O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação"

Transcrição

1 O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação El efecto del entrenamiento de la visión periférica en el ataque en la iniciación al futsal: un análisis sobre los estudios de una tesis The effect of the peripheral vision training on the attack of beginner of the indoor soccer: an analysis about the studies of a dissertation *Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ **Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro ***Universidade Castelo Branco do RJ ****In memoriam 29/05/1939 a 19/12/2008 (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior* Walter Jacinto Nunes** Manoel José Gomes Tubino*** **** Vernon Furtado da Silva*** Resumo O objetivo da revisão foi analisar os estudos da dissertação de Marques Junior (2008b) sobre o treino da visão periférica. Durante a revisão foi identificada as limitações dos estudos sobre o treino da visão periférica para a metodologia dos futuros artigos possuírem mais precisão. Em conclusão, uma revisão sobre o treino da visão periférica é importante porque esse tema é escasso na literatura do futsal. Unitermos: Visão. Treinamento. Aprendizado. Desempenho esportivo. Abstract The objective of the review was analyses the studies of the dissertation of Marques Junior (2008b) about the peripheral vision training. During the review was to determine the limitation of the studies about peripheral vision training for the methodology of the futures article has more precision. In conclusion, the review about peripheral vision training is important because this theme is insufficient in futsal literature. Keywords: Vision. Training. Learning. Athletic performance. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 17, Nº 171, Agosto de / 1 Introdução Ensinar o atleta do futebol a jogar de cabeça erguida para ter ênfase na visão periférica começou nos anos 50 pelo técnico do Canto do Rio Football Club 1. Posteriormente essa sessão migrou para o futsal. Em 1999, Pinto e Araújo 2 denominaram o treino que educa o atleta do futebol e dos seus derivados a jogar de cabeça erguida de treino da visão periférica. Atualmente a literatura do futsal considera fundamental o atleta saber jogar de cabeça erguida porque o esportista observa com a visão periférica todo o contexto da partida quando está com a bola e facilita na execução da jogada 3,4. Entretanto, apesar das referências indicarem a importância de se jogar de cabeças erguida, somente a dissertação de Marques Junior 5 investigou esse tema. Trabalho que originou vários estudos 6,7, sendo interessante análise das suas pesquisas para identificar acertos, falhas e futuras direções das investigações. Consultando Corrêa 8, a pesquisa

2 da aprendizagem motora merece ser realizada conforme as tarefas do mundo real, ou seja, estão de acordo com a realidade de um esporte. Outro quesito que merece atenção é a hemisfericidade 9, o atleta de hemisfério esquerdo de processamento mental é hábil nas tarefas analíticas e o esportista de hemisfério direito de processamento mental possui mais facilidade nas atividades motrizes 10. Todas essas recomendações ( tarefas do mundo real e hemisfericidade) foram realizadas na dissertação de Marques Junior 5, parecendo que essa investigação não teve nenhuma limitação. Então, o objetivo da revisão foi analisar os estudos da dissertação de Marques Junior 5 sobre o treino da visão periférica. Análise dos estudos de uma dissertação A análise sobre diversas pesquisas de um mesmo tema merece um estudo minucioso. O artigo que investigou sobre o aprendizado do treino da visão periférica 11 é o mais importante porque a literatura do futsal 12,13 até a data presente não possui nada sobre esse assunto. Inclusive foi traduzido para o espanhol 14 a pedido do editor de um periódico. Para ensinar o treino da visão periférica a amostra foi dividida conforme a qualidade de jogo do futsal e também foi equilibrada a hemisfericidade dos jovens, sendo identificada através do teste de CLEM, de acordo com os ensinamentos de Da Silva et alii 15. O grupo experimental (GE) foi composto por 5 jogadores, sendo que um era o goleiro (10±2,82 anos). A hemisfericidade era constituída por 4 jogadores de hemisfério esquerdo de processamento mental (1 era o goleiro) e 1 com hemisfério direito de processamento mental. Enquanto que o grupo controle (GC) foi formado por 5 esportistas, mas tinha 3 futebolistas de salão de hemisfério esquerdo de processamento mental (1 era o goleiro) e 2 de hemisfério direito (10,8±1,92 anos). O GE e o GC também foram divididos com similar dados antropométricos e físicos. Porém, a investigação não mensurou a idade biológica dos participantes, podendo comprometer alguns resultados da pesquisa 16. Teste fácil de detectar vendo os pêlos das axilas dos jogadores 17. Entretanto, quando os atletas possuem similar tempo esportivo, o caso da amostra desse artigo, a idade biológica não interfere na pesquisa, resultado já evidenciado na literatura 18,19. As sessões do treino da visão periférica aconteceram duas vezes na semana por 1 hora, sendo organizadas através da periodização tática adaptada indicada por Marques Junior 20. A tabela 1 resume como aconteceu o treinamento:

3 Tabela 1. Periodização tática adaptada do treino da visão periférica A tabela 2 mostra a estatística descritiva do grau da cabeça erguida e baixa no ataque do GE e do GC. Tabela 2. Média e desvio padrão do grau da cabeça baixa e erguida no ataque.

4 Os resultados do estudo identificaram através de Anova two way (2 grupos x 3 turnos) e de Tukey, diferença significativa (p 0,05) do GE em relação ao GC no 1º e 2º turno no início ofensivo, na construção e desenvolvimento ofensivo e na finalização. Mostrando que o GE jogou de cabeça erguida, acontecendo aquisição dessa habilidade motora. Contudo, quando foi dado o mesmo estímulo ao GC no 3º turno, esses resultados não apresentaram diferença significativa (p>0,05) em relação ao GE. Portanto, o GC com 10 sessões jogou de cabeça erguida. Entretanto, o estudo apresentou algumas limitações, não realizou um teste de retenção 21, ou seja, o GE e o GC deveriam ficar alguns dias sem fazer o treino da visão periférica para averiguar se realmente o GE e o GC aprenderam jogar de cabeça erguida no 3º turno. Outro problema da investigação é não possuir equipamentos que determinem para onde o atleta está olhando 22, logo afirmar que jogar de cabeça erguida faz uso da visão periférica torna-se muito conclusivo. Consultando Cunha et alii 23, somente a partir de 30 dias um pessoa começa obter significativa conexões de neurônios referente a uma habilidade motora, o estudo foi em 25 dias, deveria ser de no mínimo 3 meses. Então, após cada mês o ideal era ocorrer um campeonato em dupla. Talvez seja essa a causa, pouco tempo de treino, o decréscimo do GE em jogar de cabeça erguida durante o 2º turno. Entretanto, o GC fez 10 sessões do treino da visão periférica e conseguiu jogar de cabeça erguida no 3º turno, mas na finalização atuou de cabeça baixa. Portanto, provavelmente foi uma breve duração da sessão. Apesar dessas limitações, a partir desse estudo foi possível averiguar se jogar de cabeça erguida é eficaz no ataque. Marques Junior 24 identificou por scout que o treino da visão periférica permite reduzir o número de ações do ataque do GE e do GC no 3º turno. No futsal, menos ações ofensivas é vantajoso porque resulta em mais gols 25. O leitor pode notar na figura 1, que no 2º turno o GE praticou menos ações no ataque após ter feito 15 sessões do treino da visão periférica (Obs.: No 2º turno o GE foi 1º e 2º colocado) e os resultados foram similares no 3º turno. O mesmo achado aconteceu com o GC, após 10 sessões do treino da visão periférica essa amostra efetuou menos ações no ataque (Obs.: No 3º turno o GC foi 1º e 3º lugar).

5 Figura 1. Média da quantidade de ações no ataque em cada turno A Anova three way (2 grupos x 3 turnos x 8 ações durante o ataque) não foi significativa na maioria das comparações (p>0,05), mas foi significativa para ações F (6,81) = 5,02, p = 0,001, interação entre grupo e turno F (2,81) = 3,44, p = 0,03 e interação entre turno e ações F (3,81) = 3,02, p = 0,001. A interação significativa entre grupo e turno o teste t independente determinou diferença entre o GE e o GC, os resultados foram os seguintes: GE (2º turno) x GC (2º turno) (t (30) = 2,62, p = 0,001), o GE foi melhor do que o GC, sendo evidenciado nos resultados do campeonato, ou seja, menos ações ofensivas melhor performance.

6 A interação significativa entre turno e ações, o teste t independente determinou diferença entre o GE e o GC, nos seguintes resultados: GE (3 ações no 2º turno) x GC (2 ações no 2º turno) (t (6) = 5,19, p = 0,001), GE (3 ações no 2º turno) x GC (3 ações no 2º turno) (t (6) = 5,23, p = 0,001), GE (3 ações no 2º turno) x GC (4 ações no 2º turno) (t (6) = 5, p = 0,001), o GE foi melhor do que o GC, mas em outros resultados o GC foi superior ao GE, GE (3 ações no 3º turno) x GC (2 ações no 3º turno) (t (6) = - 3,94, p = 0,001) e GE (4 ações no 3º turno) x GC (2 ações no 3º turno) (t (6) = - 6,02, p = 0,001). Portanto, pode-se observar que a menor quantidade de ações no ataque do GE no 2º turno (1º e 2º lugar) e do GC no 3º turno (1º e 3º lugar) propiciou os melhores resultados para essas duas amostras. Através desses resultados conclui-se que parece que o treino da visão periférica causou um menor número de ações no ataque, porém não se pode afirmar porque não foi mensurada a qualidade defensiva. Essa limitação é comum nos estudos sobre a análise do jogo, geralmente só é mensurado quem está com a bola 26. Outro problema dessa investigação, é que aconteceu num jogo de futsal adaptado, em dupla, merecendo pesquisa se o treino da visão periférica reduz as ações no ataque durante uma partida oficial. Foi evidenciado através de scout os gols de cada turno do GE e do GC (Obs.: Parte dos resultados desse estudo, o 1º e o 2º turno, foram apresentados na dissertação de Marques Junior 5 ). A figura 2 mostra que a média de gols do GE foi superior ao do GC no 2º turno, momento que essa amostra fez 15 sessões do treino da visão periférica e praticou menos ações no ataque (Ler os parágrafos anteriores). Em contra partida, o GC efetuou mais gols no 3º turno quando realizou o treino da visão periférica e fez menos ações no ataque. Figura 2. Média de gols do GE e do GC em cada turno A Anova two way (2 grupos x 3 turnos) não foi significativa na maioria da comparações (p>0,05), mas foi significativa na interação entre grupo e turno F (2,18) = 3,71, p = 0,04. A

7 interação significativa entre grupo e turno, o teste t independente identificou diferença entre o GE e o GC, sendo relevante para esse estudo o seguinte resultado: o GE foi melhor do que o GC no 2º turno, t (6) = 3,65, p = 0,01. Continuando o estudo anterior, Marques Junior e Da Silva 27 verificaram por scout a zona dos gols do futsal. Esses autores identificaram que o treino da visão periférica não permite que o GE faça mais gols perto da meta do que o GC. Os resultados ao longo dos turnos e de todo o campeonato foram similares. Na comparação entre os turnos, Anova three way (2 turnos x 3 turnos x 6 zonas) não foi significativa na maioria das comparações (p>0,05), somente foi significativa na comparação entre as zonas da quadra, F (4,54) = 19,44, p = 0,001. Tukey HSD detectou diferença significativa (p 0,05) da média de gols da zona 2 (perto do gol), quando comparado com as demais (zona 3, 5, 6 e 8). Esses resultados foram contrários ao da literatura 28,29, uma melhor qualidade visual permite ao atleta fazer mais gols. Entretanto, a zona 2 e 5 foi onde aconteceu mais gols, estando de acordo com as referências dessa modalidade 25,30,31. A figura 3 mostra as zonas do futsal e a figura 4 expõe os gols em cada turno do GE e do GC. Figura 3. Zona dos gols do estudo, em azul e com realce em amarelo a zona 5 e 2, onde aconteceu mais gols

8 Figura 4. Média de gols das zonas em cada turno Em todo o campeonato, o GE e o GC tiveram resultados similares, porém, quando o teste t independente comparou a zona 5 do GE versus do GC, aconteceu diferença significativa (t (6) = 3,22, p = 0,05), talvez o treino da visão periférica causou um incremento para o GE. A figura 5 apresenta a média de gols por zona de todo o campeonato.

9 Figura 5. Média da zona de gols de todo o campeonato Os dois estudos sobre gols apresentaram limitações, não foi mensurado a qualidade da defesa e do goleiro, também não identificou a qualidade da tomada de decisão dos jogadores, outro problema, não foi detectada a visão do atleta durante o chute. Por esse motivo a pesquisa ficou sem explicação sobre os resultados parecidos do GE e do GC em relação aos gols. Marques Junior 5 também pesquisou por scout a qualidade ofensiva do GE e do GC, mas só foi o 1º e o 2º turno. Na figura 6 e 7, é possível observar uma superioridade do grau do início ofensivo e da construção e desenvolvimento ofensivo do GE em relação ao GC. Essa diferença foi mais acentuada no 2º turno, quando o GE experimental fez a final do campeonato. Esses achados estiveram de acordo com a literatura 20,32,33, uma excelente qualidade visual proporciona em melhores jogadas de ataque. Porém, o GC conseguiu um melhor desempenho no grau da finalização do 1º turno, talvez isso seja o motivo do título do 1º turno dessa amostra. Entretanto, no 2º turno, o GE conseguiu o seu melhor grau da finalização, um dos motivos que essa amostra obteve supremacia nesta disputa (1º e 2º lugar). Em contrapartida, no 2º turno, o GC teve a sua pior média na finalização. A figura 6 e 7, ilustra essas explicações:

10 Figura 6. Média das fases ofensivas do 1º turno Figura 7. Média das fases ofensivas do 2º turno A Anova two way (2 grupos x 2 turnos) no início ofensivo determinou diferença significativa apenas para grupo F (1,207) = 21,15, p = 0,001. Na construção e desenvolvimento ofensivo, a Anova two way (2 grupos x 2 turnos) detectou diferença significativa apenas para o grupo F (1,303) = 11,43, p = 0,001. Enquanto que na finalização, a Anova two way (2 grupos x 2 turnos) identificou diferença significativa para a interação entre grupo e turno F (1,174) = 7,50, p = 0,001. Essa interação foi investigada pelo teste t independente, as análises mostraram diferença significativa apenas em uma comparação do grau da finalização do 2 turno do GC versus o 2 turno do GE, t (98) = - 2,98, p = 0,004.

11 Os dados a seguir não foram publicados na dissertação e em nenhum artigo. A coleta dos chutes sem gol foi praticada por scout que é apresentado a seguir: Tabela 3. Scout para determinar a quantidade de chute sem gol. Jogo:... ( ) classificatória ( ) 3º lugar ( ) 1º lugar Turno: A estatística descritiva da quantidade de chute sem gol é mostrada na tabela 4. Tabela 4. Média e desvio padrão de chute sem gol de cada turno O leitor observou na tabela 4 que o acontecimento dos turnos ocasionou diminuição dos erros, porém, não ocorreu o que era esperado, no 1º e no 2º turno achava-se que o GE por realizar o treino da visão periférica cometeria menos erro do que o GC. Mas os resultados foram similares entre o GE e o GC, a Anova two way (2 grupos x 3 turnos) não foi significativa na execução do chute sem gol para grupo F (1,18) = 0,02, p = 0,87, turno F (2,18) = 0,46, p = 0,63 e para a interação entre grupo e turno F (2,18) = 0,00, p = 0,99. A figura 8 ilustra o chute sem gol durante o ataque de cada turno. Figura 8. Média de chute sem gol em cada turno

12 O teste t independente não foi significativo para o chute sem gol de todo o campeonato, entre o GE (chute sem gol = 5,50±4,33) versus o GC (chute sem gol = 5,25±2,76), t (22) = 0,16, p = 0,86. A figura 9 expõe o chute sem gol durante o ataque de todo o campeonato. Figura 9. Média de chute sem gol de todo o campeonato Prosseguindo o tema chute sem gol, sendo publicada uma parte no artigo de Marques Junior, Garcia e Da Silva 34, foi investigado as zonas do chute sem gol do GE e do GC. A coleta de dados foi efetuada pelo scout a seguir: Evento da Filmagem:... Jogo:... Atividade:... Tentativa:... Dupla no Ataque:... Figura 10. Scout para identificar a zona do chute sem gol Os resultados da estatística descritiva sobre a zona do chute sem gol são apresentados na tabela 5.

13 Tabela 5. Zona do chute sem gol conforme o turno A Anova three way (2 grupos x 3 turnos x 6 zonas) não revelou diferença significativa para grupo F (1,63) = 1,21, p = 0,27, para turno F (2,63) = 0,19, p = 0,82 e nas interações entre grupo e turno F (2,63) = 1,17, p = 0,31, grupo e zona F (3,63) = 0,79, p = 0,50, turno e zona F (5,63) = 0,68, p = 0,63, e grupo, turno e zona F (2,63) = 2,19, p = 0,12. No entanto, foi encontrada diferença significativa nas comparações entre as zonas do chute sem gol, F (5,63) = 3,96, p = 0,001. As comparações específicas entre as zonas foram realizadas por Tukey HSD, que detectou apenas diferença significativa (p 0,05) da média da zona 5 do chute sem gol em relação à zona 3, 6, 8 e 9. Na zona 5 aconteceram muito mais erros de chute. O GE e o GC realizaram mais chute sem gol na zona 2 e 5, apresentando resultados similares. A figura 11 ilustra a média da zona do chute sem gol do GE e do GC.

14 Figura 11. Média das zonas do chute sem gol de cada turno do GE e do GC A tabela 6 mostra a estatística descritiva da zona do chute sem gol de todo o campeonato do GE e do GC. Tabela 6. Zona do chute sem gol de todo o campeonato A tabela 7 apresenta os resultados do teste t independente das comparações da zona do chute sem gol de todo o campeonato entre o GE e o GC.

15 Tabela 7. Resultados do teste t independente As comparações entre o GE versus o GC, o teste t independente detectou que a zona 5 do chute sem gol em todo o campeonato foi a de mais erro, depois foi a zona 2. O GE e o GC obtiveram resultados parecidos em todo o campeonato. A figura 12 apresenta a média da zona do chute sem gol de toda a disputa entre o GE e o GC.

16 Figura 12. Média da zona do chute sem gol de todo o campeonato do GE e do GC Os resultados sobre chute sem gol mostraram que o GE e o GC obtiveram resultados similares, então, o treino da visão periférica não causou uma redução no erro. Logo, não foi possível identificar o motivo porque não foi aferida a qualidade biomecânica do chute 35, uma análise do jogar dos zagueiros e do goleiro 36, a visão dos esportistas durante o chute 37, a qualidade da tomada de decisão dos jogadores 38 e o conhecimento tático dos atletas 39. Também foram identificadas outras variáveis que podem interferir nos resultados do chute, gerando em erro, os jovens do futsal jogaram descalço e muitos tinham pouca vivência competitiva, podendo ficar nervosos durante a disputa (Obs.: O nervosismo dos meninos durante as partidas foi identificado na filmagem, porém o estudo não mensurou). Para uma próxima pesquisa indica-se o ensino do treino do olho imóvel, onde o atleta fixa a visão num alvo e faz o remate, gerando em mais acertos 40. Marques Junior 5 identificou na sua dissertação, durante o 1º e o 2º turno, as três seqüência ofensivas mais praticadas pelo GE e pelo GC. O GE efetuou mais a saída do meio campo no início ofensivo (IO) seguido da condução da bola na construção e desenvolvimento ofensivo (CDO) e terminando com chute (finalização - F), a outra seqüência do ataque foi composta pela saída do meio campo (IO) seguido da bola rola sem ser tocada (CDO) e acabando com chute (F) e a terceira mais praticada foi composta pela saída do meio campo (IO) e imediatamente com chute (F). Enquanto que o GC efetuou mais vezes as mesmas seqüência ofensivas que o GE. As ações foram: saída do meio campo (IO) seguido da bola rola sem ser tocada (CDO) e terminando com chute (F), saída do meio campo (IO) depois com a condução da bola (CDO) e chute (F), a outra seqüência no ataque muito praticada através da saída do meio campo (IO) e imediatamente

17 com chute (F). Estes dados quantitativos mostraram uma semelhança na seqüência ofensiva do GE e do GC. A figura 13 apresenta a seqüência ofensiva do GE e a figura 14 do GC. Figura 13. Seqüência ofensiva do GE Figura 14. Seqüência ofensiva do GC

18 Como a literatura do futsal é escassa 4, não foi possível confrontar os dados da seqüência ofensiva. Porém, pode-se observar que a seqüência ofensiva mais pratica pelo GE e pelo GC foi similar, embora o GE tenha feito muito mais a saída do meio-campo seguido de condução da bola e terminando a ação com o chute. Talvez essa maior prática de ataque esteja relacionada com o treino da visão periférica, como o campeonato foi em dupla e em meia quadra, é necessário acontecer poucas ações para o ataque ser eficaz. Os fundamentos mais praticados pelo GE e pelo GC não foram publicados. A coleta de dados aconteceu nos três turnos pelo scout apresentado a seguir: Quadro 1. Scout para quantificar os fundamentos do ataque do GE ou do GC. A tabela 8 mostra a estatística descritiva dos fundamentos do GE e do GC de todo o campeonato. Tabela 8. Média e desvio padrão dos fundamentos do ataque de todo o campeonato A figura 15 e 16 expõe a média dos fundamentos mais praticados nos três turnos pelo GE e pelo GC.

19 Figura 15. Média dos fundamentos do GE Figura 16. Média dos fundamentos do GC O GE praticou 25 sessões do treino da visão periférica, talvez o maior uso da condução da bola (9±2,37) e do chute (10±2,13) estão relacionados com a ênfase na visão espacial durante o jogo de futsal adaptado porque os atletas dão a saída do meio-campo e realizam essa seqüência de fundamentos. A maior prática desses fundamentos talvez sofra influência da área de disputa, menor do que a oficial. Observando o estudo de Amaral e Garganta 30, o drible foi o

20 fundamento mais utilizado, sendo diferente dessa pesquisa. Outras referências mostraram que o drible e o chute são mais realizados no ataque 31,37. Então, o drible é a ação mais praticada no início ofensivo e no desenvolvimento do ataque, atividade diferente do GE desse estudo, que preferiu a condução da bola. Enquanto que o GC preferiu utilizar mais o passe (8,92±2,53) e o chute (10,25±0,86), talvez pelo fato de jogar de cabeça baixa o 1º e o 2º turno tenha resultado no maior uso desses fundamentos. Os resultados do campeonato em dupla foram muito próximos entre o GE e o GC, somando a pontuação dos jogadores da linha, o GE venceu a disputa com 17,5 pontos e o GC ficou em segundo com 17 pontos. O 1º lugar a dupla ou o goleiro ganhava 5 pontos, o 2º lugar era atribuído 3 pontos, o 3º lugar a dupla obtinha 2 pontos e o 4º lugar e último, os jogadores conseguiam 1,5 pontos. Os resultados de cada turno foram os seguintes: Os resultados após o 1º turno estiveram conforme o mencionado pelas referências de hemisfericidade 10,42, atletas com hemisfério direito de processamento são melhores para atividades motrizes, logo, foi evidenciado que, a dupla campeã e vice do 1º turno, tinha hemisfério direito. O treino da visão periférica não causou um incremento na colocação do campeonato, ou seja, as duplas favoritas por causa da hemisfericidade fizeram a final da disputa.

21 O 2º turno o treino da visão periférica causou um diferencial para o GE em relação ao GC nas colocações do campeonato em dupla, 1º e 2º lugar. Isso foi evidenciado nos estudos, ou seja, menor quantidade de ações no ataque 24, melhor qualidade ofensiva 5 e mais gols. A colocação do 3º turno teve um significativo efeito do treino da visão periférica porque o GC B foi último no 1º e no 2º turno, após 10 sessões do treino da visão periférica essa amostra

22 obteve a vitória no campeonato frente ao GE B, um dos favoritos do campeonato. A disputa do 3º lugar o GC conseguiu vencer, mostrando a eficácia do treino da visão periférica. Isso foi evidenciado nos estudos, ou seja, menor quantidade de ações no ataque 24 e mais gols efetuados. A tabela 9 expõe um resumo de toda pontuação do campeonato. Tabela 9. Pontuação total e colocação do GE e do GC O resultado final do campeonato esteve relacionado com a hemisfericidade, ou seja, o hemisfério direito de processamento mental obteve melhor colocação e praticou mais gols. A figura 17 destaca esse ocorrido.

23 Figura 17. Colocação, gols e hemisfericidade de cada dupla da linha Quase todos os estudos da dissertação tiveram limitação, exceto a investigação quantidade de gol, chute sem gol e fundamentos praticados que são dados quantitativos, a análise foi por scout, podendo comprometer muito o resultado da investigação 43. Embora a literatura internacional faça uso desse equipamento para análise do jogo 44,45. O ideal para uma próxima pesquisa é utilizar vídeo computador para os achados serem mais precisos 26. Outro problema de todos os estudos da dissertação foi o tratamento estatístico, inicialmente o autor deveria verificar a normalidade dos dados através de Shapiro-Wilk (n = 50) ou por Kolmogorov-Smirnof (n = 51 ou mais) 46. Em caso de dados normais, deveria utilizar a estatística paramétrica, mas para dados não normais, aplicaria a estatística não paramétrica. Muitos resultados dos artigos da dissertação ficaram sem resposta porque não foi utilizado o equipamento que determina para onde o atleta está olhando, merecendo no próximo estudo o uso da mesma instrumentação de alguns autores renomados da visão no esporte Consultando diversos artigos de análise do jogo dos professores da Universidade do Porto 50-52, pode-se identificar que os estudos da dissertação não realizaram a confiabilidade da observação, tornando os resultados dessas obras menos precisos. As pesquisas que deveriam ser praticadas a confiabilidade da observação são as seguintes: ensino do treino da visão periférica 11, quantidade de ações no ataque 24, zona dos gols 27, qualidade ofensiva 5 e zona sem gol. A confiabilidade da observação consiste do pesquisador efetuar a análise do jogo de no mínimo 10% do total da amostra 53. Após a análise do jogo, deve-se dar uma pausa de 15 a 30

24 dias e realizar nova análise do jogo nas mesmas partidas estudadas anteriormente. Depois dessas duas análises do jogo, recomenda-se aplicar os valores na fórmula de Ballack (1966) indicada por Luciano 54, sendo a seguinte: A adequada análise do jogo possui resultados com porcentagem igual ou superior a 80%. Através dessa revisão, o leitor conheceu os acertos e limitações dos artigos sobre o treino da visão periférica, merecendo que nós próximos estudos não aconteçam os problemas identificados nessa obra. Conclusão O artigo de revisão analisou todos os resultados da dissertação de Marques Junior 5 que originaram em artigo ou não. Sendo extremamente importante para futuras publicações sobre o treino da visão periférica porque as próximas pesquisas serão norteadas por essa revisão. Em conclusão, uma revisão sobre o treino da visão periférica é de grande valia porque esse tema é escasso na literatura do futsal. Referências 1. Marques Junior N (2008). Conteúdo básico para estruturar o treino da visão periférica no futebol de salão. Mov Percep 9(13): Pinto J, Araújo N (1999). A importância do treinamento da visão periférica no futebol. Rev Min Educ Fís 7(2): Marques Junior N (2009). Estudo sobre a visão no esporte: o caso do futebol e do futsal. Rev Educ Fís (144): Navarro A, Almeida R (2008). Futsal. São Paulo: Phorte. 5. Marques Junior N (2008). O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: um estudo na competição. 157 f. Dissertação (Mestrado, UCB, RJ). 6. Marques Junior N (2009). O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: um estudo na competição. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 11(1): Marques Junior N (2010). O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: um estudo na competição. Rev Bras Futebol 3(1):60-1.

25 8. Corrêa U (2006). A estruturação da prática na aprendizagem motora: uma análise das pesquisas das tarefas do mundo real. In: Rigolin da Silva L (Org.). Desempenho esportivo. São Paulo: Phorte. 9. Da Silva V (2002). Aprendizagem neural. In. Beltrão F et alii (Orgs.). Produção em ciência da motricidade humana. 2ª ed. Rio de Janeiro: Shape. 10. Marques Junior N (2010). Coaching peripheral vision training for soccer athletes. Phys Educ 67(2): Marques Junior N (2009). Ensino do treino da visão periférica para jogadores do futsal. Refeld 4(1): Pereira F et alii (2010). Análise comparativa entre teste direto e indireto para predição de VO2máx em jogadores de futsal universitário. Rev Dig Educ Fís Deportes 15(148): Sanches V, Borin J (2010). História e evolução do futsal feminino no Brasil e no Paraná. Rev Dig Educ Fís Deportes 15(149): Marques Junior N (2009). Enseñanza del entrenamiento de la visión periférica. Fútbol Táctico (32): Da Silva V. et alii (2004). Prevalência de processamento hemisférico em atividades sensório motora. Práxis 3(1): Vitor F (2008). Aptidão física de jovens atletas do sexo masculino em relação à idade cronológica e estágio de maturação sexual. Rev Bras Educ Fís Esp 22(2): Matsudo V (1998). Testes em ciências do esporte. São Caetano do Sul: CELAFISCS. 18. Malina R et alii (2004). Maturity-associated variation in the growth and functional capacities of youth football players years. Eur J Apll Physiol 91(5-6): Malina R et alii (2005). Maturity-associated variation in sport-specific skills of youth soccer players aged years. J Sports Sci 23(5): Marques Junior N (2009). Treino da visão periférica para o futebol e seus derivados. 110 f. Monografia (Mestrado, UCB, RJ). 21. Magill R (2000). Aprendizagem motora. 5ª ed. São Paulo: Blücher. 22. Williams M, Ford P (2009). Promoting a skills-based agenda in Olympic sports: the role of skill-acquisition specialists. J Sports Sci 27(13): Cunha M et alii (2003). Integração sensório-motora e plasticidade sináptica no córtex cerebelar. Fit Perf J 2(2):91-6.

26 24. Marques Junior N (2009). The effect of the peripheral vision training of the quantity of actions during the attack of the indoor soccer. Braz J Biomotr 3(1): Pessoa V et al (2009). Análise dos gols da liga futsal Rev Dig Educ Fís Deportes 13(129): Tavares F (2006). Analisar o jogo nos esportes coletivos para melhorar a performance. Uma necessidade para o processo de treino. In. Rose Junior D. (Org.). Modalidades esportivas coletivas. Rio de Janeiro: Guanabara. 27. Marques Junior N, Da Silva V (2008). O efeito do treino da visão periférica na zona dos gols do futsal. Rev Educ Fís (143): Ford P et alii (2006). The role of external action-effects in the execution of a soccer kick: a comparison across skill level. Mot Contr 10(4): Ford P, Hodges N, Williams M (2007). Examining action effects in the execution of a skilled soccer kick by using erroneous feedback. J Mot Behav 39(6): Amaral R, Garganta J (2005). A modelação do jogo em futsal. Análise seqüencial do 1x1 no processo ofensivo. Rev Port Ciên Desp 3(-): Vilhena Silva M et alii (2005). Comparison between the offensive actions of the final stage of the mineiro championship of indoor soccer in the pre mirim and mirim categories. Fiep 75(n special): Vaeyens R et alii (2007). Mechanisms underpinning successful decision making in skilled youth soccer players: an analysis of visual search behaviors. J Mot Behav 39(5): Williams M, Janelle C, Davids K (2004). Constraints on the search for visual information in sport. Int J Sport Exerc Psychol 2(3): Marques Junior N, Garcia G, Da Silva V (2008). O efeito do treino da visão periférica na correlação entre chutes para o gol e tentos realizados no futsal. Conexões 6(2): Lees A et alii (2010). The biomechanics of kicking in soccer: a review. J Sports Sci 28(8): Garganta J (2009). Trends of tactical performance analysis in team sports: bridging the gap between research, training and competition. Rev Port Ciên Desp 9(1): Williams M et alii (2002). Age-related difference in vision and proprioception in a lower limb interceptive task: the effects of skill level and practice. Res Q Exerc Sport 51(1): Vaeyens R et alii (2007). The effects of task constraints on visual search behavior and decision-making skill in youth soccer players. J Sport Exerc Psychol 29(-):

27 39. Pinho S et alii (2010). Método situacional e sua influência no conhecimento tático processual de escolares. Motriz 16(3): Harle S, Vickers J (2001). Training quiet eye improves accuracy in the basketball free throw. Sport Psychol 15(3): Ensum J, Taylor S, Williams M (2002). A quantitative analysis of attacking set plays. Insight 4(5): Ferraz P et alii (2009). Hemisfericidade e as especificidades especial-temporais de uma tarefa psicomotora: preferência de processamento hemisférico direita e gênero. Rev Educ Fís/UEM 20(4): Silva P (2006). A análise do jogo em futebol: um estudo realizado em clubes da Liga Betandwin.com. 173 f. Dissertação (Mestrado, FMH, Lisboa). 44. Suzuki K, Nishijima T (2004). Validity of a soccer defending skill scale using game performance. Int J Sport Health Sci 2(-): Szwarc A (2008). The efficiency model of soccer player`s actions in cooperation with other team players at the FIFA World Cup. Hum Mov 9(1): Madureira A (2008). O avanço da estatística na educação física. Caderno Educ Fís 7(12): Panchuk D, Vickers J (2006). Gaze behaviors of goaltenders under spatialtemporal constraints. Hum Mov Sci 25(6): Reina R, Moreno F, Sanz D (2007). Visual behavior and motor responses of novice and experienced wheelchair tennis players relative to the service return. Adapt Physic Activit Q 24(3): Williams M, Davids K (1997). Assessing cue usage in performance contexts: a comparison between eye-movement and concurrent verbal report methods. Beh Res Met Instr Comput 29(3): César B, Mesquita I (2006). Caracterização do ataque do jogador oposto em função do complexo do jogo, do tempo e do efeito do ataque: estudo aplicado no voleibol feminino de elite. Rev Bras Educ Fís Esp 20(1): Lacerda D, Mesquita I (2003). Caracterização da organização do processo ofensivo, a partir da recepção do serviço, no voleibol de praia de elite. In. Mesquita I et alii (Eds.). Investigação em voleibol. Porto: Universidade do Porto. 52. Mesquita I, Teixeira J (2004). Caracterização do processo ofensivo no voleibol de praia masculino de elite mundial, de acordo com o tipo de ataque, a eficácia e o momento do jogo. Rev Bras Ci Esporte 26(1): Ramos A (2005). Uma (des)baramatriz(ação) concepto-comportamental de(s) zona(s) pressing. 95 f. Monografia (Graduação, Universidade do Porto, Porto). 54. Luciano S (2006). A importância do jogador líbero nas ações ofensivas no jogo de voleibol. 123 f. Dissertação (Mestrado, Universidade do Porto, Porto).

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Goles y partidos de la Copa del Mundo de Fútbol, 1930 a 2010 Goals and matches in Soccer World Cup, 1930 to 2010 Mestre em Ciência da Motricidade

Leia mais

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE?

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? 980 O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? Felipe Ruy Dambroz - NUPEF/UFV João Vítor de Assis - NUPEF/UFV Israel Teoldo da Costa

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 131 ANÁLISE DE GOLS QUANTO A FORMA E LOCAL DA EQUIPE SUB-8 DO CLUBE DE REGATAS FLAMENGO NO CAMPEONATO ESTADUAL DA LIGA RIOFUTSAL, MÓDULO NOVOS TALENTOS DE 2012 Luiz Fernando A. Serpas Filgueiras 1 RESUMO

Leia mais

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 La Copa del Mundo de Fútbol: rendimiento de los países sedes, 1930 a 2010 Soccer World Cup: performance of the home countries, 1930 to

Leia mais

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Los períodos de entrenamiento deportivo: un análisis sobre

Leia mais

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Puntaje de los golpes durante el kumité de competición de karate shotokan masculino Scores of the techniques during the male

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL

ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL ANÁLISE DAS FINALIZAÇÕES E POSSE DE BOLA EM RELAÇÃO AO RESULTADO DO JOGO DE FUTEBOL José Cícero Moraes / UFRGS Daniel Perin / UFRGS Marcelo Francisco da Silva Cardoso Cardoso / UFRGS Alberto de Oliveira

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Los fundamentos practicados por el bloqueador del voleibol en la arena Skills practices by block player of the sand volleyball Mestre em Ciência

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO ENTRE RESULTADOS FINAIS DOS JOGOS REDUZIDOS DE FUTEBOL Marcelo Odilon Cabral de Andrade / UFV Israel Teoldo da Costa / UFV marcelo.andrade@ufv.br ոո Palavras-chave: Tática,

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO NO FUTEBOL: A INFLUÊNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE BUSCA VISUAL SOBRE O TEMPO DE DECISÃO

TOMADA DE DECISÃO NO FUTEBOL: A INFLUÊNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE BUSCA VISUAL SOBRE O TEMPO DE DECISÃO 180 TOMADA DE DECISÃO NO FUTEBOL: A INFLUÊNCIA DAS ESTRATÉGIAS DE BUSCA VISUAL SOBRE O TEMPO DE DECISÃO João Vítor de Assis/ NUPEF-UFV Guilherme Machado/ NUPEF-UFV Felippe Cardoso/ NUPEF-UFV Israel Teoldo/

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática

CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática CARACTERIZAÇÃO DAS AÇÕES DE FINALIZAÇÃO EM JOGOS DE FUTSAL: uma análise técnico-tática Alexandre Andrade Gomes / UNI-BH Leonardo Henrique Silva Fagundes / UNI-BH Pablo Ramon Coelho de Souza / UNI-BH Alessandro

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO Loani Landin Istchuk / UEL Wilton Carlos de Santana / UEL Hélcio Rossi Gonçalves / UEL loaniistchuk@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

Ações e Mecanismos do Jogo Individual

Ações e Mecanismos do Jogo Individual MX JOGO INDIVIDUAL Ações e Mecanismos do Jogo Individual Primeiro Processo Análise e Recepção Controle e Seleção Segundo Processo Terceiro Processo Decisão e Ação Final Análise/Recepção O atleta está sem

Leia mais

Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015

Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015 Jaraguá Clube Campestre VI Campeonato Interno de Futsal -2015 INFANTIL REGULAMENTO: A Sub-diretoria de Futsal Infantil de Esportes do Jaraguá Clube Campestre realizará, no período de 30/08 a 14/11/2015.

Leia mais

iii AGRADECIMENTOS Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

iii AGRADECIMENTOS Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. iii AGRADECIMENTOS Aos jogadores e comissão técnica das equipes Sub-13 e Sub-15 do E.C. Banespa. Ao Luiz Paes de Barros, companheiro de estudos sobre o futsal. Aos amigos do Grupo de Estudo e Pesquisa

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO NO FUTSAL ESCOLAR: situação e efetividade de finalização

ANÁLISE DE JOGO NO FUTSAL ESCOLAR: situação e efetividade de finalização ANÁLISE DE JOGO NO FUTSAL ESCOLAR: situação e efetividade de finalização Fabiola de Araujo Cabral / UFMG Gibson Moreira Praça / UFMG Camila de Souza Teixeira / UFMG Cristino Júlio Alves da Silva Matias

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 159 A 164 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 2ª ª Parte ARTIGO ORIGINAL EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE BOLA ENTRE EQUIPES BRASILEIRAS EM UMA COMPETIÇÃO REGIONAL

COMPARAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE BOLA ENTRE EQUIPES BRASILEIRAS EM UMA COMPETIÇÃO REGIONAL 708 ROLHFS, I. C. P. M; et al. A escala de humor de Brunel (Brums): instrumetno para detecção precoce da síndrome do excesso de treinamento. Rev Bras Med Esporte. v. 14, n. 3, mar/jun, p. 176-181, 2008.

Leia mais

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT Futsal Escolar Prof. Ivan Gonçalves dos Santos Lucas do Rio Verde MT - 2009 Introdução A Educação Física é uma disciplina pedagógica permeada de

Leia mais

Estabelecimento de Metas

Estabelecimento de Metas Estabelecimento de Metas Prof. Ms. Jaqueline F. de O. Neiva Laboratório de Comportamento Motor (EEFE USP) Grupo de Estudos e Pesquisa em Capacidades e Habilidades Motoras (EACH USP) Estabelecimento de

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Páginas

LISTA DE TABELAS. Páginas i AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus em quem acreditei e que me proporcionou a possibilidade de conhecer o verdadeiro sentido da fé, e que me ajudou a conquistar este título. A minha orientadora professora

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 42 ANÁLISE DOS GOLS DE EQUIPES DA CATEGORIA SUB-15 EM PARTIDAS DE UM TORNEIO REGIONAL DE FUTSAL Augusto Luís da Silva Araújo 1 Nicolas Lawall Moreira 1 Helder Barra de Moura 2 Vinicius de Oliveira Damasceno

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 67 A INCIDÊNCIA DE GOLS NA FASE CLASSIFICATÓRIA PARA A COPA DO MUNDO DE 2010 NA ÁFRICA DO SUL Taciano Cestari Barrios Santos 1 RESUMO Introdução: O futebol é o esporte coletivo mais popular do Mundo. A

Leia mais

Artigo Original. Futebol: classificação e análise dos gols da EuroCopa Soccer: classification and analysis of the goals of EuroCopa 2004

Artigo Original. Futebol: classificação e análise dos gols da EuroCopa Soccer: classification and analysis of the goals of EuroCopa 2004 Soccer: classification and analysis of the goals of EuroCopa 2004 Ramos LA 1, Oliveira Jr. MH 1 1- Especialização de Futebol da Universidade Federal de Viçosa MG/Brasil Resumo Objetivo: Este estudo teve

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 27 ANÁLISE DOS GOLS EM JOGOS DE FUTSAL SUB-17 NO CAMPEONATO ESTADUAL DE SÃO PAULO 2012 Jussiê de Melo de Campos 1,2 RESUMO Introdução: Atualmente o futsal é um jogo imprevisível por definição e são várias

Leia mais

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO:

INICIAÇÃO AO FUTEBOL. Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: INICIAÇÃO AO FUTEBOL Concepções metodológicas do treinamento INTRODUÇÃO: O jogo de futebol não é feito apenas de fundamentos (movimentos técnicos), a relação com a bola é uma das competências essênciais

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 308 INICIAÇÃO NO FUTSAL ENTRE CRIANÇAS DE 7 A 14 ANOS Verena Ancila da Rocha Carvalho 1 RESUMO Introdução: A proposta desse trabalho tem como finalidade através de uma pesquisa bibliográfica e um questionário

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 2009.

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 2009. ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 200. Neryano Ferraz Pazetto (UEL), Juliana Astolpho Lopes (UEL), Karina Alves da Silva (UEL), Marcos Augusto Rocha (UEL) RESUMO Trata-se

Leia mais

Escola Estadual João Ribeiro Guimarães Professor Marcos Alberto Sutiér

Escola Estadual João Ribeiro Guimarães Professor Marcos Alberto Sutiér Escola Estadual João Ribeiro Guimarães Professor Marcos Alberto Sutiér Treinamento Futsal Xadrez BANDEIRANTES/MS 2013 Justificativa As aulas de treinamento têm como base o desenvolvimento motor e intelectual

Leia mais

ANÁLISE DO JOGO. Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr.

ANÁLISE DO JOGO. Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. ANÁLISE DO JOGO Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. TIPOS DE ANÁLISE QUANTITATIVA SCOUT QUALITATIVA METODOLOGIA OBSERVACIONAL ANÁLISE QUANTITATIVA SCOUT: Processo de recolha de informações acerca dos adversários

Leia mais

Treino novo para o esporte

Treino novo para o esporte Treino novo para o esporte Entrenamiento novedoso para el deporte New training for the sport Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior nk-junior@uol.com.br

Leia mais

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras.

Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. CONCEITOS TÁTICOS E SISTEMAS Conceitos Sistemas: Distribuição ordenada dos componentes de uma equipe em quadra, visando facilitar a aplicação das diferentes manobras. Tipos de sistemas: Sistemas defensivos:

Leia mais

Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL. Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN

Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL. Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN Primeiro Estudo COPA 2010 FIFA EFETIVIDADE NO FUTEBOL Grupo Ciência no Futebol DEF UFRN Autores Jeferson Tafarel Pereira do Rêgo Nickson Barbosa Marinho Péricles Roberto Silva Rodrigues Orientador: João

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

Modelos de análise do scout para o futebol baseado na copa das confederações de 2013

Modelos de análise do scout para o futebol baseado na copa das confederações de 2013 ISSN: 1983-7194 Modelos de análise do scout para o futebol baseado na copa das confederações de 2013 Model analysis of scout for soccer based on fifa confederations cup 2013 Santos MS 1 ; Mezêncio B 2

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 146 INCIDÊNCIA DE GOLS POR CONTRA ATAQUE EM JOGOS DA COPA DO MUNDO Andre Luis Rocha de Oliveira 1, Enio Ferreira de Oleiveira 2, Luiz Carlos Pena 3, Sheila Martins Gabriel 4 RESUMO O Futebol é o esporte

Leia mais

A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010.

A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010. A FUNÇÃO DO LÍBERO NA RECEPÇÃO DE SAQUE E DEFESA DURANTE AS PARTIDAS DA SUPERLIGA FEMININA DE VOLEIBOL 2009/2010. MARLON MENEZES DE ARRUDA (1), ANDERSON HENRIQUE SOUZA DE ALMEIDA (1), SARAH ABRAHÃO GOMES

Leia mais

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO ORNIDES CINTRA KINDELÁN Resumo: o constante aperfeiçoamento das formas, das vias e dos métodos para o desenvolvimento do jogo de basquetebol

Leia mais

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3

FUTSAL. Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 FUTSAL Trabalho realizado por: Helena Rocha 12ºA Nº17 Ana Lúcia 12ºA Nº3 ÍNDICE Índice... i FUTSAL... 1 Fundamentos técnicos:... 1 Posições dos Jogadores no Futsal:... 1 Regras:... 2 Campo... 2 Área de

Leia mais

EFICIÊNCIA DE REALIZAÇÃO DOS PRÍNCIPIOS TÁTICOS EM JOGOS REDUZIDOS NO FUTEBOL: comparação entre vitória e derrota

EFICIÊNCIA DE REALIZAÇÃO DOS PRÍNCIPIOS TÁTICOS EM JOGOS REDUZIDOS NO FUTEBOL: comparação entre vitória e derrota EFICIÊNCIA DE REALIZAÇÃO DOS PRÍNCIPIOS TÁTICOS EM JOGOS REDUZIDOS NO FUTEBOL: comparação entre vitória e derrota Felipe Moniz Carvalho / UFV Israel Teoldo da Costa / UFV felipe.moniz@ufv.br ոո Palavras-chave:

Leia mais

Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra

Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugerencia de una prueba de salto con pelota para jugadores de voleibol en sala Suggestion of the jump ball test for the indoor

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008

Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008 Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008 Medallas de Brasil en los Juegos Olímpicos, 1920 a 2008 Brazil medals in the Olympic Games 1920 to 2008 Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 327 ANÁLISE DOS GOLS SOFRIDOS E GOLS FEITOS PELA EQUIPE DE FUTSAL DE NOVA ITABERABA-SC CATEGORIA SUB-17 NO CAMPEONATO CATARINENSE 2013/2014 Ismael Schneider 1 Rogério da Cunha Voser 2 Patrícia Eloi Gomes

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ANÁLISE DA POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE DIFERENTES

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES CAPITULO VI CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Neste capítulo iremos apresentar as conclusões do presente estudo, tendo também em conta os resultados e a respectiva discussão, descritas no capítulo

Leia mais

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES

JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES JOGOS OLÍMPICOS DA JUVENTUDE: UM NOVO MEGAEVENTO ESPORTIVO DE SENTIDO EDUCACIONAL FOCADO EM VALORES Marcio Turini, Marta Gomes, Ana Miragaya e Lamartine DaCosta YOUTH OLYMPIC GAMES JOGOS OLÍMPICOS DA

Leia mais

TORNEIOS ESPORTIVOS MARÇO REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS

TORNEIOS ESPORTIVOS MARÇO REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS DISPOSIÇÕES GERAIS REALIZAÇÃO 19 de março de 2016 no Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo, para crianças nascidas entre 2007 e 2004. CERIMÔNIA DE ABERTURA Em cada grupo, às 08h30

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1º A competição será para alunos devidamente matriculados na Instituição de Ensino - Univale. ART. 2º As pessoas físicas que participarem do evento consideradas

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA 1052 AVALIAÇÃO DAS AÇÕES TÉCNICAS EM SITUAÇÕES DE PEQUENOS JOGOS NO FUTEBOL COM SUPERIORIDADE NUMÉRICA Raphael Brito e Sousa/ CECA Pedro Emilio Drumond Moreira/ CECA Gibson Moreira Praça/ CECA Pablo Juan

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 005/2010 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: (Assinalar) SEMESTRAL/PARCIAL

Leia mais

CRONOGRAMA DA DISCIPLINA 11/04 Teoria geral dos JDC 16/04 Transfert e ressignificação (Prática) 23/04 Métodos de Ensino dos JDC 25/04 Fundamentos

CRONOGRAMA DA DISCIPLINA 11/04 Teoria geral dos JDC 16/04 Transfert e ressignificação (Prática) 23/04 Métodos de Ensino dos JDC 25/04 Fundamentos CLAUDE BAYER CRONOGRAMA DA DISCIPLINA 11/04 Teoria geral dos JDC 16/04 Transfert e ressignificação (Prática) 23/04 Métodos de Ensino dos JDC 25/04 Fundamentos técnicos (Prática) 02/05 Aspectos táticos

Leia mais

42 Revista Brasileira de Futsal e Futebol

42 Revista Brasileira de Futsal e Futebol 42 Revista Brasileira de Futsal e Futebol ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE GOLS NO CAMPEONATO PAULISTA 2009: SÉRIE A1, A2 e A3 Diego Ide Mascara 1,2, Leandro Calicchio 1, João Guilherme Cren Chimina 2, Antonio

Leia mais

A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO

A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO SILVA, Brenda Catherine Cardoso 1 PEREIRA, Eduí 2 1 Acadêmica do curso de Graduação em Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva 2 Docente do curso

Leia mais

ENSINO DO TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA JOGADORES DO FUTSAL

ENSINO DO TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA JOGADORES DO FUTSAL 34 ENSINO DO TREINO DA VISÃO PERIFÉRICA PARA JOGADORES DO FUTSAL Nelson Kautzner Marques Junior TEACHING OF THE PERIPHERAL VISION TRAINING FOR FUTSAL PLAYERS Universidade Castelo Branco nk-junior@uol.com.br

Leia mais

DIOGO PEDOTTI RODRIGUES DOS SANTOS FUTEBOL 7 UM NOVO CAMINHO NA FORMAÇÃO DE ATLETAS DE FUTEBOL

DIOGO PEDOTTI RODRIGUES DOS SANTOS FUTEBOL 7 UM NOVO CAMINHO NA FORMAÇÃO DE ATLETAS DE FUTEBOL DIOGO PEDOTTI RODRIGUES DOS SANTOS FUTEBOL 7 UM NOVO CAMINHO NA FORMAÇÃO DE ATLETAS DE FUTEBOL Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 68 FUTEBOL: AVALIAÇÃO TÉCNICO/TÁTICA EM ATLETAS DE CATEGORIAS DE BASE Otávio Nogueira Balzano 1,2,3 George Washington Silva de Sousa 1,2,3 Ítalo Nunes Braga 1,2,3 Pedro Henrique Nascimento Morais 1,2,3

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 47 ANÁLISE DOS GOLS DA VI TAÇA BRASIL DE CLUBES 2010 NA CATEGORIA SUB-20 FEMININO Roberta Batista Bezerra 1, Antonio Coppi Navarro 1 RESUMO O objetivo deste estudo foi caracterizar os gols da VI Taça Brasil

Leia mais

Questões dos 6º anos

Questões dos 6º anos 2012 - AVALIAÇÃO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 4ª BIMESTRE Questões dos 6º anos 1- Lembrando que tanto o futebol como o handebol são esportes coletivos, quais comportamentos podemos observar com relação a forma

Leia mais

Análise de indicadores quantitativos de vitórias e derrotas na Copa do Mundo FIFA 2010

Análise de indicadores quantitativos de vitórias e derrotas na Copa do Mundo FIFA 2010 Artigo de Revisão ISSN: 1983-7194 Análise de indicadores quantitativos de vitórias e derrotas na Copa do Mundo FIFA 2010 Quantitative analysis of the teams winners and losers in World Cup FIFA 2010 Tempone,

Leia mais

ALUNO (A): Nº. 2- Quantos jogadores de handebol ficam na reserva? A. 5jogadores. B. 6jogadores. C. 7jogadores. D. 8jogadores. E. 9jogadores.

ALUNO (A): Nº. 2- Quantos jogadores de handebol ficam na reserva? A. 5jogadores. B. 6jogadores. C. 7jogadores. D. 8jogadores. E. 9jogadores. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6º A, B, C DISCIPLINA:

Leia mais

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS

AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS AGILIDADE E EQUILIBRIO DINÂMICO EM ADULTOS E IDOSOS Jéssica Cruz de Almeida¹ Joyce Cristina de S. N. Fernandes¹ Jozilma de Medeiros Gonzaga¹ Maria Goretti da Cunha Lisboa¹ Universidade Estadual da Paraíba¹

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO..

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO.. ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS.. INDICE DE QUADROS.. ÍNDICE DE FIGURAS.. ÍNDICE DE ANEXOS ABREVIATURAS.. CAPÍTULO I:. 1 INTRODUÇÃO.. 2 1.1. Apresentação do problema.. 2 1.2. Pertinência do estudo. 3 1.3.

Leia mais

Andebol Boletim nº

Andebol Boletim nº Andebol Boletim nº 2 23-06-2016 O grande entusiasmo entre todos os participantes foi o marco do primeiro dia de competição de andebol masculino. Todas as equipas, apesar da enorme vontade de vencer, demonstraram

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 162 DETERMINAÇÃO DA EFICIÊNCIA COLETIVA OFENSIVA NO FUTSAL DE ALTO RENDIMENTO Otávio Nogueira Balzano 1 Werlayne Stuart Soares Leite 1 Rodolfo R. Santos 1 RESUMO O presente estudo tem como objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Análise Estatística da Copa do Mundo de Futsal FIFA Por Adriano Vretaros Preparador Físico 2017

Análise Estatística da Copa do Mundo de Futsal FIFA Por Adriano Vretaros Preparador Físico 2017 Análise Estatística da Copa do Mundo de Futsal FIFA - 2016 Preparador Físico AMOSTRA: (n=04) Constituída das quatro primeiras colocações na competição, ou seja: as equipes da Argentina, Rússia, Irã e Portugal

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA PARTE ESPORTIVA

REGULAMENTO TÉCNICO DA PARTE ESPORTIVA REGULAMENTO TÉCNICO DA PARTE ESPORTIVA Das Modalidades Esportivas Art. 1º - A Parte esportiva da gincana conterá as seguintes modalidades: I Futsal II Voleibol Misto III Basquetebol IV Handebol V Tênis

Leia mais

Posse de bola em diferentes zonas do campo: estudo descritivo da seleção espanhol...

Posse de bola em diferentes zonas do campo: estudo descritivo da seleção espanhol... Página 1 de 5 DVDs de Treinamento Vídeos de treinamento para as mais diversas áreas da sua empresa. www.linkquality.com.br Tudo sobre Esporte Aqui Muitas Noticías sobre Esporte no Blog Rexona Men. Acesse

Leia mais

Interséries FEMA 2016

Interséries FEMA 2016 Interséries FEMA 2016 CAPITULO I - DA ORGANIZAÇÃO Art. 01 - Este regulamento é o conjunto das disposições que regem as disputas das interséries 2016, nas modalidades de voleibol e caçador misto, basquete,

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica ANÁLISE DO JOGO DE VOLEIBOL: ENSINO DA EXECUÇÃO DESSA TAREFA COM EXCEL 112 Nelson Kautzner Marques Junior 1 Danilo Arruda 2 RESUMO A análise do jogo de voleibol é considerada na literatura desse esporte

Leia mais

Olimpíada Rio "Voleibol, um jogo que é ouro"

Olimpíada Rio Voleibol, um jogo que é ouro Olimpíada Rio 2016 "Voleibol, um jogo que é ouro" Olimpiadas Investimento Segundo informações da Autoridade Pública Olímpica (APO), os gastos com os jogos eram estimados em R$ 28,8 bilhões quando a candidatura

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL

REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL REGULAMENTO ESPECÍFICO ANDEBOL 2013 2017 Índice 1. Introdução 2 2. Escalões etários 2 3. Constituição das Equipas 3 3.1. Infantis (andebol de 5) 3 3.2. Iniciados, Juvenis e Juniores (andebol de 7) 3 4.

Leia mais

FUTEBOL DE AREIA HISTÓRIA, REGRAS E PRINCIPAIS FUNDAMENTOS

FUTEBOL DE AREIA HISTÓRIA, REGRAS E PRINCIPAIS FUNDAMENTOS FUTEBOL DE AREIA HISTÓRIA, REGRAS E PRINCIPAIS FUNDAMENTOS História O Futebol de Areia começou a ser disputado em 1992, quando as regras do jogo foram criadas e um campeonato piloto foi organizado em Los

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

A VANTAGEM DO FATOR LOCAL NOS JOGOS DO DIVISÃO E DIVISÃO DE ACESSO NO ANO DE 2013 INTRODUÇÃO

A VANTAGEM DO FATOR LOCAL NOS JOGOS DO DIVISÃO E DIVISÃO DE ACESSO NO ANO DE 2013 INTRODUÇÃO A VANTAGEM DO FATOR LOCAL NOS JOGOS DO Campeonato Gaúcho de futebol da PRIMEIRA DIVISÃO E DIVISÃO DE ACESSO NO ANO DE 2013 Rogério da Cunha Voser / UFRGS José Cícero Moraes / UFRGS Marcelo Francisco da

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 211 A INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DE JOGADORES DE FUTSAL Diego Araujo 1, Diego Cunha 1, Danilo Cunha 1 Fabricio Madureira 1, Emilson Colantonio 2 Dilmar Pinto Guedes 1, Claudio Scorcine

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. 1º lugar 8 pontos 2º lugar 6 pontos 3º lugar 5 pontos 4º lugar 4 pontos 5º lugar 3 pontos 6º lugar 2 pontos

REGULAMENTO GERAL. 1º lugar 8 pontos 2º lugar 6 pontos 3º lugar 5 pontos 4º lugar 4 pontos 5º lugar 3 pontos 6º lugar 2 pontos REGULAMENTO GERAL Pelo presente regulamento fica instituída a OLIMPÍADA INTERCOLEGIAL, que visa desenvolver a prática das modalidades desportivas no âmbito estudantil, bem como, possibilitar às comunidades

Leia mais

O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE:

O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE: NOTA OFICIAL Nº 066.2016 O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE: DA COORDENAÇÃO TÉCNICA 1 Publicar as informações sobre o 2º Encontro Sub 12:

Leia mais

Marcelo Vilhena Silva CURRICULUM VITAE

Marcelo Vilhena Silva CURRICULUM VITAE Marcelo Vilhena Silva CURRICULUM VITAE Curitiba 2014 1- DADOS PESSOAIS Nome: Marcelo Vilhena Silva Filiação: Fernando Antônio da Silva e Ivana Vilhena Silva Nascimento: 12/07/1975, Belo Horizonte/MG Brasil.

Leia mais

PROJEÇÃO ESPORTES 1º TORNEIO UNIVERSITÁRIO DE FUTSAL LENÍSIO TEIXEIRA / PROJEÇÃO REGULAMENTO I DOS VALORES

PROJEÇÃO ESPORTES 1º TORNEIO UNIVERSITÁRIO DE FUTSAL LENÍSIO TEIXEIRA / PROJEÇÃO REGULAMENTO I DOS VALORES PROJEÇÃO ESPORTES 1º TORNEIO UNIVERSITÁRIO DE FUTSAL LENÍSIO TEIXEIRA / PROJEÇÃO REGULAMENTO I DOS VALORES Artigo 1º - Valores e princípios que norteiam a 1º TORNEIO UNIVERSITÁRIO DE FUTSAL LENÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino

Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino Teste de salto com bola para jovens do futebol feminino Test de salto con pelota para juveniles de fútbol femenino Jump test with ball for young female soccer player Mestre em Ciência da Motricidade Humana

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 18 ANÁLISE DE FATORES DETERMINANTES DO GOL NO FUTSAL FEMININO Gabriela Barreto David 1 Luan Merseburger Picanço 2 Felipe Fossati Reichert 2 RESUMO Introdução: O futsal vem se expandindo mundialmente. No

Leia mais

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução

Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Introdução Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas * Acadêmica do Curso de Educação Física - DEF/CDS/UFSC ** Profª Drª do Departamento de Educação

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL DE CAMPO

REGULAMENTO TÉCNICO FUTEBOL DE CAMPO FUTEBOL DE CAMPO Art. 1º - O Campeonato de Futebol será regido pelas regras oficiais estabelecidas pela FIFA, em vigor, por este Regulamento e conforme o disposto no Regulamento Geral. Art. 2º - Modalidade

Leia mais

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE TÊNIS

FEDERAÇÃO GAÚCHA DE TÊNIS Regulamento Campeonato Interclubes Adultos 2012 I Dos Objetivos do Regulamento O presente Regulamento tem como objetivo proporcionar aos Clubes filiados de todo Estado, competições esportivas com qualidade

Leia mais

Evolução Tática do Futebol. Prof. Esp. Sandro de Souza

Evolução Tática do Futebol. Prof. Esp. Sandro de Souza Evolução Tática do Futebol Prof. Esp. Sandro de Souza O Campo Comprimento: 90 min e 120 máx Largura: 45 min 90 máx Os Jogadores Posicionados de acordo com a região do campo DEFESA MEIO-CAMPO ATAQUE ZAGUEIROS

Leia mais

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina

Colégio Adventista de Rio Preto. Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Colégio Adventista de Rio Preto Prof. Daniel Prandi Prof. Sheila Molina Futebol de Salão - Futsal Caracterização: É um jogo coletivo desportivo, entre duas equipes, sendo cada uma constituída por doze

Leia mais

técnico assim como o local de embate

técnico assim como o local de embate técnico AVALIAÇÃO TÁCTICA NO VOLEIBOL - O POSICIONAMENTO DEFENSIVO E ZONAS VULNERÁVEIS EM FUNÇÃO DA ZONA DO ATAQUE ADVERSÁRIO NO 5º JOGO DA FASE FINAL DO PLAY-OFF DIVISÃO A1 AUTORES Francisco Gonçalves

Leia mais

Revista Digital - Buenos Aires - Año 15 - Nº Mayo de 2010 Introdução

Revista Digital - Buenos Aires - Año 15 - Nº Mayo de 2010 Introdução Análise da performance táctica de futebolistas de quatro escalões de formação Análisis del rendimiento táctico de jugadores de fútbol en los cuatro escalones de la formación Analysis of tactical performance

Leia mais

Diogo Cunha. Username: Diogo10 Idade: 11 anos ( ) Altura: 1,45 m Peso: 33 kg Vem de: Vila Nova de Cerveira. Historial Figo Ranking:

Diogo Cunha. Username: Diogo10 Idade: 11 anos ( ) Altura: 1,45 m Peso: 33 kg Vem de: Vila Nova de Cerveira. Historial Figo Ranking: Diogo Cunha Username: Diogo10 Idade: 11 anos (08-09-1999) Altura: 1,45 m Peso: 33 kg Vem de: Vila Nova de Cerveira Dois Pés Médio Centro Médio Atacante Centro Vencedor 4 vezes 2º Lugar 7 vezes 3º Lugar

Leia mais