INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012"

Transcrição

1

2 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo dos outros países importadores e redução da atividade produtiva de setores nacionais tradicionalmente consumidores de minérios trazem um cenário com mais incertezas para a produção nacional. [2012] Já a siderurgia do Brasil apresentou queda de 1,5% no volume fabricado: retraiu-se para 34,7 milhões, ante 35,2 milhões de toneladas de um ano antes. [2012] BRASIL PRODUZIU 32,0 mt DE AÇO, VENDEU NO MERCADO INTERNO 21,5 mt E EXPORTOU 9,7 mt, PORTANTO TEM SOBRA PRODUTIVA DE 15 mt (32% DE CAPACIDADE OCIOSA).

3 DESACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO MINERAL PIB BRASIL E SETORES 2009 A 2012 EM % Fonte: IBGE Há uma queda geral de todos os índices. O setor mineral caiu de um crescimento de 13,6% em 2010 para -1,1% em 2012 (já em recessão do ponto de vista da produção, não do faturamento que ainda está em crescimento. Lucros já começaram a cair).

4 QUEDA DAS EXPORTAÇÕES DE MINÉRIO ANUNCIA DIMINUIÇÃO DOS LUCROS Queda de US$ 10 bilhões nas exportações de minério de ferro em 2012 = -25,9% Queda do preço médio da tonelada de minério em -24,9% Queda em quantidade (peso) em -1,3% QUEDA DE 26% DAS EXPORTAÇÕES DA VALE 2012 QUEDA DE 47% NAS EXPORTAÇÕES DA CSN 2012 QUEDA DE 3% NAS EXPORTAÇÕES DA NAMISA 2012

5 PERDA DE POSTOS DE TRABALHO NO BRASIL AO EXPORTAR MINERIO BRUTO

6 FATURAMENTO DO SETOR MINERAL Fonte: IBRAM INFORMAÇÕES E ANALISES DA ECONOMIA BRASILEIRA A PREVISÃO PARA 2012 É DE FATURAMENTO EM TORNO DE U$ 55 BILHÕES, 10% FRENTE A 2011, PORTANTO AINDA EM CRESCIMENTO.

7 INICIOU A QUEDA NOS LUCROS DAS GRANDES EMPRESAS DESEMPENHO DA VALE EM 2012 Uma das consequências do cenário macroeconômico adverso foi a queda generalizada dos preços de minérios e metais. O lucro líquido básico atingiu R$ 22,2 bilhões, contra R$ 39,2 bilhões em A redução 43% nos lucros em 2012, devido quase totalmente a preços menores. DESEMPENHO DA PETROBRAS EM 2012 QUEDA DO LUCRO EM 36%, DEVIDO A QUEDA DA PRODUÇÃO E VENDAS, ASSIM COMO IMPORTAÇÃO DE GRANDES QUANTIDADES DE DERIVADOS DE PETROLEO. USIMINAS TEVE PREJUÍZO DE R$ 531 MILHÕES EM 2012 TAXA DE LUCRO DAS 90 MAIORES EMPRESAS BRASIELIRAS CAIU EM 53% EM 2012

8 SALDO POSITIVO NO EMPREGO 2012 O ano de 2012 iniciou-se com um estoque de trabalhadores no setor mineral (sem petróleo e gás natural). Com o saldo positivo de mão de obra gerado no 1º/2012, o estoque atual de trabalhadores passou para , o que representou um aumento de 4,2% do estoque no período.

9 SÁLARIO MÉDIO DO SETOR NO PAÍS 2012 SALARIO MEDIO DO SETOR DE MINERIO DE FERRO NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2012 FOI DE 4 SALARIOS MINIMOS.

10 VENDAS E LUCROS DA CSN Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em *2012 é estimativa em base aos 9 meses de Números mostram que: 1) Houve uma pequena queda nas vendas, mantendo-se em um patamar alto. Vinha de um crescimento de 14% em 2011 e 31% em ) O lucro bruto caiu 31% em 2012, porém ainda em patamar alto. 3) Porém, no lucro líquido, foi negativo, tendo prejuízo em Nada a ver com o desempenho operacional, com o trabalho da peãozada no chão da fábrica. Isto se deve à perda financeira das operações com a Usiminas. Steinbruch deu o bote e se deu mal: teve perda de R$ 1 bilhão. STEINBRUCH VAI QUERER DESCONTAR PREJUÍZO COM USIMINAS NAS COSTAS DOS TRABALHADORES. VAI VIR CHORANDO, TEMOS QUE MOSTRAR LUCRO OPERACIONAL

11 VENDAS DE MINÉRIOS CASA DE PEDRA E NAMISA 2007 A 2012* Relatório anual da CSN entregue a Bolsa de Nova Iorque * 2012 é estimativa da empresa. Crescimento de 15,5% nas vendas de minério em 2012

12 CRESCE A MINERAÇÃO DENTRO DO GRUPO CSN Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em *2012 é estimativa em base aos 9 meses de Queda da siderurgia e subida da mineração, em 2012 devido a queda do preço do minerio houve uma diminuição das receitas da mineração em comparação com a siderurgia.

13 CRESCE A MINERAÇÃO DENTRO DO GRUPO CSN Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em *2012 é estimativa em base a 9 meses do ano. Queda continuada do peso da siderurgia no grupo no que se refere a lucro. Crescimento da mineração no total do grupo, com pequena queda em 2012, devido à queda do preço do minerio. A mineração rendeu quase a metade dos lucros da CSN em 2012, demonstrando que a mineração tem um peso cada vez maior no interior do grupo CSN. Em 2011 rendeu mais da metade dos lucros do grupo.

14 MINERAÇÃO É A GALINHA DOS OVOS DE OURO DA CSN De acordo com os analistas, o entusiasmo dos investidores se deve ao fato de a CSN ser dona de uma mina avaliada em 10 bilhões de dólares -- que tem 60% do potencial de produção de Carajás, a principal mina da Vale.. Março de 2013 CSN valia R$ 18 bilhões de reais. CSN quer comprar a ThyssenKrupp por U$ 3,8 bilhões, valor dela hoje é de U$ 15 bilhões para montar do zero. Isto significa que, provavelmente, não vem mais para cá a siderúrgica.

15 VENDAS POR SETOR DA CSN 2008/2012 Receitas líquida por setor da CSN * Siderurgia (R$ bi) Mineração (R$ bi) Outros (R$ bi) Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em *2012 é estimativa em base aos 9 meses de Houve uma queda da Receita Líquida da siderurgia em 29% entre 2008 e 2012, enquanto cresceu a receita da mineração em 203%. O setor da mineração chegou a 26% de peso no grupo CSN, tendo chegado a 35% em 2011.

16 LUCRO BRUTO POR SETOR DA CSN 2008/2012 Lucro bruto por setor da CSN 2008/2012* Siderurgia (R$ bi) Mineração (R$ bi) Outros (R$ bi) Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em *2012 é estimativa em base aos 9 meses de No lucro, o setor siderúrgico da CSN caiu 70% em 4 anos, enquanto a mineração cresceu o lucro em 280% neste mesmo tempo. No lucro, a mineração já foi responsável por 46% do lucro em 2012, enquanto a siderurgia ficou com 41% e os outros setores com 12% do total. USAR ESTE DADO NA NEGOCIAÇÃO POIS ELE É GERADOR DE CAIXA PARA A EMPRESA (QUASE O MESMO DA EBTIDA).

17 CUSTOS POR SETOR DA CSN DADOS DE 2011 Custos por setor CSN - em R$ bi Siderurgia (R$ bi) Mineração (R$ bi) Outros (R$ bi) Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em Crescimento do Custo dos Produtos Vendidos (custo total) foi de 41% em 4 anos. Na mineração o crescimento do custo foi de 287%, enquanto as vendas do setor cresceu 316% no mesmo período. Na siderurgia os custos cresceram 32% enquanto a receita caiu -37%. No restante (logística, energia, cimento), os custos cresceram 6% enquanto as vendas caíram -14%. Significa que os setores de logística, cimento e energia são deficitários. A siderurgia teve queda acentuada nas vendas enquanto subia os custos. A mineração teve um salto espetacular. A mineração representa apenas 22% dos custos mas representa 35% das vendas da grupo CSN e 55% do lucro total do grupo. A siderurgia representa 72% dos custos e 57% das vendas, portanto, tem uma relação deficitária entre vendas e custos. O restante dos setores também são deficitários pois representa 11% dos custos e somente 7% das vendas.

18 CUSTO SALARIAL POR SETOR DA CSN DADOS 2011 Custo da mão-de-obra por setor CSN / em R$ milhões Siderurgia (R$ bi) Mineração (R$ bi) Outros (R$ bi) Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em 72% do custo salarial da CSN é na Usina de Volta Redonda, enquanto o gasto salarial com a mineração é apenas 14% do custo salarial total, igual aos dos outros setores de logística (14% do total do custo, enquanto a siderurgia representa 3/2 dos gastos). ESTES DADOS JOGAM MAIS PESO AINDA EM BUSCAR NA NEGOCIAÇÃO A EQUIPARAÇÃO COM A VALE E NÃO COM VOLTA REDONDA. É POSSÍVEL ARRANCAR MAIS POIS A MINERAÇÃO (CASA DE PEDRA E NAMISA) É A GALINHADOS OVOS DE OURO DA FAMÍLIA STEINBRUCH.

19 CRESCIMENTO DA NAMISA NO FATURAMENTO DADOS 2011 Vendas totais do grupo CSN em % Vendas totais do grupo CSN em % CSN Namisa CSN Namisa 12% 14% 88% 86% Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em Faturamento da Namisa saiu de 8% em 2009 para 14% em 2011, pequeno crescimento nas vendas.

20 CRESCIMENTO DA NAMISA NO LUCRO DADOS 2011 Lucro bruto do grupo CSN em % CSN Namisa Lucro bruto do grupo CSN em % CSN Namisa 17% 19% 83% 81% Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em No lucro do grupo CSN total, a Namisa saltou de 17% em 2010 para 19% do lucro em /5 dos lucros de todo o grupo CSN veio da Namisa.

21 VENDAS E LUCROS DA NAMISA Fonte: relatórios anuais da CSN As vendas cresceram 28% entre 2010 e 2011 e os lucros cresceram 16% entre 2010 e Uma margem de lucro invejável de 56% das vendas.

22 VENDAS NO MERCADO EXTERNO E INTERNO Vendas no mercado externo siderurgia X mineração, dentro do grupo CSN Mineração Siderurgia 97% 2% 2011 Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em Grosso da mineração é para exportação com maior parte para China, Coréia e Japão. 98% da produção da CSN de Volta Redonda é para o mercado interno. O que ajudou até agora a CSN, mercado interno comprando eletrodomésticos, carros e casas. Continua demanda de minério na China, em desaceleração. Se iniciou uma desaceleração da produção e vendas de conjunto do grupo, seja pela desaceleração externa e interna.

23 GASTO COM MÃO-DE-OBRA NA CSN DADO 2011 Fonte: Relatórios anuais da CSN. Salários e Encargos estimativa em base aos reajustes salariais dos funcionários(as) do grupo CSN.

24 A EXPLORAÇÃO DO TRABALHADOR DA CSN Fonte: Relatórios anuais da CSN, disponíveis em Distribuição fica 13% para trabalhador e 87% com patrões e governo

25

26

27

28 EXAUSTÃO DO FERRO E MEIO AMBIENTE Em 2038 acabam as reservas de minério de ferro do Brasil, segundo o DNPM.

29 CFEM PAGA PELA CSN EM CONGONHAS É BAIXA Em 2012, a arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) alcançou R$ 1,832 bilhão, 17,4% superior em ao ano anterior, liderada pelo minério de ferro que participou com 72% desse total. CONGONHAS ARRECADA 4% DA CFEM NACIONAL 2012: ARRECADOU R$ 73 MILHÕES 2011: ARRECADOU CERCA DE R$ 30 MILHÕES

30 MINERAÇÃO, DEPENDÊNCIA E EXPLORAÇÃO A CSN é a maior empregadora da cidade. Junto com a Namisa, mantém empregos diretos e indiretos. A cidade tem 50 mil habitantes. CSN, Vale, Namisa e outras companhias menores produzem hoje no município 35 milhões de toneladas por ano. Quase 80% da arrecadação municipal vem da mineração. 20% DA POPULAÇÃO TRABALHA PARA A CSN/NAMISA. COMO CADA TONELADA DE FERRO FOI VENDIDA EM 2012 A U$ 94,91 DÓLARES RENDEU U$ ,00, SENDO QUE A CSN/NAMISA PRODUZEM CERCA DE 30 MILHÕES DE TONELADAS, ENTÃO ARRECADOU U$ ,00. COMO SE ARRECADA CERCA DE R$ 70 MILHÕES DE REAIS DE CFEM, REPRESENTA APENAS 1% DO QUE ARRECADOU. HAJA DESPREZO PELA CIDADE.

31 QUESTÃO AMBIENTAL 2012 A proposta do PSDB, que ganhou por cinco dos nove votos, determina a preservação de 85% do perímetro da serra e libera 15% para estudos geológicos e futura expansão do grupo CSN. É justamente a fatia do Morro do Engenho e o do Pilar onde estão as minas Casa de Pedra (da CSN) e outras da Namisa. A cava mais profunda da Namisa fica justamente nesta região. cerca de 70% da arrecadação de Congonhas vem da mineração e boa parte dos empregos também. Cabido espera que o Ministério Público de Minas (MP), que defende tombar 100% a Serra, não interfira na decisão do município. "Seria uma ação indevida". 75% da população rejeita os planos de expansão

32 EXAUSTÃO DA CASA DE PEDRA E NAMISA

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL

A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL A CRISE INTERNACIONAL E A REPERCUSSÃO NO BRASIL ANÁLISE ECONÔMICA DA CSN DE SETEMBRO DE 2011 Cenário Internacional 2011 foi marcado por um ambiente econômico de instabilidade, agravamento da crise européia.

Leia mais

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN

CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CORELAÇÃO DE FORÇAS E NÚMEROS DA CSN CONJUNTURA INTERNACIONAL E NACIONAL A crise mundial não acabou está cozinhando em banho-maria. Países ricos estão exportando empresas para os BRICs, para ocupar todo

Leia mais

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE

2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 2013: RECESSÃO NA EUROPA EMPURRA MUNDO PARA A CRISE 30 países mais ricos do mundo (OCDE) tiveram uma queda no PIB de 0,2% no quarto trimestre de 2012. Diminuição forte do consumo na Europa vai afetar economia

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DA NATURA

DADOS ESTATÍSTICOS DA NATURA DADOS ESTATÍSTICOS DA NATURA VENDAS E LUCROS DA NATURA 2003/2011 Vendas e lucros da Natura 2003/2011 milhões de reais 6.000 5.000 Em milhões de reais 4.000 3.000 2.000 1.000 0 2003 2004 2005 2006 2007

Leia mais

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério

Relatório de Análise. CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas. 4T12 Preços melhores e maior volume de minério CSN: Boas perspectivas operacionais, mas duas incertezas A CSN teve um ano difícil em 2012, com perdas contábeis elevadas em seu investimento na Usiminas, expressiva redução na geração de caixa, aumento

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Folha On Line - SP 24/08/2008 Dinheiro Online

Folha On Line - SP 24/08/2008 Dinheiro Online Folha On Line - SP 24/08/2008 Dinheiro Online Petrobras pode ter 10% do PIB em 2020 (ROBERTO MACHADO) O peso da Petrobras na economia brasileira pode dobrar na próxima década, chegando a cerca de 10% do

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 02/10. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 02/10 Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO

AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 07/setembro/2015 n. 591 AÇÚCAR EM NOVA YORK ASSUME VANTAGEM SOBRE PREÇOS DO HIDRATADO EM RIBEIRÃO PRETO A finalização da primeira semana de setembro

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Crise e respostas de políticas públicas Brasil

Crise e respostas de políticas públicas Brasil Crise e respostas de políticas públicas Brasil Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, 08 de setembro de 2009 Situação

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

15 a 30 de setembro de 2015

15 a 30 de setembro de 2015 15 a 30 de setembro de 2015 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Leilão do IRB: Considerações Econômicas

Leilão do IRB: Considerações Econômicas Leilão do IRB: Considerações Econômicas Francisco Galiza - Mestre em Economia (FGV) Março/2000 SUMÁRIO: I) Introdução II) Parâmetros Usados III) Estimativas IV) Conclusões 1 I) Introdução O objetivo deste

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015. DESTAQUES

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa cai ao nível de 2009 com tensão global CCR tem expectativa positiva de crescimento para o próximo ano Ações PNA da Vale fecham na menor cotação desde 2006 Corte de produção na China e

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T10

Apresentação de Resultados 4T10 Apresentação de Resultados 4T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO

VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 13/agosto/2015 n. 458 VENDAS DE ETANOL HIDRATADO CRESCEM 56% NO BRASIL EM JUNHO Os dados mais atualizados disponibilizados pela ANP sobre a venda de combustíveis

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

O que os clientes não sabem é que o preço de qualquer peça, após o desconto, ainda é maior do que o preço original

O que os clientes não sabem é que o preço de qualquer peça, após o desconto, ainda é maior do que o preço original Atividade extra Exercício 1 Em uma loja de roupas, os preços foram remarcados com um aumento de 40%. O gerente percebeu a queda nas vendas após a remarcação e decidiu anunciar um desconto de 20% em todas

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 Investimentos em queda 4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 As mudanças de atitude do governo em relação ao novo Código de Mineração tornaram mais

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set

Evolução do lucro líquido (em milhões de reais) - jan fev mar abr mai jun jul ago set DISCUSSÃO E ANÁLISE PELA ADMINISTRAÇÃO DO RESULTADO NÃO CONSOLIDADO DAS OPERACÕES: PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2001 COMPARATIVO AO PERÍODO DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2000 (em milhões de reais, exceto

Leia mais

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral

Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral 6 análise de conjuntura Nível de Atividade: Investimento Desaba e Arrasta o PIB Trimestral Brasileiro Vera Martins da Silva (*) As perspectivas sombrias sobre a economia brasileira se confirmaram e houve

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Fundo GBX Viena FIC de FIA Carta Mensal do Gestor/ Junho 2013

Fundo GBX Viena FIC de FIA Carta Mensal do Gestor/ Junho 2013 Fundo GBX Viena FIC de FIA Carta Mensal do Gestor/ Junho 2013 Prezados Investidores, O Ibovespa encerrou o mês de Junho com queda de 11,30%. No acumulado do ano de 2013, a queda alcança 22,14%. É o 6º

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO

AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO AFIRMAÇÕES SOBRE O FUTURO COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL A TRAJETÓRIA 2003 Aquisição da Lusosider em Portugal 2002 2005 Início da expansão da Mina Casa de Pedra e do terminal de carvão em Itaguaí Usina

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

FRATTINI. Associados. Econômico. Agosto/14

FRATTINI. Associados. Econômico. Agosto/14 Agosto/14 Sumário ECONOMIA MELHORES & MAIORES 2014 ECONOMIA Inflação PIB Fonte: Veja, Julho 2014 Fonte: Veja, Julho 2014 Inflação Inflação continua preocupando em 2015. Fonte: Itaú BBA, Julho/14 Inflação

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais

Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais Mapa de Riscos Jurídicos Ambientais Atividades Minerárias Seminário Internacional de Direito Ambiental Empresarial Rio de Janeiro 31/05/2012 1 Grupo Votorantim 94 ANOS de historia Multinacional brasileira

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Segunda-feira 01 de Dezembro de 2014. DESTAQUES

Segunda-feira 01 de Dezembro de 2014. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa tem queda, mas encerra mês em alta Mercado vê inflação maior e PIB baixo em 2015 Casino vai acelerar expansão do Pão de Açúcar Minério de ferro cai 48% e tem pior cenário Brokers fecha

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Quinta-feira, 07 de Janeiro de 2016. DESTAQUES

Quinta-feira, 07 de Janeiro de 2016. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa cai ao menor nível desde março de 2009 "Pedaladas" podem virar crédito IPCA subiu 10,78% em 2015 ADRs da Gerdau fecham cotados a US$ 1 Queda pode levar Petrobras a rever preço da gasolina

Leia mais

FATURAMENTO DO CLUBE

FATURAMENTO DO CLUBE Finanças coloradas têm aumento de receitas e redução de custos Estamos apresentando a situação financeira do Internacional relativamente posição de agosto 2015. Balancete incluindo saldos patrimoniais

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Gráficos: Faturamento: População de animais de estimação:

Gráficos: Faturamento: População de animais de estimação: NOTÍCIAS Abinpet divulga dados consolidados do mercado pet referentes a 2013 Indústria nacional fatura R$ 15,2 bilhões e já representa 0,31% do PIB nacional De acordo com dados da Associação Brasileira

Leia mais

LT RELATÓRIO ESPECIAL SOBRE INDÚSTRIA E PERSPECTIVAS CORPORATIVAS Patrocinado pela SAP

LT RELATÓRIO ESPECIAL SOBRE INDÚSTRIA E PERSPECTIVAS CORPORATIVAS Patrocinado pela SAP LT RELATÓRIO ESPECIAL SOBRE INDÚSTRIA E PERSPECTIVAS CORPORATIVAS Patrocinado pela SAP CONTEXTO GLOBAL E REGIONAL DESEMPENHO DA INDÚSTRIA NO 1Q2015 PANORAMA DA INDÚSTRIA 2015 DESEMPENHO CORPORATIVO DAS

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

PLURI Especial. Ressonância Financeira dos Clubes Brasileiros Parte 1 Resultados 25 maiores Clubes

PLURI Especial. Ressonância Financeira dos Clubes Brasileiros Parte 1 Resultados 25 maiores Clubes Ressonância Financeira dos Clubes Brasileiros Parte 1 Resultados 25 maiores Clubes PLURI Consultoria Pesquisa, Valuation, Gestão e marketing Esportivo. Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER PERÍODO DE 10 A 14 DE FEVEREIRO Nessa semana, destaque para a reprodução no portal Metálica da matéria do jornal Valor Econômico, Inda mantém previsão de alta de

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Operadora: Indicadores econômico-financeiros

Operadora: Indicadores econômico-financeiros Número 02 São Paulo, 13 de agosto de 2013 Operadora: Indicadores econômico-financeiros RESUMO A GVT tem apresentado variações positivas significativas na quantidade de acessos nos últimos três anos, e

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

INDX avança 4,71% em Fevereiro

INDX avança 4,71% em Fevereiro INDX avança 4,71% em Fevereiro Dados de Fevereiro/15 Número 95 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de fevereiro com elevação

Leia mais

PACIFIC RUBIALES ENERGY CORP.

PACIFIC RUBIALES ENERGY CORP. PACIFIC RUBIALES ENERGY CORP. COMUNICADO À IMPRENSA PACIFIC RUBIALES ANUNCIA ATUALIZAÇÃO OPERACIONAL DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2014 Toronto, Canadá, segunda-feira, 28 de julho de 2014 Pacific Rubiales Energy

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO

EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 16/julho/2015 n. 454 EXPORTAÇÕES DE ETANOL CAEM 45% EM JUNHO O mês de junho foi marcado por um forte retrocesso nas exportações de etanol que caíram de

Leia mais

CSN MANTÉM MARGEM EBITDA SUPERIOR A 46% NO 3T10. São Paulo, 28 de outubro de 2010

CSN MANTÉM MARGEM EBITDA SUPERIOR A 46% NO 3T10. São Paulo, 28 de outubro de 2010 CSN MANTÉM MARGEM EBITDA SUPERIOR A 46% NO São Paulo, 28 de outubro de 2010 A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) (BM&FBOVESPA: CSNA3) (NYSE: SID) divulga seu resultado do terceiro trimestre de 2010 (),

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado A meta para a taxa Selic foi mantida durante o primeiro trimestre de 21 em 8,75% a.a. Em resposta a pressões inflacionárias

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 SETEMBRO 2015.

PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 SETEMBRO 2015. PLASCAR ANUNCIA RESULTADOS EM 30 SETEMBRO 2015. Cotação (30/09/15) PLAS3 - R$ 5,50 (*) Valor de mercado em 30/09/15 (MARKET CAP BOVESPA) R$ 27 milhões Quantidade Ações (*) Ordinárias: 4.970 M Relação com

Leia mais

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002

COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 COMENTÁRIOS DO DESEMPENHO NO 3º TRIMESTRE E 9 MESES DE 2002 Desempenho Em ambiente de queda da atividade na indústria automobilística, a Iochpe-Maxion apresentou um crescimento de 8,4% nas vendas no terceiro

Leia mais