ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II"

Transcrição

1 ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção de Serviços de Acção Social

2 INDICE I CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES SEXO E NACIONALIDADE NATURALIDADE GRUPO ETÁRIO...10 II CARACTERIZAÇÃO DAS FAMÍLIAS AGREGADO FAMILIAR GRUPO SÓCIO-ECONÓMICO DO AGREGADO FAMILIAR NÍVEL DE ESCOLARIDADE RESIDÊNCIA PERMANENTE DO AGREGADO FAMILIAR POR DISTRITO RENDIMENTO ILÍQUIDO DO AGREGADO FAMILIAR...25 III CARACTERIZAÇÃO ESCOLAR PRÉ-UNIVERSITÁRIO UNIVERSITÁRIO CANDIDATURAS INSCRIÇÃO RAZÕES DE ESCOLHA DO CURSO RAZÕES ESCOLHA DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO CARACTERÍSTICAS PRIVILEGIADAS NUM ESTABELECIMENTO DE ENSINO DADOS CONSIDERADOS NA ESCOLHA DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONOMICA Residência Em Tempo De Aulas Deslocação Refeições Em Tempo De Aulas Apoios/Subsídios no Ano Lectivo Anterior

3 I CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES 1 - SEXO E NACIONALIDADE SEXO Válido Feminino ,9 65,4 Masculino ,3 34,6 Total ,2 100,0 NA/NR/MR 229 3,8 SEXO Feminino M asculino NACIONALIDADE PORTUGUESA Válido 277 4,6 4, ,4 95,4 100,0 NACIONALIDADE PORTUGUESA

4 NACIONALIDADE DE OUTRO PAÍS Válido África 65 1,1 31,4 América 72 1,2 34,8 Ásia 3,0 1,4 Europa 67 1,1 32,4 Total 207 3,4 100,0 NA/NR/MR ,6 35, ,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 África América Ásia Europa 1 4

5 2 - NATURALIDADE PORTUGUÊS NASCIDO EM PORTUGAL Válido Aveiro 240 4,0 5,0 Beja 63 1,0 1,3 Braga 402 6,7 8,3 Bragança 106 1,8 2,2 Castelo Branco 91 1,5 1,9 Coimbra 259 4,3 5,4 Évora 148 2,5 3,1 Faro 63 1,0 1,3 Guarda 90 1,5 1,9 Leiria 144 2,4 3,0 Lisboa ,0 23,7 Portalegre 81 1,3 1,7 Porto ,0 22,5 Santarém 176 2,9 3,6 Setúbal 180 3,0 3,7 Viana do Castelo 114 1,9 2,4 Vila Real 95 1,6 2,0 Viseu 204 3,4 4,2 Madeira 119 2,0 2,5 Açores 30,5,6 Total ,2 100,0 TOTAL NA/NR/MR , ,0 5

6 PORTUGUÊS NASCIDO EM PORTUGAL Açores Madeira Viseu Vila Real Viana do Castelo Setúbal Santarém Porto Portalegre Lisboa Leiria Guarda Faro Évora Coimbra Castelo Branco Bragança Braga Beja Aveiro 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 6

7 PORTUGUÊS NASCIDO NUM PALOP Válido Angola 196 3,2 55,4 Cabo Verde 37,6 10,5 Moçambique 107 1,8 30,2 Guiné-Bissau 9,1 2,5 São Tomé e Príncipe 5,1 1,4 Total 354 5,9 100,0 NA/NR/MR ,1 Naturalidade - Português nascido num PALOP 60,0 55,4 50,0 40,0 30,2 30,0 20,0 10,5 10,0 2,5 1,4 0,0 Angola Cabo Verde Moçambique Guiné-Bissau São Tomé e Prí ncipe 7

8 PORTUGUÊS NASCIDO NOUTRO PAÍS (por Continentes) Válido África 11,2 8,1 América 49,8 36,0 Ásia 5,1 3,7 Austrália e Oceânia 1,0,7 Europa 70 1,2 51,5 Total 136 2,3 100,0 NA/NR/MR ,7 Naturalidade - Português Nascido Noutro País (por continentes) 60,0 51,5 50,0 40,0 36,0 30,0 20,0 8,1 10,0 3,7 0,7 0,0 África América Ásia Austrália e Oceânia Europa 8

9 ESTRANGEIRO (por Continentes) Válido África 7,1 3,3 América 66 1,1 31,6 Ásia 2,0 1,0 Europa 134 2,2 64,1 Total 209 3,5 100,0 NA/NR/MR ,5 70,0 64,1 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 3,3 31,6 1,0 0,0 África América Ásia Europa 9

10 3 - GRUPO ETÁRIO (por ano de nascimento) Válido [ ] 494 8,2 8,7 ] ] ,3 19,6 ] ] ,5 62,6 ] ] 498 8,2 8,8 ] ] 11,2,2 ] ] 7,1,1 Total ,5 100,0 NA/NR/MR 391 6,5 Grupo etário por ano de nascimento 70,0 62,6 60,0 50,0 40,0 30,0 19,6 20,0 10,0 8,7 8,8 0,2 0,1 0,0 [ ] ] ] ] ] ] ] ] ] ] ] 10

11 II CARACTERIZAÇÃO DAS FAMÍLIAS 1 - AGREGADO FAMILIAR VIVE COM MÃE Válido ,3 51, ,7 48,7 100,0 Agregado familiar - Vive com Mãe VIVE COM PAI Válido ,4 57, ,6 42,6 100,

12 VIVE COM MÃE E PAI Válido Outra situação ,9 58,9 Vive com Mãe e Pai ,1 41,1 100,0 Agregado familiar: Vive com Mãe e Pai Outra situação Vive com Mãe e Pai NÚMERO DE IRMÃOS Válido ,7 72, ,0 17, ,8 5,4 4 ou mais 90 1,5 4,4 Total ,0 100,0 NA/NR/MR ,0 Número de irmãos 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 72,5 17,8 5,4 4,4 1 irmão 2 irmãos 3 irmãos 4 ou mais 12

13 VIVE COM CÔNJUGE Válido ,1 64, ,9 35,9 100,

14 NÚMERO DE FILHOS Válido ,0 52, ,5 38, ,0 8,1 4 24,4 1,6 Total ,9 100,0 NA/NR/MR ,1 Número de filhos 60,0 52,0 50,0 38,3 40,0 30,0 20,0 8,1 10,0 1,6 0,0 1 filho 2 filhos 3 filhos 4 ou mais 14

15 VIVE COM OUTRAS PESSOAS Válido ,1 93, ,9 6,9 100,0 Vive com outras pessoas

16 2 - GRUPO SÓCIO-ECONÓMICO DO AGREGADO FAMILIAR GRUPO DO PAI Empresários com profissões intelectuais, científicas e técnicas 57 0,9 1,3 Profissionais técnicos intermédios independentes 38 0,6 0,9 Trabalhadores industriais e artesanais independentes 37 0,6 0,9 Prestadores de serviços e comerciantes independentes 81 1,3 1,9 Trabalhadores independ. sector primário 45 0,7 1,1 Directores e quadros dirigentes do Estado e das empresas 155 2,6 3,6 Dirigentes de pequenas empresas e organizações 44 0,7 1,0 Quadros intelectuais e científicos 277 4,6 6,5 Quadros técnicos intermédios 287 4,8 6,7 Quadros administrativos intermédios 124 2,1 2,9 Empregados administrativos do comércio e dos serviços 169 2,8 4,0 Empresários da indústria, comércio e serviços 491 8,1 11,5 Operários qualificados e semi-qualificados 226 3,7 5,3 Válido Assalariados do sector primário 25 0,4 0,6 Trabalhadores administrativos do comércio e dos serviços não qualificados 40 0,7 0,9 Operários não qualificados 95 1,6 2,2 Trabalhadores não qualificados do sector primário 39 0,6 0,9 Pessoal das Forças armadas 123 2,0 2,9 Outras pessoas activas n. e ,7 5,2 Inactivos ,1 27,1 Empresários sector primário 49 0,8 1,2 Pequenos patrões com profissões intelect. e científicas 8 0,1 0,2 Pequenos patrões com profissões técnicas intermédias 22 0,4 0,5 Pequenos patrões da indústria 81 1,3 1,9 Pequenos patrões do comércio e serviços 226 3,7 5,3 Pequenos patrões do sector primário 36 0,6 0,8 Profissionais intelectuais e científicos independentes 106 1,8 2,5 Total ,5 100,0 NA/NR/MR ,5 TOTAL ,0 16

17 GRUPO DA MÃE Válido Empresários profiss. intelect., cient. e téc. 27 0,4 0,6 Profissionais técnicos intermédios independentes 19 0,3 0,4 Trabalhadores industr. e artesan. independentes 17 0,3 0,4 Prestadores serviços e comerciantes independentes 64 1,1 1,5 Trabalhadores independ. sector primário 37 0,6 0,8 Directores e quadros dirigentes do Estado e das empresas Dirigentes de pequenas empresas e organizações 66 1,1 1,5 23 0,4 0,5 Quadros intelectuais e cientificos 438 7,3 10,1 Quadros técnicos intermédios 242 4,0 5,6 Quadros administrativos intermédios 218 3,6 5,0 Empregados administrativos do comércio e dos serviços 233 3,9 5,4 Empresários da indústria, comércio e serviços 230 3,8 5,3 Operários qualificados e semi-qualificados 112 1,9 2,6 Assalariados do sector primário 33 0,5 0,8 Trabalhadores administrativos do comércio e dos serviços não qualificados 46 0,8 1,1 Operários não qualificados 100 1,7 2,3 Trabalhadores não qualificados do sector primário 49 0,8 1,1 Pessoal das Forças armadas 6 0,1 0,1 Outras pessoas activas n. e ,3 10,2 Inactivos ,3 37,9 Empresários sector primário 20 0,3 0,5 Pequenos patrões profiss. intelect. e científicas 5 0,1 0,1 Pequenos patrões profiss. técnicas intermédias 5 0,1 0,1 Pequenos patrões da indústria 25 0,4 0,6 Pequenos patrões comércio e serviços 153 2,5 3,5 Pequenos patrões sector primário 20 0,3 0,5 Profissionais intelectuais e científicos independentes 74 1,2 1,7 Total ,1 100,0 NA/NR/MR ,9 TOTAL ,0 17

18 GRUPO DO ALUNO Válido Empresários profiss. intelect., cient. e téc. 84 1,4 1,8 Profissionais técnicos intermédios independentes 98 1,6 2,1 Trabalhadores industr. e artesan. independentes 5 0,1 0,1 Prestadores serviços e comerciantes independentes 147 2,4 3,2 Trabalhadores independ. sector primário 11 0,2 0,2 Directores e quadros dirigentes do Estado e das empresas Dirigentes de pequenas empresas e organizações 153 2,5 3,3 38 0,6 0,8 Quadros intelectuais e cientificos ,5 33,3 Quadros técnicos intermédios ,8 15,4 Quadros administrativos intermédios 112 1,9 2,4 Empregados administrativos do comércio e dos serviços 76 1,3 1,6 Empresários da indústria, comércio e serviços 44 0,7 1,0 Operários qualificados e semiqualificados 16 0,3 0,3 Assalariados do sector primário 5 0,1 0,1 Trabalhadores administrativos do comércio e dos serviços não qualificados 11 0,2 0,2 Operários não qualificados 3 0,0 0,1 Pessoal das Forças armadas 44 0,7 1,0 Outras pessoas activas n. e ,5 11,1 Inactivos 457 7,6 9,9 Empresários sector primário 2 0,0 0,0 Pequenos patrões profiss. intelect. e científicas 14 0,2 0,3 Pequenos patrões profiss. técnicas intermédias 6 0,1 0,1 Pequenos patrões comércio e serviços 8 0,1 0,2 Pequenos patrões sector primário 4 0,1 0,1 Profissionais intelectuais e científicos independentes 520 8,6 11,2 Total ,6 100,0 NA/NR/MR ,4 TOTAL ,0 18

19 GRUPO DO CÔNJUGE Válido Empresários profiss. intelect., cient. e téc. 55 0,9 2,7 Profissionais técnicos intermédios independentes 41 0,7 2,0 Trabalhadores industr. e artesan. independentes 7 0,1 0,3 Prestadores serviços e comerciantes independentes 45 0,7 2,2 Trabalhadores independ. sector primário 7 0,1 0,3 Directores e quadros dirigentes do Estado e das empresas Dirigentes de pequenas empresas e organizações 108 1,8 5,4 34 0,6 1,7 Quadros intelectuais e cientificos 472 7,8 23,5 Quadros técnicos intermédios 350 5,8 17,4 Quadros administrativos intermédios 80 1,3 4,0 Empregados administrativos do comércio e dos serviços 96 1,6 4,8 Empresários da indústria, comércio e serviços 121 2,0 6,0 Operários qualificados e semiqualificados 67 1,1 3,3 Assalariados do sector primário 5 0,1 0,2 Trabalhadores administrativos do comércio e dos serviços não qualificados 22 0,4 1,1 Operários não qualificados 6 0,1 0,3 Trabalhadores não qualificados do sector primário 1 0,0 0,0 Pessoal das Forças armadas 46 0,8 2,3 Outras pessoas activas n. e ,1 9,4 Inactivos 62 1,0 3,1 Empresários sector primário 10 0,2 0,5 Pequenos patrões profiss. intelect. e científicas 11 0,2 0,5 Pequenos patrões profiss. técnicas intermédias 9 0,1 0,4 Pequenos patrões da indústria 11 0,2 0,5 Pequenos patrões comércio e serviços 43 0,7 2,1 Pequenos patrões sector primário 3 0,0 0,1 Profissionais intelectuais e científicos independentes 111 1,8 5,5 Total ,3 100,0 NA/NR/MR ,7 TOTAL ,0 19

20 3 - NÍVEL DE ESCOLARIDADE ESCOLARIDADE DO PAI Válido sabe ler nem escrever 37,6,7 Doutoramento 57,9 1,1 Sabe ler sem possuir o 4º ano de escolaridade 304 5,0 5,9 4º ano de escolaridade ,0 31,6 6º ano de escolaridade 379 6,3 7,3 9º ano de escolaridade ,4 12,1 Ensino secundário complementar ou equivalente 576 9,5 11,2 Ensino médio 527 8,7 10,2 Ensino superior (bacharelato, licenciatura) ,1 18,8 Mestrado 54,9 1,0 Total ,5 100,0 NA/NR/MR ,5 Nível Escolaridade Pai 1,0 Ensino superior (bacharelato, licenciatura) Ensino secundário complementar ou equivalente 10,2 11,2 12,1 18,8 6º ano de escolaridade 7,3 31,6 Sabe ler sem possuir o 4º ano de escolaridade sabe ler nem escrever 1,1 0,7 5,9 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 20

21 ESCOLARIDADE DA MÃE Válido sabe ler nem escrever 101 1,7 1,9 Doutoramento 30,5,6 Sabe ler sem possuir o 4º ano de escolaridade 410 6,8 7,8 4º ano de escolaridade ,4 32,7 6º ano de escolaridade 394 6,5 7,5 9º ano de escolaridade 526 8,7 10,0 Ensino secundário complementar ou equivalente 480 7,9 9,1 Ensino médio 498 8,2 9,5 Ensino superior (bacharelato, licenciatura) ,1 19,7 Mestrado 61 1,0 1,2 Total ,9 100,0 NA/NR/MR ,1 Nível Escolaridade Mãe Mestrado 1,2 Ensino superior (bacharelato, licenciatura) 19,7 Ensino médio Ensino secundário complementar ou equivalente 9º ano de escolaridade 6º ano de escolaridade 4º ano de escolaridade Sabe ler sem possuir o 4º ano de escolaridade 9,5 9,1 10,0 7,5 7,8 32,7 Doutoramento sabe ler nem escrever 0,6 1,9 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 21

22 ESCOLARIDADE DO CÔNJUGE Válido sabe ler nem escrever 1,0,0 Doutoramento 35,6 1,5 Sabe ler sem possuir o 4º ano de escolaridade 2,0,1 4º ano de escolaridade 8,1,4 6º ano de escolaridade 53,9 2,3 9º ano de escolaridade 129 2,1 5,7 Ensino secundário complementar ou equivalente 217 3,6 9,6 Ensino médio 291 4,8 12,9 Ensino superior (bacharelato, licenciatura) ,0 61,4 Mestrado 135 2,2 6,0 Total ,4 100,0 NA/NR/MR ,6 Escolaridade Cônjuge Mestrado Ensino superior (bacharelato, licenciatura) Ensino médio Ensino secundário complementar ou equivalente 9º ano de escolaridade 6º ano de escolaridade 4º ano de escolaridade Sabe ler sem possuir o 4º ano de escolaridade Doutoramento sabe ler nem escrever 2,3 0,4 0,1 1,5 0,0 6,0 5,7 9,6 12,9 61,4 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 22

23 4 - RESIDÊNCIA PERMANENTE DO AGREGADO FAMILIAR POR DISTRITO Válido Aveiro 267 4,4 5,1 Beja 55,9 1,0 Braga 363 6,0 6,9 Bragança 75 1,2 1,4 Castelo Branco 61 1,0 1,2 Coimbra 218 3,6 4,2 Évora 146 2,4 2,8 Faro 61 1,0 1,2 Guarda 63 1,0 1,2 Leiria 575 9,5 11,0 Lisboa ,6 24,9 Portalegre 58 1,0 1,1 Porto ,1 19,6 Santarém 153 2,5 2,9 Setúbal 310 5,1 5,9 Viana do Castelo 124 2,1 2,4 Vila Real 68 1,1 1,3 Viseu 178 2,9 3,4 Madeira 119 2,0 2,3 Açores 16,3,3 Total ,9 100,0 NA/NR/MR ,1 23

24 Residência Permanente do Agregado familiar por Distrito Açores Madeira Viseu Vila Real Viana do Castelo Setúbal Santarém Porto Portalegre Lisboa Leiria Guarda Faro Évora Coimbra Castelo Branco Bragança Braga 0,3 2,3 3,4 1,3 2,4 2,9 1,1 1,2 1,2 2,8 4,2 1,2 1,4 5,9 6,9 11,0 19,6 24,9 Beja Aveiro 1,0 5,1 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 24

25 5 - RENDIMENTO ILÍQUIDO DO AGREGADO FAMILIAR Válido Menos de 75 contos/mês 79 1,3 1,7 De 75 até 150 contos/mês 446 7,4 9,6 De 150 até 225 contos/mês ,7 21,7 De 225 até 300 contos/mês ,6 19,0 Mais de 300 contos/mês ,0 48,1 Total ,9 100,0 NA/NR/MR ,1 48,1 50,0 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 21,7 19,0 20,0 15,0 9,6 10,0 5,0 1,7 0,0 Menos de 75 contos/mês De 75 até 150 contos/mês De 150 até 225 contos/mês De 225 até 300 contos/mês Mais de 300 contos/mês 25

26 III CARACTERIZAÇÃO ESCOLAR 1 - PRÉ-UNIVERSITÁRIO NÚMERO RETENÇÕES ATÉ 9º ANO ESCOLARIDADE Válido Nenhuma Vez ,1 96,1 Uma Vez 192 3,2 3,2 Duas Vezes 37,6,6 Três Vezes 4,1,1 100,0 96,1 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 3,2 0,6 0,1 Nenhuma Vez Uma Vez Duas Vezes Três Vezes 26

27 NÚMERO RETENÇÕES NO ENSINO SECUNDÁRIO (10º,11º E 12º ANOS) Válido Nenhuma Vez ,3 95,3 Uma Vez 240 4,0 4,0 Duas Vezes 38,6,6 Três Vezes 2,0,0 4 e Mais Vezes 1,0,0 100,0 Número Retenções no Ensino Secundário (10º,11º e 12º anos) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 95,3 4,0 0,6 0,0 0,0 Nenhuma Vez Uma Vez Duas Vezes Três Vezes 4 e Mais Vezes 27

28 2 UNIVERSITÁRIO 2.1 CANDIDATURAS PRIMEIRA VEZ QUE SE CANDIDATA AO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS Válido 134 2,2 7, ,0 92,4 Total ,2 100,0 NA/NR/MR , SE NÃO É A PRIMEIRA VEZ QUE SE CANDIDATA, QUANTAS VEZES SE CANDIDATOU SEM TER CONSEGUIDO ENTRAR Válido Uma Vez 298 4,9 81,4 Duas Vezes 56,9 15,3 Três e Mais Vezes 12,2 3,3 Total 366 6,1 100,0 NA/NR/MR ,9 Três e Mais Vezes 3,3 Duas Vezes 15,3 Uma Vez 81,4 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 28

29 NA SUA CANDIDATURA BENEFICIOU DE CONTINGENTE ESPECIAL Válido 43,7 2, ,9 97,6 Total ,6 100,0 NA/NR/MR , NA SUA CANDIDATURA BENEFICIOU DE PREFERÊNCIA REGIONAL Válido 49,8 2, ,3 97,2 Total ,1 100,0 NA/NR/MR ,

30 NA SUA CANDIDATURA BENEFICIOU DE ACESSO PREFERENCIAL Válido 34,6 1, ,4 98,1 Total ,0 100,0 NA/NR/MR , INSCRIÇÃO NÍVEL DO CURSO EM QUE SE INSCREVE Válido Mestrado (parte escolar) ,4 64,4 Outra pós-graduação ,6 35,6 100,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 64,4 Mestrado (parte escolar) 35,6 Outra Pós-graduação 30

31 MODALIDADE Válido Público ,8 75,4 Particular/Cooperativo ,2 18,0 UCP 354 5,9 6,5 Total ,9 100,0 NA/NR/MR ,1 Modalidade UCP 6,5 Particular/Cooperativo 18,0 Público 75,4 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 31

32 REGIME DE INSCRIÇÃO Válido Diurno ,0 46,9 Pós-Laboral ,4 53,1 Total ,5 100,0 NA/NR/MR , Diurno Pós-Laboral OPÇÃO EM QUE FICOU COLOCADO Válido Primeira 568 9,4 90,3 Segunda 27,4 4,3 Terceira 9,1 1,4 Quarta 14,2 2,2 Quinta 2,0,3 Sexta 9,1 1,4 Total ,4 100,0 NA/NR/MR ,6 Opção em que ficou Colocado 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 90,3 4,3 1,4 2,2 0,3 1,4 Primeira Segunda Terceira Quarta Quinta Sexta 32

33 2.3 RAZÕES DE ESCOLHA DO CURSO CURSO COM SAÍDAS PROFISSIONAIS Válido TOTAL ,2 74, ,8 25, ,0 100,0 Razões Escolha do Curso - Curso com Saídas Profissionais VOCAÇÃO, GOSTO MATÉRIAS DO CURSO Válido ,7 24, ,3 75,3 Total ,0 100,0 Razões Escolha do Curso - Vocação, gosto Matérias do Curso

34 SER UM CURSO NOVO Válido ,7 94, ,3 5,3 100,0 Razões Escolha do Curso - Ser um Curso Novo 5 95 CURSO COM BOA COMPONENTE TEÓRICA Válido ,5 82, ,5 17,5 100,0 Razões Escolha do Curso - Curso com Boa Componente Teórica

35 BOA PERCENTAGEM DE DIPLOMADOS Válido ,7 99,7 20,3,3 100,0 Razões Escolha do Curso - Boa agem de Diplomados CURSO COM BOA COMPONENTE PRÁTICA Válido ,7 89, ,3 10,3 100,0 Razões Escolha do Curso - Curso com Boa Componente Prática

36 MÉDIAS DE ENTRADA ELEVADAS Válido ,8 99,8 11,2,2 100,0 Razões Escolha do Curso - Médias de Entrada Elevadas MÉDIAS DE ENTRADA ACESSÍVEIS Válido ,7 99,7 21,3,3 100,0 Razões Escolha do Curso - Médias de Entrada Acessíveis

37 QUALIDADE VIDA ACADÉMICA E CONVÍVIO Válido ,1 97, ,9 2,9 100,0 Razões Escolha do Curso - Qualidade Vida Académica e Convívio 97 3 MAIOR POSSIBILIDADE DE ENTRADA Válido ,9 97, ,1 2,1 100,

38 BOA PERCENTAGEM COLOCAÇÕES MERCADO DE TRAB. Válido ,9 88, ,1 11,1 100,0 Razões Escolha do Curso - Boa agem Colocações Mercado de Trab RAZÕES ESCOLHA DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO LOCALIZAÇÃO Válido ,5 57, ,5 42,5 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Localização

39 PRESTÍGIO Válido ,7 49, ,3 50,3 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Prestígio MÉDIAS DE ENTRADA ELEVADAS Válido ,6 99,6 27,4,4 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Médias de Entrada Elevadas

40 MÉDIAS DE ENTRADA ACESSÍVEIS Válido ,0 99,0 60 1,0 1,0 Total ,0 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Médias de Entrada Acessíveis 1 99 CUSTOS MAIS REDUZIDOS Válido ,7 93, ,3 6,3 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Custos mais Reduzidos

41 BOA PERCENTAGEM DE COLOCAÇÕES NO MERCADO TRABALHO Válido ,7 92, ,3 7,3 100, POSSIBILIDADE DE TRABALHAR E ESTUDAR Válido ,6 69, ,4 30,4 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Possibilidade de Trabalhar e Estudar

42 MAIOR POSSIBILIDADE DE ENTRADA Válido ,3 97, ,7 2,7 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Maior Possibilidade de Entrada 3 97 QUALIDADE VIDA ACADÉMICA E CONVÍVIO Válido ,8 95, ,2 4,2 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Qualidade Vida Académica e Convívio

43 BOA PERCENTAGEM DE DIPLOMADOS Válido ,8 98,8 70 1,2 1,2 100,0 Razões Escolha Estab. Ensino - Boa agem de Diplomados(a) CARACTERÍSTICAS PRIVILEGIADAS NUM ESTABELECIMENTO DE ENSINO BONS PROFESSORES Válido Menos Importante 170 2,8 3, ,0 1, ,8 3, ,5 16,4 Mais Importante ,2 76,1 Total ,4 100,0 NA/NR/MR ,6 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Bons Professores Mais Importante Menos Importante 1,2 3,2 3,2 16,4 76,1 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 43

44 PRESTÍGIO ESTABELECIMENTO Válido Menos Importante 116 1,9 2, ,8 4, ,9 18, ,8 44,7 Mais Importante ,3 30,4 Total ,8 100,0 NA/NR/MR ,2 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Prestígio Estabelecimento Mais Importante 30,4 44,7 3 4,4 18,4 Menos Importante 2,2 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 BOAS INFRA-ESTRUTURAS Válido Menos Importante 191 3,2 3, ,2 3, ,0 17, ,6 48,0 Mais Importante ,6 26,7 Total ,6 100,0 NA/NR/MR ,4 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Boas Infra-Estruturas Mais Importante Menos Importante 3,8 3,7 17,8 26,7 48,0 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 44

45 BOA BIBLIOTECA Válido Menos Importante 82 1,4 1, ,3 4, ,3 18, ,3 38,7 Mais Importante ,6 36,4 Total ,8 100,0 NA/NR/MR ,2 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Boa Biblioteca Mais Importante Menos Importante 1,8 4,3 18,9 36,4 38,7 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 BONS MEIOS INFORMÁTICOS Válido Menos Importante 83 1,4 1, ,9 5, ,8 22, ,5 40,3 Mais Importante ,6 30,2 Total ,2 100,0 NA/NR/MR ,8 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Bons Meios Informáticos Mais Importante Menos Importante 1,8 5,0 22,7 30,2 40,3 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 45

46 LOCALIZAÇÃO Válido Menos Importante 240 4,0 5, ,1 10, ,3 35, ,1 32,8 Mais Importante ,0 15,8 Total ,4 100,0 NA/NR/MR ,6 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Localização Mais Importante Menos Importante 5,2 10,6 15,8 32,8 35,7 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 GARANTIA SAÍDAS PROFISSIONAIS Válido Menos Importante 143 2,4 3, ,1 5, ,8 19, ,5 35,3 Mais Importante ,2 36,2 Total ,0 100,0 NA/NR/MR ,0 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Garantia Saídas Profissionais Mais Importante 36, Menos Importante 3,2 5,5 19,8 35,3 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 46

47 MÉDIAS ENTRADA ELEVADAS Válido Menos Importante ,7 15, ,1 21, ,1 43, ,9 16,6 Mais Importante 167 2,8 3,9 Total ,6 100,0 NA/NR/MR ,4 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Médias Entrada Elevadas Mais Importante Menos Importante 3,9 16,6 15,0 21,0 43,5 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 ELEVADO SUCESSO ESCOLAR Válido Menos Importante 220 3,6 5, ,0 11, ,3 32, ,5 35,3 Mais Importante ,7 16,2 Total ,1 100,0 NA/NR/MR ,9 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Elevado Sucesso Escolar Mais Importante Menos Importante 5,1 11,1 16,2 32,3 35,3 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 47

48 QUALIDADE DOS CURRICULOS DOS CURSOS Válido Menos Importante 84 1,4 1, ,2 2, ,7 10, ,4 36,9 Mais Importante ,0 47,7 Total ,6 100,0 NA/NR/MR ,4 Mais Importante Menos Importante 3 2,7 1,7 10,9 36,9 47,7 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 ACTIVIDADES INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Válido Menos Importante 92 1,5 2, ,9 5, ,6 19, ,0 40,5 Mais Importante ,1 32,5 Total ,1 100,0 NA/NR/MR ,9 Mais Importante Menos Importante 2,1 5,2 19,7 32,5 40,5 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 48

49 ACTIVIDADES EXTRACURRICULARES Válido Menos Importante 336 5,6 7, ,5 17, ,1 40, ,9 26,5 Mais Importante 315 5,2 7,3 Total ,3 100,0 NA/NR/MR ,7 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Actividades Extracurriculares Mais Importante 4 3 7,3 26,5 40,9 2 Menos Importante 7,8 17,5 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 Válido BOA ORGANIZAÇÃO GERAL Menos Importante 119 2,0 2, ,3 4, ,3 19, ,3 44,6 Mais Importante ,8 29,2 Total ,5 100,0 NA/NR/MR ,5 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Boa Organização Geral Mais Importante ,2 29,2 44,6 2 Menos Importante 2,6 4,4 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 49

50 ESTRUTURAS DESPORTO E LAZER Válido Menos Importante 588 9,7 13, ,9 23, ,6 40, ,3 17,3 Mais Importante 203 3,4 4,7 Total ,9 100,0 NA/NR/MR ,1 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Estruturas Desporto e Lazer Mais Importante Menos Importante 4,7 17,3 13,7 23,8 40,4 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 ZONA DE REFEIÇÕES Válido Menos Importante 293 4,9 6, ,8 13, ,4 38, ,2 31,3 Mais Importante 408 6,8 9,5 Total ,0 100,0 NA/NR/MR ,0 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Zona de Refeições Mais Importante 9,5 4 31,3 3 38,6 2 13,8 Menos Importante 6,8 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 50

51 SERVIÇOS MÉDICO-SOCIAIS Válido Menos Importante 355 5,9 8, ,9 16, ,4 40, ,3 27,2 Mais Importante 330 5,5 7,7 Total ,9 100,0 NA/NR/MR ,1 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Serviços Médico-Sociais Mais Importante Menos Importante 7,7 8,3 16,7 27,2 40,1 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 APOIO ADMINISTRATIVO Válido Menos Importante 106 1,8 2, ,6 7, ,9 34, ,7 41,0 Mais Importante ,4 14,4 Total ,3 100,0 NA/NR/MR ,7 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Apoio Administrativo Mais Importante 14,4 4 41,0 3 34,4 2 7,8 Menos Importante 2,4 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 51

52 Válido Consider ado INTERCÂMBIOS COM UNIVERSIDADES ESTRANGEIRAS Menos Importante 319 5,3 7, ,6 10, ,8 31, ,3 36,1 Mais Importante ,7 15,5 Total ,7 100,0 NA/NR/MR ,3 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Intercâmbios Univ. Estrangeiras Mais Importante Menos Importante 7,0 10,0 15,5 31,5 36,1 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 BOA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES Válido Menos Importante ,0 15, ,7 20, ,2 38, ,7 18,9 Mais Importante 292 4,8 6,7 Total ,4 100,0 NA/NR/MR ,6 Características Privilegiadas numa Univ./Estab. Ensino - Boa Associação Estudantes Mais Importante 6, Menos Importante 15,2 18,9 20,3 38,9 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 52

53 2.6 - DADOS CONSIDERADOS NA ESCOLHA DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO OPINIÃO AMIGOS Válido ,5 86, ,5 13,5 100,0 Dados considerados na Escolha Estab. Ensino - Opinião Amigos OPINIÃO ANTIGOS DIPLOMADOS Válido ,7 85, ,3 14,3 100,0 Dados considerados na Escolha Estab. Ensino - Opinião Antigos Diplomados

54 OPINIÃO OUTROS ALUNOS Válido ,8 91, ,2 8,2 100,0 Dados considerados na Escolha Estab. Ensino - Opinião Outros Alunos 8 92 OPINIÃO FAMILIARES Válido ,0 94, ,0 6,0 100,0 Dados considerados na Escolha Estab. Ensino - Opinião Familiares

55 INFORMAÇÃO DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Válido ,3 95, ,7 4,7 100, VISITA A ESTABELECIMENTOS Válido ,9 92, ,1 7,1 100,

56 DOCUMENTAÇÃO SOBRE O ESTABELECIMENTO Válido ,6 76, ,4 23,4 100, INFORMAÇÃO IMPRENSA Válido ,2 93, ,8 6,8 100,

57 OUTROS MEIOS Válido ,6 71, ,4 28,4 100,

58 2.7 CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONOMICA EXERCE ACTIVIDADE REMUNERADA PERMANENTE Válido ,8 79, ,3 20,5 Total ,1 100,0 NA/NR/MR 355 5, SE EXERCE ACTIVIDADE REMUNERADA PERMANENTE, DE QUE TIPO Válido Tempo Inteiro ,3 88,6 Tempo Parcial 531 8,8 11,4 Total ,1 100,0 NA/NR/MR ,9 11 Tempo Inteiro Tempo Parcial 89 58

59 Custos De Ensino FINANCIADO PELOS PAIS Válido ,7 84, ,3 15,3 100, FINANCIADO PELO ALUNO Válido ,6 26, ,4 73,4 100, FINANCIADO POR BOLSA ESTUDO Válido ,8 98,8 74 1,2 1,2 100,

60 FINANCIADO POR OUTRO SUBSÍDIO Percentage m Válido ,1 99,1 57,9,9 100, FINANCIADO POR EMPRÉSTIMO BANCÁRIO Válido ,7 98,7 79 1,3 1,3 100, FINANCIADO POR OUTRO MEIO Válido ,9 95, ,1 4,1 100,

61 2.7.2 Residência Em Tempo De Aulas NO PRESENTE ANO LECTIVO ESTÁ DESLOCADO DA RESIDÊNCIA PERMANENTE PARA ESTUDAR Válido ,6 19, ,2 81,0 Total ,7 100,0 NA/NR/M R , RESIDÊNCIA EM TEMPO AULAS Válido Casa dos Pais ,3 32,9 Casa de Familiares 166 2,7 2,8 Casa Arrendada ,2 10,4 Casa Própria ,5 49,3 Quarto Arrendado 231 3,8 3,9 Residência Estudantes 41,7,7 República 2,0,0 Total ,4 100,0 NA/NR/MR 99 1,6 50,0 45,0 49,3 40,0 32,9 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,4 10,0 5,0 2,8 3,9 0,7 0,0 0,0 Casa dos Pais Casa de Familiares Casa Arrendada Casa Própria Quarto Arrendado Residência Estudantes República 61

62 Deslocação FORMA DE DESLOCAÇÃO PARA O ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido Transporte Público ,1 23,4 Transporte Próprio ,4 69,4 Transporte pais 182 3,0 3,1 Vai a pé 249 4,1 4,2 Total ,6 100,0 NA/NR/MR 83 1,4 69,4 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 23,4 Transporte Público Transporte Próprio Transporte pais 3,1 4,2 Vai a pé TEMPO DIÁRIO DESPENDIDO NA DESLOCAÇÃO PARA O ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido Menos de 1 hora ,8 63,0 Entre 1 e 2 horas ,0 28,5 Mais de 2 horas 497 8,2 8,4 Total ,0 100,0 NA/NR/MR 123 2,0 Mais de 2 horas 8,4 Entre 1 e 2 horas 28,5 Menos de 1 hora 63,0 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 62

63 Refeições Em Tempo De Aulas PENSA ALMOÇAR NO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido ,3 90, ,7 9,7 100, ALMOÇO NO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido Cantina/refeitório ,2 72,8 Bar ,9 27,2 Total ,2 100,0 NA/NR/MR ,8 Bar 27,2 Cantina/refeitório 72,8 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 63

64 ALMOÇO FORA DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido ,1 92, ,9 7,9 100, LOCAL DE ALMOÇO FORA DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido Cantina/refeitório 356 5,9 12,0 Restaurante/outros ,4 31,5 Onde Vive ,8 50,6 Casa de Familiares 172 2,8 5,8 Total ,9 100,0 NA/NR/MR ,1 Casa de Familiares Onde Vive Restaurante/outros Cantina/refeitório 5,8 12,0 31,5 50,6 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 64

65 JANTAR NO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido ,6 95, ,4 4,4 100, JANTAR NO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido Cantina/refeitório ,7 54,8 Bar 583 9,7 45,2 Total ,4 100,0 NA/NR/MR ,6 Bar 45,2 Cantina/refeitório 54,8 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 65

66 JANTAR FORA DO ESTABELECIMENTO ENSINO Válido ,4 89, ,6 10,6 100, LOCAL DO JANTAR, FORA DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Válido Cantina/refeitório 106 1,8 2,5 Restaurante/outros 421 7,0 10,0 Onde Vive ,0 80,3 Casa de Familiares 304 5,0 7,2 Total ,7 100,0 NA/NR/MR ,3 Casa de Familiares 7,2 Onde Vive 80,3 Restaurante/outros 10,0 Cantina/refeitório 2,5 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 66

67 2.7.5 Apoios/Subsídios no Ano Lectivo Anterior BOLSA ESTUDO SASE Válido 390 6,5 9, ,1 90,8 Total ,5 100,0 NA/NR/MR , OUTRO SUBSÍDIO SASE Válido 242 4,0 5, ,6 94,1 Total ,6 100,0 NA/NR/MR ,

68 ALOJAMENTO SASE Válido 231 3,8 5, ,8 94,3 Total ,6 100,0 NA/NR/MR , OUTROS APOIOS SASE Válido 222 3,7 5, ,0 94,6 Total ,6 100,0 NA/NR/MR ,

69 BOLSA ESTUDO DE OUTRA INSTITUIÇÃO Válido 115 1,9 2, ,8 97,1 Total ,7 100,0 NA/NR/MR , OUTRO SUBSÍDIO DE OUTRA INSTITUIÇÃO Válido 55,9 1, ,1 98,6 Total ,0 100,0 NA/NR/MR ,

70 ALOJAMENTO DE OUTRA INSTITUIÇÃO Válido 23,4, ,4 99,4 Total ,8 100,0 NA/NR/MR , OUTROS APOIOS DE OUTRA INSTITUIÇÃO Válido 48,8 1, ,4 98,7 Total ,2 100,0 NA/NR/MR ,

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS 1. Taxas de resposta RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS NOVOS ALUNOS 21% 29% 79% 71% Responderam Não responderam Responderam Não responderam Gráfico nº 1 - Frequência percentual de respostas dos novos alunos

Leia mais

Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS

Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS Resultados dos inquéritos aos novos alunos da ESCS No prosseguimento da política de qualidade da ESCS, foram realizados, no início do ano lectivo 2011/2012 e à semelhança do que aconteceu no ano anterior,

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCS. Resumo dos resultados do inquérito aos novos alunos da ESCS - 2013/2014

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCS. Resumo dos resultados do inquérito aos novos alunos da ESCS - 2013/2014 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCS Resumo dos resultados do inquérito aos novos alunos da ESCS - 2013/2014 1. Caracterização Ao inquérito realizado aquando da matrícula dos alunos que entraram em 1ª

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST)

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST) PERFIL DO ALUNO UNIVERSITÁRIO DO MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico () 1. Introdução Esta comunicação faz uma caracterização do

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2011

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL Dados referentes ao período de Janeiro a Dezembro de 2008 Edição revista DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE

Leia mais

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA 1. Encontra se concluída a colocação na primeira fase do 39.º concurso nacional de acesso, tendo sido admitidos,

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Metodologia Dimensão da amostra Datas das entrevistas Margem de erro Idioma das entrevistas 1,000 Brasileiros adultos 23 Novembro

Leia mais

I. TRAJECTÓRIA PROFISSIONAL. I. 1. Trajectória profissional externa anterior à entrada na empresa. Profissão/ Tipo de actividade

I. TRAJECTÓRIA PROFISSIONAL. I. 1. Trajectória profissional externa anterior à entrada na empresa. Profissão/ Tipo de actividade I. TRAJECTÓRIA PROFISSIONAL I. 1. Trajectória profissional externa anterior à entrada na empresa Sector de actividade Profissão/ Tipo de actividade na profissão Categoria profissional/ Titularidade profissional

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

Organização Curricular em Educação Física

Organização Curricular em Educação Física Organização Curricular em Educação Física Análise dos dados relativos à Organização Curricular em Educação Física para o ano letivo 2012/2013. Estudo desenvolvido pelo Conselho Nacional de Associações

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

Percurso lógico para a criação de uma empresa:

Percurso lógico para a criação de uma empresa: Percurso lógico para a criação de uma empresa: [3] Formas jurídicas de criar um negocio: Os negócios desenvolvidos por uma pessoa poderão ter a forma jurídica de Empresário em Nome Individual, Estabelecimento

Leia mais

População estrangeira em Portugal modera crescimento

População estrangeira em Portugal modera crescimento As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto População estrangeira em Portugal modera crescimento Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada, estatuto de residente

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. Índice Índice Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente de Origem e Principais Nacionalidades - Situação no fim do mês de Dezembro, de 2003 a 2009... 2 Desemprego Registado de Estrangeiros por Continente

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR

CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR CENTRO DE ALTO RENDIMENTO DO JAMOR Documento orientador de integração de Praticantes Critérios de financiamento às Federações Desportivas 2014/2015 O Centro de Alto Rendimento do Jamor (CAR Jamor) é uma

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES

INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE Direcção

Leia mais

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Boletim Estatístico Dezembro 2014 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. PROCESSOS E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO DE SOBRE-ENDIVIDAMENTO... 3 1.1. Processos e Pedidos de Informação de Sobre-endividamento

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO I. ESTATÍSTICAS DE IMIGRAÇÃO DE PAÍSES DA OCDE % estrangeiros por total de população residente em países da OCDE País 1992 1995 1998 2001 2002 Áustria 7,9 8,5 8,6 8,8 8,8 Bélgica

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA. MÓDULO III Bolsas e Estágios

AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA. MÓDULO III Bolsas e Estágios AS FONTES DE INFORMAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA MÓDULO III Bolsas e Estágios Bolsas e Estágios Bolsas Acção Social do Ensino Superior Fundação para a Ciência e a Tecnologia Fundação Calouste Gulbenkian Instituto

Leia mais

INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Relatório explicativo dos Organigramas do Sistema de Educação (Elaborados com base na Lei 13/01 de 31 de Dezembro) Cada Organigrama apresentado (tanto a

Leia mais

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE ESTUDO DOS DADOS DOS FARMACÊUTICOS Consulta à base de dados da Ordem dos Farmacêuticos a 31-12-213 7 MARÇO 214 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O FARMACÊUTICOS

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

Gestão do Lazer e Animação Turística Apresentação do curso

Gestão do Lazer e Animação Turística Apresentação do curso Gestão do Lazer e Animação Turística Apresentação do curso Francisco Silva francisco.silva@eshte.pt Director do Curso de Gestão do Lazer e Animação Turística Maio 2011 ESHTE Curso de Gestão do Lazer e

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA*

Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA* Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA* * CETs referenciados pelo Conselho Técnico-Científico da ESTGV para acesso

Leia mais

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00 Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015 1. Calendário Federativo Nacional Data Dia da Semana Evento Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar

Leia mais

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas

Utilização da Internet cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Utilização da cresce quase 20 por cento nos últimos dois anos nas famílias portuguesas Mais de metade das famílias portuguesas ainda não dispõe de computador mas o parque informático dos agregados familiares

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR As preferências e a consistência das escolhas

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR As preferências e a consistência das escolhas ACESSO AO ENSINO SUPERIOR As preferências e a consistência das escolhas Seminário "Acesso ao Ensino Superior: Desafios para o Século XXI CNE Universidade de Évora, 7 de Abril de 2015 Orlanda Tavares CIPES

Leia mais

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 Realização: Ana Paula Fontinha Ana Cristina Santos Disponibilização de Dados Estatísticos: Bruno Ramos Coordenação:

Leia mais

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Balanço 2009/2010 No segundo ano (2009/2010) de implementação do projecto Nestum Rugby nas Escolas, projecto este que resulta da parceria entre a Federação Portuguesa

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

Perfil do Aluno Ingressante no Campus Porto Alegre Relatório Geral

Perfil do Aluno Ingressante no Campus Porto Alegre Relatório Geral 29/09/2010 Semestre: 2010/2 Perfil do Aluno Ingressante no Campus Porto Alegre Relatório Geral Questão Resposta Número % Qual é o seu sexo? feminino 189 60% masculino 127 40% Como você se considera? branco(a)

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Tema: Vítimas com Necessidades Específicas Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Investigador: Miguel Rodrigues miguel.ol.rodrigues@hotmail.com

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

A mobilidade do talento e o futuro do trabalho

A mobilidade do talento e o futuro do trabalho Dados: 2011 Estudo global: 30 países Amostra Portugal: 9000 A mobilidade do talento e o futuro do trabalho R E L A T Ó R I O S Í N T E S E P O R T U G A L Dados: 2011 Estudo global: 30 países Amostra Portugal:

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7264 - Corte e Tecnologia de Carnes 541 - Indústrias es Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7109 -

Leia mais

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 30, 15/8/2014. Anos completos de serviço. 0 anos. 1 ano. 3 anos. 4 anos. 5 anos. 6 anos. 8 anos. 9 anos.

Boletim do Trabalho e Emprego, n.º 30, 15/8/2014. Anos completos de serviço. 0 anos. 1 ano. 3 anos. 4 anos. 5 anos. 6 anos. 8 anos. 9 anos. ANEXO IV Tabelas salariais Categoria A - Professores licenciados e profissionalizados Anos completos de serviço 0 anos 1 ano Nível Retribuição Valor hora semanal 2 anos A8 1 125,00 51,14 3 anos 4 anos

Leia mais

ANEXO A. Carta Educativa do Concelho de Mafra Anexo A, Pág. 305

ANEXO A. Carta Educativa do Concelho de Mafra Anexo A, Pág. 305 ANEXO A Anexo A, Pág. 305 Jardim de Infância (JI) Faixa Etária: 3 aos 5 anos Observações Percursos escola-habitação A pé - preferencial até 15 minutos; Em transporte público - máx. aceitável 20 minutos.

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços de

Leia mais

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação

Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação Gestão Bancária Gestão e Sistemas de Informação O Instituto Superior de Gestão Bancária (ISGB) é um estabelecimento de ensino superior dirigido preferencialmente às necessidades de todo o Setor Financeiro.

Leia mais

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Colocados CONCURSO NACIONAL DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Etapa 1: colocação dos candidatos às vagas

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ )

e-justiça Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.ª Júlia Ladeira ( ITIJ ) Patrocínio O que o sector da

Leia mais

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 O porquê? O que é? Metodologia de trabalho Resultados esperados O porquê? Após o Plano de Ação Ligar Portugal (2005-2010) - Espaços

Leia mais

Resultados do inquérito aos membros sobre os serviços da OA-SRS

Resultados do inquérito aos membros sobre os serviços da OA-SRS Duração do inquérito on-line: 18 de Junho a 4 de Outubro Nº de participantes: 2.257 Nº de participações validadas: 1.658 1/15 CARACTERIZAÇÃO DOS INQUIRIDOS Nº de amostras (validadas): 1658 g1 Idade g2

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

申 請 人 須 於 研 究 生 資 助 發 放 技 術 委 員 會 的 網 上 系 統 填 寫 申 請 表, 然 後 列 印 並 簽 署, 連 同 有 關 申 請 文 件 一 併 遞 交

申 請 人 須 於 研 究 生 資 助 發 放 技 術 委 員 會 的 網 上 系 統 填 寫 申 請 表, 然 後 列 印 並 簽 署, 連 同 有 關 申 請 文 件 一 併 遞 交 申 請 人 須 於 研 究 生 資 助 發 放 技 術 委 員 會 的 網 上 系 統 填 寫 申 請 表, 然 後 列 印 並 簽 署, 連 同 有 關 申 請 文 件 一 併 遞 交 Os candidatos a bolsas de mérito para estudos pós-graduados devem preencher on-line o boletim de candidatura.

Leia mais

CARTÃO 1. Entre meia hora e uma hora. Entre uma hora e hora e meia. Entre hora e meia e duas horas. Entre duas horas e duas horas e meia

CARTÃO 1. Entre meia hora e uma hora. Entre uma hora e hora e meia. Entre hora e meia e duas horas. Entre duas horas e duas horas e meia CARTÃO 1 Nenhum Menos de meia hora Entre meia hora e uma hora Entre uma hora e hora e meia Entre hora e meia e duas horas Entre duas horas e duas horas e meia Entre duas horas e meia e três horas Mais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março As escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde são estabelecimentos de ensino politécnico dotados de personalidade jurídica e de

Leia mais

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS

COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS COMISSÃO DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS RELATÓRIO DE ANÁLISE AOS INQUÉRITOS DE INGRESSO DOS NOVOS ALUNOS

Leia mais

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar:

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar: s previstos no art. 56.º do Estatuto da Carreira Docente que relevam para a aplicação da alínea c) do n.º 1 do art. 14.º do Decreto-Lei n.º35/2003, de 27 de Fevereiro, na redacção dada pelo Decreto-Lei

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Reciclagem de Veículos em Fim de Vida (VFV) rumo a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Tópicos Empresa Sistema

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Nome: NIF: Data de nascimento / / Estado Civil: NISS: Cartão Cidadão n.º Válido até: / / Nacionalidade: Natural de: Filiação:

Leia mais

MBA MASTER BUSINESS ADMINISTRATION E MBAH MASTER EM GESTÃO HOTELEIRA E TURISTICA

MBA MASTER BUSINESS ADMINISTRATION E MBAH MASTER EM GESTÃO HOTELEIRA E TURISTICA MBA MASTER BUSINESS ADMINISTRATION E MBAH MASTER EM GESTÃO HOTELEIRA E TURISTICA Angra do Heroísmo 2007 1 MBA MASTER BUSINESS ADMINISTRATION MBAH MASTER EM GESTÃO HOTELEIRA E TURISTICA Objectivos dos dois

Leia mais

Manual. Por: PET ADM UFMG. Um guia para conhecer melhor a faculdade

Manual. Por: PET ADM UFMG. Um guia para conhecer melhor a faculdade Manual Do Calouro Por: PET ADM UFMG Um guia para conhecer melhor a faculdade índice PET ADM UFMG Capítulo 1 O curso de Administração Capítulo 2 Oportunidades UFMG Capítulo 3 - Espaços mais importantes

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO Preâmbulo Faz parte da missão da ANA - Aeroportos de Portugal, S.A. (ANA) gerir de forma eficiente a rede de infraestruturas aeroportuárias a seu cargo os aeroportos

Leia mais

A Mulher portuguesa e o Desporto O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 21/05/2014

A Mulher portuguesa e o Desporto O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 21/05/2014 O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 2 A Mulher portuguesa e o Desporto 1º FÓRUM NACIONAL DE TÉNIS DE MESA 24 maio 2014 Propostas para discussão e reflexão Manuela Simões O Ténis de Mesa não é, a este

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS

CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS CURSOS DE FORMAÇÃO COM ANIMAÇÃO NO PLANO DE ESTUDOS Portugal, 2010 Documento elaborado pelo grupo de trabalho designado como Formação com base em orientações determinadas no encontro nacional de profissionais

Leia mais

Questionário aos Bolseiros. da Fundação Rotária Portuguesa. Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária

Questionário aos Bolseiros. da Fundação Rotária Portuguesa. Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária Questionário aos Bolseiros da Fundação Rotária Portuguesa Este questionário pretende conhecer as opiniões do bolseiros da Fundação Rotária Portuguesa sobre o apoio que lhes é prestado. A sua resposta a

Leia mais

AVISO AOS ESTUDANTES, CANDIDATOS A PROSSECUÇÃO DE CURSOS DE LICENCIATURA OU DE

AVISO AOS ESTUDANTES, CANDIDATOS A PROSSECUÇÃO DE CURSOS DE LICENCIATURA OU DE UNIDADE DISCIPLINA TRABALHO República Democrática de S. Tomé e Príncipe EMBAIXADA PORTUGAL AVISO AOS ESTUDANTES, CANDIDATOS A PROSSECUÇÃO DE CURSOS DE LICENCIATURA OU DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NO ENSINO

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 2 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 2012/13 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO

RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 2012/13 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO Estudantes à Saída do Secundário 12/13 RELATÓRIO GLOBAL DE ESCOLA DO QUESTIONÁRIO ESTUDANTES À SAÍDA DO SECUNDÁRIO 12/13 Código da Escola OTES1213 N.º de respostas 41658 I - CARACTERIZAÇÃO DOS ESTUDANTES

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo 2015/2016

Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo 2015/2016 PROVA DE INGRESSO PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo 2015/2016 Componente Específica de Economia para

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais