FOLHAS DE PROBLEMAS. Termodinâmica e teoria cinética. Física dos Estados da Matéria 2002/03

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOLHAS DE PROBLEMAS. Termodinâmica e teoria cinética. Física dos Estados da Matéria 2002/03"

Transcrição

1 FOLHAS DE PROBLEMAS Termodinâmica e teoria cinética Física dos Estados da Matéria 00/03 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

2 ª FOLHA DE PROBLEMAS DE FEM. Calcular o trabalho realizado por 0g de oxigénio (O ) expandindo-se isotermicamente a 0 o C da pressão de atm para 0,3 atm.. Um gás ideal é levado de um estado A, caracterizado por P = atm, = l, a um estado B, caracterizado por P = 4 atm, = 5 l, por dois processos diferentes: no primeiro processo, P varia com da forma P = 00/ (SI); no outro processo, aquela variação é da forma P = 4-4 (SI). Calcular o trabalho realizado entre A e B em cada um dos casos. 3. Calcular o trabalho realizado por uma mole de um gás durante uma expansão isotérmica quase-estática desde um volume inicial i até um volume final f, quando a equação de estado é: a) P(-b) = RT (R,b são constantes) b) P = RT (-B/) (R = constante; B = f(t)) 4. Um gás ideal sofre o seguinte ciclo reversível: i) Uma expansão isobárica desde o estado (P, ) até ao estado (P, ); ii) Uma redução isocórica da pressão até ao estado (P, ); iii) Uma redução isobárica de volume até ao estado (P, ); iv) Um aumento isocórico da pressão até ser restabelecido o estado original (P, ). a) Qual é o trabalho realizado neste ciclo? b) Se P = 3 atm, P = atm, = l e = l, que trabalho é realizado pelo gás ao efectuar este ciclo 00 vezes? FEM.

3 5. A compressibilidade isotérmica K e o coeficiente de expansão volumétrica β de uma substância são dados, repectivamente, por: K 3( ( ) = P a) = P T 4 β = ( ) = T T P a onde a é uma constante. Determinar a equação de estado da substância. 6. A capacidade calorífica molar a pressão constante de um gás varia com a temperatura de acordo com a seguinte equação: C p = a + bt c T onde a, b e c são constantes. Que quantidade de calor é transferida durante um processo isobárico no qual n moles do gás sofrem um aumento de temperatura de T i a T f? 7. Um cilindro contém mole de oxigénio gasoso à temperatura de 7 o C. O cilindro está equipado com um pistão móvel sem atrito que mantém uma pressão constante de atm sobre o gás enquanto este é aquecido até a sua temperatura atingir 7 o C. a) Traçar a curva representativa do processo no diagrama P. b) Qual é o trabalho realizado pelo gás? c) Sobre o quê é esse trabalho realizado? d) Que quantidade de calor foi fornecida ao gás? e) Qual foi a variação da energia interna do gás? [NOTA: C p = 7,03 cal/(mole grau) ; C v = 5,04 cal/(mole grau)] 8. Um cilindro horizontal isolado contém um pistão não condutor sem atrito. De cada lado do pistão há 54 l de um gás ideal monoatómico inerte, à temperatura de 73 FEM.

4 K e à pressão de atm. Fornece-se, lentamente, calor ao gás da esquerda até que o pistão tenha comprimido o gás da direita a 7,59 atm. a) Qual é o trabalho realizado sobre o gás da direita? b) Qual é a temperatura final do gás da direita? c) Qual é a temperatura final do gás da esquerda? d) Qual é a quantidade de calor fornecida ao gás da esquerda? [NOTA: Para um gás monoatómico ideal: C p = (5/)R ; C v = (3/)R] FEM. 3

5 ª FOLHA DE PROBLEMAS DE FEM. Uma das extremidades de uma barra termicamente isolada é mantida à temperatura T e a outra à temperatura T (com T > T ). T T l,k S l,k A barra, de secção homogénea, é formada por dois segmentos de materiais diferentes, um de comprimento l e coeficiente de condutibilidade calorífica k e o outro de comprimento l e coeficiente de condutibilidade calorífica k. a) Mostrar que a temperatura da superfície de contacto, S, entre as duas partes da barra é dada por: T = ( k / l ) T + ( k / l ) ( k / l ) + ( k / l ) T b) Qual é a condutibilidade calorífica, k, da barra como um todo (ou seja, de uma barra equivalente de um único material e comprimento l +l )?. Uma arrecadação tem quatro paredes de tijolo, uma área de 4 x 5 m e uma altura de 3 m. A temperatura no seu interior é θ = 5 o C, enquanto que a temperatura exterior é θ = 0 o C. O coeficiente de condutibilidade calorífica dos tijolos é de 0,00 cal (grau cm s) e a espessura das paredes é de 50 cm. Se for possível desprezar as perdas de calor através do solo e do tecto, determinar a quantidade de calor que a arrecadação liberta por minuto. FEM.

6 3. Um sistema termodinâmico evolui, efectuando uma transformação cíclica que passa pelos estados A, B, C e regressa a A, como se indica no diagrama P abaixo: P( 0-4 atm) 4 C A B,0 4,0 (m 3 ) TABELA Q W U A B + B C + C A a) Preencher a Tabela com os sinais +, ou zero, consoante as variações termodinâmicas de cada transformação. b) Calcular o trabalho realizado pelo sistema durante o ciclo. 4. Uma molécula-grama de um gás diatómico inicialmente à pressão de atm e à temperatura de 300 K é submetida ao seguinte conjunto de transformações: (i) Uma compressão adiabática que aumenta a sua temperatura para 400 K; (ii) Uma expansão isobárica até a sua temperatura atingir 600 K; (iii) Uma expansão adiabática até à temperatura de 450 K; (iv) Uma redução isobárica de volume até ao estado inicial. Supondo as transformações reversíveis, a) Representar o ciclo no diagrama P. b) Calcular as quantidades de calor postas em jogo em cada uma das quatro transformações. FEM.

7 c) Calcular a variação da energia interna no decorrer da transformação (ii) (expansão isobárica). [NOTA: γ = 7/5 ; C P = (7/) R.] 5. Quando um sistema é levado do estado a ao estado b seguindo a trajectória [acb], P 0 kcal entram no sistema e este realiza um trabalho de 7,5 kcal. c b a d a) Se o caminho seguido for [adb], qual é a quantidade de calor que entra no sistema se o trabalho realizado for igual a,5 kcal? b) Quando o sistema volta de b para a ao longo da trajectória curva [ba], o trabalho realizado é de 5 kcal. O sistema absorve ou liberta calor? Qual a quantidade? c) Se U a = 0 e U d = 0 kcal, determinar o calor absorvido nos processos [ad] e [db]. 6. Um gás ideal expande-se adiabaticamente de forma que sua pressão passa de atm para atm. Depois é aquecido a volume constante até à temperatura inicial e a sua pressão sobe para, atm. a) Determinar o valor do γ deste gás. b) Representar a transformação sofrida pelo gás num diagrama P. 7. Por compressão adiabática de um gás ideal até à redução do seu volume a metade há um aumento de temperatura de 7 o C para 0 o C. Calcular o valor da capacidade calorífica molar a volume constante do gás. FEM. 3

8 8. Num processo quase-estático A B (ver diagrama) no qual não há trocas de calor entre o sistema e o exterior, a pressão P de uma certa quantidade de gás varia com o volume de acordo com a relação: P = α -5/3, 3 A (a) B' P(x0 6 dine/cm ) (c) A' P=α -5/3 (c) (b) (a) B 8 (x 0 3 cm 3 ) onde α é uma constante. Determinar o trabalho (quase-estático) realizado e o calor absorvido em cada um dos seguintes três processos, nos quais o sistema é levado do estado A ao estado B: (a) O sistema sofre uma expansão desde o volume inicial até ao volume final, recebendo calor de modo a manter constante a pressão. O volume é, então, fixado e é extraído calor de forma a que a pressão seja reduzida para 0 6 dine/cm ; (b) O volume é incrementado e é absorvido calor de forma a que a pressão decresça linearmente com o volume; (c) Os mesmos passos seguidos na transformação (a) mas agora em sentido inverso, isto é, de A para A e de A para B. FEM. 4

9 3ª FOLHA DE PROBLEMAS DE FEM. Uma máquina de Carnot cuja fonte fria está a uma temperatura de 80 K tem um rendimento de 40%. Deseja-se aumentá-lo para 50%. a) De quantos graus deve ser aumentada a temperatura da fonte quente, mantendo constante a da fonte fria? b) De quantos graus deve ser diminuída a temperatura da fonte fria, mantendo constante a da fonte quente? c) Tirar as devidas conclusões.. Uma máquina frigorífica de Carnot absorve calor da água a 0 o C cedendo-o a um ambiente à temperatura de 7 o C. Supondo que 50 kg de água a 0 o C são convertidos em gelo a 0 o C, determinar: a) O coeficiente de performance da máquina; b) A quantidade de calor entregue ao meio ambiente; c) A quantidade de energia mecânica que deve ser fornecida à máquina. [NOTA: O calor de fusão da água é de 80 cal/g.] 3. Uma máquina térmica que opera com um gás ideal descreve um ciclo que representado num diagrama P é um rectângulo. Sejam P e P as pressões baixa e alta, respectivamente, e e os volumes menor e maior, respectivamente. a) Calcular o trabalho realizado pela máquina durante um ciclo de funcionamento. b) Indicar que partes do ciclo envolvem um fluxo de calor para o gás e calcular o valor total da quantidade de calor recebida pelo gás num ciclo. c) Mostrar que o rendimento da máquina é dado por: FEM 3.

10 γ η = γ P + P P 4. A figura representa um diagrama P de um determinado ciclo realizado por um gás ideal. Todos os processos são quase-estáticos e as capacidades caloríficas são constantes. Provar que o rendimento térmico de uma máquina que realizasse este ciclo seria: T η = γ T 4 3 T T P P 3 3 Adiabáticas P P A figura representa o diagrama P de um determinado ciclo realizado por um gás ideal. Todas as transformações são quase-estáticas. Provar que o rendimento de uma máquina que realizasse tal ciclo seria: η = P P ( γ ) / γ FEM 3.

11 P Adiabáticas P 3 P Um ciclo diesel ideal é, basicamente, contituído pelas seguintes transformações:, compressão adiabática; 3, expansão isobárica; 3 4, expansão adiabática; 4, redução isocórica da pressão. Mostre que a expressão do rendimento de uma máquina que realize um ciclo diesel ideal é: P η = γ 3 3 γ γ P 3 P 4 4 P 3 FEM 3. 3

12 7. a) Põe-se kg de água a 73 K em contacto com um foco calorífico a 373 K. Quando a água alcança a temperatura de 373 K, quais são as variações de entropia da água, do foco calorífico e do universo? b) Se se tivesse aquecido a água pondo-a primeiro em contacto com um foco a 33 K e depois com outro a 373 K, qual seria a variação de entropia do universo? c) Comparando os resultados das alíneas a) e b), que conclusões podem ser tiradas? 8. Calcular a variação da entropia do universo como resultado de cada um dos seguintes processos: a) Um bloco de cobre de 400 g de massa e à temperatura de 00 o C é colocado num lago a 0 o C. A capacidade calorífica a pressão constante do bloco é de 50 JK -. b) O mesmo bloco, a 0 o C, é deixado cair de uma altura de 00 m para dentro do lago. Quanto vale a energia indisponível para ser convertida em trabalho? c) Dois blocos iguais ao anterior, um a 00 o C e o outro a 0 o C, são colocados em contacto térmico. 9. Uma massa m de água à temperatura T é misturada, adiabática e isobaricamente, com outra massa igual de água à temperatura T. Demonstrar que a variação de entropia do universo é: S = mc p ln + ( T T ) / TT FEM 3. 4

13 0. A transformação cíclica representada na figura é constituída por duas isobáricas ( 3 e 4 ), uma isotérmica ( ) e uma adiabática (3 4). Supondo que 0,5 moles de oxigénio descrevem este ciclo, que P = atm, = 5000 cm 3, 3 = 500 cm 3 e que na transformação isotérmica a entropia do gás aumenta de,88 JK -, a) determinar o volume ; b) desenhar o diagrama entrópico do ciclo; c) Indicar, justificando, se uma máquina que realizasse este ciclo seria uma máquina térmica ou uma máquina frigorífica. [NOTA: admita que o oxigénio se comporta como um gás ideal e que C =5R/ e γ=7/5.] P P 4 P FEM 3. 5

14 4ª FOLHA DE PROBLEMAS DE FEM. Supondo que o azoto (N ) é um gás ideal à temperatura ambiente e à pressão atmosférica, determinar o tempo livre médio de uma molécula de N, num ambiente com essas condições.. a) Determinar o número de colisões moleculares que em cada segundo é, em média, sentido por cada centímetro quadrado de uma superfície plana exposta ao ar, à pressão de atm e a 300 K. b) Qual deve ser a altura de um cilindro com cm de área de secção e que contenha um número de moléculas igual ao número de moléculas de ar que a atm e a 300 K, colidem com a superfície de cm em cada segundo? [NOTA: A massa molecular média do ar é 9.] 3. Uma superfície metálica limpa é colocada num vácuo que tem uma pressão residual de oxigénio de 0-7 Torr à temperatura ambiente. a) Estimar o tempo que leva a cobrir a superfície com oxigénio se o diâmetro de uma molécula de O for de 0,3 nm e o sistema estiver à temperatura ambiente. b) Que tempo levará a cobrir metade da área da superfície se a pressão residual for reduzida para 0-0 Torr? [NOTA: Admitir que aderem à superfície todas as moléculas que a atingem, o que é uma aproximação razoável à temperatura ambiente.] 4. Considere-se um gás que se encontra repartido entre as duas câmaras de um recipiente. As câmaras são mantidas às temperaturas T e T (com T T ), sendo a pressão, muito baixa, do gás nas câmaras P e P, respectivamente. As câmaras FEM 4.

15 comunicam entre si por meio de um orifício suficientemente pequeno para que o equilíbrio térmico de cada câmara não seja perturbado. a) Como é que se pode caracterizar a condição de equilíbrio molecular entre as duas câmaras? b) Obter uma relação entre as pressões P e P e as temperaturas T e T. 5. Obter uma expressão que forneça o tempo necessário para que a pressão de um gás à temperatura T, armazenado num recipiente com um volume e que possui um orifício de área S numa das suas paredes aberto para um vácuo circundante, caia de P o para P. 6. Um recipiente com um volume de l contém ar a uma pressão de 0-3 Torr e à temperatura de 300 K. Numa das suas paredes há uma pequena fenda com uma área de 0-0 cm que comunica com a atmosfera nas condições PTN. a) Não desprezando nos cálculos a efectuar o número de moléculas que saem do recipiente, mostrar que ao fim de h: i) O número de moléculas no recipiente é de ~,67 x 0 7 ; ii) A pressão no recipiente é de ~,6 x 0-3 Torr; iii) O número de moléculas que por unidade de tempo atravessa a fenda de dentro para fora é desprezável face ao número das que entram no recipiente pela fenda. b) Determinar o tempo necessário para que a densidade de moléculas no interior do recipiente aumente para metade do número de moléculas por unidade de volume no exterior. [NOTA: A massa molecular média do ar é 9.] 7. a) Um recipiente de volume está dividido em dois compartimentos de igual volume por uma divisória fina onde existe um pequeno orifício de área S. Inicialmente, na câmara da esquerda há um gás ideal à pressão P o tendo a câmara da direita sido evacuada. Obtenha uma expressão para a pressão P e na câmara da FEM 4.

16 esquerda como função do tempo. Admita que a temperatura se mantém constante e que é a mesma de ambos os lados da divisória. b) Supondo agora que inicialmente a pressão na câmara da esquerda é P e (0) e na câmara da direita P d (0), determine a pressão P e (t) do gás no lado esquerdo, continuando a admitir que a temperatura é a mesma nos dois compartimentos. 8. O coeficiente de viscosidade do hélio nas condições PTN é de kg m s. Determinar: a) O coeficiente de condutibilidade calorífica; b) O livre percurso médio; c) O diâmetro molecular; d) A pressão para a qual o livre percurso médio é igual a 0 - m a 300 K e a 30 K. 9. O coeficiente de viscosidade do gás hélio a T = 73 K e P = atm é η enquanto que o do gás argon é η. As massas atómicas destes gases monoatómicos são µ e µ, respectivamente. a) Qual é o valor do quociente, σ /σ, entre as secções eficazes dos átomos Ar-Ar, σ, e He-He, σ? b) Qual é o valor do quociente, k /k, entre as condutibilidades caloríficas do argon, k, e do Hélio, k, quando T = 73 K? c) Quanto vale D /D, o quociente entre os coeficientes de difusão de ambos os gases, quando T = 73 K? d) As massas atómicas do He e do Ar são, respectivamente, µ = 4 e µ = 40. Os coeficientes de viscosidade medidos a 73 K são, respectivamente, η =,84 x 0-4 g cm - s - e η =,05 x 0-4 g cm - s -. Utilizar esta informação para calcular os valores aproximados das secções eficazes σ e σ. e) Se se admitir que os átomos se comportam como esferas rígidas, calcular o diâmetro d do átomo de hélio e o diâmetro d do átomo de argon. FEM 4. 3

17 SOLUÇÕES DOS PROBLEMAS ª FOLHA. W = 97J. º processo: 80KJ; º processo: 0.5J. a) W = RT ln f b b) W = RT ln f i [( ) ( b i )] ( )+ B( f i ) [ ] 3. a) W ciclo = ( )( P P ) b) J 5. ( a)p 3 4 = C T 6. Q =ν T f T i 7. b) W = 80.4J [ ] ( ) a + b( T f + T i ) c ( T f T i ) c) sobre o exterior d) Q = 94.J e) U = 3.7J 8. a) W = J b) T DF = 64.5K c) T EF = 3530K d) Q = J ª FOLHA. b) k = l + l ( ) ( l k + l k ). Q = J 3. b) W = 0.6J 4. b) Q = Q 34 = 0 ; Q 3 = 5.8KJ ; Q 4 = 4.36KJ c) U 3 = 4.57KJ 5. a) Q adb = 5Kcal b) Q adb = 7.5Kcal (sistema liberta calor) c) Q ad =.5Kcal ; Q db =.5Kcal 6. a) γ =.4 7. C = 5R FEM S.

18 8. a) W = 3600J e Q = 8800J b) W = J e Q = 7930J c) W = 700J e Q = 900J 3ª FOLHA. a) 93K b) 46.5K. a) ω =0. b) Q = cal c) W = J 3. a) W = ( P P )( ) [ ( )] b) Q TOTAL = νr ( T A T B )+ T C T D 7. a) S( água) =30 JK ; S( foco)= 0JK ; S( universo)= 90JK b) S( universo)= 95JK 8. a) S( universo)= 6.3JK b) S( universo)=.39jk c) S( universo)= 3.6JK 0. a) = 0l c) máquina frigorífica 4ª FOLHA. τ = s ( ). a) colisões scm b) 0m 3. a) 67.3s b) 67300s 4. a) φ = φ b) P P = T T 5. = ( S) πm RT ln( P P) t 0 6. b) t = 37.6 anos 7. a) P e ( t) = P 0 + exp v S t [ ] + [ P e ( 0) P d ( 0) ] exp( v St ) b) P e ( t) = P e ( 0) + P d ( 0) FEM S.

19 8. a) k = Wm s K b) l = m c) d m d) 300 K: P =.877Pa ; 30 K: 0.877Pa 9. a) σ σ = ( η η ) µ µ b) k k = ( η η )( µ µ ) c) D D = ( η η )( µ µ ) d) σ = m ; σ = m e) d = m ; d = m FEM S. 3

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4 Q1 (,5) Um pistão é constituído por um disco ao qual se ajusta um tubo oco cilíndrico de diâmetro d. O pistão está adaptado a um recipiente cilíndrico de diâmetro D. massa do pistão com o tubo é M e ele

Leia mais

Exercícios de Termodinâmica

Exercícios de Termodinâmica Exercícios de Termodinâmica 1-Uma massa gasosa, inicialmente num estado A, sofre duas transformações sucessivas e passa para um estado C. A partir do estado A esse gás sofre uma transformação isobárica

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:30. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:30. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas professor titular de física teórica Doutor em Física pela Universidade Ludwig Maximilian de Munique Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA

TURMA DE ENGENHARIA - FÍSICA Prof Cazuza 1 (Uff 2012) O ciclo de Stirling é um ciclo termodinâmico reversível utilizado em algumas máquinas térmicas Considere o ciclo de Stirling para 1 mol de um gás ideal monoatônico ilustrado no

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984)

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) 1 - Um corpo humano está a 69 0 numa escala X. Nessa mesma escala o ponto do gelo corresponde a 50 graus e o ponto a vapor 100 0. Este corpo:

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com

Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Profa. Maria Fernanda - Química nandacampos.mendonc@gmail.com Por que precisamos calibrar os pneus dos carro? Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=9aapomthyje Pressão abaixo da recomendada reduz a durabilidade

Leia mais

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP

TERMODINÂMICA CONCEITOS FUNDAMENTAIS. Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em. Universidade Santa Cecília Santos / SP CONCEITOS FUNDAMENTAIS Sistema termodinâmico: Demarcamos um sistema termodinâmico em Universidade função do que Santa desejamos Cecília Santos estudar / SP termodinamicamente. Tudo que se situa fora do

Leia mais

Preencha a tabela a seguir, de acordo com as informações do texto.

Preencha a tabela a seguir, de acordo com as informações do texto. 1. Uma amostra de um gás está contida em um cilindro ao qual se adapta um êmbolo. A figura a seguir mostra o diagrama pressão X volume das transformações sofridas pelo gás. A energia interna do gás no

Leia mais

Organizada por: Pedro Alves. A tabela a seguir contém algumas integrais que podem ser úteis durante a prova.

Organizada por: Pedro Alves. A tabela a seguir contém algumas integrais que podem ser úteis durante a prova. SIMULADO 01-1ª Prova de Seleção para as OIF s 2016 1. A prova é composta por CINCO questões. Cada questão tem o valor indicado nos eu início. A prova tem valor total de 100 pontos. 2. Não é permitido o

Leia mais

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Física II 2012 UNICAMP Quadro de Joseph Wrigth of Derby (1768) representando experimento de Robert Boyle Equação de estado dos gases ideais Qualquer objeto macroscópico

Leia mais

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA AULA 07 ERMODINÂMICA GASES 1- INRODUÇÃO As variáveis de estado de um gás são: volume, pressão e temperatura. Um gás sofre uma transformação quando pelo menos uma das variáveis de estado é alterada. Numa

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO

COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO 23. Leia o seguinte texto: Considere que esse grande espelho, acima da camada da atmosfera, estará em órbita geoestacionária. Com base nessas informações,

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Segunda Lei da Termodinâmica 1. (UECE 2009) Imagine um sistema termicamente isolado, composto por cilindros conectados por uma

Leia mais

Preparação na Potência Máxima Página 1

Preparação na Potência Máxima Página 1 Gases e Termodinâmica 1) A figura a seguir representa dois reservatórios cilíndricos providos de êmbolos de massa desprezível, com mesma área de base e que contêm o mesmo número de mols de um gás ideal.

Leia mais

Linguagem da Termodinâmica

Linguagem da Termodinâmica Linguagem da Termodinâmica Termodinâmica N A = 6,022 10 23 Ramo da Física que estuda sistemas que contêm um grande nº de partículas constituintes (átomos, moléculas, iões,...), a partir da observação das

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

Equações e diagramas T-dS

Equações e diagramas T-dS Equações e diagramas T-dS A segunda lei da termodinâmica 2 S=S S 2 1 1 δq T A Expressão matemática da segunda lei (para um sistema fechado). A entropia é uma propriedade que não é conservativa! Entropia

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Termoquímica Energia e Trabalho Energia é a habilidade ou capacidade de produzir trabalho. Mecânica; Elétrica; Calor; Nuclear; Química. Trabalho Trabalho mecânico

Leia mais

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20 Um tanque rígido com 0,5 m contém hidrogênio à 20 º C e 600 kpa esta conectado com outro tanque rígido com 0,5 m também com hidrogênio. A pressão e a temperatura nesse segundo tanque são de 0 º C e 150

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 =

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 = PROVA DE FÍSIA 2º ANO - AUMULATIVA - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as seguintes afirmativas. (F) Os iglus, embora feitos de gelo, possibilitam aos esquimós neles residirem,

Leia mais

Folhas de exercícios de Termodinâmica

Folhas de exercícios de Termodinâmica DEF-FEUP Física MIEC - 2012/2013 Termodinâmica - 1 Folhas de exercícios de Termodinâmica Temperatura; lei dos gases perfeitos; calorimetria; 1 a lei da termodinâmica Admita os valores seguintes para a

Leia mais

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K)

T (K) T (K) S (kj/kg K) S (kj/kg K) Termodinâmica I Ano Lectivo 2007/08 1º Ciclo-2ºAno/2º semestre (LEAmb LEAN MEAer MEMec) 2º Exame, 11/Julho /2008 P1 Nome: Nº Sala Problema 1 (2v+2v+1v) Considere um sistema fechado constituído por um êmbolo

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Física

Universidade de São Paulo Instituto de Física Universidade de São Paulo Instituto de Física FEP - FÍSICA II para o Instituto Oceanográfico º Semestre de 009 Sexta Lista de Exercícios a. Lei da Termodinâmica e Teoria Cinética dos Gases ) Uma máquina

Leia mais

Física Geral e Experimental III. Dilatação

Física Geral e Experimental III. Dilatação Física Geral e Experimental III Dilatação 6. Em um dia quente em Las Vegas um caminhão-tanque foi carregado com 37.000 L de óleo diesel. Ele encontrou tempo frio ao chegar a Payson, Utha, onde a temperatura

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ESTUDO DOS GASES

LISTA DE EXERCÍCIOS ESTUDO DOS GASES GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO GRÉ MATA NORTE UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO CAMPUS MATA NORTE ESCOLA DE APLICAÇÃO PROFESSOR CHAVES LISTA DE EXERCÍCIOS ALUNO(A): Nº NAZARÉ DA MATA, DE DE 2015 2º ANO ESTUDO

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

Máquinas térmicas - o ciclo de Carnot

Máquinas térmicas - o ciclo de Carnot Máquinas térmicas - o ciclo de Carnot O topo de eficiência energética Todas as máquinas térmicas convencionais (a vapor, gasolina, diesel) funcionam à base do fornecimento de calor a um gás, que posteriormente

Leia mais

o oxigênio comporta-se B como um gás ideal de massa molar M = 32 g, calcule a temperatura T do sistema.

o oxigênio comporta-se B como um gás ideal de massa molar M = 32 g, calcule a temperatura T do sistema. Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

F.x. P.A.x. U nrt PV AULAS 12 A 16

F.x. P.A.x. U nrt PV AULAS 12 A 16 Física Frente III CAPÍTULO 5 - TERMODINÂMICA AULAS 1 A 16 Introdução A Termodinâmica é o ramo da física que estuda as relações entre calor, temperatura, trabalho e energia. Todo estudo na termodinâmica

Leia mais

2. Considere um bloco de gelo de massa 300g á temperatura de 20 C, sob pressão normal. Sendo L F

2. Considere um bloco de gelo de massa 300g á temperatura de 20 C, sob pressão normal. Sendo L F 1. Considere um bloco de gelo de massa 300g encontra-se a 0 C. Para que todo gelo se derreta, obtendo água a 0 C são necessárias 24.000 cal. Determine o calor latente de fusão do gelo. 2. Considere um

Leia mais

Equação Geral dos Gases

Equação Geral dos Gases Equação Geral dos Gases EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (EEM-SP) Uma determinada massa gasosa, confinada em um recipiente de volume igual a 6,0 L, está submetida a uma pressão de 2,5 atm e sob temperatura de

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Termodinâmica. Podemos aquecer a volume constante ou a pressão constante. Definimos para cada um dos casos,

Termodinâmica. Podemos aquecer a volume constante ou a pressão constante. Definimos para cada um dos casos, ermodinâmica André Silva ranco Calor: Calor é energia térmica em transito, e vai espontaneamente de uma região mais quente (maior temperatura) para uma mais fria (menor temperatura). Equação undamental

Leia mais

RESPOSTAS DAS TAREFAS 1ª SÉRIE. Física Setor A Aula 37. Aula 39. Aula 38 ENSINO MÉDIO. 1. a) e C 5 2,5? 10 5 J b) τ R 5 2,5?

RESPOSTAS DAS TAREFAS 1ª SÉRIE. Física Setor A Aula 37. Aula 39. Aula 38 ENSINO MÉDIO. 1. a) e C 5 2,5? 10 5 J b) τ R 5 2,5? ENSINO MÉDIO RESPOSTAS DAS TAREFAS 1ª SÉRIE 7 Física Setor A Aula 37 1. a) e C 5 2,5? 1 5 J b) τ R 5 2,5? 1 5 J c) τ RA 5 22,5? 1 5 J τ F 5 5? 1 5 J d) F 5 1 N 2. a) 45 J b) 1 J 1. O motorista agressor

Leia mais

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A.

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A. FISIC 01. Raios solares incidem verticalmente sobre um canavial com 600 hectares de área plantada. Considerando que a energia solar incide a uma taxa de 1340 W/m 2, podemos estimar a ordem de grandeza

Leia mais

Determinação da condutividade térmica do Cobre

Determinação da condutividade térmica do Cobre Determinação da condutividade térmica do Cobre TEORIA Quando a distribuição de temperatura de um corpo não é uniforme (ou seja, diferentes pontos estão a temperaturas diferentes), dá-se expontaneamente

Leia mais

CAPITULO 1 Propriedades dos gases. PGCEM Termodinâmica dos Materiais UDESC

CAPITULO 1 Propriedades dos gases. PGCEM Termodinâmica dos Materiais UDESC CAPITULO 1 Propriedades dos gases PGCEM Termodinâmica dos Materiais UDESC Referência Bibliográfica ATKINS, P.; Paula, J. de. Fisico-Química, Vol 1. 8ª ed., Editora LTC, Rio de Janeiro, 2006, cap 1. Ball,

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Físico-Química 2 Termodinâmica Química 2 Profa. Claudia de Figueiredo Braga Diagramas de Fases Diagramas de fases: Uma das formas mais compactas de exibir

Leia mais

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p Química Termodinâmica Exercícios de Fixação 06. Um gás ideal, com C p = (5/2)R e C v = (3/2)R, é levado de P 1 = 1 bar e V 1 t = 12 m³ para P 2 = 12 bar e V 2 t = 1m³ através dos seguintes processos mecanicamente

Leia mais

Bom trabalho! DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL. SÉRIE: 2 a EM NOME COMPLETO:

Bom trabalho! DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL. SÉRIE: 2 a EM NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSOR: Erich/ André DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2 a EM Circule a sua turma: Funcionários: 2 o A 2ºB Anchieta:2 o NOME COMPLETO:

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (,0 pontos) Avaliador Revisor Uma montagem experimental simples permite a medida da força entre objetos carregados com o auxílio de uma balança (A. Cortel, Physics Teacher 7, 447 (1999)).

Leia mais

Física Geral e Experimental III. Exercícios Temperatura e Dilatação

Física Geral e Experimental III. Exercícios Temperatura e Dilatação Física Geral e Experimental III Exercícios Temperatura e Dilatação 1. Em um dia quando a temperatura alcança 50ºF, qual é a temperatura em graus Celsius e Kelvins? R: 10ºC; 283 K. 2. O ouro tem um ponto

Leia mais

Termodinâmica. 1. Energia interna. Projeto Rumo ao ITA Página 1. Gabriel José Guimarães Barbosa

Termodinâmica. 1. Energia interna. Projeto Rumo ao ITA Página 1. Gabriel José Guimarães Barbosa Termodinâmica Gabriel José Guimarães Barbosa Este material visa apresentar todo o assunto sobre termodinâmica da prova do ITA. Recomendamos que o leitor tenha uma noção sobre a teoria de gases, cujo material

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II CALORIMETRIA 1 Objetivos Gerais: Determinação da capacidade térmica C c de um calorímetro; Determinação do calor específico de um corpo de prova; *Anote a incerteza dos instrumentos de medida utilizados:

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

Exercícios Terceira Prova de FTR

Exercícios Terceira Prova de FTR Exercícios Terceira Prova de FTR 1) Existe uma diferença de 85 o C através de uma manta de vidro de 13cm de espessura. A condutividade térmica da fibra de vidro é 0,035W/m. o C. Calcule o calor transferido

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

Nome:...N o...turma:... Data: / / ESTUDO DOS GASES E TERMODINÂMICA

Nome:...N o...turma:... Data: / / ESTUDO DOS GASES E TERMODINÂMICA Ensino Médio Nome:...N o...turma:... Data: / / Disciplina: Física Dependência Prof. Marcelo Vettori ESTUDO DOS GASES E TERMODINÂMICA I- ESTUDO DOS GASES 1- Teoria Cinética dos Gases: as moléculas constituintes

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

Química Geral PROF. LARISSA ROCHA ALMEIDA - CURSINHO VITORIANO 1

Química Geral PROF. LARISSA ROCHA ALMEIDA - CURSINHO VITORIANO 1 Química Geral AULA 1 PROPRIEDADES GERAIS DA MATÉRIA E CONCEITOS INICIAIS PROF. LARISSA ROCHA ALMEIDA - CURSINHO VITORIANO 1 Tópicos Matéria Energia Diagrama de Mudança de Fases Ciclo da Água Universo e

Leia mais

TERMOLOGIA DIFERENÇA ENTRE TEMPERATURA E CALOR

TERMOLOGIA DIFERENÇA ENTRE TEMPERATURA E CALOR TERMOLOGIA DIFERENÇA ENTRE TEMPERATURA E CALOR Temperatura: é a grandeza que mede o grau de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico. Calor: é a energia térmica em trânsito,

Leia mais

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um pequeno refrigerador para estocar vacinas está inicialmente desconectado da rede elétrica e o ar em seu interior encontra-se

Leia mais

Sistemas termodinâmicos simples

Sistemas termodinâmicos simples Sistemas termodinâmicos simples Estados e processos. Sistemas hidrostáticos. Diagramas de estado para substâncias puras. Equações de estado. Equilíbrio termodinâmico Equilíbrio termodinâmico: Equilíbrio

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

Física 20 Questões [Médio]

Física 20 Questões [Médio] Física 20 Questões [Médio] 01 - (UFRRJ ) Uma pessoa retira um botijão de gás de um local refrigerado e o coloca em um outro lugar, sobre o qual os raios solares incidem diretamente. Desprezando qualquer

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 3 17/10/2013. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir.

DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 3 17/10/2013. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir. DISCIPLINA AMB30093 TERMODINÂMICA - Aula 3 17/10/2013 Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2013 Porque a água atinge o seu ponto máximo em 3,98

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... *

MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO, PRESSÃO DE VAPOR... * MUDANÇA DE ESTADO FÍSICO Antes de verificarmos como ocorrem as mudanças de estado físico de uma substância, vamos caracterizar cada um dos estados aqui estudados.

Leia mais

= = = F. cal AULA 05 TERMOMETRIA E CALORIMETRIA CALOR É ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO DE UM CORPO PARA OUTRO, DEVIDO A UMA DIFERENÇA DE TEMPERATURA.

= = = F. cal AULA 05 TERMOMETRIA E CALORIMETRIA CALOR É ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO DE UM CORPO PARA OUTRO, DEVIDO A UMA DIFERENÇA DE TEMPERATURA. AULA 05 TERMOMETRIA E ALORIMETRIA 1- TEMPERATURA Todos os corpos são constituídos de partículas, a olho nu nos parece que essas partículas estão em repouso, porém as mesmas têm movimento. Quanto mais agitadas

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 01 - A figura mostra um sistema massa-mola que pode oscilar livremente, sem atrito, sobre a superfície horizontal e com resistência do ar desprezível. Nesse

Leia mais

Termodinâmica Prof. Dr. Cláudio S. Sartori Exercícios

Termodinâmica Prof. Dr. Cláudio S. Sartori Exercícios 1 PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA TRABALHO REALIZADO DURANTE VARIAÇÕES DE VOLUME CAMINHOS ENTRE ESTADOS TERMODINÂMICOS 1. Dois moles de um gás ideal são aquecidos à pressão constante de 2 atm, de 300 K até

Leia mais

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Termoquímica 1 História A sociedade é movida a energia e a invenção da máquina a vapor contribuiu decisivamente na Revolução Industrial, que levou ao aumento da produtividade e diminuição da influência

Leia mais

1 a QUESTÃO Valor 1,0

1 a QUESTÃO Valor 1,0 1 a QUESTÃO Valor 1,0 Um esquimó aguarda a passagem de um peixe sob um platô de gelo, como mostra a figura abaixo. Ao avistá-lo, ele dispara sua lança, que viaja com uma velocidade constante de 50 m/s,

Leia mais

Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 08 - Vol. 2

Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 08 - Vol. 2 HTTP://COMSIZO.BLOGSPOT.COM/ Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 08 - Vol. 2 Engenharia Física 09 Universidade Federal de São Carlos 10/31/2009 *Conseguimos algumas resoluções

Leia mais

Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico.

Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico. Exercícios de Equilíbrio químico e Misturas Meta Apresentar os conceitos relacionados à mistura simples e equilíbrios de fases e equilíbrio químico. Objetivos Ao final desta aula, o aluno deverá: compreender

Leia mais

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4

g= 10 m.s c = 3,0 10 8 m.s -1 h = 6,63 10-34 J.s σ = 5,7 10-8 W.m -2 K -4 TESTE DE FÍSICO - QUÍMICA 10 º Ano Componente de Física A Duração do Teste: 90 minutos Relações entre unidades de energia W = F r 1 TEP = 4,18 10 10 J Energia P= t 1 kw.h = 3,6 10 6 J Q = mc θ P = U i

Leia mais

Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte

Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte não existe atração nem repulsão no gás ideal U = 0 q = - w q rev = nrtln(v f /V i ) q rev

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2013.1 Conhecimentos Específicos

Vestibular Comentado - UVA/2013.1 Conhecimentos Específicos Vestibular Comentado - UVA/3. Física Comentários: Professores: João Batista e Joelson Studart. Um paraquedista salta de uma altura de. m. Após 45 m de queda, a força de resistência do ar se iguala à força

Leia mais

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças 1) (UNIGRANRIO) Um veículo de massa 1200kg se desloca sobre uma superfície plana e horizontal. Em um determinado instante passa a ser acelerado uniformemente, sofrendo uma variação de velocidade representada

Leia mais

DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz

DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA : BIOFÍSICA CAPÍTULO 2 TERMODINÂMICA Prof.a Érica Muniz TERMODINÂMICA Abrange toda e qualquer mudança que ocorre no Universo. Sistema: (ambiente) Pode variar: porção

Leia mais

THERME - CALOR ramo da Física e da Engenharia DYNAMIS - FORÇA

THERME - CALOR ramo da Física e da Engenharia DYNAMIS - FORÇA CAPITULO 2 DEFINIÇÕES E CONCEITOS TERMODINÂMICOS Notas de aula preparadas a partir do livro FUNDAMENTALS OF ENGINEERING THERMODINAMICS Michael J. MORAN & HOWARD N. SHAPIRO. 2.1 INTRODUÇÃO TERMODINÂMICA

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios de Calorimetria 1-Um recipiente metálico de capacidade térmica desprezível contém 1 de água. Colocado sobre um bico de gás de um fogão, a temperatura do conjunto sobe 36ºC em minutos. Nesse

Leia mais

e a temperatura do gás, quando, no decorrer deste movimento,

e a temperatura do gás, quando, no decorrer deste movimento, Q A figura mostra em corte um recipiente cilíndrico de paredes adiabáticas munido de um pistão adiabático vedante de massa M kg e raio R 5 cm que se movimenta sem atrito. Este recipiente contém um mol

Leia mais

Conversão da temperatura para graus celsius kelvin--------------------t / K = θ / ºC + 273,15

Conversão da temperatura para graus celsius kelvin--------------------t / K = θ / ºC + 273,15 Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Física e Química A, 10º ano Ano lectivo 2007 / 2008 Correcção do Teste de Avaliação Sumativo Nome: N.º aluno: Turma: Classiicação : Proessor: FORMULÁRIO Lei de

Leia mais

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

Temperatura & lei zero

Temperatura & lei zero Temperatura & lei zero Termodinâmica : estudo da energia térmica ( energia interna ) dos sistemas Conceito central: temperatura Temperatura é um conceito de uso cotidiano e portanto seu entendimento é

Leia mais

Exercícios 7- Trabalho e Primeira Lei da Termodinâmica

Exercícios 7- Trabalho e Primeira Lei da Termodinâmica Exercícios 7- Trabalho e Primeira Lei da Termodinâmica. inco mols de um gás perfeito se encontram à temperatura de 00 K, ocupando um volume de 0, m. Mediante um processo isobárico, o gás é submetido à

Leia mais

Fundamentos da física - Ramalho, Nicolau e Toledo Edição Histórica - vestibular ITA. SUA BUSCA Assunto: Termologia

Fundamentos da física - Ramalho, Nicolau e Toledo Edição Histórica - vestibular ITA. SUA BUSCA Assunto: Termologia Fundamentos da física - Ramalho, Nicolau e Toledo Edição Histórica - vestibular ITA SUA BUSCA Assunto: Termologia RESULTADO 1. (ITA-1969) Um anel de cobre a 25 C tem um diâmetro interno de 5,00 centímetros.

Leia mais

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra.

1 Analise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. FÍSIC 1 nalise a figura a seguir, que representa o esquema de um circuito com a forma da letra U, disposto perpendicularmente à superfície da Terra. Esse circuito é composto por condutores ideais (sem

Leia mais

Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com

Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com Mecânica dos Fluidos PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com LISTA 2 Hidrostática 1) Um adestrador quer saber o peso de um elefante. Utilizando uma prensa hidráulica, consegue equilibrar

Leia mais

A capacidade calorífica é uma medida da dificuldade que um corpo oferece a uma mudança da sua temperatura e é dada pelo

A capacidade calorífica é uma medida da dificuldade que um corpo oferece a uma mudança da sua temperatura e é dada pelo Capacidade calorífica e calor específico Q/J Quando um corpo recebe energia calorífica a sua temperatura aumenta (e de forma linear): A energia calorífica ( Q) que é necessário fornecer a um corpo para

Leia mais