QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO"

Transcrição

1 INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o preenchimento, o questionário deve ser recolhido no envelope selado para enviar ao centro coordenador. INSTRUÇÕES PARA OS PARTICIPANTES NO ESTUDO: Preencha este questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses e devolva-o à equipa do estudo no envelope selado. Certifique-se de que preenche o questionário adequado.. NÚMERO DO ESTUDO Data: - -. IDENTIFICAÇÃO DO PARCEIRO VIH NEGATIVO a preencher antecipadamente pelo pessoal clínico DD MM AAAA. Número de estudo do parceiro VIH negativo a preencher antecipadamente pelo pessoal clínico caso se confirme o nome do parceiro com o paciente. HISTÓRIA DE VIH. Faça uma estimativa sobre a percentagem do tratamento do VIH que seguiu ao longo do último mês, entre % e %, assinalando na linha apresentada.. Interrompeu o seu tratamento do VIH durante mais de dias consecutivos em alguma altura desde a última % % %. Qual é a sua carga viral de VIH mais recente? Indetectável: < cópias/ml Detectável: cópias/ml sabe. ESTADO DE SAÚDE GERAL. Desde a sua última consulta, foi-lhe diagnosticada recentemente por um médico alguma das seguintes condições? Hepatite B Hepatite C. Injectou drogas sem receita médica desde a sua última. Em caso afirmativo, partilhou objectos de injecção com o seu parceiro VIH negativo desde a última - avance para a questão. Version. Página de

2 . HISTÓRICO de infecções sexualmente transmissíveis. Desde a sua última consulta, teve alguma infecção sexualmente transmissível? sabe. Em caso AFIRMATIVO, qual foi a infecção sexualmente transmissível? (assinale MAIS DO QUE UMA caixa, se aplicável) Sífilis Gonorreia Clamídia Herpes genital agudo Herpes genital crónico Verrugas genitais LGV (linfogranuloma venéreo) 8 Outras (especifique). Recebe terapêutica diária com aciclovir a longo prazo (> mês) para herpes genital?. Sente actualmente algum dos seguintes sintomas? (assinale MAIS DO QUE UMA caixa, se aplicável) Sem sintomas Corrimento do pénis Corrimento anal Dor ao urinar Dor ou prurido na área genital Dor no ânus Inflamação avermelhada ou erupção cutânea na área genital ou no ânus 8 Hemorragia anal. Alguma vez realizou uma avaliação do estado de saúde geral ("check-up") para detecção de doenças sexualmente transmissíveis desde a sua última Em caso afirmativo, data do último "check-up": - - DD MM AAAA Version. Página de

3 . ACTIVIDADE SEXUAL. Quantas vezes no total teve relações sexuais PROTEGIDAS (referimo-nos a penetração sexual, anal ou vaginal, com utilização de preservativo) com o seu parceiro VIH negativo desde a sua última (basta um valor aproximado) Nenhuma Uma vez - vezes - vezes - vezes > vezes. Quantas vezes no total teve relações sexuais NÃO PROTEGIDAS (referimo-nos a penetração sexual, anal ou vaginal, sem utilização de preservativo) com o seu parceiro VIH negativo desde a sua última (basta um valor aproximado) Se o seu parceiro for do sexo masculino, responda à questão. e continue com a.. Se o seu parceiro for do sexo feminino, responda à questão. e continue com a.. Nenhuma Uma vez - vezes - vezes - vezes > vezes. RESPONDA APENAS SE O SEU PARCEIRO FOR DO SEXO MASCULINO Indique o número de vezes para cada actividade em que teve relações sexuais sem preservativo com o seu parceiro masculino VIH negativo participante no estudo desde a sua última consulta, assinalando uma caixa em cada linha. Agora também se inclui sexo oral. Basta um valor aproximado. Sexo anal sex Introduziu o seu pénis no ânus do seu parceiro Nenhuma Uma vez - vezes - vezes - vezes > vezes Introduziu o seu pénis no ânus do seu parceiro mas não ejaculou lá dentro O seu parceiro introduziu o pénis no seu ânus Sexo oral Introduziu o seu pénis na boca do seu parceiro Version. Página de

4 . RESPONDA APENAS SE O SEU PARCEIRO FOR DO SEXO FEMININO Indique o número de vezes para cada actividade em que teve relações sexuais sem preservativo com o seu parceiro feminino VIH negativo participante no estudo desde a sua última consulta, assinalando uma caixa em cada linha. Agora também se inclui sexo oral. Basta um valor aproximado. Sexo vaginal Introduziu o seu pénis na vagina da sua parceira Nenhuma Uma vez - vezes - vezes - vezes > vezes Introduziu o seu pénis na vagina da sua parceira mas não ejaculou lá dentro Sexo anal Introduziu o seu pénis no ânus da sua parceira Introduziu o seu pénis no ânus da sua parceira mas não ejaculou lá dentro Sexo oral Introduziu o seu pénis na boca da sua parceira TODOS OS PARTICIPANTES DEVEM RESPONDER ÀS SEGUINTES QUESTÕES. Na última vez em que você e o seu parceiro VIH negativo tiveram relações sexuais sem preservativo, quais foram as principais razões para não ter sido utilizado um preservativo? (assinale mais do que uma caixa, se necessário) Acredito que o risco de transmissão do VIH é muito baixo Tentativa de engravidar tínhamos um preservativo Maior prazer sem preservativo Dificuldade em manter a erecção e/ou em ejacular quando utilizo preservativo Estava sob a influência de álcool ou drogas O parceiro não queria usar preservativo 8 9 queria / achava difícil discutir sobre a utilização de preservativo com o meu parceiro Os preservativos são demasiado caros pensei nisso Outras (especifique) Version. Página de

5 . Desde a sua última consulta, teve relações sexuais com o seu parceiro VIH negativo (utilizando preservativo) em que o preservativo se tenha rompido?. Desde a sua última consulta, recorreu a alguma das seguintes práticas sexuais com o seu parceiro VIH negativo? Fisting Utilização de brinquedos sexuais Caso tenha respondido "sim" a alguma das opções acima, resultou daí alguma hemorragia durante a relação sexual? Version. Página de

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - MULHER VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens.

Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens. X8@ www.gay health network.ie Sexo Seguro, Teste de HIV, Sifilis, DST e PEP Informações nesta lingua (Portugues) para homens que fazem Sexo com homens Insetos do Amor Folheto informativo das doenças sexualmente

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis

F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis F i c h a d e i n f o r m a ç ã o sobre doenças sexualmente transmissíveis As infecções sexualmente transmissíveis (STI s, abreviatura em inglês para Sexually Transmitted Infections (Infecções Sexualmente

Leia mais

Resumo do Protocolo Partner

Resumo do Protocolo Partner Resumo do Protocolo Partner Estudo em casais serodiscordantes em relação ao VIH para estimativa da taxa de transmissão de VIH e investigação de factores associados à utilização de preservativo. Partners

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

A última relação sexual

A última relação sexual PARTE G QUESTIONÁRIO AUTO-PREENCHIDO (V1 - M) As próximas perguntas são sobre a sua vida sexual. É muito importante que responda, pois só assim poderemos ter informação sobre os hábitos sexuais da população

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Sexualidades e Afectos

Sexualidades e Afectos Sexualidades e Afectos A Sexualidade está sempre presente... Em todas as fases da vida: antes do nascimento quando bebés em criança na adolescência na juventude na vida adulta na maturidade quando envelhecemos

Leia mais

Luizinho e Chiquinho DST

Luizinho e Chiquinho DST Luizinho e Chiquinho DST DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS PATROCÍNIO SBD: DERMATOLOGISTA COM TÍTULO DE ESPECIALISTA CUIDANDO DE VOCÊ. LUIZINHO E CHIQUINHO SÃO DOIS GRANDES AMIGOS DESDE A INFÂNCIA. ALÉM

Leia mais

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO 1 O que quer dizer sexo seguro? Sexo seguro quer dizer, práticas sexuais responsáveis sem riscos de engravidar, ou de contrair uma infecção transmitida sexualmente,

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Programa Nacional de DST e Aids Prevenção PositHIVa junho 2007 Contexto 25 anos de epidemia; 10 anos de acesso universal à terapia anti-retroviral; Exames e insumos de

Leia mais

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Vírus do Herpes

ENSINO CURRICULUM NACIONAL. Vírus do Herpes Este módulo tem por objectivo ensinar aos alunos o modo como a actividade sexual pode levar à transmissão de micróbios e doenças. O Capítulo 2.3, Infecções Sexualmente Transmissíveis, ensina aos alunos

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis. Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa

Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis. Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa Planeamento Familiar e Doenças Sexualmente Transmissíveis Trabalho realizado por: Ana Filipa Sobral Diliana Rosa Aparelho Reprodutor Feminino O aparelho reprodutor feminino é constituído pelos órgãos genitais

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt Métodos Contraceptivos Reversíveis Estroprogestativos orais Pílula 21 cp + 7 dias pausa existem vários, podendo ser escolhido o que melhor se adapta a cada mulher são muito eficazes, quando se cumprem

Leia mais

Métodos contracetivos

Métodos contracetivos Métodos contracetivos Os futuros pais podem e devem planear a sua família Assim, para evitar uma gravidez indesejada, devem recorrer a métodos contracetivos. podem ser Naturais Não Naturais Calculam o

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013)

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Jan van Bergen, Janny Dekker, Joan Boeke, Elize Kronenberg, Rob van der Spruit, Jako Burgers, Margriet Bouma,

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

Janeiro D S T Q Q S S

Janeiro D S T Q Q S S Cia. da Saúde 2008 Janeiro D S T Q Q S S 6 13 20 27 7 14 21 28 1 8 15 22 29 2 9 16 23 30 3 10 17 24 31 4 11 18 25 5 12 19 26 2008 Cia. da Saúde Quem somos A Companhia da Saúde é formada por adolescentes

Leia mais

AIDS e DST S. O Sindicato dos Comerciários

AIDS e DST S. O Sindicato dos Comerciários O Sindicato dos Comerciários de São Paulo e a Fequimfar apresentam este manual com dicas de saúde para o trabalhador e sua família. Aqui você terá acesso a uma série de informações sobre o problema da

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

B. FOLHETO INFORMATIVO

B. FOLHETO INFORMATIVO B. FOLHETO INFORMATIVO 18 FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Ellaone 30 mg comprimido Acetato de ulipristal Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. - Conserve este

Leia mais

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17

Nome: Mónica Algares. Ano: 9º Turma: B Nº 17 Nome: Mónica Algares Ano: 9º Turma: B Nº 17 Introdução Pretendo com este trabalho alertar para graves problemas que ao passar do tempo tem vindo a aumentar, as doenças sexualmente transmissíveis. Com a

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

Programação visual e editoração eletrônica: A 4 Mãos Comunicação e Design Ltda.

Programação visual e editoração eletrônica: A 4 Mãos Comunicação e Design Ltda. Tudo dentro Produção: Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA) Av. Presidente Vargas 446 13º andar Centro RJ Tel.: (021) 2223-1040 Fax: (21) 2253-8495 www.abiaids.org.br abia@abiaids.org.br

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS Fernando da Rocha Camara Quando discuto com meus alunos no curso de medicina, medidas para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST), excluímos a abstinência

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

Anexo 1 Profissões Especificadas

Anexo 1 Profissões Especificadas Anexo 1 Profissões Especificadas Profissão N % Estudante Desempregada Trabalhadora-Estudante Psicóloga Enfermeira Engenheira Vendedora Professora Investigadora Jornalista Advogada Escriturária Assistente

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

Projeto o Saber-Fazer Feminino Agentes de Prevenção de Vargem Grande e Adjacências

Projeto o Saber-Fazer Feminino Agentes de Prevenção de Vargem Grande e Adjacências Projeto o Saber-Fazer Feminino Agentes de Prevenção de Vargem Grande e Adjacências PARE PENSE PREVINA-SE Mulheres e AIDS Você sabia que atualmente o número de mulheres e crianças vivendo com Aids tem aumentado

Leia mais

cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS

cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS cartões de bolso serié 3 Transmissão das ITS 1 O que são ITS? São infecções causadas por vírus, bactérias ou outros micróbios, que se transmitem de pessoas infectadas para outras, através das relações

Leia mais

TD de revisão 8º Ano- 4ª etapa- 2015

TD de revisão 8º Ano- 4ª etapa- 2015 TD de revisão 8º Ano- 4ª etapa- 2015 1. Classifique os métodos anticoncepcionais abaixo, relacionando as colunas: (1) Natural ou comportamental (2) De Barreira (3) Hormonal (4)Cirúrgico ( ) Camisinha (M)

Leia mais

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010)

Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Subfertilidade Resumo de diretriz NHG M25 (segunda revisão, abril 2010) Van Asselt KM, Hinloopen RJ, Silvius AM, Van der Linden PJQ, Van Oppen CCAN, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estados-Membros devem garantir que todas as condições ou restrições

Leia mais

AIDS DST. cartilha. Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS. sistema:

AIDS DST. cartilha. Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS. sistema: Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS cartilha AIDS DST e S sistema: FEDERAÇÕES E SINDICATOS VINCULADOS O que são DSTs As doenças sexualmente

Leia mais

O preservativo feminino e o SIDA

O preservativo feminino e o SIDA O preservativo feminino e o SIDA Ponto de vista da ONUSIDA Outubro de 1998 Colecção Boas Práticas da ONUSIDA Factos e Números O equivalente do preservativo tradicional para mulheres parece uma ideia simples.

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

Gino-Canesten Creme Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como "antifúngicos".

Gino-Canesten Creme Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como antifúngicos. Folheto informativo: Informação para o utilizador Gino-Canesten 10 mg/g Creme Vaginal Clotrimazol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento, pois contém informação

Leia mais

AIDS & DST s. Prevenção e controle para uma vida sexual segura.

AIDS & DST s. Prevenção e controle para uma vida sexual segura. AIDS & DST s Prevenção e controle para uma vida sexual segura. aids A aids é uma doença causada pelo HIV, vírus da imu-nodeficiência humana que destrói o sistema imunológico responsável pela defesa do

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA 1 O que é VIH? É o vírus que causa a SIDA. Vírus é um microbio muito pequeno, que não se consegue ver a olho nu, ou seja, é preciso ajuda de um microscópio. VIH significa:

Leia mais

Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola

Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola Este material foi elaborado como forma de devolução de dados em pesquisa intitulada Namoro, disciplina e liberdade: problematizando afetividades e sexualidades em uma Escola Família Agrícola realizada,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 43/2014. VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I)

RESPOSTA RÁPIDA 43/2014. VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I) RESPOSTA RÁPIDA 43/2014 VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I) SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES

COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES COMPARAÇÃO DOS CONHECIMENTOS SOBRE SEXO, GRAVIDEZ, DST s E AIDS ANTES E APÓS TREINAMENTO ADOLESCENTES MULTIPLICADORES Fernanda Bartalini Mognon¹, Cynthia Borges de Moura² Curso de Enfermagem 1 (fernanda.mognon89@gmail.com);

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE SEXUALIDADE

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE SEXUALIDADE DÚVIDAS MAIS FREQUENTES SOBRE SEXUALIDADE O que é a sexualidade? Segundo a Organização Mundial de Saúde, sexualidade é uma energia que nos motiva para encontrar amor, contacto, ternura e intimidade (...)

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

Saúde em estabelecimentos

Saúde em estabelecimentos Saúde em estabelecimentos prisionais Informações para pessoas em estabelecimentos prisionais Esta publicação está disponível nos seguintes idiomas: Albanês Alemão Árabe Espanhol Francês Inglês Italiano

Leia mais

Saúde em estabelecimentos

Saúde em estabelecimentos Saúde em estabelecimentos prisionais Informações para pessoas em estabelecimentos prisionais Índice Esta publicação está disponível nos seguintes idiomas: Albanês Alemão Árabe Espanhol Francês Inglês Italiano

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Aids ou Sida? A Aids é uma das doenças mais comentadas e pesquisadas dos últimos anos. Mesmo com os avanços que os especialistas vêm obtendo, ainda falta explicar muitos de seus aspectos. A

Leia mais

Saúde Naval CARTILHA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS / AIDS

Saúde Naval CARTILHA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS / AIDS Saúde Naval CARTILHA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS / AIDS O QUE SÃO? As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de camisinha com uma

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África

Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT. Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD. Fundação Portugal - África Instituto de Higiene e Medicina Tropical/IHMT APOIO: Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento/FLAD Casa de Cultura da Beira/CCB CERjovem ATENÇAÕ MULHER MENINA! Fundação Portugal - África RESPOSTAS

Leia mais

Estudo quantitativo. Fevereiro 2012. Em parceria com

Estudo quantitativo. Fevereiro 2012. Em parceria com Estudo quantitativo Duarte Vilar Fevereiro 2012 Em parceria com CARACTERIZAÇÃO GERAL CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA 40 35 44,6 Masculino 30 25 55,0 Feminino 20 15 10 5 0 19 E MENOS 20-29 MAIS DE 30 35,0 30,0

Leia mais

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere Adolescência e Puberdade Adolescere Pubescere Síndrome da Adolescência Busca de si mesmo e da identidade adulta Tendência grupal Necessidade de intelectualizar e fantasiar-elaboração do luto Crises

Leia mais

CESOP. Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador:

CESOP. Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador: Inquérito n.º CESOP Saúde e Sexualidade Versão Masculina (V2) Data /05/2007 Hora do início : Hora do fim : Entrevistador: Chamo-me e trabalho para o Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 8.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II

REVISÃO 1 REVISÃO 2. Aula 8.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II BIOLOGIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 Aula 8.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II 2 BIOLOGIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 Sistema Sensorial Estímulo receptores terminações nervosas /nervo cérebro 3 BIOLOGIA REVISÃO 1 REVISÃO

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

Clique para editar o título mestre

Clique para editar o título mestre Fórum HIV e Hepatites Virais NOVAS ABORDAGENS PARA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO PELO HIV ESTE É O MELHOR CAMINHO? Profilaxia Pós Exposição Denize Lotufo Estevam Infectologista Coordenação de DST/Aids de SP 1

Leia mais