ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH"

Transcrição

1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus Augusto Mendes Amparo, 3 Rômulo Araújo Fernandes, 4 Manoel Osmar Seabra Júnior 1 Graduanda de Educação Física UNESP Presidente Prudente. 2 Graduando de Pedagogia UNESP Presidente Prudente. 3 Professor Doutor Curso de Educação Física UNESP Presidente Prudente. 4 Professor curso de Educação Física Doutor UNESP Presidente Prudente. Universidade Estadual Paulista Campus de Presidente Prudente Departamento de Educação Física. E mail: RESUMO O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é caracterizado pelos sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade. É um dos mais frequentes transtornos emocionais, cognitivo e comportamental que acomete especialmente crianças em idade escolar. O diagnóstico de TDAH em crianças e adolescentes, de acordo com o DSM IV, considerado padrão ouro para diagnóstico, requer que os sintomas estejam presentes em, ao menos, dois ambientes distintos em especial na escola e família. Desta forma, a presente pesquisa teve como finalidade investigar a concordância entre os relatos dos pais e professores de uma amostra composta por 10 alunos com idades variando entre 6 e 10 anos (8 meninos e 2 meninas) com diagnóstico clínico de TDAH, regularmente matriculados em uma instituição pública de ensino do município de Presidente Prudente. Após a análise e comparação pode se concluir que não há diferenças estatísticas entre os escores dos pais e professores. Palavras chave: Transtorno Déficit de Atenção; Hiperatividade; Pais; Professores; diagnóstico. INTRODUÇÃO O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é caracterizado pelos sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade atingem cerca de 3 a 5% das crianças em idade escolar, sendo mais usualmente encontrado em meninos do que meninas (ABDA, 2012). Os sintomas com frequência aparecem na infância e em alguns casos acompanham o individuo até a idade adulta. Suas causas são discutidas e apresentadas na literatura sobre diferentes aspectos estando relacionadas a fatores genético familiares, adversidades biológicas e psicossociais associada a um desempenho inadequado nos mecanismos que regulam a atenção, reflexibilidade e a atividade motora (SENO, 2010; TALLIS, 2004). O diagnóstico de Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade/ impulsividade (TDAH) é baseado no Manual Diagnóstico e Estático de Transtornos Mentais (DSM), desenvolvido nos Estados Unidos e considerado padrão ouro para classificação dos transtornos mentais, sendo frequentemente utilizado por profissionais da saúde APA, (1844). De acordo com este protocolo para fins diagnóstico é necessário que a criança seja acompanhada e observada por uma equipe multidisciplinar, durante um período mínimo de seis meses, e que a mesma apresente sintomas

2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, persistentes em pelo menos dois ambientes como o escolar e familiar e a criança deve apresentar seis ou mais sintomas de cada item avaliado. No entanto Pereira (2009), salienta que o diagnóstico não deve ocorrer apenas por meio de exames clínicos, uma vez que este transtorno manifesta se no ambiente escolar sendo frequentemente observados e sugeridos por professores. É necessário que seja obtida informações com os docentes a cerca de suas percepções, assim como, deve ser realizada uma entrevista com os responsáveis pela criança para que ambas as fontes de informações possam auxiliar e serem consideradas no diagnóstico reforçando a importância do relato proveniente dos pais e da escola. Alguns estudos demostraram que a correlação entre relatos de pais e professores é modesta e que com frequência divergem quanto a classificação do TDAH por subtipo. Por outro lado uma pesquisa com amostra clínica de crianças com TDAH demonstrou que taxas de concordância entre pais e professores foram melhores para sintomas de desatenção, do que para hiperatividade. Discordância entre as variadas fontes de informação também foi apontada em um estudo, no qual mães relataram uma incidência maior de sintomas de hiperatividade, ao passo que professores evidenciaram mais sintomas de desatenção. Com base na revisão realizada apenas dois estudos brasileiros contemplaram este tema. Serra Pinheiro et al. Avaliaram a concordância entre pais e professores e os resultados demonstraram que professores relataram mais sintomas de desatenção ao contrario dos pais que apontaram mais sintomas de hiperatividade. Outro estudo realizado por Coutinho et al, (2008) demonstrou que pais referiam mais sintomas entre ambos os domínios (desatenção e hiperatividade) em relação aos professores. Desta forma, o objetivo do presente estudo foi avaliar taxas de concordância entre os relatos de pais e professores para sintomas de TDAH em uma amostra de crianças com diagnóstico clínico, com base na revisão de literatura e em estudos que demonstram que profissionais brasileiros da área da educação possuem baixo conhecimento acerca da sintomatologia do TDAH. METODOLOGIA Realizou se um estudo transversal, com caráter descritivo. A amostra foi composta por 10 alunos com idades variando entre 6 e 10 anos (8 meninos e 2 meninas) com diagnóstico clínico de TDAH, regularmente matriculados em uma instituição pública de ensino do município de Presidente Prudente. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNESP, Campus de Presidente Prudente, com protocolo CE 109/2010, em atendimento à Resolução 196/96 do CNS.

3 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, Para fins de coleta de dados foi agendada uma reunião com os pais dos alunos e professores, onde nesta oportunidade os mesmos assinaram um Termo de Consentimento Livre e esclarecido, conforme Resolução 196/96 do CSN. Em seguida os mesmos preencheram o questionário Swanson Nolan and Pelhan (SNAP IV), Swanson, (1992). O SNAP IV é um questionário construído a partir dos sintomas do transtorno de déficit de atenção, hiperatividade/impulsividade descritos no DSM IV com questões de domínio público e emprega os sintomas listados no DSM IV para diagnóstico TDAH (APA,2000). No presente estudo, foi utilizada a versão brasileira do questionário SNAP IV validado por Mattos e colaboradores (2005). O questionário tem 18 questões relativas a sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade. Para cada questão são oferecidas quatro alternativas de resposta com pontuações que vão de 0 à 3: nem um pouco, só um pouco, bastante ou demais. As questões de um a nove são relativas aos sintomas de desatenção e as questões de dez a dezoito são referentes a sintomas de hiperatividade e impulsividade. Em decorrência de o questionário fornecer respostas numéricas ordinais, os dados foram apresentados em valores de mediana e diferença entre quartil (DQ). Por serem os mesmos indivíduos avaliados pelos pais e professores, utilizou se o teste de Wilcoxon para dados pareados. A significância estatística (p valor) foi determinada em valores inferiores a 5%. O software estatístico utilizado foi o BioEstat (versão 5.0). RESULTADOS Ao todo foram avaliados 10 jovens, dos quais os Pais e Professores responderam o questionário (Tabela 1). Houve diferença apenas para a Questão 10 (Mexe com as mãos ou pés ou se remexe na cadeira), na qual os valores dos pais foram superiores aos dos Professores. Para cada professor e pai calculou se a somatória das 18 perguntas e, quando comparados, embora com valores 62% diferentes, a mediana dos pais (mediana: 38,5 [variação interquartil: 14,2]) e dos professores (mediana: 26,5 [variação interquartil: 23,7]) não diferiu estatisticamente (p valor= 0,315).

4 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, Tabela 1. Respostas de pais e professores dos alunos envolvidos no estudo. Questionário Pais (n= 10) Professores (n= 10) Mediana (DQ) Mediana (DQ) p valor* Questão 1 2,5 (1) 2 (1) 0,589 Questão 2 2 (1) 2 (2) 0,317 Questão 3 2 (2) 2 (2) 0,490 Questão 4 1,5 (1) 2 (2) 0,102 Questão 5 1,5 (1) 2 (1) 0,160 Questão 6 2 (2) 2 (2) 0,380 Questão 7 2,5 (1) 1,5 (2) 0,084 Questão 8 2,5 (1) 2,5 (1) 0,317 Questão 9 2 (2) 1,5 (2) 0,332 Soma 1 a 9 (Desatenção) 18,5 (11,2) 18,5 (12,2) 0,678 Questão 10 3 (1) 1 (3) 0,047 Questão 11 3 (1) 2 (2) 0,096 Questão 12 2 (2) 1,5 (2) 0,476 Questão 13 2 (1) 1,5 (2) 0,490 Questão 14 2,5 (1) 1,5 (1) 0,084 Questão 15 3 (1) 1,5 (2) 0,129 Questão 16 2,5 (1) 1 (2) 0,056 Questão 17 2 (1) 2 (2) 0,524 Questão 18 2,5 (2) 1,5 (3) 0,380 Soma 10 a18 (Hiperatividade) 22,5 (7,7) 14 (16) 0,172 Soma 1 a 18 38,5 (14,2) 26,5 (23,7) 0,315 DQ= diferença entre quartil; *= teste de wilcoxon para dados categóricos pareados. O mesmo ocorreu para a hiperatividade (p valor= 0,172) e desatenção (p valor= 0,678). DISCUSSÃO Apenas dois estudos brasileiros haviam investigado taxas de concordância entre pais e professores para sintomas de TDAH, onde ficou evidenciado que professores relatam mais sintomas de desatenção, ao passo que pais relatam mais sintomas de hiperatividade. Já no estudo realizado por Coitinho et. al. (2009) com 44 crianças diagnosticadas com TDAH, a concordância para diagnóstico revelou se moderada ocorrendo na maioria dos casos, porém ao considerar apenas os relatos dos pais 90% da amostra seria diagnosticada como portadora de TDAH. Corroborando com os estudos existentes, após a pesquisa observou se que existe uma proximidade nas respostas dos pais e professores no que diz respeito a desatenção e a hiperatividade, o que sugere que tanto no ambiente escolar, quanto no ambiente familiar o individuo já diagnosticado com TDAH, apresenta comportamentos semelhantes. De acordo com Pereira (2009) a opinião dos responsáveis e professores deve ser agregada ao diagnóstico efetuado por um profissional neuropsiquiatria infantil ou por uma equipe multidisciplinar.

5 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, Os resultados obtidos demonstraram que existe concordância entre o relato de pais e professores o que se presumi que os pais apresentam acerca do comportamento ou desempenho acadêmico de sua prole, o que poderia explicar os sintomas relatados comparados com os professores. CONCLUSÃO Em resumo pode se concluir que não há diferenças estatísticas entre os escores dos pais e professores, o que sugere que ambos possuem relato semelhantes a cerca do comportamento do individuo com TDAH. Desta forma, o relato dos pais e professores devem ser incorporado ao diagnóstico clínico que usualmente é realizado apenas com a avaliação clínica. Por outro lado o estudo sugere que seja realizado um trabalho de intervenção com os pais e professores de crianças com TDAH a fim de auxiliar na identificação e também na busca de recursos e estratégias. REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DO DÉFICIT DE ATENÇÃO. Disponível em: < Acesso em: 10 dez 2011; AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION, Disponível em: < >. Acesso em: 10 jan. 2012; COUTINHO, G. et al. Concordância entre relato de pais e professores para sintomas de TDAH: resultados de uma amostra clínica brasileira. Revista de Psiquiatria Clínica. 2009; 36(3): Disponível em:< Acesso em: 20 Jan 2012; MATTOS, P. et al. Apresentação de uma versão em português para uso no Brasil do instrumento de avaliação de sintomas de transtorno de déficit de atenção/hiperatividade e sintomas de transtorno desafiador e de oposição. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. Vol.28. n. 3.Porto Alegre. set/ dez, Disponível em: < &script=sci_arttext>. Acesso em: 20 set. 2011; PEREIRA, C. de. S. C. Conversas e controvérsias: uma análise da constituição do TDAH no cenário científico e educacional brasileiro. Programa de pós graduação em História das Ciências e da Saúde. Rio de Janeiro, 2009); SWANSON, J. M. School based assessment and interventions for ADD students. Irvine, CA: K.C. Publishing.

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0576 ALTERAÇÕES DO SONO E TRANSTORNO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE

Leia mais

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO

CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO CONHECIMENTO DO PROFESSOR SOBRE TDAH E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ESCOLAR DO ALUNO HIPERATIVO ALINE OLIVEIRA SALGUEIRO* CLÁUDIA ROBERTA GASPARETTO NÁDIA HARUMI INUMARU RESUMO: O presente trabalho investiga

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora MARISA SERRANO

PARECER Nº, DE 2009. RELATORA: Senadora MARISA SERRANO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 402, de 2008, que dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação

Leia mais

Educação e Saúde Profa Vânia Vieira Costa

Educação e Saúde Profa Vânia Vieira Costa Educação e Saúde Profa Vânia Vieira Costa Aula IV 15/05/2012 AULA DE HOJE Saúde Bucal Saúde Ocular TDAH Google imagens A boca não apenas como um órgão http://www.fotosearch.com.br/ www.mesarubra.blogger.com.br/boca.jpg

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ALUNOS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ATENDIDOS NO PROJETO EDUCAÇÃO ESPECIAL: ATIVIDADES DE EXTENSÃO, PESQUISA E ENSINO AUTORES: Luis Henrique de Freitas Calabresi, Maria da Piedade Resende da

Leia mais

Acidentes e escolares com TDAH: ocorrências e ações educativas preventivas com professores do ensino fundamental

Acidentes e escolares com TDAH: ocorrências e ações educativas preventivas com professores do ensino fundamental Acidentes e escolares com TDAH: ocorrências e ações educativas preventivas com professores do ensino fundamental Ana Paula Vizacre, ana.vizacre@outlook.com ; Prof. Dra. Sandra Regina Gimeniz- Paschoal,

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA RUBENS LARA Análise e Desenvolvimento de Sistemas

FACULDADE DE TECNOLOGIA RUBENS LARA Análise e Desenvolvimento de Sistemas FACULDADE DE TECNOLOGIA RUBENS LARA Análise e Desenvolvimento de Sistemas Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento (2013/01) Professor Responsável: Ms. Gerson Prando Santos, 17 de março de 2013. Versão

Leia mais

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL

DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL DOCENTES DO CURSO DE JORNALISMO: CONHECIMENTO SOBRE SAÚDE VOCAL Rayné Moreira Melo Santos (CESMAC) raynefono@yahoo.com.br Rozana Machado Bandeira de Melo (CESMAC) rmbmelo@ig.com.br Zelita Caldeira Ferreira

Leia mais

CARACTERÍSTICAS COGNITIVAS E AFETIVAS ENTRE ALUNOS SUPERDOTADOS, HIPERATIVOS E SUPERDOTADOS/HIPERATIVOS: UM ESTUDO COMPARATIVO

CARACTERÍSTICAS COGNITIVAS E AFETIVAS ENTRE ALUNOS SUPERDOTADOS, HIPERATIVOS E SUPERDOTADOS/HIPERATIVOS: UM ESTUDO COMPARATIVO CARACTERÍSTICAS COGNITIVAS E AFETIVAS ENTRE ALUNOS SUPERDOTADOS, HIPERATIVOS E SUPERDOTADOS/HIPERATIVOS: UM ESTUDO COMPARATIVO Dissertação de Mestrado UnB/IP Mestranda: Vanessa Terezinha Alves Tentes de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena

Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Imagem Corporal de adolescentes estudantes do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Tassiana Aparecida Hudson 1, Ana Carolina Soares Amaral 2 ¹Acadêmica do Curso Superior de Licenciatura em Educação Física, Instituto

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso: Psicologia Núcleo Temático:Psicologia e Saúde Coletiva Disciplina:Psicologia Escolar I Professor(es): Marcos Vinícius de Araújo

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011

RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011 RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011 Modalidade: Mesa Redonda TÍTULO DA MESA: UTILIZAÇÃO DOS SUBTESTES RACIOCÍNIO MATRICIAL E CÓDIGOS DO BETA III EM DIVERSOS CONTEXTOS Coordenador da mesa:

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA 0 EDUCAÇÃO BÁSICA Brasileiros reconhecem que baixa qualidade da educação prejudica o país A maior parte dos brasileiros reconhece que uma educação de baixa

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO CURSO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO CURSO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO 1 ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESCOLA MARECHAL CASTELLO BRANCO CURSO DE PREPARAÇÃO E SELEÇÃO Relatório de Pesquisa Nº 3 Oficiais aprovados no Concurso de Admissão 16 de setembro de 2013

Leia mais

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L

TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L TRANSTORNO DO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE - TDAH P R O F E S S O R : H U M B E R T O M Ü L L E R S A Ú D E M E N T A L TDAH - EPIDEMIOLOGIA Tx. Varia entre 1,5 5,8% Crianças e adolescentes; Difere

Leia mais

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas Avaliação da Educação Básica no Brasil Maria Inês Fini Slide 1 Avaliação Educacional no Brasil Década de 90 Estruturação e Desenvolvimento dos Sistemas de Avaliação e de Informação da Educação Básica e

Leia mais

TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF): VISÃO DOS PROFISSIONAIS

TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF): VISÃO DOS PROFISSIONAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA NOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA (NASF):

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS Coordenadoras: Karla da Costa Seabra (Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Educação) Susana Engelhard Nogueira (Instituto Federal

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2015 1 O que é pesquisa? Pode-se definir pesquisa como:

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO. 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental

1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO. 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental 1 METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL 1º AO 9º ANO 1.1. Da avaliação para os primeiros e segundos anos Ensino Fundamental A avaliação do processo de aprendizagem no Ensino Fundamental terá o aproveitamento

Leia mais

Especialização em Atendimento Educacional Especializado

Especialização em Atendimento Educacional Especializado Especialização em Atendimento Educacional Especializado 400 horas Escola Superior de Tecnologia e Educação de Rio Claro ASSER Rio Claro Objetivos do curso: De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases, especialmente

Leia mais

FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TCC 2014/2015

FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TCC 2014/2015 FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ REGULAMENTO COORDENAÇÃO DE TCC 2014/2015 SANTO ANDRÉ 2014 1 HISTÓRICO E OBJETIVOS A implantação das políticas vinculadas ao estímulo a pesquisa na instituição

Leia mais

DISCIPLINA:DIFICULDADES E DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM PROFESSOR(A):Deise Mª M. Barnabé E-MAIL:deisemmb@gmail.com CELULAR:(47)99615584

DISCIPLINA:DIFICULDADES E DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM PROFESSOR(A):Deise Mª M. Barnabé E-MAIL:deisemmb@gmail.com CELULAR:(47)99615584 DISCIPLINA:DIFICULDADES E DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM PROFESSOR(A):Deise Mª M. Barnabé E-MAIL:deisemmb@gmail.com CELULAR:(47)99615584 A criança hiperativa e os problemas escolares O TDAH Transtorno de déficit

Leia mais

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO *

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS: CONTRIBUINDO PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO * COSTA, Marcia de Souza 1, PAES, Maria Helena Rodrigues 2 ; Palavras-chave: Pré-vestibular

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Aprovação:

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ TÍTULO: PREVALÊNCIA DE DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADO AO TRABALHO EM CIRURGIÕES-DENTISTAS ATUANTES NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Mau desempenho escolar

Mau desempenho escolar Mau desempenho escolar Dra Juliana Gurgel Giannetti Neuropediatra Professora Associada do Depto. de Pediatria - UFMG Coordenadora da Residência de Neuropediatria do Hospital das Clínicas / UFMG Mau desempenho

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 600h (sendo 150h para estágio)

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/FAPEMIG/FUCAMP 2015/2016 Edital Nº 01/2015 - Convocação de Projetos de Pesquisa para Bolsas de Iniciação Científica O Núcleo de

Leia mais

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA PELA EQUIPE PIBID DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MASSAN, C. A.¹; SILVA, J. M.¹; MARINHO, B. P.¹; BRIGANTI, S.¹; FONSECA, C. A.¹; MORETTI, A. R.¹; MARINHO, F.

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Adriano Marum Rômulo 2014 Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Agenda I. Introdução II. Referencial Teórico III.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CAMPUS IRECÊ DEPARTAMENTO DE ENSINO COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CAMPUS IRECÊ DEPARTAMENTO DE ENSINO COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CAMPUS IRECÊ DEPARTAMENTO DE ENSINO COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA PROGRAMA DE MONITORIA DOS CURSOS INTEGRADOS, SUBSEQUENTES

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ACONSELHAMENTO GENÉTICO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CURSO DE FISIOTERAPIA

ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CURSO DE FISIOTERAPIA ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE ENSINO FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CURSO DE FISIOTERAPIA NORMAS GERAIS PARA REALIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Conforme decisão do colegiado do Curso

Leia mais

CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SESC 2015 VERTENTES PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SESC 2015 VERTENTES PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CONGRESSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA SESC 2015 VERTENTES PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL O Sesc Unidade Barra Mansa, torna público o Edital referente ao Congresso de Educação Física Sesc 2015,

Leia mais

Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL

Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL Opinião N15 ANÁLISE DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS COTISTAS DOS CURSOS DE MEDICINA E DIREITO NO BRASIL MÁRCIA MARQUES DE CARVALHO 1 E GRAZIELE DOS SANTOS CERQUEIRA 2 As políticas de ação afirmativa no acesso

Leia mais

Apresentação. Prezado aluno,

Apresentação. Prezado aluno, A Faculdade São Judas Tadeu tem como missão promover a emancipação do indivíduo através da educação, compreendida pelo desenvolvimento do conhecimento, atitudes e valores e respeito à dignidade humana.

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM As dificuldades podem advir de fatores orgânicos ou emocionais. É importante descobri-las a fim de auxiliar o aluno no processo educativo. Além disso, é essencial que todos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga A Direção Geral do campus Itapetininga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), torna

Leia mais

Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação UTFPR, campus Pato Branco

Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação UTFPR, campus Pato Branco Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Engenharia de Computação Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º Dê-se ciência aos interessados e a quem de direito para que a presente produza seus efeitos. Publique-se.

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º Dê-se ciência aos interessados e a quem de direito para que a presente produza seus efeitos. Publique-se. RESOLUÇÃO CONSEACC/BP 27/2011 APROVA O REGULAMENTO DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTERTEC, DO CAMPUS BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

Leia mais

NORMAS PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC1 e TCC2)

NORMAS PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC1 e TCC2) ANEXO V NORMAS PARA OS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC1 e TCC2) DEFINIÇÃO E OBJETIVOS O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se numa atividade curricular, de caráter individual e de natureza

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE DE ESTUDOS Art. 1º O aproveitamento de estudos é o resultado do reconhecimento da equivalência de uma ou mais disciplinas, componente(s)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO MOTOR Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2

Discentes do curso de psicologia,centro Universitário de Maringá (CESUMAR), Maringá - Pr- Brasil, umbelinajusto@wnet.com.br 2 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SINTOMAS DE TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE A UTILIZAÇÃO DE METILFENIDATO NA

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

MÉTODO DAS BOQUINHAS

MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS ALFABETIZAÇÃO FONOVISUOARTICULATÓRIA Refletir sobre a educação e sobre novas formas de encarar a aprendizagem tem se tornado constante, principalmente em relação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MULTIUNIDADES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UNICAMP EDITAL 02/2015 Curso de Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática Esse Edital refere-se ao Curso de Doutorado em

Leia mais

Regulamento TCC do curso de Relações Públicas 2014

Regulamento TCC do curso de Relações Públicas 2014 Regulamento TCC do curso de Relações Públicas 2014 O TCC do curso de Relações Públicas das Faculdades Integradas do Brasil tem dois formatos a ser escolhido pelo aluno: monografia, realizada individualmente,

Leia mais

REGULAMENTO 09 a 12 de Setembro de 2015

REGULAMENTO 09 a 12 de Setembro de 2015 REGULAMENTO 09 a 12 de Setembro de 2015 OBJETIVOS Incentivar os alunos da Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio e Tecnológico a desenvolver projetos, utilizando o método científico como um

Leia mais

Curso de Especialização EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

Curso de Especialização EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL Curso de Especialização EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação Gestão Educacional NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Administração

Leia mais

UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO

UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO UMA VISÃO CLÍNICA DO TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO COM HIPERATIVIDADE NA CRIANÇA: REVISÃO Érika Cristina Moreno 2 ; Priscila Medeiros Araújo 2 ; Romilda Ferreira de Sousa Oliveira 2 ; Rosivânia Barbosa

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Ciências Biológicas Corpo Administrativo Centro Universitário Newton Paiva Presidente do Grupo Splice Antônio Roberto Beldi Reitor Luis Carlos de Souza

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIES INICIAIS SÃO FRANCISCO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIES INICIAIS SÃO FRANCISCO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIES INICIAIS SÃO FRANCISCO ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO: Propõe-se um recorte na demanda, definindo-se como clientela prioritária

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

Art. 1- Da definição do selo educacional:

Art. 1- Da definição do selo educacional: Instrução Normativa ABRAFIT I.N.A. 01/2014 Art. 1 Da definição do selo educacional: Esta Instrução Normativa tem como objetivo determinar eventos, ações e projetos educacionais e científicos que solicitem

Leia mais

EDITAL DE LEVANTAMENTO DE DEMANDA PARA CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO EM TECNOLOGIA NUCLEAR IPEN/IFRO EDITAL Nº 6/IFRO/2015

EDITAL DE LEVANTAMENTO DE DEMANDA PARA CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO EM TECNOLOGIA NUCLEAR IPEN/IFRO EDITAL Nº 6/IFRO/2015 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU TECNOLOGIA NUCLEAR EDITAL

Leia mais

Critérios para a concessão de diárias a servidores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas em eventos e cursos de capacitação

Critérios para a concessão de diárias a servidores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas em eventos e cursos de capacitação 1 Critérios para a concessão de diárias a servidores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas em eventos e cursos de capacitação OBJETIVO O presente documento visa regulamentar a participação de servidores

Leia mais

EDITAL SRInter nº 02/2015 PROGRAMA ESCALA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE UNIVERSIDADES GRUPO MONTEVIDÉU - AUGM 2º PERÍODO LETIVO DE 2015

EDITAL SRInter nº 02/2015 PROGRAMA ESCALA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE UNIVERSIDADES GRUPO MONTEVIDÉU - AUGM 2º PERÍODO LETIVO DE 2015 1. Objetivos: EDITAL SRInter nº 02/2015 PROGRAMA ESCALA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE UNIVERSIDADES GRUPO MONTEVIDÉU - AUGM 2º PERÍODO LETIVO DE 2015 1.1. Contribuir para o desenvolvimento de uma

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALTERAÇÕES NA LDB E REGULAMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Encontro Nacional da Uncme Outubro/2013 (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil

Leia mais

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS VERSÃO PRELIMINAR PME / 2015 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1. BASE LEGAL 2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS 2.1. FLORIANÓPOLIS ASPECTOS HISTÓRICOS, GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS 2.2. EDUCAÇÃO

Leia mais

Fundamentos Teóricos e Práticos. com TDAH e Dislexia

Fundamentos Teóricos e Práticos. com TDAH e Dislexia Fundamentos Teóricos e Práticos no Processo Educativo do Aluno com TDAH e Dislexia Transtornos do Desenvolvimento da Leitura e da Escrita DISLEXIA Aparecimento dos primeiros relatos Crianças com inteligência

Leia mais

Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos

Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos Alexandra Sevinate Pontes fevereiro 2012 Proposta de adaptação dos Indicadores de Desempenho ao Ensino a Distância

Leia mais

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Denise Espíndola ANTUNES; Luciane Ribeiro de Rezende Sucasas da COSTA; Cristiana

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares.

PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. PEDAGOGIA HOSPITALAR: as politícas públicas que norteiam à implementação das classes hospitalares. Marianna Salgado Cavalcante de Vasconcelos mary_mscv16@hotmail.com Jadiel Djone Alves da Silva jadieldjone@hotmail.com

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

EDITAL SRInter nº 11/2015 PROGRAMA ESCALA de ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE UNIVERSIDADES GRUPO MONTEVIDÉU - AUGM 1º PERÍODO LETIVO DE 2016

EDITAL SRInter nº 11/2015 PROGRAMA ESCALA de ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE UNIVERSIDADES GRUPO MONTEVIDÉU - AUGM 1º PERÍODO LETIVO DE 2016 1. Objetivos: EDITAL SRInter nº 11/2015 PROGRAMA ESCALA de ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE UNIVERSIDADES GRUPO MONTEVIDÉU - AUGM 1º PERÍODO LETIVO DE 2016 1.1. Contribuir para o desenvolvimento de

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - FAINTVISA NÚCLEO DE PESQUISA - NUPEQ EDITAL Nº 01/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - FAINTVISA NÚCLEO DE PESQUISA - NUPEQ EDITAL Nº 01/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADES INTEGRADAS DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - FAINTVISA NÚCLEO DE PESQUISA - NUPEQ EDITAL Nº 01/2014 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1 - APRESENTAÇÃO As Faculdades Integradas da Vitória

Leia mais

2ª, 3ª, 5ª e 6ª feira, das 8h às 16h, na Secretaria Escolar (Não há

2ª, 3ª, 5ª e 6ª feira, das 8h às 16h, na Secretaria Escolar (Não há 1. Horário de atendimento para inscrição: 2ª, 3ª, 5ª e 6ª feira, das 8h às 16h, na Secretaria Escolar (Não há expediente na 4ª feira). 2. Documentos necessários: Cópia da certidão de nascimento. Declaração

Leia mais

Palavras-chave: Medicalização da educação, Fracasso escolar e Problemas de Aprendizagem.

Palavras-chave: Medicalização da educação, Fracasso escolar e Problemas de Aprendizagem. A MEDICALIZAÇÃO DO FRACASSO ESCOLAR EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE VITÓRIA-ES Elizabete Bassani UFES Mirela Santos Bleidão UFES Resumo Esta pesquisa documental teve como objetivo

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional

Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional A Capes abrirá, nos próximos dias, uma chamada para proposição de cursos de Mestrado Profissional, em várias áreas do conhecimento. Os requisitos

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BASES DA MEDICINA INTEGRATIVA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC EDITAL N. º 01/2014 Convocação de Projetos de Pesquisa para Programa de Iniciação Científica Unitri A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão (PPPGE) torna público o presente Edital de âmbito

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO Núcleo de Avaliação da Unidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO Núcleo de Avaliação da Unidade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO Núcleo de Avaliação da Unidade RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIDADE FABICO 2014 Membros Geraldo Ribas

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS E CURSO TECNOLÓGICO Índice Introdução... 3 Português...

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais