Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA."

Transcrição

1 São Paulo, Novembro/2013 Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

2 Deslocamentos urbanos no Brasil: tendências recentes Fonte: Ipea com dados da PNAD/IBGE

3 Deslocamentos urbanos no Brasil: tendências recentes Tabela 1 Variação percentual da quantidade de domicílios com posse de automóvel e motocicletas pelas famílias brasileiras 2008 e 2012 Fonte: Ipea com dados da PNAD/IBGE

4 Deslocamentos urbanos no Brasil: tendências recentes Figura 3 Gráfico de dispersão com a posse de veículos x renda per capita média por estado Fonte: Ipea com dados da PNAD/IBGE

5 Gastos das famílias Gastos com transporte urbano - Famílias brasileiras com gastos efetivos no TU ( famílias) Intervalos renda Gastos com transporte urbano (R$) Renda Participação na renda (%) familiar per capita T. público T. privado Total familiar (R$) T. público T. privado Total Até decil 1 54,82 61,34 116,16 532,03 10,30% 11,53% 21,83% Decil ,75 97,14 161,90 917,20 7,06% 10,59% 17,65% Decil ,03 118,74 189, ,42 6,10% 10,19% 16,28% Decil ,82 164,72 248, ,95 5,62% 11,05% 16,67% Decil ,69 213,93 296, ,79 4,78% 12,36% 17,14% Decil ,07 262,23 350, ,56 4,19% 12,47% 16,66% Decil ,47 350,45 439, ,93 3,48% 13,62% 17,09% Decil ,57 454,56 541, ,67 2,67% 14,04% 16,71% Decil ,07 727,52 810, ,59 1,78% 15,58% 17,36% Maior Decil 9 76, , , ,28 0,71% 13,12% 13,83% Total 78,89 427,44 506, ,25 2,46% 13,31% 15,77% Fonte: Elaboração própria com dados da POF/IBGE/2009 O gasto com transporte privado é em média 5 vezes o gastos com TP Famílias comprometem cerca de 15% da renda com o transporte urbano, sendo que os 10% mais pobres comprometem mais de 20% da renda

6 Gastos das famílias Gasto per capita R$ Gráfico: Gastos per capita com transporte urbano - Famílias urbanas das 9 RM s nacionais* com gastos efetivos no TU ( famílias) Até decil 1 Decil 1-2 Decil 2-3 Decil 3-4 Decil 4-5 Decil 5-6 Decil 6-7 Decil 7-8 Decil 8-9 Maior Decil 9 Transp. Coletivo Transp. Individual * PA, CE, PE, BA, MG, SP, RJ, PR, RS Fonte: elaboração própria com dados da POF 2009.

7 Participação TP na economia: tendências Tabela: Peso dos itens de transporte sobre o cálculo do IPCA Fonte: elaboração própria com dados do IPCA/IBGE

8 Políticas de estímulo ao transp. individual Inflação acumulada desde jan/2000 (%) Gráfico: Variação acumulada dos preços do automóvel, gasolina e tarifa de ônibus urbano no Brasil no período entre as POF s 2003 e 2009 ( jan/2003 a jan/2009) e (direita) 2000 a ,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 63,2% 27,5% 41,8% Tarifa ônibus urbano Gasolina IPCA Veículo próprio 20,0% 10,0% 19,0% 12,1% 50 0,0% Ônibus urbano Automóvel novo Motocicleta Gasolina IPCA 0 Fonte: Elaboração própria com dados do IPCA/IBGE

9 Políticas de estímulo ao transp. individual Por que as tarifas de TP subiram tanto? Sendo: CT = Custo total do sistema Pe = Número de passageiros pagantes equivalentes do sistema

10 Políticas de estímulo ao transp. individual Base arrecadação tarifária Aumento preços dos insumos do TPU Incentivo ao transporte individual Aumento das gratuidades Perda demanda Redução da receita Aumento custo/pas Queda de produtividade e Rentabilidade Desequilíbrio econômico-financeiro Aumento da tarifa TPU Perda de qualidade e competitividade TPU Aumento do Transporte Individual Mais congestionamento, poluição, acidentes e desigualdades urbanas Problemas: subsídio cruzado; ciclo vicioso de aumento das tarifas; financiamento das expansões e melhorias da qualidade

11 Políticas de estímulo ao transp. individual Custeio do transporte público urbano na Europa. 100% 80% 60% 40% 20% 0% Subsídio público Outras receitas Receita tarifária 1% 9% 74% 68% 60% 56% 56% 54% 54% 53% 50% 50% 50% 46% 44% 43% 42% 41% 36% 32% 26% 25% 68% 72% 26% 32% 31% 38% 44% 45% 46% 43% 46% 50% 50% 54% 59% 53% 46% 50% 48% 39% 9% 7% 1% 4% 9% 10% 14% 4% 18% 25% 20% 40% 45% 31% 40% Fonte: European Metropolitan Transport Authorities - EMTA

12 Financiamento operação do TPU Alternativas para diversificação das fontes de financiamento do TPU: propostas e exemplos para o debate público

13 Financiamento do TPU fontes progressivas Gastos das famílias metropolitanas com despesas de transporte, uso do espaço e IPTU Fonte: POF/IBGE

14 Tabela 4 - Sociedade Exemplos de fontes de financiamento do TPU Origem Fonte Caracterização Vantagens Desvantagens Exemplos Sociedade Orçamento geral Subsídios à operação dos serviços Redução do nível da tarifa ao usuário direto Compromete parcela do orçamento geral São Paulo e cidades européias que já subsidiam Sociedade Fundos vinculados a outras politicas públicas As gratuidades e descontos existentes para determinados usuários (estudantes, idosos, pessoas com deficiência etc.) passariam a ser financiadas pelos respectivos "fundos" setoriais Evita o subsídio cruzado no qual o usuário pagante arca com os custos das gratuidades Compromete parcela dos recursos de cada política social setorial O Fundef/Fundeb financiam ou fornecem os passes escolares

15 Tabela 4 Usuário do automóvel Exemplos de fontes de financiamento do TPU Origem Fonte Caracterização Vantagens Desvantagens Exemplos Usuário do Taxa sobre os automóvel combutíveis Cobrança de uma alíquota sobre a venda de combustível com vinculação a um fundo específico um tributo proporcional ao uso das vias públicas e de fácil cobrança Não descrimina em função do horário e do local de uso das vias (e.g. horários fora do pico e áreas rurais) A cidade de Bogotá (taxa sobre a gasolina destinada a fundo específico para transporte público) Usuário do automóvel Usuário do automóvel Taxa sobre o uso da via sujeita a congestionament o Cobrança de estacionamentos em vias públicas Cobrança pelo uso das vias em função do nível de congestionamento Expansão da cobrança de estacionamento em áreas públicas centrais e implantação de taxas cujos recursos sejam destinados a fundos específicos para o TPU Obriga o usuário do transporte individual a arcar com as externalidades negativas geradas Fácil operacionalização em função da existência da estrutura de cobrança Difícil operacionalização; resistência em pagar por algo que atualmente é utilizado gratuitamente Resistência política e de segmentos econômicos ao aumento de carga tributária Londres, Estocolmo, Cingapura etc. Aumentar a tarifa das áreas de zona azul com a destinação das receitas extras para o TPU

16 Tabela 4 Usuário do automóvel Exemplos de fontes de financiamento do TPU Origem Fonte Caracterização Vantagens Desvantagens Exemplos Usuário do Taxa sobre os automóvel combutíveis Cobrança de uma alíquota sobre a venda de combustível com vinculação a um fundo específico um tributo proporcional ao uso das vias públicas e de fácil cobrança Não descrimina em função do horário e do local de uso das vias (e.g. horários fora do pico e áreas rurais) A cidade de Bogotá (taxa sobre a gasolina destinada a fundo específico para transporte público) Usuário do automóvel Usuário do automóvel Taxa sobre o uso da via sujeita a congestionament o Cobrança de estacionamentos em vias públicas Cobrança pelo uso das vias em função do nível de congestionamento Expansão da cobrança de estacionamento em áreas públicas centrais e implantação de taxas cujos recursos sejam destinados a fundos específicos para o TPU Obriga o usuário do transporte individual a arcar com as externalidades negativas geradas Fácil operacionalização em função da existência da estrutura de cobrança Difícil operacionalização; resistência em pagar por algo que atualmente é utilizado gratuitamente Resistência política e de segmentos econômicos ao aumento de carga tributária Londres, Estocolmo, Cingapura etc. Aumentar a tarifa das áreas de zona azul com a destinação das receitas extras para o TPU

17 Tabela 4 Usuário do automóvel Exemplos de fontes de financiamento do TPU Origem Fonte Caracterização Vantagens Desvantagens Exemplos Usuário do - automóvel Cobrança de estacionamentos de uso privado Criação ou elevação de IPTU sobre vagas de veículos privados ou cobrança de taxa sobre vagas de estacionamento de grandes polos geradores de tráfego Repassa aos proprietários de vaga de estacionamento (especialmente os empreendedores imobiliários de pólos de atração de tráfego) os custos das externalidades negativas geradas pelo transporte privado Resistência política e de segmentos econômicos ao aumento de carga tributária

18 Tabela 4 Usuário/Propriet. do automóvel Exemplos de fontes de financiamento do TPU Origem Fonte Caracterização Vantagens Desvantagens Exemplos Usuário do - automóvel Cobrança de estacionamentos de uso privado Criação ou elevação de IPTU sobre vagas de veículos privados ou cobrança de taxa sobre vagas de estacionamento de grandes polos geradores de tráfego Repassa aos proprietários de vaga de estacionamento (especialmente os empreendedores imobiliários de pólos de atração de tráfego) os custos das externalidades negativas geradas pelo transporte privado Resistência política e de segmentos econômicos ao aumento de carga tributária Proprietário do automóvel Tributos incidentes sobre a produção, comercialização e propriedade dos veículos individuais Utilizar parcela da arrecadação dos tributos incidentes sobre a produção, comercialização e propriedade dos veículos individuais, e destiná-la ao financiamento do TPU Tributos já existentes Resistência política e de segmentos econômicos ao aumento de carga tributária -

19 Tabela 4 Setor Produtivo Exemplos de fontes de financiamento do TPU Origem Fonte Caracterização Vantagens Desvantagens Exemplos Setor produtivo Setor produtivo Vale Transporte O empregador participa dos gastos de deslocamento do trabalhador com a ajuda de custo equivalente à parcela que exceder a 6% (seis por cento) de seu salário básico (Lei 7418/1985) Tributo com base na folha de pagamento de empresas Tributo com base na folha de pagamento de empresas comerciais, industriais e de serviços para municípios com mais de habitantes Subsidio direto ao usuário, financiado pelos benficiários indiretos Financiamento dos trabalhadores em busca de emprego e/ou do setor informal Beneficia apenas os trabalhadores com carteira assinada Lei do Vale Transporte (Lei 7418/1985) no Brasil Onera a folha de Versement Transport pagamentos, (França) aumentando os custos de contratação de pessoal e de produção de bens e serviços

20 Tabela 4 Outras fontes Exemplos de fontes de financiamento do TPU Origem Fonte Caracterização Vantagens Desvantagens Exemplos Proprietários Instrumentos de Captura de parte da A quantificação da Dependendo do São Paulo (Operações de imóveis captura de valor valorização imobiliária, valorização imobiliária instrumento, Urbanas), Colômbia beneficiados por meio de é possível dada a aplicação pode ser (Contribuição de pelos instrumentos para este existência de norma espacialmente Melhoria) e Hong Kong investiment os em fim. (e.g. Imposto Predial Territorial técnica específica; instrumentos já restrita; recurso não é perene e, transporte Urbano, Contribuição previstos no arcabouço portanto, de Melhoria e Operações Urbanas Consorciadas) legal dificilmente financia a operação de sistemas Receitas de comércio, serviços, publicidade etc. Atividades geradoras de renda associadas ao transporte Pagamento de aluguel pelo uso de espaços comerciais, publicidade etc. nas estações e em áreas nas imediações Captação de recursos externos ao sistema, gerando receitas de forma contínua para custeio do serviço de transporte Modelagens de negócio são complexas e devem ser atreladas a um sistema de regulação que contabilize os negócios conexos ao fluxo de caixa das empresas No Brasil, propagandas em ônibus e instalações de comércio em estações e terminais de transporte. Nos Estados Unidos e em Hong Kong, modelos de negócios mais complexos

21 São Paulo, 18/11/2013 Muito obrigado!!! Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho

NOTA TÉCNICA. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Evento: Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

NOTA TÉCNICA. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Evento: Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Guarulhos, 08/08/2013 NOTA TÉCNICA Tarifação e financiamento do transporte público urbano Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Evento: Sumário Introdução Evolução do preço

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

NOTA TÉCNICA. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. São Paulo, 13/08/2013 NOTA TÉCNICA Tarifação e financiamento do transporte público urbano Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Sumário Introdução Evolução do preço das

Leia mais

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Brasilia, Novembro/2013 Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Alterações do padrão de mobilidade urbana no Brasil Milhões de viagens/ano

Leia mais

FINANCIAMENTO DO TPU VIA TAXAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS

FINANCIAMENTO DO TPU VIA TAXAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS FINANCIAMENTO DO TPU VIA TAXAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS O USO DA CIDE PARA CUSTEIO DO TPU Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Gráfico: variação dos preços de tarifas

Leia mais

SITUAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA DO PAÍS: COMO EVOLUIR?

SITUAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA DO PAÍS: COMO EVOLUIR? SITUAÇÃO DA MOBILIDADE URBANA DO PAÍS: COMO EVOLUIR? Mobilidade Urbana Tema que afeta toda população e reduz a qualidade de vida nas cidades Frota de veículos nas metrópoles teve crescimento médio de 77%

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO?

MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO? MOBILIDADE URBANA: COMO EVOLUIR? COMO GARANTIR QUALIDADE POR ESSE PREÇO? OTÁVIO CUNHA, PRESIDENTE EXECUTIVO DA NTU Campinas-SP, 29 de Novembro de 2016 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Cenário atual 2.Novas

Leia mais

Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana

Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana Fontes de Financiamento para Mobilidade Urbana Estudo de Caso: Transporte sobre Pneus em São Paulo 27.janeiro.2015 Campinas, São Paulo, Brasil Perfil do Sistema

Leia mais

Cenário atual do transporte público urbano por ônibus

Cenário atual do transporte público urbano por ônibus 1. Extinção da EBTU (1991); 2. Perda de demanda: 1994-2012; 3. Perda de demanda: 2013-2016; 4. Perda de produtividade-ipk; 5. Política de incentivo ao transporte individual; 6. Queda da velocidade comercial;

Leia mais

Nº 2. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho. Alexandre Gomide. Rafael Henrique Moraes Pereira

Nº 2. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho. Alexandre Gomide. Rafael Henrique Moraes Pereira Tarifação e financiamento do transporte público urbano Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Alexandre Gomide Rafael Henrique Moraes Pereira Lucas Ferreira Mation Renato Balbim Vicente Correia Lima Neto

Leia mais

Painel 3 Tarifas, financiamento e sustentabilidade do setor

Painel 3 Tarifas, financiamento e sustentabilidade do setor Painel 3 Tarifas, financiamento e sustentabilidade do setor Marcos Bicalho dos Santos Brasília-DF, 01 de junho de 2017 Estrutura da apresentação 1. Tarifa pública x Tarifa de remuneração; 2. Fontes externas

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA O FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO E BARATEAMENTO DA TARIFA

ESTRATÉGIAS PARA O FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO E BARATEAMENTO DA TARIFA ESTRATÉGIAS PARA O FINANCIAMENTO DO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO E BARATEAMENTO DA TARIFA Convidado Especial Jilmar Tatto, Secretário Municipal de Transportes de São Paulo/SP Comentarista Roberto

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PETRÓPOLIS ASPECTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E FINANCEIROS

SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PETRÓPOLIS ASPECTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E FINANCEIROS SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PETRÓPOLIS ASPECTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E FINANCEIROS 1 2 SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PETRÓPOLIS 7.000.000 DEMANDA (usuários pagantes) KM 6.000.000 5.972.218 5.000.000

Leia mais

RECURSOS E FONTES ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO SÔBRE TRILHOS

RECURSOS E FONTES ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO SÔBRE TRILHOS RECURSOS E FONTES ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO SÔBRE TRILHOS Criar soluções para suprir nossas necessidades 9a. SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA - AEAMESP POR QUE INVESTIR EM TRANSPORTE PÚBLICO?

Leia mais

A Regulação da Mobilidade Urbana. Mobilidade Urbana Desafios e Perspectivas para as Cidades Brasileiras Rio de Janeiro, 7 de novembro de 2014

A Regulação da Mobilidade Urbana. Mobilidade Urbana Desafios e Perspectivas para as Cidades Brasileiras Rio de Janeiro, 7 de novembro de 2014 A Regulação da Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Desafios e Perspectivas para as Cidades Brasileiras Rio de Janeiro, 7 de novembro de 2014 Estrutura da Apresentação Linhas Gerais da Regulação de Mobilidade

Leia mais

Diego Mateus da Silva Coordenador de Gestão da Demanda por Viagens, ITDP Brasil. Conceitos e Estratégias de Gestão da Demanda por Viagens (GDV)

Diego Mateus da Silva Coordenador de Gestão da Demanda por Viagens, ITDP Brasil. Conceitos e Estratégias de Gestão da Demanda por Viagens (GDV) Diego Mateus da Silva Coordenador de Gestão da Demanda por Viagens, ITDP Brasil Conceitos e Estratégias de Gestão da Demanda por Viagens (GDV) Objetivo da sessão e roteiro Objetivo da sessão Apresentar

Leia mais

Avaliação do Plano Plurianual

Avaliação do Plano Plurianual Avaliação do Plano Plurianual Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Belo Horizonte, 24 e 25 de novembro de 2008 Quarta Reunião da Rede de Monitoramento e Avaliação da América Latina e

Leia mais

O Investimento em Mobilidade Urbana no Brasil e o seu Financiamento

O Investimento em Mobilidade Urbana no Brasil e o seu Financiamento 4º Seminário de Infraestrutura IBRE: Mobilidade Urbana- Desafios e Perspectivas para as Cidades Brasileiras O Investimento em Mobilidade Urbana no Brasil e o seu Financiamento 07 de novembro de 2014 1

Leia mais

Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR

Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Diretora: Liana Maria da Frota Carleial Diretor-Adjunto: Bruno de Oliveira Cruz 1 DIRUR/IPEA Estudos Regionais Desenvolve estudos

Leia mais

Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos

Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público - Módulo Básico Profª Drª Fernanda Graziella Cardoso email: fernanda.cardoso@ufabc.edu.br Março/2014

Leia mais

PLANILHA ANTP CUSTOS DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS. São Paulo Agosto de 2017

PLANILHA ANTP CUSTOS DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS. São Paulo Agosto de 2017 PLANILHA ANTP CUSTOS DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS São Paulo Agosto de 2017 PLANILHA GEIPOT: OS PRIMEIROS DOCUMENTOS PÚBLICOS Planilha GEIPOT 1983 a 1996 1983 1991 1994 1996 RAZÕES QUE

Leia mais

Presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes do. Analista Econômico da BHTRANS São Paulo, setembro de 2003

Presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes do. Analista Econômico da BHTRANS São Paulo, setembro de 2003 Políticas de Financiamento do Transporte Público Ricardo Mendanha Ladeira Presidente do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes do Transporte Público Urbano e Diretor-Presidente da BHTRANS Nelson Dantas

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

Resultados iniciais Relatório de Mobilidade RMBH Coletiva de Imprensa 19/12

Resultados iniciais Relatório de Mobilidade RMBH Coletiva de Imprensa 19/12 Resultados iniciais Relatório de Mobilidade RMBH Coletiva de Imprensa 19/12 Premissas de trabalho Articulação entre profissionais da engenharia/técnicos MG, por meio da Câmara Temática de Mobilidade; Ausência

Leia mais

Reforma Tributária e Seguridade Social

Reforma Tributária e Seguridade Social Reforma Tributária e Seguridade Social Audiência da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados Brasília 31 de março de 2009 1 Objetivos da Reforma Tributária ria Econômicos Sociais

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 22.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 22. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2017 Aula 22 Mobilidade urbana 22. Mobilidade urbana assuntos da aula a mobilidade urbana atualmente

Leia mais

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras Leise Kelli de Oliveira UFMG Distribuição Urbana de Mercadorias n Entrega ou Coleta de mercadorias no ambiente urbano

Leia mais

Nº 2. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho. Alexandre Gomide. Rafael Henrique Moraes Pereira

Nº 2. Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho. Alexandre Gomide. Rafael Henrique Moraes Pereira Tarifação e financiamento do transporte público urbano Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Alexandre Gomide Rafael Henrique Moraes Pereira Lucas Ferreira Mation Renato Balbim Vicente Correia Lima Neto

Leia mais

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil O que é o DOTS? O Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável é uma

Leia mais

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ A Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô foi constituída no dia 24 de abril de 1968; Hoje, o Metrô de São Paulo possui

Leia mais

Portfólio da Odebrecht TransPort

Portfólio da Odebrecht TransPort Iniciativas para investimentos em Mobilidade Urbana Seminário FIESP de Logística Rodrigo Carnaúba 6 de maio de 2013 Portfólio da Odebrecht TransPort RODOVIAS 100% OTP 75% OTP 50% OTP 50% OTP 8,5% OTP 33,3%

Leia mais

TÓPICOS A SEREM ABORDADOS

TÓPICOS A SEREM ABORDADOS BILHETE ÚNICO TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1. VISÃO GLOBAL DO SISTEMA DE BILHETAGEM ELETRÔNICA 2. TECNOLOGIA DO CARTÃO 3. MÓDULO DE SEGURANÇA (SAM) 4. PRINCIPAIS FUNCIONALIDADES 5. SISTEMA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares...

O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares... O segmento de habitação popular possui fundamentos sólidos baseados em 4 pilares... Pilar 1: Déficit habitacional Pilar 2: Crédito ao Comprador Programa MCMV Pilar 3: Demografia Pilar 4: Aumento da Renda

Leia mais

CIDE Combustíveis e a Federação

CIDE Combustíveis e a Federação CIDE Combustíveis e a Federação O objetivo desta análise é investigar as possíveis causas da queda de arrecadação da CIDE no primeiro trimestre de 2009, na comparação com o primeiro trimestre de 2008.

Leia mais

Gestão da Demanda. Parauapebas, Novembro de Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Ministério das Cidades

Gestão da Demanda. Parauapebas, Novembro de Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Ministério das Cidades Gestão da Demanda Parauapebas, Novembro de 2014. Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Introdução Atribuição Local Consonância com a PNMU Espaço

Leia mais

SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS

SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS SPPO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO POR ÔNIBUS SPPO Sistema de Transporte Publico por Ônibus, licitado em 2010, compreende a operação do sistema de ônibus em quatro áreas da cidade, sendo cada área operada

Leia mais

LICITAÇÃO DO SERVIÇO Transporte Coletivo Urbano CARUARU

LICITAÇÃO DO SERVIÇO Transporte Coletivo Urbano CARUARU LICITAÇÃO DO SERVIÇO Transporte Coletivo Urbano CARUARU O Serviço de Transporte O sistema possui atualmente 30 linhas cadastradas, operadas por 81 veículos, realizando 1.325 viagens nos dias úteis. Empresa

Leia mais

MERCADO IMOBILIÁRIO NACIONAL

MERCADO IMOBILIÁRIO NACIONAL MERCADO IMOBILIÁRIO NACIONAL Novembro de 2013 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Entidades que Realizam Pesquisa ENTIDADE REGIÃO RESPOSTAS 1 ADEMI - AL Maceió SIM 2 ADEMI - BA Salvador e Lauro

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural

Conhecimentos Bancários. Item Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) Normas BACEN Conhecimentos Bancários Item 2.2.7- Crédito Rural

Leia mais

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley-

Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios. - Prof. Claudio Burian Wanderley- Evolução Recente das Contas Públicas no Brasil e Impactos sobre os Municípios - Prof. Claudio Burian Wanderley- Questão relevante para entender o caso brasileiro: Teorema do eleitor mediano. Países democráticos

Leia mais

POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS. DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil

POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS. DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil Objetivo da sessão e roteiro Objetivo da sessão Apresentar aspectos da política de estacionamento

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS Conforme Art. 7º, inc. IV da Constituição Federal de 1988, o Salário Mínimo deve atender as necessidades básicas do trabalhador e de sua família, como moradia, educação, saúde,

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

Bilhete Único em Campinas

Bilhete Único em Campinas Bilhete Único em Campinas Três Anos de Inclusão Social e Melhoria dos Transportes Wilson Folgozi de Brito DIAGNÓSTICO DO TRANSPORTE COLETIVO Chegada do transporte clandestino: meados de 1997 Serviço Alternativo

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O DESAFIO DAS CIDADES BRASILEIRAS Renato Boareto Diretor de Mobilidade Urbana SeMob Ministério das Cidades renato.boareto@cidades.gov.br www.cidades.gov.br INTRODUÇÃO 1- Crise

Leia mais

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES

VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES VII CONGRESSO MINEIRO DE VEREADORES SITUAÇÃO FINANCEIRA DOS MUNICÍPIOS EM FACE DO REEQUILÍBRIO FEDERATIVO Março/2017 Palestrante: Antônio José Calhau de Resende FORMAS DE ESTADO: Estado Federal ou Federação:

Leia mais

Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos

Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos Debate Menos Gargalos e Mais Empregos Grandes obras e sua capacidade de geração de empregos 24/01/2017 Iniciou suas atividades em 1998 Oferece um amplo conjunto de serviços especializados de consultoria

Leia mais

Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil

Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil Perfil e desafios dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes IETS e UFRJ Brasília, 13 de maio de 2009. Introdução O que é informalidade? Fenômeno multidimensinoal Presente na sociedade nas: empresas,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA

PLANO DE NEGÓCIOS. Plano de Negócios Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA PLANO DE NEGÓCIOS "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA Março/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores 1.3 Empreendimento

Leia mais

PROJETO DE PASSE LIVRE EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROJETO DE PASSE LIVRE EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS PROJETO DE PASSE LIVRE EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Este projeto foi pensado pela Frente de Luta pelo Transporte Público no intuito de combater a estrutura excludente das políticas governamentais e suas consequentes

Leia mais

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 13/05/2015 VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Divisão de Competitividade Industrial e Investimentos Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria

Leia mais

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador BLAIRO MAGGI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador BLAIRO MAGGI I RELATÓRIO 1 PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 95, de 2015, do Senador JOSÉ SERRA, que altera a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que estabelece

Leia mais

ORÇAMENTO 2016 AUSTERIDADE PARA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO

ORÇAMENTO 2016 AUSTERIDADE PARA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ORÇAMENTO 2016 AUSTERIDADE PARA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO AUSTERIDADE: REMÉDIO DA CRISE E ESTIMULANTE DO CRESCIMENTO Desafio: Superação dos desequilíbrios orçamentários produzidos na gestão anterior

Leia mais

FOZ DO IGUAÇU COMPORTAMENTO DOS SETORES ECONÔMICOS REALIDADE ECONÔMICA INDÚSTRIA COMÉRCIO SERVIÇOS A B R I L

FOZ DO IGUAÇU COMPORTAMENTO DOS SETORES ECONÔMICOS REALIDADE ECONÔMICA INDÚSTRIA COMÉRCIO SERVIÇOS A B R I L FOZ DO IGUAÇU REALIDADE ECONÔMICA A B R I L 2 0 1 5 COMPORTAMENTO DOS SETORES ECONÔMICOS INDÚSTRIA COMÉRCIO SERVIÇOS Arrecadação Foz do Iguaçu - 2013 451 564 Outras Fontes 80% 113 Impostos 20% 49 43% dos

Leia mais

A SUSEP divulgou no dia 26/04/2016 os números do Mercado Brasileiro de Seguros referente ao I Trimestre de 2016.

A SUSEP divulgou no dia 26/04/2016 os números do Mercado Brasileiro de Seguros referente ao I Trimestre de 2016. A SUSEP divulgou no dia 26/04/2016 os números do Mercado Brasileiro de Seguros referente ao I Trimestre de 2016. Como poderemos ver as perspectivas continuam desconfortáveis em função da caótica situação

Leia mais

MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013

MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013 MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013 O problema da mobilidade é comum a todos os grandes centros urbanos. Afeta o desenvolvimento do País ao

Leia mais

CARTA COMPROMISSO ASSUNTOS DE INTERESSE CORPORATIVO

CARTA COMPROMISSO ASSUNTOS DE INTERESSE CORPORATIVO CARTA COMPROMISSO O SINDIURBANO-PR (Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná), o Sindicato mantém histórico de atuação em prol dos interesses, direitos e melhores condições de trabalho

Leia mais

CAU - RN. Comparativo da Receita. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Rio Grande do Norte CNPJ: /

CAU - RN. Comparativo da Receita. Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Rio Grande do Norte CNPJ: / Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Rio Grande do Norte CNPJ: 14.829.126/0001-88 Comparativo da RECEITA REALIZADA 1.868.185,06 688.293,65 RECEITA CORRENTE 1.131.994,00-47.897,41 RECEITAS DE

Leia mais

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade O fretamento hoje nas grandes cidades Participação do fretamento nas viagens, cidades selecionadas do Brasil 25,0 Participação do fretamento nas viagens 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 1,0 2,3 0,2 0,5 5,8 2,2 2,0

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I Data: 27/04/2012 Aluno(a): n 0 ano: 7º turma: NOTA: Prof.(a): Haide Mayumi Handa Honda Ciente do Responsável: Data: / /2012 Instruções: 1. Esta avaliação contém 5 páginas e 10

Leia mais

A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP

A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP 1ª ETAPA A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS METROFERROVIÁRIOS OPERADORAS

Leia mais

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA LIMA, DICIEMBRE del 2012 Prof. Dr. Emilio Merino INDICE 1. Que es la movilidad

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2016 TRIBUTOS Modalidades 1 Anteriormente vimos que... Estado bem-comum recursos financeiros (dinheiro); Dinheiro tributos, empréstimos, repasses, leilões; Tributo 2 tipos:

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 26 de janeiro de 2010. Análise CEPLAN Recife, 26 de janeiro de 2010. Temas que serão discutidos na Análise Ceplan A conjuntura econômica título em mestre 2010 e perspectivas para 2011 (Brasil, Nordeste, Estados); Informe especial

Leia mais

NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO

NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO NOTA TÉCNICA O AUMENTO DOS ELEITORES VINCULADOS AO SALÁRIO MÍNIMO Rodrigo Leandro de Moura 1 MAIO DE 2014 1940.07 1943.01 1945.07 1948.01 1950.07 1953.01 1955.07 1958.01 1960.07 1963.01 1965.07 1968.01

Leia mais

Repense Mobilidade. Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole

Repense Mobilidade. Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole Repense Mobilidade Seminário Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, O Futuro da Mobilidade na Metrópole Willian Alberto de Aquino Pereira Sinergia Estudos e Projetos Ltda. http://www.sinergiaestudos.com.br

Leia mais

Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana

Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana Regulação como instrumento de incentivo à inovação em Mobilidade Urbana BHTRANS: agência reguladora e fiscalizadora Gestão dos Serviços de Transporte Ônibus Convencional / BRT 2.969 Miniônibus Suplementar

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

IMPACTO DO PISO NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS SESSÃO ESPECIAL NA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA CAMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA

IMPACTO DO PISO NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS SESSÃO ESPECIAL NA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA CAMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA IMPACTO DO PISO NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS SESSÃO ESPECIAL NA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA CAMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA - 19.05.2015 MILTON CANUTO DE ALMEIDA Consultor Técnico em: Financiamento, Planejamento

Leia mais

Transporte de Passageiros. O Futuro do Transporte Metroferroviário nas Grandes Capitais Brasileiras - Perspectivas e Investimentos

Transporte de Passageiros. O Futuro do Transporte Metroferroviário nas Grandes Capitais Brasileiras - Perspectivas e Investimentos SECRETARIA DE TRANSPORTES V BRASIL NOS TRILHOS Transporte de Passageiros O Futuro do Transporte Metroferroviário nas Grandes Capitais Brasileiras - Perspectivas e Investimentos Delmo Pinho Subsecretário

Leia mais

SISTEMA DE TRANSPORTE DE SÃO PAULO ASPECTOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS

SISTEMA DE TRANSPORTE DE SÃO PAULO ASPECTOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS SISTEMA DE TRANSPORTE DE SÃO PAULO ASPECTOS ECONÔMICOS E FINANCEIROS Julho-2013 Sumário da Apresentação Arrecadação Tarifária Evolução dos Custos Operacionais relativos à Frota Remuneração dos Operadores

Leia mais

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS 1. Introdução Os orçamentos que podem ocorrer em um projeto durante sua vida útil serão apresentados a seguir. Portanto, é importante estabelecer, também, a determinação da vida

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação Jurandir Fernandes Secretário dos Transportes Metropolitanos Estado de São Paulo ANTP Rio de Janeiro, 12/03/2014 Rede metropolitana em andamento

Leia mais

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Junho, 2016 Belo Horizonte Estratégia de Gestão da Demanda de

Leia mais

Transporte como Direito Social

Transporte como Direito Social Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Transporte como Direito Social Setembro 2013 Missão SeMOB Promover a Mobilidade Urbana para contribuir na construção

Leia mais

5. Política Fiscal e déficit público

5. Política Fiscal e déficit público 5. Política Fiscal e déficit público 5.1 Política fiscal (tributação e gastos) 5.2 conceito de déficit público 5.3 evolução do déficit público no Brasil 5.4 relação entre déficit público, taxa de juros

Leia mais

Comparativo da Receita TAXAS PELO EXERCÍCIO DO PODER DE POLICIA ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA. Anotação de Responsabilidade Técnica

Comparativo da Receita TAXAS PELO EXERCÍCIO DO PODER DE POLICIA ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA. Anotação de Responsabilidade Técnica Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional 9ª Região CNPJ: 00.577.473/0001-56 Comparativo da RECEITA REALIZADA 2.297.759,00 1.349.249,37 RECEITA CORRENTE 1.567.759,00 619.249,37 RECEITA TRIBUTÁRIA

Leia mais

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade 1 Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade Fernando Soares dos Santos (*) O planejamento das cidades para as próximas décadas passa, necessariamente,

Leia mais

Relação entre investimentos e modelagem financeira. Cyriel Kronenburg, November 27, 2008

Relação entre investimentos e modelagem financeira. Cyriel Kronenburg, November 27, 2008 Relação entre investimentos e modelagem financeira Cyriel Kronenburg, November 27, 2008 O transporte aéreo é crítico para a economia global Somos uma indústria de US$ 450 bilhões anuais Sustentamos US$

Leia mais

TEMA : SIMPLIFICAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO. REGIONAL OESTE Ação: SALA DO EMPRESÁRIO EM CASCAVEL PR. 1.Breve caracterização municipal

TEMA : SIMPLIFICAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO. REGIONAL OESTE Ação: SALA DO EMPRESÁRIO EM CASCAVEL PR. 1.Breve caracterização municipal TEMA : SIMPLIFICAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO REGIONAL OESTE Ação: SALA DO EMPRESÁRIO EM CASCAVEL PR 1.Breve caracterização municipal Cascavel é considerado a capital do Oeste do Estado do Paraná devido a sua

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

1- Introdução: 2- Resultados do Mercado:

1- Introdução: 2- Resultados do Mercado: 1- Introdução: Os números aqui analisados foram extraídos do sistema da SES da SUSEP referente ao período de jan a outubro de 2013. Esses dados decorrem dos FIPES que são encaminhados mensalmente a essa

Leia mais

Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro. Guilherme Mercês

Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro. Guilherme Mercês Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro Guilherme Mercês 27 de Setembro de 2016 Contas Públicas Variáveis estruturais estão na base da crise fiscal do estado do Rio de Janeiro e do Brasil.

Leia mais

GRÁFICOS DE CONJUNTURA Volume I. Por João Sicsú e Ernesto Salles

GRÁFICOS DE CONJUNTURA Volume I. Por João Sicsú e Ernesto Salles GRÁFICOS DE CONJUNTURA Volume I Por João Sicsú e Ernesto Salles 1. O trabalhador perdeu rendimento porque houve inflação? É possível aferir o valor do ganho médio (ou habitual) de um trabalhador. A Pesquisa

Leia mais

MOBILIDADE E TRANSPORTES

MOBILIDADE E TRANSPORTES Acessibilidade facilitar acesso Mobilidade facilitar deslocação Transporte Caraterização da mobilidade Indicadores Espacial Temporal Desempenho Gastos das Famílias em Transportes Compra de veículo (%)

Leia mais

Gastos das famílias com transporte urbano no Brasil em 2003 e 2009

Gastos das famílias com transporte urbano no Brasil em 2003 e 2009 Revista dos s Públicos - ANTP - Ano 36-2014 - 1º quadrimestre ECONOMIA DE TRANSPORTE AN P Gastos das famílias com transporte urbano no Brasil em 2003 e 2009 Rafael H. Moraes Pereira Instituto de Pesquisa

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2017 TRIBUTOS Modalidades MODALIDADES DE TRIBUTOS Como vimos tributo seria a receita do Estado, que pode estar ou não vinculada a uma contra-prestação. Entretanto

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades.

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades. Seminário Internacional. Desarrollo Económico Territorial: nuevas praxis em América Latina y el el Caribe em el siglo XXI CEPAL/ILPES, Santiago de Chile, 19 al 21 de octubre de 2010 Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

Prof. Orlando Strambi

Prof. Orlando Strambi Prof. Orlando Strambi Disponibilidade de horários extra-aula para pesquisa em campo Disponibilidade de estender o horário de algumas aulas Controle de frequência rigoroso Subs, nem pensar... Expectativa

Leia mais

Seminário Rumo ao Desenvolvimento Sustentável Campina Grande, 08 de junho de 2017 Luciana Jaccoud IPEA

Seminário Rumo ao Desenvolvimento Sustentável Campina Grande, 08 de junho de 2017 Luciana Jaccoud IPEA Igualdade, desenvolvimento e proteção social Seminário Rumo ao Desenvolvimento Sustentável Campina Grande, 08 de junho de 2017 Luciana Jaccoud IPEA Desigualdades em educação Avançamos : Ampliação da escolaridade

Leia mais

MOBILIDADE E DIREITO À CIDADE. Movimento Passe Livre Florianópolis

MOBILIDADE E DIREITO À CIDADE. Movimento Passe Livre Florianópolis MOBILIDADE E DIREITO À CIDADE Movimento Passe Livre Florianópolis O QUE É MOBILIDADE URBANA? A Mobilidade Urbana é definida como a capacidade/condições de deslocamento de bens e pessoas pelo espaço urbano

Leia mais

A Crise da Mobilidade Urbana no Brasil: Custos Econômicos e Soluções. Armando Castelar, Julia Fontes e Luísa de Azevedo

A Crise da Mobilidade Urbana no Brasil: Custos Econômicos e Soluções. Armando Castelar, Julia Fontes e Luísa de Azevedo A Crise da Mobilidade Urbana no Brasil: Custos Econômicos e Soluções Armando Castelar, Julia Fontes e Luísa de Azevedo 1- Introdução Mobilidade urbana foi o estopim dos protestos de meados de 2013 Problema

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 52 A CRISE DOS ANOS 80 COMO BASE PARA O NEOLIBERALISMO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 52 A CRISE DOS ANOS 80 COMO BASE PARA O NEOLIBERALISMO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 52 A CRISE DOS ANOS 80 COMO BASE PARA O NEOLIBERALISMO Como pode cair no enem? (UNESP) O processo de desconcentração industrial no estado de São Paulo, iniciado na década de

Leia mais

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00*

INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % , , , , , , , , , , ,00* INFLAÇÃO - IPCA ANUAL Em % 1994 916,43 1995 22,41 1996 9,56 1997 5,22 1998 1,66 1999 8,94 2000 5,97 2001 7,67 2002 12,53 2003 9,30 2004 7,00* * Previsão Fonte: Estado de Minas, 1 o Julho de 2004 - Especial

Leia mais

Direito Tributário. Aula 10. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 10. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 10 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES. seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva

Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES. seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva bases institucionais e financeiras da seguridade social no Brasil: o caso da assistência

Leia mais

O FUTURO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS DE UMA PESQUISA DE PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL

O FUTURO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS DE UMA PESQUISA DE PROSPECÇÃO TECNOLÓGICA PARA A CADEIA PRODUTIVA DA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL Seminário Internacional Sobre Prospecção em C,T&I Perspectivas de Integração Ibero-Americana 07 e 08 de julho de 00 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Tecnologia

Leia mais

O transporte urbano no Brasil

O transporte urbano no Brasil 1 de 5 23-07-2012 10:29 Imprimir página «Voltar MEIO AMBIENTE O transporte urbano no Brasil Uma política diferente de mobilidade deveria reduzir os benefícios e subsídios ao transporte individual, garantir

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais