Balanceio dos braços na cortada do voleibol

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balanceio dos braços na cortada do voleibol"

Transcrição

1 Balanceio dos braços na cortada do voleibol El balanceo de brazos en la cortada de voleibol Arms swing in spike volleyball Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior Resumo A cortada é o fundamento que proporciona o ataque, sendo a atividade mais determinante na vitória do voleibol O balanceio dos braços desencadeia maior salto na cortada. O objetivo do estudo foi sugerir um novo balanceio dos braços na cortada do voleibol. Baseado em dois conteúdos da biomecânica, recomenda-se flexão do cotovelo durante o balanceio dos braços da cortada com intuito de gerar menor esforço. Em conclusão, apesar do balanceio dos braços com o cotovelo flexionado ocasionar menor esforço, ainda são necessários estudos de campo para comprovar os benefícios ao jogador de voleibol. Unitermos: Voleibol. Cortada. Salto. Balanceio dos braços. Abstract The spike is an attack skill more important for the victory of the volleyball. The arms swing causes the best jump in spike. The objective of the study was to suggest a new arms swing in volleyball spike. Two contents of the biomechanics determine less effort for arms swing during the spike. The athlete practices arms swing with flexion of the elbow. In conclusion, the arms swing with flexion of the elbow causes less effort, but is important the practice of original articles for determine the benefices of the arms swing. Keywords: Volleyball. Spike. Jump. Arms swing. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 17, Nº 175, Diciembre de / 1 Introdução A cortada é o fundamento que proporciona o ataque, sendo a atividade mais determinante na vitória do voleibol 1. Geralmente o remate ocasiona uma velocidade média de 100 km/h 2. Para esse ataque possuir excelência o atleta necessita de adequada biomecânica da cortada 3. Uma das ações que permite qualidade durante a cortada é o balanceio dos braços porque essa atividade ocasiona maior impulsão do jogador 4,5. O balanceio dos braços contribui em 10% com a elevação do centro de gravidade 6. Por esse motivo o voleibolista realiza essa ação na cortada, sendo conclusivo na literatura que o balanceio dos braços gera um salto mais elevado 7-9. O balanceio dos braços desencadeia maior salto vertical ou oblíquo (muito utilizado na cortada dos 3 m que possui trajetória curvilínea) na cortada 10 porque o atleta realiza mais

2 força dos membros inferiores e consequentemente a saída do corpo do solo é mais veloz 11. Também, a boa coordenação do balanceio dos braços com a atividade de impulsão dos membros inferiores proporciona num salto mais alto 12. Porém, o voleibolistas com melhor biomecânica do balanceio dos braços costumam flexionar os cotovelos mais cedo no momento da flexão do ombro, gerando menor esforço nessa atividade 13. Contudo, esse menor esforço só acontece na fase final do balanceio dos braços 14, enquanto que no momento inicial do balanceio dos braços, quando o esportista faz extensão do ombro, a força gerada é a mesma pelo jogador de alta e baixa qualidade biomecânica no balanceio dos braços. Sabendo dessa questão, o objetivo do estudo foi sugerir uma nova técnica para o jogador de voleibol praticar o balanceio dos braços. Balanceio dos braços durante a cortada A cortada é um fundamento do voleibol que é dada muito importância por causa das chances de ponto que essa técnica esportiva ocasiona 15, podendo ser determinante na vitória desse esporte 16. Por esse motivo essa técnica esportiva é muito investigada 17,18, servindo como parâmetro na escolha de um jogador para uma equipe 19 ou determinar os atletas que pontuam mais para a posição de oposto 20. Entretanto, em 1998, Shalmanov 13 informou que na fase final do balanceio dos braços da cortada, ou seja, no momento da flexão do ombro, os voleibolistas com melhor biomecânica dos membros superiores no balanceio dos braços costumam efetuar mais brevemente flexão do cotovelo para gerar menor esforço nessa ação. Baseado em qual conteúdo biomecânico pode-se afirmar que isso acontece? Segundo Barbanti 21, o movimento angular dos ombros durante o balanceio dos braços é mais lento quando o cotovelo está em extensão. Essa mesma ação de balanceio dos braços durante a cortada torna-se mais veloz quando os membros superiores estiverem mais próximos do eixo de rotação, isso ocorre quando os cotovelos estão um pouco flexionados. Merecendo estudo se um balanceio dos braços com maior velocidade ocasiona um salto de maior impulsão. O balanceio dos braços com os cotovelos flexionados é vantajoso porque torna-se mais fácil para o atleta iniciar ou terminar o movimento angular 22. Esse movimento angular de balanceio dos membros superiores o braço e o antebraço correspondem a massa (m), sendo a resistência, os ombros são o eixo de rotação, o raio (r). Portanto, conforme a distribuição da massa do braço e do antebraço em relação ao eixo de rotação do ombro, o

