FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica"

Transcrição

1 FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013

2 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia Elétrica Professor William Mascia Resende Apostila de Apostila referente à disciplina de, do curso de Engenharia Elétrica do Centro Universitário de Itajubá. Itajubá 2013 P r o f. W i l l i a m Página 2

3 I. Ementa: Funções (revisão), Limite, continuidade de funções, derivada e suas aplicações. II. Carga Horária: 80 aulas (67 H). III. Monitoria/Plantão: Toda Segunda e Quarta das 18:10h às 19:00h. IV. Avaliações: 8 de Abril (Segunda-feira); 10 de Junho (Segunda-feira); V. Avaliações: 1 Nota: 70 pontos de Avaliação +30 pontos de trabalhos (lista de eercícios) 2 Nota: 70 pontos de Avaliação +30 pontos de trabalhos (lista de eercícios) VI. Calendário: P r o f. W i l l i a m Página 3

4 Bibliografia Básica: 1. MUNEM, MUSTAFÁ A. e FOULIS, David J..Cálculo Volume 1. Editora Guanabara Koogan S. A Rio de Janeiro RJ 2. FLEEMMING, DIVA MARÍLIA E GONÇALVES, MIRIAN BUSS. Cálculo A Makron Books Ltda 1992 São Paulo SP 3. SWOKOWSKI, EARL W. Cálculo com Geometria Analítica Volume 1. Makron Books Ltda 1994 São Paulo SP Bibliografia Complementar: 1. SIMMONS, George F. Cálculo com geometria analítica. São Paulo: Makron Books, v p. 2. GUIDORIZZI, Hamilton Luiz. Um curso de cálculo. 5ª ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, v p. 3. FINNEY, Ross L.; WEIR, Maurice D.; GIORDANO, Frank R; George B. Thomas. Cálculo,10ª ed. São Paulo: Pearson, v p. 4. BOULOS, Paulo. Cálculo diferencial e integral. São Paulo: Makron Books, v p. 5. STEWART, James - Cálculo, volume I; Tradução Técnica Antonio Carlos Moretti, Antonio Carlos Gilli Martins; revisão técnica Helena Castro - São Paulo: Cengage Learning, Professor William Mascia Resende P r o f. W i l l i a m Página 4

5 1. Função Definição. É uma relação binária em que cada elemento do conjunto de partida (A) se relaciona com um único elemento de um conjunto de chegada (B). Entendemos por uma função f uma terna (A, B, a b) onde A e B são dois conjuntos e a b, uma regra que nos permite associar a cada elemento a de A um único b de B. O conjunto A é o domínio de f, e indica-se por D f, assim A = D f. O conjunto B é o contradomínio de f. O único b de B associado ao elemento a de A é indicado por f(a) (leia: f de a); diremos que f(a) é o valor que f assume em a ou que f(a) é o valor que f associa a A. Quando percorre o domínio de f, f() descreve um conjunto denominado imagem de f e que se indica por Im f : Im f = {f() D f } Uma função de f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f: A B (leia: f de A em B). Uma função de uma variável real a valores reais é uma função f: A B, onde A e B são subconjuntos de IR. Até menção em contrário, só trataremos com funções de uma variável real a valores reais. Seja f: A B uma função. O conjunto G f = {(, f()) A} denomina-se gráfico de f; assim, o gráfico de f é um subconjunto de todos os pares ordenados (, y) de números reais. Munindo-se o plano de um sistema ortogonal de coordenadas cartesianas, o gráfico de f pode, então, ser pensado como o lugar geométrico descrito pelo ponto (, f()) quando percorre o domínio de f. Observação: Por simplificação, deiaremos muitas vezes, de eplicitar o domínio e o contradomínio de uma função; quando tal ocorrer, ficará implícito que o contradomínio é IR e o domínio o maior subconjunto de IR para o qual faz sentido a regra em questão. Eemplo: Dados os conjuntos M = {0, 1,2} e B={0, 1, 4, 5}, verificar se a relação binária R ={(,y) A B/ y = ²} é uma função. Solução: M = {0, 1,2} N={0, 1, 4, 5} R ={(,y) M N/ y = ²} = 0 y = 0² = 0 = 1 y = 1² = 1 = 2 y = 2² = 4 No diagrama de flechas (Vem Euler), temos que: Observe que f(0) = 0, f(1) = 1 e f(2) = 4, então podemos afirmar que f é uma função ou aplicação, já que de cada elemento de M temos uma única correspondência com elementos de N. Veja também que D(f) = {0,1,2}, CD(f)= {0,1,4,5} e Im(f) = {0,1,4}. P r o f. W i l l i a m Página 5

6 Gráficos de funções Dizemos que uma relação binária R: A B é função ou aplicação no gráfico, quando toda reta vertical tocar em um único ponto no gráfico, para todo A. Eemplos: i. Verificar se o gráfico abaio representa uma função. Solução: Dado o gráfico, temos que: Observe que eistem retas verticais que tocam em mais de um ponto no gráfico, daí podemos concluir que f não é função e sim uma relação binária. ii. Verificar se o gráfico abaio é uma função ou aplicação. Solução: Dado o gráfico abaio, temos: Observe que todas as retas verticais que traçarmos, tocarão em um e único ponto no gráfico. Logo g é uma função ou aplicação. iii. Dada a função f: IR IR, com a regra ³, temos que: D f = IR Im(f) = {3 / IR} = IR O valor que f assume em é f() = 3. Esta função associa a cada real o número real f() = 3. f(-1) = (-1) 3 = -1, f(0) = 0 3 = 0, f(1) = 1 3 = 1 O gráfico de f é tal que G f = {(,y) / y = ³, IR} P r o f. W i l l i a m Página 6

7 Domínio de funções O domínio de uma função representa o conjunto de valores para os quais ela eiste. Dentre os principais casos, temos: a) O domínio de uma função polinomial é sempre real. b) Para o domínio de uma função que possui variável no denominador, basta ser este diferente de zero. c) Radical com índice par no numerador possui radicando maior ou igual a zero. d) Radical com índice par no denominador possui radicando maior que zero. Eemplos: 1. Qual é o domínio mais amplo para a função ( )? Solução: O denominados é 1-, então Logo o domínio desta função é dado por D(f) = IR - {1}. 2. Qual é o domínio da função ( )? Solução: Logo o seu domínio será D(f) = { IR/ 3}. 3. Seja f: IR IR com a regra 3. Tem-se: a) D f = IR b) Im f = { 3 / IR}= IR, pois, para todo y em IR, eiste real tal que ³ = y. c) O valor que f assume em é f() = 3. Esta função associa a cada real o número real f() = ³. d) f(-1)=(-1)3 = -1; f(0) = 03 = 0; f(1) = 13 = 1. e) Gráfico de f: G f = {(,y) y = 3, IR} Suponhamos > 0; observe que, à medida que cresce, y também cresce, pois y = ³, sendo o crescimento de y mais acentuado que o de (veja: 2³ = 8; 3³ = 27, etc.); quando se aproima de zero, y aproima-se de zero mais rapidamente que ((1/2)³ = 1/8; (1/3)³ = 1/27 etc.). esta análise dá-nos uma ideia da parte do gráfico correspondente a > 0. Para < 0, é só observar que f(-) = - f() função impar. 4. Seja f a função dada por ( ). Tem-se: a) D f = { IR 0} b) Im f = { IR/ y 0} c) ( ) (o valor que f assume em 4 é 2). d) ( ) e) ( ), para 3. P r o f. W i l l i a m Página 7

8 f) Gráficos de f: A função f é dada pela regra y;. Quando cresce, y também cresce sendo o crescimento de y mais lento que o de, e quando se aproima de zero, y também se aproima de zero, ver tabela. X Y X Y 1 1 1/4 1/2 2 1,41 1/9 1/3 3 1,73 1/16 1/ /25 1/5 5. Considere a função g dada por ( ). Tem-se: a) Dg = { IR 0} b) Esta função associa a cada 0 o real g() = 1/ c) ( ) d) Gráfico de g: Vamos olhar primeiro para > 0; à medida que vai aumentando, y = 1/ vai aproimando-se de Zero; à medida que vai aproimando-se de zero, y = 1/ vai-se tornando cada vez maior, observe a tabela abaio: X Y X Y 1 1 1/ ,5 1/ , 1/ ,25 1/25 25 Observação Quando uma função vem dada por uma regra do tipo y, y = f(), é comum referir-se à variável y como variável dependente, e à variável como variável independente. 6. Dada a função f() = - ² + 2, simplifique: a) b) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) [ ( ) ( )] ( ) [ ] ( ) ( ) 7. Função constante - Uma função f: A IR dada por f() = k, k constante, denomina-se função constante. a) f() = 2 é uma função constante; tem-se: (i) D f = IR; Im f = {2} (ii) Gráfico de f G f {(,f()) IR} = {(,2) IR}. O gráfico de f é uma reta paralela ao eio passando pelo ponto (0, 2). P r o f. W i l l i a m Página 8

9 8. g: (- ;0] IR dada por g() = -1 é uma função constante e seu gráfico é Tem-se: a) Df = IR; Im f = {-1} b) Gráfico de f Observe que (0, -1) pertence ao gráfico de f, mas (0, 1) não. 1.1 Função composta Dadas as funções f: A B e g: B C, dizemos que eiste uma função h: A C, tal que: h() = (gof)() = g(f()), A. Eemplo: Consideremos os conjuntos A={-2,-1,0,1,2}, B={-2,1,4,7,10} e C={3,0,15,48,99}, e as funções f :A B definida por f()=3+4, e g: B C definida por g(y)=y²-1. Como nos mostra o diagrama acima, para todo A temos um único y B tal que y=3+4, e para todo y B eiste um único z C tal que z = y²-1, então concluímos que eiste uma função h de A em C, definida por h()=z ou h()=9²+24+15, pois: h()=z h()= y²-1 E sendo y=3+4, então h()=(3+4)²-1 h()= 9² A função h() é chamada função composta de g com f. Podemos indicá-la por g o f (lemos g composta com f ) ou g[f()] (lemos g de f de ). Vamos ver alguns eercícios para entender melhor a idéia de função composta. Eemplos: a) Dadas as funções f()=²-1 e g()=2, calcule f[g()] e g[f()]. Resolução: fog() = f[g()] = f(2) = (2)²-1 = 4²-1 gof() = g[f()] = g(²-1) = 2(²-1) = 2²-2 b) Dadas as funções f()=5 e f[g()]=3+2, calcule g(). Resolução: Como f()=5, então f[g()]= 5.g(). Porém, f[g()]=3+2; logo 5.g()=3+2, e daí g()=(3+2)/5 c) Dadas as funções f()=²+1 e g()=3-4, determine f[g(3)]. Resolução: g(3)=3.3-4=5 f[g(3)]= f(5)= 5²+1 = 25+1= 26. P r o f. W i l l i a m Página 9

10 Eercícios resolvidos: 1. Qual é o domínio mais amplo da função ( ) Solução: Domínio de f(): e /2 ( ) * + 2. Determine o valor de k para que fog() = gof(), dadas: f() = 2.k.+1 e g() = 2 3 Solução: ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Como: ( ) ( ) 3. Calcular o valor de f(-1), sabendo-se que f(2-1)=3-. Solução: f(2-1)=3- temos que 2.-1 = -1, portanto = 0, daí, temos: f(2.0-1)=3-0 ( ) 4. Determine o domínio da função ( ) Solução: Atribuímos uma variável auiliar para +1 = t, portanto = t-1, substituindo na função temos: ( ), aonde observamos que 3 t > 0, portanto t < 3, ou seja: ( ) * + (, P r o f. W i l l i a m Página 10

11 1.2 Funções polinomiais Função de 1º grau ou Função Afim Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f() = a + b, onde a e b são números reais dados e a 0. Na função f() = a + b, o número a é chamado de coeficiente angular e o número b é chamado coeficiente linear. Veja alguns eemplos de funções polinomiais do 1º grau: f() = 5-3, onde a = 5 e b = - 3 f() = -2-7, onde a = -2 e b = - 7 f() = 11, onde a = 11 e b = 0 Gráfico O gráfico de uma função polinomial do 1º grau, y = a + b, com a 0, é uma reta oblíqua aos eios O e Oy. Eemplo: Vamos construir o gráfico da função y = 3-1: Como o gráfico é uma reta, basta obter dois de seus pontos e ligá-los com o auílio de uma régua: a) Para = 0, temos y = = -1; portanto, um ponto é (0, -1). b) Para y = 0, temos 0 = 3-1; portanto, = 1/3 e outro ponto é (1/3;0). Marcamos os pontos (0, -1) e no plano cartesiano e ligamos os dois com uma reta. X Y 0-1 1/3 0 Vimos que o gráfico da função afim y = a + b é uma reta. O coeficiente de, a, é chamado coeficiente angular da reta e, está ligado à inclinação da reta em relação ao eio O. O termo constante, b, é chamado coeficiente linear da reta. Para = 0, temos y = a 0 + b = b. Assim, o coeficiente linear é a ordenada do ponto em que a reta corta o eio Oy. P r o f. W i l l i a m Página 11

12 Propriedades da função do 1º grau : 1) o gráfico de uma função do 1º grau é sempre uma reta. 2) na função f() = a + b, se b = 0, f é dita função linear e se b = 0 f é dita função afim. 3) o gráfico intercepta o eio dos na raiz da equação f() = 0 e, portanto, no ponto de abcissa = - b/a. 4) o gráfico intercepta o eio dos y no ponto (0, b), onde b é chamado coeficiente linear. 5) o valor a é chamado coeficiente angular e dá a inclinação da reta. 6) se a < 0, então f é crescente. 7) se a > 0, então f é decrescente. 8) quando a função é linear, ou seja, y = f() = a, o gráfico é uma reta que sempre passa na origem. Eemplos: 1. Esboce os gráficos de: a) ( ) b) ( ) c) ( ) Solução: a) O gráfico de f é a reta que passa pelos pontos arbitrários (0, 0) e (1, 2) b) O gráfico de g é a reta que passa pelos pontos arbitrários (0, 0) e (1, 2). P r o f. W i l l i a m Página 12

13 c) Sabendo se que: ( ) { 2. Esboce os gráficos de: ( ) Solução: ( ) { ( ) { Agora, vamos desenhar, pontilhando, as retas y = + 1 e y = + 3 e, em seguida, marcar, com traço firme, a parte que interessa de cada uma: Sempre que uma função for dada por várias sentenças, você poderá proceder dessa forma. Um outro modo de se obter o gráfico de f é o seguinte: primeiro desenhe pontilhado o gráfico de y = I I; o gráfico de y = I 1 I obtém-se do anterior transladando-o para a direita de uma unidade; o gráfico de f obtém-se deste último transladando-o para cima de duas unidades. Estudo do sinal Estudar o sinal de uma função qualquer y = f() consiste em determinar os valores de para os quais y é positivo, os valores de para os quais y é zero e os valores de para os quais y é negativo. Consideremos uma função afim y = f() = a + b vamos estudar seu sinal. 1º) a > 0 (a função é crescente) y > 0 a + b > 0 > -b/a y < 0 a + b < 0 < -b/a P r o f. W i l l i a m Página 13

14 Conclusão: y é positivo para valores de maiores que a raiz; y é negativo para valores de menores que a raiz 2º) a < 0 (a função é decrescente) y > 0 a + b > 0 < -b/a y < 0 a + b < 0 > -b/a Conclusão: y é positivo para valores de menores que a raiz; y é negativo para valores de maiores que a raiz Função do 2º Grau ou Função Quadrática Definição: Chama-se função quadrática, ou função polinomial do 2º grau, qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f() = a² + b + c, onde a, b e c são números reais e a 0. Vejamos alguns eemplos de função quadráticas: f() = 3² , onde a = 3, b = - 4 e c = 1 f() = ² -1, onde a = 1, b = 0 e c = -1 f() = 2² , onde a = 2, b = 3 e c = 5 f() = - ² + 8, onde a = -1, b = 8 e c = 0 f() = -4², onde a = - 4, b = 0 e c = 0 P r o f. W i l l i a m Página 14

15 Gráfico O gráfico de uma função polinomial do 2º grau, y = a² + b + c, com a 0, é uma curva chamada parábola. Eemplo: Vamos construir o gráfico da função y = ² + : Primeiro atribuímos a alguns valores, depois calculamos o valor correspondente de y e, em seguida, ligamos os pontos assim obtidos. X Y Observação: Ao construir o gráfico de uma função quadrática y = a² + b + c, notaremos sempre que: Concavidade: se a > 0, a parábola tem a concavidade voltada para cima; se a < 0, a parábola tem a concavidade voltada para baio; Zero ou Raiz de uma Equação do 2º Grau Chama-se zeros ou raízes da função polinomial do 2º grau f() = a² + b + c, a 0, os números reais tais que f() = 0. Então as raízes da função f() = a² + b + c são as soluções da equação do 2º grau a² + b + c = 0, as quais são dadas pela chamada fórmula de Bhaskara: Ou seja: ( ) Observação A quantidade de raízes reais de uma função quadrática depende do valor obtido para o radicando, chamado discriminante, a saber: P r o f. W i l l i a m Página 15

16 quando é positivo, há duas raízes reais e distintas; quando é zero, há só uma raiz real; quando é negativo, não há raiz real. Interceptação nos eios das ordenadas (eio y). As coordenadas serão (0;c). Vértice (V) Quando a > 0, a parábola tem concavidade voltada para cima e um ponto de mínimo V; quando a < 0, a parábola tem concavidade voltada para baio e um ponto de máimo V. b ; 2. a 4. a Em qualquer caso, as coordenadas de V são Veja os gráficos: vértice, y vértice. Eio de simetria Eio de simetria Eemplo: 1. De as coordenadas do vértice da parábola: f() = -² Solução: ( ), ( ) ( )- ( ) Logo as coordenadas do vértice é V(1;-4). P r o f. W i l l i a m Página 16

17 Imagem. O conjunto-imagem Im da função y = a.² + b.+ c, a 0 é o conjunto dos valores que y pode assumir. Há duas possibilidades: Eemplo: 1. Construir o gráfico de ( ). Solução: A concavidade da parábola é para baio, pois o a < 0. As raízes da função são iguais a 1, pois o ( ) ( ). As coordenas do vértice são V(1,0), pois: ( ), ( ) ( )- ( ) O gráfico intercepta o eio y, no ponto (0;-1). Estudo do Sinal Consideramos uma função quadrática y = f() = a2 + b + c e determinemos os valores de para os quais y é negativo e os valores de para os quais y é positivo. Conforme o sinal do discriminante = b2-4ac, podemos ocorrer os seguintes casos: P r o f. W i l l i a m Página 17

18 1º) > 0 Nesse caso a função quadrática admite dois zeros reais distintos (1 2). a parábola intercepta o eio O em dois pontos e o sinal da função é o indicado nos gráficos abaio: quando a > 0 y > 0 ( < 1 ou > 2 ) y < 0 1 < < 2 y = 0 nas raízes 1 e 2 quando a < 0 y > 0 1 < < 2 y < 0 ( < 1 ou > 2) y = 0 nas raízes 1 e 2 2º ) = 0 Quando a >0 y > 0 ( 1 ) y < 0 y = 0 nas raízes 1 e/ou 2 Quando a <0 y < 0 ( 1 ) y > 0 y = 0 nas raízes 1 e/ou 2 P r o f. W i l l i a m Página 18

19 3º) < 0 Quando a >0 y > 0 y < 0 ou y = 0 Quando a <0 y < 0 y > 0 ou y = 0 Sistema de Inequação do 2º grau Vamos aplicar o estudo do sinal da função quadrática na resolução de inequações do 2º grau. São inequações do 2º grau, por eemplo: ² > 0 ² < 0 3² ² Resolver uma inequação do 2º grau significa determinar os valores reais de satisfazem a inequação dada. Eemplo: Resolver a inequação ² > 0 Resolução: a 1( 0) ' '' Como devemos ter f() >0: <1 ou >2 Resposta: s= { / <1 ou >2} P r o f. W i l l i a m Página 19

20 1.2.3 Função Modular: Inicialmente definimos módulo de um número real como, ou valor absoluto de. Entende-se módulo como: {, assim o significado destas sentenças é: o módulo de um número real não negativo é o próprio número. o módulo de um número real negativo é o oposto do número. Eemplo: 1 = 1, 3 = 3, +5 = 5, 1 = 1. Consequências importantes: Função Modular é aquela que associa a cada elemento real um elemento IR Para que o conceito de função fique claro adotamos a notação de uma função f() =, como sendo: ( ) { Sendo que o gráfico de f() = é semelhante ao gráfico de f() =, sendo que a parte negativa do gráfico será refletida sempre para um f() positivo. P r o f. W i l l i a m Página 20

21 Um outro eemplo para uma função modular seria a função modular do 2º grau, sendo f() = 2 4, assim : ( ) { ( ) ( ), assim temos o gráfico: Função Eponencial Equações Eponenciais Chamamos de equações eponenciais toda equação na qual a incógnita aparece em epoente. P r o f. W i l l i a m Página 21

22 Eemplos de equações eponenciais: 3 =81 (a solução é =4) 2-5 =16 (a solução é =9) =2.2-1 (a solução é =1) =0 (as soluções são =0 e =1) Para resolver equações eponenciais, devemos realizar dois passos importantes: 1º) redução dos dois membros da equação a potências de mesma base; 2º) aplicação da propriedade: Eemplos: 1) 3 =81 Resolução: Como 81=3 4, podemos escrever 3 = 34 E daí, =4. 2) 9 = 1 Resolução: 9 = 1 9 = 9 0 ; logo = 0. 3). / Resolução:. /. / 4) Resolução:. /. / 5) = 32 2 Resolução: = = (2 5 ) = 2 10 ; daí 3-1=10, de onde =-1/ FUNÇÃO EXPONENCIAL 6) Resolva a equação =0. Resolução: vamos resolver esta equação através de uma transformação: =0 (3 ) =0 Fazendo 3=y, obtemos: y²-6y 27=0 ; aplicando Bhaskara encontramos y =-3 e y =9 Para achar o, devemos voltar os valores para a equação auiliar 3=y: y =-3 3 = -3 não eiste, pois potência de base positiva é positiva y =9 3 = 9 3 = 3 2 =2 Portanto a solução é =2 Chamamos de funções eponenciais aquelas nas quais temos a variável aparecendo em epoente. A função f:ir IR + definida por f()=a, com a IR + e a 1, é chamada função eponencial de base a. O domínio dessa função é o conjunto IR (reais) e o contradomínio é IR + (reais positivos, maiores que zero). GRÁFICO CARTESIANO DA FUNÇÃO EXPONENCIAL Temos 2 casos a considerar: quando a>1; quando 0<a<1. Acompanhe os eemplos seguintes: P r o f. W i l l i a m Página 22

23 [FUNÇÕES] y=2 (nesse caso, a=2, logo a>1) Atribuindo alguns valores a e calculando os correspondentes valores de y, obtemos a tabela e o gráfico abaio: y 1/4 1/ y y=(1/2) (nesse caso, a=1/2, logo 0<a<1) Atribuindo alguns valores a e calculando os correspondentes valores de y, obtemos a tabela e o gráfico abaio: y /2 2 1/4 y Nos dois eemplos, podemos observar que o gráfico nunca intercepta o eio horizontal; a função não tem raízes; o gráfico corta o eio vertical no ponto (0,1); os valores de y são sempre positivos (potência de base positiva é positiva), portanto o conjunto imagem é Im= IR+. Além disso, podemos estabelecer o seguinte: Prof. William Página 23

24 a>1 0<a<1 f() é estritamente crescente e Im=IR + Para quaisquer 1 e 2 do domínio: 2 > 1 y 2 >y 1 (as desigualdades têm mesmo sentido) f() é estritamente decrescente e Im= IR + Para quaisquer 1 e 2 do domínio: 2 > 1 y 2 < y 1 (as desigualdades têm sentidos diferentes) INEQUAÇÕES EXPONENCIAIS 1) 2) 4 3) 5 4) Chamamos de inequações eponenciais toda inequação na qual a incógnita aparece em epoente. Eemplos de inequações eponenciais: (a solução é 4) (que é satisfeita para todo real) (que é satisfeita para -3) Resolução : 4 (1 4 16).4 Porém, (que é satisfeita para 2 3) Para resolver inequações eponenciais, devemos realizar dois passos importantes: 1º) redução dos dois membros da inequação a potências de mesma base; 2º) aplicação da propriedade: a > 1 0 < a < 1 a m > a n m>n (o sinal da desigualdade se mantém) Eercício resolvido: 1) 4 4 A inequação podeser escrita M ultiplicando ambos os lados , 0 4. ou seja : Como a base (4) é maior que1, obtemos : PortantoS IR (reais negativos) por 4 temos : 11 e daí, a m > a n m < n (o sinal da desigualdade se inverte) 4 1 P r o f. W i l l i a m Página 24

25 1.2.5 Função Logaritmo EQUAÇÕES LOGARÍTMICAS Chamamos de equações logarítmicas toda equação que envolve logaritmos com a incógnita aparecendo no logaritmando, na base ou em ambos. Eemplos de equações logarítmicas: Log 3 =5 (a solução é =243) log(²-1) = log 3 (as soluções são =-2 e =2) log 2 (+3) + log 2 (-3) = log27 (a solução é =4) log+1og(²-)=2 (a solução é =-1/3) Alguns eemplos resolvidos: a) Log 3 (+5) = 2 Resolução: condição de eistência: +5>0 => >-5 Log 3 (+5) = 2 => +5 = 32 => =9-5 => =4 Como =4 satisfaz a condição de eistência, então o conjunto solução é S={4}. b) Log 2 (log4 ) = 1 Resolução: condição de eistência: >0 e log4>0 log 2 (log4 ) = 1 ; sabemos que 1 = log2(2), então log 2 (log4) = log2(2) => log4 = 2 => 42 = => =16 Como =16 satisfaz as condições de eistência, então o conjunto solução é S={16}. c) Resolva o sistema: log log y 7 3.log 2.log y 1 Resolução: condições de eistência: >0 e y>0 Da primeira equação temos: log +log y=7 => log y = 7-log Substituindo log y na segunda equação temos: 3.log 2.(7-log )=1 => 3.log log = 1 => 5.log = 15 => log =3 => =103 Substituindo = 103 em log y = 7-log temos: log y = 7- log 103 => log y = 7-3 => log y =4 => y=104. Como essas raízes satisfazem as condições de eistência, então o conjunto solução é S={(103;104)}. P r o f. W i l l i a m Página 25

26 FUNÇÃO LOGARÍTMICA A função f:ir + IR definida por f()=log a, com a 1 e a>0, é chamada função logarítmica de base a. O domínio dessa função é o conjunto IR + (reais positivos, maiores que zero) e o contradomínio é IR (reais). GRÁFICO CARTESIANO DA FUNÇÃO LOGARÍTMICA Temos 2 casos a considerar: quando a>1; quando 0<a<1. Acompanhe nos eemplos seguintes, a construção do gráfico em cada caso: y=log 2 (nesse caso, a=2, logo a>1) Atribuindo alguns valores a e calculando os correspondentes valores de y, obtemos a tabela e o gráfico abaio: 1/4 1/ y y y = log 1/2 (nesse caso, a=1/2, logo 0<a<1) Atribuindo alguns valores a e calculando os correspondentes valores de y, obtemos a tabela e o gráfico abaio: 1/4 1/ y y P r o f. W i l l i a m Página 26

27 Nos dois eemplos, podemos observar que o gráfico nunca intercepta o eio vertical; o gráfico corta o eio horizontal no ponto (1,0). A raiz da função é =1; y assume todos os valores reais, portanto o conjunto imagem é Im=IR. Além disso, podemos estabelecer o seguinte: a>1 0<a<1 f() é crescente e Im=IR Para quaisquer 1 e 2 do domínio: 2>1 y2>y1 (as desigualdades têm mesmo sentido) f() é decrescente e Im=IR Para quaisquer 1 e 2 do domínio: 2>1 y2<y1 (as desigualdades têm sentidos diferentes) INEQUAÇÕES LOGARÍTMICAS Chamamos de inequações logarítmicas toda inequação que envolve logaritmos com a incógnita aparecendo no logaritmando, na base ou em ambos. Eemplos de inequações logarítmicas: 1) log 2 > 0 (a solução é >1) 2) log 4 (+3) 1 (a solução é 3< 1) Para resolver inequações logarítmicas, devemos realizar dois passos importantes: 1º) redução dos dois membros da inequação a logaritmos de mesma base; 2º) aplicação da propriedade: a>1 0<a<1 log a m > log a n m>n>0 (as desigualdades têm mesmo sentido) Eercícios Resolvidos: log a m > log a n 0<m<n (as desigualdades têm sentidos diferentes) a) log 2 (+2) > log 2 8 Resolução: Condições de eistência: +2>0, ou seja, >-2 (S1) Como a base (2) é maior que 1, temos: +2>8 e, daí, >6 (S2) O conjunto solução é S= S1 S2 = { IR >6}. Portanto a solução final é a intersecção de S1 e S2, como está representado logo abaio no desenho: P r o f. W i l l i a m Página 27

28 b) log 2 (log3) 0 Resolução: Condições de eistência: >0 e log3>0 Como log 2 1=0, a inequação pode ser escrita assim: log 2 (log 3 ) log 2 1 Sendo a base (2) maior que 1, temos: log 3 1. Como log 3 3 = 1, então, log 3 log 3 3 e, daí, 3, porque a base (3) é maior que 1. As condições de eistência estão satisfeitas, portanto S={ IR 3}. Considerações finais: As funções logarítmica e eponenciais são inversas, os seus gráficos são curvas simétricas em relação à bissetriz do primeiro e terceiro quadrantes, ou seja, simétricas em relação à reta y =. Da simples observação dos gráficos acima, podemos concluir que: Para a > 1, as funções eponencial e logarítmica são CRESCENTES. Para 0 < a < 1, elas são DECRESCENTES. O domínio da função y = log a é o conjunto O conjunto imagem da função y = log a é o conjunto R dos números reais. O domínio da função y = a é o conjunto R dos números reais. O conjunto-imagem da função y = a é o conjunto. Observe que o domínio da função eponencial é igual ao conjunto-imagem da função logarítmica e que o domínio da função logarítmica é igual ao conjunto-imagem da função eponencial. Isso ocorre porque as funções são inversas entre si. P r o f. W i l l i a m Página 28

29 1.2.6 Funções polinomiais genéricas. Uma função f: IR IR dada por ( ) fios, denomina-se função polinomial de grau n (n IN). c) f() = ² 4 é uma função polinomial de grau 2, e seu gráfico é a parábola. em que a 0, a 1, a 2,..., a n são números O gráfico de uma função polinomial de grau 2 é uma parábola com eio de simetria paralela ao eio Oy. d) g() = ( 1)³ é uma função polinomial de grau 3; seu gráfico obtém-se do gráfico de y = ³, transladando-o uma unidade para a direita. y y P r o f. W i l l i a m Página 29

30 [FUNÇÕES] Funções Racionais. Uma função f, dada por ( ) conjunto { IR / ( ) ( ), ( ) onde p e q são duas funções polinomiais, cujo domínio de f é o }. Eemplo: ( ) a) ( ). Este gráfico é uma hipérbole equilátera deslocada em 1 unidade para cima, cujo domínio é D(f)= { IR / }. y y 1 0 b) ( ) 0. Este gráfico é uma hipérbole equilátera deslocada em 2 unidades para esquerda, cujo domínio é D(g)= { IR / }. y y Prof. William Página 30

31 Eercícios Propostos: 1. Calcule: a) f(-1) e f(1/2), sendo f() = - ²+2.. b) g(0), g(2) e ( ), sendo ( ). c) ( ) ( ), sendo f() = ² e a.b 0. d) ( ) ( ), sendo f() = 3.+1 e a.b 0. e) f(1/2), f(2) e f(1), sendo f() = f) f(1/2), f(2) e f(1), sendo f() = Simplifique ( ) ( ) para p e sendo dados: a) f() = ² e p =1. b) f() = e p = 2. c) f() = 1/ e p = 2. d) f() = 1/² e p = -3. e) f() = 5 e p = Simplifique ( ) ( ) ( ) a) 2.+1 b) ² c) -2.²+3 d) 5 e) Dê o domínio e esboce o gráfico das funções abaio: a) f() = 3. b) ( ) { c) ( ) d) ( ) e) ( ) { f) ( ) { g) ( ) ( ) h) ( ) 5. Determine o domínio das funções: a) ( ) b) ( ) c) ( ) d) ( ) e) ( ) f) ( ) g) ( ) ( ) h) ( ) P r o f. W i l l i a m Página 31

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

É usual representar uma função f de uma variável real a valores reais e com domínio A, simplesmente por y=f(x), x A

É usual representar uma função f de uma variável real a valores reais e com domínio A, simplesmente por y=f(x), x A 4. Função O objeto fundamental do cálculo são as funções. Assim, num curso de Pré-Cálculo é importante estudar as idéias básicas concernentes às funções e seus gráficos, bem como as formas de combiná-los

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro De Ciências Exatas e da Terra. Departamento de Física Teórica e Experimental Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro De Ciências Exatas e da Terra Departamento de Física Teórica e Experimental Programa de Educação Tutorial Curso de Nivelamento: Pré-Cálculo PET DE FÍSICA:

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2005/2006)

(Testes intermédios e exames 2005/2006) 158. Indique o conjunto dos números reais que são soluções da inequação log 3 (1 ) 1 (A) [,1[ (B) [ 1,[ (C) ], ] (D) [, [ 159. Na figura abaio estão representadas, em referencial o. n. Oy: parte do gráfico

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Geometria Analítica Plana.

Geometria Analítica Plana. Geometria Analítica Plana. Resumo teórico e eercícios. 3º Colegial / Curso Etensivo. Autor - Lucas Octavio de Souza (Jeca) Estudo de Geometria Analítica Plana. Considerações gerais. Este estudo de Geometria

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência:

FUNÇÃO DO 1º GRAU. Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: FUNÇÃO DO 1º GRAU Vamos iniciar o estudo da função do 1º grau, lembrando o que é uma correspondência: Correspondência: é qualquer conjunto de pares ordenados onde o primeiro elemento pertence ao primeiro

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

4 Mudança de Coordenadas

4 Mudança de Coordenadas Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Última atualização: 14 de outubro de 006 4 Mudança de Coordenadas Translação e Rotação de Curvas no R² Introdução O enfoque dos 3 primeiros capítulos

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº10 Prof. Daniel Szente Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº10 Prof. Daniel Szente Assunto: Função exponencial e logarítmica 1. Potenciação e suas propriedades Definição: Potenciação é a operação

Leia mais

Onde usar os conhecimentos os sobre função?

Onde usar os conhecimentos os sobre função? II FUNÇÃO E LOGARITMO Por que aprender função?... As funções exponenciais e logarítmicas estão presentes no estudo de fenômenos que envolvem taxas de crescimento e de decrescimento. Onde usar os conhecimentos

Leia mais

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2}

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2} Sistemas de Informação e Tecnologia em Proc. de Dados Matemática Ms. Carlos Roberto da Silva/ Ms. Lourival Pereira Martins FUNÇÃO Definição: Dados dois conjuntos e define-se como função de em a toda relação

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte 2. Distância entre Ponto e Reta. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis

Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte 2. Distância entre Ponto e Reta. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte Distância entre Ponto e Reta a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Geometria Analítica Parte Distância entre Ponto e Reta 1 Exercícios Introdutórios

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA FUNÇÃO DO 1º GRAU PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU DEFINIÇÃO Chama-se função do 1. grau toda função definida de por f() = a b com a, b e a 0.

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0

UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA. 103 Matemática e Lógica Unidade 04. a > 0 a < 0 > 0 1 - FUNÇÃO QUADRÁTICA UNIDADE 4 FUNÇÕES 2 MÓDULO 1 FUNÇÃO QUADRÁTICA 01 É toda função do tipo f(x)=ax 2 +bx+c, onde a, b e c são constantes reais com a 0. Ou, simplesmente, uma função polinomial de grau

Leia mais

Lista de Exercícios 03

Lista de Exercícios 03 Lista de Exercícios 03 Aplicações das relações e funções no cotidiano Ao lermos um jornal ou uma revista, diariamente nos deparamos com gráficos, tabelas e ilustrações. Estes, são instrumentos muito utilizados

Leia mais

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO

ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO ESPAÇOS MUNIDOS DE PRODUTO INTERNO Angelo Fernando Fiori 1 Bruna Larissa Cecco 2 Grazielli Vassoler 3 Resumo: O presente trabalho apresenta um estudo sobre os espaços vetoriais munidos de produto interno.

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

QUESTÃO 16 Na figura, temos os gráficos das funções f e g, de em. O valor de gof(4) + fog(1) é:

QUESTÃO 16 Na figura, temos os gráficos das funções f e g, de em. O valor de gof(4) + fog(1) é: Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA A ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 4 Disciplina: MaTeMÁTiCa Prova: desafio nota: QUESTÃO 6 Na figura, temos os gráficos das funções f e g,

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

Maia Vest. Denominamos o fator de base e de expoente; é a n-ésima potência de. Portanto, potência é um produto de fatores iguais.

Maia Vest. Denominamos o fator de base e de expoente; é a n-ésima potência de. Portanto, potência é um produto de fatores iguais. Maia Vest Disciplina: Matemática Professor: Adriano Mariano FUNÇÃO EXPONENCIAL Revisão sobre potenciação Potência de expoente natural Sendo a um número real e n um número natural maior ou igual a 2, definimos

Leia mais

LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012. ax b, sabendo que:

LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012. ax b, sabendo que: 1) Dada a função f(x) = 2x + 3, determine f(1). LISTA DE FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU - 2012 2) Dada a função f(x) = 4x + 5, determine x tal que f(x) = 7. 3) Escreva a função afim f ( x) ax b, sabendo

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Conjuntos...5 1.1 Representação de conjuntos...5 1. Operações com conjuntos...6 1. Propriedades

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática Módulo 3 Unidade 10 Sistemas Lineares Para início de conversa... Diversos problemas interessantes em matemática são resolvidos utilizando sistemas lineares. A seguir, encontraremos exemplos de alguns desses

Leia mais

UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE 1º E 2º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA

UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE 1º E 2º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA ISSN 794 UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE º E º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA Valeria Ap. Martins Ferreira, Viviane Carla Fortulan Mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo- USP. Professora da Faculdade de

Leia mais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais

PARTE 3. 3.1 Funções Reais de Várias Variáveis Reais PARTE 3 FUNÇÕES REAIS DE VÁRIAS VARIÁVEIS REAIS 3. Funções Reais de Várias Variáveis Reais Vamos agora tratar do segundo caso particular de funções vetoriais de várias variáveis reais, F : Dom(F) R n R

Leia mais

FUNÇÃO EXPONENCIAL E FUNÇÃO LOGARÍTMICA

FUNÇÃO EXPONENCIAL E FUNÇÃO LOGARÍTMICA Equações Eponenciais: FUNÇÃO EXPONENCIAL E FUNÇÃO LOGARÍTMICA Chamamos de equações eponenciais toda equação na qual a incógnita aparece em epoente. Para resolver equações eponenciais, devemos realizar

Leia mais

Função do 2º Grau. Alex Oliveira

Função do 2º Grau. Alex Oliveira Função do 2º Grau Alex Oliveira Apresentação A função do 2º grau, também chamada de função quadrática é definida pela expressão do tipo: y = f(x) = ax² + bx + c onde a, b e c são números reais e a 0. Exemplos:

Leia mais

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2 MATEMÁTICA 1 Um tapete deve ser bordado sobre uma tela de m por m, com as cores marrom, mostarda, verde e laranja, da seguinte forma: o padrão quadrado de 18 cm por 18 cm, mostrado abaio, será repetido

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS GRUPO Educação adistância Caderno de Estudos EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Prof. Ruy Piehowiak Editora UNIASSELVI 2012 NEAD Copyright Editora UNIASSELVI 2012 Elaboração: Prof. Ruy Piehowiak Revisão, Diagramação

Leia mais

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO

I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO Matemática Frente I CAPÍTULO 19 RETA PASSANDO POR UM PONTO DADO 1 - RECORDANDO Na última aula, nós vimos duas condições bem importantes: Logo, se uma reta passa por um ponto e tem um coeficiente angular,

Leia mais

AULA DE REPOSIÇÃO 001 / 3º ANO

AULA DE REPOSIÇÃO 001 / 3º ANO UL DE REPOSIÇÃO 00 / 3º NO Introdução Inicialmente, para a primeira aula, será feita uma retomada de todo o assunto já estudado, uma vez que não é nada fácil simplesmente retomar o conteúdo sem que sejam

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

LTDA APES PROF. RANILDO LOPES SITE:

LTDA APES PROF. RANILDO LOPES SITE: Matemática Aplicada - https://ranildolopes.wordpress.com/ - Prof. Ranildo Lopes - FACET 1 Faculdade de Ciências e Tecnologia de Teresina Associação Piauiense de Ensino Superior LTDA APES PROF. RANILDO

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase

NIVELAMENTO 2007/1 MATEMÁTICA BÁSICA. Núcleo Básico da Primeira Fase NIVELAMENTO 00/ MATEMÁTICA BÁSICA Núcleo Básico da Primeira Fase Instituto Superior Tupy Nivelamento de Matemática Básica ÍNDICE. Regras dos Sinais.... Operações com frações.... Adição e Subtração....

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS FUNÇÕES PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO IDÉIA INTUITIVA DE FUNÇÃO O conceito de função é um dos mais importantes da matemática.

Leia mais

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \.

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV1 &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV Å 1Ro}HV *HUDLV Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. [\ [\ É fácil verificar

Leia mais

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição 90 1. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 1.1 FUNÇÕES INJETORAS Definição Dizemos que uma função f: A B é injetora quando para quaisquer elementos x 1 e x de A, f(x 1 ) = f(x ) implica x 1 = x. Em

Leia mais

Matemática Básica - 08. Função Logarítmica

Matemática Básica - 08. Função Logarítmica Matemática Básica Função Logarítmica 08 Versão: Provisória 0. Introdução Quando calculamos as equações exponenciais, o método usado consistia em reduzirmos os dois termos da equação à mesma base, como

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

(Testes intermédios e exames 2010/2011)

(Testes intermédios e exames 2010/2011) (Testes intermédios e eames 00/0) 57. Na Figura, está parte da representação gráfica da função f, de domínio +, definida por f() = log 9 () Em qual das opções seguintes está definida uma função g, de domínio,

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Otimização da cerca. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Números e funções Guia do professor Experimento Otimização da cerca Objetivos da unidade 1. Resolver um problema de otimização através do estudo de uma função quadrática. 2. Estudar as propriedades de

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau Resolução das atividades complementares Matemática M5 Função polinomial do o grau p. 8 O perímetro p de um quadrado é função linear de seu lado. Qual a sentença que define essa função? p 5 O perímetro

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano. 3 a série E.M.

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano. 3 a série E.M. Módulo de Geometria Anaĺıtica 1 Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano a série EM Geometria Analítica 1 Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano 1 Exercícios

Leia mais

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos Capítulo 4 Funções de duas variáveis 4.1 Funções de varias variáveis - Definição e eemplos Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo f : D R com D R n = R R. Ou seja, uma

Leia mais

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Eemplo 1: Determinação

Leia mais

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA

Conteúdo Programático Anual MATEMÁTICA MATEMÁTICA 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) CALCULANDO COM NÚMEROS NATURAIS 1. Idéias associadas à adição 2. Idéias associadas à subtração 3. Idéias associadas à multiplicação 4. Idéias associadas à divisão

Leia mais

3 0 SÉRIE EM. APOSTILA de MATEMÁTICA BÁSICA para FÍSICA

3 0 SÉRIE EM. APOSTILA de MATEMÁTICA BÁSICA para FÍSICA 0 SÉRIE EM APOSTILA de MATEMÁTICA BÁSICA para FÍSICA MATEMÁTICA BÁSICA Professor Afonso Oliveira (www.afonsofisica.wordpress.com) ALUNO: N o : ÍNDICE GERAL I. Conjuntos numéricos; II. As quatro operações

Leia mais

MATERIAL MATEMÁTICA I

MATERIAL MATEMÁTICA I MATERIAL DE MATEMÁTICA I CAPÍTULO I REVISÃO Curso: Administração 1 1. Revisão 1.1 Potência de Epoente Inteiro Seja a um número real e m e n números inteiros positivos. Podemos observar as seguintes propriedades

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real

Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real Capítulo 5 - Funções Reais de Variável Real Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática I - 1 o Semestre 2011/2012 Matemática I 1/

Leia mais

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Unidade 3 Função Logarítmica Definição de aritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Definição de Logaritmo de um número Suponha que certo medicamento,

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função

Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função Texto de Aprofundamento / Apoio Conceito de Função Texto baseado no material preparado por Ângela Patricia Spilimbergo, Cleusa Jucela Meller Auth e Lecir Dalabrida da Universidade Regional do Noroeste

Leia mais

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço Retas e lanos Equações de Retas Equação aramétrica da Reta no Espaço Considere o espaço ambiente como o espaço tridimensional Um vetor v = (a, b, c) determina uma direção no espaço Dado um ponto 0 = (x

Leia mais

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA CAPÍULO 6 ANSFOMAÇÃO LINEA Introdução Muitos problemas de Matemática Aplicada envolvem o estudo de transformações, ou seja, a maneira como certos dados de entrada são

Leia mais

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Funções e Aplicações Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Maio de 2011 Índice 1 - Conjuntos Numéricos... 4 Intervalos... 5 Intervalos finitos... 5 Intervalos

Leia mais

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1.

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1. 2.1 Domínio e Imagem EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 1.1 1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 3 (e) g (x) 2x

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Estudo do Sinal de uma Função

Estudo do Sinal de uma Função Capítulo 1 Estudo do Sinal de uma Função 11 Introdução Neste Capítulo discutimos o problema do estudo do sinal de uma função, assunto muitas vezes tratado de forma rápida e supercial nos ensinos básico

Leia mais

MATEMÁTICA PROVA DO VESTIBULAR ESAMC-2003-2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. 26. A expressão numérica ( ) RESOLUÇÃO:

MATEMÁTICA PROVA DO VESTIBULAR ESAMC-2003-2 RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. 26. A expressão numérica ( ) RESOLUÇÃO: PROVA DO VESTIULAR ESAMC-003- RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA MATEMÁTICA 3 3 3 6. A epressão numérica ( ) 3.( ).( ).( ) equivale a: A) 9 ) - 9 C) D) - E) 6 3 3 3 3 ( ).( ).( ).(

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica

Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica O gênio é composto por % de talento e de 8% de perseverante aplicação (Ludwing Van Beethoven) Acadêmico: Projeto de Ensino: Curso de Matemática Básica SUMÁRIO NÚMEROS E OPERAÇÕES Introdução Conjunto dos

Leia mais

Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Dinâmica de um Sistema de Partículas Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Profa. Dra. Diana Andrade & Prof. Dr. Sergio Pilling Parte 1 - Movimento Retilíneo Coordenada de posição, trajetória,

Leia mais

A otimização é o processo de

A otimização é o processo de A otimização é o processo de encontrar a melhor solução (ou solução ótima) para um problema. Eiste um conjunto particular de problemas nos quais é decisivo a aplicação de um procedimento de otimização.

Leia mais

Representação no Plano Cartesiano INTRODUÇÃO A FUNÇÃO

Representação no Plano Cartesiano INTRODUÇÃO A FUNÇÃO INTRODUÇÃO A FUNÇÃO Def: Dado dois conjuntos que tenham uma relação, chama-se função quando todo elemento do primeiro tiver associado um único elemento do segundo conjunto. Ou seja, f é função de A em

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais