Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra"

Transcrição

1 Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugerencia de una prueba de salto con pelota para jugadores de voleibol en sala Suggestion of the jump ball test for the indoor volleyball players Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB, RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior Resumo O salto no jogo de voleibol é determinante no desempenho competitivo desse esportista porque facilita a atividade da cortada e do bloqueio durante a partida. O objetivo da revisão foi sugerir um teste similar para avaliar a cortada e o bloqueio do voleibol na quadra. Foi sugerido elaborar um teste de salto com bola para o voleibol baseado no estudo de Marques Junior 14. Em conclusão, essa revisão forneceu algumas sugestões para o pesquisador elaborar o teste de salto para o voleibol na quadra simulando a execução do fundamento. Unitermos: Voleibol. Salto vertical. Teste. Abstract The jump in the volleyball match is determinant in competitive performance of the volleyball player because it facilitates the activity of the attack and of the block during the match. The objective of the review was to suggest a test similar to evaluate the spike and the blockade of the indoor volleyball. Was suggested elaborate a jump ball test for the volleyball based on the study of Marques Junior 14. In conclusion, this review has provided some suggestions for the researcher to elaborate the jump test for the indoor volleyball simulating the execution of the skill. Keywords: Volleyball. Vertical jump. Test. Recepção: 08/11/ Aceitação: 25/11/2014. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 19, Nº 199, Diciembre de / 1 Introdução O salto no jogo de voleibol é determinante no desempenho competitivo desse esportista porque facilita a atividade da cortada e do bloqueio durante a partida 1. Ambos os fundamentos possuem alta correlação com a vitória de uma equipe 2,3. A cortada é o fundamento que mais propicia o êxito de um time ou seleção, em segundo fica o bloqueio porque pode causar um ponto ou dificultar a tarefa ofensiva do oponente 4. Essa importância dada ao salto da cortada e do bloqueio ocorre na iniciação ao alto rendimento 5,6. Portanto, essas ações (cortada e bloqueio) precisam ser medidas e avaliadas durante uma temporada do voleibol 7. O teste de salto indicado para qualquer atividade esportiva precisa simular o fundamento da modalidade para estar de acordo com as tarefas do mundo real 8. Diversas referências costumam indicar para medir e avaliar a cortada e o bloqueio do voleibol sem um equipamento específico para essa atividade No teste da cortada o voleibolista se posiciona próximo da

2 parede, realizando uma corrida de aproximação com duas ou três passadas, oblíqua a parede. Após a impulsão nos dois membros inferiores, o atleta realiza o salto vertical buscando a maior impulsão e maior alcance do braço de golpe na bola que é tocado na parede com o dedo sujo de giz 12. Já o teste de bloqueio, o jogador se posiciona de frente para a parede com os cotovelos semiflexionados, os membros inferiores permanecem esticados e os pés no solo, ou seja, na posição inicial de bloqueio 13. A partir de um contramovimento com flexão de várias articulações (quadril, joelho e tornozelo) o atleta realiza imediatamente extensão das mesmas articulações onde ocorre o salto vertical, vindo tocar com os dedos sujo de giz na parede. Então, é necessária a criação de um aparelho para estabelecer o salto vertical da cortada e do bloqueio porque fazer essa avaliação com auxílio da parede pode ocasionar contusão do voleibolista, caso ocorra choque do jogador com esse implemento. Como estruturar um teste de salto que simule o fundamento da cortada e do bloqueio? Consultando a literatura do esporte, foi elaborado um teste para o futebol feminino que simula o ato da cabeçada e da saída do gol do goleiro 14, mas no voleibol as referências não informam nenhum equipamento para essa avaliação Então, baseado no teste de salto com bola para o futebol feminino, o objetivo da revisão foi sugerir um teste similar para avaliar a cortada e o bloqueio do voleibol na quadra. Referencial teórico sobre os testes de salto no voleibol O ato de saltar verticalmente ou obliquamente ou horizontalmente acontece na cortada, no bloqueio, no saque e no levantamento depende da situação da jogada 19,20. Mas em dois fundamentos o atleta de voleibol precisa maior impulsão para efetuar essas técnicas esportivas com mais facilidade, o caso da cortada e do bloqueio 21. A maior elevação do centro de gravidade permite que o voleibolista faça mais pontos porque dificulta a ação do oponente no confronto na rede entre ataque e bloqueio. Ambos os fundamentos são os mais determinantes na vitória de uma equipe 22. Por esse motivo o técnico e o preparador físico precisam estar atentos com a impulsão e com outro quesito, o alcance da mão do voleibolista no ato de cortar e bloquear 23. Não adianta somente o jogador possuir um excelente salto, ele precisa ter alcance da cortada e do bloqueio conforme as necessidades da categoria (iniciação ou alto rendimento) para conseguir executar esses fundamentos com maestria 24.

3 Existem alguns equipamentos utilizados no voleibol que determinam o salto vertical do atleta, como o teste de Bosco com uma correlação de 0,95, onde o jogador faz vários saltos na plataforma de salto por 60 segundos, sendo estabelecida a média da impulsão durante um trabalho de força rápida de resistência 25. Outro teste é o de Hespanhol 26 (r = 0,99 e 0,98), onde o voleibolista efetua o máximo de saltos na plataforma de salto durante 4 séries de 15 segundos, no término de cada série acontece um intervalo de 10 segundos, finalizada a avaliação é determinada a média do salto vertical durante uma avaliação intermitente de força rápida de resistência. A limitação desses testes é que não mensuram a impulsão da cortada e do bloqueio, também o equipamento torna-se oneroso para uma equipe de voleibol de poucos recursos financeiros. Existem outras avaliações, uma muito utilizada em voleibolistas é o Sargent Jump, podendo ser efetuado sem contramovimento para avaliar a força e com contramovimento para estabelecer a qualidade do componente elástico, após 3 saltos é escolhida a melhor marca, a impulsão do atleta é detectada através da subtração do alcance da envergadura durante o salto pela a envergadura do voleibolista 27. Essa avaliação é realizada ao lado da parede, acontecendo o mesmo problema dos testes anteriores, não identifica o salto da cortada e do bloqueio, somente é válido para o preparador físico observar as adaptações fisiológicas proveniente do treino de força. Adaptando o Sargent Jump para a condição específica do voleibol cortada e bloqueio, Rigolin da Silva et alii 28 estabeleceu a impulsão de jogadoras de alto nível nesses fundamentos. Porém, esse teste não foi validado para o voleibol e necessita de uma parede ou tabela de basquete para fixar a fita métrica. No primeiro caso, uso da parede, existe chance de lesão ou o atleta fica com medo de se machucar e faz uma passada mais lenta, consequentemente perde altura do salto. Já o uso da tabela de basquete, não é toda quadra de voleibol que possui esse equipamento. Logo, essa avaliação possui muitos problemas. O último estudo identificado para medir e avaliar a impulsão de voleibolistas é o Yardstick Jumping (r = 0,72), onde o atleta faz a cortada e toca a mão de golpe na bola na fita métrica que fica na barra de ferro do instrumento 29. Entretanto, o Yardstick Jumping possui algumas limitações, como sua fita métrica fica fixada num ferro muito fino, dificulta o teste do bloqueio no ato do jogador encostar as mãos, como é de ferro, o transporte não é muito fácil e é um equipamento australiano, prejudicando a importação por causa do custo. Portanto, a literatura sobre a cineantropometria do voleibol indica a mensuração do salto vertical da cortada e do bloqueio e o alcance da mão nesses dois fundamentos, mas não apresenta equipamentos específicos para esses testes 30.

4 Então torna-se necessário a criação de um aparelho para determinar o salto e o alcance da cortada e do bloqueio para jogadores do voleibol na quadra da iniciação ao alto rendimento. Teste de salto com bola para o voleibol na quadra O teste de salto com bola para o voleibol na quadra visa medir e avaliar o alcance e a impulsão do jogador durante a execução da cortada e do bloqueio. Esse estudo de revisão realizou sugestões para a confecção do aparelho para o teste de salto do voleibol e na idealização do protocolo. Vários conteúdos desse teste foram embasados no teste de salto com bola do futebol feminino de Marques Junior 14. Pesquisadores sem muitos recursos financeiros devem construir o gol gigante com cano de PVC com maior dimensão do que o do estudo de Marques Junior 14. Enquanto que cientistas com patrocínio merecem elaborar o gol gigante com alumínio. A figura 1 apresenta o gol gigante com cano de PVC do artigo de Marques Junior 14 para melhor entendimento do leitor. Figura 1. Gol gigante elaborado com cano de PVC O material sugerido para elaborar o gol gigante com cano de PVC é o seguinte: 2 bolas de plástico de psicomotricidade (uma em cada ponta), 5 canos de PVC (duas balizas de 4 m de altura, merecendo que sejam menores para facilitar o transporte e após o encaixe, fica na altura de 4 m, um travessão de 11 m de largura e 5 m de base), 2 t para fixar o travessão na baliza, 2 joelhos para fixar a base na baliza,

5 40 m de corda e rede para prender a bola na corda (20 m para fixar cada bola no alto), 2 roldanas (aumentar e diminuir as 2 bolas) e 2 altímetros para estabelecer a altura de cada bola no gol gigante se encontra durante o teste. O gol gigante do voleibol fica com o seguinte desenho com esse material: Figura 2. Gol gigante do teste de salto com bola do voleibol na quadra A sugestão do protocolo para esse teste é a seguinte: O gol gigante ficará em frente da rede de voleibol para simular a situação do jogo. Os fundamentos que serão avaliados no alcance da mão na bola e a impulsão são a cortada, o bloqueio com as mãos saindo próximo do peitoral e o bloqueio com deslocamento com balanceio dos braços. O bloqueio com balanceio dos braços deverá ser feito para o lado esquerdo e depois para direita porque Fortunato, Sardinha e Mil-Homens 31 evidenciaram que o deslocamento costuma ser mais lento para o lado não dominante do atleta, consequentemente interfere na altura do salto. O teste inicia numa determinada altura com a bola, quando o jogador toca na bola, imediatamente é elevada a bola e o atleta pode fazer pausa ou não para

6 simular o momento da partida. A altura da bola é elevada na medida em que o atleta vai tocando as bolas, mas quando ele não encosta na bola, recomendase abaixar um pouco para fazer novamente o teste, caso encoste será o alcance do esportista, mas se não tocar, a última vez que ele tocou na bola será o alcance. A impulsão do teste é determinada com o seguinte cálculo: Altura do Salto na Cortada = Alcance da mão em cm na Cortada - Envergadura Frontal de Um Braço =? cm Altura do Salto do Bloqueio = Alcance das mãos em cm no Bloqueio - Envergadura Frontal dos Dois Braços =? cm A pausa pode ocorrer nas tentativas dos fundamentos ou não, simulando o intervalo dos esportes coletivos com tempo variado porque reproduz o ocorrido na partida, ou seja, simula o jogo 32. Caso em alguma tentativa o jogador piorar muito na elevação do centro de gravidade, ele deverá fazer descanso máximo para restaurar a ATP-CP (pausa de 4 a 5 minutos), em seguida, refaz o teste. O tempo de pausa recomendado no teste para recuperar a degradação da ATP- CP são os seguintes: 30 segundo (s) restaura 50%, 1 minuto (min) restaura 80%, 1 min e 30 s restaura 88%, 2 a 3 min restaura 90% e 4 a 5 min restaura 100% 33. A indicação no intervalo do teste é caminhar livremente para esperar a próxima avaliação. Os profissionais que possuem recursos tecnológicos indica-se usar célula fotoelétrica para mensurar a velocidade da corrida da cortada e do bloqueio e plataforma de salto para mensurar o impulso da elevação do centro de gravidade. Esses dois equipamentos são importantes para saber a contribuição dessas fases na impulsão do atleta. Através dessa revisão o leitor teve uma ideia de como confeccionar o gol gigante e como elaborar o protocolo, também indica-se que o pesquisador faça a análise estatística do teste sobre a validade e a confiabilidade. Por exemplo, na validade o pesquisador pode determinar que os atletas façam o teste de salto de Matsudo 34 com balanceio dos braços e depois o teste de salto com bola. Após a coleta dos resultados do teste, é verificada a normalidade dos dados da impulsão e do alcance da mão na bola, também é observada a normalidade dos dados pelo histograma 35. Em caso de dados normais, a validade é verificada pela correlação linear de Pearson (p 0,05). Mas se os dados não forem normais, é aplicado o coeficiente de correlação de Spearman (p 0,05).

7 Para detectar a confiabilidade do teste de salto com bola do voleibol de quadra, recomendase que o pesquisador faça mais uma testagem nesse aparelho e utilize a correlação intraclasse. Todos esses procedimentos são indicados para o professor de Educação Física elaborar o teste com sucesso. Conclusão Essa revisão forneceu algumas sugestões para o pesquisador elaborar o teste de salto para o voleibol na quadra simulando a execução do fundamento. Caso esse estudo venha ser realizado é extremamente importante porque são escassos testes dessa natureza. Referências 1. Fattahi A et alii (2012). Relationship between anthropometric parameters with vertical jump in male elite volleyball players due to game`s position. J Hum Sport Exerc 7(3): Costa G, Barbosa R, Gama Filho J (2013). A modulação do ataque no voleibol de alto nível: o caso da superliga feminina Rev Educ Fís/UEM 24(4): Mesquita I et alii (2013). Performance analysis in indoor volleyball and beach volleyball. In. McGarry T, O'Donoghue P, Sampaio J (Eds.). Handbook of sports performance analysis. London: Routledge. p Marques Junior N (2013). Evidências científicas sobre os fundamentos do voleibol. Rev Prescr Fisio Exerc 7(37): Cabral B et alii (2011). Efeito discriminante da morfologia e alcance de ataque no nível de desempenho em voleibolistas. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 13(3): Gheller R et alii (2010). Relação entre variáveis antropométricas, capacidades físicas, com alcance vertical total em atletas de voleibol. Lecturas: Educ Fís Dep 15(149): Marques Junior N (2014). Periodização específica para o voleibol: atualizando o conteúdo. Rev Prescr Fisio Exerc 8(47): Moreira A et alii (2006). Reprodutibilidade dos testes de salto vertical e salto horizontal triplo consecutivo em diferentes etapas da preparação de

8 basquetebolistas de alto rendimento. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 8(4): Arruda M, Hespanhol J (2008b). Saltos verticais. São Paulo: Phorte. p Marques Junior N (2010). Seleção de testes para o jogador de voleibol. Mov Percep 11(16): Oliveira PR (2008). Periodização contemporânea do treinamento desportivo. São Paulo: Phorte. p Marques Junior N (2005). Testes para o jogador de voleibol. Rev Min Educ Fís 13(1): Altini Neto A, Pellegrinotti L, Montebelo M (2006). Efeitos de um programa de treinamento neuromuscular sobre o consumo máximo de oxigênio e salto vertical em atletas iniciantes de voleibol. Rev Bras Med Esp 12(1): Marques Junior N (2012). Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino. Lecturas: Educ Fís Dep 15(166): Marques Junior N (2014). O líbero do voleibol de alto nível melhora a recepção? Rev Bras Ci Mov 22(2): Marques Junior N (2014). Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol. Lecturas: Educ Fís Dep 18(188): Petroski E et alii (2013). Características antropométricas, morfológicas e somatotípicas de atletas da seleção brasileira masculina de voleibol. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 15(2): Oliveira M, Deschapelles C, Oliveira M. Desenho de teste de campo para avaliar o VO2máx em voleibolistas do sexo feminino de 12 a 14 anos. Rev Min Educ Fís especial (1): Marques Junior N (2008). Um modelo de jogo para o voleibol na areia. Conexões 6(3): Hall S (1993). Biomecânica básica. Rio de Janeiro: Guanabara. 21. Haiachi M et alii (2008). Análise das ações de salto na fase final da Liga Mundial de voleibol Lecturas: Educ Fís Dep 13(126): João P, Beça P, Vaz L. Análise do jogo em função do local e do número do set na performance em jogos de voleibol de alto nível. Rev Min Educ Fís, especial (9):822-7.

9 23. Bacheladenski M, Cassiano F, Queiroga M (2009). Estudo correlacional entre medidas antropométricas e altura de impulsão vertical em jogadoras de voleibol infanto-juvenil. Rev Bras Prescr Fisio Exerc 3(13): Massa M et alii (2003). Análise de referenciais cineantropométricos de atletas de voleibol masculino envolvidos em processos de promoção de talentos. Rev Mackenzie Educ Fís Esp 2(2): Bosco C, Luhtanen P, Komi P (1983). A simple method for measurement of mechanical power in jumping. Eur J Appl Physiol 50(2): Hespanhol J et alii (2007). Avaliação da resistência de força explosiva em voleibolistas através de testes de saltos verticais. Rev Bras Med Esp 13(3): Marques Junior N (2009). O efeito da periodização em um atleta do voleibol na areia 1999 a Mov Percep 10(15): Rigolin Da Silva L et alii (2004). Evolução da altura de salto, da potência anaeróbia e da capacidade anaeróbia em jogadores de voleibol de alto nível. Rev Bras Ciên Esp 26(1): Young W et alii (1997). An evaluation of the specificity, validity and reliability of jumping tests. J Sports Med Phys Fitness 37(-): Theodorou A et alii (2013). Performance indices selection for assessing anaerobic power during a 30 second vertical jump test. J Sports Med Phys Fit 53(6): Fortunato J, Sardinha L, Mil-Homens P (1991). Efeito simples e combinado dos tempos e locais de ataque no número de bloqueadores em oposição em voleibol. In. Bento J, Marques (Eds.). As ciências do desporto e a prática desportiva. vol. 2. Porto: Universidade do Porto. p Oliveira P (2003). O processo de desenvolvimento da resistência motora e sua relação com a preparação geral e especial. In. Pellegrinotti I (Org.). Performance humana. Ribeirão Preto: Tecmedd. p , Marques Junior N (2014). Evidências científicas sobre a luta do karatê shotokan de competição. Rev Bras Prescr Fisio Exerc 8(47): Matsudo V (1998). Testes em ciências do esporte. 6ª ed. São Caetano do Sul: CELAFISCS. p Marques Junior N (2014). Estatística aplicada ao esporte e a atividade física. 2ª ed., vol. 1. Niterói: s.ed.

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino

Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino Test de salto con pelota para juveniles de fútbol femenino Jump test with ball for young female soccer player Mestre em Ciência da Motricidade Humana

Leia mais

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Los períodos de entrenamiento deportivo: un análisis sobre

Leia mais

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Los fundamentos practicados por el bloqueador del voleibol en la arena Skills practices by block player of the sand volleyball Mestre em Ciência

Leia mais

A contribuição norte-americana para o voleibol

A contribuição norte-americana para o voleibol A contribuição norte-americana para o voleibol Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) La contribución de Estados Unidos al voleibol The North American contribution for the

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG

5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG RELAÇÃO ENTRE A POTÊNCIA MÉDIA DA ARTICULAÇÃO DO OMBRO DOMINANTE E O TESTE

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA Agilidade: executar movimentos dinâmicos com precisão, utilizando velocidade e destreza de movimentos, demonstrando facilidade em se deslocar. Resultados

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica ANÁLISE DO JOGO DE VOLEIBOL: ENSINO DA EXECUÇÃO DESSA TAREFA COM EXCEL 112 Nelson Kautzner Marques Junior 1 Danilo Arruda 2 RESUMO A análise do jogo de voleibol é considerada na literatura desse esporte

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Para começar a jogar Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Por Marcela Evangelista HÁ MAIS DE 30 ANOS, quando o Beach Tennis surgiu nas areias da Itália, tratava-se de uma atividade

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A PROVAS 1) Atletismo 2) Futsal 3) Voleibol Especial 4) Natação 5) Cabo de Guerra 6) Provas de Habilidade 7) Tênis de Mesa A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B - Nesta prova

Leia mais

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah

Leia mais

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra VERSÃO RESUMIDA Introdução do manual É feito para quem quer resultados, tenistas ou professores! 1 Simples e completo! 11 fundamentos que tratam

Leia mais

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica Uma combinação da ginástica clássica com a dança. Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, porém,

Leia mais

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 FUTSAL Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 ÍNDICE Índice... i FUTSAL... 1 Fundamentos técnicos:... 1 Posições dos Jogadores no Futsal:... 1 Regras:... 2 Campo... 2 Área de

Leia mais

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras.

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. CONCEITOS TÁTICOS E SISTEMAS Conceitos Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. Tipos de sistemas: Sistemas defensivos:

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

Prof. Maick da Silveira Viana

Prof. Maick da Silveira Viana Regras do Handebol Prof. Maick da Silveira Viana REGRA 1 A quadra do jogo REGRA 2 - A duração da partida A partida de handebol consiste em dois tempos divididos por um intervalo de 10 minutos. A duração

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

SALTO EM COMPRIMENTO

SALTO EM COMPRIMENTO SALTO EM COMPRIMENTO 1. Regras Básicas do Salto em Comprimento Caixa de areia Corredor de Balanço Tábua de Chamada A prova do salto em comprimento disputa-se na pista de atletismo numa zona específica

Leia mais

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO Angélica Weschenfelder Martim Bianco 1 Prof Orientador: Osvaldo Donizete Siqueira RESUMO A verificação das condições

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Execução dos fundamentos do voleibol na areia embasado na literatura científica

Execução dos fundamentos do voleibol na areia embasado na literatura científica Ponto de Vista Execução dos fundamentos do voleibol na areia embasado na literatura científica Execution of the volleyball skills of the sand volleyball based in the scientific literature MARQUES JUNIOR,

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Puntaje de los golpes durante el kumité de competición de karate shotokan masculino Scores of the techniques during the male

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ 1 ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DA LOUSÃ Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima. Princípios a considerar Um barreirista é também um velocista Correr rápido

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

Provas de campo. Condições gerais

Provas de campo. Condições gerais Provas de campo Condições gerais Aquecimento na área de comptição Na área de competição e antes do início da prova, cada Atleta pode realizar várias tentativas. Nas provas de arremessos e lançamentos,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA : 90 MINUTOS PROVA TEÓRICA GRUPO I Conhecer os princípios sobre alimentação e saúde Identificar os efeitos e lesões mais frequentes do exercício físico na vida atual Aptidão Física Desporto e Saúde - Condição

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AVALIANDO A PERFORMANCE ESPORTIVA Há pelo menos três formas de avaliar o desempenho em um esporte: Observação; Uso de escala de avaliação; Teste de habilidade esportiva. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

MATERIA DE EDUCAÇÃO FISICA DE VOLEIBOL EM

MATERIA DE EDUCAÇÃO FISICA DE VOLEIBOL EM MATERIA DE EDUCAÇÃO FISICA DE VOLEIBOL EM FUNDAMENTOS O saque ou serviço marca o início de uma disputa de pontos no voleibol. Um jogador posta-se atrás da linha de fundo de sua quadra, estende o braço

Leia mais

A AGRESSIVIDADE OFENSIVA

A AGRESSIVIDADE OFENSIVA TEMA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE PÉS COMO FUNDAMENTO PARA A AGRESSIVIDADE OFENSIVA por MANUEL CAMPOS TEMA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE PÉS COMO FUNDAMENTO PARA A AGRESSIVIDADE OFENSIVA Muitos treinadores

Leia mais

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: ESTAFETAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ESTAFETAS 192 DOMÍNIO DAS TÉCNICAS III FASE - APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS I- Ensino / Aprendizagem - Aquisição da noção de transmissão, através de jogos. - Aquisição

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Colégio Adventista de Rio Preto Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Futebol de Salão - Futsal Caracterização: É um jogo coletivo desportivo, entre duas equipes, sendo cada uma constituída por doze

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I SALTO EM ALTURA COLCHÃO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I SALTO EM ALTURA COLCHÃO SALTO EM ALTURA 1. Regras básicas do Salto em Altura FASQUIA POSTE COLCHÃO A prova do salto em altura disputa-se numa zona específica da pista de atletismo, e necessita de uma zona de balanço, um colchão

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL

REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL 2013 2017 Índice 1. Introdução 2 2. Escalões etários 2 3. Constituição das Equipas 3 3.1. Infantis (andebol de 5) 3 3.2. Iniciados, Juvenis e Juniores (andebol de 7) 3 4.

Leia mais

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 159 A 164 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 2ª ª Parte ARTIGO ORIGINAL EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS

Leia mais

Grupo I Voleibol (25 pontos)

Grupo I Voleibol (25 pontos) Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2014 1ª FASE PROVA DE EDUCAÇÃO FÍSICA Duração da prova: 45 minutos --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE. CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas

FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE. CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas INTRODUÇÃO O futsal é uma modalidade em que ações apresentam grande imprevisibilidade e variabilidade, exigindo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª PROVA 5º ANO 2016

EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª PROVA 5º ANO 2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 6ª PROVA 5º ANO 2016 Handebol Devido ao fato do esporte ter sido desenvolvido por um professor de educação física, o handebol ganhou grande aceitação nas escolas e colégios de muitos países,

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte.

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. TREINAMENTOESPORTIVO.COM FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte. No esporte há poucas modalidades onde os atletas podem ter tempo para atingir a força máxima, portanto a

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 6º ano Ano letivo: 201.2014 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

ANÁLISE DO JOGO. Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr.

ANÁLISE DO JOGO. Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. ANÁLISE DO JOGO Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. TIPOS DE ANÁLISE QUANTITATIVA SCOUT QUALITATIVA METODOLOGIA OBSERVACIONAL ANÁLISE QUANTITATIVA SCOUT: Processo de recolha de informações acerca dos adversários

Leia mais

Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4)

Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4) Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4) CAPÍTULO I Instalações e Materiais Terreno de jogo - Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 metros de largura. 1) Linhas de marcação

Leia mais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais AVALIAÇÃO FÍSICA: Testes de Aptidão em Escolares ( 7 17 anos) O Proesp-BR Considerando: a) Carência de estrutura física das escolas brasileiras em sua estrutura

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

Balística Avançada. Questão 01 - (UEM PR/2012)

Balística Avançada. Questão 01 - (UEM PR/2012) Questão 01 - (UEM PR/2012) Do topo de uma plataforma vertical com 100 m de altura, é solto um corpo C 1 e, no mesmo instante, um corpo C 2 é arremessado de um ponto na plataforma situado a 80 m em relação

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 312 versão eletrônica EFEITO DE UM PROGRAMA PERIODIZADO DE FORÇA EM ATLETAS DE BASQUETEBOL INFANTO-JUVENIL Charles Ricardo Lopes 1,3 Gustavo Ribeiro da Mota 2 Clodoaldo José Dechechi 3 Moacir Marocolo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SEBASTIÃO DA GAMA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA - Prova teórica e prática 2016 Prova 28. 2º Ciclo do Ensino Básico 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova de Educação Física tem por referência o programa

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 211 A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DE JOGADORES DE FUTSAL Diego Araujo 1, Diego Cunha 1, Danilo Cunha 1 Fabricio Madureira 1, Emilson Colantonio 2 Dilmar Pinto Guedes 1, Claudio Scorcine

Leia mais

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO ORNIDES CINTRA KINDELÁN Resumo: o constante aperfeiçoamento das formas, das vias e dos métodos para o desenvolvimento do jogo de basquetebol

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 2009.

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 2009. ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 200. Neryano Ferraz Pazetto (UEL), Juliana Astolpho Lopes (UEL), Karina Alves da Silva (UEL), Marcos Augusto Rocha (UEL) RESUMO Trata-se

Leia mais

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos O Voleibol sentado é um dos desportos Paralímpicos mais entusiasmantes que está a atrair a atenção por ser competitivo e espetacular e pelo seu potencial para promover mudança social positiva. As próximas

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica ESTUDOS DOS FUNDAMENTOS DE JOVENS JOGADORAS DO VOLEIBOL FEMININO 730 Danilo Arruda 1 Nelson Kautzner Marques Junior 2 RESUMO A análise do jogo de voleibol atualmente é muito pesquisada na literatura. Porém,

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

6 rounds for time (TIMECAP 15 ) 12 Deadlifts 9 Hang Cleans 6 S2OH 15 Hand Release Burpees Synchro (atleta segura barra em front rack)

6 rounds for time (TIMECAP 15 ) 12 Deadlifts 9 Hang Cleans 6 S2OH 15 Hand Release Burpees Synchro (atleta segura barra em front rack) WKND WARS SALVADOR 2016 WOD 01: DT + Burpees 6 rounds for time (TIMECAP 15 ) 12 Deadlifts 9 Hang Cleans 6 S2OH 15 Hand Release Burpees Synchro (atleta segura barra em front rack) Cargas: RX (60/45) Scale(40/25)

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO 12º ANO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 11º ANO e 12º ANO JOGOS DESPORTIVOS COLECTIVOS (11.º ano e 12.º ano) ACÇÕES PSICO-MOTORAS Futebol Voleibol Basquetebol Andebol Em situação de jogo 4x4 ou 5x5 - Enquadra-se ofensivamente

Leia mais

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo Programa de Disciplina Treino e Avaliação das Qualidades Físicas FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Mestrado em Treino Desportivo TREINO E AVALIAÇÃO DAS QUALIDADES FÍSICAS Programa da Disciplina Prof. Associado

Leia mais

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE

FUNÇÃO NEUROMUSCULAR ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE ARTIGOS TÉCNICOS JUVENTUDE VIDIGALENSE 2015-2016 A avaliação da força faz parte do controlo do treino, sendo que o objetivo consiste em proporcionar informação constante sobre o efeito do treino realizado,

Leia mais

iii AGRADECIMENTOS Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

iii AGRADECIMENTOS Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. iii AGRADECIMENTOS Aos jogadores e comissão técnica das equipes Sub-13 e Sub-15 do E.C. Banespa. Ao Luiz Paes de Barros, companheiro de estudos sobre o futsal. Aos amigos do Grupo de Estudo e Pesquisa

Leia mais

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA A capacidade do organismo de resistir à fadiga numa actividade motora prolongada. Entende-se por fadiga a

Leia mais

Boletim Final FUTEBOL DE AREIA

Boletim Final FUTEBOL DE AREIA Boletim Final FUTEBOL DE AREIA Blumenau 2016 Comprometimento Orgulho de representar a empresa Motivação Espírito de equipe Respeito EMPRESAS PARTICIPANTES DO FUTEBOL DE AREIA MASCULINO EMPRESA Nº DE EQUIPES

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 / 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA PROF. ESP. UBIRACY FERREIRA CAMPOS ORGANIZAÇÃO: 6 PERÍODO IESMA/UNISULMA

CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA PROF. ESP. UBIRACY FERREIRA CAMPOS ORGANIZAÇÃO: 6 PERÍODO IESMA/UNISULMA CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA PROF. ESP. UBIRACY FERREIRA CAMPOS ORGANIZAÇÃO: 6 PERÍODO IESMA/UNISULMA REGULAMENTO IMPERATRIZ MA 2013 REGULAMENTO DO TORNEIO INTERNO DA UNISULMA ORGANIZAÇÃO:

Leia mais

O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SILVA, Maria Rita Rezende 1 VESPASIANO, Bruno de Souza 2 1 Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 297 versão eletrônica COMPARATIVO DE SALTO VERTICAL E REBOTE COM ATLETAS DE BASQUETE NA INICIAÇÃO Renan de Castro Mascarenhas 1 RESUMO Este estudo tem como tema a comparação entre impulsão vertical e rebote

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 3º CICLO Ano/Turma 7º/8º/9º Período N.º aulas previstas

Leia mais

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto

Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Francisco Pinto Educação Física Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Francisco Pinto Caraterização Caraterização O é uma modalidade individual, integrada por um conjunto de ações naturais, como são os casos dos saltos,

Leia mais

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI)

ELEMENTOS ADAPTADOS (SD e DI) GINÁSTIA RÍTMIA JOGOS ESOLARES O PARANÁ. ELEMENTOS AAPTAOS (S e I) 1. IIULAE ORPORAL (1) Para todos os aparelhos: na ficha a sucessão das dificuldades deve seguir a mesma que a ginasta executa em sua coreografia.

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016 de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA - PCA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

TORNEIOS ESPORTIVOS MARÇO REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS

TORNEIOS ESPORTIVOS MARÇO REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS DISPOSIÇÕES GERAIS REALIZAÇÃO 19 de março de 2016 no Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo, para crianças nascidas entre 2007 e 2004. CERIMÔNIA DE ABERTURA Em cada grupo, às 08h30

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 554 versão eletrônica O DESENVOLVIMENTO DA MOTRICIDADE GLOBAL EM CRIANÇAS DE 6 E 7 ANOS A PARTIR DOS JOGOS PRÉ-DESPORTIVOS COLETIVOS Franciele Del Agostini 1 RESUMO Introdução: O presente trabalho de avaliação

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Informação/Exame de Equivalência à Frequência. Ano letivo de 2013/2014

Informação/Exame de Equivalência à Frequência. Ano letivo de 2013/2014 ESCOLA MARTIM DE FREITAS Informação/Exame de Equivalência à Frequência Ano letivo de 2013/2014 Disciplina: Educação Física 2º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução Este documento tem como finalidade, divulgar

Leia mais

4. No caso em que seja necessário apontar um vencedor e no tempo regulamentar o jogo terminar empatado será aplicado o seguinte:

4. No caso em que seja necessário apontar um vencedor e no tempo regulamentar o jogo terminar empatado será aplicado o seguinte: Regulamento Técnico de Futsal 1. A competição será disputada na categoria masculina acima de 16 anos e feminina acima de 14 anos. Será permitida a inscrição de 6 atletas no mínimo e no máximo 8. 2. A competição

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 5º ano Ano letivo: 201.201 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO

UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS MARQUÊS DE POMBAL EDUCAÇÃO FÍSICA UNIDADE DIDÁCTICA DE ATLETISMO DOCUMENTO DE APOIO 6º ANO Caracterização da Modalidade O atletismo pode ser dividido em cinco sectores:

Leia mais

Textos para Leitura e Exploração

Textos para Leitura e Exploração COMPONENTE CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Textos para Leitura e Exploração Handebol. 8º ano - Ensino Fundamental II Professora: Raísa Prado. 1º Bimestre / 2016. Página 1 História do handebol Em 29 de outubro

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projeto Escola de Esportes. Jovens. Crianças. Flexibilidade. Teste.

PALAVRAS-CHAVE Projeto Escola de Esportes. Jovens. Crianças. Flexibilidade. Teste. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA

PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA PROPOSTA DO MAWASHI GERI DO KARATÊ SHOTOKAN COM PRINCÍPIOS DA BIOMECÂNICA CAMPOS, Yuri Michael Rodrigues de 1 SERPA, Erica Paes 2 1 Acadêmico do curso de Graduação em Educação Física da Faculdade de Ciências

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova 26 / 2016 3º Ciclo do Ensino Básico 3º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho Despacho normativo nº1-f/2016 de 5 de abril Despacho normativo

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais