Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde"

Transcrição

1

2 Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Equipe O NERHUS tem um corpo de pesquisadores e professores doutores, mestres e especialistas, das diversas profissões: sociólogos, médicos, nutricionistas, enfermeiros, odontólogos, biólogos, pedagogos, psicólogos, estatísticos, tecnólogos da informação, tecnólogos em gestão de RH, etc. Além do staff da FIOCRUZ, o NERHUS conta com a colaboração permanente de pesquisadores renomados nacional e internacionalmente, reconhecidos no mundo acadêmico e na gestão pública.

3 Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Atividades: Integra o Programa de Pós Graduação stricto sensu em Saúde Pública e no Programa em Bioética, Ética aplicada e Saúde Coletiva (ENSP/Fiocruz). Oferece o Mestrado Profissional em Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (em parcerias institucionais) e; Curso de Especialização em Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde, etc. Coordena a Estação Observatório de Recursos Humanos em Saúde da ENSP- ObservaRH, que integra a Rede ObservaRH - SGTES/MS/OPAS. A Estação é referência nacional para a construção de ações governamentais na área de políticas e estudos sobre trabalhadores da saúde e profissionais da saúde, além da gestão do trabalho e da educação.

4 Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Principais Pesquisas realizadas: Estudos sociológicos sobre profissões de saúde; Estudos dos processos de trabalho em saúde, com enfoque nas questões gerenciais, legislativas, corporativas, sindicais e políticoinstitucionais (Brasil, Mercosul, América Latina e África); Estudos comparativos das profissões de saúde entre países; Estudos e construção de Perfis Profissionais; Estudos comparativos (internacional) sobre Regulação Profissional; Análise de Mercado de Trabalho (oferta, demanda, estrutura e dinâmica) Estudos sobre Educação, Formação em Saúde; Análises de modelos de formação e de gestão de pessoal da área da saúde; entre outros

5 Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Perfil dos Médicos no Brasil Perfil dos Dermatologistas no Brasil Perfil dos Pediatras no Brasil Perfil dos Nefrologistas no Brasil Perfil dos Urologistas no Brasil Perfil dos Ortopedistas no Brasil Pesquisa Avaliativa Programa Mais Médicos Perfil dos Médicos e Enfermeiros do PSF Pesquisa de Opinião dos Gestores do PSF Perfil dos Radiologistas no Brasil Situação das 14 profissões de saúde no Brasil Necessidades de Especialistas no Brasil Perfil dos Médicos da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte Os Enfermeiros no Mercosul: Recursos Humanos, Regulação e Formação Profissional Comparada Cooperativas de Trabalho Médico no Setor Saúde: um estudo exploratório

6 Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Diagnóstico dos Recursos Humanos em Saúde nos Estados e Municípios Fronteiriços com a América do Sul e Mercosul Perfil das Unidades de Recursos Humanos dos Ministérios da Saúde na América Latina e no Caribe Perfil Nacional dos Trabalhadores de Saúde na Nicarágua Mapeamento da Gestão do Trabalho em Saúde no Brasil e no Mercosul A Regulamentação das Profissões de Saúde Prioritárias no Mercosul Estudo do Processo de Regulação do Trabalho e da Educação das Profissões de Saúde nos países da América Latina e Caribe As profissões de saúde, territórios profissionais, disputas jurisdicionais e arenas conflitivas: um estudo comparativo Brasil e países da região

7 Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Pesquisas em andamento: As profissões de saúde, territórios profissionais, disputas jurisdicionais e arenas conflitivas: um estudo comparativo Brasil e países da região Pesquisa Avaliativa do Programa Mais Médicos PMM Perfil dos Anestesistas no Brasil PERFIL DA ENFERMAGEM NO BRASIL ESTAÇÃO OBSERVARH ENSP

8

9 A Pesquisa buscou conhecer e construir o Perfil da Enfermagem no Brasil, nos seus vários aspetos: sócio-demográfico, formação profissional, acesso técnico-científico, mercado de trabalho, condições de trabalho e vida política-associativa. Construiu assim o PERFIL: da Equipe de Enfermagem, Enfermeiros e Auxiliares/Técnicos de Enfermagem. Construiu o Perfil Profissional de mais de 1 milhão e 800 mil trabalhadores da Enfermagem. Foi realizada pela FIOCRUZ, em parceria com o COFEN. Essa Pesquisa foi financiada pelo COFEN. Teve Apoio da SGTES-MS e OPAS.

10 ASPECTOS METODOLÓGICOS

11 Universo e amostra Brasil e Rio de Janeiro Amostragem processo e variáveis Estratégias questionários, porte-pago/correios, questionário on line Dificuldades e estratégias para superá-las Pesquisa de Campo Banco de Amostras e Substituições Índice de Resposta Brasil e Rio de Janeiro

12 Rio de Janeiro

13 Rio de Janeiro Capital: Rio de Janeiro Pop. Estimada, 2014: Densidade demográfica: 365,23 hab/km² Rendimento nominal mensal domiciliar per capita: R$ N de municípios: 92 N de estabelecimentos de saúde: (Públicos: 20,0%)

14 PERFIL SÓCIO ECONÔMICO

15 Categoria Profissional Rio de Janeiro Enfermeiro 19,1% Técnico e/ou Auxiliar de Enfermagem 80,9% Brasil Técnico e/ou Auxiliar de Enfermagem 77,0% Enfermeiro 23,0% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

16 Sexo - Rio de Janeiro 82,3% 17,6% 0,1% 0,5% Masculino 14,4% Brasil Masculino Feminino Feminino 85,1% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

17 Idade - Rio de Janeiro Até 25 anos 9,6% anos anos 16,8% 15,9% Brasil anos anos 12,6% 14,0% Até 25 anos anos anos 7,6% 17,7% 20,3% anos anos 10,9% 10,7% anos anos anos 16,1% 13,2% 10,7% anos anos 2,7% 5,0% anos anos anos 1,6% 4,0% 7,5% anos 70 anos e mais 0,5% 0,4% 0,9% anos 0,3% 70 anos e 0,2% 0,8% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

18 Naturalidade - Rio de Janeiro Rondônia Pará Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo Paraná Rio Grande do Sul Mato Grosso do Sul Goiás Distrito Federal 0,1% 0,6% 0,4% 0,2% 0,8% 0,4% 0,8% 1,4% 0,2% 0,2% 0,8% 2,3% 1,0% 1,3% 0,1% 0,5% 0,1% 0,3% 0,2% 11,2% 77,2% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

19 Local de Residência - Rio de Janeiro 5,7% Interior 44,3% Capital 50,0% 2,3% Brasil Interior 40,9% Capital 56,8% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

20 Cor e Raça - Rio de Janeiro 41,0% 32,7% 19,8% Brasil 3,8% 1,6% 0,9% Branca Preta Amarela Parda Indígena Parda 42% Indígena 1% 2% Branca 42% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. Preta 11% Amarela 2%

21 Linhagem de Enfermagem - Rio de Janeiro 3,9% Não 49,1% Sim 47,0% 2,5% Brasil Não 50,9% Sim 46,6% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

22 PERFIL DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

23 Natureza da Instituição Formadora / Enfermeiros Rio de Janeiro 54,5% 40,6% 2,6% 0,0% 2,3% Pública Privada Filantrópica Outra Filantrópica 4,6% Outra 0,1% 2,3% Brasil Pública 35,6% Privada 57,4% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

24 Estados que formam Enfermeiros para Rio de Janeiro Maranhão Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Bahia Minas Gerais 0,3% 0,3% 0,2% 0,2% 0,3% 1,8% Rio de Janeiro 91,9% São Paulo Santa Catarina Rio Grande do Sul Goiás Distrito Federal 0,8% 0,2% 0,2% 0,2% 0,2% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

25 Modalidade do Curso de Graduação / Enfermeiros - Rio de Janeiro Diurno 34,5% Vespertino 5,5% Noturno 10,9% Integral 46,2% Diurno/Vespertino/Noturno 0,5% Diurno Brasil 39,5% Outra 0,0% Vespertino 8,4% 2,5% Noturno Integral 12,9% 36,6% Diurno/Vespertino/Noturno 0,5% Outra 0,1% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. 2,0%

26 Outra Graduação / Enfermeiros - Rio de Janeiro 3,8% Sim 8,3% Brasil Não 87,9% 3,5% Sim 8,3% Não 88,2% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

27 Enfermeiros com Curso Técnico ou Auxiliar de Enfermagem antes da Graduação - Rio de Janeiro 2,8% Não 52,4% Sim 44,9% 2,1% Brasil Sim 31,4% Não 66,5% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

28 Pós-Graduação / Enfermeiros - Rio de Janeiro 80,6% 3,7% Brasil 16,4% 3,1% Não 16,2% Sim Não Sim 80,1% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

29 Pós-Graduação / Enfermeiros - Rio de Janeiro 80,6% Modalidade de Pós-Graduação / Enfermeiros - Rio de Janeiro 16,4% 3,1% Residência 16,1% Sim Não Especialização 57,3% Mestrado Profissional 4,2% Mestrado Acadêmico 14,7% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. Doutorado 7,2% Pós-Doutorado 0,5%

30 Título de Especialista / Enfermeiros - Rio de Janeiro 7,5% Não 43,3% Sim 49,2% 7,1% Brasil Não 41,9% Sim 51,0% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

31 Nível de Escolaridade / Auxiliares e Técnicos de Enfermagem - Rio de Janeiro Primeiro Grau Incompleto 0,0% Primeiro Grau Completo 1,8% Segundo Grau Incompleto 2,6% Segundo Grau Completo 50,1% Nível Superior Incompleto 27,5% Primeiro Grau Incompleto 0,2% Brasil Nível Superior Completo 16,4% Primeiro Grau Completo 1,8% 1,6% Segundo Grau Incompleto Segundo Grau Completo 3,7% 57,7% Nível Superior Incompleto 22,8% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN Nível Superior Completo 2,4% 11,5%

32 Natureza da Instituição Formadora - Auxiliares e Técnicos de Enfermagem - Rio de Janeiro 70,0% 15,9% 8,1% 0,0% 6,0% Filantrópica 6,2% Outra 0,2% 5,7% Pública 16,0% Brasil Pública Privada Filantrópica Outra Privada 72,0% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

33 PERFIL DO ACESSO TÉCNICO- CIENTIFICO

34 Modalidades de Aprimoramento Profissional Mais Frequentes - Rio de Janeiro Eventos Científicos na Área de Enfermagem (Congressos, Seminários e Oficinas) 25,3% Estágios em Instituições de Saúde 10,4% Grupo de Estudos e de Pesquisas 10,6% Visitas Técnica/Observação 8,9% Internet 34,6% Telessaúde 6,5% Cursos 1,1% Leitura de livros e revistas Proficiência e outras iniciativas do Sistema COFEN/CORENs Outros 1,8% 0,4% 0,4% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

35 Aprimoramento Profissional nos últimos 12 meses - Rio de Janeiro 9,7% Não 40,2% Sim 50,1% 8,9% Brasil Não 43,6% Sim 47,5% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

36 Razões de não Aprimoramento Profissional - Rio de Janeiro Falta de condições financeiras 20,7% Alto custo da participação em eventos científicos 11,4% Falta de programa de treinamento no trabalho 8,6% Falta de tempo/motivação/estímulo 19,0% Dificuldade de acesso à informação Distância 4,3% 5,7% Dificuldades pessoais Dificuldade em parar de trabalhar Falta de apoio institucional 10,0% 9,8% 9,4% Problemas pessoais: desemprego, abandono profissão, aposentadoria etc. Outro 0,9% 0,0% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

37 PERFIL DO MERCADO DE TRABALHO

38 Situação Profissional - Rio de Janeiro Desempregado 5,9% Aposentado 1,6% Afastado 2,5% Abandonou a profissão 0,7% Ativo 89,2% Aposentado 1,4% Desempre Afastado 1,9% Abandonou a profissão 0,4% Brasil Ativo 91,8% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

39 Desemprego nos últimos 12 meses - Rio de Janeiro 8,6% Sim 11,5% Não 79,9% 5,7% Sim 10,1% Brasil Não 84,2% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

40 Desemprego nos últimos 12 meses Rio de Janeiro 8,6% Sim 11,5% Dificuldade de Encontrar Emprego - Rio de Janeiro 65,9% Não 79,9% 32,4% 1,8% Sim Não Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

41 Horas Trabalhadas / Semana - Rio de Janeiro Menos de 10 horas 0,8% horas 0,9% Brasil horas 0,3% Menos de 10 horas 1,8% horas 11,5% horas 0,9% horas 27,9% horas horas 0,6% 9,2% horas 30,7% horas 34,7% horas 11,2% horas 24,7% Mais de 80 horas 4,1% horas 10,5% 12,7% Mais de 80 horas 3,4% 14,1% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

42 Natureza da Instituição / Atividade Profissional - Rio de Janeiro Público Federal Público Estadual Público Municipal Estratégia de Saúde da Familia - ESF Privado Filantrópico Fundação privada Fundação pública de direito privado OSCIP OS Instituição de ensino/pesquisa Pós-Graduandos e bolsistas diversos Empresa de Assistência de Enfermagem Cooperativa Empresa de Medicina de Grupo Autônomo (conta própria) Enfermagem no domicílio - Homecare Consultório Particular Laboratório de Análises Clinicas/Centro de Voluntário Autarquia Federal (Sistema Cofen/Corens) Outro 0,8% 0,7% 1,8% 0,1% 3,6% 4,2% 0,2% 3,6% 1,3% 1,9% 0,0% 0,4% 2,2% 0,5% 0,0% 0,1% 0,4% 0,8% 18,9% 17,4% 19,6% 21,5% Público Federal Público Estadual Público Municipal Estratégia de Saúde da Familia - ESF Privado Filantrópico Fundação privada Fundação pública de direito privado OSCIP OS Instituição de ensino/pesquisa Pós-Graduandos e bolsistas diversos Empresa de Assistência de Enfermagem Cooperativa Empresa de Medicina de Grupo Autônomo (conta própria) Enfermagem no domicílio - Homecare Consultório Particular Laboratório de Análises Voluntário Autarquia Federal (Sistema Outro 1,7% 1,7% 0,1% 2,0% 3,7% 0,4% 2,6% 2,6% 1,6% 0,1% 0,4% 2,0% 0,4% 0,1% 0,1% 0,1% 0,4% 7,1% 11,2% Brasil 20,8% 18,6% 22,3% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

43 Vínculo no Setor Público - Rio de Janeiro Atividade Profissional / Setor Público - Rio de Janeiro 5,4% Estatutário Celetista Por tempo determinado 42,2% 44,6% 5,4% 12,3% 10,6% 8,8% 20,4% 13,1% 77,5% Não 24,5% Prestador de serviço 2,8% 4,7% 4,8% Sim 70,1% Cooperativado Fundação Privada 0,7% 5,9% 3,0% 0,6% 1,6% 1,6% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. Fundação Pública de Direito Privado OSCIP OS Outra 1,3% 4,2% 5,0% 0,5% 0,0% 0,1% 0,7% 4,4% 9,5% 1,6% 4,3% 7,6% Federal Estadual Municipal

44 Rendimento no Setor Público Rio de Janeiro Atividade Profissional / Setor Público Rio de Janeiro Menos de 680 reais* reais 4,9% 5,7% Não 24,5% 5,4% reais reais reais 9,1% 20,8% 24,2% Sim 70,1% reais reais 1,2% 8,2% reais 1,3% reais 0,4% reais 0,5% reais 0,3% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN reais 0,2% Mais de reais 0,0% 23,0% *Salário mínimo de 2013

45 Vínculo no Setor Privado - Rio de Janeiro Atividade Profissional / Setor Privado - Rio de Janeiro Celetista 52,4% 9,0% Sim 29,2% Por tempo determinado Sócio 0,7% 6,1% Proprietário 1,1% Não 61,9% Prestador de serviço 29,5% Cooperativado 7,6% Por conta própria 2,6% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. Outro 0,0%

46 Rendimento no Setor Privado Rio de Janeiro Atividade Profissional / Setor Privado - Rio de Janeiro Menos de 680 reais* reais 3,4% 19,4% reais 35,4% 9,0% Sim 29,2% reais reais 7,2% 2,0% reais 2,1% Não 61,9% reais reais 0,2% 0,7% reais 0,1% reais 0,2% reais 0,0% reais 0,0% Mais de reais 0,0% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. 29,3% *Salário mínimo de 2013

47 Vínculo no Setor Filantrópico - Rio de Janeiro Atividade Profissional / Setor Filantrópico - Rio de Janeiro 12,5% Sim 1,4% Celetista Por tempo determinado 17,8% 51,9% Sócio 2,7% Proprietário 0,0% Não 86,1% Prestador de serviço 15,1% Cooperativado 0,0% Por conta própria 0,0% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. Outro 12,4%

48 Rendimento no Setor Filantrópico - Rio de Janeiro Atividade Profissional / Setor Filantrópico Rio de Janeiro Menos de 680 reais* reais 0,0% 32,7% 12,5% Sim 1,4% reais reais reais 2,2% 14,6% 14,6% reais 0,0% reais 0,0% Não 86,1% reais 0,0% reais 0,0% reais 0,0% reais 2,2% reais 0,0% Mais de reais 0,0% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. *Salário mínimo de ,6%

49 Renda Total nas Atividades de Enfermagem - Rio de Janeiro Menos de 680 reais* 2,8% reais 10,8% reais reais reais reais reais 5,3% 2,4% 9,4% 18,2% 29,6% Menos de 680 reais* reais reais reais 1,8% 15,8% 16,0% Brasil 30,0% reais reais reais reais 1,7% 1,4% 0,8% 0,7% reais reais reais reais reais 6,8% 4,2% 2,3% 1,5% 1,0% reais Mais de reais 0,6% 0,1% 16,3% reais reais reais Mais de reais 0,6% 0,5% 0,5% 0,1% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN. 19,0% *Salário mínimo de 2013

50 Renda Total nas Atividades de Enfermagem Rio de Janeiro Equipe Enfermeiros Auxiliares e Técnicos de Enfermagem Menos de 680 reais* 2,8% 0,8% 3,4% reais 10,8% 3,4% 12,7% reais 29,6% 11,2% 34,2% reais 18,2% 16,7% 18,5% reais 9,4% 13,2% 8,5% reais 5,3% 11,5% 3,7% reais 2,4% 9,0% 0,7% reais 1,7% 7,0% 0,4% reais 1,4% 4,1% 0,7% reais 0,8% 3,8% 0,0% reais 0,7% 2,8% 0,2% reais 0,6% 3,1% 0,0% Mais de reais 0,1% 0,5% 0,0% 16,3% 13,0% 17,1% * Salário mínimo Ano base 2013 Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

51 Atividades mais Frequentes - Rio de Janeiro Docência Pesquisa Assistência Ambulatorial Assistência Hospitalar na Urgência e Assistência Hospitalar no Cuidado Assistência Hospitalar nos Cuidados Assistência Hospitalar Cuidados Paliativos Assistência Saúde Mental Vigilância em Saúde/Epidemiológica/Sanitária Plantão/Assistência Hospitalar e em Clínicas Administração e Supervisão de Trabalho na Comunidade/Palestras na Sociedade Trabalho em Serviços de Apoio a Diagnose e Trabalho em Casa de Parto/Centro de Nascimento Assistência de Enfermagem no Domicílio - Assistência de Enfermagem na Atendimento Particular Gestão no Nível Central/Auditoria/Administração Trabalho em Entidade de Classe/Fiscalização Voluntário Atividades fora da Central de Material e Esterilização (CME) Outro 3,0% 3,2% 2,9% 1,7% 3,1% 2,4% 0,2% 1,5% 2,5% 1,4% 3,0% 0,4% 0,2% 0,0% 0,4% 0,0% 0,1% 8,1% 8,3% 7,6% 12,9% 14,4% 22,4% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

52 PERFIL DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO

53 Tratamento com Cordialidade e Respeito Rio de Janeiro Superiores 60,6% Equipe de Saúde 65,2% Equipe de Enfermagem 65,8% População Usuária 42,7% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

54 Condições de Trabalho e Relacionamento - Rio de Janeiro Clima de confiança entre os colegas de trabalho 53,6% Conduta profissional respeitada no dia a dia pelos colegas de trabalho 70,8% Disponibilidade do chefe em ajudá-lo em situações de dificuldades Liberdade de se expressar com seus superiores 56,9% 58,1% Confiança da chefia em seu trabalho 76,2% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

55 Condições de Trabalho: proteção, assistência e retorno - Rio de Janeiro Proteção no ambiente de trabalho contra a violência 25,1% Em caso de doença é assistido na instituição que trabalha 39,1% População, familiares e pacientes demonstram satisfação com seu trabalho 69,2% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

56 Infraestrutura de descanso no local de trabalho - Rio de Janeiro Público 60,0% Privado 32,7% Filantrópico 40,4% Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

57 Avaliação das Condições de Trabalho - Rio de Janeiro 10,2% 36,4% 53,4% 2,9% 20,2% 76,9% 35,6% 46,9% 17,5% Excelente/Ótima/Boa Regular Péssima Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil FIOCRUZ/COFEN.

58 FUTURO DA PROFISSÃO

59 Vocação, do latim vocare, quer dizer chamado. Vocação é um chamado interior de amor: chamado de amor por um fazer. No lugar desse fazer o vocacionado quer fazer amor com o mundo. Psicologia de amante: faria, mesmo que não ganhasse nada. Rubens Alves Na vocação a pessoa encontra a felicidade na própria ação. No trabalho sem vocação o prazer se encontra não na ação. O prazer está no ganho que dela se deriva Esse, sem dúvida, não é o caso dos profissionais de enfermagem no Brasil!!!

60 VOCAÇÃO, AFETO E AMOR

61 A enfermagem é uma profissão linda, durante muito tempo pensei em desistir dela, mas ser enfermeira é ter oportunidades em todos os aspectos, visto que é uma área de amplos conhecimentos, mas infelizmente estamos fincados na desvalorização. A enfermagem está para o hospital, assim como o oxigênio está para a humanidade. Tire esses profissionais de suas funções e o que acontecerá? Amar ao próximo como a si mesmo. Amor a Deus e esperança, amando a Deus estamos amando ao próximo. Esperança de uma remuneração digna. Compromisso com o ser humano.

62 Conhecimento científico, autonomia, valorização. Crescimento com reconhecimento. Cuidar: dom de Deus. Lugar de Deus, porque é ele que nos dá Força para vencer nossos obstáculos, Saúde para o bem-estar. Anjos, quase santos, para aparecer de rosto lindo para pacientes impacientes. Dedicação e MUITO + MUITO amor ao próximo.

63 Amor Dom!! Sem isso, uma pessoa não fica na profissão por muito tempo. E isso ocorre devido a descaso com o trabalhador, falta de profissionais, salário baixo, desvalorização. Mas, isso tudo vale a pena ao ver o sorriso no rosto do usuário. Dom e muito amor!

64 TRISTEZA, CAOS E ABANDONO

65 Abismo total. Acredito que estamos na era da falência da profissão, ainda mais com a abertura para contratações de profissionais formados em nível superior, para trabalhar no lugar de técnicos, revoltante, colocando a profissão abaixo da linha de merecimento. Depressão, deveria ser amor, respeito ao outro, colaboração, mas o que nos espera é a depressão. Hérnia de disco e varizes. Desgosto e miséria.

66 Com as condições de trabalho atuais os profissionais de enfermagem estarão cada vez mais insatisfeitos, cansados, doentes e sem vida social. Os profissionais escolhem a profissão por falta de opção ou por ser um curso barato e fácil de ingressar, pois a enfermagem não possui nenhum atrativo: baixa remuneração, grande exigência e responsabilidade, excesso de trabalho e nenhum reconhecimento pela sociedade. Vejo no futuro da enfermagem uma busca pelas melhores condições de trabalho e valorização da profissão. Descaso e desrespeito por parte dos nossos governantes com a nossa categoria. Nas condições que se encontra, pior que diarista doméstica. Escravos na saúde. Invisível. Porque nós fazemos e não somos reconhecidos como deveríamos ser.

67 Desemprego e precarização do trabalho. Incerto, pois não tem trabalho para todos. Infelizmente... DESEMPREGO! Nem tenho palavras, pois não consigo trabalhar na área pra obter esta resposta. Não tenho uma palavra pela insatisfação que estou no momento.

68 Pobre e doente. Veja só, não dá para imaginar um futuro um mar de rosas, se nosso trabalho não é bem remunerado, se trabalhamos demais e não temos, muitas vezes, o que comer em casa.

69 ESPERANÇA E OTIMISMO

70 Esperança. A esperança é a ultima que morre. Desesperar, jamais! A enfermagem foi, é, será sempre uma profissão! Lutar pela visibilidade e conquista das 30 horas e, posteriormente, pelo piso nacional da categoria. Falta só poucos meses para eu me aposentar, mas desejo que as coisas melhorem. me sinto uma heroína ao chegar até aqui. Existe uma luz no fim do túnel, só depende de nós.

71 A enfermagem é e sempre será um grande grupo de guerreiros que luta pelo paciente a todo custo. A palavra = lutadores. Acredito que depois dessa pesquisa possa mudar a qualidade de trabalho da enfermagem. Esperança para uma mudança radical, seja no âmbito sócio-político na formulação e aprovação de projetos que tramitam eternamente no CN e nunca são aprovados. União da categoria para que juntos, possamos estabelecer essa mudança com participação cada vez mais efetiva de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem no cenário da política nacional.

72 Maravilhosa, desde que sejam avaliados muito bem os pontos citados neste questionário. Valorizem a profissão como se deve, pagando bem, fornecendo descansos menos desumanos, dando apoio psicológico, apoiando educação continuada, proporcionando mais Pós-Graduações acessíveis.

73 Créditos institucionais: Manoel Carlos Neri da Silva Presidente do COFEN Maria Antonieta Rubio Tyrrell Presidente atual do COREN Rio de Janeiro Pedro de Jesus Silva Presidente durante o período da Pesquisa Coordenação Institucional/Cofen Mirna Frota Dorisdaia de Humerez

74 Coordenação Geral da Pesquisa Maria Helena Machado

75 EQUIPE REGIONAL Coordenação Estadual da Pesquisa Rio de Janeiro Luiza Mara Correia Coordenação Regional da Pesquisa - Região Sudeste Mônica Wermelinger

76 Equipe técnica da pesquisa FIOCRUZ Maria Helena Machado (Coordenadora Geral) Eliane dos Santos Oliveira (Coordenadora Geral Adjunta) Paulo Roberto Borges Souza Júnior (estatístico) Waldirlando Rosa Lemos Mônica Wermelinger Monica Vieira Maria Ruth dos Santos Wilson Aguiar Filho Wagner Ferraz de Lacerda Everson Justino Cintia Maria Barbosa Edva Reis

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Equipe O NERHUS tem um corpo de pesquisadores e professores doutores, mestres

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Núcleo de Estudos e Pesquisas de Recursos Humanos em Saúde Equipe O NERHUS tem um corpo de pesquisadores e professores doutores, mestres

Leia mais

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO QUADROS RESUMOS SÃO PAULO Total de profissionais: 453.665 Enfermeiros: 105.438 Auxiliares e Técnicos de Enfermagem: 348.227 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SÃO PAULO BLOCO

Leia mais

Linhagem de Sim 46,6 Enfermagem Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil - 2013. FIOCRUZ/COFEN

Linhagem de Sim 46,6 Enfermagem Fonte: Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil - 2013. FIOCRUZ/COFEN 1 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM BRASIL BLOCO 1 Descrição (%) Distribuição por região Categoria profissional Sexo Faixa etária Fases de vida profissional Nacionalidade Município

Leia mais

Perfil da Enfermagem no Brasil

Perfil da Enfermagem no Brasil Perfil da Enfermagem no Brasil A Pesquisa buscou conhecer e construir o Perfil da Enfermagem no Brasil, nos seus vários aspetos: sócio-demográfico, formação profissional, acesso técnico-científico, mercado

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

PREENCHIDO EM: / /. REALIZAÇÃO:

PREENCHIDO EM: / /. REALIZAÇÃO: PREENCHIDO EM: / /. REALIZAÇÃO: MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SERGIO AROUCA CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM - COFEN ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM - ABEN

Leia mais

Psicólogo: o seu fazer nos interessa!

Psicólogo: o seu fazer nos interessa! Serviço de Enfrentamento à Violência, Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Pesquisa Online Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas Psicólogo: o seu fazer nos

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Experiencias del MERCOSUR: los recursos humanos y el sistema de salud del Brasil.

Experiencias del MERCOSUR: los recursos humanos y el sistema de salud del Brasil. Experiencias del MERCOSUR: los recursos humanos y el sistema de salud del Brasil. Maria Helena Machado Bogotá, 2011 O MERCOSUL Mercado Comum do Sul foi criado em 26 de março de 1991, com a assinatura do

Leia mais

FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM RECURSOS HUMANOS PARA A SAÚDE: A TRAJETÓRIA DA ENSP/FIOCRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA FUNDAÇÀO OSWALDO CRUZ

FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM RECURSOS HUMANOS PARA A SAÚDE: A TRAJETÓRIA DA ENSP/FIOCRUZ ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA FUNDAÇÀO OSWALDO CRUZ FORMAÇÃO DE ESPECIALISTAS EM RECURSOS HUMANOS PARA A SAÚDE: A TRAJETÓRIA DA ENSP/FIOCRUZ Ana Luiza Stiebler Vieira / Neuza Maria Nogueira Moysés / Sigrid Hoppe ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA FUNDAÇÀO

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS

VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS VISIBILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM: RECONHECENDO AS CONQUISTAS E LACUNAS Prof a. Dr a. Dorisdaia Carvalho de Humerez FORÇA DE TRABALHO NA ENFERMAGEM Na Saúde, 65% da Força de Trabalho é formada por profissionais

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA. Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira

POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA. Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira POLITICAS PÚBLICAS PARA A ENFERMAGEM BRASILEIRA Manoel Carlos Neri da Silva Leocarlos Cartaxo Moreira Brasília, 10 de dezembro de 2015 RESGATE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS DA PESQUISA PERFIL DA ENFERMAGEM

Leia mais

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO 1 PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO O Brasil conta hoje, com 254.886 médicos em atividade profissional (CFM, 2003). O contingente de radiologistas é da ordem de 5388, o que

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Outubro de 2012. Proposta para:

Outubro de 2012. Proposta para: Outubro de 2012 - Proposta para: Desafios da Primeira Infância: Proposta na Agenda Municipal_2 _Argumento Existe consenso entre especialistas de que os primeiros anos de vida são um período crucial nas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime Objetivo : Identificar, reconhecer, dar visibilidade e estimular o trabalho de ONGs que contribuem, em articulação com as políticas públicas de educação e de assistência social, para a educação integral

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Informações Gerais. Candidatos Inscritos: 13.641. Candidatos Aprovados: 1.518. Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99

Informações Gerais. Candidatos Inscritos: 13.641. Candidatos Aprovados: 1.518. Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99 Informações Gerais Candidatos Inscritos: 13.641 Candidatos s: 1.518 Demanda Geral (Inscritos/Vagas): 8,99 Taxa de Matrícula (Matriculados/Inscritos): 11,13% 1. 1. Sexo / 41. 37. Situacao 41. 37. Situacao

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS EDITAL PROCESSO SELETIVO 2013 - PROGRAMA NOSSAS CRIANÇAS O seguinte edital tem por objetivo convidar organizações da sociedade civil a participarem do processo de seleção de projetos para obtenção de apoio

Leia mais

PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS PESQUISA AVALIATIVA DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS A Pesquisa A Pesquisa Avaliativa do Programa Mais Médicos, buscará analisar o Programa desde sua implantação com a perspectiva de se ter o monitoramento de

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação!

Precisamos fortalecer cada vez mais nossa profissão. Através dos conselhos e de uma nova regulamentação! Resultado da pesquisa feita no dia 10/03/2014, através do Site do Conselho Regional de Relações Públicas 4ª Região, a respeito da Lei 6601/13. Foi disponibilizado uma enquete, com a seguinte pergunta:

Leia mais

A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz

A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz 2º Encontro de Educação a Distância para a Rd Rede de Escolas de Governo A Educação a Distância como Estratégia de Implementação de Política Pública: a experiência da EAD-ENSP/Fiocruz

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

I - QUESTIONÁRIO SÓCIO-ECONÔMICO-EDUCACIONAL 3 ASSINALE A ALTERNATIVA QUE IDENTIFICA A SUA COR OU RAÇA: 1 BRANCA 2 PRETA 3 PARDA 4 AMARELA 5 INDÍGENA

I - QUESTIONÁRIO SÓCIO-ECONÔMICO-EDUCACIONAL 3 ASSINALE A ALTERNATIVA QUE IDENTIFICA A SUA COR OU RAÇA: 1 BRANCA 2 PRETA 3 PARDA 4 AMARELA 5 INDÍGENA I - QUESTIONÁRIO SÓCIO-ECONÔMICO-EDUCACIONAL 1 SEXO: 1 MASCULINO 2 FEMININO 2 QUAL A SUA IDADE? 1 MENOS DE 16 ANOS 2 DE 16 A 18 ANOS 3 DE 19 A 21 ANOS 4 DE 22 A 25 ANOS 5 DE 26 A 30 ANOS 6 MAIS DE 31 ANOS

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Normas Acadêmicas do CEPE

Normas Acadêmicas do CEPE Normas Acadêmicas do CEPE A presente norma (diretriz) do CEPE (Centro de Estudos em Psicobiologia e Exercício) tem o objetivo de organizar e de sistematizar as atividades acadêmicas por ele desenvolvidas

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Enquete. Dia dos Professores

Enquete. Dia dos Professores Enquete Dia dos Professores No dia 15 de outubro será comemorado o dia do professor. Muito se fala que a profissão, apesar de muito importante, perdeu seu glamour e prestígio, sendo incapaz de atrair a

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Você é comprometido?

Você é comprometido? Você é comprometido? Não, isso não é uma cantada. O que o seu chefe quer saber é se você veste a camisa da organização. Você adora seu trabalho e desempenha suas funções com eficiência, mas não aposta

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Educação: Que futuro nos espera? Mozart Neves Ramos mozart@ias.org.br

Educação: Que futuro nos espera? Mozart Neves Ramos mozart@ias.org.br Educação: Que futuro nos espera? Mozart Neves Ramos mozart@ias.org.br PIB e anos de estudo Anos de estudo no Brasil Ano Anos de Estudo da população com 15 anos ou mais de idade 2000 5,0 2010 7,3 Impactos

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO

01 REGIÃO METROPOLITANA 03 ENDEREÇO IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência de Pesquisa Mensal PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PME 1.0 QUESTIONÁRIO DE MÃO-DE-OBRA

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI

QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI QUANTIDADE DE INSCRITOS NO SISTEMA COFECI-CRECI PESSOA JURÍDICA E PESSOA FÍSICA MARÇO/2015 Brasília - DF A KUSER S/A APRESENTA LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE CORRETORES DE IMÓVEIS, IMOBILIÁRIAS E DEMAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS

LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS LEVANTAMENTO DOS CRESS SOBRE QUADRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA DOS ESTADOS Informações enviadas pelos CRESS: 1ª. PA; 2ª. MA; 5ª. BA; 6ª.-MG; 7ª. RJ; 10ª. RS; 11ª. PR; 12ª-SC; 13ª.

Leia mais

Abril 2006. Idosos (%) Considera seu Estado de Saúde Bom ou Muito Bom. Considera seu Estado de Saúde Bom ou Muito Bom.

Abril 2006. Idosos (%) Considera seu Estado de Saúde Bom ou Muito Bom. Considera seu Estado de Saúde Bom ou Muito Bom. Rankings Estaduais da Saúde na Terceira Idade (%) Coordenador: Marcelo Neri Centro de Políticas Sociais do IBRE e da EPGE Fundação Getulio Vargas www.fgv.br/ibre/cps mcneri@fgv.br Abril 2006 1.18-5.76

Leia mais

MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL-FHA. Apresentação

MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL-FHA. Apresentação Av. São Paulo 3996 Vila Rosário Ibirité MG CEP:32400-000 Telefone: (31) 3521-9540- Fax: (31) 3521-9534 www.fundacaohantipoff.mg.gov.br MODELO DE QUESTIONÁRIO PROPOSTO PARA A PESQUISA DE CLIMA PESQUISA

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Caracterização da entidade e supervisão A Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos - PEAS, realizada em 2006, levantou informações sobre 16 089 entidades,

Leia mais

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul.

PROJETO TELESSAÚDERS. Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. PROJETO TELESSAÚDERS Projeto de Telemática e Telemedicina em Apoio à Atenção Primária à Saúde no Brasil: Núcleo Rio Grande do Sul. (TelessaúdeRS) O que é o TelessaúdeRS? É um serviço de suporte assistencial

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância Fundação Oswaldo Cruz ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICAP Educação a Distância Lucia Dupret Coordenação Geral Programa de Educação a Distância Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Fundação Oswaldo

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1

A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 A PARTICIPAÇÃO EM GRUPOS DE PESQUISAS E A OPORTUNIDADE DE CRESCIMENTO E VISIBILIDADE DA ENFERMAGEM 1 NASCIMENTO, Letícia 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; PIESZAK, Greice Machado 4 ; POTRICH, Tassiana 5 RESUMO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional NOTA TÉCNICA 24 2012 Programa de Curso Técnico em Prótese Dentária a Nível Nacional Proposta da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde SGETS/MS para pactuação na CIT de 26/07/2012 Introdução:

Leia mais

Institucional DIMENSÃO

Institucional DIMENSÃO Institucional DIMENSÃO INSTITUCIONAL 61 62 A responsabilidade pessoal e a cultura da paz Ninguém pode eximir-se de suas responsabilidades, imaginando que a violência sempre está no outro. No campo profissional

Leia mais

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br Fabiola Sulpino Vieira fabiolasulpino@uol.com.br Mercado Farmacêutico Mundial Entre 1980 e 1999 houve crescimento de 5 até quase 120 bilhões de dólares a preços constantes Em 1999, 15% da população mundial

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde

Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde Laboratório de Educação Profissional em Vigilância em Saúde A formação profissional dos trabalhadores em Vigilância Epidemiológica: contribuições de uma abordagem politécnica de educação Mauro de Lima

Leia mais

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão?

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão? Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: Formação e Qualificação, há h risco de apagão? Serviços de Atenção Domiciliar Einstein Perfil da Assistência Domiciliar Hoje Aumento das condições crônicas

Leia mais