E o mundo não acabou... O uso de cenários prospectivos e Inteligência Competitiva: caso do Bug 2000 no Banco do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E o mundo não acabou... O uso de cenários prospectivos e Inteligência Competitiva: caso do Bug 2000 no Banco do Brasil"

Transcrição

1 E o mundo não acabou... O uso de cenários prospectivos e Inteligência Competitiva: caso do Bug 2000 no Banco do Brasil Elaine Coutinho Marcial (Banco do Brasil, ABRAIC) & Alfredo José Lopes Costa (Banco do Brasil, ABRAIC, IESB) Anais do II Workshop Brasileiro de Inteligência Competitiva e Gestão do Conhecimento Florianópolis, out. 2001

2 2 E o mundo não acabou... O uso de cenários prospectivos e Inteligência Competitiva: caso do Bug 2000 no Banco do Brasil Elaine Coutinho Marcial (Banco do Brasil, ABRAIC) & Alfredo José Lopes Costa (Banco do Brasil, ABRAIC, IESB) Resumo Inteligência Competitiva (IC) constitui processo sistemático para descobrir forças que regem negócios, reduzir risco e auxiliar na tomada de decisão, além de proteger o conhecimento gerado no âmbito das organizações. Uma das ferramentas mais utilizadas por sistema de IC são os Cenários Prospectivos. A fim de clarificar a questão, o trabalho apresenta definições e objetivos dos cenários prospectivos e da Inteligência Competitiva, buscando a integração desses conceitos com a elaboração de estratégias. Para ilustrar a utilização dessas ferramentas, examina-se o trabalho realizado em 1999 no Banco do Brasil na construção do plano de contingência e do plano de continuidade para o chamado evento Bug 2000 não reconhecimento da virada do século pelos equipamentos de informática. Palavras-Chaves: Inteligência Competitiva, Cenários Prospectivos, Estratégia, Planejamento, Contingência. Introdução O desejo de desvendar o futuro existe desde o início da humanidade e está ligado à necessidade que temos de reduzir o risco inerente, pois o futuro é incerto. Como tomar decisões com base no incerto é a questão que passa diariamente pela cabeça de todo administrador. Assim, com o intuito de auxiliar na tomada de decisão, diversas técnicas são utilizadas, desde profecias, como no passado, até especulações e técnicas mais sofisticadas de projeções e previsões, ou seja, construir o futuro à imagem do passado. Entretanto, como o futuro ainda não foi escrito (está por fazer), essas formas de discutir e estudar o futuro são geralmente falhas. O artigo tem como objetivo identificar como o Banco do Brasil (BB) utilizou a técnica de cenários prospectivos, dentro do contexto de Inteligência Competitiva, para construção de plano de contingência e plano de continuidade em virtude do chamado evento Bug A partir das definições de diversos autores, dentre eles Miller (2000) e Kahaner (1996) entendemos Inteligência Competitiva como o processo informacional proativo que conduz à melhor tomada de decisão, seja ela negocial ou estratégica. É um processo sistemático de 2

3 3 coleta, análise e disseminação de informações referentes a atores e variáveis que possam influir na tomada de decisão da empresa, além de proteger o conhecimento gerado na organização. Segundo Berger (citado por Godet, 1993), em sua obra A Atitude Prospectiva, de 1957, a prospectiva baseia-se na capacidade de olharmos amplamente, tomando cuidado com as interações, olharmos longe, preocupar-nos com o longo prazo e, principalmente, levarmos em conta o gênero humano, agente capaz de modificar o futuro. Autores como Fahey (1998) e Heijden (1996) atribuem a introdução das noções de cenários e seu desenvolvimento a Herman Kahn. Seus primeiros cenários foram desenvolvidos como parte dos estudos de estratégia militar conduzidos pela Rand para o governo norte-americano. Kahn desenvolveu a metodologia para uso de cenários quando fundou o Hudson Institute, em meados dos anos 60, e popularizou suas idéias com a publicação, em 1967, de seu livro The Year 2000, no qual a palavra cenários foi introduzida na prospectiva. A terminologia da elaboração de cenários utiliza-se da existente no teatro; por isso o nome cenários. Esse recurso foi utilizado para que as pessoas que estivessem construindo cenários tivessem clareza de que não estavam descrevendo a realidade futura, mas um meio de representá-la por meio de estórias sobre o futuro (Schwartz, 1996). Nos cenários encontramse atores, cenas e trajetórias que se desenrolam de acordo com o comportamento dos atores e das variáveis influenciadas por esses atores. Encontram-se também enredo, chamado de filosofia do cenário, e título, que deverá sintetizar a filosofia da estória a ser contada. Os cenários devem ser construídos para atingir um objetivo e devemos especificar o horizonte temporal e o local onde ocorrem. Esses três últimos componentes formam o que na teoria de cenários prospectivos chama-se de sistema. Existem diversos métodos que auxiliam na construção de cenários, como por exemplo os descritos por Godet (1993), pela Global Business Network - GBN (Schwartz, 1996), por Porter (1992) e Grumbach (1997). Apesar de cada um possuir características próprias, todos têm como base a teoria prospectiva, trabalham com variáveis e comportamento dos atores e constróem múltiplos cenários. A discussão sobre Inteligência Competitiva (IC) surge no contexto da nova ordem mundial movida pela informação e o conhecimento. Seu papel é explicado pelo trinômio globalização, competitividade e acirramento da concorrência (Maldonado, 1998), ou seja, a 1 É o nome dado para as dificuldades que poderiam ocorrer se, com a mudança de 1999 para 2000, os equipamentos, que utilizam em seus componentes eletrônicos, o formato de datas com o ano caraterizado por apenas dois dígitos, interpretassem 3