3 balanceio dos membros superiores vão gerar um movimento angular mais veloz ou mais lento, denominado de momento de inércia (I) 23. Podendo ser expresso pelo seguinte cálculo: I = m x r² =? kg.m². Outro conteúdo biomecânico que fundamenta o balanceio dos braços com o cotovelo flexionado são as alavancas. A alavanca é uma barra rígida que se movimenta fixada em um eixo por causa da força 24. No corpo humano a barra rígida é o osso, o eixo é a articulação e a força são os músculos que tem função de movimentar o osso que estão presos na articulação 25. O comprimento da alavanca entre o eixo e a resistência é denominado de braço de resistência (BR). A resistência é constituída pelo osso podendo estar somada por algum peso no membro e pela ação da gravidade. A distância entre o eixo e a força exercida pelo músculo é chamado de braço de força (BF). A alavanca mais comum no corpo humano é a de 3ª classe ou interpotente, adequada para tarefas de velocidade, exposta na figura 1. Figura 1. Alavanca de 3ª classe. Consultando Costa 26, conhecer as alavancas permite ao professor elaborar uma atividade com maior ou menor BR. Ele nos fornece um exemplo, o exercício é abdução do ombro com halter, tendo maior BR quando o executante realiza essa tarefa com os cotovelos em extensão, podendo diminuir o BR no momento que o praticante efetua flexão de 90º dos cotovelos. Transferindo esses ensinamentos de Costa 26 para o balanceio de braços da cortada do voleibol, basta o jogador flexionar um pouco o cotovelo para ocasionar um menor BR, gerando numa vantagem mecânica. Através desses dois conteúdos da biomecânica o treinador pode entender o motivo de ensinar ao jovem atleta o balanceio dos braços com o cotovelo flexionado, podendo ser num ângulo de 90º, com intuito do esportista realizar menor esforço na fase inicial

4 (quando o ombro faz extensão) e final (momento que o ombro realiza flexão) dessa ação da cortada. A figura 2 ilustra o balanceio dos braços com menor BR: Figura 2. Balanceio dos braços com flexão de 90º do cotovelo Conclusão Embasado em dois conteúdos da biomecânica esse artigo concluiu que realizar o balanceio dos braços com o cotovelo flexionado ocasiona em menor esforço para o voleibolista durante a cortada. Contudo, apesar dessa afirmação, essa maneira de balanceio dos braços ainda necessita de estudos de campo para realmente comprovar os benefícios ao jogador de voleibol. Referências 1. Castro J, Mesquita I (2008). Estudo das implicações do espaço ofensivo nas características do ataque no voleibol masculino de elite. Rev Port Ciên Desp 8(1): Cerrato D et alii (2007). Validez y fiabilidad del radar para el control de la velocidad del remate en voleibol. Cult, Ci, Deporte 2(6): Valadés D et alii (2004). Análisis de la técnica básica del remate de voleibol. Rendimiento Deportivo (8): Coleman S, Benham A, Northcott S (1993). A three-dimensional cinematographical analysis of the volleyball spike. J Sports Sci 11(4): Ribeiro da Silva K, Magalhães J, Garcia M (2005). Desempenho do salto vertical sob diferentes condições de execução. Arq Mov 1(1):17-24.

5 6. Luhtanen P, Komi P (1978). Segmental contribution to forces in vertical jump. Eur J Appl Physiol 38(3): Arruda M, Hespanhol J (2008). Saltos verticais. São Paulo: Phorte, p Harman E et alii (1990). The effects of arms and countermovement on vertical jumping. Med Sci Sports Exerc 22(6): Rocha C, Ugrinowitsch C, Barbanti V (1999). A influência do contramovimento e da utilização dos braços na performance do salto vertical um estudo no basquetebol de alto nível. Rev APEF Londrina 14(1): Marques Junior N (2001). Voleibol: biomecânica e musculação aplicadas. Rio de Janeiro: Grupo Palestra Sport, p Mourão P, Gonçalves F (2008). A utilização dos membros superiores nos saltos verticais. Rev Motricidade 4(4): Vanezis A, Lees A (2005). A biomechanical analysis of good and poor performers of the vertical jump. Ergonomics 48(11-14): Shalmanov A (1998). Voleibol: fundamentos biomecânicos. São Paulo: Phorte, p , Marques Junior N (2004). Biomecânica aplicada a locomoção e o salto do voleibol. Rev Dig Educ Fís Deportes 10(77): Rocha M (2009). Estudo das habilidades técnicas do ataque na posição quatro do voleibol. 143 p. Dissertação de mestrado USP, São Paulo. 16. Afonso J, Mesquita I, Marcelino R (2008). Estudo de variáveis especificadoras da tomada de decisão, na organização do ataque, em voleibol feminino. Rev Port Ciên Desp 8(1): Gouvêa F, Lopes M (2008). Incidência do ataque no voleibol infanto juvenil feminino. Mov Percep 9(12): Rocha C, Barbanti V (2004). Uma análise dos fatores que influenciam o ataque no voleibol masculino de alto nível. Rev Bras Educ Fís Esp 18(4): Gabbett T, Georgieff B, Domrow N (2007). The use of physiological, anthropometric, and skill data to predict selection in a talent-identified junior volleyball squad. J Sports Sci 25(12): César B, Mesquita I (2006). Caracterização do ataque do jogador oposto em função do complexo do jogo, do tempo e do efeito do ataque: estudo aplicado no voleibol feminino de elite. Rev Bras Educ Fís Esp 20(1): Barbanti V (2010). Treinamento esportivo: as capacidades motoras dos

6 esportistas. Barueri: Manole. p Hay J (1981). Biomecânica das técnicas desportivas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Interamericana, p Hall S (1993). Biomecânica básica. Rio de Janeiro: Guanabara. p Rasch P (1991). Cinesiologia e anatomia aplicada. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara. p Okuno E, Fratin L (2003). Desvendando a física do corpo humano: biomecânica. Barueri: Manole. p Costa M (1996). Ginástica localizada. Rio de Janeiro: Sprint. p

Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011

Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011 Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011 Estatura de los jugadores brasileños de voleibol en la arena masculino de alto nivel, 1987 a 2011 Height of the Brazilian

Leia mais

Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010

Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010 Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010 Estatura de las jugadoras brasileñas de alto rendimiento de voleibol en la arena, 1993 a 2010 Height of the Brazilian female

Leia mais

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Los períodos de entrenamiento deportivo: un análisis sobre

Leia mais

Saque em suspensão com salto em distância

Saque em suspensão com salto em distância Saque em suspensão com salto em distância Saque en suspensión con salto en largo Jump serves with long jump Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques

Leia mais

Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra

Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugerencia de una prueba de salto con pelota para jugadores de voleibol en sala Suggestion of the jump ball test for the indoor

Leia mais

ALAVANCAS. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ALAVANCAS. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ALAVANCAS Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Alavancas: máquinas si mpl es F R E Componentes de uma alavanca Barra rígida Eixo de rotação Resistência Força (potência) F Eixo R Braços de uma alavanca

Leia mais

ALAVANCAS. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ALAVANCAS. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ALAVANCAS Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Alavancas: máquinas simples F R E Componentes de uma alavanca Barra rígida Eixo de rotação Resistência Força (potência) F Eixo R Braços de uma alavanca

Leia mais

Saque tipo tênis com conteúdo da biomecânica: teoria para futura pesquisa

Saque tipo tênis com conteúdo da biomecânica: teoria para futura pesquisa Saque tipo tênis com conteúdo da biomecânica: teoria para futura pesquisa Saque tipo tenis con contenido de la biomecánica: teoría para futuras investigaciones Overhand serve with content of the biomechanics:

Leia mais

Cinesiologia e Biomecânica Prof. Sandro de Souza

Cinesiologia e Biomecânica Prof. Sandro de Souza CINESIOLOGIA E BIOMECANICA CINÉTICA ANGULAR CINÉTICA - Ramo da mecânica que estuda as causas do movimento. CINÉTICA ANGULAR Ramo da mecânica que estuda as causas do movimento angular. 1) TORQUE É definido

Leia mais

Cinesiologia. PARTE II Força Torque e Alavancas

Cinesiologia. PARTE II Força Torque e Alavancas Cinesiologia PARTE II Força Torque e Alavancas 43 DISCIPLINAS CINESIOLOGIA BIOMECÂNICA FISIOLOGIA TREINAMENTO PSICOLOGIA COMPORTAMENTO MOTOR FILOSOFIA 44 Conceitos CINESIOLOGIA estudo do movimento BIOMECÂNICA

Leia mais

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Los fundamentos practicados por el bloqueador del voleibol en la arena Skills practices by block player of the sand volleyball Mestre em Ciência

Leia mais

A contribuição norte-americana para o voleibol

A contribuição norte-americana para o voleibol A contribuição norte-americana para o voleibol Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) La contribución de Estados Unidos al voleibol The North American contribution for the

Leia mais

Biomecânica aplicada a locomoção e o salto do voleibol

Biomecânica aplicada a locomoção e o salto do voleibol Biomecânica aplicada a locomoção e o salto do voleibol Nelson Kautzner Marques Junior (Brasil) nk junior@uol.com.br Graduado em Educação Física pela UNESA do RJ Especialista em Fisiologia do Exercício

Leia mais

SUGESTÃO DO MAWASHI GERI

SUGESTÃO DO MAWASHI GERI SUGESTÃO DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM EMBASAMENTO DA BIOMECÂNICA Suggestion of the Mawashi Geri of the Shotokan Karate whit content of the Biomechanics Nelson Kautzner Marques Junior 1 1 Mestre

Leia mais

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Puntaje de los golpes durante el kumité de competición de karate shotokan masculino Scores of the techniques during the male

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL *

IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL * IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL * IVAN SILVEIRA DE AVELAR, ** REGINA QUEIROZ SILVA, ** TAÍSSA RAMALHO,** ADRIANO SERRANO ** E MARCUS

Leia mais

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos

Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Treinamento Contrarresistência Conceitos Básicos Prof. Paulo Sergio Gomes, Ph.D. Programa de Pós- graduação em Educação Física Centro de Pesquisas Interdiciplinares em Saúde AVISO Material de propriedade

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CENTRO DE GRAVIDADE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

DETERMINAÇÃO DO CENTRO DE GRAVIDADE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior P O C. G. refere-se a um ponto onde está concentrada toda a massa do corpo, sem que seu comportamento mecânico seja alterado Base de apoio P Para se manter em equilíbrio

Leia mais

SALTO VERTICAL EM JOVENS BASQUETEBOLISTAS: ESTIMATIVA DA UTILIZAÇÃO DA ENERGIA ELÁSTICA/POTENCIAÇÃO REFLEXA E PARTICIPAÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES

SALTO VERTICAL EM JOVENS BASQUETEBOLISTAS: ESTIMATIVA DA UTILIZAÇÃO DA ENERGIA ELÁSTICA/POTENCIAÇÃO REFLEXA E PARTICIPAÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES , p. 129-139 SALTO VERTICAL EM JOVENS BASQUETEBOLISTAS: ESTIMATIVA DA UTILIZAÇÃO DA ENERGIA ELÁSTICA/POTENCIAÇÃO REFLEXA E PARTICIPAÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES Pablo Rebouças Marcelino Claudio Luiz Souza

Leia mais

Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol

Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol Fundamentos ejecutados por el central durante el partido de voleibol Skills practices by center blocker during the volleyball match Mestre

Leia mais

Análise Física do Salto Duplo Mortal Carpado, Grupado e Estendido

Análise Física do Salto Duplo Mortal Carpado, Grupado e Estendido Introdução: Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Disciplina: Biomecânica para Biocientistas Professor: Estevan Las Casas Alunos: João

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

ADDAN MONTEIRO DOS SANTOS BONTORIN TREINAMENTO DE VOLEI: OS BENEFICIOS QUE TRAZEM PARA APTIDÃO FISICA

ADDAN MONTEIRO DOS SANTOS BONTORIN TREINAMENTO DE VOLEI: OS BENEFICIOS QUE TRAZEM PARA APTIDÃO FISICA ADDAN MONTEIRO DOS SANTOS BONTORIN TREINAMENTO DE VOLEI: OS BENEFICIOS QUE TRAZEM PARA APTIDÃO FISICA Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino

Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino Test de salto con pelota para juveniles de fútbol femenino Jump test with ball for young female soccer player Mestre em Ciência da Motricidade Humana

Leia mais

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 La Copa del Mundo de Fútbol: rendimiento de los países sedes, 1930 a 2010 Soccer World Cup: performance of the home countries, 1930 to

Leia mais

Grupo I Voleibol (25 pontos)

Grupo I Voleibol (25 pontos) Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2014 1ª FASE PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Duração da prova: 45 minutos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Princípios da Mecânica & Análise de Movimento. Tarefa Casa DESCRIÇÃO MOVIMENTO. s, t, v, a, F. Â, t,,, T

Princípios da Mecânica & Análise de Movimento. Tarefa Casa DESCRIÇÃO MOVIMENTO. s, t, v, a, F. Â, t,,, T Princípios da Mecânica & Análise de Movimento Tarefa Casa PREPARAÇÃO PARA PRÓXIMA AULA Atlas Leitura capitulo Tornozelo e pé (cap. 7) Finalizar exercício de planos e eixos DESCRIÇÃO MOVIMENTO Mecânica

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

Treino novo para o esporte

Treino novo para o esporte Treino novo para o esporte Entrenamiento novedoso para el deporte New training for the sport Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior nk-junior@uol.com.br

Leia mais

Biomecânica do Movimento Humano: Graus de Liberdade, Potência articular e Modelamento Biomecânico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Biomecânica do Movimento Humano: Graus de Liberdade, Potência articular e Modelamento Biomecânico. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Biomecânica do Movimento Humano: Graus de Liberdade, Potência articular e Modelamento Biomecânico Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Conceitos Básicos Modelo simplificado da articulação do cotovelo

Leia mais

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N)

Força. Aceleração (sai ou volta para o repouso) Força. Vetor. Aumenta ou diminui a velocidade; Muda de direção. Acelerar 1kg de massa a 1m/s 2 (N) Força Empurrão ou puxão; Força é algo que acelera ou deforma alguma coisa; A força exercida por um objeto sobre o outro é correspondida por outra igual em magnitude, mas no sentido oposto, que é exercida

Leia mais

UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 14.2 Conteúdo:

UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 14.2 Conteúdo: UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 14.2 Conteúdo: Estática - Máquinas Simples. Habilidades: Compreender os conceitos de estática dos corpos rígidos, tais como: equilíbrio, estática

Leia mais

Cinesiologia 28/3/2011. Ações/Contrações musculares. Prof. Cláudio Manoel. Classificação funcional dos músculos. Ações musculares.

Cinesiologia 28/3/2011. Ações/Contrações musculares. Prof. Cláudio Manoel. Classificação funcional dos músculos. Ações musculares. A parte de imagem com identificação de relação rid2 não foi encontrada no arquivo. 28/3/2011 Cinesiologia Ações/Contrações musculares Dinâmicas Concêntrica (positiva): Aproxima origem da inserção; ação

Leia mais

04- Uma escada homogênea de 40kg apóia-se sobre uma parede, no ponto P, e sobre o chão, no ponto C. Adote g = 10m/s².

04- Uma escada homogênea de 40kg apóia-se sobre uma parede, no ponto P, e sobre o chão, no ponto C. Adote g = 10m/s². PROFESSOR: Raphael Carvalho BANCO DE QUESTÕES - FÍSICA 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== 01- Dois atletas em lados opostos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO EDITAL Nº 003/2016, DE 14 DE JANEIRO DE 2016 Seleção para Alunos de Pós-Graduação Lato Sensu para

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica ANÁLISE DO JOGO DE VOLEIBOL: ENSINO DA EXECUÇÃO DESSA TAREFA COM EXCEL 112 Nelson Kautzner Marques Junior 1 Danilo Arruda 2 RESUMO A análise do jogo de voleibol é considerada na literatura desse esporte

Leia mais

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade

Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo. Atletismo 3/27/2014. Caraterização. A pista. Disciplinas. Velocidade Caraterização Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização A pista O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos

Leia mais

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra VERSÃO RESUMIDA Introdução do manual É feito para quem quer resultados, tenistas ou professores! 1 Simples e completo! 11 fundamentos que tratam

Leia mais

História do voleibol, parte 1

História do voleibol, parte 1 História do voleibol, parte 1 La historia del voleibol, parte 1 History of the volleyball, part 1 Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior nk-junior@uol.com.br

Leia mais

PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA

PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA CAMPOS, Yuri Michael Rodrigues de 1 SERPA, Erica Paes 2 1 Acadêmico do curso de Graduação em Educação Física da Faculdade de Ciências

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 19/10/2014 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVA 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

25/05/2017 OBJETIVOS DA AULA AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE CONCEITO CONCEITO. O que é Flexibilidade? Flexibilidade x Alongamento

25/05/2017 OBJETIVOS DA AULA AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE CONCEITO CONCEITO. O que é Flexibilidade? Flexibilidade x Alongamento OBJETIVOS DA AULA AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE TEÓRICA: Conceitos importantes; Tipos de flexibilidade; Fatores que influenciam a flexibilidade; Importância da flexibilidade; Como avaliar a flexibilidade.

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prof. Me Alexandre Rocha alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência

Leia mais

Sugestão do treino de soco no makiwara do karatê shotokan

Sugestão do treino de soco no makiwara do karatê shotokan Sugestão do treino de soco no makiwara do karatê shotokan Propuesta para el entrenamiento del golpe makiwara del karate shotokan Suggestion of the punch training in makiwara of the shotokan karate Mestre

Leia mais

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO Angélica Weschenfelder Martim Bianco 1 Prof Orientador: Osvaldo Donizete Siqueira RESUMO A verificação das condições

Leia mais

A especificidade do treinamento e a habilidade de saltar verticalmente. Um estudo com jogadores de basquetebol e voleibol de diferentes categorias

A especificidade do treinamento e a habilidade de saltar verticalmente. Um estudo com jogadores de basquetebol e voleibol de diferentes categorias A especificidade do treinamento e a habilidade de saltar verticalmente. Um estudo com jogadores de basquetebol e voleibol de diferentes categorias * Centro Universitário Nove de Julho - UNINOVE Departamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

Conceitos Cinemáticos e Cinéticos

Conceitos Cinemáticos e Cinéticos Conceitos Cinemáticos e Cinéticos Ricardo Martins de Souza 2013 Definição de Cinemática Massa (m): quantidade de matéria que compões um corpo (kg). Inércia: resistência à ação ou à mudança (não é mensurada

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência Docência Personal Trainer

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular 1 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI EEFMT Professora Maria Theodora Pedreira de Freitas Av. Andrômeda, 500 Alphaville Barueri SP CEP 06473-000 Disciplina: Educação Física 6ª Série Ensino Fundamental

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO TORQUE MUSCULAR DOS MÚSCULOS ADUTORES E ABDUTORES DO QUADRIL

CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO TORQUE MUSCULAR DOS MÚSCULOS ADUTORES E ABDUTORES DO QUADRIL CARACTERIZAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO TORQUE MUSCULAR DOS MÚSCULOS ADUTORES E ABDUTORES DO QUADRIL Eduardo Marczwski da Silva, Eduardo Lusa Cadore, Jefferson Fagundes Loss Escola de Educação Física Universidade

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

Exercícios complementares - Física

Exercícios complementares - Física - Física Exercícios Conteúdo Habilidade 1, 2 e 3 Grandezas físicas e unidades de medidas 4 Aceleração média 5 Força resultante 6 Gráficos do M.R.U. e M.R.U.V. 7 Leis de Newton 8, 9 10 e 11 Trabalho e energia

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

BIOMECÂNICA : PROGRAMA E NORMAS ORIENTADORAS

BIOMECÂNICA : PROGRAMA E NORMAS ORIENTADORAS BIOMECÂNICA : PROGRAMA E NORMAS ORIENTADORAS Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação Ano lectivo 2006-2007 Docente: Tiago Barbosa A disciplina Biomecânica tem como objectivo desenvolver

Leia mais

RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT)

RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT) www.campusesine.net RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT) O método RULA (Rapid Upper Limb Assessment) foi desenvolvido por Lynn McAtamney e Nigel Corlett (1993) na Universidade de Nottingham. É um método

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 22 TRABALHO E POTÊNCIA k x Como pode cair no enem (ENEM) Um motor só poderá realizar trabalho se receber uma quantidade de energia de outro sistema. No caso, a energia

Leia mais

Mecânica Articular 15/8/2011. Agradecimentos. Objetivos. Dinâmica da disciplina. Anatomia Complexo do ombro. Observação MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011

Mecânica Articular 15/8/2011. Agradecimentos. Objetivos. Dinâmica da disciplina. Anatomia Complexo do ombro. Observação MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011 Agradecimentos Mecânica Articular 1 2 - Liliam Oliveira, DSc. - Paulo Sergio Gomes, PhD. MEMBROS SUPERIORES 06/08/2011 Aulas teóricas: 06/08 Membros superiores; Dinâmica da disciplina Ombro e cotovelo.

Leia mais

CEPU ICAT CUERPO DIRECTIVO COMITÉ EDITORIAL. Director Dr. Sergio Diez de Medina Centro de Estudios CEPU - ICAT

CEPU ICAT CUERPO DIRECTIVO COMITÉ EDITORIAL. Director Dr. Sergio Diez de Medina Centro de Estudios CEPU - ICAT CEPU ICAT CUERPO DIRECTIVO Director Dr. Sergio Diez de Medina Centro de Estudios CEPU - ICAT Editor Drdo. Juan Guillermo Estay Sepúlveda Centro de Estudios CEPU-ICAT, Chile Secretario Ejecutivo y Enlace

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FUNCIONAL PARA MELHORA DE POTÊNCIA E FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE KARATÊ-DÔ

A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FUNCIONAL PARA MELHORA DE POTÊNCIA E FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE KARATÊ-DÔ A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FUNCIONAL PARA MELHORA DE POTÊNCIA E FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE KARATÊ-DÔ THE INFLUENCE OF FUNCTIONAL TRAINING FOR POWER AND FLEXIBILITY IMPROVEMENT IN KARATE-DO PRACTITIONERS

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Rotação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: Como descrever a rotação de um corpo rígido em termos da coordenada angular,

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. Guilherme Sanches Valverde 2 Fernanda Pereira de Souza 3 Rosangela Marques Busto 4 Abdallah Achour Junior 4 Fausto Orsi de Medola 4 RESUMO Este estudo

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Mecânica Geral 1 Rotação de corpos rígidos Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Bibliografia Básica: BEER, F. P.; JOHNSTON JUNIOR, E. R. Mecânica vetorial para engenheiros: cinemática e dinâmica 5ª ed. 2v. São Paulo: Makron, 1994. HIBBELER, R. C. Dinâmica: Mecânica para Engenharia.

Leia mais

Prova Escrita GRUPO I ATLETISMO

Prova Escrita GRUPO I ATLETISMO INFORMAÇÕES PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2014 2015 (Ao abrigo da alínea a) do ponto 1.º, artigo 29.º, Capítulo IV do Despacho Normativo n.º 5 A/2014) Disciplina / Código: Educação Física /26 Ano

Leia mais

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF

ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF ANEXO VII NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DAS PROVAS DA AVALIAÇÃO FÍSICA - TAF PROVA DE FLEXÃO DE BRAÇO NA BARRA FIXA BARRA (SOMENTE PARA O SEXO MASCULINO) Os procedimentos a serem adotados pelo

Leia mais

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte.

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. TREINAMENTOESPORTIVO.COM FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. No esporte há poucas modalidades onde os atletas podem ter tempo para atingir a força máxima, portanto a

Leia mais

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte.

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. TREINAMENTOESPORTIVO.COM FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. No esporte há poucas modalidades onde os atletas podem ter tempo para atingir a força máxima, portanto a

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Equilíbrio Estático Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As condições que devem ser atendidas para um corpo ou uma estrutura

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica ESTUDOS DOS FUNDAMENTOS DE JOVENS JOGADORAS DO VOLEIBOL FEMININO 730 Danilo Arruda 1 Nelson Kautzner Marques Junior 2 RESUMO A análise do jogo de voleibol atualmente é muito pesquisada na literatura. Porém,

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Educação Física. 2º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita e Prática

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Educação Física. 2º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita e Prática Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano Letivo 2016 / 2017 Código da Prova: 28 2º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita e Prática 1. Objeto de avaliação O presente

Leia mais

COLÉGIO SHALOM. Trabalho de recuperação Ensino Médio 2º Ano Profº: Wesley da Silva Mota Física

COLÉGIO SHALOM. Trabalho de recuperação Ensino Médio 2º Ano Profº: Wesley da Silva Mota Física COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação Ensino Médio 2º Ano Profº: Wesley da Silva Mota Física Entrega na data da prova Aluno (a) :. No. 01-(Ufrrj-RJ) A figura a seguir mostra um atleta de ginástica olímpica

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Resultante Centrípeta

Resultante Centrípeta Questão 01) Uma criança está em um carrossel em um parque de diversões. Este brinquedo descreve um movimento circular com intervalo de tempo regular. A força resultante que atua sobre a criança a) é nula.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA : 90 MINUTOS PROVA TEÓRICA GRUPO I Conhecer os princípios sobre alimentação e saúde Identificar os efeitos e lesões mais frequentes do exercício físico na vida atual Aptidão Física Desporto e Saúde - Condição

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica ALTERAÇÃO DAS CAPACIDADES FÍSICAS DURANTE O PERÍODO PREPARATÓRIO DE TREINAMENTO EM ATLETAS DE VOLEIBOL

17º Congresso de Iniciação Científica ALTERAÇÃO DAS CAPACIDADES FÍSICAS DURANTE O PERÍODO PREPARATÓRIO DE TREINAMENTO EM ATLETAS DE VOLEIBOL 17º Congresso de Iniciação Científica ALTERAÇÃO DAS CAPACIDADES FÍSICAS DURANTE O PERÍODO PREPARATÓRIO DE TREINAMENTO EM ATLETAS DE VOLEIBOL Autor(es) NATHALIA ARNOSTI VIEIRA Orientador(es) ÍDICO LUIZ

Leia mais

Canoagem. Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento

Canoagem. Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Canoagem Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Diretor Técnico da Seleção Brasileira de Canoagem Velocidade Departamento de Ciências do Esporte Licenciado

Leia mais

P3 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 18/11/2011

P3 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 18/11/2011 P3 MECÂNICA NEWTONIANA A (FIS 1025) 18/11/2011 Nome: Assinatura: Matrícula: Turma: Questão Valor Grau Revisão 1 a 3,0 2 a 3,0 3 a 2,5 Total 8,5 -As respostas sem justificativas ou cálculos não serão computadas.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: BIOMECÂNICA

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Código Unidade 040 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso Etapa Sem. / Ano EDUCAÇÃO FISICA 4ª. ETAPA

Leia mais

Características Geométricas de Figuras Planas PROF. ESP. DIEGO FERREIRA

Características Geométricas de Figuras Planas PROF. ESP. DIEGO FERREIRA Características Geométricas de Figuras Planas PROF. ESP. DIEGO FERREIRA A Figura abaixo ilustra uma barra reta de seção transversal constante, chamada barra prismática. O lado da barra que contém o comprimento

Leia mais

Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008

Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008 Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008 Medallas de Brasil en los Juegos Olímpicos, 1920 a 2008 Brazil medals in the Olympic Games 1920 to 2008 Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela

Leia mais

LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO

LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO LISTA PARA RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1 PROFESSOR GUSTAVO SABINO 1. Sobre uma partícula P agem quatro forças, representadas na figura abaixo. O módulo da força resultante sobre a partícula é de: a) 5 N b) 24

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 5º ano Ano letivo: 201.201 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 informação-prova de equivalência à frequência data:. 0 5. 2 0 26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 1.O B J E

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

Recepção: 25/02/2015 Aceitação: 20/07/2015

Recepção: 25/02/2015 Aceitação: 20/07/2015 Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, Año 20, Nº 208, Septiembre de 2015. http://www.efdeportes.com/efd208/analise-de-forca-em-jogadores-de-futebol.htm Analise de força

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projeto Escola de Esportes. Jovens. Crianças. Flexibilidade. Teste.

PALAVRAS-CHAVE Projeto Escola de Esportes. Jovens. Crianças. Flexibilidade. Teste. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO Ano/Turma 7º/8º/9º Período N.º aulas previstas

Leia mais

ESCOLA: Escola Básica 2,3 D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO: 6.º ANO LETIVO 2013/2014

ESCOLA: Escola Básica 2,3 D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO: 6.º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº de Abrantes ESCOLA: Escola Básica, D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO:.º ANO LETIVO 0/0 METAS DE APRENDIZAGEM: Domínio da Aptidão Física (EDF00);

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 297 versão eletrônica COMPARATIVO DE SALTO VERTICAL E REBOTE COM ATLETAS DE BASQUETE NA INICIAÇÃO Renan de Castro Mascarenhas 1 RESUMO Este estudo tem como tema a comparação entre impulsão vertical e rebote

Leia mais