AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM TRABALHO DE ASSESSORIA VOCAL COM PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM TRABALHO DE ASSESSORIA VOCAL COM PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM TRABALHO DE ASSESSORIA VOCAL COM PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS Máryam de Paula Arbach Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida Emilse Aparecida Merlin Servilha Grupo Interdisciplinar Multiprofissional em Promoção da Saúde Centro de Ciências da Vida Resumo: Objetivo: avaliar a eficácia de assessoria fonoaudiológica oferecida para professores universitários. Material e Método: Participaram oito docentes com média de idade de 52,5 anos, 75% do sexo feminino e 25% do masculino. O trabalho envolveu sete encontros com periodicidade semanal abordando: saúde vocal (comportamentos e atitudes que preservam a voz, uso da voz em sala de aula e amplificação sonora), técnicas vocais (aquecimento/desaquecimento, ressonância, projeção e modulação vocais) e coordenação respiração-fonação. O protocolo Índice de Desvantagem Vocal (IDV) foi aplicado no primeiro e no último dia da assessoria e seus valores comparados e tomados como parâmetros para se avaliar a eficácia da assessoria vocal. Resultados: a pontuação IDV total dos professores foi no préteste 107 e 82 no pós-teste, havendo redução de 25 pontos. Em nível individual, os valores variaram de 3-24 no pré-teste e de 1-20 no pós-teste, ambos indicando baixa desvantagem vocal. Os valores das subescalas obtidos no pré-teste foram: 24 (), 30() e 53 (); e no pós-teste: 25, 11 e 46, respectivamente. As subescalas e apresentaram maiores diferenças entre pré e pós-teste. A comparação entre os escores das subescalas nos dois momentos mostrou diferença significativa (p=0,042) na. Conclusão: O IDV mostrou-se útil como parâmetro de avaliação da assessoria vocal, indicando sua eficácia pela redução dos escores geral e das subescalas. A saúde e o bem-estar dos docentes foram obtidos, em especial na dimensão emocional. Palavras-chave: voz, docentes, treinamento vocal. Área do Conhecimento: Grande Área do Conhecimento: Ciências da Saúde. Sub-Área do Conhecimento CNPq: Fonoaudiologia. 1. I NTRODUÇÃO Pesquisas com professores mostram que há maior prevalência de distúrbios vocais neste segmento profissional do que na população em geral [1,2,3,4,5] e sua origem está no uso indevido e agressivo da voz, tem início progressivo e apresenta sintomas de voz cansada, rouquidão, garganta seca, odinofonia, quebras e perda da voz [6,7],dificuldade de utilizar sons agudos e flexionar a voz indicando alegria, motivação, surpresa. Diante desse quadro, o professor nem sempre conhece técnicas vocais, assim como estratégias que,colaborem para a superação das adversidades do ambiente e organização do trabalho [8,9,10]. A importância de o professor manter a voz livre de alterações se justifica porque, para a atividade de ensino, a flexibilidade das qualidades vocais é imprescindível para atingir os objetivos pedagógicos e a autoridade em sala de aula [11]. È consenso na literatura da área que há necessidade de ações de promoção da saúde vocal do professor devido aos seus resultados positivos [12,13,14,15,16,17,18] e que neste bojo várias estratégias como cursos, palestras, oficinas, consultorias e assessorias são valorosas quando consideram as necessidades e demandas dos profissionais envolvidos e buscam desenvolver o conhecimento vocal do professor como requisito para sua saúde e oferecer recursos comunicativos para serem utilizados em sala de aula. Outra questão importante são os resultados das investigações sobre a saúde, a voz e a qualidade de vida dos professores. O Índice de Desvantagem Vocal (IDV) pode ser útil em avaliações nestes casos, pois, mensura o impacto da disfonia nas atividades do dia a dia, a partir da autoavaliação [19] e tem sido empregado em pesquisas nacionais [20,21] e internacionais [22,23,24]. Nesse contexto de distúrbios vocais em professores e a possibilidade de restabelecimento de uma voz sem alterações é que surge o objetivo desta pesquisa

2 que é avaliar a eficácia de um trabalho de assessoria vocal com professores universitários. 2. MÉTODO Participaram 12 professores universitários da área da saúde de um total de 85 que já haviam participado de etapas anteriores de uma pesquisa mais ampla, nas quais foram empregadas o protocolo Condições de Produção Vocal Professor (CPV-P) [25] e a gravação de amostra de voz para avaliação fonoaudiológica. Todos os professores foram convidados a participar, por meio de correspondência eletrônica e folhetos na sala dos professores, contudo, apenas 12 iniciaram os encontros, sendo que quatro deles, devido a compromissos acadêmicos, foram paulatinamente deixando o curso, que finalizou com oito professores. Destes, seis eram do sexo feminino e dois (25%) do masculino; idade variando entre 38 e 69 anos, média de 52,5 anos. Todos os participantes pertenciam à área da saúde e seis (75%) referiram não possuir alteração na voz antes da assessoria vocal. A pesquisadora ofereceu atividades de assessoria vocal para os professores durante o segundo semestre de 2011, mais especificamente os últimos dois meses. Muitos professores mostraram-se disponíveis a participar, contudo, só foi possível a constituição de três grupos com número de três a seis professores Embora estivessem previstos encontros com periodicidade quinzenal, dado o avançado do semestre, optou-se por realizá-los semanalmente, cumprindo-se assim, seis encontros com duração de 60 minutos cada um. Foram abordados conhecimentos e cuidados com a voz, experimentação de técnicas de projeção e modulação vocal, assim como o aperfeiçoamento da articulação e postura corporal em sala de aula. Fizeram parte dos encontros também discussões sobre estratégias de aula e uso de voz, questões de disciplina e formas de manejar a voz que levassem a uma comunicação professor-aluno mais eficiente. O protocolo IDV foi preenchido pelos professores no primeiro dia (pré-teste) e, reaplicado no último (pósteste) da assessoria vocal. A análise dos dados foi realizada pelo protocolo específico do instrumento, com destaque para os valores individuais e grupais, destaque de questões mais e menos pontuadas e foram cotejados os resultados dos dois momentos, por questão e por subescala utilizando-se o Teste não-paramétrico de Wilcoxon. O valor de significância adotado foi de 5%%. Esse Plano de Trabalho deriva do projeto maior da pesquisadora intitulado Saúde e Trabalho na Universidade: estratégias para promover a voz do professor, que foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da PUC-Campinas em 12/11/2009, sob nº. 885/ RESULTADOS Subescala Questão do IDV Tabela 1. Pontuação das questões de maior relevância por subescala no pré-teste e sua evolução no pósteste. teste teste Minha voz é pior no final do dia Minha voz varia ao longo do dia 8 9 Minha voz parece rouca e seca 7 4 Sinto que tenho que fazer força para minha voz sair 7 9 As pessoas têm dificuldade de me entender em ambientes barulhentos As pessoas têm dificuldade de me ouvir por causa da minha voz 6 6 Meu problema de voz me chateia 7 4 Fico tenso quando falo com os outros por causa da minha voz 6 3 Minha voz faz com que eu me sinta em desvantagem 5 2

