Software melhor e mais rápido: resultados de um caso real

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Software melhor e mais rápido: resultados de um caso real"

Transcrição

1 Software melhor e mais rápido: resultados de um caso real IIBA, BABOK, Business Analysis Body of Knowledge e CBAP são marcas de propriedade do International Institute of Business Analysis. Estas marcas são usadas com permissão expressa do International Institute of Business Analysis. Suzandeise Thomé, CBAP Willem Dijkgraaf, CBAP 19/março/2014

2 Livro do Willem Start at the End with SMART requirements Comece pelo fim com requisitos inteligentes/smart -Willem Dijkgraaf and Mike van Spall

3 Livro da Suzandeise Foco desta palestra Público alvo: quem investe em TI Conteúdo: 1. A responsabilidade é sua 2. TI deve entender o contexto do negócio 3. O que exigir de TI? 4. O valor da análise é o resultado final 5. Diga não disperdício! Como decidir se o investimento realmente deve ser feito 6. Quem deve analisar a oportunidade de investimento? 7. Análise de Negócios é importante demais para ser feita de graça em fase de proposta

4 Agenda: caso real Objetivo e contexto Intervenções em: Gestão: Kanban Qualidade das regras Qualidade dos requisitos Testes ágeis (agile testing) ALM: Application Lifecycle Management (Gerenciamento de Ciclo de Vida de Aplicativos) Resultados

5 Objetivo Melhorar a qualidade e a velocidade das entregas da TI estabilizar plataforma atual preparar equipe para desenvolver novos produtos Tornar requisitos e regras executáveis foi uma parte das intervenções

6 Contexto Equipe de TI: Analistas funcionais Desenvolvedores Analistas de Processos fora da TI Equipe não atendia as expectativas dos seus clientes internos: Atrasos Projetos cancelados Baixa qualidade das entregas Muito retrabalho

7 Contexto Enorme backlog: Bugs Melhorias Projetos Todos tentando fazer tudo ao mesmo tempo Backlog aumentando a cada dia

8 Backlog Chamados Semanas

9 Como resolver? É só melhorar requisitos e regras que tudo se resolve, certo? CLARO QUE NÃO!!!!!!

10 ...e pra tornar o desafio mais interessante Profissionais: Cansados/frustrados Atitudes: muitos comprometidos e ansiosos por melhorias poucos descomprometidos e resistentes à mudança Trabalhar a atitude das pessoas não é o foco desta palestra, mas sem fazer isso TUDO o que vem depois deste slide fica MUITO mais difícil.

11 Por onde começar? Você pode fazer qualquer coisa, mas você não pode fazer tudo.

12 Kanban Antes de implantar o Kanban Cada um atuando em várias solicitações ao mesmo tempo, gerando desperdício: Levava meses para entregar de uma solicitação (lead time) Frequente repriorização do trabalho Não havia visibilidade do que realmente estava sendo feito Solicitações eram canceladas antes de serem entregues Cada subida em produção gerava mais bugs do que resolvia Backlog aumentava, aumentava e aumentava Colaboradores cansados e desencorajados

13 Kanban Como começamos? Com o processo do jeito que estava ( as is ) Com as solicitações (requisitos) do jeito que estavam Com o backlog que existia Sem alterar papéis e responsabilidades Sem indicadores Sem estimativas Tudo foi pro Kanban O que aconteceu? A situação atual ficou visível!

14 issue (problema/dúvida que impede trabalho de continuar) O que é possível descobrir olhando o Kanban? Kanban Legenda a fazer especificar desenvolver testar homologar em andamento pronto em andamento pronto em andamento pronto em andamento pronto pré- deploy deploy Legenda: bug melhoria alteração de dados

15 Kanban: resultados Após 6 meses de utilização do Kanban: Cada pessoa faz uma coisa de cada vez Minimizamos desperdício: 70% das solicitações são entregues em até 7 dias Não há re-priorização do que já está no Kanban, a priorização acontece quando existe disponibilidade pra puxar mais trabalho Não há cancelamentos de trabalho em andamento Melhoria de qualidade: poucos ou nenhum bug é introduzido em produção a cada deployment Backlog diminue constantemente Colaboradores motivados

16 O que é possível descobrir olhando o Kanban? antes de desenvolver!! analisar especificar testes em andamento pronto desenvolver testar homologar deploy em andamento p/ em pronto andamento migrar p/ pronto em migrar andamento pronto prédeploy Legenda: bug melhoria alteração de dados issue (problema/dúvida que impede trabalho de continuar) FAST TRACK: classe de serviço mais rápida

17 Kanban: resultados O que melhorou? Processo foi modificado para incluir feedback o mais cedo possível AN se certifica que a necessidade do negócio foi entendida corretamente Menos documentação Critérios de aceite mais completos e mais precisos Papéis e responsabilidades foram modificados com foco na entrega AN é responsável no início ao fim AN é também quem testa a entrega (testes manuais) AN e desenvolvedor conversam mais

18 Kanban: resultados O que melhorou? São executados somente as solicitações que fazem sentido Redução agressiva do backlog ( sejamos realistas ) foi cancelado tudo que era muito antigo ou não fazia mais sentido Passou a ser possível enxergar o que existia dentro do backlog Agrupamento de itens Criação de um resumo do que seria feito Entendimento de onde estava doendo mais Quando um chamado é tratado, é pra resolver o problema de vez Implantamos Kanban eletrônico além do físico

19 Além do Kanban O que adicionamos? Estimativas de chamados usando story points Estimativa no começo do fluxo de trabalho Ajustes à estimativa no final do fluxo Introdução gradativa de indicadores * à medida que informações pertinentes se tornavam disponíveis Velocidade da equipe (story points entregues por semana) Variabilidade do cycle time (tempo que um chamado demora para ser executado) Certo na primeira vez (first time right) = (novos bugs em produção / story points em produção) * indicadores gerados a partir do Kanban eletrônico

20 2/16/2013 2/23/2013 3/2/2013 3/9/2013 3/16/2013 3/23/2013 3/30/2013 4/6/2013 4/13/2013 4/20/2013 4/27/2013 5/4/2013 5/11/2013 5/18/2013 5/25/2013 6/1/2013 6/8/2013 6/15/2013 6/22/2013 6/29/2013 7/6/2013 7/13/2013 7/20/2013 7/27/2013 8/3/2013 8/10/2013 8/17/2013 8/24/2013 8/31/2013 9/7/2013 9/14/2013 9/21/2013 9/28/ /5/ /12/ /19/ /26/ /2/ /9/ /16/ /23/ /30/ /7/ /14/2013 #REF! 20/03/ /04/ /04/ /04/ /05/ /05/ /05/ /06/ /06/ /07/ /07/ /07/ /08/ /08/ /08/ /09/ /09/ /09/ /10/ /10/ /11/ /11/2013 Indicadores Story Point Cumulativo CycleTime 15 22% 13% 8% 20% 38% mesmo dia em 7 dias em 14 dias em 21 dias mais de 21 dias Cycle Time (Novembro) /2013 Total

21 Além do Kanban O que adicionamos? Processo de Gestão de Demanda executado ANTES da solicitação entrar no Kanban: triagem imediata dos chamados 4 classes de serviço (determinadas pelo processo de Gestão de Demanda) Urgente Com data (tem que ser entregue até uma determinada data) Fast track (fluxo simplificado para solicitações simples) Padrão

22 Regras de negócio O que encontramos: Muitas páginas de documentos Word! Cada um documentava de um jeito Não se sabia direito o que era regra Regras redundantes ou conflitantes Não se sabia a relação entre uma regra e outra Regras escondidas no código: programadores conheciam mais as regras do que o negócio desperdício de tempo fazendo engenharia reversa Só era possível validar se as regras estavam certas em homologação ou em produção Muito desperdício

23 Regras de negócio Como começamos? Implementamos ferramenta para regra de negócios Modelagem visual das regras Foco em tabelas de decisão Testes unitários de cada decisão atômica Testes das regras como um todo (da decisão) Simulação das regras com dados reais para validar e otimizar as regras Análise de cobertura de testes e utilização das regras Como é isso na prática?

24 Regras de negócio Modelagem visual Fluxo chama tabelas de decisão

25 Regras de negócio Tabelas de decisão

26 Regras de negócio Testes unitários de regra atômica e de conjuntos de regras

27 Regras de negócio Simulação das regras com dados reais para validar e otimizar as regras Ferramenta lê inputs no banco de dados E escreve outputs da decisão no banco de dados Fluxo chama tabela de decisão

28 Regras de negócio Análise de: cobertura de testes frequência de utilização das regras

29 Regras de negócio: resultados Após 6 meses de utilização da ferramenta: ANs tem mais conhecimento das regras do que os desenvolvedores O Négocio aprecia imensamente poder ler e entender as regras que estão no repositório O Negócio conhece o comportamento das regras (em simulações) antes delas serem colocadas em produção Melhor qualidade certo da primeira vez (first time right)

30 Regras de negócio: resultados O que melhorou? Os ANs são donos das regras Feedback é dado o mais cedo possível Regras são executadas no ambiente em que são modeladas Verificação antecipada com testes unitários Validação utilizando dados reais Redução de desperdício Só são implementadas as regras que estiverem 100% corretas Modelo de regras é também utilizado para testar a implementação Não é necessário fazer engenharia reversa

31 Regras de negócio: resultados O que descobrimos? Redução natural de discussões sobre: O que é uma regra negócio ou não Qual a diferença entre requisitos e regras Qual a relevância de determinada regra: se é necessária no cálculo, é relevante Quase nenhuma discussão semântica o importante é que o processamento das regras funcione corretamente

32 Regras de negócio: resultados O que descobrimos? A facilidade de uso da ferramenta é mais importante do que discussões sobre metodologia Sim, um pouco de metodologia ajuda, mas sempre só o sufiente para tomar uma ação Fazer acontecer usando a ferramenta é o que agrega real valor Metodologia NIKE: Just do it

33 Qualidade dos requisitos O que encontramos: Muitas páginas de Word Requisitos desatualizados Redundância Vários requisitos como se fosse somente um Com prioridades diferentes Ambiguidade Descrição da solução e não do problema Muito desperdício

34 Qualidade dos requisitos O que fizemos: Colocamos em prática diretrizes p/ escrever requisitos: Como explicar melhor o que precisa ser feito (sem redundância, sem ambiguidade, etc.) Start at the End with SMART requirements -Willem Dijkgraaf and Mike van Spall

35 Qualidade dos requisitos O que fizemos: Requisitos passaram a ser escritos em forma de: User stories + critérios de aceite Mentoring um a um, exemplos Mapeamos processos essencias da empresa para entender o contexto

36 Processos essenciais User story não é só pra software! EXEMPLO: Como responsável por implantação de novos clientes quero entender o que foi vendido para garantir que as expectativas do cliente sejam atendidas no prazo esperado Entender o contexto aumenta a qualidade dos requisitos ANs e outros colaboradores passaram a conhecer onde o trabalho deles se encaixa dentro da empresa

37 Mas voltando a software Formato eficaz: user story + critérios de aceite Critérios de aceite indicam quando a user story estará pronta (definition of done )

38 Critérios de aceite: quando? o mais cedo possível!!! o Analista de Negócios escreve critérios de aceite e casos de teste para cada user story ANTES de passar para o desenvolvedor

39 Critérios de aceite: como? descrevendo cenários em Gherkin linguagem criada para descrever o comportamento da solução origem: Desenvolvimento Guiado pelo Comportamento (BDD - Behaviour Driven Development) sintaxe: Dado que... <sistema está em um determinado estado> quando <executo uma ação> então <este resultado acontece> formato pode ser facilmente transformado em teste de aceite automatizado (automated acceptance test)

40 Critérios de aceite automatizados Critérios de aceite automatizados = requisitos executáveis Quem está fazendo isso? equipes de desenvolvimento ágil desenvolvedores + agile testers Métodos ágeis influenciam MUITO como se faz análise de negócios Mudança drástica em como se testa software: agile testing Onde está o Analista de Negócios?

41 Agile Testing (Lisa Crispin e Janet Gregory) Argumentos convencedores para desmanchar equipes de testes e integrar testers em equipes de desenvolvimento ágil Analistas de testes [no modelo tradicional] obtem sucesso quando encontram bugs no software Agile tester obtem sucesso quando consegue ajudar a equipe a desenvolver software SEM bugs

42 Agile Testing (Lisa Crispin e Janet Gregory) Agile testers trabalham com uma equipe onde todos se sentem responsáveis por entregar [software] com a melhor qualidade possível Agile testers defendem a qualidade em nome do cliente e auxiliam a equipe de desenvolvimento a entregar o máximo valor possível ao negócio O que os agile testers descobriram? Quem testa precisa entender do negócio!! Agile testers participam de elicitação de requisitos!!

43 Moral da história Como Analistas de Negócios falam que vão resolver os problemas Cliente Análise de Negócios Desenvolvimento Teste Software que tem valor!!!!

44 Moral da história Como Analistas de Negócios falam que vão resolver os problemas Cliente Análise de Negócios Desenvolvimento Teste Software que tem valor!!!!

45 Moral da história Como Analistas de Negócios falam que vão resolver os problemas Como comunidade de desenvolvimento ágil está resolvendo os problemas!!! Cliente Análise de Negócios Desenvolvimento Teste Software que tem valor!!!!

46 Moral da história Como Analistas de Negócios falam que vão resolver os problemas Como comunidade de desenvolvimento ágil está resolvendo os problemas!!! Cliente Análise de Negócios Desenvolvimento Teste Software que tem valor!!!!

47 Moral da história Como Analistas de Negócios falam que vão resolver os problemas Como comunidade de desenvolvimento ágil está resolvendo os problemas!!! Cliente Análise de Negócios Desenvolvimento Teste Software que tem valor!!!! Desenvolvedores e Agile testers elicitam requisitos com o cliente. Vamos acabar com as panelinhas! O que importa é o resultado final! Próximo passo: envolva-se com agile testing e ALM

48 ALM (Application Lifecycle Management) O que encontramos: Silos Cada grupo criando a sua própria documentação para: Solicitação do negócio (equipe de processos) Especificação funcional ( especificadores ) Especificação de testes feita raramente pelo especificador funcional Passavam documentos para o desenvolvimento Muita sobreposição e inconsistência de informações Cada um só olhava o seu pedaço Sem olhar o resultado final Sem olhar o processo como um todo Deployments grandes (a cada mês) Muito tempo dispendido fazendo merge de código Muitos problemas de integração

49 ALM Como começamos? Implantando Microsoft Team Foundation Service (TFS) Solução na nuvem (sem custo de infra, algumas limitações de configuração) Kanban digital (utilizado junto com Kanban físico) Controle dos processos através de relatórios e alertas padronizados Melhoria/padronização de processos com base na ferramenta itens de trabalho Testes (bugs encontrados são reportados diretamente na ferramenta) Builds em preparação para deployment

50 ALM Após 6 meses de utilização do TFS: ANs documentam diretamente no TFS (nada de templates ou anexos) user stories + critérios de aceite casos de teste (que servem de input para o desenvolvimento) Desenvolvedores usam critérios de aceite e casos de teste como: Especificação Para testar o que eles desenvolvem Deploys mais frequentes (2x por semana) Indicadores relacionados a Kanban: é só apertar um botão! É fácil integrar com outros times remotos (terceirizar desenvolvimento, por exemplo)

51 2/16/2013 2/23/2013 3/2/2013 3/9/2013 3/16/2013 3/23/2013 3/30/2013 4/6/2013 4/13/2013 4/20/2013 4/27/2013 5/4/2013 5/11/2013 5/18/2013 5/25/2013 6/1/2013 6/8/2013 6/15/2013 6/22/2013 6/29/2013 7/6/2013 7/13/2013 7/20/2013 7/27/2013 8/3/2013 8/10/2013 8/17/2013 8/24/2013 8/31/2013 9/7/2013 9/14/2013 9/21/2013 9/28/ /5/ /12/ /19/ /26/ /2/ /9/ /16/ /23/ /30/ /7/ /14/2013 #REF! 20/03/ /04/ /04/ /04/ /05/ /05/ /05/ /06/ /06/ /07/ /07/ /07/ /08/ /08/ /08/ /09/ /09/ /09/ /10/ /10/ /11/ /11/2013 ALM Alguns indicadores: Story Point Cumulativo CycleTime 15 22% 13% 8% 20% 38% mesmo dia em 7 dias em 14 dias em 21 dias mais de 21 dias Cycle Time (Novembro) /2013 Total

52 ALM: resultados O que melhorou? UM time integrado Usando o mesmo ambiente, mesma ferramentea de ponta a ponta Redução do número de técnicas utilizadas na documentação (simplificação) Maneira fácil de executar o processo de forma padronizada Instruções de trabalho simples Novos membros da equipe aprendem o processo facilmente Cada um sabe o que fazer no momento certo (alto grau de autogerenciamento baseado no Kanban) Relatórios e alertas para ajudar os membros da equipe a cumprir as instruções de trabalho

53 ALM: resultados O que melhorou? Redução de desperdício Não há sobreposição de informações, redundâncias nem inconsistências Não é necessário trabalho adicional administrativo para gerar indicadores Deploys mais frequentes reduzem a complexidade dos merges e de integrações (menos tempo perdido) Resultados das mudanças: é possível ter uma equipe realmente auto-gerenciável!

54 Chamados Resultados: backlog Semanas

55 RESUMO: Qual é o seu valor? O que você entrega? O valor da análise é o resultado final! Chega de morrer na praia seu trabalho de análise não tem efeito se a entrega não for feita a contento Um só Kanban para o processo inteiro (AN+desenv+teste+deploy) Só existe uma cadeia de valor: Análise de Negócios faz parte dela! Não adianta investir só em AN sem olhar a cadeia toda!

56 Interdual Suzandeise Thomé, CBAP Willem Dijkgraaf, CBAP Links para livro/conteúdo:

57 Sobre a Interdual Experiência internacional Consultores certificados em análise de negócios Resultados através de: sinergia entre gerenciamento de produto, análise de negócios, gerenciamento de projetos e desenvolvimento de software métodos ágeis lean (desenvolvimento enxuto de software) melhores práticas segundo o IIBA Foco em mudança organizacional efetiva Paixão por excelência, ética e honestidade possibilitam à Interdual atingir resultados de alta qualidade e consistentemente atender às expectativas e compromissos firmados com seus clientes.

58 Clientes

59 Consultores Interdual Suzandeise Thomé, CBAP Suzandeise é altamente eficaz como facilitadora de sessões de trabalho, seja para identificar objetivos, priorizar projetos ou requisitos, ou para identificar o potencial retorno de investimentos em TI. Iniciou sua carreira há 18 anos como consultora nos EUA, onde definiu o papel do Analista de Negócios em projetos de desenvolvimento de software e prestou serviço para grandes clientes do mercado financeiro. No Brasil, trabalhou na GE e atualmente trabalha como consultora e instrutora pela Interdual. Em 2007 trouxe para o Brasil o IIBA International Institute of Business Analysis e presidiu o Capítulo São Paulo do IIBA durante os seus primeiros quatro anos. Participa ativamente de atividades que visam a disseminar a Análise de Negócios no Brasil. É uma das primeiras profissionais do país a obter certificação em Análise de Negócios (CBAP Certified Business Analysis Professional). É formada em Engenharia e Ciência da Computação pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), tem mestrado em Interação Humano-Computador pela Universidade de Michigan e é autora do livro TI para Negócios 2: Como aumentar o retorno do seu investimento em tecnologia e gerar lucro, que conta com prefácio de Delfim Netto. Especialidades: Análise de Negócios, facilitação, Arquitetura de Informação e Usabilidade, Certified ISO20000 Consultant, CBAP Certified Business Analysis Professional

60 Consultores Interdual Willem Dijkgraaf, CBAP Willem Norbert Dijkgraaf tem mais de 15 anos de experiência internacional (Holanda, Alemanha, Suécia, Brasil) na implementação de melhores práticas e adaptações inovadoras em áreas como a Análise de Negócios, Gerenciamento de Projetos e de Programas, Gestão de Produto e Engenharia de Sistemas. Já treinou e prestou consultoria para mais de gerentes de produto, especialistas técnicos, analistas de negócios e gerentes de projeto em formas pragmáticas e altamente eficazes de trabalhar com requisitos e regras de negócios, aplicando práticas orientadas a resultado. Willem é um excelente facilitador, capaz de inspirar as pessoas e construir um ambiente de confiança em todos os níveis de uma organização, seja na alta gestão ou no nível operacional. Tem como característica marcante o seu foco na criação de capacidades humanas, ajudando a (re)estabelecer a paixão e propósito, e aumentando a criatividade e produtividade das equipes. É autor do livro 'Start At The End, with SMART requirements'. Especialidades: Gerenciamento de Projetos e de Programas, Gerenciamento baseado em Business Case, Engenharia de Requisitos, BiSL Certified, PRINCE2 Certified Practitioner, CBAP Certified Business Analysis Professional

MPSP Projeto ALM/Scrum. Diretoria de Sistemas de Informação

MPSP Projeto ALM/Scrum. Diretoria de Sistemas de Informação MPSP Projeto ALM/Scrum Diretoria de Sistemas de Informação Agenda O que é ALM? Objetivo do Projeto Atividades Desenvolvidas Indicadores Dúvidas O que é ALM? ALM Application Lifecycle Management Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM)

Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Programação Extrema Manifesto Ágil e as Metodologias Ágeis (XP e SCRUM) Prof. Mauro Lopes Programação Extrema Prof. Mauro Lopes 1-31 45 Manifesto Ágil Formação da Aliança Ágil Manifesto Ágil: Propósito

Leia mais

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain.

Scrum Guia Prático. Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master. Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum. Solutions. www.domain. Scrum Guia Prático Os papéis, eventos, artefatos e as regras do Scrum Solutions www.domain.com Raphael Rayro Louback Saliba Certified Scrum Master 1 Gráfico de Utilização de Funcionalidades Utilização

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software

ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Uso de práticas ágeis para projetos desenvolvidos por fábrica de software Artur Mello artur.mello@pitang.com Uma empresa C.E.S.A.R Fábrica de Software O termo software factory foi empregado pela primeira

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br

Uma introdução ao SCRUM. Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Uma introdução ao SCRUM Evandro João Agnes evandroagnes@yahoo.com.br Agenda Projetos de Software O que é Scrum Scrum framework Estrutura do Scrum Sprints Ferramentas Projetos de software Chaos Report Standish

Leia mais

Modelagem de Processos para Automação

Modelagem de Processos para Automação Treinamentos em Gestão por Processos Modelagem de Processos para Automação [ipe03] Implementando a Visão Futura: um curso prático para vencer a barreira existente entre negócio e TI. Implantar processos

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

1ª Conferência de Análise de Negócios do IIBA São Paulo 31 de maio de 2011

1ª Conferência de Análise de Negócios do IIBA São Paulo 31 de maio de 2011 1ª Conferência de Análise de Negócios do IIBA São Paulo 31 de maio de 2011 Panorama Internacional da Análise de Negócios Suzandeise Thomé, CBAP Presidente, IIBA Capítulo São Paulo 31 de maio de 2011 IIBA:

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Transformação e Otimização de Processos

Transformação e Otimização de Processos Treinamentos em Gestão por Processos Transformação e Otimização de Processos Inovando processos através das melhores práticas em análise e melhoria, simulação e avaliação do retorno do investimento na

Leia mais

CONHEÇA. nosso. processo. Para você lançar sua Startup. Semana de descoberta. Semana de desenvolvimento. E depois de tudo pronto?

CONHEÇA. nosso. processo. Para você lançar sua Startup. Semana de descoberta. Semana de desenvolvimento. E depois de tudo pronto? CONHEÇA nosso processo Para você lançar sua Startup Semana de descoberta Semana de desenvolvimento E depois de tudo pronto? Acreditamos em uma melhor maneira de começar sua startup De forma Colaborativa,

Leia mais

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software

Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software ADRIANA TAVARES FIGUEIREDO Graduaçao em Licenciatura para Computação UNILASALLE RJ / 2006 Pós Graduada em Design Estratégico e MKT Management ESPM RJ

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira

SCRUM Gerência de Projetos Ágil. Prof. Elias Ferreira SCRUM Gerência de Projetos Ágil Prof. Elias Ferreira Métodos Ágeis + SCRUM + Introdução ao extreme Programming (XP) Manifesto Ágil Estamos descobrindo maneiras melhores de desenvolver software fazendo-o

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software

Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento Ágil de Software Métodos ágeis (Sommerville) As empresas operam em um ambiente global, com mudanças rápidas. Softwares fazem parte de quase todas as operações de negócios. O desenvolvimento

Leia mais

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit)

PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) PMBOK e Cobit - Uma Experiência na Reformulação de Sistemas em Angola Marcelo Etcheverry Torres,PMP,Cobit) Agenda A palestra Angola Cliente O projeto Usando o PMBOK Usando o Cobit Lições Aprendidas Conclusão

Leia mais

Manifesto Ágil - Princípios

Manifesto Ágil - Princípios Manifesto Ágil - Princípios Indivíduos e interações são mais importantes que processos e ferramentas. Software funcionando é mais importante do que documentação completa e detalhada. Colaboração com o

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA Kleber Lopes Petry Éder Moretto Garcia Rodrigo Clemente Thom de Souza Proposta de processo para levantamento de requisitos para desenvolvimento de produtos de

Leia mais

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE

Scrum. Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE Scrum Introdução UFRPE-DEINFO BSI-FÁBRICA DE SOFTWARE scrum Ken Schwaber - Jeff Sutherland http://www.scrumalliance.org/ Scrum Uma forma ágil de gerenciar projetos. Uma abordagem baseada em equipes autoorganizadas.

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5a edição

Novidades do Guia PMBOK 5a edição Novidades do Guia PMBOK 5a edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, vai ser lançado oficialmente pelo

Leia mais

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697

Metodologias Ágeis. Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente. Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Metodologias Ágeis Gerenciando e Desenvolvendo Projetos de forma eficiente Gabriel Verta 0767948 Rafael Reimberg 0767701 Vinicius Quaiato - 0767697 Introdução Ao longo dos anos a indústria de desenvolvimento

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Grupo Seres Adota CA Nimsoft Service Desk para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk

Grupo Seres Adota CA Nimsoft Service Desk para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Grupo Seres Adota CA Nimsoft Service Desk para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk PERFIL DO CLIENTE Indústria: Consultoria Empresa: Grupo Seres Colaboradores:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Ficha ttécnica do curso

Ficha ttécnica do curso Fundamentos de Análise de Negócios Defina escopos com mais eficiência e encontre as melhores soluções! O conjunto de atividades e técnicas utilizadas pelo Analista de Negócios preenche um gap entre as

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO Product Backlog Building Fábio Aguiar Agile Coach & Trainer SCRUM SCRUM Desenvolvimento de Software com ENTREGAS FREQUENTES e foco no VALOR DE NEGÓCIO PRODUTO release

Leia mais

Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna

Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna Métodos Ágeis e Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento de

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Curso de Verão Centro de Competência em Software Livre Departamento de Ciência da Computação - IME / USP Realização: AgilCoop Verão Ágil 2010 Copyleft

Leia mais

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com

Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Metodologias Ágeis e Software Livre Daniel Wildt -dwildt@gmail.com Bacharel em Informática (PUCRS) Professor Universitário (FACENSA) Mais de 10 anos de experiência em Desenvolvimento de Software, hoje

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES

UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES UTILIZAÇÃO DAS METODOLOGIAS ÁGEIS XP E SCRUM PARA O DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE APLICAÇÕES Marcelo Augusto Lima Painka¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre

Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Métodos Ágeis para Desenvolvimento de Software Livre Dionatan Moura Jamile Alves Porto Alegre, 09 de julho de 2015 Quem somos? Dionatan Moura Jamile Alves Ágil e Software Livre? Métodos Ágeis Manifesto

Leia mais

Scrum em Ação. Gerenciamento e Desenvolvimento Ágil de Projetos de Software. Andrew Pham Phuong-Van Pham. Novatec

Scrum em Ação. Gerenciamento e Desenvolvimento Ágil de Projetos de Software. Andrew Pham Phuong-Van Pham. Novatec Scrum em Ação Gerenciamento e Desenvolvimento Ágil de Projetos de Software Andrew Pham Phuong-Van Pham Novatec Original English language edition Copyright 2012 Course Technology, a part of Cengage Learning.

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Quais são as características de um projeto?

Quais são as características de um projeto? Metodologias ágeis Flávio Steffens de Castro Projetos? Quais são as características de um projeto? Temporário (início e fim) Objetivo (produto, serviço e resultado) Único Recursos limitados Planejados,

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas PMO: Como vencer em projetos de grandes corporações Luiz Del Col 11/Fev/2014 Terça-feira O webinar iniciará em 15 minutos Iniciaremos o webinar às 20h (Horário de Brasília) PMO: Como vencer em projetos

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Inovação na utilização de Método Ágil aderente ao CMMI. Palestrante: Anderson Donas, PMP, CFPS Consultor Sênior - DISYS

Inovação na utilização de Método Ágil aderente ao CMMI. Palestrante: Anderson Donas, PMP, CFPS Consultor Sênior - DISYS Inovação na utilização de Método Ágil aderente ao CMMI Palestrante: Anderson Donas, PMP, CFPS Consultor Sênior - DISYS AGENDA A DISYS DISYS e a Inovação Inovação, Implementação do CMMI com SCRUM Case de

Leia mais

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster

Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Desenvolvimento Ágil sob a Perspectiva de um ScrumMaster Danilo Sato e Dairton Bassi 21-05-07 IME-USP O que é Scrum? Processo empírico de controle e gerenciamento Processo iterativo de inspeção e adaptação

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio

Modelagem de Processos de Negócio Treinamentos em Gestão por Processos Modelagem de Processos de Negócio Documentando o conhecimento sobre processos de negócio de forma clara e completa Conhecida como a base para iniciativas de processos,

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Com metodologias de desenvolvimento

Com metodologias de desenvolvimento Sociedade demanda grande quantidade de sistemas/aplicações software complexo, sistemas distribuídos, heterogêneos requisitos mutantes (todo ano, todo mês, todo dia) Mas, infelizmente, não há gente suficiente

Leia mais

Ferramenta para gestão ágil

Ferramenta para gestão ágil Ferramenta para gestão ágil de projetos de software Robson Ricardo Giacomozzi Orientador: Everaldo Artur Grahl Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Resultados e discussões

Leia mais

Introdução A Engenharia Da Computação

Introdução A Engenharia Da Computação Introdução A Engenharia Da Computação AULA I Slide 1 O Que é Engenharia? [De engenho + -aria.] Substantivo feminino 1.Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas

Leia mais

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com. BPMS Showcase 2014 Etapas e Desafios na seleção de uma plataforma de BPM corporativa Apresentado por: Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.br Apresentando a iprocess

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk

Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk PERFIL DO CLIENTE Indústria: Consultoria Empresa: Grupo Seres Colaboradores:

Leia mais

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto

O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR. Em seu próprio Projeto O Guia Passo-a-Passo para IMPLANTAR Em seu próprio Projeto Aprenda como Agilizar seu Projeto! A grande parte dos profissionais que tomam a decisão de implantar o Scrum em seus projetos normalmente tem

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Backsite Serviços On-line

Backsite Serviços On-line Apresentação Quem Somos O Backsite Com mais de 15 anos de mercado, o Backsite Serviços On-line vem desenvolvendo soluções inteligentes que acompanham o avanço das tecnologias e do mundo. Com o passar do

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T

Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T Evento técnico mensal Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T : Organização Apoio 1 de xx Agenda Porque o framework Scrum? O contexto de Scrum no PMBOK O que é

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais

Promoção especial para o III Congresso Cearense de Gerenciamento Certified ScrumMaster, Certified Scrum Product Owner e Management 3.

Promoção especial para o III Congresso Cearense de Gerenciamento Certified ScrumMaster, Certified Scrum Product Owner e Management 3. Promoção especial para o III Congresso Cearense de Gerenciamento Certified ScrumMaster, Certified Scrum Product Owner e Management 3.0 Sobre a GoToAgile! A GoToAgile é uma empresa Brasileira que tem seu

Leia mais

Informatica PowerCenter Premium Edition

Informatica PowerCenter Premium Edition Resumo executivo Informatica PowerCenter Premium Edition Obtenha confiança nas operações em ambientes de integração de dados essenciais Automação de testes e monitoramentos de processos essenciais aos

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é uma empresa focada e especializada em serviços de qualidade e testes de software. Somos capacitados para garantir, através de sofisticadas técnicas, a qualidade

Leia mais

www.etecnologia.com.br Treinamento e Consultoria Portfólio de Treinamento

www.etecnologia.com.br Treinamento e Consultoria Portfólio de Treinamento Portfólio de Treinamento Portfólio de Treinamento Resumo Executivo: etecnologia é uma empresa de treinamento e consultoria. Somos especialistas em treinamentos e em desenvolvimento de habilidades e competências.

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

Simplificando a TECNOLOGIA

Simplificando a TECNOLOGIA 3 Simplificando a TECNOLOGIA SEGURANÇA DESENVOLVIMENTO BANCO DE DADOS S O L U Ç Õ ES E M T E C N O L O G I A MISSÃO VISÃO Contribuir com o sucesso dos Clientes através da Ser a melhor provedora de Soluções

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

HISTÓRIAREAL. Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada. Rodrigo Pinto. Microsoft

HISTÓRIAREAL. Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada. Rodrigo Pinto. Microsoft HISTÓRIAREAL Rodrigo Pinto Microsoft Como o Rodrigo passou do estresse total para uma vida mais balanceada Com a enorme quantidade de informação, o funcionário perde o controle do que é prioritário para

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

C o m m u n i t y. IIBA.org I I B A. o r g i n f o @ I IBA.or g. Selma Carvalho. . Analistas. sistemas x Analistas de Negócios (perfis complementares)

C o m m u n i t y. IIBA.org I I B A. o r g i n f o @ I IBA.or g. Selma Carvalho. . Analistas. sistemas x Analistas de Negócios (perfis complementares) C o m m u n i t y. IIBA.org I I B A. o r g i n f o @ I IBA.or g. Analistas de sistemas x Analistas de Negócios (perfis complementares) Selma Carvalho 20/03/2014 Moderador Os webinars em português são uma

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Caso de Sucesso RTC + Kanban

Caso de Sucesso RTC + Kanban 2º Encontro Rational de Desenvolvimento de Software 24 de setembro de 2013 São Paulo Caso de Sucesso RTC + Kanban Eduardo Bello eduardo.bello@pitang.com Consultor Rodrigo Cerullo rodrigo.cerullo@centralnacionalunimed.com.br

Leia mais