Filosofia e Conceitos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Filosofia e Conceitos"

Transcrição

1 Filosofia e Conceitos Objetivo confiabilidade para o usuário das avaliações. 1. Princípios e definições de aceitação genérica. 2. Comentários explicativos sem incluir orientações em técnicas de avaliação. 3. Conteúdo e não Forma da avaliação 4. O que fazer e não como fazer

2 Primeiro nível - Normas Gerais Três normas têm aplicação geral para todos os tipos de ativos: 1. IVS 101 Alcance do Trabalho, 2. IVS 102 Implementação e 3. IVS 103 Relatório.

3 Segundo nível - Normas sobre Ativos/Passivos (grupos 200 e 300) As Normas sobre Ativos consistem de: 1. Uma Norma estabelece requisitos que modificam ou aumentam as normas gerais e exemplos de aplicação. 2. Um Comentário - informações básicas adicionais sobre as características de cada tipo de ativo que influencia o valor e identifica métodos e abordagens usados.

4 Terceiro nível - Aplicações de Avaliações Cada Aplicação contém: 1. Uma Norma que inclui eventuais adições ou emendas às Normas Gerais e exemplos da aplicação das Normas Gerais e Normas sobre Ativos, para efeitos de avaliações com propósitos específicos. 2. Uma Orientação que presta informações sobre: a) Os requisitos de avaliações de regulamentos ou normas de aplicação internacional emitidas por outros órgãos como, por exemplo, International Financial Reporting Standards. b) Requisitos geralmente aceitos c) Procedimentos de avaliação

5 Abordagens Principais Como enxergar a avaliação Abordagem de Mercado Abordagem de Renda Abordagem de Custo

6 Abordagens Abordagem de Mercado - Fornece uma indicação de valor comparando o ativo objeto com ativos idênticos ou similares para os quais existam, no mercado, informações disponíveis sobre o preço. Transações recentes Se não existirem transações é válido usar ofertas justificando no relatório Ajustar os preços para refletir diferentes prazos e bases de valor Analisar diferenças de ordem jurídica, física ou econômica

7 Abordagens Abordagem de Renda Fornece uma indicação de valor, convertendo fluxos de caixa futuros em um único valor presente de capital. Considera a renda que um ativo gerará em sua vida útil e indica o valor mediante um processo de capitalização. A capitalização envolve a conversão da renda em uma soma de capitais pela aplicação de uma taxa de desconto apropriada. Pode ser usada para passivos capitalização de receitas, na qual uma taxa incluindo todos os riscos ou taxa única de capitalização é aplicada à renda de um único período representativo; fluxo de caixa descontado, no qual uma taxa de desconto é aplicada a uma série de fluxos de caixa de períodos futuros para descontá-los a valor presente, vários modelos de atribuição de preços de opções.

8 Abordagens Abordagem de Custo Fornece um indicador de valor aplicando o princípio econômico de que um comprador não pagaria, por um ativo, mais do que o custo de obter um ativo de igual utilidade, seja compra ou construção. Analisar restrições de tempo Analisar restrições de inconveniência Analisar restrições de riscos Analisar e ajustar por obsolescência

9 Abordagens Cada uma destas principais abordagens inclui diferentes métodos de aplicação. Vários métodos são utilizados para diferentes classes de ativos e são discutidos nas Normas sobre Ativos.

10 Abordagens Exemplos em IVS 230 Equipamento e Instalações As três abordagens podem ser aplicadas. Para classes homogêneas como veículos, normalmente é usada a Abordagem de Mercado. Para especializados pode-se usar Abordagem de Renda ou Abordagem de Custo. A Abordagem de Renda - quando podem ser identificados fluxos de caixa específicos do ativo ou grupo de ativos complementares Parte dos fluxos de caixa pode ser atribuída a ativos intangíveis e difíceis de separar da contribuição de fluxo de caixa da instalação ou equipamento objeto.

11 Abordagens Exemplo em IVS 230 Equipamento e Instalações Abordagem de Renda normalmente não é aplicável para itens individuais. Faz mais sentido em grupo. Abordagem de Custo é usualmente adotada para ativos especializados. Isto é feito calculando o custo de reposição depreciado do ativo. É estimado o custo para, um participante do mercado, repor o ativo objeto. Do custo de reposição são feitas deduções para refletir a obsolescência física, funcional e econômica do ativo objeto comparado com o ativo alternativo que pudesse ser adquirido ao custo de reposição.

12 Abordagens e métodos são conceitos distintos Abordagem é a forma de fazer Método é o processo de cálculo Abordagem de renda usa a renda como base para os cálculos Método de capitalização de rendas Método do Fluxo de Caixa Descontado Métodos de opções

13 Abordagem de custo usa o custo como base para os cálculos Método de composição do custo (orçamento detalhado) Método de comparação de capacidade Aplica métodos de depreciação Linear Não linear Produção Tolerância

14 Abordagem de mercado usa comparativos de mercado como base para os cálculos Método de regressão linear Método de regressão não linear Método de fatores comparativos Método de opções reais (série temporal + cursos de ação) Múltiplos de mercado para índices

15 Base de Valor Premissas fundamentais de medição utilizadas em uma avaliação que dependem de: Natureza da transação hipotética, Relação e motivações das partes e Prazo de exposição do ativo ao Mercado Outras variáveis das quais dependa o valor Legislação ou regulamentação específica que afete a transação

16 Três bases de valor: Preço mais provável : Valor de Mercado Benefícios da propriedade do ativo: Valor de Investimento e Valor Especial Preço que seria razoavelmente combinado entre duas partes: Valor Justo Venda forçada não é base de valor mas descrição da situação do vendedor

17 Definições de valores Valor de Investimento - Valor do Ativo para o proprietário atual ou potencial para objetivos de investimento individual ou operacional. Valor de Mercado Quantia estimada pela qual um ativo ou passivo seria transacionado, em uma transação entre partes independentes, depois de um tempo adequado de exposição ao mercado, onde as partes ajam com conhecimento, prudência e sem compulsão.

18 Valor Especial Quantia que reflete atributos particulares de um ativo que teriam valor somente para um comprador Especial. Valor Justo Preço estimado para transferência de um ativo ou passivo entre partes identificadas, que reflita os respectivos interesses das partes. Valor Sinérgico Elemento adicional de valor criado por uma combinação de dois ou mais ativos ou interesses, quando o valor combinado for maior do que a soma dos valores separados.

19 Valor não é um fato, mas uma opinião sobre: 1.O preço mais provável que seria pago por um ativo em uma transação, ou 2.Os benefícios econômicos de possuir um ativo.

20 Bases de valores - Definições Valor de Mercado é a quantia estimada pela qual, na Data da Avaliação, um ativo seria transacionado entre um comprador e um vendedor predispostos, em uma transação entre partes independentes, após exposição apropriada ao mercado e onde as partes agem com conhecimento, prudência e sem compulsão para transacionar.

21 Bases de valores Valor de Mercado Comentários É o melhor preço que o vendedor pode razoavelmente obter e o preço mais vantajoso que o comprador pode razoavelmente obter. Esta estimativa exclui especificamente o preço estimado em circunstâncias especiais tais como financiamentos atípicos, contratos de venda e lease-back, considerações especiais ou concessões feitas por qualquer entidade associada com a venda ou quaisquer elementos de Valor Especial

22 Bases de valores - Definições Valor de Investimento é o valor de um ativo para um proprietário ou potencial proprietário para investimento individual ou objetivos operacionais. reflete o benefício recebido pela entidade pela posse do ativo e, portanto, não envolve uma hipotética transação. Exemplo: Valor investido em uma linha de produção mais o valor econômico agregado (EVA)

23 Bases de valores - Definições Valor Justo é o preço estimado para a transferência de um ativo ou passivo entre partes identificadas, informadas e predispostas a negociar, que reflete o respectivo interesse daquelas partes. A definição de valor justo nas IFRS e USGAAP é diferente da definição acima. A definição de valor justo das IFRS e USGAAP é consistente com a definição de Valor de Mercado pois uma das partes é o mercado. Exemplos Valor em risco é justo para quem quer segurar um bem Valor Patrimonial exclui ICMS para cálculo tarifário

24 Bases de valores - Definições Valor Especial é um montante que reflete atributos particulares de um ativo e que são valiosos apenas a um Comprador Especial em função de vantagens, que não estariam disponíveis para outros compradores do mercado. Exemplo: Valor de um equipamento de terceiros já instalado na fábrica em vez de comprar um novo Valor Sinérgico é um elemento adicional de valor criado pela combinação de dois ou mais ativos onde o valor combinado é superior à soma dos valores individuais. Exemplo: Pedreira comprada por construtora de estradas. Redução de custos justifica.

25 Hierarquia de valor (Explicitada no relatório) Refere-se a entradas e não ao processo de cálculo Entradas de nível 1 preços cotados em mercados ativos para bens ou passivos idênticos, aos quais a entidade pode ter acesso na data da medição. Entradas de nível 2 entradas que sejam observáveis para um ativo ou passivo de forma direta ou indireta. Ex. Custo ajustado pela defasagem de tempo. Entradas de nível 3 informações não observáveis sobre um ativo ou passivo. Ex. Custo por t em processo semelhante. Não tem nenhuma relação com grau de fundamentação.

Normas Internacionais de Avaliação. Preço Custo e valor Mercado Abordagem de valores Abordagens de avaliação

Normas Internacionais de Avaliação. Preço Custo e valor Mercado Abordagem de valores Abordagens de avaliação Normas Internacionais de Avaliação Preço Custo e valor Mercado Abordagem de valores Abordagens de avaliação Mercado Mercado é o ambiente no qual as mercadorias e serviços são transacionados entre compradores

Leia mais

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo Professor Associado da Fucape Business School / Diretor de Educação e Pesquisa da FBC/ Membro do Consultative Advisory Group do IAESB fabio@fucape.br IX Encontro de

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28. Propriedade para Investimento COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 28 Propriedade para Investimento Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 40 Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2 4 DEFINIÇÕES

Leia mais

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Avaliação de Intangíveis Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Brasília 2014 Conceitos básicos em Combinação de negócios (CPC 15 / IFRS 13) A definição de ativo intangível

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita.

www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. www.pwc.com Reunião Técnica: Norma contábil - IFRS 15: Receitas de contratos com clientes e as mudanças no reconhecimento de receita. Outubro 2014 IFRS 15 Objetivo do Projeto Principal Objetivo Padronizar

Leia mais

Prof. Egberto L. Teles. Prof. Egberto L. Teles 1

Prof. Egberto L. Teles. Prof. Egberto L. Teles 1 Prof. Egberto L. Teles Prof. Egberto L. Teles 1 Economia Finanças Interação de Conceitos Contabilidade Prof. Egberto L. Teles 2 Segundo Agüero (1996:25): O conceito de valor é bastante discutível e dificilmente

Leia mais

ABNT Parte 1-14653 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES. Palestra - Osório Gatto

ABNT Parte 1-14653 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES. Palestra - Osório Gatto ABNT Parte 1-14653 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Seminário IBAPE 12/06/2015 Palestra - Osório Gatto ABNT Parte 1-14653 Estrutura apresentação Histórico e principais propostas no novo texto normativo Novos Conceitos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (BV2010) Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 13 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 4 ALCANCE

Leia mais

Arrendamento Mercantil: Leasing

Arrendamento Mercantil: Leasing Contabilidade Avançada Arrendamento Mercantil: Leasing Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 17 Leases No CPC: CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil Fundamentação no Brasil:

Leia mais

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment

Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Contabilidade Avançada Redução ao valor recuperável de ativos: Impairment Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 36 Impairment of Assets No CPC: CPC 01 (R1) Redução ao valor recuperável

Leia mais

Esta Norma, entretanto, não deve ser aplicada como base de mensuração para:

Esta Norma, entretanto, não deve ser aplicada como base de mensuração para: NBC TSP 13 - Operações de Arrendamento Mercantil Objetivo 1. O objetivo desta Norma é estabelecer, para arrendatários e arrendadores, políticas contábeis e divulgações apropriadas a aplicar em relação

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 09/2009. Prazo: 15 de maio de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 09/2009. Prazo: 15 de maio de 2009 Prazo: 15 de maio de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS)

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ OBJETIVO Apresentar

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011 Versão: 01 Aprovação em: 22/12/2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de Controle Patrimonial I FINALIDADE Estabelecer as diretrizes,

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

2. Pronunciamento Técnico CPC 1 Redução ao Valor Recuperável de Ativos. 2. Pronunciamento Técnico CPC 1 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos

2. Pronunciamento Técnico CPC 1 Redução ao Valor Recuperável de Ativos. 2. Pronunciamento Técnico CPC 1 - Redução ao Valor Recuperável de Ativos TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 2. Pronunciamento Técnico CPC 1 Redução ao Valor Recuperável de Ativos 1. Aplicação 1 - As instituições financeiras, as

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO NBC TG 46. Como implementá-lo nas empresas?

MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO NBC TG 46. Como implementá-lo nas empresas? MENSURAÇÃO DO VALOR JUSTO NBC TG 46 Como implementá-lo nas empresas? DETERMINAÇÃO DO VALOR JUSTO É o valor, baseado no mercado, que seria recebido pela venda de um ativo ou que seria pago pela transferência

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

O novo conceito sobre Valor Justo. Magnus Chaib. XII Encontro Estadual de Contabilidade do Estado de Mato Grosso do Sul

O novo conceito sobre Valor Justo. Magnus Chaib. XII Encontro Estadual de Contabilidade do Estado de Mato Grosso do Sul O novo conceito sobre Valor Justo Magnus Chaib XII Encontro Estadual de Contabilidade do Estado de Mato Grosso do Sul Introdução Apresentação do instrutor Agenda do painel Valor Justo PricewaterhouseCoopers

Leia mais

IFRS em Destaque Dezembro 2011. Destaques. Valor justo definido como preço de saída.

IFRS em Destaque Dezembro 2011. Destaques. Valor justo definido como preço de saída. IFRS em Destaque Dezembro 2011 Orientação unificada para mensuração e divulgação do valor justo para IFRS Departamento de Práticas Profissionais - DPP Destaques Valor justo definido como preço de saída.

Leia mais

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos.

1. Esta Norma deve ser aplicada na contabilização dos custos dos empréstimos. NBC TSP 5 Custos de Empréstimos Objetivo Esta Norma indica o tratamento contábil dos custos dos empréstimos. Esta Norma geralmente exige o reconhecimento imediato no resultado do exercício dos custos dos

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27 Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz OBJETIVO É estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários possam discernir a informação sobre o investimento

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo

Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Contabilidade Avançada Ajuste a valor presente e mensuração ao valor justo Prof. Dr. Adriano Rodrigues Assuntos abordados nesse tópico: Ajuste a valor presente: Fundamentação Mensuração ao valor justo

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo.

É aquele em que não há transferência substancial dos riscos e benefícios inerentes à propriedade de um ativo. 1. CONCEITO de ARRENDAMENTO MERCANTIL Arrendamento mercantil é um acordo pelo qual o arrendador transmite ao arrendatário em troca de um pagamento ou série de pagamentos o direito de usar um ativo por

Leia mais

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil.

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil. Avaliação e Mensuração de Bens Patrimoniais em Entidades do Setor Público 1. DEFINIÇÕES Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior

Leia mais

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 FEVEREIRO DE 2008 1 AJUSTE A VALOR PRESENTE - AVP O AVP tem como objetivo o ajuste para demonstrar o valor presente de um fluxo de caixa futuro. Que pode estar

Leia mais

BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO

BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO UM ALERTA DA PRÁTICA DE ASSEGURAÇÃO NACIONAL DA BDO ABRIL 2012 BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO Em 14 de novembro de 2011, o FASB e o IASB emitiram

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

ABNT Parte 1-14653. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Seminário IBAPE MG 17/04/2015

ABNT Parte 1-14653. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Seminário IBAPE MG 17/04/2015 ABNT Parte 1-14653 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Seminário IBAPE MG 17/04/2015 Palestra - Osório Gatto Octavio Galvão, Arival Cidade, Frederico Coelho, Antônio Pelli ABNT Parte 1-14653 Estrutura apresentação Histórico

Leia mais

1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil de propriedades para investimento e respectivos requisitos de divulgação.

1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil de propriedades para investimento e respectivos requisitos de divulgação. NBC TSP 16 Propriedade para Investimento Objetivo 1. O objetivo desta Norma é estabelecer o tratamento contábil de propriedades para investimento e respectivos requisitos de divulgação. Alcance 2. A entidade

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB

ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB 1 ATIVOS INTANGÍVEIS NAS NORMAS INTERNACIONAIS IASB Paulo Schmidt * José Luiz dos Santos ** Luciane Alves Fernandes *** Resumo: A cada dia que passa, maior se torna a dependência entre mercados e países,

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 46. Mensuração do Valor Justo

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 46. Mensuração do Valor Justo Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 46 Mensuração do Valor Justo Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS

INSTRUMENTOS FINANCEIROS INSTRUMENTOS FINANCEIROS Afonso Henrique Carvalho França* DEFINIÇÕES O Comitê de Pronunciamento Contábil emitiu durante o ano de 2009 os seguintes pronunciamentos sobre os instrumentos financeiros: CPC

Leia mais

Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC. 2011 Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados.

Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC. 2011 Deloitte Touche Tohmatsu. Todos os direitos reservados. Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Agenda Objetivos da Instrução CVM n o 489 Cronograma de implantação Novos requerimentos da Instrução CVM n o 489 Principais desafios na implementação

Leia mais

2 - Esta Norma deve ser aplicada na contabilização da imparidade de todos os activos, que não sejam:

2 - Esta Norma deve ser aplicada na contabilização da imparidade de todos os activos, que não sejam: NCRF 12 Imparidade de activos Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 36 - Imparidade de Activos, adoptada pelo texto original do Regulamento

Leia mais

Relato Financeiro. Norma Contabilística e de Relato Financeiro 9 Locações. Mestrado em Contabilidade e Fiscalidade Empresarial

Relato Financeiro. Norma Contabilística e de Relato Financeiro 9 Locações. Mestrado em Contabilidade e Fiscalidade Empresarial Mestrado em Contabilidade e Fiscalidade Empresarial Relato Financeiro Norma Contabilística e de Relato Financeiro 9 Locações Coimbra, fevereiro de 2015 Docente: Doutora Cristina Góis Discente: Isabel Gaspar

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 36 (BV2010) Sumário OBJETIVO 1 Item

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por:

2. Esta Norma não se aplica também à mensuração dos estoques mantidos por: NBC TSP 12 Estoques Objetivo 1. O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. Uma questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações

Leia mais

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 35. Instrumentos Financeiros 1. Conceitos 1 - Para fins de registro contábil, considera-se: (Res 3534 art 2º) a) instrumento

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

Orientações sobre a capacidade de absorção de perdas das provisões técnicas e dos impostos diferidos

Orientações sobre a capacidade de absorção de perdas das provisões técnicas e dos impostos diferidos EIOPA-BoS-14/177 PT Orientações sobre a capacidade de absorção de perdas das provisões técnicas e dos impostos diferidos EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20;

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A.

Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A. Demonstrações Financeiras Estácio Participações S.A. 31 de dezembro de 2011 e 2010 com Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras individuais e consolidadas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Fertilizantes Heringer S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2011

Fertilizantes Heringer S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2011 Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

NBC TSP 21 - Redução ao Valor Recuperável de Ativo Não Gerador de Caixa

NBC TSP 21 - Redução ao Valor Recuperável de Ativo Não Gerador de Caixa NBC TSP 21 - Redução ao Valor Recuperável de Ativo Não Gerador de Caixa Objetivo 1. O objetivo desta Norma é definir os procedimentos que uma entidade deve adotar para determinar se um ativo não-gerador

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

Guararapes Confecções S.A. e Controladas

Guararapes Confecções S.A. e Controladas 1 Informações gerais Atividades operacionais A Guararapes Confecções S.A. ( Companhia ) e suas controladas (conjuntamente, "o Grupo"), constituída em 6 de outubro de 1956, é uma sociedade anônima de capital

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 NBC TA 501 - APROVAÇÃO RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 Aprova a NBC TA 501 Evidência de Auditoria Considerações Específicas para Itens Selecionados. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs Seção 35 - Adoção inicial (AI) 2 Primeiro conjunto de demonstrações contábeis no qual a entidade faz

Leia mais

Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro NBC TSP 3 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro Objetivo 1. O objetivo desta Norma é definir critérios para a seleção e a mudança de políticas contábeis, juntamente com o tratamento

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas JOÃO PAULO VIANA MAGALHÃES Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições

Leia mais

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Parte 3 Procedimento Contábil da Reavaliação Conforme comentado na parte 2, durante o período de transição da contabilidade municipal aos novos

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

Embratel Participações S.A.

Embratel Participações S.A. Embratel Participações S.A. Laudo de avaliação de acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis para efeito de cisão Em 30 de setembro de 2014 Índice

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas FTAD Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem trabalhadas PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO GESTÃO FINANCEIRA CONTABILIDADE ACI : ESTUDO

Leia mais

Orientações relativas ao tratamento de empresas relacionadas, incluindo participações

Orientações relativas ao tratamento de empresas relacionadas, incluindo participações EIOPA-BoS-14/170 PT Orientações relativas ao tratamento de empresas relacionadas, incluindo participações EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax.

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento

IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento Paulo Antônio Pereira IAS 38 Ativos Intangíveis Gastos com Pesquisa e Desenvolvimento Relatório apresentado à disciplina Contabilidade em Moeda Constante e Conversão das Demonstrações Contábeis para Moeda

Leia mais

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes Resumo Objetivo Estabelecer que sejam aplicados critérios de reconhecimento e bases de mensuração apropriados a provisões e a passivos e ativos contingentes e que seja divulgada informação suficiente nas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 6

Leia mais