4 4 busca por maior número de fontes de informações tecnológicas, econômicas, políticas, negociais, mercadológicas que apoiem a tomada de decisão e reduzam o tempo de resposta frente às exigências do ambiente, para melhor desempenho e posicionamento no mercado. O processo de IC tem sua origem nos métodos utilizados por órgãos de Inteligência estatal, que visavam identificar e avaliar informações ligadas à defesa nacional. Essas ferramentas foram adaptadas à realidade empresarial e à nova ordem mundial, sendo incorporadas a tal processo informacional as técnicas utilizadas: pela Ciência da Informação, principalmente no que diz respeito ao gerenciamento de informações formais, ou seja, contidas em base de dados, livros periódicos, etc.; pela Tecnologia da Informação, enfatizando suas ferramentas de data mining, text mining, data warehouse e gerenciamento de redes e informações, e pela Administração, representada por suas áreas de estratégia, comunicação, marketing e gestão. Apesar de a Inteligência vir sendo utilizada pelas empresas desde o final da II Guerra Mundial, seu significativo crescimento só se deu ao final da década de 80, com o fim da Guerra Fria. Nos EUA, a IC obteve crescimento significativo a partir de Já as empresas japonesas contam com Sistemas de Inteligência bem estabelecidos desde a II Guerra Mundial. A infra-estrutura no Japão voltada para Inteligência Competitiva é formada pelas empresas (sogo shosha) e agências governamentais que operam em nível mundial para coletar informações que auxiliam suas empresas na tomada de decisão, segundo Kahaner (1996). Para Kahaner (1996), a Inteligência pode ser entendida como o conhecimento do ambiente da organização e de seu macroambiente, aplicado a processos de tomada de decisão, nos níveis estratégicos e táticos ou, nas palavras de Fuld (1996), a informação analisada sobre os concorrentes que tem implicação no processo de tomada de decisão da empresa. Relação Inteligência Competitiva e Cenários Prospectivos Mas qual a ligação existente entre Cenários Prospectivos e Inteligência Competitiva? Consideramos que um é insumo do outro e vice-versa. A IC não diz respeito à descrição dos fatos acontecidos; preocupa-se com o que vai acontecer e com quais serão os movimentos futuros. Considerando-se que o futuro é múltiplo e incerto (Godet, 1996), não há como abordar apenas uma possibilidade. A questão é: e se ocorrer uma outra? Em organizações que possuem sistema de IC fica significativamente facilitada a obtenção de informações para a elaboração de cenários. O sistema de IC também ajuda a identificar sinais fracos que, tratados por meio de ferramentas de Cenários Prospectivos, poderão agir proativamente garantindo vantagem competitiva. o ano como 1900 ou qualquer outra data (Banco do Brasil, 1999). 4

5 5 Como um é insumo do outro, os Cenários Prospectivos auxiliam no trabalho da área de IC indicando quais atores devem ser monitorados e quais incertezas devem ser acompanhadas. Com isso é possível permitir às organizações ação antecipada já que, a partir do monitoramento do ambiente, é extraída sinalização para os tomadores de decisão sobre qual dos cenários possíveis está se configurando. Um exemplo prático da utilização dessas ferramentas foi o trabalho realizado em 1999 no BB na construção do plano de contingência e o plano de continuidade para o evento Bug Segundo determinação do Banco Central (BC), as instituições financeiras teriam que elaborar planos de contingência e de continuidade para o fenômeno. O BB criou um grupo de trabalho para cuidar do problema com representantes das área consideradas mais afetadas e foi nesse momento que a área responsável por elaboração de cenários prospectivos no BB foi chamada para integrar-se ao grupo para elaboração dos cenários ligado à passagem do ano. O ambiente era muito incerto. Além da falta de informações, a mídia vinha divulgando desinformação, o que dificultava ainda mais o trabalho. Era um ambiente propício para elaboração de cenários. Como não havia mais que dois meses para elaboração dos cenários, optou-se por utilizar o método da GBN, descrito por Schwartz (1996). O primeiro passo seria a identificação da questão principal. Seu objetivo é dar aos cenários foco específico ou aprofundado. Schwartz (1996) define como principal a questão estratégica que motivou a construção dos cenários alternativos. No caso ficou definida como: Identificação dos problemas que poderão ser causados à indústria financeira a não correção do Bug 2000 e quais as providências que a Empresa deverá tomar para superar o problema com a menor perda possível é se possível tirando proveito do problema. Passou-se à identificação dos fatores-chave, os quais constituem as principais forças existentes no ambiente próximo que estejam estreitamente relacionadas com o ramo de negócio da empresa e com a Questão Principal. São os fatores relativamente óbvios, próximos de nós, que influenciam a Questão Principal. Foi elaborada uma lista desses principais fatores, que poderiam afetar na execução do plano de continuidade e no de contingência. Perguntas como as elencadas a seguir serviram como base para a elaboração de um diagnóstico interno e mapeamento da situação da Empresa: Como estão meus sistemas e equipamentos? Como estão meus clientes? Como estão meus fornecedores? Estou preparado para o evento como um todo? Que ações devo tomar? Como estão meus concorrentes? Tenho uma visão clara do problema? Quais as conseqüências no meu negócio se meus sistemas não funcionarem? Quais as conseqüências no meu negócio se meus clientes falharem? 5

6 6 Em seguida, foram definidas as forças motrizes ligadas ao macroambiente que poderiam influenciar ou impactar fortemente a evolução da questão principal e os fatores-chave definidos anteriormente. Essas forças são os elementos que movem o enredo de um cenário. Inicialmentente foram identificados os principais atores: BB; Empresas geradoras/fornecedoras de energia e Agência Nacional de Energia Elétrica - Aneel; Empresas de telecomunicações e Agencia Nacional de Telecomunicações - Anatel; Comissão de Valores Mobiliários - CVM; empresas fornecedoras de água; bombeiros; polícia; empresas de transportes e sinais de trânsito; Governo; BC; empresas prestadoras de serviços (de manutenção de equipamentos, computadores, cofres, entre outras; de vigilância; de limpeza; de transporte de numerário); empresas fornecedoras de informação especializada (CMA, Broadcast, Routers, etc.); bolsas; bancos do Sistema de compensação de cheques; clientes pessoas físicas e pessoas jurídicas. Na seqüência, buscou-se a identificação das principais variáveis externas e seus possíveis comportamento: a. Comportamento do cliente: demanda por papel-moeda (corrida bancária/crescimento /igual a períodos anteriores); demanda por cheques (crescimento/igual a períodos anteriores); demanda por extratos (crescimento/igual a períodos anteriores); resgates de aplicações (crescimento/igual a períodos anteriores); consultas às centrais de atendimento e às agências (crescimento/igual a períodos anteriores); antecipação de pagamentos, antes do evento (ocorre/não ocorre); demanda por seguros/hedge (ocorre/não ocorre); atraso para honrar compromissos, depois dos eventos (ocorre/não ocorre); ações judiciais (crescimento/igual a períodos anteriores); tumultuo e vandalismo (ocorre/não ocorre). b. Fornecimento de Energia: normal; quedas intermitentes; interrupção; blackout prolongado; dificuldade na distribuição e no abastecimento de combustível. c. Abastecimento de Água: normal; fornecimento inadequado; insalubridade da água; interrupção no fornecimento de água. d. Meios de Transportes: normal; congestionamento/paralisação dos transportes. e. Sistemas de telecomunicações: funcionamento normal; dificuldades de comunicação - congestionamento das linhas e/ou ocorrência de linhas cruzadas; interrupção no sistema. f. Acesso a polícia e bombeiros: normal; parcial; impossibilitado. g. Sistemas de informática: normal; inadequado; lento; paralisado. h. Risco Brasil: mesmo patamar; aumenta; aumento significativo. i. Boatos nas vésperas do evento: não haverá boatos; haverá alguns boatos; grande número de boatos - pânico. Exploradas as forças motrizes, partiu-se para identificação e separação dos elementos predeterminados das incertezas críticas. Segundo Schwartz (1996), os elementos 6

7 7 predeterminados são aqueles que sua ocorrência parece certa, não importando qual seja o cenário. Já as incertezas críticas são compostas pelas variáveis incertas (variáveis que se originam das perguntas para as quais ainda não se tem resposta) e que sejam de grande importância para a questão principal ou exercem grande impacto na questão principal caso ocorram. São as variáveis que determinarão a construção dos cenários. O estudo de seus possíveis comportamentos fornecerá informações aos planejadores que lhes permitirão preparar-se para os diversos comportamentos plausíveis dessas variáveis. Analisada a lista de variáveis e atores, além dos fatores-chave, e estudado o comportamento passado deles, isolaram-se os elementos predeterminados e trabalharam-se apenas com as incertezas identificadas. Para o caso do Bug 2000 foram identificadas duas incertezas críticas: o grau de informação da população a respeito do problema, o qual influenciaria no comportamento da população, e o nível de adequação dos sistemas ao problema Bug Passou-se à etapa de seleção das lógicas dos cenários, que parte da análise do comportamento das variáveis classificadas como incertezas críticas, as quais deverão ser posicionadas nos eixos ao longo dos quais os cenários serão descritos. Segundo Schwartz, essa etapa é considerada a mais importante do processo de criação de cenários. Foi então criado o eixo para descrever a lógica dos cenários (Figura 1), cuja explicação das variáveis encontra-se no Quadro 1. Cenários para o Bug 2000 População Informada Cotidiano Shangri-lá Falha nos Sistemas Sistemas adequados Holocausto Nostradamus População Desinformada Sistemas ajustados a maior parte dos sistemas e equipamentos dos atores envolvidos havia sido ajustada para a passagem do Ano 2000, ou seja, estavam aptos para reconhecer os quatro dígitos que compõem o ano. População informada os diversos atores envolvidos haviam disponibilizados informações suficientes e claras a respeito de seus avanços, não ocorrendo falta de informação, desinformação e nem matérias sensacionalistas nas diversas mídias. Figura 1 Quadro 1 - Descrição das variáveis Falha de sistemas a maior parte dos sistemas e equipamentos dos diverso atores não havia sido ajustada a tempo para a passagem do Ano não estavam aptos para reconhecer os quatro dígitos que compõem o ano e muitos sistemas e equipamentos apresentaram problemas. População desinformada os diversos atores envolvidos não haviam disponibilizados informações suficientes e claras a respeito de seus avanços, e as diversas mídias lançam muitas matérias sensacionalistas, desencadeando pânico. Em seguida elaborou-se o enredo de cada cenário. Para explicar o futuro, a técnica de elaboração de cenários usa a mesma lógica utilizada para a descrição de uma estória que 7

8 8 ocorreu no passado. Para cada quadrante deverá ser descrita uma estória com começo, meio e fim. Deve-se fazer a ligação com modelos analíticos e completá-la com os detalhes da narrativa. A todo momento, durante a descrição da narrativa, deve-se ter a preocupação de responder à pergunta Por que isto está acontecendo? Chegaram-se aos seguintes cenários: a) Shangri-lá: Passagem tranqüila para o ano 2000, pois a maioria dos sistemas foi adaptada e a população estava bem informada em decorrência do esforço coletivo do Governo e empresas. O último semestre de 1999 foi marcado por intensa mobilização do Governo informando a população o que representava o bug do milênio e suas conseqüências. A participação da equipe do Governo responsável pelo assunto em programas de rádio e TV, prestando esclarecimento gerou bons resultados. A divulgação das áreas que estavam atrasadas e que, por conseguinte, não iriam conseguir cumprir o prazo, associada a divulgação de seus planos de contingência, foram fatores decisivos que propiciaram tranqüilidade à população e evitaram tumultos no final do ano. Apesar do surgimento de alguns movimentos que pregavam o fim do mundo, o efeito foi minimizado pela eficiente ação do Governo e outras várias organizações que promoveram comemorações e pregaram a tranqüilidade necessária. Outra grande mobilização ocorrida no último semestre de 1999 foi a elaboração de simulações do problema e testes dos planos de contingência. Esses treinamentos tinham a participação da sociedade. Esse movimento teve efeito tranqüilizador na população que, ao término dos trabalhos, ficou ciente de como proceder em caso de eventuais problemas. As agências reguladoras (CVM, BC, Aneel e Anatel) contribuíram para a adequação de seus sistemas e tranqüilização da população por meio de programas de comunicação, regulamentação rígida e acompanhamento eficaz junto às grandes empresas, ao sistema financeiro, energético e de telecomunicações. No sistema de energia, as empresas que não conseguiram cumprir os prazos para adequação dos sistemas trabalharam com planos de contingência que adotavam procedimento manual. Ocorreram algumas interrupções no fornecimento de energia, mas foram rapidamente solucionadas. E, como a população estava informada a respeito, não houve tumulto. Apesar das micro e pequenas empresas estarem atrasadas, a maioria delas conseguiu adaptar seus sistemas em tempo, pois a solução era simples. A comunicação eficaz do Governo, e do Sebrae, foi decisiva. Não foi verificado nenhum problema no funcionamento do sistema financeiro. Os poucos problemas ocorridos não foram percebidos pela população e não causaram nenhuma perda para os correntistas. Os sistemas on-line funcionaram normalmente 8

9 9 e todas as operações foram concretizadas. Ocorreu acréscimo no volume de saques no final do ano de 1999 em relação aos anos anteriores, entretanto sem afetar a liquidez do sistema. Não houve excesso de demanda por extratos. Os sistemas de abastecimento de água e de transporte funcionaram adequadamente. Os acessos à polícia e bombeiros não ficaram comprometidos e tais instituições funcionaram normalmente. Em função do amplo disclosure promovido no País e no exterior, o risco Brasil não sofreu alterações, resultando aumento da credibilidade externa. A capacidade do povo brasileiro de se adaptar às diversas situações através do famoso jeitinho brasileiro em muito contribuiu para a passagem tranqüila para o ano b) Cotidiano: Passagem para o ano 2000 com algumas conturbações, mas tudo sob controle e com relativa tranqüilidade. Apesar dos esforços no sentido da adequação dos sistemas e hardware, Governo, empresas e população não tiveram tempo suficiente, pois a adequação iniciou-se tardiamente. Em conseqüência, muitos não conseguiram se preparar para a passagem do ano, resultando em uma série de problemas. Em decorrência dos planos de contingência e do fato de a população estar bem informada, a passagem de ano foi relativamente tranqüila. O segundo semestre de 1999 foi marcado por intensa mobilização do Governo para informar à população o que representava o bug 2000 e suas conseqüências. Houve grande mobilização na elaboração de planos de contingência e nos testes desses planos, pois muitos não conseguiriam se adaptar até o final do ano pois estavam atrasados. O programa de comunicação coordenado pelo Governo Federal que contou com a ajuda de diversas empresas - foi tão eficaz que gerou mobilização da população brasileira para minimizar as perdas. Outra ação importante foi a realizada pelo BC e pelas instituições financeiras. A divulgação dos ajustes por eles realizados, assim como seus planos de contingência, foram significativos. As agências reguladoras, com a CVM, Aneel e Anatel, tiveram atuação importante através de regulamentação rígida e acompanhamento eficaz junto às empresas sob sua responsabilidade. Entretanto, nem todas as empresas conseguiram cumprir seus prazos. Com a passagem para o ano 2000, muitos software apresentaram problemas, principalmente os contidos nos sistemas embutidos. A área de energia foi a que levou mais tempo para se estabilizar, e por conseguinte afetou todo os outros (efeito dominó). O primeiro dia do mês de janeiro passou sem energia. O sistema somente se estabilizou no terceiro dia do ano O sistema de telecomunicações também permaneceu inoperante nos primeiros dias do ano, não por falhas relacionadas à telefonia, mas por ter sido impactado pela falta de energia. 9

10 10 O sistema financeiro também sofreu impacto, não por falha de sistemas próprios, pois foi o primeiro a adequar seus sistemas. Sua significativa dependência de energia e de telecomunicações, não pode disponibilizar seus serviços no início do ano. Tanto os caixas eletrônicos como os acessos ao home banking e à Internet não funcionaram. Só no terceiro dia do mês de janeiro, as instituições financeiras tiveram condições de atender ao público. Os sistemas foram entrando no ar gradativamente e, não houve corrida aos bancos. A colocação em prática dos planos de comunicação e de contingência durante os primeiros dias do ano foram os grandes mantenedores da tranqüilidade da população. Ocorreram problemas nos sistemas de abastecimento de água em alguns grandes centros, por falta de energia e por problemas nos sistemas, mas os planos de contingência foram acionados e a população - que já estava informada da possibilidade dessas ocorrências - estava preparada e não se verificou tumulto. O mesmo ocorreu nos sistemas de transportes e no acesso à polícia e bombeiros que ficaram comprometido pela falta de energia e dificuldades de telecomunicação. Muitos alarmes foram acionados sem causa aparente e alguns acidentes, ocorreram por falhas no sistema. Mas, a clareza na comunicação e os planos de contingência elaborados pela polícia e bombeiros ajudaram na solução dos problemas sem tumultos. Aquelas organizações que iniciaram tardiamente os trabalhos provocaram perda econômica para o País, além da elevação dos seus custos para a adequação dos sistemas. Em função das perdas ocasionadas devido a falhas de terceiros, ações judiciais foram movidas. A conscientização e a obtenção de apoio da população foram importantes tanto no período pré como pós bug, pois manteve-se a tranqüilidade da população e a sua cooperação na solução dos problemas advindos do bug. Como a população conhecia o fenômeno e as possibilidades de contornar os problemas, muitos deles foram solucionados com base no jeitinho brasileiro - capacidade de adaptação do povo brasileiro. Apesar de conhecido o atraso do País para solucionar o bug 2000 e os danos causados à economia, em nenhum momento as linhas de crédito do exterior foram rompidas. O trabalho de disclosure realizado pelo Governo e pelas empresas no Brasil mantiveram a credibilidade do País no exterior. c) Nostradamus: Passagem para o ano 2000 tumultuada, com descontrole da população, mas poucos danos causados diretamente pelas falhas ocorridas nos computadores. A ação das agências reguladoras do País como BC, CVM, Aneel e Anatel surtiram bons efeitos nas empresas sob sua responsabilidade. Esforços foram realizados pelas empresas, que conseguiram ajustar seus sistemas a tempo. Algumas empresas, principalmente as da área energética, não tiveram tempo suficiente para testar seus sistemas, mas planos de 10

11 11 contingências foram elaborados para garantir o funcionamento após a passagem do ano. O mesmo esforço foi realizado pelos governos federal, estaduais e municipais. Apesar da falta de orçamento para adequação dos sistemas, linhas de financiamentos do exterior de organismos internacionais foram obtidas. Muitos desses órgãos não tiveram tempo para a realização de testes, principalmente em nível dos governos estaduais e municipais, mas planos de contingência foram elaborados para atender às prováveis falhas de sistemas que poderiam ocorrer, e, com isso garantir o funcionamento dos serviços. A maioria das micro e pequenas empresas que estavam atrasadas conseguiram adaptar seus sistemas pois a solução era simples. A ação eficaz do Governo e do Sebrae foi decisiva para a adequação da maioria dessas empresas. Apesar dos esforços coletivos do Governo, agências reguladoras e empresas para adequar os sistemas e hardware, houve falha na comunicação. A população não foi devidamente informada. Em função dos enormes gastos que as empresas e o próprio Governo já haviam efetivado, resolveram gastar o mínimo com campanhas e esclarecimentos à população. Foi comunicado o estritamente necessário. Algumas iniciativas mais esclarecedoras foram tomadas no âmbito da Internet, por ter baixos custos. Entretanto, esse instrumento ainda não era um meio de comunicação de amplo alcance. Assim, não se obtiveram os resultados esperados. Os cavaleiros do apocalipse também tiveram sua participação gerando intranqüilidade na população ao pregarem o fim do mundo. As velhas profecias tomam corpo e a falta de esclarecimento e informações coerentes levam a população a cometer ações irracionais. A imprensa instigou ainda mais a população fornecendo informações imprecisas. À medida que o final do ano se aproximava, as matérias a respeito do assunto aumentavam consideravelmente na mídia. Como a maioria das notícias era contraditória, a intranqüilidade da população crescia, e teve como conseqüência valorização das antigas profecias. A indústria financeira, apesar de ter sido a primeira a adequar seus sistemas, foi a que mais sofreu os impactos da má comunicação. Com a proximidade do final de dezembro, mais pessoas retiravam seu dinheiro dos bancos e a demanda por extratos bancários aumentava exponencialmente. A consulta aos serviços de atendimento ao cliente na última semana do ano gerou congestionamento nas linhas telefônicas em diversos centros urbanos. A impossibilidade de comunicação com os bancos gerava mais desconforto e insegurança na população, o que elevava a demanda por papel-moeda. Filas intermináveis se formavam nos bancos e supermercados. A população não só queria garantir seu dinheiro, mas também o 11

12 12 suprimento para o possível caos que viria com a chegada do ano Apesar dos esforços do Governo e das empresas, as pessoas pareciam descontroladas e não ouviam o que essas organizações tinham a dizer. Na última semana do mês de dezembro de 1999, quase não se encontravam alimentos nas prateleiras dos supermercados. Alguns deles foram até saqueados e as indústrias de velas, fósforos, lanternas, baterias e santinhos nunca faturaram tanto. A procura pelo ouro aumentou e o preço do metal subiu como nunca. O mercado do dólar paralelo voltou a crescer e as ações nas bolsas de valores entraram em movimento de queda acentuada. Foram cortadas as linhas de crédito para o País e a fuga do capital externo foi intensificada. Parcela significativa da população desinformada estava unida e rezando com suas famílias no aguardo do fim do mundo. Mas, o novo ano chegou e as luzes nem sequer se apagaram. As empresas tinham feito seu dever de casa. Os planos de contingência conseguiram contornar os poucos problemas ocorridos decorrentes do bug 2000 sem que a população percebesse. Infelizmente o caos estava instalado no País. Apesar dos poucos problemas ocorridos relacionados diretamente aos computadores, o País amargou enorme prejuízo tanto econômico como social. Passaram-se alguns meses até que se voltasse à normalidade. d) Holocausto: Passagem para o ano 2000 tumultuada e início de profunda crise no País. Há falhas nos sistemas e descontrole da população por absoluta falta de informação. O segundo semestre de 1999 é marcado pelo esforço conjunto do Governo Federal e da iniciativa privada para tentar solucionar o problema. As agências reguladoras, como a Aneel, Anatel, CVM e BC, também mantiveram suas ações de fiscalização realizando auditorias e cobrando das empresas sob sua responsabilidade a realização dos testes de certificação dos sistemas e da elaboração e testes dos planos de contingência. Apesar dos esforços dessas agências, muitas empresas, principalmente do ramo energético que iniciaram os trabalhos demasiadamente tarde, não conseguiram testar nem os planos de certificação, nem os de contingência. O Governo, por falta de recursos orçamentários e de poder de convencimento, não conseguiu adequar a tempo seus sistemas. O plano de contingência para o País somente foi iniciado no final de julho de 1999 e, assim mesmo, com informações insuficientes sobre a real situação do País. Os governos estaduais e municipais estavam em pior situação, sem dinheiro para iniciar os trabalhos; foram os últimos a atentarem para o problema. Por desconhecimento do problema, por achar que tal problema somente ocorreria com as grandes empresas, e por não ter interesse de consumir os escassos recursos que possuía sem elevar seus lucros, a maioria das pequenas e médias empresas resolveu aguardar os 12

Metodologia Macroplan de Construção de Cenários

Metodologia Macroplan de Construção de Cenários Metodologia Macroplan de Construção de Cenários Cenários como Instrumento de Exploração do Futuro Abordagem Prospectiva e Probabilística Conceito: reflexão sistemática que visa a orientar a ação presente

Leia mais

Cenários Prospectivos

Cenários Prospectivos ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ENAP DFP - Coordenação da Formação de Carreiras Curso de Aperfeiçoamento para Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental - 2005 Disciplina 5: Cenários

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Inteligência e Planejamento Estratégico a serviço de Goiás

Inteligência e Planejamento Estratégico a serviço de Goiás Fernando Fernandes Inteligência e Planejamento Estratégico a serviço de Goiás Resumo: O artigo tem por objetivo apresentar uma proposta inovadora de planejamento estratégico e sua gestão, com suporte de

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

A história do Balanço Social

A história do Balanço Social C A P Í T U L O 1 A história do Balanço Social D esde o início do século XX registram-se manifestações a favor de ações sociais por parte de empresas. Contudo, foi somente a partir da década de 1960, nos

Leia mais

O uso de cenários prospectivos na estratégia empresarial: vidência especulativa ou Inteligência Competitiva?

O uso de cenários prospectivos na estratégia empresarial: vidência especulativa ou Inteligência Competitiva? O uso de cenários prospectivos na estratégia empresarial: vidência especulativa ou Inteligência Competitiva? Elaine Coutinho Marcial ( Banco do Brasil, ABRAIC) & Alfredo José Lopes Costa ( Banco do Brasil,

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 1) Conceito e Processo do Planejamento Estratégico Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Origem da Estratégia: Originalmente

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos Universidade de Brasília UnB Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação FACE Departamento de Administração ADM Disciplina: Logística Empresarial Grupo: Marrom

Leia mais

Apresentação. Quem Somos

Apresentação. Quem Somos Apresentação Quem Somos A UAI Tecnologia e Comunicação, nome fantasia da UAI Software LTDA., (que significa "Unidade de Apoio à Informação do Software") foi fundada em 19 de Março de 2004, por Luiz Gustavo

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010

ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010 ESTRATÉGIA e PROSPECTIVA 2009/2010 J. M Brandão de Brito Prof. Catedrático TRABALHO DE ESTRATÉGIA E PROSPECTIVA 1ª Parte (sobre Estratégia) 1. Explicação prévia Cada par de estudantes (grupo) escolhe,

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração Curso de Administração Cláudio Márcio, quem é você? Disciplina Informática Básica Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com FORMAÇÃO Graduação: Processamento de Dados e Administração Pós-Graduação: Especialização:

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL. Silmara de Fátima Narciso Brancalhão

A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL. Silmara de Fátima Narciso Brancalhão A INTERNET COMO ESTRATÉGIA PARA AGILIZAR AS INFORMAÇÕES NUM MOMENTO DE CRISE O CASO GOL Resumo Silmara de Fátima Narciso Brancalhão Esse artigo problematiza a importância da escolha das estratégias a serem

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2016 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

Planejamento por cenários: uma ferramenta para a era do conhecimento. Planning for scenes: a tool for the age of the knowledge

Planejamento por cenários: uma ferramenta para a era do conhecimento. Planning for scenes: a tool for the age of the knowledge Planejamento por cenários: uma ferramenta para a era do conhecimento Planning for scenes: a tool for the age of the knowledge Marcelo de Paula Mascarenhas Ribeiro (a) (a) Professor da FACINTER. Docente

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL:

CONTABILIDADE GERENCIAL: CONTABILIDADE GERENCIAL: UMA VISÃO ESTRATÉGICA EMPRESARIAL Adm. Luiz Roberto Nascimento lroberto@plugnet.com.br CRA-SP-57867 - Pós Graduado em Finanças Prof. Administração Financeira FAC.ANGLO-LATINO Trago

Leia mais

O Cliente ao alcance do mouse!

O Cliente ao alcance do mouse! Capítulo 11 e-crc uma importante ferramenta de marketing A minha vivência, como consultor, pôs a descoberto duas das grandes dores de cabeça dos empresários a prospecção e comunicação com clientes. Todos,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira

Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Roteiro para planejamento de cenários na gestão financeira Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores A sua empresa sabe como se preparar para as incertezas do futuro? Conheça

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

SEMINÁRIO INTELIGENCIA ESTRATÉGICA

SEMINÁRIO INTELIGENCIA ESTRATÉGICA SEMINÁRIO INTELIGENCIA ESTRATÉGICA São Paulo, 15 de Outubro de 2007 Crescendo Consultoria Crescendo Consultoria Tel:(011) 3525 7554 e-mail: crescendo@crescendo-consult.com.br web site: www.crescendo-consult.com.br

Leia mais

PARA O SEU NEGÓCIO Feira do Empreendedor Maio/2014

PARA O SEU NEGÓCIO Feira do Empreendedor Maio/2014 PARA O SEU NEGÓCIO Feira do Empreendedor Maio/2014 1 MBA Gestão Empresarial Inteligência Competitiva Planejamento Estratégico Varejo Alta Renda Empresarial Ciência da Computação Pós Inteligência Competitiva

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

Definição da Necessidade de Produtos Finais

Definição da Necessidade de Produtos Finais OS SISTEMAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UTILIZADOS COMO VANTAGEM ESTRATÉGICA Lucia Helena de Oliveira 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 2, Antonio Pascoal

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1 GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RESUMO DO ARTIGO Este artigo se propõe a apresentar uma panorâmica do uso da Segurança da Informação e sua importância como diferencial competitivo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS: APRECIAÇÃO DE MÉTODOS MAIS UTILIZADOS NA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS: APRECIAÇÃO DE MÉTODOS MAIS UTILIZADOS NA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA RESUMO CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS: APRECIAÇÃO DE MÉTODOS MAIS UTILIZADOS NA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Autoria: Daniel Estima de Carvalho, Mariana Bassi Sutter, Edison Fernandes Polo, James Terence Coulter

Leia mais

Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Dados. Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Informação

Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Dados. Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Informação Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Dados Definimos dado como uma seqüência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, o texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados,

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO!

SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO! SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO! O ambiente de Tecnologia da Informação (TI) vem se tornando cada vez mais complexo, qualquer alteração ou configuração incorreta pode torná-lo vulnerável

Leia mais

Marketing e Merchandising. Facilitador: Bruno Carnevali- Consultor, BOSS Consultoria

Marketing e Merchandising. Facilitador: Bruno Carnevali- Consultor, BOSS Consultoria Marketing e Merchandising no PDV 1 Quais são as definições de Marketing Marketing 1-Todas as atividades direcionadas a fazer uma troca para satisfazer necessidades ou desejos do homem 2-Processo pelo qual

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL

10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL 10 TÉCNICAS PARA GESTÃO COMERCIAL Os meses de dezembro e janeiro na maioria das empresas são marcados invariavelmente por atividades de planejamentos, orçamentos e metas para o ano novo. Para o próximo

Leia mais

Investment Research Contest. Como preparar um relatório

Investment Research Contest. Como preparar um relatório Investment Research Contest Como preparar um relatório Agenda Buscando Informações Estruturando o Raciocínio A Importância do Valuation Tese de Investimento Comparáveis e Múltiplos As Etapas do Relatório

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Sociedade da Informação

Sociedade da Informação Sociedade da Revolução Tecnológica Revolução industrial: ampliação dos músculos m dos homens em forma de equipamentos Mecanização ão. Responsável por mudanças as nas formas de produção existentes Revolução

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI

UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI UHE SANTO ANTÔNIO DE JARI PLANO DE TRABALHO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PCS Plano de Trabalho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 2.1. Objetivos Específicos... 1 3. PÚBLICO ALVO... 2 4. METAS... 2 5.

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL. 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista TERMO DE ADESÃO AO REGULAMENTO E CIÊNCIA DE RISCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS DA INDÚSTRIA EXODUS INSTITUCIONAL 1 - Nome do Cotista 2 - Identificação do Cotista 3 - Agência N 4 - Conta

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

MANUAL DO CURSO. ESPM - Campus Vila Olímpia. Rua Gomes de Carvalho, 1195 Vila Olímpia São Paulo - SP. Informações

MANUAL DO CURSO. ESPM - Campus Vila Olímpia. Rua Gomes de Carvalho, 1195 Vila Olímpia São Paulo - SP. Informações MBA em Marketing ESPM MANUAL DO CURSO ESPM - Campus Vila Olímpia Rua Gomes de Carvalho, 1195 Vila Olímpia São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

ESTRUTURA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TÁTICO E OPERACIONAL

ESTRUTURA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TÁTICO E OPERACIONAL ESTRUTURA DO ORGANIZAÇÃO MISSÃO O POR QUE A ORGANIZAÇÃO EISTE? O QUE A ORGANIZAÇÃO FAZ? PARA QUEM? EEMPLO DE MISSÃO - MICROSOFT Na Microsoft, a nossa função é ajudar as pessoas e empresas em todo o mundo

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

ENGENHARIA SOCIAL. Andresa Luchtemberg Pereira 1 Diuli Keiti da Luz Tiscoski 1 Marcos Henrique Henkes 1 Eva Lourdes Pires 2

ENGENHARIA SOCIAL. Andresa Luchtemberg Pereira 1 Diuli Keiti da Luz Tiscoski 1 Marcos Henrique Henkes 1 Eva Lourdes Pires 2 ENGENHARIA SOCIAL Andresa Luchtemberg Pereira 1 Diuli Keiti da Luz Tiscoski 1 Marcos Henrique Henkes 1 Eva Lourdes Pires 2 RESUMO: Engenharia Social é o uso da persuasão humana para obtenção de informações

Leia mais

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil.

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil. Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria O fortalecimento do pagador institucional de medicamentos, seja ele público ou privado, estabelece uma nova dinâmica nos negócios da indústria,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Inovação tecnológica na reforma do setor público: o sistema eletrônico de aquisições

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais