPORTOS ATUAÇÃO DO TCU NO ACOMPANHAMENTO DE CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA Francisco Giusepe Donato Martins Secretaria de Fiscalização de Desestatização

Leia mais

Orientação aos gestores federal, estadual e municipal do Sistema Único de Saúde

Orientação aos gestores federal, estadual e municipal do Sistema Único de Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos Coordenação-Geral de Gestão Orientação aos gestores federal,

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos Formação em Parcerias Público Privadas Desenvolvimento de uma carteira de projetos Novembro de 2013 1. Contexto Atual 2. Análise das Demandas do Setor Público 3. Como Estruturar um Procedimento 4. Como

Leia mais

Memorial Técnico para Elaboração de Proposta Comercial

Memorial Técnico para Elaboração de Proposta Comercial I MEMORIAL TÉCNICO DO XXVII CBP: 1. Objeto da Concorrência: 1.1. Selecionar a(s) Montadora(s) prestadora(s) de serviços de montagem para as diversas fases BLOCOS para a implantação do XXVII CBP no Transamérica

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS

REGULAMENTO DE COMPRAS REGULAMENTO DE COMPRAS A SPDM /PAIS Associação Paulista Para O Desenvolvimento da Medicina, vem por meio deste dar publicidade ao Regulamento Próprio utilizado contendo os procedimentos que adotará para

Leia mais

Privadas O Projeto de Lei em tramitação

Privadas O Projeto de Lei em tramitação BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Parcerias Público-Privadas Privadas O Projeto de Lei em tramitação MAURÍCIO PORTUGAL RIBEIRO CONSULTOR JURÍDICO DA UNIDADE DE PPP DO MINISTÉRIO

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCHs. Belo Horizonte, 23 de abril de 2008

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCHs. Belo Horizonte, 23 de abril de 2008 Viabilizando Investimentos em PCHs Belo Horizonte, 23 de abril de 2008 Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

O modelo de Parceria adotado pelo Estado do Ceará para a PPP do Castelão foi a Concessão Administrativa com receitas compartilhadas.

O modelo de Parceria adotado pelo Estado do Ceará para a PPP do Castelão foi a Concessão Administrativa com receitas compartilhadas. ARENA CASTELÃO O CONTRATO DE PPP Modelo Adotado O modelo de Parceria adotado pelo Estado do Ceará para a PPP do Castelão foi a Concessão Administrativa com receitas compartilhadas. FONTE DOS RECURSOS (contra

Leia mais

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 AGENDA 2 I. CONSIDERAÇÕES GERAIS II. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS LEGAIS E CONTRATUAIS III. REGULAÇÃO DO SECTOR PETROLÍFERO

Leia mais

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP Outubro 2015 QUEM SOMOS E NOSSA EXPERIÊNCIA 9º maior escritório do Brasil Estamos entre os três melhores escritórios brasileiros na área de direito público,

Leia mais

RODOVIA DOS TAMOIOS (ESTADO DE SÃO PAULO)

RODOVIA DOS TAMOIOS (ESTADO DE SÃO PAULO) RODOVIA DOS TAMOIOS (ESTADO DE SÃO PAULO) ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 22/12/2014 ETAPA DO PROJETO Intenção Modelagem Iniciada PMI Iniciado Consulta Iniciada Consulta Encerrada Licitação em Andamento Vencedor Declarado

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios

Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios André Dabus 15/09/2015 Agenda Breve apresentação AD; Financiabilidade, Riscos e Garantias no Segmento de Infraestrutura; Identificação e

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A.

METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. METODOLOGIA PARA ANÁLISE DA REVISÃO ORDINÁRIA DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA FIRMADA ENTRE O MUNICÍPIO DE RIO CLARO E A FOZ DE RIO CLARO S/A. A Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.143, DE 2011 Proíbe a comercialização de produtos ópticos na condição que menciona. Autor: Deputado ARNALDO FARIA DE SÁ

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração SOBRATEMA Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento Departamento da Indústria da Construção DECONCIC da FIESP 1 MISSÃO,

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO Por João Luiz Faria Netto A nova lei conta com normas principais e obrigatórias para a contratação de agências de publicidade

Leia mais

Circ.Demap/Dilic-571/2013 Brasília, 4 de dezembro de 2013 Pt. 1301581740

Circ.Demap/Dilic-571/2013 Brasília, 4 de dezembro de 2013 Pt. 1301581740 1 Circ.Demap/Dilic-571/2013 Brasília, 4 de dezembro de 2013 Pt. 1301581740 Às Licitantes da Concorrência Internacional Demap nº 133/2013 Prezados Senhores: Referimo-nos ao Edital da Concorrência Internacional

Leia mais

FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL. Uma Abordagem Prática

FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL. Uma Abordagem Prática FRANCINETT VIDIGAL JUNIOR Diretor Presidente VAE VALOR & ATITUDE EMPRESARIAL Como Uma Empresa se Organiza Para Desenvolver CONCESSÕES e PPPs Uma Abordagem Prática SUMÁRIO I. CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO. EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 SGG/Gabinete do Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo

NOTA DE ESCLARECIMENTO. EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 SGG/Gabinete do Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo NOTA DE ESCLARECIMENTO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 SGG/Gabinete do Secretário de Estado Extraordinário da Copa do Mundo 1. Tendo em vista as características do projeto objeto desta licitação e

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS terça-feira, 10 de novembro de 2015 Objetivo Apresentar os alguns dos tipos de relacionamento estabelecidos entre a

Leia mais

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR Objeto da Concorrência

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Em qualquer licitação, se o projeto básico for falho ou incompleto, a licitação estará viciada e a contratação não atenderá aos objetivos da Administração.* PROJETO BÁSICO - INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO: É o conjunto

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde REGULAMENTO DE COMPRAS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DAS UNIDADES SOB GERENCIAMENTO DA O.S.S. SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A SPDM

Leia mais

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Bernard Appy LCA Consultores TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Roteiro EFEITOS DO MODELO DE TRIBUTAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL A estrutura tributária

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO IX - ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA CONCESSÃO. Análise Econômico-financeira da Concessão A licitante deverá apresentar uma análise econômico-financeira da concessão,

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PRIVADAS

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PRIVADAS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS Segundo a Lei Federal 11.079/04, a Parceria Público-Privada é um contrato administrativo de concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa: Patrocinada

Leia mais

ENGENHARIA DE PROJETO

ENGENHARIA DE PROJETO ENGENHARIA DE PROJETO TORKE ENGENHARIA Nossa empresa é especializada na execução de projetos industriais. Grandes e pequenas companhias confiam em nós para realizar seus projetos de novas fábricas, ampliações

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011

M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011 M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO Abril 2011 1 M&A PRINCIPAIS ETAPAS DE OPERAÇÃO DE M&A Etapa 1 Acordos Preliminares Elaboração, revisão e negociação

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 07/2013

COLETA DE PREÇOS nº 07/2013 COLETA DE PREÇOS nº 07/2013 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério de menor preço, objetivando

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Agência de Propaganda

Agência de Propaganda Agência de Propaganda Um assinante do Consultor Municipal fez a seguinte consulta: As empresas de propaganda e marketing são consideradas agências? E qual seria a base de cálculo do ISS? Por ser um assunto

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA SUPERVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE SISTEMAS E TECNOLOGIA

SECRETARIA DA FAZENDA SUPERVISÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE SISTEMAS E TECNOLOGIA LICITAÇÃO PÚBLICA INTERNACIONAL - LPI N 0 001/CELIC/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N 0 0122073-14.00/12-0 RESPOSTAS DO CONTRATANTE Respostas aos questionamentos enviados pela empresa STEFANINI ASSESSORIA

Leia mais

Controle Fiscal das Operações com Papel Imune

Controle Fiscal das Operações com Papel Imune Controle Fiscal das Operações com Papel Imune 1 Contexto A Constituição Federal do Brasil concede imunidade de impostos que incidam sobre livros, jornais, periódicos e ao papel destinado a sua impressão.

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha)

RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha) RESPOSTAS À CONSULTA PÚBLICA PPP UAI (Betim, Governador Valadares, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia e Varginha) Os questionamentos realizados pelos interessados foram agrupados e sintetizados em torno

Leia mais

Desafios Motivadores do Investimento

Desafios Motivadores do Investimento Desafios Motivadores do Investimento Governança Corporativa Auditoria Aumentar as Receitas Reports para Acionistas Prevenção Compliance Mitigar Riscos Reduzir Custos Diminuir a carga Operacional Eliminar

Leia mais

SEMINARIO 10 ANOS DA LEI DE PPP

SEMINARIO 10 ANOS DA LEI DE PPP SEMINARIO 10 ANOS DA LEI DE PPP Manifestações de Interesse da Iniciativa Privada (MIP) A experiência de São Paulo Companhia Paulista de Parcerias CPP Secretaria da Fazenda Salvador - Setembro/2014 Visão

Leia mais

SIM da RMBS. AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013

SIM da RMBS. AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013 SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS AUDIÊNCIA PÚBLICA DA PPP DO SIM DA RMBS 23/Outubro/2013

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR Projeto Básico da Contratação de Serviços: Contratação de empresa para prestação de serviços de consultoria, análise e mapeamento em gestão comercial para a Gramadotur. Dos Fatos:

Leia mais

Formulário de Qualificação da Empresa / Empreendimento

Formulário de Qualificação da Empresa / Empreendimento Formulário de Qualificação da / Empreendimento Nome da /Empreendimento: Formulário de Qualificação da - V01-1 /15 - Informações Gerais da : Nome: Endereço: Cidade: Estado: CEP: Fone: Fax: Nome Fantasia:

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL

A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL Participação do capital estrangeiro PPP da FURP Rosane Menezes Lohbauer Março - 2015 Agenda A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL Participação do capital estrangeiro Panorama histórico

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL: ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE NEGÓCIOS DOS SUBPROJETOS DE ACESSO AO MERCADO Salvador Maio 2016 Sumário 1. OBJETO... 4 2. OBJETIVO... 4 3. CONTEXTUALIZAÇÃO...

Leia mais

Relatório de Comercialização

Relatório de Comercialização Relatório de Comercialização Outubro 2015 1. Monitoramento do Mercado de Medicamentos Lei nº 10.742, de 6 de outubro de 2003 Define normas de regulação para o setor farmacêutico, cria a Câmara de Regulação

Leia mais

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados Proposta preliminar para discussão com Versão de 23 de abril de 2004 Potenciais Parceiros Privados Apresentação O Governo do Estado de Minas Gerais, com a publicação da Lei nº 14.868, de 16 de dezembro

Leia mais

CONVITE / COMPRA DIRETA FFM 004/15 CP

CONVITE / COMPRA DIRETA FFM 004/15 CP CONVITE / COMPRA DIRETA FFM 004/15 CP A Fundação Faculdade de Medicina, entidade filantrópica, de direito privado, sem fins lucrativos, vem convidar V. Sas a participar do processo de Pedido de Cotação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO ASSESSORIA JURÍDICA PROTOCOLO Nº 963.852/2010. INTERESSADA: Divisão de Licitações

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO ASSESSORIA JURÍDICA PROTOCOLO Nº 963.852/2010. INTERESSADA: Divisão de Licitações DEPARTAMENTO DO PROTOCOLO Nº 963.852/2010 INTERESSADA: Divisão de Licitações ASSUNTO: Contratação de empresa para a prestação de serviços de agenciamento, reserva e fornecimento de passagens aéreas e/ou

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue:

Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos sobre a licitação, conforme segue: Quanto aos questionamentos apresentados pela empresa LORENO, passamos a responder o seguinte: Conforme previsto no item VIII do edital de Pregão nº 44/2009, apresentamos nosso pedido de esclarecimentos

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº 06/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS

CONCORRÊNCIA Nº 06/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS CONCORRÊNCIA Nº 06/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS Pergunta 1: Com relação a qualificação econômico-financeira, o item 3.8.3.2 requer um capital social integralizado não inferior a R$ 800.000,00. Esse valor

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL FPTI-BR N 094/2014 PROCESSO Nº.: 0022/2014 Tecnologia nanômetro não é apenas um tecnologia da INTEL? A tecnologia de 22nm pode ser utilizada por diversas marcas conforme mencionado

Leia mais

Da Comunidade TI Controle. para o. Superior Tribunal de Justiça

Da Comunidade TI Controle. para o. Superior Tribunal de Justiça Da Comunidade TI Controle para o Superior Tribunal de Justiça Serviços de Infraestrutura de TI Modelo em UST Aplicação do Modelo Proposto Proposta TiControle Propor um modelo de contratação de serviços

Leia mais

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 -

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 - Parceria P ú blico-privada PPP Novembro/2003 - Definição de Contrato de PPP Execução Clique de para obras, editar serviços os estilos e do atividades texto de mestre interesse Segundo público, cuja nível

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1

Apresentação. Planejamento tributário como técnica de economizar impostos indiretos nos limites da lei. Parte I - Economia de Impostos, 1 Apresentação Prefácio à 11ª edição Prefácio à 10ª edição Prefácio à 9ª edição Prefácio à 8ª edição Prefácio à 7ª edição Prefácio à 6ª edição Nota à 5ª edição Prefácio Planejamento tributário como técnica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA LEI Nº 2.342, de 28 de dezembro de 2015 EMENTA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a conceder à iniciativa privada o serviço público de tratamento e destinação final de resíduos sólidos urbanos do Município

Leia mais

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS.

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. O MUNICÍPIO DE PALMAS, no Estado do Tocantins, através da Secretaria Municipal de Saúde, pela COMISSÃO ESPECIAL DE

Leia mais

Luiz Affonso Trevisan Prefeito Municipal

Luiz Affonso Trevisan Prefeito Municipal Projeto de Lei nº 124, de 24 de novembro de 2015. Autoriza o Executivo Municipal a realizar a concessão gratuita de direito real de uso, de 01 (um) lote no Distrito Industrial a Empresa ALDAIR GALLON,

Leia mais

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia causada pelo endividamento público Limitação provocada pela

Leia mais

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA - CONCEITO Debêntures: título de crédito, representativo de dívida da companhia emissora (art.

Leia mais

Portaria SEP/PR nº 38/2013. Portos. Portos. Secretaria de

Portaria SEP/PR nº 38/2013. Portos. Portos. Secretaria de Portaria SEP/PR nº 38/2013 Portos Secretaria de Portos CFT COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO AUDIÊNCIA PÚBLICA Tema: Obter esclarecimentos da autorização da Portaria nº 38, de 14/03/2013, para contratação

Leia mais

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO Definição Regime Especial de Tributação (RET) é um processo administrativo por meio do qual a SEF concede, em caráter individual, tratamento especial ao contribuinte, considerando

Leia mais

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS

PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS PARECER SOBRE A LEI DA SOLIDARIEDADE-RS 1) FUNDAMENTO LEGAL: Objetivando expressar nosso Parecer Técnico sobre a legislação que fundamenta o programa de incentivo fiscal (Programa de Apoio à Inclusão e

Leia mais

ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA 1.1. Sem prejuízo da observância das demais regras constantes do EDITAL, o LICITANTE deverá apresentar, no PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

WEGH Assessoria e Logística Internacional Ltda.

WEGH Assessoria e Logística Internacional Ltda. ILMO. SR. DR. PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO N. 79/2012 DA FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E A EXTENSAO - FAPEX Pregão Eletrônico nº 79/2012 WEGH ASSESSORIA E LOGISTICA INTERNACIONAL LTDA, com sede na Rua

Leia mais

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE

ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE ANEXO VII LEI Nº13.190 DE 11 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício de 2015, e dá outras providências. Art. 60 - Sem prejuízo das disposições contidas nos demais artigos,

Leia mais

Concorrência Conjunta nº 03/2007. Perguntas e Respostas

Concorrência Conjunta nº 03/2007. Perguntas e Respostas Brasília, 02/08/2007 Concorrência Conjunta nº 03/2007 Perguntas e Respostas A Comissão Permanente de Licitação (CPL) registra a seguir perguntas de empresas interessadas em participar do certame em referência

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Viabilizando Investimentos em PCH no Estado de Minas Gerais Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação de Empresas

Leia mais

Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos sólidos 19 de maio de 2015, às 9h

Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos sólidos 19 de maio de 2015, às 9h PALESTRA: Desafios da Responsabilidade Compartilhada pela Gestão de Resíduos PALESTRANTE: ANNELISE MONTEIRO STEIGLEDER PAINEL: DATA : Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos

Leia mais

Qualificação técnica. A documentação relativa à qualificação técnica limita-se a:

Qualificação técnica. A documentação relativa à qualificação técnica limita-se a: Observe, quando da contratação de empresas para realização de obras e/ou prestação de serviços, o disposto na Lei 8.212/91, que determina a exigência da Certidão Negativa de Débito da empresa na contratação

Leia mais