As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1"

Transcrição

1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu milhões de euros de receitas de remunerações não declaradas, e a divida declarada à Segurança Social aumentou 122% entre 2004 e 2006 RESUMO DESTE ESTUDO O ministro do Trabalho e da Solidariedade Social tem afirmado, que o combate à fraude e à evasão contributiva para a Segurança Social permitiu arrecadar elevado volume de receitas, e que a situação neste campo está a mudar. Uma análise objectiva e séria desta questão fundamental para garantir a sustentabilidade financeira da Segurança Social mostra que as afirmações de Vieira da Silva não correspondem à verdade. De acordo com dados publicados pelo próprio Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social sobre remunerações totais pagas aos trabalhadores por contra de outrem e remunerações declaradas à Segurança Social pelas empresas (é com base nestas últimas que se calculam os descontos para a Segurança Social), conclui-se que uma parte importante das remunerações pagas pelas empresas continuam a não ser declaradas à Segurança Social, o que tem como consequência que as empresas não paguem as respectivas contribuições, determinando uma elevada perda de receitas para a Segurança Social. A diferença não declarada varia de distrito para distrito conforme consta do quadro I. Por exemplo, no distrito de Lisboa a parte não declarada por trabalhador atingiu, em média, 236, na RA da Madeira 203, na RA dos Açores 149,5, no distrito de Aveiro 163,7, etc. Isto determinou que as remunerações não declaradas à Segurança Social apenas dos trabalhadores por conta de outrem tenham atingido, em 2006, milhões de euros, e que a receita perdida pela Segurança Social tenha alcançado, também em 2006, milhões de euros. Por distritos, e como mostra o quadro II, variou entre 818 milhões de euros no distrito de Lisboa e 12 milhões de euros no distrito de Bragança. Esta divida não declarada tem aumentado todos os anos, e o ministro do Trabalho não tem feito praticamente nada de significativo para alterar esta situação, pois tem-se recusado a aumentar muito mais as inspecções às empresas, o que exigiria a contratação de muitos mais inspectores, como tem acontecido na Administração Fiscal mas não na Segurança Social. Para além desta divida não declarada, existe ainda a chamada divida declarada, que é a que resulta da diferença entre as contribuições que as empresas declaram mensalmente que devem à Segurança Social e aquilo que acabam efectivamente por pagar. De acordo com os dados constantes dos Balanços da Segurança Social publicados nas Contas Gerais do Estado que estão disponíveis no site da DGO do Ministério das Finanças, entre 2004 e 2006, portanto com este governo, a divida declarada pelas empresas à Segurança Social aumentou 122% pois passou de 982,9 milhões de euros para 2.184,7 milhões de euros (quadro III). E neste valor ainda não está incluída a totalidade da divida. Em 2005, num requerimento que fizemos ao Ministério do Trabalho enquanto estivemos como deputado na Assembleia da República, aquele ministério informou que, relativamente a 2004, no valor de divida de 982,9 milhões de euros ainda não estava incluído 1.995,2 milhões de euros relativos à carteira de dividas à Segurança Social: E em relação aos anos de 2005 e 2006, o MTSS ainda não divulgou dados. Se compararmos a divida efectivamente cobrada em 2006, que segundo o ministro do Trabalho atingiu apenas 288,3 milhões de euros, com o aumento da divida declarada ( 897,8 milhões de euros) e não declarada ( milhões de euros) à Segurança Social, que somou 3.310,8 milhões de euros, conclui-se que a divida cobrada em 2006 representou apenas 8,7% do aumento da divida verificado neste mesmo ano. Em 2006, o aumento da divida à Segurança Social foi cerca de 11 vezes superior à divida recuperada. Face a estes dados, que são sistematicamente omitidos pelo ministro Vieira da Silva, é claro a insuficiência dos resultados, para não dizer mesmo o fracasso do combate deste governo à fraude e evasão contributiva. Esta situação tem criado dificuldades à sustentabilidade financeira da Segurança Social, que depois o governo tem utilizado para justificar as medidas que tomou para reduzir ainda mais as baixas pensões dos portugueses. Nesta área, como em muitas outras, o que este governo tem a mais em arrogância, autoritarismo e auto-suficiência tem a menos em competência, resultados e sensibilidade social. O actual governo, através do ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, tem afirmado, na sua campanha permanente de propaganda, que o combate à fraude e à evasão contributiva para a Segurança Social tem permitido arrecadar elevado volume de receitas, e que a situação neste campo está-se a alterar. No entanto, uma análise objectiva e séria desta questão fundamental para garantir a sustentabilidade financeira da Segurança Social mostra que as afirmações de Vieira da Silva não correspondem à verdade. Para concluir isso, basta analisar, utilizando os próprios dados oficiais divulgados pelo governo, a dimensão das receitas de contribuições que a Segurança Social continua

2 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 2 a perder anualmente devido à evasão, fraude, isenções contributivas e ao não pagamento pelas empresas mesmo das contribuições declaradas. Para se poder ficar com uma ideia clara da dimensão das receitas perdidas todos os anos pela Segurança Social, e da reduzida eficácia do combate do governo neste campo para inverter a situação, interessa distinguir entre divida declarada e divida não declarada à Segurança Social. A divida declarada é aquela que resulta das declarações que as empresas fazem mensalmente, por sua própria iniciativa, à Segurança Social relativas às remunerações pagas aos trabalhadores, às suas contribuições e aos descontos feitos nos salários dos trabalhadores, mas que depois não entregam, incluindo as descontadas nos salários dos trabalhadores, à Segurança Social. Esta divida devia ser fácil de calcular, mas o governo já afirmou na Assembleia da República que a desconhece, pois basta comparar o declarado com o pago pelas empresas e a diferença é a divida declarada. Como se irá mostrar, esta divida tem aumentado de uma forma muito rápida, apesar do chamado combate do governo contra a evasão e a fraude nas contribuições. Para além da divida declarada existe também a divida não declarada que resulta das remunerações pagas mas que as empresas não declaram à Segurança Social e que por isso não entregam as respectivas contribuições (descontos) que, de acordo com a lei, são devidas. E o volume destas receitas que se perdem continua a ser gigantesco. Por isso, a nossa análise vai começar por elas. EM 2006, AS EMPRESAS NÃO DECLARARAM À SEGURANÇA SOCIAL MILHÕES DE EUROS DE REMUNERAÇÕES PAGAS AOS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTRÉM A Segurança Social já divulgou na sua publicação Estatísticas, que se encontra disponível no site do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, as remunerações dos trabalhadores por conta de outrem declaradas pelas empresas em 2006 com base nas quais calcularam as contribuições que deviam pagar à Segurança Social. Por outro lado, são já conhecidos os ganhos (remunerações totais), referentes a 2005, dos trabalhadores constantes dos Quadros de Pessoal que todos os anos as empresas são obrigadas a entregar ao Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Finalmente, o Banco de Portugal, no seu Boletim Estatístico de Junho de 2007, já divulgou o aumento médio das remunerações em Portugal verificado em 2006 (apenas 2,7%, portanto uma percentagem inferior à taxa de inflação que foi de 3,1%, portanto registou-se uma quebra real dos salários). Utilizando estes dados oficiais determina-se rapidamente o total das remunerações pagas pelas empresas que não foram declaradas por estas à Segurança Social relativa aos trabalhadores por conta de outrem. Os resultados desse cálculo, por distrito e referente ao ano de 2006, constam do quadro seguinte. QUADRO I Remunerações declaradas pelas empresas à Segurança Social e remunerações pagas pelas empresas aos trabalhadores em 2006 por distritos Numero Remuneração Ganho médio DIFERENÇA Ganhos não DISTRITOS Trabalhadores mensal declarada mensal do Ganho (-) Declarado Declarados Conta Outrem para a S. Social Trabalhador Mensal S. Social Euros Euros Euros Milhões euros Aveiro ,39 833,13 163, Beja ,14 769,26 155,13 80 Braga ,00 707,25 126, Bragança ,00 692,80 104,80 35 C. Branco ,80 714,64 102,84 71 Coimbra ,99 821,70 82, Évora ,01 809,33 150, Faro ,59 814,79 181, Guarda ,74 693,51 106,77 56 Leiria ,88 804,50 123, Lisboa , ,33 236, Portalegre ,08 763,52 139,45 58 Porto ,90 877,94 162, Santarém ,33 809,75 119, Setúbal ,66 928,95 58, V. Castelo ,65 716,89 129, Vila Real ,18 753,52 181, Viseu ,35 734,23 139, RA Açores ,66 834,18 149, RA Madeira ,21 925,80 203,59 223

3 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 3 PORTUGAL FONTE: Nº Trabalhadores e Remuneração declarada: Boletim Estatístico da Segurança Social MTSS Ganhos médios mensais: GEP- Quadros de Pessoal - MTSS e Banco de Portugal Como mostram os dados oficiais do quadro anterior, só em 2006, e relativo apenas aos trabalhadores por conta de outrem que se encontram inscritos na Segurança Social, as empresas não declaram milhões de euros de remunerações, o que determinou, como se irá mostrar que a Segurança Social perdesse muitas centenas de milhões de euros de receitas. E está-se apenas a referir a receita perdida relativa aos trabalhadores por conta de outrem inscritos na Segurança Social de acordo com os dados constantes das Estatísticas da Segurança Social, pois se incluísse aqueles que não constam delas assim como outras categorias profissionais (ex.: os independentes) a perda de receita para a Segurança Social seria muito maior. A SEGURANÇA SOCIAL DEVIDO A REMUNERAÇÕES NÃO DECLARADAS PELAS EMPRESAS PERDEU, EM 2006, MILHÕES DE EUROS DE RECEITA A não declaração à Segurança Social, pelas empresas, da totalidade das remunerações que pagam tem graves consequências tanto para os trabalhadores como para a Segurança Social. Para os trabalhadores, porque quando perdem o emprego o subsidio de desemprego é baixo, quando estão doentes o subsidio de doença é inferior ao que receberiam se o desconto fosse feito sobre a totalidade da remuneração paga, o mesmo sucedendo quando se reformam pois a pensão de reforma que recebem é muito inferior à que teriam se as empresas e eles tivessem descontado para a Segurança Social sobre a totalidade das remunerações. É também grave para a Segurança Social porque determina uma elevada perda de receitas com reflexos graves na sua sustentabilidade financeira, como mostra o quadro seguinte. QUADRO II Receitas de contribuições perdidas pela Segurança Social em 2006, por distritos devido a remunerações não declarada pelas empresas Remunerações não de- Receitas de contribuições % de DISTRITOS claradas à Segurança Social perdidas pela Seg. Social PORTUGAL Segurança Social Milhões Milhões de euros Aveiro ,6% Beja ,1% Braga ,8% Bragança ,5% Castelo Branco ,0% Coimbra ,9% Évora ,4% Faro ,2% Guarda ,8% Leiria ,6% Lisboa ,9% Portalegre ,8% Porto ,3% Santarém ,2% Setúbal ,0% V. Castelo ,6% Vila Real ,5% Viseu ,6% RA Açores ,8% RA Madeira ,2% PORTUGAL ,0% Em 2006, a Segurança Social perdeu receitas de contribuições, devido ao facto das empresas não descontarem sobre a totalidade das remunerações que pagaram aos trabalhadores por conta de outrem, que somou milhões de euros. Deste total, mais de metade (52,7%) diz respeito aos distritos de Lisboa e Porto. Por outro lado, a receita que a Segurança Social perdeu, em 2006, na RA da Madeira (77 milhões de euros ) é superior em 75% à perdida na RA dos Açores, quando o número

4 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 4 de trabalhadores por conta de outrem inscritos na Segurança Social na primeira (78.181) é apenas superior em 29,8% aos inscritos na segunda (60.902). A DIVIDA DECLARADA À SEGURANÇA SOCIAL AUMENTOU 122% ENTRE 2004 E 2006 Para além da divida não declarada que analisamos anteriormente, existe ainda a chamada divida declarada à Segurança Social que se determina calculando a diferença entre aquilo que as empresas declaram mensalmente à Segurança Social e aquilo que efectivamente acabam por pagar. E também neste campo as dividas à Segurança Social dispararam como mostra o quadro seguinte construído com dados constantes nas Contas Gerais do Estado publicadas pela Direcção Geral do Orçamento do Ministério das Finanças no seu site (www.dgo.pt) QUADRO III Variação da dividas dos contribuintes, fundamentalmente empresas, à Segurança Social no período RUBRICAS VARIAÇÃO % Milhões de euros DIVIDAS DE TERCEIROS- Curto Prazo Contribuintes c/c 982, , , ,3% Fonte: Mapa XXXII das Contas Gerais do Estado de 2004, 2005,2006 Entre 2004 e 2006, as dividas das empresas que são registadas conta DIVIDAS DE TERCEIRO Curto Prazo -Contribuintes c/c do Balanço da Segurança Social aumentou 122,3% pois passou de 982,9 milhões de euros para 2.184,7 milhões de euros. Para além das dividas das empresas constantes do quadro anterior, existem outras que já foram anuladas pelo próprio governo. Por exemplo, entre 2004 e 2005, desapareceram do Balanço da Segurança Social cerca de 135 milhões de euros de dividas que estavam contabilizadas na conta Clientes, contribuintes e utentes de cobrança duvidosa. Mas as dividas das empresas ainda não se resumem às constantes do quadro e às referidas anteriormente. De acordo com a resposta dada pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social em 2005, a um requerimento que fizemos enquanto exercemos as funções deputado na Assembleia da República, a divida acumulada até ao final de 2004 vem contabilizado no Balanço da Segurança Social, na conta especifica para esse efeito Divida de Terceiros de curto prazo - Contribuintes c/c, que apresenta no final de 2004 um valor de euros. A este montante acresce o valor da carteira de dividas à Segurança Social, e que à data em que ocorreu, em Outubro de 2003, correspondia a Portanto, aos valores em divida em outros anos há ainda que acrescentar os montantes da carteira de dividas à Segurança Social que se desconhecem. Em Março de 2007, o ministro do Trabalho realizou uma conferência de imprensa onde declarou textualmente o seguinte: O Ministério notificou os contribuintes com divida no sistema, estando neste momento a tratar a informação apurada, que deverá depois ser introduzida no sistema corrente e permitirá saber a situação contributiva de qualquer empresa em qualquer momento (DN, ). Na Assembleia da República, aquando do debate do OE2007, a uma pergunta que fizemos, o ministro do Trabalho afirmou que desconhecia a divida declarada exacta das empresas à Segurança Social e, por outro lado, na citada conferencia de imprensa confessou que tinha pedido às empresas que informassem a Segurança Social quais eram as suas dividas à Segurança Social. Não resta dúvida que é um método insólito para apurar a divida, mas ele dá bem um ideia do tipo e da consistência de combate deste governo. OS RESULTADOS OBTIDOS PELO COMBATE À EVASÃO, FRAUDE CONTRIBUTIVO DO GOVERNO SÂO MANIFESTAMENTE INSUFICIENTES O governo, através do MTSS, tem apresentado dados sobre os resultados do chamado Plano Nacional de Prevenção e Combate à Fraude e Evasão Contributiva, que têm sido divulgados de uma forma acrítica pela maioria dos órgãos de comunicação social, o que têm iludido a opinião publica sobre os resultados obtidos. E isto porque os dados mais divulgados não se limitam às cobranças efectivas, mas incluem também os valores de notificações às empresas e contribuintes individuais, de acções de fiscalização, e de acordos prestações no âmbito do pagamento da divida dos grandes devedores que poderão até não ser cobrados. Se limitarmos a análise à divida cobrada os resultados, que estão disponíveis no site do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social os dados já são muito diferentes. Em 2006, a divida recuperada que a propaganda governamental mais divulgou foi de 468,7 milhões de euros, mas o que efectivamente foi cobrado atingiu apenas 238,7 milhões de euros, o que correspondeu somente a

5 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 5 50,9% do primeiro valor. A divida efectivamente cobrada foi de 65,7 milhões de euros em 2004, e de 129,3 milhões de euros em Comparemos a divida cobrada em ,3 milhões de euros com o aumento da divida declarada e da divida não declarada: a) Aumento da divida declarada em 2006 (aumento do saldo da conta contribuintes c/c): 897,8 milhões de euros b) Divida não declarada em 2006 (receita perdida) 2.413,0 milhões de euros TOTAL 3.310,8 milhões de euros Portanto, a divida efectivamente cobrada em ,3 milhões de euros representa apenas 8,7% do aumento da divida à Segurança Social verificado em É evidente o carácter manifestamente insuficiente do combate do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. E isto acontece porque, diferentemente do que está a suceder com a Administração Fiscal, o ministro Vieira da Silva, incompreensivelmente não tem apostado nas inspecções às empresas, o que exigiria a contratação de muitos mais inspectores (recorde-se que em 2 anos o ministro anunciou a contratação de apenas 60 novos inspectores, o que nem deve dar para substituir aqueles que se reformam, e o quadro de inspectores da IGT, que é de 550 está apenas preenchido em cerca de 190); repetindo, o ministro Vieira da Silva no lugar do combate no terreno através de inspecções às empresas, com tem a Administração Fiscal, tem optado, incompreensível e fundamentalmente, por medidas on-line e controlo informáticos que são também necessários, mas que são manifestamente insuficientes como provam os resultados obtidos. Desta forma, parece que a intenção é de por causa a sustentabilidade futura da Segurança Social para depois se poder justificar a redução das baixas pensões que são pagas em Portugal (tenha-se presente que cerca de 84% dos pensionistas recebem ainda pensões inferiores um salário mínimo nacional, e que relativamente aos novos pensionistas acontece o mesmo com mais de 70%) através de medidas como aquelas que este governo já tomou, como foram a entrada em vigor imediatamente da nova formula do cálculo da pensão e do chamado factor de sustentabilidade, que é mais uma forma de reduzir as pensões. Onde existe a mais arrogância, autoritarismo e autosuficiência existe a menos competência, resultados e sensibilidade social. Eugénio Rosa Economista Tel

Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1

Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1 Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1 CRESCE O DESEMPREGO E O NUMERO DE DESEMPREGADOS SEM DIREITO A SUBSIDIO DE DESEMPREGO, E CONTINUAM A SER ELIMINADOS DOS FICHEIROS

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

COMO SE CALCULA ACTUALMENTE A PENSÃO DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

COMO SE CALCULA ACTUALMENTE A PENSÃO DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Um instrumento para ajudar cada trabalhador a defender melhor os seus direitos Conhecimento é poder Pág 1 COMO SE CALCULA ACTUALMENTE A PENSÃO DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL (Sector Privado) De acordo

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 A ELIMINAÇÃO DA DESIGUALDADE DAS REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES EM PORTUGAL MELHORARIA A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira

A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira A Alta Velocidade em Portugal Pág. 1 A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira RESUMO DESTE ESTUDO No dia 15.6.2009 realizou-se na Assembleia da República um colóquio parlamentar

Leia mais

Percurso lógico para a criação de uma empresa:

Percurso lógico para a criação de uma empresa: Percurso lógico para a criação de uma empresa: [3] Formas jurídicas de criar um negocio: Os negócios desenvolvidos por uma pessoa poderão ter a forma jurídica de Empresário em Nome Individual, Estabelecimento

Leia mais

Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1

Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1 Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1 PORQUE RAZÃO A BANCA PRETENDE TRANSFERIR OS FUNDOS DE PENSÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL E OS RISCOS PARA

Leia mais

Os sistemas de Segurança Social e da CGA utilizados pelo governo como instrumento orçamental

Os sistemas de Segurança Social e da CGA utilizados pelo governo como instrumento orçamental A MANIPULAÇÃO DO FATOR DE SUSTENTABILIDADE PELO GOVERNO, O AUMENTO TODOS OS ANOS DA IDADE DE REFORMA E DE APOSENTAÇÃO, E O DUPLO CORTE NA PENSÕES ANTECIPADAS Neste estudo vamos esclarecer cinco questões

Leia mais

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger

Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger Promover emprego e trabalho com qualidade: dinamizar a contratação colectiva, valorizar e proteger SEM MAIS EMPREGO NÃO É POSSÍVEL A RECUPERAÇÃO ECONÓMICA DO PAÍS Slides utilizados na intervenção que fiz

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA RESUMO DESTE ESTUDO Os principais jornais diários portugueses divulgaram

Leia mais

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Boletim Estatístico Dezembro 2014 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. PROCESSOS E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO DE SOBRE-ENDIVIDAMENTO... 3 1.1. Processos e Pedidos de Informação de Sobre-endividamento

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

O governo ainda não compreendeu nem a gravidade nem a provável duração da crise Pág. 1

O governo ainda não compreendeu nem a gravidade nem a provável duração da crise Pág. 1 O governo ainda não compreendeu nem a gravidade nem a provável duração da crise Pág. 1 O GOVERNO NÃO COMPREENDEU NEM A GRAVIDADE NEM A PROVÁVEL DURAÇÃO DA CRISE, INVESTE POUCO E OCULTA MEDIDAS INSUFICINTES

Leia mais

AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE QUALIFICAÇÃO DAS MULHERES

AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE QUALIFICAÇÃO DAS MULHERES Desigualdades graves entre Homens e Mulheres com escolaridade e qualificação elevadas Pág. 1 AS DESIGUALDADES DE REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES AUMENTAM COM O AUMENTO DO NIVEL DE ESCOLARIDADE E DE

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

contribuir para ocultar a descida real do poder de compra dos salários e das pensões de reforma em Portugal contribui para que continue.

contribuir para ocultar a descida real do poder de compra dos salários e das pensões de reforma em Portugal contribui para que continue. RESUMO A actual crise financeira, que começou nos EUA, um país apresentado durante muito tempo pelo pensamento económico neoliberal dominante em Portugal, nomeadamente a nível dos media, como exemplo a

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Pergunta. Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015.

Pergunta. Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015. Pergunta Destinatário: Senhora Ministra de Estado e das Finanças Assunto: Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015. Exma. Senhora

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

Relatório Anual de Atividades

Relatório Anual de Atividades Direção de Serviços de Recrutamento e Assuntos do Serviço Militar DIVISÃO DE ASSUNTOS DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Centro de Informação e Orientação para a Formação e o Emprego Relatório Anual

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

COMO SE CALCULA A PENSÃO DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL E A REFORMA ANTECIPADA NO CASO DE DESEMPREGO DE LONGA DURAÇÃO.

COMO SE CALCULA A PENSÃO DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL E A REFORMA ANTECIPADA NO CASO DE DESEMPREGO DE LONGA DURAÇÃO. Um instrumento para ajudar cada trabalhador a gerir a sua pensão de reforma e a escolher a data adequada Pág 1 COMO SE CALCULA A PENSÃO DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL E A REFORMA ANTECIPADA NO CASO DE

Leia mais

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Reciclagem de Veículos em Fim de Vida (VFV) rumo a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Tópicos Empresa Sistema

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES

INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE Direcção

Leia mais

SIADAP 3 AT Serviços Tributários. Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras

SIADAP 3 AT Serviços Tributários. Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras SIADAP 3 AT Serviços Tributários Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras I - Reclamação - Artigo 51º da Portaria n.º 437-B/2009, de 24.04 A Reclamação deve ser apresentada terminada a fase de

Leia mais

18 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

18 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL 18 Perguntas e respostas sobre a reforma da Segurança Social Pág. 1 18 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL A REFORMA DO PS E A DO PPD/CDS E MEDIDAS ALTERNATIVAM QUE EVITARIAM A REDUÇÃO

Leia mais

Trabalho extraordinário em Portugal é já mais barato que trabalho realizado dentro do horário normal de trabalho

Trabalho extraordinário em Portugal é já mais barato que trabalho realizado dentro do horário normal de trabalho O AUMENTO DA EXPLORAÇÃO DO TRABALHO EM PORTUGAL: a remuneração por trabalho extraordinário é já inferior à remuneração de trabalho realizado durante o horário normal de trabalho, e os trabalhadores da

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.16) PROPRIEDADE

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 2

PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 2 PPP O que são e quais as suas consequências para o SNS e para os portugueses Pág. 1 PARCERIAS PUBLICO-PRIVADAS (PPP) NA SAÚDE :- O que são, e quais são as suas consequências para o Serviço Nacional de

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

Breve análise das despesas em software na Administração Pública Portuguesa

Breve análise das despesas em software na Administração Pública Portuguesa Breve análise das despesas em software na Administração Pública Portuguesa Janeiro de 2012 Índice 1 Introdução...3 2 Gastos crescentes...3 3 Despesas ocultas...3 4 Gastos maiores que orçamentos...3 5 Distribuição

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES O Novo Regime Jurídico do Sector Empresarial Local O novo regime jurídico do sector empresarial

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

Orçamento de Estado 2015

Orçamento de Estado 2015 Orçamento de Estado 2015 Programa Orçamental da Saúde 03 de novembro de 2014 Orçamento da saúde Evolução do Orçamento do SNS Evolução do Orçamento do SNS Indicador OE 2014 OE 2015 Variação em pp. Despesa

Leia mais

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1

OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE2011: Um orçamento que vai destruir a economia e que ataca quem trabalha e os pensionistas Pág. 1 OE20111- Um orçamento que vai destruir ainda mais a economia e agravar as desigualdades e as dificuldades

Leia mais

de Trabalho e Segurança Social da Assembleia da República realizado em 17.4.2007 Eugénio Rosa - Economista

de Trabalho e Segurança Social da Assembleia da República realizado em 17.4.2007 Eugénio Rosa - Economista Banco de Portugal abandonou a independência e o rigor técnico a que está obrigado Pág. 1 BANCO DE PORTUGAL ABANDONOU INDEPENDÊNCIA E RIGOR TECNICO A QUE ESTÁ OBRI- GADO E ENTROU NA CAMPANHA PARA BAIXAR

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

1. Passo-a-passo para validar as despesas no E-fatura. A partir deste ano, o contribuinte pode consultar on-line todas as deduções que

1. Passo-a-passo para validar as despesas no E-fatura. A partir deste ano, o contribuinte pode consultar on-line todas as deduções que Guia IRS 2015 E-Factura 1. Passo-a-passo para validar as despesas no E-fatura A partir deste ano, o contribuinte pode consultar on-line todas as deduções que vão constar no seu IRS referente ao ano de

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES POR INTERNET INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES POR INTERNET INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO DECLARAÇÃO DE REMUNERAÇÕES POR INTERNET INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático de Declaração de Remunerações por Internet (2027 V4.14) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

Organização Curricular em Educação Física

Organização Curricular em Educação Física Organização Curricular em Educação Física Análise dos dados relativos à Organização Curricular em Educação Física para o ano letivo 2012/2013. Estudo desenvolvido pelo Conselho Nacional de Associações

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto B O C C I A REGULAMENTAÇÃO GERAL NACIONAL 2008/2009 1 INTRODUÇÃO Todos os intervenientes em competições de zona e nacionais, acções de formação e classificação médico - desportiva, deverão reger-se pelos

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA:

PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: Vejam quais são as principais questões que envolvem o Novo Regime de Tributação e esclareçam suas dúvidas. 1) Como era o tratamento tributário

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA - APOIO AO EMPREGO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS INTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva - Apoio ao emprego

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 40/08 de 2 de Julho Considerando que o desenvolvimento da Protecção Social Obrigatória deve corresponder, em certa medida, ao contexto económico e

Leia mais

Assunto: Ciclo de Formação Contratual Complementar SIFARMA 1º Semestre 2011

Assunto: Ciclo de Formação Contratual Complementar SIFARMA 1º Semestre 2011 SINTRA, 31 de Janeiro de 2011 Assunto: Ciclo de Formação Contratual Complementar SIFARMA 1º Semestre 2011 Exmos. Srs. Ao abrigo da cláusula 13ª do contrato de assistência técnica, vimos por este meio sugerir-lhe

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS Decreto-Lei 54-A/99, de 22 de Fevereiro Lei 162/99, de 14 de Setembro Decreto-Lei 315/2000, de 2 de Dezembro Decreto-Lei 84-A/2002, de 5 de Abril Subgrupo de Apoio

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva Medida

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.3)

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos 2 Introdução Com base em indicadores estatísticos disponibilizados pelo

Leia mais

Sessão de Encerramento da Campanha Nacional Contra o Trabalho Não Declarado

Sessão de Encerramento da Campanha Nacional Contra o Trabalho Não Declarado Sessão de Encerramento da Campanha Nacional Contra o Trabalho Não Declarado Lisboa 7 de Abril de 2015 O FENÓMENO DO TRABALHO NÃO DECLARADO A CCP partilha da opinião, expressa num recente parecer do Comité

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Considerando que pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela sua Direcção dos serviços Técnicos, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 43.º,da lei

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

Manual do utilizador da aplicação. MaisCondominio

Manual do utilizador da aplicação. MaisCondominio da aplicação MaisCondominio Este software destina-se a ser usado tanto por quem administra, apenas, um condomínio, como pelos profissionais, que administram vários condomínios. O MaisCondominio caracteriza-se

Leia mais

UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011

UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011 UNIOESTE CCET Colegiado de Matemática XXV Semana Acadêmica da Matemática 15 a 19 de Agosto de 2011 Entendendo as mordidas do leão como funciona o cálculo do imposto de renda Profa. Raquel Lehrer Todos

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos Avaliação dos Serviços Online Municipais e-municípios 2009 2 3 A. Metodologia 5 6 Serviços a avaliar Feiras e mercados Taxas municipais Certidão para efeitos de IMI Consulta de informação georreferenciada

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO

FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO 17 de outubro de 2013 FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO LEI N.º 70/2013, DE 30 DE AGOSTO 1. ASPETOS GERAIS: O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS FUNDOS DE COMPENSAÇÃO DO TRABALHO A Lei n.º 70/2013, de 30 de

Leia mais

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Diário de noticias, por Hugo Filipe Coelho 17-10-11 Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Dinheiro público. PSD e CDS

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais