COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Avaliação das medidas adotadas. pela FRANÇA"

Transcrição

1 1. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, COM(2015) 326 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Avaliação das medidas adotadas pela FRANÇA em resposta à Recomendação do Conselho de 10 de março de 2015 com vista a por termo à situação de défice público excessivo {SWD(2015) 130 final} PT PT

2 1. INTRODUÇÃO Em 10 de março de 2015, o Conselho dirigiu à França uma recomendação ao abrigo do artigo 126.º, n.º 7, do Tratado, com vista a pôr termo à situação de défice excessivo o mais tardar até Recomendava-se à França que atingisse um défice nominal de 4,0 % do PIB em 2015, 3,4 % do PIB em 2016 e 2,8 % do PIB em Com base nas previsões macroeconómicas subjacentes à recomendação do Conselho, esta trajetória era considerada compatível com uma melhoria do saldo estrutural de 0,5 % do PIB em 2015, 0,8 % em 2016 e 0,9 % em 2017, e exigiria a adoção de medidas adicionais, representando 0,2 % do PIB em 2015, 1,2 % em 2016 e 1,3 % em Em conformidade com o artigo 3.º, n.º 4-A, do Regulamento (CE) n.º 1467/97 do Conselho, o Conselho fixou o prazo de 10 de junho de 2015 para a França lhe comunicar informações pormenorizadas sobre as medidas tomadas no que diz respeito (i) às medidas discricionárias estruturais suplementares, equivalentes a 0,2 % do PIB, adotadas para garantir a realização da melhoria recomendada do saldo estrutural em 2015; e ii) às medidas orçamentais fundamentais enumeradas para atingir os objetivos em 2016 e A «Loi de Programmation des Finances Publiques» deve ser atualizada para ter em conta a nova trajetória de ajustamento. Além disso, pedia-se à França que apresentasse, antes do final desse prazo, uma avaliação ex ante das principais medidas subjacentes ao ajustamento para 2016 e No prazo estabelecido, as autoridades francesas enviaram à Comissão um relatório onde apresentavam as medidas que haviam adotado em resposta à recomendação do Conselho e definiam a estratégia de consolidação programada com vista a alcançar os objetivos fixados pelo Conselho. A Comissão examinou a estratégia orçamental da França com base nas informações contidas no relatório sobre as medidas tomadas, a fim de avaliar se a França respeitou a recomendação do Conselho de 10 de março de MEDIDAS INCLUÍDAS NO RELATÓRIO SOBRE AS MEDIDAS ADOTADAS E PROJEÇÕES ORÇAMENTAIS ATUALIZADAS O relatório sobre as medidas adotadas, apresentado em 10 de junho de 2015, confirma a estratégia orçamental delineada no Programa de Estabilidade da França apresentado em 30 de abril de 2015, que visa corrigir o défice excessivo até 2017, o prazo fixado pelo Conselho. O relatório não inclui novas medidas, mas fornece mais informações sobre a natureza e a implementação das medidas adicionais anunciadas no Programa de Estabilidade em resposta à recomendação do Conselho de 10 de março de 2015, que representam 4 mil milhões de EUR em 2015 e 5 mil milhões de EUR em No que respeita a 2015, o relatório confirma o pacote de medidas correspondentes a 4 mil milhões de EUR (0,2 % do PIB) anunciado no Programa de Estabilidade, que já foram plenamente tidas em consideração nas previsões da Comissão da primavera de Este pacote consiste numa nova redução das despesas públicas (1,2 mil milhões de EUR), numa diminuição dos pagamentos de juros (1,2 mil milhões de EUR) e das transferências sociais (mil milhões de EUR), bem como medidas adicionais do lado das receitas (0,6 mil milhões de EUR). Tal como salientado pelos serviços da Comissão na sua avaliação do Programa de 2

3 Estabilidade 1, uma parte destas medidas, correspondente a 1,2 mil milhões de EUR, foram tomadas a fim de converter em poupanças permanentes o nível de despesas registado em 2014, que foi inferior ao previsto. Estas medidas implicam uma redução do nível de despesas planeado pelas autoridades. No entanto, não afetam o ritmo de crescimento das despesas públicas, pelo que não têm qualquer impacto no esforço orçamental 2. No que respeita a 2016, o relatório sobre as medidas adotadas fornece informações adicionais sobre as medidas subjacentes aos 5 mil milhões de EUR (0,2 % do PIB) de poupanças a nível das despesas, que não foram suficientemente especificadas no Programa de Estabilidade e por esse motivo não foram incluídas nas previsões da Comissão da primavera de A redução das despesas resultaria de poupanças do Estado (1,6 mil milhões de EUR), da segurança social (2,2 mil milhões de EUR) e da administração local (1,2 mil milhões de EUR). Nesta fase, apenas as reduções adicionais das despesas planeadas pelo Estado (1,6 mil milhões de EUR), que foram documentadas através de cartas enviadas pelo Primeiro-Ministro a cada ministro em 24 de abril de 2015, parecem estar suficientemente especificadas para serem tidas em conta na apreciação da Comissão. As restantes economias planeadas pelas autoridades só podem ser incluídas nas previsões da Comissão quando as medidas subjacentes à estratégia orçamental tiverem sido suficientemente especificadas. Para 2017, o relatório sobre as medidas adotadas não inclui medidas suplementares nem informações pormenorizadas sobre as medidas subjacentes ao ajustamento previsto. Nas previsões da Comissão da primavera de 2015, que se estendem até 2016, prevê-se que o saldo da administração pública registe um défice de 3,8 % do PIB em 2015, ou seja, um valor inferior ao objetivo de um défice nominal de 4,0 % do PIB estabelecido na recomendação do Conselho. Para 2016, num cenário de políticas inalteradas, o défice foi estimado em 3,5 % do PIB, um valor superior ao nível recomendado, de 3,4 % do PIB. Tendo em consideração as informações fornecidas no relatório sobre as medidas adotadas, as previsões atualizadas da primavera dos serviços da Comissão estimam que o défice nominal se mantenha inalterado em 2015, situando-se em 3,8 % do PIB, para descer para 3,4 % do PIB em Para 2015, o relatório sobre as medidas adotadas confirma o impacto sobre as finanças públicas do pacote de 4 mil milhões de EUR, tal como estimado nas previsões da primavera. Para 2016, apenas as medidas de consolidação adicionais previstas a nível das despesas públicas, que representam 1,6 mil milhões de EUR (0,1 % do PIB) parecem estar suficientemente especificadas na presente fase, tendo por conseguinte sido incluídas nas previsões atualizadas da Comissão. Por conseguinte, as projeções relativas ao défice da administração pública em 2016 foram revistas em baixa, para 3,4 % do PIB (relativamente aos 3,5 % que figuravam nas previsões da primavera). Os riscos que impendem sobre as perspetivas orçamentais para 2015 e 2016, tal como projetadas nas previsões atualizadas da primavera dos serviços da Comissão, afiguram-se globalmente equilibrados. O crescimento do PIB, superior ao previsto no primeiro trimestre 1 2 «Assessment of the 2015 Stability Programme for France», de 27 de maio de 2015, disponível em O esforço orçamental é calculado com base no ritmo de crescimento das despesas públicas e não no seu nível absoluto (ver caixa 1). 3

4 de 2015 (0,6 %, contra 0,4 % nas previsões da primavera da Comissão), sugere que a recuperação económica pode estar a progredir mais rapidamente do que previsto. Além disso, uma elasticidade das receitas fiscais superior à prevista pode ter um impacto positivo sobre o défice nominal em 2015 e Em contrapartida, a evolução dececionante verificada a nível do mercado de trabalho pode ter um impacto negativo sobre as finanças públicas. Do mesmo modo, o recente aumento do rendimento das obrigações soberanas pode conduzir a um aumento dos pagamentos de juros, colocando assim uma pressão adicional sobre os objetivos de redução de despesas. 3. AVALIAÇÃO DAS MEDIDAS ADOTADAS Com base nas informações contidas no relatório sobre as medidas adotadas, as previsões atualizadas da primavera dos serviços da Comissão apontam para um défice nominal de 3,8 % do PIB em 2015, inferior ao objetivo fixado pelo Conselho para esse ano, e de 3,4 % em 2016, em sintonia com o objetivo fixado pelo Conselho. Todavia, o ajustamento do saldo estrutural deverá manter-se inferior ao recomendado pelo Conselho em ambos os anos. Caixa 1. Metodologia para avaliar se foram tomadas medidas eficazes Nos termos do Regulamento (CE) n.º 1467/97 e do Código de Conduta 3, considera-se que um Estado-Membro tomou medidas eficazes se atuou em conformidade com a recomendação formulada ao abrigo do artigo 126.º, n.º 7, do TFUE. O Código de Conduta prevê que a avaliação da eficácia das medidas adotadas deve ter em conta, nomeadamente, se o Estado- Membro em causa conseguiu alcançar os objetivos orçamentais anuais e a melhoria subjacente do seu saldo corrigido das variações cíclicas, não incluindo as medidas pontuais e outras medidas de caráter temporário, recomendados pelo Conselho. A metodologia para avaliar se foram tomadas medidas eficazes 4 prevê que se determine, em primeiro lugar, se o Estado-Membro cumpre o objetivo nominal e a melhoria subjacente do saldo estrutural exigidos na recomendação PDE. Em caso afirmativo, o procedimento é suspenso. Caso o Estado-Membro não cumpra, ou esteja em risco de não cumprir, o objetivo respeitante ao défice nominal ou a necessária melhoria do saldo estrutural, procede-se a uma análise aprofundada dos motivos desse incumprimento. A análise aprofundada avalia se o Estado- Membro agiu em conformidade com a recomendação, baseando-se em dois indicadores complementares do esforço orçamental: i) a abordagem «descendente», que calcula a variação do saldo estrutural corrigida à luz da revisão do crescimento potencial do produto, dos aumentos ou reduções extraordinários das receitas e dos acontecimentos imprevistos; e ii) a abordagem «ascendente», que estima o impacto orçamental de cada uma das medidas orçamentais discricionárias implementadas e da evolução das despesas sob o controlo do Governo, em comparação com o cenário de base subjacente à recomendação do Conselho. A 3 4 «Especificações sobre a aplicação do Pacto de Estabilidade e Crescimento e orientações sobre o conteúdo e a apresentação dos Programas de Estabilidade e Convergência», disponível em: Adotado pelo Conselho em 20 de junho de 2014: (http://www.consilium.europa.eu/uedocs/cms_data/docs/pressdata/en/ecofin/ pdf). 4

5 análise aprofundada é igualmente complementada por outras considerações qualitativas relevantes que permitam à Comissão emitir um parecer fundamentado sobre a questão de saber se o Estado-Membro adotou medidas suficientes ao nível político para dar cumprimento à recomendação PDE. Se essa análise indicar que o Estado-Membro em causa cumpriu os seus compromissos políticos, a avaliação concluirá que foram adotadas medidas eficazes. Se revelar que os compromissos políticos não foram cumpridos, e se for de prever que os objetivos para o défice nominal não venham a ser cumpridos, a avaliação concluirá que não foram adotadas medidas eficazes. No entanto, se for de prever que os objetivos para o défice nominal venham a ser cumpridos, o procedimento será suspenso, mesmo que não seja alcançada a variação do saldo estrutural recomendada. Por outro lado, deve ser realizada uma análise aprofundada para melhor compreender a natureza da evolução orçamental subjacente. A melhoria do saldo estrutural que figura nas previsões atualizadas da Comissão é de 0,3 % do PIB em 2015 e de 0,1 % em 2016, ficando aquém do esforço de 0,5 % e 0,8 % do PIB recomendado pelo Conselho. No que respeita a 2015, a melhoria prevista do saldo estrutural mantém-se inalterada, relativamente às previsões da primavera, em 0,3 % do PIB, e é semelhante à prevista à data da recomendação do Conselho. Mais especificamente, o pacote adicional de 4 mil milhões de EUR anunciado no Programa de Estabilidade deverá aumentar o esforço estrutural em 2,8 mil milhões de EUR(0,1 % do PIB). No entanto, esse impacto é compensado por uma revisão em baixa da elasticidade das receitas fiscais. No que respeita a 2016, a melhoria do saldo estrutural estimava-se em 0,0 % do PIB nas previsões da primavera e em -0,4 % do PIB no cenário de base do PDE. Tendo em consideração a redução suplementar das despesas mencionada no relatório sobre as medidas adotadas, prevê-se agora que o saldo estrutural melhore em 0,1 % do PIB, um nível ainda muito inferior à melhoria de 0,8 % do PIB recomendada pelo Conselho. Tal como previsto na metodologia para avaliar se foram adotadas medidas eficazes (ver caixa 1), esta situação exige uma análise aprofundada do esforço orçamental com base na melhoria corrigida do saldo estrutural (abordagem descendente) e no montante das medidas adotadas (abordagem ascendente). Quadro 1. Comparação das projeções orçamentais Correção do Saldo orçamental nominal % do PIB saldo estrutural * Previsões da Comissão da primavera de ,8% -3,5% - 0,3% 0,0% Previsões da Comissão da primavera de 2015 atualizadas -3,8% -3,4% - 0,3% 0,1% Programa de Estabilidade -3,8% -3,3% -2,7% 0,3% 0,1% Cenário de base (previsões do inverno de 2015)** 4,1% 4,1% 4,1% 0,3% -0,4% Objetivo do PDE -4,0% -3,4% -2,8% 0,5% 0,8% Notas: Os saldos estruturais baseados no Programa de Estabilidade são recalculados pela Comissão com base no cenário do Programa de Estabilidade utilizando a metodologia acordada em comum. * As previsões da Comissão da primavera de 2015 apenas abrangem o período até 2016 ** Cenário subjacente à Recomendação do Conselho de 10 de março de

6 Relativamente a 2015, a análise aprofundada confirma que o esforço orçamental deverá ficar aquém do nível recomendado pelo Conselho. Aplicando as correções associadas à variação do crescimento potencial, bem como às reduções das receitas ocorridas desde a data da recomendação do Conselho, estima-se que a melhoria do saldo estrutural corrigido seja de 0,4 % do PIB em 2015, sendo que o Conselho recomendava uma melhoria de 0,5%. O esforço orçamental ascendente deverá manter-se inalterado, em 0,0 % do PIB, tal como estimado nas previsões da Comissão da primavera de 2015, sendo que o Conselho recomendava um esforço de 0,2 % do PIB. Com efeito, o impacto das medidas adicionais para 2015, descrito no relatório sobre as medidas adotadas, é compensado pela correção respeitante à poupança em pagamentos de juros, que é considerada fora do controlo do Governo de acordo com a metodologia acordada em comum para se avaliar se foram adotadas medidas eficazes, e, por conseguinte, não é tida em conta no cálculo do esforço orçamental ascendente para Em 2016, a análise aprofundada evidencia também um desvio negativo em relação ao esforço orçamental recomendado pelo Conselho. Tendo em conta as medidas especificadas no relatório sobre as medidas adotadas, e efetuando as devidas correções associadas à variação do crescimento potencial e às receitas excecionais ocorridas desde a data da recomendação do Conselho, o saldo estrutural corrigido deverá manter-se constante, sendo que o Conselho recomendava uma melhoria de 0,8 % do PIB. Do mesmo modo, as poupanças adicionais a nível do Estado deverão aumentar o esforço orçamental ascendente, dos 0,3 % do PIB estimados nas previsões da primavera para 0,4 % do PIB, não atingindo os 1,2 % do PIB recomendados pelo Conselho em 10 de março de A recomendação do Conselho de 10 de março de 2015 solicitava igualmente uma avaliação das principais medidas previstas para 2016 e Esta avaliação não é apresentada no relatório sobre as medidas adotadas. Em especial, a redução das despesas em 2016 e 2017 deverá ser apoiada pelos resultados das análises das despesas que estão já em curso ou que deverão ainda ser lançadas. Além disso, a «Loi de programmation des finances publiques» não foi atualizada como tinha sido recomendado pelo Conselho. Quadro 2. Comparação entre a evolução do saldo estrutural corrigido e o esforço orçamental com base nas previsões da primavera de 2015 da Comissão Variação corrigida do % do PIB saldo estrutural Esforço ascendente structural balance Previsões da Comissão da primavera de ,4% -0,1% 0,0% 0,3% Previsões da Comissão da primavera de 2015 atualizadas 0,4% 0,0% 0,0% 0,4% Cenário de base (previsões do inverno de 2015)** 0,3% -0,4% Objetivo do PDE 0,5% 0,8% 0,2% 1,2% * Cenário subjacente à Recomendação do Conselho de 10 de março de

7 4. CONCLUSÕES O relatório sobre as medidas adotadas, apresentado pela França em 10 de junho de 2015, confirma o plano do Governo francês para corrigir o défice excessivo até 2017, prazo fixado pelo Conselho, e fornece alguns esclarecimentos adicionais sobre as medidas subjacentes à estratégia orçamental estabelecida no Programa de Estabilidade da França. Todavia, não são apresentadas medidas suplementares, para além das já anunciadas no Programa de Estabilidade. Em termos globais, com base nas informações disponíveis nesta fase, o défice da administração pública deverá atingir 3,8 % do PIB em 2015 e 3,4 % em 2016, em consonância com os objetivos recomendados pelo Conselho em 10 de março de A melhoria do saldo estrutural, calculada pela Comissão com base nas informações disponíveis em 10 de junho, parece ficar aquém do esforço recomendado tanto em 2015 como em Uma análise cuidadosa, baseada numa avaliação tanto da variação do saldo estrutural corrigido (abordagem «descendente»), como do montante das medidas planeadas (abordagem «ascendente»), conclui igualmente que o esforço orçamental deverá ficar aquém do nível recomendado pelo Conselho. Além disso, embora a recomendação do Conselho previsse uma avaliação das principais medidas planeadas para 2016 e 2017, esta avaliação não foi disponibilizada no relatório sobre as medidas adotadas. Por último, a «Loi de programmation des finances publiques» não foi atualizada como recomendado pelo Conselho. A estratégia de consolidação prosseguida pela França baseia-se, essencialmente, na melhoria das condições cíclicas e na persistência de uma conjuntura de taxas de juro baixas. Por conseguinte, a fim de assegurar uma correção duradoura do défice excessivo dentro do prazo estabelecido, a estratégia orçamental carecerá de um reforço adicional. Concretamente, a redução das despesas prevista para 2016 e 2017 deve ser especificada com maior detalhe, e as receitas extraordinárias, nomeadamente as resultantes de receitas fiscais superiores ao previsto ou de taxas de juro mais baixas, deverão ser utilizadas para reduzir o défice. Além disso, há que intensificar os esforços para tornar mais eficaz a análise das despesas e para identificar as possibilidades de poupança em todos os subsetores da administração pública, nomeadamente a nível da segurança social e da administração local, tal como recomendado pelo Conselho. Por outro lado, será importante apoiar a consolidação orçamental através da implementação de reformas estruturais globais e ambiciosas, em sintonia com as recomendações do Conselho dirigidas à França no contexto do Semestre Europeu, e, em especial, com as inerentes ao Procedimento relativo aos Desequilíbrios Macroeconómicos. Em suma, prevê-se que os objetivos em matéria de défice nominal sejam atingidos tanto em 2015 como em 2016, ao passo que o esforço orçamental, segundo todos os critérios analisados, deverá ficar aquém do recomendado em 2015 e Por conseguinte, de acordo com a metodologia adotada para avaliar se foram tomadas medidas eficazes, a Comissão considera que o procedimento deve ser suspenso. 7

8 Quadros correspondentes ao PDE Quadro A1. Correção do esforço estrutural aparente à luz da pela revisão do crescimento potencial pormenores dos cálculos Crescimento do PIB potencial subjacente à recomendação do Conselho (%) Crescimento do PIB potencial na data da avaliação (%) Erro de previsão (%) Despesa estrutural (% do PIB potencial) Coeficiente de correção α (% do PIB potencial nominal) (1) (2) (3)=(1)-(2) (4) (5)=(3)*(4)/ ,0% 1,0% 0,0% 55,8 0,0% ,1% 1,1% 0,0% 55,5 0,0% Com base nas previsões da Comissão da primavera de 2015 Quadro A2. Correção do esforço estrutural aparente à luz da revisão dos aumentos/reduções extraordinários das receitas pormenores dos cálculos Variação (anual) Medidas Pressupostos sobre Receitas correntes das receitas discricionárias do lado Variaçâo do hiato o crescimento no ano t-1 correntes (mil das receitas correntes do produto nominal do PIB (%) (mil milhões) milhões) (mil milhões) recom. avaliação recom. avaliação recom. avaliação recom. avaliação recom. avaliação (1) (1') (2) (2') (3) (3') (4) (4') (5) (5') ,4 19,1 2,5 1,8 1,8% 2,1% 0,0 0,1 1135,6 1135, ,8 28,8-2,9-0,5 2,8% 2,7% 0,7 0,6 1156,0 1154,8 *elasticidade das receitas (ε): 1.01 Com base nas previsões da Comissão da primavera de 2015 Hiato das receitas (mil milhões)* (6)=[(1')-(2')-[(3')+(ε- 1)*(4')/100]*(5')]-[(1)-(2)- [(3)+(ε-1)*(4)/100]*(5)] -3,8 2,6 PIB nominal avaliação Coeficiente de correção β (% do PIB nominal) (7) (8)=100*(6)/(7) 2186,7 2244,8-0,2 0,1 8

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO. sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 21.9.2010 COM(2010) 495 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO sobre a avaliação das medidas adoptadas pela Lituânia e pela Roménia em resposta às recomendações

Leia mais

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A

9200/16 fmm/hrl/ml 1 DG B 3A - DG G 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 9200/16 ECOFIN 452 UEM 199 SOC 316 EMPL 212 COMPET 286 ENV 331 EDUC 186 RECH 178 ENER 194 JAI 440 NOTA de: para: n. doc. Com.: Assunto:

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

9602/16 pbp/hrl/jc 1 DG G 2B

9602/16 pbp/hrl/jc 1 DG G 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de junho de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2013/0045 (CNS) 9602/16 FISC 90 ECOFIN 522 NOTA de: para: Assunto: Secretariado-Geral do Conselho Comité de Representantes

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.3.2014 SWD(2014) 119 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão, L 121/20 DECISÃO (UE) 2015/774 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 4 de março de 2015 relativa a um programa de compra de ativos do setor público em mercados secundários (BCE/2015/10) O CONSELHO DO BANCO CENTRAL

Leia mais

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020 Parecer do Conselho das Finanças Públicas 20 de abril de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado

Leia mais

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Guidelines Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Data: 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Índice I. Âmbito 3 II. Definições

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013,

sobre o relatório do mecanismo de alerta 2013, COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.11.2012 COM(2012) 751 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO BANCO CENTRAL EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU, AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

DECRETO N.º 262/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 262/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 262/XII Cria a contribuição de sustentabilidade e ajusta a taxa contributiva dos trabalhadores do sistema previdencial de segurança social e do regime de proteção social convergente, procedendo

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014)

Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Procedimento dos Défices Excessivos 2ª Notificação 2014 30 de setembro de 2014 Procedimento dos Défices Excessivos (2ª Notificação de 2014) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia hoje

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Assunto: Assunto Mod. 99999910/T 01/14 Com a publicação do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de junho, que transpôs para a ordem

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS

DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS DOCUMENTO DE CONSULTA REGULAMENTO DO BCE RELATIVO ÀS TAXAS DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS MAIO DE 2014 1 POR QUE RAZÃO O BCE COBRA UMA TAXA DE SUPERVISÃO? Ao abrigo do Regulamento (UE) n.º 1024/2013,

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE JUNHO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 1. PERSPETIVAS PARA A ÁREA DO EURO: VISÃO GERAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS As projeções de junho

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2005-2007 Dezembro 2004 Programa de Estabilidade e Crescimento 2005-2007 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...1 II. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO...2

Leia mais

5306/15 ADD 1 ls/mpm/mjb 1 DG G 2A

5306/15 ADD 1 ls/mpm/mjb 1 DG G 2A Conselho da União Europeia Bruxelas, 30 de janeiro de 205 (OR. en) 5306/5 ADD FIN 28 PE-L 5 NOTA PONTO "I/A" de: para: Assunto: Comité Orçamental Comité de Representantes Permanentes/Conselho Quitação

Leia mais

Funcionamento dos estabilizadores orçamentais automáticos na área do euro

Funcionamento dos estabilizadores orçamentais automáticos na área do euro Funcionamento dos estabilizadores orçamentais automáticos na área do euro Os estabilizadores orçamentais automáticos são a reacção do orçamento às flutuações económicas na ausência de qualquer acção governamental.

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Análise do Programa de Estabilidade 2015-2019

Análise do Programa de Estabilidade 2015-2019 Análise do Programa de Estabilidade 2015-2019 Relatório do Conselho das Finanças Públicas n.º 5/2015 maio de 2015 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado pelo artigo 3.º da Lei

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 4.5.2015

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 4.5.2015 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.5.2015 C(2015) 2806 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 4.5.2015 que aprova a decisão de Portugal de utilizar mais de 13 do limite máximo nacional anual fixado no anexo

Leia mais

(2014/541/UE) Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão,

(2014/541/UE) Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o seu artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão, 29.8.2014 L 258/11 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 29 de julho de 2014 relativa a medidas respeitantes às operações de refinanciamento de prazo alargado direcionadas (BCE/2014/34) (2014/541/UE) O CONSELHO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TÍTULO I. 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TÍTULO I. 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013 5428 Diário da República, 1.ª série N.º 168 2 de setembro de 2013 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n.º 2/2013 de 2 de setembro Aprova a Lei das Finanças das Regiões Autónomas A Assembleia da República

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

Decisão final sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital da PT Comunicações, S.A. aplicável a 2010 e 2011

Decisão final sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital da PT Comunicações, S.A. aplicável a 2010 e 2011 Decisão final sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital da PT Comunicações, S.A. aplicável a 2010 e 2011 I. Enquadramento O custo de capital é uma componente importante dos custos dos produtos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Regime de Reavaliações

Regime de Reavaliações Regime de Reavaliações DL 31/98 REAVALIAÇÃO DE BENS - LEGISLAÇÃO Permite aos sujeitos passivos do IRS e do IRC reavaliar os elementos do seu activo imobilizado tangível, afectos ao exercício de uma actividade

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

PARECER N.º 188/CITE/2014

PARECER N.º 188/CITE/2014 PARECER N.º 188/CITE/2014 Assunto: Parecer prévio à cessação dos contratos de trabalho de trabalhadora lactante, por despedimento coletivo, nos termos do n.º 1 e da alínea b) do n.º 3 do artigo 63.º do

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 15 de Maio de 2007 (OR. en) 9556/07 DEVGEN 88 RELEX 346 FIN 229 WTO 116 ONU 24 NOTA de: Secretariado-Geral data: 15 de Maio de 2007 n.º doc. ant.: 9179/07 Assunto:

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

CONCEÇÃO E ADOÇÃO DOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA FINANCEIRA

CONCEÇÃO E ADOÇÃO DOS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA FINANCEIRA Respostas do Banco Central Europeu ao questionário do Parlamento Europeu que complementa o relatório de iniciativa que avalia a estrutura, o papel e as operações no âmbito da atuação da troika (Comissão

Leia mais

27.5.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 140/11

27.5.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 140/11 27.5.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 140/11 REGULAMENTO (UE) N. o 473/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de maio de 2013 que estabelece disposições comuns para o acompanhamento e a

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL*

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem como objectivo calcular um Índice de Condições Monetárias (ICM) para a economia portuguesa, o qual constitui

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2015) 136 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre a transparência fiscal para combater a evasão e a elisão fiscais

Leia mais

Relatório do Tribunal de Contas Europeu sobre a auditoria da eficácia operacional da gestão do Banco Central Europeu relativo ao exercício de 2000

Relatório do Tribunal de Contas Europeu sobre a auditoria da eficácia operacional da gestão do Banco Central Europeu relativo ao exercício de 2000 12, rue alcide de gasperi téléphone: 43 98 1 téléfax: 43 93 42 L 1615 luxembourg adresse télégraphique: euraudit luxembourg télex: 3512 euraud lu Comunidades Europeas TRIBUNAL DE CUENTAS De Europæiske

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 A Instrução nº 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão nº 2001/193/CE,

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal?

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal? Boletim do FMI ENTREVISTA SOBRE PORTUGAL FMI delineia plano conjunto de apoio com UE para Portugal Boletim digital do FMI 6 de Maio de 2011 Café no Bairro Alto, em Lisboa. A criação de novos empregos,

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 (Cotações: 6 x 1,0 = 6 valores) GRUPO A1 1- O sector de atividade que agrupa as atividades relacionadas com o aproveitamento

Leia mais

1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal

1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal 1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal 1. O Crédito Pessoal é do tipo crédito clássico e só pode ser solicitado pela pessoa singular 1ª Titular de um Cartão emitido pela UNICRE que esteja em

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 FUNDO DE PENSÕES ABERTO REFORMA EMPRESA RELATÓRIO DE AUDITORIA REFERENTE AO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 RUA GENERAL FIRMINO MIGUEL, 3, TORRE 2-1º A/B, 1600-100 LISBOA, PORTUGAL TEL.: + 351217210180

Leia mais

ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP)

ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP) Manual de Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 15/2007 ASSUNTO: Processo de Auto-avaliação da Adequação do Capital Interno (ICAAP) A avaliação e a determinação com rigor do nível de capital interno

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 03 março 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas

Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas A revisão das Regras do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de energia elétrica (PPEC), aprovada

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

Preços no setor das comunicações eletrónicas. Abril 2016

Preços no setor das comunicações eletrónicas. Abril 2016 Preços no setor das comunicações eletrónicas Abril 2016 1 AGENDA 1. 2. IPC SUB ÍNDICE SERVIÇOS TELEFÓNICOS E DE TELECÓPIA ESTUDOS INTERNACIONAIS 3. ANEXOS IPC sub índice serviços telefónicos e de telecópia

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom)

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União Europeia. (2014/335/UE, Euratom) 271 der Beilagen XXV. GP - Beschluss NR - 17 Beschluss Portugiesisch (Normativer Teil) 1 von 7 L 168/105 DECISÕES DECISÃO DO CONSELHO de 26 de maio de 2014 relativa ao sistema de recursos próprios da União

Leia mais

ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO

ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO 30.12.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia C 323/1 I (Comunicações) COMISSÃO ENQUADRAMENTO COMUNITÁRIO DOS AUXÍLIOS ESTATAIS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO E À INOVAÇÃO (2006/C 323/01) Página 1.

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social Resumo do de estudo do Regime da Segurança Social Introdução De acordo com o de estudo principal do dia 18 de Abril e os dois anexos respectivamente dos dias 29 de Maio e 27 de Junho (Análises 1 e 2 dos

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2008R1234 PT 02.11.2012 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 1234/2008 DA COMISSÃO de 24 de Novembro de 2008 relativo

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Supervisão Comportamental

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL L O A EXERCÍCIO DE 2016. 1 de 13

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL L O A EXERCÍCIO DE 2016. 1 de 13 L O A DE 1 de 13 NOME DO ESTADO NOME DO MUNICÍPIO NOME DO PREFEITO(A) CARGO NOME CARGO CADASTRO DE DADOS DO MUNICÍPIO ESTADO DE GOIÁS JARDE SEBBA PREFEITO MUNICIPAL ABRANTE SILVERIO DE SOUZA CONTADOR CADASTRO

Leia mais

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial -

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas Promoção Porto e Norte

Leia mais

Gestão de estabelecimentos de formação M 5 - O orçamento dos centros

Gestão de estabelecimentos de formação M 5 - O orçamento dos centros 07 de maio de 2015 Gestão de estabelecimentos de formação M 5 - O orçamento dos centros Philippe PIRSCH Orçamento e formação Orçamento Noções de custos 2 Orçamento e formação A gestão dos sistemas torna-se

Leia mais

capítulo Enforcement

capítulo Enforcement capítulo 4 4.1 Considerações iniciais No quadro da atividade de enforcement, o ISP (i) dirige recomendações e determinações específicas às entidades supervisionadas visando a correção de eventuais irregularidades

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:40 Número de Simulação: 14616112 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO. Abril 2014 BANCO DE PORTUGAL. BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014

BOLETIM ECONÓMICO. Abril 2014 BANCO DE PORTUGAL. BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL BOLETIM ECONÓMICO Inverno 2014 EUROSISTEMA Abril 2014 BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Lisboa, 2014 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Abril 2014 Banco de Portugal Av.

Leia mais

Depósito Indexado Retorno Mercado Acionista abril/13 EUR Produto Financeiro Complexo. - Prospeto Informativo -

Depósito Indexado Retorno Mercado Acionista abril/13 EUR Produto Financeiro Complexo. - Prospeto Informativo - Depósito Indexado Retorno Mercado Acionista abril/13 EUR Produto Financeiro Complexo - Prospeto Informativo - Designação Classificação Caraterização do Produto Depósito Indexado Retorno Mercado Acionista

Leia mais

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS

CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS CRESCIMENTO E EMPREGO: PRÓXIMOS PASSOS Apresentação de J.M. Durão Barroso, Presidente da Comissão Europeia, ao Conselho Europeu informal de 30 de janeiro de 2012 Quebrar os «círculos viciosos» que afetam

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 161º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 161º, REGULAMENTO (CE) Nº 1083/2006 DO CONSELHO de 11 de Julho de 2006 que estabelece disposições gerais sobre o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, o Fundo Social Europeu e o Fundo de Coesão, e que revoga

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 16º Subsídios e subvenções Processo: nº 3141, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-28. Conteúdo: Tendo por referência

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU

DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ECA/09/69 DISCURSO PROFERIDO POR VÍTOR CALDEIRA, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU ******* APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL RELATIVO AO EXERCÍCIO DE 2008 À COMISSÃO DO

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos digitais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos digitais COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 9.12.2015 COM(2015) 634 final 2015/0287 (COD) Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO sobre certos aspetos relativos aos contratos de fornecimento de conteúdos

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.º Âmbito e finalidades REGULAMENTO: PARTIS - PRÁTICAS ARTÍSTICAS PARA INCLUSÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito e finalidades 1. A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo a apoiar ao longo dos anos diversas

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais