ESTRATÉGIAS DE MARKETING. Um estudo sobre o uso do zinco e as estratégias de marketing no segmento galvanizador geral brasileiro.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIAS DE MARKETING. Um estudo sobre o uso do zinco e as estratégias de marketing no segmento galvanizador geral brasileiro."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL USCS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MARKETING MBA ADAUTO CASIMIRO DO NASCIMENTO NETO ESTRATÉGIAS DE MARKETING Um estudo sobre o uso do zinco e as estratégias de marketing no segmento galvanizador geral brasileiro. SÃO CAETANO DO SUL 2009

2 UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL USCS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MARKETING MBA ADAUTO CASIMIRO DO NASCIMENTO NETO ESTRATÉGIAS DE MARKETING Um estudo sobre o uso do zinco e as estratégias de marketing no segmento galvanizador geral brasileiro. Trabalho de conclusão de curso de MBA apresentado como requisito parcial para a obtenção do título de especialista em Marketing, no Programa de MBA em Marketing da Universidade Municipal de São Caetano do Sul - USCS. Orientador: Prof. Dr. Fabio Appolinário SÃO CAETANO DO SUL 2009

3 ADAUTO CASIMIRO DO NASCIMENTO NETO ESTRATÉGIAS DE MARKETING Um estudo sobre o uso do zinco e as estratégias de marketing no segmento galvanizador geral brasileiro. Trabalho de conclusão de curso apresentado à Universidade Municipal de São Caetano do Sul - USCS, como parte dos requisitos para aprovação do curso de especialização de MBA em Marketing. Orientador: Prof. Dr. Fabio Appolinário Data da defesa: 07 de Agosto de Resultado: Aprovado. BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Fabio Appolinário Universidade Municipal de São Caetano do Sul Prof. PhD. Fernando Roberto Santini Universidade Municipal de São Caetano do Sul Profª. Sandra Maria Cabral Universidade Municipal de São Caetano do Sul

4 AGRADECIMENTOS Ao concluir este trabalho, estou realizando um objetivo de longa data, o aprimoramento do conhecimento e o enriquecimento pessoal. Embora a prática profissional e os estudos e pesquisas acadêmicas nem sempre sejam caminhos possíveis de se trilharem ao mesmo tempo, o esforço de percorrê-los vale muito a pena e é muito gratificante. Agradeço a minha família, principalmente meus pais, que nunca deixaram de incentivar e que participaram dessa caminhada e onde consegui chegar até este momento. A USCS e a todos os professores que ao longo do curso puderam me enriquecer com seus ensinamentos, aos colegas da pós-graduação, turma 2007/2008, pela alegria da companhia e pelas valiosas colaborações no aprendizado. Em especial, aos professores Fabio Appolinário e Francisco Carlos Tadeu Starke Rodrigues, pela grande colaboração como orientadores deste trabalho. Ao grande mestre José Adrião, exemplo de profissionalismo, onde sempre me espelho, e ao meu amigo e sócio Max Mazzanti, pela compreensão e paciência nos momentos em que estive ausente, em busca de realizar este MBA. A Deus que me concede a luz do meu caminho, a capacidade de poder exercer minhas funções físicas, de sua sabedoria e dos seus ensinamentos onde posso me espelhar, o entendimento de somar ao receber e a sabedoria de dividir quando necessário.

5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a minha amada esposa Luciana, sempre presente e paciente comigo, aos meus filhos Victória e Victor Hugo, a razão da minha vida e aos meus pais Sr. Manoel e Dona Antonia, a base de tudo.

6 Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou ali, no meio deles. Mateus 18, 20.

7 Sumário Agradecimentos...iv Resumo...ix Abstract...x Lista de figuras...xi Lista de quadros...xii Lista de apêndices...xiii I INTRODUÇÃO...01 II TEMA E JUSTIFICATIVA III IV OBJETIVO DA PESQUISA...02 MÉTODO Sujeitos Materiais Procedimentos...04 V O ZINCO e SEUS ASPECTOS TÉCNICOS A história do zinco O minério de zinco O zinco metálico As propriedades e principais usos do zinco...08 VI O ZINCO E SEUS ASPECTOS SOCIAIS E ECONOMICOS O zinco e a sociedade O valor econômico da indústria do zinco O zinco é uma commodity...11 VII A GALVANIZAÇÃO E SEUS ASPECTOS TÉCNICOS A história da galvanização a fogo Conceito de corrosão Como o zinco protege contra a corrosão...14

8 7.4 - Galvanização a fogo Fatores importantes para galvanizar O processo de galvanização a fogo...15 VIII O MERCADO BRASILEIRO DE ZINCO E DE GALVANIZAÇÃO A indústria do zinco no Brasil O mercado consumidor brasileiro de zinco A indústria brasileira de galvanização...20 IV MARKETING Conceitos básicos Marketing industrial Estratégias de marketing Segmentação de mercado e mercado-alvo Diferenciação de produtos e serviços Canais de marketing e redes de valor...36 V VI VII VIII RESULTADOS...40 CONCLUSÃO...41 REFERÊNCIAS...42 APÊNDICES...45

9 RESUMO O objetivo deste trabalho é o de analisar a existência de estratégias de marketing das empresas de grande, médio e pequeno porte, prestadoras de serviços de galvanização geral no Brasil, para mostrar e divulgar os benefícios do material revestido com zinco em relação a outros revestimentos e, consequentemente, o aumento do uso e consumo do zinco metálico neste principal segmento de mercado, e, através de uma abordagem ampla sobre os principais conceitos e questões sobre o marketing, como marketing industrial, estratégias de marketing, segmentação de mercado e mercado-alvo, diferenciação de produtos e de serviços, canais de distribuição e rede de valor, partiu para a realização de uma pesquisa, com um roteiro de entrevista estruturado, no qual foram coletados dados de sete sujeitos amostrados de forma não-probabilística proposital, localizados no estado de São Paulo, representando 10% do total de empresas do mercado brasileiro de galvanização geral. Após avaliação dos resultados obtidos na pesquisa, pode-se constatar que a maioria do segmento galvanizador geral brasileiro não tem nenhuma estratégia de marketing voltada para a divulgação e promoção do uso de revestimento de zinco em relação a outros revestimentos. Ficando claro que somente algumas empresas de grande porte identificam a necessidade de formular e criar estratégias voltadas para o produto e/ou serviços, porém, que se desenvolvem muito timidamente. Outros aspectos, como fator de decisão para galvanizar, diferenciais avaliados pelo cliente, desenvolvimento de novos mercados, parcerias com fornecedores, atendimento das necessidades e relação com o mercado, também foram apurados neste trabalho. Palavras chaves: Zinco, Galvanização e Estratégias de Marketing.

10 ABSTRACT The aim of this work is to analize the existence of marketing strategies in companies of large, medium and small sizes, which are outsourcers on general galvinizing in Brazil. All in all to show and also spread the advantages of materials covered with zinc in relation to other kinds of plating. And as a consequence, the increasing use and consumption of metallic zinc at the market segment. Through a broad approach about the main marketing concepts and matters, such as: industrial marketing, marketing strategies, market segments and target market, products and services discriminations, distribution and net worth, the research was set with a structured interviewed script, which data was collected in an intentional nonprobabilistic method from seven companies located in Sao Paulo State that represents 10% of the total companies in galvanizing in the domestic market. After evaluating the results, it was possible to establish that most Brazilian galvanizing segment doesn t have any marketing strategy concerned with spreading and promotion in the use of zinc over other types of covering. It s conclusive that a few large sized companies recognize the necessity to formulate and create strategies focused on products and services. They have a slight development, however. Other aspects, such as: decision power for galvanizing, discrimination criteria by clientele, partnerships with suppliers, attendance of necessities and market comparision were also investigated on this research. Keywords: Zinc, Galvanizing and Marketing Strategies.

11 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Fluxograma do processo de galvanização...16 Figura 2 Evolução do consumo de zinco metálico no Brasil...18 Figura 3 Segmentos consumidores de zinco no Brasil...18

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Propriedades físico-químicas do elemento zinco...08 Quadro 2 Aplicações do zinco no Brasil...19 Quadro 3 Análise do conteúdo das respostas dos sujeitos entrevistados...40

13 LISTA DE APÊNDICES Apêndice 1 Roteiro de Entrevista...45 Apêndice 2 Entrevista com a empresa Apêndice 3 Entrevista com a empresa Apêndice 4 Entrevista com a empresa Apêndice 5 Entrevista com a empresa Apêndice 6 Entrevista com a empresa Apêndice 7 Entrevista com a empresa Apêndice 8 Entrevista com a empresa

14 1 I - INTRODUÇÃO O zinco é um metal não ferroso presente em nosso cotidiano, essencial para vida do ser humano, e possui quatro fatores chaves importantes e indispensáveis para a sociedade: Natural, Protetor, Sustentável e Não Agride o Ambiente. A sociedade não vive sem o zinco (ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO ZINCO, 2000;2009). Do momento que saímos de casa até nosso retorno, de alguma maneira estamos em contato com o zinco ou utilizando algum tipo de derivado desse metal. Desde um simples utensílio doméstico como uma panela de pressão, medicamentos básicos para a proteção da pele e até as mais avançadas aplicações na indústria aeroespacial, este insumo faz parte de várias maneiras em nossas vidas. O zinco é o quarto metal mais consumido no mundo, ficando atrás apenas do ferro, do alumínio e do cobre (GRUPO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DO CHUMBO E DO ZINCO, 2000;2009). Cé (2000), informa que existe um grande potencial de crescimento no mercado brasileiro de zinco e que ainda pode ser explorado. A possibilidade de permitir aos consumidores maiores opções na escolha de produtos de melhor qualidade, reflete no desenvolvimento do uso do zinco em revestimentos, através das indústrias de galvanização, segmento que representa mais de 50% do consumo brasileiro de zinco. De acordo com o Instituto de Metais Não Ferrosos (2009), o segmento de galvanização é dividido em dois processos distintos, o de galvanização linha contínua e o de galvanização geral. A indústria da galvanização geral brasileira, prestadora de serviços de galvanização, não utiliza o zinco em sua devida importância, principalmente devido a grande concorrência que existe entre os sistemas de revestimentos com zinco e o sistema de revestimento com tinta. Este fato merece ser mais bem estudado; dessa forma, propõe-se identificar os motivos pelo qual o zinco não é utilizado em maior escala, analisando a existência de estratégias de marketing utilizadas pelas empresas pertencentes a esse segmento de mercado.

15 2 II - Tema e justificativa O tema estudado é o uso do zinco e as estratégias de marketing da indústria de galvanização geral brasileira. Tal tema se justifica por se tratar de tema relevante para este pesquisador, empresário do setor. Igualmente se justifica para o conjunto dos empresários do setor, uma vez que trabalhos desse tipo são raros; para a USCS, tal tema é inovador, não existindo outro anterior a este. Por meio de análise das estratégias de marketing que possibilitem mostrar e divulgar os benefícios do material revestido com zinco, o mercado consumidor passará a ter um esclarecimento maior no momento de decidir qual revestimento utilizar. III - Objetivo da pesquisa O objetivo deste estudo é alcançar a resposta para o seguinte Problema de Pesquisa: Quais as estratégias de marketing utilizadas pelas empresas do segmento de galvanização geral brasileiro, para mostrar e divulgar os benefícios do material revestido com zinco em relação a outros revestimentos?. O principal consumidor de zinco no Brasil e no mundo é o segmento de galvanização. Este segmento é dividido em dois processos distintos, o primeiro de galvanização linha contínua, constituídas basicamente pelas grandes siderúrgicas brasileiras e o segundo de galvanização geral, empresas prestadoras de serviços de galvanização, com estrutura de grande, médio e pequeno porte, sendo este o objeto da pesquisa. Faz-se importante analisar se existe alguma estratégia de marketing para mostrar e divulgar os benefícios do material galvanizado em relação ao material pintado e, com isso, proporcionar um aumento significativo no consumo de zinco. IV - Método O estudo proposto desdobra-se em duas partes. A primeira consiste em uma revisão crítica da bibliografia. Nela, descreve-se como são abordadas as questões relacionadas ao marketing, seus conceitos básicos, marketing industrial, as estratégias de marketing, segmentação de mercado e mercado-alvo,

16 3 diferenciação de produtos e de serviços, canais de distribuição e rede de valor. Esta primeira parte busca, por um lado, justificar as contribuições do trabalho, a relevância e o ineditismo do estudo. Por outro, estrutura uma metodologia de integração sob um enfoque teórico, para ser utilizado como ponto de partida para a segunda parte. A segunda parte consiste em, a partir da metodologia teórica, projetar e realizar uma pesquisa aplicada, descritiva, transversal, preponderantemente qualitativa, de campo em relação à coleta de dados e em relação à fonte de informação (APPOLINÁRIO, 2006) Sujeitos Foram selecionadas para participar deste estudo as empresas prestadoras de serviços de galvanização geral, sediadas no estado de São Paulo. A amostra teve 7 sujeitos, que foram amostrados de forma não-probabilística proposital e definidos pelo critério de acessibilidade. Do total de sujeitos pesquisados, três eram de grande porte, sendo um localizado na cidade de Guarulhos, outro em Santo André, e o terceiro em Araçariguama, com a média de 89 funcionários e desvio padrão de 8,5 funcionários, capacidade média produtiva de toneladas e desvio padrão de 897 toneladas por mês e com tamanho médio da cuba (local onde o zinco fica líquido) de 8,5 metros e desvio padrão de 1,8 metros. Outros três sujeitos eram de médio porte, sendo dois também localizados na cidade de Guarulhos e um na própria cidade de São Paulo, com a média de 46 funcionários e desvio padrão de 8,7 funcionários, capacidade média produtiva de 567 toneladas e desvio padrão de 153 toneladas por mês e com tamanho médio da cuba de 3,1 metros e desvio padrão de 0,1 metros. Por último, um sujeito de pequeno porte, localizado na cidade de Mauá, com 28 funcionários, capacidade produtiva de 300 toneladas mensal e com uma cuba no tamanho de 3,3 metros.

17 Materiais Para o levantamento dos dados necessários à realização deste estudo, foi elaborado um roteiro de entrevista estruturado com sete questões abertas (ver apêndice 1) Procedimentos Os sujeitos desta pesquisa foram contatados via telefone, sendo agendada uma visita pessoal com os diretores e/ou proprietários das empresas, para uma entrevista pessoal. Os relatos na íntegra das entrevistas podem ser observados nos apêndices 2 a 8.

18 5 5.1 A história do zinco CAPÍTULO V O ZINCO E SEUS ASPECTOS TÉCNICOS Séculos antes da descoberta do zinco em forma metálica, seus minérios, já eram utilizados para fazer compostos de zinco para o tratamento de lesões na pele e irritação ocular e de latão como utensílios domésticos. O latão (liga da família de cobre e zinco) era produzido pelos romanos, na era dos Césares (20a.C. 14d.C). No ano de 1374, o zinco foi reconhecido na Índia, como um novo metal. Também na Índia, mais precisamente em Zawar, nos séculos XII a XVI, tanto o metal como o óxido de zinco passou a ser produzido. No século XVII, a fabricação do zinco migrou da Índia para a China. Em 1546, o zinco foi reconhecido como um metal independente na Europa. A primeira fundição de zinco foi estabelecida em Bristol, no Reino Unido, no ano de 1743 (ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO ZINCO, 2000;2009). 5.2 O minério de zinco A Associação Internacional do Zinco (2000;2009), informa que o zinco encontra se na natureza, em sua maior parte, na forma de sulfeto mineral denominado blenda e esfalerita, ambos de cor caramelo e marmatita, de cor escura; sua notação científica é Zn e está presente na água, no solo e no ar. A quantidade de zinco na primeira milha da crosta da terra sob terra firme é de toneladas; nos oceanos e leito do mar existem toneladas, caracterizando a abundância do minério. Existem no mundo aproximadamente 270 minas de zinco, sendo 75% localizadas na América e na Ásia. A produção de minério de zinco em 2008 foi de toneladas (GRUPO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DO CHUMBO E DO ZINCO, 2000;2009). De acordo com o circuito de extração e produção de concentrado de zinco da Associação Latino-Americana de Zinco (2009), o processo de mineração do zinco consiste em três etapas, a extração e concentração, moagem e flotação.

19 6 A primeira etapa consiste em extrair a rocha mineral da natureza, podendo efetuar-se a céu aberto ou subterrâneo, com variação nos teores dependendo da mina (de 5 a 15% de zinco) e em seguida é transportada para uma planta concentradora onde separa os tamanhos dos fragmentos. A segunda etapa é a de moer continuamente as partículas que compõem o mineral até obter uma granulometria máxima de 180 microns ou 0,18mm, permitindo finalmente a liberação dos minerais de zinco em forma de partículas individuais. A terceira e última etapa é a flotação, um processo físico-químico que permite a separação dos minerais sulfetados de zinco (resultante da ocorrência na natureza combinada com o enxofre e o metal) e outros elementos restantes dos minerais que compõem a maior parte da rocha original. A partir deste processo, as partículas de zinco se encontram em forma de sulfetos, de maneira que podem continuar em outras etapas do processo produtivo, concentrando e elevando seu teor até que esteja pronto para o refino e com um percentual de umidade na faixa média de 10% (op. cit.). De acordo com Magalhães Filho (2000), mais de 90% da produção de zinco primário provêm de minérios sulfetados, que são concentrados por flotação e comercializados mundialmente como concentrado sulfetado de zinco. O teor de zinco nos concentrados sulfetados varia de 45 a 60% de zinco e teor de enxofre é de 30 a 33%. Além do zinco e do enxofre, estes concentrados geralmente contêm ferro (2-12%), chumbo (0,5-3%), sílica (0,5-3%), cobre (0,1-1%) como principais impurezas em termos de quantidade e, dependendo do depósito mineral, cádmio e prata. 5.3 O zinco metálico Estima-se que existam 129 refinarias de zinco em todo o mundo, espalhados por 40 países. Destas, 79 são fundições primárias e 50 são operações secundárias. As fábricas primárias são baseadas inteiramente e praticamente na utilização de concentrados de zinco e as secundárias são aquelas que produzem o zinco metálico, ligas de zinco e óxido de zinco da reciclagem de materiais de sucata de zinco. Somente no ano de 2008 foram produzidas toneladas de zinco metálico. (GRUPO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DO CHUMBO E DO ZINCO, 2000;2009).

20 7 O processo por via hidrometalúrgica, conhecido também como processo eletrolítico, que separa os elementos químicos de um composto através da eletricidade, é o mais utilizado para tratamento dos concentrados sulfetados, com mais de 80% de aplicação em plantas de zinco (MAGALHÃES FILHO, 2000). Segundo esse autor (idem), as principais etapas do processo eletrolítico para concentrados sulfetados de zinco são: a) a primeira delas, a ustulação, sua finalidade é remover o enxofre e converter o sulfeto de zinco (ZnS) concentrado em óxido de zinco (ZnO); b) a seguir, processa-se a lixiviação, que é o método para remover o ferro com ácido sulfúrico. Como 90% do zinco ustulado encontra-se na forma de óxido de zinco, a maior parte do restante está presente como ferrita de zinco (ZnO.Fe2O3); c) a purificação é o processo de remoção de algumas impurezas contidas na solução da lixiviação neutra para que a mesma possa ser enviada para a etapa seguintes do processo; d) a eletrólise conta com várias cubas eletrolíticas nas quais estão dispostos os catodos de alumínio (eletrodo negativo) e os anodos de uma liga chumbo-prata (eletrodo positivo). As cubas são alimentadas pelo eletrólito, que é composto pela solução de zinco purificada mais a solução após a passagem pelas cubas, a qual é recirculada ao processo. O eletrólito que alimenta as cubas tem uma concentração de zinco na faixa de 50 a 70 g/l. Pela aplicação de uma corrente elétrica entre os anodos e catodos, o zinco è depositado nos catodos, formando as folhas catódicas (placas finas de zinco), onde possuem um alto grau de pureza superior à 99,995% de zinco. O oxigênio do processo é gerado nos anodos; e) por último a fundição, que tem como objetivo fundir as folhas catódicas, produzidas na eletrólise e efetuar o lingotamento de zinco como zinco SHG (Special High Grade) ou ligas de zinco. O zinco se funde a 420 C e, em geral, são usados fornos elétricos de indução de baixa freqüência tipo canal. O lingotamento do zinco é feito em lingoteiras lineares ou circulares e tradicionalmente os lingotes têm peso unitário de 25 kg.

21 8 O zinco é um metal branco ligeiramente azulado, quebradiço quando está frio, porém se torna maleável e dúctil entre 100 e 150 C. Suas propriedades físicoquímicas podem ser observadas no quadro abaixo: Quadro 1 Propriedades físico-químicas do elemento zinco. Classificação periódica Metal de transição (Grupo IIB) Número atômico 30 Massa atômica 65,37 Densidade 7,133 g/cm³ (a 25 C) Ponto de Fusão 419,4 C Ponto de ebulição 967 C Pressão do vapor 100 mmhg a 736 C Calor latente de fusão 24,09 cal/g Calor específico 0,0915 cal/g/ C (a 20 C) Coeficiente de dilatação térmica linear 39,7 x 10+6 ohm,cm (a 30 C) Condutibilidade térmica 0,27 cal/cm2/ C/s (a 20 C) Resistividade elétrica 5,92 x 10-6 ohm.cm (a 20 C) Potencial de Oxidação Zn Zn2 + 2e = 0,7628 v Número de valência: 2 Equivalente eletroquímico 1,220 g/ah Forma cristalina Hexágona compacta Fonte: Penha Júnior, As propriedades e os principais usos do zinco A Associação Internacional do Zinco (2000;2009), também informa que o zinco está presente em tudo o que as pessoas consomem, dentre estas, pode-se destacar: a) O zinco serve para revestimentos anti-corrosão para aço: Devido à propriedade de reação com o ferro, resistência à corrosão e eletroquímica. O zinco protege o aço através dos processos de galvanização, metalização, eletrodeposição e tintas ricas em zinco. O aço revestido com zinco resiste a deterioração, corrosão, incêndios e inundações melhor que qualquer outro material. Por isto, ele esta sendo

22 9 cada vez mais utilizado na construção residencial, industrial, comercial e agrícola. Já na indústria automobilística, a garantia de proteção contra corrosão é hoje oferecida pelos principais fabricantes de veículos e varia de 6 a 12 anos, podendo chegar a 30 anos. b) Fabricação de ligas: Como tem propriedades e características de liga, o zinco é utilizado principalmente na fabricação de ligas de latão (cobre-zinco) e em outras ligas, como de alumínio e magnésio. O latão é um material cada vez mais popular entre os arquitetos, decoradores e consumidores, além de ser bacteriostático, ou seja, é um material higiênico quando usado em maçanetas, parapeitos e ferragens. c) Componentes de precisão (fundição sob pressão): Com o baixo ponto de fusão, capacidade para tratamento de superfície, resistência e fluidez, as ligas fundidas com base em zinco de alto teor de pureza, tornam-se ideal para milhares de aplicações de fundições, como em utensílios domésticos, pecas de precisão para carros, computadores e equipamentos de comunicação. d) Arquitetura: Como pode ser laminado, tem plasticidade e resistência à corrosão, a folha de zinco faz com que ela seja um material ideal para telhados, drenagem da água da chuva e aplicações de decoração. e) Química: Transformado em óxido de zinco, se torna essencial na produção de borracha, pneus, pigmentos de tinta e vitrificação de cerâmicas. f) Saúde do Ser Humano, Animal e Plantas: As propriedades curativas dos compostos de zinco permitem sua utilização em muitos produtos farmacêuticos e cosméticos, de curativos e cremes anti-sépticos a loções solares. É vital para muitas funções biológicas como resistência contra doenças, ajuda na digestão, reprodução, crescimento físico, controle do diabete, paladar e olfato. Além de ser um nutriente essencial para a indústria alimentícia, de fertilizantes e de ração animal.

23 CAPÍTULO VI O ZINCO E SEUS ASPECTOS SOCIAIS E ECONÔMICOS 6.1 O zinco e a sociedade 10 A sociedade moderna não vive sem o zinco. Além de ser um elemento indispensável para a saúde humana e para todos os organismos vivos ele presta um serviço inestimável, pois ajuda poupar recursos naturais tais como, minério de ferro e energia, além de prolongar a vida dos produtos e dos investimentos de capital em aço, como casas, pontes, instalações portuárias, linhas de distribuição de energia e água, telecomunicações e transporte. De acordo com a Associação Internacional do Zinco (2000;2009), organização que representa os fabricantes de zinco em todo o mundo, indica quatro fatores chaves sobre o zinco: a) o zinco é natural: Está presente em nosso ambiente, em todas as formas, é transportado pela própria natureza, até mesmo por fenômenos naturais, que movimentam o zinco e contribuem com a chamada ciclagem natural. b) o zinco é protetor: Sua qualidade mais importante é o de proteção natural. Protege o aço contra corrosão, prolongando a vida útil em até cinco anos. Protege e preserva a família, pois é essencial a saúde humana, no funcionamento do sistema imunológico, proteção da pele, purificação da água e enriquecimento do solo e proteção das plantações. c) o zinco é sustentável: Satisfaz as necessidades atuais e não compromete as de gerações futuras, pois é totalmente reciclável. Concentra no crescimento econômico. Ajuda no processo social, desenvolvendo papel sustentável e fundamental na iniciativa pública e privada. d) o zinco, especialmente, não agride o ambiente: Atualmente, a quantidade de zinco no meio ambiente está perto dos níveis históricos naturais. Ou seja, as atividades do homem não estão mais afetando o equilíbrio natural do zinco no meio ambiente.

24 O valor econômico da indústria do zinco No desenvolvimento da sociedade moderna, o zinco é um metal essencial. Dada a ampla gama de setores que exploram as propriedades singulares do zinco, não surpreende o fato de que este metal tenha uma importância econômica significativa. O consumo mundial de zinco metálico em 2008 foi de toneladas, é o quarto metal mais consumido no mundo e contribui com cerca de US$ 40 bilhões na economia mundial a cada ano. Somente a indústria do zinco proporciona mais de empregos diretos, além da indústria de mineração de zinco que emprega cerca de pessoas (excluindo-se China) e a de refino e fundição cerca de pessoas (GRUPO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DO CHUMBO E DO ZINCO, 2000;2009). A atuação da indústria do zinco num escopo mundial é liderada por um pequeno grupo, que mantém uma grande capacidade produtiva e que esta distribuída por todos os continentes. Fatores críticos de competitividade, como fontes de vantagens competitivas, fatores internos à empresa, mercado, conção da indústria, regime de incentivos e regulação, são padrões da indústria do zinco que tem relação evidente com o padrão de concorrência. A própria movimentação nas economias mundiais, impactando diretamente os balanços de oferta e demanda de produtos exerce um efeito direto e imediato. As estratégias de investimentos, a busca de melhoria na capacidade de produção, além de oferta de produtos complementares (derivados, ligas e subprodutos do processo), estão cada vez mais sendo adotadas, proporcionando um maior nível de integração das empresas e visando principalmente poder atender as crescentes demandas de zinco (FURQUIM, 2007). 6.3 O zinco é uma commodity Segundo Furquim (2007), a indústria do zinco está fundamentada basicamente na produção de produtos padrão (commodities), que é direcionada à melhor otimização do uso de matérias primas, recursos e busca de ganhos de escala cada vez maiores. Os produtos mais comumente comercializados pela indústria do zinco, é o Zinco SHG (Special High Grade), onde possuem padrões de qualidade mínimos estabelecidos através da Bolsa de Metais de Londres (LME), que

25 12 também estabelece os padrões mínimos de qualidade para comercialização, além dos preços dos mesmos. A LME é a única bolsa internacional que comercializa zinco e que determina 7 regras especiais para estabelecer contratos, sendo elas: tamanho do lote, moeda principal, movimento de preço mínimo, datas de vencimento, formatos e pesos qualidade e garantias (ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DO ZINCO, 2000;2009).

26 CAPÍTULO VII A GALVANIZAÇÃO E SEUS ASPECTOS TÉCNICOS 7.1 A história da galvanização a fogo 13 A galvanização a fogo, como é mais conhecida mundialmente, é um dos mais antigos e bem sucedidos processos de proteção já desenvolvidos. O químico francês P.J. Malouin, em 1741, descobriu que o recobrimento com zinco poderia proteger o aço da corrosão. Em 1837, o engenheiro Stanislaus Tranquille Modeste Sorel patenteou a galvanização a fogo, tendo utilizado o termo galvanização (do nome de Luigi Galvani, , um dos primeiros cientistas interessados na eletricidade) porque é a corrente galvânica que protege o aço. Ela se denomina desta maneira porque quando o aço e o zinco entram em contato em um meio úmido é criada uma diferença de potencial elétrico entre os metais (ASSOCIAÇÃO AMERICANA DE GALVANIZADORES, 2009). Em 1850, as indústrias britânicas de galvanização já consumiam toneladas anuais de zinco para a produção de aço galvanizado. Nos Estados Unidos, somente em 1870, foi aberta a primeira fábrica de galvanização. Naquela época o aço era mergulhado manualmente no banho de zinco (op. cit.). 7.2 Conceito de corrosão De acordo com a Associação Brasileira de Corrosão (2009), a corrosão consiste em um processo de deterioração dos materiais pela ação química ou eletroquímica do meio, podendo estar ou não associado a esforços mecânicos. A oxidação, também chamada de ferrugem, quando encontrada nos metais como ferro e aço, não afeta apenas o aspecto estético do material, também altera sua resistência mecânica e vida útil. A corrosão é um dos maiores consumidores de ferro e aço no mundo. Cerca de 20% da produção mundial é destruída anualmente pela corrosão. A estimativa é que os custos da corrosão para a economia de paises industrializados podem representar cerca de 4% do PIB. Protegendo o aço com o zinco, este custo pode ser reduzido significativamente, prolongando a vida do material em pelo menos cinco vezes (INSTITUTO DE METAIS NÃO FERROSOS, 2009).

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco GT Micronutrientes Resíduos de Zinco Produto Fonte geradora (processo) Exemplos de empresas geradoras no Brasil Cinza de Zn SHG Fusão de placa catódica Votorantim Metais Zinco Fusão de Zn SHG para anodos

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO

INTRODUÇÃO REDUZIR OS IMPACTOS AMBIENTAIS. POR OUTRO INTRODUÇÃO OS METAIS SÃO ATUALMENTE ESSENCIAIS PARA O NOSSO COTIDIANO. OS QUE SÃO MAIS UTILIZADOS SÃO O ALUMÍNIO (EM LATAS), O COBRE (NOS CABOS DE TELEFONE), O CHUMBO (EM BATERIAS DE AUTOMÓVEIS), O NÍQUEL

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Linha Telecom m Teleco

Linha Telecom m Teleco Linha Telecom Telecom Linha Telecom Esteiras para telecomunicações... 93 Sistema para condução e distribuição do cabeamento, constituído de barra chata de aço carbono, muito utilizado como solução no cabeamento

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários

Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários Tecnologias para o Beneficiamento e Tratamento de Resíduos e Produtos Secundários Encontro Técnico GT CONAMA 4ª Reunião André Ribeiro Cotrim Abril 2009 Histórico Necessidade de fertilização com micronutrientes

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC UMA MARCA AXALTA COATING SYSTEMS Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC Soluções inovadoras para demandas de E-Coat Um início brilhante de classe mundial com proteção anticorrosiva. O mercado altamente

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

Sã S o o Pa P u a l u o l 26 de d e M a M r a ço de d e 2008 0

Sã S o o Pa P u a l u o l 26 de d e M a M r a ço de d e 2008 0 São Paulo 26 de Março de 2008 Grupo Votorantim Fundado em 1918 Um dos maiores grupos industriais privados 8 unidades de negócio: metais, cimentos, celulose e papel, química, energia, agroindústria, finanças

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008

PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008 PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos ABM - Março / 2008 SUSTENTABILIDADE DO SETOR SIDERÚRGICO BRASILEIRO Paul Wurth 2008 Residuos siderúrgicos: Onde estão? A industria siderúrgica tem uma longa

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Sérgio Pompéia Workshop A Cadeia produtiva do setor industrial de fertilizantes

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE EcoCWave da Dürr Ecoclean: Qualidade superior, eficiência de custos e confiabilidade de processo na lavagem à base de água Filderstadt/Germany, junho 2014 com sua EcoCWave,

Leia mais

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO É dito no ditado popular que os olhos de uma pessoa são as janelas de sua alma, trazendo este pensamento para uma residência, podemos entender que as janelas

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing?

Informações Gerais. O que é Water Transfer Printing? Informações Gerais Provedora de soluções para o processo de Water Transfer Printing a PROJFIX está no mercado com o objetivo de trazer qualidade para o segmento no Brasil, comercializando produtos de alto

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG

II INOVAMIN. Experiência da REORG em Subvenção Econômica REORG II INOVAMIN Experiência da em Subvenção Econômica Plano Introdução Projeto de Subvenção Econômica Aspectos positivos, dificuldades, sugestões Red, Orange and Green Tecnologias Ambientais Pequena empresa

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

PRODUTOS PRÉ-PINTADO GALVALUME. A evolução do aço zincado. Composição do Revestimento. Estrutura. Resistência à corrosão.

PRODUTOS PRÉ-PINTADO GALVALUME. A evolução do aço zincado. Composição do Revestimento. Estrutura. Resistência à corrosão. PRODUTOS GALVALUME A evolução do aço zincado A liga AL-Zn do Galvalume CSN é a melhor solução para proteger o aço contra a corrosão, o que sempre representou um grande desa?o. Ela pode ser utilizada em

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Workshop Embalagem & Sustentabilidade

Workshop Embalagem & Sustentabilidade Workshop Embalagem & Sustentabilidade São Paulo/2013 Eduardo Lima Agenda Alumínio e Sustentabilidade - Conceito Embalagens de alumínio Diferenciais das embalagens de alumínio PNRS Reciclagem de alumínio

Leia mais

Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos

Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos Roteiro de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos Etapas de Desenvolvimento de Produtos Cosméticos SEGMENTO COSMÉTICO SEGMENTO COSMÉTICO Características Dinâmico Crescimento constante Necessidade de lançamentos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia O Poder do Conhecimento em Engenharia A única coisa mais intensa que o calor é a sua concorrência Poucos ambientes industriais têm condições

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência Administração de As responsabilidades da área de (MINADEO, 2008) - Investigar novos nichos de mercado - Identificar o perfil do cliente - Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

CVRD: Governança Corporativa e Diretrizes Estratégicas

CVRD: Governança Corporativa e Diretrizes Estratégicas CVRD: Governança Corporativa e Diretrizes Estratégicas Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2001 - O Conselho de Administração da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) aprovou um novo modelo de governança e diretrizes

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Standards Online. Acesso à informação direto de seu computador

Standards Online. Acesso à informação direto de seu computador Standards Online Acesso à informação direto de seu computador Comentário dos clientes sobre o BSOL A utilização é fácil e o sistema de download é excelente, quando necessito de uma norma que não se encontra

Leia mais

Caso de Inovação Votorantim Metais Zinco

Caso de Inovação Votorantim Metais Zinco CF1103 Caso de Inovação Votorantim Metais Zinco Carlos Arruda, Fabian Salum, Flávia Carvalho A empresa A Votorantim Metais, divisão Zinco (VMZ), é líder na fabricação de zinco metálico na América Latina

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço Matéria prima A fundição é usada para fabricação de componentes acabados. Também p/ produzir lingotes ou placas que serão posteriormente processados em diferentes formas, tais como: vergalhões, barras,

Leia mais

Boletim Informativo Tecnologia e inovação

Boletim Informativo Tecnologia e inovação Boletim Informativo 01 Buscamos contar com a melhor tecnologia de mineração e processamento disponível e inovar com novas maneiras de operação que irão beneficiar nossos negócios, funcionários, clientes

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Innovation in Building Chemicals

Innovation in Building Chemicals Innovation in Building Chemicals MC-Bauchemie Soluções inovadoras em produtos químicos para construção A MC-Bauchemie Brasil, subsidiária do grupo multinacional alemão MC-Bauchemie, possui mais de 50 anos

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral

Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral Imprensa São Paulo, 16 de junho de 2015 Digitalização pode impulsionar competitividade brasileira, segundo estudo feito pela Siemens e pela Fundação Dom Cabral O estudo foi baseado em uma pesquisa realizada

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais