Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DO PROCESSO TOLL-GATE PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES E PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS EM EUMA EMPRESA FORNECEDORA DE BENS E SERVIÇOS PARA O SETOR DE ENERGIA Resumo Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira Este relato técnico objetiva apresentar a implementação do processo toll-gate - técnica para corrigir e reduzir os defeitos presentes nos produtos e processos - na empresa GE - unidade de negócios de Energia - uma empresa fornecedora de bens, serviços e soluções para o setor de energia. A documentação padronizada pela empresa demonstra a aplicação do processo tollgate nas áreas de engenharia e desenvolvimento de novos produtos/tecnologias, vendas e gestão de contratos. A questão-chave a ser esclarecida é se houve a real implementação do processo na empresa e se há uma efetiva melhora no processo de desenvolvimento de novos produtos. Palavras-Chave: Implementação do processo toll-gate, desenvolvimento de novos produtos, complexidade para seleção de oportunidades. Abstract This technical report aims to present the toll-gate process implementation technique to correct and reduce the being defects in products and processes at GE Company Energy business unity a goods, services and solutions supplier company in the energy segment. The Company standardized documentation demonstrates the toll-gate process application in the engineering and new products/technologies development, sales and contract management. The key issue to be addressed is whether there was a real process implementation at the Company and the effective improvement in the new products development process. Keywords: Toll-gate process implementation, new products development, complexity for opportunity selection. Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 1

2 1. INTRODUÇÃO A empresa objeto desse relato técnico fornece bens, serviços e soluções para o setor de energia, entre outros setores de atuação e marca presença local em mais de 100 países. Com o intuito de criar maior valor para os clientes, a empresa adotou a implementação do processo toll-gate - uma técnica para corrigir e reduzir os defeitos presentes nos produtos e processos - como ferramenta para introdução de novos produtos/ tecnologias, bem como seleção de oportunidades nas áreas de vendas e ferramenta de gestão de contratos. O objetivo da empresa era melhorar a abordagem para oportunidades de desenvolvimento de novos projetos, selecionar as oportunidades com mais aderência à estratégia da empresa e assegurar uma gestão eficiente dos contratos. Em face dessa proposta, a questão-chave que se busca esclarecer é: A GE unidade de Energia conseguiu atingir o objetivo de implementação da ferramenta e efetivamente melhorar o processo para desenvolvimento de novos produtos? 2. REVISÃO TEÓRICA Diante de um cenário cada vez mais competitivo, onde as instituições enfrentam dificuldades cada vez maiores, conforme apresentado no Relatório Anual de Competitividade, do Fórum Econômico Mundial, dificuldades estas como relacionamento com um número crescente de partes interessadas, ambiente macroeconômico, responsabilidade sócioambiental, educação básica e formação tecnológica, escassez de mão de obra especializada, custos de produção, dificuldades de captação de recursos financeiros, entre outros, as empresas se deparam com a necessidade de melhor investir na escolha de seus projetos, para assegurar que os ganhos e benefícios gerados pela carteira de projetos estejam em sintonia com as expectativas dos investidores. Considerando-se as abordagens de Cooper; Edgett & Kleinschmidt (2001) e Pinto (2010), que realçam critérios que ajudam na tomada de decisões do ponto de vista econômico-comercial e Cooper; Edgett & Kleinschmidt (2001), Cooper (2007), RAMOS, GARCEZ, SBRAGIA & DIAS(2004) e Pinto (2010) que apresentam aplicações de estágios e portões de tomada de decisões para os projetos de desenvolvimento de novos produtos, é neste contexto que se desenvolve este relato técnico, estruturado na apresentação da metodologia da observação, apresentação dos resultados e considerações finais. Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 2

3 3. METODOLOGIA A metodologia aplicada é a da coleta de dados apresentados no Manual de Qualidade da GE Energy, documento padronizado para a gestão da qualidade na divisão de energia e que descreve as etapas seguidas para o desenvolvimento de novos produtos/tecnologias NPI (New Product Introduction), processos comerciais ITO (Inquiry to Order) e processos contratuais OTR (Order to Remittance). Em complemento, a observação-participante analisa e comenta a aplicação do processo toll-gate na empresa, na visão de um colaborador com a experiência de 18 meses de atuação na área de engenharia de aplicação, que retrata a análise das oportunidades identificadas e realiza os estudos iniciais até a fase de projeto básico, validando a iniciativa juntamente com as demais áreas envolvidas nos diversos estágios. Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 3

4 4. RESULTADOS VERIFICADOS O processo de negócios elaborado pela empresa, interliga o desenvolvimento de novos produtos/tecnologias, com a atividade de prospecção de oportunidades, atribuição esta das áreas de vendas, assim como com a atividade de gestão de contratos, responsável pela administração do contrato, desde a colocação do pedido até a entrega e recebimento do pagamento final.o ciclo de desenvolvimento de novos produtos/tecnologias ocorre em função de uma solicitação de clientes do mercado de atuação da empresa. Este ciclo de desenvolvimento está demonstrado na Figura 1. Figura 1 Key Business Process Fonte: GE Energy (2010, p. 12) Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 4

5 O processo de negócios da empresa está estruturado de forma ao ciclo de desenvolvimento de negócios ser atendido pela estrutura de vendas que identifica ou recebe solicitações de desenvolvimento para novos produtos ou soluções e solicita a apresentação de cotação às áreas suporte de vendas. Em conjunto com estas áreas suporte de vendas é definida a apresentação da cotação, os acordos iniciais com os propostos fornecedores/parceiros, a discussão dos termos e a assinatura do contrato em caso de sucesso. Na continuidade da assinatura do contrato, a equipe de gestão de contratos, que já está envolvida previamente desde a fase anterior à assinatura do contrato com o cliente, desenvolve o plano de trabalho de fornecimento junto aos fornecedores/parceiros, para o desenvolvimento de soluções de engenharia, fabricação, introdução no mercado e serviços. A metodologia aplicada para a introdução de novo produto/tecnologia é feita pelo processo do toll-gate, que deriva da ferramenta de qualidade Six Sigma metodologia para detecção da quantidade de defeitos em processos ou produtos - e aplica técnicas de definição, medição, análise, melhoria e controle nos produtos e processos a fim de alcançar os requisitos definidos pela empresa para atender a qualidade solicitada nos fornecimentos para os seus clientes. O processo de introdução de novo produto (NEW PRODUCT INTRODUCTION), que dura desde a identificação da oportunidade de um novo negócio até a fase posterior à introdução comercial do novo produto no mercado, é apresentada de forma resumida através do Quadro 1, que mostra os estágios e as áreas envolvidas. Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 5

6 Quadro 1 : Estágio de desenvolvimento de novos produtos e as áreas envolvidas Estágio do processo de desenvolvimento de novo produto Identificação de oportunidade Opções de produtos Projeto conceitual Estágio do processo de desenvolvimento de novo produto Projeto preliminar Projeto detalhado Áreas de negócios / suporte envolvidas Gestão de produtos Marketing Engenharia Vendas Produção Gestão de produtos Marketing Gestão de programas Engenharia Produção Jurídico Gestão de produtos Marketing Gestão de programas Engenharia Produção Comunicações Áreas de negócios / suporte envolvidas Gestão de produtos Marketing Gestão de programas Engenharia Vendas Produção Comunicações Gestão de produtos Marketing Engenharia Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 6

7 Produção Serviços Gestão de produtos Gestão de programas Teste de produção inicial em fábrica Vendas Produção Serviços Gestão de produtos Marketing Produção em série do produto Gestão de programas Vendas Serviços Gestão de produtos Medição e feedback de produto Marketing Comunicações Fonte: Elaboração dos autores A Figura 2 abaixo representa a configuração do processo de toll-gate para o desenvolvimento de novos produtos na empresa GE Energy. Por meio da identificação de oportunidades (estágio 1), a equipe de vendas apresenta às áreas de engenharia, marketing, gestão de produtos e produção, uma oportunidade de produto, serviço e soluções. Dentro das respectivas atribuições, as áreas mencionadas buscam opções de produtos (estágio 2) já existentes no portfolio da empresa que possam atender aos requisitos necessários do produto, serviço ou solução solicitada pelo potencial cliente. No caso da inexistência de produtos já desenvolvidos, é realizado um estudo de caso que demonstre a viabilidade técnica e comercial do produto solicitado. As diversas áreas envolvidas nessa etapa inicial são responsáveis pela realização do estudo de desenvolvimento do produto e do planejamento de introdução do novo produto no mercado, além de terem as recomendações da área jurídica, durante a fase de busca de opções de produtos. Se houver o atendimento dos requisitos técnicos, financeiros e comerciais inicialmente solicitados, a oportunidade é aprovada para seguir para os próximos estágios. Em contrapartida, não havendo o atendimento dos requisitos ou dos objetivos estratégicos da empresa, o processo é reavaliado e caso não seja possível atingir os pontos Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 7

8 definidos na etapa, a decisão de continuidade do desenvolvimento pode ser adiada, colocada em espera ou cancelada. Nas fases de projeto conceitual e projeto preliminar (estágios 3 e 4, respectivamente), a atuação das equipes de gestão de programas, gestão de produtos, engenharia, produção e marketing, aprimoram e refinam a solução a ser desenvolvida para atendimento da solicitação do cliente e a equipe de comunicação passa a atuar como um facilitador na apresentação do novo produto para as demais áreas internas e níveis superiores da gestão das unidades de negócios que se beneficiarão da solução. O processo contínuo de avaliação indica que se não forem atingidas as métricas dessa etapa, um processo corretivo deve ser aplicado, garantindo assim o atendimento dos requisitos necessários para avançar para a fase posterior. Na próxima fase, que é onde se inicia o projeto detalhado (estágio 5), as áreas de gestão de produtos, marketing, engenharia e produção, buscam assegurar o desempenho do produto, conforme o modelo conceitualmente definido na fase anterior, além de validar os gastos estimados para o custo do programa, o custo do produto e os objetivos financeiros para a introdução da solução. Uma vez alcançados os requisitos definidos pelas áreas para essa fase, o projeto é liberado para a fase de teste de produção inicial na fábrica (estágio 6). Após a produção inicial e se forem atendidos os requisitos do produto aprovados e validados na etapa anterior, o comitê de aprovação das áreas de gestão de produtos, marketing, engenharia e gestão de programas autoriza o início da produção em série do produto (estágio 7). Em um processo de ciclo contínuo, as áreas de gestão de produtos, marketing e comunicação, realizam um processo de medição e feedback sobre a performance do produto no mercado (estágio 8), permitindo verificar a necessidade de ajustes, correções, novas oportunidades, ciclo de vida dos produtos, serviços ou sistemas gerados, o que aumenta a probabilidade de obtenção de retornos estratégicos, de marketing, técnicos e financeiros. Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 8

9 Figura 2 New Product Introduction Process Fonte: GE Energy (2010, p. 15) A questão-chave apresentada e que se busca esclarecer é se a empresa conseguiu atingir o objetivo de implementação da ferramenta, questão esta esclarecida de forma positiva conforme demonstrado em Pinto (2010, p ), além da empresa ter efetivamente melhorado o processo para desenvolvimento de novos produtos, uma vez que estruturou uma sistemática para gestão de potenciais novos desenvolvimentos de produtos, com aplicação prática em suas áreas principais (core business). Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/2012 9

10 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este relato objetivou verificar se a empresa-alvo alvo do estudo atingiu seu objetivo de implementação do processo toll-gate e efetivamente melhorar o processo para desenvolvimento de novos produtos. O método utilizado no estudo foi a observaçãoparticipante dos autores somado à consulta de manuais e documentos publicados pela empresa. Concluiu-se que a aplicação desse processo na empresa tem sido de relevante importância, pois direciona a utilização de recursos materiais, tecnológicos, financeiros e humanos em projetos com perspectiva de maior retorno agregado para a empresa e seus clientes. O processo toll-gate tem sido verificado e aplicado também em diversas outras empresas do segmento industrial - conforme Cooper (2007) sobre ferramentas e processos para projetos de desenvolvimentos de novos produtos - aumentando a probabilidade de sucesso na seleção de seus projetos e desenvolvimentos, que em um contexto de alta complexidade falta de recursos humanos ou dificuldades para alocação de recursos humanos com as devidas competências, tecnologias modernas, materiais em estágio inicial de desenvolvimento, capacidade produtiva, obtenção de recursos para financiamento de investimentos em novos produtos ou processos - priorizam os projetos que possam apresentar maior potencial de ganho na visão das partes interessadas na visão da empresa. Como contribuição do relato técnico, a percepção dos participantes apoiada pela análise do referencial teórico que viabilizou a análise da situação-problema com mais profundidade, verificou-se a necessidade de um processo contínuo e constante de conscientização de todos os profissionais da estrutura da empresa, pois esta abordagem e aplicação visam reduzir potenciais riscos (ameaças) e aumentar as oportunidades de melhor e maior benefício. Além disso, a necessidade de se ter um alcance maior dentro das diversas unidades de negócios da empresa, quer seja na subsidiária, quer seja em outras unidades (subsidiárias e matriz), limita uma melhor compreensão do estágio de avanço dessa aplicação de processo na empresa. Como sugestões e pesquisas futuras, os autores recomendam a realização do mesmo estudo em empresas do segmento de energia que utilizam o processo de toll-gate para o desenvolvimento de novos produtos e tecnologias a fim de verificar os possíveis benefícios da aplicação do processo no segmento. Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/

11 6. REFERÊNCIAS COOPER, R. G.; EDGETT, S. J.; KLEINSCHMIDT, E. K. Portfolio Management: Fundamental to New Product Success, Working paper n. 12. Product Development Institute COOPER, R. Managing Technology Development Projects. IEEE Engineering Management Review, v. 35, n. 1, FIRST QUARTER, 2007 RAMOS, M. Y.; GARCEZ, M. P.; SBRAGIA, R. DIAS, M. V. B. Avaliação do Desempenho do Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos: Proposição de uma Tipologia para a Construção de Sistemas Integrados de Medidas. Anais do XXIII Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 2004, p Project Selection and Portfolio Management, Chapter 3, Project Management: Achieving Competitive Advantage, Second Edition, by Jeffrey K. Pinto World Economic Forum - The Global Competitiveness Report GE Energy Quality Manual, 2010, Anais do I SINGEP São Paulo - SP Brasil 06 e 07/12/

A FORMAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES DE PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS E SOLUÇÕES EM UMA EMPRESA DO SETOR INDUSTRIAL

A FORMAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES DE PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS E SOLUÇÕES EM UMA EMPRESA DO SETOR INDUSTRIAL A FORMAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES DE PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS E SOLUÇÕES EM UMA EMPRESA DO SETOR INDUSTRIAL RESUMO Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Freitas O objetivo deste relato

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto 4. Gerenciamento de integração do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto 4.2 Desenvolver

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Programa INOVA. Centro de Referência em Inovação. São Paulo, 6 de Dezembro de 2012

Programa INOVA. Centro de Referência em Inovação. São Paulo, 6 de Dezembro de 2012 Programa INOVA Centro de Referência em Inovação São Paulo, 6 de Dezembro de 2012 1 AGENDA Programa INOVA Fábrica Incremental Fábrica Planejada Fábrica Exploratória 2 PROGRAMA INOVA 3 A INOVAÇÃO ESTEVE

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de integração de projeto. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos 9 áreas de conhecimento de GP / PMBOK / PMI QUALIDADE RECURSOS HUMANOS ESCOPO AQUISIÇÕES INTEGRAÇÃO COMUNICAÇÕES

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Uma nova cultura em processos e projetos

Uma nova cultura em processos e projetos Uma nova cultura em processos e projetos 10 KPMG Business Magazine Mercado caminha para a maturidade, com uma maior percepção dos benefícios da gestão por processos para atender aos objetivos estratégicos

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Fundada em 2005, a Cedro tem como objetivo transformar o mundo através de pessoas e tecnologias, com atuação global e sustentável.

Fundada em 2005, a Cedro tem como objetivo transformar o mundo através de pessoas e tecnologias, com atuação global e sustentável. Resumo Executivo Fundada em 2005, a Cedro tem como objetivo transformar o mundo através de pessoas e tecnologias, com atuação global e sustentável. Hoje a Cedro conta com mais de 100 Cedrenses (como são

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Parcial 18/01/2013. O que é o PRINCE2? Estrutura dos projetos PRINCE2 PRINCE 1989-2009. PRINCE(1989) : Encomendado PROMPT (II) para projetos de TI

Parcial 18/01/2013. O que é o PRINCE2? Estrutura dos projetos PRINCE2 PRINCE 1989-2009. PRINCE(1989) : Encomendado PROMPT (II) para projetos de TI O que é o PRINCE2? PRINCE2 Parcial PRojects IN Controlled Environment Curso completo em português no formato e- learning em Em português: s em Ambiente Controlado Curso completo em: PRINCE(1989) : Encomendado

Leia mais

GESTÃO DE PORTFOLIO DE PROJETOS SEIS SIGMA: UM ESTUDO DE CASO

GESTÃO DE PORTFOLIO DE PROJETOS SEIS SIGMA: UM ESTUDO DE CASO GESTÃO DE PORTFOLIO DE PROJETOS SEIS SIGMA: UM ESTUDO DE CASO Priscila de Mello Puglia Fernandes Av. Prof Almeida Prado, nº 128 - sala 216 pripugliafernandes@terra.com.br Marly Monteiro de Carvalho Av.

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

ENGENHARIA DE PROJETO

ENGENHARIA DE PROJETO ENGENHARIA DE PROJETO TORKE ENGENHARIA Nossa empresa é especializada na execução de projetos industriais. Grandes e pequenas companhias confiam em nós para realizar seus projetos de novas fábricas, ampliações

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos Módulo 6 Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos A organização traduzindo a missão em resultados Missão Por que existimos?

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE

CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CLIQUE PARA EDITAR O TÍTULO MESTRE CIGRÉ - CE C5-Electricity Markets and Regulation Grupo Melhores Práticas de Gestão de Risco GESTÃO DE RISCOS NA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA: SITUAÇÃO ATUAL E PROPOSTA

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO. GETÃO DE PROJETOS Turma 93

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO. GETÃO DE PROJETOS Turma 93 IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GETÃO DE PROJETOS Turma 93 A Gestão de Projetos na Indústria de Autopeças Hugo Joaquim De Moro Belo Horizonte, novembro de 2010. A Gestão de Projetos

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

Front End Loading Estudo de caso: Transporte

Front End Loading Estudo de caso: Transporte 1 Front End Loading Estudo de caso: Transporte Rafael Luís de Oliveira ¹ Orientador: Ítalo Coutinho ² Resumo Este artigo apresenta a aplicação da ferramenta Front-End Loading (FEL) em projeto de logística.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1

GTI Governança de TI. GTI como Ativo Estratégico. GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Governança de TI GTI como Ativo Estratégico GTI - Um Ativo Estratégico 1 GTI Um Ativo Estratégico Para pensar: Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos pelo mesmo nível

Leia mais

Innovation. Management Process

Innovation. Management Process Innovation Management Process By SQUADRA Marketing & Sales Consultants Set. 14 O que é o IMP? (Innovation Management Process by Squadra) We bring ideas to your business! O IMP Innovation Management Process

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Processos de Gerenciamento de Projetos Para que um projeto seja bem-sucedido,

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Service Level Management

Service Level Management Service Level Management Ricardo Mansur Mestrado Administração (concentração Controladoria) e Finanças. MBA em TI e Telecomunicações. Especializações em Negócios, Governança e Certificado Itil, Vasco,

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3.

TERMO DE REFERÊNCIA. Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em Information Technology Infrastructure Library (ITIL)V3. TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviços de treinamento em conceitos da biblioteca ITIL V3 - Infrastructure

Leia mais

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criação do Plano de Gerenciamento de Custos do Projeto Estimar os Custos Determinar

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado.

Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado. Aécio Costa CMM Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado. Objetivos Fornecer software de qualidade para o Departamento de Defesa dos EUA Aumentar a capacitação da indústria

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

6. Planejamento do Negócio

6. Planejamento do Negócio 6. Planejamento do Negócio Conteúdo 1. O que é um Plano de Negócios 2. Elaboração de um Plano de Negócios 3. Sessões Propostas para um Plano de Negócios 4. Idéias para um Plano de Negócios 5. Sites para

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais