Palavra-Chave: fundamentos, aprendizagem, vôlei, salto vertical, iniciação esportiva.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavra-Chave: fundamentos, aprendizagem, vôlei, salto vertical, iniciação esportiva."

Transcrição

1 1 Fundamentos do movimento no salto vertical para o bloqueio de voleibol. *Juliana Brito / Robson Feitosa / Diego Faiad ** Dd. Jefferson Campos Lopes * Estudantes de Educação Física, na faculdade Unibr. **Doutorando em Ciências do Desporto/UTAD. Resumo O objetivo desse estudo é compreender as relações existentes entre o processo ensino e aprendizagem do voleibol de praia e os aspectos de fundamentos do bloqueio. Utilizando-se da revisão entre duas faixas etárias: dos 6 anos de idade até os 18 anos e dos 19 até 31anos. Para tal estaremos analisando artigos encontrados em sites como Google Acadêmico, ResearchGate, repositório Institucional, livros e revistas desde 2002 até Serão apresentados alguns fatores importantes, que apontarão tópicos referentes ao porte físico, maturidade, e resistência física a cada fase da vida em relação ao desempenho do salto vertical. Concluímos que, as diferentes idades não só dependem de cada abordagem, mas também da puberdade individual de cada criança em sua aprendizagem motora. Palavra-Chave: fundamentos, aprendizagem, vôlei, salto vertical, iniciação esportiva.

2 2 Abstract The aim of this study is to understand the relationship between the teaching and learning process of the beach volleyball and the fundamentals aspects of the blockade. Using the review between two age range: 6 years old until the 18 years and 19 to 31anos. To this end we will be analyzing articles found on sites such as Google Scholar, ResearchGate, Institutional Repository, books and magazines since 2002 until Will be presented some important factors, which will point topics related to physique, maturity, and stamina at every stage of life regarding the performance of the vertical jump. We conclude that the different ages not only depend on each approach, but also of the individual child's puberty in your motor learning. Key words: fundamentals, learning, volleyball, vertical Jump, sport initiation Introdução O voleibol foi criado por William George Morgan em 1895, na cidade de Holyoke, estado de Massachusetts, Estados Unidos. O voleibol é um jogo praticado entre duas equipes de seis jogadores, dentro de uma quadra retangular dividida em dois quadrados iguais, separados por uma rede. O objetivo do jogo é fazer com que a bola passe sobre a rede e caia dentro dos limites da quadra adversária. Cada equipe pode tocar três vezes na bola e cada jogador não pode fazê-lo seguidamente. Os golpes na bola geralmente desferidos com as mãos e com os antebraços devem ser instantâneos, não sendo permitido retê-la. Os pontos são disputados a partir de uma ação denominada saque e consegue o ponto em disputa a equipe que alcançar o objetivo do jogo. As partidas são disputadas em sets de 25 pontos exceto o quinto set, jogado em 15 pontos saindo-se vitoriosa a equipe que vencer três sets. (Bizzocchi, 2013 p. 1-2). Segundo (Rubio, 2006 p. 328) o vôlei de praia nasceu como uma derivação do voleibol e era o passa tempo favorito dos soldados americanos na

3 3 década de 30. No país em que nasceu (EUA), o voleibol sempre foi muito praticado nas praias, principalmente da Califórnia, sendo o de quadra pouco aceito na maioria dos estados. Até os anos 1980, a única contribuição significativa para o desenvolvimento técnico ou tático do esporte havia sido o saque tipo tênis flutuante, introduzido no Mundial de 1956, (Bizzocchi, 2013-p.33-34). Diz que, Há controvérsias quanto à chegada do volei no brasil. Alguns autores informam que aconteceu em Recife, Pernambuco, em Outros dizem que foi na ACM de São Paulo, em 1916 (Bizzocchi, 2013 p.7). Já o volei de praia, foi [...] praticado desde o século xx em cidades litorâneas, principalmente dos estados unidos e, posteriormente, do Brasil, o volei de praia possuia um caráter exclusivamente recreativo. (Bizzocchi, 2013-p.6,7). Com o tempo foi ganhando ares mais sério e virando esporte competitivo (Bizzocchi, 2013-p.7). No Brasil o volei de praia começou a ser praticado nas areias de Copacabana, Ipanema e Leblon.(Rubio, 2006 p. 328). Em 1993, foi realizado o primeiro Circuito Mundial, o torneiro mais importante do calendário, desenvolvido quase durante quase o ano todo. (Bizzocchi, 2013-p.7). Foi aceito como esporte olímpico e disputado pela primeira vez em atlanta, em Nos jogos olimpicos de Londres, em 2012, 48 duplas representam seus países nas disputas masculinas e femininas (Bizzocchi, 2013 p. 7). As virtudes das praias brasileiras não ficam restritas às paisagens que o país tem a oferecer. Nas areias, os atletas exibem habilidade, garra e foco, algumas das características que foram determinantes para a conquista de 11 medalhas em apenas cinco edições dos Jogos Olímpicos. Foram dois ouros, seis pratas e três bronzes. Ao todo, 12 mulheres e seis homens subiram ao pódio no vôlei de praia para representar o Brasil. [...] colocaram o Brasil na elite internacional do voleibol de praia (Batista, 2008). A primeira medalha de ouro foi conquistada no mesmo ano em que o esporte passava a integrar o programa dos Jogos Olímpicos. Jacqueline e Sandra foram as melhores em Atlanta-1996 e deram início às vitórias brasileiras no vôlei de praia, prenunciando nomes como Emanuel, três vezes medalhista olímpico, tendo faturado o ouro em Atenas-2004 ao lado de Ricardo. Experientes e com muitos títulos na bagagem, os atletas do vôlei de praia são esperanças de mais medalhas para o país nas areias da capital fluminense em 2016, (Brasil2016, 2015).

4 4 Salto vertical no Bloqueio (Fase Preparatória). Em posição de expectativa, o jogador deverá estar com as pernas semi flexionadas, pernas em afastamento lateral aproximadamente da largura do ombro, os braços estarão semi-flexionados, com as mãos na altura e a frente dos ombros (quando for para marcação de bolas curtas e de velocidade os braços deverão estar estendidos), o corpo deve estar ereto e o bloqueador não deverá perder de vista nem a bola nem o adversário. Execução Após fazer a análise do tipo de levantamento e características do atacante o bloqueador deverá executar o salto, estendendo as pernas e os braços simultaneamente em direção a bola, durante o salto o jogador deverá projetar o quadril um pouco para trás, por questões de equilíbrio (não deve se acentuar este movimento, senão o bloqueador perderá alcance). Tipos de Bloqueios (Bloqueio Defensivo) Utilizado por jogadores que possuem um alcance inferior ao do atacante, as palmas das mãos são voltadas para cima e não invadem a quadra adversária e tem como principal função amortecer o ataque adversário, facilitando assim a recuperação da bola pela sua equipe.

5 5 Bloqueio Ofensivo Utilizado por jogadores que possuem um alcance superior ao do ataque adversário, as palmas das mãos direcionadas para baixo invadem a quadra adversária e tem como principal função interceptar e enviar a bola ao solo da equipe oponente (Rocha, 2010).

6 6 Nos anos 70 aconteceu significativa evolução do voleibol brasileiro e da Educação Física do nosso país. Foi inserida a preparação física com embasamento científico através de Tubino e Rocha na seleção brasileira masculina e alguns clubes aderiram essa ideia (Barros, 1994). Dentro da Educação Física só pode auxiliar a criança se estiver claro como ela aprende e se desenvolve (MANOEL et al., 2001, p. 33). A combinação de todas as habilidades deve ser criativa e incluída nos diversos momentos de uma aula de Educação Física ou iniciação esportiva (BIZZOCCHI 2013, P.106). Tanto Bizzocchi (2000) quanto Bojikian (1999), recomendam que as habilidade motoras específicas do voleibol sejam ensinada depois dos 12/13 anos, destinandose os períodos anteriores para atividades motoras inerentes a aquisições de acervos motores preparatórios. (Chaurra et al., 1998) Dizem que entre os 6 e 7 anos de idade a criança deve ser estimulada a melhorar a execução das habilidades básicas e vivenciar a

7 7 combinação entre elas. Dos 8 aos 9, aproveitando a riqueza da manifestação das habilidades e a assimilação de suas combinações, deve-se começar a familiarizar a criança com práticas esportivas culturalmente determinadas, de acordo com seus interesses e possibilidades. Dos 10 aos 12, as habilidades aprendidas anteriormente oferecem uma base facilitadora para que a aprendizagem das técnicas do esporte escolhido pela criança seja possível. (Gallahue, 1989) determina três estágios: o geral, o específico e o especializado. No estágio geral, dos 7 aos 10 anos, a criança aprendem movimentos relacionados às habilidades esportivas, sem especificação de modalidade, propiciando total liberdade para o descobrimento e vivência geral. No específico, com crianças de 11 a 13 anos, ocorre a aprendizagem de algumas habilidades específicas e busca-se a concretização de padrões de movimentos, mas no há, ainda, imposição de uma modalidade esportiva em especial. A partir dos 14 anos, no estágio especializado, o adolescente poderá dedicar-se a um esporte determinado, com intenção formal ou informal, recreativa ou competitiva. No entanto, (Magill e Anderson, 1996) alertam que pode haver uma diferença de até quatro anos de desenvolvimento físico-motor na puberdade. Portanto, nessa faixa etária, alguns apresentam maior facilidade para aprender do que outros. Assim, um púbere de 12 anos pode se parecer com um de 9/10 anos, ao passo que outro pode ter um desempenho motor parecido com os de 15/16 anos. (MANOEL et al., 2001, p. 33) Diferentes modalidades desportivas apresentam o salto vertical como parte integrante de seus gestos fundamentais, Sendo que, em algumas delas, o salto é parte de ações motoras mais complexas [...]. (Rizola Neto, 2003) afirmou que o bloqueador precisa adaptar-se rápido ao tempo de bola do cortador e analisar as características desse atacante, ou seja, locais onde mais ataca, velocidade do braço, de golpe na bola e outras ações. (Mesquita e Teixeira J. 2004) [...] o intuito de explorar o bloqueio, sendo um recurso interessante no jogo de dupla pelo fato de dificultar a ação defensiva, sendo recomendado mais a prática desse tipo de ataque. Segundo Moskatova (1998), a etapa mais adequada para se diagnosticar a força de potência, a velocidade e o salto horizontal e vertical é nas idades de 10 a 14 anos [...]. O treinador deve estar atento nessa avaliação porque conforme o indivíduo envelhecea partir dos 31 anos, o salto vertical tende a piorar,

8 8 (BOSCO & KOMI, 1980). Em 1976, no Brasil, o 1º professor de Educação Física a conseguir o título de Doutor foi Fernanda Beltrão (Faleceu em 2008, ocupava a linha de pesquisa de Estudos Educacionais da Motricidade Humana do Mestrado em Ciência da Motricidade Humana da Universidade Castelo Branco). Ela cursou o Doutorado em Administração e Supervisão Educacional na Universidade de Nova Iorque, Estados Unidos (Beltrão, 2007). O voleibol de dupla na areia de alto rendimento é um esporte muito exigente no aspecto físico, técnico-tático e psicológico (STEFANELLO, 2007). Uma partida de voleibol na areia costuma ter duração de 1 hora (BAHR; REESER, 2003; GIATSIS, 2003), não possuindo substituição de atleta, jogada na areia fofa que dificulta as ações do voleibolistas, [...] (HESPANHOL, et al., 2006). Metodologia Foram realizadas pesquisas sobre salto vertical em fontes variadas, vendo bases de dados eletrônicos sendo, livros virtuais, sites e revistas. Considerando a principal pesquisa referente a fundamentos sobre o salto vertical do vôlei de praia, em diferentes contextos em conjunto de circunstâncias de lugar, tempo e ano em que se é praticado a modalidade. Os autores mais citados foram: Bizzocchi, Rubio e Kautzner.

9 9 Discussão Considerando os artigos pesquisados vemos diferentes opiniões dadas aos autores sobre, o desenvolvimento motor de cada idade na iniciação. Mencionando (Bizzocchi 2000) e (Bojikian 1999), sugerem que, na Educação física as habilidades motoras do voleibol sejam dos 12 aos 13 anos de idade, já Gallahue 1989 indica que seja em uma faixa mais precoce, dos 11 aos 13 anos de idade. Nas habilidades, nossas pesquisas apresentam posições diferentes, pois segundo e (Gallahue 1989) diz que não há ainda uma imposição de habilidade esportiva específica entre os 11 e 13 anos, sendo que, (Chaurra 1998) afirma que técnicas do esporte escolhido pela criança seja possível já dos 10 aos 12 anos. Sabendo da colocação de idade dos autores, (Magill 1996 e Anderson), durante aos 4 anos na puberdade, é capaz que o desenvolvimento apresente diferenças na

10 10 evolução motora. Sendo assim, cada criança pode ser abaixo ou acima da média de sua idade. Conclusão Nos 11 artigos em que focalizamos o Bloqueio no vôlei de praia, concluímos que, enfatizar a importância de uma correta execução do Fundamento do Bloqueio, que é constituída em movimentos específicos para a defesa. Considero fundamental a conscientização dos jogadores e treinadores para essa importância no treinamento, vendo a importância da aprendizagem quando a progressão dos exercícios, dez da iniciação no voleibol até que se torne um atleta profissional, sendo que, o treino seja gradual (do mais simples para o mais complexo), para que enquanto criança não o prejudique futuramente. Com o atual objetivo desse estudo em compreender as relações existentes entre o processo ensino e aprendizagem do voleibol de praia e os fundamentos do bloqueio, são para que futuros treinadores e professores entendam que, por meios de pesquisas, livros, entre outros, é possível se dar um treinamento de vôlei, especificando o salto vertical no bloqueio, de um modo não agressivo para determinadas faixa etárias, de forma correta, entendendo que dessa forma ajudará não só no aspecto do esporte profissional como no desenvolvimento motor em cada fase da vida. Portanto, essencial um bom começo. Isto é, passar, degrau por degrau, o processo de aprendizagem. É importante estar atento também na individualidade de cada atleta, pois, uma vez bem aprendida à técnica individual, o processo de aperfeiçoamento torna-se mais fácil para um atleta em particular que entenda de uma forma diferente de aprendizado, e por fim efetue o fundamento do bloqueio corretamente. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS BAHR, R.; REESER, J. C. Injuries among world-class professional beach volleyball players.am J Sports Med. v. 31, n. 1, p , BRASIL2016_ (site> br/olimpiadas/medalhistas, 2015) - Portal Oficial do Governo Federal sobre os jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016.

11 11 BARROS. J (1994). Voleibol moderno: sistema defensivo. Rio de Janeiro: GPS. p. 1-6 (introdução), 131. BATISTA, Gilmário Ricarte. Comparação antropométrica, composição corporal, somatotipo e saltos verticais de atletas de voleibol de praia masculino f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, BELTRÃO. F (2007). Produção em ciência da motricidade humana. 3ª ed. Rio de Janeiro: Shape. BIZZOCCHI. C CACA O voleibol de alto nível: da iniciação à competição / Carlos Cacá Bizzocchi. - 4 ed. rev. e ampl. Barueri, SP: Manole, (p. 1 e 2 /6-7 / 33-34). O voleibol de alto nível: da iniciação à competição. Fazendo. São Paulo: Arte Editorial, p., p BOJIKIAN, J.C.M. Ensinando voleibol. São Paulo: Phorte, p, cap. IV. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte Ano 1, Número 1, 2002 Voleivs. Vôlei. BOSCO, C.; KOMI, P. Influence of aging on the mechanical behavior of leg extensor muscles.eur J ApplPhysiol. v. 45, n. 2-3, p , CHAURRA, J. T. et al. Escuelas de formaciondeportiva com enfoque integral y entrenamiento desportivo infantil. Armênia, Editorial Kinesis, (BIZZOCHI, 2013 VOLEIBOL DE AUTO NÍVEL, DA INICIAÇÃO A POMPETIÇÃO) GALLAHUE, D. L. understanding motor development: infants, children, adolescents. 2.ed. Indianápolis, Brown e Benchmark Publishers, (BIZZOCHI, 2013 VOLEIBOL DE AUTO NÍVEL, DA INICIAÇÃO A POMPETIÇÃO). GIATSIS, G. The effect of changing the rule on score fluctuation and match duration in the FIVB womens`s beach volleyball. Int J PerforAnalys Sport, v. 3, n. 1, p , 2003 HESPANHOL, J. E. et al. Desempenho do salto vertical, anaeróbio e velocidade em voleibolista de areia em dois ambientes. RevBrasEducFís Esp. v. 20, n. 5, p. S473, 2006.

12 12 MAGILL, R. A., ANDERSON, D. I. Critical periods as optimal readiness for learning sport KILLS. In: Smoll, F. L. Smith, R. E. (orgs.) Children and Youth in sport a biopychosocial perspective. Indianápolis, Brown Benchmark Publishers, 1996.(BIZZOCHI, 2013 VOLEIBOL DE AUTO NÍVEL, DA INICIAÇÃO A POMPETIÇÃO). MANOEL, Edison. de J.; COELHO, Kátia A.; BASSO, Luciano; LAURENTI, Milena. C. C. A dinâmica do comportamento motor, sua aprendizagem e história natural em crianças: implicações para Educação Física na Educação Infantil. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, p , Suplemento 4. MARQUES JÚNIOR, N. K. Uma preparação desportiva para o voleibol. Rev Min EducFís. v. 10, n. 2, p , MESQUITA I, TEIXEIRAJ (2004). Caracterização do processo ofensivo no voleibol de praia masculino de elite mundial, de acordo com o tipo de ataque, a eficácia e o momento do jogo. RevBrasCiênEsp26(1): MOSKATOVA, A. k. Aspectos genéticos e fisiológicos no esporte. Rio de Janeiro: Grupo Palestra Sport, P. 64. RIZOLA NETO, A. Uma proposta de preparação para equipes jovens de voleibol feminino Dissertação (Mestrado em Educação Física) Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, STEFANELLO, J. Situação de estresse no vôlei de praia de alto rendimento: um estudo de caso com uma dupla olímpica. Rev Port Ciên Desp., v. 7, n. 2, p , ROCHA, RICARDO LUCAS DA; _O ataque e o bloqueio no voleibol (Juiz de Fora MG, 2010 (Universidade Federal de Juiz de Fora) site>http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichatecnicaaula.html?aula=18521 ). RUBIO. K Medalhistas olímpicos brasileiros: memórias, histórias e imaginário / Katia Rubio. São Paulo: Casa do Psicólogo : FAPESP, (Coleção psicologia do esporte). SILVA, José Adailton da. A prática de voleibol na escola: investigação sobre a relação ensino aprendizagem das habilidades básicas do voleibol f., il. Monografia (Licenciatura em Educação Física) Universidade de Brasília, Universidade Aberta do Brasil, Duas Estradas-PB, SILVA, Kauffman Ribeiro da; OLIVEIRA, José Magalhães de; GARCIA, Marco Antônio Cavalcanti. Desempenho do salto vertical sob diferentes condições de execução. ARQUIVOS em MOVIMENTO, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p , jan./jun

OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016

OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016 OLIMPÍADA RIO - BRASIL 2016 Fonte: : https://1.bp.blogspot.com/-fabad23toia/vuwn2ulzgii/aaaa AAAAAvM/8CEgQcUKnYE9Cq8pdefEYu9edCGRsZghg/s1600/ interna-esportes-olimpicos.jpg JOGOS OLÍMPICOS Os jogos olímpicos

Leia mais

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

Olimpíada Rio "Voleibol, um jogo que é ouro"

Olimpíada Rio Voleibol, um jogo que é ouro Olimpíada Rio 2016 "Voleibol, um jogo que é ouro" Olimpiadas Investimento Segundo informações da Autoridade Pública Olímpica (APO), os gastos com os jogos eram estimados em R$ 28,8 bilhões quando a candidatura

Leia mais

MATERIA DE EDUCAÇÃO FISICA DE VOLEIBOL EM

MATERIA DE EDUCAÇÃO FISICA DE VOLEIBOL EM MATERIA DE EDUCAÇÃO FISICA DE VOLEIBOL EM FUNDAMENTOS O saque ou serviço marca o início de uma disputa de pontos no voleibol. Um jogador posta-se atrás da linha de fundo de sua quadra, estende o braço

Leia mais

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis

Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Para começar a jogar Conheça as medidas oficiais da quadra e as regras do Beach Tennis Por Marcela Evangelista HÁ MAIS DE 30 ANOS, quando o Beach Tennis surgiu nas areias da Itália, tratava-se de uma atividade

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010

Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010 Estatura das brasileiras do voleibol na areia feminino de alto nível, 1993 a 2010 Estatura de las jugadoras brasileñas de alto rendimiento de voleibol en la arena, 1993 a 2010 Height of the Brazilian female

Leia mais

A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO

A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO A PRÁTICA DO FUTSAL LÚDICO SILVA, Brenda Catherine Cardoso 1 PEREIRA, Eduí 2 1 Acadêmica do curso de Graduação em Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva 2 Docente do curso

Leia mais

O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA O VÔLEI COMO ELEMENTO DE SOCIALIZAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SILVA, Maria Rita Rezende 1 VESPASIANO, Bruno de Souza 2 1 Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - IFPI CAMPUS FLORIANO EDITAL Nº 003/2016, DE 14 DE JANEIRO DE 2016 Seleção para Alunos de Pós-Graduação Lato Sensu para

Leia mais

TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL. Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira

TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL. Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira TÊNIS DE CAMPO COMPETIÇÃO INFANTO-JUVENIL Profa.Ms. Cláudia Perrella Teixeira jeu de paume - tênis de campo - séc. XI - passatempo da nobreza - idade média - competições estudantis séc. XIX - profissionalismo

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CBAt. Investindo no FUTURO do ATLETISMO BRASILEIRO

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CBAt. Investindo no FUTURO do ATLETISMO BRASILEIRO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO CBAt Investindo no FUTURO do ATLETISMO BRASILEIRO O Atletismo SÓ O ESPORTE É CAPAZ DE UNIR PESSOAS DE DIFERENTES CULTURAS, RAÇAS E CLASSES EM TORNO DE UM OBJETIVO COMUM,

Leia mais

Olimpíadas Brasil 2016 Volei de Praia

Olimpíadas Brasil 2016 Volei de Praia Olimpíadas Brasil 2016 Volei de Praia http://www.rotad osertao.com VOLEI DE PRAIA / HISTÓRIA O Vôlei de Praia, que tem sua origem no vôlei de quadra, é um esporte praticado na areia. Foi criado no estado

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PROGRAMA DE TREINAMENTO DE VOLEIBOL DESTINADO À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Vitor Hugo Fernando de Oliveira, Flávio da Rosa Júnior, Fábio Santos Mello Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Juarez

Leia mais

REGULAMENTO Vôlei

REGULAMENTO Vôlei REGULAMENTO 2017 - Vôlei 1. MISSÃO Criar um ambiente adequado para a prática esportiva, onde a competição entre equipes escolares se desenvolva de forma positiva, propiciando vivências práticas de valores

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE?

O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? 980 O ANO DE NASCIMENTO DETERMINA A ESCOLHA DO ESTATUTO POSICIONAL EM JOGADORES DE FUTEBOL NAS CATEGORIAS DE BASE? Felipe Ruy Dambroz - NUPEF/UFV João Vítor de Assis - NUPEF/UFV Israel Teoldo da Costa

Leia mais

Fundamentos do TE 27/11/2012

Fundamentos do TE 27/11/2012 Unidade I Fundamentos do Esportivo Conceito de Conceito de Esportivo Processo Conceito de É um processo pelo qual se submete alguém à busca de melhoria de alguma coisa. Visa a melhoria pois envolve diversas

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO

TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE CAMPEONATO REGIONAL DE JUDÔ CATEGORIA: CONCLUÍDO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANALISE DA INCIDÊNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE EM JUDOCAS INFANTO-JUVENIL PARTICIPANTES DE

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Ténis

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Ténis Versão 1.01 Referenciais de FORMAÇÃO Ténis Grau II Versão 1.01 Referenciais de FORMAÇÃO Ténis Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa de

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE. CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas

FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE. CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas FUTSAL NAS CATEGORIAS DE BASE CONSTRUÇÃO DO JOGO DEFENSIVO: Conceitos e atividade práticas INTRODUÇÃO O futsal é uma modalidade em que ações apresentam grande imprevisibilidade e variabilidade, exigindo

Leia mais

METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL

METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL METODOLOGIAS DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DO FUTSAL MÉTODO ANALÍTICO OU GLOBAL Artur Monteiro / UTAD Luís Vaz / UTAD / CIDESD lvaz@utad.pt ոո Palavras-chave: Educação Física, Ensino, Futsal. INTRODUÇÃO Como

Leia mais

XXIV OLIMPÍADA ECC 2013

XXIV OLIMPÍADA ECC 2013 XXIV OLIMPÍADA ECC 2013 CALENDÁRIO De 25/06 a 28/06 2013 Horário de 25/06 até 27/06-7h10 às18h30 28/06-7h10 às 13h00 VALORES QUE ACREDITAMOS VIVENCIAR Atitude Coragem Perseverança Compromisso Disciplina

Leia mais

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

SISTEMAS DE RECEPÇÃO NO VOLEIBOL (parte 1)

SISTEMAS DE RECEPÇÃO NO VOLEIBOL (parte 1) 1 CURSO: Técnico em Agropecuária Integrado ao ensino médio DISCIPLINA: Educação Física I CARGA HORÁRIA: 80hs PROFESSOR(A): Paulo Fernando Mesquita Junior paulo.junior@santarosa.ifc.edu.br site: profpaulojunior@santarosa.ifc.edu

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física UNIVERSIDADE DE COIMBRA Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Parametrização das Estruturas Tácticas em Jogos Desportivos Colectivos Investigação Aplicada à Equipa Campeã Nacional no Escalão

Leia mais

HANDEBOL. Profesores: Daniel / Sheila. Colégio Adventista de Rio Preto

HANDEBOL. Profesores: Daniel / Sheila. Colégio Adventista de Rio Preto HANDEBOL Profesores: Daniel / Sheila Colégio Adventista de Rio Preto Técnicas Defensivas Handebol 1. Posição básica defensiva: É a postura que deve adotar os jogadores, posicionando-se para intervir na

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Código Unidade 040 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso Etapa Sem. / Ano EDUCAÇÃO FISICA 4ª. ETAPA

Leia mais

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola;

OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; OPapeldoesportenaescola; Porque somente os Esportes Coletivos são trabalhados na escola; Como trabalhar os esportes individuais na escola; Introdução ao Atletismo; 1 PCN Parâmetro Curricular Nacional A

Leia mais

SECRETARIA DE ESPORTES E LAZER

SECRETARIA DE ESPORTES E LAZER BOLETIM 01 1 SEMESTRE MENSAGEM O grande professor Manoel Gomes Tubino, em um de seus inúmeros trabalhos sobre a Educação Física, conceitua o fenômeno Esporte em três dimensões, sendo que, no Campeonato

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

SALTO EM COMPRIMENTO

SALTO EM COMPRIMENTO SALTO EM COMPRIMENTO 1. Regras Básicas do Salto em Comprimento Caixa de areia Corredor de Balanço Tábua de Chamada A prova do salto em comprimento disputa-se na pista de atletismo numa zona específica

Leia mais

REGRAS OFICIAIS DO VOLEIBOL ( ) Aprovadas pelo 33º Congresso da FIVB de 2012

REGRAS OFICIAIS DO VOLEIBOL ( ) Aprovadas pelo 33º Congresso da FIVB de 2012 VOLEIBOL Profº. Esp. Jacy Pereira da Rocha Técnico nível II pela CBV Árbitro pela Federação de Brasília Graduado pela UCB DF Pós graduado em Treinamento Esportivo UGF Esp. Em Treinamento Funcional REGRAS

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A

PROVAS A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B Corrida 100 metros A PROVAS 1) Atletismo 2) Futsal 3) Voleibol Especial 4) Natação 5) Cabo de Guerra 6) Provas de Habilidade 7) Tênis de Mesa A Performance B Participação 1) ATLETISMO Caminhada 25 metros - B - Nesta prova

Leia mais

TÉNIS DE PRAIA REGRAS

TÉNIS DE PRAIA REGRAS TÉNIS DE PRAIA REGRAS 1. O campo O campo será composto por um retângulo de 16 metros de comprimento e 8 metros de largura. Será dividido pela sua metade por uma rede sustentada por postes que, na sua parte

Leia mais

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO

SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO SUGESTÕES PARA REALIZAR AS TROCAS DE JOGADORAS DURANTE O JOGO ORNIDES CINTRA KINDELÁN Resumo: o constante aperfeiçoamento das formas, das vias e dos métodos para o desenvolvimento do jogo de basquetebol

Leia mais

Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4)

Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4) Normas I Torneio Inter- Freguesias de Voleibol do Nordeste (4x4) CAPÍTULO I Instalações e Materiais Terreno de jogo - Cada campo terá 13 metros de comprimento por 6,5 metros de largura. 1) Linhas de marcação

Leia mais

Medidas e Avaliação da Atividade Motora

Medidas e Avaliação da Atividade Motora Escola de Educação Física e Esporte da USP Tema da aula: Conceitos Básicos Medidas e Avaliação da Atividade Motora Objetivos da aula: Conceituar: medida, teste, avaliação Compreender as etapas do processo

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Ipanema, o estudante também aprende e desenvolve habilidades além da sala de aula. As turmas das Atividades Extraclasse, para cada modalidade, são divididas de acordo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA Agilidade: executar movimentos dinâmicos com precisão, utilizando velocidade e destreza de movimentos, demonstrando facilidade em se deslocar. Resultados

Leia mais

ESCOLA: Escola Básica 2,3 D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO: 6.º ANO LETIVO 2013/2014

ESCOLA: Escola Básica 2,3 D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO: 6.º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº de Abrantes ESCOLA: Escola Básica, D. Miguel de Almeida DISCIPLINA: Educação Física ANO:.º ANO LETIVO 0/0 METAS DE APRENDIZAGEM: Domínio da Aptidão Física (EDF00);

Leia mais

PLANO DE CURSO. 2. Identificar os conteúdos socioeducativos do ensino/aprendizagem do voleibol e do Handebol;

PLANO DE CURSO. 2. Identificar os conteúdos socioeducativos do ensino/aprendizagem do voleibol e do Handebol; PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Teoria e Metodologia das Modalidades Esportivas Coletivas I Professor: Israel Caboclo de Lima Neto E-mail: israel.educfisico@hotmail.com

Leia mais

VIII JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA

VIII JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA VIII JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA REGULAMENTO GERAL 1 DA FINALIDADE Art. 1º - Os VIII JOGOS NACIONAIS DA MAGISTRATURA, competição oficial da ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS (AMB), têm como objetivo

Leia mais

TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR TÍTULO: A CAPOEIRA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DIADEMA AUTOR(ES): MARISA

Leia mais

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2

Ginástica Artística. Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ginástica Artística Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 /2 Ementa Fundamentos da Ginástica Artística, conhecimento das habilidades motoras exigidas na modalidade. Ginástica de solo e suas progressões. Organização

Leia mais

Treinamento Esportivo

Treinamento Esportivo Treinamento Esportivo Introdução Fundamentos Aplicação dos conteúdos e foco Conceitos Atletas Não Atletas Treinamento Treinamento Esportivo Significado Esporte Composição Alto Rendimento Coordenação e

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 308 INICIAÇÃO NO FUTSAL ENTRE CRIANÇAS DE 7 A 14 ANOS Verena Ancila da Rocha Carvalho 1 RESUMO Introdução: A proposta desse trabalho tem como finalidade através de uma pesquisa bibliográfica e um questionário

Leia mais

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte

PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube. Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte PROJETOS INCENTIVADOS Minas Tênis Clube Projeto Formação e Desenvolvimento de Atletas por meio da Integração das Ciências do Esporte Lei de Incentivo ao Esporte PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS TRIBUTADAS PELO

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica Uma combinação da ginástica clássica com a dança. Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, porém,

Leia mais

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14

Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto. Guifões 21/05/2012. Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Ação de Formação para Treinadores organizada pela Associação de Basquetebol do Porto Guifões 21/05/2012 Introdução: Os jogadores Conceitos defensivos a desenvolver nos S14 Os nossos jogadores sabem cada

Leia mais

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT Futsal Escolar Prof. Ivan Gonçalves dos Santos Lucas do Rio Verde MT - 2009 Introdução A Educação Física é uma disciplina pedagógica permeada de

Leia mais

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle

Resistência Muscular. Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Prof. Dr. Carlos Ovalle Resistência Muscular Resistência muscular é a capacidade de um grupo muscular executar contrações repetidas por período de tempo suficiente para causar a fadiga

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO

RESOLUÇÃO TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO RESOLUÇÃO 001-2012 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE TREINADORES TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO 1) INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A. O Curso de Técnico de Triathlon Nível I CBTri tem a finalidade de oferecer um conteúdo informativo

Leia mais

Jogos Paralímpicos Rio Ministério do Esporte Fotos: CPB, Rio2016 e Brasil2016

Jogos Paralímpicos Rio Ministério do Esporte Fotos: CPB, Rio2016 e Brasil2016 Jogos Paralímpicos Rio 2016 Ministério do Esporte Fotos: CPB, Rio2016 e Brasil2016 Edição grandiosa das Paralímpiadas 2,1 milhões de ingressos vendidos, superando Pequim 2008 e atrás apenas de Londres

Leia mais

Ouro olímpico: credibilidade no futebol feminino supera a do masculino em Londres

Ouro olímpico: credibilidade no futebol feminino supera a do masculino em Londres Ouro olímpico: credibilidade no futebol feminino supera a do masculino em Londres Lucas Almeida As Olimpíadas, uma das competições mais tradicionais da história, tiveram início na Grécia Antiga em 776

Leia mais

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1

Escola Secundária De São Pedro Da Cova. Voleibol Ano lectivo 2010/2011 1 Escola Secundária De São Pedro Da Cova Voleibol 25-01-2011 Ano lectivo 2010/2011 1 índice Serviço Recepção Passe de costas Remates Manchete Situação de jogo Vídeo Objectivo do jogo Terreno de jogo Toques

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Educação Física. 2º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita e Prática

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de. Educação Física. 2º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita e Prática Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano Letivo 2016 / 2017 Código da Prova: 28 2º Ciclo do Ensino Básico Tipo de Prova: Escrita e Prática 1. Objeto de avaliação O presente

Leia mais

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010

Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Períodos do treinamento esportivo: uma análise sobre o voleibol brasileiro masculino de alto nível durante o Mundial e a Olimpíada, 1956 a 2010 Los períodos de entrenamiento deportivo: un análisis sobre

Leia mais

Prof. Maick da Silveira Viana

Prof. Maick da Silveira Viana Regras do Handebol Prof. Maick da Silveira Viana REGRA 1 A quadra do jogo REGRA 2 - A duração da partida A partida de handebol consiste em dois tempos divididos por um intervalo de 10 minutos. A duração

Leia mais

Inteligência Esportiva

Inteligência Esportiva Inteligência Esportiva Objetivo Geral Produzir, aglutinar, sistematizar, analisar e difundir informações sobre o esporte de alto rendimento no Brasil e no mundo. Objetivos Específicos: Definir variáveis

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 2 ANO 2 BIMESTRE

EDUCAÇÃO FÍSICA 2 ANO 2 BIMESTRE SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS EDUCAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes).

REGULAMENTO. 3. O MT será constituído por 8 (oito) provas, bem como pelo Campeonato Regional por Equipas de Sub10 (Interclubes). REGULAMENTO 1. O ATL MINI TOUR 2016 (MT) é um circuito de provas para os escalões de Sub8 e Sub10, promovido pela Associação de Ténis de Lisboa (ATL), havendo uma calendarização das provas através de um

Leia mais

REGULAMENTO DO CIRCUITO ABERTO DE TÊNIS DO ASSIS TÊNIS CLUBE 2017

REGULAMENTO DO CIRCUITO ABERTO DE TÊNIS DO ASSIS TÊNIS CLUBE 2017 REGULAMENTO DO CIRCUITO ABERTO DE TÊNIS DO ASSIS TÊNIS CLUBE 2017 1. DOS TORNEIOS 1.1 O Circuito Aberto de Tênis do Assis Tênis Clube 2017 será composto de 3 Torneios Abertos e 1 Torneio Finals, conforme

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO - VOLEIBOL -

REGULAMENTO ESPECÍFICO - VOLEIBOL - REGULAMENTO ESPECÍFICO - VOLEIBOL - INTRODUÇÃO Este Regulamento aplica-se a todas as competições de Voleibol realizadas no âmbito dos XXIV Jogos Nacionais Salesianos, em conformidade com o estipulado no

Leia mais

CAPÍTULO. Capacidades coordenativas. dade

CAPÍTULO. Capacidades coordenativas. dade 6 CAPÍTULO Capacidades coordenativas Pablo Juan Greco Juan Carlos P. Moraes Camila de Sousa Teixeira Carolina Drumond P. Carreiro Fabíola de Araújo Cabral Juliana C. de Abreu Teixeira Karina Costa Alcântara

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS 11) Considerando a conceituação teórica sobre o jogo apresentada na Proposta Curricular de SC, analise as afirmações a seguir. l A criança, por exemplo, joga/brinca de uma forma individual, centrada em

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DO JOGO (HUIZINGA, 1999)

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DO JOGO (HUIZINGA, 1999) VOLUNTÁRIO FIM EM SI MESMO REGRAS OBRIGATÓRIAS ENTRE FRIVOLIDADE E ÊXTASE ABSORVE OS JOGADORES PARA O MUNDO DO JOGO INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DO JOGO (HUIZINGA, 1999) IMPULSO À AUTO-SUPERAÇÃO SERIAMENTE

Leia mais

ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A

ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A ALMANAQUE OLIMPÍADAS Leticia/Bruna 9A BOXE Introdução Na antiguidade, antes mesmo das civilizações grega e romana, há indícios arqueológicos que indicam que o homem praticava lutas usando as mãos, desferindo

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS º PERÍODO CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - BACHARELADO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: BIOQUÍMICA CELULAR Componentes responsáveis pelo funcionamento bioquímico dos seres vivos, em especial o ser humano, manifestos

Leia mais

MOTIVO REGRAS DO JOGO

MOTIVO REGRAS DO JOGO MOTIVO A motivação da elaboração deste material compondo as regras para jogo de taco, provém da recordação desportiva no período de formação escolar, quando a integração entre as camadas sociais se nivelavam

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASTRO VERDE Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASTRO VERDE Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1 1º Período Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1 - Melhora a aptidão física elevando as capacidades motoras de modo harmonioso e adequado às suas necessidades

Leia mais

Profissional-Atleta:

Profissional-Atleta: OLIMPÍADAS NACIONAIS DA JUSTIÇA DO TRABALHO - ONJT Profissional-Atleta: MAIO/2013 O que são as ONJT? ONJT significa Olimpíadas Nacional da Justiça do Trabalho. Realizada todos os anos em diferentes cidades

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON

Versão Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO BADMINTON Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Portuguesa

Leia mais

SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E ESTÁGIO DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO DE TRABALHADORES PRATICANTES DE GINÁSTICA LABORAL JORNALISMO ESPORTIVO E A COBERTURA DOS MEGAEVENTOS:

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Cultura: A pluralidade na expressão humana. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 6.1 Conteúdo

Leia mais

TORNEIO DE FUTEVOLEI SJ

TORNEIO DE FUTEVOLEI SJ Normas de Participação 1. Estas normas são válidas para o I Torneio de Futevolei SJ inserido na Semana Jovem Ílhavo 2014, cessando após a conclusão do mesmo. 2. O Torneio de Futevolei, realizar-se-á no

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: EDUCAÇÃO FÍSICA II PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO ANO: 2º CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A 100 H/R DOCENTE RESPONSÁVEL: ANA

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROVA 26 / 2017 (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

AS MEDALHAS DO BRASIL OLIMPÍADAS 2016

AS MEDALHAS DO BRASIL OLIMPÍADAS 2016 AS MEDALHAS DO BRASIL OLIMPÍADAS 2016 ******************************************************** ************ No esporte, existem campeões e existem heróis. Campeões vencem porque são bons no que fazem e

Leia mais

Fundamentos técnicos do Handebol

Fundamentos técnicos do Handebol Resumo com autoria de Edvaldo Soares de Araújo Neto e Anália Beatriz A. S. Almeida. Fundamentos técnicos do Handebol Recepção Conceito: ato de receber a bola normalmente com as duas mãos; Objetivo: amortecer

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil.

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Senhores pais ou responsável: Iremos iniciar as matrículas das atividades extracurriculares. INÍCIO DAS

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL *

IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL * IMPORTÂNCIA DA BIOMECÂNICA PARA O PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA: OBSERVANDO UMA BRINCADEIRA INFANTIL * IVAN SILVEIRA DE AVELAR, ** REGINA QUEIROZ SILVA, ** TAÍSSA RAMALHO,** ADRIANO SERRANO ** E MARCUS

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

!" # $ $ ( (* $ ( (+. %, $ ( (+ 1º ÁRBITRO 2º ÁRBITRO ZONA DE DEFESA DEFESA ATAQUE ATAQUE ZONA DE SUBSTITUIÇÃO BANCO SUPLENTES

! # $ $ ( (* $ ( (+. %, $ ( (+ 1º ÁRBITRO 2º ÁRBITRO ZONA DE DEFESA DEFESA ATAQUE ATAQUE ZONA DE SUBSTITUIÇÃO BANCO SUPLENTES º ÁRBITRO 9 metros ZONA DE DEFESA 3 metros 3 metros ZONA DE ATAQUE ZONA DE ATAQUE metros ZONA DE DEFESA ZONA DE SERVIÇO ZONA DE SERVIÇO metros ZONA DE SUBSTITUIÇÃO 2º ÁRBITRO BANCO SUPLENTES ZONA DE AQUECIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS PROGRAMA DE ENSINO CAMPUS: Goiabeiras - CEFD CURSO: Educação Física UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE ENSINO 2016.2 HABILITAÇÃO: Licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica

Leia mais

TORNEIOS ESPORTIVOS MARÇO REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS

TORNEIOS ESPORTIVOS MARÇO REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS DISPOSIÇÕES GERAIS REALIZAÇÃO 19 de março de 2016 no Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo, para crianças nascidas entre 2007 e 2004. CERIMÔNIA DE ABERTURA Em cada grupo, às 08h30

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

Regulamento do Circuito das Estações para o 4º Aberto de Beach Tennis ASBT Outono/ Inverno 2014

Regulamento do Circuito das Estações para o 4º Aberto de Beach Tennis ASBT Outono/ Inverno 2014 1 Atualizado em 05/06/2014 às 19:51 horas Regulamento do Circuito das Estações para o 4º Aberto de Beach Tennis ASBT Outono/ Inverno 2014 As inscrições para o 4º Aberto de Beach Tennis ASBT Outono/ Inverno

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Funchal Ações Creditadas pelo PNFT 2015 Preços de Inscrição: 1) Ações de 1,4 créditos - 20,00 a. Preço para Filiados - 20,00 2) Ações de 0,8 créditos

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

FIFA TEST NOVOS PROTOCOLOS

FIFA TEST NOVOS PROTOCOLOS CA-CBF ENAF-CBF FIFA TEST NOVOS PROTOCOLOS Introdução A prova oficial de condição física para árbitros de futebol, está dividida em 2 (duas) partes. A 1ª prova é de velocidade (RSA, por suas siglas em

Leia mais