IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE CRÉDITO EM UMA PAPELARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE CRÉDITO EM UMA PAPELARIA"

Transcrição

1 FAQ - FACULDADE XV DE AGOSTO IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE CRÉDITO EM UMA PAPELARIA Denise Benedita Mazeto SOCORRO

2 FAQ - FACULDADE XV DE AGOSTO IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA DE CRÉDITO EM UMA PAPELARIA ALUNO: Denise B. Mazeto ORIENTADORES: Profª. Ms. Cláudia Cobêro Prof. Ms. Luiz Antonio Fernandes Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade XV de Agosto, curso de Administração de Empresas. SOCORRO 2006

3 AGRADECIMENTOS Nesta etapa tão especial quero agradecer a tudo e a todos que tornaram possíveis a existência desse sonho e a realização dele. Quero agradecer a Deus pela vida, pela sabedoria, pela inteligência e pela força, que me manteve firme durante esses anos de estudo podendo conciliá-los com meu trabalho. Agradeço ás dificuldades que encontrei e àqueles que se opuseram à minha escolha, pois me tornaram mais forte e fizeram com que minha vitória fosse a prova de que tudo é possível. Agradeço também aos meus pais por serem essas pessoas tão grandes e maravilhosas, por todo apoio, dedicação, compreensão e amor durante toda minha vida e principalmente durante os meus anos de estudo. Agradeço ao meu namorado pela compreensão, amor e carinho. Agradeço á todos meus professores, que Deus lhes dê sempre a sabedoria, para que continuem firmes na sua missão. Agradeço também a oportunidade de desenvolver este trabalho na Papelaria Costa e a todo apoio que recebi das pessoas que trabalham nesta empresa e compõe esta família maravilhosa. Aproveito a oportunidade também de agradecer minhas colegas de sala de aula, onde juntas pudemos dividir grandes alegrias, vitórias, dificuldades, mas acima de tudo uma grande e verdadeira amizade. A todas muito sucesso!

4 É muito melhor ousar coisas difíceis, conquistar triunfos grandiosos, embora ameaçados de fracasso, do que se alinhar com espíritos medíocres que nem desfrutam muito nem sofrem muito, porque vivem em uma penumbra cinzenta, onde não conhecem vitória nem derrota. Theodore Roosevelt

5 RESUMO Este trabalho trata-se de um estudo sobre política de crédito, foi desenvolvido em uma papelaria, que atua a 19 anos no comércio varejista de material escolar, material de escritório, livros, entre outros. A empresa utiliza o sistema de crediário, o qual contribui para uma parcela significativa de suas vendas, e por isso é imprescindível a utilização de uma política de crédito eficiente, a fim de oferecer crédito e obter retorno de forma eficaz. O objetivo deste trabalho foi melhorar o sistema de crediário visando a redução da inadimplência. O sistema proposto neste trabalho concentra os vencimentos em datas fixas durante o mês e oferece melhor controle na administração do sistema de contas a receber. Foi possível com essa melhoria, obter maior controle das contas a receber, reduzir tempo gasto com controles, cobranças e direcionar para um sistema com uma administração mais eficiente do setor.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Empresa analisada REFERENCIAL TEÓRICO O conceito de crédito A competência do crédito e os contratos de crédito Crescimento do mercado de credito Administração das Contas a receber A política de crédito e seus componentes Prazo de crédito Custos e riscos Padrões de crédito METODOLOGIA Procedimentos metodológicos RESULTADOS ANÁLISE DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO ANEXOS Anexo 1: Contrato de concessão de crédito Anexo 2: Modelo de fatura mensal... 23

7 7 1 INTRODUÇÃO O principal objetivo do administrador é a maximização da riqueza e do valor de mercado da empresa, com a alocação eficiente dos recursos da organização de maneira que haja uma otimização da rentabilidade dos ativos em função de um menor nível de risco. Um dos ativos expoentes para a questão da rentabilidade é o investimento que as empresas fazem no seu cliente (crédito). As operações de crédito são muito comuns nos dias atuais, devido à facilidade que oferece aos consumidores e pela maximização das vendas das vendas. A venda à prazo quando bem feita traz vários benefícios para a empresa e oferece inúmeras oportunidades, já que as operações de crédito vêm crescendo cada vez mais e é uma importante arma para a concorrência e para o aumento das vendas, porém é necessário haver mecanismos de controle para que as contas a receber não atinjam níveis excessíveis. A ênfase principal deste trabalho está na política de crédito adotada pelas empresas para um melhor controle das atividades voltadas ao crédito. As estratégias e procedimentos apresentados podem ser utilizados em diferentes tipos de empresas, principalmente as que trabalham com itens de valores pequenos e para aquelas que queiram concentrar seu fluxo de recebimentos em dias específicos dentro de um determinado período (Ex. dentro de um mês). O presente trabalho foi desenvolvido em uma empresa que atua no seguimento varejista de livros e material de papelaria, que apresentou um alto índice de inadimplência em suas contas a receber, devido à falta de uma política de crédito mais adequada. Portanto este estudo busca analisar a seguinte questão: uma data fixa de vencimento ajuda a reduzir o atual índice de inadimplência da empresa analisada? O objetivo principal foi otimizar o sistema de contas a receber, buscando a redução da inadimplência, através de uma data de vencimento mensal fixa, evitando que os clientes deixassem acumular valores significativos para quitar suas contas.

8 8 1.1 Empresa analisada A empresa analisada é voltada para o comércio varejista no ramo de papelaria. A Papelaria & Livraria Costa, iniciou suas atividades no ano de 1987 pelo seu único proprietário. Está localizada na cidade de Socorro - SP. Seus consumidores são escolas de Socorro e da região como Lindóia, Águas de Lindóia, Pinhalzinho, Bragança Paulista e também empresas da cidade como malharias, bancos, hotéis, escritórios, hospital e consumidores em geral de forma diversificada atendendo as classes baixa, média e alta. Em relação à concorrência, ela não ocorre só por outras papelarias, mas também por bazares, supermercados e pequenos mercados que oferecem produtos como canetas, lápis, cadernos, etc., sem grandes variedades. A empresa tem como diferencial a grande diversidade e variedade de produtos com preços acessíveis, buscando sempre qualidade e bom atendimento. Atualmente a papelaria conta com 13 funcionários, sendo 11 mulheres e 02 homens. Esse número aumenta no final do ano pela sazonalidade do período de natal e volta às aulas. Esses funcionários são contratados temporariamente, mas em alguns casos eles se tornam efetivos. A empresa possui um sistema de informação elaborado para o ramo de papelaria, que está funcionamento há 05 anos, desenvolvido por um analista de sistema que é também papeleiro da cidade de Rio Claro. Antes as vendas eram somadas em calculadoras, o que ocasionava muita demora e falha no processo principalmente nos períodos de maior sazonalidade. Sem o sistema de informação não havia controle das vendas, da carteira de clientes, dos pagamentos, dificultando o controle da inadimplência. Atualmente empresa possui grande variedade de produtos em torno de quinze mil itens, que são divididos entre livros, material escolar, informática, linha artística, material de escritório, presentes entre outros e oferece serviço de plastificação, encadernação e cópias de documentos.

9 9 2 REFERENCIAL TEÓRICO Neste capitulo serão apresentado os temas que serviram de base teórica para a realização deste trabalho. 2.1 O conceito de crédito Schricket (1997, apud, SECURATO, 2002, p. 17) diz que crédito é uma operação onde alguém sede temporariamente parte de seu patrimônio à outra pessoa na expectativa que em um tempo determinado esta parcela volte a sua posse integralmente. Segundo Silva (2006), o termo crédito define uma política de negócios,ou seja, um instrumento que uma empresa utiliza para venda a prazo de seus produtos ou serviços. Para Braga (1989), crédito consiste na entrega de mercadorias ou prestação de serviços em certo momento e o cliente assume o compromisso de pagar o valor correspondente em uma data futura. 2.2 A competência do crédito e os contratos de crédito Segundo Del Guercio (2006), a preocupação é única quando o assunto é dinheiro, tanto para fornecedores de créditos quanto para tomadores. O fornecedor procura cliente ideal, que ofereça garantia e pague suas contas sem utilização de instrumentos de pressão para recuperar o crédito, e o tomador por sua vez, busca o crédito rápido e da forma mais conveniente. E para que a utilização do crédito seja eficaz é utilizado o contrato de crédito. Já Bonatto (2006), afirma que as instituições brasileiras não têm uma cultura de crédito consolidada, o que se traduz em empréstimos ou vendas à prazo mal concedidas e por conseqüência elevados índices de inadimplência por partes dos tomadores. No seu parecer isso acontece porque até 1994 não havia incentivos para que fossem criadas políticas de crédito realmente eficientes visando regulamentar a concessão de crédito no Brasil. A correção inflacionária permitia que os prejuízos com inadimplência fossem facilmente recuperados através da remarcação de preços.

10 10 O foco das instituições era simplesmente vender, realizar seus estoques esquecendo-se de dar a devida atenção ao processo de deferimento dos empréstimos e de sua posterior cobrança. Acreditava-se nos bons tempos da inflação, que os prejuízos com possíveis inadimplentes seriam facilmente contornáveis. No entanto, a decisão de crédito somente pode ser positiva quando o credor vislumbrar o pagamento, dispor de mecanismo para garantir o pagamento e não apenas se preocupar em efetivar a venda. 2.3 Crescimento do mercado de credito Pra Sanvicente (1987), na economia moderna a utilização do crédito tanto como método de venda e pagamento quanto sob a forma de arma de concorrência entre empresas é um dos mecanismos mais corriqueiros. Segundo Pereira (2006), o crescimento da demanda de crédito à pessoa física no Brasil vem revolucionando esse mercado, fazendo com que as empresas se adaptem e se preparem para ficarem à altura das oportunidades. O quadro a seguir mostra informações sobre o crescimento do crédito, de renda média real da pessoa física e sobre volume de vendas no comércio. Pode-se observar que o índice de demanda por crédito é muito superior ao volume d vendas e, mais preocupante, a renda média do brasileiro no período. Em termos normais, essas três variáveis deveriam apresentar-se positivamente correlacionadas. Mas, como se nota claramente, não é isso que ocorre. OUT/05 OUT/04 CRESCIMENTO Crédito pessoal física R$ MM 151,5 108,4 39,8 % Renda média ideal (Brasil) R$ 966,1 949,24 1,8 % Volume de vendas Índice Geral 109,6 103,7 5,7 % Quadro 1: Crescimento do crédito Fonte: Pereira (2006, p.32) Um dos motivos que se justifica é uma corrida das instituições financeiras para se posicionarem nessa área devido aos resultados altamente compensadores, em sintonia com o esforço de manter e ampliar as carteiras de créditos.

11 Administração das Contas a Receber Segundo Brigham & Houston (1999, apud, SALGUEIRO et al, 2004, p.73-74), quando as empresas precisam de dinheiro em curto prazo preferem vender a vista, pois assim obterão rapidamente o dinheiro em caixa. Quando das vendas a prazo para controlar os valores a receber algumas empresas e usam o relatório do contas a receber, agrupado por data de vencimento, mais conhecido como aging. O aging pode estar dividido em 30, 60, 90 dias e assim por diante. As mercadorias são entregues aos clientes, os estoques são reduzidos e um contas a receber é criado. As vendas a prazo têm custos tanto diretos quanto indiretos, mas também têm um benefício importante a concessão de crédito aumenta as vendas, é importante haver um sistema de monitoramento porque, sem ele, o contas a receber poderá atingir níveis excessíveis, os fluxos de caixa diminuirão e dívidas incobráveis irão absorver os lucros gerados pelas vendas. Brigham & Houston (1999, apud, SALGUEIRO et al, 2004, p ) mostram que na administração das contas a receber são utilizados alguns mecanismos como: O prazo médio de recebimento (PMR) às vezes denominado prazo médio de cobrança (PMC), que é o período médio necessário para receber as vendas a crédito e é calculado pela fórmula: PMR = (Contas a Receber/Vendas)*360. O quadro de idades que é um relatório de há quanto tempo as contas a receber estão para ser pagas. Um quadro de idades decompõe os valores a receber de uma empresa de acordo com o número de dias de existência da conta. Para Brigham & Houston (1999, apud, SALGUEIRO et al, 2004, p.75), é muito importante que os administradores observem corretamente o PMR e o quadro de idades para detectar tendências, verificar como a experiência de cobrança da empresa se compara as suas condições de vendas e observar o grau de eficácia do departamento de crédito. O quadro de idades deve ser elaborado a partir dos dados da própria conta de valores a receber da empresa. No entanto, empresas bem administradas informatizaram seus registros de contas a receber, de modo que é fácil determinar a idade de cada fatura, efetuar a classificação eletronicamente por classes de idade e, assim, gerar um quadro de idades.

12 12 Se o PMR subir, ou se o quadro começa a mostrar uma porcentagem crescente de contas vencidas, então a política de crédito da empresa talvez tenha de ser restringida. 2.5 A política de crédito e seus componentes Para Ross, Westerfield & Jordan (1998), a escolha de uma política de crédito deve considerar a relação entre os benefícios decorrentes do aumento das vendas e os custos de concessão de crédito. Se uma empresa adotar uma política de crédito restritiva, a empresa terá uma escassez de crédito, e por isso haverá um custo de oportunidade. Este custo de oportunidade é o lucro adicional possível com as vendas perdidas porque o crédito é negado. Já para Braga (1989), uma política de crédito rigorosa envolverá menores despesas com os departamentos de crédito e de cobrança, menores índices de atrasos e de perdas com duplicatas incobráveis, mas também menor volume de vendas. Alguns clientes que costumam liquidar suas duplicatas com atraso seriam rejeitados e provavelmente iriam comprar dos concorrentes. Uma política de crédito liberal provocaria efeitos contrários. Uma política de crédito liberal certamente amplia o potencial de vendas, mas também acarreta maior investimento em duplicatas a receber, maior prazo médio de cobrança devido aos atrasos e maior porcentagem de perdas por inadimplência. Segundo Ross, Westerfield & Jordan (1998), se uma empresa decidir conceder crédito a seus clientes, deverá estabelecer procedimentos de concessão de crédito e cobrança. Sendo assim a empresa precisará lidar com os seguintes componentes da política de crédito: 1. Condições de venda: estipulam como a empresa propõe vender seus bens ou serviços; 2. Análise de crédito: determina o esforço que fará para distinguir entre clientes que pagarão e clientes que não pagarão, através de uma série de instrumentos e procedimentos. 3. Política de cobrança: depois de conceder crédito a empresa enfrenta o problema de cobrar o pagamento quando vence, e para isso deve formular uma política de cobrança.

13 Prazo de crédito Para Sanvicente (1987), a primeira questão a ser resolvida é quanto à fixação do prazo geral de crédito. Ou seja, tratar de delimitar de quanto tempo o cliente terá de para efetuar seus pagamentos. Segundo Ross, Westerfield & Jordan (1998), O prazo de crédito é o intervalo básico de tempo pelo qual o crédito é concedido. O prazo de crédito varia muito de setor para setor. Há vários fatores que influenciam o prazo de crédito, seguem-se as mais importantes: 1. Perecibilidade e valor como garantia real: os bens perecíveis tem giro relativamente alto e baixo valor como garantia real. Os prazos de créditos para tais bens são mais curtos, portanto. 2. Demanda pelos consumidores: os produtos cujos mercados são consolidados geralmente apresentam giro mais alto. Produtos novos ou de saída mais lenta freqüente serão objetos de prazo de crédito mais longos para atrair compradores. 3. Custo rentabilidade e padronização: produtos relativamente baratos tendem a apresentar prazos de crédito mais curtos. O mesmo se dá com produtos e matérias-primas relativamente padronizados. Tendem a apresentar margens mais reduzidas e giros mais altos, e ambos os fatores levam a prazos de créditos mais curtos. 4. Risco de crédito: quanto maior risco de crédito do comprador, mais curto tende a ser o prazo de crédito (supondo que o crédito seja concedido). 5. Valor da conta: se a conta for pequena, o prazo de crédito poderá ser mais curto, pois é mais caro gerir contas pequenas, e os clientes são menos importantes. 6. Concorrência: quando um vendedor opera num mercado de concorrência intensa, prazos mais longos podem ser concedidos para atrair clientes. 7. Tipo de cliente: um único vendedor pode oferecer prazos de crédito diferentes a clientes distintos. Em termos gerais as empresas possuem clientes atacadistas e varejistas, e frequentemente concedem crédito por prazos diferentes a cada tipo de cliente.

14 Custos e riscos Segundo Braga (1989), conceder crédito a clientes implica em assumir custos e riscos que não existem nas vendas a vista, tais como: Despesas com análise do potencial de crédito dos clientes; Despesas com a cobrança de duplicatas; Riscos de perdas com os créditos incobráveis; Custo dos recursos aplicados nas contas a receber; Perda de poder aquisitivo do valor dos créditos em decorrência do processo inflacionários. Além de despesas com pessoal, instalações, visitas aos clientes, serviços de agência de informações cadastrais, escritórios especializados em cobranças judiciais, etc. Deste modo, os custos envolvidos nas transações à prazo são superiores àqueles das transações à vista, porém, muitas empresas consideram que não adianta tentar incentivar as vendas a vista em face das condições do mercado em que atuam. Além dos riscos de atrasos e por perdas de falta de pagamento, as vendas à prazo provocam despesas adicionais com análise de crédito e cobrança. Apesar desses riscos e custos, verifica-se que parcela significativas das transações comerciais realizadas é a crédito. Em suas diversas modalidades, o crédito ao consumidor é largamente utilizado pelo comércio varejista. As empresas concedem crédito para aplicar seu nível de operações, obterem ganhos de escala, absorver melhor os custos fixos e, assim, maximizar rentabilidade Padrões de crédito Para Gitman (2002), os padrões de crédito de uma empresa refletem os requisitos mínimos exigidos para a concessão de crédito a um cliente, diz respeito ao maior ou menor rigor presente na política global da empresa. Variáveis chaves importantes a serem consideradas: Volume de vendas: se os padrões de créditos forem afrouxados deve-se esperar um crescimento nas vendas; por outro lado se ocorrer um arrocho nos padrões de crédito, devera haver uma redução nas vendas.

15 15 Investimentos em duplicatas a receber: quanto maior o investimento em duplicatas a receber, maior o custo para mantê-las, e vice-versa. Perdas com devedores incobráveis: a probabilidade de uma conta tornar-se incobrável aumenta com a maior flexibilização dos padrões do crédito, afetando os lucros negativamente. Efeitos opostos acontecem com o arrocho nos padrões de crédito.

16 16 3 METODOLOGIA Este trabalho, conforme Thiollent (1986 apud PEDRINI, 2005), é do tipo pesquisa-ação, pois há uma ação direta por parte do autor no problema em questão, o qual desempenha um papel ativo no equacionamento do problema. Já para Simon (2000, apud TOLEDO, 2005), é um estudo de caso, por ser uma pesquisa de um caso particular, onde serão apresentadas conclusões gerais do caso específico. 3.1 Procedimentos metodológicos A empresa utilizava o sistema de pagamento a prazo com 30 dias após as compras, mas pretendia adotar uma nova política de crédito há algum tempo. A intenção era alocar os pagamentos de clientes em uma data fixa durante o mês, já que seu sistema de informação disponibilizava esse recurso, apenas não era utilizado pela necessidade de adequação por parte dos clientes, que não conheciam, o novo sistema. A política de crédito adotada possui algumas regras: não foi estipulado para o cliente o pagamento mínimo da fatura, pois foi disponibilizado o sistema de parcelamento para compras e valores mais altos, variando o número de parcelas de acordo com o valor já pré-estabelecido. Portanto o cliente terá de quitar integralmente a sua fatura mensal. A nova política de crédito funciona da seguinte maneira, conforme Figura 1: Ex.: Vencimento no dia /04 19/05 20/05 30/05 Período de compras Vencimento da fatura Fechamento da fatura Figura 1: Demonstrativo do período de compras, fechamento e vencimento da fatura Fonte: Dados elaborados pela autora

17 17 O cliente ao fazer suas compras receberá um comprovante fiscal que informa os dados das operações: descrição das mercadorias adquiridas, valor, forma de pagamento e o dia do vencimento. Este comprovante deve ser guardado para conferir com a fatura mensal. A fatura fica disponível na empresa no dia após o seu fechamento, onde o cliente deverá obrigatoriamente retirá-la para conferir e até o vencimento pagá-la integralmente no caixa da própria loja. Foi aplicado então um contrato (ANEXO 1), para apresentação e informação aos clientes do novo modelo de crediário, onde eles escolheram dentre as seis datas de vencimento disponíveis a que lhe for mais conveniente. O contrato é assinado por ambas as partes em duas vias: a primeira fica arquivada na empresa e a segunda com o cliente. O contrato foi elaborado pela autora juntamente com o proprietário e analisado por um advogado, onde foi estabelecido de acordo com as normas e as condições da empresa, visando evitar lesar os clientes e a empresa de quaisquer danos ou abusos. Está descrito no contrato todos os direitos e os deveres de cada uma das partes, bem como todas as informações no caso de atrasos de pagamentos, sendo eles multa e juros, e procedimentos no caso de não pagamento. A finalidade do contrato foi deixar de forma clara como serão os procedimentos no novo sistema de forma que a empresa e o cliente tenham garantias do acordo entre si. Para verificação da viabilidade, o projeto foi aplicado a uma amostra de 10 % dos clientes cadastrados da empresa que corresponde a 120 clientes (pessoa física). O contrato foi aplicado no estabelecimento durante o horário comercial, onde os clientes eram abordados antes de passarem pelo caixa, eles foram informados sobre o interesse da implantação do novo sistema de crédito para um trabalho de conclusão de curso da Faculdade XV de Agosto, recebendo o contrato e escolhendo a sua data de vencimento, que passa a vigorar a partir deste momento. depois. Após dois meses será analisado o resultado através de uma comparação antes e

18 18 4 RESULTADOS Os resultados foram analisados mediante a situação anterior à implantação da nova política de crédito e os dados obtidos após a implantação. ANTES O índice de inadimplência chegava a 19% ao mês. O fluxo de caixa da empresa não era programado com as duplicatas a receber devido aos atrasos de pagamentos dos clientes. Altos custos e dificuldades nos serviços de cobrança, devido a grande quantidade de títulos vencendo todos os dias. Os próprios clientes não tinham controle de suas contas e de seus pagamentos, e acabavam esquecendo-se do que tinham e do que não tinham pago. Gastava-se muito tempo verificando os vencimentos diários e os atrasos de pagamento. DEPOIS O índice de inadimplência reduziu para 7,5% ao mês. O fluxo de caixa passou a ser orçado com as duplicatas a receber, pois foi estabelecida uma data fixa de pagamento para os clientes, o que permitiu um melhor controle dos recebíveis. Redução de custos nos serviços de cobrança, devido à fixação de uma data de pagamento única mensal para cada cliente. Com a emissão da fatura antes do vencimento o cliente sabe quanto terá que pagar e quanto gastou durante o período. O tempo passou a ser mais aproveitado coma a melhoria da nova política de crédito, podendo ser absorvido por outros setores. Quadro 2: Comparação do antes e depois Fonte: Dados da pesquisa elaborada pela autora Inadimplência Mensal 25,0% 20,0% 19,9% 19,6% 19,0% 17,5% 19,0% 15,0% 10,0% 8,2% 7,2% 7,5% 7,1% 7,5% ,0% 0,0% mar abr mai jun média Figura 2: Comparação antes e depois da taxa de inadimplência mensal Fonte: Dados da pesquisa elaborada pela autora

19 19 5- ANÁLISE DOS RESULTADOS Os resultados obtidos com a implantação da nova sistemática, responderam ao problema proposto no trabalho. Com as medidas tomadas, podemos verificar conforme Figura 2 que houve uma grande redução na média da inadimplência mensal de 19% para 7,5%. A redução da taxa de inadimplência foi um resultado muito interessante, isto quer dizer que a empresa está perdendo menos com os contratos de crediários e está reavendo o seu capital investido, isto mostra, que ela está aplicando melhor os seus recursos financeiros. Foi possível reduzir o tempo gasto e proporcionar maior agilidade na verificação dos títulos a vencer e dos atrasados, já que foram disponibilizadas seis datas de vencimentos durante o mês, passando-se então a trabalhar de maneira mais incisiva em cima de cada período e podendo verificar mais rapidamente os inadimplentes, de forma que facilita a negociação quando o atraso é recente e é possível evitar maiores perdas. Outro resultado interessante foi a melhoria da qualidade das informações prestadas para o cliente através da fatura mensal, onde eles visualizam as compras feitas no período e efetuam o pagamento uma só vez no mês, o que antes não era possível já que cada compra vencia em uma data diferente. Podemos citar também a melhoria para o orçamento do fluxo de caixa, onde podemos obter maior confiança no lançamento das duplicatas a receber com um controle mais apurado do setor de crédito e recebimento.

20 20 6- CONSIDERAÇÕES FINAIS A realização deste trabalho foi de grande valia tanto para a empresa quanto para a pesquisadora. Antes a empresa não tinha um bom controle de suas duplicatas a receber, o que afetava outros setores da empresa e os próprios clientes. Hoje a empresa trabalha com uma política de crédito mais condizente à sua necessidade. À pesquisadora foi possível compreender mais afundo o universo no qual se insere o tema em questão, e os aspectos que o compõem como: financeiros, econômicos e estratégicos. Foram encontradas algumas dificuldades em relação à reeducação dos clientes para o novo sistema, pois o ser humano sempre reluta a mudanças, prefere o costume. Porém após o experimento houve uma excelente aceitação devido às melhorias que ocorreram. Após a realização desse trabalho a empresa conseguiu aperfeiçoar e melhorar o setor de crédito, auferindo melhores resultados, melhores controles e oferecendo maior rentabilidade além das vendas à vista.

21 21 REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO BRAGA, R. Fundamentos e técnicas da administração financeira. São Paulo: Atlas, p. BONATTO, A. R. Desafios da concessão de crédito p. Disponível em <http://www.creditoerisco.com.br>. Acesso em 28 abr DEL GUERCIO, J. Competência de crédito p. Disponível em <http://www.creditoerisco.com.br>. Acesso em 28 abr GITMAN, L. J. Princípios da administração financeira. 7. ed. São Paulo: Harbra, p. PEDRINI, A. G. Educação ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, p PEREIRA S. L. G. Na mira do crédito p. Disponível em <http://rae.com.br/pdf>. Acesso em 05 mai ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W.; JORDAN, B. D. Princípios da administração financeira. São Paulo: Atlas, p. SALGUEIRO, A. M. et al. Administração financeira dos ativos circulantes nos processos de tomada de decisões. In: ANPAD, 27, Curitiba, PR. Anais eletrônicos... Paraná: ENAMPAD, 2004 p SANVICENTE, A. Z. Administração financeira. 3. ed. São Paulo: Atlas, p. SECURATO, J. R. Crédito análise e avaliação de risco: pessoas físicas e jurídicas. São Paulo: Saint Paul Institute Of Finace, p. SILVA, J. P. Gestão e análise de risco de crédito. 5. ed. São Paulo: Atlas, p. TOLEDO, A. C. Concedendo limite de crédito no comércio varejista de roupas e acessórios. Socorro, S: FAQ, p. 17.

22 22 ANEXOS Anexo 1: Contrato de concessão de crédito CONTRATO DE CONCESSÃO DE CRÉDITO Identificação das partes: EMPRESA: Costa Papelaria & Livraria Ltda., sediada à AV. Cel. Germano, 50 Centro Socorro SP, inscrita no C.N.P.J. sob o nº , e no Cadastro Estadual sob o nº CLIENTE: Maria Regina de Souza, residente e domiciliada à Av. Xv de Agosto, 555 Centro Socorro SP, RG nº , C.P.F. nº Definições: 1. Antes das compras, se preciso, verifique seu limite de crédito disponível, via telefone ou no balcão da loja. 2. As compras efetuadas a partir dos 10 (dez) dias que antecedem sua data de vencimento, só serão debitadas na fatura seguinte. 3. Passe as mercadorias pelo caixa, identifique-se (apresentando documento de identificação com foto) e assine o comprovante correspondente. 4. Confira os comprovantes, ele informa os dados das operações: valor, a descrição das mercadorias e a data de vencimento. 5. Você poderá parcelar suas compras em até 3 vezes de acordo com o valor (consulte no balcão). 6. Guarde os comprovantes para conferir com sua fatura mensal. 7. Todo mês a empresa fechará a fatura 10 (dez) dias antes de seu vencimento e esta ficará disponível no caixa da loja. onde você deverá retirá-la, para posterior pagamento. 8. Os pagamentos somente deverão ser efetuados no caixa da loja, em dinheiro ou cheque (no caso de cheque, somente de sua emissão) e o mesmo deverá ser feito no valor total de sua fatura, ou seja, integralmente. 9. No atraso do pagamento será acrescido multa de 2% e correção 0,33% ao dia. 10. No caso de não pagamento, após decorrido 10 dias do vencimento a conta será bloqueada e estará sujeito a protesto em cartório. 11. Você é o titular e a única pessoa autorizada a retirar mercadorias, portanto você é o responsável. Escolha entre as datas de vencimento propostas, a mais adequada para você: Cliente Costa Papelaria & Livraria

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas

Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Análise da Política de Crédito Adotada pelas Microempresas Varejistas de Confecções do Município de Solânea-PB como Dispositivo de Marketing e Vendas Amilca Ferreira Santos (UFPB) adm.amilka@gmail.com

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Mensagem do Administrador

Mensagem do Administrador Educação Financeira Índice 1. Mensagem do administrador... 01 2. O Cartão de crédito... 02 3. Conhecendo sua fatura... 03 4. Até quanto gastar com seu cartão... 07 5. Educação financeira... 08 6. Dicas

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA.

POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA. POLÍTICA DE CRÉDITO: UMA ANÁLISE DOS TÍTULOS A RECEBER DA EMPRESA DAVID MORATO LTDA. Bianca Cristine de Souza Garcia FAFIPA Onivaldo Izidoro Pereira FAFIPA ISSN 2178-5007 RESUMO A preocupação com a concessão

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA INDRA FRANCO BOVI SOCORRO 2011 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE CONTROLE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA FLORICULTURA

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0454 54 IDENTIFICAÇÃO: Título : CONCESSÃO DE CRÉDITO A CLIENTES Atributo : PONTUALIDADE NO RECEBIMENTO Processo : ANÁLISE DE CRÉDITO O QUE É: Trata-se de documento cujo objetivo

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Sumário 1 CONCEITO... 4 2 REQUISITOS... 4 3 CONFIGURAÇÕES... 4 3.1 Permissões de Acesso... 4 3.2 Plano de Contas... 5 3.2.1 Parcelado... 6 3.2.2 Parcelamento Notas a Prazo...

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Cartilha do ORÇAMENTO DOMÉSTICO. seja um

Cartilha do ORÇAMENTO DOMÉSTICO. seja um Cartilha do ORÇAMENTO DOMÉSTICO seja um A Boa Vista Serviços é uma empresa genuinamente brasileira, atualizada e inovadora, constituída para a operação do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Aula 1 Conteúdo Programático

Aula 1 Conteúdo Programático Planejamento Financeiro Aula Conteúdo Programático Profa. Claudia Abramczuk Aula : controles financeiros básicos Aula 2: principais demonstrativos financeiros Aula 3: ferramentas utilizadas para tomada

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte

A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte Nilséia Reinert Graduada em Administração pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

Software de gestão para pequenas empresas excelentes.

Software de gestão para pequenas empresas excelentes. Software de gestão para pequenas empresas excelentes. Qual sua estratégia para o sucesso? Seja qual for a estratégia, para o pequeno empresário do varejo entender o que o cliente quer, se antecipar e ter

Leia mais

Roteiro de Cadastros - GESTOR

Roteiro de Cadastros - GESTOR Página1 INDICE 1. MODULO EMPRESA 1.1. CADASTRO DE USUARIO --------------------------------------------------------------------- 4 1.2. CADASTRO DA EMPRESA --------------------------------------------------------------------

Leia mais

INADIMPLÊNCIA: E AGORA?

INADIMPLÊNCIA: E AGORA? INADIMPLÊNCIA: INADIMLÊNCIA E AGORA? Inadimplência: E agora? Quantas vezes você já se fez essa pergunta? Já conseguiu resolver este problema? Nesta cartilha iremos orientar, com base na legislação e no

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 12 O ciclo operacional da empresa é de 100 dias. 13 O ciclo operacional é apurado mediante a soma da idade

PROVA OBJETIVA. 12 O ciclo operacional da empresa é de 100 dias. 13 O ciclo operacional é apurado mediante a soma da idade De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita

versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita versão 1.0 A Fórmula de 4 Passos Para Aumentar a Sua Produção e Receita Sumário 1º Passo - Automatize Suas Atividades de Gestão... 5 Empresa do Grupo... 5 Banco... 5 Agência... 5 Conta Corrente... 5 Cliente...

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER

CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER CADASTRO POSITIVO CONHEÇA ANTES DE FAZER Entenda o que é e como funciona o Cadastro Positivo, antes de optar por aderir ou não. Quanto mais informado, melhor e mais consciente poderá ser a sua opção. Algumas

Leia mais

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE C o n t r o l e E m p r e s a r i a l MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE s i s t e m a s SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITOS... 3 ENTRADA DIRETA DE PRODUTOS... 3 INCLUSÃO DE FORNECEDORES E CLIENTES...

Leia mais

GESTÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA

GESTÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA GESTÃO DE CRÉDITO E COBRANÇA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 REFLEXÕES POR QUE AS EMPRESAS RESOLVEM FINANCIAR SEUS CLIENTES? COMO SE PREVINIR PARA VENDER A CRÉDITO? POR QUE OS CLIENTES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ DECRETO N. 4.489 Publicado no Diário Oficial Nº 8708 de 08/05/2012 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto na Lei

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013

EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 EXPECTATIVAS, GESTÃO E AÇÕES DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA PARA O NATAL DE 2013 MACAPÁ - 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 POPULAÇÃO... 3 4 COLETA DE DADOS... 3 5 RESULTADOS... 4 Ilustração 1 -

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Consignação Manual do Correspondente Consignação

Consignação Manual do Correspondente Consignação Manual do Correspondente Consignação Banestes S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo GCONS - Gerência de Consignação SUMÁRIO 1. Conceito...3 2. Apresentação...3 3. Informações Gerais...3 3.1. Condições

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários

Leia mais

PROCEDIMENTOS DO FINANCEIRO PARA VENDA LOJAS

PROCEDIMENTOS DO FINANCEIRO PARA VENDA LOJAS PROCEDIMENTOS DO FINANCEIRO PARA VENDA LOJAS FORMAS DE PAGAMENTOS Nossa loja aceita as seguintes formas de pagamento: - Dinheiro; - Moeda estrangeira ( dólar e euro ) - Cheque à vista; - Cheque pré-datado;

Leia mais

César Cruz Proprietário [18/04]

César Cruz Proprietário [18/04] César Cruz Proprietário [18/04] Quais devem ser as áreas gerenciadas pelo sistema? O sistema deve ter controle de estoque, ordem de serviços, orçamentos, entradas e saídas, tanto do caixa como de estoque,

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA.

DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA. DIGA ADEUS AOS PROBLEMAS FINANCEIROS DE SUA EMPRESA. Ter uma boa gestão financeira em seu negócio garante a saúde de sua empresa e a tranquilidade do empresário. Mantendo dinheiro em caixa, os compromissos

Leia mais

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas.

1. Introdução. A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. 1. Introdução Avaliação A avaliação faz parte de nossas vidas em diversas áreas. Quando optamos por entrar em uma academia de ginástica precisamos passar por uma avaliação física. Passamos por avaliação

Leia mais

Indicador de Dívidas em Atraso Belo Horizonte SPC CDL/BH Agosto/2015

Indicador de Dívidas em Atraso Belo Horizonte SPC CDL/BH Agosto/2015 Indicador de Dívidas em Atraso Belo Horizonte SPC CDL/BH Agosto/2015 Elaborado: Economia - Pesquisa & Mercado Equipe Técnica: Ana Paula Bastos Economista Sarah Ribeiro Estatística André Correia Analista

Leia mais

CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E,

CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E, CONTRATO PARA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO CLUBE DEMAIS ALIMENTAÇÃO, QUE ENTRE SI CELEBRAM: SUPERMERCADOS DB LTDA E, NAS MODALIDAES PAT- PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DOS TRABALHADORES E/OU PRÊMIO - PREMIAÇÃO E INCENTIVO

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

César Frade Finanças Aula 02

César Frade Finanças Aula 02 César Frade Finanças Aula 02 Olá Pessoal. Estamos nós aqui mais uma vez para tentar entender essa matéria. Concordo que a sua compreensão não é das mais fáceis, mas vocês terão que concordar comigo que

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito.

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 41 DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. Carlos Alexandre Sá (calex@marlin.com.br)

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA

PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DE VIDRAUTO DO BRASIL COMÉRCIO DE VIDROS E ACESSÓRIOS LTDA 1ª Vara da Fazenda Pública de Falências e Concordatas Autos nº. 001-054/2008 Nos termos da lei nº. 11.101, de 09

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade

ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração (ANEFAC) realizou durante o mês de outubro de a 15ª edição da Pesquisa de Utilização do 13º salário.

Leia mais

FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA

FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA FACULDADE DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EMPRESA: SANTOS CONTAINER LTDA - EPP EDISANDRA ANDRADE DE OLIVEIRA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prof.ª ORIENTADORA:

Leia mais

CONTRATO DO CLIENTE AO SISTEMA DE CARTÃO PRÓPRIO REDE VIVO SUPERMERCADOS

CONTRATO DO CLIENTE AO SISTEMA DE CARTÃO PRÓPRIO REDE VIVO SUPERMERCADOS CONTRATO DO CLIENTE AO SISTEMA DE CARTÃO PRÓPRIO REDE VIVO SUPERMERCADOS O presente documento contempla as cláusulas aplicadas no Contrato para aquisição de mercadorias do mix de produtos de todas as lojas

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados.

ANÁLISE DE RISCO DERIVATIVOS. Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 6/11/2012. Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. ANÁLISE DE RISCO E DERIVATIVOS Prof.ª Me. Cláudia Bomfá Caldas 09.11.2012 OBJETIVOS DA AULA Fundamentos de Risco e Retorno Derivativos: tipos, participantes e mercados. 1 Relembrando a aula de VAR... O

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DEZEMBRO/2010 PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRA E CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DE MANAUS, ANO 2010 - N 12 MANAUS AM 67,2% dos consumidores

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA

TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA TERMO DE ADESÃO A ANTECIPAÇÃO DE PREMIAÇÃO PARA INVESTIMENTO EM MÍDIA A FAEL E O POLO (NOME FANTASIA) CELEBRAM O PRESENTE TERMO VISANDO A ANTECIPAÇÃO DE VALORES, PARA UTILIZAÇÃO EXCLUSIVA EM MÍDIA, COMO

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

COMO MONTAR UM PLANO DE COBRANÇA! Os procedimentos de cobrança mais usuais! Quando utilizar cada instrumento de cobrança

COMO MONTAR UM PLANO DE COBRANÇA! Os procedimentos de cobrança mais usuais! Quando utilizar cada instrumento de cobrança UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 33 COMO MONTAR UM PLANO DE COBRANÇA! Os procedimentos de cobrança mais usuais! Quando utilizar cada instrumento de cobrança Adriano Blatt (adriano@blatt.com.br) Engenheiro formado

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS Graduanda de Ciências Contábeis da UFPA martanubia@bol.com.br Heber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

CADASTROS E CONCEITOS DAS BASES DE DADOS

CADASTROS E CONCEITOS DAS BASES DE DADOS CADASTROS E CONCEITOS DAS BASES DE DADOS INSUMOS DOS PROCESSO 1. PESSOAS 1. PLANO DE ITENS 3. OPERACIONAIS 4. CENTROS DE RESULTADO 1.1 Clientes 2.1 Unidades 3.1 Endereços 4.1 Plano de Contas 1.2 Fornecedores

Leia mais

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Aqui seus Resultados Aparecem

Aqui seus Resultados Aparecem Aqui seus Resultados Aparecem 2 Evolution - Cobrança, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa Gerenciar títulos vencidos e a vencer, controlar adiantamentos, cobrança eletrônica Cobrança em atraso, comissões,

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Sistema para Administração de Condomínio www.condominiomais.com.br SUMÁRIO

Sistema para Administração de Condomínio www.condominiomais.com.br SUMÁRIO SUMÁRIO I. MENU... 2 II. CONSULTA / ALTERAÇÃO / ESTORNO... 4 III. MENSAGEM... 5 IV. MOVIMENTAÇÃO FINANCEIRA... 6 CONSULTA... 6 LANÇAMENTO... 7 V. BOLETO... 8 VI. RELATÓRIO... 10 VII. RESERVA... 11 VIII.

Leia mais

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Você conhece o seu cliente? Não poupe esforços e invista no visual da loja Planejamento estratégico Cuide da Saúde Financeira da Sua Empresa

Leia mais

NAJ Sistemas em Informática LTDA.

NAJ Sistemas em Informática LTDA. CONTROLE FINANCEIRO BÁSICO NO SISTEMA NAJ 1ª PARTE Campo Código: Gerado automático pelo sistema. Botão Binóculo: Utilize para pesquisar a conta pelo código automático gerado pelo sistema. Botão Lupa: Utilize

Leia mais

Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS

Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS Condições Gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ou benefício do INSS Estas são as condições gerais do Limite de Crédito para Empréstimo Mediante Consignação

Leia mais

Os itens adicionados nesta lista serão retirados do estoque até que você os devolva.

Os itens adicionados nesta lista serão retirados do estoque até que você os devolva. Funções do Rackine. Será abordado aqui de forma simples e abreviada, as principais funções de cada tela do Rackine. Focando apenas em descrever o que cada parte do software faz. Para informações relativas

Leia mais

A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO

A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO A PECLD E A INADIMPLÊNCIA NA TIM E NA VIVO RESUMO A inadimplência prejudica a liquidez das empresas que conta com os valores a receber para saldar seus compromissos assumidos. Torna-se necessário estimar

Leia mais

Material Explicativo sobre Debêntures

Material Explicativo sobre Debêntures Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais As debêntures são valores mobiliários que representam dívidas de médio e longo prazos de Sociedades Anônimas ou por ações (emissoras), de capital aberto

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF)

Instruções para configuração e utilização do. fiscal (ECF) 1 Instruções para configuração e utilização do módulo Vendas balcão SEM Impressora de cupom fiscal (ECF) 2 ÍNDICE 1. Cadastro da empresa...3 2. Configurações dos Parâmetros......3 3. Cadastro de cliente...4

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Apresentação Análise Essencial Projeto Implantação do Sistema Treinamento Suporte Técnico

Apresentação Análise Essencial Projeto Implantação do Sistema Treinamento Suporte Técnico Apresentação Um projeto de informatização tem como principal função analisar as características da empresa e apontar os pontos onde são necessários controles informatizados, fazendo uma análise junto à

Leia mais