Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR"

Transcrição

1 Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Diretora: Liana Maria da Frota Carleial Diretor-Adjunto: Bruno de Oliveira Cruz 1

2 DIRUR/IPEA Estudos Regionais Desenvolve estudos e pesquisas sobre a dinâmica regional brasileira e a distribuição espacial de renda e emprego; estuda também o padrão localizacional das empresas e o padrão da divisão inter-regional do trabalho no Brasil com vistas a sugerir estratégias e instrumentos que reduzam a desigualdade socioeconômica regional brasileira. Linhas de Pesquisa: - Dinâmica Regional; - Modelos de Análise Regional; - Especialização Regional. - Emprego no Turismo 2

3 DIRUR/IPEA Estudos Regionais 3

4 DIRUR/IPEA Estudos Regionais Concentração da atividade econômica no mundo Cinco prefeituras do Japão produzem 29% do PIB do Leste Asiático, apesar de equivalerem a apenas 0,18% do seu território. A região metropolitana de Paris produz 30% do PIB francês. 33,4% do PIB brasileiro é produzido no Estado de SP. Cerca de metade apenas na região metropolitana de SP, menos de um milésimo do território nacional. 4

5 DIRUR/IPEA Estudos Regionais Algumas definições de problemas regional A distribuição espacial dos setores não é semelhante através das regiões; Atividade econômica aglomerada em regiões; Desigualdade regional nos indicadores sociais; Regiões outrora dinâmicas ficaram para trás; Indivíduos semelhantes com remunerações distintas; Indivíduos semelhantes com bem-estar distinto. 5

6 DIRUR/IPEA Desenvolvimento Urbano Realiza estudos para subsidiar a formulação e aperfeiçoamento de políticas públicas p urbanas e metropolitanas, a proposição de instrumentos de planejamento, gestão urbana, infraestrutura econômica urbana e de regularização da ocupação do solo urbano. Linhas de Pesquisa: Rede Urbana do Brasil e da América do Sul; Instrumento de Gestão Urbana; Urbanização informal; Gestão Metropolitana; Infraestrutura econômica urbana; Cidades médias. m 6

7 DIRUR/IPEA Estudos Setoriais Urbanos Estuda os processos de desigualdade sócios cio-espacial na estrutura interna das cidades, articulando a política de desenvolvimento urbano e as políticas setoriais de habitação, saneamento, meio ambiente, mobilidade e infraestrutura urbana. Linhas de pesquisa: Habitação (interesse social, de mercado, financiamento habitacional, assentamentos precários rios e segregação espacial); Saneamento Básico B e Meio Ambiente Urbano (água,( esgoto, resíduos sólidos, s área de risco); Indicadores Urbanos e Habitacionais; Transporte e Mobilidade Urbana; Acompanhamento de Programas e Políticas Governamentais; Acompanhamento de agendas internacionais na área urbana( Habitat, ODM, Direito à moradia). 7

8 DIRUR/IPEA Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Desenvolve estudos e pesquisas em meio ambiente e desenvolvimento sustentável, fornecendo subsídios para a formulação, acompanhamento e avaliação das políticas públicas na área ambiental. Linha de Pesquisa: - A problemática ambiental brasileira; - Mudanças as Climáticas; - Valoração Ambiental; - Economia da Energia - Serviços ecossistêmicos. 8

9 DIRUR/IPEA Desenvolvimento Federativo Analisa e estuda o desenho federativo brasileiro com vista a sugerir mudanças as que promovam o desenvolvimento sócios cio-econômico do Brasil. Linhas de pesquisa: Finanças as Subnacionais; Financiamento do Desenvolvimento; Eficiência corporativa da Gestão PúblicaP 9

10 Mobilidade urbana Impactos econômicos e sociais Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador Ipea 10

11 Radiografia do sistema de mobilidade urbana no Brasil: Frota de automóveis: 28 milhões Frota de motocicletas: 9 milhões Frota de ônibus urbanos e metropolitanos: bilhões de passageiros/ano dos sistemas pneus 1,2 bilhões de passageiros/ano transportados sist. trilhos Receita anual total: R$ 35 bilhões (Cerca de 1,2% PIB) Empregos diretos do transporte público urbano:

12 Radiografia do sistema de mobilidade urbana no Brasil: Distribuição modal dos deslocamentos urbanos 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 41% 27% 3% 26% Brasil 3% 35% 28% 6% 30% 2% Acima % 32% 2% 46% 27% 0% 0% 24% 23% 500 mil a 1 mi 250 mil a 500 mil 3% 52% 55% 23% 5% 19% 0% 0% 20% 20% 100 mil a mil 60 mil a 100mil 6% Não motorizado Moto Auto Trilhos TC Pneus Quanto menor a cidade maiores os deslocamentos não motorizados e os deslocamentos por moto Quanto menor a cidade menores os deslocamentos por carro e também TPC Fonte: ANTP 12

13 Radiografia do sistema de mobilidade urbana no Brasil: Deslocamentos urbanos por modo 60% 52% 55% 50% 42% 46% 40% 30% 35% 29% 36% 34% 30% 28% 25% Coletivo Individual Não motorizado 20% 24% 23% 20% 20% 10% 0% Acima mil a 1 mi 250 mil a 500 mil 100 mil a mil 60 mil a 100mil Fonte ANTP 13

14 Radiografia do sistema de mobilidade urbana no Brasil: Ocorrência transp. Metroferroviário e hidroviário - Cidades brasileiras (%) Total municípios Mais de De a De a De a ,5 0,3 1,3 3,4 0,3 1,2 10,5 15, , ,7 37,8 45,3 barco trem metrô poucos sistemas metroferroviários no Brasil 15 sistemas restritos apenas a 12 RM s De a De a Até ,2 0,6 7,4 0,3 4 0, Sistema hidroviário mais concentrado no norte do país e cidades litorâneas Fonte: Munic/IBGE 14

15 Radiografia do sistema de mobilidade urbana no Brasil: Sistemas de ônibus (urbanos e metropolitanos) apresentam maior ocorrência nas cidades brasileiras Mais da metade dos municípios apresentam sistemas alternativos de transporte público mototáxis e vans Ocorrência transp. coletivo rodoviário - Cidades brasileiras (%) Até De a De a De a ,1 42,3 78,2 47,2 55,8 79,7 60,2 64,8 82,3 70,4 74,4 88,3 69,9 De a ,6 55,5 De a ,8 99,4 48,6 Mais de ,7 Total municípios 59,9 83,5 mototáxi van ônibus Fonte: Munic/IBGE Fonte: Munic/IBGE 15

16 Alterações do padrão de mobilidade urbana O que vem acontecendo com a mobilidade urbana nos últimos anos? 16

17 Alterações do padrão de mobilidade urbana Vendas de autos e motos x Pas. Transp. bus Índice (1998=100) Venda de motos Venda de automóveis Passageiros transp. nos ônibus* Vendas de autos e motocicletas Taxa anual de crescimento (%) Autos 9% aa. Motos 19% aa. PIB 4% aa. Fonte: Anfavea, abraciclo e NTU * Capitais brasileiras Autos Motos Pas. Transp. bus Vendas de autos e principalmente motocicletas aumentaram muito nos últimos 10 anos ao mesmo tempo que o volume de passageiros transportados nos sistemas de ônibus caiu 17

18 Alterações do padrão de mobilidade urbana A cultura do automóvel no Brasil: 2,00 Preço veículos transporte individual x tarifa bus Deflator IPCA Pesquisa Ibope em SP(2009): índice (set 92=1) 1,80 1,60 1,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 set/92 set/93 set/94 set/95 set/96 set/97 set/98 set/99 set/00 set/01 set/02 set/03 set/04 set/05 set/06 set/07 set/08 Tarifa de ônibus Carros novos Motos 50% domicílios possuem automóvel 30% destes adquiriram no último ano 46% destes usam todos os dias 18

19 O QUE VEM OCORRENDO COM O SISTEMA DE MOBILIDADE URBANA NOS ÚLTIMOS ANOS? Quais os impactos negativos desse novo padrão de mobilidade? % Individual Coletivo 30 29, , , Fonte: ANTP Aumento acidentes Aumento congestionamentos urbanos Grandes iniquidades no uso do espaço público Aumento da Poluição Consumo exagerado de combustíveis Perda de desempenho do transporte público Aumento dos gastos familiares com transporte 19

20 MORTES POR ACIDENTES DE TRANSPORTE TERRESTRE Brasil: Mortes por acidentes transporte Evolução das Mortes no Trânsito Outros 30% Pedestres 26% Mortes Automóvel 22% Motociclistas 22% Fonte: Datasus Pedestres Motociclistas Automóvel Outros Total Pará: População representa 3,9% da pop. País 2,8% das mortes com transporte terrestre do Brasil (1071 mortes em 2007) Pedestres: 39% mortes Motociclistas: 23% das mortes 20

21 Pesquisa sobre custos de acidentes nas aglomerações urbanas - Ipea/Denatran/ANTP Graficos: Custos dos acidentes nas aglomerações urbanas por tipo e veículo Custo total anual em abr/03: R$ 5,3 bilhões A preços de hoje equivaleria a R$ 7,2 bi por ano 21

22 Pesquisa sobre custos de acidentes Ipea/Denatran/ANTP Graficos: Custos de cada acidente nas aglomerações urbanas ,00 hoje Pará: R$200 milhões por ano Percentual de veículos envolvidos em acidentes com e sem vítimas 22

23 POLUIÇÃO Poluentes Globais: Emissões de CO2 GEE (mil toneladas/ano) Emissões metrô = 1 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 Índice emissões de CO2 por passageiro quilômetro (Brasil) Transporte de passageiros 1,0 3,7 31,3 16,2 Metrô ônibus Automóvel** Motocicleta 23

24 POLUIÇÃO Poluentes Locais: Emissões de CO2 GEE (mil toneladas/ano) Contribuição relativa das fontes poluição AR - RMSP % 2,57 3,15 4,24 0,54 16,33 14, % 60% 24,2 15,06 78,84 58,4 25 Aerossóis Ressuspensão Indústria 40% 20% 56,9 67,73 1,37 18, ,53 28,31 Motocicleta Veículos diesel Automóvel 0% 21,28 16,38 10,16 CO HC NOx SOx MP 24

25 Quais os impactos negativos desse novo padrão de mobilidade? USO DA VIA POR VEÍCULOS E PESSOAS - Média Global - Iniqüidades: (%) 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 58,3 20,5 24,6 68,7 7,6 7,9 9,6 Autom óvel Ônibus Lotação Outros Volume Véiculos Volume Pessoas 2,6 Transporte coletivo atende 70% das pessoas nos corredores e fica confinado em pouco mais de 20% do espaço viário Carro - inverso Fonte: Pesquisa Corredores de ônibus - CNT 25

26 Quais os impactos negativos desse novo padrão de mobilidade? 1 ônibus = 50 carros 26

27 Alterações do padrão de mobilidade urbana EUA Europa 27

28 Quais os impactos negativos desse novo padrão de mobilidade? Tempo médio de deslocamento casa-trabalho (minutos) Brasil M etropolitano Brasília Porto Alegre Curitiba São Paulo Rio de Janeiro Belo Horizonte Salvador Recife Fortaleza Belém Pessoas que gastam mais de 1h no deslocamento casa-trabalho (%) Brasil Metropolitano Brasília Porto Alegre Curitiba São Paulo Rio de Janeiro Belo Horizonte Salvador Recife Fortaleza Belém Tempos de viagem Aumento do tempo médio dos deslocamentos metropolitanos casatrabalho nos últimos 15 anos Aumento da proporção de trabalhadores que gastam mais de 1 hora no deslocamento casatrabalho Aumento dos tempos de viagens dos ônibus urbanos (Pesquisa Ipea sobre congestionamentos) 0% 5% 10% 15% 20% 25% Fonte: Pnad/IBGE 28

29 Por que os sistemas de ônibus vêm perdendo passageiros pagante? - Aumento da competição no mercado - Aumento dos custos fora da capacidade de pagamento (affordability) Inpc x tarifa ônibus urbano índice(dez/93=100) INPC Tarifa bus - indice set/92 set/94 set/96 set/98 set/00 set/02 set/04 set/06 set/08 Mês Fonte: IBGE 29

30 Por que os sistemas de ônibus vêm perdendo passageiros pagante? Tarifa de ônibus x Renda per capita média O preços dos sistemas de transporte público vem subindo sistematicamente acima da inflação (IPCA). Durante os períodos de queda renda houve queda acentuada da demanda 2,1 1,9 1,7 1,5 1,3 1,1 0,9 0,7 0,5 set/92 set/93 set/94 set/95 set/96 set/97 set/98 set/99 set/00 set/01 set/02 set/03 set/04 Taxa (1992=1) set/05 set/06 set/07 Tarifa bus Renda per capita Renda 40% pobres PT Fonte: IBGE 30

31 Por que as tarifas sobem tanto? CT Tar C km IPKe Km Pe CT Pe Planilha Geipot (referência) Km 31

32 Por que as tarifas sobem tanto? Preços dos insumos (%) 90,0 75,0 60,0 45,0 30,0 15,0 0,0-15,0 Variação real dos preços dos principais insumos do TPU 1999 a Deflator IPCA 23,8 72,5 Pneu e câmara-de-ar Óleo diesel Salários Veículos -3,9 45,5 Forte aumento dos preços dos principais insumos (diesel, pneus e veículos) Diesel impacto biodiesel e S50 32

33 Por que as tarifas sobem tanto? Carga tributária excessiva Diretos TRIBUTOS FEDERAIS TRIBUTOS E TAXAS MUNICIPAIS ENCARGOS SOCIAIS 3,65% 8% 10,28% Indiretos (principais) ICMS sobre óleo diesel ICMS sobre veículos Cide e Pis/Cofins sobre óleo diesel TOTAL 4,5% 1,2% 3,75% 31,38% Fonte: NTU 33

34 Gratuidades no transporte urbano Categoria Estudantes Gratuitos em geral TOTAL Ocorrência média 20 % 14 % 34 % Impactos s/ tarifa 8 % 12 % 20 % Tarifa poderia ser 20% mais barata se houvesse fontes extra tarifárias Quem paga por isso são os usuários de baixa renda Gratuidade do idoso tende a aumentar bastante: - > expectativa de vida - envelhecimento da pop. Governo criou fator previdenciário para corrigir as distorções. E o transporte? Gratuidade tem que ser financiada por programas federais de assistência ao idoso? 34

35 Gratuidades no transporte urbano Fonte: NTU 35

36 Subsídios para o transporte Subsídios tarifários ao transporte público Porcentagem da tarifa paga pelos usuários nas cidades européias Roma 10% Amsterdã 25% Atenas 27% Bruxelas 33% Paris 33% Estocolmo 34% Viena 40% Frankfurt 45% Brasil 100% com exceção de SP Obs: O VT responde por cerca de 40% da receita (subsídio ao usuário pelo empregador) 36

37 Subsídios para o transporte Transporte individual: Transporte público: Tipo de subsídio Aquisição Estacionamento gratuito na via pública Total Bilhões R$/ano 1,5 a 7,1 7,0 8,5 a 14,1 Tipo de subsídio 1 Subsídio (10 6 R$/ano) Min Max Aquisição de ônibus novos Custos operacionais das ferrovias urbanas Total Total: Modo de transporte Automóvel Transporte público Total Subsídio R$ bilhões/ano Mínimo Máximo 8,50 14,1 0,98 1,20 12,2 18,02 Parcela (%) Mínimo Máximo 85,9 89,7 9,9 7,

38 Subsídios para o transporte Política de combustíveis: Evolução preços: gasosina x diesel (IPCA) ìndice jul99=1 2 1,8 1,6 1,4 1,2 1 0,8 Gasolina Óleo diesel jul/99 jul/00 jul/01 jul/02 jul/03 jul/04 jul/05 jul/06 jul/07 jul/08 jul/09 O governo federal abriu mão de receita de cerca de R$ 3,00 bilhões/ano com a CIDE para manter o preço da gasolina inalterado. 38

39 Crise do transporte público urbano Aumento preços dos insumos TPU Incentivo ao transporte individual Perda demanda Redução receita Aumento custo/pas Queda de produtividade e rentabilidade Desequilíbrio econômico-financeiro Aumento tarifa TPU Perda de qualidade e competitividade TPU Aumento do transporte individual Mais congestionamento, poluição, acidentes e desigualdades urbanas 39

40 Dinâmica populacional x transporte urbano Há interiorização do Brasil? As cidades de médio porte crescem mais do que as de grande porte? O que está acontecendo com as metrópoles? Quais as consequências disso para os sistemas de mobilidade urbana? 40

41 Dinâmica populacional x transporte urbano Interiorização ou metropolitanização do Brasil? Crescimento populacional - Brasil Metrópoles (%) ,5 15,6 13,4 10,7 6,7 1991/ /2007 8,2 37 grandes aglomerações urbanas 45% da população 61% da renda nacional Concentração dos problemas de mobilidade urbana no Brasil Metrópoles Demais cidades Total Fonte: Observatório das metrópoles 41

42 Dinâmica populacional x transporte urbano Efeitos sobre o sistema de transportes 35 Crescimento populacional - Brasil Aumento do custo maiores distâncias e movimentos pendulares concentrados (%) ,8 29,7 15,6 13,3 Saturação dos principais corredores de transporte ,8 1991/ /2007 8,2 Exclusão social - imobilidade Núcleos metropolitanos Periferia metropolitana Total 42

43 Políticas públicas Priorização do transporte público em detrimento do privado - Restrição a posse(?) e uso do transporte privado Redução do custo transporte publico -Tributos -Gratuidades - Subsídios aos mais pobres (VT e VT social) Financiamento de infra-estrutura e equipamentos -PAC -CIDE - Expansão e Melhoria da qualidade - Evolução tecnológica - Acessibilidade Matriz energética do transporte Preços combustíveis - Incentivos ao uso de energia limpa 43

44 MUITO OBRIGADO!!!!! 44

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Mobilidade na RMSP 2. Integração

Leia mais

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Contexto 1.1. Situação atual da Mobilidade Urbana; 1.2. Manifestações:

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2011 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2011 Dezembro/2012 Relatório Geral 2011 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 28 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU

Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU DESONERAÇÃO DOS CUSTOS DAS TARIFAS DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO E DE CARACTERÍSTICA URBANA Abril/2009 1. APRESENTAÇÃO O setor de transporte público

Leia mais

URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com.

URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com. URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com.br Tel: 55-41-320 3232 Fax: 55-41-232 9475 PLANEJAMENTO, GERENCIAMENTO E

Leia mais

FINANCIAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO NO BRASIL FINANCIAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO URBANO NO BRASIL Expositor: Otávio Cunha Filho 1 Financiamento transporte: contexto histórico Historicamente os investimentos privados se concentraram na compra de veículos

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Márcio Holland Secretário de Política Econômica Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Brasília, 19 de maio de 2014 2 Por que investimentos

Leia mais

Comunicados do Ipea Nº 94. Série Eixos do Desenvolvimento Brasileiro

Comunicados do Ipea Nº 94. Série Eixos do Desenvolvimento Brasileiro Série Eixos do Desenvolvimento Brasileiro Nº 94 Infraestrutura Social e Urbana no Brasil subsídios para uma agenda de pesquisa e formulação de políticas públicas A mobilidade urbana no Brasil Comunicados

Leia mais

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE Jilmar Tatto Secretário municipal de transportes GERENCIAMENTO DA DEMANDA DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE URBANA E TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO SÃO PAULO

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO

RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO RECURSOS HUMANOS PARA O SETOR METROFERROVIÁRIO Módulo I Apresentação do Setor Engº Henrique José Boneti TIISA SA MATRIZ de TRANSPORTES de CARGA Ano 2000 (%)* Ano 2006 (%)** PNLT 2023 Rodoviário 60,49 58

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

Tendências e desafios da mobilidade urbana no Brasil

Tendências e desafios da mobilidade urbana no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 586 Tendências e desafios da mobilidade urbana no Brasil Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho* e Rogério Boueri Miranda ** Fórum Nacional (Sessão Especial) Visões do Desenvolvimento

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Proposta de Plano de Trabalho Plano Setorial de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas OBJETIVOS Ministério das Cidades Estimar as emissões de gases de efeito estufa (GEEs) e os locais (GELs) produzidos

Leia mais

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade CIDOB AECID EL BRASIL DESPUES DE LULA. Éxitos y desafíos en la reducción de la pobreza y el liderazgo regional Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade Lena LAVINAS Instituto

Leia mais

Perspectivas para o Setor

Perspectivas para o Setor Perspectivas para o Setor André Dantas Diretor Técnico São Paulo, 05 de dezembro de 2013 Estrutura da apresentação Contexto; Dados do setor; e Perspectivas. CONTEXTO (O que está acontecendo ao nosso redor?)

Leia mais

MOBILIDADE NA CIDADE INTELIGENTE. ANGELA AMIN Doutoranda EGC/UFSC

MOBILIDADE NA CIDADE INTELIGENTE. ANGELA AMIN Doutoranda EGC/UFSC MOBILIDADE NA CIDADE INTELIGENTE ANGELA AMIN Doutoranda EGC/UFSC 3 Desde o fim de 2010, 50,5% da população mundial está nas Cidades No Brasil 85% dos domicílios estão em áreas urbanas Que Cidades queremos?

Leia mais

de Vasconcellos, Eduardo Alcântara; de Carvalho, Carlos Henrique Ribeiro; Pereira, Rafael Henrique Moraes

de Vasconcellos, Eduardo Alcântara; de Carvalho, Carlos Henrique Ribeiro; Pereira, Rafael Henrique Moraes econstor www.econstor.eu Der Open-Access-Publikationsserver der ZBW Leibniz-Informationszentrum Wirtschaft The Open Access Publication Server of the ZBW Leibniz Information Centre for Economics de Vasconcellos,

Leia mais

Boas práticas para Mobilidade Urbana

Boas práticas para Mobilidade Urbana Boas práticas para Mobilidade Urbana PAC para Mobilidade - EMBARQ Otávio Vieira Cunha, Presidente da Diretoria Executiva Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU Brasília, 28 de Novembro

Leia mais

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12 MOBILIDADE (e ACESSIBILIDADE) URBANA NO CONTEXTO DO PLANO ESTRATÉGICO SP2040 Superintendência de Planejamento de Transporte Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa planejamento@sptrans.com.br

Leia mais

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Revisão do Plano Diretor de Belém. 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA, MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE Prefeitura Municipal de Belém Secretaria Municipal de Coordenação Geral do Planejamento e Gestão Revisão do Plano Diretor de Belém (Lei nº 7.603/93) 3ª Audiência Pública Temática Tema: INFRA-ESTRUTURA,

Leia mais

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO ESTRATÉGICO- SP2040 Tema: Política de Estacionamento dos automóveis 09 DE FEVEREIRO DE 2011- AUDITÓRIO DO SEESP-SP PROGRAMAÇÃO Realização: SEESP-SP Quadro geral da

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV Prévio EIV ESTUDOS PARA A REGULAMENTAÇÃO DO EIV NO MUNICÍPIO DE CURITIBA APRESENTAÇÃO AO CONCITIBA 31.05.2012 Coordenação de Uso do Solo IPPUC Prévio Regulamentação IPPUC CONCITIBA 31.05.2012 SUMÁRIO O

Leia mais

Acessibilidade e Mobilidade ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE

Acessibilidade e Mobilidade ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE O Transporte começa quando você sai de Casa A Acessibilidade começa em Casa E o Transporte e a Acessibilidade se encontram ao sair de Casa BARREIRAS URBANAS Calçadas Ruas Passarelas

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) O crescimento global da população vem atingindo índices cada vez maiores nos

Leia mais

O IMPACTO AMBIENTAL DEVIDO A POLÍTICA DE CRESCIMENTO DA FROTA DE VEÍCULOS. Curso de Graduação Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação/UNICAMP

O IMPACTO AMBIENTAL DEVIDO A POLÍTICA DE CRESCIMENTO DA FROTA DE VEÍCULOS. Curso de Graduação Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação/UNICAMP O IMPACTO AMBIENTAL DEVIDO A POLÍTICA DE CRESCIMENTO DA FROTA DE VEÍCULOS AUGUSTO RONCHINI XIMENES 1 ; ALEXANDRE GIRARDELLO MERLI 1* ; EDUARDO MONTEAGUDO DE CAMPOS 1 ; JOÃO VÍCTOR PIÑÓN PEREIRA DIAS 1

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 Agenda Crescimento de Manaus Solução de mobilidade urbana Resumo do projeto do monotrilho Resumo do projeto do BRT Quadro 2 Agenda Crescimento

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010. Análise CEPLAN Recife, 26 de janeiro de 2010. Temas que serão discutidos na Análise Ceplan A conjuntura econômica título em mestre 2010 e perspectivas para 2011 (Brasil, Nordeste, Estados); Informe especial

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Programa: 0252 - CAPTAÇÃO E DIFUSÃO DE NOTÍCIAS Objetivo: Divulgar material jornalístico sobre os atos governamentais nos campos social, político, econômico, educativo,

Leia mais

Propostas para o Plano 500 Pddu e Lous

Propostas para o Plano 500 Pddu e Lous Propostas para o Plano 500 Pddu e Lous Meio Ambiente 1º urbanização das vias públicas e a criação de áreas verdes (praças, bosques, parques) de livre acesso a população 2º Implementação de ação social

Leia mais

PERSPECTIVAS DO INTEGRAÇÃO TERRITORIAL E MAIO/2012

PERSPECTIVAS DO INTEGRAÇÃO TERRITORIAL E MAIO/2012 PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO. INTEGRAÇÃO TERRITORIAL E GESTÃO COMPARTILHADA MAIO/2012 Documento de Contribuição Brasileira à Conferência RIO +20, entre os principais resultados a serem alcançados deverão

Leia mais

Modelo de desenvolvimento brasileiro (Crescimento econômico com inclusão social)

Modelo de desenvolvimento brasileiro (Crescimento econômico com inclusão social) GOVERNO FEDERAL E O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO NORTE Esther Bemerguy de Albuquerque SPI / MP Manaus, Maio de 2014 Modelo de desenvolvimento brasileiro (Crescimento econômico com inclusão social) Objetivos

Leia mais

ortland: Uma Cidade de Intenções Papel de Planejamento e Operações Metropolitanos de Transportes

ortland: Uma Cidade de Intenções Papel de Planejamento e Operações Metropolitanos de Transportes ortland: Uma Cidade de Intenções Papel de Planejamento e Operações Metropolitanos de Transportes Desde mais que 100 anos atrás, transportes não automobilísticos são importantes no desenvolvimento de Portland

Leia mais

Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Mobilidade Urbana em Belo Horizonte BHTRANS Marcelo Cintra do Amaral Gerente de Coordenação de Mobilidade Urbana - COMU PREFEITURA BH Belo Horizonte 1ª capital planejada do país - 12/12/1897 Previsão inicial

Leia mais

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013)

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Viçosa Minas Gerais Junho de 2013 1 DEMOGRAFIA BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA TABELA 1 Evolução

Leia mais

Segue uma imagem que traduz a PNMU 12.587 / 2015, art.6º

Segue uma imagem que traduz a PNMU 12.587 / 2015, art.6º Segue uma imagem que traduz a PNMU 12.587 / 2015, art.6º fonte: ITDP Brasil fonte: WRI Brasil / EMBARQ Brasil A Bicicleta no Brasil Daniel Guth No início do Século XX, na América Latina, as bicicletas

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA

AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA Junho/2015 O que é BRT? O que é BRT? 1) Faixas ou vias separadas e exclusivas Guangzhou (China) O que é BRT? 2) Tratamento prioritário nas interseções Cidade

Leia mais

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional - A arrecadação municipal (transferências estaduais e federais) vem crescendo abaixo das expectativas desde 2013. A previsão

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Desigualdade e Pobreza no Brasil Metropolitano Durante a Crise Internacional: Primeiros COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Brasília, 4 de agosto de 2009 Brasil:

Leia mais

DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL

DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL DIRETRIZES URBANAS PARA O DESENVOLVIMENTO HABITACIONAL SUMAC/PECOC CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Governo 21/12/2009 Superintendência de Assistência Técnica e Desenvolvimento Sustentável Introdução

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini)

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) Institui as diretrizes da Política Metropolitana de Mobilidade Urbana (PMMU), cria o Pacto Metropolitano da Mobilidade Urbana

Leia mais

EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos

EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos EMPREGOS VERDES NO BRASIL: quantos são, onde estão e como evoluirão nos próximos anos Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Brasília, 09 de dezembro de 2009 Objetivos do estudo: Ilustrar com o

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM Sistemas Estruturais de Transporte Alta e Média Capacidade Alberto Epifani Gerente de Planejamento e Integração

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 Nº 161 Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 24 de outubro de 2013 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Marcelo Côrtes Neri (interino) Fundação

Leia mais

Gasto Público Total no Brasil

Gasto Público Total no Brasil Gasto Público Total no Brasil Pelos dados do FMI, Brasil tem uma despesa pública total (inclusive juros) de 40% do PIB. GASTO FISCAL NO BRASIL: crescimento e dilemas Econ. Edilson Aguiais Material Disponível

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR

DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR DEMONSTRATIVO DE APROPRIAÇÃO DE CUSTOS DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS DE SALVADOR CONCEITOS Tarifa É o valor cobrado do usuário de um serviço público. É uma decisão governamental, decorrente de uma política

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASTOS BONS AVENIDA DOMINGOS SERTAO 1000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASTOS BONS AVENIDA DOMINGOS SERTAO 1000 PROJETO DE LEI DO PLANO PLURIANUAL Projeto de Lei: Dispoe sobre o Plano Plurianual para o periodo 2015/2018 A CAMARA MUNICIPAL decreta: Art. 1o. Esta lei institui o Plano Plurianual para o quadrienio 2015/2018

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE

METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE METODOLOGIA DE CÁLCULO TARIFÁRIO NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 02 de setembro de 2013. RESOLUÇÃO

Leia mais

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim SUSTENTÁVEL Unidade Senac: Santa Cecília Data: 24/08/2015 Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim Imagem retirada de Debate de Bolso, em http://debatedebolso.com. Creative Commons BY-NC-ND 3.0 Plataforma

Leia mais

Estacionamentos Belo Horizonte

Estacionamentos Belo Horizonte SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO Estacionamentos Belo Horizonte Belo Horizonte, 24 de Janeiro de 2012 Objetivos do encontro de hoje Objetivos Esclarecimento e discussão do projeto junto aos munícipes

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

São Paulo 2022. Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas

São Paulo 2022. Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas São Paulo 2022 Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas Cidade Democrática, participativa e descentralizada Transformando São Paulo pela mudança

Leia mais

2.2 Ambiente Macroeconômico

2.2 Ambiente Macroeconômico Por que Ambiente Macroeconômico? Fundamentos macroeconômicos sólidos reduzem incertezas sobre o futuro e geram confiança para o investidor. A estabilidade de preços é uma condição importante para processos

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003

EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 1 MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Departamento de Cidadania e Inclusão Social EVOLUÇÃO DAS TARIFAS DE ÔNIBUS URBANOS 1994 A 2003 MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTRO

Leia mais

Panorama do transporte de passageiros sobre trilhos no B ra s i l e p e r s p e c t i v a s

Panorama do transporte de passageiros sobre trilhos no B ra s i l e p e r s p e c t i v a s Panorama do transporte de passageiros sobre trilhos no B ra s i l e p e r s p e c t i v a s ROBERTA MARCHESI SUPERINTENDENTE DA ANPTRILHOS PAINEL 6 - Mobilidade urbana: a crescente participação do setor

Leia mais

ANEXO XIII O consumo de carros no país

ANEXO XIII O consumo de carros no país ANEXO XIII O consumo de carros no país 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Leia mais

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA TARIFA E DA RENDA DA POPULAÇÃO SOBRE A DEMANDA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO BRASIL

EFEITOS DA VARIAÇÃO DA TARIFA E DA RENDA DA POPULAÇÃO SOBRE A DEMANDA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO BRASIL 1595 EFEITOS DA VARIAÇÃO DA TARIFA E DA RENDA DA POPULAÇÃO SOBRE A DEMANDA DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO NO BRASIL Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Rafael Henrique Moraes Pereira 1595 TEXTO

Leia mais

Macroeconomia. Diagrama do Fluxo Circular. Entendendo a Economia. Renda e Gastos de Uma Economia. Métodos Para Contar a Economia

Macroeconomia. Diagrama do Fluxo Circular. Entendendo a Economia. Renda e Gastos de Uma Economia. Métodos Para Contar a Economia 22. Medindo a Renda de Uma Nação Macroeconomia Macro: Estudo da economia como um todo. Tem como objetivo explicar as mudanças econômicas que afetam indivíduos, firmas e os mercados. Micro: É o estudo de

Leia mais

a.) Dados de Preços de Insumos a.1.) Insumos Básicos un. Observação - Preço de 1 litro de óleo diesel (R$/l) 1,7224

a.) Dados de Preços de Insumos a.1.) Insumos Básicos un. Observação - Preço de 1 litro de óleo diesel (R$/l) 1,7224 PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - (Dados a.) NOME DA EMPRESA Ano de Referência Período Referencial de Custos Composição dos Dados Básicos - Ano Vigente 2014 - Total de Dias do Ano - Média Concessão 365

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio

ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio ABINEE TEC 2011 3º ENITEE Encontro Nacional de Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica Fomento à Inovação Subvenção, Apoio Tecnológico Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira

Leia mais

Esgotamento do Funding Tradicional?

Esgotamento do Funding Tradicional? Esgotamento do Funding Tradicional? Novos instrumentos vão vigorar no curto prazo? Gueitiro Matsuo Genso 12ª Conferência Internacional da LARES São Paulo 19 a 21 de setembro, 2012 Agenda Relevância no

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO TRANSPORTE METROPOLITANO EM SÃO PAULO Secretaria dos Transportes Metropolitanos Coordenadoria de Planejamento e Gestão CPG Rio de Janeiro - nov/14 Estrutura da Apresentação:

Leia mais

RIO DE JANEIRO INFRA-ESTRUTURA METRO-FERROVIÁRIA EM 2016

RIO DE JANEIRO INFRA-ESTRUTURA METRO-FERROVIÁRIA EM 2016 RIO DE JANEIRO INFRA-ESTRUTURA METRO-FERROVIÁRIA EM 2016 SÃO PAULO, 06/05/13 20 municípios SECRETARIA A REGIÃO METROPOLITANA DO RJ 11,28 milhões de habitantes (11,90 milhões em 2008) 75% do Estado 19 milhões

Leia mais

Integração de Políticas Públicas e seus desafios

Integração de Políticas Públicas e seus desafios Integração de Políticas Públicas e seus desafios Rômulo Paes de Sousa Secretário Executivo do MDS Rio de Janeiro, 5 de agosto de 2011. MODELO PRÉ-SISTÊMICO Transição da Política Pública Baseado em programas

Leia mais

Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável?

Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável? Mobilidade Sustentável em Meio Urbano Quais as medidas para uma mobilidade sustentável? MIEC Porto Novembro 2013 Grupo: 11MC01_1 Supervisor: Sara Ferreira Monitores: André Lopes Christopher Ribeiro Delcio

Leia mais

LEI 5.194/66 - Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo.

LEI 5.194/66 - Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo. LEI 5.194/66 - Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo. Art. 1º As profissões de engenheiro, arquiteto e engenheiro-agrônomo são caracterizadas pelas realizações

Leia mais

Gerência de Monitoramento da Qualidade do Ar e Emissões. Fundação Estadual do Meio Ambiente. Março/2016

Gerência de Monitoramento da Qualidade do Ar e Emissões. Fundação Estadual do Meio Ambiente. Março/2016 Gerência de Monitoramento da Qualidade do Ar e Emissões. Fundação Estadual do Meio Ambiente Março/2016 Gestão da Qualidade do Ar no Estado de Minas Gerais FEAM/GESAR Camadas da Atmosfera 3/22 Qualidade

Leia mais

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O comércio sempre foi considerado como porta de entrada para o mercado de trabalho sendo, assim, um dos principais setores econômicos em termos de absorção da população

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES II CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES PROPOSTAS PRIORITÁRIAS: 1. PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL Criar o Conselho Estadual da cidade e apoiar a criação dos conselhos municipais, de forma paritária, de caráter

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Carlos Eduardo Silva Promotor de Justiça Abr. 2015 Direito à Cidade/Mobilidade Urbana O ambiente

Leia mais

Nº 2. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho. Alexandre Gomide. Rafael Henrique Moraes Pereira

Nº 2. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho. Alexandre Gomide. Rafael Henrique Moraes Pereira Tarifação e financiamento do transporte público urbano Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Alexandre Gomide Rafael Henrique Moraes Pereira Lucas Ferreira Mation Renato Balbim Vicente Correia Lima Neto

Leia mais

Universidade Federal do Ceará 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. Data: 14.12.2009 Duração: 04 horas CORRETOR 1

Universidade Federal do Ceará 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. Data: 14.12.2009 Duração: 04 horas CORRETOR 1 1ª AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL CORRETOR 1 01 02 03 04 05 06 07 08 Reservado à CCV Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Reservado à CCV 2ª ETAPA PROVA ESPECÍFICA

Leia mais

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS ENTRADA DE DADOS - Convenção Coletiva de Trabalho 2013/2014 DATA BASE DA CATEGORIA: 01 de março I - REMUNERAÇÃO

Leia mais

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL

FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL FORUM FPA IDÉIAS PARA O BRASIL Ideias Centrais Metodologia de Construção do Programa Quatro instâncias: 1. Fóruns de discussão regionalizados Um coordenador regional; Espaço de discussão permanente; Diálogo

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Indicadores Sociais Municipais 2010 Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Rio, 16/11/ 2011 Justificativa:

Leia mais

8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre

8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre Gráfico da evolução percentual da tarifa decretada, da tarifa calculada com IPK fixo e do IGPM acumulado desde o Plano Real 8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre Tarifa IPK Ano Mês Var. Var. Tarifa

Leia mais

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas

Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas Mobilidade Urbana em Regiões Metropolitanas SINTRAM Expositor: Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano Rubens Lessa Carvalho REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE HISTÓRICO DO

Leia mais

PESQUISA COM EMPRESÁRIOS

PESQUISA COM EMPRESÁRIOS PESQUISA COM EMPRESÁRIOS OBJETIVO DA PESQUISA AVALIAR A EXPECTATIVA DE VENDAS DOS EMPRESÁRIOS DO COMÉRCIO VAREJISTA DE BELO HORIZONTE PARA O NATAL DE 2015 INFORMAÇÕES METODOLÓGICAS Coleta de dados de 26/10

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

Seminário Espaços Urbanos Seguros

Seminário Espaços Urbanos Seguros Seminário Espaços Urbanos Seguros A atuação da CAIXA e seu impacto no desenvolvimento de cidades sustentáveis Vice-Presidência de Governo Superintendência Nac de Ass Técnica e Desenv Sustentável Jean R.

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI

SONDAGEM ESPECIAL. Exportações ganham importância para indústria brasileira. Comércio Exterior. Opinião CNI Indicadores CNI SONDAGEM ESPECIAL 64 Comércio Exterior Exportações ganham importância para indústria brasileira A queda na demanda doméstica e a desvalorização da moeda estão estimulando o aumento das

Leia mais

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 21/211 Observatório das Metrópoles Elaboração: Juciano Martins Rodrigues Doutor em Urbanismo (PROURB/UFRJ), Pesquisador do INCT

Leia mais

Emissões no Transporte. Fórum de avaliação da atividades do downstream e aspectos ambientais da indústria

Emissões no Transporte. Fórum de avaliação da atividades do downstream e aspectos ambientais da indústria Emissões no Transporte Fórum de avaliação da atividades do downstream e aspectos ambientais da indústria Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Julho de 2009 Redução das Emissões no Transporte

Leia mais

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana PAC 2 SÃO PAULO R$ 241,5 bilhões R$ milhões Eixo 2011-2014 Pós 2014 TOTAL Transportes 55.427 2.169 57.596 Energia 57.578 77.936 135.513 Cidade Melhor

Leia mais

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global

Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global Mercados emergentes precisam fazer mais para continuar a ser os motores do crescimento global de janeiro de 1 Por Min Zhu Em nossa Reunião Anual de outubro de 13, travamos um longo debate sobre as perspectivas

Leia mais

A taxa de motorização nas cidades brasileiras e a questão da mobilidade urbana.

A taxa de motorização nas cidades brasileiras e a questão da mobilidade urbana. 1 A taxa de motorização nas cidades brasileiras e a questão da mobilidade urbana. Mauricio Renato Pina Moreira 1 ; Anísio Brasileiro de Freitas Dourado 2 1 Grande Recife Consórcio de Transporte, Cais de

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais