EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 166, Marzo de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 166, Marzo de"

Transcrição

1 Evidências científicas sobre os fundamentos do voleibol na areia Evidencias científicas sobre los fundamentos del voleibol en la arena Scientific studies about the beach volleyball skills Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior Resumo O objetivo da revisão foi apresentar o efeito dos fundamentos na dinâmica do jogo do voleibol de dupla na areia. Os resultados da revisão determinaram os fundamentos mais praticados: o saque em suspensão forte, o passe de manchete, o levantamento de toque ou de manchete, a cortada forte, o bloqueio que gerou ponto e a defesa ocorreu durante o ataque forte ou fraco. Em conclusão, o estudo dos fundamentos possibilita o entendimento de como o saque, o passe, o levantamento, a cortada, o bloqueio e a defesa atuam durante o jogo. Unitermos: Voleibol na areia. Esporte. Fundamentos. Abstract The objective of the review was to explicate the effect of the skills in beach volleyball match. The results of the review determined the skills more practiced: the strong jump serve, the reception with forearm, the set or the forearm set, the strong spike, the block with point and the dig occurred during the strong spike and the shot attack. In conclusion, the study of the skills is important for the coach knows how the serve, the reception, the set, the spike, the block and the dig participates during the match. Keywords: Beach Volleyball. Sport. Skills. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 166, Marzo de / 1 Introdução O voleibol de dupla na areia costumam acabar com um marcador de mínima diferença entre o vencedor e o derrotado 1, essa é uma das causas da longa duração dos jogos (27 a 62 minutos) 2. Porém, apesar do jogo ser relativamente demorado, o rali (5,04 segundos) é curto quando comparado com o tempo de pausa (20,64 segundos) 3. Portanto, a longa duração da partida de voleibol na areia pode deteriorar a concentração do atleta e prejudicar a qualidade dos fundamentos. Os fundamentos praticados durante o voleibol de dupla na areia são compostos pelo saque, passe, levantamento, cortada, bloqueio e defesa. Os fundamentos são movimentos que permitem ao atleta na armação do ataque (constituído pelo passe e levantamento), na ação ofensiva (saque, cortada e bloqueio) e defensiva (bloqueio e defesa). Conforme a qualidade dos fundamentos da dupla, eles interferem na dinâmica do jogo da equipe, ou seja, pode proporcionar a vitória ou a derrota 4. Sabendo que os fundamentos são importantes para a dinâmica do jogo de dupla na areia, torna-se importante o estudo dessas variáveis. Qual é o local onde acontecem mais saques? É

2 mais usual o ataque forte ou colocado? Consultando a escassa literatura do voleibol de dupla na areia 5,6, não foi encontrado nenhuma revisão de literatura sobre os fundamentos do voleibol na areia. Então, o objetivo da revisão foi apresentar o efeito dos fundamentos na dinâmica do jogo do voleibol de dupla na areia. Método Nesta revisão de literatura foram selecionadas pesquisas sobre o voleibol de dupla na areia que investigaram os fundamentos (saque, passe, levantamento, cortada, bloqueio e cortada, exceto a defesa, porque não foi encontrado nenhum estudo sobre esse tema) dessa modalidade durante a partida. A coleta dos artigos originais, e da única dissertação aconteceu no buscador Google Acadêmico ( sendo utilizadas as palavras-chaves voleibol de praia, beach volleyball e sand volleyball. Também foi incluído um artigo original de voleibol na areia adquirido no livro da Universidade do Porto, Investigação em voleibol. Estudos Ibéricos. As referências selecionadas foram aquelas que apresentaram informações relevantes para os resultados da revisão. Resultados Saque e passe Novo 7 analisou o saque de 16 jogos (40 sets) de 8 duplas masculinas, classificadas até a 26º posição do ranking do Circuito Mundial de Voleibol de Dupla na Areia. A etapa estudada foi a do Espinho, em Portugal, no ano de Através da coleta de dados por scout foi evidenciado que o saque em suspensão forte é o mais utilizado (65,4%), seguido do saque em suspensão flutuante (18,2%), em terceiro o saque tipo tênis flutuante (9,8%) e os outros valores para os demais serviços. Esses resultados mostraram que as duplas da atualidade possuem muita preocupação em forçar o saque porque esse fundamento pode gerar um ponto ou dificultar o passe. Um passe ruim tem probabilidade de acarretar um levantamento inadequado e consequentemente a cortada tende ser fácil para a defesa. Novo 7 também identificou que as duplas masculinas que vencem a partida efetuam mais vezes o saque em suspensão forte (total de 243 saques) do que as derrotadas (total de 231 saques), a causa para esse ocorrido é que os vencedores erram menos o serviço e possuem esse fundamento mais efetivo (gera ponto ou dificulta a recepção). O saque em suspensão flutuante (total de 75 saques) foi o segundo saque mais praticado pelos vencedores e em terceiro lugar de prática ficou o saque tipo tênis (total de 49 saques). Já os derrotados, efetuaram o saque em suspensão flutuante como o segundo mais usual (total de 57 saques) e depois o saque tipo tênis flutuante (total de 22 saques). Sabendo que esses serviços são os mais praticados, o treinador deve dar ênfase nesses saques durante o treinamento.

3 Novo 7 ainda evidenciou que o saque em suspensão forte gerou mais pontos ou dificultou o passe (22,8%), seguido do saque em suspensão flutuante (6%) e do saque tipo tênis (2%). Portanto, no voleibol masculino de dupla na areia o jogador necessita de boa técnica e excelente condicionamento físico para acertar vários saques em suspensão forte. Os demais saques atingem resultados inferiores ao do saque em suspensão forte. O saque em suspensão flutuante realizou um total de 29 pontos e acarretou 21 ações sem ataque, enquanto que o saque tipo tênis flutuante ocasionou 3 pontos e proporcionou 2 ações sem ataque. Novo 7 observou que a maioria dos saques são efetuados no centro da quadra (50,2%), mas não forneceu explicação para esse ocorrido. Talvez isso aconteça porque o atleta quando saca nessa região tem menos probabilidade de errar o serviço. As zonas da quadra onde aconteceram mais pontos são longe da rede, na zona 1 com 42,5% de pontos e na zona 2 com 36,6% pontos7. Enquanto que próximo da rede, onde ocorreram menos pontos, na zona 2 foram efetuados 6,2% de pontos e na zona 3 com 2,5% de pontos. O motivo desse ocorrido é que a maioria dos saques foram direcionados para o fundo da quadra devido às menores chances de erro. A figura 1 mostra onde aconteceram os pontos: Figura 1. Zona da quadra que aconteceram os pontos de saque Koch e Tilp 8 fizeram análise do efeito do saque na recepção das jogadoras que participaram do Grand Slam em Klagenfurt do Circuito Mundial de Voleibol na Areia Feminino de 2007 (18 jogos). A pesquisa detectou que o saque em suspensão forte gerou 54% de recepções ruins, 8% de erros de passe e 1% a recepção não teve contato com o saque (erro desse fundamento). O saque em suspensão flutuante ocasionou 58% de recepções ruins, 4% de erros de passe e 2% a recepção não teve contato com o saque (erro desse fundamento). O saque tipo tênis flutuante acarretou 55% de recepções ruins, 4% de erros de passe e 2% a recepção não teve contato com o saque (erro desse fundamento). Os três serviços apresentaram resultados similares na recepção do oponente, não tendo diferença significativa (p>0,05). O saque do vôlei na areia feminino ocasionou 167% de passes ruins e gerou 16% de pontos.

4 Os resultados de Koch e Tilp 8 foram similares ao do estudo de Novo 7, no voleibol na areia o saque em suspensão é o mais eficiente, seguido do saque em suspensão flutuante e por último o saque tipo tênis. Conclui-se que no voleibol de dupla atual, onde toda a jogada acontece ponto, é fundamental um saque em suspensão forte para a dupla obter êxito na partida. Lacerda e Mesquita 9 identificaram que o fundo da quadra é onde o voleibolista efetua mais passes, na zona 1 aconteceram 47,5% de passes, na zona 4 ocorreram 46,3% de recepções, na zona 2 os jogadores realizaram 1,3% de passes e na zona 3 os atletas praticaram 4,9% de recepções. A causa do maior número de passes no fundo da quadra o artigo não informou, mas parece que o percentual alto de saque nesse local permite menos erro desse fundamento e ocasiona um maior desgaste energético no voleibolista, ou seja, o jogador deve recuar para passar e posteriormente fazer o remate. O leitor pode observar na figura 2 as zonas que ocorreram os passes: Figura 2. Zona da quadra que aconteceram as recepções Koch e Tilp 8 identificaram que (18 jogos do Grand Slam de Klagenfurt do Circuito Mundial de Voleibol na Areia Feminino de 2007) excelente (55% de pontos e 15% de erros) ou boa (63% de pontos e 15% de erros) recepção gera mais pontos e menos erro no ataque. Enquanto que uma recepção ruim proporciona menos pontos da cortada (47%) e mais erros do ataque (20%). Cortada e bloqueio Lacerda e Mesquita 10 estudaram o ataque de 10 jogos das 24 melhores duplas do Circuito Mundial de Voleibol na Areia Masculino. A etapa estudada foi a do Espinho, em Portugal, no ano de A coleta de dados procedeu com scout que possibilitou identificar que a maioria das cortadas resultaram em ponto (59,1%), alguns ataques permitiram defesa do oponente (26,1%) e aconteceram poucos erros durante a partida (14,8%). Isso era esperado, uma quadra de 16x8 metros com apenas dois atletas para evitar a queda da bola permite mais sucesso no ataque. A maior parte das cortadas são realizadas na entrada da rede (49,9%) e na saída da rede (46,6%), em menor proporção pelo centro da quadra (3,5%). A figura 3 expõe as regiões da cortada:

5 Figura 3. Zonas onde são praticados os ataques do jogo de dupla Mesquita e Teixeira 11 obtiveram resultados similares ao do estudo de Lacerda e Mesquita 10. Esses autores 11 investigaram a zona da quadra onde são realizadas as cortadas (12 jogos, correspondendo a 27 sets das 20 melhores duplas do Circuito Mundial Masculino de 2002), o estudo constatou que os ataques são mais praticados na entrada da rede (38,8% cortadas) e na saída da rede (39,3% cortadas) e em menor valor pelo centro da quadra (21,9%). A explicação do maior número de cortadas nas pontas é pelo fato do jogador possuir um maior campo visual da quadra para desferir o remate. A figura 4 mostra os locais dos ataques: Figura 4. Zonas da quadra onde são praticados os ataques do jogo de dupla Lacerda e Mesquita 10 identificaram as zonas da quadra onde são direcionadas as cortadas com ponto (10 jogos das 24 melhores duplas do Circuito Mundial de Voleibol na Areia Masculino, etapa de Espinho, em Portugal, no ano de 2001), sendo evidenciado que o fundo da quadra ocorreram mais pontos (zona 1 com 39,3% de pontos e zona 4 com 47,9%, de pontos) do que próximo da rede (zona 2 com 6,4% de pontos e zona 3 com 6,2% de pontos). Essas informações também são relevantes para o posicionamento dos defensores. A figura 5 mostra as zonas onde são direcionados os ataques com ponto:

6 Figura 5. Zonas da quadra onde são direcionadas as cortadas com ponto Giatsis e Tzetzis 12 selecionaram 34 sets de jogos do campeonato grego de alto rendimento e foi determinado que o ataque é o fundamento mais determinante na vitória. Em pesquisa similar e com resultado parecido, Grgantov et alii 1 evidenciaram que (74 sets numa quadra de 16x8 metros no ano de 2003) os fundamentos mais determinantes para a vitória no jogo de dupla na areia são constituídos pelo ataque, o contra-ataque e o bloqueio. Uma quadra menor necessita de melhor ataque e contra-ataque para a dupla colocar a bola na areia. Também, a menor metragem do campo facilita a participação do bloqueio no ato de fazer um ponto porque o cortador possui menos área livre para direcionar a bola. Portanto, esses fundamentos o técnico necessita dar bastante atenção nas sessões a fim de proporcionar adequado desempenho competitivo dos voleibolistas na disputa. Lacerda e Mesquita 10 detectaram (10 jogos que colocaram em confronto as 24 melhores duplas do Circuito Mundial de Voleibol na Areia Masculino, na etapa de Espinho, em Portugal, no ano de 2001) que a boa recepção permite um ataque mais efetivo. O ataque mais frequente nessa pesquisa foi através do remate forte (59,7%), os demais valores foram para a cortada colocada (40,3%). Também foi evidenciado pelos mesmos autores 10, que acontece uma supremacia do ataque em relação ao bloqueio. As cortadas que o bloqueio não foi efetivo corresponderam a 71,2%, os ataques que tocaram no bloqueio ficaram com valores baixos, 28,8%. Mas 64,7% significaram os bloqueios que resultaram em ponto, sendo de extrema importância esse fundamento no jogo atual. Mesquita e Teixeira 13 também (12 jogos, correspondendo a 27 sets das 20 melhores duplas do Circuito Mundial Masculino de 2002) estiveram de acordo com Lacerda e Mesquita 10, os jogadores utilizam mais a cortada forte (58%) do que o remate colocado (42%). Koch e Tilp 8 também obtiveram (18 jogos do Grand Slam de Klagenfurt do Circuito Mundial de Voleibol na Areia Feminino de 2007) resultados semelhantes aos estudos anteriores 10,13, a cortada forte é mais praticada do que o ataque colocado.

7 Porém, Koch e Tilp 8 identificaram valores de cortada forte e ataque colocado para a entrada da rede (62% de cortada forte, 39% de ataque colocado), para a saída da rede (50% de cortada forte, 49,5% de ataque colocado), para o meio da rede (51% de cortada forte, 49% de ataque colocado) e para a zona defensiva (58% de cortada forte, 42% de ataque colocado). As cortadas fortes e ataques colocados tiveram resultados semelhantes na entrada da rede, saída da rede, meio da rede e na zona defensiva porque a quantidade de remates nessas zonas foi insignificante (p>0,05). A figura 6 mostra esses achados: Figura 6. Cortada forte e ataque colocado conforme a região da quadra Mesquita e Teixeira 13 evidenciaram que acontecem mais ataques com a presença do bloqueio (84,6%) do que sem esse fundamento (15,4%). Quando o cortador faz o ataque e existe bloqueio, ele prefere atacar forte (341 vezes) ou realizar a cortada colocada (231 vezes), a preferência pelo remate forte é a maior chance de ponto. Mas quando não existe bloqueio, existe um equilíbrio entre ataque forte (51 vezes) e cortada colocada (53 vezes), esses valores similares talvez são causados por um levantamento pouco preciso para o remate forte, por exemplo, a bola pode estar afastada da rede, obrigando ao atleta em praticar o remate forte ou colocado, depende da situação da jogada. Mesquita e Teixeira 13 ainda chamaram a atenção dos técnicos nessa pesquisa, aconteceram poucas cortadas com o intuito de explorar o bloqueio, sendo um recurso interessante no jogo de dupla pelo fato de dificultar a ação defensiva, sendo recomendado mais a prática desse tipo de ataque. Fundamentos praticados conforme o gênero Koch e Tilp 14 fizeram uma comparação entre os fundamentos praticados pelo voleibol feminino e masculino durante o Grand Slam em Klagenfurt do Circuito Mundial de 2005 (15 jogos femininos e 14 partidas masculinas). Esses autores identificaram que o saque em

8 suspensão forte foi o mais efetuado pelo voleibol masculino (46,9%), enquanto que as duplas femininas utilizam mais o saque tipo tênis flutuante (48%). Porém, ambos os sexos fizeram mais pontos com o saque em suspensão forte e obtiveram alto índice de erro nesse saque 14. O tipo de passe mais utilizado por ambos os sexos foi o de manchete, preferindo efetuar de frente para a bola (44,3% homens e 46,8% mulheres) ou com rotação do tronco (37,6% homens e 31,9% mulheres) 14. O voleibol de dupla na areia masculino praticou mais o levantamento de toque (45,7%) e de manchete (46,1%), mas o gênero feminino realizou mais o levantamento de manchete (83,9%) 14. A causa do maior uso da manchete pelas mulheres não foi detectada, mas a qualidade da recepção foi similar entre o voleibol feminino (74%) e masculino (77%). Uma provável explicação pode ser o rali, no voleibol feminino geralmente ele é mais longo porque o ataque costuma ser mais fraco, permitindo mais defesas, então, após a defesa em certos momentos da jogada, a melhor maneira de levantamento é de manchete para evitar os dois toques. O ataque de ambos os sexos possui alto aproveitamento (61% masculino e 58% feminino), pouco ataque que permite defesa (16% masculino e 20% feminino) e com erro (23% masculino e 22% feminino). O gênero masculino preferiu a cortada forte (58,6%) do que a cortada colocada (41,5%). Mas no voleibol na areia feminino existiu uma prática similar entre cortada forte (49,5%) e colocada (50,5%) 14. O bloqueio masculino que ocasionou ponto ou dificultou a cortada teve valores mais altos (56,5%), seguido do bloqueio que a bola bateu nas mãos (31,9%) e por último a tarefa de ir bloquear, mas recuar para a defesa (popular reco, com 11,6%) 14. A explicação da menor prática do reco no voleibol masculino são as chances pequenas de defesa. O bloqueio do voleibol feminino teve resultados um pouco diferentes do masculino, a ação desse fundamento com ponto ou que dificultou a cortada foi mais efetuada (46,5%), em segundo o reco (26,9%) e por último o bloqueio que a bola bateu nas mãos (26,6%). O recurso do reco é bem eficaz no voleibol na areia feminino pelo fato de permitir diversas defesas da cortada, geralmente menos potente do que o masculino. Existem três tipos de ações do bloqueador do voleibol de dupla na areia (o bloqueio ocasionou ponto ou dificultou a cortada, a bola bateu nas mãos do bloqueador e o atleta praticou o reco ). Contudo, o efeito positivo do bloqueio do voleibol de dupla na areia (ocasionou ponto ou dificultou a cortada) é de 56,5% no masculino e 46,5% no feminino 14. Na investigação de Pérez-Turpin et alii 15, os resultados foram similares ao da pesquisa de Koch e Tilp 14, no voleibol na areia feminino (foram analisadas 10 jogadoras em 4 jogos,

9 correspondendo a 9 sets do Circuito Europeu, na etapa de Valencia, Espanha, em 2006) aconteceram mais bloqueios positivos (total de 132 acertos em quatro jogos, correspondendo 33±4,97) do que negativos (1,4% de erros em quatro jogos). Portanto, o bloqueio do voleibol de dupla na areia tende ser eficaz durante os jogos. A defesa da cortada colocada (46%) foi mais efetuada pelo gênero feminino do que a cortada forte (35%) 14. Talvez isso possa estar relacionado com a menor velocidade das mulheres. Os homens tiveram resultados similares de defesas da cortada forte (40%) e da cortada colocada (38%). Em conclusão, alguns fundamentos praticados por homens e mulheres são muito similares e outros não. Considerações finais Os fundamentos mais praticados no voleibol de dupla na areia foram compostos pelo saque em suspensão forte, a recepção de manchete, o levantamento de toque ou de manchete, a cortada forte, o bloqueio que resultou em ponto e a defesa ocorreu durante o ataque forte ou fraco. Esses fundamentos são mais efetuados porque são os mais eficazes durante o jogo de dupla na areia. Foi evidenciado que o saque em suspensão forte gera mais pontos ou dificulta a tarefa de levantamento pelo fato do passe não ser bem direcionado para as mãos do levantador. O passe de manchete é mais preciso para o voleibolista recepcionar o saque em suspensão forte e consequentemente gera mais pontos, ou seja, o levantamento tende ser bem executado e permite um ataque forte e certeiro. Como no jogo de dupla não acontece muita variação ofensiva, geralmente a cortada é desferida em uma das pontas, isso facilita o trabalho do bloqueio que possui um aproveitamento positivo na geração de pontos. Enquanto que a defesa, ela pode ter sucesso no ataque forte ou colocado. O serviço foi mais realizado quando jogador se encontrava no meio da quadra. A literatura do voleibol na areia não informou esse ocorrido, mas parece que nessa região o atleta possui menos probabilidade de erro. As zonas da quadra onde aconteceram mais pontos são longe da rede (zona 1 e 4), o motivo dessa preferência é que os saques possuem menos chances de erro. As pontas (entrada da rede e saída da rede) foram onde os jogadores fizeram mais uso da cortada por causa do maior campo visual da quadra. As zonas 1 e 4, no fundo da quadra, foram os locais onde resultaram a maioria dos pontos de ataque. Em conclusão, o estudo dos fundamentos possibilita o entendimento de como o saque, o passe, o levantamento, a cortada, o bloqueio e a defesa atuam durante o jogo. Referências

10 1. Giatsis G (2003). The effect of changing the rules on score fluctuation and match duration in the FIVB women`s beach volleyball. Int J of Performance Analysis Sport 3(1): Zetou E et al (2008). Body weight changes and voluntary fluid intakes of beach volleyball players during an official. J Sci Med Sport 11(-): Fadul A, Fernandes Filho J (2010). Estudo da relação entre os tempos de esforço e pausa no vôlei de praia feminino. Rev Dig Educ Fís Deportes 15(144): Grgantov Z et al (2005). Effect of new rules on the correlation between situation parameters and performance in beach volleyball. Coll Antropol 29(2): Riggs M, Sheppard J (2009). The relative importance of strength and power qualities to vertical jump height of elite beach volleyball players during the countermovement and squat jump. J Hum Sport Exerc 4(3): Cerit S et alii (2009). Alteration in body composition of elite professional female players in a premier league volleyball bout. J Int Dental Med Res 2(1): Novo M (2004). Análise do serviço em voleibol de praia. Estudo comparativo entre duplas de elite na etapa de Espinho do Circuito Mundial de Voleibol de Praia de f. Dissertação (Mestrado em Treino de Alto Rendimento) Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade do Porto, Porto. 8. Koch C, Tilp M (2009). Analysis of beach volleyball action sequences of female top athletes. J Hum Sport Exerc 4(3): Lacerda D, Mesquita I (2003). Caracterização da organização do processo ofensivo, a partir da recepção do serviço, no voleibol de praia de elite. In. Mesquita I et alii (Eds.). Investigação em voleibol. Estudos Ibéricos. Porto: Universidade do Porto, p Lacerda D, Mesquita I (2003). Análise do processo ofensivo no voleibol de praia de elite em função da qualidade da recepção, do passe e do ataque. Rev Dig Educ Fís Deportes 9(65): Mesquita I, Teixeira J (2004). The Spike, attack zones and the opposing block in elite male beach volleyball. Int J Volleyball Res 7(1): Giatsis G, Tzetzis G (2003). Comparison of performance for winning and losing beach volleyball teams on different court dimension. Int J Performance Analysis Sport 3(1): Mesquita I, Teixeira J (2004). Caracterização do processo ofensivo no voleibol de praia masculino de elite mundial, de acordo com o tipo de ataque, a eficácia e o momento do jogo. Rev Bras Ciên Esp 26(1):33-49.

11 14. Koch C, Tilp M (2009). Beach volleyball techiniques and tactics: a comparison of male and female playing characteristics. Kinesiology 41(1): Pérez-Turpin J et al (2009). Relation between number of patterns jumps and real time playing among elite female beach volleyball players. Kinesiologia Slovenica 15(3):8-13.

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Los fundamentos practicados por el bloqueador del voleibol en la arena Skills practices by block player of the sand volleyball Mestre em Ciência

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Los períodos de entrenamiento deportivo: un análisis sobre

Leia mais

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Goles y partidos de la Copa del Mundo de Fútbol, 1930 a 2010 Goals and matches in Soccer World Cup, 1930 to 2010 Mestre em Ciência da Motricidade

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Para começar a jogar Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Por Marcela Evangelista HÁ MAIS DE 30 ANOS, quando o Beach Tennis surgiu nas areias da Itália, tratava-se de uma atividade

Leia mais

OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016

OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016 OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016 Fonte: : https://1.bp.blogspot.com/-fabad23toia/vuwn2ulzgii/aaaa AAAAAvM/8CEgQcUKnYE9Cq8pdefEYu9edCGRsZghg/s1600/ interna-esportes-olimpicos.jpg JOGOS OLÍMPICOS Os jogos olímpicos

Leia mais

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1 Escola Secundária De São Pedro Da Cova Voleibol 25-01-2011 Ano lectivo 2010/2011 1 índice Serviço Recepção Passe de costas Remates Manchete Situação de jogo Vídeo Objectivo do jogo Terreno de jogo Toques

Leia mais

A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010.

A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010. A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010. MARLON MENEZES DE ARRUDA (1), ANDERSON HENRIQUE SOUZA DE ALMEIDA (1), SARAH ABRAHÃO GOMES

Leia mais

O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SILVA, Maria Rita Rezende 1 VESPASIANO, Bruno de Souza 2 1 Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL Marcelo Odilon Cabral de Andrade / UFV Israel Teoldo da Costa / UFV marcelo.andrade@ufv.br ոո Palavras-chave: Tática,

Leia mais

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL José Cícero Moraes / UFRGS Daniel Perin / UFRGS Marcelo Francisco da Silva Cardoso Cardoso / UFRGS Alberto de Oliveira

Leia mais

A contribuição norte-americana para o voleibol

A contribuição norte-americana para o voleibol A contribuição norte-americana para o voleibol Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) La contribución de Estados Unidos al voleibol The North American contribution for the

Leia mais

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 La Copa del Mundo de Fútbol: rendimiento de los países sedes, 1930 a 2010 Soccer World Cup: performance of the home countries, 1930 to

Leia mais

Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra

Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugerencia de una prueba de salto con pelota para jugadores de voleibol en sala Suggestion of the jump ball test for the indoor

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol

Leia mais

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos O Voleibol sentado é um dos desportos Paralímpicos mais entusiasmantes que está a atrair a atenção por ser competitivo e espetacular e pelo seu potencial para promover mudança social positiva. As próximas

Leia mais

Regras básicas e fudamentos do volei

Regras básicas e fudamentos do volei Regras básicas e fudamentos do volei História do volei O criador do voleibol foi o americano William George Morgan. Isto ocorreu em 9 de fevereiro de 1895. O volei foi criado com o intuito de ser um esporte

Leia mais

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras.

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. CONCEITOS TÁTICOS E SISTEMAS Conceitos Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. Tipos de sistemas: Sistemas defensivos:

Leia mais

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes).

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes). REGULAMENTO 1. O ATL MINI TOUR 2014 (MT) é um circuito de provas para os escalões de Sub8 e Sub10, promovido pela Associação de Ténis de Lisboa (ATL), havendo uma calendarização das provas através de um

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO Loani Landin Istchuk / UEL Wilton Carlos de Santana / UEL Hélcio Rossi Gonçalves / UEL loaniistchuk@hotmail.com

Leia mais

Beach Tennis herdou elementos do badminton, vôlei, frescobol e tênis

Beach Tennis herdou elementos do badminton, vôlei, frescobol e tênis Beach Tênis de areia? Frescobol com rede? Não, o jogo é Beach Tennis Como nasceu e quais as entidades que regem o tênis jogado na areia Por Marcela Evangelista DESDE 2008, QUANDO FOI TRAZIDO PARA O BRASIL,

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 131 ANÁLISE DE GOLS QUANTO A FORMA E LOCAL DA EQUIPE SUB-8 DO CLUBE DE REGATAS FLAMENGO NO CAMPEONATO ESTADUAL DA LIGA RIOFUTSAL, MÓDULO NOVOS TALENTOS DE 2012 Luiz Fernando A. Serpas Filgueiras 1 RESUMO

Leia mais

Vôlei - do lazer ao pódio. A história da atual paixão nacional

Vôlei - do lazer ao pódio. A história da atual paixão nacional Vôlei - do lazer ao pódio A história da atual paixão nacional YMCA - Associação Cristã de Moços O vôlei foi criado pelo educador físico Willian Morgan no final do século XIX nos Estados Unidos como uma

Leia mais

EFICÁCIA DO SAQUE NAS CATEGORIAS DE BASE DO VOLEIBOL DE MINAS GERAIS EFFECTIVENESS OF SERVE OF THE BASIS CATEGORIES OF VOLLEYBALL IN MINAS GERAIS

EFICÁCIA DO SAQUE NAS CATEGORIAS DE BASE DO VOLEIBOL DE MINAS GERAIS EFFECTIVENESS OF SERVE OF THE BASIS CATEGORIES OF VOLLEYBALL IN MINAS GERAIS Recebido: 28/03/2013 Emitido parece: 26/04/2013 Artigo original EFICÁCIA DO SAQUE NAS CATEGORIAS DE BASE DO VOLEIBOL DE MINAS GERAIS Henrique de Oliveira Castro 1, Cristino Júlio Alves Matias 1, Diego

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

Eficácia do Side-out no Voleibol sénior masculino em função do jogador interveniente

Eficácia do Side-out no Voleibol sénior masculino em função do jogador interveniente Motricidade Edições Desafio Singular 2015, vol. 11, n. 4, pp. 142-150 http://dx.doi.org/10.6063/motricidade.6302 Eficácia do Side-out no Voleibol sénior masculino em função do jogador interveniente Effectiveness

Leia mais

O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação

O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação El efecto del entrenamiento de la visión periférica en el ataque en la iniciación

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

Os torneios disputar-se-ão, em sistema de campeonato, ao longo de cada. As inscrições deverão ser efetuadas online no site do colégio

Os torneios disputar-se-ão, em sistema de campeonato, ao longo de cada. As inscrições deverão ser efetuadas online no site do colégio Informações Gerais Os torneios disputar-se-ão, em sistema de campeonato, ao longo de cada período letivo. De acordo com o número de equipas participantes, poderá haver uma fase final em sistema de playoffs.

Leia mais

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores

Andebol. Andebol. Andebol. Andebol. Andebol Caraterização. O que é o Andebol? O Campo. Os Jogadores Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto O que é o? O andebol é um jogo desportivo colectivo, praticado por duas equipas, cada uma delas com 7 jogadores em

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto

Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto ì Educação Física! Agrupamento de Escolas Martim de Freitas! Francisco Pinto Caraterização! Voleibol! Caraterização Voleibol é um jogo desportivo colectivo praticado por duas equipas, separadas por uma

Leia mais

TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS

TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL TÁTICAS BÁSICAS DO VOLEIBOL SISTEMAS TÁTICOS Para o melhor entendimento técnico e tático das definições sobre os sistemas de jogo adotados no voleibol, é necessário, em primeiro

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE. Badminton

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE. Badminton ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DO FUNDÃO GRUPO DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 09_10 PRINCIPIOS BÁSICOS DA MODALIDADE Badminton FUNDÃO, MARÇO DE 2010 Professor Frederico Dias APRESENTAÇÃO / CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. Guilherme Sanches Valverde 2 Fernanda Pereira de Souza 3 Rosangela Marques Busto 4 Abdallah Achour Junior 4 Fausto Orsi de Medola 4 RESUMO Este estudo

Leia mais

38º ZESKAMP Regulamento

38º ZESKAMP Regulamento 38º ZESKAMP 2016 Regulamento Art. 1º - Poderão participar dos jogos: atletas holandeses, descendentes, casados com holandeses ou casados com descendentes. Os casos excepcionais deverão ser apresentados

Leia mais

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL

FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL FEDERAÇÃO DE ANDEBOL DE PORTUGAL REGULAMENTO DESPORTIVO CIRCUITO NACIONAL DE ANDEBOL DE PRAIA 2012 Art.º 1 OBJETO 1. O presente regulamento estabelece as regras e normas aplicáveis ao Andebol de Praia

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica ANÁLISE DO JOGO DE VOLEIBOL: ENSINO DA EXECUÇÃO DESSA TAREFA COM EXCEL 112 Nelson Kautzner Marques Junior 1 Danilo Arruda 2 RESUMO A análise do jogo de voleibol é considerada na literatura desse esporte

Leia mais

Questões dos 6º anos

Questões dos 6º anos 2012 - AVALIAÇÃO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 4ª BIMESTRE Questões dos 6º anos 1- Lembrando que tanto o futebol como o handebol são esportes coletivos, quais comportamentos podemos observar com relação a forma

Leia mais

Torneio das Habilidades

Torneio das Habilidades Torneio das Habilidades de maio de 2016 10:45 h Regulamento Torneio das Habilidades O torneio das habilidades decorrerá no Complexo Desportivo de Amarante, no dia a partir das 10:15h. Este torneio é destinado

Leia mais

Jogos Olímpicos Vôlei. Jelena Bozovic, Ana Carolina Russo, Fernanda Verde, Carolina Bellato, Noemi da Silva, Rafaela Murbach

Jogos Olímpicos Vôlei. Jelena Bozovic, Ana Carolina Russo, Fernanda Verde, Carolina Bellato, Noemi da Silva, Rafaela Murbach Jogos Olímpicos Vôlei Jelena Bozovic, Ana Carolina Russo, Fernanda Verde, Carolina Bellato, Noemi da Silva, Rafaela Murbach O que são os Jogos Olímpicos? Jogos Olímpicos é o nome dado a um evento que reúne

Leia mais

DGEstE - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) NIPC

DGEstE - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) NIPC Prova código 311 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física 2016 12.º ano de Escolaridade O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física

Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física Planificação Detalhada Anual : 8º Ano Educação Física DOMÍNIO/TEMA Aptidão SUB TEMA (Conteúdos) Resistência Força Velocidade Flexibilidade Coordenação Equilíbrio OBJETIVOS GERAIS Elevar o nível funcional

Leia mais

II aeestsp Course Cup

II aeestsp Course Cup II aeestsp Course Cup Regulamento Voleibol INTRODUÇÃO O Regulamento Oficial de Voleibol da Federação Portuguesa de Voleibol aplica-se a este torneio, com adaptação adequada das regras às condições de realização

Leia mais

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto Guifões 21/05/2012 Introdução: Os jogadores Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Os nossos jogadores sabem cada

Leia mais

Olimpíada Rio "Voleibol, um jogo que é ouro"

Olimpíada Rio Voleibol, um jogo que é ouro Olimpíada Rio 2016 "Voleibol, um jogo que é ouro" Olimpiadas Investimento Segundo informações da Autoridade Pública Olímpica (APO), os gastos com os jogos eram estimados em R$ 28,8 bilhões quando a candidatura

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA - PCA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

38º. As modalidades e suas respectivas categorias e gêneros serão :

38º. As modalidades e suas respectivas categorias e gêneros serão : 38º Art. 1º- Poderão participar dos jogos: atletas holandeses, descendentes, casados com holandeses ou casados com descendentes. Os casos excepcionais deverão ser apresentados na reunião técnica e a decisão,

Leia mais

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos O Voleibol sentado é um dos desportos Paralímpicos mais entusiasmantes que está a atrair a atenção por ser competitivo e espetacular e pelo seu potencial para promover mudança social positiva. As próximas

Leia mais

Fundamentos técnicos do Handebol

Fundamentos técnicos do Handebol Resumo com autoria de Edvaldo Soares de Araújo Neto e Anália Beatriz A. S. Almeida. Fundamentos técnicos do Handebol Recepção Conceito: ato de receber a bola normalmente com as duas mãos; Objetivo: amortecer

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 10º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Colégio Adventista de Rio Preto Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Futebol de Salão - Futsal Caracterização: É um jogo coletivo desportivo, entre duas equipes, sendo cada uma constituída por doze

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE SEXOS NA APRENDIZAGEM DO BASQUETEBOL GENDER DIFFERENCES IN LEARNING BASKETBALL

DIFERENÇAS ENTRE SEXOS NA APRENDIZAGEM DO BASQUETEBOL GENDER DIFFERENCES IN LEARNING BASKETBALL Revista da EDUCAÇÃO FÍSICA/UEM 7(1):85-89,1996. DIFERENÇAS ENTRE SEXOS NA APRENDIZAGEM DO BASQUETEBOL Luiz Antonio Pereira da Silva * Maria da Graça de Sousa Guedes ** RESUMO. Pesquisa desenvolvida por

Leia mais

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah

Leia mais

COMUNICADO Nº 15 2014/2015 07 JANEIRO DE 2015

COMUNICADO Nº 15 2014/2015 07 JANEIRO DE 2015 COMUNICADO Nº 15 2014/2015 07 JANEIRO DE 2015 1. CAMPEONATO DE SANTA MARIA 2014/2015 11 DE JANEIRO DE 2015 Juvenis Masculinos (AM) 69 CANA AM CDM AM 11-Jan-15 14H30 CANA Juvenis Femininos (AF) 60 CANA

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - CEF 2º ano Ano letivo

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - CEF 2º ano Ano letivo Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Educação Física - 2º ano Ano letivo 2012 2013 1º PERIODO Testes de Condição Física Avaliação da velocidade, flexibilidade, força muscular, agilidade e medidas

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 16 ANÁLISE DO TEMPO DE POSSE DE BOLA E A SUA INFLUÊNCIA NO RESULTADO DOS JOGOS DO CAMPEONATO MUNDIAL DE FUTSAL Rafael Acosta Caetano 1 Rogério Cunha Voser 2 José Cícero Moraes 2 Marcelo Silva Cardoso 2

Leia mais

Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física. Ao longo do ano* Testes Fitnessgram (opcional)

Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física. Ao longo do ano* Testes Fitnessgram (opcional) DOMÍNIO/TEMA: Atletismo DOMÍNIO/TEMA Aptidão físicas Direção de Serviços da Região Norte Planificação Detalhada Anual : 9º Ano Educação Física Resistência Força Velocidade Flexibilidade Coordenação Equilíbrio

Leia mais

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

07/05/2013. VOLEIBOL 9ºAno. Profª SHEILA - Prof. DANIEL. Voleibol. Origem : William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 9ºAno Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem : William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette GRECO, 1998 1 Caracterização: O voleibol é um jogo coletivo desportivo, composto por duas equipes, cada uma

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 327 ANÁLISE DOS GOLS SOFRIDOS E GOLS FEITOS PELA EQUIPE DE FUTSAL DE NOVA ITABERABA-SC CATEGORIA SUB-17 NO CAMPEONATO CATARINENSE 2013/2014 Ismael Schneider 1 Rogério da Cunha Voser 2 Patrícia Eloi Gomes

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 6º ano Ano letivo: 201.2014 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

Relação entre o tempo, o tipo e o efeito do ataque no Voleibol masculino juvenil de alto nível competitivo

Relação entre o tempo, o tipo e o efeito do ataque no Voleibol masculino juvenil de alto nível competitivo ARTIGO ORIGINAL DOI: 10.5007/1980-0037.2010v12n6p428 Relação entre o tempo, o tipo e o efeito do ataque no Voleibol masculino juvenil de alto nível competitivo Relationship between tempo, type and effect

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO. Campeonato de Abertura CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO. Campeonato de Abertura CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO Campeonato de Abertura CORFEBOL CAMPEONATO DE ABERTURA ENQUADRAMENTO O Campeonato de Abertura surge como complemento às competições seniores da Federação Portuguesa de Corfebol:

Leia mais

Jogos de Integração Universitária JIU

Jogos de Integração Universitária JIU Jogos de Integração Universitária JIU (Modalidades de Quadras e Corrida) REGULAMENTO GERAL A Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis PROAE -, através da Coordenadoria de Formação e Integração

Leia mais

Olimpíadas Rio " Voleibol, modalidade de ouro"

Olimpíadas Rio  Voleibol, modalidade de ouro Olimpíadas Rio 2016 " Voleibol, modalidade de ouro" O Voleibol nas olimpíadas do Rio 2016 Aprendendo um pouco sobre este esporte que é medalha de ouro para o Brasil. Angélica Mayra Vieira Fernandes RA4115328

Leia mais

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 informação-prova de equivalência à frequência data:. 0 5. 2 0 26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 1.O B J E

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE BOLA ENTRE EQUIPES BRASILEIRAS EM UMA COMPETIÇÃO REGIONAL

COMPARAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE BOLA ENTRE EQUIPES BRASILEIRAS EM UMA COMPETIÇÃO REGIONAL 708 ROLHFS, I. C. P. M; et al. A escala de humor de Brunel (Brums): instrumetno para detecção precoce da síndrome do excesso de treinamento. Rev Bras Med Esporte. v. 14, n. 3, mar/jun, p. 176-181, 2008.

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO VOLEIBOL IN DOOR 15 a 17 anos

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO VOLEIBOL IN DOOR 15 a 17 anos REGULAMENTO ESPECÍFICO DO VOLEIBOL IN DOOR 15 a 17 anos 1. A Competição de Voleibol será realizada de acordo com as regras oficiais da Federação Internacional de Volleyball (FIVB) adotadas pela Confederação

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos

É constituída por 12 jogadores: -6 jogadores efetivos -6 jogadores suplentes -Até 2 líberos Regras básicas de vôlei Vôlei é um desporto praticado numa quadra dividida em duas partes por uma rede, possuindo duas equipes de seis jogadores em cada lado. O objetivo da modalidade é fazer passar a

Leia mais

CIRCUITO DE BEACH POLO ANNP E T A P A S

CIRCUITO DE BEACH POLO ANNP E T A P A S CIRCUITO DE BEACH POLO ANNP E T A P A S I - CALDAS DE AREGOS Resende 24 de Agosto 2008 II - MONDIM DE BASTO - Mondim Basto 30 de Agosto 2008 III BARRAGEM DA QUEIMADELA Fafe 06 de Setembro 2008 Data Limite

Leia mais

WORKSHOP MAXIMO CASTELLOTE E JORGE NICOLINI ABORDAGEM GERAL Máximo Castellote é licenciado em Educação Física e Ciências do Desporto e um dos

WORKSHOP MAXIMO CASTELLOTE E JORGE NICOLINI ABORDAGEM GERAL Máximo Castellote é licenciado em Educação Física e Ciências do Desporto e um dos WORKSHOP MAXIMO CASTELLOTE E JORGE NICOLINI ABORDAGEM GERAL Máximo Castellote é licenciado em Educação Física e Ciências do Desporto e um dos treinadores mais prestigiados de padel. Entre os seus pupilos

Leia mais

ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A

ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A BOXE Introdução Na antiguidade, antes mesmo das civilizações grega e romana, há indícios arqueológicos que indicam que o homem praticava lutas usando as mãos, desferindo

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 3ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ. (Revisto em janeiro de 2015)

REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ. (Revisto em janeiro de 2015) REGULAMENTO ESPECÍFICO XADREZ 2013 2017 (Revisto em janeiro de 2015) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO P.2 2. ESCALÕES ETÁRIOS P.3 3. CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS P.3 4. REGULAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO P.3 4.1. FASE LOCAL

Leia mais

Boletim Final FUTEBOL DE AREIA

Boletim Final FUTEBOL DE AREIA Boletim Final FUTEBOL DE AREIA Blumenau 2016 Comprometimento Orgulho de representar a empresa Motivação Espírito de equipe Respeito EMPRESAS PARTICIPANTES DO FUTEBOL DE AREIA MASCULINO EMPRESA Nº DE EQUIPES

Leia mais

1 TORNEIO 4X4 DE VOLEIBOL/ 2016

1 TORNEIO 4X4 DE VOLEIBOL/ 2016 DATA E LOCAL: /2016 (RTA-FEIRA), GINÁSIO DO CERMAG/. IDADE LIVRE. CATEGORIAS: FEMININO (INÍCIO AS 08:00 HORAS)/MASCULINO (INÍCIO AS 12:00 HORAS)/MISTO (INÍCIO AS 16:00 HORAS). ALTURA DA REDE: MASCULINO

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO. Grupo Disciplinar de Educação Física CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 10º ANO Grupo Disciplinar de Educação Física JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente e realiza

Leia mais

Exercícios para Aperfeiçoamento da Defesa Individual Homem-a-Homem

Exercícios para Aperfeiçoamento da Defesa Individual Homem-a-Homem Exercícios para Aperfeiçoamento da Defesa Individual Homem-a-Homem Pressionar a bola torna o drible e o passe mais difíceis, e aumenta as chances de ocorrer um erro do ataque. O objectivo principal é impedir

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL. ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Educação Física ANO: 11º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 148 ANALISE DAS FINALIZAÇÕES NA FASE FINAL DA LIGA FUTSAL 2012 José Renato Bolsonaro 1 RESUMO Introdução: A finalização é um importante indicador de desempenho, um dos três princípios operacionais de ataque

Leia mais

NÍVEL DE DESEMPENHO TÉCNICO-TÁTICO DAS EQUIPES CATARINENSES DE VOLEIBOL NAS CATEGORIAS DE FORMAÇÃO

NÍVEL DE DESEMPENHO TÉCNICO-TÁTICO DAS EQUIPES CATARINENSES DE VOLEIBOL NAS CATEGORIAS DE FORMAÇÃO Margareth Porath NÍVEL DE DESEMPENHO TÉCNICO-TÁTICO DAS EQUIPES CATARINENSES DE VOLEIBOL NAS CATEGORIAS DE FORMAÇÃO Dissertação submetida ao Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Regras do Voleibol. Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana

Regras do Voleibol. Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana Regras do Voleibol Prof. Ddo. Maick da Silveira Viana Instalações e Equipamentos DIMENSÕES A quadra de jogo é um retângulo medindo 18m x 9m, circundada por uma zona livre de no mínimo 3m de largura em

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL II TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES:

CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL II TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES: CURSO DE TREINADORES DE FUTSAL NÍVEL II TÉCNICO TÁCTICA CADERNO DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA DOS CONTEÚDOS A ABORDAR NAS DIFERENTES SESSÕES: 1. Activação geral 2. Técnica Individual 3. Acções Colectivas Complexas

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ensino Básico

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO MAGALHÃES INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2015 Ensino Básico Disciplina: Educação Física Ano: 6º Código da Prova: 28 Modalidade: Teórica e Prática 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Princípios Táticos. Aprofundamento em Futebol

Princípios Táticos. Aprofundamento em Futebol Princípios Táticos Aprofundamento em Futebol DEFENSIVO Linha Bola Gol Equilíbrio homem-bola e Numérico Acompanhamento Cobertura Desarme Linhas de Marcação Tipos de Marcação Princípios Táticos OFENSIVO

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL

REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL REGULAMENTO ESPECIFICO TORNEIOS JOVENS CORFEBOL ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. ESCALÕES ETÁRIOS, BOLA, DURAÇÃO DO JOGO E VARIANTES DA MODALIDADE 2. CONSTITUIÇÃO DA EQUIPA 3. ARBITRAGEM 4. QUADRO COMPETITIVO E CRITÉRIOS

Leia mais

GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL

GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR REGULAMENTO ESPECÍFICO DE ANDEBOL 2002/2003 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ANDEBOL DE 5/7...4 2.1. ESCALÕES ETÁRIOS E VARIANTES DA MODALIDADE...4 2.2 BOLA DE JOGO...4

Leia mais

Criador: James Naismith. Primeiras Regras. Evolução da Estrutura do Jogo. Difusão da Modalidade. Basquetebol Internacional. Basquetebol Nacional

Criador: James Naismith. Primeiras Regras. Evolução da Estrutura do Jogo. Difusão da Modalidade. Basquetebol Internacional. Basquetebol Nacional Criador: James Naismith Primeiras Regras Evolução da Estrutura do Jogo Difusão da Modalidade Basquetebol Internacional Basquetebol Nacional Prof. Educação Física (N. 1861 F. 1939) Data: Dezembro de 1891

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO VOLEI DE PRAIA

REGULAMENTO TÉCNICO VOLEI DE PRAIA VOLEI DE PRAIA Art. 1º - O Campeonato de Voleibol de praia, naipes masculino e feminino, será regido pelas regras oficiais da Federação Internacional de Voleibol (FIVB), por este Regulamento e conforme

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

TÉNIS DE PRAIA REGRAS

TÉNIS DE PRAIA REGRAS TÉNIS DE PRAIA REGRAS 1. O campo O campo será composto por um retângulo de 16 metros de comprimento e 8 metros de largura. Será dividido pela sua metade por uma rede sustentada por postes que, na sua parte

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Educação Física 5.º ano

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Educação Física 5.º ano Jogos Pré-Desportivos Educação Física 5.º ano Conhecer o objetivo do jogo, o funcionamento e as regras do jogo. Jogos sem bola: Em situação de ataque cria oportunidades com superioridade numérica para

Leia mais