INTRODUÇÃO 5 SUPPLY CHAIN MANAGEMENT - SCM 5 RESUMO DO LIVRO SISTEMAS DA INFORMAÇÃO 5 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 5 CONCORRÊNCIA 6 VELOCIDADE 6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO 5 SUPPLY CHAIN MANAGEMENT - SCM 5 RESUMO DO LIVRO SISTEMAS DA INFORMAÇÃO 5 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 5 CONCORRÊNCIA 6 VELOCIDADE 6"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO 5 SUPPLY CHAIN MANAGEMENT - SCM 5 RESUMO DO LIVRO SISTEMAS DA INFORMAÇÃO 5 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR 5 CONCORRÊNCIA 6 VELOCIDADE 6 FATORES QUE FOMENTAM PARA A VELOCIDADE. 6 FATORES DE SUCESSO DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO 7 MÉTRICAS DE SUCESSO DO SCM 7 EFETUAR A VENDA COM OS FORNECEDORES 8 DESACOSTUMAR OS FUNCIONÁRIOS DAS PRÁTICAS COMERCIAIS TRADICIONAIS 9 IMPLANTAR EM FASES INCREMENTAIS, MEDIR E COMUNICAR OS SUCESSO. 9 AS 7 FORMAS MAIS CITADAS PARA UMA BOA IMPLEMENTAÇÃO: 9 SER ORIENTADO PARA O FUTURO. 10 HISTÓRIAS DE SUCESSO DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO. 10 TENDÊNCIAS FUTURAS DA CADEIA DE SUPRIMENTO. 11 O QUE É SUPPLY CHAIN MANAGEMENT? 12 PARA QUE SERVE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT? 13 CADEIA DE SUPRIMENTOS ELETRÔNICA. 13 FUNÇÕES PRESENTES DENTRO DE UM SCM 14

2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI - SCM 16 FINANCIALFORCE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) 17 GERENCIAR VÁRIOS MODELOS DE ATENDIMENTO EM UM ÚNICO SISTEMA 17 VISIBILIDADE DO INVENTÁRIO COMPLETO DESDE A AQUISIÇÃO ATÉ A ENTREGA 18 CONTROLE PASSAR COM CONFIANÇA 19 SIMPLIFIQUE PROPOSTAS E GESTÃO DE CONTRATOS 20 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. 22 4

3 Introdução Supply Chain Management - SCM O Supply Chain Management ou Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos é uma ferramenta que, usando a Tecnologia da Informação (TI) possibilita à empresa gerenciar a cadeia de suprimentos com maior eficácia e eficiência. Nestes tempos modernos em que a exigência de consumo atingiu o limite extremo, o Supply Chain Management permite às empresas alcançarem melhores padrões de competitividade. Pode-se dizer também que; SCM (Supply Chain Management, ou em português GCL, gestão da cadeia logística) são instrumentos e métodos que visam melhorar e automatizar o abastecimento, reduzindo os estoques e os prazos de entrega. Constitui uma segunda etapa da administração de uma empresa, após aperfeiçoar seus processos internos, melhorar, em longo prazo, o desempenho da cadeia como um todo, mostrando resultados favoráveis em termos individuais de cada empresa participando do processo integrado. Revolucionando as áreas da Administração como Marketing, Materiais, vendas e produção, sendo responsável, por exemplo, pela redução do tempo de estocagem e do número de fornecedores e pelo aumento da satisfação de clientes. A globalização tem aumentado consideravelmente a competitividade entre as empresas. Em países como o Brasil, até anos atrás acostumados com o protecionismo econômico viu-se, de um momento para outro, tendo que assimilar novidades que, lá fora, já vinham sendo discutidas. Resumo do Livro Sistemas da Informação Comportamento do consumidor Atualmente o comportamento do consumidor tem influenciado na maneira como as empresas competem, os consumidores podem ir para a concorrência se a empresa não atender suas expectativas. 5

4 Para entender o comportamento do consumidor existe os sistemas de planejamento de demanda, que geram prognósticos da demanda utilizando ferramentas estáticas e técnicas de prognóstico, como isso as organizações podem responder mais rápido e de maneira mais eficaz às demandas dos consumidores uma vez que através do software compreendam melhor a demanda do cnsumidor e o impacto na cadeia de suprimento. Concorrência O software de gestão de cadeia de suprimento pode ser dividido em dois: - Software de planejamento da cadeia de suprimento (SPC, supply chain planning): usa algaritmos matemáticos avançados para melhorar o fluxo e a eficiência da cadeia de suprimento, reduzindo estoques. O SPC para ser preciso depende da entrada correta de dados e suas atualizações. - Sistemas de execução da cadeia de suprimento (SCE, supply chain execution): automatizam os diferentes passos e fases da cadeia de suprimentos. Isso poderia ser tão simples quantos o encaminhamento eletrônico de pedidos de um fabricante para um fornecedor. A relação entre os software de planejamento e de execução é que eles trabalham em conjunto para aumentar a eficiência da cadeia e seus respectivos processos. Velocidade Na última década, a concorrência tem se concentrado na velocidade, onde servidores modernos, softwares e novas formas de telecomunicações, etc, estão possibilitando as empresas realizarem atividades que nunca se imaginou, neste contexto é importante que a velocidade coincida com a eficiência e que satisfaça as necessidades em constante mudança do consumidor. A informação em tempo e precisa é mais importante para as empresas do que nunca. Fatores que fomentam para a velocidade. - Agradar os clientes se tornou uma obsessão corporativa. 6

5 - reduzir a capacidade de estoque e de recursos humanos para um nível competitivo. - os fluxos de informações são essenciais para o planejamento estratégico e para implantação de recursos. Fatores de sucesso da gestão da cadeia de suprimento Para ter sucesso nos mercados competitivos de hoje, as empresas devem alinhar suas cadeias de suprimentos com as exigências dos mercados em que atuam. O desempenho da cadeia de suprimento é uma vantagem competitiva para as empresas proficientes na área do SCM atualmente. Métricas de sucesso do SCM As métricas de gestão da cadeia de suprimento podem ajudar uma empresa a entender como é operar durante um determinado período de tempo. As medidas da cadeia de suprimento podem cobrir muitas áreas, incluindo aquisição, produção, distribuição, armazenamento, estoque, transporte e atendimento ao consumidor. Uma cadeia de suprimento é tão forte quanto seu elo mais fraco. A solução é medir todas as áreas-chave da cadeia. Abaixo estão as métricas comuns da gestão da cadeia de suprimento - Pedido em atraso: um pedido do cliente que não foi atendido - Tempo do ciclo de pedido prometido ao cliente: o tempo de ciclo antecipado ou acordado de um pedido de compra. - Tempo do ciclo real do pedido do cliente: o tempo médio que leva para realmente cumprir o pedido de compra de um cliente - Tempo do ciclo de reposição do estoque: média do tempo de ciclo de produção mais o tempo incluído para distribuir o produto ao centro de distribuição apropriado. - Giro de estoque (rotação de estoque): o número de vezes que o estoque da empresa gira por ano. 7

6 Para alcançar sucessos como redução de custos operativos, melhoria da produtividade de ativos e redução do tempo de ciclo de pedido, a empresa deve seguir os sete princípios da gestão da cadeia de suprimento: 1. Segmentar o cliente por necessidade de serviço 2. Personalize a rede logística e concentre-se intensamente nas necessidades do serviço e na rentabilidade dos segmentos pré-identificados dos clientes. 3. Perceba os sinais de demanda do mercado e planeje em conformidade. 4. Diferencie os produtos mais próximos do cliente. 5. Estrategicamente, gerencie as fontes de abastecimento, trabalhando com os principais fornecedores. 6. Desenvolva uma estratégia da tecnologia da informação da cadeia de suprimento que suporte diferentes níveis de tomada de decisão e forneça uma visão clara dos fluxo de produtos. 7. Adote medidas de avaliação de desempenho que se apliquem a cada link da cadeia de suprimentos e que meça a verdadeira rentabilidade em cada etapa. Esses princípios vão contra os pensamentos anteriores de criação interna funcional como as empresas se organizavam, operavam e atendiam seus clientes, obedecendo um estrutura linear de produção discreta, com um foco nas operações de compra e venda. Efetuar a venda com os fornecedores Não somente o pessoal da organização precisará mudar a forma como trabalham como o pessoal de cada fornecedor que for adicionado à rede deverá mudar. Tenha certeza que os fornecedores estão integrados nos benefícios que o sistema SCM irá proporcionar. 8

7 Desacostumar os funcionários das práticas comerciais tradicionais Uma empresa não pode desligar os telefones e aparelhos de faz só porque está implementando um sistema de gestão da cadeia de suprimento. Se a empresa não pode convencer seus funcionários de que o uso do software vai valorizar o tempo deles, eles vão simplesmente encontrar maneiras de contorná-los, o que diminuirá rapidamente as chances de sucesso para o sistema de SCM. Assegurar que o sistema de SCM apoie os objetivos organizacionais Se os objetivos organizacionais apoiam as estratégias altamente eficientes, certifique-se de que o projeto da cadeia de suprimento tenha os mesmos objetivos. Implantar em fases incrementais, medir e comunicar os sucesso. Projete a implantação do sistema SCM em fases incrementais, ao logo do caminho, certifique-se que cada passo está sendo agregado valor mediante a melhoria do desempenho da cadeia de suprimento, a abordagem incremental mostra que o sistema SCM deverá ser implementado em mordidas digeríveis, e também medido para obter o sucesso de um passo de cada vez. As 7 Formas mais citadas para uma boa Implementação: Resumidamente, estes 7 processos-chave têm como objetivos principais: Desenvolver equipes focadas nos clientes estratégicos, que busquem um entendimento comum sobre características de produtos e serviços, a fim de torná-los atrativos para aquela classe de clientes. Fornecer um ponto de contato único para todos os clientes, atendendo de forma eficiente a suas consultas e requisições; 9

8 Captar, compilar e continuamente atualizar dados de demanda, com o objetivo de equilibrar a oferta com a demanda; Atender aos pedidos dos clientes sem erros e dentro do prazo de entrega combinado; Desenvolver sistemas flexíveis de produção que sejam capazes de responder rapidamente às mudanças nas condições do mercado; Gerenciar relações de parceria com fornecedores para garantir respostas rápidas e a contínua melhoria de desempenho; Buscar o mais cedo possível o envolvimento dos fornecedores no desenvolvimento de novos produtos. Ser orientado para o futuro. Uma vez que o sistema SCM irá durar muito mais anos do que a previsão inicial, os gerentes precisam explorar o quão flexíveis os sistemas serão quando as mudanças forem necessárias no futuro. A chave é ter certeza que o software irá atender as necessidades futuras, e não só as atuais. Histórias de sucesso da Gestão da cadeia de suprimento. As diversas razões para que mais e mais executivos estão se votando ao SCM, para gerências suas empresas, entre estas razões estão: - Controle e economia de custo. - Melhoria de produtividade. - Reduções/melhoria de estoques. - Visibilidade melhorada da demanda/suprimento - Redução do ciclo de processo - Melhoria da qualidade - Obtenção de vantagem competitiva. As empresas também usam a cadeia de suprimento para direcionar operações, por exemplo: 10

9 - Dell: os negócios cresceram 17% ao ano, com uma base de receita de 40 bilhões. - Nokia: melhores práticas de cadeia de suprimento estão transformando ideias em negócios rentáveis. - IBM: a inspeção de processos de desenvolvimentos de produtos da cadeia de suprimentos de hardware atingiu até 70% de aumento em qualidade, rapidez e diminuição de custos, entre outros. Tendências futuras da cadeia de suprimento. A funcionalidade dos sistemas de gestão da cadeia de suprimento está cada vez mais sofisticada à medida que amadurece. Agora e no futuro, as próximas etapas da SCM irão incorporar mais funções como marketing, atendimento ao consumidor e desenvolvimento de produtos, e isso serão alcançado por meio de mais redes de comunicações avançadas, da adoção de mais sistemas amigáveis de apoio a decisão e da disponibilidade de informações compartilhadas por todos os participantes da cadeia de suprimentos. Outras funcionalidades que futuramente podem ser agregadas são: - Tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID): utilizam etiquetas ativas ou passivas na forma de chips ou etiquetas inteligentes que podem armazenar identificadores únicos e transmitir essas informações para leitores eletrônicos. Um sonho é o pacote de compensação de carbono UPS, onde a UPS aposta que os clientes irão pagar um pequeno preço adicional sobre os pacotes UPS se isso ajudar a reduzir as emissões de carbono. A UPS deixou tanto a Société Genéralé de Surveillance monitore as sua frota aérea e terrestre, quanto a Carbon Neural Company monitore todo o processo de compensação, para ter certeza que a UPS adotará metodos corretos, e os clientes tem a garantia que as encomendas serão ecologicamente corretas. 11

10 O QUE É SUPPLY CHAIN MANAGEMENT? "O Supply Chain é uma rede de organizações que estão envolvidas, através de links para cima e para baixo, em diferentes processos e atividades que produzem valor na forma de produtos ou serviços para o consumidor final". "O SCM ou Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, representa o esforço de integração dos diversos participantes do canal de distribuição por meio da administração compartilhada em negócios que interligam as diversas unidades organizacionais e membros do canal, desde o consumidor final até o fornecedor inicial de matérias-primas". "Supply Chain Management compreende o gerenciamento da cadeia de suprimentos e dos canais de distribuição sob um enfoque sistêmico. Busca uma maior integração entre os participantes da cadeia de abastecimento mediante um relacionamento mais estreito e na formação de parcerias com o objetivo de aperfeiçoar o fluxo de materiais e de informações na cadeia. A logística como processo de integração serve de base para definição de estratégias à empresa e não apenas como suporte à solução de problemas operacionais. Portanto, a Supply Chain é constituída pelo conjunto de organizações que mantém relações mútuas e cordiais do início ao final da cadeia logística, criando valor na forma de produtos e serviços, desde os fornecedores até o consumidor final". Vale também ressaltar a diferença entre SCM e o Just-in-time: o primeiro visa à criação de um relacionamento de troca de informações constante, como visto acima; contudo, o JIT se preocupa mais em ligar e sincronizar os processos produtivos eliminando desperdícios focada principalmente nos procedimentos internos de produção e armazenagem e no maximo influi no elo do canal mais próximo. Com uma visão mais global do JIT, percebemos que o SCM é o complemento e a otimização do conceito JIT para toda a cadeia produtiva e não apenas o fornecedor mais próximo. 12

11 PARA QUE SERVE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT? O Supply Chain Management serve para controlar, gerenciar e melhorar o fluxo de materiais e de informações dos fornecedores aos consumidores finais, através do trabalho em conjunto sustentado por relações de cooperação e confiança entre os diversos participantes da cadeia de suprimentos e com isso facilitando e dando mais precisão a tomada de decisões por parte dos vários componentes do SCM. Com o SCM a empresa consegue autonomia para criar redes de fornecimento tolerantes a falhas, a empresa é capaz de perceber a escassez antes que ela ocorra e integrar um novo parceiro ou fornecedor a tempo de evitar atrasos. Os fornecedores também são beneficiados, já que com o SCM, eles conseguem prever as necessidades e reagir de maneira mais veloz as mudanças. Através da utilização da Internet para levar a tecnologia para os diversos participantes da cadeia, o SCM dá acesso instantâneo a informações sobre pedidos, previsões, planos de produção e importantes indicadores de desempenho como níveis de inventário e índices de abastecimento, trazendo para a empresa parceiros e clientes uma visibilidade dos dados vitais para seus negócios. Há a possibilidade também de aumentar a qualidade dos serviços, reduzir os investimentos em estoque, reduzir custos operacionais e melhorar o planejamento da demanda. Cadeia de suprimentos eletrônica. Quando uma cadeia de suprimento é gerenciada eletronicamente, normalmente com software baseado na web, ela é chamada cadeia de suprimentos eletrônicos. Melhorias nas cadeias de suprimentos frequentemente envolvem tentativas de converter uma cadeia de suprimentos tradicional em uma cadeia de suprimentos eletrônica, especialmente para automatizar o fluxo de informações na cadeia.(turban et al, 2010) Na gestão da cadeia de suprimentos é necessário coordenar todos os fluxos entre todas as partes envolvidas na cadeia. 13

12 1.Fluxos de materiais. São todos os produtos físicos, matérias primas, suprimentos e etc, que fluem ao longo da cadeia. 2.Fluxos de informações. Incluem todos os dados relacionados a demanda, remessas, pedidos, devoluções, agendas e alterações nos dados. 3.Fluxos financeiros. São todas as transferências de dinheiro, pagamentos, informações e autorização de cartão de crédito, agendas de pagamento, pagamentos eletrônicos e dados relacionados a crédito. Funções Presentes dentro de um SCM Ferramentas O que fazem Fornecedores Supply Chain Planning Demand Planning São utilizados para prever a demanda do cliente e ajustar a velocidade e fluxo de produção em conformidade. Estimativas de demanda simuladas são executadas utilizando dados de tendências históricas e horários de promoção planejados para determinar como as mudanças na percepção de mercado afetarão os requisitos do inventário de sua organização no futuro. Software de planejamento de demanda aumenta a precisão das previsões de demanda potencial por reduzindo o viés nos dados e fornecer os dados para a sua organização em tempo real. Previsão Multidimensional permite aos usuários visualizar informações por meio de uma variedade de diferentes filtros-de mercado, o tempo, ou ao cliente e executar uma série de "e se" simulações para projetar a demanda futura. SCP 4.0, VISION SCM, SAP Microsoft Dynamics, Genebra BMS, Fishbowl Inventory e SAP. Vendor Managed Inventory Inventário gerenciado (VMI) sistemas da aos fornecedores a capacidade de monitorar e reabastecer o estoque do comprador. Várias opções de tal comunicação como XML, portais da Web e ajuda múltiplos parceiros de negócios a aumentar a visibilidade. Os compradores podem automatizar relatórios de inventário vendido e fornecedores respondem com novas notificações de remessa e faturas. Datalliance VMI, RedPrairie, SAP e Aravo. Supplier Management Compradores usam soluções de relacionamento com fornecedor para monitorar o desempenho de seus fornecedores. Os usuários podem avaliar o risco de fornecedor por meio de categorias de risco definidas pelo usuário. Desempenho analisa utilizar indicadores-chave de desempenho (KPI) e pistas de auditoria para monitorar o desempenho de gastos e fornecedor. O software também ajuda os usuários a manter o controle do R.Portal, Genebra BMS, Fishbowl Inventory e S2K. 14

13 cumprimento da regulamentação de seus fornecedores. Procurement Sourcing Planning Procurement software realiza as ordens de compra e mantém o lado financeiro das relações fornecedor / cliente. Termos de compra são distribuídos eletronicamente em toda a organização para a aprovação imediata, e as despesas são registradas para futura referência no próximo ciclo de sourcing. Como o segmento contábil dos sistemas de SCM, os Procurement também lidam com questões de relatórios e conformidade. Software de Sourcing é usado antes do processo de licitação para estabelecer metas de redução de custos e potenciais fornecedores pré-selecionados. Análise de gastos desnecessários aponta relações com fornecedores caros comparando gastos atuais com outras opções do mercado. Os compradores podem enviar e-rfx, pedidos eletrônicos para x (cotações, propostas e outras informações), a potenciais fornecedores para coletar dados para fazer compras informadas. Coupa, SphereWMS, o Microsoft Dynamics e WISE. ShippersEdge, Aravo, Epicor e Lawson. Warehouse Management System Transport Management System Order fulfillment Sistemas WMS monitora e controla a movimentação de materiais dentro do armazém. Envio e recebimento de eventos são controlados com notificações de embarque avançadas, e picking e putaway são rastreados usando ferramentas como a captura de dados auto ID (AIDC) e identificação por radiofrequência (RFID). Software WMS também auxilia com o projeto de infra-estrutura do armazém. Software TMS orienta o movimento de materiais de e para o armazém. Software Logística pode sugerir as modalidades de entrega mais eficientes (ar, terra, mar) e gere múltiplas variações de entrega, como frotas de veículos heterogéneos e as restrições de carga de divisão. As entregas são monitorados através satcomm e outros dispositivos de comunicação. Frotas terrestres devem rever o nosso guia de software de transporte por caminhão para os sistemas de transporte rodoviário, de expedição e encaminhamento de topo e nosso guia de gerenciamento de frota para os sistemas para gerenciar operações globais Software de atendimento de pedidos ajuda os gestores da cadeia de suprimentos diminuir o tempo de entrega dos pedidos de produção, resultando em citações suave para processos de caixa. O sistema pode determinar se buildto-order (BTO) ou engenheiro-to-order (ETO) é a melhor solução para cada produto. Após a conclusão da ordem, software de atendimento de pedidos mantém o controle de ordens por pagar através de processos de reconhecimento de receitas. SphereWMS, WISE, HighJump Warehouse Advantage, Manhattan Associates e RedPrairie. TMW, Retalix e FreightMaster SphereWMS, ShipppersEdge e ShipSoft. 15

14 Tecnologia da Informação TI - SCM Discorrendo sobre a necessidade de informações rápidas, em tempo real e com alto grau precisão para uma gestão eficiente da logística e da cadeia de suprimentos, aponta três razões para tal: Primeiro, clientes entendem que informações do andamento de uma ordem, disponibilidade de produtos, programação da entrega e dados do faturamento são elementos fundamentais do serviço ao cliente. Segundo, com a meta de redução do estoque em toda a cadeia de suprimentos, os executivos percebem que com informações adequadas, eles podem, efetivamente, reduzir estoques e necessidades de recursos humanos. Especialmente, o planejamento de necessidades sendo feito usando informações mais recentes, permite reduzir estoques através da minimização das incertezas da demanda. Em terceiro, a disponibilidade de informações aumenta a flexibilidade com respeito, a saber, quanto, quando e onde os recursos podem ser utilizados para obtenção de vantagem estratégica. - Nível estratégico, onde a utilidade da informação está relacionada com decisões de investimentos, volumes e localização de demanda para decisões de localização de centros de distribuição, categorias de produtos a fabricar ou comercializar, para que sejam desenvolvidos por fornecedores, etc.. - Nível do planejamento, onde as informações são utilizadas por gerentes e supervisores para a alocação de recursos disponíveis para o atendimento das demandas, níveis de estoque em cada ponto da cadeia, etc. - Nível operacional, onde temos as operações da empresa como a evolução das ordens de produção no chão de fábrica, a entrada de pedidos de clientes, o faturamento das vendas efetuadas, etc. No outro eixo da matriz, ele coloca os atores principais da cadeia de suprimentos; fornecedores, fabricantes, distribuidores ou atacadistas, varejistas e consumidores. Com esta visualização matricial ele orienta que os sistemas de informação devem estar disponíveis e interligados de acordo 16

15 com os diversos níveis de gestão de cada uma das entidades que compõem a cadeia de suprimentos. Nesta matriz se deveria acrescentar outros dois atores; o transportador e o operador logístico. Estes dois elementos são considerados a cada dia mais estratégicos para o sucesso do Supply Chain Management, e seus sistemas de informática vem sendo interligados com os demais participantes da cadeia de forma cada vez mais intensa, merecendo, portanto, serem considerados de maneira evidenciada ao se planejar sistemas informatizados de SCM. FinancialForce Supply Chain Management (SCM) São suas equipes gastando mais tempo de entrar e gerenciamento de dados de se concentrar no crescimento de sua empresa? A maioria das organizações a gerenciar o Procure to Pay e citações para processos de caixa em vários sistemas que requerem pontos de integração complexos e sem visibilidade em tempo real. Nós podemos ajudá-lo a se concentrar no que é mais importante. Junte-se a próxima demonstração ao vivo para obter um olhar em profundidade, e baixar a ficha de SCM. Gerenciar vários modelos de atendimento em um único sistema Onde está o fim do meu cliente? Esta é agora uma pergunta que pode ser respondida no local. Com Corrente FinancialForce Abastecimento Management 17

16 (SCM) seus dados estão em tempo real e de fácil acesso para que você sempre saberá o status exato. E suporta B2B, B2C e muito mais. Efetivamente configurar, preço e citações perspectivas / clientes. Ordens de captura para processamento com Electronic Data Interchange (EDI) e integração de comércio eletrônico. Gerencie armazém e deixar cair o navio cumprimento na mesma ordem de venda. Simplificar a tributação com a integração Avalara AvaTax. Visibilidade do inventário completo desde a aquisição até a entrega Eliminar as barreiras de comunicação dentro da organização e gerir eficazmente inventário. Se proporcionando disponível para prometer inventário para a equipe de vendas ou prestação de informações reconciliação ativo para financiar, FinancialForce SCM oferece. Gerenciar inventário com física (número de série / lote) e controles de envelhecimento Analisar compras, vendas e margem história até o nível de número de série. 18

17 Rastrear inventário on-condição (novo, renovado, revisto) para suporte pósvenda. Gerencie cliente ou fornecedor inventário de propriedade. Controle passar com confiança Acordos com fornecedores não são eficazes se não forem aproveitados. Capturando custo é inútil se não pode ser associado ao orçamento adequado, venda ou projeto. Com FinancialForce SCM, o vazamento contrato é evitado e as margens podem ser gerenciados a partir de cotação da venda. Automatize pedidos de compra com base em acordos pré-negociada para agilizar a entrega. Reforçar as políticas de gastos com fluxos de trabalho e aprovações 19

18 Mantenha um olhar atento sobre os saldos de clientes em atraso e faturas disputadas. Estende-se para gastar direta e indireta Fornecer uma visão de 360 graus do desempenho do seu fornecedor em termos de entregas no prazo e conformidade da qualidade Simplifique propostas e gestão de contratos Contratos de clientes podem se estender por um longo período de tempo e, inevitavelmente, mudar. Gerir a mudança e rastrear o histórico de contrato é quase impossível se você está fazendo isso através de planilhas e uma variedade de documentos do MS Word.FinancialForce Contract Management fornece as ferramentas e informações necessárias para lidar facilmente com a mudança e analisar o valor total do contrato durante toda a vida do contrato. Gerencie recorrentes e não recorrentes de receita de bens e serviços, incluindo os produtos configurados. Alavancagem termos de faturamento flexível. Proteger as receitas renovação com notificações pró-ativas. Incorporar alteração ao contrato original.obter visibilidade ao valor do contrato original e atual para analisar as avaliações totais do contrato. 20

19 21

20 Referências Bibliográficas. (1) BAKER, Michael J. Dictionary of Marketing and Advertising, 2a edição, New York: Nichols Publishing, 1990, p. 47. (2) CHOPRA, Sumil e MEINDL, Peter. Supply Chain Management: Strategy, Planning, and Operation. New Jersey: Prentice-Hall, Inc., 2001, p. 354 (3) STRATI, A. A esthetics and Organization without walls. Studies in culture, Organization and Societies, 1995, p (4) LAMBERT, R., COOPER, M., PAGH. C. Supply Chain Management: implementation issues and research opportunities. The International Journal of Logistics Management, vol.9, nº 2, FINANCIALFORCE et al. FinancialForce Supply Chain Management (SCM): SCM SALESFORCE Disponível em: <http://www.financialforce.com/products/supply-chain-management/overview/>. Acesso em: 01 maio

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores

SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores SCM Supply Chain Management Desafio na Integração de clientes e fornecedores OBJETIVOS Principais desafios de Supply Chain enfrentados pelas indústrias Premissas para criação de valor na comunicação interempresas

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT BX PROJECT. Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos. Brochura

Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT BX PROJECT. Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos. Brochura Brochura BX PROJECT Soluções baseadas no SAP Business One BX PROJECT Software de Gestão para Empresas Orientadas à Projetos SAP Business One para Empresas de Projetos Esta combinação de SAP Business One

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Brochura BX MRO Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Manutenção, Reparo & Revisão para SAP Business One Esta combinação de SAP Buisness One

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação

Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação Supply Chain Management: Conceitos, Oportunidades e Desafios da Implementação Paulo Fernando Fleury O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais, especialmente

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA MÓVEL DA MOTOROLA UMA ESTRUTURA IDEAL PARA GERENCIAMENTO DE TAREFAS AUTOMATIZADO E INTELIGENTE EM TEMPO REAL MANTENHA SUA MÃO DE OBRA, UM DOS CUSTOS MAIS ONEROSOS

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS

SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS SISTEMAS DE ORDER FULFILLMENT REAL TIME SOLUTIONS Sistemas de Order Fulfillment Real Time Solutions Atualmente, a operação de order fulfillment desempenha um papel primordial na cadeia de abastecimento

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I E-business - como as empresas usam os sistemas de informação Administração de Sistema de Informação I Supply Chain Management - Cadeia de suprimento Sistemas de Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos Os

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6 Introdução Há 50 anos, as cadeias eram gerenciadas por lápis, papel e calculadora. Hoje existem softwares. Esta parte da aula fará um tour pelos tipos de softwares

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

Sistemas de Informações. Daniel Gondim

Sistemas de Informações. Daniel Gondim Sistemas de Informações Daniel Gondim Roteiro da Aula SPT Sistema de Processamento de Transações Visão geral; métodos e objetivos Atividades no processamento de transações Controle de Administração Aplicações

Leia mais

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DO PRODUTO CA Clarity PPM agility made possible O CA Clarity Project & Portfolio Management (CA Clarity PPM) o ajuda a inovar com agilidade, a transformar seu portfólio com confiança e a manter os

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais