Infertilidade. Propedêutica básica do casal infértil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Infertilidade. Propedêutica básica do casal infértil"

Transcrição

1 Propedêutica básica do casal infértil

2 Conceitos -INFERTILIDADE: Ausência de contracepção após um ano de tentativa, sem a utilização de um método contraceptivo. -FECUNDIBILIDADE: É a probabilidade de se alcançar uma gestação em um ciclo menstrual. -FECUNDIDADE: É a capacidade de se alcançar uma gestação a termo em um ciclo menstrual.

3 Probabilidade de se alcançar uma gestação em função do tempo de exposição Meses de exposição % de gravidez 3 meses 57% 6 meses 72% 1 ano 85%

4 Causas de infertilidade Casal Mulher 10% 5% 10% 10% 35% 40% 15% 40% 35% Fator Tuboperitoneal Fator ovulatório Outros Fator Masculino Inexplicado Fator Tuboperitoneal Fator Ovulatório Outros Inexplicado

5 Infertilidade primária x Infertilidade secundária Aumento do número dos casais inférteis -idade da mulher. -aumento da prevalência de doenças inflamatórias pélvicas. -aumento da incidência do fator masculino. -mudanças nos hábitos de vida.

6 Propedêutica do fator masculino 35% -Anamnese: trauma testicular criptorquidia varicocele dificuldade em conseguir manter a ereção histórias de DST ou infecções prostáticas

7 Propedêutica do fator masculino 35% ESPERMOGRAMA Valores normais para avaliação seminal (OMS- 2000) Volume 2 ml ph 7,2 8,0 Concentração Contagem total 20 milhões por ml 40 milhões por ejaculado Motilidade > 50% com progressão linear (tipo A e B) > 25% de progressão rápida (tipo A) Morfologia Vitalidade Liquefação 30% formas normais 75% de vivos Dentro de 60 minutos

8 Propedêutica do fator masculino 35% ESPERMOGRAMA - Morfologia Estrita (Kruger)- avalia cabeça, acrossomo, pescoço, peça intermediária e cauda. Normal (N) - >14% de formas normais Good (G) - De 4 a 14% de formas normais Poor (P) - < que 4% de formas normais Oligoespermia Astenospermia Teratospermia Oligoastenoteratospermia Azoospermia Aspermia < 20 milhões por ml < 50% com progressão linear (A+B) < 25% de progressão rápida < 30% de sptz com morfologia normal 3 variáveis ateradas Ausência de sptz no ejaculado Ausência de ejaculado

9 Propedêutica do fator tubário 35% -Tuba uterina: permitir a passagem do espermatozóide, óvulo e embrião até o útero ( encontro dos gametas). Estrutura delicada. -Anamnese: dismenorréia progressiva cirurgias anteriores, principalmente pélvicas história de internação com dor pélvica, DIP -Gonococo e Clamídia: lesão do epitélio ciliar da trompa reação inflamatória aderências e oclusão do lúmen.

10 Propedêutica básica do fator tubário 35% HISTEROSSALPINGOGRAFIA Deve ser realizada 2 a 5 dias depois do término da menstruação (fase folicular) Contraste iodado Risco de infecção 1 a 3%

11 Propedêutica do fator ovulatório 15% -Anamnese: amenorréia / oligomenorréia sangramento uterino anormal hiperprolactinemia tireoidopatia anorexia nervosa atividade física intensa stress hirsutismo / acne hiperandrogenismo (SOP)

12 Propedêutica do fator ovulatório 15% ULTRASSONOGRAFIA TRANSVAGINAL Iniciar em torno do 10⁰ dia do ciclo. Realizar a cada 2 dias. Avaliar o recrutamento folicular e seu densenvolvimento / crescimento. Acompanhar o desenvolvimento do endométrio e suas transformações.

13 Propedêutica do fator ovulatório 15% DOSAGEM SÉRICA DE PROGESTERONA Método com boa relação custo benefício. Realizar no 21⁰ dia do ciclo. Valores que sugerem ovulação superior a 10 ng/ml. CURVA DE TEMPERATURA BASAL Mais antigo, simples e menos invasivo. Desuso. Não é seguro

14 Propedêutica do fator ovulatório 15% BIÓPSIA DE ENDOMÉTRIO Análise indireta da ovulação. Dados da qualidade da segunda fase do ciclo (fase lútea) Sensível. AVALIAÇÃO DE MUCO CERVICAL Desuso dificuldade técnica de interpretação pela paciente.

15 Propedêutica do fator uterino ULTRASSONOGRAFIA TRANSVAGINAL Se alterada em contéudo uterino avaliar necessidade de histeroscopia. -Miomatose -Pólipos -Anomalias uterinas congênitas (associadas a perdas gestacionais e endometriose)

16 Propedêutica do fator uterino ANOMALIAS UTERINAS CONGÊNITAS

17 Abordagem à infertilidade FATOR HISTÓRIA TESTE TERAPIA Disfunção ovulatória Menstruações irregulares, obesidade Gráfico de TCB, pico de LH ou nível de progesterona Distúrbio uterino Miomas uterinos USG mostrando imagem em cavidade uterina Citrato de clomifeno Procedimento histeroscópico Fator masculino Hérnia, varicocele Análise do sêmen Reparo de hérnia, varicocele Distúrbio tubário Fator peritoneal (endometriose) Infecção por chlamydia ou gonococos Dismenorréia, dispareunia Histerossalpingografia Laparoscopia Laparoscopia Ablação, excisão da endometriose, terapia clínica

18 DICAS CLÍNICAS: Os cinco fatores básicos causadores de infertilidade são: ovulatório, uterino, tubário, masculino e peritoneal. Menstruações irregulares em geral significam ovulação irregular, menstruações regulares em geral significam ovulação regular. Na maioria das vezes os distúrbios ovulatórios são razoavelmente responsivos à terapia. História de salpingite ou cervicite por chlamydia sugere infertilidade por fator tubário. A laparoscopia é o padrão-ouro no diagnóstico de endometriose. A cirurgia é a principal terapia das anormalidades tubárias ou endometriais associadas à infertilidade.

19 Endometriose Causa Sintomas Sinais ao exame físico Diagnóstico Consequencias e sequelas Tratamento

20 Caso clínico 1 Uma mulher de 31 anos, G1P1, apresenta história de infertilidade com duração de dois anos. Ela afirma que sua menstruação começou aos 12 anos, e que ocorre regularmente com intervalos de 28 dias, refere dismenorreia intensa. Um gráfico de temperatura corporal basal (TCB) bifásico é registrado. Ela nega doenças sexualmente transmissíveis, e uma histerossalpingografia mostra tubas patentes e cavidade uterina normal. Seu marido tem 34 anos e a análise do sêmen dele é normal. QUAL A ETIOLOGIA MAIS PROVÁVEL DA INFERTILIDADE DA PACIENTE?

21 Caso clínico 1 RESPOSTA: ENDOMETRIOSE (fator peritoneal) Pontos importantes: Infertilidade secundária Ovulação regular Ciclos e TCB Fatores uterinos e tubários normais Fator masculino normal

22 Caso clínico 2 Paciente de 33 anos procura o ginecologista com queixa de infertilidade conjugal há dois anos. Ela refere ciclos menstruais irregulares, a cada quarenta dias, com fluxo menstrual aumentado. Traz espermograma normal do marido e histerossalpingografia mostrando trompas normais e pérvias. QUAL O DIAGNÓSTICO MAIS PROVÁVEL DA INFERTILIDADE DESTE CASAL?

23 Caso clínico 2 RESPOSTA: ANOVULAÇÃO CRÔNICA (fator ovariano) Pontos importantes: Ciclos irregulares (disfunção menstrual) Espermograma normal (fator masculino) Histerossalpingografia normal (fator tubário)

24 Caso clínico 3 Um jovem casal foi atendido no ambulatório de reprodução humana apresentando infertilidade conjugal há três anos. Eles traziam exames realizads em investigação prévia, entre os quais um espermograma normal e uma ultrassonografia transvaginal que revelou folículo funcional,podendo corresponder a corpo lúteo. A paciente referiu ciclos menstruais regulares e episódio anterior de processo inflamatório anexial. NA SEQUÊNCIA PROPEDÊUTICA DA INVESTIGAÇÃO DO CASO, INDICA- SE QUAL EXAME?

25 Caso clínico 3 RESPOSTA- HISTEROSSALPINGOGRAFIA Pontos importantes: Presença de ovulação devido a ciclos regulares e corpo lúteo. Espermogramana normal. Episódio de DIP: sequela obstrução tubária.

PRÉ-REQUISITO R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (403) ORGANIZADOR

PRÉ-REQUISITO R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (403) ORGANIZADOR RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 0 PRÉ-REQUISITO (R) / 0 PROVA ESCRITA PRÉ-REQUISITO R ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (0) 0 RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 0 PRÉ-REQUISITO (R) / 0 PROVA ESCRITA OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

Leia mais

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina

Infertilidade no consultório: Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade no consultório: como conduzir Autora: Lara Morales- R2 Orientadora: Dra. Maria Albina Infertilidade Definição: Ausência de concepção após um ano mantendo relações sexuais sem proteção PRIMÁRIA

Leia mais

CHECK UP. Dr. Alisson Chianca Ginecologia Avançada. ATIVIDADE FÍSICA Previne o Câncer pg. 08. Sinônimo de Prevenção Contra o Câncer. pg.

CHECK UP. Dr. Alisson Chianca Ginecologia Avançada. ATIVIDADE FÍSICA Previne o Câncer pg. 08. Sinônimo de Prevenção Contra o Câncer. pg. CHECK UP Sinônimo de Prevenção Contra o Câncer pg. 05 Edição 02/2017 Eletronic Book ATIVIDADE FÍSICA Previne o Câncer pg. 08 Dr. Alisson Chianca Ginecologia Avançada 04 Infertilidade: Avaliação do Casal

Leia mais

AS 7 DOENÇAS QUE CAUSAM A INFERTILIDADE NO HOMEM E NA MULHER

AS 7 DOENÇAS QUE CAUSAM A INFERTILIDADE NO HOMEM E NA MULHER AS 7 DOENÇAS QUE CAUSAM A INFERTILIDADE NO HOMEM E NA MULHER INTRODUÇÃO 3 ENDOMETRIOSE 5 SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS (SOP) 10 MIOMATOSE 14 VARICOCELE 17 ENDOMETRITE CRÔNICA 20 DOENÇA INFLAMATÓRIA

Leia mais

Amenorréia. Amenorréia Secundária: Ausência de menstruação por três ciclos menstruais normais ou por seis meses (em mulher que já menstruou)

Amenorréia. Amenorréia Secundária: Ausência de menstruação por três ciclos menstruais normais ou por seis meses (em mulher que já menstruou) Amenorréia Amenorréia Definição: Amenorréia Primária: Ausência de menstruação aos 14 anos de idade sem características sexuais visíveis, ou aos 16 anos de idade na presença de características secundárias

Leia mais

INFERTILIDADE ENDÓCRINA

INFERTILIDADE ENDÓCRINA INFERTILIDADE ENDÓCRINA JOANA SIMÕES PEREIRA SERVIÇO DE ENDOCRINOLOGIA, IPOLFG 27.JAN.2017 DEFINIÇÃO DE INFERTILIDADE E INDICAÇÕES PARA ESTUDO Infertilidade envolve o casal e não apenas um dos parceiros.

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015.

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015. Recursos de estudo na Área do Aluno Site SJT Educação Médica Aula À La Carte Simulados Presenciais e on-line Cursos Extras Antibioticoterapia Prático SJT Diagnóstico por imagem Eletrocardiografia Revisão

Leia mais

Avaliação da Infertilidade

Avaliação da Infertilidade Avaliação da Infertilidade Dr. Eduardo Camelo de Castro Ginecologista e Obstetra Professor do Curso de Pós Graduação em Reprodução Humana da PUC-GO Experiência devastadora, comparanda ao divórcio e ao

Leia mais

Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU)

Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU) Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU) Ação: Provoca uma alteração química que danifica o esperma e o óvulo antes que eles se encontrem. Assincronia no desenvolvimento endometrial por alterações

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

Estresse, alimentação, obesidade e cigarro podem influenciar fertilidade

Estresse, alimentação, obesidade e cigarro podem influenciar fertilidade Ter filho não é tarefa fácil: exige cuidados intensos desde o primeiro mês de gestação até, pelo menos, os 18 anos de idade. Alimentação, educação, saúde e vestuário são itens imprescindíveis que os pais

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 PROVA OBJETIVA RESIDÊNCIA MÉDICA 2014 1 Questão 1 Médico atende, em um hospital de referência para procedimentos em endoscopia ginecológica no Sistema Único de Saúde (SUS), uma mulher de 32 anos, nuligesta, que se queixa

Leia mais

MANU Manual de Urologia

MANU Manual de Urologia MANU Manual de Urologia Manual de Urologia CAPÍTULO 2 Introdução O espermograma ou análise seminal é o exame complementar inicial na avaliação do homem infértil. O sêmen deve ser coletado por masturbação,

Leia mais

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50

O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 O sistema reprodutor feminino. Os ovários e os órgãos acessórios. Aula N50 Sistema reprodutor feminino Ovários = produz óvulos Tubas uterinas = transportam e protegem os óvulos Útero = prove meio adequado

Leia mais

ABORTAMENTO HABITUAL CASO I5

ABORTAMENTO HABITUAL CASO I5 ABORTAMENTO HABITUAL CASO I5 CASO Beatriz, 20 anos, casada, procedente de Laranjal paulista, dona de casa. Extrabalhadora de fábrica de bonecas (contato com solventes). G3P0A2C0 TS= O+ DUM=28/11/2014 US=DUM

Leia mais

SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 O QUE É 5 SINTOMAS 6 DIAGNÓSTICO 7 TRATAMENTO 8 ENTENDA A ENDOMETRIOSE 9 ENDOMETRIOSE E INFERTILIDADE

SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 O QUE É 5 SINTOMAS 6 DIAGNÓSTICO 7 TRATAMENTO 8 ENTENDA A ENDOMETRIOSE 9 ENDOMETRIOSE E INFERTILIDADE ENDOMETRIOSE 1 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 O QUE É 5 SINTOMAS 6 DIAGNÓSTICO 7 TRATAMENTO 8 ENTENDA A ENDOMETRIOSE 9 ENDOMETRIOSE E INFERTILIDADE 10 ENDOMETRIOSE NA ADOLESCÊNCIA 11 3 SOBRE A FEBRASGO A

Leia mais

ENDOMETRIOSE: Fisioterapia e a Doença

ENDOMETRIOSE: Fisioterapia e a Doença ENDOMETRIOSE: Fisioterapia e a Doença Letícia Zaparolli Ribeiro do Nacimento Graduada em Fisioterapia, Faculdades Integradas de Três Lagoas-FITL/AEMS Elaine da Silva Kraievski Fisioterapeuta UNIGRAN, Especialista

Leia mais

Embriologia Humana. Embriologia Humana. Embriologia Humana 09/11/2016

Embriologia Humana. Embriologia Humana. Embriologia Humana 09/11/2016 Embriologia Humana Embriologia Humana Prof. a Dr. a Sara Tatiana Moreira UTFPR Campus Santa Helena 1 1 Definição Períodos Terminologia embriológica Sistema reprodutor masculino e feminino Gametogênese

Leia mais

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas

AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Fatores masculinos: 23% das causas Fatores inexplicáveis: 28% das causas Fatores femininos: 48% das causas CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia. Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG

Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia. Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG Ex-Presidente da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia Mestre em Doenças Infecciosas e Parasitárias pelo IPTESP UFG Professor da Faculdade de Medicina da UFG. Sociedade Goiana de Ginecologia e

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA

SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA SISTEMA REPRODUTOR EU BIOLOGIA Sistema Genital Feminino Ovários: produção de óvulos e hormônios (estrógeno e progesterona) Tuba uterina: durante a ovulação, recolhe o óvulo e conduz até o útero Útero:

Leia mais

CAPÍTULO 10. GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGnÓSTICO PRECOCE. 1. DEfINIçãO:

CAPÍTULO 10. GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGnÓSTICO PRECOCE. 1. DEfINIçãO: Unidade 3 - Ginecologia Gravidez Ectópica: Diagnóstico Precoce CAPÍTULO 10 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGnÓSTICO PRECOCE 1. DEfINIçãO: Implatação do ovo fora da cavidade endometrial, como, por exemplo, nas tubas,

Leia mais

Distúrbios menstruais na adolescência

Distúrbios menstruais na adolescência Distúrbios menstruais na adolescência Cláudia Braga Monteiro Abadesso Cardoso Maria Alice Neves Bordallo Irregularidades menstruais - definição e classificação. Anovulação crônica. Amenorréia primária

Leia mais

GUIA SOBRE A FERTILIZAÇÃO IN VITRO: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER!

GUIA SOBRE A FERTILIZAÇÃO IN VITRO: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER! GUIA SOBRE A FERTILIZAÇÃO IN VITRO: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER! SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 POR QUE EU NÃO CONSIGO ENGRAVIDAR? 5 O QUE É FERTILIZAÇÃO IN VITRO? 9 QUANDO A FERTILIZAÇÃO IN VITRO É INDICADA?

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO Anatomia Genitália externa: pênis e bolsa escrotal; Órgãos reprodutores internos: testículos culos, epidídimos dimos, ductos(deferente, ejaculador e uretra) e as glândulas

Leia mais

Ano Lectivo 2009/2010

Ano Lectivo 2009/2010 Ano Lectivo 2009/2010 Feito por: Carlos Grilo Caracteres sexuais primários e secundários.3 Sistema reprodutor masculino.4 Sistema reprodutor feminino.5 Ciclo ovário.5 Ciclo uterino.7 Fecundação 9 Caracteres

Leia mais

Métodos Anticoncepcionais

Métodos Anticoncepcionais Métodos Anticoncepcionais Tabelinha O que é? A tabelinha, também conhecida por método rítmico, é baseada em um cálculo realizado a partir de um calendário, para saber o início e o fim do período fértil.

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS 16 TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA HISTEROSSALPINGOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DA HIDROSSALPINGE NUM QUADRO PÓS-DIP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Abdome agudo ginecológico. Raphael Garcia Moreno Leão

Abdome agudo ginecológico. Raphael Garcia Moreno Leão Abdome agudo ginecológico Raphael Garcia Moreno Leão Abdome agudo ginecológico 1- Hemorrágico: - G. Ectópica Rota - Cisto Hemorrágico Roto - Endometrioma roto 2- Inflamatório: - Abcesso tubo-ovariano 3-

Leia mais

INFERTILIDADE CONJUGAL

INFERTILIDADE CONJUGAL INFERTILIDADE CONJUGAL Paula Andrea de Albuquerque Salles Navarro Professora Doutora Setor de Reprodução Humana - Departamento de Ginecologia e Obstetrícia - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP

Leia mais

Aula 4 Saúde Reprodutiva II: Métodos Comportamentais. Prof. Ricardo Mattos UNIG,

Aula 4 Saúde Reprodutiva II: Métodos Comportamentais. Prof. Ricardo Mattos UNIG, Saúde Integral da Mulher Aula 4 Saúde Reprodutiva II: Planejamento Familiar e os Métodos Comportamentais Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Planejamento Familiar A Constituição Federal, de 1988, prevê em

Leia mais

Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças

Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças Métodos Contraceptivos e Prevenção de Doenças Como planejar seu futuro e garantir uma vida sexual saudável. planejamento FaMILIaR É o conjunto de ações que auxilia o casal que deseja ter filho ou prevenir

Leia mais

CAPÍTULO 1 AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros. 1 Definição:

CAPÍTULO 1 AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL. Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros. 1 Definição: CAPÍTULO 1 1 Definição: AVALIAÇÃO BÁSICA DA INFERTILIDADE CONJUGAL Adner Nobre Elfie Tomaz Figueiredo Francisco C Medeiros Incapacidade de engravidar após 12 meses ou mais de relações sexuais regulares

Leia mais

GUIA COMPLETO SOBRE REPRODUÇÃO ASSISTIDA

GUIA COMPLETO SOBRE REPRODUÇÃO ASSISTIDA GUIA COMPLETO SOBRE REPRODUÇÃO ASSISTIDA 03 Introdução 20 Principais dúvidas sobre o assunto 06 O que é reprodução assistida 26 Conclusão 08 Quais os tipos de técnicas existentes?1 28 Sobre o Dr. Matheus

Leia mais

DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER

DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER Universidade Federal do Maranhão MESTRADO: SAÚDE DO ADULTO E DA CRIANÇA DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER MÓDULO: MECANISMO DA CARCINOGÊNESE DO HPV NAS LESÕES CERVICO-VAGINAIS 3ª Etapa - CITOLOGIA HORMONAL Prof.

Leia mais

FELLOWSHIP EM REPRODUÇÃO HUMANA E ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA

FELLOWSHIP EM REPRODUÇÃO HUMANA E ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA FELLOWSHIP EM REPRODUÇÃO HUMANA E ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA 2017 FELLOWSHIP EM REPRODUÇÃO HUMANA E ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 2017 SUMÁRIO Página 1. Introdução 04 2. Objetivo geral. 04

Leia mais

Anovulação. Profª. Keyla Ruzi

Anovulação. Profª. Keyla Ruzi Anovulação Profª. Keyla Ruzi Síndrome da Anovulação Crônica Caracteriza-se pela ausência persistente de ovulação. 15 a 20% da população feminina em idade fértil. Pode ocorrer em condições fisiológicas

Leia mais

ORGANIZADOR. Página 1 de 6

ORGANIZADOR. Página 1 de 6 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 Página de 6 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 07 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA ) Mulher de 6 anos, com prole constituída, optou por método contraceptivo cirúrgico. Após avaliar o caso, o médico

Leia mais

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 18 MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO 1. INTRODUçãO Leiomiomas uterinos são os tumores mais frequentes do trato genital feminino, clinicamente aparentes em 25% das

Leia mais

O Homem Infértil: Novas Perspectivas de Tratamento

O Homem Infértil: Novas Perspectivas de Tratamento O Homem Infértil: Novas Perspectivas de Tratamento Luís Ferraz Serviço de Urologia. Unidade de Andrologia Centro Hospitalar de V.N.de Gaia/Espinho EPE Infertilidade Conjugal por Factor masculino A natalidade

Leia mais

CONCEBER. Guia para profissionais e pessoas com problemas de fertilidade

CONCEBER. Guia para profissionais e pessoas com problemas de fertilidade CONCEBER Guia para profissionais e pessoas com problemas de fertilidade Ficha Técnica Título: Osíris Conceber - Guia para profissionais e pessoas com problemas de fertilidade Coordenação: Duarte Vilar/

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia

Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia Sistema reprodutor masculino e feminino: origem, organização geral e histologia CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Profa. Msc. Ângela Cristina Ito Sistema reprodutor

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. DISCIPLINA: Ciências da natureza SÉRIE: 8º. ALUNO(a):

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. DISCIPLINA: Ciências da natureza SÉRIE: 8º. ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2016 No Anhanguera você é + PROFESSOR: Mário Neto DISCIPLINA: Ciências da natureza SÉRIE: 8º ALUNO(a): Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

24ª Jornada de Obstetrícia e Ginecologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo 10 a 12 de junho de 2010

24ª Jornada de Obstetrícia e Ginecologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo 10 a 12 de junho de 2010 24ª Jornada de e Ginecologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo 10 a 12 de junho de 2010 Centro de Convenções Rebouças São Paulo Centro de Estudos Ayres Netto Condutas em Ginecologia e (10/3/2010)

Leia mais

Glândulas suprarrenais

Glândulas suprarrenais Estudo Imagiológico gico do Abdómen 16 -Glândulas suprarrenais Meios de estudo Principais aplicações clínicas 17-Aparelho genital Meios de estudo Principais aplicações clínicas Próstata, vesículas seminais

Leia mais

a) Espermograma de alta magnificação:

a) Espermograma de alta magnificação: Novos exames avaliam a fertilidade masculina Infelizmente, ainda existe uma tendência de as pessoas culparem as mulheres por não conseguirem a concepção naturalmente; por seus óvulos problemáticos, seu

Leia mais

ENDOMETRIOSE. marcoams - inomed

ENDOMETRIOSE. marcoams - inomed ENDOMETRIOSE CONCEITO Ectopia do tecido endometrial funcionante (glandular e/ou estroma) Souza,mam Incidência 10 a 15 % idade reprodutiva Mulheres inférteis 25 a 30% Mulheres assintomáticas 1 e 2 % Infertil

Leia mais

Unidade 1. jcmorais 09

Unidade 1. jcmorais 09 Unidade 1 jcmorais 09 Actualmente possuímos conhecimentos e técnicas capazes de controlar a fertilidade, de modo a: Diminuir a fertilidade humana Aumentar a fertilidade humana Contracepção e métodos contraceptivos

Leia mais

Eixo hipotalamico-hipofisario-gonadal na femea Funcoes dos hormonios Organizacao das gonadas e desenvolvimento folicular Ciclo estral da vaca

Eixo hipotalamico-hipofisario-gonadal na femea Funcoes dos hormonios Organizacao das gonadas e desenvolvimento folicular Ciclo estral da vaca Topicos Eixo hipotalamico-hipofisario-gonadal na femea Funcoes dos hormonios Organizacao das gonadas e desenvolvimento folicular Ciclo estral da vaca Fertilizacao e desenvolvimento embrionario Cerebro

Leia mais

a) Fecundação é a união do óvulo com o espermatozóide e ocorre no útero. d)...

a) Fecundação é a união do óvulo com o espermatozóide e ocorre no útero. d)... EXERCICIO DE REVISÃO (8º ano ) Data: 17-10-17 1)Reescreva as frases com afirmações falsas, corrigindo-as. a) Fecundação é a união do óvulo com o espermatozóide e ocorre no útero. b) O útero se liga aos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P1-4º BIMESTRE 8º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Identificar as principais mudanças pelas quais o indivíduo passa

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 2 3 4 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES

HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES HISTEROSCOPIA CIRÚRGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA INDICAÇÕES DGO USP RIB PRETO HISTEROSCOPIA CIRURGICA COMO ALTERNATIVA À HISTERECTOMIA Histerectomia Taxas excessivamente altas em alguns países

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Conheça algumas doenças tipicamente femininas

Conheça algumas doenças tipicamente femininas Uol - SP 03/12/2014-11:51 Conheça algumas doenças tipicamente femininas Da Redação ANSIEDADE: este transtorno mental é caracterizado por preocupações, tensões ou medos exagerados, sensação contínua de

Leia mais

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho

TUMOR DO TESTÍCULO E INFERTILIDADE. Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho Rui Amorim Serviço Urologia - CHVN Gaia/Espinho TUMOR DO TESTÍCULO 10 / 100 000 homens entre os 20 e os 54 anos aumento da incidência nas últimas décadas Neoplasia sólida mais comum nos homens entre os

Leia mais

O exame de sangue mostrou: Taxas de testosterona muito elevadas, o que confirma o aumento do desejo sexual,

O exame de sangue mostrou: Taxas de testosterona muito elevadas, o que confirma o aumento do desejo sexual, 18 e 19 semanas DESEJO - Sentimento que deve ser forte Tivemos outra roda de gestantes na clínica GERAR, dessa vez com o tema: Desejo e moderada pela professora e psicanalista Dra Claudia Murta; ela apresentou,

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR HUMANO. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II

SISTEMA REPRODUTOR HUMANO. Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II SISTEMA REPRODUTOR HUMANO Prof. Me. Cristino Rêgo 8º ANO Ensino Fundamental II SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO FUNÇÕES BÁSICAS Produção de gametas (espermatogênese) Produção de hormônio (testosterona) Condução

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS.

GAMETOGÊNESE. Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. GAMETOGÊNESE 1 GAMETOGÊNESE Processo de formação e desenvolvimento das células germinativas especializadas OS GAMETAS. Gameta masculino Espermatozóide. Gameta feminino Ovócito. Os gametas possuem metade

Leia mais

Metformina no primeiro trimestre. Dra Isabel L A Corrêa

Metformina no primeiro trimestre. Dra Isabel L A Corrêa Metformina no primeiro trimestre da gestação-pode? Dra Isabel L A Corrêa Porque usar Metformina na gestação?? Diminuir taxa de abortamento em pacientes com Síndrome dos Ovários Policísticos ( SOP)? Diminuir

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES RESULTADOS

PERGUNTAS FREQUENTES RESULTADOS PERGUNTAS FREQUENTES RESULTADOS ÍNDICE Quando devo fazer os testes de diagnóstico de gravidez? Quais as chances de gêmeos? E de trigêmeos? Page 3 Page 5 Quando termina o tratamento? Page 7 Onde e com quem

Leia mais

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?.

2) Observe o esquema. Depois, seguindo a numeração, responda às questões. C) Onde a urina é armazenada antes de ser eliminada do corpo?. Professor: Altemar Santos. Exercícios sobre os sistemas urinário (excretor), reprodutores masculino e feminino e fecundação para o 8º ano do ensino fundamental. 1) Analise o esquema: Identifica-se pelas

Leia mais

TIPOS DE CISTOS DE OVÁRIOS E A INTERVENÇÃO DA ENFERMAGEM

TIPOS DE CISTOS DE OVÁRIOS E A INTERVENÇÃO DA ENFERMAGEM TIPOS DE CISTOS DE OVÁRIOS E A INTERVENÇÃO DA ENFERMAGEM Maria Aparecida Colleta Gois¹ Orientadora: Me Márcia Féldreman Nunes Gonzaga² RESUMO Os cistos de ovários dependem das influências hormonais, podem

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência A anticoncepção hormonal de emergência é um método que utiliza concentração de hormônios para evitar gravidez após a

Leia mais

PLANO DE CURSO. MÓDULO: Saúde Materno Infantil I CARGA HORÁRIA: 140 horas/aula CRÉDITOS: 07 6º PERÍODO - SEMESTRE:

PLANO DE CURSO. MÓDULO: Saúde Materno Infantil I CARGA HORÁRIA: 140 horas/aula CRÉDITOS: 07 6º PERÍODO - SEMESTRE: 1 FACULDADE DE MEDICINA NOVA ESPERANÇA Reconhecida pelo MEC: Portaria nº 1.084, de 28 de dezembro 2007, publicada no DOU de 31 de dezembro de 2007, página 36, seção 1. PLANO DE CURSO MÓDULO: Saúde Materno

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira

SISTEMA REPRODUTOR. Profª Talita Silva Pereira SISTEMA REPRODUTOR Profª Talita Silva Pereira O sistema reprodutor masculino é formado: Testículos Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente, uretra. Pênis e Escroto Glândulas anexas: próstata, vesículas

Leia mais

Sistema reprodutor feminino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR

Sistema reprodutor feminino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Sistema reprodutor feminino: função, anatomia e aspectos fisiopatológicos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, LOCOMOTOR E REPRODUTOR Profa. Msc. Ângela Cristina Ito Sistema reprodutor feminino

Leia mais

Métodos anticoncepcionais

Métodos anticoncepcionais Métodos anticoncepcionais Métodos anticoncepcionais A partir da puberdade, o organismo dos rapazes e das garotas se torna capaz de gerar filhos. Mas ter filhos é uma decisão muito séria. Cuidar de uma

Leia mais

Sistema Reprodutor Humano

Sistema Reprodutor Humano Agradecimento: Ao Professor Paulo Roberto que disponibilizou esta aula: http://pt.slideshare.net/biologia_ PreFederal/aula-sistemareprodutor-14165294 Muito Obrigado! Introdução O sistema reprodutor humano

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO

PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO PERGUNTAS FREQUENTES DIAGNÓSTICO ÍNDICE Qual Médico devo procurar para fazer o diagnóstico da causa? Será que o meu Médico está habilitado para indicar os exames e realizar o diagnóstico para nós dois?

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 8º

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Mário Neto. DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 8º GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Mário Neto DISCIPLINA: Ciências da Natureza SÉRIE: 8º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: FreD. DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: FreD. DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental a

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES TRATAMENTO

PERGUNTAS FREQUENTES TRATAMENTO PERGUNTAS FREQUENTES TRATAMENTO ÍNDICE Temos que iniciar o tratamento a seguir ou poderemos continuar tentando com melhora no relacionamento sexual? Page 4 Qual a diferença entre Inseminação Artificial

Leia mais

RELATO DE CASO: METAPLASIA ÓSSEA DO ENDOMÉTRIO

RELATO DE CASO: METAPLASIA ÓSSEA DO ENDOMÉTRIO CASE REPORT RELATO DE CASO: METAPLASIA ÓSSEA DO ENDOMÉTRIO Renata Moreira Marques Passos 1 Stephanie Yuka Matwijszyn Nagano 1, Micael Cruz Santana 1 e Virgílio Ribeiro Guedes 2 RESUMO A metaplasia óssea

Leia mais

Reprodução, sistema genital, ontogênese

Reprodução, sistema genital, ontogênese 4 Ciclo reprodutor feminino e métodos contraceptivos 4.1 Introdução 4.2 O ciclo reprodutor feminino 4.3 O controle hormonal do ciclo reprodutor feminino 4.4 Métodos contraceptivos 4.4.1 Métodos de barreira

Leia mais

Endometriose: Diagnóstico e Tratamento

Endometriose: Diagnóstico e Tratamento Endometriose: Diagnóstico e Tratamento Alysson Zanatta Diretor de Comunicação, Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Doutor em Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade de São

Leia mais