Durante o tratamento dentário,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Durante o tratamento dentário,"

Transcrição

1 P R Á T I C C L Í N I C eficácia do bochecho oral prévio com cloreto de cetilpiridínio na redução de bactérias no consultório dentário Magda Feres, DMSc; Luciene Cristina Figueiredo, PhD; Marcelo Faveri, PhD; ernal Stewart, MSc; William de Vizio, DMD Durante o tratamento dentário, muitos agentes infecciosos podem passar do paciente para o profissional. 1 Os resultados de alguns estudos indicaram que os aparelhos de alta rotação com jacto de ar e os destartarizadores de ultra-sons produzem uma quantidade significativa de aerossóis e salpicos. 2-4 Deste modo, tem sido crescente o interesse da profissão pela disseminação de biomatéria durante a realização destes procedimentos nos consultórios dentários e a possibilidade de transmissão de doenças. Os resultados de alguns artigos sugeriram uma possível associação entre a disseminação de microrganismos orais no consultório dentário e o desenvolvimento de doenças infecciosas, tais como infecções respiratórias agudas, infecções oftálmicas e tuberculose. 3,5,6 Os procedimentos que têm sido sugeridos ou recomendados para reduzir a contaminação microbiana a partir dos salpicos orais, como por exemplo o uso de diques de borracha, 7,8 bochechos préoperatórios 9-15 e aspiradores de grande capacidade, 5,16 têm revelado diferentes graus de sucesso. utilização de colutórios contendo agentes anti-sépticos é uma forma eficaz e fiável de reduzir as bactérias na cavidade oral Por outro lado, existem dados publicados que demonstram a eficácia de diferentes agentes anti-sépticos no controlo da propagação bacteriana nos salpicos dentários, R E S U M O Introdução. Durante o tratamento dentário, os microrganismos existentes na cavidade oral podem contaminar as superfícies vizinhas. Os autores avaliaram a eficácia da utilização de um elixir oral disponível comercialmente, com 0,05% de cloreto de cetilpiridínio (CCP), como bochecho precedente ao tratamento dentário, na redução dos níveis e da composição das bactérias presentes nos salpicos orais. Métodos. Os autores distribuíram aleatoriamente 60 indivíduos todos submetidos a profilaxia oral com destartarizador de ultra-sons, pelos seguintes quatro grupos: bochecho prévio com CCP a 0,05%, clorexidina () 0,12% ou água, ou ausência de bochecho. Os microrganismos presentes no ar foram recolhidos em placas de ágar-sangue. composição dos salpicos foi analisada para a presença de 39 espécies bacterianas orais, através da técnica hibridação de DN. Resultados. O CCP e a foram igualmente eficazes na redução dos níveis de bactérias nos salpicos orais e tiveram um melhor desempenho do que a água e a ausência de bochecho (p<0,05, teste de Kruskal-Wallis). composição dos salpicos nos grupos de controlo mostrou maiores proporções (p<0,05, teste de Kruskal-Wallis) de espécies Fusobacterium e menores proporções de espécies Capnocytophaga, comparativamente com os salpicos dos grupos de CCP e de. Conclusão. Um elixir oral comercialmente disponível, com CCP a 0,05%, quando utilizado como bochecho prévio ao tratamento foi tão eficaz quanto a na redução dos níveis de bactérias nos salpicos gerados durante a destartarização com ultra-sons. Implicações Clínicas. Devido ao seu forte efeito anti-bacteriano e ao facto de ter menos efeitos secundários que a, uma solução com CCP a 0,05% poderá ser uma boa alternativa à solução com a 0,12 quando utilizado como bochecho oral prévio, para ajudar a diminuir o grau de contaminação nos salpicos. Palavras-Chave. Controlo de infecção; bochecho oral antimicrobiano; bactérias orais merican Dental ssociation. Translated by Revisfarma, Edições Médicas, Lda., with the per mis sion of me rican Dental ssociation. ll rights reserved. JD 2010;141(4): Dra. Feres, directora, Centro de Pós-graduação e Pesquisa, professora e investigadora a tempo integral, Departamento de Periodontologia, Universidade Guarulhos, São Paulo, rasil. Dra. Figueiredo, professora, Departamento de Periodontologia, Centro de Pós-graduação e Pesquisa, Universidade Guarulhos, São Paulo, rasil. Dr. Faveri, professor, Departamento de Periodontologia, Centro de Pós-graduação e Pesquisa, Universidade Guarulhos, São Paulo, rasil. Dr. Stewart, investigador associado sénior, Colgate-Palmolive, Piscataway, N.J. Dr. de Vizio, vice-presidente de investigação clínica, Colgate-Palmolive, Piscataway, N.J. Endereço para correspondência: Dra. Feres, Universidade Guarulhos, Centro de Pós-Graduação e Pesquisa-CEPPE, Praça Tereza Cristina 229 Centro, Guarulhos, São Paulo, rasil, 40 JD, Vol N. o 5, Setembro/Outubro 2011

2 P R Á T I C C L Í N I C embora a maioria desses estudos apenas testem o efeito de dois anti-sépticos clorexidina () e óleos essenciais ,20,21 Um elixir oral disponível no mercado, que contém o ingrediente antimicrobiano cloreto de cetilpiridínio (CCP) (Plax, Colgate, São Paulo), tem sido alvo de estudos sobre a sua eficácia na placa bacteriana e na gengivite O CCP começa por actuar penetrando na membrana celular bacteriana, causando a libertação dos componentes celulares, a interrupção do metabolismo bacteriano, a inibição do crescimento celular e, por último, a morte celular. 19,25 lguns investigadores documentaram a eficácia do CCP no controlo da infecção em consultórios dentários, especialmente na desinfecção de mãos e superfícies No entanto, até à data, apenas um estudo investigou o efeito do CCP como bochecho prévio na contaminação dos salpicos orais durante procedimentos dentários, tendo os autores do estudo sugerido um possível benefício do uso deste agente anti-séptico para controlar as contagens bacterianas nos aerossóis ou nos salpicos orais durante tratamentos com aparelhos de alta rotação acoplados a jacto de ar. 9 Como tal, realizámos um estudo clínico para avaliar a eficácia do bochecho prévio com CCP a 0,05% na redução dos níveis de bactérias nos salpicos orais. PRTICIPNTES, MTERIIS E MÉTODOS Recrutámos indivíduos saudáveis entre os pacientes da clínica periodontal da Universidade Guarulhos (São Paulo, rasil). Incluímos no estudo os primeiros 60 pacientes que corresponderam aos critérios de inclusão e de exclusão, assinaram o formulário de consentimento informado e preencheram um questionário sobre o seu estado de saúde. O Comité de Ética em Pesquisa Clínica da Universidade Guarulhos aprovou o protocolo de estudo. Os critérios de inclusão foram os seguintes: pacientes do sexo masculino ou feminino, com idades compreendidas entre os 30 e os 70 anos, com disponibilidade para toda a duração do estudo e um mínimo de 20 dentes naturais. Pelo menos 80% das superfícies dentárias teriam de ter placa bacteriana supragengival visível, menos de 10% tinham de ter cálculo supragengival visível e menos de 30% uma profundidade à sondagem (PS) e nível de aderência clínica (NC) de 5 ou mais milímetros. Os nossos critérios de exclusão foram os seguintes: pacientes com bandas ortodônticas, próteses parciais removíveis, tumores nos tecidos moles ou duros da cavidade oral, doença periodontal avançada (exsudado purulento, mobilidade dentária ou grande perda de aderência periodontal ou de osso alveolar), cinco ou mais lesões de cárie a necessitar de tratamento restaurador imediato, historial de alergia ao CCP ou a qualquer produto utilizado durante o estudo e qualquer problema de saúde que pudesse comprometer a segurança do participante ou a qualidade dos resultados do estudo. Foram também excluídos pacientes que tivessem sido submetidos a profilaxia oral no mês anterior ao início do estudo, bem como grávidas e lactantes. Recrutámos 10 pacientes fora do estudo para participar num exercício de calibragem. O examinador (M. Faveri) mediu a PS e o NC num quadrante por paciente. escolha do quadrante foi baseada no número de dentes presentes; cada quadrante tinha de ter pelo menos seis dentes. Se um quadrante tivesse menos de seis dentes, o examinador escolheria o quadrante seguinte. Para melhor uniformização, escolheu primeiro o quadrante um, seguido dos quadrantes dois, três e quatro (quadrante um = maxilar superior direito, quadrante dois = maxilar superior esquerdo, quadrante 3 = maxilar inferior esquerdo, quadrante 4 = maxilar inferior direito). O examinador repetiu as medições após 60 minutos, o que significa que os pacientes foram examinados duas vezes na mesma consulta pelo examinador. Depois de todas as medições terem sido obtidas, a coordenadora do estudo (M. Feres) avaliou a variabilidade intra-examinador quanto às medições da PS e do NC. calibragem foi efectuada de acordo com raújo et al. 29 e foi calculado o erro padrão (EP) das medições. variabilidade intra-examinador foi de 0,13 mm para a PS e de 0,29 mm para o NC. O examinador conseguiu reproduzir medições com diferenças inferiores a 0,50 mm. pós termos recrutado os 60 participantes do estudo e do examinador ter sido calibrado, explicámos o protocolo do estudo aos participantes e procedemos à examinação periodontal de toda a boca. O examinador cuja técnica tinha sido calibrada realizou todas os exames periodontais de base. Mediu a presença ou ausência de placa bacteriana visível, hemorragia gengival, hemorragia pós-sondagem e supuração, bem como a PS (mm) e o NC (mm), em seis locais por dente (mesiovestibular, vestibular, distovestibular, distolingual, lingual e mesiolingual), em todos os dentes, excluindo os terceiros molares. Uma assistente clínica registou todos os parâmetros. O examinador mediu através de uma sonda periodontal a PS e o NC arredondando ao milímetro (Hu-Friedy, North Carolina, Chicago). Desenho experimental. Este estudo consistiu num ensaio clínico randomizado, duplamente cego e controlado por placebo. Distribuímos aleatoriamente os 60 participantes por quatro grupos de 15 participantes cada: teste (bochecho com CCP a 0,05%), controlo positivo (bochecho com a 0,12%), controlo negativo (ausência de bochecho) e controlo negativo (bochecho com água). Os participantes compareceram na Universidade Guarulhos depois de se terem abstido de qualquer procedimento de higiene oral nas 12 horas prévias ao exame, assim como de comer, be- JD, Vol N. o 5, Setembro/Outubro

3 P R Á T I C C L Í N I C Figura 1. Técnica de amostragem microbiana utilizada durante a profilaxia oral com um destartarizador de ultra-sons. s placas de ágar-sangue mais próximas captaram salpicos da boca do participante. ber ou fumar nas quatro horas anteriores ao exame. Num consultório dentário livre, onde nenhum paciente habitual receberia tratamento naquele dia, a investigadora (L.C.F.) colocou três placas contendo ágar-sangue de ovino a 5%, suplementado com ácido N-acetil-murâmico e menadiona, num contador de colónias, na zona operatória, durante 30 minutos. Este procedimento foi repetido antes de cada tratamento, para recolher eventuais microrganismos que pudessem existir no ar da zona operatória, antes do início da experiência. s placas foram devidamente etiquetadas e enviadas para o laboratório de microbiologia da Universidade Guarulhos, para análise. Posteriormente, a investigadora colocou três placas de ágar-sangue adicionais num tabuleiro de suporte, construído para o estudo, anexado ao tabuleiro da cadeira. De acordo com o nosso protocolo, para ocultar em que grupo os participantes tinham sido aleatoriamente colocados, pediu-se aos participantes para bochecharem durante um minuto com 15 milímetros de uma das soluções para bochecho oral (CCP a 0,05%, a 0,12% ou água) e que cuspissem todo o líquido. De seguida, a investigadora colocou o tabuleiro de suporte a um ângulo de 50º do peito do participante e ajustou-o de forma a que as três placas de ágar-sangue ficassem a cerca de 30 centímetros da boca do participante. Por último, colocou duas placas adicionais, uma no peito do participante e a outra na testa do examinador (Figura 1). investigadora abriu as cinco placas de ágar-sangue antes do participante ser submetido à profilaxia oral. O examinador colocou o participante em decúbito dorsal e realizou uma profilaxia de toda a cavidade oral, utilizando um destartarizador de ultra-sons (Cavitron Select, Dentsply, York, Pa.) com água destilada, durante 10 minutos. No final, cobriu as placas de ágar-sangue colocadas no peito do participante e na testa do examinador e levou-as para o laboratório de microbiologia da Universidade Guarulhos; manteve as três placas colocadas no tabuleiro de suporte abertas durante 30 minutos depois da profilaxia oral ter terminado, para recolher eventuais microrganismos remanescentes no meio-ambiente. O examinador, a coordenadora do estudo e a investigadora desconheciam qual o elixir utilizado pelos participantes. Não foi efectuado nenhum tratamento da água com produtos contendo agentes antimicrobianos. ntes de cada profilaxia oral, o destartarizador de ultra-sons foi lavado com água destilada, durante 30 segundos. Depois de todos os participantes terem sido tratados, o destartarizador foi lavado com água destilada durante 60 segundos. Procedimentos microbiológicos. Quantificação microbiana. No laboratório de microbiologia da Universidade Guarulhos, incubámos as placas de ágar-sangue sob condições anaeróbicas, em frascos contendo 10% de dióxido de carbono a 37 o C, durante 72 horas. Quando a incubação terminou, um técnico do laboratório utilizou um contador de colónias (Lab- Line Instruments, Melrose Park, Ill.) para contar as unidades formadoras de colónias (UFC). Para isso, o técnico foi calibrado através do teste de k, tendo-se obtido um valor superior a 90%. O técnico desconhecia as soluções de tratamento. Identificação microbiana. pós contar as UFC, o técnico lavou os isolados das placas de ágar-sangue. dicionou 1 ml do tampão ácido tris cloreto de hidrogénio etilenodiaminotetracético (EDT) nas placas de ágar-sangue e removeu as colónias bacterianas das superfícies, utilizando pipetas de Pasteur em forma de L. Colocou as suspensões de cada cinco placas de ágar-sangue dos participantes em tubos Eppendorf individuais e vibrou-as durante 10 segundos. justou a densidade óptica (DO) de cada suspensão para uma DO final de 1,0, que correspondia a aproximadamente 10 9 células. Removeu cerca de 10 microlitros da suspensão (10 7 células) de cada tubo, colocou-a noutro tubo Eppendorf contendo 140 L do tampão EDT e adicionou 100 L de 0,5 molar de hidróxido de sódio. nalisou as amostras para 39 espécies bacterianas orais utilizando a técnica de hibridação de DN. 30,31 Hibridação de DN. O técnico do laboratório ferveu as amostras durante 10 minutos e neutralizou-as pela adição de 0,8 ml de acetato de amónio a 5M. Depositou o DN nos compartimentos de um instrumento (MiniSlot 30, Immunetics, oston), concentrou-o numa membrana de nylon de centímetros com carga positiva e fixou-o na membrana através de aquecimento em forno a 120 o C por 20 minutos. Em seguida, colocou a membrana num outro instrumento (Miniblotter 45, Immunetics) com as linhas de DN posicionadas a 90 graus dos compartimentos do aparelho. O técnico hibridizou as sondas de DN genómi- 42 JD, Vol N. o 5, Setembro/Outubro 2011

4 UFC (MÉDI) LOCL Médico Dentista Tabuleiro de Suporte Participante Todos os locais (Água) Negativo Controlo bochecho) (Sem Negativo Controlo P R Á T I C C L Í N I C cas marcadas com digoxigenina para 39 espécies bacterianas orais em cada fenda do Miniblotter 45. pós a hibridação, lavou as membranas a uma temperatura elevada (65 o C) e detectaram-se as sondas de DN utilizando-se o anticorpo anti-digoxigenina conjugado à fosfatase alcalina e detecção por quimioluminescência. s últimas duas linhas em cada série continham concentrações de 10 5 e 10 6 células de cada espécie. O técnico converteu os sinais em contagens absolutas, ao compará-los com as linhas na membrana. justou a sensibilidade da análise para permitir a detecção de 10 4 células de uma dada espécie, alterando a concentração de cada sonda de DN. nálise estatística. coordenadora do estudo e a investigadora calcularam, para cada participante, o número total de UFC nas placas colocadas no tabuleiro de suporte, no médico dentista e no participante e calcularam posteriormente o número médio de UFC nos participantes de cada grupo. Para o tabuleiro de suporte, calcularam o número médio de UFC nas três placas, por participante. Da mesma maneira, calcularam o número médio de UFC ( 10 6 ) de espécies bacterianas individuais, em cada participante e, posteriormente, nos participantes dos quatro grupos. Em seguida, começaram por determinar a percentagem do total de contagens da sonda do DN por indivíduo e fizeram a média das contagens nos participantes dos quatro grupos. Utilizámos o teste de Kruskal-Wallis para determinar a significância das diferenças entre os grupos. Se fosse encontrada significância, utilizávamos o teste U de Mann-Whitney para avaliar as diferenças entre os dois grupos. Estabelecemos o nível de significância em 5%. RESULTDOS Não detectámos qualquer crescimento bacteriano em nenhuma das placas de ágar-sangue colocadas no consultório dentário antes do início da experiência. Na Figura 2 são apresentadas as contagens totais de UFC detectadas nos diferentes locais (médico dentista, tabuleiro de suporte, participante) durante e após os procedimentos dentários. O CCP e a foram igualmente eficazes na redução do número total de microrganismos nos salpicos, comparativamente com o controlo negativo dos grupos e (p<0,05, teste U UFC (MÉDI) Controlo Negativo (Sem bochecho) Controlo Negativo (Água) Médico Dentista Tabuleiro de Suporte Participante Todos os locais LOCL Figura 2. Gráfico de barras da média do total de unidades formadoras de colónias (UFC) nos diferentes locais, de acordo com o grupo experimental. significância das diferenças entre os grupos experimentais foi avaliada através do teste de Kruskal-Wallis e do teste U de Mann- Whitney (diferentes letras maiúsculas indicam p<0,05). : clorexidina a 0,12%. CCP: cloreto de cetilpiridínio a 0,05% (Plax, Colgate, São Paulo). de Mann-Whitney e teste de Kruskal-Wallis) em todos os locais. tabela mostra a percentagem média da redução total de UFC nos grupos e CCP, comparativamente com os grupos de controlo. O CCP e a reduziram 77 e 78% mais UFC, respectivamente, que o controlo negativo, e 68 e 70 %, respectivamente, que o controlo negativo. Figura 3 mostra as percentagens das 39 espécies bacterianas orais avaliadas nas amostras das placas de ágar-sangue. Não observámos diferenças nas médias das espécies individuais avaliadas entre os quatro grupos, depois de ajustar para múltiplas comparações. No entanto, reparámos numa tendência para haver menores percentagens de alguns pretensos agentes patogénicos periodontais do complexo laranja no grupo CCP e maiores proporções de espécies compatíveis com o hospedeiro do complexo verde nos grupos e CCP. Estas diferenças estão demonstradas na Figura 4, na qual as espécies bacterianas foram agrupadas de acordo com os complexos microbianos descritos por Socransky et al. 31 Estes autores descreveram cinco complexos microbianos principais observados nas amostras de placa bacteriana gengival de uma vasta gama dos participantes com periodontite crónica. Dois destes complexos (vermelho e laranja) abrigaram a maioria destas espécies consideradas agentes patogénicos periodontais, enquanto os outros três complexos (amarelo, roxo e verde), tal como as espécies ctinomyces (mais tarde chamadas de complexo azul), incluíram vários microrganismos compatíveis com o JD, Vol N. o 5, Setembro/Outubro

5 ESPÉCIES CTERINS ORIS CONTGENS D SOND DE DN (%) Treponema socranskii Selenomonas noxia anginosus Prevotella melaninogenica Outros acnes Propionibacterium Leptotrichia buccalis Gemella morbillorum Eubacterium saburreum denticola Treponema gingivalis Vermelho Porphyromonas Tannerella forsythia constellatus Prevotella nigrescens Prevotella intermedia Parvimonas micra Fusobacterium periodonticum nucleatum Fusobacterium vicentii subspecies polymorphum nucleatum Fusobacterium subspecies CCP subspecies nucleatum nucleatum Fusobacterium nodatum Laranja Eubacterium showae Campylobacter Campylobacter rectus (Água) Negativo Controlo gracilis Campylobacter corrodens Eikenella Controlo bochecho) (Sem Negativo sputigena Capnocytophaga ochracea Capnocytophaga Verde gingivalis Capnocytophaga actinomycetemcomitans ggregatibacter sanguinis oralis marelo mitis intermedius gordonii parvula Veillonella Roxo odontolyticus ctinomyces 2 naeslundii ctinomyces 1 naeslundii ctinomyces israelii ctinomyces zul gerencseriae ctinomyces P R Á T I C C L Í N I C QUDRO Redução da média de UFC.* COMPRÇÃO Versus Sem ochecho (Controlo Negativo ) Grupo com Clorexidina a 0,12% Grupo com Cloreto de Cetilpiridínio a 0,05% Versus Água (Controlo Negativo ) Grupo com Clorexidina a 0,12% Grupo com Cloreto de Cetilpiridínio a 0,05% Médico Dentista * UFC: Unidades formadoras de colónias. LOCL (% [N.º DE UFC]) Participante Tabuleiro de Suporte Todos 72 (35) 78 (751) 79 (276) 78 (1,062) 78 (38) 65 (729) 82 (287) 77 (1,054) 73 (38) 66 (412) 76 (230) 70 (680) 79 (41) 61 (382) 79 (242) 68 (665) hospedeiro. Um subgrupo do complexo laranja contendo as quatro espécies Fusobacterium está representado por laranja escuro na Figura 4. Os dois grupos de controlo mostraram maiores proporções (p<0,05, teste de Kruskal-Wallis e teste U de Mann-Whitney) de supostos agentes patogénicos periodontais (subespécie nucleatum da Fusobacterium nucleatum, subespécie polymorphum da Fusobacterium nucleatum, subespécie vincentii da Fusobacterium nucleatum e Fusobacterium periodonticum) e menores proporções de espécies Capnocytophaga do complexo verde, em comparação com os grupos e CCP. s proporções das espécies benéficas do complexo amarelo foram significativamente elevadas nos dois grupos de controlo, assim como no grupo CCP, em comparação com o grupo. ctinomyces gerencseriae ctinomyces israelii ctinomyces naeslundii 1 ctinomyces naeslundii 2 zul ctinomyces odontolyticus Veillonella parvula Roxo ESPÉCIES CTERINS ORIS gordonii intermedius mitis oralis sanguinis ggregatibacter actinomycetemcomitans Capnocytophaga gingivalis Capnocytophaga ochracea Capnocytophaga sputigena Eikenella corrodens Campylobacter gracilis Campylobacter rectus Campylobacter showae Eubacterium nodatum Fusobacterium nucleatum subspecies nucleatum Fusobacterium nucleatum subspecies polymorphum Fusobacterium nucleatum subspecies vicentii Fusobacterium periodonticum Parvimonas micra Prevotella intermedia Prevotella nigrescens constellatus Tannerella forsythia Porphyromonas gingivalis Treponema denticola Eubacterium saburreum Gemella morbillorum Leptotrichia buccalis Propionibacterium acnes Prevotella melaninogenica anginosus Selenomonas noxia Treponema socranskii marelo Verde Laranja Vermelho Outros Controlo Negativo (Sem bochecho) Controlo Negativo (Água) CCP CONTGENS D SOND DE DN (%) Figura 3. Percentagem média das contagens da sonda de DN das 39 espécies bacterianas orais nos quatro grupos experimentais. s espécies foram ordenadas de acordo com os complexos microbianos periodontais descritos por Socransky et al. 31 Os «outros» grupos foram constituídos por espécies bacterianas que não se adequaram a nenhum complexo ou novas sondas cujas relações com complexos existentes não foi determinada. proporção que cada espécie constituiu na contagem da sonda de DN total foi determinada para cada participante, calculando-se depois a média em cada grupo experimental. significância das diferenças entre os quatro grupos foi estimada através do teste de Kruskal-Wallis (p>0,05, ajustado para múltiplas comparações). : clorexidinaa 0,12%. CCP: cloreto de cetilpiridínio a 0,05% (Plax, Colgate, São Paulo). 44 JD, Vol N. o 5, Setembro/Outubro 2011

6 Capnocytophaga Fusobacterium (Sem bochecho) (Água) Negativo Controlo Negativo Controlo P R Á T I C C L Í N I C DISCUSSÃO Um dos objectivos do controlo da infecção na medicina dentária é reduzir ou eliminar a exposição dos pacientes e dos profissionais a microrganismos presentes nos aerossóis. 32 O bochecho oral prévio parece ser um dos métodos mais eficazes no controlo da disseminação de bactérias no consultório dentário, tendo alguns estudos abordado este tópico. 9-15,20,21,33 No nosso estudo, observámos que o bochecho pré-procedimento com CCP a 0,05 % é eficaz na redução de bactérias presentes nos salpicos orais. Os bochechos com CCP e foram igualmente eficazes Controlo Negativo (Sem bochecho) Controlo Negativo (Água) Fusobacterium Capnocytophaga Figura 4. Gráficos circulares da quantidade média de cada complexo microbiano nos quatro grupos experimentais. s espécies bacterianas orais apresentadas em cada complexo foram descritas na Figura 3. Um subgrupo do complexo laranja, que contém as quatro espécies de Fusobacterium, está representado pelo laranja escuro. significância das diferenças entre os grupos foi estimada utilizando o teste de Kruskal-Wallis e o teste U de Mann-Whitney (diferentes letras maiúsculas indicam diferenças significativas entre os grupos, p<0,05). : clorexidina a 0,12%. CCP: cloreto de cetilpiridínio a 0,05% (Plax, Colgate, São Paulo). na redução dos níveis de bactérias viáveis em todos os locais que estudámos: médico dentista, tabuleiro de suporte e participante. Observámos um significativamente menor crescimento bacteriano nas placas de ágar-sangue dos participantes nos grupos CCP e, em comparação com os dos participantes nos grupos de controlo negativo. Têm sido relatados efeitos positivos do bochecho com por Logothetis e Martinez-Welles, 14 que descobriram que o bochecho oral prévio com reduziu significativamente as UFC em oito locais standard no consultório dentário (por exemplo, a máscara do operador e vários locais na sala operatória) quando comparadas com óleos essenciais e água. Da mesma forma, Klyn et al. 15 confirmaram que o bochecho oral com reduziu significativamente no número de UFC formadas durante a destartarização com ultra-sons, quando comparado com a ausência de bochecho oral. No entanto, os resultados destes dois estudos, tal como os do nosso estudo, contradizem os relatados por ay et al., 33 que descobriram não haver diferenças significativas no número total de UFC entre os participantes que bochecharam com, óleos essenciais ou água antes de se submeterem a um procedimento. Sugerem que o período de bochecho de 30 segundos utilizado no seu estudo possa ter sido demasiado curto para produzir um efeito antimicrobiano. O nosso estudo, assim como o de Logothetis e Martinez-Welles, 14 relatou o bochecho pré-procedimento durante um minuto. O spray produzido pela seringa de ar-água e por um instrumento de alta rotação pode ser encontrado na concentração mais elevada a cerca de 60 centímetros do paciente, que é onde o profissional dentário normalmente está posicionado. 7 entley et al. 34 descobriram que, na maioria das vezes, a disseminação de microrganismos orais gerados durante os procedimentos dentários vai na direcção do peito do paciente e da cara do operador. Os nossos resultados estão de acordo, em parte, com estas afirmações. Descobrimos a maior contagem de UFC nas placas de ágar-sangue no peito do participante e no tabuleiro de suporte, colocado a cerca de 30 centímetros da boca do participante, e a menor contagem de UFC nas placas de ágar-sangue na testa do médico dentista. Um aspecto importante do nosso estudo foi a identificação dos microrganismos recuperados a partir dos salpicos. s proporções das espécies Fusobacterium, consideradas potenciais agentes patogénicos periodontais, foram inferiores nos salpicos dos grupos e CCP em comparação com as dos grupos de controlo. Este é um resultado positivo, já que as espécies Fusobacterium podem estar envolvidas na etiologia de infecções sistémicas várias, como por exemplo infecção oftálmica e infecção respiratória. 35,36 Estes dados sugerem não só que a quantidade de bactérias nos salpicos é reduzida quando os participantes bochecham com ou CCP antes de se submeterem à destartarização com ultra-sons, mas também que o potencial virulento dos salpicos pode diminuir. Para além de ter percentagens menores de espécies Fusobacterium, os salpicos dos participantes que bochecharam com ou CCP também revelaram maiores contagens das espécies do complexo verde compatível com o hospedeiro. Devido a este efeito positivo na composição da microbiota oral, estudos futuros poderão avaliar os possíveis benefícios da utilização de CCP durante o tratamento periodontal. Os resultados de um estudo recente do nosso grupo de trabalho mostraram que a utilização de durante dois meses na fase activa do tratamento e na fase de cicatrização pode melhorar os efeitos clínicos e microbiológicos do tratamento periodontal. 37 JD, Vol N. o 5, Setembro/Outubro

7 P R Á T I C C L Í N I C Em geral, os resultados da nossa investigação mostraram que o bochecho oral com CCP a 0,05% foi tão eficaz quanto o bochecho oral com a 0,12% na redução de bactérias viáveis nos salpicos orais. Como algumas pessoas não toleram o sabor da e outras podem desenvolver irritação da mucosa ou sofrer outros efeitos secundários, como manchar os dentes ou a língua ou sentir um sabor metálico com a utilização deste agente anti-séptico, 38 a utilização do CCP é uma alternativa. Os efeitos secundários mais comuns relacionados com a utilização do CCP são alterações ligeiras no paladar e uma sensação de ardor. 18,39,40 O CCP também é mais barato que a, o que pode ser vantajoso quando utilizado como bochecho oral prévio ao tratamento na prática diária, o que implica a utilização de grandes quantidades desta solução. CONCLUSÃO Os bochechos orais com CCP a 0,05% e a 0,12% são igualmente eficazes na redução dos níveis de bactérias dos salpicos gerados durante a destartarização com ultra-sons e a sua utilização poderá ajudar a reduzir o nível de contaminação microbiana no consultório dentário. Devido ao seu forte efeito anti-bacteriano e ao facto de ter menos efeitos secundários que a, a solução com CCP a 0,05% pode ser uma boa alternativa à que contém 0,12 de como bochecho oral precedente ao tratamento dentário. Conflito de interesses. ernal Stewart e o Dr. de Vizio são funcionários da Colgate-Palmolive, que financiou a investigação realizada neste estudo. investigação aqui descrita foi apoiada financeiramente e através do donativo de produtos pela Colgate-Palmolive, São Paulo. 1. nders PL, Drinnan J, Thines TJ. Infectious diseases and the dental office. N Y State Dent J 1998;64(4): Miller RL, urton WE, Spore RW. erosols produced by dental instrumentation. In: Proceedings of the First International Symposium on erobiology. Oakland, Calif.: Naval Research, Naval iological Laboratory and School of Public Health, University of California; 1963; Harrel SK, Molinari J. erosols and splatter in dentistry: a brief review of the literature and infection control implications. JD 2004; 135(4): Hubar JS, Pelon W. Low-cost screening for microbial contaminants in aerosols generated in a dental office. Gen Dent 2005;53(4): King T, Muzzin K, erry CW, nders LM. The effectiveness of an aerosol reduction device for ultrasonic scalers. J Periodontol 1997; 68(1): Checchi L, Montevecchi M, Moreschi, Graziosi F, Taddei P, Violante FS. Efficacy of three face masks in preventing inhalation of airborne contaminations in dental practice. JD 2005;136(7): Cochran M, Miller CH, Sheldrake M. The efficacy of the rubber dam as a barrier to the spread of microorganisms during dental treatment. JD 1989;119(1): Costello MR. Dental dams: the secret tool for infection control. Compend Contin Educ Dent 2006;27(3): Litsky Y, Mascis JD, Litsky W. Use of an antimicrobial mouthwash to minimize the bacterial aerosol contamination generated by the high-speed drill. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1970;29(1): Mohammed CI, Monserrate V. Preoperative oral rinsing as a means of reducing air contamination during use of air turbine handpieces. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1970;29(2) Fine DH, Mendieta C, arnett ML, et al. Efficacy of preprocedural rinsing with an antiseptic in reducing viable bacteria in dental aerosols. J Periodontol 1992;63(10): Fine DH, Yip J, Furgang D, arnett ML, Olshan M, Vincent J. Reducing bacteria in dental aerosols: pre-procedural use of an antiseptic mouthrinse. JD 1993;124(5): Fine DH, Furgang D, Korik I, Olshan, arnett ML, Vincent JW. Reduction of viable bacteria in dental aerosols by preprocedural rinsing with an antiseptic mouthrinse. m J Dent 1993:6(5): Logothetis DD, Martinez-Welles JM. Reducing bacteria aerosol contamination with a chlorhexidine gluconate pre-rinse. JD 1995; 126(12): Klyn SL, Cummings DE, Richardson W, Davis RD. Reduction of bacteria-containing spray produced during ultrasonic scaling. Gen Dent 2001;49(6): Junevicius J, Surna, Surna R. Effectiveness evaluation of different suction systems. Stomatologija 2005;7(2): DePaola LG, Minah GE, Overholser CD, et al. Effect of an antiseptic mouthrinse on salivary microbiota. m J Dent 1996;9(3): Herrera D, Santos S, Ferrús J, arbieri G, Trombelli L, Sanz M. Efficacy of a 0.15 percent benzydamine hydrochloride and 0.05 percent cetylpyridinium chloride mouth rinse on 4-day de novo plaque formation. J Clin Periodontol 2005;32(6): Quirynen M, Soers C, Desnyder M, Dekeyser C, Pauwels M, van Steenberghe D percent cetyl pyridinium chloride/0.05 percent chlorhexidine mouth rinse during maintenance phase after initial periodontal therapy. J Clin Periodontol 2005;32(4): Muir KF, Ross PW, MacPhee IT, Holbrook WP, Kowolik MJ. Reduction of microbial contamination from ultrasonic scalers. r Dent J 1978;145(3): Wyler D, Miller RL, Micik RE. Efficacy of self-administered preoperative oral hygiene procedures in reducing the concentration of bacteria in aerosols generated during dental procedures. J Dent Res 1971;50(2): Stookey GK, eiswanger, Mau M, Issacs RL, Witt JJ, Gibb R. 6-month clinical study assessing the safety and efficacy of two cetylpyridinium chloride mouthrinses. m J Dent 2005;18(special issue): lbert-kiszely, Pjetursson E, Salvi GE, et al. Comparison of the effects of cetylpyridinium chloride with an essential oil mouth rinse on dental plaque and gingivitis: a six-month randomized controlled clinical trial. J Clin Periodontol 2007;34(8): Silva MF, dos Santos N, Stewart, DeVizio W, Proskin HM. clinical investigation of the efficacy of a commercial mouthrinse containing 0.05 percent cetylpyridinium chloride to control established dental plaque and gingivitis. J Clin Dent 2009;20(2): Witt JJ, Walters P, soul S, Gibb R, Dunavent J, Putt M. Comparative clinical trial of two antigingivitis mouthrinses. m J Dent 2005;18(special issue): Millns, Martin MV, Field E. The sensitivity to chlorhexidine and cetyl pyridinium chloride of staphylococci on the hands of dental students and theatre staff exposed to these disinfectants. J Hosp Infect 1994;26(2): Ziskind D, Gleitman J, Rotstein I, Friedman M. Evaluation of cetylpyridinium chloride for infection control in storage solution. J Oral Rehabil 2003;30(5): Lessa FC, Enoki C, Ito IY, Faria G, Matsumoto M, Nelson-Filho P. Invivo evaluation of the bacterial contamination and disinfection of acrylic baseplates of removable orthodontic appliances (published correction appears in m J Orthod Dentofacial Orthop 2007;132[6]:727). m J Orthod Dentofacial Orthop 2007;131(6):705.e e raujo MW, Hovey KM, enedek JR, et al. Reproducibility of probing depth measurement using a constant-force electronic probe: analysis of interand intraexaminer variability. J Periodontol 2003; 74 (12): Socransky SS, Smith C, Martin L, Paster J, Dewhirst FE, Levin E. Checkerboard DN-DN hybridization. iotechniques 1994;17 (4): Socransky SS, Haffajee D, Cugini M, Smith C, Kent RL Jr. Microbial complexes in subgingival plaque. J Clin Periodontol 1998; 25(2): Molinari J. Dental infection control at the year 2000: accomplishment recognized. JD 1999;130(9): ay NL, Overman PR, Krust-ray K, Cobb C, Gross K. Effectiveness of antimicrobial mouthrinses on aerosols produced by an air polisher. J Dent Hyg 1993;67(6): entley CD, urkhart NW, Crawford JJ. Evaluating spatter and aerosol contamination during dental procedures. JD 1994;125(5): rat YO, Shetlar DJ, Rose JE. lindness from septic thrombo phlebitis of the orbit and cavernous sinus caused by Fusobacterium nucleatum. rch Ophthalmol 2004;122(4): hattacharya S, Livsey S, Wiselka M, ukhari SS. Fusobacteriosis presenting as community acquired pneumonia. J Infect 2005;50 (3): Feres M, Gursky LC, Faveri M, Tsuzuki CO, Figueiredo LC. Clinical and microbiological benefits of strict supragingival plaque control as part of the active phase of periodontal therapy. J Clin Periodontol 2009;36(10): McCoy LC, Wehler CJ, Rich SE, Garcia RI, Miller DR, Jones J. dverse events associated with chlorhexidine use: results from the Department of Veterans ffairs Dental Diabetes Study. JD 2008; 139(2): Jenkins S, ddy M, Newcombe RG. comparison of cetylpyridinium chloride, triclosan and chlorhexidine mouthrinse formulations for effects on plaque regrowth. J Clin Periodontol 1994;21(6): Haps S, Slot DE, erchier CE, Van der Weijden G. The effect of cetylpyridinium chloride-containing mouth rinses as adjuncts to toothbrushing on plaque and parameters of gingival inflammation: a systematic review. Int J Dent Hyg 2008;6(4): JD, Vol N. o 5, Setembro/Outubro 2011

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

* Testes in vitro. Uma bomba na sua higiene oral.

* Testes in vitro. Uma bomba na sua higiene oral. 8 0 0 2 A S N E R P M I E D R E I S S DO * Testes in vitro Uma bomba na sua higiene oral. Uma Bomba na sua Higiene Oral! LISTERINE: O ELIXIR Nº 1 NO MUNDO A utilização de escova de dentes e fio dentário

Leia mais

Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica. Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival

Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica. Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival Novo Tratamento para Estomatite Aftosa Recorrente Ômega-3 Reduz os Sinais

Leia mais

Novo Enxaguatório Bucal Trata a Periodontite em 1 Mês

Novo Enxaguatório Bucal Trata a Periodontite em 1 Mês Novo Enxaguatório Bucal Trata a Periodontite em 1 Mês Promove Redução de 17% das Bactérias Patogênicas Causadoras da Placa Mecanismo de Ação Inovador Sem Efeitos Adversos Relatados Curcumina e Periodontite

Leia mais

ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz O termo doença periodontal descreve uma diversidade de entidades clínicas distintas que afetam o periodonto, incluindo

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

A placa dental. 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de 10/11/2008. A placa dental como um biofilme. A placa dental como um biofilme

A placa dental. 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de 10/11/2008. A placa dental como um biofilme. A placa dental como um biofilme 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de Odontologia A placa dental como um biofilme Biofilme Comunidade microbiana relativamente indefinida associada à superfície de qualquer material duro não-descamativo

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA THAISA CEZÁRIA TRICHES CONDIÇÃO MICROBIOLÓGICA APÓS TRATAMENTO

Leia mais

Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana

Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana Artigo Inédito Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana Janice de Castro Quiles*, Bianca Luz Salazar*, Márcio Salazar*, Maurício Guimarães Araújo* Palavras-chave Clorexidina.

Leia mais

Avaliação da Microbiota Bucal Antes e Após a Instalação de Aparelhos Ortodônticos

Avaliação da Microbiota Bucal Antes e Após a Instalação de Aparelhos Ortodônticos UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE Avaliação da Microbiota Bucal Antes e Após a Instalação de Aparelhos Ortodônticos

Leia mais

Controle da placa bacteriana supragengival na terapia periodontal não-cirúrgica

Controle da placa bacteriana supragengival na terapia periodontal não-cirúrgica Revista de Odontologia da UNESP. 2006; 35(4): 313-18 2006 - ISSN 1807-2577 Controle da placa bacteriana supragengival na terapia periodontal não-cirúrgica Marcelo de FAVERI a, Magda FERES b, Lauren Christine

Leia mais

Antibioticoterapia no tratamento da peri-implantite

Antibioticoterapia no tratamento da peri-implantite Revisão da Literatura Caderno Científi co Antibioticoterapia no tratamento da peri-implantite Antibioticotherapy in the treatment of peri-implantitis: a literature review Fábio Rodrigues 1 Júlia Almeida

Leia mais

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS PROFILAXIA ANTIBIÓTICA EM CIRURGIA DE TERCEIROS MOLARES (Antibioticoterapia profilática) Mestrandos: Érika Maria Carvalho Bitencourt Iury Oliveira Castro Rafaella Mosquera Chaves Thiago Oliveira Sousa

Leia mais

VARIABILIDADE NA PROFUNDIDADE CLÍNICA

VARIABILIDADE NA PROFUNDIDADE CLÍNICA VARIABILIDADE NA PROFUNDIDADE CLÍNICA DE SONDAGEM UTILIZANDO SONDA CONVENCIONAL E DE PRESSÃO CONTROLADA 1 Professor assistente em Periodontia Universidade do Sagrado Coração - USC 2 Professor assistente

Leia mais

Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor Raul Instituição: UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC

Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor Raul Instituição: UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC Titulo: ESTUDO COMPARATIVO DA MICROBIOTA ENCONTRADA NO AMBIENTE ODONTOLÓGICO DURANTE UM DIA DE TRABALHO SOB VENTILAÇÃO NATURAL E NA SUPERFÍCIE DO AR CONDICIONADO. Autor(es): PIRES, Patrícia; MINHUEY, Nestor

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

Os efeitos da alimentação sobre a saúde oral dos cães e gatos. Ananda P. Félix e Mariana Scheraiber Universidade Federal do Paraná

Os efeitos da alimentação sobre a saúde oral dos cães e gatos. Ananda P. Félix e Mariana Scheraiber Universidade Federal do Paraná Os efeitos da alimentação sobre a saúde oral dos cães e gatos Ananda P. Félix e Mariana Scheraiber Universidade Federal do Paraná Periodontite Problema mais comum, que afeta 80% dos cães e 70% dos gatos

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

EMANUEL DA SILVA ROVAI ESTUDO DA DIVERSIDADE MICROBIANA E NÍVEIS DE ENDOTOXINAS EM LESÕES ENDO-PERIODONTAIS

EMANUEL DA SILVA ROVAI ESTUDO DA DIVERSIDADE MICROBIANA E NÍVEIS DE ENDOTOXINAS EM LESÕES ENDO-PERIODONTAIS 1 EMANUEL DA SILVA ROVAI ESTUDO DA DIVERSIDADE MICROBIANA E NÍVEIS DE ENDOTOXINAS EM LESÕES ENDO-PERIODONTAIS 2014 2 EMANUEL DA SILVA ROVAI ESTUDO DA DIVERSIDADE MICROBIANA E NÍVEIS DE ENDOTOXINAS EM LESÕES

Leia mais

Avaliação da higiene bucal em pacientes ortodônticos

Avaliação da higiene bucal em pacientes ortodônticos Trabalho original Ortopesquisa Avaliação da higiene bucal em pacientes ortodônticos Evaluation of oral hygiene in orthodontic patients Ana Carolina Ficho 1, Anderson Capistrano 2, Renata Cristina Faria

Leia mais

Quadro 1. Tipologia do desenho de investigação da pesquisa. Adaptação de Rouquayrol e Almeida Filho (1999) 3.

Quadro 1. Tipologia do desenho de investigação da pesquisa. Adaptação de Rouquayrol e Almeida Filho (1999) 3. Metodologia 37 4 METODOLOGIA 4.1 Tipo de estudo O presente trabalho foi um Ensaio clínico, não-controlado, randomizado e cego, o estudo pode ser considerado ainda individuado, pois avaliou indivíduos como

Leia mais

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO Soluções Concentradas para Hemodiálise ENQUADRAMENTO O INFARMED, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

ECOLOGIA MICROBIANA DA

ECOLOGIA MICROBIANA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia ECOLOGIA MICROBIANA DA CAVIDADE BUCAL Prof. Dr. Mario Julio Avila-Campos http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac Ecologia

Leia mais

O NÚMERO DE BACTÉRIAS

O NÚMERO DE BACTÉRIAS O NÚMERO DE BACTÉRIAS A CONTAGEM EM PLACAS A contagem em placas é um dos métodos mais utilizados para determinar qual o número de microrganismos viáveis em um meio líquido. Quando a concentração é baixa,

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: TERAPIA FOTODINÂMICA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN Pesquisador: Carla

Leia mais

A doença periodontal e o fumo

A doença periodontal e o fumo A doença periodontal e o fumo Hubert Chamone Gesser ( h_gesser@hotmail.com ) - Cirurgião Dentista - Especialista em Odontologia em Saúde Coletiva pela ABO-SC - Mestrando em Engenharia de Produção Bioestatística

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus Manual sinônimo do Dentista de excelência Credenciado em

Leia mais

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL

CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL CONHECIMENTO DA CONTAMINAÇÃO PRESENTE NAS MOLDAGENS ODONTOLÓGICAS PELOS PROFISSIONAIS DOS LABORATÓRIOS DE PRÓTESE DE CASCAVEL Rosana Izabela Spiller 1 Rosana Aparecida dos Santos INTRODUÇÃO: Com a propagação

Leia mais

FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO

FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO Preparo de uma região para cirurgia FÁTIMA BARK BRUNERI LORAINE MERONY PINHEIRO UNIVERSIDADE POSITIVO Clinica Integrada II 3º Período Diurno Professores: Carmen Lucia Mueller Storrer Eli Luis Namba Fernando

Leia mais

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013

PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 PESQUISA MAU HÁLITO NO IDOSO - ABHA - 2013 A estrutura etária da população brasileira vem mudando ao longo dos anos, com aumento da expectativa de vida. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS

HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS HIGIENE BUCAL PARA BEBÊS Deve-se pensar em higiene bucal do bebê desde o momento em que se introduz alguma coisa que não esteja esterilizada em sua boca, como por exemplo o bico do peito. A higiene, enquanto

Leia mais

* Os instrumentos não são apresentados em tamanho real INSTRUMENTOS PARA IMPLANTODONTIA

* Os instrumentos não são apresentados em tamanho real INSTRUMENTOS PARA IMPLANTODONTIA * Os instrumentos não são apresentados em tamanho real INSTRUMENTOS PARA IMPLANTODONTIA IMPLACARE Excelente para a remoção dos depósitos, gentil com as superfícies implantares e protéticas. FATO Pesquisas

Leia mais

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Os ensaios clínicos são estudos de investigação realizados em voluntários humanos para responder a questões científicas específicas. Especialmente

Leia mais

DNA HYBRIDIZATION ESTUDO CLÍNICO

DNA HYBRIDIZATION ESTUDO CLÍNICO MARCELA PERDIZA AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO MICROBIANA DE APARELHOS ORTODÔNTICOS REMOVÍVEIS, COM OU SEM UTILIZAÇÃO DE AGENTE ANTIMICROBIANO, PELA TÉCNICA CHECKERBOARD DNA- DNA HYBRIDIZATION ESTUDO CLÍNICO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA CONSERVADORA GERMANO BORBA DE FREITAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA CONSERVADORA GERMANO BORBA DE FREITAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA CONSERVADORA GERMANO BORBA DE FREITAS TRATAMENTO DA PERIODONTITE CRÔNICA INSTRUMENTOS MANUAIS E ULTRA-SÔNICOS

Leia mais

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias

Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAI VI Tratamento de infecções causadas por bactérias anaeróbias Bactérias anaeróbias não-esporuladas Participam

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA PERIODONTAL E PERFIL MICROBIOLÓGICO DO BIOFILME SUBGENGIVAL EM MULHERES PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA.

AVALIAÇÃO CLÍNICA PERIODONTAL E PERFIL MICROBIOLÓGICO DO BIOFILME SUBGENGIVAL EM MULHERES PORTADORAS DE CÂNCER DE MAMA. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA MESTRADO EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA VIVIAN RODRIGUES BERNHARD AVALIAÇÃO CLÍNICA PERIODONTAL

Leia mais

Carlos Heitor Cunha Moreira 1, Tiago Fernandes 2, Raquel Antoniazzi 3, Cassiano Kuchenbecker Rösing 4

Carlos Heitor Cunha Moreira 1, Tiago Fernandes 2, Raquel Antoniazzi 3, Cassiano Kuchenbecker Rösing 4 RECURSOS DIAGNÓSTICOS DE DOENÇAS PERIODONTAIS UTILIZADOS POR CIRURGIÕES DENTISTAS DE TRÊS CIDADES DO RIO GRANDE DO SUL Diagnosis tools of periodontal disease used by dentists from 3 cities in Rio Grande

Leia mais

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE

MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE MANTENHA SEU SORRISO FAZENDO A HIGIENE BUCAL CORRETAMENTE SAÚDE BUCAL Para ter um sorriso bonito, saudável e com hálito bom, é preciso: Escovar os dentes, utilizando uma escova de dente de tamanho adequado

Leia mais

Bem-vindo Revista Periodontia Março-2001

Bem-vindo Revista Periodontia Março-2001 Bem-vindo Revista Periodontia Março-2001 TRANSMISSÃO DE PERIODONTOPATÓGENOS ENTRE FAMILIARES Sinopse Rodrigo Otávio Citó César Rêgo* Joni Agusto Cirelli** Abstract Denise Madalena Palomari Spolidório***

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos. Plaque Removal in Orthodontic Patients

Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos. Plaque Removal in Orthodontic Patients Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos Plaque Removal in Orthodontic Patients Mariana de Pinho Noronha (aluna de doutorado em Ortodontia FO UERJ) Fabrício Batistin Zanatta (Especialista

Leia mais

Instituição Educacional: Universidade de São Paulo USP Ribeirão Preto

Instituição Educacional: Universidade de São Paulo USP Ribeirão Preto PESQUISA 1º colocado Título do Trabalho: Avaliação dos conhecimentos relativos aos cuidados com as escovas dentais, após sua utilização, em adultos, crianças e pacientes especiais. Autor (a): Dr. Jerônimo

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO 1. DIAGNÓSTICO 1.1- ANAMNESE 1.2- EXAMES COMPLEMENTARES 1.3- AVALIAÇÕES CLÍNICA 1.1. ANAMNESE História

Leia mais

Microbiologia das doenças periimplantares: revisão de literatura

Microbiologia das doenças periimplantares: revisão de literatura Revista de Odontologia da UNESP. 2007; 36(1): 61-9 2007 - ISSN 1807-2577 Microbiologia das doenças periimplantares: revisão de literatura Leandro de MELO a, Thales Rodrigo Colombo VITUSSI a, José Alexandre

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1.NOME DO MEDICAMENTO Corsodyl Dental 2 mg/ml solução para lavagem da boca 2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada mililitro de Corsodyl Dental solução para

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

A higiene oral para portadores de aparelho dentário

A higiene oral para portadores de aparelho dentário A higiene oral para portadores de aparelho dentário Mesmo que você ainda não use aparelho dentário, saiba que manter uma higiene oral cuidada é muito importante. Não apenas por uma questão estética, mas

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

RESUMO Objetivos: Avaliar os efeitos antiplaca e antigengivite de um anti-séptico bucal contendo óleos essenciais no protocolo

RESUMO Objetivos: Avaliar os efeitos antiplaca e antigengivite de um anti-séptico bucal contendo óleos essenciais no protocolo R. Periodontia - Setembro 2008 - Volume 18 - Número 03 EFEITOS ANTIPLACA E ANTI-GENGIVITE ASSOCIADOS AO USO DE UM ANTI-SÉPTICO BUCAL CONTENDO ÓLEOS ESSENCIAIS NO PROTOCOLO TERAPÊUTICO DESINFECÇÃO DE BOCA-TOTAL

Leia mais

Promovemos sorrisos sãos

Promovemos sorrisos sãos Promovemos sorrisos sãos Periodontia A higiene oral do paciente é primordial para que o tratamento periodontal tenha êxito. A chave está nos conselhos dos profissionais da equipa de periodontia e em produtos

Leia mais

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1.

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1. OS DENTIFRÍCIOS OS DENTIFRÍCIOS E A HIGIENE ORAL Diferentes tipos de microrganismos se desenvolvem na cavidade oral. Muitos são inofensivos, outros não. Algumas bactérias fermentam os carboidratos (predominantemente

Leia mais

INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1

INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 INDÍCE DE HIGIENE ORAL SIMPLIFICADO EM ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL AVALIADO ANTES DO BOCHECHO COM FLÚOR 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 2 Luciano Martini INTRODUÇÃO Na Odontologia, com o problema

Leia mais

Bem-vindo Revista Periodontia Janeiro/Junho-2000

Bem-vindo Revista Periodontia Janeiro/Junho-2000 Bem-vindo Revista Periodontia Janeiro/Junho-2000 PARTICIPAÇÃO DA PERIODONTIA NO TRATAMENTO ORTODÔNTICO Sinopse Marcelo Diniz CARVALHO* Getúlio da R. NOGUEIRA Filho** Abstract Viniciua A. TRAMONTINA***

Leia mais

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Juliana Marotti 1, Pedro Tortamano Neto 2, Dieter Weingart 3 1 Doutoranda do Departamento de Prótese da Faculdade de Odontologia da USP,

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Definição Inflamação dos tecidos gengivais sem afetar irreversivelmente o aparato de inserção Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Prevenir AGORA para um Futuro Livre de Cárie Um Recurso de Saúde Oral Creme dental fluoretado Resumo Completo Descrição: Os cremes dentais, também chamadas dentifrícios, são pastas, géis ou na forma de pó que ajudam a remover a placa e fortalecem o esmalte dentário e a dentina.

Leia mais

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias

Sistema INERCO. Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Fabrícia Figueiredo Paulo André Yamin Pedro Lobo Antunes Priscila Tralba Rampin Rafael Baldo Beluti Thalia Lino Dias Sistema INERCO Instalação Ergonomia Controle de infecção Instalação O

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Periogard 0,2 % solução bucal Cloro-hexidina, gluconato Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires Enquadramento O INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE

RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação Disciplina de Periodontia 5 o período RASPAGEM E ALISAMENTO RADICULAR E TRATAMENTO PERIODONTAL DE SUPORTE Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

Tocar, Nutrir e Cuidar

Tocar, Nutrir e Cuidar Tocar, Nutrir e Cuidar Soluções adequadas para a prevenção e cicatrização de feridas tocar nutrir cuidar Quando falamos do cuidado integral do paciente precisamos pensar em vários fatores que afetam a

Leia mais

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun

EXAMES MICROBIOLÓGICOS. Profa Dra Sandra Zeitoun EXAMES MICROBIOLÓGICOS Profa Dra Sandra Zeitoun Exames microbiológicos Os microorganismos que causam doenças infecciosas são definidos como patógenos, pois se multiplicam e causam lesão tecidual. Todos

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM HIPERSENSIBILIDADE Produto em processo de aprovação junto à ANVISA www.colgateprofissional.com.br Apresentando Pro-Argin

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Maria Angela M. Mimura As alterações e patologias apresentadas no caso de Dona Margarida são diversas e de etiologias diferentes, portanto serão tratadas por itens de modo

Leia mais

COMO PREVENIR E COMBATER O MAU HÁLITO E OS PROBLEMAS DENTÁRIOS DO MEU CÃO E GATO?

COMO PREVENIR E COMBATER O MAU HÁLITO E OS PROBLEMAS DENTÁRIOS DO MEU CÃO E GATO? Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira COMO PREVENIR E COMBATER O MAU HÁLITO E OS PROBLEMAS DENTÁRIOS DO MEU CÃO E GATO? Sabia que as infecções da boca e dos dentes

Leia mais

Sinopse CORTELLI, S. C. * Abstract CORTELLI, J. R. *** ESTUDO DA CORRELAÇÃO ACTINOBACILLUS ACTINOMYCETEMCOMITANS E BOLSAS PERIODONTAIS PROFUNDAS

Sinopse CORTELLI, S. C. * Abstract CORTELLI, J. R. *** ESTUDO DA CORRELAÇÃO ACTINOBACILLUS ACTINOMYCETEMCOMITANS E BOLSAS PERIODONTAIS PROFUNDAS ESTUDO DA CORRELAÇÃO ACTINOBACILLUS ACTINOMYCETEMCOMITANS E BOLSAS PERIODONTAIS PROFUNDAS Sinopse CORTELLI, S. C. * JORGE, A. O. C. ** Abstract CORTELLI, J. R. *** file:///d /2003/janeiro/estu_cor/estu_cor.html

Leia mais

Epidemiologia e Microbiologia da Peri-implantite

Epidemiologia e Microbiologia da Peri-implantite - 1 - Ministério da Educação Brasil Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Minas Gerais Brasil Revista Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas Reg.: 120.2.095 2011 UFVJM ISSN: 2238-6424

Leia mais

Floxedol destina-se a ser utilizado em adultos e crianças com idade igual ou superior a um ano de idade.

Floxedol destina-se a ser utilizado em adultos e crianças com idade igual ou superior a um ano de idade. FOLHETO INFORMATIVO FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR floxedol 3 mg/ml Gel oftálmico Ofloxacina Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

Antibióticos na Doença Periodontal Canina

Antibióticos na Doença Periodontal Canina Atualização em Terapêutica Veterinária Distribuído por Farmácia Veterinária de Manipulação Antibióticos na Doença Periodontal Canina A adequação ao tratamento é muito importante na obtenção da recuperação

Leia mais

Cuidados dentários em cães e gatos

Cuidados dentários em cães e gatos Anátomo-Fisiologia Estrutura do dente (fig. 1) Cuidados dentários em cães e gatos Externamente divide-se em duas áreas: coroa (superfície para fora da junção com a margem gengival) e a raiz (porção para

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

Palavras-Chave Cor, Espectrofotometria, Própolis, Resina composta, Café

Palavras-Chave Cor, Espectrofotometria, Própolis, Resina composta, Café Ciências da Vida - Odontologia AVALIAÇÃO ATRAVÉS DA ESPECTROFOTOMETRIA DAS ALTERAÇÕES DE COR EM DUAS RESINAS COMPOSTAS COM O USO DE SOLUÇÃO A BASE DE PRÓPOLIS TIPIFICADA ASSOCIADA OU NÃO À INGESTÃO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CENTRO REGIONAL DAS BEIRAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Estabelecimento de protocolos de diagnóstico de agentes microbianos associados à periodontite. Dissertação

Leia mais

Nome Técnico: Material de moldagem odontológico Nome comercial: Alginatos Cavex

Nome Técnico: Material de moldagem odontológico Nome comercial: Alginatos Cavex Relatório Técnico da família de material de moldagem odontológico Cavex. Nome Técnico: Material de moldagem odontológico Nome comercial: Alginatos Cavex Modelos: CA 37, Impressional, ColorChange, Orthotrace,

Leia mais

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA E AJUDE A PREVENÍ-LA Sua dieta e seus hábitos de saúde bucal podem fazer uma grande diferença A RELAÇÃO ENTRE OS DENTES, BACTÉRIAS E OS ÁCIDOS DO AÇÚCAR Esses fatores desencadeiam

Leia mais