EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO"

Transcrição

1

2 EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO Integradas no tecido empresarial encontramos o grupo das empresas de crescimento elevado (ECE) assim designadas na sequência do rápido crescimento que apresentam tanto em emprego como em volume de negócios. No período analisado as ECE foram responsáveis por 10% da criação do emprego em Portugal; entre 2008 e 2011, aumentaram em 158% o seu número de empregados e em 71% o seu volume de negócios. Pág. 2 Barómetro Empresarial Agosto 2013

3 O QUE SÃO ECE? (EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO): apresentarem um crescimento orgânico médio anual de empregados superior a 20% durante 3 anos consecutivos; têm, no mínimo, 10 empregados no início do período analisado. as empresas gazela que sendo empresas de crescimento elevado têm no máximo 5 anos de idade no final do período. Barómetro Empresarial Agosto 2013 Pág. 3

4 IMPORTÂNCIA E CONTRIBUIÇÃO PARA A ECONOMIA NACIONAL Foram identificadas 984 ECE num universo empresarial composto por empresas. Tecido empresarial ECE Gazelas Nº empresas Nº empregados Volume de negócios ('000 euros)* Exportações ('000 euros)* No mesmo período o número de empresas gazelas é de 177 e representa 18% das empresas de crescimento elevado (ECE). *Valores financeiros a preços constantes de 2011 Fonte: Análise Informa D&B; Dados: informação empresarial simplificada (IES) / Ministério da Justiça Pág. 4 Barómetro Empresarial Agosto 2013

5 As ECE têm um impacto directo nos números de criação do emprego: entre 2008 e 2011, estas empresas criaram postos de trabalho, valendo ao todo 10% do novo emprego criado nesses anos. Criação de emprego Variação líquida no período do volume de negócios* das exportações* Tecido empresarial ECE (984 empresas) Gazelas (177 empresas) *Valores financeiros em milhares de euros a preços constantes de 2011 Fonte: Análise Informa D&B; Dados: informação empresarial simplificada (IES) / Ministério da Justiça Barómetro Empresarial Agosto 2013 Pág. 5

6 CRESCIMENTO RÁPIDO As ECE destacam-se pelo seu rápido ritmo de crescimento. Neste período estas empresas cresceram 158% em nº de empregados comparativamente ao observado no tecido empresarial que apresenta um decréscimo de 14%. Ao mesmo tempo as ECE, viram ainda o volume de negócios e as exportações crescerem 71% e 95% respectivamente, enquanto que, no conjunto nacional, a variação foi de -15% e 3%, respectivamente. Pág. 6 Barómetro Empresarial Agosto 2013

7 350% Taxa de crescimento no período (%) 300% 250% 216% 200% 150% 100% 50% 0% -50% 158% 169% 95% 92% 71% 3% -14% -15% Tecido Empresarial ECE (984 empresas) Gazelas (177 empresas) Empregados Volume de negócios Exportações Fonte: Análise Informa D&B Dados: informação empresarial simplificada (IES) / Ministério da Justiça Barómetro Empresarial Agosto Pág. 7

8 DINÂMICA SECTORIAL DO TECIDO EMPRESARIAL E DAS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO O fenómeno do crescimento elevado não é exclusivo de alguns sectores. As ECE estão presentes em todos os sectores de actividade. Sector de Actividade Nº ECE Variação do número de empregados no período (%) Serviços 240 Transportes 59 Alojamento e restauração 69 Actividades imobiliárias 13 Telecomunicações 42 Agricultura, pecuária, pesca e caça 28 Retalhista 90 Indústrias transformadoras 191 Grossista 78 Gás, electricidade e água 15 Construção 157 Indústrias extractivas 2-10% -8% -12% -25% -4% -8% -16% -13% -27% -22% 7% 5% 200% 169% 165% 165% 150% 139% 132% 131% 128% 122% 107% 100% TOTAL % 158% ECE Tecido empresarial Pág. 8 Barómetro Empresarial Agosto 2013 Fonte: Análise Informa D&B; Dados: informação empresarial simplificada (IES) / Ministério da Justiça

9 EVOLUÇÃO NOS TRÊS PERÍODOS ANALISADOS PELA INFORMA D&B nº de ECE nº de novos empregos no período % ECE no tecido empresarial % de criação emprego no período ,5% 9,1% ,4% 9,6% ,3% 9,8% Nos três períodos, as ECE representam menos de 1% do tecido empresarial mas criam entre 9 e 10% de todos os novos empregos. Numa conjuntura económica desfavorável a partir de 2008 e embora o número e a importância das ECE em relação ao tecido empresarial tenha diminuído, a sua contribuição para a criação de novo emprego cresceu. Fonte: Análise Informa D&B; Dados: informação empresarial simplificada (IES) / Ministério da Justiça Barómetro Empresarial Agosto 2013 Pág. 9

10 CONCLUSÃO As ECE apesar de serem em número reduzido são muito relevantes no estímulo que trazem à economia nacional. As ECE não se distinguem especialmente do restante tecido empresarial português nem pela distribuição geográfica, nem pelos sectores em que actuam nem pela antiguidade nos negócios. Estas empresas distinguem-se porque desenvolvem a sua actividade melhor do que as restantes empresas, e porque aumentam rapidamente o nº de empregados, o volume de negócios e as exportações. Pág. 10 Barómetro Empresarial Agosto 2013

11 Rua Barata Salgueiro, n.º 28, 3.º Lisboa

Qual o segredo para a longevidade das empresas?

Qual o segredo para a longevidade das empresas? Qual o segredo para a longevidade das empresas? QUAL O SEGREDO PARA A LONGA VIDA DAS EMPRESAS? Segundo ele, existem 2 tipos de organizações: As denominadas empresas vivas que se comportam como uma espécie

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. Março 2011

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. Março 2011 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Março 2011 Sumário executivo Em Portugal : Apenas 30,1% das funções de gestão são desempenhadas por mulheres Apenas 55,3% das empresas têm participação

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013

ESTUDO INFORMA D&B. Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 ESTUDO INFORMA D&B Gestão e Liderança Feminina em Portugal 3ª Edição, Fevereiro 2013 Portugal tem uma população activa de 5,5 milhões, dos quais 47% são mulheres. O objectivo deste estudo foi saber como

Leia mais

Shares and other equity

Shares and other equity A CAE e os impactos no Banco de Portugal Margarida Brites Ramos 1 Função Estatística Lei Orgânica do Banco de Portugal Artigo 12.º Compete especialmente ao Banco, sem prejuízo dos condicionalismos decorrentes

Leia mais

Utilização da Central de Balanços na caracterização. Homero Gonçalves

Utilização da Central de Balanços na caracterização. Homero Gonçalves Utilização da Central de Balanços na caracterização dotecido empresarial português Homero Gonçalves Quantas sociedades existem em Portugal? Central de Responsabilidades decrédito 260 mil INE Modelos 22

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL 2012/2010 Estudo Sair Da Casca e Informa D&B Dezembro 2013 METODOLOGIA Universo do estudo TECIDO EMPRESARIAL: Todas as entidades (pessoas

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

Anatomia do empreendedor de alto crescimento. Pedro Neves & Aníbal Lopes

Anatomia do empreendedor de alto crescimento. Pedro Neves & Aníbal Lopes Anatomia do empreendedor de alto crescimento Pedro Neves & Aníbal Lopes Empresas de Crescimento Elevado - O interesse nas ECEs tem crescido desde a década de 1990 em particular devido ao seu papel na criação

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

ONDE NASCE O NOVO EMPREGO?

ONDE NASCE O NOVO EMPREGO? ONDE NASCE O NOVO EMPREGO? Informa D&B - Maio 2013 UNIVERSO DO ESTUDO Os dados referem-se ao período de 2007 a 2011 Fontes: Análise Informa D&B; dados ministério da justiça: portal da justiça, I.E.S.;

Leia mais

Centro Cultural de Belém

Centro Cultural de Belém Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do Gás Natural Centro Cultural de Belém Perspectiva dos consumidores A opinião da COGEN Portugal A. Brandão Pinto Presidente da Comissão Executiva ÍNDICE

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência. PROCESSO AC-I-Ccent-54/2003-SACYR/SOMAGUE

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência. PROCESSO AC-I-Ccent-54/2003-SACYR/SOMAGUE Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-Ccent-54/2003-SACYR/SOMAGUE 1 -INTRODUÇÃO No dia 30 de Dezembro, a Autoridade da Concorrência recebeu uma notificação relativa a um projecto

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 2 Fevereiro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 2 Fevereiro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011

O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA Funchal, 10 de Novembro de 2011 O tecido empresarial da Região Autónoma da Madeira: Caracterização Evolução Crescimento empresarial MADEIRA 2011 Funchal, 10 de Novembro de 2011 BUSINESS PLAN Financial Analysis Agenda O tecido empresarial

Leia mais

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados

ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO E DA AÇÃO INSPETIVA ESTATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados ÍSTICAS LABORAIS TRABALHO DA AÇÃO ISPTIVA STATÍSTICAS DO TRABALHO síntese de resultados R QUADROS D PSSOAL (Relatório Único Anexo A) A regulamentação do Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/29 de

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

Reindustrializaçãoda Economia Portuguesa: Impacto no Emprego, Profissões e Competências

Reindustrializaçãoda Economia Portuguesa: Impacto no Emprego, Profissões e Competências Reindustrializaçãoda Economia Portuguesa: Impacto no Emprego, Profissões e Competências CEPCEP, 7 de outubro de 2014 POAT/FSE nº 000831402013 07-10-2014 Workshop 1 Algumas conclusões da analise qualitativa

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

Empresas em Portugal 2012

Empresas em Portugal 2012 Empresas em Portugal 2012 21 de março de 2014 Principais indicadores revelaram uma contração da atividade económica em 2012 com exceção das sociedades exportadoras Em 2012 existiam em Portugal 1 086 452

Leia mais

Estrutura sectorial de Macau em 2014

Estrutura sectorial de Macau em 2014 Estrutura sectorial de Macau em 2014 Not.002/2016 Nos anos anteriores, a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) calculava e analisava o valor bruto de produção (VBP), o valor acrescentado

Leia mais

Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) Extensão da Inovação

Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) Extensão da Inovação Anexo 2 Quadro 1 Evolução da Extensão da Inovação em Portugal (%) Extensão da Inovação Indústria Serviços Nacional (3) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997 1998-2000 (1) 1998-2000 (2) 1995-1997

Leia mais

SOLUÇÕES IBÉRICAS PARA EMPRESAS MARÇO 2014

SOLUÇÕES IBÉRICAS PARA EMPRESAS MARÇO 2014 MARÇO 2014 EM ESPANHA, COMO EM PORTUGAL BPI e CaixaBank desenvolveram, em parceria, as Soluções Ibéricas para Empresas, uma oferta inovadora de produtos e serviços para apoiar as empresas que operam no

Leia mais

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8

Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7. 2. Estratégias e Processos de Gestão de Risco 8 Secção I: Introdução 4 1. Enquadramento Regulamentar 5 2. Estrutura do Relatório 5 Secção II: Declaração de Responsabilidade 6 Secção III: Âmbito de Aplicação e Políticas de Risco 7 1. Âmbito de Aplicação

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior

Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Fluxos de Investimento Directo de Portugal com o Exterior eiro a ho de 28 Informação Portugal, 21 de sto de 28 Investimento Directo de Portugal

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

AS 46 EMPRESAS GAZELA 2014 DA REGIÃO CENTRO

AS 46 EMPRESAS GAZELA 2014 DA REGIÃO CENTRO AS 46 EMPRESAS GAZELA 2014 DA REGIÃO CENTRO A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) efetuou, pelo terceiro ano consecutivo, o apuramento das empresas gazela existentes na

Leia mais

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO (2006 2009) Maio 2011 1 OBJECTIVOS Identificar as empresas gazela e as empresas de crescimento elevado (ECE) do tecido empresarial português. Caracterizar

Leia mais

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO.

EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO. Fundo para Investidores Qualificados. Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO. EARLY DRIVE 1 FUNDO DE CAPITAL DE RISCO Fundo para Investidores Qualificados Actualização em Abril de 2006 APRESENTAÇÃO 1 Sujeito a autorização e à supervisão pela CMVM (Comissão do Mercado de Valores

Leia mais

Onde param as mulheres?

Onde param as mulheres? Onde param as mulheres? Presença nas organizações em Portugal 2015 ESTUDO INFORMA D&B MARÇO 2015 5.ª EDIÇÃO Índice Ideias-chave Ficha técnica Sumário executivo Introdução ANálise As mulheres nas organizações

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 (Dados 2009) José António Girão* 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3 6. ESTRUTURA EMPRESARIAL 4 7. EMPREGO 5

Leia mais

Mestrado Profissionalizante

Mestrado Profissionalizante Mestrado Profissionalizante Curso de Especialização Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) - Ano Lectivo 2014/2015 2.º Semestre Disciplina de REGULAÇÃO DA ECONOMIA PROGRAMA Regência Professor

Leia mais

- 151 - Q.11.01 - Prédios transacionados, por Ilha e ano

- 151 - Q.11.01 - Prédios transacionados, por Ilha e ano Q.11.1 - Prédios transacionados, por Ilha e ano TOTAL AÇORES 6 522 7 26 6 911 7 1 7 16 7 615 6 66 6 719 6 795 6 774 6 61 1 19 868 149 617 155 257 164 769 234 346 267 938 33 49 351 873 4 137 432 143 36

Leia mais

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa.

As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. Dun-Trade As experiências de pagamento são um dos mais fiáveis indicadores sobre o risco de incumprimento de uma empresa. O que é o DUN-Trade? é um programa de partilha de informação, totalmente gratuito,

Leia mais

Problema Central. Desafios / Oportunidades. Instrumentos disponíveis

Problema Central. Desafios / Oportunidades. Instrumentos disponíveis Problema Central Desafios / Oportunidades Instrumentos disponíveis Redução de actividade no setor; Quebra da procura interna. Problema Sair da zona de conforto Desafios / Oportunidades Alterar modelos

Leia mais

O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos NOTA DE TRABALHO REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA

O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos NOTA DE TRABALHO REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO O estado actual e perspectivas sobre os investimentos estrangeiros directos

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável. III.3. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade. Tipologia de Investimento

Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável. III.3. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade. Tipologia de Investimento Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável III.. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade Tipologia de Investimento Eixo III III. CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N.

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa a um procedimento simplificado de tratamento de certas operações de concentração nos termos do Regulamento (CEE) n 4064/89 do Conselho (Texto relevante para efeitos do

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais 30 de Setembro de 2015 2º Trimestre 2015 Contacto (s): José Fernandes Próxima edição: 31 Dezembro 2015 Joses.Fernandes@ine.gov.cv Nataniel Barros Nataniel.L.Barros@GOVCV.gov.cv

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005

FACTO RELEVANTE INFORMAÇÃO PRÉVIA RELATIVA À ACTIVIDADE E RESULTADOS OBTIDOS PELO GRUPO BANIF NO EXERCÍCIO DE 2005 BANIF S G P S, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento do público Sede Social: Rua de João Tavira, 30 - Funchal Capital Social: 200.000.000 Euros Matrícula Nº 3658 Conservatória do Registo

Leia mais

ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999

ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999 Banco de Portugal Carta-Circular nº 1 /99/DDE/DOC, de 07-01-1999 ASSUNTO: Reservas Mínimas do SEBC a partir de 1/01/1999 Como foi oportunamente divulgado está essa instituição sujeita, a partir de 1 de

Leia mais

Resultados Operacionais melhoram em 73,5% e Resultados líquidos (antes de mais valias) 15%

Resultados Operacionais melhoram em 73,5% e Resultados líquidos (antes de mais valias) 15% INAPA INVESTIMENTOS, PARTICPAÇÕES E GESTÃO, SA ( Sociedade Aberta ) Sede: Rua do Salitre, n.º 142, 1269-064, Lisboa Capital social: 27 237 013 Matrícula n.º 500 137 994 (anteriormente 36 338) da Conservatória

Leia mais

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Eduardo Stock da Cunha CEO Novo Banco Novembro de 2014 Novembro 2014 Depois de um período de contração,

Leia mais

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO

Nº DE EMPRESAS EM NOME INDIVIDUAL NOS AÇORES, POR ANO Q.15.1 - Número de Empresas em nome individual nos Açores, segundo a CAE Rev. 3, por ano AÇORES TOTAL 19 276 2 51 21 238 22 46 23 332 22 335 21 335 21 341 Agricultura, produção animal, caça, floresta e

Leia mais

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço.

Quadros de Pessoal 3,1% Empresas, Estabelecimentos e Pessoas ao Serviço. Q uadro 1 Empresas, estabelecimentos, pessoas ao serviço. ESTATÍSTICAS e m SÍNTESE Quadros de Pessoal O Relatório Único referente à informação sobre a atividade social da empresa, constitui uma obrigação anual, a cargo dos empregadores, com conteúdo e prazo de

Leia mais

Jerónimo Martins, SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2006

Jerónimo Martins, SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2006 Jerónimo Martins, SGPS, S.A. Resultados do Primeiro Trimestre de 2006 1. Sumário Para mais informação contactar: Cláudia Falcão claudia.falcao@jeronimomartins.pt (+351-21 752 61 05) Hugo Fernandes hugo.fernandes@jeronimomartins.pt

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL

UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL OS INVESTIMENTO PORTUGUESES NO BRASIL 11 UMA APRECIAÇÃO GERAL AOS INVESTIMENTOS PORTUGUESES NO BRASIL JOAQUIM RAMOS SILVA 1 Realizado em Setembro de 2005, o questionário do ICEP Portugal Delegação em São

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

(Setembro de 2002) sobre as Determinantes e Estratégias Empresariais do Investimento Directo Português em Cabo Verde.

(Setembro de 2002) sobre as Determinantes e Estratégias Empresariais do Investimento Directo Português em Cabo Verde. RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO AO INVESTIMENTO DIRECTO DE PORTUGAL EM CABO VERDE PATROCINADO PELA CÂMARA DE COMÉRCIO INDÚSTRIA E TURISMO PORTUGAL CABO VERDE 1 (Setembro de 2002) 1 O presente trabalho foi elaborado

Leia mais

Influência do Mar na atividade económica

Influência do Mar na atividade económica 15 de novembro de 213 (corrigida em 21-11-213, às 16H) 16 DE NOVEMBRO: DIA NACIONAL DO MAR Página 9, parágrafo 2, 2ª linha: retificado de 8,1 milhões de toneladas para 8,1 milhares de toneladas Influência

Leia mais

22 de Maio de 2013 Centro de Congressos de Lisboa, Auditório II. Discurso de abertura

22 de Maio de 2013 Centro de Congressos de Lisboa, Auditório II. Discurso de abertura SEMINÁRIO IDE EM PORTUGAL (Atrair Capitais para Criar Emprego) 22 de Maio de 2013 Centro de Congressos de Lisboa, Auditório II Discurso de abertura Nunca, como hoje, foi tão evidente que atingir níveis

Leia mais

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento

EDITAL. Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento EDITAL Iniciativa OTIC Oficinas de Transferência de Tecnologia e de Conhecimento A difusão de informação e do conhecimento tem um papel fundamental na concretização de projectos inovadores e com grande

Leia mais

BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. VALORES MOBILIÁRIOS. Entrada em vigor: 29-Jul-2011. Clientes Particulares e Empresas

BANIF - BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. VALORES MOBILIÁRIOS. Entrada em vigor: 29-Jul-2011. Clientes Particulares e Empresas BANIF BANCO DE INVESTIMENTO, S.A. Entrada em vigor: 29Jul2011 VALORES MOBILIÁRIOS Clientes Particulares e Empresas 21 FUNDOS DE INVESTIMENTO 21.1. Fundos Banif 21.2. Fundos de Terceiros Internacionais

Leia mais

FACTURAÇÃO NOVAS REGRAS A PARTIR DE 1/01/2013

FACTURAÇÃO NOVAS REGRAS A PARTIR DE 1/01/2013 ASSUNTO: FACTURAÇÃO\BENS EM CIRCULAÇÃO Da conjugação do Decreto-Lei nº 197/2012 com o Decreto-Lei nº 198/2012 ambos de 24 de Agosto, passarei a indicar o que me parece ter maior relevância não dispensando,

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Fiapal Informa. Candidaturas QREN

Fiapal Informa. Candidaturas QREN Foram publicados no passado mês de Dezembro 5 Avisos para Apresentação de Candidaturas ao QREN. Destes, três integram a região de Lisboa. Fiapal Informa Aviso de Abertura de Concurso - AAC 17/SI/2011 Sistema

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2012 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2012 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - - Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Autoria:

Leia mais

Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a

Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a Os mercados municipais são estruturas tradicionais de comércio retalhista de proximidade presentes em praticamente todo o território nacional, com a excepção de 16 dos Concelhos. Em Portugal existem 350

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro

Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Estatísticas de empréstimos concedidos pelo setor financeiro Luís Teles Diretor Adjunto Departamento de Estatística 17ª Reunião da Secção Permanente de Estatísticas Económicas 20 março 2015 Agenda 1. A

Leia mais

Plano de Acção para a Sustentabilidade Energética de Lisboa

Plano de Acção para a Sustentabilidade Energética de Lisboa Plano de Acção para a Sustentabilidade Energética de Lisboa desenvolvido no seguimento da adesão da ao Pacto dos Autarcas no âmbito da Estratégia Energético-Ambiental para Lisboa Elaborado por: Título:

Leia mais

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal

Seminario de Difusión do Anuario Estatístico Galicia Norte de Portugal 2010. A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal A nova edição do Anuário Estatístico na perspectiva do Norte de Portugal Eduardo Pereira (CCDRN) Santiago de Compostela 13 de Dezembro de 2010 Galicia Norte de Portugal: uma grande região europeia transfronteiriça

Leia mais

RELATÓRIO DE CRÉDITO SINTÉTICO RATING DYNAMIIC

RELATÓRIO DE CRÉDITO SINTÉTICO RATING DYNAMIIC Página 1 de 5 Data : 22-03-2016 Assinante : CLIENTE EXEMPLO SERV ON LINE SA A/C : Cliente Exemplo V/Ref : Via Online RELATÓRIO DE CRÉDITO SINTÉTICO IDENTIFICAÇÃO RATING DYNAMIIC Nome EMPRESA EXEMPLO LDA

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Todos os meses, o Jornal de Economia que dá voz às PME

Todos os meses, o Jornal de Economia que dá voz às PME Todos os meses, o Jornal de Economia que dá voz às PME Tudo o que é preciso saber sobre: Política económica nacional Conjuntura económica Empresas e Negócios Mercados internacionais Finanças e Mercados

Leia mais

NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO

NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO A Lei n.º 28/11, de 01.09., estabelece as bases gerais de organização e funcionamento aplicáveis às seguintes atividades: (i) refinação

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/Época Especial 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE 04 Despesa em Saúde e Consumo de Medicamentos 062 04. Despesa em Saúde e Consumo de Medicamentos Atlas do Plano Nacional de Saúde Despesa em

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

III Conferência Anual do Turismo

III Conferência Anual do Turismo III Conferência Anual do Turismo Perspectivas do Transporte Aéreo A Carlos Paneiro Funchal, 8 de Maio de 2009 1 Principais mensagens As companhias aéreas têm vindo a sofrer duramente com o actual contexto

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO. Maria José Catarino. Loulé,, 5 Fevereiro de 2009

LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO. Maria José Catarino. Loulé,, 5 Fevereiro de 2009 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE TURISMO Maria José Catarino Loulé,, 5 Fevereiro de 2009 LINHAS DE CRÉDITO PME INVESTE ÍNDICE 1 OBJECTO 2 PME INVESTE II - Protocolo celebrado a 14 Outubro 2008 LINHA +RESTAURAÇÃO

Leia mais

Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água

Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água Financiamento Bancário em Moçambique Sector da Água Tiago Valença Pinto Maputo, 31 de Maio de 2013 tiago.pinto@mozabanco.co.mz O PIB Moçambicano cresceu 7,5% em 2012 e a inflação manteve-se em patamares

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) através do seu Despacho n.º 13/2008, de 12 de Junho, procedeu à publicação anual

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO DE CANDIDATURA FEVEREIRO 2012 INOVAÇÃO PRODUTIVA SECTOR TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 ÍNDICE PÁGINA OBJECTO

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

CRESCIMENTO DO TECIDO EMPRESARIAL

CRESCIMENTO DO TECIDO EMPRESARIAL 1ª CONFERÊNCIA SOBRE CRESCIMENTO EMPRESARIAL E EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO EM PORTUGAL CRESCIMENTO DO TECIDO EMPRESARIAL 2006-2009 Teresa Menezes - Informa D&B ESPECIALIZAÇÃO NO TECIDO EMPRESARIAL

Leia mais

Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Ana Bonifácio nº 1 Débora Mendes nº8 Diana Vicente nº 9-8ºB

Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Ana Bonifácio nº 1 Débora Mendes nº8 Diana Vicente nº 9-8ºB Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Ana Bonifácio nº 1 Débora Mendes nº8 Diana Vicente nº 9-8ºB Índice Notícia de Centrais Nucleares no Reino Unido. A energia está em tudo o que

Leia mais

Avaliação de projetos de investimento

Avaliação de projetos de investimento Gestão Empresarial e Economia Avaliação de projetos de investimento Critérios de avaliação de investimentos Sumário Critérios de avaliação de investimentos o Valor actual líquido o Taxa interna de rentabilidade

Leia mais