Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

2 Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída pelos sócios da AIP-CE e um conjunto de empresas obtido de forma aleatória, tendo em conta a dimensão e sector de actividade das empresas. Na análise dos resultados utilizaram-se quatro sub-conjuntos, de acordo com a dimensão das empresas micro, pequenas, médias e grandes empresas. Estes sub-conjuntos foram obtidos com base no cruzamento da informação prestada pelas empresas relativamente ao seu volume de emprego e volume de negócios, seguindo os valores indicados pela Recomendação da Comissão Europeia para a definição de PME. Note-se que, segundo esta Recomendação existe ainda o critério da independência que não foi considerado na construção das classes de dimensão referidas. Este Inquérito foi realizado por via electrónica em Fevereiro de 2009 e os resultados que se apresentam referem-se às respostas de 503 empresas. 1

3 Recurso ao Crédito Cerca de 93% das empresas que responderam ao Inquérito referem recorrer normalmente ao crédito. Por classes de dimensão das empresas, é nas pequenas empresas que se regista o maior peso relativo no uso do crédito (97% das empresas), +9 p.p. do que nas micro empresas. Gráfico I Empresas Recurso ao crédito 94,0% 7,0% 93,0% 6,0% Sim Não crédito bancário outro No conjunto das empresas que recorrem normalmente ao crédito, o crédito bancário é predominante, sendo referido por 94% das empresas. Cerca de 2/3 das empresas que recorrem ao crédito, referem utilizar o leasing e cerca de 1/5 recorrem ao factoring. O recurso a outras formas de crédito é mencionado por 26% das empresas, sendo mais significativo nas médias (29%) e grandes empresas (41%). No que respeita ao crédito bancário são, também, as pequenas empresas que referem uma maior utilização (97%) registando-se nas micro empresas um valor relativamente inferior (91%). 2

4 Gráfico II Empresas Recurso ao crédito por formas de crédito 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% "Micro" "Pequenas" "Médias" "Grandes" Nº médio de formas de crédito "Micro" 1,6 "Pequenas" 2,1 "Médias" 2,3 "Grandes" 2,3 Crédito Bancário Leasing Factoring Outros O leasing tem um peso significativo nas médias (76%) e nas pequenas empresas (71%), valores muito acima do constatado nas micro empresas (47%). Nas grandes empresas que responderam ao inquérito, o recurso do leasing é referido por 65% das empresas. O factoring é referido por 30% de médias e 27% de grandes empresas. Nas pequenas empresas é mencionado por 18%, não tendo significado nas micro empresas. No recurso ao crédito bancário, a conta caucionada e os empréstimos a médio e longo prazo são as formas de obtenção de crédito mais referido pelas empresas. A conta caucionada é mencionada por 88% das pequenas e por 85% das médias empresas. A utilização da conta caucionada é ainda referida por 71% das grandes e 69% das micro empresas. 3

5 Gráfico III Empresas Recurso ao crédito bancário por tipos de crédito 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% "Micro" "Pequenas" "Médias" "Grandes" Conta Caucionada Descoberto Bancário Desconto Comercial Emprést.Curto Prazo Emprést.Médio/Longo Prazo No recurso a empréstimos a médio e longo prazo, as diferenças entre pequenas, médias e grandes empresas não são muito significativas, situando-se na casa dos 60/66%, sendo o seu peso nas micro empresas bastante inferior (47%). Os empréstimos a curto prazo têm um maior peso relativo nas grandes empresas (50%), sendo referidos cerca de 1/3 das médias e micro empresas. O descoberto bancário é mencionado, essencialmente pelas grandes empresas (62%), registando valores entre os 13% e os 21% nas restantes classes de dimensão. O recurso ao crédito pelo desconto comercial é referido principalmente pelas médias (40%) e pequenas empresas (36%). Nas micro e grandes empresas este tipo de crédito é referido por cerca de 1/5 das empresas. 4

6 Acesso ao crédito Cerca de 53% das empresas que responderam ao Inquérito consideram sentir dificuldade no acesso ao crédito. Este indicador regista o maior valor nas micro empresas (59%) e é semelhante nas pequenas e médias empresas com, respectivamente, 54% e 52%. No caso das grandes empresas a dificuldade no acesso ao crédito é referida por 44% das empresas. Gráfico IV Empresas Dificuldade de acesso ao crédito 100% 80% 41% 46% 48% 56% 60% 40% 20% 59% 54% 52% 44% 0% "Micro" "Pequenas" "Médias" "Grandes" Sim Não Cerca de 60% das empresas que responderam ao Inquérito ao Crédito também tinham respondido ao Inquérito à Actividade Empresarial, realizado em Junho 2008, pelo que é possível construir uma amostra com as empresas que responderam aos dois inquéritos. Considerando esta amostra comum constata-se que o peso das empresas que referem ter dificuldades no acesso 5

7 ao crédito aumentou nos últimos 7 meses de 22% para 45%, ou seja, mais 23 p.p.. Restritividade no acesso ao crédito Cerca de 2/3 das empresas que responderam ao Inquérito consideram que desde Julho de 2008 o acesso ao crédito bancário está mais restritivo. De notar, que neste caso não se verificam grandes disparidades na avaliação das empresas consoante a sua dimensão. Nas médias empresas regista-se uma avaliação menos negativa, mas a avaliação feita pelas micro, pequenas e grandes empresas é semelhante. Gráfico V Empresas Restritividade no acesso ao crédito bancário, segundo a dimensão da empresa "Micro" "Pequenas" "Médias" "Grandes" 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Mais restritivo Sem alterações significativas 6

8 A amostra comum ao IAE-08, referida no ponto anterior, mostra que o peso das empresas que consideram o acesso ao crédito como mais restritivo, entre Junho de 2008 e Fevereiro de 2009, aumentou 26 p.p.. Alteração às condições de crédito Cerca de 57% das empresas referem ter recebido da Banca comunicação visando alterações relativamente aos seus créditos. O peso relativo das empresas que referem este facto cresce com a dimensão da empresa, 31% no caso das micro e 71% nas grandes empresas. De notar que, considerando os 6 tipos de crédito bancário referentes no Inquérito, o valor médio por empresa, de recurso a estes tipos de crédito, cresce com a dimensão das empresas (em média cerca de 2 tipos de crédito nas micro e de 3 tipos de crédito nas grandes ). Gráfico VI Empresas Comunicação da Banca de alterações aos créditos 100% 80% 60% 69% 42% 32% 30% 43% 40% 58% 68% 70% 57% 20% 31% 0% "Micro" "Pequenas" "Médias" "Grandes" Total das Empresas Sim Não 7

9 A alteração ao crédito mais referida pelas empresas é o aumento das comissões, referido por 86% das empresas que referem ter recebido da Banca alterações às condições de crédito. A limitação na capacidade de aumento de crédito e a maior exigência quanto às garantias solicitadas são referidas por, respectivamente, 39% e 36% das empresas em causa. A necessidade de amortização total ou parcial é mencionada por cerca de 1/5 das empresas, tendo um peso relativo reduzido (7% das empresas) a alteração encurtamento da maturidade de novos contratos. As diferenças neste campo, em termos de dimensão das empresas, não parecem ser muito significativas. Gráfico VII Empresas Alterações às condições de crédito 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% "Micro" "Pequenas" "Médias" "Grandes" Total das Empresas Limitação da capacidade de crédito Maturidade de novos Contratos Maior exigência de garantias Amortização Maiores comissões 8

10 Necessidade de crédito bancário em 2009 Cerca de 55% das empresas prevêem que as suas necessidades de crédito em 2009 serão idênticas às verificadas em Cerca de 1/3 das empresas consideram ter maior necessidade de crédito em Gráfico VIII Empresas Necessidades de crédito em 2009 (face a 2008) 120% 100% 80% 33% 34% 35% 28% 60% 40% 47% 54% 54% 67% 20% 0% 20% 12% 11% 5% "Micro" "Pequenas" "Médias" "Grandes" Menor Idêntico Maior Situação Financeira A situação financeira das empresas é avaliada como normal por 45% das empresas. Cerca de 39% das empresas consideram a sua situação financeira como má ou muito má e 16% como boa ou muito boa. A avaliação da situação financeira, por parte das empresas, varia significativamente com a dimensão das próprias empresas. Mais de metade (52%) das micro empresas considera a sua situação financeira como má ou 9

11 muito má, valor que baixa para 1/3 nas médias empresas e para cerca de 1/6 nas grandes empresas. Gráfico IX Empresas Avaliação (1) da Situação Financeira 16% 39% 45% Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa (1) Pela própria empresa Gráfico X Empresas Avaliação (1) da Situação Financeira, segundo a dimensão da empresa "Micro" 52% 40% 8% "Pequenas" 45% 46% 9% "Médias" 33% 45% 22% "Grandes" 15% 51% 34% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa (1) Pela própria empresa 10

12 É notória uma deterioração na avaliação que as empresas fazem da sua situação financeira em relação ao IAE realizado em Junho de A amostra comum aos dois inquéritos mostra uma deterioração de 19 p.p. no peso relativo das empresas que consideram a sua situação financeira como má ou muito má. 11

13 ANEXO I Quadros de Resultados 12

14 1 Situação financeira Quadro I Empresas Situação financeira actual, segundo a dimensão da empresa Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa Total das Empresas 39,0% 45,0% 16,0% Micro Empresas 52,0% 40,0% 8,0% Pequenas Empresas 45,0% 46,0% 9,0% Médias Empresas 33,0% 45,0% 22,0% Grandes Empresas 15,0% 51,0% 34,0% 2 Recurso ao Crédito Quadro II Empresas Recurso ao Crédito, segundo a dimensão da empresa Não Sim Total das Empresas 6,8% 93,2% Micro Empresas 11,9% 88,1% Pequenas Empresas 2,7% 97,3% Médias Em presas 6,6% 93,4% Grandes Empresas 8,7% 91,3% Quadro III Empresas Recurso ao Crédito por formas de crédito, segundo a dimensão da empresa Crédito Bancário Leasing Factoring Outros Total das Empresas 94,0% 66,5% 19,2% 25,9% Micro Empresas 90,6% 46,9% 3,1% 22,9% Pequenas Empresas 96,6% 70,6% 17,5% 19,8% Médias Empresas 93,8% 75,8% 30,5% 28,9% Grandes Empresas 92,1% 65,1% 27,0% 41,3% 13

15 Quadro IV Empresas Recurso ao Crédito por tipos de crédito bancário, segundo a dimensão da empresa Conta Caucionada Descoberto Bancário Desconto Comercial Empréstimos Curto Prazo Empréstimos Médio/Longo Prazo Total das Empresas 80,9% 22,7% 32,3% 35,9% 62,5% Micro Empresas 69,0% 17,2% 20,7% 31,0% 47,1% Pequenas Empresas 88,3% 12,9% 36,3% 26,9% 63,7% Médias Empresas 85,0% 20,8% 40,0% 45,8% 70,0% Grandes Empresas 70,7% 62,1% 20,7% 50,0% 65,5% Quadro V Empresas Dificuldade de Acesso ao Crédito, segundo a dimensão da empresa Não Sim Total das Empresas 46,8% 53,2% Micro Empresas 40,9% 59,1% Pequenas Empresas 46,0% 54,0% Médias Empresas 48,0% 52,0% Grandes Empresas 55,7% 44,3% Quadro VI Empresas Restritividade no Acesso ao Crédito, segundo a dimensão da empresa Mais restritivo Sem alterações significativas Total das Empresas 66,2% 33,8% Micro Empresas 67,1% 32,9% Pequenas Empresas 68,6% 31,4% Médias Empresas 60,2% 39,8% Grandes Empresas 69,6% 30,4% 14

16 Quadro VIII Empresas Comunicação da Banca de alteração aos Créditos, segundo a dimensão da empresa Não Sim Total das Empresas 42,8% 57,2% Micro Empresas 68,6% 31,4% Pequenas Empresas 42,1% 57,9% Médias Empresas 31,7% 68,3% Grandes Empresas 29,3% 70,7% Quadro IX Empresas Tipos de alterações aos Créditos, segundo a dimensão da empresa Limitação da cap. de Crédito Amortização Maturidade de novos contratos Maiores comissões Maior exigência de garantias Total das Empresas 39,0% 20,3% 6,8% 85,7% 36,3% Micro Empresas 44,4% 22,2% 11,1% 70,4% 44,4% Pequenas Empresas 38,4% 23,2% 4,0% 88,9% 38,4% Médias Empresas 36,6% 20,7% 6,1% 87,8% 37,8% Grandes Empresas 41,5% 12,2% 12,2% 82,9% 24,4% Quadro X Empresas Necessidades de Crédito em 2009 (face a 2008), segundo a dimensão da empresa Menor Idêntico Maior Total das Empresas 12,4% 54,5% 33,1% Micro Empresas 19,5% 47,1% 33,3% Pequenas Empresas 12,4% 54,1% 33,5% Médias Empresas 11,1% 53,8% 35,0% Grandes Empresas 5,3% 66,7% 28,1% 15

17 ANEXO II Caracterização da Amostra 16

18 Quadro A Empresas por a dimensão, segundo o volume de emprego e volume de vendas Volume de Emprego Volume de Vendas Total 100,0% Total 100,0% Menos de 10 Trabalhadores 24,3% até 2 milhões euros 43,0% de 10 a 19 " 17,3% de 2 a 4,9 milhões euros 17,5% de 20 a 49 " 20,3% de 5 a 9,9 milhões euros 11,6% de 50 a 249 " 26,0% de 10 a 24,9 milhões de euros 12,9% + de 250 " 12,1% de 25 a 49,9 milhões de euros 5,0% + de 50 milhões de euros 10,0% Quadro B Empresas, segundo a região Distritos e Regiões Autónomas NUTS II Aveiro 8,3% Norte 24,5% Beja 1,2% Braga 5,6% Bragança 0,4% Centro 25,4% Castelo Branco 4,4% Coimbra 2,4% Évora 1,4% Lisboa 41,6% Faro 2,2% Guarda 1,6% Leiria 10,3% Alentejo 5,6% Lisboa 27,8% Portalegre 2,4% Porto 12,1% Algarve 2,2% Santarém 7,0% Setúbal 7,2% Viana do Castelo 1,2% Açores 0,2% Vila Real 2,0% Viseu 1,8% Açores 0,2% Madeira 0,6% Madeira 0,6% 17

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Boletim Estatístico Dezembro 2014 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. PROCESSOS E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO DE SOBRE-ENDIVIDAMENTO... 3 1.1. Processos e Pedidos de Informação de Sobre-endividamento

Leia mais

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE ESTUDO DOS DADOS DOS FARMACÊUTICOS Consulta à base de dados da Ordem dos Farmacêuticos a 31-12-213 7 MARÇO 214 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O FARMACÊUTICOS

Leia mais

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS DE CLASSIFICAÇÃO 24.06.2011 6ª. FEIRA Jogo nº 01 - VIANA CASTELO / AVEIRO Jogo nº 02 - HORTA / LISBOA Alcanena Jogo nº 03 - PONTA DELGADA / BRAGANÇA T.Novas Jogo nº

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Reciclagem de Veículos em Fim de Vida (VFV) rumo a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Tópicos Empresa Sistema

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - Ano de 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

Apoio à Internacionalização das Empresas

Apoio à Internacionalização das Empresas Apoio à Internacionalização das Empresas 26 de Novembro de 2009 Apoio à internacionalização das empresas Moçambique: Dados Gerais O Sector Financeiro em Moçambique O Grupo Caixa Geral de Depósitos Soluções

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO 1. Objectivo Estratégico : 1º. Banco das melhores PME Porto, 20 de Outubro de 2008 Luís Rego Direcção de Empresas Norte 1 2 Segmentação de Empresas Clientes e Redes Clientes

Leia mais

Organização Curricular em Educação Física

Organização Curricular em Educação Física Organização Curricular em Educação Física Análise dos dados relativos à Organização Curricular em Educação Física para o ano letivo 2012/2013. Estudo desenvolvido pelo Conselho Nacional de Associações

Leia mais

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos Avaliação dos Serviços Online Municipais e-municípios 2009 2 3 A. Metodologia 5 6 Serviços a avaliar Feiras e mercados Taxas municipais Certidão para efeitos de IMI Consulta de informação georreferenciada

Leia mais

Percurso lógico para a criação de uma empresa:

Percurso lógico para a criação de uma empresa: Percurso lógico para a criação de uma empresa: [3] Formas jurídicas de criar um negocio: Os negócios desenvolvidos por uma pessoa poderão ter a forma jurídica de Empresário em Nome Individual, Estabelecimento

Leia mais

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

Informação relevante sobre o recurso ao Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial - SIREVE

Informação relevante sobre o recurso ao Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial - SIREVE Informação relevante sobre o recurso ao Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial - SIREVE Desde o início de operacionalização do SIREVE até 30 de junho de 2015, 504 empresas apresentaram

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Síntese Informativa. dezembro 2014

Síntese Informativa. dezembro 2014 Informação relevante sobre o desempenho do Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial - SIREVE [sistema criado pelo Decreto Lei 178/2012, de 3 de agosto] Desde o início de implementação do

Leia mais

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00 Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015 1. Calendário Federativo Nacional Data Dia da Semana Evento Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Tema: Vítimas com Necessidades Específicas Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Investigador: Miguel Rodrigues miguel.ol.rodrigues@hotmail.com

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍ ÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011

Leia mais

Perfil sociodemográfico Real delivery Painel IR % Total painelistas: 10.382 90,7% Sexo Homem 4.231

Perfil sociodemográfico Real delivery Painel IR % Total painelistas: 10.382 90,7% Sexo Homem 4.231 1 / 14 Painel de Banca Portugal Características Tamanho painel (ISO): 32.637 Pessoas perfiladas (ISO): 11.557 Taxa de resposta estimada (ISO): 41% Atualizado: 15/12/2014 Tamanho (ISO): o número de participantes

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

SIADAP 3 AT Serviços Tributários. Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras

SIADAP 3 AT Serviços Tributários. Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras SIADAP 3 AT Serviços Tributários Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras I - Reclamação - Artigo 51º da Portaria n.º 437-B/2009, de 24.04 A Reclamação deve ser apresentada terminada a fase de

Leia mais

RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO

RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO Foram entregues 328 inquéritos dos quais foram validados 309. Os inquéritos validados possuem a seguinte distribuição: Famílias com menos de 5 anos 10 Famílias entre

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 45/2012 Auto-Sueco / Grupo Master Test Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 50.º da Lei n.º 19/2012, de 8 de maio] 9/11/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO 30 de dezembro de 2011 Linhas PME Investe Sector do Turismo Características Gerais e Condições de Financiamento - Linhas Específicas do Sector do Turismo - PME INVESTE

Leia mais

ESTATÍSTICAS APAV VIOLÊNCIA SEXUAL 2012 WWW.APAV.PT/ESTATISTICAS

ESTATÍSTICAS APAV VIOLÊNCIA SEXUAL 2012 WWW.APAV.PT/ESTATISTICAS ESTATÍSTICAS APAV VIOLÊNCIA SEXUAL 2012 WWW.APAV.PT/ESTATISTICAS índice - introdução 2 - vítima 3 - autor(a) do crime 9 - vitimação 14 - crianças vítimas de violência sexual 20 1 introdução A violência

Leia mais

INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017

INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017 INSOLVÊNCIAS - 1º SEMESTRE 2017 OBSERVATÓRIO INFOTRUST INSOLVÊNCIAS e PER 1º SEMESTRE 2017 INDICE Análise - comparativos Insolvências Empresas Comparativo Geográfico 1º Semestre / Períodos Homólogos Insolvências

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 LINHA DE CRÉDITO PARA ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR COM GARANTIA MÚTUA ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 Comissão de Acompanhamento 29 de Maio de 2008 Introdução, e principais conclusões Este documento

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika

Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika I Congresso Internacional A Economia Social nos Desafios do Séc. XXI Estoril 29 de Junho de 2013 Economia Social Portuguesa: Papel no Pós Troika Quem Somos? CONFAGRI Confederação de Cooperativas Enquadramento

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ )

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) Patrocínio O que o sector da

Leia mais

Nesta operação de Inquérito recensearam-se investigadores, num total de pessoas a trabalhar em actividades de I&D.

Nesta operação de Inquérito recensearam-se investigadores, num total de pessoas a trabalhar em actividades de I&D. RECURSOS HUMANOS EM I&D IPCTN 1999 Os recursos humanos em actividades de I&D Nesta operação de Inquérito recensearam-se 28.375 investigadores, num total de 36.872 pessoas a trabalhar em actividades de

Leia mais

Relatório Anual de Atividades

Relatório Anual de Atividades Direção de Serviços de Recrutamento e Assuntos do Serviço Militar DIVISÃO DE ASSUNTOS DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Centro de Informação e Orientação para a Formação e o Emprego Relatório Anual

Leia mais

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto B O C C I A REGULAMENTAÇÃO GERAL NACIONAL 2008/2009 1 INTRODUÇÃO Todos os intervenientes em competições de zona e nacionais, acções de formação e classificação médico - desportiva, deverão reger-se pelos

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001

SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 Informação à Comunicação Social 28 de Dezembro de 2001 SISTEMA DE INDICADORES DE PREÇOS NA CONSTRUÇÃO E HABITAÇÃO - Novas Estatísticas Oficiais 1º Semestre de 2001 O INE dá início à difusão de estatísticas

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2011

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS www.inatel.pt FUNDAÇÃO INATEL TURISMO PARA TODOS PORTUGAL 2013 Desde 267 INCLUI: TRANSPORTE TERRESTRE + 5 NOITES ALOJAMENTO, REFEIÇÕES, PASSEIOS, ANIMAÇÃO E SEGURO. Descubra o que Portugal tem de melhor

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME Ana Rosas Ana.rosas@iapmei.pt FINANCIAMENTO Ciclo de Vida das Empresas FINICIA FINCRESCE FINTRANS FINANCIAMENTO FINICIA Projectos de Forte Conteúdo

Leia mais

ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS GRUPO 1 CURSOS REGISTADOS E ANALISADOS PELA ANET, CONSIDERADOS HABILITANTES PARA A REALIZAÇÃO DE TODOS OS ACTOS DA ESPECIALIDADE CURSOS REGISTADOS -GRUPO

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Universidade dos Açores 0110 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável Conta Corrente Caucionada Conta Corrente Caucionada Conta Gestão de Tesouraria Linhas de Crédito Protocoladas Protocolo Turismo de

Leia mais

BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt. Edição Departamento de Estatística

BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt. Edição Departamento de Estatística BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística Capa DSADM Serviço de Edições e Publicações Impressão DSADM Serviço de Edições e Publicações

Leia mais

PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS

PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS SEF - North Address Available from: CNAI do Porto Rua do Pinheiro, n.º 9 4050-484 Porto

Leia mais

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 -

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas de Mediação Imobiliária Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

S. R. Direcção-Geral ldo Tesouro e Finanças SIIE. 30 de Junho de 2009

S. R. Direcção-Geral ldo Tesouro e Finanças SIIE. 30 de Junho de 2009 S. R. Direcção-Geral ldo Tesouro e Finanças SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS IMÓVEIS DO ESTADO SIIE 30 de Junho de 2009 I. Introdução II. SIIE Adesão III. SIIE Registo de Dados IV. Caracterização Geral do Património

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável Conta Corrente Caucionada Conta Corrente Caucionada IVA Advance Conta Gestão de Tesouraria Linha Banif FEI PME SMC Linhas de Crédito

Leia mais

INICIADOS FEMININOS - S14F

INICIADOS FEMININOS - S14F INICIADOS FEMININOS - S14F 1º 2º 3º 10º 11º 12º 5º 6º 4º 14º 15º 13º 9º 7º 8º 18º 16º 17º Aveiro Porto Açores Leiria Setúbal Vila Real Lisboa Madeira Coimbra C. Branco Viseu Braga Viana do Castelo Santarém

Leia mais

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Metodologia Dimensão da amostra Datas das entrevistas Margem de erro Idioma das entrevistas 1,000 Brasileiros adultos 23 Novembro

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável Conta Corrente Caucionada Conta Corrente Caucionada IVA Advance Conta Gestão de Tesouraria Linha Banif FEI PME Euribor 1M, 3M, 6M,

Leia mais

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL Dados referentes ao período de Janeiro a Dezembro de 2008 Edição revista DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE

Leia mais

CONTACTOS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA EQUIPA PARLAMENTO DOS JOVENS. Marlene Viegas Freire Coordenadora. Maria Cecília Themudo Barata Assessora

CONTACTOS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA EQUIPA PARLAMENTO DOS JOVENS. Marlene Viegas Freire Coordenadora. Maria Cecília Themudo Barata Assessora CONTACTOS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA EQUIPA PARLAMENTO DOS JOVENS Marlene Viegas Freire Coordenadora Maria Cecília Themudo Barata Assessora Paula Faria Assessora Maria Manuela Matos Técnica de Apoio Parlamentar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Centros de medicina desportiva do Instituto Nacional do Desporto... 2 Organização... 2 Colaboração com outras entidades... 2 Formação e Investigação... 3 Exames de

Leia mais

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA 1. Encontra se concluída a colocação na primeira fase do 39.º concurso nacional de acesso, tendo sido admitidos,

Leia mais

LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DREN: Escola Profissional de Fermil Celorico de Basto Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Carvalhais /Mirandela

Leia mais

1. PROCESSO COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11.06.2014 C(2014) 3576 final

1. PROCESSO COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11.06.2014 C(2014) 3576 final COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.06.2014 C(2014) 3576 final VERSÃO PÚBLICA O presente documento é um documento interno da Comissão disponível exclusivamente a título informativo. ASSUNTO: AUXÍLIO ESTATAL

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM José Fernando Figueiredo Presidente do Conselho de Administração Sessão PRIME - Lisboa 4 Fevereiro 2010 POTENCIAR MECANISMOS DO MERCADO... Poupança 2 ... AO LONGO DO

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7264 - Corte e Tecnologia de Carnes 541 - Indústrias es Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7109 -

Leia mais

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA 1 GERAÇÃO DEPOSITRÃO Recolha de equipamentos e pilhas em fim de vida 603 Eco-Escolas nacionais Escolas = pontos

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

RELATÓRIO FRANCHISING

RELATÓRIO FRANCHISING RELATÓRIO FRANCHISING ESTUDO DO PERFIL E SATISFAÇÃO DO FRANCHISADO EM PORTUGAL JULHO 2013 Índice ENQUADRAMENTO... 3 METODOLOGIA (FICHA TÉCNICA)... 4 ANÁLISE DE RESULTADOS... 5 CARACTERIZAÇÃO DO FRANCHISADO...

Leia mais

01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO

01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO NÚMERO 07/2014 DATA 16/09/2014 TÍTULO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2014 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2014 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO

Leia mais