CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior"

Transcrição

1 CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à Rede do Ensino Superior 1

2 FICHA TÉCNICA Título CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Autor Direcção-Geral do Ensino Superior Direcção de Serviços de Suporte à Rede do Ensino Superior Edição Direcção-Geral do Ensino Superior Av. Duque d Ávila, Lisboa 2 CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011

3 ÍNDICE I. SÍNTESE DO ESTUDO... 4 II. NOTA METODOLÓGICA CET REGISTADOS NO ENSINO SUPERIOR CET EM FUNCIONAMENTO NO ENSINO SUPERIOR PROCURA DE CET NO ENSINO SUPERIOR BOLSEIROS DE CET NO ENSINO SUPERIOR SUCESSO ESCOLAR EM CET DO ENSINO SUPERIOR CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 3

4 I. SÍNTESE DO ESTUDO Os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) são formações pós-secundárias 1, que visam conferir qualificação de nível 5 2, e podem ser ministrados em instituições de ensino superior (IES) e em estabelecimentos de ensino não superior. São formações compreendidas entre 60 e 90 ECTS 3, (duração entre um ano e um ano e meio), podendo entrar em funcionamento em alturas diferentes do início do ano lectivo normal. A criação de um CET no ensino superior está sujeita ao procedimento de registo pelo Director-Geral do Ensino Superior (DGES). Posteriormente, cabe à IES promover a sua abertura e funcionamento em cada ano lectivo, nos moldes em que o curso foi registado. A 31/12/2010 existiam 420 CET registados para funcionarem em IES, sendo que: 71% dos CET registados pertenciam a IES públicas e 29% a IES privadas; 11% dos CET registados pertenciam a IES do distrito do Porto e 10% a IES do distrito de Lisboa; 53% dos CET registados pertenciam à área das Tecnologias; 16% dos CET registados nunca funcionaram nos dois ou mais anos subsequentes ao seu registo. A 31/12/2010, das vagas autorizadas para cada admissão em CET: 70% pertenciam a IES Públicas; 14% respeitavam a CET autorizados a funcionar no distrito do Porto, e 12% no distrito de Leiria. No ano lectivo de 2010/2011, dos 263 CET que estiveram em funcionamento: 79% funcionaram em IES públicas e 21% em IES privadas; 49% dos pertenciam à área das Tecnologias e 19% às áreas de Economia, Gestão e Contabilidade. No ano lectivo de 2010/2011, dos alunos inscritos: eram alunos inscritos no 1º ano pela 1ª vez; 84% pertenciam a IES públicas e 16% a IES privadas; 19% pertenciam ao distrito de Leiria e 10% ao distrito do Porto; 50% pertenciam à área das Tecnologias e 18% às áreas de Economia, Gestão e Contabilidade; 7% recebiam bolsa de estudos. No ano lectivo de 2010/2011, dos 499 bolseiros a frequentar CET: 55% eram do sexo masculino; 26% estudavam em IES do distrito de Castelo Branco e 19% do distrito da Guarda. No ano lectivo de 2009/2010, dos alunos diplomados: 78% pertenciam a IES públicas; 21% pertenciam a IES do distrito de Leiria e 22% dos distritos do Porto e de Bragança. 1 Regulados pelo Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de Maio. 2 De acordo com a Portaria n.º 782/2009, de 23 de Julho, que define os níveis de qualificação de acordo com o Quadro Nacional de Qualificações. 3 European Credit Transfer and Accumulation System. 4 CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior

5 II. NOTA METODOLÓGICA No presente estudo foram utilizados dados publicados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais deste Ministério, assim como os existentes em duas direcções de serviços da DGES (DSSRES e DSAE). 1. CET REGISTADOS NO ENSINO SUPERIOR Foram considerados todos os registados pela DGES, nos termos do Decreto-Lei n.º 88/2006, até 31 de Dezembro de Na análise relativa ao número total de vaga em 2010/2011 foram consideradas todas as vagas autorizadas para cada admissão do CET. 2. CET EM FUNCIONAMENTO NO ENSINO SUPERIOR Foram considerados os CET que, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 88/2006, entraram em funcionamento de 2006/2007 a 2010/2011; Para o cálculo dos CET registados que nunca entraram em funcionamento foram apenas considerados os CET que, uma vez autorizados para funcionar a partir de determinado ano lectivo, não o fizeram nos 2 ou mais anos lectivos subsequentes. 3. PROCURA/OFERTA DE CET NO ENSINO SUPERIOR Foram considerados os alunos inscritos, no 1º ano pela 1ª vez e inscritos totais, e diplomados nos CET que, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 88/2006, entraram em funcionamento de 2006/2007 a 2010/2011; Quando é referido o número total de alunos inscritos em CET em funcionamento, este valor inclui todos os indivíduos inscritos em ano escolar ou em uma ou mais disciplinas do curso; Para o cálculo da taxa de ocupação em 2010/2011 foi utilizada a seguinte fórmula: Taxa ocupação = 4. BOLSEIROS DE CET NO ENSINO SUPERIOR Foram considerados os bolseiros que em Março de 2011 receberam bolsa de estudos. Para o cálculo da taxa de bolseiros em Março de 2011 foi utilizada a seguinte fórmula: Taxa bolseiros = 5. SUCESSO ESCOLAR EM CET NO ENSINO SUPERIOR Foram considerados os CET que, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 88/2006, entraram em funcionamento de 2006/2007 a 2009/2010; Foram considerados os diplomados em cada ano lectivo. CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 5

6 1. CET REGISTADOS NO ENSINO SUPERIOR Figura 1 - N.º DE CET REGISTADOS POR SUBSISTEMA (valor acumulado) Nº Total de CET registados Público Privado (Fonte: DGES) Figura 2 - Nº DE CET REGISTADOS POR TIPO DE ENSINO E SUBSISTEMA (a 31/12/2010) Ensino Politécnico* Privado Público Ensino Universitário *inclui as unidades orgânicas de ensino politécnico integradas em Universidades (Fonte: DGES) 6 CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior

7 Figura 3 - Nº DE CET REGISTADOS POR DISTRITO E SUBSISTEMA (a 31/12/2010) (Fonte: DGES) CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 7

8 Privado Público Figura 4 - Nº DE CET REGISTADOS POR SUBSISTEMA E ÁREAS DE ESTUDO (a 31/12/2010) Saúde 1 Ciências 6 Humanidades, Secretariado e Tradução 7 Educação Física, Desporto e Artes do Espectáculo 7 Arquitectura, Artes Plásticas e Design 8 Agricultura e Recursos Naturais 30 Direito, Ciências Sociais e Serviços 32 Economia, Gestão e Contabilidade 36 Tecnologias 170 Agricultura e Recursos Naturais 2 Humanidades, Secretariado e Tradução 3 Educação Física, Desporto e Artes do Espectáculo 4 Arquitectura, Artes Plásticas e Design 8 Economia, Gestão e Contabilidade 25 Direito, Ciências Sociais e Serviços 30 Tecnologias (Fonte: DGES) 8 CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior

9 Privado Público Gráfico 1 - N.º TOTAL DE VAGAS AUTORIZADAS PARA CADA ADMISSÃO, POR DISTRITO E SUBSISTEMA 4 (a 31/12/2010) Vila Real 25 Évora 76 R.A.Madeira Porto Viseu Braga Castelo Branco Lisboa Portalegre Beja R.A.Açores Faro Setúbal Guarda Coimbra Viana do Castelo 543 Bragança 639 Aveiro 879 Santarém Leiria Setúbal Leiria Aveiro R.A.Madeira Viseu Santarém Braga Bragança Coimbra 342 Lisboa 960 Porto (Fonte: DGES) 4 São aqui consideradas todas as vagas autorizadas a 31/12/2010. CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 9

10 2. CET EM FUNCIONAMENTO NO ENSINO SUPERIOR Figura 5 - TAXA DE CET EM FUNCIONAMENTO POR SUBSISTEMA 80% 70% 60% 50% 61% 57% 65% 64% 55% 57% 70% 63% 40% 30% 23% 36% 42% 46% 20% 10% 22% 28% 0% 2006/ / / / /2011 % do total de CET em funcionamento Público Privado (Fonte: DGES e GPEARI) Figura 6 - TAXA DE CET EM FUNCIONAMENTO EM 2010/2011, POR ÁREAS DE ESTUDO E SUBSISTEMA Saúde Agricultura e Recursos Naturais 53% Humanidades, Secretariado e Tradução 33% 57% Educação Física, Desporto e Artes do Espectáculo 25% 57% Ciências 67% Tecnologias 45% 71% Arquitectura, Artes Plásticas e Design 50% 75% Economia, Gestão e Contabilidade 60% 75% Direito, Ciências Sociais e Serviços 40% 81% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% Público Privado (Fonte: DGES e GPEARI) 10 CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior

11 Figura 7 - TAXA DE CET EM FUNCIONAMENTO EM 2010/2011, POR DISTRITO (Fonte: DGES e GPEARI) CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 11

12 Figura 8 - TAXA DE CET REGISTADOS QUE NUNCA ENTRARAM EM FUNCIONAMENTO, POR DISTRITO E SUBSISTEMA (Fonte: DGES e GPEARI) 12 CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior

13 Privado Público Figura 9 - TAXA DE CET REGISTADOS QUE NUNCA ENTRARAM EM FUNCIONAMENTO, POR SUBSISTEMA E ÁREA DE ESTUDO Direito, Ciências Sociais e Serviços 6% Economia, Gestão e Contabilidade 8% Arquitectura, Artes Plásticas e Design 13% Tecnologias 13% Ciências 17% Agricultura e Recursos Naturais 20% Economia, Gestão e Contabilidade 16% Direito, Ciências Sociais e Serviços 23% Arquitectura, Artes Plásticas e Design 25% Tecnologias 29% Humanidades, Secretariado e Tradução 33% Educação Física, Desporto e Artes do Espectáculo 50% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% (Fonte: DGES e GPEARI) CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 13

14 3. PROCURA DE CET NO ENSINO SUPERIOR Figura 10 - N.º TOTAL DE ALUNOS INSCRITOS NOS CET EM FUNCIONAMENTO, POR SUBSISTEMA / / / / /2011 Total Público Privado (Fonte: GPEARI) Figura 11 - N.º TOTAL DE ALUNOS INSCRITOS NOS CET EM 2010/2011, POR ÁREAS DE ESTUDO E SUBSISTEMA Tecnologias Direito, Ciências Sociais e Serviços Economia, Gestão e Contabilidade Agricultura e Recursos Naturais Arquitectura, Artes Plásticas e Design Humanidades, Secretariado e Tradução Educação Física, Desporto e Artes do Espectáculo Ciências IES Públicas IES Privadas (Fonte: DGES e GPEARI) 14 CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior

15 Figura 12 - N.º TOTAL DE ALUNOS INSCRITOS NOS CET EM 2010/2011, POR DISTRITO E SUBSISTEMA (Fonte: GPEARI) CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 15

16 Privado Público Figura 13 - TAXA DE OCUPAÇÃO 5 DAS VAGAS NOS CET EM FUNCIONAMENTO EM 2010/2011, POR DISTRITO E SUBSISTEMA Porto 24% Portalegre Santarém 30% 33% Leiria 58% Aveiro Évora Guarda R.A.Madeira Viana do Castelo 66% 67% 70% 71% 74% Coimbra Viseu 79% 81% Castelo Branco Setúbal Braga Faro Bragança Lisboa R.A.Açores Beja 85% 86% 87% 90% 94% 98% 99% 100% Viseu 8% Bragança 12% Santarém Setúbal 38% 40% Aveiro Porto 50% 54% Leiria Lisboa 64% 66% Coimbra 72% R.A.Madeira 100% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% (Fonte: DGES e GPEARI) 5 Taxa ocupação = 16 CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior

17 Privado Público 4. BOLSEIROS DE CET NO ENSINO SUPERIOR Figura 14 - NÚMERO DE BOLSEIROS DE CET POR GÉNERO, EM MARÇO DE 2011 Masculino 276 Feminino (Fonte: DGES) Figura 15 - TAXA DE BOLSEIROS 6 DE CET POR DISTRITO, EM MARÇO DE 2011 Setúbal R.A.Madeira Coimbra Évora Leiria Faro R.A.Açores Lisboa Santarém Aveiro Portalegre Braga Viseu Bragança Beja Viana do Castelo Guarda Porto Castelo Branco Lisboa Viseu Porto Coimbra Aveiro 1% 1% 1% 2% 2% 2% 4% 4% 4% 1% 3% 3% 5% 6% 9% 11% 12% 15% 15% 16% 16% 19% 24% 26% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% (Fonte: DGES) 6 Taxa bolseiros = CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 17

18 Privado Público 5. SUCESSO ESCOLAR EM CET DO ENSINO SUPERIOR Figura 16 -N.º DE ALUNOS INSCRITOS NO 1º ANO PELA 1ª VEZ E DIPLOMADOS EM CET, POR SUBSISTEMA E ANO LECTIVO / / / / / / / Inscritos 1º Ano/1ª vez Diplomados (Fonte: GPEARI) 7 À data não existiam publicados dados disponíveis sobre os diplomados em 2010/ CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior

19 Privado Público Figura 17 - SOMATÓRIO DOS ALUNOS INSCRITOS NO 1º ANO PELA 1ª VEZ E DOS DIPLOMADOS EM CET, NOS ANOS LECTIVOS DE 2006/2007, 2007/2008, 2008/2009/, 2009/2010, POR ÁREA DE ESTUDO E SUBSISTEMA 8 Educação Física, Desporto e Artes do Espectáculo Ciências Arquitectura, Artes Plásticas e Design Humanidades, Secretariado e Tradução Agricultura e Recursos Naturais Economia, Gestão e Contabilidade Direito, Ciências Sociais e Serviços Tecnologias Humanidades, Secretariado e Tradução Arquitectura, Artes Plásticas e Design Educação Física, Desporto e Artes do Espectáculo Direito, Ciências Sociais e Serviços Economia, Gestão e Contabilidade Tecnologias Ins1A1V Diplomados (Fonte: GPEARI) 8 Foram somados os dados relativos aos seguintes anos lectivos: 2006/2007, 2007/2008, 2008/2009, 2009/2010. CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior 19

20 DGES 2011 Direcção de Serviços de Suporte à Rede do Ensino Superior CET - CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Setembro CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Av. Duque D Ávila, Lisboa

INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES

INDEZ 2010. Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO. Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Setembro 2011 V1.2 DSSRES INDEZ 2010 Pessoal existente em Instituições de Ensino Superior Público DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE Direcção

Leia mais

PRIVADO ENSINO SUPERIOR. Ocupação dos Cursos de Formação Inicial

PRIVADO ENSINO SUPERIOR. Ocupação dos Cursos de Formação Inicial ENSINO SUPERIOR PRIVADO Ocupação dos Cursos de Formação Inicial Ensino Superior Privado Ocupação dos Cursos de Formação Novembro Inicial 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços de

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Instituição da R.A. dos Açores Curso Superior. Instituição de Ensino Superior Curso Superior Congénere. 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 0203 0203 0204 0204 0204 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 0300 Universidade do Algarve - Faculdade

Leia mais

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA 1. Encontra se concluída a colocação na primeira fase do 39.º concurso nacional de acesso, tendo sido admitidos,

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2011

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais

9020 Ciência Política e Relações Internacionais 0201 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências Humanas e Sociais 9219 Psicologia 9219 Psicologia 0203 Universidade do Algarve - Faculdade de Ciências e Tecnologia 0110 Universidade dos Açores - Angra

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Portugueses. Documentos do CCISP. Sobre o Ensino Superior Português

Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Portugueses. Documentos do CCISP. Sobre o Ensino Superior Português Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Portugueses Documentos do CCISP Sobre o Ensino Superior Português 2010 Índice ÍNDICE... 2 1 BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA PORTUGUÊS DE ENSINO SUPERIOR...

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2015, 2016, 2017 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços

Leia mais

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado

Boletim Estatístico. Dezembro 2014. Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Boletim Estatístico Dezembro 2014 Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado Índice 1. PROCESSOS E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO DE SOBRE-ENDIVIDAMENTO... 3 1.1. Processos e Pedidos de Informação de Sobre-endividamento

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais Maria Cristina Canavarro Teixeira Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior Agrária,

Leia mais

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar:

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar: s previstos no art. 56.º do Estatuto da Carreira Docente que relevam para a aplicação da alínea c) do n.º 1 do art. 14.º do Decreto-Lei n.º35/2003, de 27 de Fevereiro, na redacção dada pelo Decreto-Lei

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

5Ensino Superior. Níveis 5 a 8 do QNQ

5Ensino Superior. Níveis 5 a 8 do QNQ 5Ensino Superior Níveis 5 a 8 do QNQ O Ensino Superior em Portugal tem vindo a evoluir a um ritmo acelerado desde 25. A mudança tomou forma a partir de alterações estruturais na legislação que enquadra

Leia mais

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016 EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 205/206 (Portaria n.e 40/2007, de 5 de abril, alterada pela portaria n.s 232-A/203, de 22 de julho, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 356 Diário da República, 1.ª série N.º 13 18 de janeiro de 2013

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 356 Diário da República, 1.ª série N.º 13 18 de janeiro de 2013 356 Diário da República, 1.ª série N.º 13 18 de janeiro de 2013 Declaração de Retificação n.º 4/2013 Nos termos das disposições conjugadas da alínea r) do n.º 2 do artigo 2.º e do artigo 11.º do Decreto

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Colocados CONCURSO NACIONAL DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Etapa 1: colocação dos candidatos às vagas

Leia mais

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Reciclagem de Veículos em Fim de Vida (VFV) rumo a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Tópicos Empresa Sistema

Leia mais

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 O porquê? O que é? Metodologia de trabalho Resultados esperados O porquê? Após o Plano de Ação Ligar Portugal (2005-2010) - Espaços

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Engenharia Informática

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Engenharia Informática IPBeja - s de Especialização Tecnológica que dão acesso ao de Engenharia Informática Área Barcelos ACIB - Associação Comercial e Industrial de Barcelos Aplicações Informáticas de Gestão AFTEBI - Associação

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DADOS ESTATÍSTICOS EMPREGABILIDADE NOS CICLOS DE ESTUDOS DE ARQUITETURA E DESIGN EM PORTUGAL 2010

ANÁLISE COMPARATIVA DADOS ESTATÍSTICOS EMPREGABILIDADE NOS CICLOS DE ESTUDOS DE ARQUITETURA E DESIGN EM PORTUGAL 2010 ANÁLISE COMPARATIVA DADOS ESTATÍSTICOS EMPREGABILIDADE NOS CICLOS DE ESTUDOS DE ARQUITETURA E DESIGN EM PORTUGAL 2010 EMPREGABILIDADE A informação estatística recolhida neste documento é baseada no relatório

Leia mais

Número de. Gabinete de Planeamento e Políticas. Inspecção-Geral da Agricultura e Pescas. 11 851 Tecnologia de protecção do ambiente

Número de. Gabinete de Planeamento e Políticas. Inspecção-Geral da Agricultura e Pescas. 11 851 Tecnologia de protecção do ambiente MADRP Entida Promotora Autorida Gestão do Programa Desenvolvimento Rural do Continente Autorida Gestão do PROMAR Autorida Florestal Nacional Direcção-Geral Veterinária Direcção Regional das Florestas Lisboa

Leia mais

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE ESTUDO DOS DADOS DOS FARMACÊUTICOS Consulta à base de dados da Ordem dos Farmacêuticos a 31-12-213 7 MARÇO 214 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O FARMACÊUTICOS

Leia mais

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice Anexo C Estabelecimentos de Ensino Superior Índice Anexo C1 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1980...c.2 Anexo C2 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1990...c.4 Anexo C3

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Instituição Grau (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) 3122 9670 Instituto Politécnico de Portalegre - Escola Superior de Tecnologia e GestãoAdministração de Publicidade e Marketing L1 27 18 111,3 9 3102

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS

QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS Contacto: nelma.marq@gmail.com QUESTIONÁRIO A SOCIEDADE DIGITAL E O NOVO PERFIL DO TÉCNICO OFICIAL DE CONTAS O presente questionário pretende servir de apoio ao desenvolvimento de um estudo relacionado

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Relatório Anual de Atividades

Relatório Anual de Atividades Direção de Serviços de Recrutamento e Assuntos do Serviço Militar DIVISÃO DE ASSUNTOS DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Centro de Informação e Orientação para a Formação e o Emprego Relatório Anual

Leia mais

Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA*

Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA* Acesso ao curso de Licenciatura em ENGENHARIA DO AMBIENTE (ESTGV/IPV) para titulares de CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA* * CETs referenciados pelo Conselho Técnico-Científico da ESTGV para acesso

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL?

O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL? O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL? Rui Brites, ISEG/Universidade Técnica de Lisboa e CIES Maria de Lourdes Machado, A3ES, CIPES e Instituto Politécnico

Leia mais

CONSELHO COORDENADOR DOS INSTITUTOS SUPERIORES POLITÉCNICOS

CONSELHO COORDENADOR DOS INSTITUTOS SUPERIORES POLITÉCNICOS CONSELHO COORDENADOR DOS INSTITUTOS SUPERIORES POLITÉCNICOS 1 Índice Introdução... 05 1ª Parte: O Ensino Superior Politécnico em Portugal... 08 1.1. As instituições de Ensino Superior Público Politécnico

Leia mais

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos

IPBeja - Cursos de Especialização Tecnológica que dão acesso ao curso de Ciência e Tecnologia dos Alimentos Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7264 - Corte e Tecnologia de Carnes 541 - Indústrias es Universitário R.A.Açores Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo 7109 -

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 2 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS

JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS - ÁRBITROS - RESULTADOS JOGOS DE CLASSIFICAÇÃO 24.06.2011 6ª. FEIRA Jogo nº 01 - VIANA CASTELO / AVEIRO Jogo nº 02 - HORTA / LISBOA Alcanena Jogo nº 03 - PONTA DELGADA / BRAGANÇA T.Novas Jogo nº

Leia mais

Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos

Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos Governo e gestão das instituições de ensino superior em Portugal: o caso dos institutos politécnicos JOSÉ JACINTO BILAU Professor Adjunto, Instituto Politécnico de Beja ESTIG, Portugal 1. Introdução O

Leia mais

DEZ ANOS DE CONCURSO NACIONAL: 2000 2009

DEZ ANOS DE CONCURSO NACIONAL: 2000 2009 Acesso ao Ensino Superior DEZ ANOS DE CONCURSO NACIONAL: 2000 2009 Direcção-Geral do Ensino Superior Junho de 2010 CONTEÚDO Preâmbulo... 3 Conceitos... 4 1. CONCURSO NACIONAL... 5 1.1. Contextualização...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 99/2001 de 28 Março As escolas superiores de enfermagem e de tecnologia da saúde são estabelecimentos de ensino politécnico dotados de personalidade jurídica e de

Leia mais

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010

Projecto Nestum Rugby nas Escolas. Balanço 2009/2010 Projecto Nestum Rugby nas Escolas Balanço 2009/2010 No segundo ano (2009/2010) de implementação do projecto Nestum Rugby nas Escolas, projecto este que resulta da parceria entre a Federação Portuguesa

Leia mais

A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR A ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 1. Concurso Nacional de Acesso 1.1. Quem pode candidatar-se ao ensino superior? Podem candidatar-se ao ensino superior, os estudantes que satisfaçam cumulativamente, as seguintes

Leia mais

SIADAP 3 AT Serviços Tributários. Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras

SIADAP 3 AT Serviços Tributários. Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras SIADAP 3 AT Serviços Tributários Procedimento de Reclamação - Linhas Orientadoras I - Reclamação - Artigo 51º da Portaria n.º 437-B/2009, de 24.04 A Reclamação deve ser apresentada terminada a fase de

Leia mais

EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS:

EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS: EMPREGABILIDADE DOS PSICÓLOGOS: FACTOS E MITOS VÍTOR COELHO E ANA AMARO OBSERVATÓRIO DE EMPREGABILIDADE DA OPP Durante os últimos anos, periodicamente, têm sido apresentados dados contrastantes sobre os

Leia mais

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Tema: Vítimas com Necessidades Específicas Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Investigador: Miguel Rodrigues miguel.ol.rodrigues@hotmail.com

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES PROCESSO REFERENTE À CRIAÇÃO E ENTRADA EM FUNCIONAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES (De acordo com o Artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 74/200, de 24 de Março) DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior Indicadores de Oferta e de Procura 2009

Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior Indicadores de Oferta e de Procura 2009 Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior Indicadores de Oferta e de Procura 2009 UMA LEITURA DOS DADOS FACULTADOS PELA DGES 1. Introdução 2. Indicadores 3. Mobilidade Candidatos 4. Mobilidade Colocados

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2014, 2015, 2016 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2014, 2015, 2016 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2014, 2015, 2016 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços

Leia mais

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 LINHA DE CRÉDITO PARA ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR COM GARANTIA MÚTUA ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 Comissão de Acompanhamento 29 de Maio de 2008 Introdução, e principais conclusões Este documento

Leia mais

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ AGOSTO DE 2010

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ AGOSTO DE 2010 LINHA DE CRÉDITO PARA ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR COM GARANTIA MÚTUA ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ AGOSTO DE 2010 Comissão de Acompanhamento 22 de Fevereiro de 2011 Introdução Este relatório vem na sequência

Leia mais

ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS GRUPO 1 CURSOS REGISTADOS E ANALISADOS PELA ANET, CONSIDERADOS HABILITANTES PARA A REALIZAÇÃO DE TODOS OS ACTOS DA ESPECIALIDADE CURSOS REGISTADOS -GRUPO

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

INSTRUÇÃO E ANÁLISE DE PEDIDOS. Criação, alteração e cessação de ministração de ciclos de estudos

INSTRUÇÃO E ANÁLISE DE PEDIDOS. Criação, alteração e cessação de ministração de ciclos de estudos INSTRUÇÃO E ANÁLISE DE PEDIDOS Criação, alteração e cessação de ministração de ciclos de estudos Data: 16-02-2012 Versão: 1 Direcção-Geral do Ensino Superior Av. Duque d Ávila, 137 1069-016 Lisboa Tel.

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015

CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015 CALENDÁRIO DE EXAMES PARA OBTENÇÃO DE CARTA DE CAÇADOR PROGRAMAÇÃO PARA OS MESES DE SETEMBRO A DEZEMBRO de 2015 Notas prévias: - Esta programação pode ser sujeita a alterações, desde que não esteja em

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

AVEIRO. vagas colocados Engenharia Geográfica L1 30 7 ALGARVE. Engenharia Geológica L1 20 8 Física L1 22 8 Finanças (regime pós-laboral) L1 20 6 UBI

AVEIRO. vagas colocados Engenharia Geográfica L1 30 7 ALGARVE. Engenharia Geológica L1 20 8 Física L1 22 8 Finanças (regime pós-laboral) L1 20 6 UBI AÇORES Ciências da Engenharia Civil L1 20 1 Património Cultural L1 20 6 Ciências Agrárias L1 10 10 Informática - Redes e Multimédia L1 25 8 Engenharia e Gestão do Ambiente L1 20 0 ALGARVE Engenharia Civil

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00

Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015. Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar 15:00 Calendários e Regulamentos das Competições Federativas Nacionais 2015 1. Calendário Federativo Nacional Data Dia da Semana Evento Pesagens (horário provisório) 07/02 Sábado VIII Supertaça Fernando Gaspar

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 906-() Diário da República,.ª série N.º 56 de Março de 00 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 7-A/00 de de Março O Decreto -Lei n.º 8/00, de 9 de Março, prevê, no seu artigo

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

FORMULÁRIO III.A. Plano de formação

FORMULÁRIO III.A. Plano de formação FORMULÁRIO III.A Componente de formação geral e científica Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politecnico de Viana do Castelo Área de competência Unidade de formação Horas de trabalho

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2013, 2014, 2015 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2013, 2014, 2015 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR - GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2013, 2014, 2015 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços

Leia mais

Estabelecimento de ensino diplom a 1 2 3

Estabelecimento de ensino diplom a 1 2 3 Cursos previstos no art. 55.º do Estatuto da Carreira Docente que relevam para a aplicação da alínea c) do n.º 1 do art. 14.º do Decreto-ei n.º20/2006, de 31 de Janeiro 1 Cursos de licenciatura, diplomas

Leia mais

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Ensino Superior Regulamento n.º 319/2013 Regulamento do Programa de Apoio Social a Estudantes através de atividades de tempo Parcial (PASEP) da Universidade

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto

Paralisia Cerebral- Associação Nacional de Desporto B O C C I A REGULAMENTAÇÃO GERAL NACIONAL 2008/2009 1 INTRODUÇÃO Todos os intervenientes em competições de zona e nacionais, acções de formação e classificação médico - desportiva, deverão reger-se pelos

Leia mais

SECRETARIA-GERAL Centro de Informação e Relações Públicas CIREP. Legislação divulgada no B. I. Janeiro 2010

SECRETARIA-GERAL Centro de Informação e Relações Públicas CIREP. Legislação divulgada no B. I. Janeiro 2010 2010-01-29 Janeiro SECRETARIA-GERAL Centro de Informação e Relações Públicas CIREP Legislação divulgada no B. I. Janeiro 2010 Despacho n.º 1/2010. D.R. n.º 1, Série II de 2010-01-04, dos Ministérios dos

Leia mais

GUIA DOCÊNCIA PARA A QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS. Janeiro de 2002 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO

GUIA DOCÊNCIA PARA A QUALIFICAÇÕES PROFISSIONAIS. Janeiro de 2002 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO GUIA Janeiro de 2002 QUAIFICAÇÕES PROFISSIONAIS PARA A DOCÊNCIA 1º, 2º E 3º CICOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO Direcção-Geral da Administração Educativa QUAIFICAÇÕES PROFISSIONAIS PARA A DOCÊNCIA

Leia mais

Vagas Fases Finais - Época 2016/2017

Vagas Fases Finais - Época 2016/2017 Instituição de Utilidade Pública Instituição de Utilidade Pública Desportiva Membro do Comité Olímpico de Portugal Membro da Confederação do Desporto de Portugal Membro da Confédération Européenne de Billard

Leia mais

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro

2006 a 2010 REGIMES ESPECIAIS. PALOP s e Timor-Leste. DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira. Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro 2006 a 2010 DSAES: Vânia Néné Virgínia Ferreira Outubro de 2011 Colaboração Bruno Pereira Maria das Dores Ribeiro ÍNDICE: 1. Enquadramento e apreciação dos resultados.. pág. 2 2. Estatísticas dos candidatos,

Leia mais

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006

Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Inquérito público aos Brasileiros residentes em Portugal 25 de Maio de 2006 Metodologia Dimensão da amostra Datas das entrevistas Margem de erro Idioma das entrevistas 1,000 Brasileiros adultos 23 Novembro

Leia mais

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto

Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Decreto-Lei n.º 345/99 de 27 de Agosto Centros de medicina desportiva do Instituto Nacional do Desporto... 2 Organização... 2 Colaboração com outras entidades... 2 Formação e Investigação... 3 Exames de

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Versão: 01 Data: 15/06/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-02 Vice-Presidente do

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS CURSOS DE ENGENHARIA REGISTADOS - Bacharelatos e Licenciaturas ESCOLA CURSO GRAU ESPECIALIDADE NORMAS REGISTO OBS. ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E G ÁGUEDA Engenharia Electromecânica B Mecânica a) do n.º 2 Universidade de Aveiro Engenharia Electrotécnica B ESP a)

Leia mais

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Ministério da Educação Portaria n.º 1298/03 de de Novembro A unificação

Leia mais

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação do pedido Versão 1.0 março de 2015 0. Âmbito do guião e síntese

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL

RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL RELATÓRIO DOS REGISTOS DAS INTERRUPÇÕES DA GRAVIDEZ AO ABRIGO DA LEI 16/2007 DE 17 DE ABRIL Dados referentes ao período de Janeiro a Dezembro de 2008 Edição revista DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE DIVISÃO DE SAÚDE

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres Os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) são formações pós-secundárias não superiores que te preparam para uma especialização científica ou tecnológica numa determinada área de formação. Para quem

Leia mais

Organização Curricular em Educação Física

Organização Curricular em Educação Física Organização Curricular em Educação Física Análise dos dados relativos à Organização Curricular em Educação Física para o ano letivo 2012/2013. Estudo desenvolvido pelo Conselho Nacional de Associações

Leia mais