INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA"

Transcrição

1 INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA

2 Índice 1- INDICADORES SOCIAIS Quadro Resumo do Distrito Pag. 3 Desemprego Registado Pag. 5 Prestações de Desemprego Pag. 8 Despesas Correntes com prestações Desemprego Pag. 9 Quadro de Cooperação por área geográfica e área de intervenção Pag. 10 Quadro de cooperação por resposta social Pag. 11 Caracterização de projectos PARES e POPH Pag. 13 Fundo de Socorro Social Pag INDICADORES ECONOMICOS Indicadores PIB Pag. 18 Poder de Compra Pag. 19 Capacidade de alojamento e nº de dormidas registadas Pag. 20 Número de Hospedes registados Pag. 21 Empresas: Importância relativa face ao total nacional Pag. 22 Empresas: importância relativa face às Regiões Centro, Lisboa e Pag.23 Alentejo Depósitos e Crédito Concedido Pag. 24 QREN Projectos aprovados por área geográfica Pag. 25

3 INDICADORES SOCIAIS

4 Quadro Resumo Distrito Lisboa Caracterização Superfície 2.802,8 km2 Habitantes (Censos 2011) Evolução População Residente (Censos 2001) 5,36% Concelhos 16 Programa de Emergência Alimentar (PEA) Através da criação e apoio ao funcionamento da rede de Cantinas Sociais. A nível nacional há, atualmente, 590 protocolos celebrados para o desenvolvimento desta resposta, abrangendo refeições diárias. Durante o ano de 2013 está prevista a celebração de mais 184 protocolos nesta área. No Centro Distrital de Lisboa foram celebrados no ano de 2012, 70 Protocolos para o desenvolvimento desta resposta, abrangendo refeições diárias. Para 2013 está prevista a celebração de mais 16 Protocolos nesta área. Acolhimento Familiar para Pessoas Idosas e Adultas com Deficiência Em 2012, o número total de Famílias de Acolhimento foi de 655, abrangendo um total de 1276 pessoas acolhidas. No ano de 2012 esta resposta representou um encargo de ,9, menos ,14 que a verba gasta em O Centro Distrital de Lisboa tem 2 famílias de acolhimento para pessoas idosas e adultas com deficiência. O montante pago à familia de acolhimento foi de Atendimento/ Acompanhamento Social p, q ç vulnerabilidade social, incidem maioritariamente sobre as tipologias infra presentes: Rendas e alugueres; Manutenção da casa (água, luz, gás); Medicação; Alim e nta ção; Ajudas Técnicas (óculos, próteses, cadeiras de rodas, entre outras) Em relação ao ano de 2012, foram processados: Subsídios eventuais famílias em carência: ,72 Prevenção e Reabilitação - Ajudas Técnicas: ,06 Ações de Apoio à Toxicodependência: ,31 Programa de Luta Contra a SIDA: ,19 Totalizando o valor de ,28. Em 2011 o orçamento executado para estas mesma rubricas foi de ,36. No ano de 2012 no Cdist de Lisboa, foram processados os seguintes montantes no âmbito do atendimento/acompanhamento em Ação Social: Subsídios Eventuais famílias em carência: ,58 Prevenção e Reabilitação - Ajudas Técnicas: ,23 Ações de Apoio à Toxicodependência: ,14 Programa de Luta Contra a SIDA: ,74 Em 2012, foram realizados o nº de atendimentos efetuado no âmbito do atendimento/ acompanhamento social 3

5 Programa Comunitário de Ajuda alimentar a Carenciados (PCAAC) 2011 Famílias Indivíduos Programa PERA Tem por o objetivo garantir apoio no período de férias a alunos que estão a ser apoiados diariamente pelas escolas no âmbito do reforço alimentar. Das 393 escolas abrangidas com Programa PERA, em 2012 foram sinalizados alunos dos três ciclos, dos quais: Pouco Urgentes; Urgentes e 814 Muito Urgentes. No Cdist de Lisboa foram abrangidas 65 escolas tendo sido sinalizados 2.894alunos. RSI Agregados familiares Beneficiários Requerimentos entrados Acordos de inserção Programa de Apoio e Qualificação da Medida PIEF (PAQPIEF) Existem a nível nacional 204 grupos de turma. De momento, não é possível disponibilizar um número total de alunos inscritos, devido, à elevada flutuação dos alunos neste programa ao que acresce o facto, de haver neste momento situações de alunos integrados por indicação das escolas, situação essa que ainda se encontra em fase de regularização a desenvolver pelas competentes estruturas de Coordenação Regional. No âmbito do Cdist de Lisboa, no mês de março, existem 45 grupos com 599 alunos inscritos. SNIPI - Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância Destinatários: Crianças entre os 0 e os 6 anos, com alterações ou em risco de apresentar alterações nas estruturas ou funções do corpo, tendemos em linha de conta o seu normal desenvolvimento. Atualmente existem 111 acordos de cooperação para a intervenção precoce. O número de Equipas Locais de Intervenção (ELI s) constituido a nível do continente é de 137. O Centro Distrital de Lisboa tem 14 acordos de cooperação e 15 ELI's constituidas. Assessoria Técnica aos Tribunais (2011) Solicitações recebidas: promoção e proteção Solicitações recebidas: tutelar cível Apoios económicos 4

6 Desemprego Registado unidade: n.º de indivíduos NUTS e Concelhos 2000* 2007* 2008* 2009* 2010* 2011* 2012* Fev-13 Lisboa AO Lisboa AM Portugal (Continente) Região Centro Região Lisboa Região Alentejo NUTS III Oeste Grande Lisboa Lezíria do Tejo Distrito de Lisboa Alenquer Arruda dos Vinhos Cadaval Lourinhã Sobral de Monte Agraço Torres Vedras Amadora Azambuja Cascais Lisboa Loures Mafra Odivelas Oeiras Sintra Vila Franca de Xira Fonte: IEFP, Concelhos Estatísticas Mensais Nota: * O desemprego registado refere-se a valores no final do mês de Dezembro 5

7 Desemprego Registado em % face à Região Centro, Lisboa e Alentejo Distrito e Concelhos Lisboa AM Lisboa AO Região Centro, Lisboa e Alentejo NUTS III Oeste 4,7 5,7 6,3 6,1 6,0 6,0 6,3 Grande Lisboa 34,5 32,8 31,3 33,2 34,2 34,3 33,6 Lezíria do Tejo 5,2 4,8 4,7 4,4 4,2 4,5 4,6 Distrito de Lisboa 36,8 35,9 34,5 36,5 37,3 37,5 37,0 Alenquer 0,5 0,7 0,8 0,8 0,7 0,7 0,8 Arruda dos Vinhos 0,1 0,1 0,1 0,2 0,2 0,2 0,2 Cadaval 0,1 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Lourinhã 0,3 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 Sobral de Monte Agraço 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,2 Torres Vedras 0,8 1,1 1,1 1,1 1,1 1,2 1,3 Amadora 3,6 4,1 3,6 3,5 3,7 3,8 3,6 Azambuja 0,4 0,5 0,5 0,4 0,4 0,4 0,4 Cascais 2,9 3,0 2,8 3,2 3,5 3,3 3,3 Lisboa 10,6 8,8 8,3 8,9 8,9 8,8 8,7 Loures 3,9 2,9 2,8 3,2 3,4 3,5 3,4 Mafra 0,4 0,9 0,9 1,0 0,9 0,9 1,0 Odivelas 2,0 1,8 1,8 2,0 2,1 2,4 2,3 Oeiras 2,6 2,1 2,0 2,2 2,3 2,4 2,4 Sintra 6,2 7,0 6,6 6,9 7,0 6,8 6,5 Vila Franca de Xira 2,2 2,3 2,4 2,4 2,4 2,5 2,4 Fonte: GEE com origem nos dados do IEFP 6

8 Desemprego Registado em % face a Portugal (Continente) Distrito e Concelhos Lisboa AO Lisboa AM Portugal (Continente) Região Centro 18,8 19,7 20,5 19,4 18,8 19,1 19,6 Região Lisboa 28,4 23,6 22,7 23,8 24,2 24,5 24,4 Região Alentejo 10,3 7,0 7,0 6,5 6,5 6,8 7,0 NUTS III Oeste 2,7 2,9 3,2 3,0 3,0 3,0 3,2 Grande Lisboa 19,9 16,5 15,7 16,5 16,9 17,3 17,1 Lezíria do Tejo 3,0 2,4 2,4 2,2 2,1 2,3 2,3 Distrito de Lisboa 21,2 18,0 17,3 18,1 18,5 18,9 18,9 Alenquer 0,3 0,3 0,4 0,4 0,4 0,4 0,4 Arruda dos Vinhos 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 Cadaval 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 Lourinhã 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Sobral de Monte Agraço 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 0,1 Torres Vedras 0,5 0,6 0,6 0,6 0,6 0,6 0,7 Amadora 2,1 2,1 1,8 1,7 1,8 1,9 1,8 Azambuja 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 0,2 Cascais 1,7 1,5 1,4 1,6 1,7 1,6 1,7 Lisboa 6,1 4,4 4,2 4,4 4,4 4,4 4,4 Loures 2,2 1,5 1,4 1,6 1,7 1,7 1,8 Mafra 0,2 0,4 0,4 0,5 0,5 0,5 0,5 Odivelas 1,2 0,9 0,9 1,0 1,1 1,2 1,2 Oeiras 1,5 1,1 1,0 1,1 1,1 1,2 1,2 Sintra 3,6 3,5 3,3 3,4 3,5 3,4 3,3 Vila Franca de Xira 1,3 1,1 1,2 1,2 1,2 1,3 1,2 Fonte: GEE com origem nos dados do IEFP 7

9 Prestações de Desemprego situação de processos em º Semestre Processos janeiro fevereiro março abril maio junho Total 2º Tx. concl Sub. S. Social Sub. S. Social Sub. S. Social Sub. S. Social Sub. S. Social Sub. S. Social sem. 2º sem. Desemp Desemp Desem Desemp Desem Desemp Desem Desemp Desem Desemp Desem Desemp Entrados Concluídos ,87 Prestações de Desemprego situação de processos no em º Semestre Processos julho agosto setembro outubro novembro dezembro Total 2º Tx. concl Sub. S. Social Sub. S. Social Sub. S. Social Sub. S. Social Sub. S. Social Sub. S. Social sem. 2º sem. Desemp Desemp Desem Desemp Desem Desemp Desem Desemp Desem Desemp Desem Desemp Entrados Concluídos ,27 Beneficiários com processamento de Desemprego em 2012, no Cdist Meses dez-11 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez-12 Jan-13 Benef Desemp Soc. Desemp Beneficiários com processamento de Desemprego, do sexo Masculino, em Dezembro de 2012 CDist Lisboa Escalão Etário < > 69 Total Beneficiários com processamento de Desemprego, do sexo Feminino, em Dezembro de 2012 CDist Lisboa Escalão Etário < > 69 Total

10 Prestações Desemp/ Soc. Desemp Despesas Correntes com Prestações Desemprego no CDist em 2012 Valores em Euros jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Total Valores de prestações Desemprego / Social de Desemprego processadas indevidamente no CDist em 2012 Prestações jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Total Desemp/ Soc. Desemp Valores recuperado de prestações Desemprego / Social de Desemprego processadas indevidamente no CDist em 2012 Prestações jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Total Desemp/ Soc. Desemp No que respeita às prestações familiares: No mês de janeiro de 2013, encontram-se a receber abono de família para crianças e jovens, titulares. De referir que, encontram-se no 1º escalão, situação originada, pelo facto dos rendimentos do agregado familiar serem inferiores a 2.934,54 /ano, e estão a beneficiar do 2º escalão, uma vez que o agregado apresenta rendimentos entre 2.934,55 a 5.869,09 /ano. No que concerne ao Rendimento Social de Inserção (RSI), no mês de janeiro de 2013, beneficiaram desta prestação, agregados familiares, num total de elementos. Relativamente a outra prestação de Solidariedade - Complemento Solidário para Idosos (CSI), informo que até janeiro de 2013, beneficiam desta prestação idosos, cujos rendimentos de referência anuais, são inferiores a 4.909, elemento isolado e 8.590,75, casal. Por último informa-se que no mês de janeiro foram pagos ,84 de Abono de Família e ,49 de RSI. 9

11 Quadro Cooperação por área geográfica e área de intervenção (2012) Lisboa Lisboa AO Lisboa AM Concelho IPSS Acordos Utentes Despesa ( ) Despesa ( ) Infância e População Família e Grupo Infância e População Família e Grupo por área Total Total juventude adulta comunidade fechado juventude adulta comunidade fechado Alenquer Arruda dos Vinhos Cadaval Lourinhã Sobral de Monte Agraço Torres Vedras Azambuja Cascais Lisboa Loures Mafra Oeiras Sintra Vila Franca de Xira Amadora Odivelas Lisboa Fonte: GPE do ISS, IP; IPSS (com acordo de cooperação em vigor): SISS-Coop (dados referentes à situação da base de dados operacional em 05/janeiro/2013); Acordos e Utentes: Sistema de Estatísticas da Segurança Social SESS-COOP (dados referentes à situação da base de dados operacional em 04/janeiro/2013 e em 01/março/2013) e CDist; Despesa: SIF [Módulo IPSS - Processamento (CDist)] e CDist Nota: A soma dos valores dos concelhos nem sempre corresponde ao total do distrito. No caso do número de IPSS, porque existem IPSS com acordos de cooperação em vigor em diversos concelhos em simultâneo. No caso do número de acordos e de utentes, porque a situação da base de dados era distinta no momento da extração destes dados. No caso da despesa, porque existe um equipamento que não está a associado a um concelho. 10

12 Quadro Cooperação por resposta social Lisboa Resposta Social 2012 Ac Ut Despesa ( ) TOTAL Sub-total Infância e Juventude Sub-total Crianças e Jovens Creche Familiar Creche Educação Pré-Escolar Centro de Actividades de Tempos Livres Sub-total Crianças e Jovens com Deficiência Intervenção Precoce Lar de Apoio Transporte de Pessoas com Deficiência Sub-total Crianças e Jovens em Situação de Perigo Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental Equipa de Rua de Apoio a Crianças e Jovens Centro de Acolhimento Temporário Lar de Infância e Juventude Sub-total População Adulta Sub-total Pessoas Idosas Serviço de Apoio Domiciliário Centro de Convívio Centro de Dia Estrutura Residencial para Pessoas Idosas Sub-total Pessoas Adultas com Deficiência Centro de Atendimento/ Acompanhamento e Animação para Pessoas com Deficiência Serviço de Apoio Domiciliário Centro de Actividades Ocupacionais Lar Residencial Sub-total Pessoas em Situação de Dependência Serviço de Apoio Domiciliário Apoio Domiciliário Integrado Unidade de Apoio Integrado Sub-total Pessoas com Doença do Foro Mental ou Psiquiátrico Forum Sócio-Ocupacional Unidade de Vida Protegida Unidade de Vida Autónoma Unidade de Vida Apoiada Sub-total Pessoas Sem-Abrigo Equipa de Rua para Pessoas Sem-Abrigo Sub-total Família e Comunidade Sub-total Família e Comunidade em Geral Atendimento/ Acompanhamento Social Grupo de Auto-Ajuda Centro Comunitário Centro de Férias e Lazer Refeitório/ Cantina Social Centro de Apoio à Vida Comunidade de Inserção Centro de Alojamento Temporário

13 Sub-total Pessoas com HIV/SIDA e suas Famílias Centro de Atendimento / Acompanhamento Psicossocial Serviço de Apoio Domiciliário Residência para Pessoas Infectadas pelo HIV/SIDA Sub-total Pessoas Toxicodependentes Equipa de Intervenção Directa Apartamento de Reinserção Social Sub-total Pessoas Vítimas de Violência Doméstica Centro de Atendimento Casa de Abrigo Sub-total Grupo Fechado Sub-total Respostas Pontuais Centro de Recursos para a Inclusão Social Apoio financeiro às Uniões Fonte: GPE do ISS, IP [SIF: Módulo IPSS - Processamento / Sistema de Estatísticas da Segurança Social SESS-COOP}] 1 Não consta do documento Nomenclaturas e Conceitos das Respostas Sociais, aprovado por Despacho do SESS em

14 CARACTERIZAÇÃO DOS PROJETOS PARES I, PARES II E PARES III Distrito de Lisboa Concelho Alenquer Amadora Arruda dos Vinhos Cadaval Cascais Lisboa Loures Lourinhã Mafra Odivelas Oeiras Sintra Sobral de Monte Agraço Torres Vedras Vila Franca de Xira Total Geral Nº de Projetos Investimento Público Creche_Total lugares Reconversão ATL em Creche_Total lugares Centro Dia_Total lugares Lar Idosos_Total lugares SAD id_total lugares CAO_Total lugares LR_Total lugares RA_Total lugares SAD def_total lugares 0 Postos Trabalho FUNCIONAMENTO E COM ENCERRAMENTO ADMINISTRATIVO FUNCIONAMENTO E SEM ENCERRAMENTO ADMINISTRATIVO OBRA A DECORRER OBRA A INICIAR OBRA CONCLUÍDA 1 1 OBRA SUSPENSA 13

15 CARACTERIZAÇÃO DOS PROJETOS POPH_TIPOLOGIA 6.12 Distrito de Lisboa Concelho Alenquer Amadora Azambuja Cascais Lisboa Odivelas Sintra Total Geral Nº de Projetos Investimento Público Lar Idosos_Total Lugares Centro Dia_Total Lugares 0 SAD (id)_total Lugares Lar Residencial_Total Lugares Res. Autónoma_Total Lugares CAO_Total Lugares SAD (def)_total Lugares Postos Trabalho CONCLUÍDA A OBRA OBRA A DECORRER SEM OBRA OBRA SUSPENSA 0 14

16 Fundo de Socorro Social - Lisboa 2011 O Contributo DO UT DES - Ass.Criança Jovem Lisboa Sintra Equilíbrio financeiro 9.700,00 Associação Unidos de Cabo Verde Lisboa Amadora Aquisição de mini autocar ,00 Ass. Apoio Infantil Social Quinta do Grilo Lisboa Loures Reequilíbrio financeiro 2.000,00 Associação Solidariedade Montejunto Lisboa Cadaval Viatura ,00 Centro Social Paroquial de Alcântara Lisboa Lisboa Viatura 4.800,00 LABOR - Cooperativa de Solidariedade Social Lisboa Lisboa Reparação equipamento 2.000,00 Instituição Apoio Social Freguesia Bucelas Lisboa Bucelas Obras remodelação ,00 Centro Social Paroquial de São Romão Carnaxide Lisboa Oeiras Equilíbrio financeiro ,00 Ass. Apoio Idosos Jovens Freguesia de Meca Lisboa Alenquer Viatura ,00 Centro S.P.Freg. N.S.Conceição Igreja Nova Lisboa Mafra Reequilíbrio financeiro 6.000,00 AIPNE - Ass. Int. Pes. Necessidades Especiais Lisboa V.F. de Xira Aquisição de mini-autoca ,00 Associação Vida Cristã Filadélfia Lisboa Loures Reequilíbrio financeiro ,00 Abraço - Ass. Apoio Pessoas com VIH/Sida Porto Porto Reequilíbrio financeiro ,00 O Companheiro - Ass. Fraternidade Cristã Lisboa Lisboa Obras beneficiação 3.800,00 CCPC -Centro Comunitário Paróquia Carcavelos Lisboa Cascais Equipamento ,00 Centro Comunitário Torres Vedras Lisboa Torres Vedras Estabilização financeira ,00 GIRA - Grupo Intervenção Reabilitação Activa Lisboa Lisboa Equipamento ,00 Centro Social Paroquial Santo António Campelos Lisboa Torres Vedras Estabilização financeira ,00 Centro Social Paroquial São Nicolau Lisboa Lisboa Viatura ,00 Fundação Obra do Ardina Lisboa Lisboa Reequilibrio financeiro ,00 CRINABEL Lisboa Lisboa Reequilibrio financeiro ,00 SCM de Venda do Pinheiro Lisboa Mafra Viatura 8.500,00 Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa Lisboa Lisboa Equilibrio Financeiro ,00 Associação Idosos de Santa Iria Lisboa Cascais Viatura 5.500,00 Santa Casa da Misericórdia de Santo Adrião Lisboa Odivelas Viatura ,00 Associação Solidariedade Social Alto Cova Moura Lisboa Amadora Equilíbrio financeiro ,00 Associação Portuguesa de Familiares e Amigos de doen Lisboa Lisboa Aquisição de equipamento ,00 Rarissimas Lisboa Lisboa Equilibrio financeiro ,00 SCM de Sintra Lisboa Sintra Equilibrio financeiro ,00 Casa do Gaiato Lisboa Loures Equilibrio Financeiro , , Associação Emergencia Social (protocolo) Lisboa Lisboa Protocolo MSSS ,00 CERCIPOVOA Lisboa V.Franca de Xira Equlibrio finaneiro ,00 CEDEMA Lisboa Lisboa Mini - Bus ,00 Aquisção de viatura e Centro Comunitario Paroquia de Carcavelos Lisboa Cascais equilibrio financeiro ,00 Aquisição de COOPBERÇO - Creche Coop. Solidariedade Social CRL Lisboa Lisboa equipamento 3.010,00 SCM de Cascais Lisboa cascais Equilibrio Financeiro ,00 Ass. Beneficiencia Casas S. Vicente Paulo Lisboa Lisboa Viatura(s) ,00 ALAPA Lisboa Torres Vedras Obra de beneficiação ,00 Associação Promotora da Criança Lisboa Sintra Obra de beneficiação ,00 Fundação Silva Leal Lisboa Lisboa Viatura ,00 ABEI Lisboa V.F de Xira Equilibrio Financeiro ,00 Centro Social Paroquial de Alcoentre Lisboa Azambuja Equilibrio Financeiro ,00 APATI Lisboa V.F. de Xira Equilibrio Financeiro ,00 Centro Comunitário Paroquial Ramada Lisboa Odivelas Viatura adaptada ,00 VITAE Lisboa Lisboa Equilibrio Financeiro ,00 Centro Comunitario Paroquia de Carcavelos Lisboa Cascais Viatura ,51 Centro Social Paroquial Nª Srª da Luz Lisboa Torres Vedras Realização de Obras 7.470,00 Associação de Apoio a Idosos da freguesia de Meca Lisboa Alenquer Equilibrio Financeiro ,00 Ass. Emergencia Social Lisboa Lisboa Obras de beneficiação ,75 Equisição de SCM Povoa de Sto Adrião Lisboa Odivelas equipamento ,00 Ass. Port. Familiares Amigos Doentes de Alzheimer Lisboa Lisboa Equilibrio Financeiro ,00 Centro Social e Paroquial Ribamar Lisboa Lourinha Obras de beneficiação ,00 Grupo Acção Comunitária GAC Lisboa Lisboa Equilibrio Financeiro , ,26 15

17 2013 Lar Maria Droste Lisboa Lisboa Aquisição de equipament ,00 Instituto de beneficiencia Maria da Conceição Ferrão PiLisboa Alenquer Equilibrio Financeiro 7.293,00 Centro Comunitario Parqoquial da Ramada Lisboa Odivelas Equilibrio Financeiro ,00 Associação para o Desenvolvimento e Melhoramentos d Lisboa Torres Vedras Equilibrio Financeiro ,00 APSA-Associação Portuguesa de Sindrome de Asperger Lisboa Cascais Equilibrio Financeiro ,00 CERCITOP Lisboa Sintra Equipamento e Viaturas , ,00 Total Acumulado de Subsidios atribuidos Nacional ,68 Lisboa ,26 16

18 INDICADORES ECONOMICOS 17

19 PIB a preços correntes Unidade: milhões de euros NUTS P Portugal Região Centro Oeste Região Lisboa Grande lisboa Região Alentejo Lezíria do Tejo Fonte: INE, Contas Regionais Nota (P) 2011 preliminar; última atualização (28/03/2013) PIB per capita Unidade: euros NUTS P Portugal Região Centro Oeste Região Lisboa Grande lisboa Região Alentejo Lezíria do Tejo Fonte: INE, Contas Regionais Nota (P) 2011 preliminar; última atualização (28/03/2013) Estrutura Regional do PIB (%) NUTS P Portugal Região Centro 19,2 19,1 18,9 19,2 19,1 18,9 18,9 18,7 18,4 18,6 18,5 18,6 Oeste 2,8 2,8 2,8 2,9 2,9 2,9 2,9 2,9 2,8 2,8 2,8 2,7 Região Lisboa 36,5 36,4 36,6 36,7 37,0 37,1 37,0 37,0 37,1 37,3 37,2 37,2 Grande lisboa 31,0 31,0 31,2 31,5 31,9 32,0 31,5 31,6 31,7 32,0 31,8 31,8 Região Alentejo 6,9 6,8 6,7 6,8 6,8 6,7 6,8 6,7 6,5 6,4 6,5 6,5 Lezíria do Tejo 2,1 2,1 2,1 2,1 2,1 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0 2,0 1,9 Fonte: GEE com origem nos dados do INE Nota (P) 2011 preliminar Níveis relativos de PIB per capita (Índice Portugal = 100) NUTS P Portugal Região Centro 85,0 84,7 83,8 84,9 84,7 83,9 83,8 83,4 82,1 83,2 82,9 83,2 Oeste 86,8 86,3 85,3 87,0 87,3 85,5 84,8 84,0 81,1 82,2 79,9 79,2 Região Lisboa 141,0 140,5 140,8 140,8 141,4 141,6 140,5 140,2 140,3 140,7 139,7 139,6 Grande lisboa 163,3 163,6 164,6 166,0 167,6 168,5 165,7 166,0 166,2 167,5 166,5 166,4 Região Alentejo 92,0 90,9 90,1 92,2 92,7 92,3 94,0 93,0 91,7 90,3 92,3 92,0 Lezíria do Tejo 89,6 88,2 89,5 90,7 91,6 86,5 86,5 86,0 85,3 85,0 83,1 82,7 Fonte: GEE com origem nos dados do INE Nota (P) 2011 preliminar Níveis relativos de PIB per capita (Índice Regiões Centro, Lisboa e Alentejo = 100) NUTS P Região Centro Oeste 102,0 101,9 101,8 102,4 103,1 101,9 101,2 100,7 98,8 98,8 96,4 95,2 Região Lisboa Grande lisboa Região Alentejo Lezíria do Tejo 97,3 97,0 99,3 98,3 98,9 93,7 92,0 92,5 93,1 94,1 90,1 89,9 Fonte: GEE com origem nos dados do INE Nota (P) 2011 preliminar PIB per capita (PPC) face à média europeia (Índice UE27=100) NUTS P Portugal 81,0 80,3 79,8 79,5 77,1 79,5 78,9 78,6 77,9 80,2 80,3 77,3 Região Centro 68,9 68,0 66,9 67,5 65,3 66,7 66,1 65,5 63,9 66,7 66,6 64,3 Região Lisboa 114,2 112,8 112,4 111,9 109,0 112,6 110,9 110,2 109,2 112,8 112,2 108,0 Região Alentejo 74,6 73,0 71,9 73,3 71,5 73,4 74,2 73,1 71,4 72,4 74,1 71,1 Fonte: Eurostat Nota (P) 2011 preliminar; última atualização (28/03/2013) 18

20 Poder de Compra NUTS e Concelhos Indicador per capita de Poder de Compra (Índice: Portugal = 100) Percentagem de Poder de Compra Lisboa AO Lisboa AM Portugal Centro 84,4 18,9 Lisboa 134,2 35,7 Alentejo 88,4 6,3 NUTS III Oeste 88,6 3,0 Grande Lisboa 145,3 27,8 Lezíria do Tejo 90,1 2,1 Distrito de Lisboa Alenquer 90,7 0,40 Arruda dos Vinhos 99,0 0,12 Cadaval 66,4 0,09 Lourinhã 78,9 0,19 Sobral de Monte Agraço 77,9 0,08 Torres Vedras 96,9 0,71 Amadora 115,8 1,86 Azambuja 108,1 0,22 Cascais 150,6 2,69 Lisboa 232,5 10,49 Loures 121,6 2,21 Mafra 109,7 0,75 Odivelas 94,2 1,38 Oeiras 185,3 3,01 Sintra 93,3 3,99 Vila Franca de Xira 103,1 1,40 Fonte: INE, Estudo Sobre o Poder de Compra Concelhio 2009 (edição 2011) 19

21 Capacidade de alojamento em estabelecimentos hoteleiros NUTS e Concelhos Lisboa AO Lisboa AM Portugal Região Centro Região Lisboa Região Alentejo NUTS III Oeste Grande Lisboa Lezíria do Tejo Distrito de Lisboa Alenquer Arruda dos Vinhos Cadaval Lourinhã Sobral de Monte Agraço Torres Vedras Amadora Azambuja Cascais Lisboa Loures Mafra Odivelas Oeiras Sintra Vila Franca de Xira Fonte: INE, Inquérito à Permanência de Hóspedes e Outros Dados na Hotelaria Dormidas Distrito e Concelhos Lisboa AO Lisboa AM Portugal Região Centro Região Lisboa Região Alentejo NUTS III Oeste Grande Lisboa Lezíria do Tejo Distrito de Lisboa Alenquer Arruda dos Vinhos Cadaval Lourinhã Sobral de Monte Agraço Torres Vedras Amadora Azambuja Cascais Lisboa Loures Mafra Odivelas Oeiras Sintra Vila Franca de Xira Fonte: INE, Inquérito à Permanência de Hóspedes e Outros Dados na Hotelaria Nota: ( ) dados com segredo estatístico; 20

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS

SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS SEGURANÇA SOCIAL SEGURANÇA SOCIAL EM NÚMEROS Continente e Regiões Autónomas Agosto/2015 Direção-Geral da Segurança Social Instituto de Informática, I.P. Í NDICE PÁGINA Pirâmide etária da população residente

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS FAMÍLIA E COMUNIDADE EM GERAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Centro Paroquial do Estoril. Funchal, Junho, 2012

Centro Paroquial do Estoril. Funchal, Junho, 2012 Centro Paroquial do Estoril Funchal, Junho, 2012 Índice Quem Somos Como Estamos Organizados Recursos Mais Informação Quem Somos IPSS da Paróquia de Santo António do Estoril, no Concelho de Cascais Visão:

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008 APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS Porto 30-01-2008 AGENDA AS MARCAS DO POPH I INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS CANDIDATURAS II III I AS MARCAS DO POPH AS MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 Distrito de LISBOA 2010 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo a natureza do acidente... 6 4. Vítimas

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

. Protocolo de Cooperação 2011-2012.. Programa de Emergência Alimentar. Centro Distrital de Viseu Março de 2012

. Protocolo de Cooperação 2011-2012.. Programa de Emergência Alimentar. Centro Distrital de Viseu Março de 2012 . Protocolo de Cooperação 2011-2012. Programa de Emergência Alimentar Centro Distrital de Viseu Março de 2012 Celebrado em 17 de Janeiro 2012 entre o Ministério da Solidariedade e Segurança Social e as

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Constituição

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007 BOLETIM ESTATÍSTICO Nº7 - DEZEMBRO 2007 MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO EDITORIAL Com a publicação do número correspondente ao último quadrimestre do ano iniciamos também a edição, no

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social

Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social TÍTULO DO CAPÍTULO CORRESPONDENTE Estatuto das Instituições Particulares de Solidariedade Social ANOTADO REGIME JURÍDICO DAS ENTIDADES DA ECONOMIA SOCIAL 2015 2ª Edição Apelles J. B. Conceição Atualização

Leia mais

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos

Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Carta Social Rede de Serviços e Equipamentos Processo de Atualização por referência a 31 Dezembro de 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES: Modelo de atualização via Internet O processo de atualização da Carta Social

Leia mais

Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos

Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos Casa do Povo do Concelho de Lourinhã Aprovado em Assembleia Geral no dia 12/11/215 A Mesa da Assembleia Geral Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos Nota Justificativa 216 CASA DO

Leia mais

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 Índice Introdução Metodologia Pág. 1 I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 1. Caracterização Física e Administrativa 2. Património Histórico, Cultural e Natural do Concelho 2.1. Património

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Dr. Paulo Santos ADENE

Dr. Paulo Santos ADENE Dia 28 de Maio Construir com Sustentabilidade Dr. Paulo Santos ADENE Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) 1 Distrito de Lisboa com quase 20000 edifícios

Leia mais

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas Área dos Idosos Rácios de pessoal para Serviço de Apoio Domiciliário Portaria nº38/2013, 30 de janeiro Número de Percentagem de Diretor técnico a) 1 50% 60 a) Diretor técnico pode ser comum às restantes

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

Carta Social. Carta Social. objectivos faseamento princípios diagnóstico intervenção CEDRU CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS

Carta Social. Carta Social. objectivos faseamento princípios diagnóstico intervenção CEDRU CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS Co ncelho de Cascais Concelho de Cascais Carta de Equipamentos e Serviços Sociais objectivos faseamento princípios diagnóstico intervenção 03214 Concelho de Cascais C a r t a d e E q u i p a m e n t o

Leia mais

Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB

Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB Registo da Frequência Mensal de Utentes Via WEB Registo da Frequência mensal de Utentes Via Web Com efeitos a janeiro de 2013, será descontinuada a utilização da solução informática de contingência, em

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

PROGRAMA DE EMERGÊNCIA SOCIAL

PROGRAMA DE EMERGÊNCIA SOCIAL PROGRAMA DE EMERGÊNCIA SOCIAL MOTIVAÇÃO Criar um modelo de inovação social que dê resposta a carências sociais graves Apostar na capacitação e promoção pessoais e coletivas Combater a falta de eficácia

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra

Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra Entidade Promotora: Associação Meio Caminho Designação do Projecto: Casa do Quero Parcerias: Câmara Municipal de Sintra, IEFP. Âmbito de intervenção do projecto: Local Distrito de Lisboa; concelho de Sintra

Leia mais

Valores #N/D de Avaliação Bancária. Dezembro - 2015

Valores #N/D de Avaliação Bancária. Dezembro - 2015 Valores #N/D de Avaliação Bancária Dezembro - 2015 Valores Mensais de Avaliação Bancária: Quadro Resumo Portugal Norte Centro Alentejo Algarve Açores Madeira Valor Médio (VM) 1.043/m² 916/m² 856/m² 1.267/m²

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO APOIOS AO EMPREGO E À CONTRATAÇÃO Portaria n.º130/2009, de 30 de Janeiro PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO INICIATIVAS LOCAIS DE EMPREGO Portaria

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 Conselho Regional da RLVT Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 19 de fevereiro de 2013 Domínios-Chave Crescimento Inteligente Crescimento Inclusivo Crescimento Sustentável

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2014

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2014 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social (MSESS) CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 214 Coordenação do GEP / MSESS E-mail: cartasocial@gep.msess.pt

Leia mais

Projecto de Apoio ao

Projecto de Apoio ao Projecto de Apoio ao O Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro presta serviços dedicados a crianças e idosos, promovendo igualmente o apoio ao emprego e o auxílio a famílias carenciadas. O Centro

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL Prólogo O CLDS SERPE EnReDe, consiste numa estratégia de desenvolvimento social integrado visando a criação de respostas sociais inovadoras e sustentáveis que atendem às

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar Incentivos a Microempresas do Interior 3 Incentivos a Microempresas do Interior Para que servem estes incentivos? 4 5 Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 CRICAD ARSLVT CRICAD ARSLVT HOSPITAIS DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA ARSLVT LISBOA NORTE (215 157) Freguesias do Concelho de Lisboa:

Leia mais

Sobre o combate à pobreza

Sobre o combate à pobreza PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução nº 482/XI-1ª Sobre o combate à pobreza O Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza assinala-se em Portugal num preocupante quadro

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2011

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2011 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade e da Segurança Social (MSSS) CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2011 Coordenação do GEP / MSSS E-mail: cartasocial@gep.msss.gov.pt

Leia mais

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Debate Regional "Crescimento Inclusivo/ Oeste Inclusivo - A Região Oeste Portugal e as Metas 2020 Apresentação da reflexão do subgrupo Crescimento Inclusivo sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS RELATÓRIO 2012 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade, Emprego e

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior

Incentivos a Microempresas do Interior Incentivos a Microempresas do Interior Saiba como se candidatar Para que servem estes incentivos? Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões com problemas de interioridade,

Leia mais

Rede Social de Gondomar

Rede Social de Gondomar Rede Social de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social 2009 2011 Junho de 2009 (Aprovado em Reunião Plenária do CLAS G de 07 de Julho de 2009, Reunião de Câmara de 19 de Novembro de 2009 e Assembleia

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

PROGRAMA DE EMERGÊNCIA SOCIAL

PROGRAMA DE EMERGÊNCIA SOCIAL PROGRAMA DE EMERGÊNCIA SOCIAL MOTIVAÇÃO Criar um modelo de inovação social que dê resposta a carências sociais graves Apostar na capacitação e promoção pessoais e coletivas Combater a falta de eficácia

Leia mais

Motivos de cancelamento do RMG em Santarém em 2001 e 2002 (dez. a dez.)- % Motivos de Cancelamento 2001 2002 Não celebração de acordo de inserção

Motivos de cancelamento do RMG em Santarém em 2001 e 2002 (dez. a dez.)- % Motivos de Cancelamento 2001 2002 Não celebração de acordo de inserção CADERNO N.º 8 RMG Motivos de cancelamento do RMG em Santarém em 2001 e 2002 (dez. a dez.)- % Motivos de Cancelamento 2001 2002 Não celebração de acordo de inserção 4 0.4 4 0.3 Incumprimento do programa

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade e da Segurança Social (MSSS) CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010 Coordenação do GEP / MSSS E-mail: cartasocial@gep.msss.gov.pt

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira

Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DE PLANEAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA ORÇAMENTO POR AÇÕES - 2 0 1 5 - - DOTAÇÕES INICIAIS - - Í N D I C E -

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo.

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo. Centro de Emprego da Maia Estágios Emprego Reativar Emprego Jovem Ativo Estímulo Emprego Mobilidade Geográfica Empreendedorismo Adolfo Sousa maiago, 14 maio 2015 Taxa de Desemprego em Portugal - INE 0

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha de Apoio à Tesouraria Beneficiários Poderão beneficiar desta linha as empresas que: Tenham um volume de facturação anual inferior a 150 milhões de euros Desenvolvam

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

ANEXO III ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES

ANEXO III ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES Centro Hospitalar de Lisboa Central EPE Centro Hospitalar de Lisboa Norte EPE Centro Hospitalar

Leia mais

Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS

Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) Projeto n.º 000350402011 PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS POAT/FSE: Gerir, Conhecer e Intervir Respostas sociais

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

1. Sistema de Incentivos de Apoio Local a

1. Sistema de Incentivos de Apoio Local a 1. Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas Objetivo Apoio ao investimento e à criação de emprego e, em geral, ao desenvolvimento regional, assente na dinamização económica e social das comunidades

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas Idosas (N35J V4.10) PROPRIEDADE

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

9- Projectos e Parcerias

9- Projectos e Parcerias Novembro 2003 9 Projectos e Parcerias Projectos e parcerias na área da Saúde Parceria entre o Centro de Saúde e o Centro de Solidariedade Social de Nossa Senhora da Luz no âmbito do projecto de cuidados

Leia mais

Fundo de Apoio a Famílias

Fundo de Apoio a Famílias gari Fundo de Apoio a Famílias Formulário de Candidatura Identificação do Requerente: Freguesia: N.º de Processo: Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Aveiro Informação de Caráter Confidencial Sexo

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

Regulamento S. João Solidário Programa de Apoio a Situações de Emergência Social do Município de S. João da Madeira

Regulamento S. João Solidário Programa de Apoio a Situações de Emergência Social do Município de S. João da Madeira Regulamento S. João Solidário Programa de Apoio a Situações de Emergência Social do Município de S. João da Madeira A Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei n.º 5-A/2002, de

Leia mais

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos

Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos 27 de dezembro de 2012 Indicadores Sociais 2011 Um retrato social de Portugal: uma leitura de evoluções ocorridas nos últimos anos Em Portugal, existe cada vez maior esperança média de vida à nascença.

Leia mais

ADOPÇÃO DA FACTURA ELECTRÓNICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Forum Picoas 6 de Novembro de 2006

ADOPÇÃO DA FACTURA ELECTRÓNICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Forum Picoas 6 de Novembro de 2006 SEMINÁRIO A experiência, seus resultados e desafios para a EPAL Forum Picoas 6 de Novembro de 2006 Paulo Rodrigues EPAL Empresa Portuguesa das Águas Livres, SA S.A. 1 A EPAL: Quem Somos A EPAL- Empresa

Leia mais

Flash RH Responsabilidade Social

Flash RH Responsabilidade Social Flash RH Responsabilidade Social No seguimento da nossa campanha de recolha de bens interna, inserida no âmbito da responsabilidade social, a SPIE conseguiu recolher bens para chegar a 8 instituições de

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais