Espessura endometrial na pós-menopausa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Espessura endometrial na pós-menopausa"

Transcrição

1 Artigo de Revisão Espessura endometrial na pós-menopausa Postmenopausal endometrium thickness Ana Carolina C Bozza 1, Carolina O Nastri 1,2, Wellington P Martins 1, 2 A ultrassonografia na avaliação endometrial se tornou uma ferramenta fundamental para avaliar o risco de patologias endometriais em pacientes na pós-menopausa. Em especial o exame endovaginal, quando realizado por ultrasonografistas experientes, nos fornece uma avaliação minuciosa do endométrio por inteiro. Um endométrio fino e regular com espessura menor que 5 mm reduz a probabilidade de câncer endometrial para menos de 1%. Não somente a espessura do endométrio, mas também a história clínica da paciente incluindo sangramento anormal e uso de terapia de reposição hormonal deve ser valorizada para o correto diagnóstico de doença endometrial. Palavras chave: Endométrio; Ultrassonografia; Pós-menopausa. 1- Escola de Ultrassonografia e Reciclagem Médica de Ribeirão Preto (EURP) 2- Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP) Recebido em 08/03/2010, aceito para publicação em 11/03/2010. Correspondências para Wellington P Martins. Departamento de Pesquisa da EURP - Rua Casemiro de Abreu, 660, Vila Seixas, Ribeirão Preto-SP. CEP Fone: (16) Fax: (16) Abstract Ultrasonography in endometrial evaluation has become an essential tool for evaluating the risk of endometrial pathology in patients in the postmenopausal period. In particular the endovaginal approach, when performed by an experienced sonographers, provides a thorough assessment of the whole endometrium. A thin and regular endometrium with a thickness less than 5 mm reduces the likelihood of endometrial cancer to less than 1%. Not only the thickness of the endometrium, but also the woman's medical history including abnormal bleeding and use of hormone replacement therapy should be valued for the correct diagnosis of endometrial disease. Keywords: Endometrium; Ultrasonography; Postmenopause.

2 18 Introdução O endométrio é sede de amplo espectro de doenças que acometem a mulher, desde a menarca até a pósmenopausa, incluindo o período gestacional. Tais afecções freqüentemente cursam com hemorragia, podendo ser causada por gestação, aborto, pólipos, miomas, hiperplasias ou carcinomas 1. A espessura endometrial é diretamente proporcional a existência de doença endometrial 2. A principal preocupação frente às pacientes com sangramento na pós-menopausa é o diagnóstico precoce de doença endometrial maligna 3. O câncer endometrial é a neoplasia maligna do aparelho genital mais freqüente em países desenvolvidos e a 4ª neoplasia mais freqüente em mulheres na região sudeste do Brasil 4. A avaliação ultrassonográfica por via endovaginal da espessura endometrial tornou-se a ferramenta de imagem disponível mais importante para o diagnóstico de patologias endometriais, tanto pela alta precisão diagnóstica quanto pelo baixo custo relativo, segurança, disponibilidade e isenção de uso de radiação ionizante. Outras modalidades como a histerossonografia, histerossalpingografia e tomografia computadorizada têm um importante papel em conjunto com a ecografia, sobretudo no estadiamento da doença, como é o caso 3 da ressonância magnética 1. O objetivo de sua utilização na avaliação de mulheres com sangramento na pós-menopausa é o estabelecimento de uma a espessura endometrial mínima, abaixo da qual o risco de doença endometrial é baixo 5. Fisiologia endometrial O endométrio é um tecido que sofre constantes alterações devido a estímulos hormonais extrínsecos, como o uso de tamoxifeno e de terapia de reposição hormonal, e intrínsecos, iniciando com a menarca as alterações correspondentes ao ciclo menstrual até a menopausa, quando então ocorre sua atrofia 1, 3. A dinâmica endometrial durante o ciclo menstrual decorre de alterações na sua camada funcional. Sua descamação durante a fase menstrual (1º ao 5º dias do ciclo) faz o endométrio atingir menos de 4 mm de espessura. Na fase proliferativa (6º ao 14º dias do ciclo) ela sofre um espessamento e chega a medir de 4 a 8 mm. Após a ovulação o endométrio atinge sua espessura máxima, cerca de 16 mm, caracterizando a fase secretora 3. Na pós-menopausa o endométrio torna-se inativo por ausência de estímulos hormonais. Nessa fase a espessura endometrial média é cerca de 4 mm na ausência de reposição hormonal o que caracteriza a atrofia endometrial, podendo variar em um mesmo paciente em até 4 mm nos exames subseqüentes, embora a média de variação seja de 2 mm 2, 3. Ultrassonografia da pelve A medição do endométrio em pacientes na pósmenopausa é dificultada por vários fatores que incluem a verticalização do útero, a presença de calcificações dos vasos e a interface mais difusa entre o miométrio e o endométrio 6. Figura 1. Ultrassonografia endovaginal do endométrio atrófico normal em uma mulher na pós-menopausa. O exame transabdominal é realizado com transdutor convexo com freqüência entre 3,5 a 5,0 MHz. Deve ser realizado com a bexiga repleta, proporcionando janela acústica adequada e o afastamento das alças intestinais. O exame endovaginal é realizado com transdutor de alta freqüência, entre 7 a 10 MHz e com a bexiga vazia, sendo considerado superior para a avaliação endometrial 3. A avaliação ultrassonográfica tridimensional com reconstrução coronal do útero tem se tornado um precioso método auxiliar para um exame pélvico bidimensional, principalmente em pacientes com suspeita de lesões endometriais ou com espessura maior que 5 mm 7. A espessura total endometrial é aferida numa aquisição sagital mediana, na área mais espessa do endométrio, a partir de uma varredura longitudinal que vai de um lado para o outro, incluindo ambas as camadas endometriais e não necessariamente a encontrada no fundo do útero 3, 6 (Figura 1 e 2).

3 19 É fundamental visualizar a totalidade do endométrio, desde o canal cervical até o fundo uterino, incluindo as regiões cornuais para garantir-se que a região mais espessa está sendo avaliada 2. Nas situações em que o endométrio não se encontra regular e claramente visualizado, este deve ser considerado como imensurável e anormal. O endomísio, halo hipoecóico ao redor do endométrio, não deve ser incluído na medida da espessura, assim como a presença de líquido na cavidade endometrial deve ser excluída da aferição total 3. Nesses casos, a espessura endometrial deve ser a soma das duas camadas separadamente e qualquer fluido ecogênico deve ser considerado como achado anormal 6 (Figura 2). Qualquer espessamento focal mesmo que dentro da espessura endometrial normal deve ser incluído na medida e também considerado como anormal 2 (Figura 3). A importância da correta avaliação endometrial Em um estudo observacional retrospectivo em que a espessura endometrial média foi avaliada em 187 pacientes com diagnóstico de carcinoma endometrial, encontrou-se uma espessura média 15 mm, sendo de 12 mm naquelas submetidas à avaliação endometrial invasiva prévia à realização do exame e de 17 mm nas demais. Observaram ainda que do total das pacientes, treze delas apresentavam um endométrio menor que 5 mm apesar de serem acometidas pela patologia, sendo que destas 9 haviam realizado uma amostragem endometrial prévia à ultrassonografia o que comprometeu a precisão da medida, em 2 a lesão era focal e não havia sido incluída na medida, uma apresentava distorção miometrial que comprometeu a mensuração, mas não excluía a existência de patologia, e uma teve o endométrio corretamente medido, porém já apresentava metástases uterinas difusas de um câncer de mama 2. Figura 2. Medida da espessura endometrial. (A) A espessura é medida no plano longitudinal na área de maior espessura do endométrio, da sua borda mais externa de um lado a outro. (B) Cavidade endometrial contendo líquido anecóico e endométrio regular e fino, constituindo um achado normal. (C) Cavidade endometrial contendo fluido ecogênico. Este é um achado anormal, mesmo que o endométrio se encontre fino. Adaptado de Epstein et al 6. Mulheres assintomáticas Se a paciente for assintomática, a espessura pode ser considerada normal até 8 mm. Qualquer espessamento focal ou ecotextura heterogênea independentemente da medição merece investigação diagnóstica 3. Pacientes que usam terapia de reposição hormonal seqüencial na pós-menopausa apresentam maior espessura endometrial e variação na medição quando comparadas com aquelas que recebem hormonioterapia de forma contínua. Estas deverão ser submetidas à avaliação endometrial no início ou no final do ciclo hormonal, quando o endométrio atinge sua

4 20 espessura mais fina 8. Com ambos os regimes hormonais, uma espessura endometrial maior que 8 mm merece investigação 3. Figura 3. Imagem ultrassonográfica mostrando a medida da espessura endometrial na presença de lesão endometrial focal e fluido endometrial. A lesão deve ser medida em sua porção mais espessa e esta medida somada à espessura máxima da camada endometrial oposta. Adaptado de Van Den Bosch et al 2. Sangramento pós-menopausa O sangramento na pós-menopausa é indicação imperiosa para avaliação detalhada do endométrio por ser o sintoma mais comum de câncer de endométrio. A ultrassonografia endovaginal é considerada um método bastante seguro para o diagnóstico de câncer endometrial nesta situação 6, 9. Ao avaliarmos a espessura endometrial em pacientes na pós-menopausa é importante separar as assintomáticas das que apresentam sintomas como sangramento e também determinar se a paciente está recebendo ou não terapia de reposição hormonal, pois isso modifica o limiar para o qual o endométrio pode ser considerado espessado ou normal. Uma espessura endometrial menor que 4 mm exclui doença maligna independente do estado hormonal da paciente. Em mulheres com sangramento pós-menopausa, a probabilidade de câncer de endométrio quando a espessura endometrial aferida ultrassonograficamente for menor que 5 mm é inferior a 1% 9. Em contrapartida, a medida da espessura endometrial igual ou maior que 5 mm em uma paciente com sangramento anormal apresenta 92% de sensibilidade e 57% de especificidade para patologia endometrial maligna 9. A causa mais provável de sangramento anormal em pacientes com espessura endometrial inferior a 5 mm não é o câncer endometrial e sim sua atrofia. Outros achados A presença de fluido ecogênico sugestivo de detritos ou sangue na cavidade endometrial em mulheres na pós-menopausa é um importante fator de risco para doença maligna endometrial, e indica a necessidade de amostragem endometrial 3, 10. Por outro lado o fluido anecóico na ausência de sintomas ou espessamento endometrial não requer propedêutica adicional, sendo muitas vezes devido a uma estenose do canal cervical 3. A dificuldade em definir com clareza a fronteira entre o endométrio e o miométrio sugere carcinoma endometrial invasivo no miométrio adjacente ou nos tecidos vizinhos 3. Considerações finais Um endométrio avaliado pela ultrassonografia como fino e regular, bem visualizado e sem lesões focais é muito confiável na exclusão de doença endometrial maligna 2. O risco de pacientes com sangramento na pós-menopausa apresentarem patologia endometrial quando sua medida pela ultrassonografia endovaginal é inferior a 5 mm de espessura é inferior a 1% 11. O seguimento das pacientes com sangramento na pósmenopausa e espessura endometrial menor que 5 mm pode ser realizado apenas com a ultrassonografia. É recomendável que essas pacientes tenham abordagem diagnóstica invasiva no caso de crescimento endometrial e não apenas de novo episódio de sangramento isolado 12. Referências 1. Nalaboff KM, Pellerito JS, Ben-Levi E. Imaging the endometrium: disease and normal variants. Radiographics 2001; 21(6): Van den Bosch T, Van Schoubroeck D, Domali E, Vergote I, Moerman P, Amant F, et al. A thin and regular endometrium on ultrasound is very unlikely in patients with endometrial malignancy. Ultrasound Obstet Gynecol 2007; 29(6): Lane BF, Wong-You-Cheong JJ. Imaging of endometrial pathology. Clin Obstet Gynecol 2009; 52(1): Pastore AR, Cerri GG. Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia. Rio de Janeiro: Revinter; 2003.

5 21 5. Karlsson B, Granberg S, Wikland M, Ylostalo P, Torvid K, Marsal K, et al. Transvaginal ultrasonography of the endometrium in women with postmenopausal bleeding--a Nordic multicenter study. Am J Obstet Gynecol 1995; 172(5): Epstein E, Valentin L. Managing women with post-menopausal bleeding. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol 2004; 18(1): Benacerraf BR, Shipp TD, Bromley B. Which patients benefit from a 3D reconstructed coronal view of the uterus added to standard routine 2D pelvic sonography? AJR Am J Roentgenol 2008; 190(3): Levine D, Gosink BB, Johnson LA. Change in endometrial thickness in postmenopausal women undergoing hormone replacement therapy. Radiology 1995; 197(3): Sahdev A. Imaging the endometrium in postmenopausal bleeding. BMJ 2007; 334(7594): Takacs P, De Santis T, Nicholas MC, Verma U, Strassberg R, Duthely L. Echogenic endometrial fluid collection in postmenopausal women is a significant risk factor for disease. J Ultrasound Med 2005; 24(11): Gerber B, Krause A, Muller H, Reimer T, Kulz T, Makovitzky J, et al. Effects of adjuvant tamoxifen on the endometrium in postmenopausal women with breast cancer: a prospective long-term study using transvaginal ultrasound. J Clin Oncol 2000; 18(20): Epstein E, Valentin L. Rebleeding and endometrial growth in women with postmenopausal bleeding and endometrial thickness < 5 mm managed by dilatation and curettage or ultrasound follow-up: a randomized controlled study. Ultrasound Obstet Gynecol 2001; 18(5):

Espessamento endometrial na pós menopausa - aspectos atuais

Espessamento endometrial na pós menopausa - aspectos atuais Espessamento endometrial na pós menopausa - aspectos atuais I Curso Téorico-Prático de Histeroscopia do Hospital Pérola Byington 31 mai e 01 jun de 2012 Alysson Zanatta Núcleo de Endoscopia Ginecológica

Leia mais

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Especializanda: Renata

Leia mais

Diagnóstico da adenomiose por métodos de imagem

Diagnóstico da adenomiose por métodos de imagem Artigo de Revisão Diagnóstico da adenomiose por métodos de imagem Diagnosis of adenomyosis by imaging Elaine M A Borges 1, Wellington P Martins 1, 2 A endometriose é caracterizada pela presença de tecido

Leia mais

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso?

Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Abordagem diagnóstica de um nódulo hepático o que o cirurgião deve saber? Tomografia Computadorizada ou Ressonância Magnética qual a melhor opção para cada caso? Maria Fernanda Arruda Almeida Radiologia

Leia mais

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas

Journal Club. Setor Abdome. Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Journal Club Apresentação: Lucas Novais Bomfim Orientação: Dr. George Rosas Data: 11.09.2013

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO

O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO O DESAFIO DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA ASSOCIADO A GESTAÇÃO: ENSAIO PICTÓRICO DRA MARINA PORTIOLLI HOFFMANN DRA MARIA HELENA LOUVEIRA DR GUILBERTO MINGUETTI INTRODUÇÃO: O câncer de mama associado a gestação

Leia mais

HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES

HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES DGO USP RIB PRETO HISTEROSCOPIA CIRURGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA Histerectomia Taxas excessivamente altas em alguns países

Leia mais

Achados Histeroscópicos em Mulheres na Pós-menopausa com Diagnóstico de Espessamento Endometrial por Ultra-sonografia Transvaginal.

Achados Histeroscópicos em Mulheres na Pós-menopausa com Diagnóstico de Espessamento Endometrial por Ultra-sonografia Transvaginal. RBGO 6 (): -8, 004 Trabalhos Originais Achados Histeroscópicos em Mulheres na Pós-menopausa com Diagnóstico de Espessamento Endometrial por Ultra-sonografia Transvaginal. Hysteroscopic Findings in Postmenopausal

Leia mais

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS -

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - Todas as sequências efectuadas deverão ser optimizadas de acordo com as especificidades do aparelho disponível. Preparação: 4-6h de jejum Esvaziar

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Comparação entre ultrassonografia transvaginal e histerossonografia na avaliação de pacientes com sangramento uterino anormal *

Comparação entre ultrassonografia transvaginal e histerossonografia na avaliação de pacientes com sangramento uterino anormal * ARTIGO e ORIGINAL em sangramento ORIGINAL uterino anormal ARTICLE Comparação entre ultrassonografia transvaginal e histerossonografia na avaliação de pacientes com sangramento uterino anormal * Comparison

Leia mais

A Histerossonografia na Avaliação da Cavidade Uterina em Pacientes Menopausadas

A Histerossonografia na Avaliação da Cavidade Uterina em Pacientes Menopausadas RBGO 24 (8): 541-545, 2002 A na Avaliação da Cavidade Uterina em Pacientes Menopausadas Trabalhos Originais Sonohysterography in the evaluation of the uterine cavity in postmenopausal women Benito Pio

Leia mais

Hemorragia Genital na Pós-Menopausa

Hemorragia Genital na Pós-Menopausa Curso de Pós-Graduação em Geriatria Hemorragia Genital na Pós-Menopausa Avaliação e orientação diagnóstica Pedro Viana Pinto Introdução 5% motivos de consulta em Ginecologia Maioria dos casos têm etiologias

Leia mais

Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério

Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério Avaliação ultra-sonográfica da paciente no climatério Marco Aurélio Martins de Souza Unimontes-MG Tiradentes MG SOGIMIG 2008 Introdução Climatério é um evento fisiológico Deve ser considerado sob uma perspectiva

Leia mais

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 18 MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO 1. INTRODUçãO Leiomiomas uterinos são os tumores mais frequentes do trato genital feminino, clinicamente aparentes em 25% das

Leia mais

Achados histeroscópicos em pacientes na pós-menopausa com espessamento endometrial à ultra-sonografia

Achados histeroscópicos em pacientes na pós-menopausa com espessamento endometrial à ultra-sonografia Artigo original Achados histeroscópicos em pacientes na pós-menopausa com espessamento endometrial à ultra-sonografia Hysteroscopic findings in postmenopausal patients with ultrasonographic diagnosis of

Leia mais

Comparação entre os Achados Ultra-sonográficos, Histeroscópicos e Histopatológicos no Sangramento Uterino da Pós-menopausa

Comparação entre os Achados Ultra-sonográficos, Histeroscópicos e Histopatológicos no Sangramento Uterino da Pós-menopausa RBGO 25 (4): 229-235, 23 Trabalhos Originais Comparação entre os Achados Ultra-sonográficos, Histeroscópicos e Histopatológicos no Sangramento Uterino da Pós-menopausa Comparison of Ultrasonographic, Hysteroscopic

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA A neurociência teve que esperar mais de 70 anos, até que aparecesse um método de imagens por raios X que realmente fosse

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Glândulas suprarrenais

Glândulas suprarrenais Estudo Imagiológico gico do Abdómen 16 -Glândulas suprarrenais Meios de estudo Principais aplicações clínicas 17-Aparelho genital Meios de estudo Principais aplicações clínicas Próstata, vesículas seminais

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 45 Maio 2013

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 45 Maio 2013 NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 45 Maio 2013 COMO AVALIAR TUMORES ANEXIAIS RELATO DE CASO COMO AVALIAR TUMORES ANEXIAIS Relato de Caso AUTOR: FERNANDO GUASTELLA INSTITUIÇÃO: CETRUS Centro de Ensino em

Leia mais

Câncer de Endométrio Hereditário

Câncer de Endométrio Hereditário Disciplina de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo Coordenador do Serviço de Cirurgia Oncológica I Disciplina Eletiva de Fundamentos da Cirurgia Oncológica Professor Afiliado Abner Jorge Jácome Barrozo

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná. DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem

Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná. DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem Mauricio Zapparoli Departamento de Clínica Médica Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná DAPI Diagnóstico Avançado por Imagem Urografia Excretora Necessita Contraste Iodado (alergias/função

Leia mais

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA

PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA PAPEL DA IMAGEM NA AVALIAÇÃO DA PELVE FEMININA Métodos de Diagnóstico por Imagem 1. Detecção de Lesões 2. Benigno vs. Maligno 3. Conduta (Cx, Seguimento...) Iyer VR et al. AJR 2010;194:311-321 Métodos

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

VÍDEO-HISTEROSCOPIA DA IMAGEM ENDOMETRIAL ALTERADA: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA

VÍDEO-HISTEROSCOPIA DA IMAGEM ENDOMETRIAL ALTERADA: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA Artigo Original ISSN 0100-6991 Vol. 34 - Nº 6, Nov. / Dez. 2007 Osthoff et al. VÍDEO-HISTEROSCOPIA DA IMAGEM ENDOMETRIAL ALTERADA: UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA HYSTEROSCOPY WITH ABNORMAL ENDOMETRIAL IMAGE: CRITICAL

Leia mais

Estudo epidemiológico descritivo das pacientes atendidas no Ambulatório de Patologia Endometrial do Hospital Universitário

Estudo epidemiológico descritivo das pacientes atendidas no Ambulatório de Patologia Endometrial do Hospital Universitário 0004-2773/05/34-02/15 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 34, n o. 2, de 2005 15 ARTIGO ORIGINAL Estudo epidemiológico descritivo das pacientes atendidas no Ambulatório

Leia mais

Acurácia da Histeroscopia na Avaliação da Cavidade Uterina em Pacientes com Sangramento Uterino Pós-Menopausa

Acurácia da Histeroscopia na Avaliação da Cavidade Uterina em Pacientes com Sangramento Uterino Pós-Menopausa RBGO 25 (4): 237-241, 2003 Acurácia da na Avaliação da Cavidade Uterina em Pacientes com Sangramento Uterino Pós-Menopausa Trabalhos Originais Accuracy of Hysteroscopy in the Evaluation of the Uterine

Leia mais

Comparação entre a Histerossonografia, a Histeroscopia e a Histopatologia na Avaliação da Cavidade Uterina de Mulheres na Pós menopausa

Comparação entre a Histerossonografia, a Histeroscopia e a Histopatologia na Avaliação da Cavidade Uterina de Mulheres na Pós menopausa RBGO 25 (9): 667-672, 2003 Trabalhos Originais Comparação entre a Histerossonografia, a Histeroscopia e a Histopatologia na Avaliação da Cavidade Uterina de Mulheres na Pós menopausa Comparison between

Leia mais

NEWS artigos CETRUS. Dr. Sebastião Zanforlin Filho. - Mestrado pela Escola Paulista de Medicina pela Universidade Federal de São Paulo.

NEWS artigos CETRUS. Dr. Sebastião Zanforlin Filho. - Mestrado pela Escola Paulista de Medicina pela Universidade Federal de São Paulo. NEWS artigos CETRUS Ultra-Som em Ginecologia Parte 2 Apresentação Os órgãos do aparelho reprodutor feminino apresentam complexas modifi cações fi siológicas durante o ciclo menstrual, muitas delas apresentando

Leia mais

PRÉ-REQUISITO R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (403) ORGANIZADOR

PRÉ-REQUISITO R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (403) ORGANIZADOR RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 0 PRÉ-REQUISITO (R) / 0 PROVA ESCRITA PRÉ-REQUISITO R ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (0) 0 RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 0 PRÉ-REQUISITO (R) / 0 PROVA ESCRITA OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA PEQUENOS ANIMAIS

ULTRASSONOGRAFIA PEQUENOS ANIMAIS PEQUENOS ANIMAIS Professora: Juliana Peloi Vides O som é resultado da vibração, que provoca uma onda mecânica e longitudinal. Ela se propaga em todas as direções Hertz medida utilizada para medir o número

Leia mais

Infertilidade. Propedêutica básica do casal infértil

Infertilidade. Propedêutica básica do casal infértil Propedêutica básica do casal infértil Conceitos -INFERTILIDADE: Ausência de contracepção após um ano de tentativa, sem a utilização de um método contraceptivo. -FECUNDIBILIDADE: É a probabilidade de se

Leia mais

LIPOMA UTERINO PURO - UMA CONDIÇÃO BENIGNA RARA

LIPOMA UTERINO PURO - UMA CONDIÇÃO BENIGNA RARA LIPOMA UTERINO PURO - UMA CONDIÇÃO BENIGNA RARA Yasmmim Machado Magalhães 1 ; Matheus Ribeiro Nasser Silva 2 ; Bianca Rodrigues Lopes Ramos Reinaldo³; Imirá Machado Magalhães 4 Universidade Federal de

Leia mais

SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 O QUE É 5 SINTOMAS 6 DIAGNÓSTICO 7 TRATAMENTO 8 ENTENDA A ENDOMETRIOSE 9 ENDOMETRIOSE E INFERTILIDADE

SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 O QUE É 5 SINTOMAS 6 DIAGNÓSTICO 7 TRATAMENTO 8 ENTENDA A ENDOMETRIOSE 9 ENDOMETRIOSE E INFERTILIDADE ENDOMETRIOSE 1 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 O QUE É 5 SINTOMAS 6 DIAGNÓSTICO 7 TRATAMENTO 8 ENTENDA A ENDOMETRIOSE 9 ENDOMETRIOSE E INFERTILIDADE 10 ENDOMETRIOSE NA ADOLESCÊNCIA 11 3 SOBRE A FEBRASGO A

Leia mais

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA

TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA TÉCNICAS DE VARREDURA ABDOMINAL ULTRASSONOGRAFIA Introdução Pré-requisitos para um bom ultrassonografista Alto nível de destreza e coordenação olhos. de mãos e Conhecimento completo de anatomia, fisiologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE RADIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE RADIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE RADIOLOGIA ACHADOS DA VIDEO-HISTEROSCOPIA EM PACIENTES ENCAMINHADAS A UM CENTRO DE REFERÊNCIA PARA

Leia mais

Artigo de Revisão / Review Article. Protocolo para a Realização de uma Ecografia Ginecológica

Artigo de Revisão / Review Article. Protocolo para a Realização de uma Ecografia Ginecológica Acta Radiológica Portuguesa, Vol.XXIV, nº 94, pág. 49-53, Abr.-Jun., 2012 Artigo de Revisão / Review Article Protocolo para a Realização de uma Ecografia Ginecológica Guidelines for the Performance of

Leia mais

Pólipos da vesícula biliar. Orlando Jorge Martins Torres

Pólipos da vesícula biliar. Orlando Jorge Martins Torres Pólipos da vesícula biliar Orlando Jorge Martins Torres Aumento do uso da US percutânea Maior detecção de lesões polipóides ides da vesícula Sensibilidade e especificidade Significado pouco compreendido

Leia mais

RADIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DO ENDOMÉTRIO

RADIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DO ENDOMÉTRIO XI Congresso Brasileiro de Radioterapia RADIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DO ENDOMÉTRIO FELIPE QUINTINO KUHNEN Hospital de Caridade Florianópolis, SC CEPON Florianópolis, SC Hospital São José Criciúma,

Leia mais

ORGANIZADOR. Página 1 de 6

ORGANIZADOR. Página 1 de 6 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 Página de 6 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA ) Mulher de 6 anos, com prole constituída, optou por método contraceptivo cirúrgico. Após avaliar o caso, o médico

Leia mais

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS Tiago Saldanha José Durães Serviço de Radiologia HEM - CHLO Curso de carcinoma de células renais Lisboa 2015 PAPEL DOS MÉTODOS DE IMAGEM Diagnóstico Estadiamento

Leia mais

VALOR DA ULTRA-SONOGRAFIA NA AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES ENDOMETRIAIS EM PACIENTES TRATADAS COM TAMOXIFENO*

VALOR DA ULTRA-SONOGRAFIA NA AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES ENDOMETRIAIS EM PACIENTES TRATADAS COM TAMOXIFENO* Artigo Original Valor da US na avaliação das alterações endometriais em pacientes em uso de tamoxifeno VALOR DA ULTRA-SONOGRAFIA NA AVALIAÇÃO DAS ALTERAÇÕES ENDOMETRIAIS EM PACIENTES TRATADAS COM TAMOXIFENO*

Leia mais

COMPARAÇÃO DO ULTRA-SOM TRANSVAGINAL E DA HISTEROSCOPIA AMBULATORIAL No Diagnóstico das Doenças Intra-Uterinas

COMPARAÇÃO DO ULTRA-SOM TRANSVAGINAL E DA HISTEROSCOPIA AMBULATORIAL No Diagnóstico das Doenças Intra-Uterinas ARTIGO ORIGINAL Acta Med Port 2011; 24(S2): 65-70 COMPARAÇÃO DO ULTRA-SOM TRANSVAGINAL E DA HISTEROSCOPIA AMBULATORIAL No Diagnóstico das Doenças Intra-Uterinas Daniela A. YELA, Simone R. HIDALGO, Kelly

Leia mais

ATLAS RADIOLOGIA. 5ª Edição. Luís Antônio Tobaru Tibana Marcos Costenaro Paulo Aguiar Kuriki

ATLAS RADIOLOGIA. 5ª Edição. Luís Antônio Tobaru Tibana Marcos Costenaro Paulo Aguiar Kuriki Luís Antônio Tobaru Tibana Marcos Costenaro Paulo Aguiar Kuriki ATLAS DE RADIOLOGIA Um guia completo para atualizar seus estudos sobre a Radiologia. 5ª Edição AUTORIA E COLABORAÇÃO Autores Luís Antônio

Leia mais

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III?

Microcarcinoma cervical-questões: Seguimento: igual ao da NIC III? Microcarcinoma cervical-questões: : igual ao da NIC III? Yara Furtado Professora assistente da UNIRIO Médica do Ambulatório de Patologia Cervical do Instituto de Ginecologia da UFRJ FIGO Committee on Ginecologic

Leia mais

Colposcopia no Microcarcinoma do Colo Uterino Existem achados patognomônicos?

Colposcopia no Microcarcinoma do Colo Uterino Existem achados patognomônicos? Colposcopia no Microcarcinoma do Colo Uterino Existem achados patognomônicos? Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo

Leia mais

Está indicada no diagnóstico etiológico do hipotireoidismo congênito.

Está indicada no diagnóstico etiológico do hipotireoidismo congênito. 108 Tireoide Debora L. Seguro Danilovic, Rosalinda Y Camargo, Suemi Marui 1. ULTRASSONOGRAFIA O melhor método de imagem para avaliação da glândula tireoide é a ultrassonografia. Ela está indicada para

Leia mais

Dra. Erica Stein Ciasca. Orientadora: Dra. Lenita Panaro Serviço de Ginecologia HUCFF 21/09/2012

Dra. Erica Stein Ciasca. Orientadora: Dra. Lenita Panaro Serviço de Ginecologia HUCFF 21/09/2012 Hiperplasia Endometrial Classificação e Terapêutica Dra. Erica Stein Ciasca Orientadora: Dra. Lenita Panaro Serviço de Ginecologia HUCFF 21/09/2012 Endométrio Normal Fase Proliferativa Relação Glândulas/Estroma

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 INTRODUÇÃO Câncer de mama: resultante de proliferação incontrolável de células anormais. Origem:

Leia mais

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2 Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos Aula Prá8ca Abdome 2 Obje8vos Qual a importância da caracterização de lesões através de exames de imagem? Como podemos caracterizar nódulos hepá8cos? Revisar os

Leia mais

Encontro Pós ASTRO 2011

Encontro Pós ASTRO 2011 Encontro Pós ASTRO 2011 Principais trabalhos apresentados em CÂNCER DE BEXIGA Arnoldo Mafra Belo Horizonte / MG Trabalhos em câncer de bexiga Poucos trabalhos: 6 trabalhos com apresentação oral (139 a

Leia mais

O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento

O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento Nº 21 Transplante Uterino O transplante uterino (TU) é uma nova opção revolucionária para o tratamento de infertilidade causada por fator uterino (IFU), em pacientes com útero que não pode ser recuperado

Leia mais

CHECK UP. Dr. Alisson Chianca Ginecologia Avançada. ATIVIDADE FÍSICA Previne o Câncer pg. 08. Sinônimo de Prevenção Contra o Câncer. pg.

CHECK UP. Dr. Alisson Chianca Ginecologia Avançada. ATIVIDADE FÍSICA Previne o Câncer pg. 08. Sinônimo de Prevenção Contra o Câncer. pg. CHECK UP Sinônimo de Prevenção Contra o Câncer pg. 05 Edição 02/2017 Eletronic Book ATIVIDADE FÍSICA Previne o Câncer pg. 08 Dr. Alisson Chianca Ginecologia Avançada 04 Infertilidade: Avaliação do Casal

Leia mais

Braquiterapia ginecológica guiada por imagem (IGBT): estabelecimento de rotina por meio da avaliação da resposta tumoral

Braquiterapia ginecológica guiada por imagem (IGBT): estabelecimento de rotina por meio da avaliação da resposta tumoral Braquiterapia ginecológica guiada por imagem (IGBT): estabelecimento de rotina por meio da avaliação da resposta tumoral Silvia R Stuart Roger G R Guimarães André T C Chen Heloisa A Carvalho Lucas A Paula

Leia mais

Imagenologia das Lesões Hepáticas

Imagenologia das Lesões Hepáticas Curso Continuado em Cirurgia Geral do CBCSP 2014 Imagenologia das Lesões Hepáticas Dr. Lucas Scatigno Saad 26/07/2014 Fígado Maior órgão parenquimatoso do corpo 1.000-2.500 g no adulto saudável Hipocôndrio

Leia mais

EFICÁCIA DIAGNÓSTICA DA HISTEROSCOPIA EM MULHERES COM METRORRAGIA PÓS-MENOPAUSA

EFICÁCIA DIAGNÓSTICA DA HISTEROSCOPIA EM MULHERES COM METRORRAGIA PÓS-MENOPAUSA EFICÁCIA DIAGNÓSTICA DA HISTEROSCOPIA EM MULHERES COM METRORRAGIA PÓS-MENOPAUSA Revista UNILUS Ensino e Pesquisa v. 13, n. 30, jan./mar. 2016 ISSN 2318-2083 (eletrônico) Rafael Ehrenfreund Acadêmico do

Leia mais

Tumores anexiais: O que valorizar?

Tumores anexiais: O que valorizar? Mariana Olival da Cunha marianaolival@ig.com.br Tumores anexiais: O que valorizar? Mariana Olival da Cunha (R2) Orientadora: Dra. Rebecca Sotelo Epidemiologia 6 a neoplasia maligna mais freqüente Baixa

Leia mais

ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO

ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO 1 ASPECTOS ULTRASSONOGRÁFICOS DE NEOPLASIA HEPÁTICA EM PERIQUITO AUSTRALIANO (Melopsittacus undulatus): RELATO DE CASO Sonographic aspects of hepatic neoplasia in Australian budgerigar (Melopsittacus undulatus):

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Hospital São Lucas SERVIÇO DE CIRURGIA TORÁCICA José Antônio de Figueiredo Pinto DEFINIÇÃO Lesão arredondada, menor que 3.0 cm

Leia mais

VALIDADE EM ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS

VALIDADE EM ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA -DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA 1º semestre

Leia mais

30/05/2016. Como solucionar dúvidas na mamografia. Como melhorar? - Controle de Qualidade - Experiência. Dicas Úteis

30/05/2016. Como solucionar dúvidas na mamografia. Como melhorar? - Controle de Qualidade - Experiência. Dicas Úteis Como solucionar dúvidas na mamografia Como solucionar dúvidas na mamografia : como melhorar a mamografia ou que método é mais adequado para qual tipo de achado? Como melhorar? - Controle de Qualidade -

Leia mais

Seguimento após tratamento das Neoplasias Intraepiteliais Cervicais. Fábio Russomano --IFF/Fiocruz Maio de de 2014

Seguimento após tratamento das Neoplasias Intraepiteliais Cervicais. Fábio Russomano --IFF/Fiocruz Maio de de 2014 Seguimento após tratamento das Neoplasias Intraepiteliais Cervicais Fábio Russomano --IFF/Fiocruz Maio de de 2014 Possíveis conflitos de interesses Responsável por serviço público de Patologia Cervical

Leia mais

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012 Radiologia do fígado Prof. Jorge Elias Jr Radiologia do fígado Revisão anatômica Métodos de imagem na avaliação do fígado Anatomia seccional hepática pelos métodos de imagem Exemplo da utilização dos métodos:

Leia mais

Rodrigo de Morais Hanriot Radioterapeuta Sênior Hospital Israelita Albert Einstein e Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Rodrigo de Morais Hanriot Radioterapeuta Sênior Hospital Israelita Albert Einstein e Hospital Alemão Oswaldo Cruz Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer Ginecológico Rodrigo de Morais Hanriot Radioterapeuta Sênior Hospital Israelita Albert Einstein e Hospital Alemão Oswaldo Cruz Índice Neoplasia endometrial

Leia mais

Cistos e cavidades pulmonares

Cistos e cavidades pulmonares Cistos e cavidades pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Definições Cistos e cavidades são condições em que há aumento da transparência

Leia mais

Caso Clínico. Identificação: V.M.M Paciente do sexo feminino. 32 anos. G1P1A0.

Caso Clínico. Identificação: V.M.M Paciente do sexo feminino. 32 anos. G1P1A0. Reunião de casos Caso Clínico Identificação: V.M.M Paciente do sexo feminino. 32 anos. G1P1A0. Caso Clínico Quadro Clínico: - Dor abdominal, mais evidente em hipogástrio e metrorragia há 02 meses. Investigação

Leia mais

Nódulos e massas pulmonares

Nódulos e massas pulmonares Nódulos e massas pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP A) Nódulo pulmonar solitário 1 Definição O nódulo pulmonar solitário (NPS)

Leia mais

Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia. Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG

Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia. Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG Professor da Faculdade de Medicina da UFG. Sociedade Goiana de Ginecologia e

Leia mais

DIAGNÓSTICO ULTRASONOGRÁFICO DA ENDOMETRIOSE PÉLVICA REVISÃO DE LITERATURA

DIAGNÓSTICO ULTRASONOGRÁFICO DA ENDOMETRIOSE PÉLVICA REVISÃO DE LITERATURA 1 DIAGNÓSTICO ULTRASONOGRÁFICO DA ENDOMETRIOSE PÉLVICA REVISÃO DE LITERATURA RESUMO ULTRASOUND DIAGNOSIS OF PELVIC ENDOMETRIOSIS LITERATURE REVIEW Rita de Cássia Lima da Cruz 1, Waldemar Naves do Amaral

Leia mais

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010

NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 16 - Dezembro/2010 Atualização em Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia - Capítulo II - Infecção por HPV e Lesões HHV-Induzidas Prof. Dr. Flávio Zucchi -

Leia mais

Imagem da Semana: Ultrassonografia transvaginal

Imagem da Semana: Ultrassonografia transvaginal Imagem da Semana: Ultrassonografia transvaginal Imagem 01. Ultrassonografia transvaginal em topografia de ovário esquerdo. Paciente sexo feminino, 34 anos, G0P0A0, procura serviço de ginecologia relatando

Leia mais

Lesões simuladoras de malignidade na RM

Lesões simuladoras de malignidade na RM Objetivo Lesões simuladoras de malignidade na RM Fabiola Procaci Kestelman Através da discussão de casos avaliar causas frequentes de lesões simuladoras de malignidade na RM Tipo de mama Qualidade do exame

Leia mais

Metrorragia pós-menopausa

Metrorragia pós-menopausa Metrorragia pós-menopausa LEONOR ASSIS RAMOS*, LEONOR SANTOS*, ANA FATELA** Os autores pretenderam fazer uma revisão da literatura sobre a etiologia, diagnóstico e terapêutica da metrorragia pós-menopausa.

Leia mais

Avaliação da acurácia ultra-sonográfica no estudo da cavidade uterina utilizando como padrão ouro a histeroscopia diagnóstica.

Avaliação da acurácia ultra-sonográfica no estudo da cavidade uterina utilizando como padrão ouro a histeroscopia diagnóstica. Artigo original Avaliação da acurácia ultra-sonográfica no estudo da cavidade uterina utilizando como padrão ouro a histeroscopia diagnóstica Evaluation of the ultrasound accuracy in the study of the uterine

Leia mais

Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético

Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético Diagnóstico por imagem das infecções do sistema musculoesquelético Marcello H. Nogueira-Barbosa Divisão de Radiologia CCIFM Faculdade de Medicina Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Conteúdo abordado

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 Médico atende, em um hospital de referência para procedimentos em endoscopia ginecológica no Sistema Único de Saúde (SUS), uma mulher de 32 anos, nuligesta, que se queixa

Leia mais

Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU)

Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU) Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU) Ação: Provoca uma alteração química que danifica o esperma e o óvulo antes que eles se encontrem. Assincronia no desenvolvimento endometrial por alterações

Leia mais

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA Profa. Rita Pereira Ecografia ou Ultrassonografia SOM: onda mecânica,portanto precisa de um meio material para se propagar. Meios: ar, líquidos, materiais sólidos.. Produção

Leia mais

I Data: 24/05/05. II Grupo de Estudo: III Tema: IV Especialidade(s) envolvida(s):

I Data: 24/05/05. II Grupo de Estudo: III Tema: IV Especialidade(s) envolvida(s): Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 016/05 Tema: Ultra-sonografia dinâmica de vias urinárias I Data: 24/05/05 II Grupo de Estudo: Silvana Márcia Bruschi Kelles Lélia Maria de Almeida Carvalho

Leia mais

Prevenção do Cancro do Ovário

Prevenção do Cancro do Ovário Área de Ginecologia/ Obstetrícia Serviço de Ginecologia Director de Área: Dr. Ricardo Mira Journal Club 15 de Maio 2015 Prevenção do Cancro do Ovário Raquel Lopes 7 de Abril de 2015 Cancro do Ovário 5ª

Leia mais

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 Sistema reprodutor feminino Ovários = produz óvulos Tubas uterinas = transportam e protegem os óvulos Útero = prove meio adequado

Leia mais

FALSO NEGATIVO NA RESSONÂNCIA DE MAMA:

FALSO NEGATIVO NA RESSONÂNCIA DE MAMA: FALSO NEGATIVO NA RESSONÂNCIA DE MAMA: causas e como reduzí-los Linei Urban Clínica DAPI, Curitiba, Brasil Linei A B D Urban Coordenadora da Comissão de Mama do Colégio Brasileiro de Radiologia Coordenadora

Leia mais

Dr. Carlos Eduardo de Godoy Junior CRM: SP

Dr. Carlos Eduardo de Godoy Junior CRM: SP Dr. Carlos Eduardo de Godoy Junior CRM: 111.748 - SP - Graduação em Medicina - UNICAMP (1998-2003) - Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia - UNICAMP (2005-2007) - Título de Especialista em Ginecologia

Leia mais

Avaliação Ginecológica de Bovinos por Ultrassonografia

Avaliação Ginecológica de Bovinos por Ultrassonografia Texto de Referência Avaliação Ginecológica de Bovinos por Ultrassonografia Conhecimentos de anatomia e fisiologia são imprescindíveis para o Médico Veterinário que pretende trabalhar de forma correta e

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: REVISÃO DE CONCEITO CITOMORFOLÓGICO PARA DIAGNÓSTICO DE ADENOCARCINOMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

Capítulo 5 Artigos sobre Testes Diagnósticos

Capítulo 5 Artigos sobre Testes Diagnósticos Capítulo 5 Artigos sobre Testes Diagnósticos L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 83 Podemos definir os testes diagnósticos de acordo com a finalidade, em três tipos clínicos

Leia mais

Estudo comparativo entre histeroscopia e ultrassonografia como métodos diagnósticos de patologias intrauterinas

Estudo comparativo entre histeroscopia e ultrassonografia como métodos diagnósticos de patologias intrauterinas ARTIGO ORIGINAL Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2013; 58: 1-5. Estudo comparativo entre histeroscopia e ultrassonografia como métodos diagnósticos de patologias intrauterinas Evaluation

Leia mais

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM

AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM AVALIAÇÃO APARELHO DIGESTIVO TC E RM! Mauricio Zapparoli DAPI - Diagnóstico Avançado por Imagem / Curitiba-PR Disciplinas de Radiologia Médica e Recursos Diagnósticos - Hospital de Clínicas UFPR Enterografia

Leia mais