Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010"

Transcrição

1 Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Los períodos de entrenamiento deportivo: un análisis sobre el voleibol masculino de alto rendimiento durante el Mundial y la Olimpíada, Periods of the sporting training: an analysis about the Brazilian male volleyball of high level during the World and the Olympiad, 1956 to 2010 *Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ Nelson Kautzner Marques Junior* **In memoriam 29/05/1939* a 19/12/2008 Mestrado em CMH da UCB do RJ Doutor em Educação Física pela Universidade Livre de Bruxelas Presidente Mundial da FIEP Manoel José Gomes Tubino** (Brasil) Resumo O objetivo do estudo foi de analisar o desempenho do voleibol brasileiro masculino em três períodos do treinamento esportivo (científico, tecnológico e marketing) durante o Mundial e a Olimpíada. A amostra foi identificada no site da CBV. A Anova de Kruskal-Wallis detectou diferença significativa (p 0,05) entre os períodos do treinamento esportivo durante a Olimpíada, H (2) = - 11,94. O teste Mann-Whitney identificou diferença significativa (p 0,05) entre o período tecnológico versus o período científico, U = 0,98. O teste Mann-Whitney identificou diferença significativa (p 0,05) entre o período de marketing versus o período científico, U = 0,99. Em conclusão, o estudo dos períodos do treinamento esportivo no voleibol masculino é importante para o leitor entender a evolução dessa modalidade no Brasil. Unitermos: Voleibol. História. Esporte. Abstract The objective of the study to was of analysis the performance of the Brazilian male volleyball in different periods of the sport training (scientific, technology and marketing) during the World and the Olympiad. Kruskal-Wallis Test determined significant difference (p 0,05) between the periods of the sporting training during the Olympiad, H (2) = - 11,94. Mann-Whitney test determined significant difference (p 0,05) between the technology period versus scientific period, U = 0,98. Mann-Whitney test determined significant difference (p 0,05) between the marketing period versus scientific period, U = 0,99. In conclusion, the study of the periods of the sport training in male volleyball is important for the student understand the evolution of the volleyball in Brazil. Keywords: Volleyball. History. Sport. Artigo desenvolvido com o Prof. Tubino no Mestrado da UCB na disciplina Esporte no Brasil em junho de Atualizado em janeiro de 2012 pelo 1º autor. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 16, Nº 165, Febrero de / 1 Introdução A evolução do treinamento esportivo é dividida em 5 períodos¹. Dantas 2 acrescenta mais 2 períodos, o tecnológico e o de marketing. O período científico (1948 a 1972), o período tecnológico (1973 a 1992) e o período de marketing (1993 a 2010) aconteceram os Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos do voleibol masculino de alto nível³. Portanto, são os momentos históricos de estudo dessa investigação.

2 O período científico foi onde ocorreu um significativo avanço da metodologia de treino, da tecnologia e da bioquímica e fisiologia do exercício. Podendo ser observada uma maior quebra dos recordes, passou-se a ser prescrita a preparação física nos esportes coletivos, o uso da periodização tornou-se obrigatório na estruturação do treino 4. O período tecnológico a metodologia de treino melhorou ainda mais, como também a tecnologia esportiva, sapatos, roupas, laboratórios se tornaram mais sofisticados. O período de marketing foi onde a divulgação das marcas esportivas mais cresceu, acarretando num aumento dos meetings e de disputas ao longo do ano com o intuito de promover o atleta e seus patrocinadores 3. Melo 5 informou que o conhecimento sobre os fatos históricos de um esporte serve para o professor entender o momento atual daquela modalidade. Por exemplo, permite ao leitor compreender porque determinados meios e métodos de treino do voleibol eram utilizados nos anos 80 e se tornaram ultrapassados a partir do ano O voleibol masculino brasileiro de 48 a 72 (momento do período científico) não tinha resultados expressivos, a melhor colocação foi um 5º lugar no Mundial de 60. Uma das causas dos resultados inexpressivos foram o pouco intercâmbio que a seleção masculina tinha com as principais escolas (socialista e asiática) 6 e o baixo conhecimento científico da Educação Física brasileira, a maioria dos Doutores do Brasil foi formada nos anos Os primeiros resultados expressivos do voleibol brasileiro masculino começaram aparecer nos anos 80 (época do período tecnológico), como o vice-campeonato Mundial em 82 e a conquista da medalha de prata na Olimpíada de O período de marketing (1993 a 2010) foi onde as seleções brasileiras masculinas obtiveram mais vitórias, inclusive sagrando-se campeã olímpica em 2004 e tricampeã Mundial em 2002, 2006 e Entretanto, baseado em qual parâmetro pode-se afirmar com exatidão que um dos três períodos do treinamento esportivo aplicados ao voleibol foi superior do que o outro? Consultando as referências dessa modalidade 9-11, não foi encontrado nenhum estudo sobre esse tema. Logo, torna-se uma pesquisa importante para esse esporte. O objetivo do estudo foi de analisar o desempenho do voleibol brasileiro masculino em três períodos do treinamento esportivo (científico, tecnológico e marketing) durante o Mundial e a Olimpíada. Método Amostra A amostra do estudo foi coletada no site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Foram identificadas as colocações da seleção brasileira masculina de voleibol no Campeonato Mundial e nos Jogos Olímpicos. Após esse procedimento, foi consultada no site da CBV a

3 pontuação que a Federação Internacional de Voleibol estabelece conforme a colocação do país no Mundial e na Olimpíada. Em seguida, foi ordenada a colocação com a respectiva pontuação de acordo com o período científico (48 a 72), o período tecnológico (73 a 92) e o período de marketing (93 a 10). Esta investigação foi centrada no Mundial e na Olimpíada porque são os dois campeonatos mais importantes dessa modalidade. A tabela 1 mostra a colocação e a pontuação do voleibol masculino conforme a disputa: Tabela 1. Desempenho do voleibol masculino ao longo dos períodos. Tratamento estatístico Os resultados foram apresentados pela média e desvio padrão. Foi verificada a normalidade dos dados pelo teste de Shapiro-Wilk, sendo identificada uma distribuição não normal. Então, a estatística não paramétrica que calculou a diferença dos pontos dos períodos do treinamento esportivo, sendo através do teste H da Anova de Kruskal-Wallis. Quando necessário, o teste U de Mann-Whitney foi utilizado como post hoc e também foi calculado o tamanho do efeito. Todos os resultados foram aceitos com o nível de significância de p 0,05. Os dados desse estudo foram calculados conforme os ensinamentos de Marques Junior 12. Resultados e discussão A tabela 2 expõe a estatística descritiva da pontuação dos períodos do treinamento esportivo referente ao Campeonato Mundial e aos Jogos Olímpicos.

4 Tabela 2. Média e desvio padrão dos pontos dos períodos no Mundial e na Olimpíada. A Anova de Kruskal-Wallis não detectou diferença significativa (p>0,05) entre os períodos do treinamento esportivo durante o desempenho do voleibol brasileiro masculino no Campeonato Mundial, H (2) = - 0,55. A Anova de Kruskal-Wallis detectou diferença significativa (p 0,05) entre os períodos do treinamento esportivo durante o desempenho do voleibol brasileiro masculino nas Olimpíadas, H (2) = - 11,94. O teste Mann-Whitney identificou diferença significativa (p 0,05) entre o período tecnológico versus o período científico na Olimpíada, U = 0,98, tamanho do efeito = 1,94 grande. O teste Mann-Whitney identificou diferença significativa (p 0,05) entre o período de marketing versus o período científico na Olimpíada, U = 0,99, tamanho do efeito = 1,95 grande. A figura 1 ilustra esse ocorrido. Figura 1. Média e desvio padrão dos pontos dos períodos do treino esportivo na Olimpíada A pontuação do período tecnológico e do período de marketing foi superior ao do período científico (48 a 72) na Olimpíada porque o treino do voleibol brasileiro evoluiu muito durante essas épocas.

5 Talvez, o melhor desempenho do período tecnológico (73 a 92) e do período de marketing (93 a 10) esteja relacionado com o aumento da estatura dos jogadores brasileiros 13, um maior conhecimento dos preparadores físicos sobre os esforços do voleibol 14 podendo identificar a carga do treino físico 15 e da sessão técnica e/ou situacional 16 conforme a quantidade de fundamentos. Portanto, as sessões se tornaram mais específicas no alto rendimento, o atleta só treina a função que vai exercer dentro da quadra. Outro quesito que teve significativo avanço foram os instrumentos sobre análise do jogo do oponente e da sua equipe. Atualmente é conclusivo na literatura do voleibol e utilizado pelo selecionado brasileiro o ataque de bolas de velocidade com o intuito de dificultar as ações do bloqueio e da defesa 17. O saque também é um fundamento que as seleções brasileiras dão muito atenção 18, uma das causas foi demonstrado em pesquisa que o saque forçado gera um ataque mais fácil para o bloqueio porque a armação ofensiva torna-se mais previsível ou acontece um ponto 19. A periodização também contribuiu para a alta performance do voleibol do Brasil no período tecnológico e no período de marketing porque atualmente os técnicos utilizam vários modelos de periodização 20-22, evitando a estagnação do atleta em termos físicos 23 e técnico e tático. Antigamente, até a década de 80, era mais comum a prescrição da periodização de Matveev 24,25, da iniciação ao alto rendimento, podendo comprometer a performance dos voleibolistas. Isso começou a mudar a partir dos anos 90, quando Oliveira 26 mostrou o incremento da força em jovens voleibolistas através da periodização em bloco. O período científico (48 a 72) o voleibol brasileiro obteve a pior média da pontuação na Olimpíada e no Mundial. A causa exata sobre esse fenômeno não pode ser determinada, mas consultando as referências dessa modalidade pode-se evidenciar alguns aspectos. O voleibol de alto rendimento jogado no Brasil era muito atrasado em relação às principais escolas desse esporte, por exemplo, de acordo com Rizola Neto 6, um dia antes do Mundial de 62, a seleção brasileira masculina conheceu a manchete, num amistoso contra a Finlândia. O conhecimento científico dos treinadores, a maneira de estruturar e prescrever o treino, a altura dos atletas, a elaboração da periodização (muitas vezes não era realizada) e outros, eram muitos rudimentares. Inclusive os jogadores não faziam treino físico, toda a sessão era baseada no treino técnico e tático 27. O período tecnológico (73 a 92) foi um momento histórico para o voleibol masculino do Brasil porque ele obteve a sua primeira medalha em Mundial e as primeiras conquistas em Olimpíada (vice-campeão no mundial de 82, prata na olimpíada de 84 e ouro na olimpíada de 92). Uma das causas da evolução do voleibol brasileiro foi a elaboração de um plano de expectativa a partir de 1978, com o intuito das seleções atingirem resultados expressivos nos mundiais e nas

6 olimpíadas 2. Consultando Guimarães e Matta 28, não foi apenas o plano expectativa o responsável pelos primeiro pódios do voleibol masculino, no fim dos anos 70 o voleibol brasileiro começou a praticar preparação física, também o conhecimento científico dos treinadores sobre fisiologia, biomecânica e treinamento melhorou muito. Na prescrição do treino físico já era sabido que o voleibol era um esporte intermitente, acíclico e o metabolismo energético predominante no rali era a ATP-CP 29, facilitando os treinadores em estruturar o treino cardiorrespiratório através do treino intervalado ou pelo fartlek. Porém, como nessa época, principalmente nos anos 70 e 80, era muito utilizado o modelo de Matveev 30, as sessões físicas davam muita atenção ao treino aeróbio no início da temporada. Contudo, alguns treinadores não conseguiram interpretar sobre os estudos de esforços, por exemplo, um jogador de voleibol percorre 5 km numa partida, então o preparador físico acabava prescrevendo 5 km de corrida contínua. A seleção masculina que foi medalha de prata na Olimpíada de 84 praticou treino de corrida contínua 25. O ideal para a sessão dos voleibolistas é o fartlek porque esses 5 km consistem em deslocamentos velozes para efetuar os saltos, corrida para trás, deslocamento lateral e outras ações. Portanto, a ênfase do treino físico durante o período tecnológico (73 a 92) era o trabalho aeróbio, mas no estudo de McGown et alii 31 foi evidenciado que um atleta de voleibol não necessita de excelente VO2máx porque ele consegue jogar com qualidade se a potência aeróbia máxima for mediana, o mais importante do treino físico é o trabalho de força rápida na musculação e força reativa no salto em profundidade. Esses dados para época eram muito novos, levando alguns treinadores a não concordar. Atualmente sabe-se que o treino de força é fundamental para o voleibolista porque otimiza os componentes neuromusculares e causa um incremento no VO2máx 22,32. Durante o período tecnológico a estatura do selecionado brasileiro, principalmente do masculino nos anos 80, aumentou 33, talvez esse ocorrido tenha proporcionado uma melhora no bloqueio e na cortada. Em relação ao aspecto técnico e tático do voleibol masculino nos anos 80, a seleção jogava com uma alta variação ofensiva e com muitas bolas de velocidade porque era o único meio de compensar a baixa estatura, quando comparada com a União Soviética e os Estados Unidos 34. Também foi o momento que foi difundido o saque em suspensão (denominado de Viagem ao Fundo do Mar) e o saque por baixo com elevada trajetória da bola (Jornada nas Estrelas) (Obs.: Existem informações na literatura do voleibol, que nos anos 50 e 60, ambos os tipos de saque já eram praticados.). O ponto fraco dessa geração era o bloqueio, provavelmente por causa da estatura inferior as principais escolas.

7 Conclusão O período tecnológico (73 a 92) e o período de marketing (93 a 10) obtiveram mais pontos do que o período científico (48 a 72), talvez uma das causas dessa evolução do voleibol brasileiro foi o maior conhecimento científico dos treinadores e a partir de 93 essa modalidade se tornou mais tradicional no país, contribuindo com uma massificação ainda maior desse esporte. Em conclusão, o estudo dos períodos do treinamento esportivo no voleibol masculino é importante para o leitor entender a evolução dessa modalidade no Brasil. Referências 1. Tubino M, Moreira S (2003). Metodologia científica do treinamento desportivo. 13ª ed. Rio de Janeiro: Shape. 2. Dantas E (1995). A prática da preparação física. 3ª ed. Rio de Janeiro: Shape. 3. Almeida H, Almeida D, Gomes A (2000). Uma ótica evolutiva do treinamento desportivo através da história. Rev Trein Desp 5(1): , Tubino M (1993). Metodologia científica do treinamento desportivo. 11ª ed. São Paulo: Ibrasa. 5. Melo V (2006). História da educação física e do esporte no Brasil. 3ª ed. São Paulo: Ibrasa. 6. Rizola Neto A (2003). Uma proposta de preparação para equipes jovens de voleibol feminino. 114 f. Dissertação, UNICAMP, Campinas. 7. Barbanti V, Tricoli V, Ugrinowitsch C (2004). Relevância do conhecimento físico na prática do treinamento físico. Rev Paul Educ Fís 18 (nº esp.): Zary J, Fernandes Filho J (2007). Identificação do perfil dermatoglífico e somatotípico dos atletas de voleibol masculino adulto, juvenil e infanto-juvenil, de alto rendimento no Brasil. Rev Bras Ciên Mov 15(1): Cabral B et alii (2011). Efeito discriminante da morfologia e alcance de ataque no nível de desempenho em voleibolista. Rev Bras Cineantopom Desempenho Hum 13(3): Neves T et al (2011). Comparison of the traditional, swing, and chicken wing volleyball blocking techniques in NCAA division I female athletes. J Sports Sci Med 10(3): Almeida R et alii (2010). Descrição qualitativa da técnica de deslocamento do jogador de meio de rede no voleibol em situação de contra-ataque. Rev Mackenzie Educ Fís Esp 9(2): Marques Junior N (2012). Estatística aplicada ao esporte e a atividade física. Rio de Janeiro: s.ed. 13. Arruda M, Hespanhol (2008). Fisiologia do voleibol. São Paulo: Manole, 2008.

8 14. Vieira G, Fernandes Filho J (2010). Análise dos parâmetros quantitativos de saltos e origem dos pontos e temporais de esforço e pausa em uma partida de voleibol masculino adulto entre Brasil e Cuba, na fase preliminar, realizada em julho de 2007, no Pan- Americano do Rio de Janeiro. Rev Dig Educ Fís Deportes 15(144): Rocha M, Barbanti V (2007). Análise das ações de saltos de ataque, bloqueio e levantamento no voleibol feminino. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 9(3): Marques Junior N (2009). Fundamentos praticados pelo defensor durante o jogo de voleibol na areia. Conexões 7(1): Castro J, Mesquita I (2008). Estudo das implicações do espaço ofensivo nas características do ataque no voleibol masculino de elite. Rev Port Ciên Desp 8(1): Rezende B et alii (2003). A atual da preparação da seleção brasileira de voleibol masculina. Rev Educ Fís (127): Ureña A et alii (2000). La facilitación defensiva a través del saque en el voleibol femenino de alto nivel. Motricidad. Eur J Hum Mov (6): Oliveira P (2008). O modelo das cargas concentradas de força. In. Oliveira P. (Org.). Periodização contemporânea do treinamento desportivo. São Paulo: Phorte, Rigolin da Silva L et alii (2004). Evolução da altura de salto, da potência anaeróbia e da capacidade anaeróbia em jogadoras de voleibol de alto nível. Rev Bras Ciên Esporte 26(1): Simões R et alii (2009). Efeitos do treinamento neuromuscular na aptidão cardiorrespiratória e composição corporal em atletas de voleibol do sexo feminino. Rev Bras Med Esporte 15(4): Marques Junior N (2009). O efeito da periodização em um atleta de voleibol na areia 1999 a Mov Percep 10(15): Rocha P (1976). A marcha do voleibol moderno nas olimpíadas de Montreal. Rev Educ Fís: Rocha P (1983). Preparação física da seleção brasileira masculina de voleibol. Sprint 2(7): Oliveira P (1998). O efeito posterior duradouro de treinamento das cargas concentradas de força investigação a partir de ensaio com equipes infanto-juvenil e juvenil de voleibol. 187 f. Tese de Doutorado, UNICAMP, Campinas. 27. Tani G (2002). Aprendizagem motora e esporte de rendimento: um caso de divórcio sem casamento. In. Barbanti V et al (Org.). Esporte e atividade física. São Paulo: Manole. p Guimarães G, Matta E (2004). Uma história comentada da transformação do voleibol. Rev Educ Fís (128):79-88.

9 29. Künstlinger U, Ludwig H, Stegemann J (1987). Metabolic changes during volleyball matches. Int J Sports Med 8(5): Marques Junior N (2006). Periodização tática: uma nova organização do treinamento para duplas masculinas do voleibol na areia de alto rendimento. Rev Min Educ Fís 14(1): McGown C et al (1990). Gold medal volleyball: the training program and physiological profile of the 1984 Olympic Champions. Res Q Exerc Sport 61(2): Altini Neto A, Pellegrinotti I, Montebelo M (2006). Efeitos de um programa de treinamento neuromuscular sobre o consumo máximo de oxigênio e salto vertical em atletas iniciantes de voleibol. Rev Bras Med Esporte 12(1): Marques Junior N (2005). Testes para o jogador de voleibol. Rev Min Educ Fís 13(1): Araújo J (1994). Voleibol moderno: sistema defensivo. Rio de Janeiro: GPS.

Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010

Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010 Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010 Estatura de las jugadoras brasileñas de alto rendimiento de voleibol en la arena, 1993 a 2010 Height of the Brazilian female

Leia mais

Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011

Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011 Estatura dos brasileiros do voleibol na areia masculino de alto nível, 1987 a 2011 Estatura de los jugadores brasileños de voleibol en la arena masculino de alto nivel, 1987 a 2011 Height of the Brazilian

Leia mais

Sugestão da divisão do voleibol por categorias de estatura

Sugestão da divisão do voleibol por categorias de estatura Sugestão da divisão do voleibol por categorias de estatura Suggestion of the division of the volleyball by height categories Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson

Leia mais

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

Balanceio dos braços na cortada do voleibol

Balanceio dos braços na cortada do voleibol Balanceio dos braços na cortada do voleibol El balanceo de brazos en la cortada de voleibol Arms swing in spike volleyball Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner

Leia mais

A contribuição norte-americana para o voleibol

A contribuição norte-americana para o voleibol A contribuição norte-americana para o voleibol Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) La contribución de Estados Unidos al voleibol The North American contribution for the

Leia mais

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia

Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia Los fundamentos practicados por el bloqueador del voleibol en la arena Skills practices by block player of the sand volleyball Mestre em Ciência

Leia mais

Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol

Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol Fundamentos ejecutados por el central durante el partido de voleibol Skills practices by center blocker during the volleyball match Mestre

Leia mais

Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008

Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008 Medalhas do Brasil nos Jogos Olímpicos, 1920 a 2008 Medallas de Brasil en los Juegos Olímpicos, 1920 a 2008 Brazil medals in the Olympic Games 1920 to 2008 Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela

Leia mais

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 166, Marzo de

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 166, Marzo de Evidências científicas sobre os fundamentos do voleibol na areia Evidencias científicas sobre los fundamentos del voleibol en la arena Scientific studies about the beach volleyball skills Mestre em Ciência

Leia mais

Olimpíada Rio "Voleibol, um jogo que é ouro"

Olimpíada Rio Voleibol, um jogo que é ouro Olimpíada Rio 2016 "Voleibol, um jogo que é ouro" Olimpiadas Investimento Segundo informações da Autoridade Pública Olímpica (APO), os gastos com os jogos eram estimados em R$ 28,8 bilhões quando a candidatura

Leia mais

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino

Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Pontos dos golpes durante o kumitê de competição do karatê shotokan masculino Puntaje de los golpes durante el kumité de competición de karate shotokan masculino Scores of the techniques during the male

Leia mais

Periodização tática. Periodización táctica Tactical periodization

Periodização tática. Periodización táctica Tactical periodization Periodização tática Periodización táctica Tactical periodization Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior nk-junior@uol.com.br Resumo A maioria dos

Leia mais

Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra

Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugestão do teste de salto com bola para jogadores do voleibol na quadra Sugerencia de una prueba de salto con pelota para jugadores de voleibol en sala Suggestion of the jump ball test for the indoor

Leia mais

História do voleibol, parte 1

História do voleibol, parte 1 História do voleibol, parte 1 La historia del voleibol, parte 1 History of the volleyball, part 1 Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior nk-junior@uol.com.br

Leia mais

Fundamentos praticados por uma equipe feminina de voleibol sub 15 durante o campeonato paranaense de 2015

Fundamentos praticados por uma equipe feminina de voleibol sub 15 durante o campeonato paranaense de 2015 ARTÍCULO / ARTICLE Educación Física y Ciencia, vol. 19, nº 1, e028, junio 2017. ISSN 2314-2561 Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación

Leia mais

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL.

EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. 1117 EFICIÊNCIA DO COMPORTAMENTO TÁTICO DOS JOGADORES DE FUTEBOL DE ACORDO COM O ESTATUTO POSICIONAL. Elton Ribeiro Resende /NUPEF - UFV Fernanda Lobato/NUPEF - UFV Davi Correia da Silva/NUPEF UFV Israel

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42

LISTA DE TABELAS. Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42 viii LISTA DE TABELAS Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável... 41 TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42 TABELA 3 O cluster em que cada atleta se apresenta... 42 TABELA 4 O somatotipo

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO JOGO DE DUPLAS NO BADMINTON: ESTRUTURA TEMPORAL E VARIÁVEIS METABÓLICAS E FISIOLÓGICAS DE DESEMPENHO.

CARACTERÍSTICAS DO JOGO DE DUPLAS NO BADMINTON: ESTRUTURA TEMPORAL E VARIÁVEIS METABÓLICAS E FISIOLÓGICAS DE DESEMPENHO. CARACTERÍSTICAS DO JOGO DE DUPLAS NO BADMINTON: ESTRUTURA TEMPORAL E VARIÁVEIS METABÓLICAS E FISIOLÓGICAS DE DESEMPENHO. Loani Landin Istchuk (UEL), Luana Shizue Hirata (UEL), Lucélia Batista de Almeida,

Leia mais

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010

Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Gols e partidas da Copa do Mundo do Futebol, 1930 a 2010 Goles y partidos de la Copa del Mundo de Fútbol, 1930 a 2010 Goals and matches in Soccer World Cup, 1930 to 2010 Mestre em Ciência da Motricidade

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

Biomecânica da base baixa do karatê shotokan

Biomecânica da base baixa do karatê shotokan Biomecânica da base baixa do karatê shotokan Biomecánica de la base baja en el karate shotokan Biomechanics of the low base of the shotokan karate Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB

Leia mais

Vôlei de Quadra Um Esporte de Garra! Edneuza F. Silva Braga

Vôlei de Quadra Um Esporte de Garra! Edneuza F. Silva Braga Vôlei de Quadra Um Esporte de Garra! Edneuza F. Silva Braga Um esporte de equipe, garra, talento, criatividade e muita técnica. O segundo no gosto dos brasileiros, depois do futebol. Vôlei de quadra é

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica A PERIODIZAÇÃO DE MATVEEV MELHORA O SALTO VERTICAL DO ATLETA DE VOLEIBOL DE ALTO NÍVEL? 29 Nelson Kautzner Marques Junior 1 RESUMO O salto vertical é uma ação determinante no jogo de voleibol. A periodização

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SILVA, Maria Rita Rezende 1 VESPASIANO, Bruno de Souza 2 1 Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

Características do jogo de duplas no badminton: estrutura temporal e variáveis metabólicas e fisiológicas de desempenho.

Características do jogo de duplas no badminton: estrutura temporal e variáveis metabólicas e fisiológicas de desempenho. Características do jogo de duplas no badminton: estrutura temporal e variáveis metabólicas e fisiológicas de desempenho. Loani Landin Istchuk (UEL), Luana Shizue Hirata (UEL), Lucélia Batista de Almeida,

Leia mais

5/3/2009. Antonio Carlos Gomes, PhD

5/3/2009. Antonio Carlos Gomes, PhD Antonio Carlos Gomes, PhD Estratégias voltadas para a Formação integral do atleta 1 ? QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS Ações na preparação a longo prazo 2 Fábrica? Usina? Indústria? MEDALHA OLÍMPICA? VOU SER CAMPEÃO?

Leia mais

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento plurianual Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento de longo prazo Procedimento determinante na formação de um atleta de alto desempenho É comum estruturações de treinamentos

Leia mais

Autor(es) GABRIEL HENRIQUE BARBOSA. Orientador(es) ÍDICO LUIZ PELLEGRINOTTI. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) GABRIEL HENRIQUE BARBOSA. Orientador(es) ÍDICO LUIZ PELLEGRINOTTI. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO TREINAMENTO NO PERÍODO COMPETITIVO NO SALTO EM DISTÂNCIA E DE AGILIDADE EM ATLETAS JUVENIS DE ATLETISMO Autor(es) GABRIEL HENRIQUE BARBOSA

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL Modelo de Gestão Confederação Brasileira de Voleibol Entidade privada sem fins econômicos, responsável pela gestão do voleibol no Brasil; Administração profissionalizada:

Leia mais

O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação

O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação O efeito do treino da visão periférica no ataque de iniciados do futsal: uma análise sobre os estudos de uma dissertação El efecto del entrenamiento de la visión periférica en el ataque en la iniciación

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO Loani Landin Istchuk / UEL Wilton Carlos de Santana / UEL Hélcio Rossi Gonçalves / UEL loaniistchuk@hotmail.com

Leia mais

Proposta de Patrocínio

Proposta de Patrocínio Proposta de Patrocínio FUTEVÔLEI O futevôlei é o esporte genuinamente brasileiro, que se expandiu do Brasil para o mundo e está conquistando dia a dia mais adeptos em todos os continentes. Com suas jogadas

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 148, Septiembre de / 1

EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 148, Septiembre de / 1 Parâmetros morfológicos e neuromotores em atletas de futsal de diferentes categorias Parámetros morfológicos y neuromotores en jugadores de fútbol sala de distintas *Universidade Metodista de Piracicaba,

Leia mais

PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE

PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE 2005 Antônio Rizola Neto (1) Cristino Julio Alves da Silva Matias (2) Pablo Juan Greco (2)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012

DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012 DESENVOLVIMENTO DO RUGBY BRASILEIRO: panorama de 2009 a 2012 Eraldo dos Santos Pinheiro Mauricio Migliano Gabriel Gustavo Bergmann Adroaldo Gaya INTRODUÇÃO Praticantes e fãs de Rugby em algum momento já

Leia mais

Prof. Esp. Ricardo de Barros

Prof. Esp. Ricardo de Barros Prof. Esp. Ricardo de Barros Riccardo Rambo Potencial motor do organismo humano Sistema nervoso central, sistema neuromuscular e sistema de abastecimento energético Estrutura morfo-funcionalespecializada

Leia mais

COMPARAÇÃO DO TEMPO DE REAÇÃO SIMPLES ENTRE ATACANTES CENTRAIS E ATACANTES OPOSTOS DE VOLEIBOL ADULTO MASCULINO

COMPARAÇÃO DO TEMPO DE REAÇÃO SIMPLES ENTRE ATACANTES CENTRAIS E ATACANTES OPOSTOS DE VOLEIBOL ADULTO MASCULINO COMPARAÇÃO DO TEMPO DE REAÇÃO SIMPLES ENTRE ATACANTES CENTRAIS E ATACANTES OPOSTOS DE VOLEIBOL ADULTO MASCULINO RONALDO NASCIMENTO MACIEL ANDERSON PONTES MORALES CARLOS EDUARDO LOPES BIANCHI DOS GUARANYS

Leia mais

SERVICO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA

SERVICO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA Departamento: SERVICO PÚBLICO FEDERAL Educação Unidade: Faculdade de Educação Física Física Curso: BACHARELADO Grade Curricular 2012 Disciplina: PRÁTICAS CORPORAIS NO CAMPO DA SAÚDE Código: 9 Vigência:

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO

EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO Larissa Resende Mendonça (UFMT), Alexandre Souza Nunes (UFMT),

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva...

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva... Treinamento desportivo 13 Sumário INTRoDUÇÃO...19 1 Princípios científicos da preparação desportiva...21 preparação desportiva, leis e regras... 21 princípios pedagógicos da preparação desportiva... 21

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica ANÁLISE DO JOGO DE VOLEIBOL: ENSINO DA EXECUÇÃO DESSA TAREFA COM EXCEL 112 Nelson Kautzner Marques Junior 1 Danilo Arruda 2 RESUMO A análise do jogo de voleibol é considerada na literatura desse esporte

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1º A competição será para alunos devidamente matriculados na Instituição de Ensino - Univale. ART. 2º As pessoas físicas que participarem do evento consideradas

Leia mais

Canoagem. Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento

Canoagem. Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Canoagem Heros Ferreira Diretor Técnico Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Diretor Técnico da Seleção Brasileira de Canoagem Velocidade Departamento de Ciências do Esporte Licenciado

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica ANÁLISE DA QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES MOTORAS E DA ESTRUTURA TEMPORAL NO BADMINTON 782 Thamie Tusi Fontes 1, István de Abreu Dobránszky 1 João Guilherme Cren Chiminazzo 2, Anderson Marque de Morais 1 RESUMO

Leia mais

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves 2012 PLANEJAMENTO DE TRABALHO PERIODIZAÇÃO Periodização é o planejamento geral do tempo disponível para o treinamento, de acordo com as

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO EDITAL Nº 003/2016, DE 14 DE JANEIRO DE 2016 Seleção para Alunos de Pós-Graduação Lato Sensu para

Leia mais

Prof. Ms. Antonio Rizola Neto Tutor SOI Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento

Prof. Ms. Antonio Rizola Neto Tutor SOI Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento Prof. Ms. Antonio Rizola Neto Tutor SOI Programa de Desenvolvimento da Estrutura de Treinamento 1 APRESENTAÇÃO Formado Ed. Física (PUCC- 1979) Especialista em Atletismo(PUCC,1978) Voleibol (PUCC-1979),

Leia mais

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO Angélica Weschenfelder Martim Bianco 1 Prof Orientador: Osvaldo Donizete Siqueira RESUMO A verificação das condições

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

História do voleibol na areia

História do voleibol na areia História do voleibol na areia Historia del beach voleibol History of the beach volleyball Mestre em Ciência da Motricidade Humana (CMH) pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior nk-junior@uol.com.br

Leia mais

Treino novo para o esporte

Treino novo para o esporte Treino novo para o esporte Entrenamiento novedoso para el deporte New training for the sport Mestre em Ciência da Motricidade Humana pela UCB do RJ (Brasil) Nelson Kautzner Marques Junior nk-junior@uol.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

Equipamento recomendado para proteger o voleibolista durante o jogo de voleibol

Equipamento recomendado para proteger o voleibolista durante o jogo de voleibol Equipamento recomendado para proteger o voleibolista durante o jogo de voleibol El equipamiento recomendado para proteger al voleibolista durante el juego de voleibol Equipment recommended for protect

Leia mais

O Voleibol nos Jogos Olímpicos

O Voleibol nos Jogos Olímpicos O Voleibol nos Jogos Olímpicos - Avaliação de Aprendizagem - Diretrizes do Ensino Geografia e Historia. - Leitura e Escrita do Ensino Fundamental Fernanda de Andrade Nascimento RA 11512572 O Voleibol nos

Leia mais

EFICÁCIA DOS MÉTODOS PLIOMÉTRICO E POWER TRAINING NO DESEMPENHO DO SALTO VERTICAL EM VOLEIBOLISTAS INFANTIL E INFANTO-JUVENIL

EFICÁCIA DOS MÉTODOS PLIOMÉTRICO E POWER TRAINING NO DESEMPENHO DO SALTO VERTICAL EM VOLEIBOLISTAS INFANTIL E INFANTO-JUVENIL EFICÁCIA DOS MÉTODOS PLIOMÉTRICO E POWER TRAINING NO DESEMPENHO DO SALTO VERTICAL EM VOLEIBOLISTAS INFANTIL E INFANTO-JUVENIL 1 INTRODUÇÃO PRISCILA RANGEL SAMPAIO Centro Universitário Vila Velha - UVV,

Leia mais

FLAGBOL. Profº Paulo Fernando Mesquita Junior

FLAGBOL. Profº Paulo Fernando Mesquita Junior FLAGBOL Profº Paulo Fernando Mesquita Junior Nascido a partir de uma variação mais suave do futebol americano, o Flagbol começou a desenvolver-se como modalidade esportiva no início dos anos 40, em bases

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO CAMPUS: Goiabeiras - CEFD CURSO: Educação Física UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE ENSINO 2016.2 HABILITAÇÃO: Licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica

Leia mais

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010

Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 Copa do Mundo de Futebol: desempenho dos países sedes, 1930 a 2010 La Copa del Mundo de Fútbol: rendimiento de los países sedes, 1930 a 2010 Soccer World Cup: performance of the home countries, 1930 to

Leia mais

Rede Nacional de Treinamento Atletismo. Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo. Relatório março Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez

Rede Nacional de Treinamento Atletismo. Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo. Relatório março Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez Rede Nacional de Treinamento Atletismo Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo Relatório março 2017 Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez Gerente de Esporte I CNTA São Paulo Treinadores: Anísio

Leia mais

CARGA HORÁRIA: 90H CRÉDITOS:

CARGA HORÁRIA: 90H CRÉDITOS: EDUCAÇÃO FÍSICA MUNICÍPIO: TERESINA DISCIPLINA: TEORIA E PRÁTICA DO TREINAMENTO DESPORTIVO CARGA HORÁRIA: 90H CRÉDITOS: 2.4.0 Evolução do treinamento desportivo. Princípios Científicos do Treinamento Desportivo.

Leia mais

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo Programa de Disciplina Treino e Avaliação das Qualidades Físicas FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Mestrado em Treino Desportivo TREINO E AVALIAÇÃO DAS QUALIDADES FÍSICAS Programa da Disciplina Prof. Associado

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE

Leia mais

Vôlei - do lazer ao pódio. A história da atual paixão nacional

Vôlei - do lazer ao pódio. A história da atual paixão nacional Vôlei - do lazer ao pódio A história da atual paixão nacional YMCA - Associação Cristã de Moços O vôlei foi criado pelo educador físico Willian Morgan no final do século XIX nos Estados Unidos como uma

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 2009.

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 2009. ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO SAQUE NO VOLEIBOL FEMININO DO MUNDIAL DE 200. Neryano Ferraz Pazetto (UEL), Juliana Astolpho Lopes (UEL), Karina Alves da Silva (UEL), Marcos Augusto Rocha (UEL) RESUMO Trata-se

Leia mais

ANÁLISE DO JOGO EM FUNÇÃO DO LOCAL E DO NÚMERO DO SET NA PERFORMANCE EM JOGOS DE VOLEIBOL DE ALTO NÍVEL

ANÁLISE DO JOGO EM FUNÇÃO DO LOCAL E DO NÚMERO DO SET NA PERFORMANCE EM JOGOS DE VOLEIBOL DE ALTO NÍVEL ANÁLISE DO JOGO EM FUNÇÃO DO LOCAL E DO NÚMERO DO SET NA PERFORMANCE EM JOGOS DE VOLEIBOL DE ALTO NÍVEL Paulo Vicente João / UTAD-CIDESD Paulo Beça / UTAD Luis Vaz / UTAD-CIDESD pvicente@utad.pt Palavras-chave:

Leia mais

O MonteCristo é uma organização sem fins lucrativos que tem o objetivo de fomentar e massificar o voleibol no estado de Goiás.

O MonteCristo é uma organização sem fins lucrativos que tem o objetivo de fomentar e massificar o voleibol no estado de Goiás. O MonteCristo é uma organização sem fins lucrativos que tem o objetivo de fomentar e massificar o voleibol no estado de Goiás. Educação Valores Esporte Violência Drogas Vulnerabilidade Desde 2008 nosso

Leia mais

MUNICÍPIO: TERESINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA COORDENADORA: ALDORA MARIA LEBRE FERREIRA CAMPUS / POLO DE REALIZAÇÃO: CAMPUS MINISTRO PETRÔNIO PORTELLA

MUNICÍPIO: TERESINA CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA COORDENADORA: ALDORA MARIA LEBRE FERREIRA CAMPUS / POLO DE REALIZAÇÃO: CAMPUS MINISTRO PETRÔNIO PORTELLA DISCIPLINA: TEORIA E PRÁTICA DO TREINAMENTO DESPORTIVO CARGA HORÁRIA: 90H CRÉDITOS: 2.4.0 Evolução do treinamento desportivo. Princípios Científicos do Treinamento Desportivo. Fundamentos do treinamento

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 8 COPA DO MUNDO DE 214: DADOS ESTATÍSTICOS DAS QUATRO MELHORES EQUIPES Nelson Kautzner Marques Junior 1 RESUMO O objetivo do estudo foi apresentar a estatística das quatro melhores seleções da Copa do

Leia mais

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO

V Encontro de Pesquisa em Educação Física EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 159 A 164 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 2ª ª Parte ARTIGO ORIGINAL EFEITOS DE UM PROGRAMA DE TREINAMENTO SOBRE OS COMPONENTES DE APTIDÃO FÍSICA EM ATLETAS

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 153 ALTERAÇÕES DE INDICADORES NEUROMUSCULARES EM ATLETAS DE FUTSAL DURANTE UM MACROCICLO Ricardo Alexandre Rodrigues Santa Cruz 1,2,3, Ramon Martins de Oliveira 1,3 Carlos Antonio Feu Galiasso 2, Ídico

Leia mais

Medidas e Avaliação da Atividade Motora

Medidas e Avaliação da Atividade Motora Escola de Educação Física e Esporte da USP Tema da aula: Conceitos Básicos Medidas e Avaliação da Atividade Motora Objetivos da aula: Conceituar: medida, teste, avaliação Compreender as etapas do processo

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica 525 ANÁLISE DO JOGO DE VOLEIBOL COM NOVO SCOUT ELABORADO NO EXCEL Nelson Kautzner Marques Junior 1 Danilo Arruda 2,3 RESUMO A análise do jogo de voleibol é considerada na literatura desse esporte como

Leia mais

Palavra-Chave: fundamentos, aprendizagem, vôlei, salto vertical, iniciação esportiva.

Palavra-Chave: fundamentos, aprendizagem, vôlei, salto vertical, iniciação esportiva. 1 Fundamentos do movimento no salto vertical para o bloqueio de voleibol. *Juliana Brito / Robson Feitosa / Diego Faiad ** Dd. Jefferson Campos Lopes * Estudantes de Educação Física, na faculdade Unibr.

Leia mais

PALESTRA. Hélder Antunes. 23 de Abril de Ourém

PALESTRA. Hélder Antunes. 23 de Abril de Ourém PALESTRA Hélder Antunes 23 de Abril de 2010 - Ourém O Hóquei em Patins é certamente a modalidade desportiva em que Portugal conquistou mais títulos, quer a nível de Selecções como de Clubes. Breve Introdução

Leia mais

Habilidades motoras específicas do basquetebol e formação técnica do treinador

Habilidades motoras específicas do basquetebol e formação técnica do treinador Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, Año 13, Nº 122, Julio de 2008. http://www.efdeportes.com/efd122/habilidades-motoras-especificas-do-basquetebol.htm Habilidades motoras

Leia mais

Olimpíadas Brasil 2016 Volei de Praia

Olimpíadas Brasil 2016 Volei de Praia Olimpíadas Brasil 2016 Volei de Praia http://www.rotad osertao.com VOLEI DE PRAIA / HISTÓRIA O Vôlei de Praia, que tem sua origem no vôlei de quadra, é um esporte praticado na areia. Foi criado no estado

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 RESUMO COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO E SEDENTÁRIOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 Danilo Cardoso de Sá dos Santos Profa. Ma. Giseli de Barros Silva Centro Universitário

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN versão eletrônica EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS SOBRE OS FUNDAMENTOS DO VOLEIBOL: IMPORTÂNCIA DESSE CONTEÚDO PARA PRESCREVER O TREINO 78 Nelson Kautzner Marques Junior 1 RESUMO O objetivo da revisão foi apresentar o efeito dos

Leia mais

Comportamentos observados em tenistas com diferentes níveis de desempenho máximo em competições amadoras

Comportamentos observados em tenistas com diferentes níveis de desempenho máximo em competições amadoras Grupo de Pesquisa em Avaliação da qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho Ponta Grossa PR Brasil v. 02, n. 01, jan./jun. 2017, p. 37-41 DOI: 10.24222/2525-3395.2017v2n1p037 REVISTA STRICTO SENSU

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL CURSO NACIONAL DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL CURSO NACIONAL DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA ANEXO 1 FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE CURSOS DE TREINADORES DE VOLEIBOL DE QUADRA 1. Informações Gerais: FEDERAÇÃO / INSTITUIÇÃO: ENDEREÇO: CIDADE: ESTADO: CEP.: TELEFONES: FAX: CONTATO (Nome): 2. Dados Específicos:

Leia mais

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5

Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios Científicos do TREINAMENTO DESPORTIVO AULA 5 Princípios do Treinamento: São os aspectos cuja observância irá diferenciar o trabalho feito à base de ensaios e erros, do científico. (DANTAS, 2003)

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades físicas

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Código Unidade 040 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso Etapa Sem. / Ano EDUCAÇÃO FISICA 4ª. ETAPA

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE BOLA ENTRE EQUIPES BRASILEIRAS EM UMA COMPETIÇÃO REGIONAL

COMPARAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE BOLA ENTRE EQUIPES BRASILEIRAS EM UMA COMPETIÇÃO REGIONAL 708 ROLHFS, I. C. P. M; et al. A escala de humor de Brunel (Brums): instrumetno para detecção precoce da síndrome do excesso de treinamento. Rev Bras Med Esporte. v. 14, n. 3, mar/jun, p. 176-181, 2008.

Leia mais