António Rui Trigo Ribeiro. SCEPGSI - Sistema computacional para o estudo e prática da gestão de sistemas de informação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "António Rui Trigo Ribeiro. SCEPGSI - Sistema computacional para o estudo e prática da gestão de sistemas de informação"

Transcrição

1 Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Departamento de Engenharias António Rui Trigo Ribeiro SCEPGSI - Sistema computacional para o estudo e prática da gestão de sistemas de informação Tese de doutoramento submetida para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em Informática, sob a orientação do Professor Doutor João Eduardo Quintela Alves de Sousa Varajão e do Professor Doutor João Manuel Pereira Barroso. Abril de 2009

2

3 Esta página foi intencionalmente deixada em branco.

4

5 Agradecimentos Ao meu orientador, Professor Doutor João Varajão, pela sua orientação, disponibilidade e encorajamento, que sempre transcenderam em muito o papel de orientador. Pela amizade, apoio científico e por muitas outras razões, é enorme a gratidão para com ele; Ao meu co-orientador, Professor Doutor João Barroso, pelas valiosas revisões, críticas e sugestões ao trabalho realizado; À colega Elisabete Silva, pelos conselhos nas traduções de português para inglês; Ao amigo Professor Doutor Filipe Almeida, pelos conselhos na área de gestão; Ao Engenheiro António Costa, do Centro de Informática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto e Douro, que se disponibilizou para a experimentação da ferramenta construída; À Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, por ter assegurado as condições e os recursos necessários para a realização deste trabalho; A todos aqueles que de forma directa ou indirecta contribuíram para a realização deste trabalho; Aos meus pais, pelo carinho e formação que recebi; À Matilde e ao André, pelo precioso tempo que me roubaram e por me darem uma razão para todo este trabalho; À minha mulher Lita, pelo seu amor, incentivo e compreensão.

6

7 iii Resumo As tecnologias e sistemas de informação desenvolveram-se significativamente nas últimas décadas, desempenhado actualmente um papel central no sucesso das organizações. Estão presentes em praticamente todas as actividades desenvolvidas pela organização e aparecem sob as mais variadas formas, desde o mais simples telefone aos sistemas mais complexos de gestão do negócio da organização. A proliferação das tecnologias e sistemas de informação por toda a organização aumentou significativamente a complexidade do trabalho do gestor de sistemas de informação tornando-se imperativa a utilização de instrumentos, baseados, também eles, em tecnologias de informação, que suportem o seu trabalho e contribuam para a melhoria da sua produtividade. A análise dos diferentes instrumentos actualmente disponíveis revela que estes, apesar de suportarem bem áreas específicas da gestão de sistemas de informação, como a gestão de equipamentos ou gestão de projectos, não suportam de forma suficientemente abrangente a gestão da função sistemas de informação como um todo, o que é um factor limitador para o trabalho do gestor de sistemas de informação. Assim, defende-se nesta tese, que o trabalho do gestor de sistemas de informação pode e deve ser optimizado através da utilização de sistemas computacionais especializados que, por um lado, permitam sistematizar e organizar os diversos instrumentos existentes para a prática da gestão de sistemas de informação, contribuindo desta forma para a sua devida utilização e, por outro lado, suportem de forma adequada e abrangente as necessidades do trabalho do gestor. Propõe-se um novo sistema para suporte da actividade do gestor de sistemas de informação - o SCEPGSI - que possibilita uma visão holística e arquitectural das tecnologias e sistemas de informação da organização.

8

9 v Abstract Information systems and technologies have evolved dramatically in recent decades, playing an absolutely central role in the success of today s organizations. They are present in virtually all activities of the organization and appear under the most varied forms, from simple telephone to more complex business management systems of the organization. The dissemination of information systems and technologies throughout the organization has significantly increased the complexity of the work of information systems manager, becoming imperative the use of tools, based in information technology, to support his work and contribute to improve his productivity. The analysis of the various instruments currently available shows that, despite the support to specific areas of management information systems, such as hardware management or project management, they do not support in an integrated and holistic fashion the management of the information systems function as a whole, which is a limiting factor for the job of information systems manager. Thus, it is stated in this thesis that the work of the information systems manager can and should be optimized through the use of specialized computer systems that, on the one hand, to systematize and organize the various instruments available for practice management systems information, thus contributing to its proper use and, on the other hand, to support in an adequate and broad manner the work needs of the manager. This thesis proposes a new system to support the activities of the information systems manager - the SCEPGSI - that enables a holistic and architectural view of technologies and systems within an organization.

10

11 vii Índice geral Agradecimentos...i Resumo...iii Abstract...v Índice geral...vii Índice de tabelas...xiii Índice de figuras...xv Acrónimos...xix 1 Introdução Enquadramento Motivações, objectivos e principais contributos Abordagem de investigação Organização da dissertação Fundamentos de sistemas de informação As organizações Modelos das organizações A actividade de gestão Os sistemas de informação organizacionais A informação e a sua importância para a organização As tecnologias e os sistemas de informação A função sistemas de informação Organização da função sistemas de informação O planeamento de sistemas de informação O desenvolvimento de sistemas de informação A exploração de sistemas de informação A gestão de sistemas de informação...34

12 viii 2.4 Obtenção de serviços externos de sistemas de informação O gestor de sistemas de informação Actividade de gestão Papéis do gestor Actividades Capacidades necessárias Evolução do papel do gestor de sistemas de informação Instrumentos de suporte à gestão de sistemas de informação Leis e normas governamentais e institucionais Lei Sarbanes-Oxley (SOX) Basiléia II Health Insurance Portability and Accountability Act (HIPAA) Gestão estratégica Balanced Scorecard para Tecnologias de Informação (IT BSC) Return On Investment (ROI) Total Cost of Ownership (TCO) Economic Value Added (EVA) Gestão do risco Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO) Gestão de sistemas de informação Control Objectives for Information and related Technology (CobiT) Gestão de projectos Project Management Body of Knowledge (PMBoK ) PRojects IN Controlled Environments (PRINCE) Desenvolvimento de Sistemas de Informação Capability Maturity Model Integration (CMMI) Software Process Improvement and Capability determination (SPICE ) Gestão da qualidade Six Sigma (6σ) ISO TickIT Gestão da segurança Gestão de operações, serviços e infra-estruturas Information Technology Infrastructure Library (ITIL) ISO enhanced Telecom Operations Map (etom)...115

13 ix Business Process Management (BPM) Reflexão sobre os instrumentos apresentados Caracterização da função sistemas de informação Âmbito e processo de investigação Público-alvo Questionário Representatividade dos dados Análise e discussão de resultados Caracterização da utilização das tecnologias e sistemas de informação Caracterização dos departamentos de sistemas de informação Caracterização do perfil do gestor de sistemas de informação e da sua profissão Caracterização dos instrumentos utilizados pelos gestores de sistemas de informação na gestão das tecnologias e sistemas de informação Limitações do estudo realizado Conclusões da caracterização da função sistemas de informação em Portugal SCEPGSI - Sistema computacional para o estudo e prática da gestão de sistemas de informação Necessidade do SCEPGSI Importância do SCEPGSI Inexistência de aplicações para suporte à gestão de sistemas de informação Proposta do SCEPGSI Visão arquitectural da função sistemas de informação Modelo para o SCEPGSI Desenvolvimento do SCEPGSI Processo de desenvolvimento de software Técnicas e ferramentas utilizadas Análise e especificação de requisitos Apresentação do SCEPGSI Exemplos de utilização do SCEPGSI Suporte à gestão operacional Suporte ao guia dos instrumentos analisados de suporte às actividades da função sistemas de informação Suporte à utilização da técnica da arquitectura da função sistemas de informação Considerações finais sobre o SCEPGSI Experimentação do SCEPGSI Introdução...185

14 x 7.2 Contexto da experimentação (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro) Caso do Centro de Informática da UTAD Serviços disponibilizados pelo Centro de Informática Utilizadores finais Equipa de tecnologias da informação Aplicações de software Equipamentos (hardware) Instalações Implementação no SCEPGSI das matrizes de suporte à gestão de sistemas de informação do Centro de Informática Matriz Actividades/Objectos de Gestão Matriz Actividades/Aplicações de software Matriz Actividades/Pessoas Matriz Pessoas/Instalações Matriz Serviços/Unidades da UTAD Matriz Serviços/Pessoas Matriz Serviços/Aplicações de software Matriz Aplicações de software/equipamentos Matriz Equipamentos/Contratos de manutenção Matriz Equipamentos/Instalações Análise e discussão dos resultados da experimentação Análise e discussão dos resultados da utilização do SCEPGSI Análise e discussão dos resultados da mudança introduzida na prática da gestão de sistemas de informação Considerações finais Considerações finais Síntese da dissertação Discussão dos resultados e principais contributos Revisão dos fundamentos Identificação dos instrumentos existentes Caracterização da realidade portuguesa Desenvolvimento do SCEPGSI Experimentação do SCEPGSI Trabalho futuro Continuação do estudo da caracterização da realidade da função sistemas de informação e gestão de sistemas de informação...235

15 xi Futuros desenvolvimentos do SCEPGSI Conclusão Bibliografia Índice de autores Anexo I - Lista de sistemas de informação baseados em computador Anexo II - Questionário do estudo de caracterização da função sistemas de informação Anexo III - Carta de apresentação do questionário do estudo de caracterização da função sistemas de informação Anexo IV - Casos de uso do Sistema Computacional para o Estudo e Prática da Gestão de Sistemas de Informação Anexo V - Guia dos instrumentos de suporte às actividades da função sistemas de informação Anexo VI - Descrição das actividades definidas para a experimentação da técnica da Arquitectura da Função Sistemas de Informação Anexo VII - Descrição dos objectos de gestão definidos para a experimentação da técnica da Arquitectura da Função Sistemas de Informação Anexo VIII - Matrizes da função sistemas de informação geridas no SCEPGSI...309

16

17 xiii Índice de tabelas Tabela 1 - Papéis do gestor de sistemas de informação...44 Tabela 2 - Principais actividades do gestor de sistemas de informação...49 Tabela 3 - Obstáculos ao desempenho da profissão de gestor de sistemas de informação...50 Tabela 4 - Capacidades para o desempenho da profissão de gestor de sistemas de informação...54 Tabela 5 - Categorias de processos do SPICE...91 Tabela 6 - Atributos do processo do SPICE...93 Tabela 7 - Comparação dos referenciais etom e ITIL Tabela 8 - Tabela resumo dos instrumentos de suporte às actividades da função sistemas de informação analisados Tabela 9 - Instrumentos de suporte por grupo de actividades da função sistemas de informação. 119 Tabela 10 - Sectores de actividade das empresas que participaram no estudo de caracterização da função sistemas de informação em Portugal Tabela 11 - Características das empresas que participaram no estudo de caracterização da função sistemas de informação em Portugal Tabela 12 - Coeficientes de correlação entre obstáculos ao desempenho da função de gestor de sistemas de informação Tabela 13 - Exemplo de uma possível matriz FSI: Tipo de funcionários vs. Aplicações de software Tabela 14 - Relacionamentos com outros elementos do elemento João Braga...223

18

19 xv Índice de figuras Figura 1 - Problema, tese e objectivos do projecto...5 Figura 2 - Organização da tese...8 Figura 3 - Funções empresariais de Fayol...12 Figura 4 - Integração das abordagens da gestão...17 Figura 5 - Níveis de gestão...19 Figura 6 - Características da informação dos diferentes níveis de gestão...22 Figura 7 - Relacionamento das actividades da função sistemas de informação...28 Figura 8 - Actividades da gestão de sistemas de informação...36 Figura 9 - Quatro dimensões da gestão das tecnologias e sistemas de informação...37 Figura 10 - Modelo de actividades e capacidades...41 Figura 11 - Os 10 papéis do gestor, segundo Mintzberg...42 Figura 12 - Capacidades necessárias nos diferentes níveis de gestão...51 Figura 13 - Estágios de evolução do gestor de sistemas de informação na organização...57 Figura 14 - Balanced ScoreCard...64 Figura 15 - Modelo COSO...70 Figura 16 - Referencial CobiT...74 Figura 17 - Domínios, processos, critérios de informação e recursos de TI do CobitT...76 Figura 18 - Referencial Board Briefing on IT Governance...80 Figura 19 - Metodologia PRINCE Figura 20 - Componentes do Modelo CMMI...88 Figura 21 - Metodologia do processo DFSS...95 Figura 22 - Estrutura do TickIT...98 Figura 23 - Documentos do ITIL Figura 24 - Quadrantes e processos do MOF Figura 25 - Processos do modelo de referência HP ITSM...107

20 xvi Figura 26 - Plataforma Tivoli da IBM Figura 27 - Sistemas implementados Figura 28 - Papel desempenhado actualmente pelas tecnologias e sistemas de informação Figura 29 - Sistemas implementados vs. sistemas implementados mais os planeados Figura 30 - Motivações para a adopção de tecnologias e sistemas de informação Figura 31 - Designação do departamento de sistemas de informação nas grandes empresas portuguesas Figura 32 - Utilizadores finais de tecnologias e sistemas de informação Figura 33 - Tipo de profissionais existentes nos departamentos de sistemas de informação Figura 34 - Competências dos actuais profissionais da equipa interna de tecnologias e sistemas de informação Figura 35 - Competências desejadas pelos gestores de sistemas de informação nos novos profissionais a contratar Figura 36 - Outsourcing de serviços de sistemas de informação nas grandes empresas portuguesas Figura 37 - Vencimento anual ilíquido dos gestores de sistemas de informação Figura 38 - Superior hierárquico do gestor de sistemas de informação Figura 39 - Actividades que ocupam mais tempo ao gestor de sistemas de informação Figura 40 - Competências mais importantes para o desempenho da profissão de gestor de sistemas de informação Figura 41 - Obstáculos mais importantes ao desempenho da função de gestor de sistemas de informação Figura 42 Instrumentos utilizados pelos gestores de sistemas de informação Figura 43 - Modelo conceptual do SCEPGSI Figura 44 - Sistemas do SCEPGSI Figura 45 - Diagrama de casos de uso do sistema de gestão de matrizes Figura 46 - Diagrama de casos de uso do sistema de gestão de utilizadores Figura 47 - Diagrama de casos de uso do sistema de gestão de versões Figura 48 - Árvore de menus do SCEPGSI Figura 49 - Definição de um tipo de elemento no SCEPGSI Figura 50 - Definição de um elemento no SCEPGSI Figura 51 - Definição de uma matriz no SCEPGSI Figura 52 - Definição dos relacionamentos da matriz no SCEPGSI Figura 53 - Selecção de matrizes no SCEPGSI Figura 54 - Visualização e manipulação da matrizes no SCEPGSI Figura 55 - Matriz só com os grupos visíveis no SCEPGSI...178

21 xvii Figura 56 - Definição das características do tipo de elemento estações de trabalho no SCEPGSI Figura 57 - Criação de uma estação de trabalho no SCEPGSI Figura 58 - Matriz das aplicações instaladas nas estações de trabalho no SCEPGSI Figura 59 - Guia dos instrumentos analisados de suporte às actividades da função sistemas de informação no SCEPGSI Figura 60 - Matriz Actividades/Objectos de gestão no SCEPGSI Figura 61 - Matriz Pessoas/Equipas do centro de informática Figura 62 - Matriz Actividades/Objectos de gestão da função sistemas de informação (referencial) Figura 63 - Miniatura da matriz Actividades/Objectos de gestão Figura 64 - Miniatura da matriz Actividades/Aplicações de software Figura 65 - Miniatura da matriz Actividades/Pessoas Figura 66 - Miniatura da matriz Pessoas/Instalações Figura 67 - Miniatura da matriz Serviços/Unidades da UTAD Figura 68 - Miniatura da matriz Serviços/Pessoas Figura 69 - Miniatura da matriz Serviços/Aplicações de software Figura 70 - Miniatura da matriz Aplicações de software/equipamentos Figura 71 - Miniatura da matriz Equipamentos/Contratos de manutenção Figura 72 - Miniatura da matriz Equipamentos/Instalações Figura 73 - Casos de uso do sistema de gestão de matrizes Figura 74 - Casos de uso do sistema de gestão de utilizadores Figura 75 - Casos de uso do sistema de gestão de versões Figura 76 - Matriz Pessoas/Equipas (exportada) Figura 77 - Matriz Actividades/Objectos de gestão (exportada) Figura 78 - Matriz Actividades/Aplicações de software (exportada) Figura 79 - Matriz Actividades/Pessoas (exportada) Figura 80 - Matriz Pessoas/Instalações (exportada) Figura 81 - Matriz Serviços/Unidades da UTAD (exportada) Figura 82 - Matriz Serviços/Pessoas (exportada) Figura 83 - Matriz Serviços/Aplicações de software (exportada) Figura 84 - Matriz Aplicações de software/equipamentos (exportada) Figura 85 - Matriz Equipamentos/Contratos de manutenção (exportada) Figura 86 - Matriz Equipamentos/Instalações (exportada)...320

22

23 xix Acrónimos Nesta dissertação são utilizados acrónimos para referenciar alguns termos. Indicam-se seguidamente os acrónimos utilizados e o seu significado: TI SI TSI SIO PSI DSI ESI GSI FSI AFSI SCEPGSI Tecnologias da Informação Sistemas de Informação Tecnologias e Sistemas de Informação Sistemas de Informação Organizacionais Planeamento de Sistemas de Informação Desenvolvimento de Sistemas de Informação Exploração de Sistemas de Informação Gestão de Sistemas de Informação Função Sistemas de Informação Arquitectura da Função Sistemas de Informação Sistema Computacional para o Estudo e Prática da Gestão de Sistemas de Informação

24

25 Capítulo 1 1 Introdução A actividade de Gestão de Sistemas de Informação (GSI) conjuga a gestão das Tecnologias e Sistemas de Informação (TSI) com a concepção dinâmica da organização numa determinada envolvente contextual por forma a assegurar que todos os elementos e recursos das Tecnologias de Informação (TI) são afectados correctamente no suporte eficaz dos Sistemas de Informação (SI) das organizações (Varajão 2002). A GSI tem como seu principal protagonista o gestor de SI, que actua como o guardião das TSI numa organização, zelando incondicionalmente pela correcta aplicação dos recursos nas actividades da Função Sistemas de Informação (FSI), no suporte aos SI e à organização (Amaral et al. 2005). Tal como as TSI para suporte ao negócio da organização evoluíram significativamente no último meio século, sendo hoje inequivocamente reconhecida a importância da sua adopção e utilização, também as TSI para suporte ao trabalho do gestor de SI evoluíram. Constata-se no entanto que essa evolução resultou na existência de múltiplos instrumentos, centrados em áreas específicas da GSI, como a gestão de equipamentos ou de projectos, não existindo instrumentos que possibilitem suportar a grande diversidade de actividades do gestor de SI, de forma holística e integrada. Assim, defende-se nesta tese, que o trabalho do gestor de SI pode e deve ser optimizado através da utilização de um sistema computacional especializado que, por um lado, permita sistematizar e organizar os diversos instrumentos existentes para a prática da gestão de sistemas de informação, contribuindo desta forma para a sua devida utilização e, por outro lado, suporte de

26 1. Introdução 2 forma adequada e abrangente as necessidades do trabalho do gestor, tornando-se o desenvolvimento de um sistema com esta finalidade um dos aspectos centrais deste trabalho. 1.1 Enquadramento As organizações humanas, apresentam-se hoje como entidades nas quais a informação representa um papel activo e fulcral para a sua continuidade e desenvolvimento no espaço de uma sociedade cada vez mais global marcada por grande dinamismo e mutabilidade. Mutabilidade essa que se dá a todos os níveis, fruto de uma evolução radical de valores, saberes e percepções do mundo, em que é particularmente assinalável a influência de um conjunto de efeitos e tendências associadas à aceleração do progresso científico e tecnológico no domínio da informação (Varajão 2005). As empresas e as organizações em geral, independentemente da sua dimensão e sector de actividade, têm uma permanente necessidade de informação de qualidade, fidedigna, em quantidade adequada e no momento certo, de forma a obterem vantagens competitivas, pelo que o seu correcto tratamento é essencial e indispensável à prossecução dos seus objectivos e à sua própria existência. As TSI, em permanente e rápida evolução, assumem, neste contexto, um papel crucial, no tratamento da informação, na medida em que abrem novos caminhos, alargam horizontes, criam novas oportunidades e revolucionam os modos tradicionais de conduzir os negócios e a realidade da própria organização, tornando-se as organizações mais dinâmicas e com maior capacidade de inovação e de responder à mudança. A cada dia que passa torna-se mais claro que sem uma utilização eficiente e eficaz das TSI, as organizações não podem ser competitivas ou rentáveis e que, em muitos casos, é a sua própria sobrevivência que depende dessa capacidade (Varajão 2002). O grande desafio que se coloca actualmente às organizações não é a utilização das TSI, mas sim a gestão desta utilização, de um modo consistente com os seus objectivos. Embora no passado o custo de uma gestão ineficaz do SI fosse muitas vezes elevado, raramente constituiu a causa do desaparecimento total de uma organização. Desde há já alguns anos que notamos que num grande número de áreas de actividade, como, por exemplo, os sectores bancário ou segurador, uma gestão inadequada dos SI poderá resultar em consequências tão graves como a própria extinção das instituições (Ward 1995). Tem-se, deste modo, que a grande questão que se coloca às organizações a respeito das TSI não é em primeiro lugar técnica, mas sim uma questão de gestão (Zorrinho 1995). É necessário compreender as diferentes dimensões da organização, os seus desafios e complexidades, de modo a

27 1. Introdução 3 ser possível a desejada utilização e usufruto das tecnologias como suporte do seu SI, este último entendido como um conjunto de meios e procedimentos cuja finalidade é assegurar informação útil necessária às diversas funções e níveis da organização e à sua envolvente externa (Varajão 2002). A GSI, enquanto actividade que conjuga a gestão das TSI com a concepção dinâmica da organização numa determinada envolvente contextual (Zorrinho 1995), surge como grande responsável pelo assegurar que todos os elementos e recursos das TI são afectados correctamente no suporte eficaz das TI às organizações, tornando-se imprescindível compreender a natureza das suas actividades e envolventes de modo a estabelecer os princípios e abordagens apropriadas para o seu exercício (Amaral 1994). Não obstante existirem diversas propostas de utilização de abordagens de arquitecturas de SI, como sejam: referenciais, como os de Zachman (Zachman 1987), de Zachman-Sowa (Sowa e Zachman 1992), ou o proposto pela recomendação 1471 IEEE (IEEE 2000); métodos de desenvolvimento, como sejam o método Enterprise Architecture Planning (Spewak e Hill 1993) ou o método proposto por Emery (Emery et al. 1996); e técnicas, como a técnica da Arquitectura da Função Sistemas de Informação (Varajão 2002), é de notar a falta de instrumentos que suportem estas arquitecturas e forneçam uma visão holística e integrada de todas as actividades do gestor de SI que, para além de ser responsável pelas actividades da Gestão de Sistemas de Informação, é também responsável por todas as actividades do Planeamento de Sistemas de Informação (PSI), Desenvolvimento de Sistemas de Informação (DSI) e Exploração de Sistemas de Informação (ESI). A recente necessidade das organizações estarem, dependendo da sua natureza, em conformidade com as leis e com um número crescente de normas governamentais e institucionais, como é o caso da lei Sarbanes-Oxley, entre outras, tem um impacto directo nas actividades desenvolvidas pelo gestor de SI e no funcionamento do SI da organização. Se no passado o gestor de SI não se tinha de preocupar com as operações realizadas através do SI da organização, hoje, ele é legalmente tão responsável pela utilização fraudulenta do SI como o infractor, motivo pelo qual necessita de estar ainda mais atento às operações realizadas através do SI da organização. O gestor de SI, como guardião que é do serviço prestado à organização pela exploração do sistemas de informação (Amaral et al. 2005), tem, por isso, que garantir que as soluções de TSI existentes e futuras estão em conformidade com as normas existentes para a área de actuação da organização, necessitando também aqui de instrumentos que suportem o seu trabalho. Não obstante existirem múltiplos instrumentos, centrados em áreas específicas da GSI, eles são ainda pouco utilizados (Trigo et al. 2008b), com excepção de alguns sistemas de cariz mais

28 1. Introdução 4 operacional promovidos por grandes fabricantes (como por exemplo, o HP OpenView (Hewlett- Packard 2007a)). Finalmente observa-se ainda a inexistência de um instrumento suficientemente abrangente que permita suportar a grande diversidade de actividades do gestor de SI, bem como a complexidade inerente à gestão dos diversos recursos (hardware, software, pessoas, etc.) que estão sob a sua alçada. 1.2 Motivações, objectivos e principais contributos Embora a evolução das TSI tenha sido enorme neste último meio século, verifica-se que o mesmo não aconteceu no que respeita aos instrumentos baseados em TI que suportam a actividade do gestor de SI. O dizer popular em casa de ferreiro espeto de pau ajusta-se muito bem à profissão de gestor de SI. Se por um lado ele é o principal motor da utilização das TSI na organização, por outro, verifica-se que ele não utiliza as TSI em todo o seu potencial no suporte às suas actividades (Trigo et al. 2008b). Assim, como se pode ver na Figura 1, identificou-se como um problema da GSI a inexistência de um instrumento baseado em TI, que suporte a actividade do gestor de SI em toda a sua abrangência. A procura de uma solução para este problema tornou-se finalidade deste projecto, formulando-se como principal tese, a necessidade da criação de um novo sistema computacional para o estudo e prática da gestão de sistemas de informação (SCEPGSI), versátil e de utilização simples, que facilite e melhore o trabalho do gestor de SI. De acordo com a finalidade proposta, é possível formular um conjunto de objectivos específicos que se descrevem de seguida, bem como os principais contributos desses objectivos. O primeiro objectivo é rever os fundamentos e a literatura sobre a actividade do gestor de SI e instrumentos existentes de suporte às suas actividades, através da revisão bibliográfica e produtos de software dedicados ao suporte da GSI. Como resultados desta revisão, para além da descrição e sistematização de alguns dos aspectos mais importantes da GSI e da profissão de gestor de SI, resultou uma matriz com o mapeamento dos diferentes instrumentos encontrados versus actividades da FSI, indicando quais os instrumentos que melhor suportam determinado grupo de actividades da FSI (Trigo et al. 2008a). Outro importante resultado deste primeiro objectivo foi a constatação da inexistência de um instrumento que suporte de forma cabal todas as actividades do gestor de SI.

29 1. Introdução 5 Problema Inexistência de instrumentos holísticos e integrados de suporte às actividades do gestor de SI, o que condiciona o seu trabalho. Tese É possível com base na visão arquitectural da FSI propor e desenvolver um novo sistema computacional para o estudo e prática da gestão de sistemas de informação, que suporte de forma adequada e abrangente as actividades do gestor SI, permitindo ao gestor de SI optimizar o seu trabalho. Objectivos Rever a literatura; Conhecer a realidade da FSI e a actividade do gestor de SI; Propor e desenvolver um novo sistema para o gestor de SI; Experimentar o sistema desenvolvido. Figura 1 - Problema, tese e objectivos do projecto O segundo objectivo é caracterizar a realidade da FSI nas organizações, bem como, da profissão do gestor de SI e dos instrumentos por ele utilizados, por forma a conhecer a prática da GSI nas organizações. A concretização deste objectivo foi alcançada com a realização de um inquérito dirigido aos gestores de SI das 500 maiores empresas portuguesas em termos de volume de negócios. Um resultado importante deste inquérito foi conhecer a realidade da utilização de instrumentos por parte dos gestores de SI que, juntamente com os resultados obtidos no objectivo anterior, reforçam a necessidade de desenvolvimento deste projecto. O terceiro objectivo é propor e desenvolver um sistema computacional de suporte às actividades do gestor de SI. O principal contributo deste objectivo foi a construção do SCEPGSI, com base na visão arquitectural da FSI, que permite relacionar os diferentes elementos do SI, nomeadamente, objectos de gestão, actividades e recursos, estes últimos divididos em recursos humanos, hardware, software, financeiros, infra-estruturas e informação. O sistema construído, permite o mapeamento das diferentes actividades do gestor de SI, desde as de carácter mais operacional, como a gestão do economato, às de carácter mais estratégico como o planeamento do

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho Prefácio A Arquitectura dos Sistemas de Informação, enquanto assunto central da área disciplinar das Tecnologias e Sistemas de Informação é, na minha opinião, um dos seus temas mais importantes e, simultaneamente,

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

Sistemas de Informação em Estruturas Organizacionais. Carlos J. Costa

Sistemas de Informação em Estruturas Organizacionais. Carlos J. Costa Sistemas de Informação em Estruturas Organizacionais Carlos J. Costa Sumário Apresentação: Docente Programa Avaliação Aulas (10%) Trabalhos (40%) Teste Frequência (50%) Programa Resumido Introdução Sistemas

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Sistemas de Gestão na Segurança de Informação

Sistemas de Gestão na Segurança de Informação Public Safety & National Security Day Sistemas de Gestão na Segurança de Informação Paulo Faroleiro Lisboa, 10 de Dezembro 09 A Novabase Web site: www.novabase.pt Fundada em 1989 no seio académico no IST,

Leia mais

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1

Indice. Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos. Introdução... 1 r Indice Introdução.......................................... 1 Parte I - Um Modelo de Gestão de Projectos 1- Características da Gestão de Projectos 11 1.1 Definição de Projecto 11 1.2 Projectos e Estratégia

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

GESTÃO. 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão. 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1

GESTÃO. 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão. 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- (breve) História do Pensamento sobre a Gestão DEG/FHC DEG 1 1.2-História do Pensamento sobre a Gestão As organizações e a prática da Gestão foram,

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão

1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 1 GESTÃO 1.-A Gestão e a evolução das teorias da Gestão 1.2- História do Pensamento sobre a Gestão 2 1.2-História

Leia mais

GTI Governança de TI

GTI Governança de TI GTI Governança de TI Modelos de Melhores Práticas e o Modelo de Governança de TI Governança de TI FERNANDES & ABREU, cap. 4 1 COBIT Control Objectives for Information and Related Technology. Abrangente

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento

ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR Prof. Bento QUESTÕES Doc. # 1 Revisão Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA DE UM PROBLEMA OU CONJUNTO DE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1 Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal João Varajão 1, Cidália Pereira 2, Luís Amaral 3, Sandra Castro 2 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias,

Leia mais

2.3. Sistemas de Informação

2.3. Sistemas de Informação 2.3. Sistemas de Informação 2.3.1. Sistema Comecemos por observar como definem diversos autores o que será um sistema, sistema é um conjunto complexo de inúmeras partes que interagem (MAXIMIANO, Antonio

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos www.iirangola.com MASTERCLASS IT Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT Strategic IT Manager Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos Variáveis no desenho do orçamento: objectivos,

Leia mais

BPM (Business Process Management)

BPM (Business Process Management) Instituto Superior de Economia e Gestão Ano lectivo 2007/2008 Cadeira de Tecnologias de Informação BPM (Business Process Management) Planeamento e Controlo de Gestão Baseados nos Processos de Negócio José

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens. Psicossociologia do trabalho 1

Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens. Psicossociologia do trabalho 1 Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens Psicossociologia do trabalho 1 Sumário As organizações modernas A transferência do papel da comunidade para as organizações O processo de interdependência

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

A implementação de Sistemas de Gestão ISO27001 e ISO20000 Principais Etapas

A implementação de Sistemas de Gestão ISO27001 e ISO20000 Principais Etapas A implementação de Sistemas de Gestão ISO27001 e ISO20000 Principais Etapas Paulo Faroleiro ISO 20000 CC/LA, ISO 27001 CC/LA, CISA, CISM Certified Processes Auditor (BSI) Certified Project Manager C-Level

Leia mais

GERENCIAMENTO E PROCESSO Porque adotá-los? Onivaldo Roncatti e Leonardo Noshi

GERENCIAMENTO E PROCESSO Porque adotá-los? Onivaldo Roncatti e Leonardo Noshi GERENCIAMENTO E PROCESSO Porque adotá-los? Onivaldo Roncatti e Leonardo Noshi 1 Sobre a empresa A Business Station é uma provedora de soluções de tecnologia. Possui 5 filiais: São Paulo (matriz), Campinas,

Leia mais

Ciência de Administração - 2 ª Parte

Ciência de Administração - 2 ª Parte VITOR MIGUEL CARDOSO ARAÚJO _ APRL_2004 http://paginas.ispgaya.pt/~vmca Ciência de Administração - 2 ª Parte 2. TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO Enquanto Taylor e outros engenheiros americanos desenvolviam

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001 Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Agenda Introdução Desafio 1º passo Problemática ISO 27001 ISO 20000 Conclusões 2 Agenda Introdução

Leia mais

Relacionamento das melhores práticas do Cobit e ITIL para a Governança de TI

Relacionamento das melhores práticas do Cobit e ITIL para a Governança de TI Relacionamento das melhores práticas do Cobit e ITIL para a Governança de TI Leonardo de Castro Loureiro leonardocloureiro@hotmail.com UNIVERSO Thiago de Araujo Penha guitarhead@gmail.com UNIVERSO João

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios

A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios A Governança de TI Gestão de TI através de Portfólios Sandra Sergi Santos, PMP Governança de TI Vamos começar este artigo analisando Governança de TI. A Governança de TI é a área mais crítica de uma governança

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Governança de TI. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de TI. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança Governar Governança Ato de governar(-se), governo, governação Governar ter mando, direção, dirigir, administrar tratar

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa Interior da capa PREFÁCIO O edifício normativo da Organização Internacional de Trabalho compreende diferentes instrumentos: Convenções, Recomendações, Resoluções, Conclusões e Directrizes. Destacam-se

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação

A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação Prof. Dr. Jorge H C Fernandes Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Junho de

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

1- Conceitos Fundamentais sobre Gestão

1- Conceitos Fundamentais sobre Gestão GESTÃO 1- Conceitos Fundamentais sobre Gestão 1 1.1- O que é uma Organização? Uma Organização é uma entidade social, constituída e estruturada voluntariamente e orientada para atingir metas e objectivos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO FAYOLISMO PREVER ORGANIZAR COMANDAR COORDENAR CONTROLAR HENRY FAYOL (1841-1925) NOS MOMENTOS DE CRISE SÓ A IMAGINAÇÃO É MAIS IMPORTANTE QUE O CONHECIMENTO Albert Einstein

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de Sistema de Gestão e de Garantia da Qualidade Agenda Enquadramento Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Garantia da Qualidade 2 Enquadramento Estatutos da ESHTE Prossecução de objectivos de qualificação

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Governança de TI Ementa: Relacionar a governança de TI com a governança corporativa. Boas práticas

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Business Value Delivery The IT Challenge

Business Value Delivery The IT Challenge Business Value Delivery The IT Challenge Luis Miguel Porém Country Manager Compuware Portugal Coimbra, Abril de 2004 ustentação do negócio Uma aplicação que funciona e está disponível é o activo principal

Leia mais

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011

Workshop. Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal. Inquérito Nacional 2011. Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Workshop Maturidade da Governação e Gestão de TI em Portugal Inquérito Nacional 2011 Mário Lavado itsmf Portugal 11-10-2011 Agenda Apresentação dos resultados do estudo de maturidade do ITSM & ITGovervance

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais