- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria"

Transcrição

1 - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

2 ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação financeira Pág. 7 Situação actual e perspectivas Pág. 7 Taxas de juro e encargos financeiros Pág. 9 Situação perante o Fisco e Segurança Social Pág. 11 Prazos de Pagamento Pág Investimentos. Financiamento. Tecnologias de Informação Investimentos Financiamento Tecnologias de Informação Pág. 13 Pág. 17 Pág Actividade Empresarial. Conjuntura Volume de Negócios em 2005 Perspectivas sobre a Procura para 2006 Avaliação da conjuntura actual. Perspectivas Pág. 19 Pág. 20 Pág Emprego Pág. 23 ANEXO I Quadros de resultados Pág. 25 ANEXO II Caracterização da amostra Pág. 43 1

3 INTRODUÇÃO 1. A AIP tem vindo a realizar anualmente, desde 1995, o Inquérito à Actividade Empresarial (IAE), com o objectivo de recolher informação sobre diversos aspectos relacionados com a actividade das empresas. 2. Este Inquérito é dirigido a uma amostra constituída pelas empresas sócias e por um conjunto de empresas obtido de forma aleatória, tendo em conta a dimensão e o sector de actividade da empresa. As características das empresas que responderam ao IAE 2006, relativamente à dimensão, sector de actividade e localização geográfica, estão referidas no Anexo II. 3. A análise dos resultados do IAE 2006, a exemplo dos anos anteriores, considera oito sub-conjuntos: indústria e construção, comércio e serviços ; exportadoras e não exportadoras ; e, micro, pequenas, médias e grandes empresas. 4. O sub-conjunto exportadoras inclui todas as empresas que referem realizar exportações, qualquer que seja o seu peso relativo no volume de negócios (no anexo II refere-se a distribuição das empresas exportadoras segundo o peso das exportações no volume de negócios). 2

4 5. A dimensão da empresa considerada baseia-se apenas no critério do volume de emprego da Recomendação da Comissão Europeia para a definição de PME. De acordo com esta Recomendação, uma definição correcta terá que tomar em conta, também, os critérios do volume de negócios ou o balanço total anual e da independência. 6. Na análise dos resultados procede-se a algumas comparações com os dados obtidos em inquéritos anteriores. Apesar de algumas análises, normalmente através da construção de amostras constantes, apontarem no sentido de que estas comparações têm algum significado, as mesmas devem ser vistas com algum cuidado. 7. Este Relatório apresenta e analisa resultados apurados com base nas respostas recolhidas na última semana de Maio e em Junho de 2006, respeitante a 1153 empresas. 3

5 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1. A actual situação financeira é avaliada de forma positiva pela maioria das empresas, com 56% das empresas a considerarem-na como normal e 25% como boa ou muito boa. Os resultados do IAE 2006 são semelhantes aos obtidos no ano anterior. O saldo das respostas extremas é de +6 p.p. (+5 p.p. em 2005). 2. As previsões das empresas sobre a evolução da sua situação financeira em 2006 são relativamente melhores do que as existentes há um ano atrás. O saldo das respostas extremas é de +12 p.p. (+2 p.p. em 2005). 3. Cerca de 58% das empresas que responderam ao IAE 2006 referem pagar taxas de juro inferiores a 5%, valor ligeiramente superior ao registado no inquérito anterior (55%). 4. A situação normal perante o Fisco é mencionada por 88% das empresas e cerca de 8% referem a situação dívida regularizada. Estes resultados são semelhantes aos apurados no IAE 2005, situação que também se verifica relativamente à Segurança Social. 5. Os resultados obtidos no IAE 2006 apontam para prazos de pagamento idênticos aos registados no IAE Nos clientes privados nacionais predomina o prazo de pagamento 60 a 90 dias (33%) e 30 a 60 dias (29%), valores iguais ao verificado no inquérito do ano passado. Nos clientes privados 4

6 estrangeiros predomina o pagamento no prazo 30 a 60 dias (37%) seguido pelo prazo 60 a 90 dias (29%). 6. Relativamente aos clientes Estado e Autarquias em que predominam o prazo de pagamento mais 120 dias (referido por 36% das empresas, no caso do Estado, e 46% no caso das Autarquias) nota-se um agravamento nos prazos de pagamento com o peso relativo das empresas que referem pagamentos a mais de 90 dias a aumentar +4 p.p. no caso do Estado e +7 p.p. no caso das Autarquias. 7. Cerca de 58% (55% na indústria e 61% na construção, comércio e serviços ) das empresas que responderam ao Inquérito de 2006 referem ter tido em 2005 um volume de negócios superior ao verificado em Este resultado é idêntico ao registado no inquérito anterior. 8. As perspectivas das empresas relativamente à evolução da procura em 2006 são melhores do que as que existiam há um ano, nomeadamente no que respeita a evolução esperada para a procura no mercado externo. 9. Para o mercado nacional a diferença entre as empresas que prevêem em 2006 uma procura superior ou muito superior e uma procura inferior ou muito inferior é de +8 p.p. (-10 p.p. no Inquérito de 2005). 10. As perspectivas para a evolução da procura no mercado externo são mais positivas, com um saldo das respostas extremas de + 33 p.p. (+4 p.p. em 2005). Cerca de 75% das empresas exportadoras prevêem para 2006 um crescimento das suas exportações (57% no IAE 2005). 5

7 11. A conjuntura económica actual é avaliada como má ou muito má por 77% das empresas (-13 p.p. do que em igual período de 2005), e 22% (+12 p.p. do que em 2005) avaliam a actual conjuntura como normal. 12. As perspectivas sobre a evolução da conjuntura em 2006 são menos negativas do que as existentes na altura do IAE Cerca de 38% das empresas perspectivam que a evolução da conjuntura será pior ou muito pior (-28 p.p. do que no IAE 2005), enquanto que 18% apontam para uma evolução melhor ou muito melhor (+12 p.p. do que em 2005). 13. Cerca de 55% das empresas que responderam ao Inquérito prevêem a manutenção do seu volume de emprego em As perspectivas das empresas neste campo são menos negativas do que no IAE 2005 (saldo de respostas extremas de 9 p.p. em 2006 e 18 p.p. no IAE de 2005), mas praticamente iguais aos valores realizados em

8 2 ANÁLISE DOS RESULTADOS 2.1 Situação Financeira Situação actual e perspectivas. - As empresas fazem uma avaliação positiva da sua actual situação financeira. Cerca de 56% das empresas consideram-na normal e 25% como boa ou muito boa. Gráfico I Empresas Situação financeira actual 60% 40% 56% 20% 19% 25% 0% Má ou muito má Normal Boa ou muito boa - Esta avaliação é semelhante à registada no IAE A diferença entre o peso relativo das empresas que consideram a sua situação financeira como boa ou muito boa e aquelas que a consideram como má ou muito má é de +6 p.p. (+5 p.p. em 2005). - Registam-se diferenças com algum significado entre as empresas não exportadoras e exportadoras com saldos de respostas extremas de, respectivamente, -1 p.p. e + 15 p.p. (+29 p.p. no caso das empresas em que as 7

9 exportações representam mais de 50% do volume de negócios). De notar, ainda, que no caso das empresas da indústria este saldo é de 11 p.p. nas não exportadoras e +14 p.p. nas exportadoras. Gráfico II Empresas Situação financeira de acordo com a dimensão da empresa 60% 60% 61% 40% 51% 48% 20% 29% 20% 16% 42% 19% 33% 10% 11% 0% Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa "micro" empresa "pequena" empresa "média" empresa "grande" empresa - A avaliação da situação financeira, a exemplo do que aconteceu em inquéritos anteriores, é bastante diferenciada consoante a dimensão das empresas. Os saldos das respostas extremas são de 18 p.p. nas micro, -1 p.p. nas pequenas, +17 p.p. nas médias e +38 p.p. nas grandes empresas. Cerca de 52% das empresas consideram que a sua situação financeira em 2006 será igual à verificada em 2005 e 30% apontam para uma melhoria. - Esta avaliação é ligeiramente mais positiva do que no ano anterior. O saldo das respostas extremas é positivo em todos os sub-conjuntos considerados na análise, sendo mais significativo nas empresas exportadoras (+20 p.p.) do que nas não exportadoras (+8 p.p.) e, nas médias (+15 p.p.) e grandes empresas (+25 p.p.) do que nas micro e pequenas empresas (+9 p.p.). 8

10 Gráfico III Empresas Previsão sobre a evolução da situação financeira da empresa para 2006, relativamente a % 40% 53% 51% 52% 52% 20% 29% 32% 34% 28% 0% 18% 17% 20% 14% "indústria" "construção, "exportadoras" "não comércio e exportadoras" serviços" Pior ou Muito Pior Igual Melhor ou Muito Melhor Taxas de juro e encargos financeiros. - O peso relativo das empresas que referem pagar uma taxa de juro média inferior a 5% nos empréstimos (58%) é ligeiramente superior ao registado em 2005 (55%). No caso da carteira comercial, o peso relativo das empresas que referem taxas de juro inferiores a 5% (52%) é igual ao registado no IAE Gráfico IV Empresas Taxa de juro nominal média nos empréstimos 100% 18% 15% 11% 10% 9% 8% 80% 40% 33% 36% 34% 60% 64% 49% 40% 20% 18% 36% 49% 57% 55% 58% 0% IAE 2001 IAE 2002 IAE 2003 IAE 2004 IAE 2005 IAE 2006 < 5% 5% - 7,5% > 7,5% 9

11 - Verificam-se diferenças no peso relativo das empresas que referem pagar taxas de juro inferiores a 5% nos empréstimos, entre as empresas exportadoras (67%), e as não exportadoras (49%). Gráfico V Empresas Taxa de juro nominal média dos empréstimos, segundo a dimensão 1% 100% 2% 14% 12% 13% 8% 7% 4% 3% 9% 11% 23% 11% 21% 24% 20% 28% 25% 80% 35% 23% 28% 45% 43% 89% 60% 44% 89% 91% 54% 50% 49% 79% 52% 55% 73% 40% 69% 73% 47% 58% 44% 44% 20% 27% 37% 25% 21% 20% 0% IAE 03 IAE 04 IAE 05 IAE 06 IAE 03 IAE 04 IAE IAE IAE IAE IAE 05 IAE 06 IAE 03 IAE IAE IAE 06 "micro" empresas "pequenas" empresas "médias" empresas "grandes" empresas < 5% 5% - 7,5% > 7,5% Relativamente à dimensão das empresas o peso relativo das empresas que referem taxas de juro inferiores a 5% nos empréstimos, cresce com a dimensão das empresas: 27% nas micro, 47% nas pequenas, 73% nas médias e 89% nas grandes. Gráfico VI Empresas Peso dos encargos financeiros nas vendas 100% 18% 19% 16% 18% 16% 80% 60% 35% 33% 33% 30% 35% 40% 20% 47% 48% 51% 52% 49% 0% IAE 2002 IAE 2003 IAE 2004 IAE 2005 IAE 2006 < 2% 2% - 5% > 5% 10

12 Um rácio entre os encargos financeiros e as vendas inferior a 2% é referido por 49% das empresas (52% em 2005). Cerca de 35% das empresas referem um rácio entre 2 e 5% (35% em 2005). Situação perante o Fisco e a Segurança Social. - Uma situação normal perante o Fisco é referida por 88% das empresas que responderam ao IAE As situações de dívida regularizada e em dívida são mencionadas por, respectivamente, 8% e 4% das empresas. Gráfico VII Empresas Situação perante o Fisco 88% 4% 8% Normal Dívida Regularizada Dívida Na Segurança Social a situação é semelhante. Não se notam alterações com significado nos resultados apurados no IAE 2006 em comparação com os obtidos no IAE

13 Prazos de Pagamento. - A questão prazos de pagamento foi incluída pela primeira vez no IAE Os resultados apurados no IAE 2006 confirmam a existência de dois perfis distintos. Um constituído pelos clientes privados nacionais e estrangeiros e o outro pelos clientes Estado e Autarquias. Os resultados do IAE 2006 são semelhantes aos apurados em 2005, no caso dos clientes privados. O prazo 60 a 90 dias (referido por 33% das empresas) predomina nos clientes privados nacionais, seguido pelo prazo de 30 a 60 dias (29%). Gráfico VIII Prazos de pagamento Clientes privados nacionais e clientes estrangeiros 50% 40% clientes privados nacionais clientes privados estrangeiros 30% 37% 20% 29% 33% 29% 10% 0% 18% 13% < 30 dias dias dias dias 17% 13% 7% > 120 dias < 30 dias dias dias dias 4% > 120 dias Nos clientes privados estrangeiros, a predominância é do prazo de pagamento 30 a 60 dias (37%), seguido pelo prazo 60 e 90 dias (29%). - Relativamente aos prazos de pagamento do Estado e das Autarquias mantém-se a predominância do prazo de pagamento mais de 120 dias 12

14 referido por 36% das empresas, no caso do Estado, e por 46% nas Autarquias. - Em comparação com os resultados obtidos há um ano atrás, nota-se algum agravamento nos prazos de pagamento com o peso relativo das empresas que referiram pagamentos a mais 90 dias a aumentar +4 p.p. no caso do Estado e +7 p.p. nas Autarquias. Gráfico IX Prazos de pagamento Estado e Autarquias 50% Estado Autarquias 40% 30% 20% 36% 46% 10% 9% 12% 19% 24% 9% 9% 14% 22% 0% < 30 dias dias dias dias > 120 dias < 30 dias dias dias dias > 120 dias - Cerca de 77% das empresas referem ter problemas com os atrasos de pagamento, valor que é semelhante ao verificado no ano anterior. Relativamente à evolução da situação nesta matéria, no último ano, os resultados apontam no sentido que não se terão registado alterações significativas. 13

15 2.2 Investimentos. Financiamento. Tecnologias de Informação. Investimentos. - Cerca de 50% das empresas que responderam ao IAE 2006 referem ter realizado investimentos em 2004, subindo para 56% a percentagem das empresas que indicam ter investido em 2005 e para 61% a percentagem das que manifestam intenção de investir em Entre as empresas exportadoras é significativamente maior a percentagem das que referem ter realizado ou pretender realizar investimentos, comparativamente com as não exportadoras, em qualquer dos três anos abordados no IAE 2006 (+14 p.p. em 2004, +17 p.p. em 2005 e +15 p.p. em 2006). - A percentagem das empresas que referem ter realizado ou vir a realizar investimentos aumenta com a dimensão da empresa, em qualquer dos anos abordados no inquérito. A diferença entre a percentagem das grandes e das micro empresas que referem investimentos é de +43 p.p. em 2004, passando para +39 p.p. em 2005 e para +34 p.p. em O número médio de áreas de investimento indicadas por cada empresa que refere investimentos também aumenta ao longo do período abordado pelo inquérito, passando de 3.0 em 2004, para 3.3 em 2005 e 3.6 em Em qualquer dos 3 anos, as cinco áreas de investimento referidas por uma maior percentagem de empresas são: a modernização do equipamento produtivo, a formação profissional, as tecnologias de informação, a substituição de equipamento produtivo e o marketing, qualidade e organização. 14

16 De destacar o acréscimo da percentagem de empresas que, entre 2004 e 2006, referem investimentos nas seguintes áreas: marketing, qualidade e organização (+13 p.p.), formação profissional (+13 p.p.), internacionalização (+10 p.p.), ambiente (+10 p.p.) e investigação e desenvolvimento (7 p.p.). Gráfico X Empresas Investimentos no período , em % do total de empresas que referem investimentos Equipamento produtivo: Modernização Substituição Expansão Outras áreas de investimento: Formação Profissional Tecnologias de Informação Marketing, Qualidade e Organização Ambiente Investigação e Desenvolvimento Outros Internacionalização 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% (P) (P) Previsão das empresas - Para qualquer dos anos abordados no IAE 2006, as empresas da indústria referem um maior número médio de áreas de investimento comparativamente com as do conjunto construção, comércio e serviços, diferindo igualmente nas áreas de investimento mais apontadas. Na indústria destacam-se as áreas relacionadas com o equipamento produtivo (modernização, substituição e expansão), seguidas da formação profissional ; enquanto entre na construção, comércio e serviços assumem 15

17 maior importância as tecnologias de informação e também a formação profissional. - Cerca de 39% das empresas indicaram que o valor dos investimentos realizados em 2005 foi superior ou muito superior ao realizado em 2004 e 37% prevêem que o valor dos investimentos a realizar em 2006 seja superior ou muito superior ao realizado em A diferença entre as empresas que indicam que o valor dos investimentos foi superior ou muito superior ao realizado no ano precedente e as que referem ter sido inferior ou muito inferior é de +10 p.p., tanto em 2005 como em Gráfico XI Empresas Evolução do valor dos investimentos efectuados no período % 80% 39% 37% 60% 40% 32% 35% 20% 29% 27% 0% Entre 2004 e 2005 Entre 2005 e 2006 (P) (P) Previsão das empresas Inferior ou Muito Inferior Igual Superior ou Muito Superior - A percentagem de empresas com aumento do valor de investimentos entre dois anos consecutivos é maior na construção, comércio e serviços (41% entre 2004 e 2005 e 38% entre 2005 e 2006); nas exportadoras (44% e 16

18 41%, respectivamente) e nas grandes empresas (48% em ambos os períodos). É também nestes sub-conjuntos que é mais significativo o saldo das respostas extremas em ambos os períodos (entre +13 p.p. e +24 p.p.). Financiamento. - Em qualquer dos anos abordados no Inquérito, as principais fontes de financiamento indicadas pelas empresas são, à semelhança das edições anteriores, o autofinanciamento (74%), o crédito bancário (40%) e o leasing (41%). O capital de risco e o a recurso ao mercado de capitais continuam a ser apontados por uma percentagem pouco significativa de empresas. Gráfico XII Empresas Fontes de financiamento do investimento Autofinanciamento Leasing Crédito Bancário Outros Mercado de Capitais Capital de Risco Apoios públicos: PRIME Outros FSE 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% (P) (P) Previsão das empresas - A indicação do recurso a apoios públicos como fonte de financiamento é mais expressiva em 2006 e tende a aumentar com a dimensão da empresa. 17

19 Tecnologias de Informação. - Das empresas que responderam ao IAE 2006, 94% afirmam ter ligação à internet em banda larga (97% entre as empresas exportadoras ). Entre as micro empresas esta percentagem é de 84%, passando para cerca de 98% entre as médias e grandes empresas. - O tipo de acesso à internet em banda larga por ADSL é o mais referido pelas empresas (73%); a ligação por cabo é apontada por 7% das empresas e 13% referem utilizarem outra forma de acesso. A outra forma de acesso em banda larga assume especial significado entre as médias (16%) e as grandes empresas (43%). Gráfico XIII Empresas Utilização das tecnologias de informação e comunicação Banda larga 94% Página na internet 66% E-commerce 24% E-market place 7% 0% 20% 40% 60% 80% 100% - Cerca de 66% das empresas referem ter página na internet, 24% afirma utilizar alguma forma de e-commerce, sobretudo para compras (referido por 17% das empresas) e 7% indicam participar nalgum e-market place. 18

20 - Existem diferenças significativas entre as empresas exportadoras e as não exportadoras tanto em termos de existência de página na internet (+20 p.p.), como de e-commerce (+8 p.p.) e de participação nalgum emarket place (+ 2 p.p.). - O recurso a tecnologias de informação tende a aumentar com a dimensão da empresa. Entre as grandes empresas, 84% afirmam disporem de página na internet (49% nas micro ); 40% utilizam alguma forma de e-commerce (18% nas micro ) e 14% participa nalgum e-market place (4% entre as micro empresas). 2.3 Actividade Empresarial. Conjuntura. Volume de Negócios em Das empresas que responderam ao IAE 2006, cerca de 58% referem crescimento do seu volume de negócios em 2005, relativamente ao ano anterior. Este resultado é igual ao verificado no IAE Gráfico XIV Empresas Volume de vendas em 2005 relativamente a 2004, segundo a actividade 100% 46% 45% 37% 39% 42% 42% 42% 42% 50% 54% 55% 63% 61% 58% 58% 58% 58% 0% IAE 2005 IAE 2006 IAE 2005 IAE 2006 IAE 2005 IAE 2006 IAE 2005 IAE 2006 "indústria" "const., com.e serv." "exportadoras" "não exportadoras" Aumento Diminuição 19

21 Em termos do número de empresas é de salientar o facto de o peso relativo das empresas da construção, comércio e serviços ser superior em 6 p.p. ao das empresas da indústria, e o valor significativamente mais elevado do peso relativo das grandes empresas que referem crescimento do volume de negócios em 2005 (72%). Perspectivas sobre a Procura para As perspectivas das empresas relativamente à evolução da procura em 2006 são positivas, nomeadamente no que respeita ao mercado externo. - No mercado nacional, a diferença entre o peso relativo das empresas que prevêem uma procura superior ou muito superior e o das que prevêem uma procura inferior ou muito inferior é de + 8 p.p. (-10 p.p. no IAE 2005). Este indicador tem um valor mais significativo nas empresas do sub-conjunto construção, comércio e serviços (+12 p.p.) do que no da indústria (+ 6 p.p.) e no das exportadoras (+11 p.p.) do que no das não exportadoras (+6 p.p.). Gráfico XV Empresas Previsão sobre a Procura para 2006, em relação a % 53% 40% 20% 26% 20% 40% 27% 34% 0% Inferior ou Muito Inferior Igual Superior ou Muito Superior Mercado Nacional Mercado Externo 20

22 Em termos de dimensão, o saldo das respostas extremas é mais significativo nas médias (+15 p.p.) e grandes empresas (+11 p.p.) do que nas micro (+7p.p.) e pequenas empresas (+ 3 p.p.). Gráfico XVI Empresas Previsão sobre a Procura no mercado interno e no mercado externo para 2006 Mercado Interno 60% Mercado Externo 60% 53% 40% 37% 36% 40% 34% 40% 32% 32% 36% 20% 26% 27% 20% 20% 27% 0% Inferior ou Muito Inferior Igual Superior ou Muito Superior 0% Inferior ou Muito Inferior Igual Superior ou Muito Superior IAE 2005 IAE No caso do mercado externo, as previsões são significativamente mais positivas com um saldo de respostas extremas de +33 p.p. (+4 p.p. em 2005). Em todas as classes de dimensão consideras, as previsões da procura no mercado externo são significativamente superiores às do mercado nacional, havendo no entanto, também neste caso, algumas diferenças entre as médias (+ 34 p.p.) e as grandes empresas (+58 p.p.) por um lado, e as micro (+ 19p.p.) e pequenas empresas (+21 p.p.) por outro. - Cerca de 75% das empresas exportadoras prevêem um crescimento das exportações em 2006 (57% no IAE 2005). Existem diferenças consoante a dimensão das empresas. Entre grandes empresas a percentagem das que admitem aumento das exportações é de 86%, sendo 77% nas médias, 66% nas pequenas e 71% nas micro. 21

23 Avaliação da conjuntura actual. Perspectivas. - A conjuntura económica actual é considerada como má ou muito má por 77% das empresas (90% no IAE 2005). Cerca de 22% das empresas avalia a actual conjuntura como normal. - Não se verificam diferenças significativas na avaliação da conjuntura actual, seja em termos de actividade (as empresas exportadoras têm uma apreciação ligeiramente menos negativa que as não exportadoras ), seja em relação à dimensão das empresas. 100% Gráfico XVII Empresas Avaliação da conjuntura no momento do inquérito 80% 60% 40% 20% 0% Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa - Relativamente à evolução da conjuntura durante 2006 as perspectivas das empresas são menos negativas do que há um ano atrás. Cerca de 38% (-28 p.p. que em 2005) consideram que a conjuntura vai ser pior ou muito pior e 18% (+12 p.p.) considera que vai ser melhor. 22

24 Gráfico XVIII Empresas Conjuntura económica, perspectivas para 2006 em relação ao ano anterior 80% 60% 40% 20% 0% Pior ou Muito Pior Igual Melhor ou Muito Melhor 2.4 Emprego - A manutenção do seu volume de emprego em 2006 é a previsão de 55% das empresas. - As perspectivas das empresas em relação à evolução do volume de emprego no ano corrente são menos negativas do que as registadas no IAE 2005, com um saldo de respostas extremas de 9 p.p. (-17 p.p. na previsão do IAE 2005) e praticamente iguais aos valores referidos como registados em Continua a registar-se uma diferença significativa entre as empresas da indústria com um saldo de respostas extremas de 13 p.p. (-26 p.p. previstos no IAE 2005), e as da construção, comércio e serviços com um saldo de 4 p.p. (-8 p.p. no IAE 2005). 23

25 60% Gráfico XIX Empresas Evolução do volume de emprego 54% 55% 47% 40% 23% 31% 27% 20% 23% 22% 18% 0% Manutenção Aumento Diminuição - Em relação à dimensão das empresas, o saldo das respostas extremas é nulo nas micro empresas e negativo nas restantes classe de dimensão: -9 p.p. nas pequenas, -11 p.p. nas médias e 16 p.p. nas grandes empresas. 24

26 ANEXO I Quadros de Resultados 25

27 1 Situação financeira. Quadro I - Empresas - Situação financeira actual, segundo a actividade Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa Total das Empresas 19,4% 55,3% 25,3% Indústria 20,6% 53,6% 25,8% Construção, Comércio e Serviços 18,1% 57,1% 24,8% Exportadoras 15,9% 53,3% 30,8% Não Exportadoras 22,4% 56,9% 20,6% Quadro I-A - Empresas - Situação financeira actual, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa Total das Empresas 19,4% 55,3% 25,3% Micro Empresas 29,5% 59,8% 10,8% Pequenas Empresas 19,8% 61,4% 18,8% Médias Empresas 15,8% 50,8% 33,3% Grandes Empresas 9,8% 42,0% 48,3% Quadro II - Empresas - Evolução da situação financeira em 2005, relativamente a 2004, segundo a actividade Pior ou Muito Melhor ou Muito Igual Pior Melhor Total das Empresas 27,8% 39,3% 32,9% Indústria 29,9% 37,8% 32,2% Construção, Comércio e Serviços 25,4% 40,9% 33,6% Exportadoras 27,9% 38,0% 34,2% Não Exportadoras 27,8% 40,4% 31,8% 26

28 Quadro II-A - Empresas - Evolução da situação financeira em 2005, relativamente a 2004, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Pior ou Muito Melhor ou Muito Igual Pior Melhor Total das Empresas 27,8% 39,3% 32,9% Micro Empresas 30,0% 43,3% 26,7% Pequenas Empresas 33,5% 35,1% 31,4% Médias Empresas 23,0% 41,6% 35,3% Grandes Empresas 21,0% 37,8% 41,3% Quadro III - Empresas - Previsão sobre a evolução da situação financeira da empresa para 2006, relativamente a 2005, segundo a actividade Pior ou Muito Melhor ou Muito Igual Pior Melhor Total das Empresas 17,6% 52,0% 30,5% Indústria 18,5% 52,6% 28,9% Construção, Comércio e Serviços 16,5% 51,2% 32,3% Exportadoras 14,5% 52,0% 33,5% Não Exportadoras 20,2% 51,9% 27,9% Quadro III-A - Empresas - Previsão sobre a evolução da situação financeira da empresa para 2006, relativamente a 2005, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Pior ou Muito Melhor ou Muito Igual Pior Melhor Total das Empresas 17,6% 52,0% 30,5% Micro Empresas 23,2% 45,2% 31,6% Pequenas Empresas 19,0% 52,7% 28,3% Médias Empresas 14,9% 55,4% 29,8% Grandes Empresas 10,5% 53,1% 36,4% 27

29 Quadro IV - Empresas - Taxa de juro nominal média, segundo a actividade Empréstimos Carteira Comercial Menos de Entre 5% e Entre 7,5% Menos de Entre 5% e Entre 7,5% + de 10% 5% 7,5% e 10% 5% 7,5% e 10% + de 10% Total das Empresas 57,7% 34,6% 5,9% 1,8% 51,6% 32,6% 11,6% 4,2% Indústria 57,8% 35,0% 5,5% 1,6% 53,4% 30,5% 10,7% 5,4% Construção, Comércio e Serviços 57,5% 34,1% 6,5% 2,0% 49,0% 35,6% 12,9% 2,5% Exportadoras 67,0% 28,6% 3,6% 0,7% 59,9% 28,0% 8,7% 3,5% Não Exportadoras 48,6% 40,4% 8,2% 2,9% 40,3% 38,9% 15,6% 5,2% Quadro IV-A - Empresas - Taxa de juro nominal média, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Empréstimos Carteira Comercial Menos de Entre 5% e Entre 7,5% Menos de Entre 5% e Entre 7,5% + de 10% 5% 7,5% e 10% 5% 7,5% e 10% + de 10% Total das Empresas 57,7% 34,6% 5,9% 1,8% 51,6% 32,6% 11,6% 4,2% Micro Empresas 27,3% 50,3% 15,8% 6,7% 26,6% 50,0% 18,8% 4,7% Pequenas Empresas 46,6% 45,0% 6,8% 1,6% 38,3% 42,2% 12,8% 6,7% Médias Empresas 73,4% 24,6% 2,0% 0,0% 62,4% 25,4% 9,1% 3,0% Grandes Empresas 89,2% 10,8% 0,0% 0,0% 83,1% 8,5% 8,5% 0,0% Quadro V - Empresas - Peso dos encargos financeiros no valor das vendas, segundo a actividade Menos de 2% Entre 2% e 5% Entre 5% e 10% + de 10% Total das Empresas 48,4% 35,4% 10,8% 5,4% Indústria 45,2% 38,0% 10,8% 5,9% Construção, Comércio e Serviços 52,3% 32,3% 10,8% 4,7% Exportadoras 48,6% 37,9% 9,1% 4,4% Não Exportadoras 48,3% 33,0% 12,4% 6,3% Quadro V-A - Empresas - Peso dos encargos financeiros no valor das vendas, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Menos de 2% Entre 2% e 5% Entre 5% e 10% + de 10% Total das Empresas 48,4% 35,4% 10,8% 5,4% Micro Empresas 41,4% 33,3% 14,6% 10,6% Pequenas Empresas 44,9% 36,9% 13,7% 4,6% Médias Empresas 54,4% 35,0% 7,4% 3,2% Grandes Empresas 53,0% 35,6% 6,1% 5,3% 28

30 Quadro VI - Empresas - Situação perante o Fisco e a Segurança Social, segundo a actividade Fisco Segurança Social Normal Dívida Regul. Em Dívida Normal Dívida Regul. Em Dívida Total das Empresas 88,0% 8,5% 3,6% 86,3% 8,7% 5,1% Indústria 87,2% 8,9% 3,9% 84,6% 9,2% 6,2% Construção, Comércio e Serviços 88,8% 8,0% 3,2% 88,2% 8,1% 3,7% Exportadoras 89,3% 7,9% 2,8% 86,5% 9,0% 4,5% Não Exportadoras 86,8% 9,0% 4,2% 86,1% 8,3% 5,6% Quadro VI-A - Empresas - Situação perante o Fisco e a Segurança Social, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Fisco Segurança Social Normal Dívida Regul. Em Dívida Normal Dívida Regul. Em Dívida Total das Empresas 88,0% 8,5% 3,6% 86,3% 8,7% 5,1% Micro Empresas 81,0% 10,1% 8,9% 80,2% 10,1% 9,7% Pequenas Empresas 88,2% 8,7% 3,1% 86,1% 8,0% 5,9% Médias Empresas 89,9% 8,2% 1,9% 87,9% 9,3% 2,7% Grandes Empresas 94,4% 5,6% 0,0% 93,0% 6,3% 0,7% Quadro VII - Empresas - Prazo médio de pagamento por parte dos clientes pivados nacionais, segundo a actividade De 30 a 60 De De 90 a Mais de Até 30 dias dias dias 120 dias 120 dias Total das Empresas 12,6% 28,7% 33,6% 18,0% 7,1% Indústria 7,3% 26,3% 36,4% 21,2% 8,8% Construção, Comércio e Serviços 18,7% 31,5% 30,3% 14,3% 5,2% Exportadoras 7,2% 23,3% 39,0% 21,7% 8,7% Não Exportadoras 17,3% 33,4% 28,9% 14,8% 5,6% 29

31 Quadro VII-A - Empresas - Prazo médio de pagamento por parte dos clientes privados nacionais, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) De 30 a 60 De De 90 a Mais de Até 30 dias dias dias 120 dias 120 dias Total das Empresas 12,6% 28,7% 33,6% 18,0% 7,1% Micro Empresas 19,3% 34,2% 28,0% 11,5% 7,0% Pequenas Empresas 11,2% 30,8% 32,1% 18,5% 7,3% Médias Empresas 9,8% 23,5% 38,0% 21,2% 7,5% Grandes Empresas 12,0% 27,1% 36,1% 19,5% 5,3% Quadro VIII - Empresas - Prazo médio de pagamento por parte do Estado, segundo a actividade Até 30 dias De 30 a 60 dias De dias De 90 a 120 dias Mais de 120 dias Total das Empresas 9,3% 12,5% 18,8% 23,8% 35,5% Indústria 8,6% 13,9% 16,3% 25,8% 35,4% Construção, Comércio e Serviços 9,8% 11,5% 20,7% 22,4% 35,6% Exportadoras 6,4% 9,4% 17,8% 23,3% 43,1% Não Exportadoras 11,3% 14,6% 19,5% 24,2% 30,5% Quadro VIII-A - Empresas - Prazo médio de pagamento por parte do Estado, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) De 30 a 60 De De 90 a Mais de Até 30 dias dias dias 120 dias 120 dias Total das Empresas 9,3% 12,5% 18,8% 23,8% 35,5% Micro Empresas 17,0% 12,0% 26,0% 15,0% 30,0% Pequenas Empresas 9,4% 15,7% 16,4% 27,0% 31,4% Médias Empresas 6,1% 10,3% 12,7% 27,9% 43,0% Grandes Empresas 6,3% 11,3% 27,5% 20,0% 35,0% 30

32 Quadro IX - Empresas - Prazo médio de pagamento por parte das Autarquias, segundo a actividade Até 30 dias De 30 a 60 dias De dias De 90 a 120 dias Mais de 120 dias Total das Empresas 8,6% 9,3% 13,8% 21,6% 46,7% Indústria 11,9% 9,1% 14,0% 24,5% 40,6% Construção, Comércio e Serviços 7,7% 9,4% 13,2% 21,6% 48,1% Exportadoras 8,0% 4,9% 16,0% 19,1% 51,9% Não Exportadoras 9,0% 11,6% 12,6% 22,9% 43,9% Quadro IX-A - Empresas - Prazo médio de pagamento por parte das Autarquias, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) De 30 a 60 De De 90 a Mais de Até 30 dias dias dias 120 dias 120 dias Total das Empresas 8,6% 9,3% 13,8% 21,6% 46,7% Micro Empresas 16,3% 12,2% 19,4% 15,3% 36,7% Pequenas Empresas 6,3% 10,1% 11,3% 24,5% 47,8% Médias Empresas 5,8% 7,9% 12,2% 22,3% 51,8% Grandes Empresas 9,0% 6,0% 14,9% 22,4% 47,8% Quadro X - Empresas - Prazo médio de pagamento por parte dos clientes estrangeiros, segundo a actividade De 30 a 60 De De 90 a Mais de Até 30 dias dias dias 120 dias 120 dias Total das Empresas 16,8% 36,8% 29,5% 12,9% 4,0% Indústria 11,8% 37,1% 32,6% 15,5% 2,9% Construção, Comércio e Serviços 30,2% 36,0% 20,9% 5,8% 7,2% Exportadoras 15,3% 36,9% 30,8% 13,3% 3,7% Não Exportadoras 36,1% 36,1% 11,1% 8,3% 8,3% 31

33 Quadro X-A - Empresas - Prazo médio de pagamento por parte dos clientes estrangeiros, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) De 30 a 60 De De 90 a Mais de Até 30 dias dias dias 120 dias 120 dias Total das Empresas 16,8% 36,8% 29,5% 12,9% 4,0% Micro Empresas 43,1% 21,6% 23,5% 5,9% 5,9% Pequenas Empresas 23,8% 35,8% 23,8% 11,9% 4,6% Médias Empresas 10,5% 40,4% 31,6% 14,9% 2,6% Grandes Empresas 5,6% 38,2% 37,1% 13,5% 5,6% Quadro XI - Empresas - Problemas com atrasos de pagamento por parte dos clientes, segundo a actividade Em caso afirmativo, de: Não Sim Clientes privados Estado Autarquias nacionais Clientes estrangeiros Total das Empresas 22,9% 77,1% 86,9% 28,4% 31,9% 16,8% Indústria 24,2% 75,8% 89,1% 18,7% 18,7% 25,7% Construção, Comércio e Serviços 21,5% 78,5% 84,4% 39,1% 46,5% 7,0% Exportadoras 25,0% 75,0% 86,6% 26,8% 23,0% 36,1% Não Exportadoras 21,1% 78,9% 87,1% 29,7% 39,3% 0,8% Quadro XI-A - Empresas - Problemas com atrasos de pagamento por parte dos clientes, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Em caso afirmativo, quais: Clientes Não Sim Clientes privados Estado Autarquias estrangeiros nacionais Total das Empresas 22,9% 77,1% 86,9% 28,4% 31,9% 16,8% Micro Empresas 23,6% 76,4% 89,9% 23,4% 26,6% 5,9% Pequenas Empresas 18,9% 81,1% 90,8% 24,8% 31,8% 13,1% Médias Empresas 23,5% 76,5% 83,2% 29,6% 29,6% 25,0% Grandes Empresas 31,7% 68,3% 78,9% 46,3% 49,5% 26,3% 32

34 Quadro XII - Empresas - Evolução dos problemas com atrasos de pagamento actualmente, relativamente a 2005, segundo a actividade Pior ou Muito Pior Igual Melhor ou Muito Melhor Total das Empresas 43,9% 49,3% 6,9% Indústria 43,9% 48,8% 7,3% Construção, Comércio e Serviços 46,3% 48,0% 5,7% Exportadoras 40,1% 51,6% 8,3% Não Exportadoras 47,2% 47,2% 5,6% Quadro XII-A - Empresas - Evolução dos problemas com atrasos de pagamento actualmente, relativamente a 2005, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Pior ou Muito Pior Igual Melhor ou Muito Melhor Total das Empresas 43,9% 49,3% 6,9% Micro Empresas 49,1% 45,7% 5,2% Pequenas Empresas 48,5% 44,7% 6,8% Médias Empresas 39,4% 55,0% 5,7% Grandes Empresas 33,8% 53,1% 13,1% 33

35 2 Investimentos. Financiamento. Tecnologias de Informação. Quadro XIII - Empresas que referem investimentos no período por áreas, em % do total de empresas com investimentos (P) Realização de investimentos 49,8% 56,0% 60,5% Áreas de investimento: Equipamento Produtivo - Expansão 36,8% 35,1% 33,6% - Substituição 44,8% 42,6% 39,7% - Modernização 49,0% 52,6% 54,4% Formação Profissional 38,7% 44,6% 51,6% Marketing, Qualidade e Organização 28,7% 35,1% 42,0% Internacionalização 12,2% 16,1% 22,0% Tecnologias de Informação 39,4% 42,1% 44,6% Investigação e Desenvolvimento 17,2% 19,5% 24,5% Ambiente 19,0% 25,5% 28,7% Outros 14,3% 17,0% 18,8% Número médio de áreas de investimento referidas pelas empresas 3,0 3,3 3,6 (P) Previsão das empresas Quadro XIV - Empresas - Evolução do valor dos investimentos efectuados pela empresa em 2005, em relação a 2004, segundo a actividade Inferior ou Superior ou Igual Muito Inferior Muito Superior Total das Empresas 29,4% 31,6% 39,0% Indústria 32,6% 29,9% 37,5% Construção, Comércio e Serviços 25,8% 33,5% 40,6% Exportadoras 28,5% 28,1% 43,5% Não Exportadoras 30,2% 34,8% 35,0% 34

36 Quadro XIV-A - Empresas -Evolução do valor dos investimentos efectuados pela empresa em 2005, em relação a 2004, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Inferior ou Superior ou Igual Muito Inferior Muito Superior Total das Empresas 29,4% 31,6% 39,0% Micro Empresas 28,5% 38,9% 32,6% Pequenas Empresas 26,1% 34,9% 39,0% Médias Empresas 32,9% 27,8% 39,4% Grandes Empresas 30,7% 21,4% 47,9% Quadro XV - Empresas - Evolução do valor dos investimentos efectuados pela empresa em 2006, em relação a 2005, segundo a actividade Inferior ou Superior ou Igual Muito Inferior Muito Superior Total das Empresas 27,4% 35,4% 37,2% Indústria 28,8% 34,8% 36,4% Construção, Comércio e Serviços 25,7% 36,1% 38,2% Exportadoras 25,4% 34,2% 40,3% Não Exportadoras 29,1% 36,4% 34,5% Quadro XV-A - Empresas -Evolução do valor dos investimentos efectuados pela empresa em 2006, em relação a 2005, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Inferior ou Superior ou Igual Muito Inferior Muito Superior Total das Empresas 27,4% 35,4% 37,2% Micro Empresas 32,1% 34,4% 33,5% Pequenas Empresas 28,6% 39,8% 31,6% Médias Empresas 24,4% 34,3% 41,3% Grandes Empresas 23,9% 28,3% 47,8% 35

37 Quadro XVI - Empresas - Fontes de Financiamento do Investimento (*) (P) Autofinanciamento 75,3% 73,5% 72,7% Mercado de Capitais 1,2% 0,8% 0,9% Crédito Bancário 40,6% 39,5% 46,3% Leasing 40,8% 41,2% 40,9% Capital de Risco 0,3% 0,2% 0,1% Apoios Públicos - PRIME 7,8% 8,5% 17,4% - FSE 4,2% 5,4% 6,3% - Outros 5,4% 5,7% 5,6% Outros 5,1% 3,6% 5,3% * Os valores referidos consideram as fontes de financiamento mencionadas pelas empresas, independentemente da sua ordem de importância Quadro XVII - Empresas - Utilização de tecnologias de informação e comunicação, segundo a actividade Total das Empresas Indústria Const., Com. e Serv. Exportadoras Não Exportadoras Ligação à internet através de banda larga 93,5% 91,8% 95,4% 97,0% 90,5% - ADSL 73,4% 75,6% 70,8% 76,1% 71,0% - Cabo 6,9% 4,6% 9,6% 5,3% 8,4% - Outra 12,9% 11,1% 14,9% 16,0% 10,3% Têm página internet 65,6% 62,2% 69,4% 76,1% 56,5% Utiliza alguma forma de e-commerce 24,3% 21,6% 27,3% 28,6% 20,6% - Compras 16,8% 13,7% 20,3% 19,5% 14,5% - Vendas 10,1% 9,7% 10,7% 13,5% 7,2% - Outra 3,5% 3,3% 3,7% 3,4% 3,5% Participa nalgum e-market place 6,6% 5,6% 7,7% 7,7% 5,6% 36

38 Quadro XVII-A - Empresas - Utilização de tecnologias de informação e comunicação, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Total das Empresas Micro Empresas Pequenas Empresas Médias Empresas Grandes Empresas Ligação à internet através de banda larga 93,5% 84,1% 94,1% 98,1% 96,5% - ADSL 73,4% 69,7% 81,8% 77,4% 46,2% - Cabo 6,9% 10,0% 5,6% 6,8% 5,6% - Outra 12,9% 3,6% 5,1% 15,8% 43,4% Têm página internet 65,6% 48,6% 59,8% 76,1% 83,9% Utiliza alguma forma de e-commerce 24,3% 18,3% 22,5% 24,2% 39,9% - Compras 16,8% 12,7% 15,9% 15,8% 29,4% - Vendas 10,1% 6,8% 7,7% 11,4% 19,6% - Outra 3,5% 3,6% 3,8% 3,0% 3,5% Participa nalgum e-market place 6,6% 3,6% 6,1% 6,5% 13,3% 37

39 3 Actividade Empresarial. Conjuntura. Quadro XVIII - Empresas - Variação do volume de negócios em 2005 relativamente a 2004, segundo a actividade Crescimento das vendas Decréscimo das vendas Total Até 5% 5% a 9% 10% a 15% + de 15% Total Até 5% 5% a 9% 10% a 15% + de 15% Total Geral Total das Empresas 57,9% 18,3% 15,8% 10,2% 13,7% 42,1% 16,5% 8,6% 6,3% 10,8% 100,0% Indústria 55,0% 17,3% 14,7% 10,1% 12,9% 45,0% 16,5% 11,1% 6,3% 11,2% 100,0% Construção, Comércio e Serviços 61,3% 19,4% 17,1% 10,2% 14,6% 38,7% 16,5% 5,7% 6,3% 10,2% 100,0% Exportadoras 57,8% 18,4% 14,1% 10,6% 14,6% 42,2% 16,2% 9,1% 6,7% 10,3% 100,0% Não Exportadoras 58,0% 18,1% 17,3% 9,7% 12,9% 42,0% 16,8% 8,1% 5,9% 11,2% 100,0% Quadro XVIII-A - Empresas - Variação do volume de negócios em 2005 relativamente a 2004, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Crescimento das vendas Decréscimo das vendas Total Até 5% 5% a 9% 10% a 15% + de 15% Total Até 5% 5% a 9% 10% a 15% + de 15% Total Geral Total das Empresas 57,9% 18,3% 15,8% 10,2% 13,7% 42,1% 16,5% 8,6% 6,3% 10,8% 100,0% Micro Empresas 56,5% 15,5% 16,7% 12,1% 12,1% 43,5% 17,2% 6,3% 6,7% 13,4% 100,0% Pequenas Empresas 53,1% 17,0% 13,7% 8,8% 13,7% 46,9% 17,0% 10,3% 7,7% 11,9% 100,0% Médias Empresas 58,5% 18,7% 17,6% 8,8% 13,5% 41,5% 15,4% 10,4% 4,9% 10,7% 100,0% Grandes Empresas 71,8% 25,4% 15,5% 14,1% 16,9% 28,2% 16,9% 2,8% 4,9% 3,5% 100,0% Quadro XIX - Empresas - Evolução prevista para a procura dirigida à empresa em 2006, relativamente a 2005, segundo a actividade Mercado Nacional Mercado Externo Inferior ou muito Inferior Igual Superior ou muito Superior Inferior ou muito Inferior Igual Superior ou muito Superior Total das Empresas 25,9% 39,7% 34,5% 19,8% 27,0% 53,1% Indústria 27,3% 39,9% 32,8% 20,1% 26,0% 53,9% Construção, Comércio e Serviços 24,2% 39,5% 36,3% 19,0% 30,2% 50,8% Exportadoras 24,8% 39,3% 35,9% 19,7% 27,1% 53,2% Não Exportadoras 26,8% 40,0% 33,3%

40 Quadro XIX-A - Empresas - Evolução prevista para a procura dirigida à empresa em 2006, relativamente a 2005, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Mercado Nacional Mercado Externo Inferior ou muito Inferior Igual Superior ou muito Superior Inferior ou muito Inferior Igual Superior ou muito Superior Total das Empresas 25,9% 39,7% 34,5% 19,8% 27,0% 53,1% Micro Empresas 26,4% 40,7% 32,9% 28,6% 23,8% 47,6% Pequenas Empresas 27,5% 41,2% 31,3% 24,8% 28,8% 46,4% Médias Empresas 24,4% 37,1% 38,5% 18,8% 28,4% 52,8% Grandes Empresas 24,3% 40,4% 35,3% 10,0% 22,2% 67,8% Quadro XX - Empresas - Evolução prevista para as exportações em 2006 relativamente a 2005, segundo a actividade Crescimento das exportações Decréscimo das exportações Total Até 5% 5% a 9% 10% a 15% + de 15% Total Até 5% 5% a 9% 10% a 15% + de 15% Total Geral Total das Empresas 74,8% 26,6% 21,9% 10,9% 15,3% 25,2% 13,7% 3,8% 2,8% 5,0% 100,0% Indústria 73,0% 24,9% 23,0% 11,0% 14,2% 27,0% 14,2% 4,8% 2,9% 5,1% 100,0% Construção, Comércio e Serviços 79,8% 31,8% 18,6% 10,9% 18,6% 20,2% 12,4% 0,8% 2,3% 4,7% 100,0% Exportadoras 74,8% 26,6% 21,9% 10,9% 15,3% 25,2% 13,7% 3,8% 2,8% 5,0% 100,0% Não Exportadoras Quadro XX-A - Empresas - Evolução prevista para as exportações em 2006 relativamente a 2005, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Crescimento das vendas Decréscimo das vendas Total Total Até 5% 5% a 9% 10% a 15% + de 15% Total Até 5% 5% a 9% 10% a 15% + de 15% Geral Total das Empresas 74,8% 26,6% 21,9% 10,9% 15,3% 25,2% 13,7% 3,8% 2,8% 5,0% 100,0% Micro Empresas 70,7% 29,3% 12,2% 12,2% 17,1% 29,3% 14,6% 4,9% 4,9% 4,9% 100,0% Pequenas Empresas 65,5% 24,3% 18,9% 10,8% 11,5% 34,5% 18,9% 5,4% 2,7% 7,4% 100,0% Médias Empresas 77,0% 27,5% 26,6% 9,0% 14,0% 23,0% 12,2% 2,7% 3,2% 5,0% 100,0% Grandes Empresas 85,9% 27,2% 19,6% 15,2% 23,9% 14,1% 8,7% 3,3% 1,1% 1,1% 100,0% 39

41 Quadro XXI - Empresas - Avaliação da Conjuntura Económica actual, segundo a actividade Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa Total das Empresas 76,8% 22,0% 1,2% Indústria 76,0% 23,4% 0,7% Construção, Comércio e Serviços 77,7% 20,5% 1,9% Exportadoras 73,9% 25,2% 0,9% Não Exportadoras 79,3% 19,2% 1,5% Quadro XXI-A - Empresas - Avaliação da Conjuntura Económica actual, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Má ou Muito Má Normal Boa ou Muito Boa Total das Empresas 76,8% 22,0% 1,2% Micro Empresas 80,8% 18,4% 0,8% Pequenas Empresas 76,2% 22,7% 1,0% Médias Empresas 74,7% 23,6% 1,6% Grandes Empresas 76,4% 22,1% 1,4% Quadro XXII - Empresas - Evolução da Conjuntura Económica em 2006, relativamente a 2005, segundo a actividade Pior ou Muito Pior Igual Melhor ou Muito Melhor Total das Empresas 38,2% 43,4% 18,4% Indústria 37,6% 44,1% 18,3% Construção, Comércio e Serviços 38,8% 42,7% 18,5% Exportadoras 32,6% 46,2% 21,2% Não Exportadoras 43,0% 41,1% 15,9% 40

42 Quadro XXII-A - Empresas - Evolução da Conjuntura Económica em 2006, relativamente a 2005, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Pior ou Muito Pior Igual Melhor ou Muito Melhor Total das Empresas 38,2% 43,4% 18,4% Micro Empresas 45,5% 36,2% 18,3% Pequenas Empresas 40,9% 42,7% 16,3% Médias Empresas 32,3% 48,2% 19,5% Grandes Empresas 32,9% 45,7% 21,4% 41

43 4 Emprego. Quadro XXIII - Empresas - Evolução do emprego em 2004 e 2005 e perspectivas para 2006, segundo a actividade Diminuição Manutenção Aumento (P) (P) (P) Total das Empresas 22,8% 31,5% 26,7% 53,8% 46,9% 55,3% 23,4% 21,6% 18,0% Indústria 26,5% 36,9% 30,0% 52,3% 44,3% 53,2% 21,2% 18,7% 16,7% Construção, Comércio e Serviços 18,6% 25,4% 23,0% 55,4% 49,8% 57,5% 26,0% 24,8% 19,4% Exportadoras 25,5% 37,2% 28,2% 50,8% 39,2% 51,9% 23,7% 23,6% 19,9% Não Exportadoras 20,5% 26,5% 25,5% 56,4% 53,7% 58,1% 23,2% 19,8% 16,4% Quadro XXIII-A - Empresas - Evolução do emprego em 2004 e 2005 e perspectivas para 2006, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Diminuição Manutenção Aumento (P) (P) (P) Total das Empresas 22,8% 31,5% 26,7% 53,8% 46,9% 55,3% 23,4% 21,6% 18,0% Micro Empresas 12,0% 18,2% 18,8% 63,0% 58,9% 62,0% 25,0% 22,9% 19,2% Pequenas Empresas 17,3% 30,6% 26,4% 60,9% 51,6% 56,8% 21,8% 17,8% 16,8% Médias Empresas 28,8% 36,3% 29,1% 46,1% 41,1% 53,3% 25,1% 22,6% 17,6% Grandes Empresas 39,3% 43,9% 35,8% 40,0% 29,5% 43,8% 20,7% 26,6% 20,4% 42

44 ANEXO II Caracterização da Amostra 43

45 Quadro A - Empresas por dimensão, segundo o volume de emprego e o volume de vendas Volume de Emprego Volume de Vendas Total 100,0% Total 100,0% Menos de 10 Trabalhadores 21,8% até 2 milhões euros 40,6% de 10 a 19 " 13,7% de 2 a 4,9 milhões euros 17,8% de 20 a 49 " 20,2% de 5 a 9,9 milhões euros 12,8% de 50 a 249 " 31,9% de 10 a 24,9 milhões de euros 12,2% + de 249 " 12,4% de 25 a 49,9 milhões de euros 6,2% + de 50 milhões de euros 10,3% Quadro B - Empresas, segundo o sector de actividade TOTAL 100% INDÚSTRIA 53,7% - Alimentares, Bebidas e Tabaco 5,6% - Têxteis e Couro 5,2% - Vestuário 3,6% - Madeira, Cortiça e Móveis 5,4% - Papel e Imprensa 4,8% - Químicos, Borracha e Plástico 4,9% - Minerais não Metálicos 5,6% - Metalurgia e Produtos Metálicos 5,3% - Máquinas e Equipamento Eléctrico e Não Eléctrico 6,1% - Equipamento de Transporte 3,7% - Indústria Transformadora n.e. e outros 3,5% CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS 46,3% - Construção 7,8% - Transportes e Comunicações 5,0% - Comércio grossista 10,8% - Comércio retalhista 7,3% - Serviços diversos 15,4% 44

46 Quadro C - Empresas, segundo a região Distritos e Regiões Autónomas NUTS II Aveiro 6,9% Norte 23,9% Beja 2,2% Braga 4,5% Bragança 1,0% Centro 30,9% Castelo Branco 3,8% Coimbra 2,6% Évora 1,8% Lisboa 29,8% Faro 1,5% Guarda 0,7% Leiria 11,1% Alentejo 13,1% Lisboa 26,5% Portalegre 2,4% Porto 11,4% Algarve 1,5% Santarém 11,0% Setúbal 6,3% Viana do Castelo 1,2% Açores 0,4% Vila Real 2,3% Viseu 1,9% Açores 0,4% Madeira 0,4% Madeira 0,4% 45

47 Quadro D - Empresas - Situação relativamente ao comércio com o exterior e peso das exportações no volume de vendas, segundo a Total dimensão da empresa (volume de emprego) Empresas exportadoras, segundo o peso das exportações no volume Empresas de vendas Exportadoras Não Exportadoras Até 10% de 10% a 25% de 25% a 50% de 50% a 75% + de 75% Total Total das empresas 100% 46,3% 54,0% 36,2% 15,7% 12,3% 13,8% 22,0% 100% Micro Empresas 100% 17,1% 82,9% 46,5% 18,6% 4,7% 11,6% 18,6% 100% Pequenas Empresas 101% 41,4% 59,1% 54,1% 22,0% 8,8% 7,5% 7,5% 100% Médias Empresas 101% 63,9% 36,6% 26,7% 14,2% 15,9% 17,7% 25,4% 100% Grandes Empresas 100% 65,7% 34,3% 24,5% 7,4% 12,8% 16,0% 39,4% 100% Quadro E - Empresas por área de actividade, segundo a dimensão da empresa (volume de emprego) Total Indústria Construção, Comércio e Serviços Micro Empresas 21,8% 13,3% 31,4% Pequenas Empresas 33,9% 34,7% 33,0% Médias Empresas 31,9% 39,8% 23,1% Grandes Empresas 12,4% 12,3% 12,5% 46

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2014 09 de julho de 2014 Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE ESTUDO DOS DADOS DOS FARMACÊUTICOS Consulta à base de dados da Ordem dos Farmacêuticos a 31-12-213 7 MARÇO 214 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O FARMACÊUTICOS

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍ ÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011

Leia mais

RELATÓRIO FRANCHISING

RELATÓRIO FRANCHISING RELATÓRIO FRANCHISING ESTUDO DO PERFIL E SATISFAÇÃO DO FRANCHISADO EM PORTUGAL JULHO 2013 Índice ENQUADRAMENTO... 3 METODOLOGIA (FICHA TÉCNICA)... 4 ANÁLISE DE RESULTADOS... 5 CARACTERIZAÇÃO DO FRANCHISADO...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente

HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente HORIZONTE 2020 Desafios Para as Empresas Portuguesas do Sector do Ambiente Cascais, 24-04-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização PORegionais

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 O Despacho n.º 16790/2008, de 20 de Junho, 2.ª Série, criou a Medida de Apoio à Segurança dos Equipamentos Sociais, adiante designada por Medida de Apoio à Segurança, dirigida

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP

CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP CONFERÊNCIA LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP 19 de Março de 2013 Centro de Congressos de Lisboa A- A evolução e o comportamento do sector exportador superaram todas as previsões e análises prospectivas

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 16 de Novembro de 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA

Leia mais

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 -

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas de Mediação Imobiliária Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO "MELHOR SEGURADORA"

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO MELHOR SEGURADORA NESTA EDIÇÃO Melhor Seguradora 1 A COSEC mais perto de si 2 Acordo COSEC e Mapfre 2 Revisão Favorável 2 Produtos COSEC 3 NOTÍCIAS Carregamento de Balanços 4 Análise COSEC 5 Nº 4. 2014 COSEC DISTINGUIDA

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO Integradas no tecido empresarial encontramos o grupo das empresas de crescimento elevado (ECE) assim designadas na sequência do rápido crescimento que apresentam tanto em

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL Os dados disponibilizados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência,

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 LINHA DE CRÉDITO PARA ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR COM GARANTIA MÚTUA ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 Comissão de Acompanhamento 29 de Maio de 2008 Introdução, e principais conclusões Este documento

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens Janeiro a agosto de 2013 Direção de Informação, outubro de 2013 CIP bens 2013 (janeiro a agosto) - principais resultados Em 2013 (janeiro

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO

ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO >> Voltar ao índice ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO O presente Anexo apresenta um conjunto de modelos que as instituições devem considerar no âmbito das divulgações

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Caminha Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010

Ainda Mais Próximo dos Clientes. Empresas. 10 de Novembro de 2010 Ainda Mais Próximo dos Clientes O acesso ao crédito pelas Empresas 10 de Novembro de 2010 Agenda 1. Introdução 1.1. Basileia II. O que é? 1.2. Consequências para as PME s 2. Análise de Risco 2.1. Avaliação

Leia mais

O INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ESTATAL (1990/1991-2001/2002)

O INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ESTATAL (1990/1991-2001/2002) Gestão e Desenvolvimento, 11 (2002), 231-253 O INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ESTATAL (1990/1991-2001/2002) Paulo Almeida Pereira* No enquadramento actual do ensino superior, em Portugal, importa

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO. Maria José Catarino. Loulé,, 5 Fevereiro de 2009

LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO. Maria José Catarino. Loulé,, 5 Fevereiro de 2009 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO Maria José Catarino Loulé,, 5 Fevereiro de 2009 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE ÍNDICE 1 OBJECTO 2 PME INVESTE II - Protocolo celebrado a 14 Outubro 2008 LINHA +RESTAURAÇÃO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura

IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura IMPRENSA REGIONAL PORTUGUESA: Caracterização dos públicos, Audiências e Hábitos de Leitura A Imprensa Regional desempenha um papel relevante, não só no âmbito territorial, a que naturalmente mais diz respeito,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 45/2012 Auto-Sueco / Grupo Master Test Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 50.º da Lei n.º 19/2012, de 8 de maio] 9/11/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO

Leia mais

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Síntese A taxa de ocupação-quarto registada no país, em 2012, foi de 51,5%, com os residentes

Leia mais

Direcção de Assistência Empresarial

Direcção de Assistência Empresarial Direcção de Assistência Empresarial Lisboa, 11 de Agosto de 2011 Missão das lojas da exportação Prestar apoio às empresas nas suas estratégias de exportação, facilitando e simplificando o acesso informação,

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE 04 Despesa em Saúde e Consumo de Medicamentos 062 04. Despesa em Saúde e Consumo de Medicamentos Atlas do Plano Nacional de Saúde Despesa em

Leia mais

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO.

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO. EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO Fundo para Investidores Qualificados Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO 1 Sujeito a autorização e à supervisão pela CMVM (Comissão do Mercado de Valores

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8 Secção I: Introdução 4 1. Enquadramento Regulamentar 5 2. Estrutura do Relatório 5 Secção II: Declaração de Responsabilidade 6 Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7 1. Âmbito de Aplicação

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007.

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007. COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM CABO VERDE ANO 27. SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES: Enquadramento A ANAC enquanto autoridade reguladora do sector

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho Visita a Portugal do importador Exclusivos Camacho Sector Cerâmica e Faiança Decorativas Espanha 14 a 16 de Janeiro de 2014 Enquadramento : Como consequência da nova situação económica em Espanha, os últimos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS CONTACTOS DAS ENTIDADES QUE INTEGRAM O Direcção-Geral das Autarquias Locais Morada: Rua José Estêvão,137, 4.º a 7.º 1169-058 LISBOA Fax: 213 528 177; Telefone: 213 133 000 E-mail: helenacurto@dgaa.pt Centro

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2014

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2014 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2014 I Edição - Orçamento Participativo de Viana do Castelo A Câmara Municipal de Viana do Castelo (CMVC) reconhece o Orçamento Participativo (OP) como um instrumento e um importante

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida.

V Inscrições 1. No acto da inscrição o participante deverá entregar toda a documentação solicitada e devidamente preenchida. I Entidade Organizadora AFUM Associação de Funcionários da Universidade do Minho (AFUM), Campus de Gualtar, 4710-057 Braga, Contribuinte n.º 503595772, número de registo 65/DRN. II Objectivo e caracterização

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Inquérito de Conjuntura

Inquérito de Conjuntura INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA / DIRECÇÃO GERAL DE PLANEAMENTO Inquérito de Conjuntura RELATÓRIO DE CONJUNTURA S.TOMÉ E PRÍNCIPE Iº Trimestre /2014 Ficha Técnica Directora-geral do INE: Elsa Cardoso

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2015 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO

O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO SÍSMICA 2010 8º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 O SISMO DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 E A PERCEPÇÃO DO EVENTO CARLOS SOUSA OLIVEIRA Prof. Catedrático ICIST/IST Lisboa-Portugal MÓNICA AMARAL

Leia mais

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt

Versão integral disponível em digitalis.uc.pt 124 Iiivista da Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra Ny 1 ba,, isto ó, dos quadrados dos quartos constituintes de cada locus da Tabela XV que serviu para o cálculo do coeficiente de contingência.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais