Serviço Público Inteligente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço Público Inteligente"

Transcrição

1 Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI

2 1 15 de Maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Sistema de Informação da ARSLVT, IP SIARS Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade

3 Historial do SIARS Em 1997 o Serviço de Estatística da ARSLVT, IP, era composto por 2 pessoas. A informação chegava por Telecópia e não raras as vezes era ditada por telefone. O objectivo era a criação de uma publicação anual. A ferramenta informática utilizada era a Folha de Cálculo, LOTUS 123 posteriormente o QUATTRO (já gráfico) e posteriormente o Excel 2

4 Historial do SIARS Com a informatização dos Cuidados de Saúde Primários verificou-se a necessidade de alterar radicalmente esta situação. Independentemente quer se trate de uma Empresa Financeira ou Serviço Público existe a necessidade de saber como vai o "Negócio. Para isso tiveram que ser criados mecanismos que auxiliassem os Gestores na avaliação dos resultados, por um lado, e por outro lado, na correcção de procedimentos sempre que necessário, visando o objectivo final, da satisfação dos seus "Clientes. 3

5 Historial do SIARS No caso do Serviço Público e em particular na Área da Saúde, os Sistemas de Informação têm como objectivo racionalizar os recursos humanos, materiais e financeiros disponíveis de forma a criar / melhorar / corrigir procedimentos ou métodos, tendo sempre em vista a melhoria dos cuidados de saúde prestados à comunidade. Assim, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, sentiu a necessidade de saber qual a produção realizada quer pelos seus Serviços Hospitalares, quer pelos seus Centros de Saúde - Cuidados Primários de Saúde, pelo que após 1997, em regime de "outsourcing", implementou o Sistema de Informação da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. 4

6 Historial do SIARS Este Sistema de Informação assenta num Modelo de Repositório de Dados - "DATAWAREHOUSE" - tendo como motor de Base de Dados Relacional o ORACLE, e acima dele, uma camada de Software, que funciona como "interface" para o utilizador final. No caso do SIARS, utilizase o MicroStrategy, "software" especializado na Área de BUSINESS INTELLIGENCE - BI. Um "Business Intelligence", tem como pressupostos, a Exploração, Extracção, Organização, Análise, Partilha e Monitorização da informação que dele fazem parte. Estes Sistemas de Informação possibilitam assim aos seus Gestores uma Visão Global dos Dados, permitindo uma Análise Crítica tendo em vista a tomada de decisão sempre que necessário. 5

7 Fontes de alimentação do SIARS ARSLVT Área Geográfica (ACES) Médio Tejo Ferreira do Zêzere Ourém Portaria nº 394-B/2012 de 29 de Novembro Tomar Nazaré Mação 14 - Médio Tejo Sardoal Alcobaça 12 - Oeste Norte Torres Novas Alcanena Vila Nova da Barquinha Entroncamento Constância Caldas da Rainha Rio Maior Oeste Santarém Bombarral Lourinhã Chamusca Alpiarça Cadaval 15 - Lezíria Cartaxo 13 - Oeste Sul Alenquer Almeirim Azambuja Lezíria Torres Vedras 8 - Estuário do Tejo Salvaterra de Magos 89 Servidores de Bases de Dados ORACLE : SINUS / SAM / SAPE Abrantes Golegã Óbidos Peniche 6 27 Servidores de Bases de Dados SQL : MedicineONE Sobral de Monte Agraço Mafra Arruda dos Vinhos 18 Servidores de Bases de Dados SQL : VitaHiSCARE Coruche Vila Franca de Xira Loures Grande Lisboa Sintra Odivelas Cascais Cascais Benavente Sintra 1 Amadora Lisboa Oeiras Arco Ribeirinho 2 Montijo Alcochete Montijo Mafra 10 - Arco Ribeirinho Moita 9 - Almada e Seixal Almada Seixal Barreiro Palmela 11 - Arrábida Setúbal 7 - Loures e Odivelas Sintra Sesimbra 5 Amadora 1 - Lisboa Norte Lisboa Península de Setúbal Oeiras 2 - Lisboa Central 3 - Lisboa Ocidental e Oeiras

8 Fontes de alimentação do SIARS ARSLVT Área Geográfica (ACES) 7 SAM Ferreira do Zêzere Ourém Portaria nº 394-B/2012 de 29 de Novembro Tomar Nazaré Mação 14 - Médio Tejo Sardoal MedicineOne Alcobaça 12 - Oeste Norte Torres Novas Alcanena Vila Nova da Barquinha Entroncamento Constância Caldas da Rainha VitaHiSCare Abrantes Golegã Óbidos Peniche Rio Maior Santarém Bombarral Lourinhã Chamusca Alpiarça Cadaval 15 - Lezíria Cartaxo 13 - Oeste Sul Alenquer Almeirim Azambuja Torres Vedras 8 - Estuário do Tejo Salvaterra de Magos Sobral de Monte Agraço Mafra Arruda dos Vinhos Coruche Vila Franca de Xira Loures Sintra Odivelas Cascais Cascais Benavente Sintra 1 Amadora Lisboa Oeiras Arco Ribeirinho 2 Montijo Alcochete Montijo Mafra 10 - Arco Ribeirinho Moita 9 - Almada e Seixal Almada Seixal Barreiro Palmela 11 - Arrábida Setúbal 7 - Loures e Odivelas Sintra Sesimbra 5 Amadora 1 - Lisboa Norte Lisboa Oeiras 2 - Lisboa Central 3 - Lisboa Ocidental e Oeiras

9 Fontes de alimentação do SIARS Nr. de Registos Mensais na Base de Dados Utentes Todas as Mobilidade s Novos Registos ICPC Vacinas Taxas Moderador a Utilizadore s Medic. Prescritos Consultas Medic. Facturados Exames Requisitad os Exames Facturados 8

10 AREA DIA_EXECUCAO SINUS (Inscritos e Profissionais) 02 às 00h01 SINUS (Restantes) 06 às 00h01 RHV 06 às 00h01 SAM 08 às 00h01 SAPE 08 às 00h01 MedicineONE 08 às 00h01 VitaHiSCARE 08 às 00H01 Fontes de alimentação do SIARS 9 Ferreira do Zêzere Ourém Tomar Nazaré 14 - Médio Tejo Alcobaça Torres Novas Vila Nova da Barquinha Alcanena Entroncamento Constância Abrantes 12 - Oeste Norte Caldas da Rainha Golegã Óbidos Peniche Rio Maior Santarém Bombarral Lourinhã Chamusca Alpiarça Cadaval 15 Cartaxo 13 - Oeste Sul Alenquer Torres Vedras 8 - Estuário Sintra Loures 7 Lezíria Almeirim Azambuja Salvaterra de Magos Sobral de Monte Agraço do Tejo Mafra Arruda dos Vinhos Vila Franca de Xira 6 - Sintra Mação Sardoal Coruche Benavente Odivelas 5 1 Amadora 4 - Oeiras3 Lisboa2 MontijoAlcochete Cascais Almada 10 - Arco Ribeirinho Cascais 10 - Arco Montijo Ribeirinho 9 - Almada emoita Palmela Seixal Barreiro Seixal 11 - Arrábida Setúbal Sesimbra

11 Fontes de alimentação do SIARS Registos Diários: Consultas Registo de Doenças Prescrição de Medicamentos Requisição de Exames MCDT Vacinação Taxas Moderadoras 10 Agrupamentos de Centros de Saúde Unidades de Saúde Familiar Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados SAM Agrupamentos de Centros de Saúde Unidades de Saúde Familiar Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados Sistema Clínico: Sistema de Apoio ao MédicoSAM Sistema Enfermagem: Sistema de Apoio à Prática de Enfermagem SAPE Sistema Administrativo SINUS VitaHiSCARE Agrupamentos de Centros de Saúde Unidades de Saúde Familiar Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados Sistema Clínico: VitaHiSCARE Sistema Enfermagem: VitaHiSCARE Sistema Administrativo VitaHiSCARE MEDICINEONE Sistema Clínico: Medicine One Sistema Enfermagem: Medicine One Sistema Administrativo Medicine One

12 Fontes de alimentação do SIARS 11 Registos Mensais: Centro de Conferências de Facturação Conferência de Receitas Médicas Conferência de Exames MCDT CCF Sistema Clínico: SAM MEDICINE-ONE VITAHISCARE Registos Mensais: Recursos Humanos e Vencimentos Absentismo Vencimentos Carreiras e Categorias RHV

13 Processo de Canalização da Informação para o SIARS 12 Processo Mensal: Sem qualquer intervenção humana, mensalmente é executado um procedimento automático que percorre os 89 Centros de Saúde da ARSLVT, IP, extraindo a informação necessária para o Sistema de Informação. (Para os 3 Sistemas Aplicacionais em exploração na ARSLVT, IP) SCHEDULE Dia 02 de cada mês: Utentes Inscritos relativamente ao mês anterior Dia 08 de cada mês: Produção relativamente ao mês anterior Dia 20 de cada mês: Reprocessamento dos Indicadores de Desempenho Dia 30 de cada mês: Facturação de Medicamentos e Exames MCDT e Recursos Humanos Base de Dados ORACLE SIARS

14 Processo de Canalização da Informação para o SIARS 13

15 Processo de Canalização da Informação para o SIARS 14

16 Informação disponível no SIARS Utentes Inscritos e Utilizadores Indicadores de Desempenh o Informação de Saúde Pública Produção dos Cuidados de Saúde Primários Actividade Clínica Actividade de Enfermage m Prescrição de Medicamen tos e Exames MCDT Facturação de Medicamen tos e Exames MCDT Vacinação Recursos Humanos e Vencimento s Taxas Moderadora s Grupos de Diagnóstico Homogéne os DATAWAREHOU SE ARSLVT, IP SIARS 15

17 Processo de Consulta da Informação ao SIARS 16

18 Processo de Consulta da Informação ao SIARS 17

19 Ferramenta de Business Intelligence Microstrategy O SIARS é o Sistema de Informação da ARSLVT, I.P., com o objectivo de racionalizar os recursos humanos, materiais e financeiros disponíveis de forma a criar/melhorar/corrigir procedimentos ou métodos, tendo sempre em vista a melhoria dos cuidados de saúde prestados à comunidade. O SIARS assenta num Modelo de Repositório de Dados DataWarehouse e Business Intelligence para a interface de utilizador. Com base no SIARS, os Gestores do Ministério da Saúde têm uma visão detalhada da produção dos seus Agentes (hospitais, Centros de Saúde, Convencionados, etc.) permitindolhes criar procedimentos que visem corrigir desvios que não estejam de acordo com a qualidade e exigência pretendida possibilita-se assim um Sistema de Suporte à Decisão. 18

20 SIARS Projectos Disponíveis 19

21 SIARS Projectos - Indicadores 20

22 SIARS Projectos Conferência de Facturas 21

23 REPORTING - SIARS 22

24 Ferramenta de Business Intelligence Microstrategy 23

25 INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Conceito de Utente Inscrito até

26 INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Ano 1ª edição Versão detalhada 11 de Janeiro de 2013 de 2013 Administração Central do Sistema de Saúde De 2013 em diante, o método usado para determinar se um utente se considera ou não inscrito e por esse motivo inclui-lo ou não nos denominadores, depende do indicador, sendo possível uma de seis situações: 1 Utentes inscritos à data de referência do indicador: utiliza-se esta regra sempre que 2 Utentes inscritos durante pelo menos um dia do período em análise: utiliza-se 3 Utentes inscritos durante um mínimo de N meses do período em análise: os indicadores sejam de base populacional e seja possível numa única consulta (médica ou de enfermagem) realizar o que pretende ser medido no numerador. nos indicadores em que no numerador se efetua muita atividade sobre utentes cuja inscrição termina ao longo do último ano. Por exemplo, os domicílios realizam-se com muito maior frequência a doentes terminais do que em doentes não terminais, logo se se excluíssem do denominador os doentes que deixam de estar inscritos por óbito (utilizando o método inscrito no último dia ), o efeito sobre o numerador seria muito mais acentuado, comprometendo a robustez do indicador para comparar unidades entre si. utilizado em indicadores relacionados com utentes com diabetes e com hipertensão arterial, quando se está a medir atividade que necessita de N meses para ser efetuada (por exemplo um semestre). 25

27 INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS Ano 1ª edição Versão detalhada 11 de Janeiro de 2013 de 2013 Administração Central do Sistema de Saúde De 2013 em diante, o método usado para determinar se um utente se considera ou não inscrito e por esse motivo inclui-lo ou não nos denominadores, depende do indicador, sendo possível uma de seis situações: Utentes inscritos durante pelo menos um dia do acontecimento monitorizado: utilizado nos indicadores em que é necessário garantir que o utente esteve inscrito na unidade de saúde durante pelo menos um dia do período de realização da atividade que se pretende medir, como sucede por exemplo com grávidas ou com recémnascidos. Utiliza-se nos indicadores em que a atividade a monitorizar pode ser realizada com uma única consulta. Utentes inscritos durante um mínimo de N meses do acontecimento monitorizado: utilizado nos indicadores em que é necessário garantir que o utente esteve inscrito na unidade de saúde durante pelo menos N meses do período de realização da atividade que se pretende medir, como sucede por exemplo na avaliação de 6 consultas de gravidez ou na avaliação de 3 consultas no 2º ano de vida. Utiliza-se nos indicadores de acompanhamento em que a atividade a monitorizar envolve mais do que uma consulta (médica ou de enfermagem). Utentes utilizadores durante o período em análise: utilizado nos indicadores em que a actividade monitorizada se analisa sobre utentes utilizadores e não sobre utentes inscritos. Neste caso, os utentes utilizadores são um subconjunto dos utentes inscritos em pelo menos um dia do período em análise. 26

28 REPORTING - SIARS 27

29 DASHBOARD - SIARS 28

30 DASHBOARD - SIARS 29

31 SIMSNS Centros de Saúde 30

32 SIMSNS Centros de Saúde 31

33 SIMSNS Hospitais 32

34 SIMSNS Hospitais 33

35 MPPSNS 34

36 MPPSNS 35

37 MIMUF 36

38 MIMUF 37

39 MIMUF 38

40 SISTEMA de APOIO ao MÉDICO 39

41 PLATAFORMA DADOS SAÚDE 40

42 PLATAFORMA DADOS SAÚDE 41

43 PLATAFORMA DADOS SAÚDE 42

44 SIGA 43

45 SIGA Índice de Envelhecimento 44

46 SIGA 45

47 DATACENTER ARSLVT, IP 46

48 47 jcmrarslvt.min-saude.pt

49 48 15 de Maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Sistema de Informação da ARSLVT, IP SIARS Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade

Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios

Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios NORMA DE PROCEDIMENTOS Abril de 2008 12 / OT Tramitação da vistoria para a Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos

Leia mais

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 CRICAD ARSLVT CRICAD ARSLVT HOSPITAIS DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA ARSLVT LISBOA NORTE (215 157) Freguesias do Concelho de Lisboa:

Leia mais

INFORMAÇÃO AOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

INFORMAÇÃO AOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INFORMAÇÃO AOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Directores Executivos dos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) da Região de Lisboa e Vale do Tejo ACES Lisboa Norte Centros de Saúde de Alvalade, Benfica,

Leia mais

ANEXO III ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES

ANEXO III ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES Centro Hospitalar de Lisboa Central EPE Centro Hospitalar de Lisboa Norte EPE Centro Hospitalar

Leia mais

Lista de Candidaturas 2006/07 Cursos EFA

Lista de Candidaturas 2006/07 Cursos EFA Lista de Candidaturas 2006/07 Cursos EFA LEZÍRIA do TEJO ES/EB3 de Coruche B3 Escolar CORUCHE LEZÍRIA do TEJO ES/EB3 de Coruche B3 Escolar CORUCHE LEZÍRIA do TEJO ES Dr. Augusto César da Silva Ferreira

Leia mais

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética ÁGUEDA AGUIAR DA BEIRA ALBERGARIA-A-VELHA ALBUFEIRA ALCÁCER DO SAL ALCANENA ALCOBAÇA ALCOCHETE ALCOUTIM ALENQUER ALFÂNDEGA DA FÉ ALJEZUR ALJUSTREL ALMADA ALMEIDA ALMEIRIM ALMODÔVAR ALTER DO CHÃO AMADORA

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT 1001415 Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de D. Inês de Castro de Alcobaça Alcobaça Leiria 1001811 Escola Básica do 2º e 3º Ciclos com Secundária de D. Pedro I Escolas D. Pedro I Alcobaça

Leia mais

Unidade de Apoio Especializado

Unidade de Apoio Especializado Unidade de Apoio Especializado Equipa de Apoio às Escolas Lezíria do Tejo Telef.: 243352425 Escolas Fazendas de Almeirim - Almeirim Escola Básica Fazendas de Almeirim Unidade de Apoio Especializado Fazendas

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PÚBLICO

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PÚBLICO CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PÚBLICO Área de Coordenação Concelho Escola Código Curso Lisboa Cidade Lisboa ES/3 Afonso Domingues

Leia mais

Rede Oferta de Cursos Profissionais Ciclo de Formação 2012-2015. Concelho Escola/Entidade Formadora Curso 1.º Ano

Rede Oferta de Cursos Profissionais Ciclo de Formação 2012-2015. Concelho Escola/Entidade Formadora Curso 1.º Ano Abrantes AE Dr. Manuel Fernandes Técnico de Energias Renováveis x 1 Abrantes EP Desenvolvimento Rural de Abrantes Técnico de Gestão Equina x 1 Abrantes EP Desenvolvimento Rural de Abrantes Técnico de Processamento

Leia mais

CONCELHO ESCOLA CURSO T PÚB PRI DIA PL TELEFONE ABRANTES EB 2.3/S OCTÁVIO DUARTE FERREIRA SERRALHEIRO MECÂNICO 2 X X 241899090 ABRANTES EB 2.

CONCELHO ESCOLA CURSO T PÚB PRI DIA PL TELEFONE ABRANTES EB 2.3/S OCTÁVIO DUARTE FERREIRA SERRALHEIRO MECÂNICO 2 X X 241899090 ABRANTES EB 2. CONCELHO ESCOLA CURSO T PÚB PRI DIA PL TELEFONE ABRANTES EB 2.3/S OCTÁVIO DUARTE FERREIRA SERRALHEIRO MECÂNICO 2 X X 241899090 ABRANTES EB 2.3/S OCTÁVIO DUARTE FERREIRA ASSISTENTE FAMILIAR E DE APOIO À

Leia mais

SERVIÇO DO APOIO JUDICIÁRIO

SERVIÇO DO APOIO JUDICIÁRIO Gabinete de Assessoria Jurídica 1. Movimento Processual Classificação N.º de Processos Escusas/ Dispensas/ Substituições 2043 Repartição de Honorários 293 Resposta a ofícios 477 Falta resposta Oficio 100

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS

CURSOS PROFISSIONAIS Grande Lisboa Amadora EBS D. João V 341 Técnico de Comércio 1 Grande Lisboa Amadora EBS D. João V 813 Técnico de Apoio à Gestão Desportiva 1 Grande Lisboa Amadora EBS Dr. Azevedo Neves 342 Técnico de Organização

Leia mais

Lisboa e Vale do Tejo PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA

Lisboa e Vale do Tejo PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA UNL Universidade Nova de Lisboa ARSLVT Administração Regional de Saúde Lisboa e Vale do Tejo PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE AS ACTIVIDADES DE ENSINO E INVESTIGAÇÃO E A ACTIVIDADE CLÍNICA Nos termos do

Leia mais

ARSLVT, IP. Relatório de Atividades 2012

ARSLVT, IP. Relatório de Atividades 2012 ARSLVT, IP Relatório de Atividades 2012 Núcleo de Estudos e Planeamento Lisboa, junho de 2013 ÍNDICE I. NOTA INTRODUTÓRIA...4 1. MISSÃO, VISÃO E VALORES DA ARSLVT...5 2. ESTRUTURA ORGÂNICA E CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Rede Oferta de Cursos Profissionais Ciclo de Formação 2012-2015

Rede Oferta de Cursos Profissionais Ciclo de Formação 2012-2015 Abrantes AE Dr. Manuel Fernandes Técnico de Energias Renováveis x 1 Abrantes EP Desenvolvimento Rural de Abrantes Técnico de Gestão Equina x 1 Abrantes EP Desenvolvimento Rural de Abrantes Técnico de Processamento

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e está a lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

Abrantes Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes Técnico de Apoio à Infância X

Abrantes Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes Técnico de Apoio à Infância X CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA 2011-2012 Concelho Estabelecimento de Ensino Curso Abrantes Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes Técnico de Apoio à Infância

Leia mais

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04)

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) Z3 ENTRE DOURO E VOUGA (21) AVEIRO (01) VISEU (18) Z4 COIMBRA (06) LEIRIA (10) Z5 CASTELO

Leia mais

REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS

REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS DIRECÇÃO DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS SECÇÃO I Princípios gerais Artigo 1º Âmbito do Regulamento Nos termos dos Estatutos a organização e funcionamento

Leia mais

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal Intermunicipal Intermunicipal Área Metropolitana Intermunicipal Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal do Cávado Área Metropolitana do Porto Intermunicipal do Ave Intermunicipal do

Leia mais

CCDR LVT Lisboa, 21 de novembro de 2013. www.capitalcria*vo.com

CCDR LVT Lisboa, 21 de novembro de 2013. www.capitalcria*vo.com CCDR LVT Lisboa, 21 de novembro de 2013 www.capitalcria*vo.com CAPITAL CRIATIVO QUEM SOMOS Gestora Independente A CAPITAL CRIATIVO é uma sociedade de gestão de fundos de private equity, independente, cons*tuída

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E 26 de Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e estáa lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS Notas: 1 O conselho geral deliberou, em reunião de 15 de outubro, nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do EOSAE, agregar as delegações distritais de Beja, Évora e Portalegre numa

Leia mais

ADOPÇÃO DA FACTURA ELECTRÓNICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Forum Picoas 6 de Novembro de 2006

ADOPÇÃO DA FACTURA ELECTRÓNICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Forum Picoas 6 de Novembro de 2006 SEMINÁRIO A experiência, seus resultados e desafios para a EPAL Forum Picoas 6 de Novembro de 2006 Paulo Rodrigues EPAL Empresa Portuguesa das Águas Livres, SA S.A. 1 A EPAL: Quem Somos A EPAL- Empresa

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PRIVADO

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PRIVADO CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PRIVADO Distrito Concelho Designação da Entidade Formadora Designação do Curso Leiria Caldas da

Leia mais

Dr. Paulo Santos ADENE

Dr. Paulo Santos ADENE Dia 28 de Maio Construir com Sustentabilidade Dr. Paulo Santos ADENE Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) 1 Distrito de Lisboa com quase 20000 edifícios

Leia mais

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL NUTS3-region NUTS2-region irrigation Area actually (ha) irrigated (ha) Alentejo Central Alentejo 42 675 22 287 Alentejo Litoral Alentejo 40 289 14 427 Alto Alentejo Alentejo 39 974 20 993 Baixo Alentejo

Leia mais

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO)

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO) ABRANTES MÉDIO TEJO 334,00 468,00 589,00 AGUEDA BAIXO VOUGA 368,00 501,00 645,00 AGUIAR DA BEIRA DÃO LAFÕES 334,00 468,00 589,00 ALANDROAL ALENTEJO CENTRAL 368,00 501,00 645,00 ALBERGARIA-A-VELHA BAIXO

Leia mais

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas ORGANISMOS DE VERIFICAÇÃO METROLÓGICA QUALIFICADOS PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CONTROLO METROLÓGICO LEGAL (Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição

Leia mais

Rede de Vocacionais 2015 / 16

Rede de Vocacionais 2015 / 16 Rede de Vocacionais 2015 / 16 Fonte: DGEstE DSR CICLO DE ENSINO CONCELHO Lisboa e Vale do Tejo 2º Ciclo Amadora PUB 1115984 Escola Básica e Secundária D. João V, Damaia, Amadora 8332370 6º VOC2 HOMOLOGADO

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013 VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 317 303 716 996 1.601 RIBEIRA BRAVA 127 127 125 123 1.558 PORTIMÃO 1.088 1.140 797 780 1.057 SANTA CRUZ 518 515 566 595 1.049 ALIJÓ 202 208 206 203 827 ÉVORA 541 623 867 843

Leia mais

Nome Concelho Distrito DRE Telefone Email

Nome Concelho Distrito DRE Telefone Email Escola Secundária Raul Proença, Caldas da Rainha Caldas da Rainha Leiria Escola Secundária de Santa Maria do Olival, Tomar Tomar Santarém Insignare Associação de Ensino e Formação (Sede) Ourém Santarém

Leia mais

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00%

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00% Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Abrantes 0,25% Boticas 0,25% Figueiró dos Vinhos 0,00% Mirandela 0,25% Pombal 0,25% Sertã 0,25%

Leia mais

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada BRAGANÇA VILA REAL PORTO BRAGA VIANA DO CASTELO ARCOS DE VALDEVEZ 10 de Maio de 2003 14h e 30m Braga Casa dos Crivos Orfeão de Braga CAMINHA 10 de Maio

Leia mais

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Secretário de Estado da Administração Local Despacho n.º 10123-A/2015 Considerando

Leia mais

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada para cobrança em 99 (Exercício de 98) Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada

Leia mais

PMP (n.º dias) a 31-12-2007

PMP (n.º dias) a 31-12-2007 (N.º 20 - Resolução de Conselho de Ministros n.º 34/, publicada no DR n.º 38, 1.ª série, de 22 de Fevereiro) Ordenado por ordem decrescente do PMP em 31-12- a 30-09- a 31-12- VILA FRANCA DO CAMPO 158 182

Leia mais

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal

Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Programa Estratégico 2020 Oeste Portugal Debate Regional "Crescimento Inclusivo/ Oeste Inclusivo - A Região Oeste Portugal e as Metas 2020 Apresentação da reflexão do subgrupo Crescimento Inclusivo sobre

Leia mais

Gabinetes de Inserção Profissional Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo

Gabinetes de Inserção Profissional Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo Gabinetes de Inserção Profissional Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo Centro de ABRANTES ALCÂNTARA ALCOBAÇA ABRANTES MAÇÃO ALCOBAÇA ALCOBAÇA NAZARÉ Ass. Promoção e Desenvolvimento do Vale do Tejo

Leia mais

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp DISTRITO ANGRA DO HEROISMO 1901 ANGRA DO HEROISMO 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1902 CALHETA (AÇORES) 0,800 % 0,500 % 0,80 % 1903 SANTA CRUZ DA GRACIOSA 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1904 VELAS 0,500 % 0,300 % 0,80

Leia mais

Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29

Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29 Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29 índice 1. DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS DO PLANO GERAL DE EMERGÊNCIA...4 1.1 INTRODUÇÃO...4

Leia mais

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79 Serviço Standard Serviço Especial Peso (Kg) 1 2 3 4 5 Entrega até às 18:00H GRUPOL10H GRUPOL13H GRUPOLSAB GRUPOLMA Entrega até às 10:00H do dia seguinte Entrega até às 13:00H do dia seguinte Entrega ao

Leia mais

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Por expressa determinação do Código Administrativo, no seu artigo 6.º, a classificação

Leia mais

O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES:

O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES: O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES: ACES DA LEZÍRIA ACES DE ARCO RIBEIRINHO ACES DE CACÉM - QUELUZ ACES DE LISBOA NORTE ACES DE ODIVELAS ACES DE SEIXAL

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS PROJETOS DE ESCOLAS SELECIONADOS [LISBOA E VALE DO TEJO]

CONCURSO DE IDEIAS PROJETOS DE ESCOLAS SELECIONADOS [LISBOA E VALE DO TEJO] CONCURSO DE IDEIAS PROJETOS DE ESCOLAS SELECIONADOS [LISBOA E VALE DO TEJO] 1 de 5 Concelho NOME DA ESCOLA TÍTULO DO PROJETO Escalão Cascais ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS A VISITA DO AMIGO SOL SALESIANOS

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais

Gestão Pública da Água e Saneamento

Gestão Pública da Água e Saneamento junho de 2015 Gestão Pública da Água e Saneamento Garante Qualidade e Tarifas Mais Baixas Gestão Pública da Água e Saneamento E o projecto de Diretiva? O que lhe aconteceu? Iniciativa e luta de cidadãos

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020 O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020 Albufeira, 7 de abril de 2015 www.capitalcriativo.com CAPITAL CRIATIVO QUEM SOMOS Gestora Independente A CAPITAL CRIATIVO é uma sociedade de gestão

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 73 14 de Abril de 2008 2193 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 68/2008 de 14 de Abril Nos termos do Programa do XVII Governo Constitucional considera

Leia mais

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004)

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) http:// www.insa.pt Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013 Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 Com a publicação do Ofício Circulado n.º 20165, do passado dia 5 de Março, foram divulgadas a relação dos municípios

Leia mais

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas OS CONSULTORES Instituicões & Empresas Associadas: GAB. COORDENADOR da ESTRATÉGIA DE LISBOA e do PLANO TECNOLÓGICO CEDRU_Centro de Estudos e Desenvolv. Regional e Urbano McKINSEY & Company PLMJ ASSOCIADOS_Sociedade

Leia mais

ÍNDICE. Relatório de Execução Final Pág. 1

ÍNDICE. Relatório de Execução Final Pág. 1 ÍNDICE Preâmbulo 3 1 Envolvente Sócio -Económica 6 2 O Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo 11 3 Sistema de Gestão, Acompanhamento e Controlo do Programa 17 4 - Sistema de Informação

Leia mais

Nº246 6/2015 ANO XXXI DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Nº246 6/2015 ANO XXXI DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Nº246 6/2015 ANO XXXI DISTRIBUIÇÃO GRATUITA PROPRIEDADE DIRETORA: MÓNICA DE BASTOS ROSA WWW.EPAL.PT reestruturação setordaságuas DO Sistemas multimunicipais de abastecimento de água e de saneamento A reestruturação

Leia mais

DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DPS BILHETE DE IDENTIDADE DOS INDICADORES DE MONITORIZAÇÃO DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1ª edição Versão detalhada 11 de janeiro de 2013 Departamento de Contratualização Administração Regional de Saúde

Leia mais

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE

Mapa de Vagas IM - 2011 A - FE Mapa de IM - 2011 A - FE Anatomia Patológica Centro Hospitalar de São João, EPE 2 Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro, EPE Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, EPE 1 1 Centro Hospitalar

Leia mais

Itinerários Complementares

Itinerários Complementares Itinerários Complementares Viana do Castelo IC28 Bragança IC14 Braga Trofa Vila do Conde Santo Tirso Paços de Ferreira IC25 Matosinhos IC1 IC23 IC2 Espinho Paredes Valongo Porto IC24 Gondomar IC29 Porto

Leia mais

Código - Designação Serviço Finanças

Código - Designação Serviço Finanças 01-AVEIRO 19-AGUEDA 4 01-AVEIRO 27-ALBERGARIA-A-VELHA 2 01-AVEIRO 35-ANADIA 3 01-AVEIRO 43-AROUCA 3 01-AVEIRO 51-AVEIRO-1. 1 01-AVEIRO 60-CASTELO DE PAIVA 1 01-AVEIRO 78-ESPINHO 1 01-AVEIRO 86-ESTARREJA

Leia mais

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 20 de fevereiro de 2014 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Patrocinadores Bronze Apoios Patrocinadores Globais Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA. ARS, Unidades Locais de Saúde e Entidades Convencionadas com o SNS

CIRCULAR INFORMATIVA. ARS, Unidades Locais de Saúde e Entidades Convencionadas com o SNS CIRCULAR INFORMATIVA Nº 25/2015/DPS/ACSS DATA: 07-10-2015 PARA: ARS, Unidades Locais de Saúde e Entidades Convencionadas com o SNS ASSUNTO: Celebração de novas convenções na área da Endoscopia Gastroenterológica

Leia mais

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA?

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? 2 C. Predial 1 VISEU NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 BRAGANÇA NÃO 0 C. Civil/Predial/Comercial 2 VILA NOVA DE CERVEIRA NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 VIANA DO CASTELO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PEDIDO DE HABITAÇÃO O presente documento pretende apoiá-lo/a no preenchimento do formulário Pedido de Habitação, informando que os campos identificados com

Leia mais

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Nome Loja Cidade Distrito ÁGUEDA PINGO DOCE ÁGUEDA Distrito Aveiro ALBERGARIA-A-VELHA RUA ALBERGARIA A VELHA Distrito Aveiro AVEIRO GLICÍNIAS

Leia mais

ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO

ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL VALORIZAÇÃO DO TEJO ANTÓNIO MARQUES LISBOA > LNEC > 25 NOVEMBRO 2010 De onde partimos? Como fizemos? Onde chegamos? ? De onde partimos ACÇÃO INTEGRADA DE BASE TERRITORIAL

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas DRE QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada DREN BRAGA (03) Amares (0301) 150459 - Agrupamento de Escolas

Leia mais

Onde e como se vive em Portugal 2011

Onde e como se vive em Portugal 2011 Onde e como se vive em Portugal 2011 25 de junho de 2013 Onde e como se vive em Portugal 2011 De acordo com os resultados definitivos dos Censos 2011 na região de Lisboa regista-se a maior densidade populacional,

Leia mais

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Acampamento ocasional Câmara Municipal de Braga Acampamento

Leia mais

Rede de Referenciação Hospitalar. /Emergência

Rede de Referenciação Hospitalar. /Emergência Rede de Referenciação Hospitalar de/ /Emergência A Rede de Referenciação Hospitalar de /Emergência foi aprovada por Despacho de Sua Excelência a Secretária de Estado Adjunta do Ministro da Saúde, Drª Carmen

Leia mais

Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores"

Memorando apresentado pelo ME sobre recrutamento e colocação de professores Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores" 0. QUESTÃO PRÉVIA SOBRE A NEGOCIAÇÃO Em primeiro lugar, a FENPROF pretende

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2014 - A Formação Específica

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2014 - A Formação Específica ANATOMIA PATOLOGICA Centro Hospitalar Barreiro Montijo, ANATOMIA PATOLOGICA Centro Hospitalar de Lisboa Norte, ANATOMIA PATOLOGICA ANATOMIA PATOLOGICA Centro Hospitalar Lisboa Central, ANATOMIA PATOLOGICA

Leia mais

Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 2009-2012 Escolas Profissionais Privadas - Intenções

Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 2009-2012 Escolas Profissionais Privadas - Intenções Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 009-01 Escolas Profissionais Privadas - Intenções Família Curso Portaria Escola Profissional Localidade Turmas Actividades Agrícolas

Leia mais

Grande Lisboa 1. Amadora 2.Cascais 3.Lisboa 4.Loures 5.Mafra 6.Odivelas 7.Oeiras 8.Sintra 9. Vila F. Xira 10. Queluz 11.

Grande Lisboa 1. Amadora 2.Cascais 3.Lisboa 4.Loures 5.Mafra 6.Odivelas 7.Oeiras 8.Sintra 9. Vila F. Xira 10. Queluz 11. Nº: Com este questionário pretendemos ficar a conhecer-te um bocadinho melhor: os teus gostos, as tuas preferências, e recolher a tua opinião sobre alguns aspetos do teu CED. Podes responder de forma sincera

Leia mais

Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3

Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Linha de Apoio I Território, Destinos e Produtos Ficha Informativa - Junho 2007 Índice Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Desenvolvimento de Pólos Turísticos... 3 Desenvolvimento

Leia mais

A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências

A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências Programas Terapêuticos de Administração de Metadona, Buprenorfina e Naltrexona A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências Relatório de 2008 Uma contribuição vital A intervenção das

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI SIG / Plataforma de Gestão de MCDT (Glintt) Evolução nos modelos

Leia mais

Itinerários Principais

Itinerários Principais Itinerários Principais Bragança Viana do Castelo Braga IP9 Vila Real IP4 Porto Aveiro IP3 Viseu IP5 Guarda Coimbra Leiria Castelo Branco IP6 Santarém IP2 Portalegre IP1 Lisboa Setúbal IP7 Évora IP8 Beja

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 Distrito de LISBOA 2010 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo a natureza do acidente... 6 4. Vítimas

Leia mais

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. XXXIV (153), 2000, 1045-1055 Notas sobre a Lisboa: Área Metropolitana e cidade Em Portugal, os desequilíbrios de povoamento da são por de mais evidentes. Neste

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 Maria Júlia Ferreira 2 Resumo: Palavras-chave Estratégias habitacionais; territórios residenciais;

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO DAS ACÇÕES...4. PERGUNTAS FREQUENTES - FAQs...5 CALENDÁRIO DE ACÇÕES.

ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO DAS ACÇÕES...4. PERGUNTAS FREQUENTES - FAQs...5 CALENDÁRIO DE ACÇÕES. Empresa de Gestão Partilhada de Recursos da Administração Pública, EPE Instituto Nacional de Administração, IP Março 2010 Índice ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO

Leia mais

A PENSAR EM SI. MONTEPIO RESIDÊNCIAS. Serviços de Saúde

A PENSAR EM SI. MONTEPIO RESIDÊNCIAS. Serviços de Saúde A PENSAR EM SI. MONTEPIO RESIDÊNCIAS Serviços de Saúde Residência Montepio Breiner, cidade do Porto. COMO SOU ASSOCIADA DO MONTEPIO TENHO CONDIÇÕES ESPECIAIS. MAS, QUALQUER PESSOA PODE ESCOLHER VIVER NO

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015)

Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015) JAN.2012 Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015) Transportes Públicos de Passageiros Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade - Câmara Municipal de Lisboa Plano Estratégico de Transportes (2011

Leia mais

RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO

RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO Foram entregues 328 inquéritos dos quais foram validados 309. Os inquéritos validados possuem a seguinte distribuição: Famílias com menos de 5 anos 10 Famílias entre

Leia mais

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013

As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 As TIC e a Saúde no Portugal de 2013 20 de fevereiro de 2014 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Patrocinadores Bronze Apoios Patrocinadores Globais TIC na ARS Algarve, IP APDSI Problemas e Oportunidades

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E.

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospital Central de Faro - E.P.E. Instituto Português Oncologia de Lisboa Hospital Central do Funchal Hospital Central do Funchal Preferencial Hospital Curry

Leia mais

Associaram-se à iniciativa 34 entidades, desde organizações não governamentais, institutos públicos, tribunais e associações de cidadãos.

Associaram-se à iniciativa 34 entidades, desde organizações não governamentais, institutos públicos, tribunais e associações de cidadãos. 12.1. Semana Advogar pela Cidadania No seguimento do Dia da Consulta Jurídica Gratuita, realizado a 18 de Maio de 2006, o Conselho Distrital de Lisboa organizou a Semana ADVOGAR pela Cidadania que decorreu

Leia mais

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO FICHA TÉCNICA TITULO: AUTOR: EDIÇÃO: TIRAGEM: ISBN: ISBN

Leia mais

Agrupamento de Escolas Cónego Dr Manuel Lopes Perdigão 1 1 0 2

Agrupamento de Escolas Cónego Dr Manuel Lopes Perdigão 1 1 0 2 170604 Agrupamento de Escolas Abrigada 1 1 0 170409 Agrupamento de Escolas Alcanede 3 0 3 170483 Agrupamento de Escolas Alcanena 1 1 1 1 170951 Agrupamento de Escolas Alembrança 1 0 1 170550 Agrupamento

Leia mais

EDITAL N.º 41/CML/2014. (Tomada de Posição Sobre o ANTEPROJETO DE REGIME JURÍDICO DO SISTEMA DE SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS)

EDITAL N.º 41/CML/2014. (Tomada de Posição Sobre o ANTEPROJETO DE REGIME JURÍDICO DO SISTEMA DE SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS) EDITAL N.º 41/CML/2014 (Tomada de Posição Sobre o ANTEPROJETO DE REGIME JURÍDICO DO SISTEMA DE SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS) HÉLDER SOUSA SILVA, Vice-Presidente do Conselho Metropolitano

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015. www.acss.min-saude.pt

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015. www.acss.min-saude.pt Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015 www.acss.min-saude.pt Monitorização do Serviço Nacional de Saúde http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx 2 Monitorização

Leia mais