Análise de Conjuntura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Conjuntura"

Transcrição

1 Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial

2 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria face ao mês anterior, quer na Área Euro (de +0.5 p.p.) quer na União Europeia (de +1.0 p.p.). Já em Portugal a apreciação efectuada é ligeiramente menos favorável face a observada em Setembro ( 0.5 p.p.). A melhoria registada na Área Euro é o resultado de apreciações mais favoráveis nos sectores da indústria e da construção. Os consumidores mantém a sua avaliação e as empresas dos sector dos serviços apontam para uma ligeira deterioração do clima económico Gráfico I - Indicador de Sentimento Económico Out-93 Out-94 Out-95 Out-96 Out-97 Out-98 Out-99 Out-00 Out-01 Out-02 Out-03 Out-04 Área Euro Portugal Fonte: Comissão Europeia Em Portugal todos os sectores (especialmente a construção) fazem uma avaliação menos favorável excepto o comércio a retalho. Índice de Produção Industrial O Índice de Produção Industrial, em Setembro de 2006, registou uma variação homóloga positiva de +1.6% na indústria em geral e de +1.9% na indústria transformadora. Por grandes agrupamentos industriais registam-se taxas de variação homólogas positivas na produção de bens 1

3 intermédios (+4.5%) e de energia (+1.9%) e taxas de variação homólogas negativas na produção de investimento (-2.4%) e bens de consumo (-1.1%) 3,0 2,0 1,0 Gráfico II - Índice de Produção Industrial - Indústria Transformadora 0,3 0,0-1,0-2,0-0,4-0,8-1,6-3,0-4,0-5,0 IT-02 IIT-02 IIIT-02 IVT-02 IT-03 IIT-03 IIIT-03 IVT-03 IT-04 IIT-04 IIIT-04 IVT-04 IT-05 IIT-05 IIIT-05 IVT-05 IT-06 IIT-06 IIIT-06 Variação homóloga trimestral Variação média últimos 12 meses No ano terminado em Setembro de 2006, o crescimento médio anual da produção industrial foi de +2.0% na indústria em geral e de +1.6% na indústria transformadora. Índice de Produção Industrial Variação média nos últimos 12 meses Setembro de 2006 Indústria em Geral +2.0% Indústria Extractiva -6.3% Indústria Transformadora +1.6% Electricidade, Gás e Água +5.9% 2

4 O contributo dos vários ramos da indústria para o crescimento verificado na produção da indústria transformadora (+1.6%) foi distinto, sendo o contributo mais positivo o registado na fabricação de equipamentos de rádio, TV e comunicação (+1.06 p.p.) e o mais negativo nos têxteis ( 0.43 p.p.). 1,0 Gráfico III - Índice de Produção Industrial - Indústria Transformadora Principais contributos para a variação do Índice por ramos da indústria 0,6 0,2-0, ,6 32. Equipamentos de rádio, TV e comunicação 28. Produtos metálicos 15. Alimentares e bebidas 21. Pasta, papel e cartão 27. Metalúrgicas de bases 25. Borracha e matérias plásticas 24. Químicos 22. Edição e impressão 19. Calçado 36. Mobiliário e outras indústrias 31. Máquinas eléctricas 17. Têxteis Índice de Novas Encomendas na Indústria No trimestre terminado em Setembro, as Novas Encomendas recebidas na Indústria 1 registaram um crescimento homólogo de +8.0%. Esta variação foi positiva quer no mercado nacional (+0.6%) quer no mercado externo (+18.5%). 1 Este índice cobre apenas os sectores de Têxteis e Vestuário, Pasta de Papel e Papel, Produtos Químicos, Metalurgia e Produtos Metálicos, Máquinas, Equipamento Eléctrico e de Óptica, Material de Transporte. 3

5 13,0 Gráfico IV - Índice de Novas Encomendas na Indústria (variação média nos últimos 12 meses) 10,0 7,0 4,0 1,0-2,0-5,0-8,0 Jun-04 Jul-04 Ago-04 Out-04 Total Mercado Nacional Mercado Externo Nos últimos 12 meses, a variação média do índice de novas encomendas na indústria foi de +5.3% (+0.7% no mercado nacional e +12.1% no mercado externo). Índice de Novas Encomendas Setembro de 2006 Variação média nos últimos 12 meses Total Mercado Nacional Mercado Externo Total +5.3% +0.7% +12.1% Bens de Consumo -10.6% -15.8% +5.1% Bens de Intermédios +13.3% +14.6% +11.9% Bens de Investimento +5.3% -2.3% +16.2% Índice de Volume de Negócios na Indústria O volume de negócios na indústria transformadora, em Setembro de 2006, regista uma variação em termos homólogos de +3.7% (0.0% no mercado nacional e +10.1% no mercado externo). A variação média nos últimos 12 meses terminados em Setembro do volume de negócios na indústria transformadora foi de +5.0% (+2.5% no mercado interno e +9.5% no mercado externo). 4

6 12,0 10,0 Gráfico V - Volume de Negócios na Indústria Transformadora (variação média últimos 12 meses) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0 Abr-04 Mai-04 Jun-04 Jul-04 Ago-04 Out-04 Total Mercado Nacional Mercado Externo Índice de Produção na Construção e Obras Públicas O Índice de Produção na Construção e Obras Públicas, no trimestre terminado em Setembro de 2006, regista, em termos homólogos, um crescimento negativo de 8.2% na produção total (-8.3% no sub-sector construção de edifícios ; 7.8% no das obras de engenharia ). 1,0 0,0-1,0-2,0 Gráfico VI Índice de produção na construção e obras públicas (variação média últimos 12 meses) -3,0-4,0-5,0-6,0-7,0 Out-04 Obras de engenharia Construção de edifícios Total 5

7 A variação média anual do índice de produção nas obras públicas nos últimos doze meses terminados em Setembro permite verificar um decréscimo de 5.8% na produção total, mais expressivo na construção de edifícios (-6.5%) do que nas obras de engenharia (-4.2%). Índice de Volume de Negócios nos Serviços Em Setembro de 2006, o índice de volume de negócios nos serviços cresce +0.3% comparativamente a igual mês de Nos últimos 12 meses a variação média do índice foi de +0.1%, registando-se na classe Actividades imobiliárias e serviços prestados às empresas uma variação de 3.2% e na classe Transportes, armazenagem e comunicações uma variação de +5.0%. 8,0 Gráfico VII - Volume de Negócios nos Serviços (variação média últimos 12 meses) 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0-8,0-10,0 Mar-02 Jun-02 Set-02 Dez-02 Mar-03 Jun-03 Set-03 Dez-03 Mar-04 Jun-04 Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho Em Setembro de 2006, as vendas no comércio a retalho, a preços correntes, registaram uma variação +3.9% em termos homólogos. A variação média nos últimos 12 meses foi de +1.9%. 6

8 12,0 10,0 Gráfico VIII Volume de negócios no Comércio a Retalho (variação média últimos 12 meses) (preços correntes) 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0 Jan-02 Mar-02 Mai-02 Jul-02 Set-02 Nov-02 Jan-03 Mar-03 Mai-03 Jul-03 Set-03 Nov-03 Jan-04 Mar-04 Mai-04 Jul-04 Geral Alimentar Não Alimentar Os produtos alimentares e os não alimentares registaram, em Setembro, uma taxa de variação média nos últimos 12 meses de +4.2% e de +0.1%, respectivamente. Comércio Internacional De acordo com as estatísticas do Comércio Internacional do INE, de Janeiro a Agosto de 2006, comparativamente a igual período de 2005, as exportações de bens terão crescido +12.5% e as importações de bens +8.6%. No mesmo período, o comércio intra-comunitário regista um variação positiva de +7.9% nas saídas e de +6.2% nas entradas de bens. No comércio com países terceiros, as exportações de bens terão crescido +31.2% e as importações +16.1%. Índice de Preços no Consumidor O IPC, em Outubro, registou uma variação homóloga de +2.7%, -0.3 p.p. que o valor observado em Setembro. 7

9 5 Gráfico IX Índice de Preços no Consumidor Out-03 Nov-03 Dez-03 Jan-04 Fev-04 Mar-04 Abr-04 Mai-04 Jun-04 Jul-04 Ago-04 Out-04 Variação Homóloga Variação média nos últimos 12 meses A classe produtos alimentares e bebidas não alcoólicas deu o principal contributo para a taxa de variação homóloga do IPC (responsável por 25% desta variação), seguindo-se as classes vestuário e calçado e habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis. A variação mensal deste índice foi de +0.1%. A taxa de variação média do IPC nos últimos 12 meses terminados em Outubro manteve-se em +3.1%. De acordo com a anterior metodologia de cálculo do IPC, a mesma taxa em Outubro teria sido de +2.6%. Índice Harmonizado de Preços no Consumidor Em Outubro, a taxa de variação homóloga do índice harmonizado dos preços no consumidor em Portugal foi de +2.6% (+3.0% em Setembro). A variação média do IHPC nos últimos 12 meses terminados em Outubro foi de +3.1% em Portugal e a estimativa para a Área Euro é de +2.2%. O diferencial de inflação entre Portugal e Área Euro, que vem aumentando 8

10 desde Maio, terá registado novo aumento de +0.8 p.p. em Setembro para +0.9 p.p. em Outubro. Gráfico X - IHPC em Portugal e na Área Euro 4 (variação média nos últimos 12 meses) Ago-03 Set-03 Out-03 Nov-03 Dez-03 Jan-04 Fev-04 Mar-04 Abr-04 Mai-04 Jun-04 Jul-04 Ago-04 Out-04 Área Euro Portugal Fonte: Eurostat Índice de Preços da Produção Industrial Em Outubro de 2006, verificou-se uma desaceleração dos preços da produção industrial. A taxa de variação homóloga do índice foi de +2.6% na indústria em geral, +2.1% na indústria transformadora e de +1.0% na produção de Energia. 15,0 13,0 11,0 9,0 7,0 5,0 3,0 1,0-1,0-3,0-5,0 Abr 04 Mai 04 Jun 04 Jul 04 Ago 04 Gráfico XI Índice de Preços na Produção Industrial Set 04 Out 04 Nov 04 Dez 04 Jan 05 Fev 05 Mar 05 Abr 05 Mai 05 Jun 05 Jul 05 Ago 05 Set 05 Out 05 Nov 05 Dez 05 Jan 06 Fev 06 Mar 06 Abr 06 Mai 06 Jun 06 Jul 06 Ago 06 Set 06 Ind. Transf.-VM12 Energia-VM12 Ind. Transf.-VH Energia-VH Out 06 9

11 A variação média dos preços da produção industrial nos últimos 12 meses terminados em Outubro foi de +4.7% na indústria em geral, +4.6% na indústria transformadora e +8.8% na produção de Energia. Preço Médio do Petróleo A cotação média do Brent (spot) em Outubro foi de 57.8 US dólares por barril (45.82 em euros), mantendo a tendência descendente que se vem registando desde final de Agosto. Este valor corresponde a uma variação de -21% em relação à cotação média do mês de Agosto (-20% em euros) e 1.4% comparativamente com o mês homólogo de 2005 (-6.1% em euros) Gráfico XII Preço do petróleo (Brent spot) (valor médio do período) 22 Novembro: USD Jan-04 Fev-04 Mar-04 Abr-04 Mai-04 Jun-04 Jul-04 Ago-04 Out-04 Fonte: Ministério das Finanças US$/barril /barril Em 22 de Novembro o preço do barril fixava-se em US dólares por barril (46.17 euros por barril). Taxas de Juro do Mercado Monetário Em Outubro, as taxas de juro do mercado monetário mantiveram a tendência de subida que vêm registando nos últimos meses nas várias maturidades. Entre o início de Janeiro e final de Outubro as taxas Euribor a 3, 6 e 12 meses aumentaram cerca de +1.1 p.p. e a taxa Eónia, no mesmo período, aumentou +1.0 p.p.. 10

12 Em 22 de Novembro, a Euribor a 3 meses fixou-se em 3.613%, +0.1 p.p. que um mês antes, aumento idêntico ao registado pela Euribor a 6 meses (3.725%). A Euribor a 12 meses atingiu o valor de 3.854% (+0.03 p.p.). A Eónia (3.32%) manteve-se praticamente inalterada no mesmo período. Em 5 de Outubro o Banco Central Europeu subiu a taxa mínima das operações principais de refinanciamento para 3.25% (+0.25 p.p.). Tratase da quarta subida em Gráfico XIII Taxas de Juro a 3 meses Forward (+ 3 meses) % % Dez-99 Mai-00 Out-00 Mar-01 Ago-01 Jan-02 Jun-02 Nov-02 Abr-03 Set-03 Fev-04 Jul-04 Nov-06 Euro Dolar Diferencial Euro Dolar Diferencial Fonte: Millennium BCP A taxa de juro do euro no mercado forward continua a apontar no sentido da subida nos próximos meses. Em 6 de Outubro, a Euribor a 3 meses era de 3.566%, enquanto a mesma taxa forward a mais 3 meses era de 3.81% e a mais 6 meses 3.87%. As taxas forward do dólar a 3 meses apontam no sentido da descida. Em 6 de Outubro, a taxa do dólar a 3 meses era de 5.37% e a taxa forward a mais 3 meses era 5.1% e a mais 6 meses 5.07%. Desde Julho que o diferencial entre as taxas forward a mais 3 meses do euro e do dólar se vem reduzindo, passando de 2.21 p.p. em 3 de Julho para 1.47 p.p. em 3 de Novembro. 11

13 Taxas de Juro Activas As taxas de juro activas em Portugal, tendo por referência a taxa média mensal sobre o saldo de empréstimos a sociedades não financeiras, em Setembro, subiu ligeiramente em relação ao mês anterior nas várias maturidades. A taxa até 1 ano fixou-se em 5.38% (+0.13 p.p. que em Agosto). Nos empréstimos com prazos entre 1 e 5 anos e a mais de 5 anos, as subidas em relação ao mês anterior foram menores, atingindo 4.91% e 4.86%, respectivamente. 6,0 Gráfico XIV Taxas de juro activas e Euribor 6,0 5,5 5,5 5,0 5,0 4,5 4,5 4,0 4,0 3,5 3,5 3,0 3,0 2,5 2,5 2,0 2,0 1,5 1,5 Jan-03 Mai-03 Set-03 Jan-04 Mai-04 Euribor 6 meses Sociedades : até 1 ano (saldo empréstimos) Fonte: Banco de Portugal Sociedades : + de 5 anos (saldo empréstimos) Taxa de Câmbio do Euro Em Outubro, a taxa de câmbio do euro face ao dólar americano, em termos médios mensais, foi de USD/EUR. Entre o início de Janeiro e o final de Outubro o euro apreciou-se +7.4% face ao dólar americano. Entre Agosto a Outubro o Euro depreciou-se ligeiramente em relação ao dólar americano (-0.5%). Em 22 de Novembro esta taxa de câmbio era de 1.29 USD/EUR. 12

14 1,40 1,35 1,30 1,25 1,20 1,15 1,10 1,05 1,00 0,95 0,90 0,85 0,80 Jan-98 Jan-99 Jan-00 Jan-01 Gráfico XV Taxas de Câmbio dólar / euro Min - Junho de 2001: Jan-02 Jan-03 Jan-04 1,40 1,35 1,30 1,25 1,20 1,15 1,10 1,05 1,00 0,95 0,90 0,85 0,80 Max - 28 de Dezembro de 2004: Novembro: Nov-06 Fonte: Banco de Portugal Em 3 de Novembro a taxa de câmbio forward a 3 meses entre estas duas moedas era de , tendo a cotação desse dia sido de USD/EUR. O mercado de futuros aponta para uma relativa estabilização da taxa de câmbio do euro em relação ao dólar americano nos próximos 3 meses. Evolução das principais taxas de câmbio do euro Médias anuais Médias mensais Var. % Outubro 2005 Outubro 2006 Var. % USD/EUR JPY/EUR GBP/EUR BRL/EUR CHF/EUR Fonte: Banco de Portugal Em Outubro, o euro apreciou-se, em termos médios mensais e comparativamente com o mesmo mês do ano anterior, em relação ao 13

15 dólar americano +5.0%, ao iene +8.4% e franco suíço +2.6% e depreciouse face ao real brasileiro 0.1% e à libra esterlina 1.3%. Em termos nominais efectivos, em Outubro o Euro apreciou-se +2.2%, comparativamente com o mesmo mês de 2005, e depreciou-se em -1.2% em termos médios nos últimos 12 meses. Comparativamente com o mês anterior, em Outubro o Euro depreciou-se ligeiramente (-0.5%). O índice cambial efectivo nominal para Portugal em Outubro de 2006 apreciou-se em +0.5% em termos homólogos mensais. Em termos de média anual depreciou-se ligeiramente ( 0.1%). Índice Bolsista Em Outubro, o índice bolsista PSI-20 registou uma variação de +2.0% em relação ao mês anterior (cotações de fecho) e +23.9% em termos homólogos acumulados até Outubro. Gráfico XVI Índice PSI Max : 3 Março Novembro 2006: 10611, Min : 23 Outubro Nov-99 Mai-00 Nov-00 Mai-01 Nov-01 Mai-02 Nov-02 Mai-03 Nov-03 Mai Fonte: BVLP Entre 1 e 22 de Novembro, o PSI-20 valorizou-se em +1.0%. Em 22 de Novembro de 2006, a variação do índice em relação ao mesmo dia de 2005, foi de +32.1%. (Elaborado com informação disponível até 22 de Novembro de 2006) 14

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal maio 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico diminuiu na União Europeia (-1.2 pontos) e na Área Euro (-1.5 pontos).

Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico diminuiu na União Europeia (-1.2 pontos) e na Área Euro (-1.5 pontos). Ago-04 Ago-05 Ago-06 Ago-07 Ago-08 Ago-09 Ago-10 Ago-11 Ago-12 Ago-13 Ago-14 Análise de Conjuntura Setembro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Agosto de 2014, o indicador de sentimento económico

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações

Indicadores de Conjuntura 4 2009. Disponível em www.bportugal.pt Publicações Indicadores de Conjuntura 2009 Disponível em www.bportugal.pt Publicações ENQUADRAMENTO DA ECONOMIA PORTUGUESA Na reunião de 2 de Abril, o Conselho do Banco Central Europeu (BCE) reduziu as taxas de juro

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Consumo privado e investimento voltam a recuperar em setembro. Exportações e importações nominais aceleram.

Consumo privado e investimento voltam a recuperar em setembro. Exportações e importações nominais aceleram. mm3m/% 19 de novembro de 2013 SÍNTESE ECONÓMICA DE CONJUNTURA Outubro de 2013 Consumo privado e investimento voltam a recuperar em setembro. Exportações e importações nominais aceleram. Na Área Euro (AE),

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Agosto 2015 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 1 1.2.1. Crédito à Economia... 2

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde

Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013. Banco de Cabo Verde Indicadores Económicos & Financeiros Julho 2013 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Departamento de Estudos Económicos e Estatísticas Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600-101 - Praia - Cabo Verde Tel:

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica A ECONOMIA PORTUGUESA EM 1999 1. INTRODUÇÃO As previsões do Banco de Portugal apresentadas neste Boletim Económico apontam para uma desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) em 1999, que deverá crescer

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07.

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07. ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2009 13 de Janeiro 2010 Em 2009 a taxa de variação média diminuiu para -0,8 0,8% e em Dezembro a taxa t de variação homóloga situou-se se em -0, 0,1% Em 2009,

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Sabia Que. Tema em Destaque. Agenda do Sector. Gestão em Hotelaria, Restauração e Bebidas

Sabia Que. Tema em Destaque. Agenda do Sector. Gestão em Hotelaria, Restauração e Bebidas Sabia Que Tema em Destaque Informação Internacional e Nacional sobre a Conjuntura Económica Impacto nos Custos das Empresas do Programa Qualificação-Emprego Gestão em Hotelaria, Restauração e Bebidas Agenda

Leia mais

MZMERCADO. 2.24% 0.04% pelo terceiro mês consecutivo. 1.27% em relação ao Dólar. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano

MZMERCADO. 2.24% 0.04% pelo terceiro mês consecutivo. 1.27% em relação ao Dólar. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano MZMERCADO. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano O Índice de Confiança empresarial cresceu 2.24% no mês de Junho A inflação reduziu 0.04% pelo terceiro mês consecutivo O Metical teve apreciação

Leia mais

Sabia Que. Tema em Destaque. Agenda do Sector. Gestão em Hotelaria, Restauração e Bebidas

Sabia Que. Tema em Destaque. Agenda do Sector. Gestão em Hotelaria, Restauração e Bebidas Sabia Que Tema em Destaque Informação Internacional e Nacional sobre a Conjuntura Económica Situação do Mercado de Emprego nos Sectores do Alojamento e Restauração Gestão em Hotelaria, Restauração e Bebidas

Leia mais

MZMERCADO. 7.5% 0.52% pelo segundo mês consecutivo. 2.37% em relação ao Rand Sul Africano. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano

MZMERCADO. 7.5% 0.52% pelo segundo mês consecutivo. 2.37% em relação ao Rand Sul Africano. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano MZMERCADO. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano A economia cresceu 7.5% no primeiro trimestre de 2014 A inflação reduziu 0.52% pelo segundo mês consecutivo O Metical teve apreciação de 2.37%

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

Banco Central de S. Tomé e Príncipe

Banco Central de S. Tomé e Príncipe Banco Central de S. Tomé e Príncipe CONJUNTURA MACROECONÓMICA IIIº Trimestre 2015 Disponível em: www.bcstp.st/publicações 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO... 5 2. CONJUNTURA ECONÓMICA INTERNACIONAL... 6 2.1

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Outubro de 2015 Dezembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,3% em outubro de 2015,

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

Av. 4 de Fevereiro nº 151, Luanda, Angola Caixa Postal 1243 Telefone/Fax: (+244) 222 339 125 www.bna.ao

Av. 4 de Fevereiro nº 151, Luanda, Angola Caixa Postal 1243 Telefone/Fax: (+244) 222 339 125 www.bna.ao Relatório de Inflação I trimestre de 2012 Av. 4 de Fevereiro nº 151, Luanda, Angola Caixa Postal 1243 Telefone/Fax: (+244) 222 339 125 www.bna.ao Relatório de Inflação I trimestre de 2012 3 Índice Sumário

Leia mais

MZMERCADO. 0.48% 8.25% para 7.5% em Novembro. 0.89% em relação ao Dólar Norte-Americano. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano

MZMERCADO. 0.48% 8.25% para 7.5% em Novembro. 0.89% em relação ao Dólar Norte-Americano. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano MZMERCADO. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano A confiança empresarial deteriorou em 0.48% no mês de Outubro O Banco de Moçambique cortou a FPC de 8.25% para 7.5% em Novembro O Metical depreciou

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 1º Trimestre de 2014 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa.

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 4 Abril 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2015 12 de Março de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% As exportações de bens aumentaram 0,9% e as importações

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Orçamento do Estado para 2005 Relatório Janeiro 2005 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Avª Infante D. Henrique, 1 1149-009 LISBOA Telefone:

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ALEMANHA Expedições 4.646.753 4.957.528 4.954.299 4.099.667 4.771.584 1,4 16,4 Chegadas 8.054.468 8.367.508 8.594.931 6.813.091 7.886.527 0,4 15,8 Saldo -3.407.716-3.409.980-3.640.632-2.713.423-3.114.943 -- --

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Março/2015

Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Março/2015 Março 2015 Instituto Nacional de Estatística Indicadores de confiança e de clima económico Brochura de publicação Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins comerciais, com indicação da fonte bibliográfica

Leia mais

Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Setembro/2015

Indicadores de confiança e de clima económico Maputo, Setembro/2015 Setembro 2015 Instituto Nacional de Estatística Indicadores de confiança e de clima económico Brochura de publicação Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins comerciais, com indicação da fonte bibliográfica

Leia mais

FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS

FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS Relatório e Contas FUNDO DE PENSÕES ABERTO ZURICH VIDA EMPRESAS 2008 Exercício 2008 Considerações Gerais 1. Enquadramento Macroeconómico 1.1. Conjuntura Internacional O ano de 2008 caracterizou-se pelo

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

MZMERCADO. 1.65% 0.55% pelo quarto mês consecutivo. 2.11% em relação ao Dólar. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano

MZMERCADO. 1.65% 0.55% pelo quarto mês consecutivo. 2.11% em relação ao Dólar. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano MZMERCADO. Inteligência do mercado financeiro Moçambicano O Índice de Confiança empresarial cresceu 1.65% no mês de Julho A inflação reduziu 0.55% pelo quarto mês consecutivo O Metical teve apreciação

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15. ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15. ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/REFª : 09/2015 DATA: 09/01/15 ASSUNTO: Conjuntura Económica 3º Trimestre de 2014 Exmos. Senhores, Junto se envia a Conjuntura Económica, elaborada pelo Gabinete de Estudos e Projectos, relativa

Leia mais

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO

PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO PORTUGAL PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO Actualização para o período 2005-2007 Dezembro 2004 Programa de Estabilidade e Crescimento 2005-2007 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO...1 II. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO...2

Leia mais

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi

Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi São Paulo, 31 de agosto de 2015 JULHO DE 2015 Volume de IED acumulado no ano é de US$ 32,7 bi Entre janeiro e julho de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$

Leia mais

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a)

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a) Peso (b) Variações homólogas (%) Tendência (x100) (c) Média Mensal (%) (d) 10 6 euros Var. 2013 2014 abr-15 mai-15 T9 T6 T3 M9 M6 M3 % Dif. (p.p.) t-1 Empréstimos - -7.9-6.9-6.5-6.7 0.13 3 5-0.6-0.2-0.2

Leia mais

Banco de Portugal. Boletim económico. Primavera de 2005. Textos de política e situação económica. Working papers. Estudos Económicos

Banco de Portugal. Boletim económico. Primavera de 2005. Textos de política e situação económica. Working papers. Estudos Económicos Banco de Portugal Boletim económico Primavera de 2005 Textos de política e situação económica A economia portuguesa em 2004... 7 Artigos O mecanismo de transmissão da política monetária: é relevante para

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre o mercado dos produtos petrolíferos em 2013 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução do mercado dos combustíveis

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017 Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 7 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 1. Introdução

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL Agosto

TÓPICO ESPECIAL Agosto Jan-94 Dec-94 Nov-95 Oct-96 Sep-97 Aug-98 Jul-99 Jun-00 May-01 Apr-02 Mar-03 Feb-04 Jan-05 Dec-05 Nov-06 Oct-07 Sep-08 Aug-09 Jul-10 Jun-11 May-12 Apr-13 Mar-14 Feb-15 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11 Jul-11

Leia mais

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região.

Ano I Boletim II Outubro/2015. Primeira quinzena. são específicos aos segmentos industriais de Sertãozinho e região. O presente boletim analisa algumas variáveis chaves na atual conjuntura da economia sertanezina, apontando algumas tendências possíveis. Como destacado no boletim anterior, a indústria é o carro chefe

Leia mais

Raio-X dos Investimentos

Raio-X dos Investimentos Destaques dos Investimentos Brasileiros no Exterior: Investimento líquido brasileiro no exterior foi negativo: No mês de abril de 2010 os investidores brasileiros internalizaram US$ 365 milhões. Entretanto,

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Boletim Económico. Número 6 / 2015 3,5E 7,5E

Boletim Económico. Número 6 / 2015 3,5E 7,5E Boletim Económico 30 Número 6 / 2015 6E E 3,5E 6E E E 80 100% 53% E 6E 7,5E Índice Evolução económica e monetária Apreciação global 3 1 Conjuntura externa 7 2 Evolução financeira 13 3 Atividade económica

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Orçamento do Estado para 2004 Relatório Janeiro 2004 (elaborado com informação disponível até ao dia 29-01-2004 17:37:15) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Avª Infante D. Henrique 1149-009

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL EUROSISTEMA Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

Portugal Área Euro (1) EUA 7.0 7.3 3.9 5.2 5.8 4.4 2.6 1.5 1.2 7.1 12.0 4.9 5.8 5.5 4.9 6.5 4.8 5.6. Portugal. em percentagem -10 -15.

Portugal Área Euro (1) EUA 7.0 7.3 3.9 5.2 5.8 4.4 2.6 1.5 1.2 7.1 12.0 4.9 5.8 5.5 4.9 6.5 4.8 5.6. Portugal. em percentagem -10 -15. Dezembro A. Contas nacionais Fonte: Banco de, Instituto Nacional de Estatística, Banco Central Europeu, Eurostat e Bureau of Economic Analysis Área Euro () EUA ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT - ºT

Leia mais