2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE"

Transcrição

1

2 2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 30 países mais ricos do mundo (OCDE) tiveram uma queda no PIB de 0,2% no quarto trimestre de Diminuição forte do consumo na Europa vai afetar economia da China, EUA, Brasil, etc. PIB americano caiu -0,1% no quarto trimestre de 2012 (crescimento de 2,2% ao ano). O Japão entrou em recessão e o crescimento baixo dos EUA não reverte a crise europeia. Há também desaceleração do crescimento nos países emergentes. Resultado: estagnação econômica no mundo. Sinal que está se acentuando a crise que vem desde Previsão de nova queda em 2013 para a Europa. Esta é a situação econômica em fevereiro de 2012.

3 NOVO MOMENTO DA CRISE MUNDIAL Mundo tem superoferta de aço: 500 milhões de toneladas anuais que não são vendidas. Na indústria automobilística foram vendidos 70 milhões de veículos em 2012 e a indústria tem capacidade para produzir 90 milhões de carros. Queda de lucratividade das grandes corporações, por isso empresas começam a demitir e fechar fábricas, principalmente na Europa. Desempregados no mundo: 230 milhões. Espanha com 6 milhões de desempregados (25% da força de trabalho) e a Grécia perdeu 25% do PIB (depressão econômica pesada). Ford fecha fábrica na Bélgica, Honda na Inglaterra, GM anuncia fechamento em Bochum na Alemanha, a Peugeot na França quer fechar uma planta e demitir 8 mil operários. A Fiat está demitindo na Itália. Renault fez acordo para congelar salários em troca de não demitir operários na França. Demissões massivas na Dow Chemical, com fechamento de 20 fábricas na Europa. A Thyssen-Krupp anunciou corte na Europa que pode chegar a 3,8 mil empregos no próximo período. São alguns exemplos que começam a se generalizar no mundo.

4 SÍNTESE Mais provável irmos a uma, estagnação da economia mundial, resultado de uma recessão na Europa, crescimento fraco nos EUA e diminuição do crescimento nos países emergentes.. Outras possibilidades menos prováveis: retomada fraca X depressão (recessão EUA, estouro bolha na China e desmoronamento da Zona do Euro). Nova onda de ataques ao proletariado mundial. A dinâmica econômica será resultado dos embates entre as classes ao nível local e mundial, um influenciando o outro e vice-e-versa

5 A DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA BRASILERA EM 2012 Em %. Crescimento do PIB Brasil - anual /2012 em % 8,0% 7,0% 6,0% 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% crescimento PIB 7,5% 2,7% 0,9% Pior que isso, a indústria de transformação saiu de um crescimento de 10,5% em 2010 e está em recessão, com queda de -2,5% em 2012.

6 CRISE SE APROXIMA DO BRASIL, MAS AINDA NÃO TEM RECESSÃO Elementos determinantes da crise mundial: diminuição dos investimentos (queda de 18% dos investimentos no mundo).. No Brasil, os investimentos externos caíram 2%, porém, o Brasil é o terceiro país que mais recebeu capital internacional em 2012, atrás apenas da China (contando Hong Kong junto) e EUA. Por isso, se inicia a desaceleração mas ainda não chegou a crise, pois os investimentos estrangeiros estão cobrindo o rombo das transações com o exterior. Isso é o que ainda segura a crise, junto com consumo interno da população (varejo), que cresceu 3,1% em Porém, a dinâmica é clara: a crise está se aproximando do Brasil e estourará quando diminuir a entrada de capital internacional, aí teremos crise forte. Elemento que gera a crise: diminuição dos investimentos da patronal: -4% em 2012.

7 PIB POR SETORES. Fonte: IBGE 2013

8 QUEDA NA PRODUÇÃO INDUSTRIAL. Fonte: IBGE 2013

9 PRODUÇÃO INDUSTRIAL POR REGIÃO. Fonte: IBGE serie dessazonalizada

10 QUEDA DA PRODUÇÃO, DO EMPREGO E DA RENDA. Estes números mostram que a indústria já tem índices de produção negativos, enquanto faturamento dos patrões e o salário dos trabalhadores sobem. Quer dizer, em 2012 houve uma estagnação da indústria no Brasil. A indústria, de forma geral, indica o futuro da economia. Olhando por setores vemos que: Se o faturamento total da indústria cresceu 2,4% em 2012, na indústria metalúrgica caiu -1,5%, em Veículos automotores caiu -0,6% e aeroespacial caiu em -14,5%. Setores que cresceram o faturamento em 2012: Máquinas e equipamentos (16,3%), eletroeletrônico (14,6%), Química (2,1%) porém, em quase todos houve queda das horas trabalhadas e na capacidade instalada. No emprego, no total da indústria de transformação houve uma queda de -0,2%, porém caiu -5,8% eletroeletrônico, -0,4% em metalurgia básica e -0,4% em veículos automotores. Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Brasil - IBGE Indicadores Conjunturais da Indústria Segundo Categoria de Uso - Dez/2012 Categorias de Uso Variação (%) Acumulado no ano 2012 Bens de Capital -12,6% Bens de Consumo Intermediário -1,9% Bens de consumo duráveis -4,6% Indústria Geral -2,5% Indústria de Transformação -0,8% Faturamento da Indústria 2,4% Pessoal ocupado assalariado -0,2% Horas trabalhadas -1,5% Folha de pagamento real 5,1%

11 DEMISSÃO EM CONTA-GOTAS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO. Está iniciando um ataque da patronal aos trabalhadores, demitindo excesso de trabalhadores em algumas áreas, principalmente na indústria de transformação, veja o exemplo no ABC paulista: se perderam 52 mil postos de trabalho na indústria de transformação na Região do ABC entre 2011 e 2012 (-14,1%). Também estamos vendo o ataque da GM em São José. A queda do emprego na indústria, ainda que mostra uma tendência, ainda é muito pequena e restrita a alguns setores. Os empresários estão em compasso de espera para ver a dinâmica da crise, antes de decidir demitir em massa.

12

13 SITUAÇÃO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Segundo o IBGE, em 2012, a Indústria Geral caiu 2,5%. No estado de São Paulo, esta queda foi mais acentuada, de 3,8%; No entanto, o setor de Produtos Químicos, contribuiu com números positivos. Apenas Borracha e Plástico não seguiu esta tendência; Farmacêutica: 0,5%; Perfumaria, sabões, detergentes e produtos de limpeza: 3,3%; Outros produtos químicos: 3,7%; Borracha e plástico: -1,9%; Graças a este desempenho os setores contribuíram positivamente com aumento de 0,2% no total da indústria, apesar da indústria ter caído 2,5%.

14 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA QUÍMICA BRASILEIRA Desempenho da Indústria Química Brasileira Variação da Produção no Acumulado de 2012 em % 6,00% 5,66% 5,00% 4,00% 3,32% 3,74% 3,00% 2,00% 1,00% 0,52% 0,00% -1,00% -2,00% Farmacêutica Perfumaria, sabões, detergentes e produtos de limpeza Outros produtos químicos Borracha e plástico -1,92% TOTAL Acumulado Jan/Dez 2012 Fonte: IBGE

15 VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO ENTRE 2009 A ,00% 25,00% 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% Indústria Geral Setores Selecionados 0,00% -5,00% ,00% Fonte: IBGE O período que vai de 2009 até 2012 é de números ruins para a Indústria Brasileira, que amargurou uma queda na produção física acumulada de 9%. No entanto, os setores selecionados (Farmacêutico; Perfumaria, sabões, detergentes e produtos de limpeza; Outros produtos químicos; e Borracha e plástico) tiveram um aumento acumulado de 28%. O que evidencia que a Indústria Química foi uma das que melhor se saiu neste período de crise econômica mundial.

16 2,00% 1,50% 1,00% 0,50% Variação do Emprego e Horas Trabalhadas no Setor entre 2011 e 2012 em % 1,00% 1,39% Observem que a quantidade de horas trabalhadas mostrou uma variação menor do que o total de trabalhadores empregados, no setor de produtos químicos. Ou seja, mais horas trabalhadas, com menos trabalhadores. Aumento da jornada de trabalho. 0,00% Ind. Geral Produtos Químicos Borracha e Plástico -0,50% -1,00% -1,50% -2,00% -2,50% -1,36% -1,88% INDICADORES DO PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO INDICADORES DO NÚMERO DE HORAS PAGAS -1,63% Fonte: IBGE -1,78%

17 * 100 UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA EM % Fonte: ABIQUIM Em 2012 houve um leve aumento da utilização da capacidade instalada da indústria química (o quanto a indústria utilizou de sua capacidade de produzir, com suas máquinas e equipamentos), de 80% em 2011, para 82%, em No entanto, ainda está abaixo da média dos últimos 17 anos, de 84,2%.

18 FATURAMENTO DA INDÚSTRIA QUÍMICA MUNDIAL EM 2011 PAÍS FATURAMENTO 1 CHINA ESTADOS UNIDOS JAPÃO ALEMANHA COREIA BRASIL ÍNDIA FRANÇA ITÁLIA RÚSSIA REINO UNIDO TAIWAN HOLANDA ESPANHA SUIÇA 73 Fonte: ABIQUIM Brasil em 6º lugar Estima-se que o faturamento no ano de 2011, deste setor, tenha sido de 4.998,4 bilhões de dólares. O Brasil representa 3,14% deste total; Em um ano o faturamento da Indústria Química no Brasil avançou 21%; De 2010 para 2011 o Brasil avançou uma posição neste ranking, deixando a Índia para trás.

19 Faturamento líquido da indústria química mundial 1990 a 2011 US$ bilhões Mundo + 7% a.a. Brasil + 8% a.a. China + 18% a.a Outros Itália França Índia Brasil Coreia Alemanha Japão EUA China Fontes: ACC, Cefic e Abiquim 2

20 FATURAMENTO DA INDÚSTRIA QUÍMICA POR SETORES 2010/2012 Faturamento da Industria Química por setores 2010 a 2012 em R$ bilhões Total Prod. Farmacêutic Fertilizantes Higiene Defensivos Limpeza Tintas Fibras Químicos o agric ,4 107,7 36,2 20,8 23,5 12,9 13,5 6,8 2, ,8 123,5 43,0 28,6 25,2 14,4 14,4 7,5 2, ,0 137,4 48,2 33,0 29,3 17,1 15,0 8,5 2,5 Fontes: Abiquim e associações dos segmentos específicos. * 2012 é estimado Previsão de crescimento do faturamento do setor em 2012 é de 12,4% em reais, segundo a ABIMAQ 4

21 A Indústria brasileira, hoje, tem o mesmo peso no PIB do que nos anos de JK, começo da industrialização brasileira. Em 2012, este peso foi de 13%, em contraste com o auge, em meados da década de 1980, quando era de 27%. 10,7 10,8 10,1 11,0 4,0 3,5 3,8 4,8 O setor diminuiu sua participação no PIB total brasileiro (anos 90 > 2012: 3,6% > 2,6% do PIB total; 16% > 10% do PIB industrial) 42,3 33,7 35,1 23,9 26,1 15,3 17,4 14,5 5,9 7,4 8,9 10,7 11,9 10,4 13,1 15,8 43,1 15, * Exportações Importações Fonte: ABIQUIM A diferença do que é exportado com o que é importado já resulta em um déficit de US$ 27 bilhões de dólares em 2012 Apesar de ser um país com um dos maiores faturamentos do setor no mundo, a indústria química acompanha a indústria geral, com paulatina transferência da produção para o exterior, com perda de peso da produção industrial nacional e avanço dos importados, como mostra gráfico acima.

22

23 CONCLUSÕES O Brasil passa por um período de crise na Indústria, com um acúmulo de queda de 9%, na Indústria Geral, nos últimos quatro anos. No entanto, os setores da produção química estão muito acima da média, onde nos últimos quatro anos houve crescimento acumulado da produção de 28%. Isto dá margem a reivindicações salariais; O Brasil avançou uma posição no ranking de países que mais faturam, no setor, ultrapassando a Índia, em Isto aconteceu porque, entre 2010 e 2011, o faturamento total da indústria química ter avançado 21%, segundo a própria ABIQUIM.

24 CONCLUSÕES As empresas do setor, normalmente, sustentam altas taxas de rentabilidade, salvo um ano ou outro de perdas; O setor possui algumas das empresas mais lucrativas que atuam no Brasil, como a Natura, 3M e EMS.

25 Análise de Empresas do Setor Químico

26 VENDAS E LUCROS DA NATURA NA DÉCADA PETISTA 2003/2012 Fonte: Relatórios anuais da Natura, disponíveis em Empresa muito rentável, com margem de lucro de 15% em média. Indústria automobilística tem margem de lucro de 3% das vendas. Margem da Vale foi de 35% em 2011, caiu em Margem da Petrobras foi 8% em Crescimento das vendas em 38% ao ano entre 2003 e 2012, quatro vezes mais que o crescimento da China. Crescimento do lucro em 59,2% ao ano entre 2003 e 2011, cinco vezes mais que crescimento chinês.

27 LUCROS DA NATURA NA DÉCADA PETISTA 2003/2012 Fonte: Relatórios anuais da Natura, disponíveis em Retorno de lucros aos donos de 100% do lucro líquido, quando o normal é de 25%. Praticamente se entrega todo o lucro aos donos.

28 LUCROS X PLR DA NATURA NA DÉCADA PETISTA 2003/2012 Fonte: Relatórios anuais da Natura, disponíveis em Nível bom de PLR conquistado em 2012, cerca de 8% do lucro líquido. Reivindicação dos trabalhadores da Vale é de 8% do lucro líquido. Vale paga por volta de 4% e Petrobras 5% do lucro líquido.

29 VENDAS X CUSTO PESSOAL DA NATURA NA DÉCADA PETISTA 2003/2012 Fonte: Relatórios anuais da Natura, disponíveis em Gasto baixo com mão de obra, que torna a empresa rentável. A Vale e a Petrobras, por exemplo, gastam 5% das vendas com pessoal.

30 A EXPLORAÇÃO DO TRABALHADOR DA NATURA Segundo o balanço da Natura de 2011 (disponível no site da empresa), cada trabalhador da Natura gerou uma riqueza de R$ ,00 no ano de Rende ao mês R$ ,83 reais ou R$ 505,83 reais por hora, considerando uma jornada de 42 horas semanais. O custo deste trabalhador para a empresa neste mesmo ano foi de R$ ,00 de salários e encargos, isto é, R$ 3.720,53 reais por mês entre salários, encargos, PLT, tudo. Isto significa R$ 22,14 reais por hora. Considerando uma jornada de 42 horas semanais, em 7 horas e meia de trabalho, isto é, menos de 1 dia de trabalho, o funcionário paga seu salário mensal (com encargos e tudo). Dito de outra forma, o funcionário trabalha 1 dia para si e 21 dias para o patrão por mês. Se fosse trabalhar para si, trabalharia apenas 12 dias no ano para ganhar o que ganha atualmente.

31 Vendas da Johnson & Johnson 1995 a 2010 em US$ bilhões Faturamento Fonte: Revista Exame Maiores e Melhores A empresa não disponibiliza dados além das vendas. Mais informações temos somente do ano 1998 onde tínhamos na empresa funcionários e gastou US$ 221 milhões com folha de pagamento, representando 18% do faturamento. Por estes dados apresentados, em 30 horas de trabalho o funcionário pagava seu salario e encargos mensais.

32 Lucro Líquido Receita Líquida Lucro Líquido Receita Líquida Fonte: EUROFARMA Relatório Anual 2011 Apesar do aumento da receita líquida, a Eurofarma teve queda na lucratividade, sendo de 2009 para 2010 uma queda de 3,7%, e de 2010 para 2011, de 92,5%. No entanto, 2011 foi um ano excepcional, não refletindo a real situação da empresa. A margem de lucro líquida foi de 15,5%, em 2009, para 13,2%, em 2010, e 0,9% em 2011.

33 Lucro Líquido x PLR ( ) Lucro Líquido PLR Fonte: EUROFARMA Relatório Anual 2011 A PLR da Eurofarma foi de 46,5 milhões de reais, no ano de 2011, o que equivaleu a quatro vezes o lucro líquido da empresa. No entanto, este fenômeno tem a ver com a imensa queda do lucro líquido da empresa em A PLR teve um aumento de 24% de 2010 para Se comparar a receita líquida total de 2011, a PLR correspondeu a 3,5% desta receita.

34 Receita Líquida Lucro Líquido Receita Líquida Lucro Líquido Fonte: Diário Oficial Empresarial do Governo de SP Em um momento onde o setor Farmacêutico tinha crescido apenas 1,24% da sua produção, a E.M.S. teve um crescimento de 66% de seu lucro líquido, passando de uma margem de lucro de 17,8% para 22,1%, a mais alta das empresas estudadas.

35 Vendas da Unilever 1995 a 2011 em US$ bilhões Faturamento Fonte: Revista Exame Maiores e Melhores A empresa não disponibiliza dados além das vendas. Mais informações temos somente do ano 2009, onde se informa que a firma tinha 12 mil funcionários e cada um rendeu U$ ,33. Em 1999, onde tínhamos na empresa funcionários e gastou US$ 540 milhões com folha de pagamento, representando 7% do faturamento. Por estes dados apresentados, em 12 horas de trabalho o funcionário pagava seu salario e encargos mensais.

36 Vendas da Saint Gobain 1995 a 2011 em US$ bilhões Faturamento 968,1 971,9 939,8 864,4 901,8 956, , 1.105, 1.058, 1.115, 1.123, 1.208, 1.108, 706,2 442,9 451, , Fonte: Revista Exame Maiores e Melhores O grande crescimento de 2011 é que se refere a venda de todo o grupo e não apenas do setor de vidros (gráfico até 2010). Em 2011,a Saint Gobain tinha funcionários, e cada um rendeu em 2011 US$ ,80. A empresa gastou U$ 231,8 mil com folha de pagamento, portanto, teve como salário e encargos médio o valor de U$ 2.883,86. A empresa gastou US$ 231 milhões com folha de pagamento, representando 15% do faturamento. Por estes dados apresentados, em 25 horas de trabalho o funcionário pagava seu salario e encargos mensais.

37 Vendas da Rhodia 2003 a 2011 em US$ bilhões 2.500, , , ,0 500,0 0, * Faturamento 1.666, , , , , , , , ,7 Fonte: Revista Exame Maiores e Melhores representa as vendas líquidas da empresa. Em 2008, a Rhodia tinha funcionários, e cada um rendeu US$ ,08. A empresa gastou U$ 138,7 mil com folha de pagamento, represetando 7,8% do faturamento, teve como salário e encargos mensal médio o valor de U$ 3.768,71. Por estes dados apresentados, em 13 horas de trabalho o funcionário pagava seu salario e encargos mensais.

38 Vendas da 3M 1995 a 2011 em US$ bilhões 1.400, , ,0 800,0 600,0 400,0 200,0 0, * Faturamento Fonte: Revista Exame Maiores e Melhores representa as vendas líquidas da empresa. Em 2011, a 3M Rhodia tinha funcionários, e cada um rendeu US$ ,00. A empresa gastou U$ 165,2 mil com folha de pagamento, representando 16% do faturamento, teve como salário e encargos mensal médio o valor de U$ 3.953,85. Por estes dados apresentados, em 26 horas de trabalho o funcionário pagava seu salario e encargos mensais.

39 Vendas da Procter & Gamble a 2011 em US$ bilhões * Faturamento 476,6 444,5 479,2 505, , ,80 Fonte: Revista Exame Maiores e Melhores representa as vendas líquidas da empresa.

DADOS ESTATÍSTICOS DA NATURA

DADOS ESTATÍSTICOS DA NATURA DADOS ESTATÍSTICOS DA NATURA VENDAS E LUCROS DA NATURA 2003/2011 Vendas e lucros da Natura 2003/2011 milhões de reais 6.000 5.000 Em milhões de reais 4.000 3.000 2.000 1.000 0 2003 2004 2005 2006 2007

Leia mais

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CONJUNTURA INTERNACIONAL E NACIONAL A crise mundial não acabou está cozinhando em banho-maria. Países ricos estão exportando empresas para os BRICs, para ocupar todo

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL ANÁLISE ECONÔMICA DA CSN DE SETEMBRO DE 2011 Cenário Internacional 2011 foi marcado por um ambiente econômico de instabilidade, agravamento da crise européia.

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

2012: DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA MUNDIAL

2012: DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA MUNDIAL 2012: DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA MUNDIAL Todas as projeções econômicas realizadas por entidades burguesas internacionais em julho de 2012 aponta para desaceleração da economia mundial A crise mundial ameaça

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 A crise financeira internacional continua afetando negativamente o comércio exterior paranaense: apesar das exportações terem aumentado 43,44% em março,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 Carlos Fadigas A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 10 % do PIB INDUSTRIAL 6 ª MAIOR Indústria Química DO MUNDO A INDÚSTRIA QUÍMICA DEVE FATURAR US$ 157 BILHÕES

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS

CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS NO BRASIL NOS ÚLTIMOS 10 ANOS Iervolino, Fernando 1 RESUMO Nos últimos dez anos a indústria automobilística no Brasil passou por um período de forte

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Irailton Silva Santana Júnior 1 Vinícius de Araújo Mendes 1 Introdução O presente relatório concentra a análise da economia brasileira

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014 Maio/2014 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação registrou queda de 0,6% em Março de 2014,

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Encontro Nacional dos Trabalhadores do Setor de Fertilizantes e Defensivos Agrícolas 2015

Encontro Nacional dos Trabalhadores do Setor de Fertilizantes e Defensivos Agrícolas 2015 Encontro Nacional dos Trabalhadores do Setor de Fertilizantes e Defensivos Agrícolas 2015 Diagnóstico e Desempenho Setorial Encontro Nacional dos Trabalhadores do Setor de Fertilizantes e Defensivos Agrícolas

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR

CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR CAFÉ DA MANHÃ FRENTE PARLAMENTAR Situação Atual do Setor Têxtil e de Confecção Aguinaldo Diniz Filho Presidente da Abit Brasília, 19 de junho de 2013 PERFIL DO SETOR ESTRUTURA DA CADEIA TEXTIL E DE CONFECÇÃO

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 Considerações Iniciais A combinação juros, inflação e câmbio tem tomado maior tempo das análises e preocupações do governo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Nacional e internacional

Nacional e internacional Nacional e internacional Crise de 2008 Explosão do mercado imobiliário nos EUA (subprime) Colapso no sistema econômico mundial Quebradeira de bancos e grandes empresas Queda vertiginosa nas taxas de lucratividade

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Operadora: Indicadores econômico-financeiros

Operadora: Indicadores econômico-financeiros Número 02 São Paulo, 13 de agosto de 2013 Operadora: Indicadores econômico-financeiros RESUMO A GVT tem apresentado variações positivas significativas na quantidade de acessos nos últimos três anos, e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso de Graduação em Administração (Presencial) Turmas 1 e 2 MACROECONOMIA Prof. Adm. Dr. José Carlos de Jesus Lopes Material

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

INDX avança 4,71% em Fevereiro

INDX avança 4,71% em Fevereiro INDX avança 4,71% em Fevereiro Dados de Fevereiro/15 Número 95 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de fevereiro com elevação

Leia mais

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 31MARÇO 2015.

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 31MARÇO 2015. PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 31MARÇO 2015. Cotação (31/03/15) PLAS3 - R$ 0,18 Valor de mercado em 31/03/15 (MARKET CAP BOVESPA) R$ 45 milhões Campinas, SP, 27 de abril de 2015 Plascar Participações Industriais

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Fernando A. Veloso Ibmec/RJ XII Seminário Anual de Metas para a Inflação Maio de 2010 Crescimento da Renda per Capita Entre 1960 e 1980, a renda

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Indicadores de Desempenho Julho de 2014

Indicadores de Desempenho Julho de 2014 Alguns fatores contribuiram para acentuar a desaceleração da produção industrial, processo que teve início a partir de junho de 2013 como pode ser observado no gráfico nº 1. A Copa do Mundo contribuiu

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais