Volume 1 - Edição 12 - Novembro de 2003

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Volume 1 - Edição 12 - Novembro de 2003"

Transcrição

1 Volume 1 - Edição 12 - Novembro de 2003 Este Informativo Técnico foi produzido pela área de Saúde Ocupacional e Segurança Ambiental da 3M e é destinado aos Profissionais de Segurança. Se desejar obter mais informações, utilize o formulário do Fale Conosco. Estudos respaldam os métodos de ensaio de vedação existentes Introdução Um estudo publicado recentemente oferece uma nova perspectiva sobre as diferenças e similaridades entre três métodos de ensaio de vedação comumente utilizados (1). Tal estudo ilustra que, embora cada método determine a vedação de maneira diferente, os três métodos são efetivos na identificação de uma selagem adequada. O objetivo principal do estudo era avaliar o grau de concordância entre os resultados obtidos através de cada método. Outro objetivo era determinar se havia variação no desempenho de um dado método de ensaio de vedação quando comparado com diferentes "métodos de referência". (No processo de avaliação e validação de um método para ensaio de vedação, o método de referência é aquele que se acredita ser capaz de identificar corretamente selagens aceitáveis e inaceitáveis). Métodos Os procedimentos utilizados foram similares aos recomendados para avaliação de novos métodos de ensaio de vedação pela norma ANSI Z (2). Estas recomendações sugerem que um novo método para ensaio de vedação deve apresentar uma sensibilidade mínima de 0,95. Em outras palavras, o método em avaliação deve ser capaz de identificar pelo menos 95% das mesmas falhas de vedação identificadas em um método quantitativo de referência. Isso significa assumir que os resultados obtidos em um ensaio de vedação quantitativo são considerados como corretos. As recomendações da referida norma ANSI permitem que qualquer um dos seguintes métodos quantitativos seja utilizado como método de referência: 1) aerossol gerado; 2) aerossol ambiente (PortaCount ); e 3) controle de pressão negativa (FitTester 3000). O estudo comparou os desempenhos dos métodos quantitativos utilizando o Portacount (CNC), o FitTester 3000 (CNP) e o método de ensaio de vedação qualitativo com Bitrex TM. Todos os três métodos foram previamente validados a partir do ensaio quantitativo com geração de aerossol. O Potacount é um instrumento para ensaio de vedação quantitativo que conta partículas com diâmetro da ordem de submicrons (conhecidas como núcleos de condensação) dentro e fora da peça facial. O número de partículas detectadas no ambiente (fora da peça facial) é dividido pelo número de partículas contadas dentro do respirador para se calcular um fator de vedação.

2 O FitTester 3000 é um instrumento para realização de ensaios de vedação quantitativos que requer que o respirador seja selado com adaptadores especiais enquanto o usuário segura a respiração. O equipamento então retira o ar de dentro da peça facial até atingir um determinado valor de pressão negativa (tipicamente, 15 mm de coluna d'água). Mantendo fixa esta pressão negativa, a vazão volumétrica de ar que penetra através das falhas de vedação é medida. Um fator de vedação é calculado através do quociente entre um consumo padrão de ar em litros por minuto (geralmente, 53,8 litros/min) e a vazão de ar medida devido aos vazamentos. O método qualitativo utilizando Bitrex como agente de ensaio requer que o usuário consiga detectar o gosto amargo de um aerossol de solução de Bitrex (benzoato de denatônio) como forma de indicar falhas na vedação facial. A fim de garantir a acuidade de paladar necessária, cada usuário submetido ao ensaio deve passar por um teste de sensibilidade com uma solução diluída de Bitrex. O teste de sensibilidade é realizado com uma solução de Bitrex cerca de 100 vezes mais diluída do que a solução de ensaio em termos da resposta sensorial obtida. Estes três sistemas de ensaio de vedação foram designados CNC, CNP e Bitrex, respectivamente. Vinte e cinco pessoas foram submetidas a ensaios de vedação por três vezes com todos os três métodos, usando duas marcas diferentes de respirador. Cada vez que um respirador era colocado sobre a face, todos os três testes eram conduzidos sem remover ou alterar o ajuste do respirador. Isto é necessário em uma avaliação de métodos de ensaio de vedação para que cada método possa avaliar a "mesma selagem". Além disso, uma vez que um ensaio de vedação deve ser capaz de identificar tanto os ajustes aceitáveis como inaceitáveis, alguns usuários testaram Respiradores cuja selagem não era esperada. Um ajuste inadequado foi definido como tendo um fator de vedação inferior a 100 para os métodos CNC e CNP, e uma resposta ao gosto positiva para o ensaio qualitativo com Bitrex. Estes são os mesmos critérios usados nas regulamentações da OSHA em proteção respiratória (3). Os resultados dos testes foram analisados utilizando-se, um por vez, cada método de ensaio de vedação como o método de referência e calculando-se as sensibilidades dos outros dois métodos. Resultados e Discussão Um total de 75 ensaios de vedação foram conduzidos com cada método. Os métodos CNC, CNP e Bitrex detectaram 15, 24 e 22 ajustes inadequados, respectivamente. As sensibilidades calculadas para cada método são mostradas na Tabela I. Tabela I. Sensibilidade do Teste em Função do Método de Referência Método de Sensibilidade Sensibilidade Sensibilidade Referência Bitrex CNC CNP Bitrex --- 0,50 0,82 CNC 0, ,87 CNP 0,75 0,54 ---

3 Um resumo da comparabilidade dos resultados aprovado/reprovado dos três métodos são dados na Tabela II. Tabela II. Comparabilidade dos Resultados Aprovado/Reprovado Número de Testes Número de Testes Aprovados Reprovados Em todos os três métodos Somente no método CNC 8 1 Somente no método CNP 1 3 Somente no método Bitrex 3 3 Nenhum dos métodos atendeu o critério de sensibilidade sugerido de 0,95 quando comparado com os outros dois métodos. Conforme mostra a Tabela II, os três métodos nem sempre concordaram em relação à aceitabilidade de um mesmo ajuste. Todos os três métodos concordaram que um determinado ajuste era adequado ou inadequado em aproximadamente 75% das vezes ([56 75]x100). Inversamente, houve discordância entre os métodos em aproximadamente 25% das vezes. Tabela III. Diferenças Fundamentais entre os Métodos de Ensaio de Vedação Período de Medição Tipo de Medição Resposta a Falhas Problemas na Amostragem CNC 30 segundos Dinâmica Integrada Interferência potencial CNP ~ 8 segundos Estática Integrada Sem interferência Bitrex 30 segundos Dinâmica Instantânea Sem interferência Estes resultados não são surpreendentes visto que os três métodos de ensaio de vedação são fundamentalmente distintos. A Tabela III lista importantes diferenças entre os métodos de teste. Enquanto os métodos CNC e Bitrex foram projetados para detectar falhas na vedação facial durante todo o período de exercícios, o método CNP coleta amostras de curta duração após cada período de exercício. Assim, vazamentos dinâmicos que possam ocorrer durante um exercício seriam potencialmente detectados pelos métodos CNC e Bitrex e não pelo método CNP. Os métodos CNC e CNP integram as medidas de vazamentos ao longo do período de amostragem de 30 ou 8 segundos e calculam um vazamento médio para todo o ensaio. Um vazamento instantâneo ou vazamentos relativamente altos durante um único exercício podem ser compensados por longos períodos de pequenos vazamentos menores, resultando em fator de vedação total superior a 100. Por outro lado, o ensaio com Bitrex é tal que qualquer vazamento capaz de desencadear uma resposta ao gosto, independentemente de sua duração, resulta em uma reprovação no teste. As medidas obtidas através do método de contagem dos núcleos de condensação (CNC) também estão sujeitas a interferências na amostragem, tais como partículas que penetram por uma falha de vedação e migram diretamente para o trato respiratório. A sonda de amostragem pode não detectar tais partículas. Falhas na detecção de todo e qualquer vazamento de aerossol para o interior da peça facial pode resultar em um super-dimensionamento dos fatores de vedação e uma possível classificação equivocada de ajuste inadequado. O "detector de

4 aerossol" no ensaio com Bitrex está localizado no próprio trato respiratório do usuário, ou seja, qualquer vazamento que alcance a zona respiratória será detectado. Uma vez que o método de controle da pressão negativa (CNP) mede diretamente o volume de ar que entra na peça facial através das falhas de vedação independente de sua localização, não há precauções quanto a interferências na amostragem com este método. Devido a estas diferenças fundamentais entre os três métodos de ensaio, um fator de vedação igual a 100 medido pelo método CNC parece não ser o mesmo que um fator de vedação de 100 medido pelo método CNP, nem o mesmo que ser aprovado em um ensaio qualitativo com Bitrex. Entretanto, embora os três métodos avaliem a vedação de maneiras distintas, testes em locais de trabalho com bons programas de proteção respiratória implementados indicam que os métodos de ensaio de vedação existentes são capazes de detectar com eficácia os ajustes inadequados. Vários estudos em locais de trabalho cujos programas de proteção respiratória não incluíam ensaios de vedação indicaram níveis significativamente menores de desempenho dos Respiradores. O fator de proteção no ambiente de trabalho representa o nível de proteção fornecido, nas condições daquele local de trabalho, por um respirador adequadamente selecionado, submetido a um ensaio de vedação, em perfeitas condições de funcionamento, quando colocado e usado corretamente (2). Medidas do fator de proteção no ambiente de trabalho iguais ou superiores ao fator de proteção atribuído (FPA) comprovam que o respirador está fornecendo o nível de proteção esperado. Uma série de estudos sobre o fator de proteção em ambientes de trabalho de Respiradores semifaciais indicam que 95% dos trabalhadores devem obter um fator de proteção maior que 10. Visto que um dos elementos para a eficácia de um respirador de pressão negativa consiste em garantir uma vedação adequada, aparentemente os métodos de ensaio de vedação empregados nestes estudos (CNC, sacarina e Bitrex) são efetivos na identificação de Respiradores com selagem adequada. Conclusões O desempenho dos métodos de ensaio de vedação CNC (contagem dos núcleos de condensação), CNP (controle de pressão negativa) e Bitrex foram comparados neste estudo. Os procedimentos utilizados para a comparação foram similares aos recomendados pela norma ANSI Z Nenhum dos três métodos atendeu ao critério de sensibilidade igual a 0,95 da norma ANSI quando comparado com os outros dois métodos. Os resultados obtidos pelos três métodos concordaram somente em 75% das vezes. Com base no número de ajustes inadequados identificados, o método CNP foi o mais conservador dos métodos de ensaio de vedação, seguido pelo ensaio qualitativo com Bitrex. Estes resultados demonstram que o método de referência usado para avaliar um ensaio de vedação tem influência sobre a performance aparente do mesmo. Até que as razões para este fato sejam completamente esclarecidas, um único método deve ser utilizado como referência para avaliação de novos métodos de ensaio de vedação. Visto que o método quantitativo de geração de aerossol tem sido utilizado como referência para todos os demais métodos de ensaio de vedação existentes, seu emprego com esta finalidade deve ser mantido. Ficou aparente também que a vedação não é uma quantidade absoluta que possa ser medida com precisão. Ao invés disso, todos os métodos de ensaio de vedação avaliados neste estudo fornecem um índice de ajuste aceitável. Estudos sobre fatores de proteção no ambiente de trabalho parecem validar os ensaios de

5 vedação tal como são realizados atualmente. Em vários destes estudos, trabalhadores que haviam passado por ensaios de vedação qualitativos ou quantitativos devidamente validados conseguiram o nível de proteção esperado de seus Respiradores semifaciais. Em outros estudos, trabalhadores que não foram submetidos a ensaios de vedação obtiveram níveis mais baixos de desempenho. Menor ênfase deveria ser dada à necessidade de usuários de Respiradores atingirem fatores de vedação específicos em ensaios de vedação quantitativos. Ser aprovado por qualquer método de ensaio de vedação validado utilizandose o método quantitativo de geração de aerossol como referência assegura que um ajuste aceitável será obtido sob condições reais de uso. Atualmente, os protocolos de ensaio de vedação usando CNC, CNP, Bitrex, sacarina e acetato de isoamila atendem aos critérios necessários para que um método de ensaio de vedação seja considerado aceitável. Informações mais detalhadas sobre este estudo podem ser encontradas em: Referências 1. Janssen, L.L.; Luinenburg, M.D.; Mullins, H.E. & Nelson, T.J.: Comparison of three commercially available fit-test methods. Am. Ind. Hyg. Assoc. Journal 63: (2002). 2. American National Standards Institute (ANSI): American National Standard Respirator Fit Testing Methods (ANSI Z88.10). Fairfax, Va.: American Industrial Hygiene Association, "Respiratory Protection", Code of Federal Regulations Title 29, Section pp Sobre o Autor Este artigo foi escrito por: Thomas J. Nelson, CIH Tom Nelson é higienista industrial certificado e consultor especializado em proteção respiratória. Foi secretário do comitê da norma ANSI Z88.10 de 1995 a 2000.

Kits para Ensaio de Vedação Qualitativo FT-10 (Sacarina)

Kits para Ensaio de Vedação Qualitativo FT-10 (Sacarina) 3 Kits para Ensaio de Vedação Qualitativo FT-10 (Sacarina) Dados Técnicos Janeiro/2005 Substitui: Descrição Geral O ensaio de vedação facial é um método capaz de assegurar uma selagem inicial adequada

Leia mais

PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA EM ESPAÇOS CONFINADOS SITUAÇÕES IPVS MAURÍCIO TORLONI

PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA EM ESPAÇOS CONFINADOS SITUAÇÕES IPVS MAURÍCIO TORLONI PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA EM ESPAÇOS CONFINADOS SITUAÇÕES IPVS MAURÍCIO TORLONI 2010 Manual de Proteção Respiratória Uma publicação da ABHO Maurício Torloni e Antonio Vladimir Vieira PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

Monitorização e Auditoria

Monitorização e Auditoria Monitorização e Auditoria Duas fases no processo de AIA, enquanto processo de planeamento e gestão ambiental: - A fase preditiva da pré-decisão e; - A fase de gestão da pós-decisão. A avaliação da capacidade

Leia mais

Um Estudo Comparativo de Sistemas Comerciais de Monitoramento da Limpeza com ATP

Um Estudo Comparativo de Sistemas Comerciais de Monitoramento da Limpeza com ATP Um Estudo Comparativo de Sistemas Comerciais de Monitoramento da Limpeza com ATP Baseado em dados gerados pelo Sillliker Group Inc Resumo O desempenho de 5 sistemas de monitoramento da higiene com ATP

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS

FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS Por: David S. Luther, Q.S.S.P. - Gerente de apoio ao produto, North Safety Products Adaptado por: Daniela

Leia mais

3M Proteção Respiratória

3M Proteção Respiratória 3M Proteção Respiratória Mais segurança. Mais conforto. Mais produtividade. 3Inovação 3M Respiradores de Pressão Positiva Tecnologia traduzida em proteção e conforto que você só conhece depois de experimentar

Leia mais

EQUIPAMENTO PARA AREIAS DE MOLDAGEM - VERIFICAÇÃO DO PERMEÂMETRO

EQUIPAMENTO PARA AREIAS DE MOLDAGEM - VERIFICAÇÃO DO PERMEÂMETRO SUMÁRIO Procedimento Folha : 1 de 7 1_ Objetivo 2_ Documento a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Tipos de permeâmetros abrangidos por esta 7_ Instruções de verificação 8_

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

MONITORAMENTO DE REDES. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro suruagy@cin.ufpe.br

MONITORAMENTO DE REDES. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro suruagy@cin.ufpe.br MONITORAMENTO DE REDES Prof. José Augusto Suruagy Monteiro suruagy@cin.ufpe.br 2 Preâmbulo O que é medição? 3 Realizar medições consiste em ajustar parâmetros de um modelo de modo que ele (ao menos aproximadamente)

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

Norma mundial para testes e classificação de filtros HEPA e ULPA

Norma mundial para testes e classificação de filtros HEPA e ULPA artigo técnico Norma mundial para testes e classificação de filtros HEPA e ULPA Autores: R. Vijayakumar, Ph.D., Aerfil LCC (EUA) e Marco Adolph, Dr., Trox do Brasil Contato: marcoadolph@gmail.com R. Vijayakumar

Leia mais

Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração

Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração Documento técnico Fundamentos de manuseio de fibra nas redes da próxima geração Por: Matt Brown Introdução À medida que a demanda por dados continua a aumentar, cresce também a penetração da fibra óptica

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008 Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão Maio 2008 Agenda 1. Risco Operacional a definição 2. Cálculo de capital requisitos regulamentares relação com perfil de risco utilidade

Leia mais

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Adriano Marum Rômulo 2014 Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Agenda I. Introdução II. Referencial Teórico III.

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA RECOMENDAÇÕES SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA RECOMENDAÇÕES SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA RECOMENDAÇÕES SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Paulo Jobim Filho FUNDACENTRO PRESIDENTE DA

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 103. Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho. PALESTRA Parte 3

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 103. Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho. PALESTRA Parte 3 Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 103 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho PALESTRA Parte 3 Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 103 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho Colaborador

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

Volume 1 - Edição 18 - Agosto de 2004

Volume 1 - Edição 18 - Agosto de 2004 Volume 1 - Edição 18 - Agosto de 2004 Este Informativo Técnico foi produzido pela área de Saúde Ocupacional e Segurança Ambiental da 3M e é destinado aos Profissionais de Segurança. Se desejar obter mais

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

3 Produtos Hospitalares

3 Produtos Hospitalares 3 Produtos Hospitalares Respirador PFF-2 contra Particulados para Uso Hospitalar 8801 CA 14209 Dados Técnicos Setembro/2006 Substitui: Janeiro/2005 Composição Constituído por uma concha interna de sustentação

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de 2013

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de Magnetização"No Contact" Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda

Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de MagnetizaçãoNo Contact Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda Ensaios por Partículas Magnéticas- Equipamentos de Magnetização"No Contact" Clayton Moura de Oliveira ITW - Chemical Products Ltda Trabalho apresentado na 6ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Prof. Dra. Janaína Fernandes Medeiros Burkert Controle de Qualidade Histórico

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Vôo por instrumentos. Brasil, 2010, Marcelo Moniz

Vôo por instrumentos. Brasil, 2010, Marcelo Moniz Vôo por instrumentos 1 Objetivo do Trabalho (1) Onde vou pousar? Qual o meu objetivo neste trabalho? (Um trabalho em EC; limpeza, pintura, corte, solda) O que eu preciso fazer para garantir a minha segurança

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Protege. proteção : : saúde : : inovação. Respirador 3M Aura MR

Protege. proteção : : saúde : : inovação. Respirador 3M Aura MR Número 6 Novembro 2012 Protege proteção : : saúde : : inovação Respirador 3M Aura MR o novo perfil da proteção Com seu exclusivo sistema de três painéis, o respirador 3M Aura MR proporciona ajuste aos

Leia mais

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações 2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações Ao longo do presente capítulo são introduzidos os principais elementos qualitativos e quantitativos capazes de permitir a avaliação do desempenho

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Tolerância dimensional

Tolerância dimensional Tolerância dimensional Introdução É muito difícil executar peças com as medidas rigorosamente exatas porque todo processo de fabricação está sujeito a imprecisões. Sempre acontecem variações ou desvios

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto.

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto. Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 07.209 Versão nº 1 SikaFuko Eco-1 Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques Descrição do produto Tubo de

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

A pista de fórmula 1 para recipientes

A pista de fórmula 1 para recipientes A pista de fórmula 1 para recipientes Ele alcança altas velocidades e é impressionante devido a sua alta performance e eficiência: o sistema para transporte de recipientes HEUFT conveyor é uma verdadeira

Leia mais

MÁQUINAS DE EQUILÍBRIO

MÁQUINAS DE EQUILÍBRIO MÁQUINAS DE EQUILÍBRIO MFPINTO IMPORT. EXPORT. DE PEÇAS, S.A. CMT - 47 Tr Polimer A CMT - 47 Tr Polimer, é uma máquina de equilíbrio de última geração. Esta máquina possibilita o equilíbrio de um elevado

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS OS PROBLEMAS DA. Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências graves.

RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS OS PROBLEMAS DA. Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências graves. www.racconet.com.br n 32 seu informativo de segurança Infoseg n 32 OS PROBLEMAS DA RESPIRAÇÃO NOS ESPAÇOS CONFINADOS Como trabalhar com segurança nos espaços confinados e evitar acidentes de consequências

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Oficina de Trabalho OIPSS/EVIPNet Decisão informada por evidências nas políticas de saúde: promovendo o uso do conhecimento para a tomada de decisão

Oficina de Trabalho OIPSS/EVIPNet Decisão informada por evidências nas políticas de saúde: promovendo o uso do conhecimento para a tomada de decisão brasil.evipnet.org Oficina de Trabalho OIPSS/EVIPNet Decisão informada por evidências nas políticas de saúde: promovendo o uso do conhecimento para a tomada de decisão Sessão 9 Como usar evidências de

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA 1 - OBJETIVO Criar e manter o presente programa de proteção respiratória no âmbito da CP SOLUÇÕES., estabelecendo mecanismos padronizados relacionados à prevenção e ao

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Local de residência do candidato selecionado, com disponibilidade para viagens em todo o território nacional. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) especializado(a) na área de suporte técnico para levantar e sistematizar as informações sobre os investimentos estrangeiros diretos e suas relações com os

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

Exatamente o contrário do que sempre se ouviu...

Exatamente o contrário do que sempre se ouviu... O Lado Positivo dos Respiradores O Programa de Proteção Respiratória (PPR) pode ser uma excelente maneira de se conseguir redução de custos e aumentos de produtividade. Exatamente o contrário do que sempre

Leia mais

Recomendamos esta secção se quiser familiarizar-se com o mundo dos pneus para automóveis.

Recomendamos esta secção se quiser familiarizar-se com o mundo dos pneus para automóveis. Tudos Sobre Pneus Conhecimento Do Pneu Da Pirelli Mais de cem anos de experiência em tecnologia do pneu permitiu à Pirelli combinar nos seus produtos níveis máximos de segurança, longevidade, conforto

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA A PREVENÇÃO

INFORMAÇÃO PARA A PREVENÇÃO FALANDO SOBRE NEXO EPIDEMIOLOGICO Um dos objetivos do CPNEWS é tratar de assuntos da área de Segurança e Medicina do Trabalho de forma simples de tal forma que seja possível a qualquer pessoa compreender

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC

Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC Universidade Federal de Minas Gerais ICEx / DCC Belo Horizonte, 15 de dezembro de 2006 Relatório sobre aplicação de Mineração de Dados Mineração de Dados em Bases de Dados de Vestibulares da UFMG Professor:

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

4 Segmentação. 4.1. Algoritmo proposto

4 Segmentação. 4.1. Algoritmo proposto 4 Segmentação Este capítulo apresenta primeiramente o algoritmo proposto para a segmentação do áudio em detalhes. Em seguida, são analisadas as inovações apresentadas. É importante mencionar que as mudanças

Leia mais

Sistema de Proteção Respiratória para Solda 3M Speedglas TM Série 9002 com Motorizado Adflo

Sistema de Proteção Respiratória para Solda 3M Speedglas TM Série 9002 com Motorizado Adflo Sistema de Proteção Respiratória para Solda 3M Speedglas TM Série 9002 com Motorizado Adflo DESCRIÇÃO O sistema respiratório 3M Adflo é um equipamento combinado de proteção facial com filtro de luz e proteção

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Armazém. Distribuição dos alunos matriculados no município de Armazém em 2005. Pré-Escola % Pré-Escola Fundamental % Fundamental Médio % Médio

Armazém. Distribuição dos alunos matriculados no município de Armazém em 2005. Pré-Escola % Pré-Escola Fundamental % Fundamental Médio % Médio Armazém Informações Gerais O município de Armazém está localizado na mesorregião sul, distante 167 Km da Capital. De colonização Alemã e Portuguesa, tem uma população de 6.873 habitantes, sendo 61,8% residentes

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Propósito (Objetivo) do Programa O propósito (objetivo) do programa de Conservação

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 4º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 00 29 de JUNHO de 2015 INTRODUÇÃO

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 023 de 25 de fevereiro de 1985 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012 Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 Assunto: Orientação sobre os deveres e responsabilidades dos administradores e dos auditores independentes, na elaboração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços IN-2/06 Outubro/26 1/6 1. OBJETIVO Esta Instrução Normativa em sua primeira versão visa definir procedimentos genéricos para desativação de poços tubulares que tenham sido abandonados por qualquer motivo

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

PROTEÇÃO AUDITIVA PONHA EM DIA SUA. e mais... aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo. www.racconet.com.

PROTEÇÃO AUDITIVA PONHA EM DIA SUA. e mais... aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo. www.racconet.com. www.racconet.com.br n 31 seu informativo de segurança Infoseg n 31 PONHA EM DIA SUA PROTEÇÃO AUDITIVA aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo e mais... foto cedida

Leia mais

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS Em 2009 a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), através do Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho

Leia mais

Soluções de detecção de gases tóxicos e combustíveis. Desempenho e segurança que vão além da conformidade com padrões

Soluções de detecção de gases tóxicos e combustíveis. Desempenho e segurança que vão além da conformidade com padrões Soluções de detecção de gases tóxicos e combustíveis Desempenho e segurança que vão além da conformidade com padrões Soluções confiáveis Det-Tronics, sua parceira em segurança Nosso sistema de detecção

Leia mais