Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos (2008-2013)"

Transcrição

1 Impáctos da Crise Econômia nos Sistemas de Saúde na Europa e Estados Unidos ( ) André Medici Congresso Internacional de Serviços de Saúde (CISS) Feira Hospitalar São Paulo (SP) 23 de Maio de 2013

2 Sumário da Apresentação 1. A Dinâmica Econômica da Crise Impáctos Sociais da Crise na Europa e Estados Unidos 3. Impáctos nas Políticas de Proteção a Saúde 4. Perspectivas Futuras

3 A DINÂMICA ECONÔMICA DA CRISE

4 A Crise Recente: Origens e Origens A crise financeira que assola o mundo é grave. Nada lhe é comparável desde Se inicia em 2007 no mercado norteamericano de hipotecas de alto risco (subprime), quando empréstimos baseados em devedores insolventes deixaram de ser pagos, aumentando a preferencia por ativos líquidos dos agentes econômicos. Se transforma, após a falência do banco de investimentos Lehman Brothers, numa crise sistêmica mundial. Está levando bancos e outras empresas financeiras à situação de quebra mesmo que elas próprias estejam solventes. Desdobramentos Desdobramentos Colocou em xeque a arquitetura financeira internacional; Mostrou as debilidades do sistema de regulação e supervisão bancária; Pôs em questão a sobrevivência de um perfil específico de instituições e operações financeiras. Elevou os níveis de desemprego, levando as familias a reduzir o consumo; as empresas a reduzir investimentos e o governo a cortar gastos para contornar o crescente déficit público Reduziu o ritmo de crescimento dos países desenvolvidos, com impactos posteriores nos países em desenvolvimento, desaquecendo o processo de globalização

5 Os impactos econômicos da crise nos países desenvolvidos Alguns interpretam a crise como tendo um formato de W. Ou seja, uma crise em , seguida de uma recuperação em 2010, e uma segunda crise a partir de A primeira, de 2008, puxada pelos Estados Unidos, e a mais recente, pela crise dos países da zona do euro em Mas as duas estão unidas por tres sintomas: (a) elevados déficits públicos; (b) fragilidade das instituições financeiras e, (c) desaceleração do crescimento Divida Pública do Governo Central como % do PIB Uniao Europeia Estados Unidos Japao

6 A Dinâmica Diferencial dos Países Ricos e o Alinhamento durante a Crise Período pré-crise Europa Japão e Estados Unidos tinham ritmos desalinhados de crescimento; Crises nos Estados Unidos, na Europa ou no Japão eram compensadas por crescimento em outras áreas desenvolvidas. Assim, no conjunto dos países ricos, nunca houve recessão profunda entre 1980 e 2008, embora pudesse haver recessões particulares nos Estados Unidos, Japão ou Europa Período da Crise Entre 2008 e 2009 se configura uma recessão, com taxas negativas simultaneas de crescimento do PIB nos Estados Unidos Europa e Japão Pela primeira vez, em quase 30 anos a economia mundial experimenta taxas negativas de crescimento do PIB. A recuperação em 2010 ocorre sincronicamente nos Estados, Unidos, Europa e Japão. Mas a desaceleração e 2011 e 2012 volta a ocorrer com o parâmetro pre-crise, sem manter o alinhamento verificado no período

7 Taxas de Crescimento do PIB em Regiões e Países Selecionados: Paises Ricos Area do Euro Estados Unidos Japão Fonte: Banco Mundial, Indicadores de Desenvolvimento Mundial

8 Comparando o Impácto dacrise: BRICS e Países Desenvolvidos Periodo pre-crise Entre 1999 e 2008, o Brasil disputou com a África do Sul as Taxas mais baixas de crescimento econômico, mas durante a crise teve um comportamento melhor do que a Rússia e a África do Sul. Depois de uma fase longa de taxas de crescimento negativo, nos anos noventa, a Rússia teve um bom desempenho econômico no-pre crise, mas foi fortemente afetada pela crise que se inicia em 2008, provavelmente pelos mercados europeus. China e Índia foram os gigantes do crescimento econômico no precrise. Durante a Crise Todos os BRICS tiveram suas economias afetadas pela crise, mas alguns (China e Índia) foram muito pouco afetados. Brasil, África do Sule e Rússia foram os mais afetados pela crise, especialmente a Rússia, que em 2008 teve seu crescimento econômico reduzido em quase 8%. A heterogeneidade dos BRICS, em suas estruturas econômicas, políticas e demográficas fazem com que seja díficil pensar uma estratégia conjunta de crescimento e política econômica.

9 Taxas de Crescimento do PIB nos BRICS: BRASIL RUSSIA INDIA CHINA AF. DO SUL Fonte: Banco Mundial, Indicadores de Desenvolvimento Mundial

10 O Peso Diferencial do Crescimento Econômico: BRICS, Europa e EUA Em que pese a crise, os efeitos do crescimento econômico dos últimos anos delineiam um novo cenário que deverá ser pensado nas estratégias econômicas e sociais globais nos próximos anos. Entre 1980 e 2012, o crescimento econômico dos BRICS, especialmente China e Índia marcam uma nova realidade. Neste período, o PIB da China cresceu 9 vezes seu PIB e o da Índia pouco mais de 4 vezes. Enquanto isso o crescimento da economia européia foi de 40% e o dos Estados Unidos, 66%. A crise recente marca, portanto, um futuro não muito distante de multipolaridade econômica e de múltiplos centros de poder. Taxas de Crescimento Agregado do PIB Regiões e Países Selecionados: Regiões e Países Crescimento Agregado do PIB ( ) (%) Rússia 12,03% Japão 26,78% Área do Euro 40,47% Estados Unidos 66,49% Brasil 77,27% África do Sul 78,17% Índica 424,59% China 892,10%

11 IMPÁCTOS SOCIAIS DA CRISE NA EUROPA E NOS ESTADOS UNIDOS

12 Sumario das consequências sociais Elevados níveis de desemprego e subemprego Queda dos salarios reais; Aumento do número de forclousures e perdas de imóveis por famílias pobres; Aumento do número de pessoas abaixo da linha de pobreza; Queda do número de pessoas com cobertura de seguros de saúde e direito a pensões pela seguridade social.

13 Alguns dados para os Estados Unidos O número de desempregados aumentou de 7 para 16 milhões entre 2007 e 2010, mas reduziu-se recentemente para em torno de 13 milhões O número de pessoas abaixo da linha de pobreza aumentou para 44 milhões. Um em cada sete norteamericanos estão abaixo da linha de pobreza A duração do tempo em condição de desemprego aumentou de 22 para 37 semanas entre 2008 e % dos desempregados (cerca 6,2 milhões) esperam mais de 6 meses sem encontrar emprego. Cerca de 25,1 milhoes estão em situação de desempregado ou subempregado. Taxa de Desemprego Aberto nos Estados Unidos: Anos Taxa de Desemprego Aberto ,6% ,8% ,3% ,6% ,5% 2013 (abr) 7,5%

14 Aumento do número e porcentagem de pessoas na condição de pobreza nos Estados Unidos Evolução do número de pessoas na linha de pobreza nos Estados Unidos: Fonte: U.S. Bureau of Census

15 Alguns dados para a Europa Taxas de Desemprego se elevaram de 7,5% para 12,1%, entre 2007 e 2013 e seguem subindo Aumento da população abaixo da linha de pobreza. Em países como Grécia alcança 30% Medidas de austeridade fiscal em países que perderam o controle da dívida soberana (Portugal, Espanha, Italia, Irlanda e Grécia). Cortes e reduções de salários, beneficícios previdenciários e seguros socias para a população. Salários na Grécia foram cortados em 22% em média (32% para os jóvens) Redução de empregos de médicos, professores e outros profissionais que atendem a serviços públicos universais. Taxa de Desemprego Aberto nos Europa: Anos Taxa de Desemprego Aberto ,5% ,5% ,4% ,0% ,1% 2013 (mar) 12,1%

16 IMPACTOS NAS POLÍTICAS DE PROTEÇÃO À SAÚDE

17 Europa x Estados Unidos: Modelos Diferenciados de Saúde Estados Unidos É um sistema que tem dos pilares públicos: MEDICARE Para cobertura dos riscos da população idosa e deficiente e; MEDICAID Para a cobertura de indigentes e populações abaixo da linha de pobreza Tem um sistema privado baseado na compra de planos de saúde de múltiplas características (HMO, PPO, POS, etc.) de adesão voluntária pelas empresas e-ou individuos; O Plano Obama de Saúde passa a tornar obrigatória a adesão a um seguro de saúde a partir de Europa Cada pais tem seu próprio sistema, mas existem similaridades e principios comuns: Direito Universal a Saúde com proteção social do Estado Os Sistemas podem ser Únicos (Single Systems UK, Portugal, Italia) ou Múltiplos Estruturados (França, Alemanha, Holanda, etc) através de Seguros Públicos ou Seguridade Social. A cobertura e acesso é bastante diferenciada por países e, em alguns países, por Regiões

18 Impacto da Crise no Gasto em Saúde Estados Unidos: O Impacto da crise foi pequeno. Entre 2007 e 2010 o gasto percapita com saúde aumentou constantemente. No entanto, como proporção do PIB, ele sofreu uma redução entre 2009 e 2010, pela primeira vez em muitos anos. O Gasto em saúde como proporção do PIB, segue sendo o maior entre os países da OECD. (Estados Unidos) Ano Gasto Percapita em Saúde (Em US$) Gasto em Saúde como % do PIB , , , ,6 Mudanças na dimensão e estrutura do gasto poderão vier com as reformas a serem introduzidas a partir de 2014, quando entra em vigência o Plano Obama.

19 Estimativa do crescimento do gasto público em saúde nos Estados Unidos

20 Impacto da Crise no Gasto em Saúde (Europa) Nos países Europeus, o gasto em saúde como % do PIB em 2010 variava de 7,0% (Polonia) a 11,6% do PIB (França). A maioria dos países europeus reduziu o gasto em saúde como % do PIB entre 2009 e As exceções foram: Holanda, Hungria, Espanha, Itália e Suiça. O gasto percapita em saúde na Europa em 2010 variava de US$1389 (Polonia) a US$5388 (Noruega). A maioria dos países europeus aumentou o gasto percapita em saúde entre 2009 e As exceções foram Rep Tcheca, Estonia, Finlandia, Grecia, Islândia, Irlanda, Italia, Eslovenia e Espanha, Os países mais afetados pela crise recente, como Grecia, Irlanda, Itália e Espanha foram os que tiveram cortes recentes nos gastos percapita com saúde, alguns deles já iniciando em A crise, portanto, tem trazido um cenário de gastos em saúde que muito raramente ocorreu no contexto europeu do crescimento do Estado de Bem Estar.

21 Impactos na Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saúde Estados Unidos 2007 e % de pessoas sem cobertura de seguro saude aumento de 14,7% para 16,3% e de trabalhadores adultos (18-64 anos) de 19,6% para 20,8% % sem cobertura se reduz de 16,3% para 15,7% No entanto, o número de pessoas sem asseguramento já vinha aumentando nos Estados Unidos, especialmente pela maior migração, devido ao peso da informalidade. Se estima que 134 mil pessoas morreram entre 2005 e 2010 por falta de cobertura de serviços de saúde. Mas entre 1978 e 2012, caiu de 73% para 68% o número de pessoas que pensam que existe crise e maiores problemas no sistema de saúde. Europa Os impactos da crise na Europa não se dão diretamente na cobertura, já que esta tem garantia pública, mas especialmente na qualidade. Na maioria dos países europeus caiu entre 2000 e 2010 o número de visitas médicas por pessoa, em proporções que variam de 0,2% (Luxemburgo) até 3,1% (Eslováquia). Boa parte deste processo pode estar associada às medidas de racionalização impostas pela crise, na tentativa de aumentar a produtividade e cortar visitas médicas desnecessárias.

22 Evolução do número e % de pessoas sem cobertura de saúde nos EUA: Fonte: U.S. Bureau of Census

23 Distribuição dos trabalhadores sem cobertura de plano de saúde nos Estados Unidos % s/cobertura 10-14% s/cobertura 14-16% s/cobertura 16-20% s/cobertura 20-27% s/cobertura

24 PERSPECTIVAS FUTURAS

25 O que virá com a crise no setor saúde? EUROPA Ajuste Fiscal de curto prazo, sem muitas mudanças nos esquemas de cobertura Detenção do aumento de novos benefícios Medidas severas contra migração e extensão de direitos sociais Busca de medidas que aumentem a eficiencia na entrega dos serviços e racionalizem os gastos com pessoal, insumos e medicamentos ESTADOS UNIDOS Plano Obama de reforma de saúde Os cortes nos gastos no MEDICARE, estimados em US$ 390 milhões, são estimados pelas associações de pacientes e das HMOs em US$ 554 bilhões Se espera, com um investimento de US$1,7 trilhões, em 10 anos, ter uma economia de US$ 2,7 trilhões no mesmo período. Novos planos de saúde tem que cobrir exames e medidas preventivas sem co-pagamentos e dedutíveis. Os velhos planos de saúde terão que adotar as mesmas práticas a partir de 2018

26 Estados Unidos: Recursos para o Financiamento da Reforma de Saúde (Em US$ Bilhões)

27 OBRIGADO

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011.

X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil. Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. X Encontro Nacional de Economia da Saúde: Panorama Econômico e Saúde no Brasil Porto Alegre, 27 de outubro de 2011. Brasil esteve entre os países que mais avançaram na crise Variação do PIB, em % média

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE A crise financeira: causas, respostas e os planos de assistência financeira Índice 1. Da crise

Leia mais

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO Disciplina: D 2.2 Economia Internacional (16h) (Aula 2 - Crise internacional: medidas de políticas de países selecionados) Professora: Luciana Acioly da Silva 21 e 22

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Nacional e internacional

Nacional e internacional Nacional e internacional Crise de 2008 Explosão do mercado imobiliário nos EUA (subprime) Colapso no sistema econômico mundial Quebradeira de bancos e grandes empresas Queda vertiginosa nas taxas de lucratividade

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

A Disputa por Recursos Públicos em Tempos de Crise

A Disputa por Recursos Públicos em Tempos de Crise DIREITOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS A Disputa por Recursos Públicos em Tempos de Crise Marcelo Lettieri Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil SUMÁRIO Conjuntura Internacional

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas

Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Simpósio UNIMED 2015 Cenário econômico-político do Brasil: momento atual e perspectivas Mansueto Almeida 28 de agosto de 2015 Indústria: o que aconteceu? Produção Física da Indústria de Transformação 2002-

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010

Exercício de stress test na União Europeia. Principais resultados para os bancos portugueses. 23 Julho 2010 Exercício de stress test na União Europeia Principais resultados para os bancos portugueses 23 Julho 2010 Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO

FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO Medicaid FINALIDADE E BREVE HISTÓRICO O Medicaid é um programa de seguro saúde aprovado em 1965 como parte da Guerra à Pobreza. Ele é financiado em conjunto com recursos federais e estaduais, e representa

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

Relatório Global sobre os Salários 2012/13

Relatório Global sobre os Salários 2012/13 Relatório Global sobre os Salários 212/13 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Principais tendências nos salários A crise continua a refrear os salários Em termos

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

A União Européia e o Euro

A União Européia e o Euro A União Européia e o Euro Crise na Grécia, Situações na Irlanda, em Portugal, Espanha e Itália Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Audiência Pública - 12 de setembro de 2011

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

Brasil avança em duas áreas da Matemática

Brasil avança em duas áreas da Matemática PISA 2003 - BRASIL O Brasil mostrou alguns avanços na segunda edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Foi o que mais cresceu em duas das áreas avaliadas da Matemática, melhorou

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA OS EUA E A ZONA EURO J. Silva Lopes IDEEF, 28 Setembro 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I As perspectivas económicas para os tempos mais próximos II Políticas de estímulo à recuperação

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil

Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Education at a Glance 2011 OCDE Nota para o Brasil Os governos prestam cada vez mais atenção às comparações internacionais, uma vez que procuram políticas públicas efetivas, capazes de melhorar os indicadores

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition

Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition Pensions at a Glance: Public Policies across OECD Countries 2005 Edition Summary in Portuguese Panorama das Aposentadorias na OCDE: Políticas Públicas nos Países da OCDE Edição 2005 Sumário em Português

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Sócio Econômico Departamento de Economia e Relações Internacionais Florianópolis.

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Sócio Econômico Departamento de Economia e Relações Internacionais Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio Econômico Departamento de Economia e Relações Internacionais Florianópolis Novembro 2014 Análise do Coeficiente de Gini e do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas Estudo realizado em parceria com a Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar Análise de Risco de Bancos Palestra Ocepar Abril/2009 Programação Análise recente do setor bancário Concentração Bancária Spread Bancário Crise Internacional Modelo de Análise de Bancos Perspectivas 2

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO Os BRICS EUA União Europeia PIB 2013 (aproximadamente) US$ 19 trilhões

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca Ana Tavares Lara Pereira José Gomes Armindo Fernandes Dezembro de 2011 COMO TUDO COMEÇOU

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo A grande janela de oportunidades (O Brasil decola) A grande janela de oportunidades Linha do tempo das conquistas

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014

Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 Publicação do Sistema Abramge-Sinamge-Sinog - Edição I - N o 01 - Setembro/2014 A saúde suplementar no Brasil cresceu consistentemente nos últimos anos e o país ocupa lugar de destaque no cenário mundial.

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais