IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE CRÉDITO EM UMA PAPELARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE CRÉDITO EM UMA PAPELARIA"

Transcrição

1 FAQ - FACULDADE XV DE AGOSTO IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE CRÉDITO EM UMA PAPELARIA Denise Benedita Mazeto SOCORRO

2 FAQ - FACULDADE XV DE AGOSTO IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE CRÉDITO EM UMA PAPELARIA ALUNO: Denise B. Mazeto ORIENTADORES: Profª. Ms. Cláudia Cobêro Prof. Ms. Luiz Antonio Fernandes Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade XV de Agosto, curso de Administração de Empresas. SOCORRO 2006

3 AGRADECIMENTOS Nesta etapa tão especial quero agradecer a tudo e a todos que tornaram possíveis a existência desse sonho e a realização dele. Quero agradecer a Deus pela vida, pela sabedoria, pela inteligência e pela força, que me manteve firme durante esses anos de estudo podendo conciliá-los com meu trabalho. Agradeço ás dificuldades que encontrei e àqueles que se opuseram à minha escolha, pois me tornaram mais forte e fizeram com que minha vitória fosse a prova de que tudo é possível. Agradeço também aos meus pais por serem essas pessoas tão grandes e maravilhosas, por todo apoio, dedicação, compreensão e amor durante toda minha vida e principalmente durante os meus anos de estudo. Agradeço ao meu namorado pela compreensão, amor e carinho. Agradeço á todos meus professores, que Deus lhes dê sempre a sabedoria, para que continuem firmes na sua missão. Agradeço também a oportunidade de desenvolver este trabalho na Papelaria Costa e a todo apoio que recebi das pessoas que trabalham nesta empresa e compõe esta família maravilhosa. Aproveito a oportunidade também de agradecer minhas colegas de sala de aula, onde juntas pudemos dividir grandes alegrias, vitórias, dificuldades, mas acima de tudo uma grande e verdadeira amizade. A todas muito sucesso!

4 É muito melhor ousar coisas difíceis, conquistar triunfos grandiosos, embora ameaçados de fracasso, do que se alinhar com espíritos medíocres que nem desfrutam muito nem sofrem muito, porque vivem em uma penumbra cinzenta, onde não conhecem vitória nem derrota. Theodore Roosevelt

5 RESUMO Este trabalho trata-se de um estudo sobre política de crédito, foi desenvolvido em uma papelaria, que atua a 19 anos no comércio varejista de material escolar, material de escritório, livros, entre outros. A empresa utiliza o sistema de crediário, o qual contribui para uma parcela significativa de suas vendas, e por isso é imprescindível a utilização de uma política de crédito eficiente, a fim de oferecer crédito e obter retorno de forma eficaz. O objetivo deste trabalho foi melhorar o sistema de crediário visando a redução da inadimplência. O sistema proposto neste trabalho concentra os vencimentos em datas fixas durante o mês e oferece melhor controle na administração do sistema de contas a receber. Foi possível com essa melhoria, obter maior controle das contas a receber, reduzir tempo gasto com controles, cobranças e direcionar para um sistema com uma administração mais eficiente do setor.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Empresa analisada REFERENCIAL TEÓRICO O conceito de crédito A competência do crédito e os contratos de crédito Crescimento do mercado de credito Administração das Contas a receber A política de crédito e seus componentes Prazo de crédito Custos e riscos Padrões de crédito METODOLOGIA Procedimentos metodológicos RESULTADOS ANÁLISE DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO ANEXOS Anexo 1: Contrato de concessão de crédito Anexo 2: Modelo de fatura mensal... 23

7 7 1 INTRODUÇÃO O principal objetivo do administrador é a maximização da riqueza e do valor de mercado da empresa, com a alocação eficiente dos recursos da organização de maneira que haja uma otimização da rentabilidade dos ativos em função de um menor nível de risco. Um dos ativos expoentes para a questão da rentabilidade é o investimento que as empresas fazem no seu cliente (crédito). As operações de crédito são muito comuns nos dias atuais, devido à facilidade que oferece aos consumidores e pela maximização das vendas das vendas. A venda à prazo quando bem feita traz vários benefícios para a empresa e oferece inúmeras oportunidades, já que as operações de crédito vêm crescendo cada vez mais e é uma importante arma para a concorrência e para o aumento das vendas, porém é necessário haver mecanismos de controle para que as contas a receber não atinjam níveis excessíveis. A ênfase principal deste trabalho está na política de crédito adotada pelas empresas para um melhor controle das atividades voltadas ao crédito. As estratégias e procedimentos apresentados podem ser utilizados em diferentes tipos de empresas, principalmente as que trabalham com itens de valores pequenos e para aquelas que queiram concentrar seu fluxo de recebimentos em dias específicos dentro de um determinado período (Ex. dentro de um mês). O presente trabalho foi desenvolvido em uma empresa que atua no seguimento varejista de livros e material de papelaria, que apresentou um alto índice de inadimplência em suas contas a receber, devido à falta de uma política de crédito mais adequada. Portanto este estudo busca analisar a seguinte questão: uma data fixa de vencimento ajuda a reduzir o atual índice de inadimplência da empresa analisada? O objetivo principal foi otimizar o sistema de contas a receber, buscando a redução da inadimplência, através de uma data de vencimento mensal fixa, evitando que os clientes deixassem acumular valores significativos para quitar suas contas.

8 8 1.1 Empresa analisada A empresa analisada é voltada para o comércio varejista no ramo de papelaria. A Papelaria & Livraria Costa, iniciou suas atividades no ano de 1987 pelo seu único proprietário. Está localizada na cidade de Socorro - SP. Seus consumidores são escolas de Socorro e da região como Lindóia, Águas de Lindóia, Pinhalzinho, Bragança Paulista e também empresas da cidade como malharias, bancos, hotéis, escritórios, hospital e consumidores em geral de forma diversificada atendendo as classes baixa, média e alta. Em relação à concorrência, ela não ocorre só por outras papelarias, mas também por bazares, supermercados e pequenos mercados que oferecem produtos como canetas, lápis, cadernos, etc., sem grandes variedades. A empresa tem como diferencial a grande diversidade e variedade de produtos com preços acessíveis, buscando sempre qualidade e bom atendimento. Atualmente a papelaria conta com 13 funcionários, sendo 11 mulheres e 02 homens. Esse número aumenta no final do ano pela sazonalidade do período de natal e volta às aulas. Esses funcionários são contratados temporariamente, mas em alguns casos eles se tornam efetivos. A empresa possui um sistema de informação elaborado para o ramo de papelaria, que está funcionamento há 05 anos, desenvolvido por um analista de sistema que é também papeleiro da cidade de Rio Claro. Antes as vendas eram somadas em calculadoras, o que ocasionava muita demora e falha no processo principalmente nos períodos de maior sazonalidade. Sem o sistema de informação não havia controle das vendas, da carteira de clientes, dos pagamentos, dificultando o controle da inadimplência. Atualmente empresa possui grande variedade de produtos em torno de quinze mil itens, que são divididos entre livros, material escolar, informática, linha artística, material de escritório, presentes entre outros e oferece serviço de plastificação, encadernação e cópias de documentos.

9 9 2 REFERENCIAL TEÓRICO Neste capitulo serão apresentado os temas que serviram de base teórica para a realização deste trabalho. 2.1 O conceito de crédito Schricket (1997, apud, SECURATO, 2002, p. 17) diz que crédito é uma operação onde alguém sede temporariamente parte de seu patrimônio à outra pessoa na expectativa que em um tempo determinado esta parcela volte a sua posse integralmente. Segundo Silva (2006), o termo crédito define uma política de negócios,ou seja, um instrumento que uma empresa utiliza para venda a prazo de seus produtos ou serviços. Para Braga (1989), crédito consiste na entrega de mercadorias ou prestação de serviços em certo momento e o cliente assume o compromisso de pagar o valor correspondente em uma data futura. 2.2 A competência do crédito e os contratos de crédito Segundo Del Guercio (2006), a preocupação é única quando o assunto é dinheiro, tanto para fornecedores de créditos quanto para tomadores. O fornecedor procura cliente ideal, que ofereça garantia e pague suas contas sem utilização de instrumentos de pressão para recuperar o crédito, e o tomador por sua vez, busca o crédito rápido e da forma mais conveniente. E para que a utilização do crédito seja eficaz é utilizado o contrato de crédito. Já Bonatto (2006), afirma que as instituições brasileiras não têm uma cultura de crédito consolidada, o que se traduz em empréstimos ou vendas à prazo mal concedidas e por conseqüência elevados índices de inadimplência por partes dos tomadores. No seu parecer isso acontece porque até 1994 não havia incentivos para que fossem criadas políticas de crédito realmente eficientes visando regulamentar a concessão de crédito no Brasil. A correção inflacionária permitia que os prejuízos com inadimplência fossem facilmente recuperados através da remarcação de preços.

10 10 O foco das instituições era simplesmente vender, realizar seus estoques esquecendo-se de dar a devida atenção ao processo de deferimento dos empréstimos e de sua posterior cobrança. Acreditava-se nos bons tempos da inflação, que os prejuízos com possíveis inadimplentes seriam facilmente contornáveis. No entanto, a decisão de crédito somente pode ser positiva quando o credor vislumbrar o pagamento, dispor de mecanismo para garantir o pagamento e não apenas se preocupar em efetivar a venda. 2.3 Crescimento do mercado de credito Pra Sanvicente (1987), na economia moderna a utilização do crédito tanto como método de venda e pagamento quanto sob a forma de arma de concorrência entre empresas é um dos mecanismos mais corriqueiros. Segundo Pereira (2006), o crescimento da demanda de crédito à pessoa física no Brasil vem revolucionando esse mercado, fazendo com que as empresas se adaptem e se preparem para ficarem à altura das oportunidades. O quadro a seguir mostra informações sobre o crescimento do crédito, de renda média real da pessoa física e sobre volume de vendas no comércio. Pode-se observar que o índice de demanda por crédito é muito superior ao volume d vendas e, mais preocupante, a renda média do brasileiro no período. Em termos normais, essas três variáveis deveriam apresentar-se positivamente correlacionadas. Mas, como se nota claramente, não é isso que ocorre. OUT/05 OUT/04 CRESCIMENTO Crédito pessoal física R$ MM 151,5 108,4 39,8 % Renda média ideal (Brasil) R$ 966,1 949,24 1,8 % Volume de vendas Índice Geral 109,6 103,7 5,7 % Quadro 1: Crescimento do crédito Fonte: Pereira (2006, p.32) Um dos motivos que se justifica é uma corrida das instituições financeiras para se posicionarem nessa área devido aos resultados altamente compensadores, em sintonia com o esforço de manter e ampliar as carteiras de créditos.

11 Administração das Contas a Receber Segundo Brigham & Houston (1999, apud, SALGUEIRO et al, 2004, p.73-74), quando as empresas precisam de dinheiro em curto prazo preferem vender a vista, pois assim obterão rapidamente o dinheiro em caixa. Quando das vendas a prazo para controlar os valores a receber algumas empresas e usam o relatório do contas a receber, agrupado por data de vencimento, mais conhecido como aging. O aging pode estar dividido em 30, 60, 90 dias e assim por diante. As mercadorias são entregues aos clientes, os estoques são reduzidos e um contas a receber é criado. As vendas a prazo têm custos tanto diretos quanto indiretos, mas também têm um benefício importante a concessão de crédito aumenta as vendas, é importante haver um sistema de monitoramento porque, sem ele, o contas a receber poderá atingir níveis excessíveis, os fluxos de caixa diminuirão e dívidas incobráveis irão absorver os lucros gerados pelas vendas. Brigham & Houston (1999, apud, SALGUEIRO et al, 2004, p ) mostram que na administração das contas a receber são utilizados alguns mecanismos como: O prazo médio de recebimento (PMR) às vezes denominado prazo médio de cobrança (PMC), que é o período médio necessário para receber as vendas a crédito e é calculado pela fórmula: PMR = (Contas a Receber/Vendas)*360. O quadro de idades que é um relatório de há quanto tempo as contas a receber estão para ser pagas. Um quadro de idades decompõe os valores a receber de uma empresa de acordo com o número de dias de existência da conta. Para Brigham & Houston (1999, apud, SALGUEIRO et al, 2004, p.75), é muito importante que os administradores observem corretamente o PMR e o quadro de idades para detectar tendências, verificar como a experiência de cobrança da empresa se compara as suas condições de vendas e observar o grau de eficácia do departamento de crédito. O quadro de idades deve ser elaborado a partir dos dados da própria conta de valores a receber da empresa. No entanto, empresas bem administradas informatizaram seus registros de contas a receber, de modo que é fácil determinar a idade de cada fatura, efetuar a classificação eletronicamente por classes de idade e, assim, gerar um quadro de idades.

12 12 Se o PMR subir, ou se o quadro começa a mostrar uma porcentagem crescente de contas vencidas, então a política de crédito da empresa talvez tenha de ser restringida. 2.5 A política de crédito e seus componentes Para Ross, Westerfield & Jordan (1998), a escolha de uma política de crédito deve considerar a relação entre os benefícios decorrentes do aumento das vendas e os custos de concessão de crédito. Se uma empresa adotar uma política de crédito restritiva, a empresa terá uma escassez de crédito, e por isso haverá um custo de oportunidade. Este custo de oportunidade é o lucro adicional possível com as vendas perdidas porque o crédito é negado. Já para Braga (1989), uma política de crédito rigorosa envolverá menores despesas com os departamentos de crédito e de cobrança, menores índices de atrasos e de perdas com duplicatas incobráveis, mas também menor volume de vendas. Alguns clientes que costumam liquidar suas duplicatas com atraso seriam rejeitados e provavelmente iriam comprar dos concorrentes. Uma política de crédito liberal provocaria efeitos contrários. Uma política de crédito liberal certamente amplia o potencial de vendas, mas também acarreta maior investimento em duplicatas a receber, maior prazo médio de cobrança devido aos atrasos e maior porcentagem de perdas por inadimplência. Segundo Ross, Westerfield & Jordan (1998), se uma empresa decidir conceder crédito a seus clientes, deverá estabelecer procedimentos de concessão de crédito e cobrança. Sendo assim a empresa precisará lidar com os seguintes componentes da política de crédito: 1. Condições de venda: estipulam como a empresa propõe vender seus bens ou serviços; 2. Análise de crédito: determina o esforço que fará para distinguir entre clientes que pagarão e clientes que não pagarão, através de uma série de instrumentos e procedimentos. 3. Política de cobrança: depois de conceder crédito a empresa enfrenta o problema de cobrar o pagamento quando vence, e para isso deve formular uma política de cobrança.

13 Prazo de crédito Para Sanvicente (1987), a primeira questão a ser resolvida é quanto à fixação do prazo geral de crédito. Ou seja, tratar de delimitar de quanto tempo o cliente terá de para efetuar seus pagamentos. Segundo Ross, Westerfield & Jordan (1998), O prazo de crédito é o intervalo básico de tempo pelo qual o crédito é concedido. O prazo de crédito varia muito de setor para setor. Há vários fatores que influenciam o prazo de crédito, seguem-se as mais importantes: 1. Perecibilidade e valor como garantia real: os bens perecíveis tem giro relativamente alto e baixo valor como garantia real. Os prazos de créditos para tais bens são mais curtos, portanto. 2. Demanda pelos consumidores: os produtos cujos mercados são consolidados geralmente apresentam giro mais alto. Produtos novos ou de saída mais lenta freqüente serão objetos de prazo de crédito mais longos para atrair compradores. 3. Custo rentabilidade e padronização: produtos relativamente baratos tendem a apresentar prazos de crédito mais curtos. O mesmo se dá com produtos e matérias-primas relativamente padronizados. Tendem a apresentar margens mais reduzidas e giros mais altos, e ambos os fatores levam a prazos de créditos mais curtos. 4. Risco de crédito: quanto maior risco de crédito do comprador, mais curto tende a ser o prazo de crédito (supondo que o crédito seja concedido). 5. Valor da conta: se a conta for pequena, o prazo de crédito poderá ser mais curto, pois é mais caro gerir contas pequenas, e os clientes são menos importantes. 6. Concorrência: quando um vendedor opera num mercado de concorrência intensa, prazos mais longos podem ser concedidos para atrair clientes. 7. Tipo de cliente: um único vendedor pode oferecer prazos de crédito diferentes a clientes distintos. Em termos gerais as empresas possuem clientes atacadistas e varejistas, e frequentemente concedem crédito por prazos diferentes a cada tipo de cliente.

14 Custos e riscos Segundo Braga (1989), conceder crédito a clientes implica em assumir custos e riscos que não existem nas vendas a vista, tais como: Despesas com análise do potencial de crédito dos clientes; Despesas com a cobrança de duplicatas; Riscos de perdas com os créditos incobráveis; Custo dos recursos aplicados nas contas a receber; Perda de poder aquisitivo do valor dos créditos em decorrência do processo inflacionários. Além de despesas com pessoal, instalações, visitas aos clientes, serviços de agência de informações cadastrais, escritórios especializados em cobranças judiciais, etc. Deste modo, os custos envolvidos nas transações à prazo são superiores àqueles das transações à vista, porém, muitas empresas consideram que não adianta tentar incentivar as vendas a vista em face das condições do mercado em que atuam. Além dos riscos de atrasos e por perdas de falta de pagamento, as vendas à prazo provocam despesas adicionais com análise de crédito e cobrança. Apesar desses riscos e custos, verifica-se que parcela significativas das transações comerciais realizadas é a crédito. Em suas diversas modalidades, o crédito ao consumidor é largamente utilizado pelo comércio varejista. As empresas concedem crédito para aplicar seu nível de operações, obterem ganhos de escala, absorver melhor os custos fixos e, assim, maximizar rentabilidade Padrões de crédito Para Gitman (2002), os padrões de crédito de uma empresa refletem os requisitos mínimos exigidos para a concessão de crédito a um cliente, diz respeito ao maior ou menor rigor presente na política global da empresa. Variáveis chaves importantes a serem consideradas: Volume de vendas: se os padrões de créditos forem afrouxados deve-se esperar um crescimento nas vendas; por outro lado se ocorrer um arrocho nos padrões de crédito, devera haver uma redução nas vendas.

15 15 Investimentos em duplicatas a receber: quanto maior o investimento em duplicatas a receber, maior o custo para mantê-las, e vice-versa. Perdas com devedores incobráveis: a probabilidade de uma conta tornar-se incobrável aumenta com a maior flexibilização dos padrões do crédito, afetando os lucros negativamente. Efeitos opostos acontecem com o arrocho nos padrões de crédito.

16 16 3 METODOLOGIA Este trabalho, conforme Thiollent (1986 apud PEDRINI, 2005), é do tipo pesquisa-ação, pois há uma ação direta por parte do autor no problema em questão, o qual desempenha um papel ativo no equacionamento do problema. Já para Simon (2000, apud TOLEDO, 2005), é um estudo de caso, por ser uma pesquisa de um caso particular, onde serão apresentadas conclusões gerais do caso específico. 3.1 Procedimentos metodológicos A empresa utilizava o sistema de pagamento a prazo com 30 dias após as compras, mas pretendia adotar uma nova política de crédito há algum tempo. A intenção era alocar os pagamentos de clientes em uma data fixa durante o mês, já que seu sistema de informação disponibilizava esse recurso, apenas não era utilizado pela necessidade de adequação por parte dos clientes, que não conheciam, o novo sistema. A política de crédito adotada possui algumas regras: não foi estipulado para o cliente o pagamento mínimo da fatura, pois foi disponibilizado o sistema de parcelamento para compras e valores mais altos, variando o número de parcelas de acordo com o valor já pré-estabelecido. Portanto o cliente terá de quitar integralmente a sua fatura mensal. A nova política de crédito funciona da seguinte maneira, conforme Figura 1: Ex.: Vencimento no dia /04 19/05 20/05 30/05 Período de compras Vencimento da fatura Fechamento da fatura Figura 1: Demonstrativo do período de compras, fechamento e vencimento da fatura Fonte: Dados elaborados pela autora

17 17 O cliente ao fazer suas compras receberá um comprovante fiscal que informa os dados das operações: descrição das mercadorias adquiridas, valor, forma de pagamento e o dia do vencimento. Este comprovante deve ser guardado para conferir com a fatura mensal. A fatura fica disponível na empresa no dia após o seu fechamento, onde o cliente deverá obrigatoriamente retirá-la para conferir e até o vencimento pagá-la integralmente no caixa da própria loja. Foi aplicado então um contrato (ANEXO 1), para apresentação e informação aos clientes do novo modelo de crediário, onde eles escolheram dentre as seis datas de vencimento disponíveis a que lhe for mais conveniente. O contrato é assinado por ambas as partes em duas vias: a primeira fica arquivada na empresa e a segunda com o cliente. O contrato foi elaborado pela autora juntamente com o proprietário e analisado por um advogado, onde foi estabelecido de acordo com as normas e as condições da empresa, visando evitar lesar os clientes e a empresa de quaisquer danos ou abusos. Está descrito no contrato todos os direitos e os deveres de cada uma das partes, bem como todas as informações no caso de atrasos de pagamentos, sendo eles multa e juros, e procedimentos no caso de não pagamento. A finalidade do contrato foi deixar de forma clara como serão os procedimentos no novo sistema de forma que a empresa e o cliente tenham garantias do acordo entre si. Para verificação da viabilidade, o projeto foi aplicado a uma amostra de 10 % dos clientes cadastrados da empresa que corresponde a 120 clientes (pessoa física). O contrato foi aplicado no estabelecimento durante o horário comercial, onde os clientes eram abordados antes de passarem pelo caixa, eles foram informados sobre o interesse da implantação do novo sistema de crédito para um trabalho de conclusão de curso da Faculdade XV de Agosto, recebendo o contrato e escolhendo a sua data de vencimento, que passa a vigorar a partir deste momento. depois. Após dois meses será analisado o resultado através de uma comparação antes e

18 18 4 RESULTADOS Os resultados foram analisados mediante a situação anterior à implantação da nova política de crédito e os dados obtidos após a implantação. ANTES O índice de inadimplência chegava a 19% ao mês. O fluxo de caixa da empresa não era programado com as duplicatas a receber devido aos atrasos de pagamentos dos clientes. Altos custos e dificuldades nos serviços de cobrança, devido a grande quantidade de títulos vencendo todos os dias. Os próprios clientes não tinham controle de suas contas e de seus pagamentos, e acabavam esquecendo-se do que tinham e do que não tinham pago. Gastava-se muito tempo verificando os vencimentos diários e os atrasos de pagamento. DEPOIS O índice de inadimplência reduziu para 7,5% ao mês. O fluxo de caixa passou a ser orçado com as duplicatas a receber, pois foi estabelecida uma data fixa de pagamento para os clientes, o que permitiu um melhor controle dos recebíveis. Redução de custos nos serviços de cobrança, devido à fixação de uma data de pagamento única mensal para cada cliente. Com a emissão da fatura antes do vencimento o cliente sabe quanto terá que pagar e quanto gastou durante o período. O tempo passou a ser mais aproveitado coma a melhoria da nova política de crédito, podendo ser absorvido por outros setores. Quadro 2: Comparação do antes e depois Fonte: Dados da pesquisa elaborada pela autora Inadimplência Mensal 25,0% 20,0% 19,9% 19,6% 19,0% 17,5% 19,0% 15,0% 10,0% 8,2% 7,2% 7,5% 7,1% 7,5% ,0% 0,0% mar abr mai jun média Figura 2: Comparação antes e depois da taxa de inadimplência mensal Fonte: Dados da pesquisa elaborada pela autora

19 19 5- ANÁLISE DOS RESULTADOS Os resultados obtidos com a implantação da nova sistemática, responderam ao problema proposto no trabalho. Com as medidas tomadas, podemos verificar conforme Figura 2 que houve uma grande redução na média da inadimplência mensal de 19% para 7,5%. A redução da taxa de inadimplência foi um resultado muito interessante, isto quer dizer que a empresa está perdendo menos com os contratos de crediários e está reavendo o seu capital investido, isto mostra, que ela está aplicando melhor os seus recursos financeiros. Foi possível reduzir o tempo gasto e proporcionar maior agilidade na verificação dos títulos a vencer e dos atrasados, já que foram disponibilizadas seis datas de vencimentos durante o mês, passando-se então a trabalhar de maneira mais incisiva em cima de cada período e podendo verificar mais rapidamente os inadimplentes, de forma que facilita a negociação quando o atraso é recente e é possível evitar maiores perdas. Outro resultado interessante foi a melhoria da qualidade das informações prestadas para o cliente através da fatura mensal, onde eles visualizam as compras feitas no período e efetuam o pagamento uma só vez no mês, o que antes não era possível já que cada compra vencia em uma data diferente. Podemos citar também a melhoria para o orçamento do fluxo de caixa, onde podemos obter maior confiança no lançamento das duplicatas a receber com um controle mais apurado do setor de crédito e recebimento.

20 20 6- CONSIDERAÇÕES FINAIS A realização deste trabalho foi de grande valia tanto para a empresa quanto para a pesquisadora. Antes a empresa não tinha um bom controle de suas duplicatas a receber, o que afetava outros setores da empresa e os próprios clientes. Hoje a empresa trabalha com uma política de crédito mais condizente à sua necessidade. À pesquisadora foi possível compreender mais afundo o universo no qual se insere o tema em questão, e os aspectos que o compõem como: financeiros, econômicos e estratégicos. Foram encontradas algumas dificuldades em relação à reeducação dos clientes para o novo sistema, pois o ser humano sempre reluta a mudanças, prefere o costume. Porém após o experimento houve uma excelente aceitação devido às melhorias que ocorreram. Após a realização desse trabalho a empresa conseguiu aperfeiçoar e melhorar o setor de crédito, auferindo melhores resultados, melhores controles e oferecendo maior rentabilidade além das vendas à vista.

21 21 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO BRAGA, R. Fundamentos e técnicas da administração financeira. São Paulo: Atlas, p. BONATTO, A. R. Desafios da concessão de crédito p. Disponível em <http://www.creditoerisco.com.br>. Acesso em 28 abr DEL GUERCIO, J. Competência de crédito p. Disponível em <http://www.creditoerisco.com.br>. Acesso em 28 abr GITMAN, L. J. Princípios da administração financeira. 7. ed. São Paulo: Harbra, p. PEDRINI, A. G. Educação ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p PEREIRA S. L. G. Na mira do crédito p. Disponível em <http://rae.com.br/pdf>. Acesso em 05 mai ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W.; JORDAN, B. D. Princípios da administração financeira. São Paulo: Atlas, p. SALGUEIRO, A. M. et al. Administração financeira dos ativos circulantes nos processos de tomada de decisões. In: ANPAD, 27, Curitiba, PR. Anais eletrônicos... Paraná: ENAMPAD, 2004 p SANVICENTE, A. Z. Administração financeira. 3. ed. São Paulo: Atlas, p. SECURATO, J. R. Crédito análise e avaliação de risco: pessoas físicas e jurídicas. São Paulo: Saint Paul Institute Of Finace, p. SILVA, J. P. Gestão e análise de risco de crédito. 5. ed. São Paulo: Atlas, p. TOLEDO, A. C. Concedendo limite de crédito no comércio varejista de roupas e acessórios. Socorro, S: FAQ, p. 17.

22 22 ANEXOS Anexo 1: Contrato de concessão de crédito CONTRATO DE CONCESSÃO DE CRÉDITO Identificação das partes: EMPRESA: Costa Papelaria & Livraria Ltda., sediada à AV. Cel. Germano, 50 Centro Socorro SP, inscrita no C.N.P.J. sob o nº , e no Cadastro Estadual sob o nº CLIENTE: Maria Regina de Souza, residente e domiciliada à Av. Xv de Agosto, 555 Centro Socorro SP, RG nº , C.P.F. nº Definições: 1. Antes das compras, se preciso, verifique seu limite de crédito disponível, via telefone ou no balcão da loja. 2. As compras efetuadas a partir dos 10 (dez) dias que antecedem sua data de vencimento, só serão debitadas na fatura seguinte. 3. Passe as mercadorias pelo caixa, identifique-se (apresentando documento de identificação com foto) e assine o comprovante correspondente. 4. Confira os comprovantes, ele informa os dados das operações: valor, a descrição das mercadorias e a data de vencimento. 5. Você poderá parcelar suas compras em até 3 vezes de acordo com o valor (consulte no balcão). 6. Guarde os comprovantes para conferir com sua fatura mensal. 7. Todo mês a empresa fechará a fatura 10 (dez) dias antes de seu vencimento e esta ficará disponível no caixa da loja. onde você deverá retirá-la, para posterior pagamento. 8. Os pagamentos somente deverão ser efetuados no caixa da loja, em dinheiro ou cheque (no caso de cheque, somente de sua emissão) e o mesmo deverá ser feito no valor total de sua fatura, ou seja, integralmente. 9. No atraso do pagamento será acrescido multa de 2% e correção 0,33% ao dia. 10. No caso de não pagamento, após decorrido 10 dias do vencimento a conta será bloqueada e estará sujeito a protesto em cartório. 11. Você é o titular e a única pessoa autorizada a retirar mercadorias, portanto você é o responsável. Escolha entre as datas de vencimento propostas, a mais adequada para você: Cliente Costa Papelaria & Livraria

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas.

SUPERENDIVIDAMENTO. Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. SUPERENDIVIDAMENTO Saiba planejar seus gastos e evite dívidas. Nos últimos anos, houve um crescimento significativo de endividados no Brasil. A expansão da oferta de crédito e a falta de controle do orçamento

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

Mensagem do Administrador

Mensagem do Administrador Educação Financeira Índice 1. Mensagem do administrador... 01 2. O Cartão de crédito... 02 3. Conhecendo sua fatura... 03 4. Até quanto gastar com seu cartão... 07 5. Educação financeira... 08 6. Dicas

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com.

Controle Financeiro. 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz. Emerson Machado Salvalagio. www.guiadomicroempreendedor.com. Controle Financeiro 7 dicas poderosas para um controle financeiro eficaz Emerson Machado Salvalagio Quando abrimos uma empresa e montamos nosso próprio negócio ou quando nos formalizamos, após algum tempo

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração (ANEFAC) realizou durante o mês de outubro de a 15ª edição da Pesquisa de Utilização do 13º salário.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

Software de gestão para pequenas empresas excelentes.

Software de gestão para pequenas empresas excelentes. Software de gestão para pequenas empresas excelentes. Qual sua estratégia para o sucesso? Seja qual for a estratégia, para o pequeno empresário do varejo entender o que o cliente quer, se antecipar e ter

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas

Educação Financeira. Crédito Consignado. Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Educação Financeira Crédito Consignado Módulo 3: Gerenciamento de dívidas Objetivo Auxiliar no gerenciamento de dívidas e de como quitá-las, conscientizando as pessoas da importância em diminui-las e de

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

APURAÇÃO DO RESULTADO (1)

APURAÇÃO DO RESULTADO (1) APURAÇÃO DO RESULTADO (1) Isnard Martins - UNESA Rodrigo de Souza Freitas http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/rodrigosfreitas/conhecendocontabilidade012.asp 1 Apuração do Resultado A maioria das

Leia mais

Mercado de Capitais. O Processo de Investir. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. O Processo de Investir. Professor: Roberto César Mercado de Capitais O Processo de Investir Professor: Roberto César PASSOS PARA INVESTIR NA BOLSA 1 - Defina um Objetivo 2 - Formas de Investir 3 - Encontre a melhor Corretora para você 4 - Abra sua conta

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Manual de Utilização DDA Débito Direto Autorizado

Manual de Utilização DDA Débito Direto Autorizado Manual de Utilização DDA Débito Direto Autorizado Índice Apresentação Conceito Funcionamento Operacionalização Perguntas e Respostas Glossário Apresentação Pelo sistema DDA desenvolvido pelo Banco Santander

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

Em direção à. Lembre-se de que não é permitido financiar imóveis em áreas não urbanizadas, assim como chácaras e sítios.

Em direção à. Lembre-se de que não é permitido financiar imóveis em áreas não urbanizadas, assim como chácaras e sítios. 24 Dinheiro&Direitos 47 dezembro 2013-janeiro 2014 Bancos Parcelas Em direção à Ilustração: Perkins 1 Tenha em mente o valor da casa ou do apartamento que você deseja comprar. Deve estar de acordo com

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50

mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 mat fin 2008/6/27 13:15 page 53 #50 Aula 4 DESCONTO NA CAPITALIZAÇ ÃO SIMPLES O b j e t i v o s Ao final desta aula, você será capaz de: 1 entender o conceito de desconto; 2 entender os conceitos de valor

Leia mais

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP

Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP Cenário e Tecnologias de Crédito ANDAP AGENDA NOSSA PROPOSTA DE VALOR CICLO DE CRÉDITO CONCESSÃO GESTÃO DE CARTEIRA FRAUDE COBRANÇA Grupo Experian Experiência global, inteligência e dedicação locais No

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar.

Guia do uso consciente do crédito. O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Guia do uso consciente do crédito O crédito está aí para melhorar sua vida, é só se planejar que ele não vai faltar. Afinal, o que é crédito? O crédito é o meio que permite a compra de mercadorias, serviços

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

Condições Gerais de Uso Cartão Rendimento Visa TravelMoney

Condições Gerais de Uso Cartão Rendimento Visa TravelMoney Condições Gerais de Uso Cartão Rendimento Visa TravelMoney BANCO RENDIMENTO S/A, com sede na Av. Brigadeiro Faria Lima, 2.092, 19ºandar, São Paulo, Capital, inscrito no C.N.P.J. sob no. 68.900.810/0001-38,

Leia mais

Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele.

Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele. Seu maior bem é o seu nome. Cuide dele. Saiba como limpar o nome. E mantê-lo limpo. Todos sabemos como é precioso o nosso nome e que dificuldades aparecem para todo mundo. Em muitos momentos da vida nos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 9 O crédito divide-se em dois tipos da forma mais ampla: o crédito público e o crédito privado. O crédito público trata das relações entre entidades públicas governo federal,

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Administração do Caixa

Administração do Caixa Administração do Caixa 1- Introdução 2- O capital circulante 3- Políticas de gerenciamento do capital circulante 4- Gestão do Caixa 5- Gestão de recursos temporariamente ociosos - Títulos Negociáveis 6-

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Indicador de Recuperação de Crédito SPC CDL/BH ABRIL/2016

Indicador de Recuperação de Crédito SPC CDL/BH ABRIL/2016 Indicador de Recuperação de Crédito SPC CDL/BH ABRIL/2016 Elaborado: Economia - Pesquisa & Mercado Equipe Técnica: Economista Ana Paula Bastos Estatística Sarah Ribeiro Analista de economia André Correia

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA ABRIL 2011 1 1. APRESENTAÇÃO A expansão das atividades de ensino e melhoramento da infraestrutura física ofertada tem exigido da Faculdade

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

INADIMPLÊNCIA: E AGORA?

INADIMPLÊNCIA: E AGORA? INADIMPLÊNCIA: INADIMLÊNCIA E AGORA? Inadimplência: E agora? Quantas vezes você já se fez essa pergunta? Já conseguiu resolver este problema? Nesta cartilha iremos orientar, com base na legislação e no

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

Amigos, amigos, negócios à parte!

Amigos, amigos, negócios à parte! Reforço escolar M ate mática Amigos, amigos, negócios à parte! Dinâmica 4 2º Série 2º Bimestre Aluno DISCIPLINA Ano CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 2ª Numérico Aritmético Matemática Financeira Primeira

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N

O C artão d o S ervidor PR P E R F E EI E TUR U A R A MU M N U I N CI C PA P L A L DE D E LOND N R D I R NA N O Cartão do Servidor PREFEITURA MUNICIPAL DE LONDRINA Cartão BMG Card O BMG Card é um cartão de crédito com bandeira MasterCard, direcionado aos Servidores Públicos Estatutários do Governo de Santa Catarina,

Leia mais

CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E,

CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E, CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E, NAS MODALIDAES PAT- PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DOS TRABALHADORES E/OU PRÊMIO - PREMIAÇÃO E INCENTIVO

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais