As Leis da Termodinâmica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Leis da Termodinâmica"

Transcrição

1 As Leis da Termodinâmia Gabarito Parte I: esposta da questão 1: a) P 0.V0 PV x xx = = x xv V = x m. P0 V0 = PV x = P() 2 x 2 P= x x 2, atm 2, x N/m = = = = b) 1, 1, A: U UA = QA A ΔU = Q C: UC U = 0 (isotérmia) UD UA = QA A + QCD CD CD: UD UC = QCD CD UA UD = QA + A QCD + CD UA UD = ( 0) + ( 00 ) = 20 kj = 20 kj. Comentário: Estranhamente as duas soluções não hegaram ao mesmo valor. Isso oorreu porque o examinador simplesmente hutou os valores dos alores troados nas transformações A e CD, respetivamente, 00 kj e 0 kj. Os dados estão inoerentes. Vamos orrigir os valores e tornar a questão oerente. esposta da questão 2: Calulando o trabalho realizado na expansão A ( A ): Como a transformação é isobária (pressão onstante), o trabalho pode ser obtido pelo produto da pressão pela variação do volume. Assim: pa VA p V 0, 1 TA A : = = T = T = T A () I. TA T TA T 0, TA C: TC = T = ( isotérmia ) ( II ). pc VC pd VD 2 0, 0, TC 1 C D: = = T D = TD = T C ( III ). TC TD TC TD 2 A = pa ΔVA = ( 1 0,) = 0,7 = 2,8 = 280 J A = 280 kj. espondendo à segunda pergunta do enuniado, que é a variação da energia interna na transformação DA. 1ª Solução: 2 2 Dados: pa = N/m ;pd = 2 N/m ; N/m 2 ; V A = 0, m ; V D = 0, m Para um gás monoatômio, ideal, a energia interna é dada por: UA pav = A U= n T = pv 2 ( ) UA UD = ( pava pdv D) UD = pdvd 2 = 0, 2 0, = 1,2 1 0, = 0 kj. 2ª Solução: Usando a primeira lei da termodinâmia, que paree ser a sugestão do enuniado. Dados: Q A = +00 kj (alor reebido); Q CD = 0 kj (alor edido) Apliando a equação geral nas diversas transformações: Combinando (I) e (III): 1 TD = TA = T A TD = T A. 12 Usando a equação do alor sensível, alulamos a relação entre os alores troados nas transformações A e CD: 7 QA = m TA T A QA m TA = Q= m ΔT ( ) - QCD = m TA T A QCD = m T A 7 QA QA 7 QA 1 = = - - QCD - QCD = QCD 1 QA = - Q CD. Para que as duas soluções heguem ao mesmo resultado, retomemos a expressão da variação da energia interna da 1ª solução, lembrando que a resposta orreta é 0 kj. UA UD = QA + A QCD + CD 0= QA QCD 00 0= QA QCD = QA Q CD QA + QCD = 0. Montando o sistema: QA + QCD = QCD + QCD = -0 QCD = -0 QA = - Q CD. Da resposta da pergunta anterior, A = 280 kj. O trabalho na transformação CD é: CD = pcd ( ΔVCD) = 2 ( 0, 2) = CD = 00 kj (ompressão). QCD = -70 kj. 1 QAD = - (-70) QAD = 700 kj. Portanto, a questão fia orreta om o enuniado abaixo, om os valores orrigidos destaados: Determinada massa de gás monoatômio ideal sofre a transformação ília ACDA mostrada no gráfio. As Página 1

2 transformações A e CD são isobárias, C é isotérmia e DA é adiabátia. Considere que, na transformação A, 700 kj de alor tenham sidos forneidos ao gás e que, na transformação CD, ele tenha perdido 70 kj de alor para o meio externo. esposta da questão : Questão anulada no gabarito ofiial. O enuniado apresenta um valor inorreto do alor espeífio molar a volume onstante. Segundo a relação de Mayer C P C V =, e omo podemos observar, os valores apresentados não onvergem om essa relação. P V C C = /2 2/ = 11/ Por esse motivo a questão foi anulada. Porém, devemos ressaltar que aso utilizássemos os valores apresentados no enuniado enontraríamos uma das alternativas. Vejamos qual: Calulo do trabalho do gás no ilo O trabalho no ilo é numeriamente igual à área do ilo, assim sendo, temos: = (2 1)..(0, 0,2) = 2. J Calulando as temperaturas do gás no estado, C e D. P V P V P V P V = = = θ θ θ θ A A C C D D A C D Comparando o gás nos estados A e : P V A A θ A PV 1. VA 2. V = = θ (22+ 27) θ θ = 2.00= 00K θ = 00K Comparando o gás nos estados e C: = PV PCVC 0,2 0, = = θc = 2000K θ θc 00 θc Comparando o gás nos estados C e D: θc PD V = D θd = (2000) θ θ D = 00K D Cálulo da quantidade de alor absorvido (Q AS. ) pelo gás: Proesso A : QV = n.c V.ΔθA Q V =.(2/).8.(00 00) Q V =. J Proesso C: QP = n.c P.ΔθC Q P =.(/2).8.( ) QP = J Nos proessos C D e D A o gás rejeita alor para o ambiente (Q<0). Assim, o alor absorvido (Q AS. ) é dado por: Q AS. =. +. =. J Calulando o rendimento da máquina térmia: η= QAS. η 18% esposta da questão : η= 2. 0,18 (/). = Do texto da questão: ao aqueer uma parte de um orpo marosópio e o isolarmos termiamente, a temperatura deste se torna gradualmente uniforme, jamais se observando o ontrário, o que india a direionalidade do tempo. O texto se refere à entropia de um sistema, ou melhor, ao aumento da entropia dos sistemas termodinâmios, o que é demonstrado pela segunda lei da termodinâmia que nos diz: nuna será observado, om o passar do tempo, um aúmulo de energia térmia em apenas um ponto do orpo. Dessa forma, distribuir uniformemente a temperatura de um sistema isolado é um proesso irreversível, pois oorre espontaneamente, ao ontrário do aúmulo de energia, que preisa ser um proesso forçado, ou seja, requer a atuação de uma fonte de energia externa ao sistema para oorrer. esposta da questão : [] A análise do diagrama dado permite onluir que a energia total (E) liberada na queima do ombustível é E= E= 1,2 J. Como a queima de 1 kg de querosene libera J, temos a massa m desse ombustível onsumido em ada ilo é: J 1 kg 1,2 m= m= 0,2 kg. 1,2 J m kg esposta da questão : a) Dados: n = 1 mol; P A ; V A ; P C ; V C e. Estado A: Da equação de Clapeyron: Página 2

3 PA VA PA VA = n T A PA VA = 1 T A T A=. Estado : O proesso A é isotérmio (T = T A ) e o proesso C é isoório (V = V C ). P V PA VA PA VA = P VC = PA V A P =. T TA VC Estado C: Da equação de Clapeyron: = n T C = 1 T C T C=. Estado D: O proesso CD é isotérmio (T D = T C ) e o proesso DA é isoório (V D = V A ). PD VD = PD VA = PC V C P =. TD TC VA A C D P V T P V P A PA VA VC P C VA V A V C V C V A A A PA VA Dados: A = 00J;CD = 0Je UDA = 70J. Primeira Lei da Termodinâmia: U= Q. Vamos aos álulos literais: O proesso A é uma expansão ( A > 0) isotérmia ( U A = 0) UA = QA A 0= QA A QA = A = 00 J. O proesso C é um resfriamento ( U C = - U DA = -70 J) isoório ( C = 0) UC = QC C UC = QC 0 QC = UC = 70 J. Q (J) U (J) (J) A C CD DA esposta da questão 7: [] A segunda lei da Termodinâmia afirma: É impossível uma máquina Térmia, operando em ilos, transformar integralmente alor em trabalho. Em termos de álulo, ela pode ser traduzida pela expressão do ilo de Carnot, que dá o máximo rendimento ( η ) possível para uma máquina térmia operando em ilos entre uma fonte quente e uma fonte fria, respetivamente, a temperaturas absolutas T 1 e T 2 : T2 η= 1. T1 Para transformar integralmente alor em trabalho, o rendimento teria que ser igual η= 1. Nesse aso: T2 T2 1= 1 = 0 T2 = 0 K. T1 T1 Ou seja, temperatura da fonte fria deveria ser zero absoluto, o que é um absurdo. esposta da questão 8: A Primeira Lei da Termodinâmia diz que a variação da energia interna de um gás é a diferença entre o alor que ele troa om o meio e o trabalho que realiza ( Δ U= Q ). Quando a temperatura se mantém onstante, a variação da energia interna é nula e o alor troado é igual ao trabalho realizado. No diagrama P x V, o trabalho é numeriamente igual à área ompreendida entre a urva representativa do gráfio e o eixo V. Como Δ U= 0, então Q= O proesso CD é uma ompressão ( CD = -0 J) isotérmia ( U CD = 0) U = Q 0= Q Q = = 0 J. CD CD CD CD CD CD CD O proesso DA é um aqueimento ( U DA = 70 J) isoório ( DA = 0) U = Q U = Q 0 Q = U = 70 J. DA DA DA DA DA DA DA esposta da questão 9: a) No proesso isoório (volume onstante) (a b): Variação do volume: ΔV ab = V b V a = 0 Variação da pressão: ΔP ab = P b P a = (1,0,0) ΔP ab = 2,0 Pa. Página

4 No proesso isobário (pressão onstante) (b ): Variação do volume: ΔV b = V V b = (,0 2,0) 2 ΔV ab =,0 2 m. Variação da pressão: ΔP b = P P b = 0. Apliando a equação geral dos gases entree os estados a e. se trata de um sistema onservativo, mesmo quando a órbita é não irular. Assim, não há transformação de alor em trabalho ou vie-versa, não violando, portanto, a segunda lei da termodinâmia, qualquer que seja o sentido de giro do satélite. esposta da questão 12: 2 PaVa PV 2 1 = = T T T T a a = Ta = T T T a b) Sendo Q a quantidade de alor troado, ΔU a variação da energia interna e o trabalho realizado entre dois estados, a 1ª lei da termodinâmia nos dá: Q = ΔU +. Como mostrado no item anterior, a temperatura do gás nos estados a e são iguais, portanto a variação da energia interna entre esses dois estados é nula (ΔU a = 0). Então: Q a = a = ab + b. Mas a transformação ab é isoória ab = 0. Então: Q a = b = P ( V b ) = 1,0,0 2 Q a =,0 J. esposta da questão : [A] A frequênia de operação é 0 ilos/s, ou seja, 0 Hz. Notemos ainda que, no eixo das absissas o volume está em litro. (1 L = m ). 2 Ta = 1. T esposta da questão 1: a) mgd. b) Q - mgd. esposta da questão 1: h = 0,2 m. esposta da questão : [E] esposta da questão 1: [D] esposta da questão 17: a) T A 29 K. b),1. 2 J. ) T C 29 K. esposta da questão 18: a) 1 o - P 0, 2V 0, 2T 0 2 o - P 0 /2, 2V 0, T 0 o - P 0, V 0, T 0 b) Observe a figura a seguir: Calulando o trabalho ( ilo ) em ada ilo. Como se trata de um ilo no sentido horário, o trabalho realizado é positivo, sendo numeriamente igual á área interna do ilo. ilo = "Área" = ( 0, 0,2)( 2 1) ilo = 0 J. O trabalho total () em 0 ilos é: = 0 0 = 1.00 J. Calulando a potênia do sistema: 1.00 J P = = P= t 1 s esposta da questão 19: Observe a figura a seguir: esposta da questão 11: [] A segunda lei da termodinâmia envolve a transformação de alor em trabalho. Dos proessos dados, o únio que não envolve realização de trabalho é o movimento de um satélite em órbita, pois Página

5 esposta da questão 20: Observe a figura a seguir: Apliando a equação geral para os estados final e iniial: PV P0V0 8 0 = T T T 0 T = 2 ºC = T = 98 K 299 esposta da questão : [] Gabarito Parte II: esposta da questão 1: 2 Dados: 1 atm= N/m. a) O trabalho no ilo é dado pela área do ilo. ilo = 1 0, ,02 b) Como se trata de uma transformação isobária, a variação da energia interna pode ser alulada pela expressão: UA = P VA = 0,0 2 2 U = J. A ) Apliando a 1ª lei da termodinâmia para transformação A: ilo =.000 J. QA = A + UA = P VA = 0, = QA = J. a esposta da questão 2: Sem gabarito ofiial. A questão foi lassifiada omo de difiuldade ELEVADA e UIM por não apresentar nenhuma opção orreta. Vamos, então, a uma solução fitíia, puramente matemátia: Dados: V 0= 00 ml; = 2; P 0= 1 atm; T 0= 2 C = 299 K; V = 0,2 V 0= 0,2(00) = 0 ml. Apliando a equação de uma transformação adiabátia para as situações final e iniial: PV = P0V 0 P( 0) ( 2 = P ) = ( 20 ) 20 P = 20 P= 2 = P= 8 atm. Página

Termodinâmica. www.nsaulasparticulares.com.br Página 1 de 20

Termodinâmica. www.nsaulasparticulares.com.br Página 1 de 20 Termodinâmica 1. (Uem 2012) Sobre o consumo e a transformação da energia, assinale o que for correto. 01) Ao realizar exercícios físicos, é possível sentir a temperatura do corpo aumentar. Isso ocorre

Leia mais

Preencha a tabela a seguir, de acordo com as informações do texto.

Preencha a tabela a seguir, de acordo com as informações do texto. 1. Uma amostra de um gás está contida em um cilindro ao qual se adapta um êmbolo. A figura a seguir mostra o diagrama pressão X volume das transformações sofridas pelo gás. A energia interna do gás no

Leia mais

FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica

FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica FISICA PARA ENSINO MÉDIO: EJA EDUCAÇÃO de JOVENS e ADULTOS PARTE-3: TERMOLOGIA: Termodinâmica TERMODINÂMICA 1. Definiçoes: Parte da Física que estuda as relações entre calor e trabalho em dado sistema.

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

LISTA da UNESP 2ª FASE PROFESSOR ANDRÉ

LISTA da UNESP 2ª FASE PROFESSOR ANDRÉ LISTA da UNESP ª FASE PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unesp 01) Dois automóveis estão parados em um semáforo para pedestres localizado em uma rua plana e retilínea. Considere o eixo x paralelo à rua e orientado para

Leia mais

F.x. P.A.x. U nrt PV AULAS 12 A 16

F.x. P.A.x. U nrt PV AULAS 12 A 16 Física Frente III CAPÍTULO 5 - TERMODINÂMICA AULAS 1 A 16 Introdução A Termodinâmica é o ramo da física que estuda as relações entre calor, temperatura, trabalho e energia. Todo estudo na termodinâmica

Leia mais

QUESTÕES ANALÍTICAS. Física. Prof. Gisoldi. kg h. = 33 rpm que permanece constante. O coeficiente de atrito. 2, sendo k = g 10 m/s ; =

QUESTÕES ANALÍTICAS. Física. Prof. Gisoldi. kg h. = 33 rpm que permanece constante. O coeficiente de atrito. 2, sendo k = g 10 m/s ; = QUESTÕES ANALÍTICAS Prof. Gisoldi 1. (Unicamp 01) O prêmio Nobel de Física de 011 foi concedido a três astrônomos que verificaram a expansão acelerada do universo a partir da observação de supernovas distantes.

Leia mais

Preparação na Potência Máxima Página 1

Preparação na Potência Máxima Página 1 Gases e Termodinâmica 1) A figura a seguir representa dois reservatórios cilíndricos providos de êmbolos de massa desprezível, com mesma área de base e que contêm o mesmo número de mols de um gás ideal.

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica

Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Lista de Exercícios - Unidade 10 Entropia e a segunda lei da termodinâmica Segunda Lei da Termodinâmica 1. (UECE 2009) Imagine um sistema termicamente isolado, composto por cilindros conectados por uma

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Conreto Prof..S. Riardo Ferreira O traço Prof..S. Riardo Ferreira Fonte: Dario Dafio Eletrobras Furnas www.ement.org Traço 3/23 A expressão da proporção dos materiais omponentes de uma omposição partiular

Leia mais

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados

Metodologia de Cálculo da Inércia Inflacionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados Metodologia de Cálulo da Inéria Inflaionária e dos Efeitos do Choque dos Preços Administrados I. Introdução Esta nota apresenta a metodologia usada atualmente para quantifiar o efeito, via inéria, da inflação

Leia mais

Exercícios de Termodinâmica

Exercícios de Termodinâmica Exercícios de Termodinâmica 1-Uma massa gasosa, inicialmente num estado A, sofre duas transformações sucessivas e passa para um estado C. A partir do estado A esse gás sofre uma transformação isobárica

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA

2- TRABALHO NUMA TRANSFORMAÇÃO GASOSA 4-1ª LEI DA TERMODINÂMICA AULA 07 ERMODINÂMICA GASES 1- INRODUÇÃO As variáveis de estado de um gás são: volume, pressão e temperatura. Um gás sofre uma transformação quando pelo menos uma das variáveis de estado é alterada. Numa

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. Questão 49. alternativa C. alternativa A. alternativa B

Questão 46. Questão 47. Questão 48. Questão 49. alternativa C. alternativa A. alternativa B Questão 46 Um ferreiro golpeia, com a marreta, uma lâmina de ferro, em ritmo uniforme, a cada 0,9 s. Um observador afastado desse ferreiro vê, com um binóculo, a marreta atingir o ferro e ouve o som das

Leia mais

UFRGS 2010 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA

UFRGS 2010 RESOLUÇÃO DA PROVA DE FÍSICA RESOLUÇÃO DA PROVA DE Prof. Giovane Irribarem de Mello Instrução: As questões 01 e 02 estão relacionadas ao texto abaixo. O ano de 2009 foi proclamado pela UNESCO o Ano Internacional da Astronomia para

Leia mais

= = = F. cal AULA 05 TERMOMETRIA E CALORIMETRIA CALOR É ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO DE UM CORPO PARA OUTRO, DEVIDO A UMA DIFERENÇA DE TEMPERATURA.

= = = F. cal AULA 05 TERMOMETRIA E CALORIMETRIA CALOR É ENERGIA TÉRMICA EM TRÂNSITO DE UM CORPO PARA OUTRO, DEVIDO A UMA DIFERENÇA DE TEMPERATURA. AULA 05 TERMOMETRIA E ALORIMETRIA 1- TEMPERATURA Todos os corpos são constituídos de partículas, a olho nu nos parece que essas partículas estão em repouso, porém as mesmas têm movimento. Quanto mais agitadas

Leia mais

LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA de GASES e TERMODINÂMICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ug 01)O ntrogêno líqudo é requentemente utlzado em sstemas crogêncos, para trabalhar a baxas temperaturas. A gura a segur lustra um reservatóro de 100

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 24 2010

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 24 2010 A Segunda Lei da Termodinâmica A segunda lei da termodinâmica é essencialmente diferente da primeira lei, pois trata de uma questão sobre a qual a primeira lei nada diz, que é a da direção tomada por um

Leia mais

Módulo Editorial Exercícios Resolvidos de Termometria

Módulo Editorial Exercícios Resolvidos de Termometria 1. Observe na tabela os valores das temperaturas dos pontos críticos de fusão e de ebulição, respectivamente, do gelo e da água, à pressão de 1 atm, nas escalas Celsius e Kelvin. Temperatura Pontos críticos

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO

COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO COMENTÁRIOS DA PROVA DE FÍSICA DO SSA-UPE 2 ANO 23. Leia o seguinte texto: Considere que esse grande espelho, acima da camada da atmosfera, estará em órbita geoestacionária. Com base nessas informações,

Leia mais

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 =

C.(30 20) + 200.1.(30 20) + 125.0,2.(30 130) = + 2000 2500 = PROVA DE FÍSIA 2º ANO - AUMULATIVA - 1º TRIMESTRE TIPO A 1) Assinale verdadeiro (V) ou falso (F) para as seguintes afirmativas. (F) Os iglus, embora feitos de gelo, possibilitam aos esquimós neles residirem,

Leia mais

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4

p A = p B = = ρgh = h = Por outro lado, dado que a massa total de fluido despejada foi m, temos M 1 m = ρ(v 1 + V 2 ) = ρ 4 H + πd2 4 h = H = 4 Q1 (,5) Um pistão é constituído por um disco ao qual se ajusta um tubo oco cilíndrico de diâmetro d. O pistão está adaptado a um recipiente cilíndrico de diâmetro D. massa do pistão com o tubo é M e ele

Leia mais

o oxigênio comporta-se B como um gás ideal de massa molar M = 32 g, calcule a temperatura T do sistema.

o oxigênio comporta-se B como um gás ideal de massa molar M = 32 g, calcule a temperatura T do sistema. Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA

FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA FENÔMENOS DE TRANSPORTE 2 CONDICIONAMENTO DE AR E PSICOMETRIA DEFINIÇÃO "Ar condicionado é um processo de tratamento de ar, que visa controlar simultaneamente a temperatura, a umidade, a pureza e a distribuição

Leia mais

GGE RESPONDE ITA 2012 QUÍMICA 1

GGE RESPONDE ITA 2012 QUÍMICA 1 0. Uma amostra de 0 - g de um determinado omposto orgânio é dissolvida em 00 ml de água a 5 C, resultando numa solução de pressão osmótia 0,07 atm. Pode-se afirmar, então, que o omposto orgânio é o (a).

Leia mais

Atividade Complementar Plano de Estudo

Atividade Complementar Plano de Estudo 1. (Uerj 2014) Um sistema é constituído por uma pequena esfera metálica e pela água contida em um reservatório. Na tabela, estão apresentados dados das partes do sistema, antes de a esfera ser inteiramente

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

PROCESSO SELETIVO / UNIFAL/ 2008/2 QUÍMICA GABARITO FINAL COM DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS. Questão 1. H= - 1412 kj

PROCESSO SELETIVO / UNIFAL/ 2008/2 QUÍMICA GABARITO FINAL COM DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS. Questão 1. H= - 1412 kj QUÍMICA GABARIT FINAL CM DISTRIBUIÇÃ DS PNTS Questão 1 a) C 2 C 2 + 3 2 2C 2 + 2 2 ( 6 pontos) b) p.v C2 = n C2.R.T p= 1atm; V C2 =98 L; T=25+273=298K n C2 =(p.v C2 )/ (R.T) n C2 =(1.98)/ (0,082.298) moles

Leia mais

a) Incorreta. Os corpos podem apresentar velocidades diferentes de mesmo sentido e ainda assim colidir posteriormente.

a) Incorreta. Os corpos podem apresentar velocidades diferentes de mesmo sentido e ainda assim colidir posteriormente. FÍS 10 A - AULA 8 8.01 a) ncorreta. Os corpos podem apresentar elocidades diferentes de mesmo sentido e ainda assim colidir posteriormente. b) ncorreta. Se o módulo da elocidade de afastamento for maior

Leia mais

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

EXERCíCIOS CAPÍTULOS 3 E 4

EXERCíCIOS CAPÍTULOS 3 E 4 EXERCíCIOS CAPÍTULOS E 4 1. Considere um sistema de omuniações em banda base analógio om AWGN. O anal não introduz distorção e a densidade espetral de potênia do ruído é N 0 /2 é igual a 10-9 W/Hz. O sinal

Leia mais

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20 Um tanque rígido com 0,5 m contém hidrogênio à 20 º C e 600 kpa esta conectado com outro tanque rígido com 0,5 m também com hidrogênio. A pressão e a temperatura nesse segundo tanque são de 0 º C e 150

Leia mais

UNIDADES EM QUÍMICA UNIDADES SI COMPRIMENTO E MASSA

UNIDADES EM QUÍMICA UNIDADES SI COMPRIMENTO E MASSA UNIDADES EM QUÍMICA O sistema métrico, criado e adotado na França durante a revolução francesa, é o sistema de unidades de medida adotada pela maioria dos paises em todo o mundo. UNIDADES SI Em 1960, houve

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais

Sumário do Volume. Linguagens e Códigos Digitais Linguagens e ódigos igitais Sumário do Volume 1. Gráfios de geografia 05 2. Homotetia 08 3. ivisão Áurea 13 4. Sequênia de Fionai 14 5. Fratais 18 6. álulo de área de figuras planas 28 7. Semana de arte

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Termoquímica Energia e Trabalho Energia é a habilidade ou capacidade de produzir trabalho. Mecânica; Elétrica; Calor; Nuclear; Química. Trabalho Trabalho mecânico

Leia mais

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração

Medição de temperatura Comparação de termómetros Calibração Temperatura Fundamentos teóricos A temperatura é uma grandeza que caracteriza os sistemas termodinâmicos em equilíbrio térmico. Por definição, dois sistemas em equilíbrio térmico estão à mesma temperatura.

Leia mais

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas Aula 7 Sumário Conjunto de instruções Coneitos Instruções típias O onjunto de instruções Bibliografia: Cap. do livro de teto ses.. a. ISA Instrution Set Arhiteture Conjunto de instruções Alguns oneitos...

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

QUÍMICA. 3. (FCC BA) A reação abaixo pode ser classificada como endotérmica ou exotérmica? Justifique H2(g) + ½ O2(g) H2O(g) + 242kJ

QUÍMICA. 3. (FCC BA) A reação abaixo pode ser classificada como endotérmica ou exotérmica? Justifique H2(g) + ½ O2(g) H2O(g) + 242kJ QUÍMICA Prof. Arthur LISTA DE EXERCÍCIOS - 2.8: TERMOQUÍMICA 1. (UFMG-MG) O gás natural (metano) é um combustível utilizado, em usinas termelétricas, na geração de eletricidade, a partir da energia liberada

Leia mais

MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. MCSDI Modelação e Controlo de Sistemas Dinâmicos. Exercícios de.

MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. MCSDI Modelação e Controlo de Sistemas Dinâmicos. Exercícios de. EEC rado Engnharia Elroénia d Copuador CDI odlação Conrolo d ia Dinâio Exríio d Função Driiva Conuno d xríio laborado plo don Joé Tnriro ahado JT, anul ano ilva, Víor Rodrigu da Cunha VRC Jorg Erla da

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Comportamento Inter-temporal de Consumo

Comportamento Inter-temporal de Consumo Comportamento Inter-temporal de Consumo... 1 A Restrição Orçamental do Consumidor... 2 As Preferênias Inter-temporais do Consumidor... 5 O Equilíbrio Inter-temporal do Consumidor... 6 O Estudo de Consequênias

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

Livro 01 Resolvidos de Calorimetria

Livro 01 Resolvidos de Calorimetria 1. Um sistema é constituído por uma pequena esfera metálica e pela água contida em um reservatório. Na tabela, estão apresentados dados das partes do sistema, antes de a esfera ser inteiramente submersa

Leia mais

PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA

PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA Física Prof. Deidimar Alves Brissi www.deidimar.pro.br 1. (Ufrj) A figura representa, num diagrama p-v, uma expansão de um gás ideal entre dois estados de equilíbrio termodinâmico,

Leia mais

Linguagem da Termodinâmica

Linguagem da Termodinâmica Linguagem da Termodinâmica Termodinâmica N A = 6,022 10 23 Ramo da Física que estuda sistemas que contêm um grande nº de partículas constituintes (átomos, moléculas, iões,...), a partir da observação das

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

Potencial Elétrico. e dividindo-se pela carga de prova q 0 temos o campo elétrico E:

Potencial Elétrico. e dividindo-se pela carga de prova q 0 temos o campo elétrico E: Potencial Elétrico Quando estudamos campo elétrico nas aulas passadas, vimos que ele pode ser definido em termos da força elétrica F que uma carga q exerce sobre uma carga de prova q 0. Essa força é, pela

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12

LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12 LISTA DE RECUPERAÇÃO 3º ANO PARA 07/12 Questão 01) Quando uma pessoa se aproxima de um espelho plano ao longo da direção perpendicular a este e com uma velocidade de módulo 1 m/s, é correto afirmar que

Leia mais

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32 QUÍMICA Questão 3 Em 9,9 g de um sal de cálcio encontra-se 0,5 mol desse elemento. Qual a massa molar do ânion trivalente que forma esse sal? Dado: Ca 40 g/mol. (A) 39 g/mol. (B) 278 g/mol. (C) 63,3 g/mol.

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA Prova boa, com questões claras e nível superior ao do ano passado. Nota-se, no entanto, a falta de uma revisão criteriosa, feita por algum professor da área, que não tenha

Leia mais

sobre o pacote, enquanto o Carregador 2, mais acima, exerce uma força F 2

sobre o pacote, enquanto o Carregador 2, mais acima, exerce uma força F 2 Para carregar um pesado pacote, de massa M 90 kg, ladeira acima, com velocidade constante, duas pessoas exercem forças diferentes O Carregador, mais abaixo, exerce uma força F sobre o pacote, enquanto

Leia mais

1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol:

1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol: 1. Nesta figura, está representada, de forma esquemática, a órbita de um cometa em torno do Sol: Nesse esquema, estão assinalados quatro pontos P, Q, R ou S da órbita do cometa. a) Indique em qual dos

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

Curso de Data Mining

Curso de Data Mining Aula 7 - Os algoritmos SPIRIT Curso de Data Mining Sandra de Amo O esquema geral dos algoritmos SPIRIT é o seguinte: ETAPA 1 : Etapa do relaxamento R Calula-se o onjunto L das sequênias frequentes que

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equação do Gás Ideal EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (UFSCar-SP) Tem-se 0,8 mol de um gás ideal, ocupando o volume de 8,2 litros. Sabendo que a pressão exercida é de 5 atm, calcule em que temperatura o gás

Leia mais

, em vez de apenas em água.

, em vez de apenas em água. Questão 01 QUÍMIA Utilizada comumente para desinfecção, a água clorada é obtida por meio de borbulhamento do gás cloro em água, num processo que corresponde à reação descrita nesta equação: + - (g) ( )

Leia mais

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito

Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO. Comentário: Energia de Capacitor. Comentário: Questão sobre atrito Professores: Gilberto / Gustavo / Luciano / Maragato CURSO DOMÍNIO A prova de física exigiu um bom conhecimento dos alunos. Há questões relacionadas principalmente com a investigação e compreensão dos

Leia mais

FÍSICA. Dados: Velocidade da luz no vácuo: 3,0 x 10 8 m/s Aceleração da gravidade: 10 m/s 2 1 4πε. Nm 2 /C 2

FÍSICA. Dados: Velocidade da luz no vácuo: 3,0 x 10 8 m/s Aceleração da gravidade: 10 m/s 2 1 4πε. Nm 2 /C 2 Dados: FÍSICA Velocidade da luz no vácuo: 3,0 x 10 8 m/s Aceleração da gravidade: 10 m/s 1 4πε 0 = 9,0 10 9 Nm /C Calor específico da água: 1,0 cal/g o C Calor latente de evaporação da água: 540 cal/g

Leia mais

Fabiano Pagliosa Branco

Fabiano Pagliosa Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE TERMOECONÔMICA

Leia mais

Incêndio: Objetivos de Projeto

Incêndio: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Incêndio: Objetivos de Projeto Criar dispositivos capazes de detectar, informar onde iniciou e debelar com presteza um incêndio, evitando danos materiais e perdas de vidas. NORMAS QUE DEVEM

Leia mais

Quantidade de calor, calorimetria e mudanças de fase

Quantidade de calor, calorimetria e mudanças de fase Quantidade de calor, calorimetria e mudanças de fase Eduardo Campos dos Santos Centro Universitário Una 19 de fevereiro de 2014 Unidades de calor joule (J): unidade recomendada pelo SI. 1J = 1Kg m2 s 2.

Leia mais

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014

Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 Resolução Comentada CEFET/MG - 2 semestre 2014 01 - A figura mostra um sistema massa-mola que pode oscilar livremente, sem atrito, sobre a superfície horizontal e com resistência do ar desprezível. Nesse

Leia mais

EM34F Termodinâmica A

EM34F Termodinâmica A EM34F Termodinâmica A Prof. Dr. André Damiani Rocha arocha@utfpr.edu.br Propriedades 2 Fase e Substância Pura Fase: refere-se a uma quantidade de matéria que é homogênea como um todo, tanto em composição

Leia mais

NOTAS DE AULA. Indústria Klabin - Fabricadora de Papel e Celulose S.A. Unidade de Negócio Paraná, Monte Alegre. Fonte: Velázquez (2006)

NOTAS DE AULA. Indústria Klabin - Fabricadora de Papel e Celulose S.A. Unidade de Negócio Paraná, Monte Alegre. Fonte: Velázquez (2006) NOTAS DE AULA Indústria Klabin - Fabricadora de Papel e Celulose S.A. Unidade de Negócio Paraná, Monte Alegre. Fonte: Velázquez (2006) Prof a Sílvia M.S.G. Velázquez Página 1 INTRODUÇÃO À TERMODINÂMICA

Leia mais

CAPITULO 1 Propriedades dos gases. PGCEM Termodinâmica dos Materiais UDESC

CAPITULO 1 Propriedades dos gases. PGCEM Termodinâmica dos Materiais UDESC CAPITULO 1 Propriedades dos gases PGCEM Termodinâmica dos Materiais UDESC Referência Bibliográfica ATKINS, P.; Paula, J. de. Fisico-Química, Vol 1. 8ª ed., Editora LTC, Rio de Janeiro, 2006, cap 1. Ball,

Leia mais

RESUMO EXERCÍCIOS DE REVISÃO

RESUMO EXERCÍCIOS DE REVISÃO Química Frente I Vitor Terra Lista 6 Soluções Classificação e Solubilidade RESUMO Dispersões são misturas, em que as partículas de uma certa substância (dispersa) estão disseminadas ( espalhadas ) em uma

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2013.1 Conhecimentos Específicos

Vestibular Comentado - UVA/2013.1 Conhecimentos Específicos Vestibular Comentado - UVA/3. Física Comentários: Professores: João Batista e Joelson Studart. Um paraquedista salta de uma altura de. m. Após 45 m de queda, a força de resistência do ar se iguala à força

Leia mais

Considerações sobre psicrometria

Considerações sobre psicrometria Considerações sobre psicrometria utor: J. Fernando. ritto, engenheiro mecânico, sócio da driferco Engenharia, secretário da GEC-4 e membro do conselho editorial da revista SCC Contato: sbcc@sbcc.com.br

Leia mais

RESUMO EXERCÍCIOS DE REVISÃO. P: pressão V: volume T: temperatura absoluta (em K) n: número de mols de gás R: constante universal dos gases

RESUMO EXERCÍCIOS DE REVISÃO. P: pressão V: volume T: temperatura absoluta (em K) n: número de mols de gás R: constante universal dos gases Química Frente IV Físico-Química Prof. Vitor Terra Lista 02 Gases Equação de Clapeyron RESUMO Transformações gasosas (massa de gás = cte) P V T Lei Isobárica CTE Varia Varia Isocórica* Varia CTE Varia

Leia mais

Termodinâmica. 1. Energia interna. Projeto Rumo ao ITA Página 1. Gabriel José Guimarães Barbosa

Termodinâmica. 1. Energia interna. Projeto Rumo ao ITA Página 1. Gabriel José Guimarães Barbosa Termodinâmica Gabriel José Guimarães Barbosa Este material visa apresentar todo o assunto sobre termodinâmica da prova do ITA. Recomendamos que o leitor tenha uma noção sobre a teoria de gases, cujo material

Leia mais

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas.

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Composição de uma Mistura de Gases A especificação do estado de uma

Leia mais

Fabiano Pagliosa Branco

Fabiano Pagliosa Branco UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM CIÊNCIAS TÉRMICAS ANÁLISE TERMOECONÔMICA

Leia mais

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Propriedades Coligativas...1 Exercícios...3 Gabarito...5 Propriedades coligativas Propriedades

Leia mais

PROVA DE CARGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE CONTÍNUA NO DF: COMPARAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA.

PROVA DE CARGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE CONTÍNUA NO DF: COMPARAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PREVISÃO DE CAPACIDADE DE CARGA. POVA DE CAGA ESTÁTICA EM ESTACA HÉLICE COTÍUA O DF: COMPAAÇÃO COM OS MÉTODOS DE PEVISÃO DE CAPACIDADE DE CAGA. enato Cabral Guimarães 1 ; eusa Maria Bezerra Mota 2 ; Paulo Sérgio Barbosa Abreu 3 ; José

Leia mais

Equação Geral dos Gases

Equação Geral dos Gases Equação Geral dos Gases EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (EEM-SP) Uma determinada massa gasosa, confinada em um recipiente de volume igual a 6,0 L, está submetida a uma pressão de 2,5 atm e sob temperatura de

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA EM SISTEMAS DE TRIGERAÇÃO

METODOLOGIA DE ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA EM SISTEMAS DE TRIGERAÇÃO Proeedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sienes and Engineering -- ENCIT 2006 Braz So of Mehanial Sienes and Engineering -- BCM, Curitiba, Brazil, De 58, 2006 METODOLOGI DE NÁLISE ENERGÉTIC

Leia mais

LISTA da UNICAMP 1ª FASE PROFESSOR ANDRÉ

LISTA da UNICAMP 1ª FASE PROFESSOR ANDRÉ LISTA da UNICAMP 1ª FASE PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unicamp 013)Para fins de registros de recordes mundiais, nas provas de 100 metros rasos não são consideradas as marcas em competições em que houver vento favorável

Leia mais

FERNANDO GALLEGO DIAS MODELAGEM E SIMULAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA TEMPERATURA DO CORAÇÃO EM CIRURGIAS CARDÍACAS EM FUNÇÃO DO FLUXO CORONARIANO

FERNANDO GALLEGO DIAS MODELAGEM E SIMULAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA TEMPERATURA DO CORAÇÃO EM CIRURGIAS CARDÍACAS EM FUNÇÃO DO FLUXO CORONARIANO FERNANDO GALLEGO DIAS MODELAGEM E SIMULAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA TEMPERATURA DO CORAÇÃO EM CIRURGIAS CARDÍACAS EM FUNÇÃO DO FLUXO CORONARIANO Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Engenharia

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2014-01 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2014-01 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1 PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701-2014-01 Lista de Exercícios do Módulo 1 - Preparação para a Prova 1 Exercício 1 Apesar da existência do Sistema Internacional (SI) de Unidades, ainda existe a divergência

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa E. alternativa B. Tássia, estudando o movimento retilíneo uniformemente

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa A. alternativa E. alternativa B. Tássia, estudando o movimento retilíneo uniformemente Questão 46 Tássia, estudando o movimento retilíneo uniformemente variado, deseja determinar a posição de um móvel no instante em que ele muda o sentido de seu movimento. Sendo a função horária da posição

Leia mais

INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO

INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO... 19 INFLUÊNCIA DO FURO ADAPTADOR EM MEDIDAS DE PRESSÃO NO CILINDRO DE COMPRESSOR HERMÉTICO Marelo Alexandre Real Mestre em Engenharia Meânia

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FÁO KED MYAZAWA om a olaboração de TOMASZ KOWATOWSK nstituto de Computação - UNCAMP ersão 20001 Estas notas de aula não devem ser usadas omo únia

Leia mais

PADIOLAS FATORES RENDIMENTO NÚMERO POR TRAÇO TRAÇO EM VOLUME. ALTURAS (cm) e BOCA (45x35cm)

PADIOLAS FATORES RENDIMENTO NÚMERO POR TRAÇO TRAÇO EM VOLUME. ALTURAS (cm) e BOCA (45x35cm) TABELA CONCRETO TRAÇOS DE CONCRETO MAIS UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES Passe o cursor constantemente sobre o traço em volume p/ ver suas principais aplicações TRAÇO EM VOLUME ALTURAS (cm) e BOCA (45x35cm)

Leia mais

Questão 1 NOTE E ADOTE: Resposta. c) O intervalo de tempo t 2, em s, entre o instante

Questão 1 NOTE E ADOTE: Resposta. c) O intervalo de tempo t 2, em s, entre o instante aceleração da gravidade na Terra, g = 10m/s densidade da água a qualquer temperatura, ρ= 1000 kg/m = 1,0 3 3 g/cm velocidade da luz no vácuo = 3,0 x 10 8 m/s o calor específico da água 4J/( C g) 1 caloria

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão 1 Água pode ser eletrolisada com a finalidade de se demonstrar sua composição. A figura representa uma aparelhagem em que foi feita a eletrólise da água, usando eletrodos inertes de platina. a)

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

Patm = pressão atmosférica; pv = pressão no gás (figura 1); ph = pressão no gás (figura 2) = Patm.

Patm = pressão atmosférica; pv = pressão no gás (figura 1); ph = pressão no gás (figura 2) = Patm. 1) Um recipiente cilíndrico de seção reta transversal A = 20,0 cm² é vedado por um êmbolo de peso 52,0 N que pode deslizar livremente sem atrito. O cilindro contém uma amostra de 3,00 litros de gás ideal

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

Fundamentos da física - Ramalho, Nicolau e Toledo Edição Histórica - vestibular ITA. SUA BUSCA Assunto: Termologia

Fundamentos da física - Ramalho, Nicolau e Toledo Edição Histórica - vestibular ITA. SUA BUSCA Assunto: Termologia Fundamentos da física - Ramalho, Nicolau e Toledo Edição Histórica - vestibular ITA SUA BUSCA Assunto: Termologia RESULTADO 1. (ITA-1969) Um anel de cobre a 25 C tem um diâmetro interno de 5,00 centímetros.

Leia mais