MUNICÍPIOS PORTUGUESES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUNICÍPIOS PORTUGUESES"

Transcrição

1 ANUÁRIO FINANCEIRO DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES 2016 ANÁLISE AOS MUNICÍPIOS DE LISBOA JOÃO CARVALHO MARIA JOSÉ FERNANDES PEDRO CAMÕES Apoios: SUSANA JORGE

2 ÍNDICE 1. ANÁLISE ORÇAMENTAL - Estrutura da Receita Cobrada - Estrutura da Despesa Paga - Receita Vs. Despesa 3. SETOR EMPRESARIAL LOCAL - Caracterização do SEL - Dissolução de Empresas Locais - Dívida global a pagar 2. ANÁLISE FINANCEIRA - Dívidas a terceiros - Prazo Médio de Pagamentos - Limite da Dívida Total - Resultados Líquidos, Operacionais e EBITDA 4. RANKING GLOBAL - Indicadores selecionados melhores municípios por Distrito - Pontuação por indicador dos melhores municípios Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

3 PORTUGAL E O DISTRITO DE LISBOA (MUNICÍPIOS) Lisboa: 16 municípios Continente: 278 municípios Açores: 19 municípios Madeira: 11 municípios Fonte: INE - Censos 2011 Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

4 PESO DO N.º DE TRABALHADORES NA POPULAÇÃO MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA 1,8% 1,6% 1,6% 1,6% 1,4% 1,5% 1,4% 1,3% 1,3% 1,3% 1,3% 1,2% Peso Nacional 1,2% 1,1% 1,0% 0,8% 0,6% 1,0% 1,0% 0,9% 0,8% 0,8% 0,8% 0,6% 1,1% Peso Lisboa 0,4% 0,2% 0,0% Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

5 1. ANÁLISE ORÇAMENTAL 1.1. Estrutura da Receita Cobrada 1.2. Evolução e estrutura dos Impostos diretos cobrados 1.3. Estrutura das Despesas Pagas 1.4. Receita Vs. Despesa 1.5. Grau de execução da Receita Cobrada 1.6. Grau de execução da Despesa Paga 1.7. Receita liquidada Vs. Despesa comprometida 1.8. Compromissos por Pagar Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

6 Milhões 1.1. ESTRUTURA DA RECEITA COBRADA MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA (931,2) ,7 Nota: os valores entre parênteses correspondem à receita cobrada em % (311,9) ,0 20% (173,2) 178,9 11% (65,0) 19,9 (39,2) (32,5) (74,7) (3,5) (2,9) (1,3) 48,3 28,0 25,9 2,8 1,8 1,3 3% Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

7 MILHÕES 1.2. EVOLUÇÃO DOS IMPOSTOS DIRETOS MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA ,2 800,4 761,3 754,1 766,1 681,3 673,6 633,8 748,4 825,1 847,2 Total 600 IMI ,9 359,5 368,9 376,0 316,9 326,5 340,4 327,3 305,2 281,9 260,7 274,4 286,9 244,1 227,9 218,3 223,8 279,3 215,6 173,0 144,9 162,7 174,5 127,5 139,0 160,3 129,5 113,6 128,8 115,2 97,2 89,9 95,3 37,4 38,4 39,2 44,9 47,4 51,4 56,5 68,6 68,1 67,3 68, IMT IUC Derrama Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

8 1.2. ESTRUTURA DOS IMPOSTOS DIRETOS MUNICÍPIOS DISTRITO DE LISBOA IUC (Imposto Único de Circulação) IMT (Imposto Municipal sobre Transmissão onerosa de Imóveis) Derrama 244,5 M 9% 655,5 M 25% 275,0 M 10% 1.487,9 M 56% IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) IUC (Imposto Único de Circulação) IMT (Imposto Municipal sobre Transmissão onerosa de Imóveis) 68,5 M 8% Derrama 115,2 M 14% 286,9 M 34% 376,0 M 44% IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

9 Milhões 1.3. ESTRUTURA DA DESPESA PAGA MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA 600 (490,8) Nota: os valores entre parênteses correspondem à despesa paga em ,1 32% (427,2) 434, % (163,1) 235,2 (224,1) 249, % 16% (132,1) 104,8 7% (19,6) 33,8 (16,8) (8,2) (2,8) 11,5 10,4 0,8 0 Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

10 Milhões 1.4. ESTRUTURA DA RECEITA E DA DESPESA MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA ,1 204, Receita Prevista Receita Liquidada Receita Cobrada Despesa Prevista Despesa Comprometida Despesa Paga Corrente + Capital Saldo inicial + Reposições não abatidas nos pagamentos Total Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

11 MILHÕES 1.4. EVOLUÇÃO DAS RECEITAS E DAS DESPESAS MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA Orçamento final Receita Liquidada líquida Receita Cobrada Despesa Comprometida Despesa Paga Nota: As receitas incluem os saldo de gerência anterior Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

12 1.5. GRAU DE EXECUÇÃO DA RECEITA COBRADA MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA RECEITAS COBRADAS LIQUIDAS / RECEITAS PREVISTAS (Sem saldo de gerência anterior) 110% 100% 90% 80% 70% 60% Grau Lisboa 90,6% 87,2% Lisboa 101,1% Sintra 82,4% Cascais 94,1% 90,3% Amadora Loures 100,2% Oeiras 77,6% Odivelas 106,0% 103,9% Mafra V. Franca 99,9% de Xira Torres 95,8% Vedras Lourinhã 88,0% Alenquer 101,3% Azambuja 89,6% Arruda dos Vinhos 96,7% Cadaval 82,1% Sobral Monte Agraço % 40% 30% 20% 0 10% 0% Grandes Médios Pequenos Receitas cobradas / Receitas previstas 71,4% 76,1% 80,9% 75,8% 72,1% 68,3% 84,1% 70,4% 83,7% 93,5% 90,6% Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

13 1.6. GRAU DE EXECUÇÃO DA DESPESA PAGA MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA DESPESAS PAGAS TOTAIS / DESPESAS PREVISTAS 110% 100% 90% 80% 70% 60% 50% Grau Lisboa 80,3% 77,9% Lisboa 82,5% Sintra 81,0% Cascais 84,7% Loures 77,7% Amadora 82,1% Oeiras 71,9% Odivelas 77,9% V. Franca de Xira 90,4% Mafra 96,0% Torres 92,0% Vedras 85,4% Lourinhã 87,4% Alenquer Azambuja 89,7% Arruda dos Vinhos79,7% Cadaval 77,9% Sobral Monte Agraço % 30% 20% 10% 0 0% Grandes Médios Pequenos Despesa paga / Despesa comprometida 79,0% 85,4% 86,9% 82,3% 82,5% 83,5% 89,0% 85,9% 90,9% 91,7% 91,4% Despesa paga / Despesa prevista 68,9% 70,8% 78,2% 73,3% 71,2% 65,6% 80,3% 67,1% 78,7% 81,0% 80,3% Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

14 1.7. GRAU DE EXECUÇÃO DA DESPESA COMPROMETIDA E GRAU DE EXECUÇÃO DA RECEITA LIQUIDADA DISTRITO DA LISBOA 120% 100% 80% 105% 98% 99% 100% 99% 100% 101% 101% 95% 93% 95% 90% 89% 90% 90% 90% 92% 92% 92% 94% 86% 87% 88% 88% 85% 85% 81% 83% 82% 84% 81% 72% 60% 40% 20% 0% Grau de execução da despesa comprometida (despesa comprometida / despesa prevista) Grau de execução da receita liquidada (receita liquidada / receita prevista) Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

15 1.8. COMPROMISSOS POR PAGAR/COMPROMISSOS ASSUMIDOS MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA 12% 11% 10% 9% 8% 7% 8,5% Lisboa 10,1% Sintra 9,0% Cascais 10,8% 11,0% 11,1% Loures Oeiras Odivelas 10,1% Amadora Média Lisboa 7,4% 8,6% Arruda dos Vinhos 10,2% Sobral Monte Agraço 5 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% 5,1% Mafra 4,3% V. Franca de Xira 2,8% Torres Vedras 5,0% Alenquer 1,5% Lourinhã 3,3% Azambuja 6,4% Cadaval Grandes Médios Pequenos Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

16 2. ANÁLISE FINANCEIRA 2.1. Evolução das Dívidas a terceiros 2.2. Evolução dos Empréstimos 2.3. Prazo Médio de Pagamentos 2.4. Limite da Dívida Total 2.5. Resultados Líquidos, Operacionais e EBITDA Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

17 MILHÕES 2.1. EVOLUÇÃO DAS DÍVIDAS CURTO E MÉDIO E LONGO P. MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA , , , , , ,1 Passivo Exigível , , , , ,5 477,7 952,5 533, , , , ,5 628,9 686,0 713,1 710,6 703,2 754,8 534,4 554,5 818,1 800,4 388,4 333,4 960,8 707,8 253,0 Dívida de médio e longo prazo Dívida de curto prazo Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

18 MILHÕES 2.2. EVOLUÇÃO DOS EMPRÉSTIMOS CURTO E MÉDIO E LONGO P. MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA ,1 798,1 777,0 868,1 825,2 826,6 Empréstimos no final do ano ,3 674,7 434,9 640,1 587,6 510,2 Amortizações de empréstimos ,8 172,8 178,5121,1 132,2 132,1 72,6 87,7 87,4 104,8 62,8 96,7 78,2 89,1 83,5 22,9 37,7 41,6 53,7 65,0 19, Recurso a novos empréstimos Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

19 EVOLUÇÃO DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTOS MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA inferior a 30 dias entre 30 e 90 dias superior a 90 dias Fonte: DGAL Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

20 2.3. PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTOS 2016 MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA Cascais 55 Alenquer Torres 75 Novas 70 Sobral de Monte Agraço Lisboa 2 Sintra 9 Loures 37 Oeiras Amadora Odivelas 46 V. Franca de Xira 9 Mafra 15 Lourinhã 23 Azambuja 0 Arruda dos Vinhos 40 Cadaval Grandes Médios Pequenos 8 Fonte: DGAL Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

21 2.4. LIMITE DA DÍVIDA TOTAL LEI 73/2013 (ART. 52º) Limite da dívida total: a dívida total a 31/12 de cada ano não pode ultrapassar 1,5 vezes a média das receitas correntes cobradas nos 3 anos anteriores. Unidade: Milhões de euros 308 Municípios Lisboa Média das receitas correntes cobradas líquidas - 3 exercícios anteriores (a) , , , , ,8 Limite à dívida total (1,5 x média receitas correntes) (b) 8.517, , , , ,3 Dívida total (Passivo Exigível - op. tesouraria) (c) 6.536, , , ,3 930,6 Índice de dívida total (c)/(a) 115,1% 105,8% 94,7% 78,1% 69,5% Nº municípios que excederam o limite da dívida Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

22 2.4. LIMITE DA DÍVIDA TOTAL LEI 73/2013 (ART. 52º) MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA 140% 120% Lisboa 123,0% Azambuja 105,8% 2 100% 80% 60% 40% 20% Índice Lisboa 69,5% Sintra 15,6% Cascais 39,7% Loures 34,3% Amadora 40,4% Oeiras 38,2% Odivelas 32,2% V. Franca de Xira 43,5% Mafra 33,9% Torres Vedras 49,8% Alenquer 48,0% Lourinhã 77,3% Arruda dos Vinhos 54,8% Cadaval 26,4% Sobral Monte Agraço 70,9% 14 0% Grandes Médios Pequenos Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

23 MILHÕES 2.5. EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA , ,7 411,0 EBITDA 344, ,4 263,2 303,2 322, ,1 188,6 207,2 207,4 221,6 226,5 188,6 233,6 175,3 Resultados Líquidos ,0 86,9 107,7 127,0 172,7 45,4 58,2 173,7 151,0 0 30,5 17,5 13,2 22,4-20,9-21,7-14,3 Resultados Operacionais Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

24 3. SETOR EMPRESARIAL LOCAL 3.1. Caracterização do SEL 3.2. Dissolução de Empresas Locais 3.3. Dívida global a pagar Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

25 3.1. CARACTERIZAÇÃO DO SEL Nacional Lisboa Nº de municípios Nº de municípios com empresas municipais Nº de municípios com empresas intermunicipais Nº de municípios com serviços municipalizados Nº de empresas municipais Nº de empresas intermunicipais Nº de serviços municipalizados Nº de empresas dissolvidas Nº de empresas em processo de dissolução Nº de empresas que deveriam ser dissolvidas (artigo 62º, Lei nº 50/2012) Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

26 3.2. DISSOLUÇÃO DAS EMPRESAS LOCAIS 2016 ART.62º, LEI 50/2012 Aplicação do artigo 62º da Lei nº 50/2012 Incumprimento relativamente a 2014, 2015 e 2016 Dissolvidas ou em processo de dissolução - aplicação do art.62º Nacional Lisboa Nacional Lisboa alínea a) do n.º1 do art.º 62º (VPS / Custos totais < 50%) alínea b) do n.º 1 do art.º 62º (Subsídios à Exploração / Receitas > 50%) alínea c) do n.º 1 do art.º 62º (EBITDA < 0) alínea d) do n.º 1 do art.º 62º (Resultado líquido < 0) Total Nota: Havendo empresas que se encontram em situações abrangidas por várias alíneas, não permite que os totais apresentados, neste quadro, correspondam à soma dos valores de posicionamentos nas 4 alíneas do diploma em apreço. Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

27 MILHÕES 3.3. DÍVIDA GLOBAL MUNICÍPIOS, EMPRESAS E SERVIÇOS MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE LISBOA ,8 Dívida Global , , , , , ,9 Municípios , , , ,8 960,8 Setor Empresarial Local ,5 292,3 313,9 283,9 285,6 281,5 31,2 27,4 22,5 21,7 22,3 20, Serviços Municipalizados Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

28 4. RANKING GLOBAL 4.1. Indicadores selecionados melhores municípios por Distrito 4.4. Pontuação por indicador dos melhores do Distrito de Lisboa Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

29 4.1. RANKING GLOBAL INDICADORES SELECIONADOS PELO ANUÁRIO N.º INDICADOR FÓRMULA FONTE 1 Índice Liquidez 2 Resultado Operacional deduzido de amortizações e provisões sobre os proveitos operacionais 3 Peso Passivo exigível no Ativo 4 5 Passivo por habitante Taxa de cobertura financeira da despesa realizada no exercício ORDEM DE PONTUAÇÃO Dívidas a receber c.p. + disponibilidades Balanço (Ativo) Dívidas a pagar curto prazo Balanço (Passivo) Maior rácio = 200 Proveitos operacionais (custos operacionais amortizações provisões) Demonstração de Resultados Maior rácio = 200 Proveitos Operacionais Dívidas a pagar (passivo exigível) Ativo Total - Bens de Domínio Público Dívidas totais (passivo exigível) N.º de habitantes Despesas comprometidas para o exercício Receitas liquidadas Balanço (Passivo) Balanço (Ativo) Balanço (passivo) Censos 2011 (INE) Controlo orçamental despesa Controlo orçamental receita 6 Prazo Médio de Pagamentos PMP a (n.º de dias) DGAL 7 Grau de execução do saldo efetivo 8 Índice de Dívida Total 9 Grau de execução da despesa relativamente aos compromissos assumidos 10 Impostos diretos por habitante Receitas efetivas liquidadas - Despesas efetivas comprometidas Receitas efetivas liquidadas Dívida Total (passivo exigível - operações de tesouraria) Média das receitas correntes nos últimos 3 anos Despesas Pagas + (depósitos e caixa operações de tesouraria) Despesas comprometidas para o exercício Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses Menor rácio = 200 Menor rácio = 200 Menor rácio = 200 PMP < 30 = 100 PMP 30 < 60 = 50 PMP 60 = 0 Controlo orçamental receita e despesa Maior rácio = 200 Controlo orçamental receita Balanço (passivo) Controlo orçamental receita Menor rácio = 200 Controlo orçamental da despesa, balanço e fluxos de caixa Maior rácio = 200 Controlo orçamental despesa IMI+IMT+IUC+ derrama Controlo orçamental receita N.º de habitantes Censos 2011 (INE) Maior rácio = 200 Pontuação máxima 1.900

30 4.2. RANKING GLOBAL 100 MELHORES POR DISTRITO Distrito/região Nº de municípios da lista dos 100 melhor Número de municípios classificados % de Grande Média Pequena municípios dimensão dimensão dimensão TOTAL Grande Média Pequena dimensão dimensão dimensão TOTAL Aveiro ,4% Beja ,3% Braga ,7% Bragança ,7% Castelo Branco ,3% Coimbra ,8% Évora ,3% Faro ,5% Guarda ,4% Leiria ,3% Lisboa ,8% Portalegre ,3% Porto ,8% Santarém ,6% Setúbal ,1% Viana do Castelo ,0% Vila Real ,6% Viseu ,3% R. A. Açores ,8% R. A. Madeira ,4% Total ,5% Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

31 4.3. RANKING GLOBAL MUNICÍPIOS COM MAIOR PONTUAÇÃO DISTRITO DE LISBOA Sintra Vila Franca de Xira Amadora Oeiras Mafra Cadaval Azambuja % 100% 80% 60% 40% 20% 0% Índice Liquidez Resultado Operacional deduzido de amortizações e provisões sobre os proveitos operacionais Peso Passivo exigível no Ativo Passivos por habitante Taxa de cobertura financeira da despesa realizada no exercício Prazo Médio de Pagamentos Grau de execução do saldo efetivo Indice de Dívida Total Grau de execução da despesa relativamente aos compromissos assumidos Impostos diretos por habitante Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses

32 JOÃO CARVALHO MARIA JOSÉ FERNANDES PEDRO CAMÕES SUSANA JORGE

Dr. Paulo Santos ADENE

Dr. Paulo Santos ADENE Dia 28 de Maio Construir com Sustentabilidade Dr. Paulo Santos ADENE Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) 1 Distrito de Lisboa com quase 20000 edifícios

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015

Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015 23.11.2015 Mapa de Vagas para ingresso em área de especialização - Concurso IM 2015 Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Instituto Português de Oncologia do Porto Francisco Gentil,

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos Avaliação dos Serviços Online Municipais e-municípios 2009 2 3 A. Metodologia 5 6 Serviços a avaliar Feiras e mercados Taxas municipais Certidão para efeitos de IMI Consulta de informação georreferenciada

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

IEFP CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PORTALEGRE SERVIÇO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PONTE DE SOR

IEFP CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PORTALEGRE SERVIÇO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE PONTE DE SOR Grupo de Recrutamento Nº Oferta IEFP Tipo Duração Nº Horas Semanais Número Data de Início de Vagas de Oferta Total Data de Fim de Oferta 110 1.º Ciclo do Ensino Básico 285 Centro de Emprego e Formação

Leia mais

Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2014 NEAPP

Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2014 NEAPP Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2014 NEAPP Ficha Técnica Autores João Baptista da Costa Carvalho Maria José da Silva Fernandes Pedro Jorge Sobral Camões Susana Margarida Faustino Jorge Colaboradores

Leia mais

RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO

RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO Foram entregues 328 inquéritos dos quais foram validados 309. Os inquéritos validados possuem a seguinte distribuição: Famílias com menos de 5 anos 10 Famílias entre

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE LISBOA FRANCISCO GENTIL, E.P.E.

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE LISBOA FRANCISCO GENTIL, E.P.E. INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE LISBOA FRANCISCO GENTIL, E.P.E. Dívidas a Terceiros a 31 de Dezembro de 2014 Tipo Fornecedor Intervalo (dias) Rubrica 0 ]0;90] ]90;180] ]180;240] ]240;360] ]360;540]

Leia mais

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal

A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas do Banco de Portugal Jornadas de Estatística Regional Angra do Heroísmo, 29 de Novembro de 2013 A Actividade Económica dos Açores nas Estatísticas João Cadete de Matos Director, Departamento de Estatística Principais indicadores

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS www.inatel.pt FUNDAÇÃO INATEL TURISMO PARA TODOS PORTUGAL 2013 Desde 267 INCLUI: TRANSPORTE TERRESTRE + 5 NOITES ALOJAMENTO, REFEIÇÕES, PASSEIOS, ANIMAÇÃO E SEGURO. Descubra o que Portugal tem de melhor

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2014

PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2014 O ano de 2014 inicia um novo ciclo de trabalho marcado por um novo mandato autárquico que trouxe uma renovação, essencialmente, no grupo de políticos que representam

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 Distrito de LISBOA 2010 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo a natureza do acidente... 6 4. Vítimas

Leia mais

LISTA DE CONTACTOS Lojas

LISTA DE CONTACTOS Lojas Página 1 de 6 Alfragide C.C. Alegro Alfragide, Loja 140 Av. Dos Cavaleiros 2794 971 CARNAXIDE 937 557 878 Algarve Shopping (Guia) Algarve Shopping, Loja 1323 Lanka Parque Comercial e Industrial do Algarve

Leia mais

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004)

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) http:// www.insa.pt Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Reciclagem de Veículos em Fim de Vida (VFV) rumo a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Tópicos Empresa Sistema

Leia mais

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO 31 março2013 CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Limites do Endividamento 8 Endividamento

Leia mais

Qualidade do Ar como Fator de Risco para a Saúde Humana

Qualidade do Ar como Fator de Risco para a Saúde Humana Seminário Gestão Territorial do Risco na Região Centro 2 Dezembro 2013 Coimbra Qualidade do Ar como Fator de Risco para a Saúde Humana Ana Isabel Miranda Departamento de Ambiente e Ordenamento Universidade

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2011 e 2012 NEAPP

Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2011 e 2012 NEAPP Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2011 e 2012 NEAPP Ficha Técnica Autores João Baptista da Costa Carvalho Maria José da Silva Fernandes Pedro Jorge Sobral Camões Susana Margarida Faustino Jorge

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

REFORMA DA ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA. A recente reforma da organização judiciária dá sequência aos compromissos

REFORMA DA ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA. A recente reforma da organização judiciária dá sequência aos compromissos REFORMA DA ORGANIZAÇÃO JUDICIÁRIA A recente reforma da organização judiciária dá sequência aos compromissos estabelecidos no Memorando de Entendimento celebrado entre o Estado Português, o Banco Central

Leia mais

EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - Ano de 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

INSTITUIÇÕES PÚBLICAS NÃO SUPERIORES QUE RELEVAM PARA A 2.ª PRIORIDADE DO CONCURSO DA CONTRATAÇÃO INICIAL E RESERVA DE RECRUTAMENTO

INSTITUIÇÕES PÚBLICAS NÃO SUPERIORES QUE RELEVAM PARA A 2.ª PRIORIDADE DO CONCURSO DA CONTRATAÇÃO INICIAL E RESERVA DE RECRUTAMENTO INSTITUIÇÕES PÚBLICAS NÃO SUPERIORES QUE RELEVAM PARA A 2.ª PRIORIDADE DO CONCURSO DA CONTRATAÇÃO INICIAL E RESERVA DE RECRUTAMENTO LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Leia mais

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00 Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015 1. Calendário Federativo Nacional Data Dia da Semana Evento Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar

Leia mais

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 LINHA DE CRÉDITO PARA ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR COM GARANTIA MÚTUA ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 Comissão de Acompanhamento 29 de Maio de 2008 Introdução, e principais conclusões Este documento

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Árbitro da Câmara de Recurso e da 1ª Instância no Tribunal Arbitral do Desporto;

CURRICULUM VITAE. Árbitro da Câmara de Recurso e da 1ª Instância no Tribunal Arbitral do Desporto; CURRICULUM VITAE Sérgio Nuno Coimbra Castanheira C.C. n.º 11742681 Contribuinte Fiscal n.º 226811506 Data de nascimento: 20/01/1980 Residência: Av. Calouste Gulbenkian, n.º75, 4.ºDrt, 3000-092 Coimbra

Leia mais

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

A MEDIAÇÃO DE SEGUROS

A MEDIAÇÃO DE SEGUROS 3 A MEDIAÇÃO DE SEGUROS 3 A MEDIAÇÃO DE SEGUROS 3.1. Caracterização dos mediadores de seguros No final de 28 operavam no mercado nacional 27.424 mediadores de seguros (não incluindo os que actuavam em

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 24 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE 15 DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS EXERCÍCIO DE 2013 Câmara Municipal Divisão Administrativa e Financeira ÍNDICE GERAL DESIGNAÇÃO DO DOCUMENTO TC POCAL PG Balanço 1 5 1 Demonstração de Resultados 2 6

Leia mais

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Nome Loja Cidade Distrito ÁGUEDA PINGO DOCE ÁGUEDA Distrito Aveiro ALBERGARIA-A-VELHA RUA ALBERGARIA A VELHA Distrito Aveiro AVEIRO GLICÍNIAS

Leia mais

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo.

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. Impostos A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis) Imposto sobre as transmissões onerosas do direito de propriedade

Leia mais

Rede de Referenciação Hospitalar de Transplantação

Rede de Referenciação Hospitalar de Transplantação Rede de Referenciação Hospitalar de Transplantação Direcção-Geral da Saúde - Direcção de Serviços de Planeamento PORTUGAL. Direcção-Geral da Saúde. Direcção de Serviços de Planeamento Rede de Referenciação

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI 1 15 de Maio de 2013 Auditório

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios

Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios NORMA DE PROCEDIMENTOS Abril de 2008 12 / OT Tramitação da vistoria para a Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos

Leia mais

Organização Curricular em Educação Física

Organização Curricular em Educação Física Organização Curricular em Educação Física Análise dos dados relativos à Organização Curricular em Educação Física para o ano letivo 2012/2013. Estudo desenvolvido pelo Conselho Nacional de Associações

Leia mais

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Acampamento ocasional Câmara Municipal de Braga Acampamento

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2007/08 Data: 28 de Junho de 2008 Início: 11h30m Duração: 2h15m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

Recuperação Financeira Municipal Planos de reestruturação de dívida e assistência financeira. Setembro 2014 André Júdice Glória, LL.M, M.B.A.

Recuperação Financeira Municipal Planos de reestruturação de dívida e assistência financeira. Setembro 2014 André Júdice Glória, LL.M, M.B.A. Recuperação Financeira Municipal Planos de reestruturação de dívida e assistência financeira Setembro 2014 André Júdice Glória, LL.M, M.B.A. Agenda 1 Descrição do problema 2 Reestruturação de dívida 3

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

MAPA DE VAGAS - IM - 2013 FE

MAPA DE VAGAS - IM - 2013 FE MAPA DE VAGAS - IM - 2013 FE Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Instituto Português de Oncologia do Porto Francisco Gentil, EPE 1 Unidade Local de Saúde de Matosinhos, EPE 1 Sub-Total

Leia mais

O mercado dos motociclos

O mercado dos motociclos Portugal O mercado dos motociclos Segundo as previsões da ACAP, o ano de 2007 terminará novamente com um saldo positivo (+14%). Este crescimento deve-se essencialmente ao contributo dos quadriciclos, que

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA 1. Encontra se concluída a colocação na primeira fase do 39.º concurso nacional de acesso, tendo sido admitidos,

Leia mais

LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DREN: Escola Profissional de Fermil Celorico de Basto Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Carvalhais /Mirandela

Leia mais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais Maria Cristina Canavarro Teixeira Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior Agrária,

Leia mais

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA 1 GERAÇÃO DEPOSITRÃO Recolha de equipamentos e pilhas em fim de vida 603 Eco-Escolas nacionais Escolas = pontos

Leia mais

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Debate Regional "Crescimento Inclusivo/ Oeste Inclusivo - A Região Oeste Portugal e as Metas 2020 Apresentação da reflexão do subgrupo Crescimento Inclusivo sobre

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Metodologia Dimensão da amostra Datas das entrevistas Margem de erro Idioma das entrevistas 1,000 Brasileiros adultos 23 Novembro

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

Como Pagar Sou Empregador Atualizado em: 04-04-2016

Como Pagar Sou Empregador Atualizado em: 04-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Como Pagar Sou Empregador Atualizado em: 04-04-2016 Esta informação destina-se a Empresa Empregador de Serviço Doméstico O que é As Entidades Empregadoras são as responsáveis pelo pagamento

Leia mais

Coordenação técnico-pedagógica 2011/12 Margarida Gomes margaridagomes@abae.pt

Coordenação técnico-pedagógica 2011/12 Margarida Gomes margaridagomes@abae.pt Coordenação técnico-pedagógica 2011/12 Margarida Gomes margaridagomes@abae.pt Índice Breve apresentação da ONGA Visão e objetivos Metodologias comuns Trabalho em rede Público alvo, dimensão geográfica,

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES

CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos

Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos Censos 2011 Resultados Pré-definitivos Momento Censitário 21 de março 2011 03 de fevereiro de 2012 Mais de um milhão e duzentos mil idosos vivem sós ou em companhia de outros idosos Cerca de 12 da população

Leia mais

II.12.1 - Estabelecimentos de Instituições Bancárias e Seguradoras e respectivo Pessoal ao Serviço, em 2000

II.12.1 - Estabelecimentos de Instituições Bancárias e Seguradoras e respectivo Pessoal ao Serviço, em 2000 II.2. - Estabelecimentos de Instituições Bancárias e Seguradoras e respectivo Pessoal ao Serviço, em 2000 Bancos e Caixas Económicas Estabelecimentos Caixas de Crédito Agrícola Mútuo Bancos, Caixas Económicas

Leia mais

Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas

Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas Isabel Breda Vázquez Paulo Conceição Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Porto 4.07.14 Estudo Prospetivo do Mercado

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

Consignações (1681) Órgão Beneficiado Órgão de Onde Saiu Valor Observação

Consignações (1681) Órgão Beneficiado Órgão de Onde Saiu Valor Observação Órgão Beneficiado Órgão de Onde Saiu Valor Observação Capela Real 6.660.560 Capela Real Alfândega de Lisboa 4.340.560 Capela Real Almoxarifado de Abrantes 400.000 Capela Real Almoxarifado da Guarda 1.920.000

Leia mais

Lista das Entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo

Lista das Entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo Lista das Entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo (ao abrigo da Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro) - CENTROS DE ARBITRAGEM DE COMPETÊNCIA GENÉRICA Centro Nacional de Informação e Arbitragem

Leia mais

A MEDIAÇÃO DE SEGUROS

A MEDIAÇÃO DE SEGUROS 3 A MEDIAÇÃO DE SEGUROS 3 3.1. Caracterização geral dos mediadores de seguros No final de 29 operavam no mercado nacional 27.139 mediadores de seguros, dos quais 25.19 eram pessoas singulares e 1.949

Leia mais

Relatório Anual de Atividades

Relatório Anual de Atividades Direção de Serviços de Recrutamento e Assuntos do Serviço Militar DIVISÃO DE ASSUNTOS DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Centro de Informação e Orientação para a Formação e o Emprego Relatório Anual

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA

INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA Índice 1- INDICADORES SOCIAIS Quadro Resumo do Distrito Pag. 3 Desemprego Registado Pag. 5 Prestações de Desemprego Pag. 8 Despesas Correntes com prestações

Leia mais

PROJECTOS CHAVE NA MAO

PROJECTOS CHAVE NA MAO PROJECTOS CHAVE NA MAO 1. Viaturas de Comunicações 2. Centros de Comunicações 3. Instalação de Radares Projecto VTCS 4. Instalação de Ilhas Ecológicas 5. Instalação do Sistema TETRA a nível Nacional 6.

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

Pediatria Médica. Junho de 2005 Colégio de Pediatria pg 1 de 10

Pediatria Médica. Junho de 2005 Colégio de Pediatria pg 1 de 10 Pediatria Médica Idoneidade e de Serviços, para os s do Internato Complementar de Pediatria no ano 2006, atribuídas pela Direcção do Colégio de Especialidade de Pediatria Junho de 2005 Colégio de Pediatria

Leia mais

CMY. Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt

CMY. Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt horizontal.ai 29-09-2009 23:03:35 C M Y CM MY CY CMY K Calçada de SantʼAna, 180 1169-062 Lisboa tel. 210 027 000 fax: 210 027 027 e-mail: inatel@inatel.pt www.inatel.pt REJUVENESCER REINVENTAR Sinto-me

Leia mais

CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS

CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS MODELO E SISTEMA DE CARREGAMENTO PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS EM PORTUGAL LUIS REIS SEMINÁRIO MOBILIDADE ELÉCTRICA: O VEÍCULO 08.MARÇO. 2010 NOVO PARADIGMA MOBILIDADE ELÉCTRICA EXPLORAR A INTEGRAÇÃO ENTRE

Leia mais

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Tema: Vítimas com Necessidades Específicas Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Investigador: Miguel Rodrigues miguel.ol.rodrigues@hotmail.com

Leia mais

Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29

Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29 Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29 índice 1. DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS DO PLANO GERAL DE EMERGÊNCIA...4 1.1 INTRODUÇÃO...4

Leia mais

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍ ÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT 1001415 Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de D. Inês de Castro de Alcobaça Alcobaça Leiria 1001811 Escola Básica do 2º e 3º Ciclos com Secundária de D. Pedro I Escolas D. Pedro I Alcobaça

Leia mais

Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira

Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DE PLANEAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA ORÇAMENTO POR AÇÕES - 2 0 1 5 - - DOTAÇÕES INICIAIS - - Í N D I C E -

Leia mais

Nome Concelho Distrito DRE Telefone Email

Nome Concelho Distrito DRE Telefone Email Escola Secundária Raul Proença, Caldas da Rainha Caldas da Rainha Leiria Escola Secundária de Santa Maria do Olival, Tomar Tomar Santarém Insignare Associação de Ensino e Formação (Sede) Ourém Santarém

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

Unidade de Apoio Especializado

Unidade de Apoio Especializado Unidade de Apoio Especializado Equipa de Apoio às Escolas Lezíria do Tejo Telef.: 243352425 Escolas Fazendas de Almeirim - Almeirim Escola Básica Fazendas de Almeirim Unidade de Apoio Especializado Fazendas

Leia mais

PME Investe III. Linha da Região OESTE

PME Investe III. Linha da Região OESTE PME Investe III Linha da Região OESTE Objectivos Esta Linha de Crédito, sem juros e com garantias a custo reduzido, visa apoiar as empresas do sector do turismo, localizadas na região Oeste e destina-se

Leia mais

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 CRICAD ARSLVT CRICAD ARSLVT HOSPITAIS DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA ARSLVT LISBOA NORTE (215 157) Freguesias do Concelho de Lisboa:

Leia mais