3 Gráfico 1. Comparação entre os resultados das Subescalas do Índice de Desvantagem Vocal nas situações pré e pós-assessoria vocal do grupo de professores. Tabela 2. Análise dos resultados das subescalas e total do idv no pré e pós assessoria vocal Momento n Média Dp Mínimo Máximo Mediana p 8 3,00 2,45 0,00 7,00 2,50 8 3,13 2,42 1,00 6,00 2,00 8 6,63 4,10 2,00 12,00 7,50 8 5,75 4,27 0,00 11,00 6,50 8 3,75 3,58 0,00 10,00 3,00 8 1,38 1,92 0,00 4,00 0,00 Total 8 13,38 7, ,00 Total 8 10,25 7, ,00 4. DISCUSSÃO 0,655 0,288 0,042* 0,012* As questões que mais incomodaram os docentes na situação de pré-assessoria vocal (Tabela I) diziam respeito às modificações da voz ao longo do dia e, em especial ao seu final, com a deterioração de suas qualidades, surgindo a rouquidão e a necessidade de esforço para a sua produção. O uso incorreto da voz, de forma mais relevante em situação profissional que requer seu uso continuado, agride a laringe e as pregas vocais com consequente aparecimento de sintomas e sensações negativas como rouquidão, secura na garganta, dentre outros [6,7,8,9,]. A alteração da qualidade de voz, com consequente diminuição da loudness, traz prejuízos ao profissional pela perda da audibilidade e inteligibilidade da fala e voz que pode comprometer seu trabalho e vida social [11,26], conforme expresso pelas respostas dos docentes às questões da subescala funcional. Esta alteração vocal traz desdobramentos emocionais como ficar chateado, tensão e desvantagem para o docente que já enfrenta outros tipos de problemas em seu trabalho como desvalorização profissional, excesso de trabalho, assim como outros fatores que lhe trazem sofrimento. No presente estudo, apesar de presentes, todas estas questões mostraram-se com valores bastante reduzidos, indicando que a desvantagem vocal é baixa para os partícipes da pesquisa. Os resultados do grupo dos professores nas subescalas do instrumento mostram que a foi a mais afetada, seguida da e, finalmente, a, (Gráfico 1) reiterando os achados de outras pesquisas que utilizaram o mesmo instrumento de pesquisa [21,27]. A comparação entre os escores das subescalas do IDV nas situações pré e pós- assessoria vocal mostra que houve diminuição das pontuações nas três subescalas, sendo que a de maior relevância se deu na com queda de 13 pontos, seguida da com sete e com cinco. Ao se cotejar os resultados do IDV (Tabela II) constata-se significância entre aqueles referentes à subescala, aspecto com maiores ganhos para os professores desta pesquisa e o total geral, o que corrobora os resultados positivos da atuação fonoaudiológica em toda a linha de cuidado com a voz profissional [15,16,17,18]. Os resultados detalhados neste estudo e a evolução obtida pelos professores reiteram que a abordagem fonoaudiológica mostra-se benéfica no desenvolvimento da autopercepção dos professores na relação saúde, docência e voz e fortalece-os como agentes de seu bem-estar. É oportuno destacar algumas questões e limitações deste estudo. Inicialmente, o pequeno número de participantes na assessoria vocal, apesar da mesma ser oferecida para todos os docentes que participaram das fases anteriores (questionário e gravação e análise de voz). Os docentes manifestavam interesse em participar, inclusive,

4 alegando queixas vocais, contudo, sempre justificavam problemas de horários e excessos de compromissos que os impediam de comparecer. Possivelmente, as queixas vocais não eram avaliadas em grau de severidade suficiente para impelirem os docentes à participação, especialmente por não impedirem o exercício da docência. Por outro lado, compromissar-se com a reserva de sete dias e horários na agenda pode terlhes parecido demasiado longo e incompatível com as demandas acadêmicas. Entretanto, é preciso refletir como equacionar esta questão, pois, sabidamente, as ações pontuais em educação em saúde não geram mudanças de comportamentos significativas 5. CONCLUSÃO A assessoria vocal oferecida aos professores universitários mostrou resultados positivos e benéficos e estes puderam ser demonstrados por meio da regressão dos valores de todas as subescalas do instrumento de pesquisa, em especial no que se refere às conseqüências emocionais geradas pela voz. O IDV mostrou-se útil como parâmetro de avaliação da assessoria vocal e pode ser empregado no conjunto de materiais utilizados nas diferentes modalidades de atuação fonoaudiológica na área de voz sejam pesquisas, consultorias, assessorias, dentre outras, com vistas à saúde e bem-estar dos professores. AGRADECIMENTOS À Pontifícia Universidade Católica de Campinas, pela bolsa e apoio concedidos. REFERÊNCIAS [1] Roy N., et al. (2004), Prevalence of Voice Disorders in Teachers and General Population, J. Speech, Lang. Hear Research, vol. 47, p [2] De Jong FICRS., et al. (2006), Epidemiology of voice problems in Dutch teachers, Folia Phoniatr Logop, vol. 58, p [3] Angelilo M., et al (2009), Prevalence of occupational voice disorders in teachers, J Prev Med Hyg, vol. 50, p [4] Chong EYL., et al. (2010), Subjective health complaints of teachers from primary and secondary school in Hong Kong, International J Occup. Safety and Erg. (JOSE), vol.16, n.1, p [5] Hunter EJ., et al. (2010), Variations in Intensity, fundamental frequency, and voicing for teachers in occupational versus nonoccupational settings. J Speech, Language and Hearing Research, vol. 53, p [6] Chen SHC., et al. (2010), Risk factors and effects of voice problems for teachers, J Voice, vol. 24, n.2, p [7] Fabricio MZ., et al. (2010), Qualidade de vida relacionada à voz de professores universitários, Rev CEFAC, vol. 12, n.2, p [8] Vedovato TG., et al. (2008), Perfil sociodemográfico e condição de saúde e trabalho dos professores de nove escolas estaduais paulistas, Rev. Esc. Enferm USP, vol. 42, n.2, p [9] Araújo TM., et al. (2008), Fatores associados a alterações vocais em professores, Cad. Saúde Pública, vol. 24, n.6, p [10] Azevedo LL., et al. (2009), Queixas Vocais e grau de disfonia em professores do ensino fundamental, Rev Bras Fonoaudiol, vol. 14, n.2, p [11] Ilomäki I., et al. (2009), Relationships between self-evaluations of voice and working conditions, background factors, and phoniatric findings in female teachers, Logop. Phoniatric. Vocol, vol. 34, p [12] Duffy OM., et al. (2004), The impact of preventive voice care programs for training teachers: a longitudinal study, J Voice, vol. 18, p [13] Smolander S., et al. (2006), Voice problems experienced by Finnish comprehensive school teachers and realization of occupational health care, Logoped Phoniatr Vocol, vol. 31, p [14] Escalona E. (2006), Programa para la preservación de la voz en docentes de educación básica, Salud de los Trabajadores, vol.14, n.1, p [15] Silvério KCA., et al. (2008), Ações em saúde vocal: proposta de melhoria do perfil vocal de professores, Pró-Fono, vol.20, n.3, p [16] Alves LA., et al. (2009), Alterações da saúde e voz do professor, uma questão de saúde

5 do trabalhador, Rev. Latino-am Enfermagem,vol. 17, n.4, p [17] Choi- Cardim K., et al. (2010), Sintomas Vocais e Perfil de Professores em um Programa de Saúde Vocal. Rev. CEFAC, vol.12, n.5, p [18] Leppänen K., et al. (2010), One-year followup study of self-evaluated effects of Voice Massage, voice training, and voice hygiene lecture in female teachers, Logop. Phoniatric. Vocol, vol.35, p [19] Jacobson HB., et al. (1997), The Voice Handicap Index (VHI): development and validation, Amer J Speech Lang Pathol, vol.6, p [20] Behlau M., et al. (2009), Validação no Brasil de protocolos de auto-avaliação do impacto de uma disfonia, Pró-Fono, vol. 21, p.4, p [21] Tutya AS., et al. (2011), Comparação dos escores dos protocolos QVV, IDV, PPAV em professores, Rev Soc Bras Fonoaudiol, vol.16, n.3, p [22] Woisard V., et al. (2007), Voice Handicap Index: Correlation between subjective patient response and quantitative assessment of voice, J Voice, vol. 21, n.5, p [23] Kooijman, PGC., et al. (2007), Psychosocial Impact of the Teacher s Voice throughout the Career, J Voice, vol. 21, n. 3, p [24] Barbero-Díaz FJ., et al. (2010), Incapacidad vocal en docentes de la provincia de Huelva, Med Segur Trab, vol. 56, n. 218, p [25] Ferreira, LP., et al. (2007), Distúrbio de voz relacionado ao trabalho: proposta de um instrumento para avaliação de professores, Distúrb Comum, vol. 19, n.1, p [26] Van Houtte, E., et al. (2011), The impact of voice disorders among teachers: vocal complaints, treatment-seeking behavior, knowledge of vocal care, and voice-related absenteeism, J Voice, vol.25, n.5, p [27] Mestre, L.R. (2012), Voz do Professor: relação entre avaliação perceptivo-auditiva, autorreferência a sintomas e índice de desvantagem vocal [Tese de Mestrado], Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, IN, BRASIL.

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL.

PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. PERFIL VOCAL DA PESSOA COM DISFONIA: ANÁLISE DO ÍNDICE DE DESVANTAGEM VOCAL. Marina Bizigato Faculdade de Fonoaudiologia Centro de Ciências da Vida mabizi19@hotmail.com Iara Bittante de Oliveira Grupo

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

Mara Behlau, Fabiana Zambon, Ana Cláudia Guerrieri, Nelson Roy e GVP(*) Instituições: Panorama epidemiológico sobre a voz do professor no Brasil

Mara Behlau, Fabiana Zambon, Ana Cláudia Guerrieri, Nelson Roy e GVP(*) Instituições: Panorama epidemiológico sobre a voz do professor no Brasil Mara Behlau, Fabiana Zambon, Ana Cláudia Guerrieri, Nelson Roy e GVP(*) Instituições: Centro de Estudos da Voz CEV, Sindicato dos Professores de São Paulo SINPRO-SP e University of Utah, EUA Panorama epidemiológico

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES.

ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES. ASSOCIAÇÃO ENTRE SENSAÇÕES LARINGOFARINGEAS E CAUSAS AUTORREFERIDAS POR PROFESSORES. Autores: LAISE FERNANDES DE PAIVA, DANILO AUGUSTO DE HOLANDA FERREIRA, ALINE MENEZES GUEDES DIAS DE ARAÚJO, YOLANDA

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

CONDIÇÕES DVOCAIS E DE TRABALHO EM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES

CONDIÇÕES DVOCAIS E DE TRABALHO EM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES CONDIÇÕES DVOCAIS E DE TRABALHO EM PROFESSORES DE ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES Autores: CÍNTIA NAIARA JANUÁRIO DE FREITAS, DANILO AUGUSTO DE HOLANDA FERREIRA, ANNA ALICE ALMEIDA, VANDERSSOM CORREIA

Leia mais

Assessment of Effect of Vocal Coaching with College Professors. Evaluación del Efecto del Asesoramiento Vocal con Profesores Universitarios

Assessment of Effect of Vocal Coaching with College Professors. Evaluación del Efecto del Asesoramiento Vocal con Profesores Universitarios Avaliação do Efeito de Assessoria Vocal com Professores Universitários Assessment of Effect of Vocal Coaching with College Professors Evaluación del Efecto del Asesoramiento Vocal con Profesores Universitarios

Leia mais

Palavras chave: voz, prevenção, criança

Palavras chave: voz, prevenção, criança AÇÕES DE PREVENÇÃO DE DISFONIA INFANTIL EM CENÁRIOS EDUCACIONAIS: ANÁLISE DA CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS SOBRE VOZ A PARTIR DE DESENHOS DE ALUNOS DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Palavras chave: voz, prevenção, criança

Leia mais

Carolina dos Santos Almeida Souza. Isadora e Souza Guerci de Oliveira

Carolina dos Santos Almeida Souza. Isadora e Souza Guerci de Oliveira Carolina dos Santos Almeida Souza Isadora e Souza Guerci de Oliveira QUALIDADE DE VIDA EM VOZ CANTADA: O IMPACTO DO INDICE DE DESVANTAGEM VOCAL EM CANTORES GOSPEL Trabalho apresentado à banca examinadora

Leia mais

PERCEPÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO DE SALA DE AULA POR ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E SUAS CONSEQUENCIAS SOBRE A AULA E A SAÚDE

PERCEPÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO DE SALA DE AULA POR ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E SUAS CONSEQUENCIAS SOBRE A AULA E A SAÚDE PERCEPÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO DE SALA DE AULA POR ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS E SUAS CONSEQUENCIAS SOBRE A AULA E A SAÚDE Marina de Almeida Delatti Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida marina.ad@puccampinas.edu.br

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE RUÍDO AUTORREFERIDO EM SALA DE AULA E SUAS CONSEQUÊNCIAS SOBRE A VOZ

RELAÇÃO ENTRE RUÍDO AUTORREFERIDO EM SALA DE AULA E SUAS CONSEQUÊNCIAS SOBRE A VOZ RELAÇÃO ENTRE RUÍDO AUTORREFERIDO EM SALA DE AULA E SUAS CONSEQUÊNCIAS SOBRE A VOZ Flávia Andressa Justo Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida flavia.a.j@puc-campinas.edu.br Emilse Aparecida

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Merlin Servilha, Emilse Aparecida; Teixeira Fialho da Costa, Aline CONHECIMENTO VOCAL E A IMPORTÂNCIA DA VOZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

LARINGECTOMIA PARCIAL: AUTOPERCEPÇÃO DA VOZ E QUALIDADE DE VIDA

LARINGECTOMIA PARCIAL: AUTOPERCEPÇÃO DA VOZ E QUALIDADE DE VIDA LARINGECTOMIA PARCIAL: AUTOPERCEPÇÃO DA VOZ E QUALIDADE DE VIDA Daniela Melo Siqueira Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida Daniela.ms@puccampinas.edu.br Iára Bittante de Oliveira Grupo de Pesquisa

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES

CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES CONHECIMENTO DE PROFESSORES ACERCA DO DESENVOLVIMENTO DE FALA E AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Palavras-chaves: capacitação, fala, promoção da saúde Introdução As instituições de educação infantil constituem

Leia mais

Enquete. Dia dos Professores

Enquete. Dia dos Professores Enquete Dia dos Professores No dia 15 de outubro será comemorado o dia do professor. Muito se fala que a profissão, apesar de muito importante, perdeu seu glamour e prestígio, sendo incapaz de atrair a

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO 90 ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO Débora Fernandes dos Santos, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira,

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos Adotado da 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinki, Finlândia, Junho 1964 e emendas da

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ

ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ ESTUDO COMPARATIVO DA APLICAÇÃO ISOLADA E SIMULTÂNEA DAS ANÁLISES ESPECTROGRÁFICA E PERCEPTIVO-AUDITIVA NA CONFIABILIDADE DA AVALIAÇÃO DA VOZ Introdução: A voz é produzida no trato vocal e é resultado

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Análise de voz e comunicação oral de professores de curso pré-vestibular. Voice and oral communication analysis of preparatory school teachers

Análise de voz e comunicação oral de professores de curso pré-vestibular. Voice and oral communication analysis of preparatory school teachers Artigo Original Análise de voz e comunicação oral de professores de curso pré-vestibular Voice and oral communication analysis of preparatory school teachers Andressa Consentino Vieira 1, Mara Behlau 2

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

O artigo a seguir deve ser referenciado como:

O artigo a seguir deve ser referenciado como: O artigo a seguir deve ser referenciado como: Carvalho, José Oscar F. de (2000). A Utilização de Técnicas de Educação a Distância Mediada por Computador como Apoio às Aulas Presenciais: Um Estudo de Caso.

Leia mais

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Apresentação: Millena Vieira (Fonoaudióloga) Joel Pinheiro (Preparador Vocal) Bárbara Camilo (3ºano) Daniele Istile (2º ano) Orientação: Profª Drª Kelly

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos Adotada pela 18ª Assembleia Geral da Associação Médica Mundial (Helsinque, Finlândia,

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO

APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA ENSINO MÉDIO APÊNDICE 1 QUESTIONÁRIO PARA O/A PROFESSOR/A DE GEOGRAFIA MÉDIO Código: E P 1ª PARTE SEXO: ( ) FEMININO ( ) MASCULINO FAIXA ETÁRIA: ( ) menos de 25 anos de idade ( ) entre 26 e 35 anos de idade ( ) entre

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Relações entre handicap

Relações entre handicap Relações entre handicap auditivo, desempenho dos aparelhos de amplificação sonora individuais, benefício e satisfação em adultos atendidos por um programa de saúde auditiva credenciado ao SUS. Palavras

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos educadores Multiplicadores APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com atuação nacional, sem fins lucrativos ou econômicos,

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade

Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade Avaliação da Voz e do Comportamento Vocal em Crianças com Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade Palavras chaves: Transtorno de falta de atenção com hiperatividade; distúrbios da voz em criança;

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICOS PARA VINCULAÇÃO EM PROJETOS DE EXTENSÃO DA FCM-MG

EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICOS PARA VINCULAÇÃO EM PROJETOS DE EXTENSÃO DA FCM-MG EDITAL DE SELEÇÃO DE ACADÊMICOS PARA VINCULAÇÃO EM PROJETOS DE EXTENSÃO DA FCM-MG 1º SEMESTRE/2015 O Núcleo de Extensão Acadêmica (NEA) da Faculdade Ciências Médicas - MG (FCM- MG) torna público o presente

Leia mais

Palavras-chave: criança de rua; distúrbios da comunicação; voz profissional.

Palavras-chave: criança de rua; distúrbios da comunicação; voz profissional. Distúrbios da comunicação e audição entre escolares com queixas vocais, com e sem história de situação de rua, em Aracaju, Brasil. Autor: Neuza Josina Sales, Ricardo Queiroz Gurgel. Instituição: Universidade

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE EM SAÚDE AUDITIVA INFANTIL: EFETIVIDADE DA VIDEOCONFERÊNCIA

CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE EM SAÚDE AUDITIVA INFANTIL: EFETIVIDADE DA VIDEOCONFERÊNCIA CAPACITAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE EM SAÚDE AUDITIVA INFANTIL: EFETIVIDADE DA VIDEOCONFERÊNCIA Melo TM, Alvarenga KF, Blasca WQ. Faculdade de Odontologia de Bauru - Universidade de São Paulo.

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ

PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ PROFESSOR ESPECIALIZADO NA ÁREA DA DEFICIÊNCIA VISUAL: OS SENTIDOS DA VOZ Denise Cintra Villas Boas Léslie Piccolotto Ferreira Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUC/SP Área: Voz

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO

SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO Revista Eletrônica FACIMEDIT, v2, n2, jul/dez 2015 ISSN 1982-5285 ARTIGO ORIGINAL SABERES E PRÁTICAS SOBRE A FORMA DE COMUNICAÇÃO AO PACIENTESURDO PELOS PROFISSIONAIS DE ODONTOLOGIA EM CACOAL-RO KNOWLEDGE

Leia mais

SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1

SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1 SAÚDE VOCAL: LEVANTAMENTO DAS LEIS BRASILEIRAS 1 Léslie Piccolotto Ferreira Emilse Aparecida Merlin Servilha 3 Maria Lúcia Vaz Masson 4 Micheline Baldini de Figueiredo Maciel Reinaldi 5 RESUMO Objetivo:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento ROUQUIDÃO Prevenção e Tipos de Tratamento O que é Rouquidão? Quais são as causas da rouquidão? Como a rouquidão é avaliada? Quando devo procurar uma avaliação especializada? Como tratar as desordens vocais?

Leia mais

O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI*

O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI* O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI* * Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Doutora em Semiótica e Linguística

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COMUNITÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO BRUNO MASSINHAN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COMUNITÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO BRUNO MASSINHAN UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COMUNITÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO BRUNO MASSINHAN QUEIXAS REFERIDAS POR CAMINHONEIROS E MOTORISTAS PROFISSIONAIS

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 1. Descrição Este programa procura desenvolver nos estudantes de graduação

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA Unidade Dias e Horários

Leia mais

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03.

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

RISCOS OCUPACIONAIS À SAÚDE E VOZ DE PROFESSORES: ESPECIFICIDADES DAS UNIDADES DE REDE MUNICIPAL DE ENSINO

RISCOS OCUPACIONAIS À SAÚDE E VOZ DE PROFESSORES: ESPECIFICIDADES DAS UNIDADES DE REDE MUNICIPAL DE ENSINO RISCOS OCUPACIONAIS À SAÚDE E VOZ DE PROFESSORES: ESPECIFICIDADES DAS UNIDADES DE REDE MUNICIPAL DE ENSINO As relações entre o professor e seu trabalho motivam pesquisas, em nível mundial, pelas repercussões

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO *

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * COSTA, Marcia de Souza 1, PAES, Maria Helena Rodrigues 2 ; Palavras-chave: Pré-vestibular

Leia mais

A VOZ NO TELEJORNALISMO

A VOZ NO TELEJORNALISMO A VOZ NO TELEJORNALISMO Leny Rodrigues Kyrillos (1) RESUMO O presente trabalho é a compilação e a organização dos trabalhos científicos publicados nos formatos de artigos, capítulos de livro, trabalhos

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP TEXTO COMPILADO Regulamenta o Núcleo de Apoio Psicopedagógico O Conselho de Administração, Ensino, Pesquisa e Extensão Consaepe, tendo em conta a Portaria

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE (CEFID)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E DO ESPORTE (CEFID) CRONOGRAMA ENTREGA DE DOCUMENTOS Ficha de Estágio Termo de compromisso Controle de frequência Plano de trabalho Relatório final Seminário do Relatório final Avaliação e autoavaliação DATA PREVISTA Antes

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica

TERAPIA DE CASAIS. A Terapia Comportamental de Casais (TCC) é uma prática clínica CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO 5PAC016 PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Prof.ª Dra. Maria Luiza Marinho Casanova 1 TERAPIA DE CASAIS

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: TRABALHO DOCENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DA JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS DOS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA PAULISTA RESUMO O cenário atual do trabalho

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Exmo. Sr. Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção de Mato Grosso do Sul: A Comissão Permanente de Ensino Jurídico da OAB/MS, na pessoa de seu Presidente, o advogado Cláudio de Rosa Guimarães,

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Alves Oliveira, Naiana; Ferreira Gomes, Sabrina Reseña de "A equipe multiprofissional

Leia mais

O Bem-estar Animal na Escola: Divulgando Abordagens Humanitárias.

O Bem-estar Animal na Escola: Divulgando Abordagens Humanitárias. O Bem-estar Animal na Escola: Divulgando Abordagens Humanitárias. Rita Leal Paixão Médica Veterinária, M.Sc., D.Sc. JABOTICABAL, SP, BRASIL, 31 DE MAYO - 2 DE JUNIO DE 2010 Antecedentes do Projeto de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL 01/014 PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PERMANENTES E COLABORADORES DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIAS HUMANS, DA JEQUITINHONHA E MUCURI - UFVJM O Colegiado

Leia mais

-1- PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

-1- PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 GIMENIZ-PASCHOAL, Sandra Regina 2 VILAS BÔAS, Bruna 3 TÁPARO, Flávia Arantes 4 SCOTA, Bruna da Costa 5 Resumo

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Convocatória para 75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente

Convocatória para 75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente FUNDACIÓN MAPFRE Convocatória para 75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente 2012 Índice Apresentação Bases da Convocatória Questionários: - Solicitação do diretor do projeto

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR ADMINISTRAÇÃO GERAL E ECONOMIA NUM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

AVALIAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR ADMINISTRAÇÃO GERAL E ECONOMIA NUM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM AVALIAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR ADMINISTRAÇÃO GERAL E ECONOMIA NUM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Resumo Maria Aparecida de Oliveira Freitas 1 - EPE/UNIFESP Rosana Rodrigues Figueira Fogliano 2 - EPE/UNIFESP

Leia mais

Prevalência de alteração vocal em educadoras e sua relação com a auto-percepção

Prevalência de alteração vocal em educadoras e sua relação com a auto-percepção Rev Saúde Pública 2006;40(6):1013-8 Marcia Simões I Maria do Rosário Dias de Oliveira Latorre II Prevalência de alteração vocal em educadoras e sua relação com a auto-percepção Prevalence of voice alteration

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

Preditividade das sentenças do protocolo de avaliação da inteligibilidade da fala nas disartrias

Preditividade das sentenças do protocolo de avaliação da inteligibilidade da fala nas disartrias Preditividade das sentenças do protocolo de avaliação da inteligibilidade da fala nas disartrias Alexandre E, Barreto SS, Ortiz KZ Palavras-chave: Inteligibilidade da Fala; Percepção da Fala; Disartria.

Leia mais

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família Líder em soluções de TI para governo MOTIVAÇÃO A ação constou do Plano de Ação da 5ª Edição do

Leia mais

Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2008 jan-mar;20(1).

Pró-Fono Revista de Atualização Científica. 2008 jan-mar;20(1). Mudanças em comportamentos relacionados com o uso da voz após intervenção fonoaudiológica junto a educadoras de creche*** Changes in behavior associated to the use of voice after a speech therapy intervention

Leia mais

IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA

IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA IDENTIFICAR A INCIDÊNCIA E TIPOS DE BULLYING MAIS FRENQUENTE NA ESCOLA Resumo Daiane Voltoline 1 - PUCPR Paulo Cesar de Barros 2 - PUCPR Grupo de Trabalho Violência nas Escolas Agência Financiadora: não

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais