Organização Curricular em Educação Física

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização Curricular em Educação Física"

Transcrição

1 Organização Curricular em Educação Física Análise dos dados relativos à Organização Curricular em Educação Física para o ano letivo 2012/2013. Estudo desenvolvido pelo Conselho Nacional de Associações de Professores e Profissionais de Educação Física e pela Sociedade Portuguesa de Educação Física. Novembro de 2012 Nuno Fialho 1

2 Objectivo do estudo Descrever o modo como o Decreto de lei n.º 139/2012 de 5 julho interferiu na organização da carga horária da Educação Física nas escolas de 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico e no Ensino Secundário. 2

3 Questões orientadoras do estudo 1.! Comparativamente com o ano letivo 2011/2012, quantas escolas que lecionam os 2º e 3º ciclos do Ensino Básico e o Ensino Secundário mantiveram, diminuíram ou aumentaram o tempo letivo atribuído à Educação Física para o ano letivo 2012/2013? 2.! Como é que a manutenção, diminuição ou aumento da carga horária em determinado ciclo se relaciona com a organização da carga horária em tempos de 45 ou 50 minutos? 3.! Como é que a manutenção, diminuição ou aumento da carga horária em determinado ciclo de escolaridade se relaciona com a organização da carga horária nos ciclos ou níveis de ensino anteriores e seguintes. 3

4 Responderam ao questionário mais de 700 professores Dessas respostas foram eliminadas cerca de 100 entradas por corresponderem a duplicações (professores da mesma escola ou agrupamento de escolas) Até ao dia 17/10/ respostas válidas ao questionário online 4

5 Distribuição das respostas a nível nacional Nº de escolas por Direção Regional Gráfico 1 DRE da Madeira DRE dos Açores DRE do Norte DRE do Centro DRE de Lisboa e Vale do Tejo DRE do Algarve DRE do Alentejo

6 Distribuição das respostas a nível nacional Nº de escolas por Distrito Gráfico 2 Região da Madeira Região dos Açores Viseu Vila Real Viana Castelo Setúbal Santarém Porto Portalegre Lisboa Leiria Guarda Faro Évora Coimbra Castelo Branco Bragança Braga Beja Aveiro

7 Mudanças na distribuição da tempo dedicado à EF para 2012/2013. Os Gráficos 3 e 4 indicam, a partir da referência do ano letivo 2011/2012, e por ano letivo, as escolas (em número total e em percentagem) que mantiveram, aumentaram ou diminuíram os minutos dedicados à Educação Física. Os Gráficos 5 e 6 indicam, a partir da referência do ano letivo 2011/2012, e tendo em conta todos os anos de escolaridade integrados em cada ciclo e nível de ensino estudado, as escolas (em número total e em percentagem) que: mantiveram os minutos dedicados à Educação Física em todos os anos do ciclo ou nível de ensino. aumentaram em qualquer um dos anos do ciclo ou nível de ensino os minutos dedicados à Educação Física, desde que nos restantes anos não tenha havido qualquer diminuição. diminuíram em qualquer um dos anos do ciclo ou nível de ensino os minutos dedicados à Educação Física. 7

8 Mudanças na distribuição do tempo dedicado à EF para 2012/2013 Gráfico 3 - N.º total de escolas Mantiveram Aumentaram Diminuiram º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 8

9 Mudanças na distribuição da tempo dedicado à EF para 2012/2013 Gráfico 4 - Percentagem de escolas 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% Mantiveram Aumentaram Diminuiram 88,8% 88,3% 87,5% 89,1% 88,6% 87,9% 88,0% 88,3% 20,0% 10,0% 0,0% 10,7% 10,7% 9,3% 11,8% 11,4% 10,7% 7,6% 6,2% 3,2% 3,3% 0,5% 1,0% 5,3% 0,3% 0,6% 1,0% 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 9

10 Mudanças na distribuição da tempo dedicado à EF para 2012/2013 Gráfico 5 e 6 - N.º de escolas e percentagem por ciclo de escolaridade Mantiveram Aumentaram Diminuiram º ciclo (5º+6º anos) 3º ciclo (7º+8º+9º anos) Secundário (10º+ 11º +12ºanos) 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% Mantiveram Aumentaram Diminuiram 88,5% 88,0% 87,5% 10,3% 1,2% 2º ciclo (5º+6º anos) 3º ciclo (7º+8º+9º anos) 9,8% 11,8% 2,1% 0,7% Secundário (10º+ 11º +12ºanos) 10

11 Nas escolas com 2º ciclo do Ensino Básico em que houve manutenção, como ficou organizada a carga horária na Educação Física? Gráfico 7 Organização curricular da EF nas escolas com 2º ciclo do EB em que houve manutenção da carga horária. N.º de escolas representadas no gráfico 362 Leia-se percentagem de escolas (eixo do y) e organização da carga horária (eixo do x). 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 95,4% 95,6% 5º ano 6ºano 4,3% 4,1% 0,3% 0,3% (15 em 15 dias) 11

12 Nas escolas com 3º ciclo Ensino Básico em que houve manutenção, como ficou organizada a carga horária na Educação Física? Gráfico 8 Organização curricular da EF nas escolas com 3º ciclo do EB em que houve manutenção da carga horária. N.º de escolas representadas no gráfico 456 Leia-se percentagem de escolas (eixo do y) e organização da carga horária (eixo do x) 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% (15 em 15 dias) 97,4% 97,7% 97,9% 2,4% 0,2% 2,1% 0,2% 2,1% 0,0% 7º ano 8ºano 9ºano 12

13 Nas escolas com Ensino Secundário que houve manutenção, como ficou organizada a carga horária na Educação Física? Gráfico 9 Organização curricular da EF nas escolas com Ensino Secundário em que houve manutenção da carga horária. N.º de escolas representadas no gráfico 267 Leia-se percentagem de escolas (eixo do y) e organização da carga horária (eixo do x) 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% ,9% 98,9% 98,9% 0,7% 0,8% 0,8% 0,4% 0,4% 0,4% 10º ano 11ºano 12º ano 13

14 Qual a relação entre a manutenção da carga horária na Educação Física nas escolas estudadas e a sua organização entre diferentes ciclos ou níveis de ensino? A manutenção da carga horária está relacionada, na quase totalidade das escolas, quer nos 2º e 3º ciclos do Ensino Básico, quer no Ensino Secundário, com a adopção de um modelo de organização em tempos letivos de 45 minutos, mantendo-se essa disposição ao longo dos ciclos que a escola leciona. Exemplo: 2º e 3º ciclos minutos, Ensino Secundário 2x90 minutos 14

15 Nas escolas com 2º ciclo Ensino Básico em que houve aumento, como ficou organizada a carga horária na Educação Física? 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 5ºano 6ºano 45% 48% 45% 45% 2% 2% 2% 2% 5% 2% Gráfico 10 - Organização curricular da EF nas escolas de 2º ciclo em que houve aumento da carga horária no 5º ou no 6º anos de escolaridade, escolaridade, desde que não tenha havido diminuição em qualquer um dos outros anos do ciclo. N.º de escolas representadas no gráfico 42. Leia-se percentagem de escolas (eixo do y) e organização da carga horária (eixo do x). 15

16 Qual a relação entre o aumento da carga horária na Educação Física nas escolas com 2º ciclo Ensino Básico e a organização curricular desta disciplina no ciclo de escolaridade seguinte? Das 42 escolas em que houve um aumento de carga horária da EF nos 5º e 6º anos: 35 optaram por diminuir os minutos dedicados à EF em um ou nos 3 anos de escolaridade no 3º ciclo. Exemplos: 5º 6º 7º 8º 9º Escola Agrupamento de Escolas Visconde Juromenha Escola Básica 2/3 de Toutosa Agrupamento Escolas de São Martinho do Porto 16

17 Qual a relação entre o aumento da carga horária na Educação Física nas escolas com 2º ciclo do Ensino Básico e a organização curricular desta disciplina no ciclo de escolaridade seguinte? Das 42 escolas em que houve um aumento de carga horária no 5º e 6º ano: 7 optaram por aumentar a carga horária também no 3º ciclo. Exemplos: 5º 6º 7º 8º 9º Escola Agrupamento de Escolas de Abraveses Agrupamento de Escolas Latino Coelho, Lamego Agrupamento de Escolas Poeta António Aleixo 17

18 Nas escolas com 2º ciclo do Ensino Básico em que houve diminuição, como ficou organizada a carga horária na Educação Física? No 5º ano de escolaridade uma escola indica que passou a ter 90 minutos no 5º ano, acrescentando 45 minutos no ano seguinte (2x90 minutos no 6º ano). Agrupamento Vertical de Esc. D. António Ferreira Gomes, Penafiel No 6º ano de escolaridade duas escolas indicam que passaram a ter 90 minutos no 6º ano acrescentando 45 minutos no ano anterior (2x90 minutos no 5º ano). Agrupamento de Escolas Fernão do Pó, Bombarral Agrupamento de Escolas de Bevavente Uma Escola, tanto no 5º como no 6º anos de escolaridade, organizou a carga horária em 2x60 minutos. Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Algoz, Silves 18

19 Qual a relação entre a diminuição da carga horária na Educação Física nas escolas com 2º ciclo do Ensino Básico e a organização curricular desta disciplina no ciclo de escolaridade seguinte? As escolas que diminuíram a carga horária no 2º ciclo optaram pela seguinte organização da Educação Física no 3º ciclo do Ensino Básico. Exemplos: 5º 6º 7º 8º 9º Escolas Agrupamento Vertical de Esc. D. António Ferreira Gomes, Penafiel Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de Algoz, Silves Agrupamento de Escolas Fernão do Pó, Bombarral Agrupamento de Escolas de Bevavente 19

20 Nas escolas com 3º ciclo do Ensino Básico em que houve aumento, como ficou organizada a carga horária na Educação Física? 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 7ºano 8ºano 9ºano 53,1% 47,1% 37,5% 43,8% 35,3% 40,6% 6,3% 5,9% 3,1% 6,3% 5,9% 6,3% 5,9% 0,0% 3,1% Gráfico 11 - Organização curricular da EF nas escolas com 3º ciclo em que houve aumento da carga horária no 7º, 8º ou 9º anos de escolaridade, desde que não tenha havido diminuição em qualquer um dos outros anos do ciclo. N.º de escolas representadas no gráfico 11. Leia-se número de escolas (eixo do y) e organização da carga horária (eixo do x). 20

21 Qual a relação entre o aumento da carga horária na Educação Física nas escolas de 3º ciclo do Ensino Básico e a organização curricular desta disciplina no ciclo de escolaridade anterior e no nível de ensino seguinte? O aumento da carga horária em 11 escolas no 3º ciclo está relacionada com: um aumento da carga horária nos dois anos de escolaridade anteriores (2º ciclo), os dados recolhidos não indicam haver relação entre o aumento da carga horária no 3º ciclo e um aumento cumulativo no Ensino Secundário. Exemplos: 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º Escola Agrupamento de Escolas de São João da Pesqueira, Viseu Não leciona 2º Ciclo Não leciona 2º Ciclo Escola Secundária com 3º Ciclo de António Gedeão (Laranjeiro), Almada 21

22 Nas escolas com 3º ciclo do Ensino Básico em que houve diminuição, como ficou organizada a carga horária na Educação Física? 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 13% 3% 7ºano 8ºano 9ºano 53% 28% 25% 21% 17% 7% 5% 2% 60% 41% 10% 5% 2% 3% 3% 2% Gráfico 12 - Organização curricular da EF nas escolas de 3º ciclo em que houve diminuição da carga horária no 7º, 8º ou 9º anos de escolaridade. N.º de escolas representadas no gráfico 51 Leia-se número de escolas (eixo do y) e organização da carga horária (eixo do x). 22

23 Qual a relação entre a diminuição da carga horária na Educação Física nas escolas com 3º ciclo e a organização curricular desta disciplina no ciclo de escolaridade anterior e nível de ensino seguinte? A diminuição da carga horária em 51 escolas no 3º ciclo está relacionada com: um aumento da carga horária em qualquer um dos anos de escolaridade do 2º ciclo, uma posterior redução da carga horária no Ensino Secundário. Exemplos: 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º Escola Agrupamento de Escolas Madeira Torres, Torres Vedras Agrupamento Escolas de São Martinho do Porto 23

24 Nas escolas com Ensino Secundário em que houve diminuição, como ficou organizada a carga horária na Educação Física? 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% ,0% 55,6% 54,3% 44,4% 45,7% 40,0% 10º ano 11ºano 12º ano Gráfico 13 - Organização curricular da EF nas escolas com Ensino Secundário em que houve diminuição da carga horária no 10º, 11º ou 12º anos de escolaridade. N.º de escolas representadas no gráfico 36. Leia-se número de escolas (eixo do y) e organização da carga horária (eixo do x). 24

25 Nas escolas com Ensino Secundário em que houve um aumento, como ficou organizada a carga horária na Educação Física e como se relaciona esse aumento da carga horária com a organização curricular desta disciplina no ciclo de escolaridade anterior? O aumento da carga horária no Ensino Secundário apenas se deu numa escola - Escola Secundária de Felgueiras. Esta escola optou por uma organização em 50 minutos, tal como é indicado na tabela em baixo. O aumento da carga horária no Ensino Secundário é acompanhado de um aumento também no 3º ciclo do Ensino Básico. Exemplo: 7º 8º 9º 10º 11º 12º Escola Escola Secundária de Felgueiras. 25

26 Qual a relação entre a diminuição da carga horária na Educação Física nas escolas com Ensino Secundário e a organização curricular desta disciplina no ciclo de escolaridade anterior? A diminuição da carga horária em 36 escolas do Ensino Secundária está relacionada com: uma diminuição da carga horária em qualquer um dos anos de escolaridade do 3º ciclo 21 escolas uma aumento da carga horária no 7º, 8º ou 9º anos, desde que não tenha havido uma diminuição em qualquer um dos anos de escolaridade do 3º ciclo 5 escola. Exemplos: Exemplos: 7º 8º 9º 10º 11º 12º Escola Agrupamento de Escolas Gil Vicente, Lisboa ES Filipa de Vilhena, Porto 26

27 Principais resultados do estudo: 1.! Para o ano letivo 2012/2013 a maioria das escolas optou, nos 2º e 3º ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário, por manter a carga horária na disciplina de Educação Física: 88,5% no 2º Ciclo, 88% no 3º ciclo e 87,5% no Ensino Secundário. 2.! Os ciclos que maior redução tiveram foram o 3º Ciclo (9,8%) e o Ensino Secundário (11,8%), o que vai no sentido da matriz exposta no decreto de lei n.º 139/2012 de 5 julho. 3.! Comparativamente com o ano letivo 2011/2012, 42 das escolas do 2º ciclo do Ensino Básico aumentaram os minutos semanais dedicados à Educação Física. No 3º ciclo Ensino Básico esse aumento deu-se em 11 escolas e no Ensino Secundário em apenas uma. 27

28 Principais resultados do estudo: 4.! Apesar de se verificarem aumentos na carga horária da Educação Física, a quase totalidade dos mesmos sucedem por diminuição da carga no ciclo ou nível de ensino anterior e/ou seguinte, o que na prática não traduz um aumento efetivo nesses casos. 5.! O modelo de organização dos tempos letivos em períodos de 50 minutos é o que mais associado a mudanças, nomeadamente a uma diminuição do tempo (minutos) semanal dedicado à Educação Física, dentro do nível de ensino (ex.: aumenta no 7º ano e reduz no 8º e 9º anos) ou entre níveis de ensino (ex.: no Ensino Básico, aumenta no 2º Ciclo e reduz no 3º Ciclo). 28

29 Principais resultados do estudo: 6.! No conjunto de escolas que subiram e desceram a carga horária, a Educação Física dos alunos varia, no Ensino Básico, entre 90 e 180 minutos para o 2º ciclo, entre 100 e 200 no 3º ciclo, e entre 150 a 200 minutos no Ensino Secundário. Paralelamente, relativamente à organização dessa carga no Ensino Básico a variação é entre 1 a 3 aulas semanais para o 2º ciclo, também aqui com diferentes tempos atribuídos, entre 2 a 3 aulas para o 3º ciclo. No Ensino Secundário é entre 2 a 4 aulas. 7.! Apesar da maioria das escolas manter a carga horária e respetiva organização, continua a verificar-se um incumprimento relativamente às orientações programáticas e recomendações internacionais, nomeadamente porque se opta pela organização da Educação Física em apenas duas aulas semanais: (Ensino Básico) ou (Ensino Secundário). 29

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2011

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Balanço 2009/2010 No segundo ano (2009/2010) de implementação do projecto Nestum Rugby nas Escolas, projecto este que resulta da parceria entre a Federação Portuguesa

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS DE CLASSIFICAÇÃO 24.06.2011 6ª. FEIRA Jogo nº 01 - VIANA CASTELO / AVEIRO Jogo nº 02 - HORTA / LISBOA Alcanena Jogo nº 03 - PONTA DELGADA / BRAGANÇA T.Novas Jogo nº

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA

GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL. Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA GERAÇÃO DEPOSITRÃO 6 ERP PORTUGAL Filipa Moita 25 janeiro 2014 Centro de Exposições BRAGA 1 GERAÇÃO DEPOSITRÃO Recolha de equipamentos e pilhas em fim de vida 603 Eco-Escolas nacionais Escolas = pontos

Leia mais

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍ ÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011

Leia mais

CONTACTOS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA EQUIPA PARLAMENTO DOS JOVENS. Marlene Viegas Freire Coordenadora. Maria Cecília Themudo Barata Assessora

CONTACTOS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA EQUIPA PARLAMENTO DOS JOVENS. Marlene Viegas Freire Coordenadora. Maria Cecília Themudo Barata Assessora CONTACTOS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA EQUIPA PARLAMENTO DOS JOVENS Marlene Viegas Freire Coordenadora Maria Cecília Themudo Barata Assessora Paula Faria Assessora Maria Manuela Matos Técnica de Apoio Parlamentar

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

INICIADOS FEMININOS - S14F

INICIADOS FEMININOS - S14F INICIADOS FEMININOS - S14F 1º 2º 3º 10º 11º 12º 5º 6º 4º 14º 15º 13º 9º 7º 8º 18º 16º 17º Aveiro Porto Açores Leiria Setúbal Vila Real Lisboa Madeira Coimbra C. Branco Viseu Braga Viana do Castelo Santarém

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Tema: Vítimas com Necessidades Específicas Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Investigador: Miguel Rodrigues miguel.ol.rodrigues@hotmail.com

Leia mais

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Ana Madeira Joana Teixeira Fernanda Botelho João Costa Sofia Deus Alexandra

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE ESTUDO DOS DADOS DOS FARMACÊUTICOS Consulta à base de dados da Ordem dos Farmacêuticos a 31-12-213 7 MARÇO 214 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O FARMACÊUTICOS

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice Anexo C Estabelecimentos de Ensino Superior Índice Anexo C1 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1980...c.2 Anexo C2 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1990...c.4 Anexo C3

Leia mais

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar:

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar: s previstos no art. 56.º do Estatuto da Carreira Docente que relevam para a aplicação da alínea c) do n.º 1 do art. 14.º do Decreto-Lei n.º35/2003, de 27 de Fevereiro, na redacção dada pelo Decreto-Lei

Leia mais

Escolas Profissionais

Escolas Profissionais Escolas Profissionais Escola Profissional Localidade Distrito Telefone Fax Email URL Escola Profissional de Alvito* Alvito Beja 284480060 284480069 secretaria@novalvito.pt www.epalvito.com EPRALIMA - Escola

Leia mais

PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS

PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS PUBLIC SERVICE BUREAUS OF THE IMMIGRATION AND BORDERS SERVICE [SEF] TO PROCESS THE PAPERWORK OF FOREIGN CITIZENS SEF - North Address Available from: CNAI do Porto Rua do Pinheiro, n.º 9 4050-484 Porto

Leia mais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais Maria Cristina Canavarro Teixeira Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior Agrária,

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

27 de Janeiro de 2006. - A Secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Carmen Madalena da Costa Gomes e Cunha Pignatelli.

27 de Janeiro de 2006. - A Secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Carmen Madalena da Costa Gomes e Cunha Pignatelli. Despacho n.º 3845/2006 (2.ª série). - O Decreto-Lei n.º 112/98, de 24 de Abril, na alínea b) do n.º 1 do artigo 9.º, prevê a prorrogação do contrato administrativo de provimento dos internos que à data

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras SEDE Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Rua Conselheiro José Silvestre Ribeiro, 4 1649-007 LISBOA Telefone: 21 7115000 Fax: 21 7161595 Direcções e Delegações Regionais DIRECÇÃO REGIONAL DO CENTRO Director

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Ministério da Educação Portaria n.º 1298/03 de de Novembro A unificação

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos

e-municípios 2009 Serviços Online Municipais Avaliação dos Avaliação dos Serviços Online Municipais e-municípios 2009 2 3 A. Metodologia 5 6 Serviços a avaliar Feiras e mercados Taxas municipais Certidão para efeitos de IMI Consulta de informação georreferenciada

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação

Programa Nacional de Erradicação da Poliomielite - Plano de Ação Pós-Eliminação MODELO 4 - Norte : Região Unidades Hospitalares (15) MÊS NORTE J F M A M J J A S O N D CH Nordeste, EPE CH Trás-os-Montes e Alto Douro, EPE CH Alto Ave, EPE CH Médio Ave, EPE CH Tâmega e Sousa, EPE CH

Leia mais

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA 1. Encontra se concluída a colocação na primeira fase do 39.º concurso nacional de acesso, tendo sido admitidos,

Leia mais

Instituição. Número de Conselheiros Nacionais a eleger por Secção Sindical - 1

Instituição. Número de Conselheiros Nacionais a eleger por Secção Sindical - 1 Instituição Lugares no CN Academia Militar Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto Centro de Investigação Marinha e Ambiental, Laboratório Associado da Universidade

Leia mais

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Boletim Estatístico Dezembro 2014 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. PROCESSOS E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO DE SOBRE-ENDIVIDAMENTO... 3 1.1. Processos e Pedidos de Informação de Sobre-endividamento

Leia mais

Anexo I EDITAL FINANCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO QUE MINISTRAM CURSOS DO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA

Anexo I EDITAL FINANCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO QUE MINISTRAM CURSOS DO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA Anexo I EDITAL FINANCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO QUE MINISTRAM CURSOS DO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA Abertura ao regime de acesso ao apoio financeiro a

Leia mais

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS www.inatel.pt FUNDAÇÃO INATEL TURISMO PARA TODOS PORTUGAL 2013 Desde 267 INCLUI: TRANSPORTE TERRESTRE + 5 NOITES ALOJAMENTO, REFEIÇÕES, PASSEIOS, ANIMAÇÃO E SEGURO. Descubra o que Portugal tem de melhor

Leia mais

SESSÃO NACIONAL DO PARLAMENTO DOS JOVENS TRANSPORTES

SESSÃO NACIONAL DO PARLAMENTO DOS JOVENS TRANSPORTES SESSÃO NACIONAL DO PARLAMENTO DOS JOVENS Ensino Secundário 23 e 24 de maio TRANSPORTES Nos quadros abaixo, são indicados os locais onde as escolas se devem concentrar no dia 23 de maio de 2016, tendo em

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

LOCALIDADE EMPRESA MORADA CONTACTOS. Rua da Cidade de Parthenay Bloco G - Loja 4 2200-235 Abrantes. Praceta Raúl Proença, 13-A 2725-116 Algueirão

LOCALIDADE EMPRESA MORADA CONTACTOS. Rua da Cidade de Parthenay Bloco G - Loja 4 2200-235 Abrantes. Praceta Raúl Proença, 13-A 2725-116 Algueirão LOCALIDADE EMPRESA MORADA CONTACTOS ABRANTES ALGUEIRÂO ALJUSTREL ALMADA ALVERCA ANGRA DO HEROÍSMO AVEIRO BARCELOS BARREIRO AGOSTINHO J.G. FIGUEIRAS PEDRO GEIRINHAS UNIPESSOAL, LDA ELECTRO CRUZ DIMATECNICA,LDA

Leia mais

A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências

A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências Programas Terapêuticos de Administração de Metadona, Buprenorfina e Naltrexona A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências Relatório de 2008 Uma contribuição vital A intervenção das

Leia mais

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Reciclagem de Veículos em Fim de Vida (VFV) rumo a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Tópicos Empresa Sistema

Leia mais

LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DREN: Escola Profissional de Fermil Celorico de Basto Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Carvalhais /Mirandela

Leia mais

Rede Oferta de Adultos NUT III

Rede Oferta de Adultos NUT III Rede Oferta de Adultos 2016-2017 - NUT III Ações de Formação de Português para Falantes de Outras Línguas - Atualizada 2016.08.26 PFOL Alentejo Évora Évora Agrupamento de Escolas n.º 2 de Évora 2 2 Alentejo

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

RANKING 2009 Secundário - Disciplinas

RANKING 2009 Secundário - Disciplinas RANKING 2009 Secundário - Disciplinas 992_2009_Média_Portugues_A_em_c RANKING DAS ESCOLAS NO EXAME NACIONAL DE PORTUGUÊS A DO ENSINO SECUNDÁRIO 1 Conservatório de Música de Calouste Gulbenkian - Braga

Leia mais

Norte. Aveiro. Braga. Porto. Viana do Castelo

Norte. Aveiro. Braga. Porto. Viana do Castelo Norte Santa Maria da Feira Escola Secundária de Santa Maria da Feira Agrupamento de Escolas Doutor Ferreira de Almeida, Santa Maria da Feira Vale de Cambra Agrupamento de Escolas das Dairas, Vale de Cambra

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 O porquê? O que é? Metodologia de trabalho Resultados esperados O porquê? Após o Plano de Ação Ligar Portugal (2005-2010) - Espaços

Leia mais

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO SÍSMICA 2010 8º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO CARLOS SOUSA OLIVEIRA Prof. Catedrático ICIST/IST Lisboa-Portugal MÓNICA AMARAL

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Rua de Santa Margarida, n.º 6 4710-306 Braga Tel: 253 204 250 Fx: 253 204 259

Leia mais

2 4 6 8 ESCOLA Licenciatura de Bolonha Obs 1.1 Inst. Sup. Contabilidade e Administração (Universidade de Aveiro) 1.2 Escola Superior de Tecnologia e Gestão (Instituto Politécnico da Guarda) 1.3 Escola

Leia mais

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa

Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Índice de estabelecimentos Ensino Superior Público - Universitário 6800 Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Universidade dos Açores 0110 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7264 - Corte e Tecnologia de Carnes 541 - Indústrias es Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7109 -

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Engenharia Informática

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Engenharia Informática IPBeja - s de Especialização Tecnológica que dão acesso ao de Engenharia Informática Área Barcelos ACIB - Associação Comercial e Industrial de Barcelos Aplicações Informáticas de Gestão AFTEBI - Associação

Leia mais

Caixa leva bichos do conhecimento às escolas

Caixa leva bichos do conhecimento às escolas Caixa leva bichos do conhecimento às escolas Caixamat passa no Porto 16 e 17 de Abril Aprender Matemática, Biologia e Física é mais divertido com os bichos do conhecimento da Caixa, que estão, desde o

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPDJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Antiga Estação de Comboios Av. D. João IV Urgeses 4810-534 Guimarães Tel.

Leia mais

Universidade de Évora

Universidade de Évora S E M I N Á R I O Avaliação Externa das Escolas: que futuro? 21 outubro2 0 1 1 Impacto e efeitos da avaliação externa nas escolas Universidade de Évora José Saragoça 1. APRESENTAÇÃO 2. EXPERIÊNCIASNAAVALIAÇÃO

Leia mais

Portuguese Higher Education Institutions Source: http://www.dges.mctes.pt

Portuguese Higher Education Institutions Source: http://www.dges.mctes.pt Portuguese Higher Education Institutions Source: http://www.dges.mctes.pt October 2011 PUBLIC UNIVERSITIES REGION OF THE NORTH Porto University - Universidade do Porto URL: www.up.pt Trás-os-Montes and

Leia mais

Relatório Anual de Atividades

Relatório Anual de Atividades Direção de Serviços de Recrutamento e Assuntos do Serviço Militar DIVISÃO DE ASSUNTOS DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Centro de Informação e Orientação para a Formação e o Emprego Relatório Anual

Leia mais

01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO

01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO NÚMERO 07/2014 DATA 16/09/2014 TÍTULO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2014 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2014 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO

Leia mais

CADERNOS INFORMATIVOS

CADERNOS INFORMATIVOS CADERNOS INFORMATIVOS Trabalho de Menores Direitos do Trabalhador Estudante Trabalhador Estrangeiro Formação do Contrato e Período Experimental INSPECÇÃO-GERAL DO TRABALHO 2 CADERNOS INFORMATIVOS Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março As escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde são estabelecimentos de ensino politécnico dotados de personalidade jurídica e de

Leia mais

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO "MELHOR SEGURADORA"

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO MELHOR SEGURADORA NESTA EDIÇÃO Melhor Seguradora 1 A COSEC mais perto de si 2 Acordo COSEC e Mapfre 2 Revisão Favorável 2 Produtos COSEC 3 NOTÍCIAS Carregamento de Balanços 4 Análise COSEC 5 Nº 4. 2014 COSEC DISTINGUIDA

Leia mais

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto B O C C I A REGULAMENTAÇÃO GERAL NACIONAL 2008/2009 1 INTRODUÇÃO Todos os intervenientes em competições de zona e nacionais, acções de formação e classificação médico - desportiva, deverão reger-se pelos

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Maio de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 2 5 7 8 Instituto Português

Leia mais

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos;

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos; Entre CONTRATO Ordem dos Arquitectos, pessoa colectiva nº 500802025, com sede em Lisboa, na Travessa do Carvalho, nº 23, representada neste acto pelo Presidente do Conselho Directivo Nacional, Arquitecto

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 2 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

PO 013 Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar PO 014 Ciência e Ensino Superior

PO 013 Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar PO 014 Ciência e Ensino Superior PO 013 Ensino Básico e Secundário e Administração Escolar PO 014 Ciência e Ensino Superior 2015 Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira Ministério da Educação e Ciência Direção-Geral de Planeamento

Leia mais

I Análise a nível nacional

I Análise a nível nacional Tal como já vem sendo hábito, irei fazer uma análise ao ranking das escolas, quer no ensino básico, quer no ensino secundário, ranking esse estabelecido de acordo com os resultados de exame nacionais dos

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

PRIVADO ENSINO SUPERIOR. Ocupação dos Cursos de Formação Inicial

PRIVADO ENSINO SUPERIOR. Ocupação dos Cursos de Formação Inicial ENSINO SUPERIOR PRIVADO Ocupação dos Cursos de Formação Inicial Ensino Superior Privado Ocupação dos Cursos de Formação Novembro Inicial 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte

Leia mais

Questionário Europeu de Literacia em Saúde aplicado em Portugal (HLS-EU-PT): Apresentação dos resultados preliminares

Questionário Europeu de Literacia em Saúde aplicado em Portugal (HLS-EU-PT): Apresentação dos resultados preliminares Questionário Europeu de Literacia em Saúde aplicado em Portugal (HLS-EU-PT): Apresentação dos resultados preliminares HLS EU ES Espanha IE Irlanda NL Holanda DE Alemanha AT Áustria EL Grécia PL Polónia

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

Desportos Gímnicos Escolas Alberto Sampaio, Braga Norte Braga Escola Secundária Alberto Sampaio, Braga

Desportos Gímnicos Escolas Alberto Sampaio, Braga Norte Braga Escola Secundária Alberto Sampaio, Braga AGRUPAMENTOS E ESCOLA NÃO AGRUP. DSR CLDE ESCOLA Modalidade Escolas de Amares Braga Escola Secundária de Amares Escolas de Maximinos, Braga Braga Escola Secundária de Maximinos, Braga Andebol Escolas Carlos

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Boletim meteorológico para a agricultura Nº 49, janeiro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

Normas Orientadoras. Centros de Recursos TIC para a Educação Especial

Normas Orientadoras. Centros de Recursos TIC para a Educação Especial Normas Orientadoras Centros de Recursos TIC para a Educação Especial Julho 2007 1 Contexto Plano de Acção para a Integração das Pessoas com Deficiência ou Incapacidade A criação de uma rede nacional de

Leia mais

RESULTADOS DOS EXAMES 2011 - RANKINGS

RESULTADOS DOS EXAMES 2011 - RANKINGS Escola Secundária Quinta do Marquês RESULTADOS DOS EXAMES 2011 - RANKINGS A publicação dos rankings de escolas construídos pelos vários órgãos de comunicação social, tomando como ponto de partida os resultados

Leia mais

MAPA VII DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS DESPESAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO

MAPA VII DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, POR CLASSIFICAÇÃO ORGANICA, COM ESPECIFICAÇÃO DAS DESPESAS GLOBAIS DE CADA SERVIÇO E FUNDO ANO ECONÓMICO DE 2010 Página 1 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL DA MADEIRA COFRE PRIVATIVO DO TRIBUNAL DE CONTAS - SECÇÃO REGIONAL

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

Rede Oferta de Adultos

Rede Oferta de Adultos DSR CIM / AM NUT III Distrito Concelho Entidade Promotora Código UO (Unidade Orgânica) Código DGEEC A1 A1 + A2 PFOL B1 B1 + B2 TOTAL Oferta de adultos em continuidade Sim Não Alentejo Alentejo Central

Leia mais

Escolas encerradas em todo o o país

Escolas encerradas em todo o o país Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Escolas encerradas em todo o o país REGIÃO NORTE BRAGA EB2.3 Lamaçães Encerrada EB2.3 Nogueira Encerrada EB2.3 Francisco Sanches Encerrada PORTO E Sec

Leia mais

" O Tratado de Lisboa" Sessões de Informação e Debate

 O Tratado de Lisboa Sessões de Informação e Debate ABRIL 2008 3ª 1 18h30 LVT Lisboa Lisboa Centro Jean Monnet Dr. Carlos Medeiros 4ª 2 5ª 3 18h30 LVT Lisboa Lisboa Centro Jean Monnet Dr. Carlos Medeiros 6ª 4 S 5 D 6 2ª 7 14h00 LVT Lisboa Lisboa Escola

Leia mais

Programa ERASMUS+ - Ação 1

Programa ERASMUS+ - Ação 1 Programa ERASMUS+ - Ação 1 Resultados de Seleção 2015 Ensino Superior Mobilidades para Aprendizagem Número de candidatura Nome da instituição Endereço da instituição Subvenção atribuída Estatuto 2015-1-PT01-KA103-012420

Leia mais