SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS"

Transcrição

1 ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

2 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Martus Antônio Rodrigues Tavares INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Sérgio Besserman Vianna Diretor Executivo Nuno Duarte da Costa Bittencourt ÓRGÃOS ESPECÍFICOS SINGULARES Diretoria de Pesquisas Maria Martha Malard Mayer Diretoria de Geociências Guido Gelli Diretoria de Informática Paulo Roberto Ribeiro da Cunha Centro de Documentação e Disseminação de Informações David Wu Tai Escola Nacional de Ciências Estatísticas Kaizô Iwakami Beltrão UNIDADE RESPONSÁVEL Diretoria de Pesquisas Departamento de População e Indicadores Sociais Luiz Antônio Pinto de Oliveira

3 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

4 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Capa

5 Maria Martha Malard Mayer

6 Aspectos demográficos Saúde Educação Trabalho e rendimento Domicílio Família Crianças, adolescentes e jovens Idosos Desigualdades raciais Referências bibliográficas Glossário Anexos Apêndice

7 Aspectos demográficos Tabelas Gráficos

8 Saúde Tabelas Gráficos

9 Educação Tabelas Gráficos

10 Trabalho e rendimento Tabelas

11 Gráficos

12 Domicílio Tabelas

13 Gráficos Família Tabelas

14

15 Gráficos Crianças, adolescentes e jovens Tabelas

16 Gráficos Idosos Tabelas

17 Gráficos

18 Desigualdades raciais Tabelas

19 Gráficos Apêndice Tabelas

20

21

22

23

24 Tabela População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo as /1999 (continua) População residente Total Total Homens Mulheres 1992 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

25 Tabela População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo as /1999 (continuação) População residente Total Total Homens Mulheres 1999 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

26 Tabela População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo as /1999 População residente Situação do domicílio e sexo Urbana (continuação) Total Homens Mulheres 1992 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

27 Tabela População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo as /1999 População residente Situação do domicílio e sexo Urbana (continuação) Total Homens Mulheres 1999 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

28 Tabela População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo as /1999 População residente Situação do domicílio e sexo Rural (continuação) Total Homens Mulheres 1992 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

29 Tabela População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo as /1999 População residente Situação do domicílio e sexo Rural (conclusão) Total Homens Mulheres 1999 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. (1) Exclusive a população rural de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá. (2) Exclusive a população rural.

30 Tabela População residente, por grupos de idade, segundo as /1999 (continua) Total Menos de 1 ano População residente 1a 4 anos Grupos de idade 5e6 anos 7a9 anos 1992 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

31 Tabela População residente, por grupos de idade, segundo as /1999 (continuação) Total Menos de 1 ano População residente 1a 4 anos Grupos de idade 5e6 anos 7a9 anos 1999 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

32 Tabela População residente, por grupos de idade, segundo as /1999 (continuação) População residente 10a14 anos 15a17 anos Grupos de idade 18a19 anos 20a24 anos 25a29 anos 1992 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

33 Tabela População residente, por grupos de idade, segundo as /1999 (continuação) População residente 10a14 anos 15a17 anos Grupos de idade 18a19 anos 20a24 anos 25a29 anos 1999 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

34 Tabela População residente, por grupos de idade, segundo as /1999 (continuação) População residente 30a49 anos 50a59 anos Grupos de idade 60a64 anos 65a69 anos 70 anos e mais 1992 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal

35 Tabela População residente, por grupos de idade, segundo as /1999 (conclusão) População residente 30a49 anos 50a59 anos Grupos de idade 60a64 anos 65a69 anos 70 anos e mais 1999 Brasil (1) Norte (2) Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Região Metropolitana de Belém Amapá Tocantins Nordeste Maranhão Piauí Ceará Região Metropolitana de Fortaleza Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Região Metropolitana de Recife Alagoas Sergipe Bahia Região Metropolitana de Salvador Sudeste Minas Gerais Região Metropolitana de Belo Horizonte Espírito Santo Rio de Janeiro Região Metropolitana do Rio de Janeiro São Paulo Região Metropolitana de São Paulo Sul Paraná Região Metropolitana de Curitiba Santa Catarina Rio Grande do Sul Região Metropolitana de Porto Alegre Centro-Oeste Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. (1) Exclusive a população rural de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá. (2) Exclusive a população rural.

36 Tabela Taxa de urbanização, densidade populacional, razão de sexo e razão de dependência, segundo as /1999 (continua) Taxa de urbanização (%) Densidade populacional (hab./km²) Razão de sexo Razão de dependência 1992 Brasil (1) 78,0 17,0 96,3 64,1 Norte (2) ,0 76,6 Rondônia ,8 65,8 Acre ,9 76,1 Amazonas ,1 76,9 Roraima ,3 74,4 Pará ,9 79,0 Região Metropolitana de Belém ,8 57,2 Amapá ,8 82,3 Tocantins 61,9 3,4 103,0 85,6 Nordeste 61,2 27,6 95,0 78,7 Maranhão 41,4 15,0 98,9 95,9 Piauí 56,1 10,3 94,4 84,0 Ceará 62,5 44,2 94,1 79,1 Região Metropolitana de Fortaleza 97,4 701,0 90,5 65,7 Rio Grande do Norte 64,4 45,9 92,5 74,2 Paraíba 63,4 56,9 94,7 77,9 Pernambuco 74,0 72,5 91,7 71,6 Região Metropolitana de Recife 94, ,3 91,3 59,8 Alagoas 60,7 90,9 98,0 74,9 Sergipe 69,2 69,1 92,9 67,2 Bahia 60,1 21,2 96,1 78,7 Região Metropolitana de Salvador 97,2 831,6 92,9 59,7 Sudeste 88,3 68,7 96,4 57,0 Minas Gerais 75,6 27,1 97,1 63,8 Região Metropolitana de Belo Horizonte 92,9 606,4 93,5 57,4 Espírito Santo 72,8 57,4 102,1 63,1 Rio de Janeiro 95,0 294,5 91,9 51,8 Região Metropolitana do Rio de Janeiro 99, ,3 90,5 50,2 São Paulo 93,2 129,4 97,4 55,4 Região Metropolitana de São Paulo 98, ,2 93,9 53,1 Sul 74,8 38,9 97,3 57,6 Paraná 75,0 42,9 100,1 59,6 Região Metropolitana de Curitiba 94,6 161,6 95,7 57,2 Santa Catarina 69,8 48,4 98,6 57,9 Rio Grande do Sul 77,2 32,8 94,1 55,6 Região Metropolitana de Porto Alegre 96,1 499,4 90,0 53,7 Centro-Oeste 80,9 6,0 100,3 60,9 Mato Grosso do Sul 80,4 5,1 101,0 63,0 Mato Grosso 75,5 2,3 105,7 65,3 Goiás 78,4 12,2 101,3 59,1 Distrito Federal 94,4 285,1 90,7 57,9

37 Tabela Taxa de urbanização, densidade populacional, razão de sexo e razão de dependência, segundo as /1999 (conclusão) Taxa de urbanização (%) Densidade populacional (hab./km²) Razão de sexo Razão de dependência 1999 Brasil (1) 79,7 18,8 95,9 55,4 Norte (2) ,1 64,2 Rondônia ,2 56,2 Acre ,3 66,9 Amazonas ,4 63,1 Roraima ,6 63,3 Pará ,4 66,6 Região Metropolitana de Belém... 86,0 48,3 Amapá ,9 69,0 Tocantins 64,1 4,1 102,9 68,2 Nordeste 63,6 29,8 95,8 65,4 Maranhão 43,6 16,3 98,3 74,6 Piauí 57,5 10,9 93,5 66,9 Ceará 67,0 48,7 95,1 67,7 Região Metropolitana de Fortaleza 97,6 819,8 88,2 56,3 Rio Grande do Norte 65,5 49,9 96,5 61,3 Paraíba 66,1 59,7 92,5 64,3 Pernambuco 76,3 76,8 93,4 63,5 Região Metropolitana de Recife 93, ,8 90,5 51,8 Alagoas 65,3 97,3 93,2 65,2 Sergipe 70,1 78,0 94,9 62,4 Bahia 61,6 23,0 98,4 63,1 Região Metropolitana de Salvador 96,4 930,1 89,6 46,6 Sudeste 88,7 75,6 94,9 49,8 Minas Gerais 77,0 29,5 98,1 54,4 Região Metropolitana de Belo Horizonte 90,2 695,5 92,2 48,2 Espírito Santo 75,5 63,8 101,7 53,7 Rio de Janeiro 94,9 315,1 90,0 47,6 Região Metropolitana do Rio de Janeiro 99, ,9 88,9 45,9 São Paulo 93,0 144,5 94,7 48,3 Região Metropolitana de São Paulo 98, ,8 92,9 47,0 Sul 78,4 42,5 97,4 52,6 Paraná 79,7 47,1 97,5 53,9 Região Metropolitana de Curitiba 91,9 197,3 95,7 49,0 Santa Catarina 73,3 53,6 101,8 52,0 Rio Grande do Sul 79,6 35,4 95,1 51,8 Região Metropolitana de Porto Alegre 95,1 552,4 90,1 49,0 Centro-Oeste 81,8 7,0 98,3 52,6 Mato Grosso do Sul 83,5 5,7 97,7 55,8 Mato Grosso 74,1 2,6 103,9 53,9 Goiás 81,2 14,3 98,4 52,8 Distrito Federal 91,0 340,2 92,0 47,3 Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. (1) Exclusive a população rural de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá. (2) Exclusive a população rural.

38 Tabela Taxa de fecundidade total, taxa bruta de natalidade, taxa bruta de mortalidade e esperança de vida ao nascer, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação /1999 Grandes Regiões e Taxa de fecundidade Taxa bruta de natalidade Taxa bruta de mortalidade Unidades da Federação total (%o) (%o) Esperança de vida ao nascer (continua) Total Homens Mulheres 1992 Brasil 2,7 23,0 7,5 66,3 62,8 70,1 Norte 3,8 31,4 6,3 65,8 63,2 69,0 Rondônia 3,2 28,5 5,8 65,7 62,8 68,6 Acre 4,3 33,8 6,7 65,6 62,8 68,5 Amazonas 3,9 32,1 5,9 66,3 63,5 69,1 Roraima 4,3 34,8 6,3 64,9 62,0 67,9 Pará 3,9 31,1 6,4 66,2 63,3 69,2 Amapá 4,5 36,5 6,0 66,5 63,7 69,5 Tocantins 3,8 30,9 6,9 65,8 63,1 68,6 Nordeste 3,2 26,3 9,1 63,1 60,2 66,1 Maranhão 3,9 29,8 8,5 62,3 58,9 65,8 Piauí 3,2 25,8 9,5 63,0 59,8 66,3 Ceará 3,5 27,8 9,3 63,7 60,6 67,0 Rio Grande do Norte 3,0 25,4 9,7 63,8 60,7 67,0 Paraíba 3,2 25,9 10,9 61,7 59,0 64,6 Pernambuco 2,7 23,1 10,2 60,9 58,3 63,7 Alagoas 3,7 30,4 10,0 60,4 57,6 63,4 Sergipe 3,3 27,4 8,3 64,6 61,7 67,5 Bahia 3,2 25,3 7,9 65,1 62,2 68,0 Sudeste 2,2 19,9 7,2 67,8 63,8 72,3 Minas Gerais 2,5 21,2 7,0 68,0 64,7 71,4 Espírito Santo 2,5 22,0 6,5 68,0 64,5 71,7 Rio de Janeiro 2,1 18,3 8,8 66,2 61,2 71,5 São Paulo 2,2 19,8 6,8 68,7 64,4 73,1 Sul 2,4 21,0 6,6 69,1 65,6 72,9 Paraná 2,5 22,3 6,6 68,0 64,8 71,3 Santa Catarina 2,5 21,9 5,9 69,5 66,0 73,2 Rio Grande do Sul 2,3 19,4 7,0 70,0 66,1 74,0 Centro-Oeste 2,5 23,7 5,9 67,3 64,3 70,7 Mato Grosso do Sul 2,7 24,1 6,2 68,0 64,9 71,1 Mato Grosso 2,9 26,3 5,8 66,7 63,7 69,7 Goiás 2,4 22,9 6,2 67,5 64,4 70,7 Distrito Federal 2,2 22,3 5,1 67,7 64,0 71,6

39 Tabela Taxa de fecundidade total, taxa bruta de natalidade, taxa bruta de mortalidade e esperança de vida ao nascer, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação /1999 Grandes Regiões e Taxa de fecundidade Taxa bruta de natalidade Taxa bruta de mortalidade Unidades da Federação total (%o) (%o) Esperança de vida ao nascer (conclusão) Total Homens Mulheres 1999 Brasil 2,3 21,2 6,9 68,4 64,6 72,3 Norte 3,1 29,0 5,4 68,2 65,3 71,4 Rondônia 2,8 26,0 5,3 68,0 65,0 71,0 Acre 3,4 29,8 6,2 68,0 65,1 71,0 Amazonas 3,4 31,6 5,3 68,5 65,7 71,5 Roraima 3,3 30,5 5,4 67,2 64,2 70,4 Pará 3,1 28,4 5,4 68,4 65,4 71,6 Amapá 3,2 30,8 5,1 68,7 65,7 71,9 Tocantins 3,0 28,6 5,9 68,1 65,3 71,0 Nordeste 2,6 24,3 7,7 65,5 62,4 68,5 Maranhão 2,9 26,4 7,4 64,5 61,0 68,2 Piauí 2,5 24,2 7,4 65,3 62,1 68,8 Ceará 3,0 27,2 7,7 66,1 62,8 69,4 Rio Grande do Norte 2,5 23,3 7,9 66,1 63,0 69,4 Paraíba 2,5 23,9 9,1 64,1 61,3 67,0 Pernambuco 2,3 21,9 8,9 63,4 60,7 66,1 Alagoas 3,0 28,6 8,3 62,8 60,0 65,8 Sergipe 2,8 25,8 6,9 66,9 64,0 69,9 Bahia 2,4 22,4 6,9 67,4 64,4 70,5 Sudeste 2,1 18,7 7,1 69,4 64,9 74,1 Minas Gerais 2,2 19,6 6,5 70,1 66,6 73,8 Espírito Santo 2,1 19,9 6,1 70,0 66,2 73,9 Rio de Janeiro 1,9 16,8 8,7 67,5 61,9 73,3 São Paulo 2,1 19,0 6,8 69,9 65,3 74,6 Sul 2,2 18,7 6,4 70,8 67,1 74,8 Paraná 2,2 19,9 6,2 70,0 66,7 73,5 Santa Catarina 2,2 18,8 5,8 71,1 67,3 75,1 Rio Grande do Sul 2,1 17,6 6,9 71,4 67,3 75,7 Centro-Oeste 2,2 20,9 5,6 69,2 66,0 72,7 Mato Grosso do Sul 2,3 21,2 5,7 70,1 67,0 73,3 Mato Grosso 2,5 23,0 5,2 68,9 65,8 72,0 Goiás 2,0 19,6 5,8 69,3 66,1 72,7 Distrito Federal 2,0 21,4 5,4 68,8 64,8 73,0 Fonte: Projeto UNFPA/BRASIL (BRA/98/PO8), Sistema Integrado de Projeções e Estimativas Populacionais e Indicadores Sociodemográficos.

40 Tabela 1.5 -Taxa de fecundidade das mulheres de 15 a49 anos de idade,por anos de estudo, segundo as Grandes Regiões -1992/1999 Grandes Regiões Taxa de fecundidade das mulheres de 15 a49 anos de idade,por anos de estudo Menos de 4anos 4a7anos 8anos emais 1992 Brasil (1) 3,6 2,5 1,7 Norte (2) 3,9 3,2 2,2 Nordeste 4,4 3,0 1,9 Sudeste 3,0 2,3 1,7 Sul 3,3 2,5 1,8 Centro-Oeste 2,7 2,3 1, Brasil (1) 3,1 2,6 1,6 Norte (2) 3,4 2,9 1,9 Nordeste 3,4 2,7 1,7 Sudeste 2,8 2,5 1,6 Sul 3,4 2,8 1,9 Centro-Oeste 2,3 2,3 1,9 Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. Nota: Dados calculados apartir dos filhos tidos nascidos vivos nos últimos 12 meses. (1) Exclusive apopulação rural de Rondônia, Acre,Amazonas, Roraima, Pará eamapá. (2) Exclusive apopulação rural. Tabela 1.6 -Distribuição relativa da população residente, por Grandes Regiões de residência atual ede nascimento -1992/1999 Grandes Regiões de nascimento Distribuição relativa da população residente,por Grandes Regiões de residência atual Norte (1) Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste 1992 Norte (1) 79,1 0,2 0,2 0,1 1,3 Nordeste 11,1 97,9 8,7 1,1 10,8 Sudeste 3,6 1,4 87,6 4,6 13,4 Sul 2,4 0,2 2,1 93,4 5,6 Centro-Oeste 3,6 0,2 0,5 0,3 68,5 Sem declaração (2) 0,2 0,1 0,9 0,5 0, Norte (1) 81,8 0,3 0,2 0,1 1,9 Nordeste 9,8 97,7 8,9 1,1 11,1 Sudeste 3,0 1,6 87,3 4,1 12,0 Sul 2,1 0,1 2,1 94,0 4,7 Centro-Oeste 3,0 0,2 0,6 0,3 70,0 Sem declaração (2) 0,3 0,0 0,8 0,4 0,3 Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. (1) Exclusive apopulação rural. (2) Inclusive estrangeiros.

41 Tabela 1.7 -Emigrantes, total edistribuição relativa, por Grandes Regiões de residência atual ede nascimento -1992/1999 Grandes Regiões de nascimento Total Emigrantes Distribuição relativa, por Grandes Regiões de residência atual Norte (1) Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste 1992 Norte (1) ,5 36,1 3,2 33,2 Nordeste ,7-73,2 3,3 13,8 Sudeste ,4 18,9-32,7 41,0 Sul ,5 3,7 62,7-26,1 Centro-Oeste ,7 11,5 46,8 9, Norte (1) ,5 29,7 4,1 40,7 Nordeste ,3-73,0 3,0 14,7 Sudeste ,3 22,4-29,9 40,4 Sul ,4 3,0 65,7-23,8 Centro-Oeste ,0 10,9 51,4 9,7 - Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. (1) Exclusive apopulação rural. Tabela 1.8 -Projeção da população total, absoluta erelativa, por grupos etários Brasil -2000/2025 Projeção da população total Grupos etários Absoluta Relativa Absoluta Relativa Absoluta Relativa Total , , ,0 0a 4anos , , ,1 5a 9anos , , ,0 10a14 anos , , ,7 15 a29 anos , , ,2 30 a59 anos , , ,7 60 a69 anos , , ,6 70 anos emais , , ,8 Projeção da população total Grupos etários Absoluta Relativa Absoluta Relativa Absoluta Relativa Total , , ,0 0a 4anos , , ,8 5a 9anos , , ,7 10a14 anos , , ,7 15 a29 anos , , ,9 30 a59 anos , , ,0 60 a69 anos , , ,1 70 anos emais , , ,7 Fonte: Projeto UNFPA/BRASIL (BRA/98/PO8), Sistema Integrado de Projeções eestimativas Populacionais eindicadores Sociodemográficos.

42 Gráfico 1.1 -População residente, por sexo egrupos de idade Brasil -1992/ emais 75 a79 70 a74 65 a69 60 a64 55 a59 50 a54 Homens Mulheres Anos de idade 45 a49 40 a44 35 a39 30 a34 25 a29 20 a24 15 a19 10a14 5a9 0a4 15,0 10,0 5,0 0,0 5,0 10,0 15, Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. Gráfico 1.2 -Esperança de vida ao nascer do sexo masculino, por Grandes Regiões -1992/ ,6 65,3 62,8 63,2 60,2 62,4 63,8 64,9 65,6 67,1 66,0 64,3 Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Fonte: Projeto UNFPA/BRASIL (BRA/98/PO8), Sistema Integrado de Projeções eestimativas Populacionais e Indicadores Sociodemográficos.

43 70,1 Gráfico 1.3 -Esperança de vida ao nascer do sexo feminino, por Grandes Regiões 1992/ ,3 71,4 69,0 66,1 68,5 74,1 74,8 72,3 72,9 70,7 72,7 Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Fonte: Projeto UNFPA/BRASIL (BRA/98/PO8), Sistema Integrado de Projeções eestimativas Populacionais e Indicadores Sociodemográficos. Rio de Janeiro São Paulo Distrito Federal Rio Grande do Sul Goiás Santa Catarina Minas Gerais Paraná Espírito Santo Mato Grosso do Sul Pernambuco Mato Grosso Rio Grande do Norte Bahia Piauí Rondônia Paraíba Sergipe Ceará Alagoas Tocantins Pará Maranhão Amazonas Acre Roraima Amapá Gráfico 1.4 -Taxa de fecundidade total, por Unidades da Federação 1992/1999 4,3 4,5 4,3 3,8 3,9 3,9 3,9 3,5 3,7 3,2 3,2 3,2 3,2 3,3 2,9 3,0 2,7 2,7 2,3 2,4 2,5 2,5 2,5 2,5 2,1 2,2 2, ,9 2,0 2,0 2,1 2,1 2,1 2,2 2,2 2,2 2,3 2,3 2,4 2,5 2,5 2,5 2,5 2,8 2,8 2,9 3,0 3,0 3,0 3,1 3,2 3,3 3,4 3,4 Rio de Janeiro Goiás Distrito Federal Rio Grande do Sul São Paulo Espírito Santo Santa Catarina Minas Gerais Paraná Pernambuco Mato Grosso do Sul Bahia Mato Grosso Piauí Paraíba Rio Grande do Norte Sergipe Rondônia Maranhão Alagoas Ceará Tocantins Pará Amapá Roraima Amazonas Acre Fonte: Projeto UNFPA/BRASIL (BRA/98/PO8), Sistema Integrado de Projeções eestimativas Populacionais e Indicadores Sociodemográficos.

44 % Gráfico 1.5 -Taxas de fecundidade das mulheres de 15 a49 anos de idade, por anos de estudo -Brasil -1992/1999 3,6 3,1 2,5 2,6 1,7 1,6 Menos de 4anos 4a7anos 8anos emais Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. % Gráfico 1.6 -Razão de sexo erazão de dependência Brasil -1992/ ,3 95,9 64,1 55,4 Razão de sexo Razão de dependência Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM.

45 % Gráfico 1.7 -Proporção de emigrantes em relação aos naturais, por Grandes Regiões -1992/ ,2 15,9 9,0 8,9 9,7 10,0 6,8 7,4 5,4 5,2 Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM. % Gráfico 1.8 -Distribuição relativa dos emigrantes, por Grandes Regiões de nascimento -1992/ ,5 55,1 22,7 21,5 14,9 14,4 2,7 3,4 5,2 5,6 Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Fontes: Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM.

46

47

48

49

50 Tabela 2.1 -Taxas de mortalidade infantil, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação /1999 (continua) Grandes Regiões e Unidades da Federação Taxas de mortalidade infantil (por 1000 nascidos vivos) 1992 Brasil 44,3 Norte 40,7 Rondônia 38,5 Acre 50,9 Amazonas 36,3 Roraima 41,7 Pará 41,8 Amapá 35,3 Tocantins 39,4 Nordeste 65,2 Maranhão 70,7 Piauí 58,7 Ceará 64,6 Rio Grande do Norte 63,7 Paraíba 75,3 Pernambuco 69,9 Alagoas 90,0 Sergipe 60,0 Bahia 57,9 Sudeste 30,0 Minas Gerais 35,3 Espírito Santo 31,8 Rio de Janeiro 30,1 São Paulo 27,8 Sul 25,7 Paraná 32,4 Santa Catarina 27,4 Rio Grande do Sul 22,2 Centro-Oeste 30,4 Mato Grosso do Sul 30,0 Mato Grosso 33,8 Goiás 31,0 Distrito Federal 27,9

51 Tabela Taxas de mortalidade infantil, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação /1999 (conclusão) Grandes Regiões e Unidades da Federação Taxas de mortalidade infantil (por nascidos vivos) 1999 Brasil 34,6 Norte 34,1 Rondônia 31,6 Acre 44,2 Amazonas 31,8 Roraima 38,3 Pará 34,6 Amapá 31,7 Tocantins 33,0 Nordeste 53,0 Maranhão 54,2 Piauí 45,3 Ceará 52,4 Rio Grande do Norte 48,7 Paraíba 60,3 Pernambuco 58,2 Alagoas 66,1 Sergipe 45,5 Bahia 45,4 Sudeste 24,4 Minas Gerais 26,3 Espírito Santo 26,0 Rio de Janeiro 24,4 São Paulo 21,9 Sul 20,7 Paraná 24,3 Santa Catarina 22,2 Rio Grande do Sul 18,4 Centro-Oeste 24,5 Mato Grosso do Sul 24,4 Mato Grosso 27,5 Goiás 25,0 Distrito Federal 22,6 Fontes: IBGE, Censo Demográfico 1991; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM.

52 Tabela Taxas de mortalidade de crianças menores de 5 anos de idade, por anos de estudo da mãe, segundo as Grandes Regiões /1999 Grandes Regiões e Unidades da Federação Taxas de mortalidade de crianças menores de 5 anos de idade, por anos de estudo da mãe (por nascidos vivos) Até 4 anos 4 a 7 anos 8 anos e mais 1992 Brasil 113,1 53,7 31,5 Norte 71,4 50,2 41,3 Nordeste 139,9 92,0 47,9 Sudeste 91,4 44,6 26,0 Sul 86,0 43,8 20,8 Centro-Oeste 82,7 40,2 27, Brasil 93,0 47,4 29,7 Norte 60,2 55,1 37,4 Nordeste 124,7 69,5 45,0 Sudeste 62,3 35,4 24,4 Sul 74,9 36,2 18,5 Centro-Oeste 68,1 36,6 24,3 Fontes: IBGE, Censo Demográfico 1991; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1992: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM; Pesquisa nacional por amostra de domicílios 1999: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, CD-ROM.

53 Tabela Mortalidade proporcional, por algumas causas, da população de menos de 1 ano de idade, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação /1998 (continua) Grandes Regiões e Unidades da Federação Mortalidade proporcional, por algumas causas, da população de menos de 1 ano de idade (%) Doenças infecciosas e parasitárias Doenças respiratórias Afecções perinatais 1992 Brasil 13,5 10,4 41,5 Norte 15,5 9,1 40,2 Rondônia 12,8 8,1 52,3 Acre 21,2 9,5 35,5 Amazonas 11,9 7,5 35,8 Roraima 20,1 10,9 41,4 Pará 17,1 10,4 39,4 Amapá 12,9 8,3 64,5 Tocantins 16,9 8,7 32,1 Nordeste 17,6 6,8 28,8 Maranhão 19,8 6,0 44,2 Piauí 23,3 8,5 44,9 Ceará 19,6 6,5 22,6 Rio Grande do Norte 17,2 5,8 35,7 Paraíba 12,3 6,6 20,8 Pernambuco 13,9 6,3 26,4 Alagoas 16,0 5,2 18,4 Sergipe 16,4 6,1 45,6 Bahia 23,2 8,3 32,7 Sudeste 10,3 12,9 50,6 Minas Gerais 13,0 11,3 47,6 Espírito Santo 9,4 7,2 43,6 Rio de Janeiro 9,8 11,6 53,5 São Paulo 9,1 15,0 51,7 Sul 11,1 13,0 44,1 Paraná 13,2 11,0 42,1 Santa Catarina 9,0 14,3 42,5 Rio Grande do Sul 9,1 15,1 47,7 Centro-Oeste 14,3 10,2 48,3 Mato Grosso do Sul 15,0 12,2 44,3 Mato Grosso 20,3 11,9 42,9 Goiás 14,7 8,1 50,8 Distrito Federal 6,9 10,2 53,8

54 Tabela Mortalidade proporcional, por algumas causas, da população de menos de 1 ano de idade, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação /1998 (continuação) Grandes Regiões e Unidades da Federação Mortalidade proporcional, por algumas causas, da população de menos de 1 ano de idade (%) Doenças infecciosas e parasitárias Doenças respiratórias Afecções perinatais 1998 Brasil 11,0 8,0 50,7 Norte 11,1 6,2 52,9 Rondônia 11,1 5,6 58,1 Acre 10,4 8,0 42,5 Amazonas 9,8 5,8 55,8 Roraima 18,0 5,1 37,1 Pará 10,9 6,6 50,9 Amapá 6,1 2,1 72,9 Tocantins 17,6 8,3 47,1 Nordeste 16,3 6,9 41,0 Maranhão 10,5 5,7 50,2 Piauí 11,3 6,3 58,6 Ceará 24,4 8,3 38,0 Rio Grande do Norte 13,1 6,6 45,6 Paraíba 12,3 5,5 37,6 Pernambuco 15,6 6,1 35,9 Alagoas 19,8 7,4 30,8 Sergipe 13,3 4,6 56,6 Bahia 13,6 8,0 45,4 Sudeste 7,6 8,8 58,1 Minas Gerais 9,2 8,4 58,5 Espírito Santo 8,5 5,8 54,8 Rio de Janeiro 8,6 8,6 58,2 São Paulo 6,4 9,3 58,1 Sul 8,1 10,0 49,3 Paraná 9,1 9,4 50,1 Santa Catarina 7,3 6,5 50,1 Rio Grande do Sul 7,2 12,7 47,7 Centro-Oeste 8,7 6,9 55,3 Mato Grosso do Sul 9,0 9,8 52,7 Mato Grosso 11,7 8,7 54,6 Goiás 8,8 5,8 56,9 Distrito Federal 4,1 3,0 56,3

55 Tabela Mortalidade proporcional, por algumas causas, da população de menos de 1 ano de idade, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação /1998 Mortalidade proporcional, por algumas causas, da população Grandes Regiões de menos de 1 ano de idade (%) e Unidades da Federação Causas maldefinidas Outras (continuação) 1992 Brasil 18,2 16,4 Norte 22,8 12,4 Rondônia 12,7 14,0 Acre 21,4 12,5 Amazonas 35,2 9,6 Roraima 8,6 19,0 Pará 21,0 12,1 Amapá 0,5 13,8 Tocantins 23,9 18,4 Nordeste 36,9 9,9 Maranhão 17,5 12,5 Piauí 9,2 14,0 Ceará 44,0 7,3 Rio Grande do Norte 31,2 10,2 Paraíba 52,1 8,1 Pernambuco 45,6 7,8 Alagoas 53,8 6,5 Sergipe 15,4 16,5 Bahia 22,4 13,3 Sudeste 6,1 20,1 Minas Gerais 9,2 19,0 Espírito Santo 16,4 23,4 Rio de Janeiro 5,6 19,5 São Paulo 3,6 20,6 Sul 8,3 23,4 Paraná 10,1 23,5 Santa Catarina 11,6 22,6 Rio Grande do Sul 4,2 23,8 Centro-Oeste 8,1 19,1 Mato Grosso do Sul 8,6 19,8 Mato Grosso 15,3 9,7 Goiás 8,1 18,3 Distrito Federal 0,6 28,5

56 Tabela Mortalidade proporcional, por algumas causas, da população de menos de 1 ano de idade, segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação /1998 Mortalidade proporcional, por algumas causas, da população Grandes Regiões de menos de 1 ano de idade (%) e Unidades da Federação Causas maldefinidas Outras (conclusão) 1998 Brasil 11,9 18,5 Norte 15,2 14,6 Rondônia 8,7 16,5 Acre 28,9 10,2 Amazonas 14,5 14,1 Roraima 2,8 37,1 Pará 18,5 13,0 Amapá 4,6 14,3 Tocantins 9,4 17,6 Nordeste 22,3 13,5 Maranhão 20,5 13,1 Piauí 9,2 14,7 Ceará 13,3 16,1 Rio Grande do Norte 13,2 21,5 Paraíba 35,0 9,7 Pernambuco 30,0 12,4 Alagoas 33,1 8,9 Sergipe 15,6 9,8 Bahia 18,0 15,1 Sudeste 4,9 20,6 Minas Gerais 6,8 17,0 Espírito Santo 11,1 19,8 Rio de Janeiro 5,3 19,3 São Paulo 3,2 22,9 Sul 6,3 26,3 Paraná 5,7 25,7 Santa Catarina 9,7 26,4 Rio Grande do Sul 5,4 27,0 Centro-Oeste 5,9 23,1 Mato Grosso do Sul 7,4 21,1 Mato Grosso 4,5 20,5 Goiás 7,2 21,2 Distrito Federal 3,0 33,5 Fonte: Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde, Coordenação de Informação de Informática do Sistema Único de Saúde, Coordenação de Informações de Saúde, Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos.

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social Oferta de vagas por instituição UNIVERSIDADES FEDERAIS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE 408 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 636 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA ISSN 2319-0205 Edição: 01/14 COMÉRCIO VAREJISTA PARAENSE EM JANEIRO DE 2014 O Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (IDESP), com base nas informações

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Seminário sobre Educação Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil MEC - SESU/CAPES DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Maria Isabel Parahyba Coordenação de População e Indicadores

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica. erfil dos dosos esponsáveis D. pelos omicílios no rasil

INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica. erfil dos dosos esponsáveis D. pelos omicílios no rasil ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 9 p erfil dos dosos esponsáveis D i R pelos omicílios no rasil 2000 b Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro do Planejamento,

Leia mais

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA JOÃO ELOI OLENIKE GILBERTO LUIZ DO AMARAL LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL FERNANDO STEINBRUCH

Leia mais

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul *

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Marilene Dias Bandeira UFRGS - Fundação de Economia e Estatística Palavras-chave: mortalidade; causas de morte; tendências da mortalidade. O objetivo deste

Leia mais

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO 1 ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO - O IPVA é o tributo estadual, cuja arrecadação é a segunda mais importante, depois do ICMS; - A estimativa de arrecadação de IPVA (Imposto

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2013 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2013 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2013 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014

Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual. Julho 2014 Ranking de salário e benefícios dos Tribunais de Justiça Estadual Julho 2014 SS JUSTIÇA MG SS Justiça MG Julho 2014 Tabela 1 Tribunais de Justiça Estadual posicionados conforme Vencimento Básico Vencimentos

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55 Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo...... 55 Distribuição relativa (%) de imigrantes bolivianos no Estado de São Paulo em 20 I O..._... 62 Distribuição relativa

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios T RABALHO I NFANTIL 2 0 0 1 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Cursos de Graduação a Distância

Cursos de Graduação a Distância de Graduação a Distância 427 428 7 - de Graduação a Distância 7.1 -,,, por Vestibular e Outros Processos Seletivos (*), e nos de Graduação a Distância, segundo as Instituições Brasil 2004 (continua) Instituições

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n.º 229/2015-SIC/DIREX/DPF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Salvador / Ba 2010 Superintendência de Estudos Sociais da Bahia - SEI Diretoria de Pesquisas DIPEQ Coordenação de Pesquisas Sociais COPES RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Workshop: A Base de

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010 ATLAS de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil 1991 a 2010 Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde Representação no Brasil Atlas de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF)

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) O BOXPLOT Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) Introdução O boxplot é um gráfico construído com base no resumo dos cinco números, constituído por: Valor mínimo Primeiro quartil

Leia mais

Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social. Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011

Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social. Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011 Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011 Censo Demográfico 2010 Brasil População: 190 755 799 habitantes Brasil - População e taxa média geométrica de

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Sentiram discriminação...

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 SETEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Classificação dos Países

Classificação dos Países Indicadores Sociais: Os indicadores sociais são meios utilizados para designar os países como sendo: Ricos (desenvolvidos), Em Desenvolvimento (economia emergente) ou Pobres (subdesenvolvidos). Com isso,

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula. Política de Desenvolvimento Econômico. Aula 2. Contextualização Política de Desenvolvimento Econômico Aula 2 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Organização da Aula Aspectos conceituais do desenvolvimento regional Mudanças no conceito de região Regionalização brasileira

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

46.051 46.051 S 3 1 90 0 100 46.051

46.051 46.051 S 3 1 90 0 100 46.051 UNIDADE : 14102 - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ACRE UNIDADE : 14105 - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA BAHIA 0570 GESTAO DO PROCESSO ELEITORAL 50.468 0570 GESTAO DO PROCESSO ELEITORAL 107.350 50.468 RES,

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2013 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime Objetivo : Identificar, reconhecer, dar visibilidade e estimular o trabalho de ONGs que contribuem, em articulação com as políticas públicas de educação e de assistência social, para a educação integral

Leia mais